Você está na página 1de 23

UNIVERSIDADE ÓSCAR RIBAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS E HUMANIDADES


DEPARTAMENTO DE DIREITO

CAPÍTULO I
INTRODUÇÃO GERAL DO DIREITO COMERCIAL
(MATERIAL DE APOIO PARA ESTUDO INDIVIDUAL)

DOCENTE: PROF. DOUTOR ALBERTO MABA CHOCOLATE

LUANDA, ABRIL - 2020

1
CAPITULO I
INTRODUÇÃO GERAL DO DIREITO COMERCIAL

1. O Direito Comercial e o Comércio


1.1. Os elementos que caracterizam a actividade comercial

2. Evolução historica do Direito Comercial: Concepções objectivista e subjectivista


2.1. Antiguidade
2.2. Idade Média
2.3. Idade Moderna
2.4. As tendências de uniformização do Direito Comercial

3. O Direito e as suas divisões


4. O problema da autonomia do Direito Comercial – sua formação face ao direito civil e
utilidade

4.1. As características principais do Direito Comercial


4.2. A delimitação do âmbito e o objecto do Direiro Comercial

5. Fontes de Direito Comercial


5.1. Classificação das fontes do Direito Comercial
5.2.1. Constituição da República de Angola
5.2.2. As leis ordinárias e normas regulamentares
5.2.3. Os usos e costumes
5.2.4. Os usos e costumes
5.2.5. A jurisprudência e a doutrina
5.3. Fontes Internacionais do Direito Comercial
6. Interpretação e integração do Direito Comercial, o problema da aplicação da lei civil às
relações comerciais.

1. O DIREITO COMERCIAL E O COMÉRCIO

O Direito Comercial é um ramo do direito privado e por objectivo fundamentalmente a


actividade económica privada, produtiva, especulativa, de intermediação e de prestação de
serviços, em mercado. Não abrange, por um lado, toda a actividade económica privada,
pois exclui, em geral a agricultura não empresarial, actividade artística, literária, artesanal e
as profissões liberais, e por outro lado, ultrapassa o campo do privado e inclui também, em
não a título principal, a actividade económica pública, e até de direito público. Não deixa,
contudo, de fazer parte do direito privado1, e o comércio, atento aos interesses dos
comerciantes e o escopo lucrativo, e, portanto, matéria juridicamente disciplinado pelo
Direito Comercial2.

Por comércio, segundo a teoria economica, é uma actividade de mediação entre a produção e o
consumo dos bens, que consiste basicamente na compra e revenda das mercadorias e operações
acessórias com o objectivo de obtenção de lucros e correndo o inerente risco e situa-se no sector
1
Vasconcelos, Pedro Pais de, Direito Comercial, Vol. I, Almedina 2011, pág. 13
2
Gameiro, António Ribeiro e outro, Introdução e Teoria Geral do Direito, Vol. I, Edições Cosmos, 2014,
pág. 247.

2
terceriário e nesta perspectiva, temos, basicamente, dois entedimentos, i) o sentido
económico do conceito comércio e ii) o sentido jurídico do conceito comércio:

Quanto ao sentido económica: o comercio, é actividade de mediação entre a produção e o consumo


de bens, que consiste basicamente na compra e revenda das mercadorias e operações acessórias com o
objectivo de obtenção de lucros e correndo o inerente risco, situa-se na intermediação da troca, isto
é, compra e venda.

Na acepção mais ampla, o comércio é uma actividade humana que põe em circulação a riqueza
produzida, aumentando-lhe a utilidade.

No concernente ao sentido jurídico: o comercio traduz-se num complexo, isto é, conjunto de actos
e/ou de operações de intetermediação entre o produtor e o consumidor que, exercidos habitualmente,
com intuito de lucro, realizam, promovem ou facilitam a circulação dos produtos da natureza e da
indústria, para tornar mais fácil e pronta a procura e a oferta.

O Direito Comercial tem uma raiz histórica muito clara que influencia fortemente a sua
feição, a sua natureza, o seu conteúdo, os princípios que o regem e que o caracterizam e até
o seu sentido, isto significa, que o mesmo, como hoje existe é um produto histórico, fruto
de várias circunstâncias da história da Europa e da sua evolução, o que levou ao seu
surgimento e se desenvolveu, ampliando o seu âmbito, tendo ganho um carácter próprio e
hoje é uma realidade indesmentível de uma enorme importância e relevância jurídica,
social e económica, sendo que as sociedades liberais e democráticas actuais não prescindem
dele3.

1.1. OS ELEMENTOS QUE CARACERIZAM A ACTIVIDADE COMERCIAL

Os elementos que caracterizam a actividade comercial, são destacados da noção jurídica do


conceito de comércio e tidos como fundamentais para a caracterização de uma actividade
económica como mercantil e, sendo, o objecto de estudo do Direito Comercial que
ultrapassa os limites da compra para revenda. São os seguintes elementos:
1) a mediação;
2) a habitualidade
3) a especulação e
4) lucro.

- Mediação: acção e/ou acto de auxiliar como intermediário entre o produtor e


consumidor, aproximando os dois extremos, fazendo certo de que a actividade mercantil
se encontra entre o produtor e o consumidor.
- Habitualidade: Repetição, constância, permanência da situação ao longo de tempo sem
interrupção. Mesmo que ocorra a intermediação com intuito de lucro, se não passar de um
mero evento, ou seja, sem a continuidade no tempo, de forma perene (que dura para
sempre, contínuo, ininterrupto, incessante), não será, de mesma forma a actividade
entendida como comercial. A doutrina usa muito o termo profissionalização para destacar
este elemento.

3
Vasconcelos, Pedro Pais de, Direito Comercial, Vol. I, pág. 13.

3
- Especulaçâo: operação de resultados incertos e arriscados de grande vantagem se for
bem-sucedida que se traduz na procura de vantagens próprias.
- Lucro: É o retorno positivo de um investimento, que se traduz na diferença entre
receita total e todos os custos. Portanto, o retorno ao proprietário do capital social, dinheiro
ou títulos investidos, isto é, renda económico. No comércio, não se trata somente a sua
efectiva ocorrência mas, sobretudo, seu intuito, sua busca, seu fim, é que deve ser a
característica a ser identificada na actividade mercantil. Isso vale dizer, que a simples
aproximação entre produtor e consumidor, sem lucratividade do intermediário, não é
entendida como actividade comercial.

2. EVOLUÇÃO HISTORICA DO DIREITO COMERCIAL4: CONCEPÇÕES


SUBJECTIVISTA E OBJECTIVISTA

2.1. ANTIGUIDADE

São escassos os elementos legados sobre regras comerciais no Mundo Antigo. No Código
de Hamurabi (Babilónia 1700 a.C.) existem algumas normas dispersas (espalhadas) sobre
alguns contratos, como a sociedade, o empréstimo a juros, o depósito, a comissão.

Nos Fenícios, embora grandes comerciantes, só criaram algumas noções de Direito


Marítimo. Nos Gregos, conquanto também se tenham dedicado intensamente ao comércio
e existem vestígios de regras do seu Direiro Marítimo: a lex rhodia referente a avaria
comuns dos návios, o empréstimo náutico e as sociedades marítimas.

Nos Romanos, a pesar não criaram regras específicas de actividade comercial, tendo
incorporado no jus civile, as normas sobre o comércio, foi o caso da representação, da
sociedade, do empréstimo, do penhor, da “venditio bonorum” que deu a origen o instituto
de falência e das operações de crédito, que eran praticadas pelos argentarii, os banqueiros
da época.

O Jus Civile, isto é, o Direito Civil era o ordenamento jurídico construido por uma
sociedade baseada na agricultura e na propriedade da terra e, portanto, na conservação e
fruição estável dos bens. As actividades de comércio e artesanato, imbuídas de espirito de risco, de
especulação, de circulação de riquezas, surgiram como corpos estranhos e eran encaradas como
meramente adventícias, isto é, “algo má” em relação à estrutura fundamental da economia
romana.

Em todo caso, a pesar de ser algo meramente adventício, a influência do comércio atenuou
o formalismo primitivo do Direito Civil romano (Jus Civile), levando a admissão de
contratos convencionais (compra-venda) e inspirou o aparecimento do “jus gentium”, isto é,
regras jurídicas não privativas dos cidadãos romanos.

4
Ferrer Correia, “Lições...”, I, pág. 8 e ss.; Ripert--‐Riblot, “Traité...”, I, pág. 10 e ss.; Chartier, “Droit des
Affaires”, I, pág. 2 e ss.; J.G. Pinto Coelho, “Lições de Direito Comercial”,
2ª ed., Lisboa, 1945, vol. 1º, p. 2 e ss.; F. Galgano,

4
CONCLUSÃO:

O Direito Comercial na Antiguidade está principalmente relacionado com o comércio


marítimo no Mediterrâneo, entre povos e cidadãos independentes e, por isso, sujeitos a leis
muito variadas. Essas regras constituem uma plataforma de entendimento, o que explica a
prevaleça do respeito pelas convenções das partes e sobrevalorize a boa-fé e a confiança, nas
convenções e nos tratados e usos, o que lhe conferia um cariz que hoje se diría
internacionalista.

2.2. IDADE MÉDIA

É na Idade Média que o direito comercial adquire expressão própria, resultante da


destruição da vida comercial com as invasões bárbaras e o seu renascimento com ascruzadas
e com o desenvolvimento, a partir do século XII, das cidades comerciais na Itália, na
Flandres, na Alemanha, bem como das feiras, que constituiram os polos de vida comercial
da época. Após as invasões bárbaras das cidades comerciais de Itália, na Flandres e na
Alemanha. Nas cidades portuárias e mercantis emergentes da crise do sistema feudal, os
comerciantes assumem o poder. Mercê da riqueza que possuiam e manejavam. Assim, o
Direito Comercial, as suas normas surgem com o:

a) o aparecimento e desenvolvimento das feiras;


b) a assumpção do poder pelos comerciantes e a criação de corporações poderosas que
elaboravam os regulamentos da profissão, onde se sedimentam usos mercatins.

Após a crise do sistema feudal, a aplicação dessas regras competia aos respectivos
magistrados, que simultáneamente era autoridades político-administrativos e judiciais, os
“consules mercatorum”, que competiam desenvolver e especificar o conteúdo, como
interpretar os regulamentos das corporações dos comerciantes.

É assim que, surge o Direito Comercial, cujas fontes são o direito corporativo dos
comerciantes, isto é, regulamentos da profissão onde se sedimenta usos mercantis.

Igualmente, influenciaram no surgimento do Direito Comercial, os estatutos cidades


comerciais - como nos forais das cidades e vilas mercantis na Europa, também fizerem o
surgimento de várias regras aplicáveis aos mercadores e seus auxiliares, bem como às
operações que estes praticavam.

Alguns repositórios de regras consulares ficaram célebres e exerceram um importante papel


aglutinador, é o caso do Consulat de la Mer, repositorio de usos e costumes marítimos para
o Mediterrâneo, dos Rolos de Oleron, por um dos seus exemplares ser de oriundo da ilha
de Oleron e, que eram uma recolha de usos e costumes marítimos observados nas costas
do oceano, da colecção do direito marítimo de Wisby, na ilha de Gothland, que continha
as normas reguladoras das relações comerciais marítimas no Mar Báltico, dos Recessos de
Hansa Teutónica, que continham as regras de direito marítimo formuladas pela Assembleia
dos delegados da Liga Hanseática, do Guidon de la Mer, publicado em Rouen, no séc. XIV,
que contina os principios relativos ao contrato de seguro, das tábuas de Amalfi e etc.

5
Toda esta actividade normativa desenvolveu-se mais com o impulso dos Descobrimentos,
que a partir do sec. XVI, activaram o comércio marítimo, expandindo-o progresivamente a
todos os mares e continentes, e deste modo contribuiram decisivamente para a evolução
das regras e instituições a ele ligadas.

Foi, assim, no decorrer da Idade Média que se originaram a maior parte dos institutos do
Direito Comercial moderno, tais como os traços essenciais das operações de banco, da letra
de câmbio, da falencia (bancarrota), a contabilidade de partidas dobradas, da sociedade nas
suas molidades originais (sociedade em nome colectivo com a responsabilidade ilimitada e
solidária dos sócios, a comandita-comenda, forma de conceber crédito iludindo a proibição
canónica do juro.

CONCLUSÃO:

Surge um Direito Comercial cujas fontes são:


i) os estatutos das corporações dos mercadores;
ii) os costumes mercantis; e
iii) a jurisprudência dos Tribunais Consulares, não uniforme.

Este “Jus Mercatorum” aplica-se a todas as relações jurídicas dos comerciantes, quer entre
eles, quer com elementos de outras clases (eclesiásticos, nobres, militares, agricultores,
estrangeiros, prevalecendo sobre o direito canónico e o direitto civil (jus civile). Torna um
Direito Especial e Autónomo do direito civil que se caracterizava como um Direito:
a) subjectivista;
b) corporativo;
c) cconsuetudinário pelas suas origens, fortemente baseado nos costumes;
d) internacionalista.

2.3. IDADE MODERNA

Na Idade Moderna, as corporações perdem importância face à afirmação crescente do poder Real,
sendo o direito mercantil corporativo medievel pouco a pouco substituido por perceitos de origem real
(Monarca), mantendo o teu carácter subjectivista, tendo sempre como fulcro as actividades dos
comerciantes, cujas corporações continuaram ainda bastante tempo a desempenhar importante papel
de organização e defesa da classe.

O Direito Comercial passa a ser um direito de fonte estadual e com a sua matriz nacional, e atenua-
se o seu internacionalismo. Assim sucedeu em vários da Europa, incluindo o Portugal, onde
as corporações subsistiram até ao séc. XIX, ao mesmo tempo que os governantes dedicaram
cuidada atenção às resolução dos litigios surgidos nas questões comerciais. Foram criadas
duas compilações com normas mercantis, isto é, as duas ordenações de Luís XIV
promulgadas por Colbert:
- 1673 sobre comércio terrestre;
- 1681 sobre comércio marítimo.

Estes dois ordenações constituiram os primeiros esboços daquilo que mais tarde viriam a
ser as codificações da Idade Contemporânea.

6
Foi nesta época histórica que trouxe consigo a criação, no séc. XVII, das primeiras
sociedades anónimas – companhias magestáticas destinadas à exploração do comércio e dos
recursos ultramarinos, pronunciadoras de uma transformação global das concepções e
realidades.

Com a revolução francesa e os movimentos semelhantes que, na sua esteira, eclodiram em


outros países, significaram a tomada do poder pela burguesía e, com ela, a difusão da
ideologia igualitária que levou à extinção das corporações económicas o que levaria ao
advento do capitalismo no século seguinte, exemplo, “Lei d´Allarde” e “Le Chapellier”, de
1791 e a título de exemplo, em Portugal, o decreto didatorial de D. Pedro IV, de 7.05.1834
e a programação da liberdade do comércio, o que conduziu a uma modificação esencial na
concepção de Direito Comercial, pasando a ser concebido e construido como direito
regulador dos actos de comércio e aplicar-se não em função da qualidade dos sujeitos das
relações jurídicas, mas sim da natureza destas relações em si mesma.

Conforme se faz referência acima, optou-se numa concepção objectivista que influenciou
alguns países, a título de exemplos, dos Códigos Comerciais da França de 1807, da Espanha
de 1886, da Italia, os de 1842, 1865 e de 1882, e de Portugal, do ano de 1833, tendo
culminado em 1888 e que entrou em vigor em Janeiro de 1889, que vigora até hoje,
incluindo no ordenamento jurídico angolano com algumas adapações, nos termos do n.º
3, do artigo 6.º, da Constituição da República de Angola.5

Esta evolução coorespondeu também a um alargamento do ámbito de aplicação do Direito


Comercial. De facto, os códigos objectivistas e subsjectivistas que viriam surgir mais tarde não
ignoraram que a esmagadora maioria dos actos de comércio se integrassem no âmbito do
exercício de actividades comerciais, bem como a codificação de Direito Comercial o que
representou, igualmente, um triunfo das reivindicações de outros operadores económicos,
no sentido de que o regime específico das actividades comerciais, em sentido estrito, isto é,
actividades de intermediação nas trocas, fosse entendido como actividades especulativas, a
industria, os serviços, os transportes, os seguros, a banca e etc.

Passou, por isso, a ficar submetido ao Direito Comercial um conjunto amplo de actividades
económicas, sendo todavía dele excluídas algumas, como a agricultura, o artesanato, as
profissões liberáis, que se considerou não terem um carácter especulativo, terem objecto de
um tratamento jurídico diferente em relação ao comércio.

Mas tem-se exemplos, de códigos com o carácter subjectivista, o caso do Código Comercial
Alemão de 1861 (Handelsggezbuc, abreviamente designado por HGB, que serviu de
modelo aos diversos países, que caracterizou o Direito Comercial como “direito profissional”
dos comerciantes, definindo o comerciante como “aquele que explore uma empresa mercantil
e enumera as actividades que são objecto das empresas mercantis e os actos de comércio”, definindo
em função “da qualidade de comerciante de quem as pratica” (§ 1º, n.º 1, 2, 343º, do HGB).

O Código Civil Italiano de 1942, onde havia unificação do direito privado, isto é, mas que
não significou a abolição da separação entre os domínios de aplicação dos seus dois ramos.
Este Código, não significou um direito privado igual para todos os sujeitos, antes

5
Constituição da República de Angola de 2010.

7
representou um novo caminho na concepção subjectivista de um Direito Comercial ainda
autónomo, passou a conceber-se como “direito privado da empresa e dos seus titulares, os
empresários”. No seu artigo 2082.º, define o empresário, isto é, o “imprenditore”, “aquele que
exerce profissionalmente uma actividade económica organizada com vista à produção e troca de bens
e serviços”. Neste sentido, segundo aquele Código, passam a ser empresários as organizações
dos comerciantes, isto é, as empresas, os destinatários desta disciplina jurídica especial.

Há que salientar que, o Direito Comercial mantém autonomía mesmo em países cuja orden
jurídica não se enquadra nos padres do sistema continental e germânico. É o exemplo dos
Estados Unidos de América que, em 1963, uniformizou a legislação comercial em todos os
aeua Estados, salvo a Luisiana, basicamente no às obrigações e aos contratos, através do
“Uniform Commercial Code”. É um código, predominamente objectivista, por as suas normas
abranger não só os comerciantes, mas sim por ter como fulcro a qualificação de certas
espécies de relações jurídicas como comerciais.

Em Portugal, o Código Comercial de 1888 e ainda hoje vigente em boa parte, igualmente,
em vigor na República de Angola com algumas adapções, por força da Constituição da
República de Angola6, é a cúpula ordenadora do Direito Comercial positivo. É,
essencialmente, um Código que visa regular os actos de comércio, independentemente da
profissão dos seus sujeitos, predominantemente de carácter objectivista, mas que nele pode
se detectar relevantes aspectos de subjectivismo.

2.4. AS TENDÊNCIAS UNIFORMIZADORAS DO DIREITO COMERCIAL

O desenvolvimento do Direito Comercial tem manifestado ao longo dos séculos, uma


poderosa influencia de concepções que reclamam a liberdade do comércio, nas suas
manifestações de liberdade profissional e de liberdade contratual, a par de reiteradas
políticas contra o proteccionismo e a intervenção do Estado na economia. Daí a
confrontação entre as aspirações de liberdade dos empresários e as tendências
intervencionista durante o pasado século XX, marcando tensões da política económica,
tanto nacional, como internacional e continuam a constituir um dos temas recorrentes e
no presente.

A impulsão internacionista do Direito Comercial, vem igualmente manifestada sob formas


renovadas, induzidas por acção de entidades internacionais e supra-nacionais correntes do
pesnamento jurídico e instrumentos de formação e transformação do direito que
continuadamente o fazem evoluir no ámbito das instituições e relações internacionais e
induzem significativas correntes de inovação no ordenamento e na prática interna dos
diversos países.

Esta evolução constante e dinámica, sob influência de tendencias liberaiss que se manifesta
na constante actuação do princípio da autonomia da vontade privada, tem conducido a
uma forte tendência de uniformização do Direito Comercial, superando as diferenças entre

6
Nos termos do n.º 3, do artigo 6.º da Constituição da República de Angola e com as respectivas alterações
nele introduzidas através da Lei n.º 6/03, de 3 de Março – Lei de alteração ao Código Comercial, bem como
demais legislação comercial em vigor.

8
os sistemas político-económicos dos diferentes Estados e entre os sistemas jurídicos em que
os ordenamentos nacionais se enquadram.

É assim, que são cada vez mais activas as numerosas organizações que se dedicam ao estudo,
desenvolvimento e uniformização do Direito Comercial Internacional.

A nível intergovernamentais, destacam-se, por exemplo, as seguintes organizações:


a) CNUDCI/UNCITRAL – Comissão das Nações Unidas para a Unificação do
Direito Comercial Internacional;
b) UNIDROIT – Instituto Internacional para Unificação do Direito Privado;
c) OCDE – Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económico.

A nível privado, destacam-se as seguintes organizações:


a) CCI – Câmara de Comercio Internacional;
b) ILA - International Law Association;
c) CMI- Comité Marítimo Internacional.

Igualmente, merece uma referência a parte, a Organização Mundial do Comércio –


OTM/WTO7, que é a principal organização internacional dedicada à definição de regras
acerca do comércio entre países, criada pelo Acto Final do Uruguai Round, cuja a sua
existencia iniciou em Janeiro de 1995, cujas as normas derivadas da sua actuação
estabelecem as regras fundamentais que vinculam os governos aderentes a conformar as
suas políticas com
os termos acordados.

O sistema de comércio multilateral da OMC-ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE


COMÉRCIO, na sigla inglesa “WTO - WORLD TRADE ORGANIZATION” que foi criado
através do ACORDO GERAL SOBRE TARAFIFAS ou ACORDO GERAL SOBE ADUANAS
E COMÉRCIO na sigla inglesa “GATT-GENERAL AGREEMENT ON TARIFFS AND
TRADE” que vigorou entre 1948 a 1994, tem por escopo fundamental promover a
liberdade do comércio, removendo obstáculos e assegurando aos individuos, sociedades e
governos o conhecimento das regras comerciais e a estabilidade das políticas comerciais.

Outro impulso inovador do Direito Comercial, advém do impacto jurídico do comércio


electrónico, com a influencia da inovação tecnológica no tocante aos meios de
comunicação, cuja interferência no desenvolvimento das actividades se limitaria a facilitar
a sua celeridade e que veio a reverter-se numa fonte de profundas transformações a todos
campos da vida social, incluindo o campo económico, no ámbito da chamada sociedade de
informação.

Daí surge o fenómeno da contratação electrónica, isto é, a uitilização dos meios de tele-
informática para transmissão das declarações de vontade que substanciam na celebração de
contratos comerciais e materializam a execução da prestação por eles geradas. Daqui
decorrem significativas implicações jurídicas que têm vindo a receber respostas de variadas
origens normativas, que formam um corpo de princípios, conceitos e regras de grande
significado e importância.

7
Ver, www.wto.org

9
3. O DIREITO E A SUA DIVISÃO

O direito é a ciência que estuda as regras jurídicas que disciplinam as inumeras relações
sociais, tantas e de tão largo alcance que, a par e passo, acompanham o homem, desde que
nasce até que morre. Sendo um conjunto compelxo de normas e por forma a regular um
determinado caso concreto, bem como a proceder a sua aplicação, houve a necessidade da
sua sistematização em espécie de ordem, daí o desmembramento do direito em vários
ramos, cuja a divisão fundamental, pode se apontar as seguintes:
a) Direito Público que abrange o direito político, tendo como ramos, como, o Direito
Constitucional, Direito Admnistrativo, Direito Penal, Direito Processual Penal e Direito
Processual Civil, Direito Financeiro, Direito Fiscal, Direito Económico, Direito dos
Consumidores e etc.;
b) Direito Privado, ordenamento jurídico que rege os interesses particulares, e
subdividido em direito:

1) Direito Civil: ordenamento jurídico que determina os direitos e obrigações dos


cidadãos enquanto membros da sociedade, cujas regras estão, de forma geral,
estabelecido no Código Civil, regula genericamente as relações entre pessoas
situadas numa posição juridical equivalente, isto é, em pé de igualdade juridical,
que na doutrina, é também, denominado por Direito Civil Geral e/ou Direito
Comum.

2) Direito Comercial que em muitas literaturas é chamado de Direito Empresarial, que


regula uma certa espécie dentro desse genero de relações, as que derivam do
exercício do comércio e actividades afins, a industria (actividade economica de
produção de bens, pertencente ao sector secundário, estabelecidas no artigo 230.º,
n.º 1, do Código Comercial), como outras actividades de prestação de serviços,
igualmente do sector terciário, como transportes, pesca, que a ciência económica
inclui no sector primário e até actos isolados que a lei entende submeter ao regime
jurídico comercial, como a letra e livrança, cujas normas estão estabelecidas no
Código Comercial, e partes da legislação do direito público, pois existem inúmeras
normas que se aplicam as actividades comerciais, que não são de direito privado,
visto resultarem do dirigismo e intervencionismo económico dos poderes públicos,
como o direito constitucional, direito administrativo, direito fiscal, direito penal e
outros ramos do direito público – que têm por objecto ou se aplicam às actividades
comerciais.

Deste modo, o Direito Comercial é um ramo do direito privado, assim, torna fácil e rápida
compreensão do fenômeno jurídico, alicerce indispensável para o avanço no mundo do
conhecimento do direito comercial.

4. O PROBLEMA DA AUTONOMIA DO DIREITO COMERCIAL, SUA FORMAÇÃO


E UTILIDADE

Lembrando a trajetória humana na passagem da economia da troca (commutatio mercium)


para a economia de mercado (moeda {pecunia [pecus-gado]} e capital [caputcabeça]).

10
É assim que o exercício do comércio vem de épocas remotas, embora realizado sob forma
mais primitiva – a troca directa, aparecendo ligeiros vestigios de actividade comercial nas
idades antigas, posteriormente os elementos fornecidos pela historia, que são já apreciaveis
em relação a povos como os indios, fenicios, egipcios, assírios, babilonicos, gregos,
romanos, como atrás se faz referência.

Nalguns deles, o desenvolvimento mercantil foi notável, mas que o Direito Comercial não
tinha tomado o caracter próprio e distinto de hoje.

O Direito Comercial, encontra-se separado do direito civil, constituindo ambos o Direito


Privado, razão pela qual da existência da dualidade do direito privado, um aplicável
principalmente aos comerciantes e os actos que estes praticam no exercício do seu
comércio, outro a não comerciantes.

A função específica do comércio, é a de intermediação nas trocas, na sua essência, o


comerciante, sendo um agente que, mercê dum lucro, põe à disposição do consumidor a
mercadoria que vai buscar ao produtor, isto é, o comerciante não adquirre os produtos para
si, mas sim para os colocar ao alcance de quem deles necessita e nos lugares onde essa
necessidade se manifesta. Aproxima, pois, a oferta da procura, e, para proficuamente
exercer essa função, torna-se indispensável a maior rapidez na conclusão do negócio.

Por outro, o comerciante não compra para si, mas sim para vender à terceiras pessoas e só
compra porque tencione vender, arrecadando mais com a venda do que despendeu na
compra. Nesta circusntâncias, torna-se indispensável a facilidade do crédito.

O Direito Civil, sendo um dos ramo do direito privado, não satisfaz estes dois requisites
exigidos pela especialidade de relações comerciais:
a) não possuir uma simplicidade de forma que promovesse a rapidez das transações;
b) nem as suas normas se coadunam com a necessária defesa e facilidade de crédito.

Por isso, surge o Direito Comercial, como direito autonomo e especial para disciplinar a
intensidade de relações crescentes na vida economica, os novos processos de produção e
circulação de mercadorias.

De salientar que, não se deve furtar-se de estar atento, o factor histórico do Direito
Comercial, para a melhor compreensão, de tal facto social, hoje elevado à categoria de
fundamental para o desenvolvimento da exploração das actividades econômicas, isto é, a
produção dos bens e serviços necessários à vida das pessoas em sociedade. Esta facto, dá
origem a formação dum Direito Especial regulador das relações mercantis.

E só na idade media se verificou com o parecimento das corporações de mercadores,


constituindo simples associações de comerciantes organizados para a defesa dos seus
interesses, as quais, pouco a pouco, foram começando reger-se por normas próprias,
diferentes daquelas que regulavam a actividade dos individuos que não pertenciam à sua
classe e gradualmente se foi diferenciando o Direito comercial do Direito Civil, até que
hoje e em vários países, se reuniram em diplomas legais, chamados Códigos, preceitos que
regem o exercício do comércio.

11
Igualmente, conforme se fez referência acima que, economia é a” ciência que trata da produção,
distribuição, acumulação e consumo dos bens materiais". O produtor não produz exclusivamente
para a troca, visando o imediato transpasse de sua mercadoria em contraposição com a
aquisição do outro, com quem opera. Passa a produzir para vender, adquirindo moeda,
para aplicá-la como capital em novo ciclo de produção. Pode assim, o produtor, especializar-
se numa só linha de produção, para a qual se considera mais hábil ou que melhor proveito
lhe proporciona.

Assim, o produtor organiza, desta forma, o comércio para desempenhar a sua função
económica e social, unindo indivíduos e aproximando os povos, tornando-se elemento de
paz e solidariedade, numa intensa acção civilizadora. Além disso, como actividade humana
tão importante num sistema jurídico que adopta os princípios do liberalismo, o comércio
aparece tanto como meio de subsistência do homem, e também como elemento gerador de
uma maior complexidade nas relações humanas e económicas, que são estudadas pelo
Direito, sem confundir-se com as mesmas, sendo, senão um dos elos da cadeia que constitui
a actividade económica global.

O Direito Comercial abrange muitas outras actividades que a simples "compra para
revenda", além de considerar o "comércio" como uma actividade bem mais complexa e de
fundamental importância social.

Alguns autores chegam a sugerir que a denominação "Direito Comercial", em razão disso,
seja substituída por "Direito de Empresaria", pois a idéia de empresa, hoje, é o centro das
atenções desse ramo do direito e ultrapassa os limites do vocábulo comércio, permitindo
até uma visão que engloba as empresas públicas e privadas, na identidade substancial das
suas actividades sob o ponto de vista privatista, ainda que resultem de concepções diversas
no que toca à sua génese, à sua estrutura e aos fins últimos.8

Segundo, Ferrer Correia, o direito comercial é direito privado especial da empresa


comercial, aquele ramo específico do direito privado que, “centrando-se na empresa ou dela
irradiando, abrange todos aqueles domínios em que se faça sentir a necessidade de uma
regulamentação autónoma em face dos principios gerais de direito civil 9”. Referindo-se ao
comércio, de acordo Miguel J.A. Pupo Correia, o comércio é o conjunto de actividades
empresariais sujeitas a uma regulamentação diferenciarenda e que exigem uma disciplina
que satisfaça certos valores ou exigencies de orientação básicas10, tais como:
a) tutela eficaz do crédito, para facilitar ao máximo a sua obtenção pelas empresas, mercê
do reforço da segurança do credor: daí regras como solidariedade passiva, prevista
nos artigos 100.º e 101.º, do Código Comercial e como o regime da falência ou
insolvência;

b) segurança das transações: dada a importância da confiança como base dos negócios,
mormente no tocante à circulação do crédito e dos bens, é indispensável restringir
ao máximo as causas de impugnação dos actos jurídicos comerciais, o que por vezes
impõe desvios significativos em relação ao direito civil, assum sucede ao regime dos
títulos de crédito, justificando as suas características próprias, como incorporação,
8
Miguel J. A. Pupo Correia, Direito Comercial-Direito da Empresa, 10.ª edição, pág. 26.
9
Ferrer Correia, Lições de Direito Comercial, Vol. I, Coimbra-1973, pág. 32.
10
Miguel J. A. Pupo Correia, pág. 26.

12
circulabilidade, literalidade e autonomia, em diversas características normativas dos
contratos comerciais, na exigência de froma escrita para a estipulação de juros nas
obrigações comerciais, artigo 102.º, § 1.º, do Código Comercial e demais legislação
comercial complementar;

c) celeridade na celebração dos negócios, que dá origem a tendências opostas, por um lado,
a isenção de formalismo que se observa, por exemplo, qunato ao mútuo mercantil,
artigo 396.º, do Código Com, em contraposição com o artigo 1143.º, do Código
Civil, por outro lado, a conjugação da exigência da celeridade com as de segurança
do comércio leva à estandartização formal dos negócios, com a utilização de
cláusulas gerais, contratos de adesão e etc.

Autonomia do Direito Comercial, é vista nas seguintes perspectivas:


a) Autonomia metódica: o Direito Comercial não é um Direito Civil especial, ele é
diferente, tem um sentido próprio que é, por vezes, mesmo o contrário do Direito Civil.

No Direito Comercial, a praticabilidade, que é uma das suas características e relevante, deve
sobre valer à dogmaticidade do Direito Civil. O Direito Civil de raiz continental é muito
dominado pela concretização dogmática, que procura sempre uma cientificidade própria,
maior relevância à correção e ao rigor lógico-formal dos processos mentais de interpretação
e aplicação do que às consequências práticas daí supervenientes.

Essa procura do rigor ultrapassa e prejudica, mesmo a justeza e adequação na concretização,


isto é, a justiça concreta. No Direito Comercial, a prudência11 deve ser preferida à “scientia”.

b) Autonomia legislativa: O Direito Comercial mantém, no sistema angolano a


dualidade de um Código Civil e de um Código Comercial.

Quanto a relação entre os dois Códigos “Civil” e “Comercial”, o artigo 3.º tem um sentido
claro, segundo o qual, “as questões sobre direitos e obrigações comerciais que não poderem ser
resolvidas, nem pelo texto da lei comercial, nem pelo seu espírito, nem pelos casos análogos nela
previstos, são decidas pelo Direito Civil12”. Na sua origem, o Código Comercial tinha pretensão
de conter a totalidade do Direito Comercial. Numa perspectiva muito característica do
século da codificação, ao legislador competia a tarefa de actualizar o que o tempo tornasse
obsoleto, completar o que se mostrasse em falta, alargar o que se revelasse apertado e ou
restringir o que estivesse em excesso. Aqui, o legislador, preferiu quase sempre aprovar
legislação extravagante, revogando as correspondentes parte do Código Comercial que está
hoje em vigor.

Para efeitos do artigo 3.º, essas leis devem ser tidas como parte integrante materialmente ao
Código Comercial. O sentido do artigo acima referenciado, ao concentrar no Código
Comercial, em sentido substancial, os recursos da concretização, reforça a autonomia
material do Direito Comercial.

11
Martin Kriele, Recht und Praktishe vernunft, Vandenhoeck & Ruprecht, Gottungen, 1977, passin.
12
Redação introduzida pela Lei n.º 6/03, de 3 de Março – Lei de alteração ao Código Comercial.

13
4. 1. AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO DIREITO COMERCIAL

A actividade comercial tem princípios próprios que lhe são característicos. É nesta
perspectiva, que o Direito Comercial tem características específicas que o individuazem do
direito civil e de outros ramos de direito, resumidamente, a destacar:
a) Simplicidade e estandartização de formalidades: A necessidade de rapidez nas operações
comerciais implicam uma simplicidade de formulas, tais como o emprestimo,
estipulando a lei na qual se dispensa a obrigatiriedade da escritura publica em
consequência da repetividade e multiplicação dos actos pelos comerciantes;

b) Defsa do crédito e facilidade de credito (favor creditoris): A eficiência económica exige o


aproveitamento dos capitais ociosos e a sua canalização para investimentos
produtivos, seja na indústria, seja no comércio propriamente dito, seja nos serviços.
A captação e mobilização de capitais ociosos exige que aqueles que os detêm os
coloquem ao dispor de outros que lhes deem uma utilização mais economicamente
eficiente. Mas isso, só será possível se tiver a certeza de que os poderão recuperar.
Tal exige um sistema de cobrabilidade segura, rápida e eficiente. O comerciante de
modo geral, compra hoje para vender mais tarde, aparecendo as necessidades de
obtenção de crédito, que o direito comercial facilita e tutela eficazmente, como por
exemplo, o instrumento de crédito que é a letra, cujo seu objectivo é a de facilidade
e defender o crédito. O favor creditoris (facilidade de crédito) é característico do
Direito Comercial, que se opõe ao favor debitoris, próprio do Direito Civil. Esta é
uma das mias relevantes diferenças substanciais do Direito Comercial em relação
ao Direito Civil. O favor creditoris traduz-se principalmente nos títulos de crédito,
no regime de solidariedade das obrigações, no regime restritivo da mora, na
presunção de estipulação de juros, na fixação de uma taxa de juros de mora superior
à vigente no Direito Civil.

c) Boa-fé: No comércio e no Direito Comercial são valores primordiais a “fé” e o


“crédito”. A fé, significa, por um lado, a confiança e, por outro lado, a probidade.
Não há comércio sem confiança. A confiança que as pessoas merecem no comércio
costuma ser sintetizada na expressão “fé” e “crédito”. A fé e a confiança demoram
tempo a consolidar, mas podem ser destruídos com rapidez, por isso, são um valor
inestimável. Os agentes do mercado cuidam com zelo da sua imagem, da sua
reputação, da confiança que merecem, da sua fé e do seu crédito. Igualmente, as
mercadorias e os serviços que são objecto de comércio devem ser de confiança.
Finalmente os comportamentos contratuais, na negociação e no cumprimento,
regem-se pela boa-fé, isto é, por exigências de lisura, probidade e seriedade, isto é,
sem qualquer intenção escondida de enganar (sinceridade);

d) Facilitação de provas dos actos, isto é, admissão de todo genero de prova;

e) Criatividade constante para novos tipos de actos ou contratos;

f) Universalidade e uniformidade. O comércio é uma actividade económica que, de sua


natureza, atravessa fronteiras e põe em contacto povos diferentes. Embora exista e
se exerça também no interior de cada Estado, ela não se localize nem se encerra
num espaço limitado, não é territorial como o direito de propriedade, nem está

14
ligado a um específico espaço cultural como o direito da família, nem a um
respectivo espaço político como o direito constitucional. O Direito Comercial é
universal, tendo em conta a sua génese e a evolução histórica. Daí a sua ligação ao
transporte, a título de exemplo, deste do marítimo, do rodoviário, do ferroviário e
até ao transporte aéreo. O Direito Comercial manteve e mantém até aos dias de
hoje uma fortíssima propensão para atravessar fronteiras, o que é notório no artigo
4.º, do Código Comercial, segundo o qual, “os actos de comércio serão regulados: a)
quanto à substância e efeitos das obrigações, pela lei do lugar onde forem celebrados, salvo
convenção em contrário; b) quanto ao modo do seu cumprimento, pela lei do lugar onde este
se realizar; quanto à forma externa, pela lei do lugar onde forem celebrados, salvo nos casos
em que a lei expressamente ordenar o contrário”.

4.2. A DELIMITAÇÃO E ÂMBITO DO DIREITO COMERCIAL

O Direito Comercial, abrange:


a) O comércio propriamente dito que compreende os actos de mediação entre os
produtores e consumidores, com o fim lucrativo, os actos das pessoas que exercem
esta função de medianeiros ou intermediaries, designados por comerciantes;

b) As outras actividades, como a indústria transformadora que transforma as materias-


primas em produtos de utilidade imediata, a indústria de transportee, a de
construção e de outras indústrias, incluindo os vários serviços, por exemplo,
fornecimentos de água, gás, electricidade, actividades seguradoras, bancárias,
liberais e etc.

O Direito Comercial é um ramo do direito privado constituído e autonomizado para


regular as relações dos comerciantes relativo ao seu comércio, e visando ainda hoje
principalmente a satisfação de necessidades peculiares a este sector da vida económica e se
aplica também a outros sectores da actividade humana que se entende conveniente sujeitar
à mesma disciplina.13

A delimitação do âmbito do Direito Comercial, basea-se nas próprias normas jurídicas


positivas, as chamadas normas qualificadoras, as que caracterizam como comercial certa
material, dizendo que pessoas são comerciantes e que negócios são comerciais.14

A inclusão de outros sectores de actividade humana no âmbito do Direito Comercial


obedece um certo conjuntos de necessidades específicas, enquadrada numa visão
sistematica, num determinado espirito. Neste sentido, o Direito Comercial desenvolve-se
por uma concepção essencial que se basea nos principios de liberdade de iniciativa,
liberdade de concorrência, de mobilidade das pessoas e mercadorias, objectivo legitimo de
lucro, internacionalismo das relações económicas.

13
Ferrer Correia, Lições de Direito Comercial, Vol. I, pág. 8; Miguel J. A. Correia, Direito Comercial-Direito
da Empresa, 10.ª Edição, EDIFORUM, Lisboa, pág. 29.
14
Paulo Sendim, Lições de Direito Comercial, Faculdade de Direito da Universidade Católica de Lisboa, Vol.
I, 1994, pág. 58.

15
Hoje é vulgar falar em sectores de actvidade economia, como:
a) Sector primário: que compreende a agricultura que no sentido amplo abrange
igualmente a pecuária e a silvicultura – pesca e a caça);
b) Sector segundário: industria, visto que a produção económica se processa através
da insdustria, definido como criação de utilidades que ficam incoporados nos objectos
produzidos, como extractivo, agricola, transformadora, transportadora e comércio,
incluindo os serviços, que são acções humanas que satisfazem imediatamente, de modo
directo ou com recurso a bens materiais, necessidades de outros homens;
c) Sector terceário: os serviços quee compreende tudo que não cabe nos dois
primeiros sectores: comércio, transportes, fornecimentos de água, gás, electricidade,
actividades seguradoras, bancárias, liberais e etc.

O Direito Comercial, não abrange:


- a agricultura;
- as industria e serviços artesenais;
- os serviços de profissóes liberais.

Quanto ao ámbito e enquadramento do Direito Comercial não é pacífico, por duas razões:
1º Aspecto, relacionado com a designação “Direito Comercial” que deve ser
entendido num âmbito essencialmente jurídico, no domínio da ciência jurídica.
2º Aspecto, relaciona-se com os temas que formam o objecto do Direito Comercial
e abrange:
a) as regras sobre os agentes da vida comercial - comerciantes, em nome
individual e, em especial, sobre os comerciantes, enquanto pessoas colectivas –
sociedades comerciais;
b) as normas que regem os actos jurídicos que estruturam a vida comercial
ou dela decorrem – os actos de comércio;
c) a concepção e regime das estruturas organizativas através dos quais são
exercidas ou actividades económicas que se enquadram no conceito jurídico de
“comércio” – É a problemática da empresa ou do estabelecimento comercial;
d) os títulos de crédito.

O Direito Comercial é "conjunto de regras que disciplinam ou regulam a natureza e efeitos das
convenções celebradas pelos comerciantes, ou entre estes e outras pessoas, o exercício da profissão
mercantil e a prática de todos os actos inerentes ao comércio e que sua finalidade é, conciliar a
celeridade e segurança dos negócios com a garantia do crédito”.

5. FONTES DO DIREITO COMERCIAL

5.1. OS VÁRIOS SENTIDOS DA EXPRESSÃO “FONTES DO DIREITO”

Conforme estudado na disciplina de Introdução ao Direito, recordar que, “o Direito


Positivo nasce, evolui e morre15. Isto envolve o problema das fontes do direito16.

15
Gameiro, António Ribeiro e Januário, Rui, Introdução e Teoria Geral do Direito, Vol. I, 2014, Edições
Cosmos, pág. 143
16
Ibidem

16
A expressão “fontes do direito”17 tem significados múltiplos e distintos18, a cada um se
reconduzindo as seguintes questões: como, porquê, para quê, e de onde brota o Direito, de
que fonte jorra ele?

A expressão é utilizada em:


- Sentido filosófico: Sendo que neste é empregue como fundamento da obrigatoriedade
das normas jurídicas, isto é, aquilo que justiça a força obrigatória que acompanha, e caracteriza, a
norma jurídica. Nesta perspectiva, questiona-se, porque é que os cidadãos/sujeitos de direito
são obrigados a obedecer a normas emanadas de uma autoridade? A questão, resultam os
valores a alcançar pelo Direito, como a Paz, a Justiça, a Segurança e a Protecção dos Direitos do
Homem. Este é um problema filosófico;
- Sentido sociológico: o qual atende ao factor que determinou o surgimento da norma,
e condicionou o seu conteúdo, designando as circunstâncias que presidiram à sua
formação. As leis estão condicionadas por multiplicidade de factores que variam, e as fazem
variar, sendo que o legislador e o jurista não devem esquecer o meio físico do país, a
situação, a sua extensão, a natureza do solo, o seu modo de ocupação, isto é, os
condicionalismos psicológicos, físicos, sociais, económicos e políticos.
- Sentido político e/ou orgânico: Que traduz os órgãos, com competência legislativa,
encarregados de emanar ou produzir as normas jurídicas. No ordenamento jurídico
angolano, Assembleia Nacional, que aprova leis, o Presidente da República, na qualidade
do Titular do Pode Executivo (TPE), que aprova os decretos legislativos presidenciais, os
decretos presidenciais e no futuro, no âmbito das autarquias, os diplomas legislativos das
Assembleias Municipais.
- Sentido instrumental e/ou textual: Que significa a sede material, o texto ou diploma
legislativo que contém normas jurídicas, tratando-se, consequentemente, do invólucro ou
forma externa em que as normas jurídicas estão inseridas. Deste modo, se dirá que a fonte
do Direito Comercial é a Constituição da República de Angola, é o Código Comercial e as
leis extravagantes comerciais, o Código Civil, como direito subsidiário ao Direito
Comercial e etc.
- Sentido técnico-jurídico ou formal: Que se traduz, nas fontes do direito, nos modos de
formação e de revelação das normas jurídicas, do direito objectivo, em geral. Assim, por
exemplo, ocorrendo um problema na vida económico-social, que requer ser resolvido pela
modificação do Direito, sendo necessário, que as autoridades competentes se movam,
impulsionadas por essa exigência da vida, e a atendam sob forma de uma regra nova de
conduta, coactivamente obrigatória, o Executivo elaborará uma proposta de lei, enviando-
a à Assembleia Nacional, que a aprova, sendo o texto final promulgado pelo Presidente da
República, e publicada no Diário da República para conhecimento.

5.2. CLASSIFICAÇÃO DAS FONTES DO DIREITO COMERCIAL

É o sentido técnico-jurídico ou formal é que nos interessa, sem desprimor dos outros
sentidos, e neste âmbito, que se iremos ver, as fontes do Direito (iuris essendi), também
designadas fontes produtoras de Direito (iuris cognoscendi), igualmente apelidadas de fontes
reveladoras de Direito, consoante dinamicamente gerem ou estaticamente dêem a conhecer
as normas jurídicas, no geral, e em especial as do Direito Comercial.

17
Ibidem
18
Ibidem

17
Perante o exposto, se pode apontar quatro tipos fundamentais de fontes do direito, no
geral, e em sentido técnico-jurídico ou formal:
a) Lei, caracterizada, por ser a “norma jurídica decidida e imposta por uma autoridade
com o poder para o fazer na sociedade política”, constituindo, deste modo, uma
“norma jurídica de criação deliberada”19:
b) Costume, o qual se traduz na norma criada através da “prática repetida e habitual de
uma conduta, quando chega a ser encarada como obrigatória (opinio iuris necessitatis)
pela generalidade dos seus membros”;
c) Jurisprudência, conjunto das orientações que, em matéria de determinação e
aplicação da lei, decorrem da actividade prática de aplicação do direito, isto é, o
conjunto das decisões dos Tribunais, que são vinculativos para os casos concretos
que julgam. Há autores que defendem, igualmente, incluir na jurisprudência, as
decisões dos notários, conservadores, e mesmo dos órgãos administrativos20.
d) Doutrina: Consagrada como sendo a “actividade de estudo teórico ou dogmático do
direito” reveladora de normas do sistema jurídico.

Sendo o Direito Comercial um conjunto de normas que regulam os vários temas


delimitados que se enquadram no seu âmbito de regulação e que tem por centro o mercado,
ele contém o regime aplicável às pessoas que através do mercado desenvolvem uma
actividade económica, aos bens utilizados nessa actividade, aos actos em que essa actividade
se traduz, bem como as regras que permitem a existência de um mercado baseado na
concorrência, as suas fontes não têm especificidades de maior, aplicando-se-lhes as regras e
princípios que, em relação às fontes do direito, vigoram no direito angolano.

Como é natural, o sistema jurídico angolano, a fonte primordial do Direito Comercial é a lei,
entendida no seu sentido amplo, isto é, abrangendo:
a) Constituição da República de Angola (CRA) de 2010;
b) Leis ordinárias e, também;
c) Normas regulamentares.

5.2.1. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA

A Constituição angolana, integra a Constituição Económica, isto é, um conjunto de preceitos


e instituições jurídicas que, garantindo os elementos definidores do sistema económico angolano,
instituem a forma de organização e funcionamento da economia e constituem, por isso mesmo, a sua
ordem económica. Dentro da Constituição Económica angolana a que considerar a sua:
1. Constituição Formal: complexo dos preceitos jurídicos fundamentais de conteúdo
económico, incluindo o comercial inseridos no texto da CRA;
2. Constituição Económica Material: onde cabe as outras fontes inferiores, cujas normas
essenciais caracterizam o sistema e a forma económica;

19
Gameiro, António Ribeiro e Januário, Rui, Introdução e Teoria Geral do Direito, 2.ª Edição, pág. 146.
“(Podemos ainda referir que nos países inseridos no sistema romano-germânico de direito, nos quais a República de Angola,
por recepção de Portugal, a Lei é privilegiada, já nos países que fazem parte do sistema anglo-saxónico, como a Grã-
Bretanha, é reconhecido o papel de maior relevância ao Costume).
20
Mendes, João Castro, Teoria Geral do Direito Civil, Vol. I, A.A.F.D.L., 1998,

18
3. Constituição Económica Estatutária: que integra um conjunto de princípios e regras
preceptivos, que espelham a ordem estabelecida;
4. Constituição programática: o quadro de directivas de políticas
económicas/comerciais, tendentes a uma orientação da economia de acordo com
os objectivos económicos, sociais e político-ideológico.

De entre os vários preceitos, normas e princípios da Constituição, que directamente e/ou


indirectamente relacionados com a actividade comercial, sendo uma actividade económica,
se destacam os artigos 14.º 37.º, 38.º, 42.º, 43.º, 49.º, 78.º, 88.º, 89.º, 92.º, 93.º, 94.º, 95º,
96º, 97.º, 98.º, 99.º, 100.º, 101.º, 102.º.21

5.2.2. LEIS ORDINÁRIAS E NORMAS REGULAMENTARES

Quanto a lei ordinária, estamos a referir a lei comercial, isto é, aquelas normas legais que
tiveram sido ditadas pela solução ou tutela dos interesses específicos das actividades
comerciais ou empresas mercantis. O Seu núcleo fundamental e, ainda hoje, constituído
pelo Código Comercial de 1888, a lei n.º 6/03, de 3 de Março – Lei de alteração ao Código
Comercial.

Todavia, àquele Código acresce hoje abundantíssima legislação extravagante, de grande


importância, à qual seria ociosa uma referência, mesmo que apenas exemplificativa, neste
momento. Bastará, por ora, fazer notar que, entre as variadas leis comerciais, muitas
matérias antes regulados no Código Comercial e não só, são hoje objecto de legislação
extravagante, que são fontes do Direito Comercial, sendo, suas leis ordinárias e normas
regulamentares, tais como:
- a matéria das sociedades comerciais está regulada basicamente na Lei n.º 1/04, de 13
de Fevereiro - das Sociedades Comerciais e revoga os artigos 104.º a 206.º do Código
Comercial, a lei de 11 de Abril de 1901, Lei das Sociedades por Quotas, o Decreto-Lei n.º
598/73, de 8 de Novembro, sobre a fusão e cisão das sociedades comerciais, o Decreto-Lei
n.º 493/81, de 15 de Novembro, sobre a fiscalização das sociedades anónimas, o artigo 6.º
da lei n.º 9/91, de 20 de Abril, o artigo 3 do Decreto n.º 38/00, de 6 de Outubro.
- a conta em participação é hoje regida, na Lei n.º 19/03, de 12 de Agosto – Lei sobre
os contratos de conta em participação, consórcios e agrupamento de empresas e revoga os
artigos 224.º a 229.º do Código Comercial;
- no artigo 230.º, o Código Comercial alude às empresas comerciais, e qualifica como
tais aquelas que se propõe actuar em todo sector secundário (indústria transformadora) e
em actividades do sector terciário e exclui o sector primário e ainda as actividades artesanais,
artísticas e de criação autoral. Este preceito tem sido complementado por vária legislação
extravagante, sobre empresas;
- as operações de bolsas estão hoje reguladas fundamentalmente pela Lei n.º 22/15,
de 31 de Agosto de 2015 – Código dos Valores Mobiliários (CodVM) e altera os artigos
112.º, 113.º, 177.º, n.º 7 do artigo 241.º, n.º 3 do artigo 304.º, 350., 369.º, 374.º, 375.º,
377.º e 449.º, todos da Lei n.º 1/04 de 13 de Fevereiro – Lei das Sociedades Comerciais e
o artigo 6.º do Decreto Presidencial n.º 6/13 de 10 de Outubro, que aprova o Regime
Jurídico das Sociedades Gestoras de Mercado Regulamentados e dos Serviços Financeiros
dos Valores Mobiliários e revoga a Lei n.º 12/15 de 23 de Setembro – Lei dos Valores

21
Constituição da República de Angola, de 2010.

19
Mobiliários, o Decreto Legislativo Presidencial n.º 4/13, de 9 de Outubro, sobre o Regime
Jurídico do Mercado Regulado de Dívida Pública, bem como, o n.º 3 do artigo 167.º, o n.º
9 do artigo 309.º, o artigo 332.º, os n.º 3 e 4 do 335.º, os artigos 336.º, 337.º, 348.º, 349.º,
352.º a 362.º, os artigos 378º, 379.º, todos, igualmente, da Lei n.º 1/04, de 13 de Fevereiro
– Lei das Sociedades Comerciais.
- as Cooperativas são hoje regidas pela n.º Lei 23/15 de 31 de Agosto – Lei das
Cooperativas que revoga o Capítulo V do título II do Livro II do Código Comercial, o
Decreto-Lei n.º 115/75, de 22 de Setembro – Regime Jurídico das Cooperativas, bem como
todas as disposições que a contrariem.
- as operações bancárias, embora mantenham no Código Comercial, em vigor os
artigos 362º a 365.º, são hoje objecto de abundante legislação que se concentra
principalmente na Lei n.º 12/15, de 17 de Junho – Lei de Bases das Instituições
Financeiras, que regula o processo de estabelecimento, exercício de actividade, a supervisão,
o processo de intervenção e o regime sancionatório e revoga toda a legislação que a
contrarie, nomeadamente a Lei n.º 13/05, de 30 de Setembro – Lei das Instituições
Financeiras que contém o regime jurídico do direito bancário institucional,
complementado por inúmeros diplomas legais reguladores de matérias específicas que seria
excessivo mencionar aqui. De realçar, igualmente, que a Entidade Reguladora da actividade
bancária é o Banco Central, designado por Banco Nacional de Angola (BNA) ver Lei n.º
16/10, de 15 de Julho – Lei Orgânica do BNA e revoga a lei n.º 6/97, de 11 de Julho e
toda legislação que a contrarie.
- o seguro, vigora até a data presente a Lei n.º 1/00, de 3 de Fevereiro e revoga toda
a legislação que a contrarie.
- o contrato de transportes continua a manter, no Código Comercial, nos artigos 366.º
a 393.º, sendo, porém, hoje, apenas uma parte ínfima do regime jurídico do contrato de
transporte que se contém em vários diplomas avulsas, a titulo de exemplo, a Lei n.º 20/03,
de 19 de Agosto – Lei de Bases de Transportes Terrestres. Igualmente, há existência de
vários diplomas legais que rege cada ramo dos transportes.
- As letras e livranças, bem como cheques, são objecto de legislação internacional.
As letras e livranças são regidas pela Convenção de Genebra de 7 de Agosto de 1930, bem
como pela Lei Uniforme Relativas às Letras e Livranças e os Cheques pela Convenção de
Genebra de 19 de Março de 1931 e pela Lei Uniforme Relativa ao Cheque.

Também, referir que, a aplicabilidade do Direito Civil às relações comerciais resulta de ele
ser o direito privado geral ou comum, aplicando-se às relações como direito subsidiário.
Assim, Direito Civil aplica-se às questões comerciais, quando deve aplicar-se, por sua
própria força, em si mesmo, sem que haja lugar à criação de normas de Direito Comercial
através dessa aplicação. Logo, o Direito Civil não é fonte do Direito Comercial, mas sim,
como direito subsidiário, um elemento de integração do regime jurídico das relações
comerciais.

5.2.3. OS USOS E COSTUMES

Os usos e costumes: o artigo 3.º do Código Comercial, não refere os usos e costumes entre as
fontes do Direito Comercial e o elemento histórico de interpretação que permite convencer

20
de que o faz de propósito22. Na verdade, e é certo que, por vezes, o próprio Código
Comercial remete para os usos comerciais, como sucede, por exemplo, nos n.ºs 6 e 7, do
artigo 68.º, artigo 232.º, § 2.º e 271.º, § único. O mesmo acontece, em matéria comercial,
no n.º 3, do artigo 560.º, do código Civil. Todavia, não se deve pensar que, com tais
remissões, se acolhem tais usos como fonte de Direito Comercial.

A este propósito a que distinguir os usos dos costumes. Uns e outros são práticas constantes
e reiteradas dos sujeitos de direito. Os usos emanam da prática negocial, na qual se difundem e
mantêm por acção repetidas das partes. Os costumes, provindo da mesma origem, são, a partir de
dado momento, socialmente revestidos da opinio júris, da convicção generalizada de que o seu
acatamento é juridicamente vinculativo e entram na ordem jurídica, normalmente através da acção
dos tribunais, como regras gerais e abstractas. Logo, só por via de remissão da norma legal, à
semelhança dos usos, ou em sede de integração de lacunas, nos termos do artigo 3.º, do
Código Comercial e do artigo 10.º, do Código Civil, é que eles poderão ser objecto de
adopção. Num e outro caso, não serão fontes de Direito, mas sim, um mero conteúdo da norma
legal.

O artigo 7.º da Constituição da República de Angola, estabelece que, “é reconhecida a


validade e a força jurídica do costume que não seja contrário à Constituição nem atente
contra a dignidade da pessoa humana23”.

5.2.4. JURISPRUDÊNCIA E A DOUTRINA

As outras fontes, são a jurisprudência e a doutrina. A jurisprudência, uma fonte que se


concretiza na influência jus-criativa das correntes jurisprudências que se vão uniformizando
ou prevalecendo, o que sucede com frequência no campo do Direito Comercial.

A doutrina são as opiniões dos jurisconsultos e podem servir fontes de direito, na medida
em que sejam tidas em conta pelos Tribunais e pelos sujeitos de direito, mormente como
reveladoras de princípios gerais, com vista à integração de lacunas da lei.

5.3. FONTES INTERNACIONAIS DO DIREITO COMERCIAL

Não são apenas de considerar as fontes de direito interno, uma vez que o Direito
Comercial, é particularmente sensível ao internacionalismo das relações económicas. São,
de ter em conta importantíssimas as convenções internacionais, que são recebidas no
direito interno24 desde que sejam satisfeitos os requisitos estabelecidos na Constituição.

Igualmente são de ter em conta as normas dimanadas das instituições internacionais e a


jurisprudência dos Tribunais Internacionais, que forem vinculativas nos termos dos
respectivos estatutos.

E, ainda, o costume internacional, a doutrina em matéria internacional e os princípios


gerais de Direito reconhecidos pelas nações.
22
Miguel J.A. Pupo Correia, Direito Comercial – Direito da Empresa, 10.º, Edição EDIFORUM, 2007, pág.
33.
23
Constituição da República de Angola de 2010.
24
Artigo 13.º, da CRA, de 2010.

21
Há ainda que ter em conta, quando não como fontes de direito, ao menos como matéria
de direito, a semelhança dos usos e costumes, como elementos enformadores das relações
jurídicas, quer pela sua introdução na ordem jurídica através de convenções internacionais
e de leis de diversos países, quer pela remissão que para elas fazem as partes em contratos
comerciais, as normas adoptadas e/ou recomendadas por associações privadas
internacionais de agentes económicos, das quias, como por exemplo, a Camara do
Comércio Internacional (CCI).

Igualmente, são mundialmente reconhecidos e adoptados os seus regulamentos de


conciliação e arbitragem, para além da intervenção da própria CCI, quando for
convencionada pelos interessados e, sobretudo, as regras uniformizadoras das cláusulas
contratuais, denominadas Incoterms, que são siglas representados por três letras, se a sua
origem, foram criados em 1036 pela Câmara Internacional do Comércio (CCI), e suas
normas foram actualizadas várias vezes, com base nos desenvolvimentos na área da logística
e das estratégias negociais. Os Incoterms foram criados para dar resposta aos vários conflitos
entre os exportadores e os importadores, que ocorriam por erros de interpretação nos
contratos internacionais, incluindo as Regras e Usos Uniformes sobre Créditos
Documentários. São exemplos de Incoterms, FOB, CIF, CIP, EXW, DAT e etc.
- FOB (Free on board): que significa “live a bordo”, na qual o comprador assume todos
os riscos e custos com o transporte da mercadoria, assim que é colocada a bordo do navio.
Por conta e risco do fornecedor fica a obrigação de colocar a mercadoria a bordo, no porto
de embarque designado pelo importador. Aqui, o comprador é que paga pelo frete e pelo
seguro da mercadoria em questão.
- CIF (Cost, Insurance ad Freight): que significa “custo, seguros e frete” na qual o
fornecedor é responsável por todos custos e riscos com a entrega da mercadoria, incluindo
o seguro marítimo e frete. que é responsável pela entrega da mercadoria até o local de
destino. Esta responsabilidade termina quando a mercadoria chega ao porto de destino
designado pelo comprador.

6. INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO DE LACUNAS DO DIREITO COMERCIAL

O Direito Civil é o direito privado geral ou comum, que regula genericamente as relações
entre pessoas situadas numa posição jurídica equivalente, numa posição de igualdade
jurídica.

O Direito Comercial regula uma certa espécie dentro desse género de relações, as que
derivam do exercício do comércio e actividades afins. Trata-se de um direito privado
especial, que vigora só para uma classe especifica de relações jurídicas, que o legislador
destacou em bloco, para as submeter a um regime diferenciado.

Sendo o Direito Comercial um direito especial, urge a dilucidação do problema da


interpretação e integração de lacunas da lei comercial. Nesta perspectiva, o preceito fulcral
para a análise desta questão é o artigo 3.º do Código Comercial, em cujos termos, segundo
a redação introduzida pela Lei n.º 6/03, de 3 de Março – Lei de alteração ao Código
Comercial, estabelece que, “as questões sobre direitos e obrigações comerciais que não puderem ser
resolvidas, nem pelo texto da lei comercial, nem pelo seu espírito, nem pelos casos análogos nela

22
previstos, são decididas pelo direito civil”. Neste sentido, para questão da interpretação das
normas do Direito Comercial, deverá se ter em conta o artigo 9.º do Código Civil.

Quanto a integração das lacunas da lei mercantil, urge algum esclarecimento,


nomeadamente:
• Primeiro, as normas de Direito Comercial formam um corpo autónomo, o que torna
admissível a sua aplicação analógica dentro do campo do próprio Direito Comercial e que
não sucederia se fossem normas excepcionais, nos termos do artigo 11.º do Código
Civil.
• Segundo, o próprio artigo 3.º, do Código Comercial, prescreve a extensão analógica das
normas jurídico-comerciais a casos nelas não previstos e não exclui que delas se faça o uso
para, por analogia, suprir lacunas do próprio direito civil, se for o caso.
• Terceiro, o artigo 3.º do Código Comercial permite o recurso às normas do Direito Civil
para preencher lacunas do Direito Comercial. Aqui, trata-se da concretização da ideia de
que o Direito Civil é direito subsidiário ao Direito Comercial, o que significa que:
- É precisamente no Direito Civil que se encontra regulado determinado aspecto de
uma relação jurídica mercantil. Sucede que o Direito Comercial não disciplina todos
os aspectos das relações jurídicas que qualifica como mercantis, deixando um grande
número de aspectos, cuja solução ir buscar-se no Direito Civil, como direito privado
comum, por exemplo, os conceitos e efeitos jurídicos fundamentais de contratos como
os de sociedade, compra e venda, mandato, mútuo e etc. Essa remissão do Direito
Comercial para o Direito Civil é intencional, para regular directamente o
ponto em questão.

- Sucede que surjam casos omissos no Direito Comercial, os quais irão ser supridos
por analogia, que pode levar apelo as normas de direito comercial ou de direito civil.
O artigo 3.º do Código Comercial, incute, previamente esgotar as possibilidades de
analogia dentro do Direito Comercial, só depois recorrer as normas do Direito Civil.

Face a isso, o aplicador da lei, colocado perante a existência de uma lacuna, deverá, face às
normas do Direito Comercial disponíveis para buscar de uma solução análoga, escolher
aquela que regule uma hipótese afim com o caso omisso em apreço: aquela que vise compor
interesses que mais perto se assemelhem aos que estejam em jogo no caso a solucionar.

Procedimento correcto a adoptar para definir o regime de uma relação jurídica de Direito
Comercial será o seguinte:
No primeiro momento, há que definir se tal relação jurídica é ou não comercial, objectiva
ou subjectivamente. Para tal recorrer-se-á às chamadas normas delimitadoras do âmbito de aplicação
do Direito Comercial (artigos 2.º, 230.º, 231.º, 366.º, 463.º, 481.º, etc., do Código Comercial).
Se a relação jurídica não for comercial, será civil.
Num segundo momento, assente que um dado acto ou relação jurídica é comercial,
há que definir-lhe o regime. Poderão surgir questões de interpretação e de integração de
lacunas da regulamentação comercial, as quais serão deslindadas nos termos apontados
pelo artigo 3.º do Código Comercial.

23