Você está na página 1de 28

Guyton e Hall Textbook of Medical Physiology, 12ª Ed

Capítulo 73
Regulação da temperatura corporal e febre
Temperaturas normais do corpo
Temperatura corporal central e temperatura da pele

 A temperatura dos tecidos profundos do corpo - o


"núcleo" do corpo - permanece muito constante, dentro de ± 0 ° C (± 1 ° F),
exceto quando uma pessoa desenvolve uma doença febril. De fato, uma
pessoa nua pode ser exposta a temperaturas tão baixas quanto 55 ° F ou tão
altas quanto 130 ° F em ar seco e ainda manter uma temperatura central
quase constante. Os mecanismos para regular a temperatura corporal
representam um sistema de controle muito bem projetado. Neste capítulo,
discutimos esse sistema, uma vez que opera na saúde e nas doenças.
A temperatura da pele , em contraste com a temperatura central , aumenta e
diminui com a temperatura do ambiente. A temperatura da pele é importante
quando nos referimos à capacidade da pele de perder calor para o ambiente.
Temperatura normal do núcleo
Nenhuma temperatura de núcleo único pode ser considerada normal porque as
medições em muitas pessoas saudáveis mostraram uma faixa de temperaturas
normais medidas por via oral, como mostra a Figura 73-1 , de menos de 97 ° F
(36 ° C) a mais de 99,5 ° F (37,5 ° C). A temperatura média normal do núcleo
é geralmente considerada entre 98,0 ° e 98,6 ° F quando medida por via oral e
cerca de 1 ° F mais alta quando medida por via retal.
Figura 73-1 Faixa estimada de temperatura “central” do corpo em pessoas
normais.
(Redesenhado por DuBois EF: Febre. Springfield, III: Charles C. Thomas,
1948.)
A temperatura corporal aumenta durante o exercício e varia com os extremos
de temperatura do ambiente, porque os mecanismos de regulação da
temperatura não são perfeitos. Quando o calor excessivo é produzido no corpo
por meio de exercícios extenuantes, a temperatura pode subir
temporariamente para níveis tão altos quanto 101 ° F a 104 ° F. Por outro
lado, quando o corpo é exposto ao frio extremo, a temperatura pode cair
abaixo de 96 ° F.
A temperatura corporal é controlada equilibrando a produção de calor
e a perda de calor
Quando a taxa de produção de calor no corpo é maior que a taxa na qual o
calor está sendo perdido, o calor se acumula no corpo e a temperatura do
corpo aumenta. Por outro lado, quando a perda de calor é maior, o calor e a
temperatura do corpo diminuem. A maior parte do restante deste capítulo se
preocupa com esse equilíbrio entre produção e perda de calor e os mecanismos
pelos quais o corpo controla cada um deles.
Produção de calor
A produção de calor é o principal subproduto do metabolismo. No capítulo 72 ,
que resume a energia corporal, discutimos os diferentes fatores que
determinam a taxa de produção de calor, denominada taxa metabólica do
corpo . O mais importante desses fatores está listado novamente aqui: (1)
taxa basal de metabolismo de todas as células do corpo; (2) taxa extra de
metabolismo causada pela atividade muscular, incluindo contrações
musculares causadas por tremores; (3) metabolismo extra causado pelo efeito
da tiroxina (e, em menor grau, de outros hormônios, como hormônio do
crescimento e testosterona) nas células; (4) metabolismo extra causado pelo
efeito da epinefrina, noradrenalina e estimulação simpática nas células; (5)
metabolismo extra causado pelo aumento da atividade química nas próprias
células, especialmente quando a temperatura da célula aumenta; e (6)
metabolismo extra necessário para digestão, absorção e armazenamento de
alimentos (efeito termogênico dos alimentos).
Perda de calor
A maior parte do calor produzido no corpo é gerada nos órgãos profundos,
especialmente no fígado, cérebro e coração, e nos músculos esqueléticos
durante o exercício. Então esse calor é transferido dos órgãos e tecidos mais
profundos para a pele, onde é perdido para o ar e outros ambientes. Portanto,
a taxa na qual o calor é perdido é determinada quase inteiramente por dois
fatores: (1) a rapidez com que o calor pode ser conduzido de onde é produzido
no núcleo do corpo para a pele e (2) a rapidez com que o calor pode ser
transferido a pele para o ambiente. Vamos começar discutindo o sistema que
isola o núcleo da superfície da pele.
Sistema isolador do corpo
A pele, os tecidos subcutâneos e, especialmente, a gordura dos tecidos
subcutâneos atuam juntos como um isolador térmico para o corpo. A gordura é
importante porque conduz o calor apenas um terço tão rapidamente quanto os
outros tecidos. Quando nenhum sangue flui dos órgãos internos aquecidos
para a pele, as propriedades isolantes do corpo masculino normal são
aproximadamente iguais a três quartos das propriedades isolantes de uma
roupa comum. Nas mulheres, esse isolamento é ainda melhor.
O isolamento sob a pele é um meio eficaz de manter a temperatura interna
interna normal, embora permita que a temperatura da pele se aproxime da
temperatura do ambiente.
O fluxo sanguíneo para a pele a partir do núcleo do corpo fornece
transferência de calor
Os vasos sanguíneos são distribuídos profusamente sob a pele. Especialmente
importante é o plexo venoso contínuo, fornecido pela entrada de sangue dos
capilares da pele, mostrado na Figura 73-2 . Nas áreas mais expostas do corpo
- mãos, pés e ouvidos - o sangue também é fornecido ao plexo diretamente
das pequenas artérias através de anastomoses arteriovenosas altamente
musculares.
Figura 73-2 Circulação da pele.
A taxa de fluxo sanguíneo no plexo venoso da pele pode variar tremendamente
- de pouco acima de zero a 30% do débito cardíaco total. Uma alta taxa de
fluxo da pele faz com que o calor seja conduzido do núcleo do corpo para a
pele com grande eficiência, enquanto a redução na taxa de fluxo da pele pode
diminuir a condução de calor do núcleo para muito pouco.
A Figura 73-3 mostra quantitativamente o efeito da temperatura do ar
ambiente na condutância do calor do núcleo para a superfície da pele e, em
seguida, na condutividade no ar, demonstrando um aumento de
aproximadamente oito vezes na condutividade do calor entre o estado
totalmente vasoconstrito e o estado totalmente vasodilatado.

Figura 73-3 Efeito das mudanças na temperatura ambiental na condutividade


térmica do núcleo do corpo para a superfície da pele.
(Modificado de Benzinger TH: Fundamentos de calor e temperatura da
fisiologia médica. Nova York: Dowden, Hutchinson & Ross, 1980.)
Portanto, a pele é um sistema eficaz de "radiador de calor" controlado , e o
fluxo de sangue para a pele é um mecanismo mais eficaz para a transferência
de calor do núcleo do corpo para a pele.
Controle da condução de calor na pele pelo sistema nervoso simpático
A condução de calor na pele pelo sangue é controlada pelo grau de
vasoconstrição das arteríolas e pelas anastomoses arteriovenosas que
fornecem sangue ao plexo venoso da pele. Essa vasoconstrição é controlada
quase inteiramente pelo sistema nervoso simpático em resposta a mudanças
na temperatura central do corpo e mudanças na temperatura ambiental. Isso
será discutido mais adiante neste capítulo, em relação ao controle da
temperatura corporal pelo hipotálamo.
