Você está na página 1de 22

ABC das Opções: Introdução as Opções

Códigos
PETRH40

Destrinchando:

Opção da PETROBRAS PN (PETR4)

H = Mês de vencimento da opção, sendo que A = Janeiro, B = Fevereiro, C = Março, e assim por
diante até Dezembro = L

40 = Normalmente corresponde ao preço de exercício, no caso 40 reais, mas verifique na CBLC


(www.cblc.com) ou no Quadro de Opções da Bastter.Com pois muitas vezes o número não
corresponde ao preço de exercício.

Do que consiste o preço (prêmio) de uma opção?


Uma opção consiste de Valor verdadeiro (intrínseco) e valor do tempo ou extrínseco que é o que
operamos.

VALE5 = 40 reais
VALEF38 = 3 reais

Valor Intrínseco = 40 – 38 = 2 reais


Valor extrínseco = 3 – 2 = 1 real

Quais fatores influenciam o preço de uma opção?


 Preço da ação = positivo
 Volatilidade da Ação = positivo
 Tempo = negativo
 Preço de Exercício da Opção = negativo
 Taxa de Juros = positivo

Obs.: Preço de Exercício da opção – preço da Ação = Distância

Posição da opção em relação a ação:


 ITM – Opção dentro do dinheiro (in the money): Tem o preço de exercício abaixo do
preço da ação.
 ATM – Opção no dinheiro (at the money): Tem o preço de exercício próximo do preço da
ação.
 OTM – Opção fora do dinheiro (out of the money): Tem o preço de exercício acima do
preço da ação.

Principais Fatores que Influenciam as


Opções
Tempo
As opções são negativamente influenciadas pela passagem do tempo. Quanto mais tempo para o
vencimento de uma opção, mais ela vai valer e a cada dia que passar, ela vai perder algum valor
pela passagem do tempo.

Mantendo as mesmas condições, comparando duas opções do mesmo preço de exercício, a que
tem mais tempo para o vencimento irá sempre custar mais.

Neste momento pegamos duas opções de Vale com o mesmo preço de exercício e comparamos:

 VALEJ44 (Faltando 21 dias úteis para o vencimento) = R$0,80


 VALEK44 (Faltando 40 dias úteis para o vencimento) = R$1,48

A opção com vencimento mais tardio vale 68 centavos a mais e sempre vai ser assim.

Distância
Quanto maior a distância da opção para o preço da opção, menos ela tenderá a valer.

O que é distância?

Distância reune dois critérios que influenciam os preços das opções: Preço de exercício da Opção
(Strike) e Preço da Ação.

Preço de Exercício da Opção – Preço da Ação = Distância

Claro que para opções ITM, ou dentro do dinheiro o resultado seria negativo, mas então
consideramos como uma distância “negativa” sendo quanto mais negativa menor, ou seja, é
comos e fosse cada vez menos distantes e portanto valem mais.

Vamos ver um exemplo real com VALE a 42,30 retirado da Planilha de Opções Bastter.com:
Strike Preço Distância
36,00 6,68 -6,30
38,00 4,80 -4,30
40,00 3,12 -2,30
42,00 1,74 -0,30
44,00 0,78 1,70
46,00 0,30 3,70
48,00 0,10 5,70
50,00 0,04 7,70

Observem que quanto maior a distância, menos vale a opção. Distância normalmente só é
utilizada para opções OTM, ou fora do dinheiro, que são as que operamos mais, mas de qualquer
forma se considerarmos que quanto mais negativo o resultado, menor a distância, o critério vale
para as ITM (dentro do dinheiro) também.

Volatilidade
O conceito de volatilidade apesar de assustar é bastante simples.

Uma ação mais volátil é aquela que apresenta no período estudado grandes variações de preços.
Uma ação pouco volátil é aquela que no período estudado não varia muito, andando de lado
(acumulação).

Quanto mais volátil a ação subjacente a opção (ação da qual a opção deriva), maior o risco
percebido pelos agentes de mercado e mais valor é colocado nas opções na forma de VE, logo as
opções tendem a custar mais em ambientes de maior volatilidade e custar menos em
acumulações com o mercado parado.

Conclusão
Especialmente para as opções ATM e OTM que são as que mais operamos e para compreender
os movimentos de mercado das opções, temos de estar sempre cientes destes três fatores.

Para que uma opção ganhe valor, é necessário que os aumentos em termos de preço da ação
(diminuição da distância) e volatilidade sejam suficientes para se contrapor a perda de valor pela
passagem do tempo.

Conforme o tempo passa as distâncias ficam maiores. Uma opção que está a 3 reais do preço da
ação não é muito distante se faltam 30 dias úteis para o vencimento mas é extremamente distante
se faltam apenas 3 dias úteis. A probabilidade de uma ação subir 3 reais em 3 dias é muito menor
do que em 30 dias e por isso o mercado coloca mais valor na opção que tem 30 dias de vida no
que na que tem 3 dias. O valor em termos de VE é pura expectativa e esta é muito maior faltando
30 dias do que apenas 3.
A volatilidade encurta as distâncias. Para a mesma opção a 3 reais de distância do preço da ação,
a possibilidade do mercado chegar nela é maior se a ação está muito volátil do que se a ação está
pouco volátil. Uma ação parada, acumulando tem muito mais dificuldade de perfazer 3 reais do
que uma mais volátil, que pode claro andar estes 3 reais para cima ou para baixo, mas o risco
dela andar para cima é maior do que na ação pouco volátil. Sendo assim, o mercado coloca mais
expectativa na forma de VE nas opções de ações mais voláteis.

