Você está na página 1de 21

TECNOLOGIA LEVE NA PRÁTICA ASSISTENCIAL: uma proposta para o Processo de

Enfermagem

LIGHT TECHNOLOGY IN ASSISTANCE PRACTICE: a proposal for the Nursing Process

TECNOLOGÍA LEVE EN LA PRÁCTICA ASISTENCIAL: una propuesta para el Proceso de


Enfermería

Valdir Soares da Costa Neto1


Elielza Guerreiro Menezes2

1Acadêmico do Curso Graduação em Enfermagem do Centro de Estudos Superiores de Parintins –


Universidade do Estado do Amazonas. Parintins-AM, Brasil.
2Mestre em Enfermagem. Docente Assistente na Universidade do Estado do Amazonas. Manaus-AM,

Brasil.
Autor correspondente: Valdir Soares da Costa Neto. E-mail: valdirscn@gmail.com
Título: TECNOLOGIA LEVE NA PRÁTICA ASSISTENCIAL: uma proposta para o Processo de
Enfermagem
Indicação da categoria do artigo: Pesquisa
Formatado parcialmente para submissão à Revista Brasileira de Enfermagem – REBEN
2

RESUMO
Objetivo: Desenvolver uma tecnologia-leve para a prática assistencial do enfermeiro. Método:
Estudo exploratório-metodológico, de abordagem qualitativa. Realizado em três fases: exploração da
realidade, revisão da literatura e construção da tecnologia, desenvolvido por meio da aplicação de um
formulário semiestruturado com 14 enfermeiros do Hospital Jofre Cohen em Parintins, Brasil.
Utilizou-se a análise de conteúdo de Bardin no tratamento dos dados. Resultados: Constataram, entre
impactos positivos, a construção de uma tecnologia-leve com 40 diagnósticos de enfermagem
propostos pela North American Nursing Diagnosis Association (NANDA) e 200 intervenções de
enfermagem conforme a Nursing Interventions Classification (NIC). Como aspectos negativos,
sinalizaram o desconhecimento dos enfermeiros em relação a aplicação do Processo de Enfermagem
na prática clínica. Conclusão: Torna-se necessário operacionalizar o Processo de Enfermagem,
embora a tecnologia-leve seja um instrumento facilitador, a sua efetividade dependerá da
responsabilidade profissional, da gestão de qualidade e de cuidados e do desenvolvimento de
aprendizagens pelo enfermeiro.
Descritores: Enfermagem. Cuidado de Enfermagem. Tecnologia. Processo de Enfermagem

ABSTRACT
Objective: To develop a light technology for nursing care practice. Method: Exploratory-
methodological study, with a qualitative approach. It was carried out in three phases: exploration of
reality, literature review and construction of the technology, developed through the application of a
semistructured form with 14 nurses of the Jofre Cohen Hospital in Parintins, Brazil. Bardin content
analysis was used in the data treatment. Results: Among the positive impacts were the construction
of a light technology with 40 nursing diagnoses proposed by the North American Nursing Diagnosis
Association (NANDA) and 200 nursing interventions according to the Nursing Interventions
Classification (NIC). As negative aspects, they indicated the lack of knowledge of nurses regarding
the application of the nursing process in clinical practice. Conclusion: it becomes necessary to
operationalize the nursing process, although light technology is a facilitating tool, its effectiveness
will depend directly on professional responsability, quality management and care, and the
development of learnig by nurse.
Keywords: Nursing. Nursing Care. Technology. Nursing Process
3

RESUMEN
Objetivo: Desarrollar una tecnología ligera para la práctica asistencial del enfermero. Método:
Estudio exploratorio-metodológico, de abordaje cualitativo. Realizado en tres fases: explotación de
la realidade, revisión de la literatura y construcción de la tecnología, desarrollado por medio de la
aplicación de un formulario semiestructurado con 14 enfermeros del Hospital Jofre Cohen en
Parintins, Brasil. Se utilizó el análisis de contenido de Bardin en el tratamiento de los datos.
Resultados: Constataron, entre impactos positivos la construcción de una tecnología ligera con 40
diagnósticos de enfermería propuesto por la North American Nursing Diagnosis Association
(NANDA), y 200 intervenciones de enfermería según la Nursing Interventions Classification (NIC).
Como aspectos negativos, señalaron el desconocimiento de los enfermeros en relación a la aplicación
del proceso de enfermería en la práctica clínica. Conclusión: se hace necesario operacionalizar el
proceso de enfermería, aunque la tecnología ligera sea un instrumento facilitador, su efectividad
dependerá directamente de la responsabilidade professional, de la gestión de calidady de cuidados y
del desarrollo de aprendizajes por el enfermero.
Descriptores: Enfermería. Cuidado de enfermería. Tecnología. Proceso de Enfermería
4

INTRODUÇÃO
Tecnologia, no entendimento mais comum, remete ao avanço das máquinas ou equipamentos,
até mesmo quando se fala em saúde. Quando falamos em tecnologias em saúde, temos a classificação
de tecnologia leve, leve-dura e dura. A tecnologia dura é representada por equipamentos tecnológicos,
máquinas, normas e estruturas organizadas, um sabe-fazer sistematizado. Leve-dura pelo
conhecimento dos saberes estruturados como o saber sobre o cuidado do enfermeiro, a clínica do
médico. Por fim, a tecnologia leve, sendo a tecnologia das relações, o processo de comunicação, um
saber o modo de pensar e como atuar de forma organizada sobre os casos de saúde(1,2).
A utilização da tecnologia-leve pelo enfermeiro na prática assistencial para o cuidado de
enfermagem, obtém resultados significativos, uma vez que haverá inter-relação no encontro paciente-
profissional por meio da comunicação, escuta, o interesse, a construção de vínculos e de confiança(3),
sendo as esferas vínculo e acolhimento as atividades mais executadas pelos enfermeiros (4).
O cuidado de enfermagem realizado por meio do Processo de Enfermagem (PE) direciona-se
para a recuperação e o bem-estar do indivíduo e encontra-se fundamentado em conhecimentos
científicos e na autonomia profissional, sendo possível a sua execução por uma tecnologia que possa
qualificar o cuidado prestado ao paciente(5).
Ainda, o PE é definido como “a dinâmica das ações sistematizadas e inter-relacionadas,
visando a assistência ao ser humano”(6) e é caracterizado pela relação entre suas etapas, as quais são
distribuídas em cinco, sendo, respectivamente, a investigação, o diagnóstico de enfermagem,
planejamento, implementação da assistência de enfermagem e avaliação(7).
Urge, nesses aspectos, as exigências das instituições que visam utilizar ao máximo seus
recursos, reduzir custos como tempo necessário para a realização do Processo de Enfermagem, gastos
aleatórios de materiais e elevar a qualidade da assistência prestada, tornando-se cada vez mais
indispensável sistematizar a prática clínica e para que ocorra isso ocorra é necessário a elaboração de
um instrumento, seja em forma de impresso ou de software, que favoreça a realização do cuidado,
abrangendo as cinco etapas do Processo de Enfermagem(8).
Ao aplicar o PE na prática profissional se faz necessária sua fundamentação alinhada a teoria
específica e do conhecimento de todos os membros da equipe, uma vez que os modelos teóricos têm
uma contribuição importantíssima na prática assistencial de enfermagem(9).
Assim, a enfermagem requer uma busca científica para avaliação crítica de evidências
encontradas por meio das habilidades técnicas do enfermeiro durante a execução do PE culminando
na utilização de Práticas Baseadas em Evidências, onde se busca a aplicação de pesquisas científicas
baseadas em evidências relevantes para então, serem tomadas decisões na prática clínica(10).

