Você está na página 1de 489

CÓD: OP-070JH-21

7908403506613

SESAU-AL
SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE ALAGOAS

Técnico de Enfermagem
EDITAL Nº 1 – SESAU/AL, DE 11 DE JUNHO DE 2021
• A Opção não está vinculada às organizadoras de Concurso Público. A aquisição do material não garante sua inscrição ou ingresso na
carreira pública,

• Sua apostila aborda os tópicos do Edital de forma prática e esquematizada,

• Alterações e Retificações após a divulgação do Edital estarão disponíveis em Nosso Site na Versão Digital,

• Dúvidas sobre matérias podem ser enviadas através do site: www.apostilasopção.com.br/contatos.php, com retorno do professor
no prazo de até 05 dias úteis.,

• É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila, de acordo com o Artigo 184 do Código Penal.

Apostilas Opção, a Opção certa para a sua realização.


ÍNDICE

Língua Oirtuguesa
1. Compreensão e interpretação de textos de gêneros variados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Reconhecimento de tipos e gêneros textuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
3. Domínio da ortografia oficial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
4. Domínio dos mecanismos de coesão textual. Emprego de elementos de referenciação, substituição e repetição, de conectores e de
outros elementos de sequenciação textual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
5. Emprego de tempos e modos verbais. Domínio da estrutura morfossintática do período. Emprego das classes de palavras . . . . . 03
6. Relações de coordenação entre orações e entre termos da oração. Relações de subordinação entre orações e entre termos da
oração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
7. Emprego dos sinais de pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
8. Concordância verbal e nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
9. Regência verbal e nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
10. Emprego do sinal indicativo de crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
11. Colocação dos pronomes átonos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
12. Reescrita de frases e parágrafos do texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
13. Significação das palavras. Substituição de palavras ou de trechos de texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
14. Reorganização da estrutura de orações e de períodos do texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
15. Reescrita de textos de diferentes gêneros e níveis de formalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
16. Redação e Correspondências Oficias. Manual de Redação da Presidência da República . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

Ética no Serviço Público


1. Ética E Moral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Ética, Princípios E Valores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
3. Ética E Democracia: Exercício Da Cidadania . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
4. Ética E Função Pública . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
5. Ética No Setor Público . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
6. Lei estadual nº 6.754/2006 (Código de Ética Funcional do Servidor Público do Estado de Alagoas) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06

Legislação Estadual
1. Constituição Do Estado De Alagoas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Lei Estadual Nº 5.247/1991 (Regime Jurídico Único Dos Servidores Públicos Civis Do Estado De Alagoas, Das Autarquias E Fundações
Públicas Estaduais) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

Legislação Aplicada ao SUS


1. Evolução Histórica Da Organização Do Sistema De Saúde No Brasil E A Construção Do Sistema Único De Saúde (Sus): Princípios, Dire-
trizes E Arcabouço Legal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Controle Social No Sus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
3. Resolução Nº 453/2012 Do Conselho Nacional De Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
4. Constituição Federal, Artigos De 194 A 200 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
5. Lei Nº 8.080/1990 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
6. Lei Nº 8.142/1990 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
7. Determinantes Sociais Da Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
8. Sistemas De Informação Em Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

Conhecimentos Específicos
Técnico de Enfermagem
1. Noções gerais de anatomia e fisiologia humana. Noções de histologia dos tecidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Noções de farmacologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
3. Noções de microbiologia e parasitologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
4. Biossegurança em saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
5. Controle de infecção hospitalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
6. Organização do processo de trabalho em saúde e enfermagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
ÍNDICE

7. Procedimentos técnicos de enfermagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85


8. Assistência em saúde coletiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
9. Assistência em saúde mental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
10. Assistência ao paciente cirúrgico e oncológico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
11. Assistência ao paciente com disfunções cardiovascular, circulatória, digestiva, gastrointestinal, endócrina, renal, do trato urinário,
reprodutiva, neurológica e musculoesquelética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
12. Enfermagem materno-infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
13. Assistência de enfermagem ao recém-nascido, à criança e ao adolescente hospitalizado (clínico e cirúrgico) . . . . . . . . . . . . . . . . 179
14. Assistência na emergência/urgência e no trauma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
15. Assistência em terapia intensiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
16. Noções básicas sobre as principais doenças de interesse para a saúde pública. Diarreia, cólera, dengue, febre amarela, doença de Cha-
gas, esquistossomose, febre tifoide, meningite, tétano, sarampo, tuberculose, hepatite, hanseníase, difteria, diabetes, hipertensão
arterial, raiva, leishmaniose, doenças sexualmente transmissíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 252
17. Humanização no cuidado do paciente/cliente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 313
LÍNGUA PORTUGUESA
1. Compreensão e interpretação de textos de gêneros variados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Reconhecimento de tipos e gêneros textuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
3. Domínio da ortografia oficial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
4. Domínio dos mecanismos de coesão textual. Emprego de elementos de referenciação, substituição e repetição, de conectores e de
outros elementos de sequenciação textual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
5. Emprego de tempos e modos verbais. Domínio da estrutura morfossintática do período. Emprego das classes de palavras . . . . . 03
6. Relações de coordenação entre orações e entre termos da oração. Relações de subordinação entre orações e entre termos da ora-
ção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
7. Emprego dos sinais de pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
8. Concordância verbal e nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
9. Regência verbal e nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
10. Emprego do sinal indicativo de crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
11. Colocação dos pronomes átonos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
12. Reescrita de frases e parágrafos do texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
13. Significação das palavras. Substituição de palavras ou de trechos de texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
14. Reorganização da estrutura de orações e de períodos do texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
15. Reescrita de textos de diferentes gêneros e níveis de formalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
16. Redação e Correspondências Oficias. Manual de Redação da Presidência da República . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
LÍNGUA PORTUGUESA
Veja, no quadro abaixo, os principais tipos e suas característi-
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS DE cas:
GÊNEROS VARIADOS
Apresenta um enredo, com ações
Compreender e interpretar textos é essencial para que o obje- e relações entre personagens, que
tivo de comunicação seja alcançado satisfatoriamente. Com isso, é ocorre em determinados espaço e
importante saber diferenciar os dois conceitos. Vale lembrar que o TEXTO NARRATIVO tempo. É contado por um narrador,
texto pode ser verbal ou não-verbal, desde que tenha um sentido e se estrutura da seguinte maneira:
completo. apresentação > desenvolvimento >
A compreensão se relaciona ao entendimento de um texto e clímax > desfecho
de sua proposta comunicativa, decodificando a mensagem explíci-
ta. Só depois de compreender o texto que é possível fazer a sua Tem o objetivo de defender determi-
interpretação. nado ponto de vista, persuadindo o
A interpretação são as conclusões que chegamos a partir do TEXTO DISSERTATIVO- leitor a partir do uso de argumentos
conteúdo do texto, isto é, ela se encontra para além daquilo que -ARGUMENTATIVO sólidos. Sua estrutura comum é: in-
está escrito ou mostrado. Assim, podemos dizer que a interpreta- trodução > desenvolvimento > con-
ção é subjetiva, contando com o conhecimento prévio e do reper- clusão.
tório do leitor. Procura expor ideias, sem a neces-
Dessa maneira, para compreender e interpretar bem um texto, sidade de defender algum ponto de
é necessário fazer a decodificação de códigos linguísticos e/ou vi- vista. Para isso, usa-se comparações,
suais, isto é, identificar figuras de linguagem, reconhecer o sentido TEXTO EXPOSITIVO
informações, definições, conceitua-
de conjunções e preposições, por exemplo, bem como identificar lizações etc. A estrutura segue a do
expressões, gestos e cores quando se trata de imagens. texto dissertativo-argumentativo.
Expõe acontecimentos, lugares, pes-
Dicas práticas
soas, de modo que sua finalidade é
1. Faça um resumo (pode ser uma palavra, uma frase, um con-
TEXTO DESCRITIVO descrever, ou seja, caracterizar algo
ceito) sobre o assunto e os argumentos apresentados em cada pa-
ou alguém. Com isso, é um texto rico
rágrafo, tentando traçar a linha de raciocínio do texto. Se possível,
em adjetivos e em verbos de ligação.
adicione também pensamentos e inferências próprias às anotações.
2. Tenha sempre um dicionário ou uma ferramenta de busca Oferece instruções, com o objetivo
por perto, para poder procurar o significado de palavras desconhe- de orientar o leitor. Sua maior carac-
TEXTO INJUNTIVO
cidas. terística são os verbos no modo im-
3. Fique atento aos detalhes oferecidos pelo texto: dados, fon- perativo.
te de referências e datas.
4. Sublinhe as informações importantes, separando fatos de Gêneros textuais
opiniões. A classificação dos gêneros textuais se dá a partir do reconhe-
5. Perceba o enunciado das questões. De um modo geral, ques- cimento de certos padrões estruturais que se constituem a partir
tões que esperam compreensão do texto aparecem com as seguin- da função social do texto. No entanto, sua estrutura e seu estilo
tes expressões: o autor afirma/sugere que...; segundo o texto...; de não são tão limitados e definidos como ocorre na tipologia textual,
acordo com o autor... Já as questões que esperam interpretação do podendo se apresentar com uma grande diversidade. Além disso, o
texto aparecem com as seguintes expressões: conclui-se do texto padrão também pode sofrer modificações ao longo do tempo, as-
que...; o texto permite deduzir que...; qual é a intenção do autor sim como a própria língua e a comunicação, no geral.
quando afirma que... Alguns exemplos de gêneros textuais:
• Artigo
• Bilhete
• Bula
RECONHECIMENTO DE TIPOS E GÊNEROS TEXTUAIS • Carta
• Conto
TIPOLOGIA E GÊNEROS TEXTUAIS • Crônica
A partir da estrutura linguística, da função social e da finali- • E-mail
dade de um texto, é possível identificar a qual tipo e gênero ele • Lista
pertence. Antes, é preciso entender a diferença entre essas duas • Manual
classificações. • Notícia
• Poema
Tipos textuais • Propaganda
A tipologia textual se classifica a partir da estrutura e da finali- • Receita culinária
dade do texto, ou seja, está relacionada ao modo como o texto se • Resenha
apresenta. A partir de sua função, é possível estabelecer um padrão • Seminário
específico para se fazer a enunciação.
Vale lembrar que é comum enquadrar os gêneros textuais em
determinados tipos textuais. No entanto, nada impede que um tex-
to literário seja feito com a estruturação de uma receita culinária,
por exemplo. Então, fique atento quanto às características, à finali-
dade e à função social de cada texto analisado.

1
LÍNGUA PORTUGUESA

DOMÍNIO DA ORTOGRAFIA OFICIAL

A ortografia oficial diz respeito às regras gramaticais referentes à escrita correta das palavras. Para melhor entendê-las, é preciso ana-
lisar caso a caso. Lembre-se de que a melhor maneira de memorizar a ortografia correta de uma língua é por meio da leitura, que também
faz aumentar o vocabulário do leitor.
Neste capítulo serão abordadas regras para dúvidas frequentes entre os falantes do português. No entanto, é importante ressaltar que
existem inúmeras exceções para essas regras, portanto, fique atento!

Alfabeto
O primeiro passo para compreender a ortografia oficial é conhecer o alfabeto (os sinais gráficos e seus sons). No português, o alfabeto
se constitui 26 letras, divididas entre vogais (a, e, i, o, u) e consoantes (restante das letras).
Com o Novo Acordo Ortográfico, as consoantes K, W e Y foram reintroduzidas ao alfabeto oficial da língua portuguesa, de modo que
elas são usadas apenas em duas ocorrências: transcrição de nomes próprios e abreviaturas e símbolos de uso internacional.

