Você está na página 1de 8

A infecção hospitalar

pode ser causada por diversos fatores:

Falta de lavação das mãos. Uso de antibióticos sem


Internação prolongada. controle rigoroso

Procedimentos de risco Baixa


realizados no hospital resistência

Infecção Hospitalar é aquela que a pessoa


pode desenvolver quando se interna em um hospital.
Pode se manifestar mesmo após a alta.
As bactérias e micróbios
se encontram:

No próprio Em materiais e
corpo do instrumentos
paciente; contaminados;

Nas mãos
dos pacientes e
dos profissionais
de saúde;
Na água e
nos alimentos
contaminados;

Pacientes internados no CTI, recém-nascidos


prematuros, idosos, diabéticos, portadores
de câncer, HIV soropositivos e aqueles
submetidos a procedimentos de risco,
estão mais sujeitos a adquirir infecção hospitalar.
Controle da
Infecção Hospitalar

O governo, através de técnicos da


Vigilância Sanitária, realiza vistorias nos
estabelecimentos de saúde, para verificação
das condições gerais de funcionamento, inclusive
se existe uma Comissão de Controle de
Infecção Hospitalar (CCIH) atuante.
Caso não esteja de acordo com as Normas
Sanitárias, o hospital não recebe a licença
de funcionamento (Alvará Sanitário).
Sem ela, o hospital estará funcionando
ilegalmente, podendo sofrer as
penalidades previstas em lei:
advertência, multa e fechamento.

Risco no Tratamento
Odontológico
Durante o atendimento odontológico, também
estamos sujeitos à infecção. O risco
pode ser diminuído com a correta
higienização das mãos dos profissionais,
limpeza e desinfecção do ambiente,
esterilização dos instrumentais,
uso de luvas e máscaras
descartáveis e outros cuidados.
Em caso de dúvida ou orientação
sobre infecção hospitalar, procure a
Comissão de Controle de Infecção
Hospitalar do Hospital. A infecção
hospitalar é grave, mas tem cura.
A infecção hospitalar pode
causar complicações mais sérias.
Recomendações
Não assente na
cama do paciente.
Não traga alimentos,
nem se alimente
das refeições do
paciente.

Não traga flores para


pacientes internados.
(elas podem transportar
bactérias e outros
microorganismos).

Evite levar
crianças ao hospital para
visitar pacientes.
Quando for indicado para
cirurgia ou estiver se
preparando para o parto,
nunca raspe os pêlos
em casa. Deixe para o
profissional do hospital.

Não visite paciente


internado quando estiver
com doença infecto-
contagiosa (exemplos:
resfriado, gripe, diarréia,
machucado com pus,
sarampo, catapora).

Lave as mãos com freqüência e de


acordo com as figuras abaixo.
Peça o mesmo aos profissionais
que vão cuidar de você.
Nunca tome remédio,
principalmente antibiótico,
sem receita médica.

Ao iniciar um tratamento
com antibiótico, nunca o
interrompa sem as
orientações de seu médico.

Não fume
nas dependências
do hospital.

Procure imediatamente
o seu médico ou algum
serviço de saúde caso apresente
febre ou outro sinal de infecção
após alta hospitalar.
(exemplos: pus em ferida
cirúrgica, calafrios, escarro
amarelado, dor ou sensibilidade,
vermelhidão ou calor local).

Pesquisa e texto: Enfermeiro Guilherme Augusto Arnond / Enfermeira Nádia Aparecida Campos Dutra
Dra. Adélia Marçal - CCIH/HC UFMG - Ilustrações e edição: Duplo Ofício Comunicação