Atualmente, a enfermagem tem se firmado cada vez mais como ciência, principalmente na
busca para aprimorar a prática do cuidado nos atendimentos prestados. Essa necessidade de
5
representação e classificação da base do conhecimento continua sendo uma questão associada a
profissão. Pensando em facilitar o serviço, surgiram as Classificações de Enfermagem em três
importantes ligações que são os diagnósticos de enfermagem desenvolvidos pelo North American
Nursing Diagnosis Association (NANDA), as intervenções de enfermagem encontradas através do
Nursing Interventions Classification (NIC) e os resultados de enfermagem através do Nursing
Outcomes Classification (NOC), mais utilizadas a nível nacional(11).
O uso de termos de classificações padronizadas para os registros de enfermagem na prática
hospitalar nos domínios de diagnósticos, resultados e intervenções de enfermagem permite a
comunicação simplificada e a continuidade da assistência unificando conhecimentos teórico-
científicos e práticos da profissão(12).
Nesse contexto, o desafio de utilizar a tecnologia nos cuidados de enfermagem tem o objetivo
de contribuir na prática clínica como importante fonte para o conhecimento específico da profissão,
facilitando o ensino, a pesquisa e a emancipação do cliente no plano terapêutico, principalmente no
desenvolvimento do Processo de Enfermagem que oportuniza um guia para planejamento, seleção e
implementação dos cuidados.
A relevância desta pesquisa está em revelar os benefícios a serem alcançados por meio do
Processo de Enfermagem, principalmente a qualidade do cuidado ao cliente, a família e a
comunidade. Além disso, o estudo poderá contribuir para que seja implantado e implementado na
prática assistencial.
Portanto, a problemática tem como enfoque principal estes questionamentos: O uso de uma
tecnologia-leve pode contribuir com o PE na prática assistencial? Esta pergunta abre um leque de
possíveis respostas, havendo, assim, a necessidade de delimitar algumas inquietações a serem
respondidos pelos profissionais durante a pesquisa: Qual o motivo para que a implementação do PE
não ocorra na pratica assistencial? Qual a percepção do enfermeiro em relação à aplicabilidade do PE
na prática assistencial?
Diante das considerações expostas, o estudo teve por objetivo desenvolver uma tecnologia-
leve para a prática assistencial do enfermeiro, justificando-se pela facilidade em prestar uma
assistência segura para o paciente e que esteja ao alcance dos profissionais que atuam na prática
hospitalar.

SUSTENTAÇÃO TEÓRICA
Tecnologias do cuidado em enfermagem
As tecnologias vêm ganhando espaço na área da saúde, assim como vários sentidos a partir
do emprego da palavra e a enfermagem segue atuando para o melhor conhecimento acerca do assunto,
não deixando de lado a compreensão dos demais conceitos já criados sobre tecnologias em saúde. Os
6
enfermeiros continuam a procura pelo melhor entendimento e tornam-se visíveis os estudos de
elaboração de instrumentos para um propósito específico para alcançar a excelência do cuidado(13).
As tecnologias do cuidado dividem-se em três tipos, as leves, leves e duras e as duras. Possuem
conceitos diferentes, porém, elas envolvem todos aspectos do cuidado propiciando a melhora da
assistência prestada. Existe ainda a necessidade de instrumentos sistematizados que direcionem o
trabalho da enfermagem e tornem eficaz o cuidado prestado(14).
A tecnologia leve, “corresponde aos aspectos éticos, humanos, morais, sociais, contextuais e
familiares” por isso, há a necessidade de que os enfermeiros utilizem essa tecnologia do cuidado com
intuito a atender as necessidades humanas de cada indivíduo de forma individual e integral, pois eles
atuam com o paciente beira leito e possuem um contato maior com os seus familiares(15).

O Processo de Enfermagem e a teoria das Necessidades Humanas Básicas de Wanda Horta


A partir das evoluções ocorridas na história da enfermagem, foi preciso que a assistência
prestada ao cliente fosse realizada de forma organizada, tornando-a mais científica. O Processo de
Enfermagem foi tomado como a ferramenta necessária para que se atendessem as exigências acerca
do indivíduo, sendo “o método de solução dos problemas do paciente” (16).
Desde sua origem, o PE recebe definição de acordo com o autor que o refere, podendo ou não
ser adotado como sinônimo, até mesmo da Sistematização da Assistência de Enfermagem. O PE é
tomado como “um instrumento para guiar decisões clínicas do enfermeiro”(17).
Processo de enfermagem, metodologia da assistência e a própria sistematização da
assistência ora apresentam-se como sinônimos e ora apresentam-se como diferentes
definições. Diante dessa perspectiva considera-se que os termos têm significados distintos.
Pode-se considerar que a SAE situa-se em uma esfera institucional, na qual a visão de
organização das atividades de enfermagem interfere diretamente na implantação e
implementação do processo de enfermagem, e por assim dizer na metodologia subsidiada
em uma teoria de enfermagem a ser utilizada na prática(18:203).

Embasando-se nos autores acima, o PE e SAE são distintos, onde o PE é tomado como um
método para a implantação de uma teoria de enfermagem na prática profissional para desenvolver
ações sistematizadas por meio da inter-relação de suas etapas, que tendem à assistência ao ser
humano, e a Sistematização, um instrumento metodológico que garante segurança, qualidade na
assistência e autonomia da enfermagem, ou seja, organiza e qualifica o trabalho do enfermeiro (16).
Considerando o conceito de Florence Nightingale, a enfermagem exige conhecimentos
distintos aqueles da medicina, dando autonomia para a profissão. Na busca pela autonomia
profissional, surgem nos anos de 1960, as teorias de enfermagem publicadas por enfermeiras norte-
americanas(8,19).
O esforço no sentido dessas construções teóricas se origina na busca por uma autonomia
profissional, decorrente do estabelecimento da especificidade do saber de enfermagem,
evidenciada por um corpo de conhecimentos próprios que confeririam à enfermagem um
estatuto de ciência(19:536).
7
Nesse contexto, no Brasil houve uma importante contribuição de uma enfermeira brasileira
para o Processo de Enfermagem, Wanda de Aguiar Horta desenvolveu em seu livro “Processo de
Enfermagem”(6) a teoria das Necessidades Humanas Básicas, fundamentada na teoria da Motivação
Humana de Maslow. Foi a primeira brasileira a fundamentar teoricamente o PE quanto sua
aplicabilidade na prática, o que resultou na sua influência sobre o trabalho da enfermagem desde
então(19-20).
As necessidades apresentadas pelos pacientes são identificadas pelos enfermeiros a partir
da coleta de dados. Em um processo de raciocínio clínico, necessidades são identificadas a
partir da interpretação e agrupamento dos dados coletados, sendo formulados diagnósticos
de enfermagem, para os quais propostas de solução são estabelecidas(21:1103).

