Você está na página 1de 37

Tudo o que você

(realmente)
precisa saber
sobre
Seja bem-vindo!
Antes de mais nada, é importante sabermos que pontuar é muito mais do
que marcar pausas. Já está ultrapassado o conceito de que os sinais de
pontuação indicam pausas da fala. Infelizmente, esse conceito foi muito
difundido por muitos e muitos anos.
Excetuando-se a pontuação literária, que às vezes possui suas
particularidades expressivas, pontuar é utilizar convenções racionais, baseadas,
principalmente, na sintaxe. Não há, nem nunca houve, convergência em relação
ao uso dos sinais de pontuação. Vamos utilizar, neste curso, os conceitos mais
modernos sobre o uso da vírgula, esse sinalzinho que parece inofensivo, dos
dois-pontos e do ponto e vírgula. Então, chega de conversa, e vamos às regras.

Sobre

A partir da necessidade de trazer ao


mercado uma nova visão, mais
moderna, inovadora e eficiente de
aprendizagem, o Professor
Andresan consolidou sua marca
no âmbito nacional ao longo de
20 anos. Sendo referência em
Português, foi além, estimulando
o ensino 100% on-line. Hoje,
contribui para o ensino da Língua
Portuguesa em todo o Brasil,
possibilitando a conquista do tão
sonhado cargo público aos seus alunos.
Nossas Redes

Siga-nos para receber dicas de Português e não ficar


de fora de nossos próximos eventos e promoções!

/andresancursoseconcursos

@andresancursoseconcursos

Faça parte do nosso canal do Telegram!

Clique Aqui
Sumário
INTRODUÇÃO............................................................................................................4

A VÍRGULA...................................................................................................................5
Vírgula entre sujeito e verbo.....................................................................................5
A vírgula e os complementos verbais......................................................................5
A vírgula e o adjunto adverbias................................................................................6
A vírgula nas enumerações........................................................................................8
A vírgula e o aposto.....................................................................................................9
A vírgula e o vocativo.................................................................................................10
A vírgula na omissão/supressão de verbo (zeugma)............................................11
A vírgula nas datas......................................................................................................11
A vírgula antes do “mas” ..........................................................................................12
A vírgula e o “e”............................................................................................................12
A vírgula e o “pois”.......................................................................................................14
A vírgula e as expressões explicativas ou retificativas........................................14
Vírgulas nas orações intercaladas .......................................................................... 15
A pontuação do “etc.”. ................................................................................................15
A vírgula e o predicativo do sujeito.........................................................................16
Vírgula entre palavras repetidas.............................................................................. 17
Vírgula com “além disso” ...........................................................................................17
Vírgula com sujeito oracional iniciado pelo pronome “quem” .........................18
A vírgula nas orações coordenadas assindéticas .................................................18
A vírgula nas orações coordenadas sindéticas......................................................18
Vírgula e conjunções adversativas e conclusivas................................................19
A vírgula nas orações subordinadas adverbais..................................................... 20
Vírgula com dupla função .........................................................................................21
Vírgula depois de parênteses ou travessões ........................................................21
Vírgulas nas orações subordinadas adjetivas........................................................22

DOIS-PONTOS............................................................................................................23
Citação (discurso direto).............................................................................................23
Enumeração (aposto enumerativo)..........................................................................23
Esclarecimento.............................................................................................................23
Orações com valor explicativo (nexo explicativo implícito)...............................24
Síntese ou resumo.......................................................................................................24
PONTO E VÍRGULA....................................................................................................25
orações coordenadas assindéticas...........................................................................25
orações coordenadas adversativas e conclusivas.................................................25
orações de sentidos opostos ou diferentes...........................................................26
itens de uma enumeração..........................................................................................26

EXERCÍCIOS ................................................................................................................27

GABARITO....................................................................................................................33
INTRODUÇÃO

É bom que tenhamos a noção de ordem direta (ordem canônica, ordem natural).

Sujeito + verbo + objeto direto + objeto indireto + adjunto adverbial


ou
Sujeito + verbo + predicativo do sujeito + adjunto adverbial

Na ordem direta não haverá necessidade de pontuação. As frases abaixo estão


na ordem direta.

A) O professor entregou a prova aos alunos.

sujeito + verbo + objeto direto + objeto indireto

B) Nós fizemos a denúncia.

sujeito + verbo + objeto direto

C) Eu gostei do livro.

sujeito + verbo + objeto indireto

D) Os alunos ficaram paralisados naquele dia.

sujeito + verbo + predicativo do sujeito + adjunto adverbial

E) A professora saiu irritada.

sujeito + verbo + predicativo do sujeito

4
A VÍRGULA

1. Vírgula entre sujeito e verbo

Não se coloca vírgula entre sujeito e verbo, independente da ordem.

A) Os alunos do curso tiraram boas notas.

sujeito + verbo + objeto direto

B) Chegaram os alunos.

verbo + sujeito

C) As frequentes brigas entre João e Maria implicaram o fim do casamento.

sujeito + verbo + objeto direto

Comentário:
Embora seja normal uma pausa entre sujeito e verbo, principalmente quando o
sujeito é extenso, como o da última frase, não se deve marcar essa pausa por
meio de vírgula.

2. A vírgula e os complementos verbais (objeto direto e objeto indireto)

Quando houver deslocamento dos complementos verbais (OD ou OI), podemos


marcá-los ou não com vírgula ou vírgulas. Portanto, o uso da vírgula será opcional.

A) O pai deu um livro ao filho.

sujeito + verbo + OD + OI

Comentário: Nessa frase, a ordem é normal, portanto não há o uso da vírgula.

B) Um livro, o pai deu ao filho.


ou
C) Um livro o pai deu ao filho.

OD + sujeito + verbo + OI

Comentário:

Houve deslocamento do OD, portanto o uso da vírgula é opcional.


5
D) Ao filho, o pai deu um livro.
ou
E) Ao filho o pai deu um livro.

OI + sujeito + verbo + OD

Comentário:
Houve deslocamento do OD, portanto o uso da vírgula é opcional.

F) O pai deu, ao filho, um livro.


ou
G) O pai deu ao filho um livro.

sujeito + verbo + OI + OD

Comentário:
Houve deslocamento do OI, portanto o uso de vírgulas é opcional. A diferença é
que o complemento deslocado está no meio da frase, por essa razão deve ficar
entre vírgulas ou sem vírgulas. Nesses casos, jamais a marcação deve ocorrer
apenas com uma vírgula antes ou depois.