Uso do “X”
Algumas dicas são relevantes para saber o momento de usar o X no lugar do CH:
• Depois das sílabas iniciais “me” e “en” (ex: mexerica; enxergar)
• Depois de ditongos (ex: caixa)
• Palavras de origem indígena ou africana (ex: abacaxi; orixá)

Uso do “S” ou “Z”


Algumas regras do uso do “S” com som de “Z” podem ser observadas:
• Depois de ditongos (ex: coisa)
• Em palavras derivadas cuja palavra primitiva já se usa o “S” (ex: casa > casinha)
• Nos sufixos “ês” e “esa”, ao indicarem nacionalidade, título ou origem. (ex: portuguesa)
• Nos sufixos formadores de adjetivos “ense”, “oso” e “osa” (ex: populoso)

Uso do “S”, “SS”, “Ç”


• “S” costuma aparecer entre uma vogal e uma consoante (ex: diversão)
• “SS” costuma aparecer entre duas vogais (ex: processo)
• “Ç” costuma aparecer em palavras estrangeiras que passaram pelo processo de aportuguesamento (ex: muçarela)

Os diferentes porquês

POR QUE Usado para fazer perguntas. Pode ser substituído por “por qual motivo”
PORQUE Usado em respostas e explicações. Pode ser substituído por “pois”
O “que” é acentuado quando aparece como a última palavra da frase, antes da pontuação final (interrogação,
POR QUÊ
exclamação, ponto final)
PORQUÊ É um substantivo, portanto costuma vir acompanhado de um artigo, numeral, adjetivo ou pronome

Parônimos e homônimos
As palavras parônimas são aquelas que possuem grafia e pronúncia semelhantes, porém com significados distintos.
Ex: cumprimento (saudação) X comprimento (extensão); tráfego (trânsito) X tráfico (comércio ilegal).
Já as palavras homônimas são aquelas que possuem a mesma grafia e pronúncia, porém têm significados diferentes. Ex: rio (verbo
“rir”) X rio (curso d’água); manga (blusa) X manga (fruta).

DOMÍNIO DOS MECANISMOS DE COESÃO TEXTUAL. EMPREGO DE ELEMENTOS DE REFERENCIAÇÃO, SUBSTITUIÇÃO


E REPETIÇÃO, DE CONECTORES E DE OUTROS ELEMENTOS DE SEQUENCIAÇÃO TEXTUAL

A coerência e a coesão são essenciais na escrita e na interpretação de textos. Ambos se referem à relação adequada entre os compo-
nentes do texto, de modo que são independentes entre si. Isso quer dizer que um texto pode estar coeso, porém incoerente, e vice-versa.
Enquanto a coesão tem foco nas questões gramaticais, ou seja, ligação entre palavras, frases e parágrafos, a coerência diz respeito ao
conteúdo, isto é, uma sequência lógica entre as ideias.

Coesão
A coesão textual ocorre, normalmente, por meio do uso de conectivos (preposições, conjunções, advérbios). Ela pode ser obtida a
partir da anáfora (retoma um componente) e da catáfora (antecipa um componente).

2
LÍNGUA PORTUGUESA
Confira, então, as principais regras que garantem a coesão textual:

REGRA CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS


Pessoal (uso de pronomes pessoais ou possessivos) –
João e Maria são crianças. Eles são irmãos.
anafórica
Fiz todas as tarefas, exceto esta: colonização
REFERÊNCIA Demonstrativa (uso de pronomes demonstrativos e
africana.
advérbios) – catafórica
Mais um ano igual aos outros...
Comparativa (uso de comparações por semelhanças)
Substituição de um termo por outro, para evitar Maria está triste. A menina está cansada de ficar
SUBSTITUIÇÃO
repetição em casa.
No quarto, apenas quatro ou cinco convidados.
ELIPSE Omissão de um termo
(omissão do verbo “haver”)
Conexão entre duas orações, estabelecendo relação Eu queria ir ao cinema, mas estamos de
CONJUNÇÃO
entre elas quarentena.
Utilização de sinônimos, hiperônimos, nomes genéricos
A minha casa é clara. Os quartos, a sala e a
COESÃO LEXICAL ou palavras que possuem sentido aproximado e
cozinha têm janelas grandes.
pertencente a um mesmo grupo lexical.

Coerência
Nesse caso, é importante conferir se a mensagem e a conexão de ideias fazem sentido, e seguem uma linha clara de raciocínio.
Existem alguns conceitos básicos que ajudam a garantir a coerência. Veja quais são os principais princípios para um texto coerente:
• Princípio da não contradição: não deve haver ideias contraditórias em diferentes partes do texto.
• Princípio da não tautologia: a ideia não deve estar redundante, ainda que seja expressa com palavras diferentes.
• Princípio da relevância: as ideias devem se relacionar entre si, não sendo fragmentadas nem sem propósito para a argumentação.
• Princípio da continuidade temática: é preciso que o assunto tenha um seguimento em relação ao assunto tratado.
• Princípio da progressão semântica: inserir informações novas, que sejam ordenadas de maneira adequada em relação à progressão
de ideias.

Para atender a todos os princípios, alguns fatores são recomendáveis para garantir a coerência textual, como amplo conhecimento
de mundo, isto é, a bagagem de informações que adquirimos ao longo da vida; inferências acerca do conhecimento de mundo do leitor;
e informatividade, ou seja, conhecimentos ricos, interessantes e pouco previsíveis.

EMPREGO DE TEMPOS E MODOS VERBAIS. DOMÍNIO DA ESTRUTURA MORFOSSINTÁTICA DO PERÍODO. EMPREGO


DAS CLASSES DE PALAVRAS

Para entender sobre a estrutura das funções sintáticas, é preciso conhecer as classes de palavras, também conhecidas por classes
morfológicas. A gramática tradicional pressupõe 10 classes gramaticais de palavras, sendo elas: adjetivo, advérbio, artigo, conjunção, in-
terjeição, numeral, pronome, preposição, substantivo e verbo.
Veja, a seguir, as características principais de cada uma delas.

CLASSE CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS


Menina inteligente...
Expressar características, qualidades ou estado dos seres Roupa azul-marinho...
ADJETIVO
Sofre variação em número, gênero e grau Brincadeira de criança...
Povo brasileiro...
A ajuda chegou tarde.
Indica circunstância em que ocorre o fato verbal
ADVÉRBIO A mulher trabalha muito.
Não sofre variação
Ele dirigia mal.
Determina os substantivos (de modo definido ou indefinido) A galinha botou um ovo.
ARTIGO
Varia em gênero e número Uma menina deixou a mochila no ônibus.
Liga ideias e sentenças (conhecida também como conectivos) Não gosto de refrigerante nem de pizza.
CONJUNÇÃO
Não sofre variação Eu vou para a praia ou para a cachoeira?
Exprime reações emotivas e sentimentos Ah! Que calor...
INTERJEIÇÃO
Não sofre variação Escapei por pouco, ufa!
Atribui quantidade e indica posição em alguma sequência Gostei muito do primeiro dia de aula.
NUMERAL
Varia em gênero e número Três é a metade de seis.

3
LÍNGUA PORTUGUESA

Posso ajudar, senhora?


Acompanha, substitui ou faz referência ao substantivo Ela me ajudou muito com o meu trabalho.
PRONOME
Varia em gênero e número Esta é a casa onde eu moro.
Que dia é hoje?
Relaciona dois termos de uma mesma oração Espero por você essa noite.
PREPOSIÇÃO
Não sofre variação Lucas gosta de tocar violão.
Nomeia objetos, pessoas, animais, alimentos, lugares etc. A menina jogou sua boneca no rio.
SUBSTANTIVO
Flexionam em gênero, número e grau. A matilha tinha muita coragem.
Ana se exercita pela manhã.
Indica ação, estado ou fenômenos da natureza
Todos parecem meio bobos.
Sofre variação de acordo com suas flexões de modo, tempo,
VERBO Chove muito em Manaus.
número, pessoa e voz.
A cidade é muito bonita quando vista do
Verbos não significativos são chamados verbos de ligação
alto.

Substantivo
Tipos de substantivos
Os substantivos podem ter diferentes classificações, de acordo com os conceitos apresentados abaixo:
• Comum: usado para nomear seres e objetos generalizados. Ex: mulher; gato; cidade...
• Próprio: geralmente escrito com letra maiúscula, serve para especificar e particularizar. Ex: Maria; Garfield; Belo Horizonte...
• Coletivo: é um nome no singular que expressa ideia de plural, para designar grupos e conjuntos de seres ou objetos de uma mesma
espécie. Ex: matilha; enxame; cardume...
• Concreto: nomeia algo que existe de modo independente de outro ser (objetos, pessoas, animais, lugares etc.). Ex: menina; cachor-
ro; praça...
• Abstrato: depende de um ser concreto para existir, designando sentimentos, estados, qualidades, ações etc. Ex: saudade; sede;
imaginação...
• Primitivo: substantivo que dá origem a outras palavras. Ex: livro; água; noite...
• Derivado: formado a partir de outra(s) palavra(s). Ex: pedreiro; livraria; noturno...
• Simples: nomes formados por apenas uma palavra (um radical). Ex: casa; pessoa; cheiro...
• Composto: nomes formados por mais de uma palavra (mais de um radical). Ex: passatempo; guarda-roupa; girassol...

Flexão de gênero
Na língua portuguesa, todo substantivo é flexionado em um dos dois gêneros possíveis: feminino e masculino.
O substantivo biforme é aquele que flexiona entre masculino e feminino, mudando a desinência de gênero, isto é, geralmente o final
da palavra sendo -o ou -a, respectivamente (Ex: menino / menina). Há, ainda, os que se diferenciam por meio da pronúncia / acentuação
(Ex: avô / avó), e aqueles em que há ausência ou presença de desinência (Ex: irmão / irmã; cantor / cantora).
O substantivo uniforme é aquele que possui apenas uma forma, independente do gênero, podendo ser diferenciados quanto ao gêne-
ro a partir da flexão de gênero no artigo ou adjetivo que o acompanha (Ex: a cadeira / o poste). Pode ser classificado em epiceno (refere-se
aos animais), sobrecomum (refere-se a pessoas) e comum de dois gêneros (identificado por meio do artigo).
É preciso ficar atento à mudança semântica que ocorre com alguns substantivos quando usados no masculino ou no feminino, trazen-
do alguma especificidade em relação a ele. No exemplo o fruto X a fruta temos significados diferentes: o primeiro diz respeito ao órgão
que protege a semente dos alimentos, enquanto o segundo é o termo popular para um tipo específico de fruto.

Flexão de número
No português, é possível que o substantivo esteja no singular, usado para designar apenas uma única coisa, pessoa, lugar (Ex: bola;
escada; casa) ou no plural, usado para designar maiores quantidades (Ex: bolas; escadas; casas) — sendo este último representado, geral-
mente, com o acréscimo da letra S ao final da palavra.
Há, também, casos em que o substantivo não se altera, de modo que o plural ou singular devem estar marcados a partir do contexto,
pelo uso do artigo adequado (Ex: o lápis / os lápis).

Variação de grau
Usada para marcar diferença na grandeza de um determinado substantivo, a variação de grau pode ser classificada em aumentativo
e diminutivo.
Quando acompanhados de um substantivo que indica grandeza ou pequenez, é considerado analítico (Ex: menino grande / menino
pequeno).
Quando acrescentados sufixos indicadores de aumento ou diminuição, é considerado sintético (Ex: meninão / menininho).

Novo Acordo Ortográfico


De acordo com o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, as letras maiúsculas devem ser usadas em nomes próprios de
pessoas, lugares (cidades, estados, países, rios), animais, acidentes geográficos, instituições, entidades, nomes astronômicos, de festas e
festividades, em títulos de periódicos e em siglas, símbolos ou abreviaturas.
Já as letras minúsculas podem ser usadas em dias de semana, meses, estações do ano e em pontos cardeais.