Modelo de Precificação de Opções e Black &


Scholes
Definições:

Modelo de precificação de opções – Modelo e/ou formulas para chegar a um preço teórico para
as opções.

Preço Teórico – Como o nome diz, é teórico e serve de comparação com o preço real. O objetivo
de se chegar a um preço teórico é tão e somente comparar com o preço real para saber se o preço
real está sobre ou subavaliado pelo mercado. O mercado não tem que praticar e raramente pratica
o preço teórico a não ser na hora do vencimento.

Modelo de Black & Scholes – O mais conhecido e mais utilizado dos modelos de precificação de
opções por ser o de mais simples compreensão.

Volatilidade – Medida de variação, no caso de preços. Quanto mais variam os preços de um


ativo, mais volátil ele é.

Volatilidade Histórica – Medida da variação passada dos preços de uma ação em valor
percentual. Dado que se insere no Modelo de Black and Scholes junto com o preço da ação, o
preço de exercício da opção, o tempo para o vencimento das opções e a taxa de juros para se
chegar ao preço teórico da opção.

Volatilidade Implícita – A diferença entre o preço real e o teórico. O quanto a opção está ou não
sobre avaliada. Quando a volatilidade implícita da opção é maior do que a volatilidade histórica
da ação a opção está sobre avaliada e o preço real está acima do preço teórico. Se a volatilidade
implícita está abaixo da volatilidade histórica o inverso acontece. A volatilidade implícita é
calculada substituindo o preço teórico da opção que o modelo produz pelo preço real.

Gregas – Subprodutos da Equação de Black & Scholes que determinam as características das
opções

Delta – Grega que determina teoricamente quanto a opção vai variar para cada real de variação
da ação. Um delta de 0,50 significa que a opção teoricamente vai ganhar 50 centavos se a ação
subir 1 real e perder 50 centavos se a ação cair 1 real.
Gama – Aceleração do Delta. Determina o quanto de delta teoricamente uma opção vai ganhar
ou perder em relação a variação da ação. Um gama de 0,06 significa que se a ação subir 1 real a
opção tende a ganhar 6 unidades de delta e se a ação cair 1 real, perder 6 unidades de delta. Neste
sentido, o gama tende a intensificar ou diminuir a ação do delta.

Theta – O quanto a opção perde em centavos teoricamente pela passagem de um dia. Um theta
de 0,05 por exemplo significa dizer que mantendo todos os outros fatores inalterados, a opção
tende a perder 5 centavos de valor pela passagem de um dia.

Vega – Grega menos utilizada, relacionada diretamente com alterações de volatilidade da ação.

Rho – Grega pouco utilizada relacionada com alterações na taxa de juros.

Como usar o Modelo de Precificação:

Diferente do que a maioria faz, o modelo de precificação tem como objetivo ajudar a entender
sua operação com opções e compreender as opções. Não é objetivo, ao menos para o pequeno
investidor, as fórmulas complexas e a precisão dos números.

Tente usar B&S para entender o que está acontecendo com as opções, porque elas estão variando
da forma que estão em relação a variação da ação e em relação a outros fatores como tempo e
volatilidade. Aprenda a prever o que pode acontecer com sua operação com opções no caso de
alta ou queda da ação e de que forma a passagem do tempo e a volatilidade poderão influenciar
sua operação.

Verificando o quanto as opções estão distorcidas em relação ao valor, pode-se também captar
oportunidades de operações com as probabilidades a seu favor. Temos diversos marcadores
Bastter.Com que auxiliam neste sentido mas compreender as distorções é importante para poder
operar melhor e com mais eficiência.

Não perca tempo, a não ser que tenha grande interesse em matemática com as fórmulas. A
Planilha Bastter.Com faz os cálculos para você assim como diversos programas na Internet.
Preocupe-se em compreender e se beneficiar do modelo e não com as fórmulas.

Operações e Gregas:

A Planilha Bastter.Com faz o cálculo das gregas das suas operações mas quem quiser calcular é
muito fácil:

Vamos dizer que você tenha a seguinte operação com PETR4 a 26 reais:

Opções Quantidade Preço Delta Gama Theta


PETRB24 -1000 2,40 0,61 0,05 -0,02
PETRB26 2000 1,20 0,45 0,07 -0,03
Totais 1000 0 290 90 -40
As contas são simples, vamos fazer a do Delta e cada um pode fazer para qualquer parâmetro:

PETRB24 -1000 com delta de 0,61: -1000 * 0,61 = -610

PETRB26 +2000 com delta de 0,45: +2000*0,45 = +900

-610 + 900 = 290 Deltas

O que quer dizer estes dados?

 290 deltas positivos confere a operação como sendo uma compra em termos direcionais e
tende a ganhar na alta. Na teoria a operação tende a ganhar 290 reais para 1 real de alta da
ação subjacente. (Além disso ser teórico, deve-se ter em conta o Delta Quality, conceito
que será visto mais adiante) Ela teoricamente tende a perder em torno de 290 reais no
caso de queda da ação de 1 real.
 90 gamas positivos confere a operação a característica de compra de volatilidade,
teoricamente a operação tende a ganhar 90 deltas se a ação subir 1 real e perder 90 deltas
se ela cair 1 real. Sendo gama positiva a operação tende a ganhar nas fortes
movimentações da ação e perder na acumulação.
 40 thetas negativos indica que a operação tende a perder 40 reais pela passagem de um
dia.