Física básica de como o calor é perdido da superfície da pele
Os vários métodos pelos quais o calor é perdido da pele para os arredores são
mostrados na Figura 73-4 . Eles incluem radiação, condução e evaporação ,
que são explicadas a seguir.

Figura 73-4 Mecanismos de perda de calor do corpo.


Radiação
Como mostra a Figura 73-4 , em uma pessoa nua sentada à temperatura
ambiente normal, cerca de 60% da perda total de calor é causada por
radiação.
Perda de calor por radiação significa perda na forma de raios infravermelhos,
um tipo de onda eletromagnética. A maioria dos raios de calor infravermelho
que irradiam do corpo têm comprimentos de onda de 5 a 20 micrômetros, 10 a
30 vezes o comprimento de onda dos raios de luz. Todos os objetos que não
estão na temperatura zero absoluta irradiam esses raios. O corpo humano
irradia raios de calor em todas as direções. Os raios de calor também estão
sendo irradiados das paredes dos quartos e outros objetos em direção ao
corpo. Se a temperatura do corpo é maior que a temperatura do ambiente,
uma quantidade maior de calor é irradiada do corpo do que é irradiada para o
corpo.
Condução
Conforme mostrado na Figura 73-4 , apenas pequenas quantidades de calor,
cerca de 3%, são normalmente perdidas do corpo por condução direta da
superfície do corpo para objetos sólidos , como uma cadeira ou uma cama. A
perda de calor por condução ao ar , no entanto, representa uma proporção
considerável da perda de calor do corpo (cerca de 15%), mesmo em condições
normais.
Recorde-se que o calor é realmente a energia cinética do movimento
molecular, e as moléculas da pele estão continuamente em movimento
vibratório. Grande parte da energia desse movimento pode ser transferida
para o ar se o ar estiver mais frio que a pele, aumentando assim a velocidade
do movimento das moléculas de ar. Quando a temperatura do ar adjacente à
pele é igual à temperatura da pele, não ocorre mais perda de calor dessa
maneira, porque agora uma quantidade igual de calor é conduzida do ar para o
corpo. Portanto, a condução do calor do corpo para o ar é autolimitada , a
menos que o ar aquecido se afaste da pele , para que o ar não aquecido seja
continuamente colocado em contato com a pele, um fenômeno
chamado convecção do ar .
Convecção
A remoção de calor do corpo por correntes de ar por convecção é comumente
chamada de perda de calor por convecção . Na verdade, o calor deve primeiro
ser conduzido ao ar e depois transportado pelas correntes de ar da convecção.
Uma pequena quantidade de convecção ocorre quase sempre ao redor do
corpo, devido à tendência do ar adjacente à pele subir à medida que se
aquece. Portanto, em uma pessoa nua sentada em uma sala confortável, sem
movimentos bruscos de ar, cerca de 15% de sua perda total de calor ocorre
por condução ao ar e, em seguida, por convecção de ar longe do corpo.
Efeito de resfriamento do vento
Quando o corpo é exposto ao vento, a camada de ar imediatamente adjacente
à pele é substituída por ar novo muito mais rapidamente do que o normal, e a
perda de calor por convecção aumenta em conformidade. O efeito de
resfriamento do vento em baixas velocidades é aproximadamente proporcional
à raiz quadrada da velocidade do vento . Por exemplo, um vento de 4 milhas
por hora é duas vezes mais eficaz para resfriar do que um vento de 1 milha
por hora.
Condução e Convecção de Calor de uma Pessoa Suspensa na Água
A água tem um calor específico vários milhares de vezes maior que o do ar, de
modo que cada porção unitária de água adjacente à pele pode absorver
quantidades muito maiores de calor do que o ar. Além disso, a condutividade
térmica na água é muito grande em comparação com a do
ar. Consequentemente, é impossível que o corpo aqueça uma fina camada de
água ao lado do corpo para formar uma “zona isoladora”, como ocorre no
ar. Portanto, a taxa de perda de calor na água é geralmente muitas vezes
maior que a taxa de perda de calor no ar.
Evaporação
Quando a água evapora da superfície do corpo, são perdidos 0,58 calorias
(quilocalorias) de calor por cada grama de água que evapora. Mesmo quando
uma pessoa não está suando, a água ainda evapora insensivelmente da pele e
dos pulmões a uma taxa de cerca de 600 a 700 ml / dia. Isso causa perda
contínua de calor a uma taxa de 16 a 19 calorias por hora. Esta evaporação
insensível através da pele e pulmões não pode ser controlada para fins de
regulação da temperatura, porque resulta da difusão contínua de moléculas de
água através da pele e das superfícies respiratórias. No entanto, a perda de
calor por evaporação do suor pode ser controlada através da regulação da taxa
de sudorese, que será discutida mais adiante neste capítulo.
A evaporação é um mecanismo de resfriamento necessário a
temperaturas muito altas do ar
Enquanto a temperatura da pele for superior à temperatura do ambiente, o
calor poderá ser perdido por radiação e condução. Mas quando a temperatura
do ambiente se torna maior que a da pele, em vez de perder calor, o corpo
ganha calor por radiação e condução. Sob essas condições, o único meio pelo
qual o corpo pode se livrar do calor é por evaporação .
Portanto, qualquer coisa que impeça a evaporação adequada quando a
temperatura ambiente for superior à temperatura da pele fará com que a
temperatura interna do corpo aumente. Ocorre ocasionalmente em seres
humanos que nascem com ausência congênita de glândulas sudoríparas. Essas
pessoas podem tolerar temperaturas frias tão bem quanto as pessoas normais,
mas provavelmente morrem de insolação em zonas tropicais porque, sem o
sistema de refrigeração por evaporação, não podem impedir o aumento da
temperatura corporal quando a temperatura do ar está acima da temperatura
corporal.
Efeito da roupa na perda de calor condutiva
A roupa retém o ar próximo à pele na trama do tecido, aumentando assim a
espessura da chamada zona privada de ar adjacente à pele e também
diminuindo o fluxo das correntes de ar de convecção. Consequentemente, a
taxa de perda de calor do corpo por condução e convecção é bastante
reduzida. Uma roupa comum diminui a taxa de perda de calor para cerca da
metade da do corpo nu, mas roupas do tipo ártico podem diminuir essa perda
de calor para menos de um sexto.
Cerca de metade do calor transmitido da pele para a roupa é irradiado para a
roupa em vez de ser conduzido pelo pequeno espaço intermediário. Portanto,
revestir o interior da roupa com uma fina camada de ouro, que reflete o calor
radiante de volta ao corpo, torna as propriedades isolantes da roupa muito
mais eficazes do que o contrário. Usando esta técnica, as roupas para uso no
Ártico podem diminuir em cerca de metade do peso.
A eficácia da roupa na manutenção da temperatura corporal é quase
completamente perdida quando a roupa fica molhada, porque a alta
condutividade da água aumenta a taxa de transmissão de calor através do
tecido em 20 vezes ou mais. Portanto, um dos fatores mais importantes para
proteger o corpo contra o frio nas regiões árticas é a extrema cautela contra
permitir que a roupa se molhe. De fato, é preciso ter cuidado para não ficar
superaquecido, mesmo que temporariamente, porque o suor nas roupas as
torna muito menos eficazes como isolante.