4
LÍNGUA PORTUGUESA
Existem, ainda, casos em que o uso de maiúscula ou minúscula é facultativo, como em título de livros, nomes de áreas do saber,
disciplinas e matérias, palavras ligadas a alguma religião e em palavras de categorização.

Adjetivo
Os adjetivos podem ser simples (vermelho) ou compostos (mal-educado); primitivos (alegre) ou derivados (tristonho). Eles podem
flexionar entre o feminino (estudiosa) e o masculino (engraçado), e o singular (bonito) e o plural (bonitos).
Há, também, os adjetivos pátrios ou gentílicos, sendo aqueles que indicam o local de origem de uma pessoa, ou seja, sua nacionali-
dade (brasileiro; mineiro).
É possível, ainda, que existam locuções adjetivas, isto é, conjunto de duas ou mais palavras usadas para caracterizar o substantivo. São
formadas, em sua maioria, pela preposição DE + substantivo:
• de criança = infantil
• de mãe = maternal
• de cabelo = capilar

Variação de grau
Os adjetivos podem se encontrar em grau normal (sem ênfases), ou com intensidade, classificando-se entre comparativo e superlativo.
• Normal: A Bruna é inteligente.
• Comparativo de superioridade: A Bruna é mais inteligente que o Lucas.
• Comparativo de inferioridade: O Gustavo é menos inteligente que a Bruna.
• Comparativo de igualdade: A Bruna é tão inteligente quanto a Maria.
• Superlativo relativo de superioridade: A Bruna é a mais inteligente da turma.
• Superlativo relativo de inferioridade: O Gustavo é o menos inteligente da turma.
• Superlativo absoluto analítico: A Bruna é muito inteligente.
• Superlativo absoluto sintético: A Bruna é inteligentíssima.

Adjetivos de relação
São chamados adjetivos de relação aqueles que não podem sofrer variação de grau, uma vez que possui valor semântico objetivo, isto
é, não depende de uma impressão pessoal (subjetiva). Além disso, eles aparecem após o substantivo, sendo formados por sufixação de um
substantivo (Ex: vinho do Chile = vinho chileno).

Advérbio
Os advérbios são palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou um outro advérbio. Eles se classificam de acordo com a tabela
abaixo:

CLASSIFICAÇÃO ADVÉRBIOS LOCUÇÕES ADVERBIAIS


DE MODO bem; mal; assim; melhor; depressa ao contrário; em detalhes
ontem; sempre; afinal; já; agora; doravante; primei- logo mais; em breve; mais tarde, nunca mais, de
DE TEMPO
ramente noite
DE LUGAR aqui; acima; embaixo; longe; fora; embaixo; ali Ao redor de; em frente a; à esquerda; por perto
DE INTENSIDADE muito; tão; demasiado; imenso; tanto; nada em excesso; de todos; muito menos
DE AFIRMAÇÃO sim, indubitavelmente; certo; decerto; deveras com certeza; de fato; sem dúvidas
DE NEGAÇÃO não; nunca; jamais; tampouco; nem nunca mais; de modo algum; de jeito nenhum
DE DÚVIDA Possivelmente; acaso; será; talvez; quiçá Quem sabe

Advérbios interrogativos
São os advérbios ou locuções adverbiais utilizadas para introduzir perguntas, podendo expressar circunstâncias de:
• Lugar: onde, aonde, de onde
• Tempo: quando
• Modo: como
• Causa: por que, por quê

Grau do advérbio
Os advérbios podem ser comparativos ou superlativos.
• Comparativo de igualdade: tão/tanto + advérbio + quanto
• Comparativo de superioridade: mais + advérbio + (do) que
• Comparativo de inferioridade: menos + advérbio + (do) que
• Superlativo analítico: muito cedo
• Superlativo sintético: cedíssimo

5
LÍNGUA PORTUGUESA
Curiosidades • Tempos simples do modo indicativo: presente, pretérito per-
Na linguagem coloquial, algumas variações do superlativo são feito, pretérito imperfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro do
aceitas, como o diminutivo (cedinho), o aumentativo (cedão) e o presente, futuro do pretérito.
uso de alguns prefixos (supercedo). • Tempos simples do modo subjuntivo: presente, pretérito im-
Existem advérbios que exprimem ideia de exclusão (somente; perfeito, futuro.
salvo; exclusivamente; apenas), inclusão (também; ainda; mesmo)
e ordem (ultimamente; depois; primeiramente). Os tempos verbais compostos são formados por um verbo
Alguns advérbios, além de algumas preposições, aparecem auxiliar e um verbo principal, de modo que o verbo auxiliar sofre
sendo usados como uma palavra denotativa, acrescentando um flexão em tempo e pessoa, e o verbo principal permanece no parti-
sentido próprio ao enunciado, podendo ser elas de inclusão (até, cípio. Os verbos auxiliares mais utilizados são “ter” e “haver”.
mesmo, inclusive); de exclusão (apenas, senão, salvo); de designa- • Tempos compostos do modo indicativo: pretérito perfeito,
ção (eis); de realce (cá, lá, só, é que); de retificação (aliás, ou me- pretérito mais-que-perfeito, futuro do presente, futuro do preté-
lhor, isto é) e de situação (afinal, agora, então, e aí). rito.
• Tempos compostos do modo subjuntivo: pretérito perfeito,
Pronomes pretérito mais-que-perfeito, futuro.
Os pronomes são palavras que fazem referência aos nomes,
isto é, aos substantivos. Assim, dependendo de sua função no As formas nominais do verbo são o infinitivo (dar, fazerem,
enunciado, ele pode ser classificado da seguinte maneira: aprender), o particípio (dado, feito, aprendido) e o gerúndio (dando,
• Pronomes pessoais: indicam as 3 pessoas do discurso, e po- fazendo, aprendendo). Eles podem ter função de verbo ou função
dem ser retos (eu, tu, ele...) ou oblíquos (mim, me, te, nos, si...). de nome, atuando como substantivo (infinitivo), adjetivo (particí-
• Pronomes possessivos: indicam posse (meu, minha, sua, teu, pio) ou advérbio (gerúndio).
nossos...)
• Pronomes demonstrativos: indicam localização de seres no Tipos de verbos
tempo ou no espaço. (este, isso, essa, aquela, aquilo...) Os verbos se classificam de acordo com a sua flexão verbal.
• Pronomes interrogativos: auxiliam na formação de questio- Desse modo, os verbos se dividem em:
namentos (qual, quem, onde, quando, que, quantas...) Regulares: possuem regras fixas para a flexão (cantar, amar,
• Pronomes relativos: retomam o substantivo, substituindo-o vender, abrir...)
na oração seguinte (que, quem, onde, cujo, o qual...) • Irregulares: possuem alterações nos radicais e nas termina-
• Pronomes indefinidos: substituem o substantivo de maneira ções quando conjugados (medir, fazer, poder, haver...)
imprecisa (alguma, nenhum, certa, vários, qualquer...) • Anômalos: possuem diferentes radicais quando conjugados
• Pronomes de tratamento: empregados, geralmente, em si- (ser, ir...)
tuações formais (senhor, Vossa Majestade, Vossa Excelência, você...) • Defectivos: não são conjugados em todas as pessoas verbais
(falir, banir, colorir, adequar...)
Colocação pronominal • Impessoais: não apresentam sujeitos, sendo conjugados sem-
Diz respeito ao conjunto de regras que indicam a posição do pre na 3ª pessoa do singular (chover, nevar, escurecer, anoitecer...)
pronome oblíquo átono (me, te, se, nos, vos, lhe, lhes, o, a, os, as, lo, • Unipessoais: apesar de apresentarem sujeitos, são sempre
la, no, na...) em relação ao verbo, podendo haver próclise (antes do conjugados na 3ª pessoa do singular ou do plural (latir, miar, custar,
verbo), ênclise (depois do verbo) ou mesóclise (no meio do verbo). acontecer...)
Veja, então, quais as principais situações para cada um deles: • Abundantes: possuem duas formas no particípio, uma regular
• Próclise: expressões negativas; conjunções subordinativas; e outra irregular (aceitar = aceito, aceitado)
advérbios sem vírgula; pronomes indefinidos, relativos ou demons- • Pronominais: verbos conjugados com pronomes oblíquos
trativos; frases exclamativas ou que exprimem desejo; verbos no átonos, indicando ação reflexiva (suicidar-se, queixar-se, sentar-se,
gerúndio antecedidos por “em”. pentear-se...)
Nada me faria mais feliz. • Auxiliares: usados em tempos compostos ou em locuções
verbais (ser, estar, ter, haver, ir...)
• Ênclise: verbo no imperativo afirmativo; verbo no início da • Principais: transmitem totalidade da ação verbal por si pró-
frase (não estando no futuro e nem no pretérito); verbo no gerún- prios (comer, dançar, nascer, morrer, sorrir...)
dio não acompanhado por “em”; verbo no infinitivo pessoal. • De ligação: indicam um estado, ligando uma característica ao
Inscreveu-se no concurso para tentar realizar um sonho. sujeito (ser, estar, parecer, ficar, continuar...)

• Mesóclise: verbo no futuro iniciando uma oração. Vozes verbais


Orgulhar-me-ei de meus alunos. As vozes verbais indicam se o sujeito pratica ou recebe a ação,
podendo ser três tipos diferentes:
DICA: o pronome não deve aparecer no início de frases ou ora- • Voz ativa: sujeito é o agente da ação (Vi o pássaro)
ções, nem após ponto-e-vírgula. • Voz passiva: sujeito sofre a ação (O pássaro foi visto)
• Voz reflexiva: sujeito pratica e sofre a ação (Vi-me no reflexo
Verbos do lago)
Os verbos podem ser flexionados em três tempos: pretérito
(passado), presente e futuro, de maneira que o pretérito e o futuro Ao passar um discurso para a voz passiva, é comum utilizar a
possuem subdivisões. partícula apassivadora “se”, fazendo com o que o pronome seja
Eles também se dividem em três flexões de modo: indicativo equivalente ao verbo “ser”.
(certeza sobre o que é passado), subjuntivo (incerteza sobre o que é
passado) e imperativo (expressar ordem, pedido, comando).

6
LÍNGUA PORTUGUESA
Conjugação de verbos
Os tempos verbais são primitivos quando não derivam de outros tempos da língua portuguesa. Já os tempos verbais derivados são
aqueles que se originam a partir de verbos primitivos, de modo que suas conjugações seguem o mesmo padrão do verbo de origem.
• 1ª conjugação: verbos terminados em “-ar” (aproveitar, imaginar, jogar...)
• 2ª conjugação: verbos terminados em “-er” (beber, correr, erguer...)
• 3ª conjugação: verbos terminados em “-ir” (dormir, agir, ouvir...)