Sabendo então as gregas de suas operações dá para se ter uma ideia de como a alta ou queda da
ação, a volatilidade da ação e a passagem do tempo afetam sua operação. Esta é a grande
utilidade de Black & Scholes bem como aprender a captar oportunidades que o mercado está
oferecendo devido as distorções de volatilidade, considerações que veremos nos capítulos das
operações com opções do ABC das opções.

Delta
Conforme o preço da ação sobe, o valor teórico da opção (de compra) sobe de uma forma não
linear a uma taxa crescente. Primeiro, o aumento de preço da opção é somente uma fração do
aumento de preço da ação. Esta fração aumenta, conforme o preço da ação sobe. Quando a ação
está significativamente acima do preço de exercício da opção (muito ITM), o movimento da
opção se aproxima de 100% do movimento da ação. É esta "fração do movimento de preço da
ação"que é conhecida como Delta.

Como um exemplo assuma que a ação subjacente sobe R$1,00 e a opção sobe somente R$0,25.
Neste caso, o Delta da opção é .25 (ou 25%), pois a opção se movimentou 25% do movimento de
preço da ação.

O Delta, entretanto, não é estático. O Delta de uma opção muda conforme a opção muda de out-
of-the-money (fora do dinheiro) para in-the-money (dentro do dinheiro). O preço de uma opção
out-of-the-money se modifica por um pequeno percentual do movimento de preço da ação. O
preço de uma opção at-the-money se modifica por aproximadamente 50% do movimento de
preço da ação (Delta de 50, 0,50 ou 50%). Conforme uma opção vai se tornando mais in-the-
money, seu Delta aumenta e gradualmente se aproxima de 100% ou 1.00. Isso significa que o
preço de uma opção profundamente in-the-money se movimenta real a real com o movimento de
preço da ação.

Delta das Opções de Compra de VALE5 a 53,50 a 38 dias úteis do vencimento com VH de
25%.

C ULT DELTA

38 15,21 1

40 13,31 1

42 11,4 1

44 9,41 0,99

46 8,01 0,98

48 6,35 0,95

50 4,01 0,81

52 2,71 0,65

54 1,6 0,46

56 0,81 0,28

58 0,35 0,15

60 0,16 0,07

62 0,08 0,03

64 0,04 0,01

É importante lembrar que o Delta é uma medida teórica designada para pequenos movimentos e
não para variações intensas sendo sua aplicação teórica mais eficiente para variações de 1 real da
ação. Importante também ter consciência que o Delta é uma medida teórica para ajudar a orientar
suas operações e decisões e não dados exatos. Uma opção tende a variar o percentual de variação
da variação da ação que o Delta indica aproximadamente e raramente irão ocorrer variações
absurdamente diferentes do Delta mas tomem apenas como um parâmetro teórico.

Da mesma forma que com as opções isoladamente, as operações também possuem um Delta e
pelo Delta da operação pode-se estimar o que vai acontecer com ela de acordo com os
movimentos da ação. Por exemplo, se uma operação tem Delta de +200 isso significa dizer que
se a ação subir 1 real a operação tende a valorizar 200 reais e perder 200 reais se a ação cair 1
real. Não utilize estas perspectivas como cálculos exatos mas apenas como orientações e para
ajudar a montar as estratégias e planos de acompanhamento das operações.

Além do mais veremos mais a frente como o Gama e o Theta também influenciam as operações
e em alguns tipos de operações, como a qualidade do delta (Delta Quality) pode fazer com que o
resultado seja bem diferente do esperado.

Exemplo de Delta da Operação utilizando a tabela acima:

Posição Delta Somatório Somatório

-1000 0,46 -460 -460

1000 0,28 280 280

-180 Deltas -180 Deltas

A operação possui 180 deltas negativos o que a caracteriza como uma venda em termos
direcionais o que é de se esperar sendo uma Trava de Baixa OTM e a perspectiva é de perda de
180 reais com a alta de 1 real da ação e ganho de 180 reais com a queda de 1 real da ação. (A
Trava de Baixa OTM tem como objetivo ganhar o VE vendido pela passagem de tempo e não
necessariamente pela queda, mas estamos usando aqui apenas para explicar a teoria).

O Delta pode ser expresso também, apenas a título de entendimento do conceito como a chance
da opção ser exercida, não sendo a toa que as opções muito ITM tem delta próximo de 100% e as
muito OTM próximo de zero. As no dinheiro, ou com preço de exercício próximo do preço da
ação possuem Delta aproximado de 50 pois as chances delas serem exercidas se aproximam de
50%. A partir daí pode-se entender que com a passagem do tempo o delta das opções ITM tende
a 100 (porque a cada dia que passa a chance da opção ser exercida aumenta já que há menos
tempo para a ação cair expressivamente) e o Delta das opções OTM tende a zero (porque a cada
dia que passa a chance da opção ser exercida diminui). O Delta das opções ATM permanece em
torno de 50% não importando a passagem de tempo pois se a ação está próxima do preço dela a
chance permanece em torno de 50% não importa quanto tempo falte.

Para entender todos estes conceitos devemos compreender que o mercado está sempre
precificando o provável e lidando com probabilidades. Se a VALE5 ta 50 reais e faltam 4 dias
para o vencimento é provável que a opção de preço de exercício de 60 reais seja exercida, ou que
a VALE suba além de 60 reais em apenas 4 dias? Não, é bem pouco provável apesar de possível,
por isso além de o mercado colocar um baixo preço nesta opção (provavelmente somente 1
centavo) ela tem Delta muito baixo (provavelmente de apenas 0,01).

Gama
O Gama é a taxa de variação do Delta, ou seja, o quanto teoricamente o Delta varia por unidade
de variação da ação (1 real). Como pode ser visto pela Tabela abaixo , o Delta não se modifica
apenas de acordo com mudanças de preço do ativo adjacente, mas também em taxas diferentes se
a opção estiver ITM (in-the-money), ATM (at-the-money) ou OTM (out-of-the-money). Por
exemplo, quando a ação se movimentou de R$50 para R$51,00 , o Delta da opção mudou de .54
para .60 - uma mudança de .06 (6%). Entretanto, quando a ação subiu de 54 para 55, o Delta se
elevou de .71 para .74 - uma mudança de .03 (3%). As maiores variações de delta ocorrem
quando a opção está ATM ou no dinheiro, com o preço de exercício próximo do preço da ação.
Isso ocorre porque é nestas instâncias que o Gama é maior.

Opção de Compra de preço de exercício de R$50,00 com Volatilidade da ação em 35% e


faltando 61 Dias para o Exercício.

Obs. Tabela modificada a partir do original no livro Options Essential & Trading Strategies

Observando agora uma Tabela retirada da Planilha de Opções Bastter.com com VALE5 a 50,58
a 43 dias do vencimento. VH a 25%.
Vejam que enquanto o Delta é maior quanto mais ITM é a opção, o Gama é maior nas opções No
Dinheiro (ATM) e vai diminuindo para dentro e para fora do dinheiro. Isso faz com que as
opções no dinheiro sejam as mais explosivas, ou seja, apesar de em termos absolutos variarem
menos do que as dentro do dinheiro, em termos proporcionais (percentuais) são normalmente as
que mais variam. É óbvio que se uma opção muito OTM de 1 centavo for a 2 centavos ela vai
variar 100% mas isso é apenas uma distorção devido ao baixo valor da mesma.

Vamos acrescentar na Tabela agora a Variação absoluta e percentual teórica das opções no caso
da ação subir 1 real. Isso é feito através de uma licença matemática considerando a variação
teórica a soma do Delta com o Gama. Apesar desta soma não ser matematicamente perfeita,
serve para a compreensão do conceito.
Vemos que a variação absoluta é maior nas dentro do dinheiro e as muito dentro do dinheiro
praticamente seguem a ação, mas por valerem muito, as variações percentuais são pequenas.
Conforme se aproxima do dinheiro (do preço da ação), as variações absolutas caem, mas por cair
também o valor das opções, as variações proporcionais vão aumentando. Nas opções de centavos
ocorre distorção e os percentuais são altos devido ao baixo valor das opções. Mas as variações
em termos absolutos são desprezíveis.

Vamos ver agora na mesma situação mas faltando apenas 23 dias para o vencimento.

Observem que algumas modificações ocorreram devido a passagem do tempo. Os Deltas tendem
a 1 (100%) ITM com a passagem do tempo enquanto que os OTM tendem a zero. Sendo o Delta
de alguma forma a chance da opção ser exercida, As no dinheiro (ATM) mantem o Delta em
torno de 50 a despeito da passagem do tempo e isso somado ao aumento do Gama nelas com a
proximidade do vencimento, ao mesmo tempo em que perdem valor é que torna estas opções
progressivamente explosivas. O Gama tende a aumentar nas opções ATM com a passagem do
tempo, ao mesmo tempo em que diminui nas ITM e OTM como pode ser visto nas tabelas.

O Risco Gama

O Gama inclui risco nas operações com opções de duas formas:

Nas operações de compra de volatilidade (Gamas positivas) quanto mais gama em relação ao
delta, maior a perda pela passagem do tempo se o mercado não sair do lugar. È o chamado
sangramento das operações gama positivas.

Nas operações vendidas, especialmente com venda de volatilidade, o Gama negativo cria o Risco
Gama das altas fortes da ação. Se a ação subir com força, quanto mais Gama negativa for a
operação, mais ela vai perder. É o Risco Gama das altas fortes e por isso que especialmente estas
operações devem ser sempre feitas com lastro grande (distância do limite da operação para o
preço da ação) e tamanho pequeno (operar com poucas opções) para agüentar o tranco no caso de
alta forte e não ficar sempre stopando VE (stop de operações dentro do alvo de lucro).

Theta
O Theta é a taxa em que o preço de uma opção decai por unidade de tempo. Ainda que ele seja
derivado de um conceito matemático sofisticado, é util para todos os tipos de operadores que
trabalham com opções e um conceito bem simples.

O Theta é simplesmente quantos centavos teoricamente a opção perde pela passagem de um dia.
Mesmo que a opção ganhe valor de um dia para o outro, por alta da ação e/ou da volatilidade,
haverá alguma perda de valor devido ao theta, o que quer dizer que se a alta tivesse ocorrido um
dia antes, a opção teria alcançado um valor ainda mais alto.

Um theta de -0032 por exemplo significa dizer que a opção tenderá a perder 3,2 centavos pela
passagem de um dia. Óbvio que uma opção não pode perder centavos quebrados então ou ela vai
perder 3 ou 4 centavos, mas isso é teórico, o que importa é compreender o conceito. Diferente do
delta e do gama, o theta é expresso em números negativos já que a opção irá perder centavos pela
passagem de um dia. Uma operação pode ser theta negativa (perde valor pela passagem do
tempo) ou theta positiva (ganha valor pela passagem do tempo), mas uma opção isoladamente se
considerar apenas a análise dela e não a compra ou a venda dela, sempre terá theta negativo.

O Theta tende a ser maior nas opções próximas do preço da ação pois são as que tem mais valor
extrínseco (VE). A perda de valor pela passagem do tempo só ocorre na porção do prêmio da
opção consistido de VE. O valor intrínseco ou verdadeiro segue diretamente os movimentos da
ação.

Tabela retirada da Planilha de Opções Bastter.Com com VALE5 a 46,64 a 40 dias úteis do
vencimento das opções.
Observem que as quatro opções mais próximas do preço (em negrito) são as que têm mais VE e
por conseqüência mais theta. Como falta muito tempo para o vencimento, as diferenças não são
tão expressivas. Vamos ver opções mais próximas do vencimento:

Tabela retirada da Planilha de Opções Bastter.Com com VALE5 a 46,64 a 14 dias úteis do
vencimento das opções.

Observem como os maiores thetas permanecem em torno do preço da ação mas agora as
diferenças são mais expressivas. O que se vê é que com a passagem do tempo o theta destas
opções aumentou enquanto o das opções dentro do dinheiro ou fora do dinheiro diminui, assim
como acontece com o gama.

Destas duas tabelas já podemos compreender alguns conceitos do Theta:

1. O theta é maior em termos absolutos (centavos) nas opções próximas do dinheiro


2. O theta nestas opções aumenta com a passagem do tempo e a perda de valor pela
passagem do tempo vai se tornando maior quanto menos tempo falta para o vencimento.

Vamos agora incluir a perda pelo theta em termos proporcionais ao preço da opção para
compreender outros conceitos do theta:
Olhando o percentual em relação ao VE, vemos que nas opções fora do dinheiro (OTM) esta
perda é maior e estas opções são constituídas apenas de VE. Logo, apesar do theta ser maior em
centavos próximo do preço da ação, é nas opções OTM que a perda de valor pela passagem do
tempo é mais intensa, pois nestas que ocorrem as maiores perdas proporcionais.

A opção de strike de 46 que é a mais próxima do dinheiro, e a que tem o maior Theta em
centavos, é na verdade a que mais resiste ao theta pois é a que, se o preço da ação ficar nestes
níveis até o vencimento, a que vai manter mais VE até os últimos dias de existência destas
opções. As opções dentro do dinheiro tendem, com a passagem do tempo a delta de 1,00 e ficar
sem VE e apenas seguir a ação. As opções fora do dinheiro tendem aos centavos com a passagem
do tempo e próximo do vencimento ficarem sem valor, sem delta e sem gama, passando a ter
chance somente na rara ocorrência de uma variação extraordinária ( o que não é desculpa para
vendê-las, o que não vale a pena já que não há o que ganhar na venda delas, só a perder). Sobra
VE então na proximidade do vencimento apenas nas opções próximas do preço que vão se
tornando explosivas com baixo valor e muito delta e gama.

Vamos considerar agora o exemplo de uma operação com seus respectivos delta, gama e theta
para aprendizado:

Vamos dizer que você faça a seguinte trava de baixa com VALE a 49 reais:

VALEC50 –1000

VALEC52 +1000

E que estas opções tenham os seguintes dados:

Opção Posição Delta Gama Theta


VALEC50 -1000 0,48 0,05 -0,032
VALEC52 +1000 0,30 0,03 -0,026

A operação tem (-1000*0,48) + (+1000*0,30) = -180 deltas o que significa dizer que ela tende a
perder 180 reais se a ação subir 1 real e ganhar 180 reais se a ação cair 1 real. Faz sentido com
uma trava de baixa que tende a ganhar na queda e perder na alta.

A operação tem (-1000*0,05) + (+1000*0,03) = -20 gamas o que significa dizer que ela tende a
perder 20 deltas se a ação subir 1 real e ganhar 20 deltas se a ação cair 1 real. Faz sentido com
uma trava de baixa que é uma venda de volatilidade ou movimento que tende a ganhar em
mercados parados (pois foi feita fora do dinheiro) e perder em mercado de alta forte. Daí o gama
negativo.

A operação tem (-1000*-0,032) + (1000*-0,026) = 6 thetas o que significa dizer que neste
momento ela tende a ganhar 6 reais pela passagem de um dia. O theta tende a ser sempre
contrário ao gama pois as operações que ganham pela passagem do tempo perdem com o
movimento e vice-versa.
BOSI e Bastter BOSI
O BOSI (Bastter Options Strengh Index) é um marcador criado para auxiliar os operadores no
STOP de venda de opções ou venda de VE.

Fórmula:

BOSI = %NUM de NEGÓCIOS X VE

Bastter BOSI (média de todos os BOSIs de determinada ação) = (soma strike x BOSI de todas
opções) / (soma BOSI de todas as opções)

Explicando a Fórmula:

%NUM de NEGÓCIOS = Risco de Mercado, onde o mercado está

Calculado somando todos os negócios em opções da série e vendo o percentual deles que é da
opção.

Ex: Se a Série J de Opções da PETR4 tem um total de 10.000 negócios e a PETRJ30 tem 1.000
negócios então ela tem 10% dos negócios.

VE = Risco Atual, quanto maior o VE, maior o risco para o vendedor naquele momento pois
mais ele vai ter de pagar para desmontar a operação. Claro que para quem vai iniciar uma venda
o racicínio é oposto, mas o BOSI é para quem já vendeu, pois é um marcador de STOP.

GAMA = Risco Futuro, quanto mais Gama, mais explosiva é a opção.

Porque Stopar no BOSI?

Por que o quanto se pode ganhar na venda não compensa mais o risco da venda.

Na venda de VE deve-se vender e ficar vendido em opções RESISTENTES e não em opções


EXPLOSIVAS

Opções Resistentes – Resistem a alta da ação, ou seja, mesmo que a ação suba, desde que não
muito, as opções resistem e não ganham muito VE.

Opções Explosivas – Variam expressivamente para cima em resposta a alta da ação.

Quando o BOSI chega numa opção ela deixou de ser Resistente e passou a ser Explosiva, logo
não vale mais a pena ficar vendido nela.

O BOSI lida com o risco de mercado e a análise de probabilidades para o longo prazo se
tornando um marcador mais eficiente para o STOP do que o preço da opção (lida com o
financeiro e o operador tem mais dificuldade de executar) ou o preço da ação (não inclui o tempo
que é fundamental nas opções).

Como Utilizar o BOSI

Não se utiliza mais o antigo BOSI.

Deve-se utilizar para STOP o BBOSI ou BastterBOSI de forma simples.

O STOP é dado quando o BBOSI chega ao strike da opção vendida.

VDXX
O VDX (VENDEX) é um marcador criado para auxiliar os operador na escolha de qual e quando
vender opções na venda coberta de remuneração de carteira (não serve para operação de taxa).

Fórmula:

VDXX = LASTRO EM PERCENTUAL * (NV / COTAÇÃO DA OPÇÃO) * 100 / 2 * (1,30 -


num de pregões / 100)

Explicando a Fórmula:

LASTRO EM PERCENTUAL = Distância do strike da opção para o BastterBOSI que é nosso


marcador de stop. Significa o quanto a ação temd e subir para sermos stopados. Quanto maior o
lastro, maior a chance da operação. Quanto maior o lastro, maior o VDX.

NV/COTAÇÃO DA OPÇÃO = Mede o tamanho do VE, o quanto temos a ganhar na venda da


opção. Claro que quanto maior o tamanho melhor, mas quando queremos mais distãncia temos
de aceitar tamanho menores, e tamanho maiores normalmente implicam em risco maior. Quanto
maior o tamanho maior o VDX.

(Os dois andam na direção inversa, quanto maior o lastro, menor o tamanho e vice-versa)

1,30 – NUM DE PREGÕES = Adiciona o fator tempo ao VDX. Quanto maior o tempo, menor o
VDX

Resumo da Fórmula: VDX = DISTÂNCIA * TAMANHO * (1 - TEMPO)

Para que serve o VDX?

O VDX auxilia o investidor na Venda Coberta de remuneração indicando quais opções são mais
eficientes para a venda e filtrando as que podem ser vendidas. Normalmente em uma série
somente duas a quatro opções possuem VDX.
As opções NV (Não Vende) que possuem valor menor do que 0,4% do preço da ação e as opções
ITM (dentro do dinheiro) não possuem VDX pois não se deve vender na remuneração nem
opções ITM e nem opções que valem apenas centavos (NV). Opções que valem menos do que
0,85% do preço da ação também não possuem VDX.

Além de demonstrar as mais eficientes da série para venda coberta de remuneração o VDX pode
ser usado como uma padrão de eficiência para venda coberta quando o investidor determina
valores de VDX mínimos para vender:

Um padrão muito utilizado, mas cada um deve determinar o seu:

 VDX < 3 = Pouco eficiente, não vender


 VDX entre 3 e 4 = Permite vendas mas ainda pouco eficientes
 VDX > 4 = Eficiente para vendas
 VDX > 5 = Tende a ser bastante eficiente

Estes critérios devem ser analisados com atenção já que alterações de volatilidade de preço da
ação tendem a interferir com o VDX.

Os operadores que permitirem VDXs menores para vendas serão mais exigidos e terão que saber
stopar bem e abrir mão de lucros, entretanto venderão mais vezes e poderão ter um resultado
melhor se operarem direito.

Os operadores mais exigentes em termos de VDX, vendem menos vezes mas tendem a fazer
vendas mais eficientes e serem menos exigidos.

Cada um deve definir sua área de conforto. Para quem tá começando recomendo só vender VDX
acima de 4 e além (primeira mais OTM) do maior VDX da série.

Como Utilizar o VDX

1. Estabelecer critérios para uso do VDX como valor mínimo de VDX para vender, quanto
vender e qual VDX vender (maior, seguinte ao maior, etc.).
2. Determinar se vai ter somente o VDX como critério ou se vai usar outros critérios como
distância mínima para o preço da ação por exemplo, mas o VDX já considera os
principais critérios.
3. Verifica as opções da série que possuem VDX.
4. Ver se alguma preenche seus critérios, vender. Se nenhuma preenche seus critérios, não
abrir vendas.

Obs.: Após a venda, verifique o stop no BOSI, a realização de lucros no NV, o prazo e a
monitorização. Após a venda feita, o VDX não tem mais utilidade.

NV
O NV (NÃO VENDE) é um marcador criado para auxiliar os operador tanto na hora de realizar
lucro da venda de opções como para evitar que se venda opções sem valor para que a venda seja
eficiente.

Fórmula:

NV = 0,4% do preço da ação (podendo ser usado de 0,3 a 0,5%)


obs: Toda opção ITM = NV

Explicando a Fórmula:

Quando uma opção tem VE menor do que a soma do delta com o gama podem estar ocorrendo
duas situações:

1. 1 – A opção é OTM valendo apenas centavos.