A operacionalização do Processo de Enfermagem se dá por meio de suas etapas que são


descritas conforme o autor e, mesmo sobre as divergências entre suas etapas, é possível a observação
da semelhança quanto à sequência em que ocorrem, segundo os autores:

É notório que as etapas existentes no processo de enfermagem divergem entre autores;


contudo, é possível identificar semelhança na estrutura sequencial entre elas como a coleta
de dados, a análise, o julgamento clínico, o planejamento da ação, a intervenção e a
avaliação dos resultados(22:168).

A investigação é o início do processo, a elaboração do histórico de enfermagem com


informações coletadas através da anamnese e exame físico. A segunda etapa é o diagnóstico de
enfermagem onde o enfermeiro identifica as necessidades humanas afetadas, embasando-se na
taxonomia utilizada, priorizando-as conforme o grau de ameaça à saúde do cliente. O planejamento
é o plano assistencial de enfermagem, sistematizado, que o cliente recebe de acordo com os
diagnósticos de enfermagem já estabelecidos. A implementação da assistência de enfermagem é a
etapa onde se executa as ações e cuidados do plano assistencial. Por fim, a quinta e última etapa, a
avaliação ou evolução realizada através do acompanhamento das respostas do cliente em relação aos
cuidados prescritos e implementados(6-7).

A Sistematização da Assistência de Enfermagem no Brasil


A partir da regulamentação do exercício da enfermagem por meio da Lei 7.498 de 25 de junho
de 1986, que se tornaram atividades privativas do enfermeiro, em todo o território brasileiro, a
consulta de enfermagem, assim como “o planejamento, organização, coordenação, execução e
avaliação dos serviços da assistência de enfermagem”(23).
A Sistematização da Assistência de Enfermagem é regulamentada e obrigatória em todas as
instituições de saúde no Brasil conforme resolução do COFEN. Preconiza-se, por meio da Resolução
358/2009 a sistematização da assistência de enfermagem para a implantação e implementação do
processo de enfermagem, seja em ambientes públicos ou privados. Em virtude disso, considera-se a
SAE como método de organização do trabalho do enfermeiro, tornando viável a realização do PE(5).
8
Para que se alcancem metas desejadas na prática assistencial, faz-se necessário a
sistematização das etapas do Processo de Enfermagem por meio da SAE, sendo ela quem direciona a
assistência de forma a atender as necessidades de cada indivíduo através de medidas fundamentadas
em modelos teóricos aplicados a prática(24).
Sob essa ótica, sistematizar a assistência de enfermagem operacionaliza o Processo de
Enfermagem, busca atender as necessidades humanas básicas do cliente de forma individual e
específica.

MÉTODO

Tipo de pesquisa

Estudo exploratório-metodológico, de abordagem qualitativa, a qual se preocupa com foco no


desenvolvimento, avaliação e aperfeiçoamento de instrumentos e de estratégias metodológicas (25). Já
a abordagem qualitativa tem como atribuição a qualidade da alta validade dos dados coletados, trata
de procedimentos ajustáveis, buscando propositalmente intencional os indivíduos que vivenciam o
problema em questão para amostragem e trata de um número pequeno de sujeitos da pesquisa, ou
seja, poucos são os sujeitos da amostra do estudo(26).

Cenário do estudo

A pesquisa foi desenvolvida em uma instituição de referência ambulatorial e emergencial no


município de Parintins, o Hospital Regional Dr. Jofre de Matos Cohen e dispõe de 81 (oitenta e um)
leitos, responsável em atender a população de oito comunidades ribeirinhas e também populações
indígenas, o que justifica a escolha como cenário do estudo.

Coleta e organização dos dados

A coleta de dados foi realizada por meio de formulário semiestruturado durante o período de
abril a julho de 2017. Utilizou-se um roteiro com perguntas abertas e fechadas. As perguntas fechadas
intencionavam a caracterização dos enfermeiros, e as abertas, atenderam aos objetivos da pesquisa.

Fases do estudo
Realizado em três fases: exploração da realidade, revisão de literatura e construção da
tecnologia.

A primeira fase foi um estudo exploratório com 14 enfermeiros, que trabalhavam nas clínicas
médicas e cirúrgicas, selecionados pelos seguintes critérios de inclusão: enfermeiros efetivos e que
aceitavam participar da pesquisa por meio do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).
9
Foram excluídos aqueles que estivessem em regime de voluntariado e licença médica. Utilizou-se os
seguintes questionamentos: O Processo de Enfermagem é praticado na assistência aos pacientes
internados nesta Instituição? Quais são as etapas do Processo de Enfermagem que mais você utiliza?
Qual sua maior dificuldade em aplicar o Processo de Enfermagem? O Processo de Enfermagem
contribui para a assistência ao paciente. Por quê? Se tivesse um instrumento para realizar o Processo
de Enfermagem durante a prática assistencial, você utilizaria?
A segunda fase, foi a busca em literatura, livros, revistas e artigos, em idiomas português,
espanhol e inglês, e anais eletrônicos de congressos e fóruns de enfermagem, que discorressem sobre
as evidências clínicas que poderiam emergir no contexto de internação hospitalar e a partir desses
elementos, constituir o escopo da tecnologia proposta. Os diagnósticos de enfermagem e as
intervenções, foram interpretados a partir de características definidoras e situações iminentes de
vulnerabilidade pautados na taxonomia NANDA-I e NIC. A taxonomia NOC não fez parte da
tecnologia por exceder o limite de espaços proposto no projeto. É uma etapa que será explorada no
próximo estudo.
Na terceira fase, os materiais pesquisados foram desenvolvidos e organizados a partir das
Necessidades Humanas Básicas afetadas pautados na teoria de Wanda Horta, levando-se em conta o
perfil da clientela e a realidade regional.

Análise de dados
Posteriormente, iniciou-se a leitura do material para exploração do conteúdo, tratamento e
interpretação dos resultados obtidos, procedeu-se à análise de conteúdo proposta por Bardin(27), cujo
conteúdo final foi agrupado por similaridade temática, resultando na identificação de três categorias.
I) “Conhecimento e percepção sobre Sistematização da Assistência e Processo de Enfermagem”; II)
“fatores relacionados que implicam na implementação do Processo de Enfermagem”; III) “Proposta
de uma tecnologia para o Processo de Enfermagem”.

Aspectos éticos
O presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética, e todos os participantes assinaram o
Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Protocolo 65319717.5.0000.5016 e parecer 1.970.872.
Os enfermeiros participantes do estudo receberam o codinome “ENF” (ENF 01, ENF 02) como
garantia do sigilo das respostas.
10

RESULTADOS
Caracterização do público alvo da pesquisa
Participaram do estudo 14 enfermeiros, 12 do sexo feminino e 2 do sexo masculino, 36% são
especialistas e 64% possuem somente a graduação, sendo a especialização a maior titulação entre os
enfermeiros e 64% são formados há menos de 6 anos. Desses, apenas 2 desenvolvem o Processo de
Enfermagem de forma aleatória.
A análise descritiva permitiu a identificação de três categorias temáticas descrita da seguinte
forma:
Conhecimento e percepção sobre Processo de Enfermagem e Sistematização da Assistência de
Enfermagem
Sobre ter conhecimento sobre os temas Sistematização e Processo de Enfermagem, a maior
parte dos participantes, respondeu que conhece ambos os temas, quanto a menor, somente o Processo.
Pode-se entender sobre a implementação do PE e suas etapas na instituição e a contribuição da
implantação da SAE para assistir os pacientes: “O PE é o principal instrumento para a equipe de
enfermagem se embasar a respeito do paciente [...]” (ENF 06). “A SAE é muito importante [...] a
falta da evolução de Enfermagem nos prontuários do profissional enfermeiro, é gritante [...]” (ENF
08).
A SAE e seus resultados para a prática do enfermeiro são percebidos como melhorias: “SAE
é importantíssima: agiliza, organiza, respalda o enfermeiro; qualidade à assistência; melhoria em
tudo p/ uma unidade hospitalar” (ENF 10).
A maior parte dos enfermeiros não implementa o Processo de Enfermagem na assistência aos
pacientes internos na instituição, entretanto, outros o executam ao assistir o paciente, mas não em
consonância com a teoria, deixando de trabalhar suas cinco etapas. A etapa mais realizada do PE no
hospital é a avaliação de enfermagem, escolhida pela maioria dos participantes. Histórico,
diagnóstico, prescrição de enfermagem e planejamento dos resultados esperados são pouco utilizados
quando há a realização do processo.

Alguns enfermeiros optaram pela descrição da contribuição da Sistematização da Assistência


de Enfermagem como a melhora do cuidado aos clientes, família e comunidade, sendo a
sistematização um método de planejamento e intervenção: “A SAE que veio para a melhoria do plano
de trabalho [...] para melhoria do plano de cuidados com pacientes” (ENF 07).

Fatores relacionados que implicam na implementação da Sistematização da Assistência de


Enfermagem
Os enfermeiros falaram sobre a realização do Processo de Enfermagem na prática assistencial,
dificuldades na sua implementação e existência de formulários para os registros de enfermagem no
11
setor. A ausência da realização do Processo de Enfermagem na prática advém da escassez da mão de
obra: “Atualmente estou fora da assistência direta [...], mas a falta de recursos humanos na unidade
inviabiliza a aplicação da SAE, uma vez que 1 enfermeiro fica responsável por 3 clínicas” (ENF 08).
Alguns enfermeiros consideram que não há realização do Processo de Enfermagem por falta
de apoio da gestão: “Como não é instituído, falta toda uma logística [...] e apoio da gestão para
garantir a continuidade e eficiência do processo” (ENF 01). “[...] falta de interesse dos
administradores [...] pelo fato de não ser protocolo da instituição” (ENF 07).
Quando questionados sobre a maior dificuldade em sistematizar a assistência de enfermagem
foram elencadas as seguintes: ausência da implantação da Sistematização e do Processo de
Enfermagem, ausência de instrumento, ausência de logística, tempo, falha na comunicação, mão de
obra reduzida, iniciativa do enfermeiro e da gestão. “As dificuldades são poucas, o processo que não
é implementado dentro da unidade” (ENF 03). “Falta de instrumento e profissionais suficientes”
(ENF 05). “Tempo disponível e continuidade da sistematização por parte dos demais colegas” (ENF
04).
Destaca-se a falta de formulários sistematizados para a implementação do Processo de
Enfermagem na instituição. Isso se dá em consequência da falta de interesse da gestão em implantar
a Sistematização da Assistência de Enfermagem na unidade: "Não existe protocolos de sistematização
da Ass. de enfermagem em vigor nesta unidade” (ENF 04). “Falta de instrumento [...] não
disponibilizado pela gestão” (ENF 05).
Por outro lado, outra causa da não realização do Processo na prática é a mão de obra reduzida
e falta de tempo: “A SAE não é aplicada, uma vez que o número de enfermeiros é insuficiente para
isso” (ENF 08).

Atuação dos enfermeiros frente a uma tecnologia para o Processo de Enfermagem

Os enfermeiros foram inânimes em relatar a importância da criação de uma tecnologia ou


instrumento para a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação de suas etapas.
A maioria dos participantes disse sim, quando questionados se realizariam o Processo de Enfermagem
se existisse um instrumento na unidade, entretanto, a prática só será realizada se houver mão de obra
suficiente para a demanda dos pacientes: “Depende, se eu fosse enfermeira de só 1 clínica, sim. Mas
com 3 clínicas, não” (ENF 08).
A percepção dos enfermeiros quanto a importância de sistematizar a assistência torna
imprescindível o uso de um instrumento para a execução do PE na prática: “A elaboração de um
instrumento seria altamente benéfica para os cuidados prestados ao paciente” (ENF 05). “A
implantação da SAE seria de suma importância para a unidade, visto que até o presente momento
não é executada por falta de instrumento” (ENF 02).
12
Há também a necessidade de educar continuamente os enfermeiros para o manuseio do
instrumento: “Que implemente essa prática na unidade [...] com capacitações e supervisão” (ENF
09).
Para o modelo de tecnologia a ser desenvolvido para a prática assistencial dos enfermeiros
foram listadas as seguintes opções: instrumento para escrever, digitar, check-list, check-list com
espaço para escrever e check-list com espaço para digitar. O interesse por um check-list com espaço
para escrever foi o mais aceito pelos enfermeiros, seguido de check-list com espaço para digitação:
“[...] continuo com o mesmo pensamento, check-list com espaço para escrever pela demanda ser
extensa” (ENF 11).
Se eles pudessem construir um instrumento para a implementação na prática, o fariam com
todas as etapas do Processo de Enfermagem, todavia, a implementação da sistematização não depende
somente de uso de um instrumento: “[...] enquanto os recursos humanos forem escassos, fica inviável
p/ apenas 1 enfermeiro aplicar a 20 ou mais pacientes, como tem ocorrido” (ENF 08).

A implementação da SAE, não depende apenas da existência de um formulário, check-list,


existe toda uma logística que vai desde a demanda de mão de obra, até a iniciativa do
enfermeiro e apoio da gestão p/ garantir a continuidade e eficiência do processo (ENF
01).

Após a análise dos dados, foi finalizada etapa da criação da tecnologia-leve proposta pelo
estudo, gerando um total de 40 Diagnósticos de Enfermagem levantados na taxonomia NANDA-I e
200 Intervenções de Enfermagem baseados na NIC que faz a nomeação e descreve intervenções
executadas na prática clínica em resposta a um Diagnóstico de Enfermagem. Para cada diagnóstico
foram selecionadas cinco intervenções a critério de prioridade das Necessidades Humanas Básicas
pautado na Teoria de Wanda Aguiar Horta, o que possibilitou identificar os diagnósticos relacionados
a prática clínica hospitalar (quadro 1).

DISCUSSÃO
O conhecimento que os participantes da pesquisa têm em relação ao Processo de Enfermagem
é unânime, porém ainda se desconhece a Sistematização da Assistência de Enfermagem por uma
pequena parte dos enfermeiros da unidade. Entretanto, Processo de Enfermagem e Sistematização da
Assistência de Enfermagem são tratados como métodos importantes para a assistência,
imprescindíveis para a organização da prática do enfermeiro(28).
A autonomia do enfermeiro na prática é adquirida por meio da Sistematização da Assistência
de Enfermagem, pois a sua operacionalização possibilita planejar e direcionar as ações da equipe,
organizar e registrar dados, permitindo avaliar e documentar o atendimento realizado(29-31). Outro
estudo revela que, mesmo o COFEN(5) preconizando a implantação e implementação da
Sistematização da Assistência, a prática não é desenvolvida pelos enfermeiros(32).
13
Quadro 1. Tecnologia leve para o Processo de Enfermagem baseado na teoria das Necessidades
Humanas Básicas.
PROCESSO DE ENFERMAGEM – HOSPITAL REGIONAL DR. JOFRE COHEN
IDENTIFICAÇÃO DO USUÁRIO
NOME: __________________________________________ IDADE: _______Sexo: M F REGISTRO: ________________________ DIH: _____/___/_______
D. MÉDICO: _____________________________________ ENFERMARIA: _____________________________________ LEITO: ______ DATA: _____/___/_____

SINAIS VITAIS
TAx:____°C PA:______x______mmHg P:_______bat/min FC:______bpm FR:_______ipm Peso:______kg Altura:______cm IMC:_____________
Sensibilidade à dor: Ausência de dor Dor Expressão verbal de dor Expressão facial de dor Expressão comportamental de dor.
Intensidade da dor: 1-3 4-6 7-10 Local: ______________________Tipo: _______________________________Frequência: _____________________________

HISTÓRICO DE ENFERMAGEM
Motivo da internação atual:______________________________ Doenças pré-existentes: Sim Não Qual:________________________________________ Fatores
de risco: Sim Não Qual: _____________________________________Antecedentes familiares: HAS DM Cardiopatias Neoplasia
Medicamentos em uso: Sim Não Qual:__________________________ Alergoses: Sim Não Qual(is):_______________________ Sono/repouso: ____h/noite.
Hábitos alimentares: Frutas Verduras Carne vermelha Aves/peixes. Atividade física: Sim Não Atividade sexual: Satisfatória Não satisfatória
Comunicação: Adequada Dificuldade na comunicação Contato visual: Sim Não _______________________ Interação social/ambiente: Adequada
Dificuldade p/ fazer amigos Dificuldade de adaptação a lugares e pessoas Vive: Sozinho Família Amigos Sentimentos/comportamento: Calmo Angústia
Agitação Agressividade Ansiedade Choro Medo. Conhece seu problema de saúde: Sim Não. Religião: Sim Não Qual:____________________________
REGULAÇÃO NEUROLÓGICA
Percepção dos órgãos dos sentidos – Sensibilidade térmica: Preservada
Alterada Ausente Auditiva: Preservada Diminuída Surdez Zumbido
Nível de consciência: Uso de aparelho auditivo Otorreia Otorragia Dor Gustativa: Capacidade de
Pupilas: -Fotorreagentes distinguir sabores: Sim Não Tátil: Preservada Alterada Ausente
Visual: Preservada Diminuída Miopia D E Diplopia Exoftalmia
Enoftalmia Nistagmo Olfativa: Sem anormalidades Presença de sonda
Epistaxe Secreções Desvio de septo
OXIGENAÇÃO REGULAÇÃO VASCULAR
Mucosas: Normocoradas Hipocoradas Enchimento capilar: Regular até 2
segundos Irregular > de 2 seg Palpitações Parestesia Dor precordial
Venti Ausculta: MV: Anasarca Taquicardia Cianose Dor torácica Estase venosa
Tórax: Deformidade torácica: Ausculta: BCNF2T Sons anormais: Sopros Arritmias: FA TV FV
Não BAV Acesso venoso: Periférico Central Flebotomia
Diminuída Características: ______________________________________________________
HIDRATAÇÃO ALIMENTAÇÃO
Nutrição: Adequada Desnutrido Emagrecido Obeso Abdome: Plano
Globoso Flácido Ascítico RHA: Presente Ausente Diminuído
Aumentado Rígido Indolor Dor à palpação Hepato/esplenomegalia
Hidratação: Hidratado Desidratado Turgor Preservado Diminuído
Dieta: Oral Suspensa Aceitação: Sim Não Motivo:___________________
Mucosas: Úmidas Ressecadas
NPT:___ml/h NE:___ml/h Ostomia:_____ml/h Sonda Tipo: SNG SOG
Restrição Hídrica: Sim Não
SNE Gastrostomia Jejusnostomia Náusea Vômito Drenagem gástrica:
Presença de edema: Sim Não Localizado: ___________________ _____ /4+
Quantidade:___________ Característica:___________________________
Drenos: Local________________________________________________º dia.
Características da drenagem:____________________________________________
ELIMINAÇÃO ATIVIDADE FÍSICA
Prática de exercícios e atividades físicas: Não Sim
Urinária: Espontânea Retenção Incotinência SVD
MMSS: Sensibilidade e forca motora preservada: Sim Não Dor Edema:
Caraterísticas:___________________________________º dia Volume:_______ml
MSD MSE __/4+. Lesões Fraturas Paresia Plegia Hemiparesia
Oligúria Anúria Poliúria Polaciúria Disúria Hematúria Piúria Colúria
Acesso venoso: MSD MSE MID MIE
Tenesmo Características:_____________________________________________
MMII: Sensibilidade e forca motora preservada: Sim Não Dor Edema:
Intestinal: Regular Constipação Incontinência Ileostomia Colostomia
MID MIE __/4+. Acesso venoso: MID MIE
Flatulência Tenesmo Laxante Fralda Outros: _______________________
Uso de equipamento: Não Sim Qual: _________________________________

DIAGNÓSTICOS E INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM


Padrão respiratório ineficaz – NHB: Oxigenação Troca de gases prejudicada – NHB: Oxigenação

2,FC, FR e nível de consciência)


O2 suplementar

ns respiratórios (presença de ruídos adventícios)


Ventilação espontânea prejudicada – NHB: Oxigenação Intolerância à atividade – NHB: Oxigenação

do ocorrência de dispneia
o crepitações, sibilos e roncos
Avaliar exames laboratoriais com ênfase no Ht/Hb
fisioterapeuta para realizar fisioterapia torácica
14

Desobstrução ineficaz das vias aéreas – NHB Oxigenação Débito cardíaco diminuído – NHB: Regulação Vascular

- periferia fechada e vasodilatação central)


os
uilíbrio acidobásico
cia, PA, pulso, temperatura FR ria e pegajosa para diagnóstico
Risco de função cardiovascular prejudicada – NHB: Regulação Vascular Risco de Debito cardíaco diminuído – NHB: Regulação Vascular

reas permeáveis o arterial

Nutrição desequilibrada: menor que as necessidades corporais – NHB: Nutrição Obesidade – NHB: Nutrição
Orientar quanto a ingesta fracionada
Supervisionar a aceitação da dieta, se houver recusa anotar o motivo
paciente a mastigar bem os alimentos

Risco de função hepática prejudicada – NHB: Nutrição/metabolismo Risco de glicemia instável – NHB: Nutrição/metabolismo

onfusão, irritabilidade e tremores) e


administrar glicose hipertônica 50% in bolus tal como prescrito
bilirrubinas; hipoglicemia; baixa concentração de albumina etc)

dos membros.
Volume de líquidos deficiente – NHB: Eliminação Risco de desequilíbrio eletrolítico – NHB: Eliminação

uidos ricos

(sangramento, vômito, diarreia) - 2.3 kg.


Eliminação urinária prejudicada – NHB: Eliminação Diarreia – NHB: Eliminação
Estimular o reflexo de eliminação urinária com o uso compressa supra-púbicas litos.
Observar características das evacuações (aspecto de fezes, frequência)

o
Constipação – NHB: Eliminação Volume de líquidos excessivos – NHB: Eliminação

ente e a família sobre dieta com elevado teor de fibras


Perfusão tissular periférica ineficaz – NHB: Regulação Vascular Recuperação cirúrgica retardada – NHB: Integridade Física

irurgia (sangramento, deiscência e evisceração)


a ingestão hídrica
hiperemia aumentados, drenagem aumentada ou purulenta)
frequência respiratória e nível de consciência
midade da pele lizar curativo com técnica asséptica
Risco de lesão – NHB: Integridade Física Risco de infecção – NHB: Integridade Física

sintomas de infecção
antes quanto à lavagem das mãos exógenas
ealizar palpação de linfonodos es e após contato
com o cliente
Risco de sangramento – NHB: Integridade Física Risco de choque – NHB: Integridade Física
Identificar a causa desencadeante da hemorragia Aplicar pressão no local do sangramento
Investigar o aparecimento de petéquias na pele
Monitorar os exames laboratoriais
Monitorar os sinais vitais
Utilizar dispositivo para acesso periférico (com o calibre das veias)
Deambulação prejudicada – NHB: Atividade Física Mobilidade física prejudicada NHB: Atividade Física
do paciente para transferir-se
-lo levantar sozinho
diariamente a existência de sinais de complicações causadas pela
ante a auxiliar a deambulação, usando o corpo como muleta imobilidade (pneumonia, úlceras por pressão)
humana
15
Risco de queda – NHB: Atividade Física Dor aguda – NHB: Sono e Repouso
ão de queda
ortável

Intolerância à atividade – NHB: Atividade Física Comunicação verbal prejudicada – NHB: Comunicação
Avaliar a condição fisiológica do paciente quanto a deficiências Usar comportamento não verbal para facilitar a comunicação
Determinar qual é a atividade indicada para aumentar a resistência física Encarar o paciente diretamente para descobrir o significado do comportamento
Estimular a deambulação independente dentro dos limites seguros Simplificar a linguagem, conforme apropriado
Monitorar a resposta cardiorrespiratória à atividade Monitorar processos cognitivos, anatômicos e fisiológicos associados a fala
Orientar ao paciente sobre a postura correta para prevenir fadiga Ajustar o estilo de comunicação para atender as necessidades do cliente
Padrão do sono prejudicado – NHB: Sono e Repouso Náusea – NHB: Sono e Repouso
ausa do padrão do sono alterado te de eliminação próximo ao cliente.
o dos medicamentos sobre o sono ausam ou potencializam a náusea
-las ou saná-las
s que possam influenciar o sono
ver higiene oral frequentemente
Ansiedade – NHB: Sono e Repouso Mucosa oral prejudicada – NBH: Integridade Cutaneomucosa

esíduos
dentários e creme dental com pH neutro.
nóstico e tratamento

Integridade da pele prejudicada NBH: Integridade Cutaneomucosa Integridade tissular prejudicada – NBH: Integridade Cutaneomucosa
Manter a higiene da pele
Realizar curativo em úlcera sacral com SF 0,9% e AGE
Avaliar características de lesões na pele
pele com compressas umedecidas

nutricional
hidratação da pele

Risco de integridade da pele prejudicada – NHB: Integridade Cutaneomucosa Hipertermia – NHB: Regulação Térmica

idratação da pele. Realizar banho de aspersão com água à temperatura ambiente de 15 minutos
e a evitar água quente no banho
inistrar o antitérmico
Termorregulação ineficaz – NHB: Regulação Térmica Risco de desequilíbrio na temperatura corporal – NHB: Regulação Térmica
-nascido
Iniciar e manter um monitoramento contínuo da temperatura corporal
Administrar medidas para aquecer o paciente
Monitorar e relatar sinais e sintomas de hipotermia e hipertermia
registrar frequência e ritmos cardíacos, pressão arterial e frequência
Monitorar sinais de infecções
respiratória pelo menos a cada quatro horas
Monitorar complicações e sinais e sintomas que causem febre

AVALIAÇÃO DE ENFERMAGEM

______________________________________________ DATA: ___/___/_____


LEGENDA: (I) INALTERADO / (M) MELHORADO / (C) CURADO / (P) PIORADO
ENFERMEIRO/ COREN
16
No cotidiano da prática da enfermagem, não ocorre a operacionalização do Processo de
Enfermagem, mesmo os profissionais percebendo sua importância para a assistência ou, quando é
aplicado, não se obedece suas cinco etapas, realizado de forma incompleta, dificultando a organização
do trabalho e a assistência ao paciente(33). Eles percebem que a Sistematização da Assistência de
Enfermagem é um método de aprofundar os conhecimentos trazendo a autonomia e visibilidade do
trabalho do enfermeiro(24).
Existem dificuldades que impedem a implantação e implementação da SAE na unidade
hospitalar, entre elas estão os fatores tempo e sobrecarga de trabalho por uma demanda alta do número
de paciente assistidos por um número reduzido de enfermeiros(34), além da falta de apoio da
instituição prejudica o desempenho dos enfermeiros durante suas atividades, propiciando ao trabalho
fundamentado no modelo biomédico(35).
A mensuração da contribuição do Processo de Enfermagem para o trabalho da equipe torna-
se difícil, isso se dá pela sua baixa adesão da Sistematização da Assistência de Enfermagem nas
instituições. A operacionalização do Processo de Enfermagem é possível por meio da sistematização
de suas etapas, a fim de torná-las sucintas reduzindo-se assim seu tempo de aplicação, tendo em vista
uma melhor qualidade na assistência prestada ao paciente(34).
Para a garantia integral da implantação do Processo de Enfermagem na prática do enfermeiro
é necessária a utilização de “instrumentos”, sejam eles formulários impressos ou do tipo softwares,
pois eles auxiliam na coleta e nos registros de informações do paciente, abrangendo família e
comunidade(8). Porém, a elaboração de instrumentos impressos específicos para a operacionalização
do Processo de Enfermagem é considerada um dos desafios quando se fala em implantação da
Sistematização da Assistência de Enfermagem(28).

A construção de instrumentos que viabilizem as etapas do Processo de Enfermagem como a


coleta de dados, diagnósticos de enfermagem e intervenções que visem resolver os problemas
diagnósticos, permite que o enfermeiro faça o uso do raciocínio clínico durante a prática
assistencial(36).
A manifestação de desejos em ver o profissional enfermeiro mais ativo, realizando uma
assistência humanizada e de forma holística em sua prática cotidiana, acaba sendo velada em muitos
hospitais que ainda praticam a assistência fundamentada no modelo biomédico, propiciando a
desvalorização dos conhecimentos teóricos e científicos que o enfermeiro traz consigo(35). Contudo,
há vontade nos profissionais em mudar isso, porém a falta de mão de obra e a grande demanda de
pacientes não permite a aplicação da SAE na prática, sendo necessário o dimensionamento de pessoal,
adequando a quantidade de leitos ao número de enfermeiros(37).
A opção por um instrumento sistematizado em forma de check-list para aplicabilidade na
assistência, orienta o trabalho do enfermeiro frente a realização do Processo de Enfermagem
17
facilitando seu manuseio e implementação, permitindo a documentação de registros bem como o
plano de cuidados propostos para o paciente(38). Além do mais, o instrumento impresso que contém
espaços para o preenchimento manual de informações adicionais permeia o cuidado individualizado,
de modo a atender o paciente de forma integral(36).
Se faz necessário a capacitação da equipe de enfermagem por meio a metodologia proposta
pela Sistematização da Assistência de Enfermagem, além de supervisionar, rever e planejar recursos
humanos e materiais para que a prática seja implantada nos serviços de saúde(39-40). A participação da
equipe de enfermagem na construção de protocolos é tomada como medida para o fim de hábitos
rotineiros na atividade do enfermeiro, garantindo confiança ao cuidado prestado ao indivíduo. O
enfermeiro deve tomar frente da capacitação da sua equipe, o que melhora a qualidade técnico-
científico e a assistência ao paciente(41).

As respostas obtidas revelam o conhecimento e percepção sobre os temas SAE e PE, assim
como as dificuldades que os enfermeiros têm frente realização da Sistematização da Assistência de
Enfermagem e Processo de Enfermagem, dentre elas sobrecarga de trabalho, ausência de instrumento
e apoio da gestão da unidade.
Foi demonstrado o interesse dos profissionais em implantar o Processo de Enfermagem na
prática assistencial por meio de um instrumento estruturado, assim como a necessidade de capacitação
para sua utilização e aplicabilidade.

A limitação da pesquisa foi a validação da tecnologia que será executada em um próximo


estudo, com a participação de juízes-especialistas que irão contribuir na validação de conteúdo e
estrutura, a fim de atender as necessidades do Processo de Enfermagem.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A implantação da Sistematização da Assistência de Enfermagem na unidade hospitalar torna


possível a operacionalização do Processo de Enfermagem, bem como a melhora na qualidade da
assistência e valorização do enfermeiro. Os resultados desta pesquisa mostram que a elaboração de
uma tecnologia para o Processo de Enfermagem viabiliza a execução de suas etapas na prática
assistencial e que é necessário a capacitação da equipe frente a essa tecnologia.

O estudo possibilitou identificar que os enfermeiros da instituição possuem conhecimento


sobre o Processo de Enfermagem, porém ainda existe um déficit quanto ao conhecimento acerca da
Sistematização da Assistência de Enfermagem.

Acredita-se que os fatores que dificultam a implantação da Sistematização da Assistência de


Enfermagem e realização do Processo de Enfermagem são maiores àqueles que facilitam, entre eles
estão ausência de instrumentos ou formulários para os registros de enfermagem, gerando informações
18
ausentes no prontuário do paciente, a mão de obra reduzida e a falta de tempo que gera a sobrecarga
de trabalho e a falta de apoio ou interesse da gestão da unidade.
Contudo, embora a tecnologia leve seja um instrumento facilitador, a efetividade do Processo
de Enfermagem dependerá da responsabilidade profissional, da gestão de qualidade e de cuidados e
do desenvolvimento de aprendizagens pelo enfermeiro.
Diante disso, percebeu-se o interesse dos enfermeiros em desenvolver e aplicar o Processo de
Enfermagem e todas as etapas na prática por meio da criação da tecnologia-leve, gerando a
visibilidade da qualidade da assistência com qualidade e segurança para o enfermeiro, o cliente, a
família e a comunidade.
19

REFERÊNCIAS

1. Merhy EE. O ato de cuidar: a alma dos serviços de saúde. In: BRASIL. Ministério da Saúde.
Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na
Saúde. Ver – SUS Brasil: cadernos de textos. Brasília. Ministério da Saúde; 2004.

2. Merhy EE, Onoko HT. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: HUCITEC; 1997.

3. Merhy EE, Feuerwerker LCM. Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade
contemporânea. In: Mandarino Acs, Gomberg E. (org) Novas tecnologias e saúde. Salvador:
EdUFBa; 2009.

4. Marinho PML, Carvalho TA, Mattos MCT, Llapa-Rodríguez EO, Campos MPA. Prevalence of
the use of light technologies by the nursing staff of a state hospital. Rev Rene; 2017; 18(4): 445-52.

5. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução Cofen 358, de 15 de outubro de 2009. Dispõe


sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e implementação do Processo de
Enfermagem em ambientes públicos ou privados [Internet]. Brasília; 2009 Disponível em:
http://novo.portalcofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html. Acesso em 10 de abr de 2016.

6. Horta WA. Processo de enfermagem. São Paulo: EPU Editora Pedagógica Universitária; 2005.

7. Junior MGS, Gonçalves LHT, Oliveira MFV. Tannure MC, Gonçalves AMP. Sistematização da
Assistência de Enfermagem: guia prático. 2ªed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2010. Rev
Rene; 2014; 15(3): 554-6.

8. Tannure MC, Pinheiro AM. SAE: Sistematização da assistência de enfermagem: guia prático.
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2014.

9. Amante LN, Rosseto AP, Schneider DG. Sistematização da assistência de enfermagem em


unidade de terapia intensiva sustentada pela teoria de Wanda Horta. Rev Esc Enferm USP; 2009;
43(1): 54-64. Acesso em: 10 de abr de 2017.

10. Dell’acqua MCQ. In: Barros ALBL et al. Processo de enfermagem: guia para a prática /
Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. São Paulo: COREN-SP; 2015.

11. Kautz MLG et al. Using NANDA, NIC and NOC (NNN). Language for clinical reasoning with
the outcome-present State-Test (OPT) model. Internation Journal Nursing Terminologies
Classification. EUA, v. 17, n. 3, 2006. Disponível em: http://www.pubmed.com.br. Acesso
em:16/04/2017.