Sudorese e sua regulação pelo sistema nervoso autônomo
A estimulação da área anterior do hipotálamo-pré-ótica no cérebro,
eletricamente ou por excesso de calor, causa transpiração. Os impulsos
nervosos dessa área que causam sudorese são transmitidos nas vias
autonômicas para a medula espinhal e, em seguida, através da saída simpática
da pele em qualquer parte do corpo.
Deve-se lembrar da discussão do sistema nervoso autônomo no capítulo
60 que as glândulas sudoríparas são inervadas por fibras
nervosas colinérgicas (fibras que secretam acetilcolina, mas que correm nos
nervos simpáticos juntamente com as fibras adrenérgicas). Essas glândulas
também podem ser estimuladas em certa medida pela epinefrina ou
noradrenalina que circulam no sangue, mesmo que as próprias glândulas não
tenham inervação adrenérgica. Isso é importante durante o exercício, quando
esses hormônios são secretados pela medula adrenal e o corpo precisa perder
quantidades excessivas de calor produzido pelos músculos ativos.
Mecanismo de secreção de suor
Na Figura 73-5 , a glândula sudorípara é mostrada como uma estrutura tubular
que consiste em duas partes: (1) uma porção enrolada subdérmica profunda
que secreta o suor e (2) uma porção do ducto que passa para fora através da
derme e epiderme de a pele. Como acontece com muitas outras glândulas, a
porção secretora da glândula sudorípara secreta um fluido chamado secreção
primária ou secreção precursora ; as concentrações de constituintes no fluido
são modificadas à medida que o fluido flui através do duto.

Figura 73-5 Glândula sudorípara inervada por um nervo simpático secretor de


acetilcolina. Uma secreção primária livre de proteína é formada pela porção
glandular, mas a maioria dos eletrólitos é reabsorvida no ducto, deixando uma
secreção aquosa diluída.
A secreção precursora é um produto secretório ativo das células epiteliais que
revestem a porção enrolada da glândula sudorípara. As fibras nervosas
simpáticas colinérgicas que terminam nas células glandulares ou nas
proximidades provocam a secreção.
A composição da secreção precursora é semelhante à do plasma, exceto pelo
fato de não conter proteínas plasmáticas. A concentração de sódio é de cerca
de 142 mEq / L e a de cloreto é de cerca de 104 mEq / L, com concentrações
muito menores dos outros solutos do plasma. Como essa solução precursora
flui através da porção do ducto da glândula, é modificada pela reabsorção da
maioria dos íons sódio e cloreto. O grau dessa reabsorção depende da taxa de
transpiração, como segue.
Quando as glândulas sudoríparas são estimuladas apenas um pouco, o fluido
precursor passa lentamente pelo ducto. Nesse caso, essencialmente todos os
íons sódio e cloreto são reabsorvidos e a concentração de cada um cai para 5
mEq / L. Isso reduz a pressão osmótica do fluido de suor a um nível tão baixo
que a maior parte da água também é reabsorvida, o que concentra a maioria
dos outros constituintes. Portanto, a baixas taxas de transpiração,
componentes como uréia, ácido lático e íons potássio são geralmente muito
concentrados.
Por outro lado, quando as glândulas sudoríparas são fortemente estimuladas
pelo sistema nervoso simpático, formam-se grandes quantidades de secreção
precursora e o ducto pode reabsorver apenas um pouco mais da metade do
cloreto de sódio; as concentrações de íons sódio e cloreto são então (em uma
pessoa não climatizada ) um máximo de cerca de 50 a 60 mEq / L, pouco
menos da metade das concentrações no plasma. Além disso, o suor flui
através dos túbulos glandulares tão rapidamente que pouca água é
reabsorvida. Portanto, os outros constituintes dissolvidos do suor aumentam
moderadamente a concentração - a uréia é cerca do dobro da do plasma, o
ácido lático cerca de 4 vezes e o potássio cerca de 1,2 vezes.
Há uma perda significativa de cloreto de sódio no suor quando uma pessoa não
está acostumada ao calor. Há muito menos perda de eletrólitos, apesar do
aumento da capacidade de transpiração, uma vez que uma pessoa se aclimata,
como segue.
Aclimatação do mecanismo de transpiração ao calor - papel da
aldosterona
Embora uma pessoa normal e não climatizada raramente produza mais do que
1 litro de suor por hora, quando é exposta a um clima quente por 1 a 6
semanas, ela começa a suar mais profusamente, geralmente aumentando a
produção máxima de suor em até 2 a 3 l / hora. A evaporação de tanto suor
pode remover o calor do corpo a uma taxa superior a 10 vezes a taxa basal
normal de produção de calor. Este aumento da eficácia do mecanismo de
transpiração é causado por uma alteração nas próprias células das glândulas
sudoríparas para aumentar sua capacidade de transpiração.
Também associado à aclimatação está uma diminuição adicional na
concentração de cloreto de sódio no suor, o que permite uma conservação
progressivamente melhor do sal corporal. A maior parte desse efeito é causada
pelo aumento da secreção de aldosterona pelas glândulas adrenocorticais, que
resulta de uma leve diminuição na concentração de cloreto de sódio no líquido
extracelular e no plasma. Uma pessoa não climatizada que sue profusamente
freqüentemente perde de 15 a 30 gramas de sal por dia durante os primeiros
dias. Após 4 a 6 semanas de aclimatação, a perda é geralmente de 3 a 5 g /
dia.
Perda de Calor por Arfar
Muitos animais inferiores têm pouca capacidade de perder calor das superfícies
de seus corpos, por duas razões: (1) as superfícies são frequentemente
cobertas de pêlos e (2) a pele da maioria dos animais inferiores não é suprida
com glândulas sudoríparas, o que impede a maior parte da perda evaporativa
de calor da pele. Um mecanismo substituto, o mecanismo ofegante , é usado
por muitos animais inferiores como forma de dissipar o calor.
O fenômeno da respiração ofegante é "ativado" pelos centros
termorreguladores do cérebro. Ou seja, quando o sangue superaquece, o
hipotálamo inicia sinais neurogênicos para diminuir a temperatura do
corpo. Um desses sinais inicia ofegante. O processo ofegante real é controlado
por um centro ofegante associado ao centro respiratório pneumotáxico
localizado na ponte.
Quando um animal respira e respira rapidamente, grandes quantidades de ar
novo do exterior entram em contato com as partes superiores das passagens
respiratórias; isso esfria o sangue na mucosa da passagem respiratória como
resultado da evaporação da água das superfícies mucosas, especialmente a
evaporação da saliva da língua. No entanto, ofegar não aumenta a ventilação
alveolar mais do que o necessário para o controle adequado dos gases
sanguíneos, porque cada respiração é extremamente superficial; portanto, a
maior parte do ar que entra nos alvéolos é do espaço morto, principalmente da
traquéia e não da atmosfera.
Regulação da temperatura corporal - papel do hipotálamo
A Figura 73-6 mostra o que acontece com a temperatura do “núcleo” do corpo
de uma pessoa nua após algumas horas de exposição ao ar seco, variando de
30 ° a 160 ° F. As dimensões precisas dessa curva dependem do movimento
do vento no ar, da quantidade de umidade no ar e até da natureza do
ambiente. Em geral, uma pessoa nua no ar seco entre 55 ° e 130 ° F é capaz
de manter uma temperatura corporal normal em algum lugar entre 97 ° e 100
° F.