3. A vírgula e o adjunto adverbial

Temos de lembrar que o adjunto adverbial expressa uma circunstância,


principalmente de tempo, de lugar, de modo ou de causa.
Em relação à ordem direta, ele se encontra no final da oração. Quando o adjunto
adverbial não estiver no final da oração, estará deslocado. Os gramáticos
prescrevem que deveremos marcar com vírgula ou vírgulas os adjuntos adverbiais
deslocados. Infelizmente, há uma ressalva que deixa essa regra muito difícil de
ser aplicada. A ressalva é a seguinte: se o adjunto adverbial for de pequeno porte,
o uso de vírgula ou vírgulas será opcional. A verdade é que essa definição é
extremamente subjetiva, pois varia de autor para autor.

A) Ontem, falei com Maria. (adjunto adverbial + verbo + OI)


ou
B) Ontem falei com Maria. (adjunto adverbial + verbo + OI)

Comentário:
Como temos apenas uma palavra representado o adjunto adverbial deslocado,
o uso da vírgula é opcional.
6
C) Naquele domingo chuvoso do mês de agosto, falei com Maria.

Comentário:
Como temos muitas palavras representando o adjunto adverbial, o uso da vírgula
seria obrigatório para a maioria das bancas no Brasil.

Observações

1ª Para bancas como FCC ou FGV, o uso de vírgula ou vírgulas é sempre


opcional, não importando o tamanho.

2ª A maioria das bancas considera como sendo de “pequeno porte” o adjunto


adverbial com até duas palavras. Como esse critério de “pequeno porte” é
muito subjetivo, o ideal é fazermos sempre questões anteriores da respectiva
banca que organizará o concurso para o qual estamos fazendo a preparação.

3ª Por muito tempo, só se permitia o uso de vírgula em adjuntos adverbiais


deslocados. O que se vê hoje é que, mesmo estando no final da oração, o
adjunto adverbial pode ser marcado por vírgula. Nesse caso, para que se dê
ênfase. Esse adjunto adverbial que pode ser virgulado no final da frase é o
típico adjunto adverbial, ou seja, aquele que pode ser dispensável. A frase
abaixo teria sentido completo sem o adjunto adverbial (Nós faremos o
encontro.).

Nós faremos o encontro na casa de Maria.


ou
Nós faremos o encontro, na casa de Maria.

sujeito + verbo + OD + adjunto adverbial

4ª Há adjuntos adverbias que funcionam como verdadeiros complementos


verbais (os indispensáveis para o sentido da frase). Esses nunca podem ser
separados do verbo por meio de vírgula. As frases abaixo não teriam sentido
completo sem os respectivos adjuntos adverbiais (O rapaz mora... ou Carlos
foi...).

O rapaz mora na casa dos pais.

Carlos foi à festa.

7
4. A vírgula nas enumerações

É importante que saibamos que há diferentes formas de as bancas abordarem


esse tópico nas provas de concurso. Temos de saber que “enumeração” é a
mesma coisa que “elementos de mesma função sintática”, “elementos
coordenados entre si”, “itens de uma série”.

A) Eu comprei um lápis, uma caneta e um caderno.

B) Eu comprei um lápis, uma caneta, um caderno.

Observações:
1ª O primeiro item da enumeração (um lápis) complementa a forma verbal
“comprei”, por isso não pode ser marcado por vírgula ou até mesmo
dois-pontos. Estariam erradas as seguintes construções:

Eu comprei, um lápis, uma caneta e um caderno. (pontuação errada)


ou
Eu comprei: um lápis, uma caneta e um caderno. (pontuação errada)

2ª Há uma diferença de sentido entre as frases A e B. Na frase A, o nexo “e”


encerra a enumeração. Significa que apenas três itens foram comprados.
Chamamos de “enumeração fechada” esse tipo de construção. Na letra B,
temos, no lugar no nexo “e”, uma vírgula. Significa que, além dos três itens
citados, há outros itens que foram comprados. Chamamos de enumeração
aberta essa construção.

3ª Na frase B, enumeração aberta, admitem-se reforços para fins de clareza.

- Eu comprei um lápis, uma caneta, um caderno, etc.


- Eu comprei um lápis, uma caneta, um caderno, por exemplo.
- Eu comprei um lápis, uma caneta, um caderno, entre outras coisas.
- Eu comprei um lápis, uma caneta, um caderno...

8
5. A vírgula e o aposto

O primeiro ponto importante é lembramos rapidamente o que é um


aposto. O aposto tem por função fazer uma explicação, um
esclarecimento de um termo. Normalmente vem marcado por
pontuação.

A) Luís, o prefeito atual, e João, o ex-prefeito, virão.

B) O Brasil, um país com muitos problemas sociais, tem de evoluir.

C) Várias línguas, francês, italiano, espanhol, são faladas lá.

D) Conheci Paulo, namorado de Maria.

Observações
1ª Se o aposto vier no meio da frase, poderemos trocar as vírgulas por travessão
duplo ou parênteses.

O Brasil - um país com muitos problemas sociais - tem de evoluir.


ou
O Brasil (um país com muitos problemas sociais) tem de evoluir.

2ª Quando houver um aposto enumerativo no meio da frase (letra B),


aconselha-se, para fins de clareza, a utilização do travessão duplo ou
parênteses.

Várias línguas - francês, italiano, espanhol - são faladas lá.


ou
Várias línguas (francês, italiano, espanhol) - são faladas lá.

3ª Quando o aposto estiver no final da frase (letra D), poderá ser marcado
também por dois-pontos, além das demais pontuações.

Conheci Paulo: namorado de Maria.


ou
Conheci Paulo - namorado de Maria.
ou
Conheci Paulo (namorado de Maria).
4ª Se o aposto for oracional ou enumerativo, usa-se o sinal de dois-pontos,
preferencialmente.

Só te peço uma coisa: que fiques.

Maria tem três amigas: Fernanda, Lúcia e Cristalda.


9
5ª O aposto especificativo, que tem por função individualizar um termo genérico,
não deve ser marcado por vírgula.

O poeta Fernando Pessoa foi espetacular.

A cidade do Rio de Janeiro tem um trânsito caótico.

O professor Andresan dá aulas há vinte anos.

6. A vírgula e o vocativo

Vocativo é um chamamento, é com quem se fala. Deve ser marcado por vírgula ou
vírgulas.

A) Nós não ficaremos, mãe.

B) É bom, meus amigos, que cheguemos cedo.

C) Menino, obedeça aos pais.

Observações
1ª No dia a dia, muitas vezes há equívocos em relação ao uso da vírgula marcando
o vocativo. Observe as construções abaixo.
ERRADO X CERTO

Oi João! Oi, João!


Bom dia Maria. Bom dia, Maria.

Boa noite Pedro! Boa noite, Pedro!

Boa tarde amigos! Boa tarde, amigos!