Confira os exemplos de conjugação apresentados abaixo:

Fonte: www.conjugação.com.br/verbo-lutar

7
LÍNGUA PORTUGUESA

Fonte: www.conjugação.com.br/verbo-impor

Preposições
As preposições são palavras invariáveis que servem para ligar dois termos da oração numa relação subordinada, e são divididas entre
essenciais (só funcionam como preposição) e acidentais (palavras de outras classes gramaticais que passam a funcionar como preposição
em determinadas sentenças).
Preposições essenciais: a, ante, após, de, com, em, contra, para, per, perante, por, até, desde, sobre, sobre, trás, sob, sem, entre.
Preposições acidentais: afora, como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos, salvo, segundo, visto etc.
Locuções prepositivas: abaixo de, afim de, além de, à custa de, defronte a, a par de, perto de, por causa de, em que pese a etc.
Ao conectar os termos das orações, as preposições estabelecem uma relação semântica entre eles, podendo passar ideia de:

8
LÍNGUA PORTUGUESA
• Causa: Morreu de câncer.
• Distância: Retorno a 3 quilômetros. RELAÇÕES DE COORDENAÇÃO ENTRE ORAÇÕES
• Finalidade: A filha retornou para o enterro. E ENTRE TERMOS DA ORAÇÃO. RELAÇÕES DE
• Instrumento: Ele cortou a foto com uma tesoura. SUBORDINAÇÃO ENTRE ORAÇÕES E ENTRE TERMOS
• Modo: Os rebeldes eram colocados em fila. DA ORAÇÃO
• Lugar: O vírus veio de Portugal.
• Companhia: Ela saiu com a amiga. A sintaxe estuda o conjunto das relações que as palavras esta-
• Posse: O carro de Maria é novo. belecem entre si. Dessa maneira, é preciso ficar atento aos enuncia-
• Meio: Viajou de trem. dos e suas unidades: frase, oração e período.
Frase é qualquer palavra ou conjunto de palavras ordenadas
Combinações e contrações que apresenta sentido completo em um contexto de comunicação
Algumas preposições podem aparecer combinadas a outras pa- e interação verbal. A frase nominal é aquela que não contém verbo.
lavras de duas maneiras: sem haver perda fonética (combinação) e Já a frase verbal apresenta um ou mais verbos (locução verbal).
havendo perda fonética (contração). Oração é um enunciado organizado em torno de um único ver-
• Combinação: ao, aos, aonde bo ou locução verbal, de modo que estes passam a ser o núcleo
• Contração: de, dum, desta, neste, nisso da oração. Assim, o predicativo é obrigatório, enquanto o sujeito é
opcional.
Conjunção Período é uma unidade sintática, de modo que seu enuncia-
As conjunções se subdividem de acordo com a relação estabe- do é organizado por uma oração (período simples) ou mais orações
lecida entre as ideias e as orações. Por ter esse papel importante (período composto). Eles são iniciados com letras maiúsculas e fina-
de conexão, é uma classe de palavras que merece destaque, pois lizados com a pontuação adequada.
reconhecer o sentido de cada conjunção ajuda na compreensão e
interpretação de textos, além de ser um grande diferencial no mo- Análise sintática
mento de redigir um texto. A análise sintática serve para estudar a estrutura de um perío-
Elas se dividem em duas opções: conjunções coordenativas e do e de suas orações. Os termos da oração se dividem entre:
conjunções subordinativas. • Essenciais (ou fundamentais): sujeito e predicado
• Integrantes: completam o sentido (complementos verbais e
Conjunções coordenativas nominais, agentes da passiva)
As orações coordenadas não apresentam dependência sintáti- • Acessórios: função secundária (adjuntos adnominais e adver-
ca entre si, servindo também para ligar termos que têm a mesma biais, apostos)
função gramatical. As conjunções coordenativas se subdividem em
cinco grupos: Termos essenciais da oração
• Aditivas: e, nem, bem como. Os termos essenciais da oração são o sujeito e o predicado.
• Adversativas: mas, porém, contudo. O sujeito é aquele sobre quem diz o resto da oração, enquanto o
• Alternativas: ou, ora…ora, quer…quer. predicado é a parte que dá alguma informação sobre o sujeito, logo,
• Conclusivas: logo, portanto, assim. onde o verbo está presente.
• Explicativas: que, porque, porquanto.
O sujeito é classificado em determinado (facilmente identificá-
Conjunções subordinativas vel, podendo ser simples, composto ou implícito) e indeterminado,
As orações subordinadas são aquelas em que há uma relação podendo, ainda, haver a oração sem sujeito (a mensagem se con-
de dependência entre a oração principal e a oração subordinada. centra no verbo impessoal):
Desse modo, a conexão entre elas (bem como o efeito de sentido) Lúcio dormiu cedo.
se dá pelo uso da conjunção subordinada adequada. Aluga-se casa para réveillon.
Elas podem se classificar de dez maneiras diferentes: Choveu bastante em janeiro.
• Integrantes: usadas para introduzir as orações subordinadas
substantivas, definidas pelas palavras que e se. Quando o sujeito aparece no início da oração, dá-se o nome de
• Causais: porque, que, como. sujeito direto. Se aparecer depois do predicado, é o caso de sujeito
• Concessivas: embora, ainda que, se bem que. inverso. Há, ainda, a possibilidade de o sujeito aparecer no meio
• Condicionais: e, caso, desde que. da oração:
• Conformativas: conforme, segundo, consoante. Lívia se esqueceu da reunião pela manhã.
• Comparativas: como, tal como, assim como. Esqueceu-se da reunião pela manhã, Lívia.
• Consecutivas: de forma que, de modo que, de sorte que.  Da reunião pela manhã, Lívia se esqueceu.
• Finais: a fim de que, para que. 
• Proporcionais: à medida que, ao passo que, à proporção que. Os predicados se classificam em: predicado verbal (núcleo do
• Temporais: quando, enquanto, agora. predicado é um verbo que indica ação, podendo ser transitivo, in-
transitivo ou de ligação); predicado nominal (núcleo da oração é
um nome, isto é, substantivo ou adjetivo); predicado verbo-nomi-
nal (apresenta um predicativo do sujeito, além de uma ação mais
uma qualidade sua)
As crianças brincaram no salão de festas.
Mariana é inteligente.
Os jogadores venceram a partida. Por isso, estavam felizes.

9
LÍNGUA PORTUGUESA
Termos integrantes da oração
Os complementos verbais são classificados em objetos diretos (não preposicionados) e objetos indiretos (preposicionado).
A menina que possui bolsa vermelha me cumprimentou.
O cão precisa de carinho.

Os complementos nominais podem ser substantivos, adjetivos ou advérbios.


A mãe estava orgulhosa de seus filhos.
Carlos tem inveja de Eduardo.
Bárbara caminhou vagarosamente pelo bosque.

Os agentes da passiva são os termos que tem a função de praticar a ação expressa pelo verbo, quando este se encontra na voz passiva.
Costumam estar acompanhados pelas preposições “por” e “de”.
Os filhos foram motivo de orgulho da mãe.
Eduardo foi alvo de inveja de Carlos.
O bosque foi caminhado vagarosamente por Bárbara.

Termos acessórios da oração


Os termos acessórios não são necessários para dar sentido à oração, funcionando como complementação da informação. Desse
modo, eles têm a função de caracterizar o sujeito, de determinar o substantivo ou de exprimir circunstância, podendo ser adjunto adver-
bial (modificam o verbo, adjetivo ou advérbio), adjunto adnominal (especifica o substantivo, com função de adjetivo) e aposto (caracteriza
o sujeito, especificando-o).
Os irmãos brigam muito.
A brilhante aluna apresentou uma bela pesquisa à banca.
Pelé, o rei do futebol, começou sua carreira no Santos.

TIPOS DE ORAÇÕES
Levando em consideração o que foi aprendido anteriormente sobre oração, vamos aprender sobre os dois tipos de oração que existem
na língua portuguesa: oração coordenada e oração subordinada.

Orações coordenadas
São aquelas que não dependem sintaticamente uma da outra, ligando-se apenas pelo sentido. Elas aparecem quando há um período
composto, sendo conectadas por meio do uso de conjunções (sindéticas), ou por meio da vírgula (assindéticas).
No caso das orações coordenadas sindéticas, a classificação depende do sentido entre as orações, representado por um grupo de
conjunções adequadas:

CLASSIFICAÇÃO CARACTERÍSTICAS CONJUNÇÕES


ADITIVAS Adição da ideia apresentada na oração anterior e, nem, também, bem como, não só, tanto...
Oposição à ideia apresentada na oração anterior (inicia
ADVERSATIVAS mas, porém, todavia, entretanto, contudo...
com vírgula)
Opção / alternância em relação à ideia apresentada na
ALTERNATIVAS ou, já, ora, quer, seja...
oração anterior
CONCLUSIVAS Conclusão da ideia apresentada na oração anterior logo, pois, portanto, assim, por isso, com isso...
EXPLICATIVAS Explicação da ideia apresentada na oração anterior que, porque, porquanto, pois, ou seja...

Orações subordinadas
São aquelas que dependem sintaticamente em relação à oração principal. Elas aparecem quando o período é composto por duas ou
mais orações.
A classificação das orações subordinadas se dá por meio de sua função: orações subordinadas substantivas, quando fazem o papel
de substantivo da oração; orações subordinadas adjetivas, quando modificam o substantivo, exercendo a função do adjetivo; orações
subordinadas adverbiais, quando modificam o advérbio.
Cada uma dessas sofre uma segunda classificação, como pode ser observado nos quadros abaixo.

SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS FUNÇÃO EXEMPLOS


APOSITIVA aposto Esse era meu receio: que ela não discursasse outra vez.
COMPLETIVA NOMINAL complemento nominal Tenho medo de que ela não discurse novamente.
OBJETIVA DIRETA objeto direto Ele me perguntou se ela discursaria outra vez.
OBJETIVA INDIRETA objeto indireto Necessito de que você discurse de novo.
PREDICATIVA predicativo Meu medo é que ela não discurse novamente.
SUBJETIVA sujeito É possível que ela discurse outra vez.

10
LÍNGUA PORTUGUESA

SUBORDINADAS
CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS
ADJETIVAS
Esclarece algum detalhe, adicionando uma informa-
O candidato, que é do partido socialista, está sen-
EXPLICATIVAS ção.
do atacado.
Aparece sempre separado por vírgulas.
Restringe e define o sujeito a que se refere.
As pessoas que são racistas precisam rever seus
RESTRITIVAS Não deve ser retirado sem alterar o sentido.
valores.
Não pode ser separado por vírgula.
Introduzidas por conjunções, pronomes e locuções
conjuntivas. Ele foi o primeiro presidente que se preocupou
DESENVOLVIDAS
Apresentam verbo nos modos indicativo ou subjun- com a fome no país.
tivo.
Não são introduzidas por pronomes, conjunções
sou locuções conjuntivas. Assisti ao documentário denunciando a corrup-
REDUZIDAS
Apresentam o verbo nos modos particípio, gerúndio ção.
ou infinitivo

SUBORDINADAS ADVERBIAIS FUNÇÃO PRINCIPAIS CONJUNÇÕES


CAUSAIS Ideia de causa, motivo, razão de efeito porque, visto que, já que, como...
COMPARATIVAS Ideia de comparação como, tanto quanto, (mais / menos) que, do que...
CONCESSIVAS Ideia de contradição embora, ainda que, se bem que, mesmo...
CONDICIONAIS Ideia de condição caso, se, desde que, contanto que, a menos que...
CONFORMATIVAS Ideia de conformidade como, conforme, segundo...
CONSECUTIVAS Ideia de consequência De modo que, (tal / tão / tanto) que...
FINAIS Ideia de finalidade que, para que, a fim de que...
quanto mais / menos... mais /menos, à medida
PROPORCIONAIS Ideia de proporção
que, na medida em que, à proporção que...
TEMPORAIS Ideia de momento quando, depois que, logo que, antes que...

EMPREGO DOS SINAIS DE PONTUAÇÃO

PONTUAÇÃO
Os sinais de pontuação são recursos gráficos que se encontram na linguagem escrita, e suas funções são demarcar unidades e sinalizar
limites de estruturas sintáticas. É também usado como um recurso estilístico, contribuindo para a coerência e a coesão dos textos.
São eles: o ponto (.), a vírgula (,), o ponto e vírgula (;), os dois pontos (:), o ponto de exclamação (!), o ponto de interrogação (?), as
reticências (...), as aspas (“”), os parênteses ( ( ) ), o travessão (—), a meia-risca (–), o apóstrofo (‘), o asterisco (*), o hífen (-), o colchetes
([]) e a barra (/).
Confira, no quadro a seguir, os principais sinais de pontuação e suas regras de uso.

SINAL NOME USO EXEMPLOS


Indicar final da frase declarativa Meu nome é Pedro.
. Ponto Separar períodos Fica mais. Ainda está cedo
Abreviar palavras Sra.
A princesa disse:
Iniciar fala de personagem
- Eu consigo sozinha.
Antes de aposto ou orações apositivas, enumerações
Esse é o problema da pandemia: as
: Dois-pontos ou sequência de palavras para resumir / explicar
pessoas não respeitam a quarentena.
ideias apresentadas anteriormente
Como diz o ditado: “olho por olho,
Antes de citação direta
dente por dente”.
Indicar hesitação
Sabe... não está sendo fácil...
... Reticências Interromper uma frase
Quem sabe depois...
Concluir com a intenção de estender a reflexão

11
LÍNGUA PORTUGUESA

Isolar palavras e datas A Semana de Arte Moderna (1922)


() Parênteses Frases intercaladas na função explicativa (podem Eu estava cansada (trabalhar e estudar
substituir vírgula e travessão) é puxado).
Indicar expressão de emoção Que absurdo!
! Ponto de Exclamação Final de frase imperativa Estude para a prova!
Após interjeição Ufa!
? Ponto de Interrogação Em perguntas diretas Que horas ela volta?
A professora disse:
Iniciar fala do personagem do discurso direto e
— Boas férias!
indicar mudança de interloculor no diálogo
— Travessão — Obrigado, professora.
Substituir vírgula em expressões ou frases
O corona vírus — Covid-19 — ainda
explicativas
está sendo estudado.

Vírgula
A vírgula é um sinal de pontuação com muitas funções, usada para marcar uma pausa no enunciado. Veja, a seguir, as principais regras
de uso obrigatório da vírgula.
• Separar termos coordenados: Fui à feira e comprei abacate, mamão, manga, morango e abacaxi.
• Separar aposto (termo explicativo): Belo Horizonte, capital mineira, só tem uma linha de metrô.
• Isolar vocativo: Boa tarde, Maria.
• Isolar expressões que indicam circunstâncias adverbiais (modo, lugar, tempo etc): Todos os moradores, calmamente, deixaram o
prédio.
• Isolar termos explicativos: A educação, a meu ver, é a solução de vários problemas sociais.
• Separar conjunções intercaladas, e antes dos conectivos “mas”, “porém”, “pois”, “contudo”, “logo”: A menina acordou cedo, mas não
conseguiu chegar a tempo na escola. Não explicou, porém, o motivo para a professora.
• Separar o conteúdo pleonástico: A ela, nada mais abala.

No caso da vírgula, é importante saber que, em alguns casos, ela não deve ser usada. Assim, não há vírgula para separar:
• Sujeito de predicado.
• Objeto de verbo.
• Adjunto adnominal de nome.
• Complemento nominal de nome.
• Predicativo do objeto do objeto.
• Oração principal da subordinada substantiva.
• Termos coordenados ligados por “e”, “ou”, “nem”.

CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL

Concordância é o efeito gramatical causado por uma relação harmônica entre dois ou mais termos. Desse modo, ela pode ser verbal
— refere-se ao verbo em relação ao sujeito — ou nominal — refere-se ao substantivo e suas formas relacionadas.
• Concordância em gênero: flexão em masculino e feminino
• Concordância em número: flexão em singular e plural
• Concordância em pessoa: 1ª, 2ª e 3ª pessoa

Concordância nominal
Para que a concordância nominal esteja adequada, adjetivos, artigos, pronomes e numerais devem flexionar em número e gênero,
de acordo com o substantivo. Há algumas regras principais que ajudam na hora de empregar a concordância, mas é preciso estar atento,
também, aos casos específicos.
Quando há dois ou mais adjetivos para apenas um substantivo, o substantivo permanece no singular se houver um artigo entre os
adjetivos. Caso contrário, o substantivo deve estar no plural:
• A comida mexicana e a japonesa. / As comidas mexicana e japonesa.

Quando há dois ou mais substantivos para apenas um adjetivo, a concordância depende da posição de cada um deles. Se o adjetivo
vem antes dos substantivos, o adjetivo deve concordar com o substantivo mais próximo:
• Linda casa e bairro.

Se o adjetivo vem depois dos substantivos, ele pode concordar tanto com o substantivo mais próximo, ou com todos os substantivos
(sendo usado no plural):
• Casa e apartamento arrumado. / Apartamento e casa arrumada.
• Casa e apartamento arrumados. / Apartamento e casa arrumados.

12
LÍNGUA PORTUGUESA
Quando há a modificação de dois ou mais nomes próprios ou de parentesco, os adjetivos devem ser flexionados no plural:
• As talentosas Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles estão entre os melhores escritores brasileiros.

Quando o adjetivo assume função de predicativo de um sujeito ou objeto, ele deve ser flexionado no plural caso o sujeito ou objeto
seja ocupado por dois substantivos ou mais:
• O operário e sua família estavam preocupados com as consequências do acidente.

CASOS ESPECÍFICOS REGRA EXEMPLO


É PROIBIDO Deve concordar com o substantivo quando há presença
É proibida a entrada.
É PERMITIDO de um artigo. Se não houver essa determinação, deve
É proibido entrada.
É NECESSÁRIO permanecer no singular e no masculino.
Mulheres dizem “obrigada” Homens dizem
OBRIGADO / OBRIGADA Deve concordar com a pessoa que fala.
“obrigado”.
As bastantes crianças ficaram doentes com a
volta às aulas.
Quando tem função de adjetivo para um substantivo,
Bastante criança ficou doente com a volta às
BASTANTE concorda em número com o substantivo.
aulas.
Quando tem função de advérbio, permanece invariável.
O prefeito considerou bastante a respeito da
suspensão das aulas.
É sempre invariável, ou seja, a palavra “menas” não Havia menos mulheres que homens na fila
MENOS
existe na língua portuguesa. para a festa.
As crianças mesmas limparam a sala depois
MESMO Devem concordar em gênero e número com a pessoa a
da aula.
PRÓPRIO que fazem referência.
Eles próprios sugeriram o tema da formatura.
Quando tem função de numeral adjetivo, deve
Adicione meia xícara de leite.
concordar com o substantivo.
MEIO / MEIA Manuela é meio artista, além de ser
Quando tem função de advérbio, modificando um
engenheira.
adjetivo, o termo é invariável.
Segue anexo o orçamento.
Seguem anexas as informações adicionais
ANEXO INCLUSO Devem concordar com o substantivo a que se referem. As professoras estão inclusas na greve.
O material está incluso no valor da
mensalidade.

Concordância verbal
Para que a concordância verbal esteja adequada, é preciso haver flexão do verbo em número e pessoa, a depender do sujeito com o
qual ele se relaciona.

Quando o sujeito composto é colocado anterior ao verbo, o verbo ficará no plural:


• A menina e seu irmão viajaram para a praia nas férias escolares.

Mas, se o sujeito composto aparece depois do verbo, o verbo pode tanto ficar no plural quanto concordar com o sujeito mais próximo:
• Discutiram marido e mulher. / Discutiu marido e mulher.

Se o sujeito composto for formado por pessoas gramaticais diferentes, o verbo deve ficar no plural e concordando com a pessoa que
tem prioridade, a nível gramatical — 1ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2ª (tu, vós); a 2ª tem prioridade em relação à 3ª (ele, eles):
• Eu e vós vamos à festa.

Quando o sujeito apresenta uma expressão partitiva (sugere “parte de algo”), seguida de substantivo ou pronome no plural, o verbo
pode ficar tanto no singular quanto no plural:
• A maioria dos alunos não se preparou para o simulado. / A maioria dos alunos não se prepararam para o simulado.

Quando o sujeito apresenta uma porcentagem, deve concordar com o valor da expressão. No entanto, quanto seguida de um substan-
tivo (expressão partitiva), o verbo poderá concordar tanto com o numeral quanto com o substantivo:
• 27% deixaram de ir às urnas ano passado. / 1% dos eleitores votou nulo / 1% dos eleitores votaram nulo.

Quando o sujeito apresenta alguma expressão que indique quantidade aproximada, o verbo concorda com o substantivo que segue
a expressão:
• Cerca de duzentas mil pessoas compareceram à manifestação. / Mais de um aluno ficou abaixo da média na prova.

Quando o sujeito é indeterminado, o verbo deve estar sempre na terceira pessoa do singular:
• Precisa-se de balconistas. / Precisa-se de balconista.

13
LÍNGUA PORTUGUESA
Quando o sujeito é coletivo, o verbo permanece no singular, amante; amigo; capaz; certo; contemporâneo;
concordando com o coletivo partitivo: convicto; cúmplice; descendente; destituído;
• A multidão delirou com a entrada triunfal dos artistas. / A devoto; diferente; dotado; escasso; fácil;
matilha cansou depois de tanto puxar o trenó. DE feliz; imbuído; impossível; incapaz; indigno;
inimigo; inseparável; isento; junto; longe;
Quando não existe sujeito na oração, o verbo fica na terceira medo; natural; orgulhoso; passível; possível;
pessoa do singular (impessoal): seguro; suspeito; temeroso...
• Faz chuva hoje
opinião; discurso; discussão; dúvida;
Quando o pronome relativo “que” atua como sujeito, o verbo SOBRE insistência; influência; informação;
deverá concordar em número e pessoa com o termo da oração prin- preponderante; proeminência; triunfo...
cipal ao qual o pronome faz referência: acostumado; amoroso; analogia;
• Foi Maria que arrumou a casa. compatível; cuidadoso; descontente;
generoso; impaciente; ingrato; intolerante;
Quando o sujeito da oração é o pronome relativo “quem”, o COM
mal; misericordioso; ocupado; parecido;
verbo pode concordar tanto com o antecedente do pronome quan- relacionado; satisfeito; severo; solícito;
to com o próprio nome, na 3ª pessoa do singular: triste...
• Fui eu quem arrumei a casa. / Fui eu quem arrumou a casa.
abundante; bacharel; constante; doutor;
erudito; firme; hábil; incansável; inconstante;
Quando o pronome indefinido ou interrogativo, atuando EM
indeciso; morador; negligente; perito;
como sujeito, estiver no singular, o verbo deve ficar na 3ª pessoa
prático; residente; versado...
do singular:
• Nenhum de nós merece adoecer. atentado; blasfêmia; combate; conspiração;
CONTRA declaração; fúria; impotência; litígio; luta;
Quando houver um substantivo que apresenta forma plural, protesto; reclamação; representação...
porém com sentido singular, o verbo deve permanecer no singular. PARA bom; mau; odioso; próprio; útil...
Exceto caso o substantivo vier precedido por determinante:
• Férias é indispensável para qualquer pessoa. / Meus óculos Regência verbal
sumiram. Na regência verbal, o termo regente é o verbo, e o termo regi-
do poderá ser tanto um objeto direto (não preposicionado) quanto
um objeto indireto (preposicionado), podendo ser caracterizado
REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL também por adjuntos adverbiais.
Com isso, temos que os verbos podem se classificar entre tran-
sitivos e intransitivos. É importante ressaltar que a transitividade do
A regência estuda as relações de concordâncias entre os ter- verbo vai depender do seu contexto.
mos que completam o sentido tanto dos verbos quanto dos nomes.
Dessa maneira, há uma relação entre o termo regente (principal) e Verbos intransitivos: não exigem complemento, de modo que
o termo regido (complemento). fazem sentido por si só. Em alguns casos, pode estar acompanhado
A regência está relacionada à transitividade do verbo ou do de um adjunto adverbial (modifica o verbo, indicando tempo, lugar,
nome, isto é, sua complementação necessária, de modo que essa modo, intensidade etc.), que, por ser um termo acessório, pode ser
relação é sempre intermediada com o uso adequado de alguma retirado da frase sem alterar sua estrutura sintática:
preposição. • Viajou para São Paulo. / Choveu forte ontem.
Regência nominal Verbos transitivos diretos: exigem complemento (objeto dire-
Na regência nominal, o termo regente é o nome, podendo ser to), sem preposição, para que o sentido do verbo esteja completo:
um substantivo, um adjetivo ou um advérbio, e o termo regido é o • A aluna entregou o trabalho. / A criança quer bolo.
complemento nominal, que pode ser um substantivo, um pronome
ou um numeral. Verbos transitivos indiretos: exigem complemento (objeto in-
Vale lembrar que alguns nomes permitem mais de uma prepo- direto), de modo que uma preposição é necessária para estabelecer
sição. Veja no quadro abaixo as principais preposições e as palavras o sentido completo:
que pedem seu complemento: • Gostamos da viagem de férias. / O cidadão duvidou da cam-
panha eleitoral.
PREPOSIÇÃO NOMES
Verbos transitivos diretos e indiretos: em algumas situações, o
acessível; acostumado; adaptado; adequado;
verbo precisa ser acompanhado de um objeto direto (sem preposi-
agradável; alusão; análogo; anterior; atento;
ção) e de um objeto indireto (com preposição):
benefício; comum; contrário; desfavorável;
• Apresentou a dissertação à banca. / O menino ofereceu ajuda
devoto; equivalente; fiel; grato; horror;
A à senhora.
idêntico; imune; indiferente; inferior; leal;
necessário; nocivo; obediente; paralelo;
posterior; preferência; propenso; próximo;
semelhante; sensível; útil; visível...

14
LÍNGUA PORTUGUESA
Quando reescrevemos,  refazemos  nosso texto, é um proces-
EMPREGO DO SINAL INDICATIVO DE CRASE so bem mais complexo, que parte do pressuposto de que o autor
tenha observado aquilo que está ruim para que, posteriormente,
Crase é o nome dado à contração de duas letras “A” em uma possa melhorar seu texto até chegar a uma versão final, livre dos er-
só: preposição “a” + artigo “a” em palavras femininas. Ela é de- ros iniciais. Além de aprimorar a leitura, a reescrita auxilia a desen-
marcada com o uso do acento grave (à), de modo que crase não volver e melhorar a escrita, ajudando o aluno-escritor a esclarecer
é considerada um acento em si, mas sim o fenômeno dessa fusão. melhor seus objetivos e razões para a produção de textos.
Veja, abaixo, as principais situações em que será correto o em-
prego da crase: Nessa perspectiva, esse autor considera que reescrever seja
• Palavras femininas: Peça o material emprestado àquela alu- um processo de descoberta da escrita pelo próprio autor, que passa
na. a enfocá-la como forma de trabalho, auxiliando o desenvolvimento
• Indicação de horas, em casos de horas definidas e especifica- do processo de escrever do aluno.
das: Chegaremos em Belo Horizonte às 7 horas.
• Locuções prepositivas: A aluna foi aprovada à custa de muito Operações linguísticas de reescrita:
estresse. A literatura sobre reescrita aponta para uma tipologia de ope-
• Locuções conjuntivas: À medida que crescemos vamos dei- rações linguísticas encontradas neste momento específico da cons-
xando de lado a capacidade de imaginar. trução do texto escrito.
• Locuções adverbiais de tempo, modo e lugar: Vire na próxima - Adição, ou acréscimo: pode tratar-se do acréscimo de um ele-
à esquerda. mento gráfico, acento, sinal de pontuação, grafema (...) mas tam-
bém do acréscimo de uma palavra, de um sintagma, de uma ou de
várias frases.
Veja, agora, as principais situações em que não se aplica a crase:
- Supressão: supressão sem substituição do segmento suprimi-
• Palavras masculinas: Ela prefere passear a pé.
do. Ela pode ser aplicada sobre unidades diversas, acento, grafe-
• Palavras repetidas (mesmo quando no feminino): Melhor ter-
mas, sílabas, palavras sintagmáticas, uma ou diversas frases.
mos uma reunião frente a frente.
- Substituição: supressão, seguida de substituição por um ter-
• Antes de verbo: Gostaria de aprender a pintar.
mo novo. Ela se aplica sobre um grafema, uma palavra, um sintag-
• Expressões que sugerem distância ou futuro: A médica vai te
atender daqui a pouco. ma, ou sobre conjuntos generalizados.
• Dia de semana (a menos que seja um dia definido): De terça - Deslocamento: permutação de elementos, que acaba por mo-
a sexta. / Fecharemos às segundas-feiras. dificar sua ordem no processo de encadeamento.
• Antes de numeral (exceto horas definidas): A casa da vizinha
fica a 50 metros da esquina. Graus de Formalismo
São muitos os tipos de registros quanto ao formalismo, tais
Há, ainda, situações em que o uso da crase é facultativo como: o registro formal, que é uma linguagem mais cuidada; o colo-
• Pronomes possessivos femininos: Dei um picolé a minha filha. quial, que não tem um planejamento prévio, caracterizando-se por
/ Dei um picolé à minha filha. construções gramaticais mais livres, repetições frequentes, frases
• Depois da palavra “até”: Levei minha avó até a feira. / Levei curtas e conectores simples; o informal, que se caracteriza pelo uso
minha avó até à feira. de ortografia simplificada e construções simples ( geralmente usado
• Nomes próprios femininos (desde que não seja especificado): entre membros de uma mesma família ou entre amigos).
Enviei o convite a Ana. / Enviei o convite à Ana. / Enviei o convite à
Ana da faculdade. As variações de registro ocorrem de acordo com o grau de for-
malismo existente na situação de comunicação; com o modo de
DICA: Como a crase só ocorre em palavras no feminino, em expressão, isto é, se trata de um registro formal ou escrito; com a
caso de dúvida, basta substituir por uma palavra equivalente no sintonia entre interlocutores, que envolve aspectos como graus de
masculino. Se aparecer “ao”, deve-se usar a crase: Amanhã iremos cortesia, deferência, tecnicidade (domínio de um vocabulário espe-
à escola / Amanhã iremos ao colégio. cífico de algum campo científico, por exemplo).

Expressões que demandam atenção


– acaso, caso – com se, use acaso; caso rejeita o se
COLOCAÇÃO DOS PRONOMES ÁTONOS – aceitado, aceito – com ter e haver, aceitado; com ser e estar,
aceito
Prezado candidato, o tópico acima foi abordado no decorrer da – acendido, aceso (formas similares) – idem
matéria. – à custa de – e não às custas de
– à medida que – à proporção que, ao mesmo tempo que, con-
forme
– na medida em que – tendo em vista que, uma vez que
REESCRITA DE FRASES E PARÁGRAFOS DO TEXTO
– a meu ver – e não ao meu ver
– a ponto de – e não ao ponto de
A reescrita é tão importante quanto a escrita, visto que, difi- – a posteriori, a priori – não tem valor temporal
cilmente, sobretudo para os escritores mais cuidadosos, chegamos – em termos de – modismo; evitar
ao resultado que julgamos ideal na primeira tentativa. Aquele que – enquanto que – o que é redundância
observa um resultado ruim na primeira versão que escreveu terá, – entre um e outro – entre exige a conjunção e, e não a
na reescrita, a possibilidade de alcançar um resultado satisfatório. – implicar em – a regência é direta (sem em)
A reescrita é um processo mais trabalhoso do que a revisão, pois, – ir de encontro a – chocar-se com
nesta, atemo-nos apenas aos pequenos detalhes, cuja ausência não – ir ao encontro de – concordar com
implicaria em uma dificuldade do leitor para compreender o texto.

15
LÍNGUA PORTUGUESA
– se não, senão – quando se pode substituir por caso não, se- As palavras homônimas são aquelas que possuem a mesma
parado; quando não se pode, junto grafia e pronúncia, porém têm significados diferentes. Ex: rio (verbo
– todo mundo – todos “rir”) X rio (curso d’água); manga (blusa) X manga (fruta).
– todo o mundo – o mundo inteiro As palavras homófonas são aquelas que possuem a mesma
– não pagamento = hífen somente quando o segundo termo pronúncia, mas com escrita e significado diferentes. Ex: cem (nu-
for substantivo meral) X sem (falta); conserto (arrumar) X concerto (musical).
– este e isto – referência próxima do falante (a lugar, a tempo As palavras homógrafas são aquelas que possuem escrita igual,
presente; a futuro próximo; ao anunciar e a que se está tratando) porém som e significado diferentes. Ex: colher (talher) X colher (ver-
– esse e isso – referência longe do falante e perto do ouvinte bo); acerto (substantivo) X acerto (verbo).
(tempo futuro, desejo de distância; tempo passado próximo do pre-
sente, ou distante ao já mencionado e a ênfase). Polissemia e monossemia
As palavras polissêmicas são aquelas que podem apresentar
Expressões não recomendadas mais de um significado, a depender do contexto em que ocorre a
– a partir de (a não ser com valor temporal). frase. Ex: cabeça (parte do corpo humano; líder de um grupo).
Opção: com base em, tomando-se por base, valendo-se de... Já as palavras monossêmicas são aquelas apresentam apenas
um significado. Ex: eneágono (polígono de nove ângulos).
– através de (para exprimir “meio” ou instrumento).
Opção: por, mediante, por meio de, por intermédio de, se- Denotação e conotação
gundo... Palavras com sentido denotativo são aquelas que apresentam
um sentido objetivo e literal. Ex: Está fazendo frio. / Pé da mulher.
– devido a. Palavras com sentido conotativo são aquelas que apresentam
Opção: em razão de, em virtude de, graças a, por causa de. um sentido simbólico, figurado. Ex: Você me olha com frieza. / Pé
da cadeira.
– dito.
Opção: citado, mencionado. Hiperonímia e hiponímia
Esta classificação diz respeito às relações hierárquicas de signi-
– enquanto. ficado entre as palavras.
Opção: ao passo que. Desse modo, um hiperônimo é a palavra superior, isto é, que
tem um sentido mais abrangente. Ex: Fruta é hiperônimo de limão.
– inclusive (a não ser quando significa incluindo-se). Já o hipônimo é a palavra que tem o sentido mais restrito, por-
Opção: até, ainda, igualmente, mesmo, também. tanto, inferior, de modo que o hiperônimo engloba o hipônimo. Ex:
Limão é hipônimo de fruta.
– no sentido de, com vistas a.
Formas variantes
Opção: a fim de, para, com a finalidade de, tendo em vista.
São as palavras que permitem mais de uma grafia correta, sem
que ocorra mudança no significado. Ex: loiro – louro / enfarte – in-
– pois (no início da oração).
farto / gatinhar – engatinhar.
Opção: já que, porque, uma vez que, visto que.
Arcaísmo
– principalmente.
São palavras antigas, que perderam o uso frequente ao longo
Opção: especialmente, sobretudo, em especial, em particular.
do tempo, sendo substituídas por outras mais modernas, mas que
ainda podem ser utilizadas. No entanto, ainda podem ser bastante
encontradas em livros antigos, principalmente. Ex: botica <—> far-
SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS. SUBSTITUIÇÃO DE mácia / franquia <—> sinceridade.
PALAVRAS OU DE TRECHOS DE TEXTO
FIGURAS DE LINGUAGEM
As figuras de linguagem ou de estilo são empregadas para
Este é um estudo da semântica, que pretende classificar os valorizar o texto, tornando a linguagem mais expressiva. É um re-
sentidos das palavras, as suas relações de sentido entre si. Conheça curso linguístico para expressar de formas diferentes experiências
as principais relações e suas características: comuns, conferindo originalidade, emotividade ao discurso, ou tor-
nando-o poético.
Sinonímia e antonímia
As palavras sinônimas são aquelas que apresentam significado As figuras de linguagem classificam-se em
semelhante, estabelecendo relação de proximidade. Ex: inteligente – figuras de palavra;
<—> esperto – figuras de pensamento;
Já as palavras antônimas são aquelas que apresentam signifi- – figuras de construção ou sintaxe.
cados opostos, estabelecendo uma relação de contrariedade. Ex:
forte <—> fraco Figuras de palavra
Emprego de um termo com sentido diferente daquele conven-
Parônimos e homônimos cionalmente empregado, a fim de se conseguir um efeito mais ex-
As palavras parônimas são aquelas que possuem grafia e pro- pressivo na comunicação.
núncia semelhantes, porém com significados distintos.
Ex: cumprimento (saudação) X comprimento (extensão); tráfe- Metáfora: comparação abreviada, que dispensa o uso dos co-
go (trânsito) X tráfico (comércio ilegal). nectivos comparativos; é uma comparação subjetiva. Normalmente
vem com o verbo de ligação claro ou subentendido na frase.