Figura 73-6 Efeito de temperaturas atmosféricas altas e baixas de várias horas
de duração, em condições secas, na temperatura “central” do corpo
interno. Observe que a temperatura corporal interna permanece estável,
apesar das grandes mudanças na temperatura atmosférica.
A temperatura do corpo é regulada quase inteiramente por mecanismos de
feedback nervoso, e quase todos eles operam através de centros de regulação
da temperatura localizados no hipotálamo . Para que esses mecanismos de
feedback funcionem, também deve haver detectores de temperatura para
determinar quando a temperatura do corpo se torna muito alta ou muito baixa.
Papel da área hipotalâmica-pré-óptica anterior na detecção
termostática de temperatura
Foram realizadas experiências nas quais pequenas áreas no cérebro de um
animal foram aquecidas ou resfriadas pelo uso de um termodo . Este pequeno
dispositivo em forma de agulha é aquecido por meios elétricos ou pela
passagem de água quente por ele ou é resfriado por água fria. As principais
áreas do cérebro em que o calor ou o frio de um termodo afeta o controle da
temperatura corporal são os núcleos pré-óptico e hipotalâmico anterior do
hipotálamo.
Usando o termodo, verificou-se que a área hipotalâmica-pré-óptica anterior
contém um grande número de neurônios sensíveis ao calor, bem como cerca
de um terço do número de neurônios sensíveis ao frio. Acredita-se que esses
neurônios funcionem como sensores de temperatura para controlar a
temperatura corporal. Os neurônios sensíveis ao calor aumentam sua taxa de
disparo de 2 a 10 vezes em resposta a um aumento de 10 ° C na temperatura
corporal. Os neurônios sensíveis ao frio, por outro lado, aumentam sua taxa de
disparo quando a temperatura do corpo cai.
Quando a área pré-óptica é aquecida, a pele em todo o corpo começa a suar
abundantemente, enquanto os vasos sanguíneos da pele em todo o corpo se
dilatam bastante. Esta é uma reação imediata para fazer com que o corpo
perca calor, ajudando assim a retornar a temperatura do corpo ao nível
normal. Além disso, qualquer produção excessiva de calor corporal é
inibida. Portanto, é claro que a área hipotálamo-pré-óptica tem a capacidade
de servir como um centro de controle de temperatura corporal termostático.
Detecção de temperatura por receptores na pele e tecidos corporais
profundos
Embora os sinais gerados pelos receptores de temperatura do hipotálamo
sejam extremamente poderosos no controle da temperatura corporal, os
receptores em outras partes do corpo desempenham papéis adicionais na
regulação da temperatura. Isto é especialmente verdadeiro para os receptores
de temperatura na pele e em alguns tecidos profundos específicos do corpo.
Recorde-se da discussão dos receptores sensoriais no capítulo 48 que a pele é
dotada de receptores de frio e calor . Há muito mais receptores frios do que
receptores de calor - na verdade, 10 vezes mais em muitas partes da
pele. Portanto, a detecção periférica de temperatura refere-se principalmente à
detecção de frio e frio em vez de temperaturas quentes.
Quando a pele é resfriada por todo o corpo, os efeitos reflexos imediatos são
invocados e começam a aumentar a temperatura do corpo de várias maneiras:
(1) fornecendo um forte estímulo para causar tremores, com um aumento
resultante na taxa de calor corporal. Produção; (2) inibindo o processo de
transpiração, se isso já estiver ocorrendo; e (3) promovendo a vasoconstrição
da pele para diminuir a perda de calor corporal da pele.
Os receptores profundos da temperatura corporal são encontrados
principalmente na medula espinhal , nas vísceras abdominais e dentro ou ao
redor das grandes veias do abdômen e do tórax. Esses receptores profundos
funcionam de maneira diferente dos receptores da pele porque são expostos à
temperatura central do corpo e não à temperatura da superfície corporal. No
entanto, como os receptores de temperatura da pele, eles detectam
principalmente frio e não calor. É provável que a pele e os receptores corporais
profundos estejam preocupados com a prevenção da hipotermia - ou seja, com
a baixa temperatura corporal.
O hipotálamo posterior integra os sinais sensoriais da temperatura
central e periférica
Embora muitos sinais sensoriais de temperatura surjam nos receptores
periféricos, esses sinais contribuem para o controle da temperatura corporal
principalmente através do hipotálamo. A área do hipotálamo que eles
estimulam está localizada bilateralmente no hipotálamo posterior,
aproximadamente ao nível dos corpos mamilares. Os sinais sensoriais de
temperatura da área hipotalâmica-pré-óptica anterior também são
transmitidos para essa área hipotalâmica posterior. Aqui, os sinais da área pré-
óptica e os sinais de outras partes do corpo são combinados e integrados para
controlar as reações de produção e conservação de calor do corpo.
Mecanismos efetores neuronais que diminuem ou aumentam a
temperatura corporal
Quando os centros de temperatura hipotalâmica detectam que a temperatura
do corpo está muito alta ou muito baixa, eles instituem procedimentos
adequados para diminuir ou aumentar a temperatura. O leitor provavelmente
está familiarizado com a maioria deles por experiência pessoal, mas os
recursos especiais são os seguintes.
Mecanismos que diminuem a temperatura quando o corpo está muito
quente
O sistema de controle de temperatura usa três mecanismos importantes para
reduzir o calor corporal quando a temperatura corporal se torna muito alta:
1. Vasodilatação dos vasos sanguíneos da pele . Em quase todas as áreas do
corpo, os vasos sanguíneos da pele ficam intensamente dilatados. Isso é
causado pela inibição dos centros simpáticos no hipotálamo posterior que
causam vasoconstrição. A vasodilatação total pode aumentar em oito vezes a
taxa de transferência de calor para a pele.
2. Suando . O efeito do aumento da temperatura corporal para causar
sudorese é demonstrado pela curva azul na Figura 73-7 , que mostra um
aumento acentuado na taxa de perda de calor por evaporação resultante da
transpiração quando a temperatura do corpo sobe acima do nível crítico de 37
° C (98,6 ° F). Um aumento adicional de 1 ° C na temperatura corporal causa
transpiração suficiente para remover 10 vezes a taxa basal de produção de
calor corporal.
3. Diminuição na produção de calor . Os mecanismos que causam excesso de
produção de calor, como tremores e termogênese química, são fortemente
inibidos.
Figura 73-7 Efeito da temperatura hipotalâmica na perda de calor por
evaporação do corpo e na produção de calor causada principalmente pela
atividade muscular e tremores. Esta figura demonstra o nível extremamente
crítico de temperatura no qual a perda de calor aumenta e a produção de calor
atinge um nível mínimo estável.
Mecanismos de aumento de temperatura quando o corpo está muito
frio
Quando o corpo está muito frio, o sistema de controle de temperatura institui
procedimentos exatamente opostos. Eles são:
1. Vasoconstrição da pele em todo o corpo . Isso é causado pela estimulação
dos centros simpáticos hipotalâmicos posteriores.
2. Piloereção . Piloereção significa cabelos "em pé". A estimulação simpática
faz com que os músculos pretor pili presos aos folículos capilares se contraiam,
o que leva os cabelos a uma posição ereta. Isso não é importante em seres
humanos, mas em animais inferiores, a projeção vertical dos pêlos permite que
eles prendam uma espessa camada de "ar isolante" ao lado da pele, de modo
que a transferência de calor para o ambiente é bastante deprimida.
