o que é a mente

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

O Que é a Mente?
Mente, Cérebro e Cognição

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

O Que é a mente?
  De que forma a vida mental se relaciona com o mundo?   O que significa pensar?   Será que a mente é uma entidade física?

  A mente são CRENÇAS e QUALIA. Apercebimento (awarness) e consciência.

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

I. O que são crenças?
  As crenças são de natureza representativa e envolvem a dimensão psicológica/mental. São estados mentais com conteúdo, estados dirigidos (sobretudo, mas não apenas) para fora da mente;   Esta característica das crenças Intencionalidade (=aboutness), que mental por entre as coisas que existem; é a sua distingue o

  As crenças são atitudes proposicionais, permitemnos tomar uma proposição, como verdadeira. Algo em que, justificadamente se acredita;

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

  São pretensões de verdade (truth claims) e dão as razões para a acção: por exemplo, “se eu não creio que esta mão é minha não me servirei dela para escrever”. As crenças guiam as opções do agente cognitivo - sem elas jamais seria possível viver e agir.   Todavia, para as nossas crenças funcionarem, como crenças, não necessitam de ser explícitas ou justificadas. “Ter uma crença não é igual ao saber reflexivo de saber que se tem uma crença”;   Não são idênticas aos objectos “intencionados”, nem ao suporte físico no agente cognitivo (ex. cérebro). O pensamento que eu tenho de cadeira é acerca da cadeira, não é análogo à cadeira. Não se trata de identidade/posse dos objectos “exteriores”, mas de um interface entre o nosso mundo e o mundo exterior.

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

  Só tenho acesso à minha própria mente o que permite constatar a existência do pensamento e a minha natureza mental. Existe pensamento e esse pensamento é o meu pensamento. Tal como wittgenstein poderia dizer “ o meu mundo é o MEU mundo mas – estranhamente – o sujeito não pertence ao mundo”;   São estados a que temos acesso directo e privado mas não são incorrigíveis. Teríamos um acesso incorrigível se fosse totalmente impossível enganar-me acerca da existência ou da natureza das coisas pelo facto de ter acesso directo aos conteúdos mentais que são acerca dessas coisas.

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

De onde vem as nossas crenças?
FONTES DE CRENÇA: 1) Percepção (ex. vejo uma cadeira azul; rebuçado doce; a sala é fria, etc.) 2) Memória (fui a Roma; cortei o cabelo; recordo a matéria etc.) 3) Raciocínio (à priori; o móvel é mais alto que a cadeira, logo a cadeira é mais baixa, etc.) 4) Inteligência ou introspecção (imaginação; estou na praia, etc.) 5) Testemunho (intermediários, vi o arguido empurrar a vitima, etc.)

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

  PROBLEMA MENTE E MUNDO: Conhecimento do mundo para além das nossas mentes. De que forma a vida mental se relaciona com o mundo?   Embora as nossas crenças sejam na sua maioria acerca do mundo exterior, se pensarmos veremos que nós só temos acesso directo ao interior da nossa própria mente. “Como sabemos seja o que for?” (T. Nagel) “Se pensares nisso, verás que o interior da tua mente é a única coisa de que podes estar certo”

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

Isto significa que: i)  Apenas existem as minhas experiências; ii)  O que existe é de natureza mental; iii)  Conta com a existência de um mundo exterior.

MUNDO REAL EXTERIOR: fundamentar a crença na realidade do mundo exterior.   Se for possível argumentar plausivelmente que nada me parecia diferente se tudo existisse apenas na minha mente, então está dado um passo essencial para defender que a realidade é toda ela, ilusória, um sonho gigante. Supondo isto estamos a acreditar que numa outra perspectiva estará o verdadeiro ‘mundo real exterior’, o qual não temos acesso.