Sim senhor. Sim, senhor.

Professor tenho uma dúvida. Professor, tenho uma dúvida.

Obrigado pai. Obrigado, pai.

Amiga pode falar? Amiga, pode falar?

Parabéns filha! Parabéns, filha!

Fala irmão! Fala, irmão!

Oi sumido! Oi, sumido!

Oi sumida! Oi, sumida!


10
2ª Também nas comunicações oficiais, o vocativo será sempre seguido de vírgula,
assim preconiza o Manual da Presidência da República.

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,

Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal,

Senhora Senadora,

Senhor Juiz,

Senhora Ministra,

Senhor Eleitor,

Senhor Usuário,

7. A vírgula na omissão/supressão/elipse de verbo (zeugma)

A) Maria bebe vinho; o marido, cerveja.

B) Eu acertei nove questões. João, dez questões.

Comentário:
Na frase A, a vírgula marca a omissão da forma verbal “bebe”; na frase B,
a vírgula marca a omissão da forma verbal “acertou”.

8. A vírgula nas datas

A vírgula marcando datas separa um adjunto adverbial de lugar de um adjunto


adverbial de tempo, por isso sempre deverá existir.

A) Rio de Janeiro, 13 de abril de 2021.

B) Florianópolis, 23 de dezembro de 2020.

C) Porto Alegre, 15 de setembro de 2025.

11
9. A vírgula antes do “mas”

O nexo adversativo “mas” solicita vírgula obrigatória antes dele. Essa é a regra
tradicional; porém, como grandes escritores usavam também ponto e vírgula
antes do “mas”, não podemos apontar erro nesse uso. A conclusão é a seguinte:
vírgula antes do “mas” é a pontuação obrigatória e aconselhável, ponto e vírgula é
a pontuação aceitável.

A) Vá lá, mas não discuta.

B) Fez tudo certo, mas foi criticado novamente.

C) O menino estudou muito pouco para a prova; mas tirou uma boa nota.

Observação:
1ª Quando se usa ponto e vírgula antes do “mas” não se usa vírgula depois (frase
C). Essa pontuação do ponto e vírgula antes e da virgula depois vale para os
demais nexos adversativos quando não estão deslocados (ver regra 21.2.1).

10. A vírgula e o “e”

10.1 “e” aditivo

Quando o “e” for uma conjunção aditiva (nexo aditivo), a gramática


tradicional diz que haverá vírgula antes dele se unir sujeitos diferentes.

A) A diretora fez um discurso, e os alunos aplaudiram.

Comentário: O sujeito de “fez” é “A diretora”; o sujeito de “aplaudiram” é “os


alunos”.

B) A diretora fez um discurso e emocionou a todos.

Comentário:
Comentário: O sujeito de “fez” e o sujeito de “emocionou” é “A diretora”,
portanto o mesmo.

Observações:
1º Mesmo quando a conjunção aditiva une orações de diferentes sujeitos, as
bancas não consideram a vírgula obrigatória. Por essa razão, a frase A poderia ser
reescrita sem vírgula:

A diretora fez um discurso e os alunos aplaudiram.


12
2ª Na frase B, embora unindo o mesmo sujeito, a vírgula será aceitável para a
maioria das bancas.

A diretora fez um discurso, e emocionou a todos.

10.2 “e” adversativo

Quando o “e” for uma conjunção adversativa (sinônimo de “mas”), muitas vezes
formando uma locução (“e não”, “e sim”), poderá ser precedido de vírgula.

A) Carlos não estudou, e passou.

B) Carlos estudou, e não passou.

Observação:
Novamente as bancas não consideram a vírgula obrigatória. Por essa razão, tanto
a frase A quanto a frase B poderiam ser reescritas sem vírgula:

Carlos não estudou e passou.

Carlos estudou e não passou.

10.3 “e” polissindético

Polissíndeto é a repetição de uma ou mais conjunções. O “e” polissindético


deve ser virgulado, inclusive o último “e” da enumeração.

A) Minha mãe é rígida, e educadora, e amorosa, e compreensível.

Observação:
Essa regra se encaixa para qualquer conjunção polissindética.

Eu trarei Maria, ou Pedro, ou João, ou Renata, ou quem vocês quiserem.

Nem um, nem dois, nem três, nem quatro elogios o satisfaziam.

10.4 A vírgula depois do e

A conjunção “e” não solicita vírgula posposta, mas poderá haver vírgula por
qualquer outro motivo. Na frase abaixo, a motivação da virgula é a oração
intercalada ninguém sabe a razão, que deve ser precedida e seguida de vírgula.

A) Jocleido casou e, ninguém sabe a razão, convidou o ex-sogro.


13
11. A vírgula e o “pois”

Antes de sabermos a pontuação do nexo “pois”, é importante sabermos


classificá-lo. A partir da classificação, vamos pontuá-lo.

Quando o “pois” for explicativo, virá anteposto ao verbo da oração a que pertence,
será equivalente ao nexo “porque” e será marcado apenas por uma vírgula antes.

Quando o “pois” for conclusivo, virá posposto ao verbo da oração a que pertence,
será equivalente a “por isso” e será marcado por uma vírgula antes e uma vírgula
depois. Caso esteja no final da frase, será marcado por vírgula antes e ponto final
depois.

A) Deve ter passado, pois está muito feliz.

“pois” explicativo

B) É um mentiroso; deve, pois, ser criticado.

“pois” conclusivo

C) É um mentiroso; deve ser criticado, pois.

“pois” conclusivo

D) O jogador fez um ótimo contrato; ficou, pois, rico.

“pois” conclusivo

E) Faça tudo rápido, pois eles chegaram.

“pois” explicativo

F) Nosso time jogou bem; venceu o jogo, pois.

“pois” conclusivo

12. A vírgula e as expressões explicativas ou retificativas

Essas expressões devem obrigatoriamente ser marcadas por uma vírgula antes e
um vírgula depois.

, ou seja, / , isto é, / , a saber, / , por exemplo, / , quer dizer, / , ou melhor, / ,


aliás,
, convém a saber, / , digo,

14
Exemplos

A) A atitude do filho, aliás, foi de gente adulta.

B) Nós, por exemplo, não sabemos bem o que falar a ela.

Observação:
Tais expressões podem ser seguidas de dois-pontos, caso haja um motivo para o
uso desse sinal.

Vieram todas, ou seja: Maria, Lucrécia e Rita.

Comentário:
Utilizou-se o sinal de dois-pontos por razão da enumeração.

13. Vírgulas nas orações intercaladas

As orações intercaladas indicam um pensamento do autor. Representam um


comentário de quem escreve. Podem ser marcadas por vírgulas duplas, travessão
duplo ou parênteses.