3. Aumento da termogênese (produção de calor) . A produção de calor pelos
sistemas metabólicos é aumentada promovendo tremores, excitação simpática
da produção de calor e secreção de tiroxina. Esses métodos para aumentar o
calor requerem explicações adicionais, a seguir.
Estimulação hipotalâmica de tremores
Localizada na porção dorsomedial do hipotálamo posterior, perto da parede do
terceiro ventrículo, há uma área chamada centro motor primário de
tremores . Essa área é normalmente inibida por sinais do centro de calor na
área anterior do hipotálamo-pré-ótica, mas é excitada por sinais frios da pele e
da medula espinhal. Portanto, como mostrado pelo aumento repentino na
“produção de calor” (veja a curva vermelha na Figura 73-7 ), esse centro é
ativado quando a temperatura do corpo cai mesmo uma fração de grau abaixo
de um nível crítico de temperatura. Em seguida, transmite sinais que causam
tremores através de vias bilaterais no tronco cerebral, nas colunas laterais da
medula espinhal e, finalmente, nos neurônios motores anteriores. Esses sinais
são não-rítmicos e não causam o tremor muscular real. Em vez disso,
aumentam o tônus dos músculos esqueléticos por todo o corpo, facilitando a
atividade dos neurônios motores anteriores. Quando o tom ultrapassa um certo
nível crítico, começa a tremer. Provavelmente, isso resulta da oscilação do
feedback do mecanismo de reflexo de alongamento do fuso muscular, discutido
no capítulo 54 . Durante o tremor máximo, a produção de calor corporal pode
subir para quatro a cinco vezes o normal .
Excitação "química" simpática da produção de calor
Como apontado no capítulo 72 , um aumento na estimulação simpática ou na
noradrenalina e epinefrina circulantes no sangue pode causar um aumento
imediato na taxa de metabolismo celular. Este efeito é chamado termogênese
química , ou termogênese sem tremor . Isso resulta pelo menos parcialmente
da capacidade da noradrenalina e da adrenalina de desacoplar a fosforilação
oxidativa, o que significa que o excesso de alimentos é oxidado e, portanto,
libera energia na forma de calor, mas não causa a formação de ATP.
O grau de termogênese química que ocorre em um animal é quase
diretamente proporcional à quantidade de gordura marrom nos tecidos do
animal.Este é um tipo de gordura que contém um grande número de
mitocôndrias especiais onde ocorre oxidação desacoplada, conforme descrito
no Capítulo 72 . A gordura marrom é ricamente suprida com nervos simpáticos
que liberam noradrenalina, o que estimula a expressão tecidual da proteína de
desacoplamento mitocondrial (também chamada termogenina ) e aumenta a
termogênese.
A aclimatação afeta muito a intensidade da termogênese química; alguns
animais, como ratos, que foram expostos a um ambiente frio por várias
semanas exibem um aumento de 100 a 500 por cento na produção de calor
quando expostos agudamente ao frio, em contraste com o animal não
climatizado, que responde com um aumento de talvez um terço tanto quanto.
Este aumento da termogênese também leva a um aumento correspondente na
ingestão de alimentos.
Em seres humanos adultos, que quase não têm gordura marrom, é raro a
termogênese química aumentar a taxa de produção de calor em mais de 10 a
15%. Contudo, em recém-nascidos, que fazem ter uma pequena quantidade
de gordura marrom no espaço interescapular, termogénese química pode
aumentar a taxa de produção de calor 100 por cento, o que provavelmente é
um factor importante na manutenção da temperatura normal do corpo em
recém-nascidos.
Aumento da produção de tiroxina como causa a longo prazo do
aumento da produção de calor
O resfriamento da área pré-ótica-hipotálamo anterior também aumenta a
produção do hormônio neurossecretório, hormônio liberador de
tireotropina pelo hipotálamo. Esse hormônio é transportado pelas veias porta
hipotalâmicas até a hipófise anterior, onde estimula a secreção do hormônio
estimulador da tireóide .
O hormônio estimulador da tireóide, por sua vez, estimula o aumento da
produção de tiroxina pela glândula tireóide, conforme explicado no Capítulo
76 . O aumento da tiroxina ativa a proteína desacopladora e aumenta a taxa
de metabolismo celular em todo o corpo, que é outro mecanismo
de termogênese química . Esse aumento no metabolismo não ocorre
imediatamente, mas requer várias semanas de exposição ao frio para fazer a
hipertrofia da glândula tireóide e atingir seu novo nível de secreção de tiroxina.
A exposição dos animais ao frio extremo por várias semanas pode fazer com
que as glândulas tireóides aumentem de 20 a 40%. No entanto, os seres
humanos raramente se deixam expor ao mesmo grau de frio que aquele a que
os animais são frequentemente submetidos. Portanto, ainda não sabemos
quantitativamente a importância do mecanismo de adaptação da tireóide ao
frio no ser humano.
Medições isoladas mostraram que o pessoal militar residente por vários meses
no Ártico desenvolve taxas metabólicas aumentadas; alguns inuítes
(esquimós) também apresentam taxas metabólicas basais anormalmente
altas. Além disso, o efeito estimulatório contínuo do frio na glândula tireóide
pode explicar a incidência muito maior de bócio na tireóide tóxico em pessoas
que vivem em climas frios do que naquelas que vivem em climas quentes.
Conceito de um “ponto de ajuste” para controle de temperatura
No exemplo da Figura 73-7 , é claro que, a uma temperatura crítica do núcleo
do corpo de cerca de 37,1 ° C (98,8 ° F), ocorrem mudanças drásticas nas
taxas de perda e produção de calor. Em temperaturas acima desse nível, a
taxa de perda de calor é maior que a da produção de calor; portanto, a
temperatura corporal cai e se aproxima do nível de 37,1 ° C. Em temperaturas
abaixo desse nível, a taxa de produção de calor é maior do que a perda de
calor; portanto, a temperatura do corpo aumenta e novamente se aproxima do
nível de 37,1 ° C. Esse nível crucial de temperatura é chamado de "ponto de
ajuste" do mecanismo de controle de temperatura. Ou seja, todos os
mecanismos de controle de temperatura tentam continuamente trazer a
temperatura do corpo de volta a esse nível de ponto de ajuste.
Ganho de feedback para o controle da temperatura corporal
Lembremos da discussão sobre ganho de feedback dos sistemas de controle
apresentada no Capítulo 1 . O ganho de feedback é uma medida da eficácia de
um sistema de controle. No caso do controle da temperatura corporal, é
importante que a temperatura interna do núcleo mude o mínimo possível,
mesmo que a temperatura ambiente possa mudar bastante de dia para dia ou
de hora em hora. O ganho de realimentação do sistema de controle de
temperatura é igual à razão entre a mudança na temperatura ambiental e a
mudança na temperatura central do corpo menos 1,0 (consulte o capítulo
1para esta fórmula). Experimentos demonstraram que a temperatura corporal
dos seres humanos muda cerca de 1 ° C para cada mudança de 25 ° a 30 ° C
na temperatura ambiente. Portanto, o ganho de realimentação do mecanismo
total para controle da temperatura corporal é em média de 27 (28 / 1,0 - 1,0
= 27), que é um ganho extremamente alto para um sistema de controle
biológico (o sistema de controle da pressão arterial do barorreceptor, em
comparação, tem uma ganho de feedback <2).
A temperatura da pele pode alterar levemente o ponto de ajuste do
controle de temperatura central
O ponto crítico de ajuste de temperatura no hipotálamo acima do qual começa
a transpiração e abaixo do qual o tremor começa é determinado
principalmente pelo grau de atividade dos receptores de temperatura de calor
na área pré-óptica do hipotálamo anterior. No entanto, os sinais de
temperatura das áreas periféricas do corpo, especialmente da pele e de certos
tecidos profundos do corpo (medula espinhal e vísceras abdominais), também
contribuem levemente para a regulação da temperatura corporal. Mas como
eles contribuem? A resposta é que eles alteram o ponto de ajuste do centro de
controle de temperatura hipotalâmico. Este efeito é mostrado nas Figuras 73-
8 e 73-9 .
Figura 73-8 Efeito das mudanças na temperatura interna da cabeça na taxa de
perda de calor por evaporação do corpo. Observe que a temperatura da pele
determina o nível do ponto de ajuste no qual a transpiração começa.
(Cortesia do Dr. TH Benzinger.)
Figura 73-9 Efeito das mudanças na temperatura interna da cabeça na taxa de
produção de calor pelo corpo. Observe que a temperatura da pele determina o
nível do ponto de ajuste no qual o tremor começa.
(Cortesia do Dr. TH Benzinger.)
A Figura 73-8 demonstra o efeito de diferentes temperaturas da pele no ponto
de ajuste para transpiração, mostrando que o ponto de ajuste aumenta à
medida que a temperatura da pele diminui. Assim, para a pessoa representada
nesta figura, o ponto de ajuste hipotalâmico aumentou de 36,7 ° C quando a
temperatura da pele foi superior a 33 ° C para um ponto de ajuste de 37,4 ° C
quando a temperatura da pele caiu para 29 ° C. Portanto, quando a
temperatura da pele estava alta, a transpiração começava a uma temperatura
hipotalâmica mais baixa do que quando a temperatura da pele estava baixa.
Pode-se entender prontamente o valor de um sistema assim, porque é
importante que a transpiração seja inibida quando a temperatura da pele
estiver baixa; caso contrário, o efeito combinado de baixa temperatura da pele
e sudorese poderia causar muita perda de calor corporal.
Um efeito semelhante ocorre no tremor, como mostra a Figura 73-9 . Ou seja,
quando a pele fica fria, ela leva os centros hipotalâmicos ao limiar trêmulo,
mesmo quando a temperatura hipotalâmica em si ainda está no lado quente do
normal. Aqui, novamente, é possível entender o valor do sistema de controle,
porque uma temperatura da pele fria levaria a uma temperatura corporal
profundamente deprimida, a menos que a produção de calor
aumentasse. Assim, uma temperatura da pele fria realmente "antecipa" uma
queda na temperatura corporal interna e evita isso.
Controle Comportamental da Temperatura Corporal
Além dos mecanismos subconscientes de controle da temperatura corporal, o
corpo possui outro mecanismo de controle de temperatura ainda mais
potente. Este é o controle comportamental da temperatura, que pode ser
explicado da seguinte maneira: Sempre que a temperatura interna do corpo se
torna muito alta, os sinais das áreas de controle de temperatura no cérebro
dão à pessoa uma sensação psíquica de superaquecimento. Por outro lado,
sempre que o corpo fica muito frio, os sinais da pele e provavelmente também
de alguns receptores profundos provocam a sensação de desconforto
frio. Portanto, a pessoa faz os ajustes ambientais adequados para restabelecer
o conforto, como se mudar para uma sala aquecida ou usar roupas bem
isoladas em clima frio. Este é um sistema muito mais poderoso de controle da
temperatura corporal do que muitos fisiologistas reconheceram no passado. De
fato, este é o único mecanismo realmente eficaz para manter o controle do
calor corporal em ambientes severamente frios.
Reflexos locais da temperatura da pele
Quando uma pessoa coloca o pé sob uma lâmpada quente e o deixa por um
curto período de tempo, ocorre vasodilatação local e sudorese local leve . Por
outro lado, colocar o pé em água fria causa vasoconstrição local e cessação
local da transpiração. Essas reações são causadas pelos efeitos locais da
temperatura diretamente nos vasos sanguíneos e também pelos reflexos locais
do cordão umbilical, conduzidos pelos receptores da pele para a medula
espinhal e retornam à mesma área da pele e às glândulas sudoríparas. Além
disso, a intensidade desses efeitos locais é controlada pelo controlador central
de temperatura do cérebro, de modo que seu efeito geral é proporcional
aos tempos do sinal de controle do calor hipotalâmicoo sinal local. Tais reflexos
podem ajudar a impedir a troca excessiva de calor por partes do corpo
resfriadas ou aquecidas localmente.
A regulação da temperatura corporal interna é prejudicada pelo corte
da medula espinhal
Depois de cortar a medula espinhal no pescoço acima da saída simpática do
cordão, a regulação da temperatura corporal se torna extremamente ruim
porque o hipotálamo não pode mais controlar o fluxo sanguíneo da pele ou o
grau de sudorese em qualquer parte do corpo. Isso é verdade mesmo que os
reflexos de temperatura local originários da pele, medula espinhal e receptores
intra-abdominais ainda existam. Esses reflexos são extremamente fracos em
comparação com o controle hipotalâmico da temperatura corporal.
Nas pessoas com essa condição, a temperatura corporal deve ser regulada
principalmente pela resposta psíquica do paciente às sensações de frio e calor
na região da cabeça - isto é, pelo controle comportamental da roupa e pela
mudança para um ambiente quente ou frio apropriado.
Anormalidades da regulação da temperatura corporal
Febre
A febre, que significa uma temperatura corporal acima da faixa normal do
normal, pode ser causada por anormalidades no próprio cérebro ou por
substâncias tóxicas que afetam os centros de regulação da
temperatura. Algumas causas de febre (e também de temperaturas corporais
subnormais) são apresentadas na Figura 73-10 . Eles incluem doenças
bacterianas, tumores cerebrais e condições ambientais que podem terminar
com insolação.

Figura 73-10 Temperaturas do corpo sob diferentes condições.


(Redesenhado por DuBois EF: Febre. Springfield, III: Charles C. Thomas,
1948.)
Redefinição do centro de regulação da temperatura hipotalâmica nas
doenças febris - efeito dos pirogênios
Muitas proteínas, produtos de degradação de proteínas e certas outras
substâncias, especialmente toxinas lipopolissacarídicas liberadas pelas
membranas celulares bacterianas, podem fazer com que o ponto de ajuste do
termostato hipotalâmico suba. Substâncias que causam esse efeito são
chamadas de pirogênios . Pirogênios liberados por bactérias tóxicas ou
liberados por tecidos corporais degenerados causam febre durante
doenças. Quando o ponto de ajuste do centro de regulação da temperatura
hipotalâmica se torna mais alto que o normal, todos os mecanismos para
elevar a temperatura do corpo são acionados, incluindo a conservação de calor
e o aumento da produção de calor. Poucas horas após o ponto de ajuste ter
sido aumentado, a temperatura corporal também se aproxima desse nível,
como mostra a Figura 73-11 .

Figura 73-11 Efeitos da alteração do ponto de ajuste do controlador de


temperatura hipotalâmico.
Mecanismo de ação de pirogênios causadores de febre - papel das
citocinas
Experimentos em animais mostraram que alguns pirogênios, quando injetados
no hipotálamo, podem atuar direta e imediatamente no centro regulador da
temperatura hipotalâmico para aumentar seu ponto de ajuste. Outros
pirogênios funcionam indiretamente e podem exigir várias horas de latência
antes de causar seus efeitos. Isto é verdade para muitos dos pirogênios
bacterianos, especialmente as endotoxinas das bactérias gram-negativas.
Quando bactérias ou produtos de decomposição de bactérias estão presentes
nos tecidos ou no sangue, eles são fagocitados pelos leucócitos do sangue,
pelos macrófagos dos tecidos e pelos grandes linfócitos assassinos
granulares . Todas essas células digerem os produtos bacterianos e liberam
citocinas, um grupo diversificado de moléculas sinalizadoras de peptídeos
envolvidas nas respostas imunes inatas e adaptativas. Uma das mais
importantes citocinas causadoras da febre é a interleucina-1 (IL-1) , também
chamada de pirogênio leucocitário ou pirogênio endógeno . A interleucina-1 é
liberada dos macrófagos para os fluidos corporais e, ao atingir o hipotálamo,
ativa quase imediatamente os processos para produzir febre, às vezes
aumentando a temperatura corporal em uma quantidade notável em apenas 8
a 10 minutos. Tão pouco quanto um décimo milionésimo de grama de
lipopolissacarídeo de endotoxina de bactérias, agindo em conjunto com os
leucócitos do sangue, macrófagos teciduais e linfócitos assassinos, pode causar
febre. A quantidade de interleucina-1 que é formada em resposta ao
lipopolissacarídeo para causar febre é de apenas alguns nanogramas.
Diversas experiências sugeriram que a interleucina-1 causa febre ao induzir
primeiro a formação de uma das prostaglandinas, principalmente a
prostaglandina E2, ou uma substância semelhante, que atua no hipotálamo
para provocar a reação da febre. Quando a formação de prostaglandinas é
bloqueada por drogas, a febre é completamente revogada ou pelo menos
reduzida. De fato, essa pode ser a explicação da maneira pela qual a aspirina
reduz a febre porque a aspirina impede a formação de prostaglandinas a partir
do ácido araquidônico. Medicamentos como aspirina, que reduzem a febre, são
chamados antipiréticos .
Febre causada por lesões cerebrais
Quando um cirurgião cerebral opera na região do hipotálamo, a febre severa
quase sempre ocorre; raramente, ocorre o efeito oposto, a hipotermia,
demonstrando a potência dos mecanismos hipotalâmicos para o controle da
temperatura corporal e a facilidade com que anormalidades do hipotálamo
podem alterar o ponto de ajuste do controle da temperatura. Outra condição
que freqüentemente causa alta temperatura prolongada é a compressão do
hipotálamo por um tumor cerebral.
Características das condições febris
Arrepios
Quando o ponto de ajuste do centro de controle da temperatura hipotalâmico é
subitamente alterado do nível normal para mais alto do que o normal (como
resultado da destruição de tecidos, substâncias pirogênicas ou desidratação), a
temperatura corporal geralmente leva várias horas para atingir a nova
temperatura ponto de ajuste.
A Figura 73-11 demonstra o efeito de aumentar repentinamente o ponto de
ajuste de temperatura para um nível de 103 ° F. Como a temperatura do
sangue agora é menor que o ponto de ajuste do controlador de temperatura
hipotalâmico, ocorrem as respostas usuais que causam elevação da
temperatura corporal. Durante esse período, a pessoa sente calafrios e se
sente extremamente fria, mesmo que a temperatura corporal já esteja acima
do normal. Além disso, a pele fica fria por causa da vasoconstrição e a pessoa
estremece. Os calafrios podem continuar até que a temperatura corporal atinja
o ponto de ajuste hipotalâmico de 103 ° F. Então a pessoa não sente mais
calafrios, mas não sente frio nem calor. Enquanto o fator que está causando o
ponto de ajuste mais alto do controlador de temperatura hipotalâmico estiver
presente, a temperatura do corpo será regulada mais ou menos da maneira
normal, mas no nível do ponto de ajuste de alta temperatura.
Crise ou "Flush"
Se o fator que está causando a alta temperatura for removido, o ponto de
ajuste do controlador de temperatura hipotalâmico será reduzido para um
valor mais baixo - talvez até voltando ao nível normal, como mostra a Figura
73-11 . Nesse caso, a temperatura do corpo ainda é 103 ° F, mas o hipotálamo
está tentando regular a temperatura para 98,6 ° F. Essa situação é análoga ao
aquecimento excessivo da área pré-ótica-hipotalâmica anterior, que causa
sudorese intensa e desenvolvimento repentino de pele quente devido à
vasodilatação em todos os lugares. Essa mudança repentina de eventos em um
estado febril é conhecida como "crise" ou, mais apropriadamente,
"descarga". Nos dias que antecederam o advento dos antibióticos, a crise era
sempre aguardada com ansiedade, pois, uma vez que isso acontecia, o médico
supunha que a temperatura do paciente logo começaria a cair.
Insolação
O limite superior da temperatura do ar que se pode suportar depende, em
grande parte, se o ar está seco ou molhado. Se o ar estiver seco e houver
correntes de ar de convecção suficientes para promover a rápida evaporação
do corpo, uma pessoa poderá suportar várias horas de temperatura do ar a 30
° C. Por outro lado, se o ar estiver 100% umidificado ou se o corpo estiver na
água, a temperatura do corpo começará a aumentar sempre que a
temperatura ambiente subir acima de 94 ° F. Se a pessoa estiver realizando
um trabalho pesado, a temperatura ambiental crítica acima da qual é provável
que ocorra uma insolação pode ser tão baixa quanto 85 ° a 90 ° F.
Quando a temperatura do corpo ultrapassa uma temperatura crítica, na faixa
de 105 ° a 108 ° F, é provável que a pessoa desenvolva insolação . Os
sintomas incluem tonturas, angústia abdominal, algumas vezes acompanhadas
de vômitos, outras vezes delírio e, eventualmente, perda de consciência se a
temperatura do corpo não diminuir logo. Esses sintomas geralmente são
exacerbados por um grau de choque circulatório causado pela perda excessiva
de líquidos e eletrólitos no suor.
A própria hiperpirexia também é extremamente prejudicial para os tecidos do
corpo, especialmente o cérebro, e é responsável por muitos dos efeitos. De
fato, mesmo alguns minutos de temperatura corporal muito alta às vezes
podem ser fatais. Por esse motivo, muitas autoridades recomendam
tratamento imediato de insolação, colocando a pessoa em um banho de água
fria. Como isso geralmente causa tremores incontroláveis, com um aumento
considerável na taxa de produção de calor, outros sugeriram que o esfriamento
por esponja ou spray da pele provavelmente seja mais eficaz para diminuir
rapidamente a temperatura central do corpo.