12. Garcia TR, Nóbrega MML. Processo de enfermagem: da teoria à prática assistencial e de
pesquisa. Esc Anna Nery Rev Enferm; 2009; 13(1): 188-193.

13. Silva RC, Ferreira MA. Tecnologia no cuidado de enfermagem: uma análise a partir do marco
conceitual da enfermagem fundamental. Rev Bras Enferm; 2014; 67(1): 111-8.

14. Cestari VRF, Sampaio LRL, Barbosa IV, Studart RMB, Moura BBF, Araújo ARC. Tecnologias
do cuidado utilizadas pela enfermagem na assistência ao paciente politraumatizado: revisão
integrativa. Cogitare Enferm; 2015; 20(4): 701-710.
20
15. Almeida Q, Fófano GA. Tecnologias leves aplicadas ao cuidado de enfermagem na unidade de
terapia intensiva: uma revisão de literatura. HU Revista; 2016. Juiz de Fora, v. 42, n. 3, p. 191-196.

16. Tannure MC, Pinheiro AM, Carvalho VD. In: Tannure MC, Pinheiro AM. SAE: Sistematização
da assistência de enfermagem: guia prático. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2014.

17. Guedes ES, Turrini RNT, Sousa RMC, Baltar VT, Cruz DALM. Atitudes dos profissionais de
enfermagem relacionadas ao processo de enfermagem. Rev Esc Enferm USP; 2012; 46(Esp): 130-7.
Acesso em: 15 de abr de 2016.

18. Amante LN, Anders JC, Meirelles BHS, Padilha MI, Kletemberg DF. A interface entre o ensino
do processo de enfermagem e sua aplicação na prática assistencial. Rev. Eletr. Enf. [Internet]; 2010;
12(1): 201-7. Available from: http://www.fen.ufg.br/revista/v12/n1/v12n1a24.htm. Acesso em: 10
de abr de 2016.

19. Lucena ICD, Barreira IA. Revista Enfermagem em novas dimensões: Wanda Horta e sua
contribuição para a construção de um novo saber da enfermagem (1975-1979). Texto Contexto
Enferm, Florianópolis; 2011; 20(3): 534-40.

20. Oliveira MAC. (Re)significando os projetos cuidativos da Enfermagem à luz das necessidades
em saúde da população. Rev Bras Enferm. Brasília; 2012; 65(3): 401-5.

21. Chianca TCM, Lima APS, Salgado PO. Diagnósticos de enfermagem identificados em
pacientes internados em unidade de terapia intensiva adulto. Rev Esc Enferm USP; 2012; 46(5):
1102-1108.

22. Souza MFG, Santos ADB, Monteiro AI. O processo de enfermagem na concepção de
profissionais de enfermagem de um hospital de ensino. Rev Bras Enferm, Brasília; 2013 mar-abr;
66(2): 167-73. Acesso em: 10 de abr de 2016.

23. BRASIL. Leis, Decretos etc. Lei 7498, de 26 de junho de 1986. Diário Oficial da União.
Brasília, 26/jun. Seção 1, p.9274.

24. Medeiros AL, Santos SR, Cabral RWL. Sistematização da assistência de enfermagem na
perspectiva dos enfermeiros: uma abordagem metodológica na teoria fundamentada. Rev Gaúcha
Enferm; 2012; 33(3): 174-181. Acesso em: 26 de abr de 2016.

25. Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação
e utilização. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

26. Turato ER. Métodos qualitativos e quantitativos em saúde: definições, diferenças e seus objetos
de pesquisa. Rev Saúde Pública; 2005; 39(3): 507-14.

27. Bardin L. Análise de conteúdo. Tradução de Luis Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa:
Edições 70; 2011.

28. Boaventura AP, Santos PA, Duran ECM. Conocimiento teórico-práctico del enfermero del
Proceso de Enfermería y Sistematización de Enfermería. Enfermería Global; 2017; 46: 182-93.

29. Neto JMR, Fontes WD, Nóbrega MML. Instrumento de coleta de dados de enfermagem em
Unidade de Terapia Intensiva Geral. Rev Bras Enferm, Brasília; 2013; 66(4): 535-42.
21
30. Andrade YNL, Menezes EG, Jardim MJA, Ribeiro JSST, Chaves RGR, Rolim ILTP.
Conhecimento de acadêmicos de enfermagem sobre o ensino-aprendizagem da Sistematização da
Assistência de Enfermagem. Rev Rene. 2016;17(5):602-9.

31. Silveira V, Silva KC, Hertel VL. Sistematização da assistência de enfermagem na saúde da
família: percepção dos acadêmicos de enfermagem. Rev enferm UFPE on line. Recife; 2016;
10(11): 3892-900.

32. Massaroli R, Martini JG, Massaroli A, Lazzari DD, Oliveira SN, Canever BP. Trabalho de
enfermagem em unidade de terapia intensiva e sua interface com a sistematização da assistência.
Escola Anna Nery Revista de Enfermagem; 2015; 19(2).

33. Nascimento LKAS, Medeiros ATN, Saldanha EA, Tourinho FSV, Santos VEP, Lira ALBC.
Sistematização da assistência de enfermagem a pacientes oncológicos: uma revisão integrativa da
literatura. Rev Gaúcha Enferm. Porto Alegre (RS); 2012; 33(1): 177-85.

34. Giehl CT, Costa AEK, Pissaia LF, Moreschi C. A equipe de enfermagem frente ao processo de
implantação da sistematização da assistência de enfermagem. Rev Enferm Atenção Saúde [Online];
2016; 5(2): 87-95.

35. Maria MA, Quadros FAA, Grassi MFO. Sistematização da assistência de enfermagem em
serviços de urgência e emergência: viabilidade de implantação. Rev Bras Enferm, Brasília; 2012;
65(2): 97-303.

36. Fialho FA, Dias IMÁV, Arreguy-Sena C, Alves MS. Instrumentos para o processo de
enfermagem do neonato pré-termo à luz da teoria de Dorothy Johnson. Rev Cuid; 2014; 5(1): 652-
60.

37. Soares MI, Resck ZMR, Terra FS, Camelo SHH. Sistematização da assistência de enfermagem:
facilidades e desafios. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem; 2015; 19(1).

38. Toledo VP, Motobu SN, Garcia APRF. Sistematização da assistência de enfermagem em
unidade de internação psiquiátrica. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador; 2015; v. 29, n. 2, p.
172-179.

39. Santos JÁ, Prado PR, Domingues TAM, Matheus MCC, Bettencourt ARC. Sistematização da
assistência de enfermagem na visão de enfermeiros. CuidArte Enfermagem; 2015; 9(2): 117-121.

40. Marinelli NP, Silva ARA, Silva DNO. Sistematização da assistência de enfermagem: desafios
para a implantação. Revista Enfermagem Contemporânea; 2015; 4(2): 254-263.

41. Mangilli DC, Assunção MT, Zanini MTB, Dagostin VS, Soratto MT. Atuação ética do enfermeiro
frente aos erros de medicação. Enferm. Foco; 2017; 8(1): 62-66.