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

  PROBLEMA MENTE-CORPO   Contemporaneamente, a discussão deste problema parte do seguinte ponto: o que acontece na consciência depende do que acontece no corpo e nomeadamente no cérebro. Isto é tomado como certo.   A dúvida esta em saber se a mente consciente é o cérebro ou é diferente dele, pois o facto é que temos consciência do que acontece na mente mas não do que acontece no cérebro.   A questão não é agora a natureza última da realidade, mas a forma como a mente (a consciência) se relaciona com o mundo físico (considerando que ambos existem).

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

DUALISMO   Consciência e mundo físico são duas realidades inacreditavelmente diferentes. Os humanos são constituídos por essas duas naturezas distintas (´corpo` e ´alma`) e a sua vida mental passa-se na alma. Interioridade mental diferente de interioridade física. FISICALISMO   Tudo o que existe no mundo é de uma só natureza: Física. Todos os estados mentais também são físicos. TEORIA DO ASPECTO DUAL   A realidade é uma, mas tem propriedades mentais e propriedades físicas. A mente não pode ser ´reduzida` a uma realidade concebida como total exterioridade.

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

“O que é ser EU?” - Thomas Nagel = Realista   Nós e a nossa vida mental somos PARTE da realidade. A realidade não depende do facto de ser pensada, portanto, o mundo é independente das nossas mentes. (concebe que o mundo depende do pensamento).   É verdade que não é possível deixarmos inteiramente para trás o ponto de vista sem deixarmos de existir, (“não há view from nowhere”) mesmo perante o pensamento mais objectivo (não deixa de ser pensado pelo ser).

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

PROBLEMA DA IDENTIDADE: EU E OUTRAS MENTES (Nagel, Cap.III)   Há um tipo especial de Cepticismo – acerca das outras mentes – que continua a ser um problema, mesmo que se admita que a nossa mente é a única coisa que existe.   A ideia central do problema das outras mentes é que apenas num caso (o meu), tenho acesso directo à correlação entre corpo, comportamento e qualia. A crença na interioridade mental dos outros seres resulta sempre de uma inferência, nunca de um acesso directo.

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

Que razões têm para acreditar que os outros ser se sentem ser?   Só temo acesso ao interior físico do corpo do outro: observação de corpos; comportamentos; do interior anatómico, mas nunca à sua ‘interioridade mental’: não há acesso à experiência, pensamentos e sentimentos (tais como os meus).   Possibilidades cépticas quanto a outras mentes: os qualia só existem em primeira pessoa, são inacessíveis em terceira pessoa, o que coloca vários problemas (variações sobre outras mentes):

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

PROBLEMAS:   Problema do aspectro invertido: uma pessoa pode ter um comportamento absolutamente indistinguível de todas as outras pessoas, e ser totalmente despromovida de qualia, sem que se saiba.   Zombie: uma criatura sem consciência que se comporta de tal forma que é indistinguível de um ser consciente. (Descartes: animal-máquina capaz de movimentos complexos sem consciência)   Forma como atribuímos consciência a outros pontos do mundo [animais, plantas, máquinas]: Será   possível   que   haja  muito  menos  vida  consciente  do  que  se  supõe  (nenhuma   para  além  da  minha:  solipsismo)  ou  muita  mais  (até  nas  coisas   que  se  supões  serem  inconscientes:  pampsiquismo)?  

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

PROBLEMAS:   Pampsiquismo: a posição que sustenta que todas as partes da matéria implicam consciência ou a posição mais holista segundo a qual o mundo inteiro não é mais do que um reino infinito da vida mental, o que não de todo absurda.   Justificação psicológica acerca de “teoria da mente” (crenças à cerca da existência de crenças noutros seres)   Hipótese: Um módulo mental em cada um de nós, para atribuição de mente (se for assim, esta não é uma crença justificada, mas algo para que estamos biologicamente desenhados.

Psicologia  12º  Ano|    Antes  de  mim:  Cérebro  Joana  Inês  Pontes  

Realizado por:

Joana Inês Pontes

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful