Você está na página 1de 1

Remédio de Pólvora e Sangue

A respiração atritada contra o frio tecia a sua volta uma cortina gélida. Mirava os olhos
tristes e quase sem vida que lhe dirigiam um pedido de misericórdia. As mãos trêmulas
buscaram algo dentro do casaco, e quando encontrou o que tanto queria, se puseram para
fora da roupa, empunhando uma arma, que reluzia contra o filete de luz que escapava da
avenida central, e que adentrava naquela viela onde agora estavam.

Por um momento sentiu-se um Deus, por ter a certeza de que a vida daquele pobre ser
que rasteja no chão era sua. Puro devaneio de quem se encontra entre a dor, o ódio e a
loucura. Tentou por muito tempo achar a cura para aquele desejo insaciável, não encontrou, e
desde então, seu remédio sempre teve gosto de pólvora e sangue. Inconstante desde sempre,
encontrara finalmente na vida furtiva da noite a inspiração para a forte ausência de
sentimentos que tinha, graças ao mundo.

Os olhos banhados em lágrimas pareciam ter a certeza de que estava perto do fim a
vida que os regia. Um grito seco, um estampido cortando a noite, um corpo caído em mais
uma de muitas ruas escuras da cidade. Finalmente parecia ter acabado com o único mal de sua
vida, e agora com um sorriso no rosto, deflagrava o sinal de que finalmente encontrara a paz
que tanto quis. Luzes, carros e milhões de curiosos logo se amontoaram no local, mas agora já
não poderia mais escutar nem sentir nada, finalmente havia reunido toda coragem que tinha
para se matar.