2. 2 – A opção é muito ITM e/ou o vencimento está próximo e ela quase não tem mais VE.

Para que serve o NV?

O NV tem duas utilidades principais:

1 – Opções NV não devem ser vendidas pois não são eficientes para tanto. Uma opção OTM NV
vale normalmente poucos centavos, o que faz com que não valha mais a pena vendê-la ou ainda
que valha mais um pouco, valendo menos do que a soma do delta com o gama, significa que se a
ação subir em torno de 1 real a opção pode mais do que dobrar de preço.

A ideia por trás da venda de opções OTM seja para remuneração de carteira ou até mesmo em
operações isoladas (mas nunca venda descobertas que não devem ser feitas devido ao risco
ilimitado) é que se venda uma opção resistente, ou seja, que resiste a alta da ação. Ainda que a
ação suba, desde que não muito se ganhe a venda e a pressão sobre o vendedor não seja muito
para que ele não tenha que stopar operações potencialmente vencedoras. Quando se vende uma
opção OTM NV é exatamente o contrário, pois se for próxima do preço da ação é uma opção
explosiva que dobra de preço em reação a uma pequena alta da ação. Certamente não é
interessante vender uma opção com estas características. Por outro lado, mesmo que a opção seja
bem OTM e tenha uma boa distância ela vai valer apenas alguns centavos e aí para ganhar
apenas uns poucos centavos, a taxa é tão pequena que é melhor colocar o dinheiro na caderneta
de poupança onde o risco é muito menor.

Ex: Venda de opção de 0,05 para ganhar 0,04 em cima de uma ação que custa 40 reais. 0,04/40 =
taxa de 0,1%. Para que alguém vai operar opções atrás de uma taxa de 0,1% se a caderneta paga
0,5%?

2 – Após a venda da opção, o NV pode servir como alvo de lucro ou ainda que ele não tenha sido
determinado como alvo de lucro, alertar que não vale mais a pena ficar vendido naquela opção,
seja porque ela está OTM valendo muito pouco, ou porque o mercado subiu e ela ficou ITM.
Operacional

Toda opção com valor < 0,4% do valor da ação é NV. Na planilha Bastter.com e no quadro de
opções, uma opção NV fica sem valor na coluna NV. O valor que aparece nas que não são NV é
a sobra, ou seja, quantos centavos faltam para ela perder para ficar NV. Obviamente quanto
menor este valor, mais próxima a opção está de ficar NV.

Como Utilizar o NV

1. 1 – Não vender opções NV. Se uma opção for NV não venda para venda coberta de
remuneração principalmente mas também não venda nas travas, vacas e venda de VE.
Até mesmo nas operações alvo, as opções vendidas não devem ser NV. Nas operações de
taxa pode-se vender opção NV ITM desde que o tamanho do VE (taxa) e a proteção
justifiquem.
2. 2 – Se a opção que você tá vendido, ficar NV, zere a venda pois ou ela está valendo
pouco (OTM) e não justifica mais ficar vendido nela pois não vale a pena, ou ela está
ITM e a venda já era para ter sido stopada. O NV pode ser usado como critério de stop
ITM mas é um stop bem longo. Vai ser stopado poucas vezes mas o stop pode ficar caro
quando é stopado.

Video
Atenção a fórmula do NV mudou para NV = 0,4% do preço da ação.
O vídeo foi feito com a fórmula antiga que deve ser corrigida, mas os conceitos no vídeo estão
corretos.

O Equilíbrio Distância, Tempo e Volatilidade


Para analisar qualquer operação com opções de venda de VE basta aprender o equilíbrio destas
três características e é aí também que se captam as vantagens que colocam as probabilidades a
seu favor. O sistema é bastante simples apesar de que na hora, com o mercado aberto e seu
dinheiro no meio a coisa fica bem mais bagunçada que no papel. Mas com o tempo e a
experiência começa a acontecer naturalmente a percepção das distorções deste equilíbrio que
abrem as oportunidades.

Distância

Também chamado de Lastro, é um conceito bastante simples que diz respeito a distância do
preço de exercício da opção ou do limite (breakeven) da operação para o preço da ação. Nas
vendas de VE usualmente esta distância será para fora do dinheiro (OTM) mas há exceções
como as Travas de Alta ou as operações alvo como Mesas e Borboletas (estas últimas tem dois
limites um para dentro do dinheiro e outro para fora).

Quanto maior o lastro, maior a chance de se ganhar a operação e menor a exigência sobre o
operador mas isso vem em troca de um custo maior e/ou um risco maior.
Exemplificando na nossa Planilha de Opções com VALE5 a 42,73 a 40 dias úteis do vencimento:

Se formos fazer venda coberta da 42 o lastro é bem pequeno mas recebemos 2,50 para 1,77 de
VE. Indo para a 44 o lastro aumenta mas o VE diminui para 1,38 e assim por diante. Se formos
colocar isso numa tabela teríamos:

Opção VE Lastro Lastro VE*Lastro VDX


42 1,77 44,50 1,77 3,13 -
44 1,38 45,38 2,65 3,65 2,50
46 0,60 46,60 3,87 2,32 2,80
48 (47,48) 0,31 47,79 5,06 1,56 2,10
50 (49,48) 0,11 49,59 6,86 0,75 -

Teoricamente a venda com o maior resultado da multiplicação de VE com Lastro seria a mais
eficiente, mas como tem o fator operador, o VDX, nosso marcador de eficiência de vendas dá
mais importância ao lastro do que ao VE e joga a eficiência um pouco mais para fora. Quanto
mais experiente o operador e mais propenso a stopar prejuízos, mais ele poderia se aproximar da
coluna VE*Lastro.