Efeitos nocivos da alta temperatura
Os achados patológicos em uma pessoa que morre de hiperpirexia são
hemorragias locais e degeneração parenquimatosa de células em todo o corpo,
mas especialmente no cérebro. Uma vez que as células neuronais são
destruídas, elas nunca podem ser substituídas. Além disso, os danos ao fígado,
rins e outros órgãos costumam ser graves o suficiente para que a falha de um
ou mais desses órgãos acabe causando a morte, mas às vezes não até vários
dias após a insolação.
Aclimatação ao Calor
Pode ser extremamente importante aclimatar as pessoas ao calor
extremo. Exemplos de pessoas que exigem aclimatação são soldados de
plantão nos trópicos e mineiros que trabalham nas minas de ouro de 3,2
quilômetros de profundidade da África do Sul, onde a temperatura se aproxima
da temperatura corporal e a umidade se aproxima de 100%. Uma pessoa
exposta ao calor por várias horas por dia, enquanto realiza uma carga de
trabalho razoavelmente pesada, desenvolverá maior tolerância a condições de
calor e umidade em 1 a 3 semanas.
Entre as alterações fisiológicas mais importantes que ocorrem durante esse
processo de aclimatação estão um aumento de aproximadamente duas vezes
na taxa máxima de transpiração, um aumento no volume plasmático e uma
perda diminuída de sal no suor e na urina para quase nenhuma; os dois
últimos efeitos resultam do aumento da secreção de aldosterona pelas
glândulas supra-renais.
Exposição do corpo ao frio extremo
A menos que seja tratado imediatamente, uma pessoa exposta à água gelada
por 20 a 30 minutos normalmente morre devido a uma parada cardíaca ou
fibrilação cardíaca. A essa altura, a temperatura interna do corpo cairá para
cerca de 77 ° F. Se aquecido rapidamente pela aplicação de calor externo, a
vida da pessoa geralmente pode ser salva.
Regulação da perda de temperatura a baixas temperaturas
Como observado na Figura 73-10 , uma vez que a temperatura corporal caia
abaixo de cerca de 85 ° F, a capacidade do hipotálamo para regular a
temperatura é perdida; é bastante prejudicada mesmo quando a temperatura
corporal cai abaixo de cerca de 94 ° F. Parte da razão para essa diminuição da
regulação da temperatura é que a taxa de produção de calor químico em cada
célula é reduzida quase duas vezes a cada 10 ° F de queda na temperatura
corporal. Além disso, a sonolência se desenvolve (mais tarde seguida por
coma), que deprime a atividade dos mecanismos de controle de calor do
sistema nervoso central e evita tremores.
Queimadura por frio
Quando o corpo é exposto a temperaturas extremamente baixas, as áreas da
superfície podem congelar; o congelamento é chamado de congelamento . Isso
ocorre principalmente nos lóbulos das orelhas e nos dígitos das mãos e pés. Se
o congelamento tiver sido suficiente para causar a formação extensa de cristais
de gelo nas células, geralmente resultam danos permanentes, como
comprometimento circulatório permanente e danos nos tecidos
locais. Freqüentemente, a gangrena segue o degelo, e as áreas congeladas
devem ser removidas cirurgicamente.
A vasodilatação induzida a frio é uma proteção final contra a picada do
gelo a temperaturas quase congelantes
Quando a temperatura dos tecidos cai quase ao ponto de congelar, o músculo
liso da parede vascular fica paralisado por causa do próprio frio, e ocorre uma
vasodilatação repentina, geralmente manifestada por um rubor na pele. Esse
mecanismo ajuda a evitar queimaduras, fornecendo sangue quente à
pele. Esse mecanismo é muito menos desenvolvido em seres humanos do que
na maioria dos animais inferiores que vivem no frio o tempo todo.
Hipotermia artificial
É fácil diminuir a temperatura de uma pessoa, administrando primeiro um
sedativo forte para diminuir a reatividade do controlador de temperatura
hipotalâmico e depois resfriando a pessoa com gelo ou cobertores de
refrigeração até que a temperatura caia. A temperatura pode ser mantida
abaixo de 90 ° F por vários dias a uma semana ou mais, por aspersão contínua
de água fria ou álcool no corpo. Esse resfriamento artificial tem sido usado
durante a cirurgia cardíaca, para que o coração possa ser parado
artificialmente por muitos minutos por vez. O resfriamento nessa extensão não
causa danos aos tecidos, mas diminui a velocidade do coração e diminui
bastante o metabolismo celular, de modo que as células do corpo podem
sobreviver de 30 minutos a mais de 1 hora sem fluxo sanguíneo durante o
procedimento cirúrgico.
Bibliografia
Aronoff DM, Neilson EG Antipiréticos: mecanismos de ação e uso clínico na
supressão da febre. Am J Med . 2001; 111: 304.
Termorregulação de Benarroch EE: conceitos recentes e questões
remanescentes. Neurology . 2007; 69: 1293.
Blatteis CM Febre endotóxica: novos conceitos de sua regulamentação
sugerem novas abordagens para sua gestão. Pharmacol Ther . 2006; 111:
194.
Blatteis CM O início da febre: novas idéias sobre seu mecanismo. Prog Brain
Res . 2007; 162: 3.
Conti B., Tabarean I., Andrei C., Bartfai T. Citocinas e febre. Biosci
dianteiro . 2004; 9: 1433.
Florez-Duquet M., McDonald RB termorregulação induzida a frio e
envelhecimento biológico. Physiol Rev. 1998; 78: 339.
González-Alonso J., Crandall CG, Johnson JM O desafio cardiovascular do
exercício no calor. J. Physiol . 2008; 586: 45.
Horowitz M. Correspondência do coração à carga circulatória induzida pelo
calor: respostas climatéricas ao calor. Notícias Physiol Sci . 2003; 18: 215.
Katschinski DM No calor, células e proteínas. Notícias Physiol Sci . 2004; 19:
11.
Kenney WL, Munce TA Envelhecimento e regulação da temperatura humana. J.
Appl Physiol . 2003; 95: 2598.
Kozak W., Kluger MJ, Tesfaigzi J., et al. Mecanismos moleculares da febre e
antipirese endógena. Ann NY Acad Sci . 2000; 917: 121.
Morrison SF vias centrais que controlam a termogênese do tecido adiposo
marrom. Notícias Physiol Sci . 2004; 19: 67.
Morrison SF, Nakamura K., Madden CJ Controle central da termogênese em
mamíferos. Exp Physiol . 2008; 93: 773.
Olsen TS, Weber UJ, Kammersgaard LP Hipotermia terapêutica para acidente
vascular cerebral agudo. Lancet Neurol . 2003; 2: 410.
Termorregulação de Romanovsky AA: alguns conceitos mudaram. Arquitetura
funcional do sistema termorregulador. Sou J Physiol Regul Integr Comp
Physiol . 2007; 292: R37.
Rowland T. Termorregulação durante exercício no calor em crianças: velhos
conceitos revisitados. J. Appl Physiol . 2008; 105: 718.
Saper CB Base neurobiológica da febre. Ann NY Acad Sci . 1998; 856: 90.
Simon A., van der Meer JW Patogênese de síndromes familiares periódicas de
febre ou síndromes auto-inflamatórias hereditárias. Sou J Physiol Regul Integr
Comp Physiol . 2007; 292: R86.
Steinman L. Papéis diferenciados de citocinas em três principais distúrbios
cerebrais humanos. J Clin Invest . 2008; 118: 3557.