A) Meu primo, eu não sabia, casou.

B) O último filho de Maria - vocês não acreditarão - quer morar sozinho.

C) A prova estava (eu acho) fácil.

14. A pontuação do “etc.”.

Não há consenso entre os gramáticos a respeito da pontuação da abreviatura “etc”.


Alguns gramáticos defendem que não deve vir precedido de vírgula, pois “etc” (et
cetera) significa “e outras coisas”, “e assim por diante”. Embora haja essa visão, o
mais lógico é pontuar o “etc”. O aconselhável e usar-se a pontuação que já estiver
sendo usada na enumeração. Dessa forma, manteríamos o paralelismo.

Assim seria a respectiva pontuação:

, , , etc.

; ; ; etc.

. . . Etc.
15
ou, para alguns gramáticos, sem pontuação precedente.

, , etc.

A) Aquele aluno gosta de história, de matemática, de português, etc.

B) Convidei muitas pessoas: Leo, o meu primo; João, o meu cunhado; Carlos, o
meu tio; etc.

C) É bom correr. É bom nadar. É bom caminhar. Etc.

ou, como já dissemos, é aceitável sem pontuação

D) Aquele aluno gosta de história, de matemática, de português etc.

15. A vírgula e o predicativo do sujeito

A posição natural do predicativo do sujeito é posposto ao verbo.

A) O vendedor era honesto.

B) João chegou furioso.

Sujeito + verbo + predicativo do sujeito.

Comentário:
As frases estão na ordem canônica (ordem direta), por isso não deveremos
pontuá-las.

15.1 Será opcional pontuar o predicativo do sujeito deslocado, se o verbo de


ligação estiver explícito.

A) Honesto, João é.
ou
B) Honesto João é.

predicativo do sujeito + sujeito + verbo

16
15.2 O predicativo do sujeito deslocado será marcado por vírgula ou vírgulas
duplas, se houver verbo de ligação implícito (quase sempre o verbo estar).

A) João, furioso, chegou.

B) A filha, nervosa, falou com os pais.

Comentário:
Caso colocássemos as frases na ordem direta com o verbo explícito, teríamos
“João chegou e estava furioso.” e “A filha falou com os pais e estava
nervosa.”.
Portanto, nas frases A e B, houve deslocamento do predicativo do sujeito e o
verbo de ligação ficou implícito.
Nesses casos, o uso de vírgula é obrigatório. Observe que a ausência de
vírgula causaria uma alteração semântica nas frases A e B, pois as
características passariam a ser permanentes e não transitórias.
.

16. Vírgula entre palavras repetidas

Entre palavras repetidas, deveremos usar vírgula.

A) João virá logo, logo.

B) Maria está muito, muito feliz.

C) Ela está feliz, feliz.

D) Sim, sim, estamos bem.

17. Vírgula com “além disso”

Além disso é uma expressão aditiva. Quando estiver no meio da frase, deverá ficar
entre vírgulas. Quando estiver no início de uma oração, deverá ser seguida de
vírgula. Por fim, quando estiver no final, deverá ser precedida de vírgula.

A) Todos, além disso, cantaram.

B) Todos cantaram. Além disso, dançaram.

C) Todos cantaram. Dançaram, além disso.

17
18. Vírgula com sujeito oracional iniciado pelo pronome “quem”

Quando houver sujeito oracional iniciado pelo pronome “quem”, será facultativo o
uso da vírgula entre o sujeito oracional e o seu respectivo verbo.

A) Quem ama educa!


ou
B) Quem ama, educa!

C) Quem avisa amigo é.


ou
D) Quem avisa, amigo é.

E) Quem tem boca vai a Roma.


ou
F) Quem tem boca, vai a Roma.

19. A vírgula nas orações coordenadas assindéticas

As orações coordenadas assindéticas (aquelas que não apresentam conjunção)


devem ser marcadas por vírgula ou ponto e vírgula.

A) Estudei muito, passei no concurso.


ou
B) Estudei muito; passei no concurso.

C) Falei muito, fiquei sem voz, fui embora.


ou
D) Falei muito; fiquei sem voz; fui embora.

20. A vírgula nas orações coordenadas sindéticas iniciadas pelas conjunções “nem”,
“mas”, “ou”, “porque”, etc.

Essas conjunções dever ser precedidas de vírgula.

A) O político não veio, nem avisou antes.

B) Tu vens logo, ou irei embora.

C) Vá falar com Miguel, mas não discuta novamente.

D) Dever ter vencido, porque está com um sorriso diferente.

18
Observações
1ª Há divergências a respeito da pontuação dos nexos “ou” e “nem”, pois alguns
gramáticos defendem que o uso de vírgula é opcional antes deles.

O político não veio nem avisou antes.

Tu vens logo ou irei embora.

2ª A conjunção “mas” aparece muito em provas de concurso. É muito importante


não esquecermos que o “mas” sempre deve ser precedido de vírgula (ver regra 9) .
Essa é a regra tradicional.

3ª Ainda lembramos que, como grandes escritores também usavam ponto e


vírgula antes do “mas”, tal pontuação não pode ser considerada errada.

“Custa-me dizer que eu era dos mais adiantados na escola; mas era.” (Machado
de Assis)

4ª Às vezes, as conjunções só unem termos, caso em que não haverá pontuação.

Nem João nem Luís falaram.


Maria ou Lúcia casará com Fernando.

5ª A conjunção “e” tem uma pontuação à parte (ver regra 10).

21. Vírgula com conjunções ou locuções conjuntivas adversativas (porém, toda-


via, contudo, entretanto, no entanto) e conjunções ou locuções conjuntivas
conclusivas ( portanto, por isso, logo, por conseguinte, etc.)

21.1 Caso haja apenas uma oração (um verbo ou uma locução verbal), tais nexos
devem ficar entre vírgulas.

A) João, contudo, sempre fala a verdade.

B) Nós, por conseguinte, iremos ao jogo.

C) Eles fariam, todavia, qualquer coisa.

21.2 Caso haja mais de uma oração, teremos de analisar se o nexo (que é a
mesma coisa que conjunção ou locução conjuntiva) está ou não deslocado. A
posição natural de um nexo é entre as orações. Em alguns casos, porém, o nexo
não estará exatamente entre as orações que ele está ligando. Nesses casos,
dizemos que houve deslocamento do nexo. Cabe salientar que os únicos nexos
que podem ser deslocados na Língua Portuguesa são os adversativos e
conclusivos. Isso mesmo que você leu, apenas adversativos e conclusivos podem
ser deslocados. Ainda cabe salientar que o único nexo adversativo que não pode
ser deslocado é o “mas”, por isso aprendemos sua pontuação à parte.
19
21.2.1 Se não houver deslocamento, duas pontuações são possíveis: ou
colocamos apenas uma vírgula antes do nexo adversativo ou conclusivo, ou
colocamos ponto e vírgula antes do nexo e vírgula depois dele.

A) João tinha um sonho, entretanto não tinha apoio da família.


ou
B) João tinha um sonho; entretanto, não tinha apoio da família.

C) O atacante fez três gols, por isso está esfuziante.


ou
D) O atacante fez três gols; por isso, está esfuziante.

21.2.2 Se houver deslocamento, obrigatoriamente o nexo deverá ficar entre


vírgulas e, na posição em que o nexo deveria estar (entre as orações), surgirá o
ponto e vírgula.

A) Nós iremos; ficaremos, porém, pouco.

B) Maria é muito simpática; tem, por isso, muitos amigos e amigas.

C) Fala coisas absurdas; não queremos, portanto, conviver com aquele sujeito.

D) Nós iremos; ficaremos pouco, porém.

Comentário:
Na letra D, como o nexo deslocado está no final da frase, não há como colocá-lo
entre vírgulas. Ele deve apenas ser precedido de uma vírgula.

22. A vírgula nas orações subordinadas adverbais (desenvolvidas ou reduzidas)


As orações subordinadas adverbais indicam circunstância de causa, tempo, condição,
concessão, finalidade, etc.
Quando há uma oração subordinada adverbial, há também uma principal. Na ordem
direta, primeiro vem a oração principal, depois vem a oração subordinada adverbial.
Caso a ordem não seja essa, haverá o deslocamento da oração subordinada adverbi-
al. A regra a ser aplicada para o uso de vírgula ou vírgulas dependerá da posição da
oração subordinada adverbial em relação à principal. Não importa se ela estará
desenvolvida (introduzida por nexo), ou se ela estará reduzida (representada por um
forma nominal de infinitivo, de gerúndio ou de particípio).

22.1 Se a frase estiver na ordem direta ( oração principal + oração subordinada


adverbial), o uso da vírgula é opcional.

A) Nós poderemos ficar se você quiser.


ou
B) Nós poderemos ficar, se você quiser.

C) O aluno terá uma chance falando a verdade.


ou
D) O aluno terá uma chance, falando a verdade.
20
22.2 Se houver deslocamento para o início da frase (oração subordinada adverbial +
oração principal), o uso da vírgula será obrigatório.

A) Quando você vier, nós vamos conversar.

B) Caso o diretor da escola concordasse, as aulas iniciariam mais cedo.

C) Terminada a aula, fomos embora.

D) Embora tudo tenha sido feito, ele manteve a decisão de fechar o bar.
22.3 Se houver deslocamento para o meio da frase (oração principal +
oração subordinada adverbial + oração principal), o uso de vírgulas será
obrigatório, ou seja, haverá uma vírgula antes e uma depois da oração
subordinada adverbial.

A) Os alunos, já que haviam estudado, tiraram boas notas.

B) Nossos pais, à medida que envelhecem, mais tolerantes ficam.

C) A primeira aula, conforme anunciou o professor, será muito importante.

D) A menina, mesmo sendo pobre, andava muito bem-vestida.

23. Vírgula depois de parêntese ou de travessão duplo.

Poderá haver vírgula depois de parêntese ou de travessão.

A) No domingo (dia do meu aniversário), faremos um churrasco.

B) Eu vi Carlos – o namorado de Maria -, mas ele não me viu.

Comentário:
Na letra A, os parênteses marcam o aposto, e a vírgula marca o deslocamento do
adjunto adverbial. Na letra B, os travessões marcam o aposto, e a vírgula é exigida
pela conjunção adversativa “mas”.

24. Vírgula com dupla função

Em algumas construções, a vírgula poderá ter dupla função.

A) Eu vi Carlos, o namorado de Maria, mas ele não me viu.

Comentário:
A vírgula após “Maria” tem duas funções: finalizar o aposto e marcar o nexo
(conjunção) “mas”.
21
25. Vírgulas nas orações subordinadas adjetivas explicativas

As orações subordinadas adjetivas explicativas devem ser marcadas por


vírgulas.
É bom lembrar que tais orações são introduzidas por pronomes relativos (que, o
qual, quem, cujo, onde, etc.). Além das vírgulas, travessões ou parênteses
também podem ser usados para marcar as orações subordinadas adjetivas
explicativas.

A) Luís, que é o novo professor de música, virá.


ou
B) Luís - que é o novo professor de música - virá.
ou
C) Luís (que é o novo professor de música) virá.

D) Brasília, que é a capital do Brasil, foi inaugurada em 21 de abril de 1960.


ou
E) Brasília - que é a capital do Brasil - foi inaugurada em 21 de abril de 1960.
ou
F) Brasília (que é a capital do Brasil) foi inaugurada em 21 de abril de 1960.

Observações
1ª Nessas frases, caso tirássemos o segmento “que é”, teríamos apostos.

Luís, o novo professor de música, virá.

Brasília, a capital do Brasil, foi inaugurada em 21 de abril de 1960.

2ª As orações subordinadas adjetivas restritivas cuja função é restringir, limitar,


precisar o significado do antecedente não são marcadas por vírgulas.

O homem que trabalha vence na vida.

O cachorro que latiu é o meu.

3ª Dentro do aposto poderá haver uma oração subordinada adjetiva restritiva.


Compare as frases.

João, o irmão que todos admiram, chegou.

João, que é o meu irmão, chegou.

Na primeira frase, o motivo para o uso de vírgulas é o aposto. Dentro do aposto,


temos que todos admiram, uma oração subordinada adjetiva restritiva. Na
segunda frase, o motivo para o uso de vírgulas, é a oração subordinada adjetiva
explicativa “,que é o meu irmão,”. Observe que, na segunda frase, logo depois da
vírgula, vem o pronome relativo “que”.

22
DOIS-PONTOS
:
Os dois-pontos iniciam basicamente uma citação, um esclarecimento,
uma enumeração ou uma resumo. Usaremos nos seguintes casos:

1. Citação (discurso direto)

A) João declarou: Está tudo bem.

B) O menino perguntou aos pais: “Vocês me deixarão brincar?”.

C) Ele sempre dizia: “- Um dia vou enriquecer”.

Observações:
1ª Após dois-pontos, normalmente se usa letra minúscula; porém, nos
casos acima (discurso direto), usa-se letra maiúscula.

2ª No caso da citação anunciada (discurso direto), um verbo dicendi


(dizer, anunciar, afirmar, perguntar, responder, indagar, etc.) vai
precedê-la.

3ª Ainda no caso de citação anunciada, após os dois pontos, podem ser


usados travessão, aspas ou aspas e travessão simultaneamente.

2. Enumeração (aposto enumerativo)

A) Maria tem três amigas: Fabiane, Lúcia e Joana.

B) O estudante pediu dois presentes: um lápis e um caderno.

3. Apostos no final do período

A) Conheci Jovenaldo: meu futuro sogro.

aposto explicativo

B) Os alunos queriam uma coisa: que o professor continuasse o mesmo.

oração subordinada substantiva apositiva desenvolvida

C) Só quero isto: passar.

oração subordinada substantiva apositiva reduzida

23
4. Esclarecimento

A) Tudo ficou claro: ela o traiu.

5. Orações com valor explicativo (nexo explicativo implícito)

A) Deve estar chovendo: as calçadas estão molhadas.

B) Volte logo para casa: as visitas estão chegando.

Observação:
Nas frases A e B, poderíamos trocar os dois-pontos por um nexo explicativo
precedido de vírgula.

Deve estar chovendo, porque as calçadas estão molhadas.

Volte logo para casa, pois as visitas estão chegado.

6. Síntese ou resumo

A) Era ríspida, amorosa, educadora, compreensível: uma mãe exemplar.

24
PONTO E VÍRGULA ;
É um sinal de pontuação que pertence à coordenação. Jamais poderá ser usado
na subordinação. Observe as frases:

Se houver tempo; iremos. (pontuação errada)

Comentário:
Há erro de pontuação, visto que o ponto e vírgula está sendo usado entre uma
oração subordinada adverbial e uma oração principal.
.

É preciso que ele reconheça isto; que demos o melhor de nós. (pontuação
errada)

Comentário:
Há erro de pontuação, visto que o ponto e vírgula está sendo usado entre uma
oração principal e uma oração subordinada substantiva apositiva.

Uso do ponto e vírgula

1. O ponto e vírgula separa orações coordenadas assindéticas, principalmente


as mais extensas.

A) A escola fez muitos ajustes nos horários dos professores; os alunos não
gostaram das mudanças feitas.

2. O ponto e vírgula separa orações coordenadas adversativas e conclusivas


com o nexo deslocado.

A) Acordamos muito tarde; chegamos, porém, a tempo.

B) Nosso time teve uma atuação magnífica; vencemos, portanto, facilmente.

3. O ponto e vírgula separa orações coordenadas em que, pelo menos, uma


delas já esteja marcada por vírgula.

A) No inverno, ele toma vinho; no verão, ele toma cerveja.

Comentário:
Na frase A, as vírgulas marcam o deslocamento do adjunto adverbial (facultativas);
na frase B, as vírgulas estão marcando a supressão do verbo.
25
4. O ponto e vírgula separa orações de sentidos opostos ou diferentes.

A) Lúcia gosta de morango; a irmã, de banana.

B) Carlos mentiu; o amigo falou a verdade.

Comentário:
A frase A também se encaixa na regra 3.

5. O ponto e vírgula separa itens de uma enumeração, sobretudo em leis,


decretos, portarias, regulamentos, artigos, etc.

Observe este trecho do ECA.

A) Art. 16. O direito à liberdade compreende os seguintes aspectos:

I - ir, vir e estar nos logradouros públicos e espaços comunitários, ressalvadas


as restrições legais;
II - opinião e expressão;
III - crença e culto religioso;
IV - brincar, praticar esportes e divertir-se;
V - participar da vida familiar e comunitária, sem discriminação;
VI - participar da vida política, na forma da lei;
VII - buscar refúgio, auxílio e orientação.

(ECA – Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990)

26
EXERCÍCIOS

Coloque C (certo ) e E (errado) para as frases pontuadas abaixo:

1. Ontem comprei: uma cerveja, um vinho, uma cachacinha. ( )

2. Quando encontramos Luís Carlos (menino muito pobre), ele não tinha roupa
boa para ir à escola.( )

3. Pessoas de todo o mudo conheceram o Brasil durante a Copa do Mundo de


2014. ( )

4. Tu, meu amigo, tem de parar para pensar. ( )

5. Paulo, você assistiu, no sábado passado, à aula? ( )

6. Maria Clara, menina discreta e responsável, deu, a nós, mostras de sua


excelente formação moral.( )

7. Aos amigos, João virou as costas. ( )

8. Eu encontrei Raquel, filha de Pedro, amigo de meu pai, no baile de formatura.


( )

9. O guincho acaba de levar um carro, uma moto e uma bicicleta. ( )

10. As frequentes discussões entre os jogadores da seleção fizeram o técnico


cair. ( )

11. Várias línguas - francês, italiano, alemão - são faladas na Suíça. ( )

12. Preciso falar, com o Jorge, filho do proprietário. ( )

13. Aqueles primos de João gostam, de filmes, de música, de livros, etc. ( )

14. Não consigo esquecer Sidney Magal, o rei da lambada. ( )

15. Não se pode, meu caro, leitor aceitar essa mudança sem que se reclame. ( )

16. Os últimos colegas que chegaram, reclamaram de você. ( )

17. O diretor entregará, aos alunos, os prêmios. ( )

18. Esta água não beberei. ( )

27
19. A família, base da sociedade, tem, especial, proteção do Estado. ( )

20. Roberval, conhecido por suas frequentes conquistas amorosas, vai,


acreditem todos, casar. ( )

21. Já que ninguém falou nós vamos falar. ( )

22. Arriscou, embora não possuísse informações, uma opinião. ( )

23. Vim conversar conforme lhe havia prometido. ( )

24. Fazendo o certo, conseguirás passar. ( )

25. A mãe de Júlia quando soube a notícia, entristeceu-se. ( )

26. Quando a diretora, mulher honestíssima, chamou o pai, a menina já estava


chorando. ( )

27. Fiz-lhe um sinal, para que se calasse. ( )

29. Os operários protestavam e exigiam explicações. ( )

30. O prefeito mandou distribuir cerveja grátis a todos, e a população saiu às


ruas. ( )

31. Queria fazer a consulta; não havia porém horário disponível. ( )

32. O professor repetiu a explicação; porém, os alunos continuaram com


dúvidas. ( )

33. Henrique é um bom amigo e todos sabemos é bom filho. ( )

34. Esse “querer” não é um verbo, porém é um substantivo. ( )

35. Aquele prefeito lê muito, mas, por incrível que pareça, escreve mal. ( )

36. Eu carrego as bebidas. Tu, o gelo. ( )

37. Só o diamante, que é mais duro que o aço pode riscar esta superfície. ( )

38. Falei tudo ao nosso amigo; deve, pois estar triste( )

39. Nosso amigo deve estar triste, pois, falei tudo a ele. ( )

40. Não poderão, eu imagino, ganhar a causa. ( )

28
41. A rainha, aliás, não sabia de nada. ( )

42. Elas explorariam o café. Nós; o algodão. ( )

43. Ninguém, é verdade, poderia prever que, durante a reunião, haveria aquela
discussão. ( )

44. O homem depende da natureza; portanto, deve preservá-la. ( )

45. As novas escolas daquela cidade do interior, estão precárias. ( )

46. Essa pequena biblioteca tem atlas, gramáticas, livros didáticos, dicionários,
etc. ( )

47. Não sei se vocês concordam, mas, vou votar, em Márcio. ( )

48. O Brasil, o maior país, da América do Sul, tem muitos problemas sociais. ( )

49. “O talento se forja na solidão; o caráter, na sociedade”. “Goethe” ( )

50. Ela agia correto; ele, agia errado. ( )

51. Fez história Resvaldo, ex-professor de química. ( )

52. O ar anda muito pesado; devemos, pois, trabalhar menos. ( )

53. Deves comprar o seguinte: tomate, três quilos; cebola, um quilo; costela, dois
quilos. ( )

54. Tudo corria muito bem; havia, entretanto dois problemas: a falta de dinheiro e
a falta de tempo.( )

55. Uns trabalhavam, e esforçavam-se, e exauriam-se; outros folgavam, e


descuidavam-se, e não pensavam no futuro. ( )

56. Comprei calça, sapato, camisa, etc.... ( )

57. A celebridade é fonte de labuta e mágoas; o anonimato é fonte de felicidade.


( )

58. A represa , porém, está poluída. ( )

59. Para a prova, preparei-me. ( )

60. Ônibus, automóveis e carros, ficaram detidos. ( )

29
61. Os ministros, ontem à noite encaminharam a proposta. ( )

62. A vida, meus amigos, é um mergulho na bruma. ( )

63. Ele, com certeza passará a duvidar de ti. ( )

64. Os amigos, de Lúcia, não fizeram questão de acreditar nele. ( )

65. Os frequentes termos de baixo calão do deputado governista evidenciam seu


despreparo. ( )

66. Seus olhos, duas bolas de pânico, impressionavam quem os via.( )

67. O pai de João, que há muito eu não via esteve aqui ontem. ( )

68. Quando sairmos desta situação, irei para casa descansar. ( )

69. Quando sairmos desta situação irei para casa descansar. ( )

70. Fizemos, conforme o combinado, todo possível para vencer. ( )

71. Dando tudo certo, estaremos em casa. ( )

72. Alguns reclamam e, ninguém reivindica. ( )

73. Expus meu ponto de vista e fiz minhas reivindicações. ( )

74. O time empenhou-se, mas, naquele dia, não superou o adversário. ( )

75. Gosto de banana, de maçã, de morango e etc. ( )

76. Não falem alto, porque as crianças, estão todas dormindo. ( )

77. Compareceram todos: seu Lucas, padre Abílio, mestre Caetano. ( )

78. “O romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo, é a anatomia do


caráter”. ( )

79. O vento forte abriu a janela, e todos assustaram-se. ( )

80. Uma coisa, contudo, estava bem clara: a jovem não fora roubada, pois um
grande anel de ouro continuava a brilhar num dos dedos da mão esquerda. ( )

81. Naquela noite, o rapaz contou uma mentira a seu pai: disse-lhe, que ia passear
com os amigos, e ninguém desconfiou de que se preparava para fugir. ( )

30
82. Ele vendeu a casa, a fazenda e o carro, no ano passado. ( )

83. No domingo, farei a prova. ( )

84. Virá minha cunhada - mulher do interior -, porém ela não conhece bem a
capital. ( )

85. Não mintas, menino. ( )

86. Paulo estuda e trabalha, e o irmão só trabalha. ( )

87. Estava tudo combinado; por conseguinte, não haveria briga. ( )

88. Fala alto, bate na mesa, bebe muito: um sujeito chato. ( )

89. Quando cheguei, ela já havia partido. ( )

90. Cheguei, pedi silêncio, aguardei alguns minutos e comecei a aula. ( )

91. A noiva, aliás, de nada sabia. ( )

92. Nós iremos, creio eu, amanhã. ( )

93. O homem, que é um ser social, tem sido isolado pela ambição. ( )

94. Marieta queria ir ao cinema; o marido, ao supermercado. ( )

95. Ela teve três filhos: Godofredo, Godogildo, Godomundo. ( )

96. Quem fala o que quer ouve o que não quer. ( )

97. Era amável, e compreensível, e sincera, e rígida: uma ótima mãe. ( )

98. Grosseiro, o funcionário estava. ( )

99. Insatisfeito, o funcionário saiu. ( )

100. Quem fala a verdade, não deve temer nada. ( )

101. Ela virá logo, logo. ( )

31
Cofira o Gabarito na Íntegra
com explicações do Professor Andresan

Para acessar os vídeos, aponte a


câmera de seu celular para os QR
Codes abaixo, ou então, utilize um
aplicativo leitor padrão. Caso esteja
acessando este e-book pelo celular,
basta clicar diretamente no QR Code
desejado. Você será redirecionado
automaticamente para as respectivas
aulas em nosso canal do Youtube.

Questões 1 a 36 Questões 37 a 70 Questões 71 a 101

32
GABARITO

Coloque C (certo ) e E (errado) para as frases pontuadas abaixo:

1. Ontem comprei: uma cerveja, um vinho, uma cachacinha. (E)


2. Quando encontramos Luís Carlos (menino muito pobre), ele não tinha roupa
boa para ir à escola. ( C)
3. Pessoas de todo o mudo conheceram o Brasil durante a Copa do Mundo de
2014. (C)
4. Tu, meu amigo, tem de parar para pensar. (C)
5. Paulo, você assistiu, no sábado passado, à aula? (C)
6. Maria Clara, menina discreta e responsável, deu, a nós, mostras de sua
excelente formação moral. (C)
7. Aos amigos, João virou as costas. (C)
8. Eu encontrei Raquel, filha de Pedro, amigo de meu pai, no baile de formatura.
(C)
9. O guincho acaba de levar um carro, uma moto e uma bicicleta. (C)
10. As frequentes discussões entre os jogadores da seleção fizeram o técnico
cair. (C)
11. Várias línguas - francês, italiano, alemão - são faladas na Suíça. (C)
12. Preciso falar, com o Jorge, filho do proprietário. (E)
13. Aqueles primos de João gostam, de filmes, de música, de livros, etc. (E)
14. Não consigo esquecer Sidney Magal, o rei da lambada. (C)
15. Não se pode, meu caro, leitor aceitar essa mudança sem que se reclame. (E)
16. Os últimos colegas que chegaram, reclamaram de você. (E)
17. O diretor entregará, aos alunos, os prêmios. (C)
18. Esta água não beberei. (C)
19. A família, base da sociedade, tem, especial, proteção do Estado. (E)
20. Roberval, conhecido por suas frequentes conquistas amorosas, vai,
acreditem todos, casar. (C)
21. Já que ninguém falou nós vamos falar. (E)
22. Arriscou, embora não possuísse informações, uma opinião. (C)
23. Vim conversar conforme lhe havia prometido. (C)
24. Fazendo o certo, conseguirás passar. (C)
25. A mãe de Júlia quando soube a notícia, entristeceu-se. (E)
26. Quando a diretora, mulher honestíssima, chamou o pai, a menina já estava
chorando. (C)
27. Fiz-lhe um sinal, para que se calasse. (C)
28. Este é um mal horrível, horrível, mas tem cura. (C)
29. Os operários protestavam e exigiam explicações. (C)
30. O prefeito mandou distribuir cerveja grátis a todos, e a população saiu às
ruas. (C)
31. Queria fazer a consulta; não havia porém horário disponível. (E)
32. O professor repetiu a explicação; porém, os alunos continuaram com
dúvidas. (C)

33
33. Henrique é um bom amigo e todos sabemos é bom filho. (E)
34. Esse “querer” não é um verbo, porém é um substantivo. (C)
35. Aquele prefeito lê muito, mas, por incrível que pareça, escreve mal. (C)
36. Eu carrego as bebidas. Tu, o gelo. (C)
37. Só o diamante, que é mais duro que o aço pode riscar esta superfície. (E)
38. Falei tudo ao nosso amigo; deve, pois estar triste(E)
39. Nosso amigo deve estar triste, pois, falei tudo a ele. (E)
40. Não poderão, eu imagino, ganhar a causa. (C)
41. A rainha, aliás, não sabia de nada. (C)
42. Elas explorariam o café. Nós; o algodão. (E)
43. Ninguém, é verdade, poderia prever que, durante a reunião, haveria
aquela discussão. (C)
44. O homem depende da natureza; portanto, deve preservá-la. (C)
45. As novas escolas daquela cidade do interior, estão precárias. (E)
46. Essa pequena biblioteca tem atlas, gramáticas, livros didáticos,
dicionários, etc. (C)
47. Não sei se vocês concordam, mas, vou votar, em Márcio. (E)
48. O Brasil, o maior país, da América do Sul, tem muitos problemas
sociais. (E)
49. “O talento se forja na solidão; o caráter, na sociedade.” (Goethe) (C)
50. Ela agia correto; ele, agia errado. (E)
51. Fez história Resvaldo, ex-professor de química. (C)
52. O ar anda muito pesado; devemos, pois, trabalhar menos. (C)
53. Deves comprar o seguinte: tomate, três quilos; cebola, um quilo;
costela, dois quilos. (C)
54. Tudo corria muito bem; havia, entretanto dois problemas: a falta de
dinheiro e a falta de tempo. (E)
55. Uns trabalhavam, e esforçavam-se, e exauriam-se; outros folgavam, e
descuidavam-se, e não pensavam no futuro. (C)
56. Comprei calça, sapato, camisa, etc.... (E)
57. A celebridade é fonte de labuta e mágoas; o anonimato é fonte de
felicidade. (C)
58. A represa , porém, está poluída. (C)
59. Para a prova, preparei-me. (C)
60. Ônibus, automóveis e carros, ficaram detidos. (E)
61. Os ministros, ontem à noite encaminharam a proposta. (E)
62. A vida, meus amigos, é um mergulho na bruma. (C)
63. Ele, com certeza passará a duvidar de ti. (E)
64. Os amigos, de Lúcia, não fizeram questão de acreditar nele. (E)
65. Os frequentes termos de baixo calão do deputado governista
evidenciam seu despreparo. (C)
66. Seus olhos, duas bolas de pânico, impressionavam quem os via. (C)
67. O pai de João, que há muito eu não via esteve aqui ontem. (E)
68. Quando sairmos desta situação, irei para casa descansar. (C)
69. Quando sairmos desta situação irei para casa descansar. (E)
70. Fizemos, conforme o combinado, todo possível para vencer. (C)

34
71. Dando tudo certo, estaremos em casa. (C)
72. Alguns reclamam e, ninguém reivindica. (E)
73. Expus meu ponto de vista e fiz minhas reivindicações. (C)
74. O time empenhou-se, mas, naquele dia, não superou o adversário. (C)
75. Gosto de banana, de maçã, de morango e etc. (E)
76. Não falem alto, porque as crianças, estão todas dormindo. (E)
77. Compareceram todos: seu Lucas, padre Abílio, mestre Caetano. (C)
78. “O romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo, é a anatomia
do caráter”. (E)
79. O vento forte abriu a janela, e todos assustaram-se. (C)
80. Uma coisa, contudo, estava bem clara: a jovem não fora roubada, pois
um grande anel de ouro continuava a brilhar num dos dedos da mão
esquerda. (C)
81. Naquela noite, o rapaz contou uma mentira a seu pai: disse-lhe, que ia
passear com os amigos, e ninguém desconfiou de que se preparava para
fugir. (E)
82. Ele vendeu a casa, a fazenda e o carro, no ano passado. (C)
83. No domingo, farei a prova. (C)
84. Virá minha cunhada - mulher do interior -, porém ela não conhece bem
a capital. (C)
85. Não mintas, menino. (C)
86. Paulo estuda e trabalha, e o irmão só trabalha. (C)
87. Estava tudo combinado; por conseguinte, não haveria briga. (C)
88. Fala alto, bate na mesa, bebe muito: um sujeito chato. (C)
89. Quando cheguei, ela já havia partido. (C)
90. Cheguei, pedi silêncio, aguardei alguns minutos e comecei a aula. (C)
91. A noiva, aliás, de nada sabia. (C)
92. Nós iremos, creio eu, amanhã. (C)
93. O homem, que é um ser social, tem sido isolado pela ambição. (C)
94. Marieta queria ir ao cinema; o marido, ao supermercado. (C)
95. Ela teve três filhos: Godofredo, Godogildo, Godomundo. (E)
96. Quem fala o que quer ouve o que não quer. (C)
97. Era amável, e compreensível, e sincera, e rígida: uma ótima mãe. (C)
98. Grosseiro, o funcionário estava. (C)
99. Insatisfeito, o funcionário saiu. (C)
100. Quem fala a verdade, não deve temer nada. (C)
101. Ela virá logo, logo. (C)

35
www.andresan.com.br

/andresancursoseconcursos