De qualquer forma o importante é compreender que a distância para o preço da ação é a primeira
peça do quebra-cabeça e que a distância maior vai ser sempre compensada com um VE menor
e/ou custo maior e/ou risco maior. Vamos analisar na mesma tabela as possibilidades de travas
de baixa:

Trava Spread Lastro Lastro Spr*Lastro TBX


42/44 1,12 43,12 0,39 0,43 2,71
44/46 0,78 44,78 2,05 3,65 3,02
46/48 0,31 (0,41) 46,31 3,58 1,46 1,76
48/50 0,21 47,69 4,96 1,04 1,25

As travas de baixa costumam ter um lastro menor do que as vendas cobertas mas por serem
travadas compensam isso com um risco menor. Sendo travadas, o marcador Bastter.com para
travas de baixa, o TBX não dá tanto peso ao lastro quanto o de Venda Coberta, o VDX. Vejam
que enquanto a venda mais eficiente pelo VDX está na 46, pelo TBX está na 44. De qualquer
forma, a mesma coisa acontece. Quanto maior a distância, menor o valor recebido e por
conseqüência maior o risco financeiro. A idéia é progressivamente ir entendendo este balanço e
aprendendo a captar as oportunidades.
Tempo

Teoricamente se você está vendido e ainda tem lastro, quanto menos tempo falta para o
vencimento melhor. Quanto menos tempo faltar, menor a chance de a ação conseguir chegar na
sua venda. Se você tá vendido a 46 e a ação ta 44 e faltam 4 meses para o vencimento, seu lastro
é pequeno. Se faltam dois meses seu lastro ainda é pequeno mas maior do que o anterior. Um
mês e o lastro já é razoável. Quinze dias, é um bom lastro. Uma semana, excelente. Dois dias,
enorme. Quanto mais tempo falta para o vencimento, menor será a mesma distância.

Por outro lado, quanto mais tempo falta para o vencimento, mais VE terão as opções. Para as
mesmas condições, uma opção terá mais VE quanto maior for o tempo que falta para o
vencimento. Considerando que a opção perde VE pela passagem do tempo, este será maior se
falta mais tempo para o vencimento e mínimo nas proximidades do vencimento.

O operador de opções não deve ter preocupações com operar opções desta ou daquela série, com
este ou aquele tempo para o vencimento. O tempo maior será compensado com uma distância
e/ou VE maior e o que importa é detectar as oportunidades. Desde que tenha liquidez qualquer
opção pode ser operada se ela estiver preenchendo os critérios do operador para de alguma forma
oferecer uma oportunidade.

Volatilidade

Quanto maior a volatilidade, maiores os VEs das opções. Mercados voláteis colocam mais risco
nos lançadores que passam a exigir prêmios maiores. Por outro lado os compradores estão
dispostos a pagar estes prêmios em um mercado volátil que aumenta suas chances. Este balanço
irá fazer com que as opções tenham mais VEs nos mercados mais voláteis.

Em mercados menos voláteis o equilíbrio vai para menos VE nas opções. Os lançadores vão
progressivamente aceitando prêmios menores devido ao menor risco e os compradores estão
dispostos a pagar menos.

Quando se relaciona a distância, podemos dizer que quanto maior a volatilidade menor a
distância. Mercados voláteis percorrem maiores distâncias e se não fosse assim eles não seriam
voláteis. Mercados pouco voláteis tornam as distâncias maiores e se não fossem assim não
seriam pouco voláteis.

Por outro lado a distância maior diminui a influência da volatilidade sobre os VEs. Opções
próximas do dinheiro tem mais gama e logo são mais influenciadas pela volatilidade do que as
longe do dinheiro.

No que diz respeito ao tempo, quanto maior o tempo para o vencimento menor a influência da
volatilidade sobre os VEs apesar de que ainda assim há influência. Na proximidade do
vencimento, com o grande gama das opções próximas do dinheiro, a influência da volatilidade
sobre o VEs destas é enorme.
  Distância Tempo Volatilidade
A distância compensa o A distância diminui a
Distância -
tempo influência da volatilidade
O tempo diminui a O tempo diminui a influência
Tempo -
distância da volatilidade
A volatilidade diminui A volatilidade pode tornar o
Volatilidade -
a distância tempo menor

Explicando cada célula do quadro que resume o equilíbrio entre os três fatores:

 O tempo diminui a distância – Quanto maior o tempo de uma opção para o vencimento,
menor proporcionalmente será a distância para o preço da ação.
 A volatilidade diminui a distância – Quanto maior a volatilidade da ação, menor
proporcionalmente será a distância da opção para o preço da ação.
 A distância compensa o tempo – O tempo maior para o vencimento, será compensado
com uma distância maior, ou seja, conforme vai se aumentando o tempo para o
vencimento as opções vão compensando em distância para o preço da ação e/ou tamanho
do VE.
 A volatilidade maior pode tornar o tempo menor – Em um mercado mais volátil tempos
maiores podem ser proporcionalmente menores e opções mais longas terem gamas
maiores.
 A distância diminui a influência da volatilidade – Quanto mais longe do preço a opção
for, menos influenciada pela volatilidade ela será.
 O tempo diminui a influência da volatilidade – Quanto mais tempo faltar para o
vencimento da opção, menos influenciada pela volatilidade ela será.