16
LÍNGUA PORTUGUESA
Exemplos Figuras Sonoras
...a vida é cigana Aliteração: repetição do mesmo fonema consonantal, geral-
É caravana mente em posição inicial da palavra.
É pedra de gelo ao sol.
(Geraldo Azevedo/ Alceu Valença) Exemplo
Vozes veladas veludosas vozes volúpias dos violões, vozes ve-
Encarnado e azul são as cores do meu desejo. ladas.
(Carlos Drummond de Andrade) (Cruz e Sousa)

Comparação: aproxima dois elementos que se identificam, Assonância: repetição do mesmo fonema vocal ao longo de um
ligados por conectivos comparativos explícitos: como, tal qual, tal verso ou poesia.
como, que, que nem. Também alguns verbos estabelecem a com-
paração: parecer, assemelhar-se e outros. Exemplo
Sou Ana, da cama,
Exemplo da cana, fulana, bacana
Estava mais angustiado que um goleiro na hora do gol, quando Sou Ana de Amsterdam.
você entrou em mim como um sol no quintal. (Chico Buarque)
(Belchior)
Paronomásia: Emprego de vocábulos semelhantes na forma ou
Catacrese: emprego de um termo em lugar de outro para o na prosódia, mas diferentes no sentido.
qual não existe uma designação apropriada.
Exemplo
Exemplos Berro pelo aterro pelo desterro berro por seu berro pelo seu
– folha de papel [erro
– braço de poltrona quero que você ganhe que
– céu da boca [você me apanhe
– pé da montanha sou o seu bezerro gritando
[mamãe.
Sinestesia: fusão harmônica de, no mínimo, dois dos cinco sen- (Caetano Veloso)
tidos físicos.
Onomatopeia: imitação aproximada de um ruído ou som pro-
Exemplo duzido por seres animados e inanimados.
Vem da sala de linotipos a doce (gustativa) música (auditiva)
mecânica. Exemplo
(Carlos Drummond de Andrade) Vai o ouvido apurado
A fusão de sensações físicas e psicológicas também é sineste- na trama do rumor suas nervuras
sia: “ódio amargo”, “alegria ruidosa”, “paixão luminosa”, “indiferen- inseto múltiplo reunido
ça gelada”. para compor o zanzineio surdo
circular opressivo
Antonomásia: substitui um nome próprio por uma qualidade, zunzin de mil zonzons zoando em meio à pasta de calor
atributo ou circunstância que individualiza o ser e notabiliza-o. da noite em branco
(Carlos Drummond de Andrade)
Exemplos
O filósofo de Genebra (= Calvino). Observação: verbos que exprimem os sons são considerados
O águia de Haia (= Rui Barbosa). onomatopaicos, como cacarejar, tiquetaquear, miar etc.
Metonímia: troca de uma palavra por outra, de tal forma que Figuras de sintaxe ou de construção
a palavra empregada lembra, sugere e retoma a que foi omitida. Dizem respeito a desvios em relação à concordância entre os
termos da oração, sua ordem, possíveis repetições ou omissões.
Exemplos
Leio Graciliano Ramos. (livros, obras) Podem ser formadas por:
Comprei um panamá. (chapéu de Panamá) omissão: assíndeto, elipse e zeugma;
Tomei um Danone. (iogurte) repetição: anáfora, pleonasmo e polissíndeto;
inversão: anástrofe, hipérbato, sínquise e hipálage;
Alguns autores, em vez de metonímia, classificam como siné- ruptura: anacoluto;
doque quando se têm a parte pelo todo e o singular pelo plural. concordância ideológica: silepse.
Exemplo Anáfora: repetição da mesma palavra no início de um período,
A cidade inteira viu assombrada, de queixo caído, o pistoleiro frase ou verso.
sumir de ladrão, fugindo nos cascos de seu cavalo. (singular pelo
plural) Exemplo
(José Cândido de Carvalho) Dentro do tempo o universo
[na imensidão.
Dentro do sol o calor peculiar

17
LÍNGUA PORTUGUESA
[do verão.
Dentro da vida uma vida me Rubião fez um gesto, Palha outro: mas quão diferentes.
[conta uma estória que fala (Machado de Assis)
[de mim.
Dentro de nós os mistérios Hipérbato ou inversão: alteração da ordem direta dos elemen-
[do espaço sem fim! tos na frase.
(Toquinho/Mutinho)
Exemplos
Assíndeto: ocorre quando orações ou palavras que deveriam Passeiam, à tarde, as belas na avenida.
vir ligadas por conjunções coordenativas aparecem separadas por (Carlos Drummond de Andrade)
vírgulas.
Paciência tenho eu tido...
Exemplo (Antônio Nobre)
Não nos movemos, as mãos é
que se estenderam pouco a Anacoluto: interrupção do plano sintático com que se inicia a
pouco, todas quatro, pegando-se, frase, alterando a sequência do processo lógico. A construção do
apertando-se, fundindo-se. período deixa um ou mais termos desprendidos dos demais e sem
(Machado de Assis) função sintática definida.
Polissíndeto: repetição intencional de uma conjunção coorde-
nativa mais vezes do que exige a norma gramatical. Exemplos
E o desgraçado, tremiam-lhe as pernas.
Exemplo (Manuel Bandeira)
Há dois dias meu telefone não fala, nem ouve, nem toca, nem
tuge, nem muge. Aquela mina de ouro, ela não ia deixar que outras espertas bo-
(Rubem Braga) tassem as mãos.
(José Lins do Rego)
Pleonasmo: repetição de uma ideia já sugerida ou de um ter-
mo já expresso. Hipálage: inversão da posição do adjetivo (uma qualidade que
pertence a um objeto é atribuída a outro, na mesma frase).
Pleonasmo literário: recurso estilístico que enriquece a expres-
são, dando ênfase à mensagem. Exemplo
...em cada olho um grito castanho de ódio.
Exemplos (Dalton Trevisan)
Não os venci. Venceram-me ...em cada olho castanho um grito de ódio)
eles a mim.
(Rui Barbosa) Silepse
Morrerás morte vil na mão de um forte. Silepse de gênero: Não há concordância de gênero do adjetivo
(Gonçalves Dias) ou pronome com a pessoa a que se refere.
Pleonasmo vicioso: Frequente na linguagem informal, cotidia-
na, considerado vício de linguagem. Deve ser evitado. Exemplos
Pois aquela criancinha, longe de ser um estranho...
Exemplos (Rachel de Queiroz)
Ouvir com os ouvidos.
Rolar escadas abaixo. V. Ex.a parece magoado...
Colaborar juntos. (Carlos Drummond de Andrade)
Hemorragia de sangue.
Repetir de novo. Silepse de pessoa: Não há concordância da pessoa verbal com
o sujeito da oração.
Elipse: Supressão de uma ou mais palavras facilmente suben-
tendidas na frase. Geralmente essas palavras são pronomes, con- Exemplos
junções, preposições e verbos. Os dois ora estais reunidos...
(Carlos Drummond de Andrade)
Exemplos
Compareci ao Congresso. (eu) Na noite do dia seguinte, estávamos reunidos algumas pessoas.
Espero venhas logo. (eu, que, tu) (Machado de Assis)
Ele dormiu duas horas. (durante)
No mar, tanta tormenta e tanto dano. (verbo Haver) Silepse de número: Não há concordância do número verbal
(Camões) com o sujeito da oração.
Zeugma: Consiste na omissão de palavras já expressas anterior- Exemplo
mente. Corria gente de todos os lados, e gritavam.
(Mário Barreto)
Exemplos
Foi saqueada a vila, e assassina dos os partidários dos Filipes.
(Camilo Castelo Branco)

18
LÍNGUA PORTUGUESA
ra edição deste Manual. Acrescente-se, por fim, que a identificação
REORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA DE ORAÇÕES E DE que se buscou fazer das características específicas da forma oficial
PERÍODOS DO TEXTO de redigir não deve ensejar o entendimento de que se proponha
a criação – ou se aceite a existência – de uma forma específica de
Prezado candidato, o tópico acima foi abordado no decorrer linguagem administrativa, o que coloquialmente e pejorativamente
da matéria. se chama burocratês. Este é antes uma distorção do que deve ser a
redação oficial, e se caracteriza pelo abuso de expressões e clichês
do jargão burocrático e de formas arcaicas de construção de frases.
A redação oficial não é, portanto, necessariamente árida e infensa à
REESCRITA DE TEXTOS DE DIFERENTES GÊNEROS E evolução da língua. É que sua finalidade básica – comunicar com im-
NÍVEIS DE FORMALIDADE pessoalidade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso
que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do
Prezado candidato, o tópico acima foi abordado no decorrer texto jornalístico, da correspondência particular, etc. Apresentadas
da matéria. essas características fundamentais da redação oficial, passemos à
análise pormenorizada de cada uma delas.

REDAÇÃO E CORRESPONDÊNCIAS OFICIAIS.MANUAL A Impessoalidade


DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA A finalidade da língua é comunicar, quer pela fala, quer pela
escrita. Para que haja comunicação, são necessários:
a) alguém que comunique,
O que é Redação Oficial1 b) algo a ser comunicado, e
Em uma frase, pode-se dizer que redação oficial é a maneira c) alguém que receba essa comunicação.
pela qual o Poder Público redige atos normativos e comunicações.
Interessa-nos tratá-la do ponto de vista do Poder Executivo. A reda- No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o Serviço
ção oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departamento, Di-
culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade. visão, Serviço, Seção); o que se comunica é sempre algum assunto
Fundamentalmente esses atributos decorrem da Constituição, que relativo às atribuições do órgão que comunica; o destinatário dessa
dispõe, no artigo 37: “A administração pública direta, indireta ou comunicação ou é o público, o conjunto dos cidadãos, ou outro ór-
fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do gão público, do Executivo ou dos outros Poderes da União. Perce-
Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de lega- be-se, assim, que o tratamento impessoal que deve ser dado aos
lidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (...)”. assuntos que constam das comunicações oficiais decorre:
Sendo a publicidade e a impessoalidade princípios fundamentais de a) da ausência de impressões individuais de quem comunica:
toda administração pública, claro está que devem igualmente nor- embora se trate, por exemplo, de um expediente assinado por Che-
tear a elaboração dos atos e comunicações oficiais. Não se concebe fe de determinada Seção, é sempre em nome do Serviço Público
que um ato normativo de qualquer natureza seja redigido de forma que é feita a comunicação. Obtém-se, assim, uma desejável padro-
obscura, que dificulte ou impossibilite sua compreensão. A transpa- nização, que permite que comunicações elaboradas em diferentes
rência do sentido dos atos normativos, bem como sua inteligibili- setores da Administração guardem entre si certa uniformidade;
dade, são requisitos do próprio Estado de Direito: é inaceitável que b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação, com
um texto legal não seja entendido pelos cidadãos. A publicidade duas possibilidades: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre
implica, pois, necessariamente, clareza e concisão. Além de atender concebido como público, ou a outro órgão público. Nos dois casos,
à disposição constitucional, a forma dos atos normativos obedece temos um destinatário concebido de forma homogênea e impes-
a certa tradição. Há normas para sua elaboração que remontam ao soal;
período de nossa história imperial, como, por exemplo, a obrigato- c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o uni-
riedade – estabelecida por decreto imperial de 10 de dezembro de verso temático das comunicações oficiais se restringe a questões
1822 – de que se aponha, ao final desses atos, o número de anos que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe
transcorridos desde a Independência. Essa prática foi mantida no qualquer tom particular ou pessoal. Desta forma, não há lugar na
período republicano. Esses mesmos princípios (impessoalidade, cla- redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exem-
reza, uniformidade, concisão e uso de linguagem formal) aplicam-se plo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de
às comunicações oficiais: elas devem sempre permitir uma única in- jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser
terpretação e ser estritamente impessoais e uniformes, o que exige isenta da interferência da individualidade que a elabora. A concisão,
o uso de certo nível de linguagem. Nesse quadro, fica claro também a clareza, a objetividade e a formalidade de que nos valemos para
que as comunicações oficiais são necessariamente uniformes, pois elaborar os expedientes oficiais contribuem, ainda, para que seja
há sempre um único comunicador (o Serviço Público) e o receptor alcançada a necessária impessoalidade.
dessas comunicações ou é o próprio Serviço Público (no caso de
expedientes dirigidos por um órgão a outro) – ou o conjunto dos A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais
cidadãos ou instituições tratados de forma homogênea (o público). A necessidade de empregar determinado nível de linguagem
Outros procedimentos rotineiros na redação de comunicações nos atos e expedientes oficiais decorre, de um lado, do próprio ca-
oficiais foram incorporados ao longo do tempo, como as formas de ráter público desses atos e comunicações; de outro, de sua finalida-
tratamento e de cortesia, certos clichês de redação, a estrutura dos de. Os atos oficiais, aqui entendidos como atos de caráter normati-
expedientes, etc. Mencione-se, por exemplo, a fixação dos fechos vo, ou estabelecem regras para a conduta dos cidadãos, ou regulam
para comunicações oficiais, regulados pela Portaria no 1 do Ministro o funcionamento dos órgãos públicos, o que só é alcançado se em
de Estado da Justiça, de 8 de julho de 1937, que, após mais de meio sua elaboração for empregada a linguagem adequada. O mesmo
século de vigência, foi revogado pelo Decreto que aprovou a primei- se dá com os expedientes oficiais, cuja finalidade precípua é a de
informar com clareza e objetividade. As comunicações que partem
1 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm

19
LÍNGUA PORTUGUESA
dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e A formalidade de tratamento vincula-se, também, à necessária
qualquer cidadão brasileiro. Para atingir esse objetivo, há que evitar uniformidade das comunicações. Ora, se a administração federal é
o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos. Não há una, é natural que as comunicações que expede sigam um mesmo
dúvida que um texto marcado por expressões de circulação restrita, padrão. O estabelecimento desse padrão, uma das metas deste Ma-
como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem nual, exige que se atente para todas as características da redação
sua compreensão dificultada. Ressalte-se que há necessariamente oficial e que se cuide, ainda, da apresentação dos textos. A clareza
uma distância entre a língua falada e a escrita. Aquela é extrema- datilográfica, o uso de papéis uniformes para o texto definitivo e a
mente dinâmica, reflete de forma imediata qualquer alteração de correta diagramação do texto são indispensáveis para a padroniza-
costumes, e pode eventualmente contar com outros elementos ção. Consulte o Capítulo II, As Comunicações Oficiais, a respeito de
que auxiliem a sua compreensão, como os gestos, a entoação, etc. normas específicas para cada tipo de expediente.
Para mencionar apenas alguns dos fatores responsáveis por essa
distância. Já a língua escrita incorpora mais lentamente as transfor- Concisão e Clareza
mações, tem maior vocação para a permanência, e vale-se apenas A concisão é antes uma qualidade do que uma característica do
de si mesma para comunicar. A língua escrita, como a falada, com- texto oficial. Conciso é o texto que consegue transmitir um máxi-
preende diferentes níveis, de acordo com o uso que dela se faça. mo de informações com um mínimo de palavras. Para que se redija
Por exemplo, em uma carta a um amigo, podemos nos valer de de- com essa qualidade, é fundamental que se tenha, além de conheci-
terminado padrão de linguagem que incorpore expressões extre- mento do assunto sobre o qual se escreve, o necessário tempo para
mamente pessoais ou coloquiais; em um parecer jurídico, não se revisar o texto depois de pronto. É nessa releitura que muitas vezes
há de estranhar a presença do vocabulário técnico correspondente. se percebem eventuais redundâncias ou repetições desnecessárias
Nos dois casos, há um padrão de linguagem que atende ao uso que de ideias. O esforço de sermos concisos atende, basicamente ao
se faz da língua, a finalidade com que a empregamos. O mesmo princípio de economia linguística, à mencionada fórmula de empre-
ocorre com os textos oficiais: por seu caráter impessoal, por sua gar o mínimo de palavras para informar o máximo. Não se deve de
finalidade de informar com o máximo de clareza e concisão, eles forma alguma entendê-la como economia de pensamento, isto é,
requerem o uso do padrão culto da língua. Há consenso de que o não se devem eliminar passagens substanciais do texto no afã de
padrão culto é aquele em que a) se observam as regras da gramáti- reduzi-lo em tamanho. Trata-se exclusivamente de cortar palavras
ca formal, e b) se emprega um vocabulário comum ao conjunto dos inúteis, redundâncias, passagens que nada acrescentem ao que já
usuários do idioma. É importante ressaltar que a obrigatoriedade
foi dito. Procure perceber certa hierarquia de ideias que existe em
do uso do padrão culto na redação oficial decorre do fato de que
todo texto de alguma complexidade: ideias fundamentais e ideias
ele está acima das diferenças lexicais, morfológicas ou sintáticas re-
secundárias. Estas últimas podem esclarecer o sentido daquelas de-
gionais, dos modismos vocabulares, das idiossincrasias linguísticas,
talhá-las, exemplificá-las; mas existem também ideias secundárias
permitindo, por essa razão, que se atinja a pretendida compreensão
que não acrescentam informação alguma ao texto, nem têm maior
por todos os cidadãos.
relação com as fundamentais, podendo, por isso, ser dispensadas. A
Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplicidade
clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial, conforme
de expressão, desde que não seja confundida com pobreza de ex-
já sublinhado na introdução deste capítulo. Pode-se definir como
pressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica empre-
go de linguagem rebuscada, nem dos contorcionismos sintáticos e claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor.
figuras de linguagem próprios da língua literária. Pode-se concluir, No entanto a clareza não é algo que se atinja por si só: ela depende
então, que não existe propriamente um “padrão oficial de lingua- estritamente das demais características da redação oficial. Para ela
gem”; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações concorrem:
oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas a) a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpretações
expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das for- que poderia decorrer de um tratamento personalista dado ao texto;
mas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se con- b) o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de en-
sagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão tendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circulação
burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre restrita, como a gíria e o jargão;
sua compreensão limitada. A linguagem técnica deve ser empre- c) a formalidade e a padronização, que possibilitam a impres-
gada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso cindível uniformidade dos textos;
indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vo- d) a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos linguís-
cabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento ticos que nada lhe acrescentam.
por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado,
portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros É pela correta observação dessas características que se redige
órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos. com clareza. Contribuirá, ainda, a indispensável releitura de todo
Outras questões sobre a linguagem, como o emprego de neologis- texto redigido. A ocorrência, em textos oficiais, de trechos obscuros
mo e estrangeirismo, são tratadas em detalhe em 9.3. Semântica. e de erros gramaticais provém principalmente da falta da releitu-
ra que torna possível sua correção. Na revisão de um expediente,
Formalidade e Padronização deve-se avaliar, ainda, se ele será de fácil compreensão por seu
As comunicações oficiais devem ser sempre formais, isto é, destinatário. O que nos parece óbvio pode ser desconhecido por
obedecem a certas regras de forma: além das já mencionadas exi- terceiros. O domínio que adquirimos sobre certos assuntos em de-
gências de impessoalidade e uso do padrão culto de linguagem, é corrência de nossa experiência profissional muitas vezes faz com
imperativo, ainda, certa formalidade de tratamento. Não se trata que os tomemos como de conhecimento geral, o que nem sempre
somente da eterna dúvida quanto ao correto emprego deste ou da- é verdade. Explicite, desenvolva, esclareça, precise os termos técni-
quele pronome de tratamento para uma autoridade de certo nível cos, o significado das siglas e abreviações e os conceitos específicos
(v. a esse respeito 2.1.3. Emprego dos Pronomes de Tratamento); que não possam ser dispensados. A revisão atenta exige, necessa-
mais do que isso, a formalidade diz respeito à polidez, à civilidade riamente, tempo. A pressa com que são elaboradas certas comu-
no próprio enfoque dado ao assunto do qual cuida a comunicação. nicações quase sempre compromete sua clareza. Não se deve pro-

20
LÍNGUA PORTUGUESA
ceder à redação de um texto que não seja seguida por sua revisão. Ministros de Estado;
“Não há assuntos urgentes, há assuntos atrasados”, diz a máxima. Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Fe-
Evite-se, pois, o atraso, com sua indesejável repercussão no redigir. deral;
Oficiais-Generais das Forças Armadas;
As comunicações oficiais Embaixadores;
A redação das comunicações oficiais deve, antes de tudo, se- Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de
guir os preceitos explicitados no Capítulo I, Aspectos Gerais da cargos de natureza especial;
Redação Oficial. Além disso, há características específicas de cada Secretários de Estado dos Governos Estaduais;
tipo de expediente, que serão tratadas em detalhe neste capítulo. Prefeitos Municipais.
Antes de passarmos à sua análise, vejamos outros aspectos comuns
a quase todas as modalidades de comunicação oficial: o emprego b) do Poder Legislativo:
dos pronomes de tratamento, a forma dos fechos e a identificação Deputados Federais e Senadores;
do signatário. Ministro do Tribunal de Contas da União;
Deputados Estaduais e Distritais;
Pronomes de Tratamento Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;
Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.
Breve História dos Pronomes de Tratamento
O uso de pronomes e locuções pronominais de tratamento tem c) do Poder Judiciário:
larga tradição na língua portuguesa. De acordo com Said Ali, após Ministros dos Tribunais Superiores;
serem incorporados ao português os pronomes latinos tu e vos, Membros de Tribunais;
“como tratamento direto da pessoa ou pessoas a quem se dirigia a Juízes;
palavra”, passou-se a empregar, como expediente linguístico de dis- Auditores da Justiça Militar.
tinção e de respeito, a segunda pessoa do plural no tratamento de
pessoas de hierarquia superior. Prossegue o autor: “Outro modo de O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos
tratamento indireto consistiu em fingir que se dirigia a palavra a um Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo respec-
atributo ou qualidade eminente da pessoa de categoria superior, e tivo:
não a ela própria. Assim aproximavam-se os vassalos de seu rei com Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
o tratamento de vossa mercê, vossa senhoria (...); assim usou-se Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
o tratamento ducal de vossa excelência e adotou-se na hierarquia Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Fede-
eclesiástica vossa reverência, vossa paternidade, vossa eminência, ral.
vossa santidade. ” A partir do final do século XVI, esse modo de
tratamento indireto já estava em voga também para os ocupantes As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor,
de certos cargos públicos. Vossa mercê evoluiu para vosmecê, e de- seguido do cargo respectivo:
pois para o coloquial você. E o pronome vós, com o tempo, caiu em Senhor Senador,
desuso. É dessa tradição que provém o atual emprego de pronomes Senhor Juiz,
de tratamento indireto como forma de dirigirmo-nos às autorida- Senhor Ministro,
des civis, militares e eclesiásticas. Senhor Governador,

Concordância com os Pronomes de Tratamento No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas às


Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indireta) autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte forma:
apresentam certas peculiaridades quanto à concordância verbal,
nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pessoa gra- A Sua Excelência o Senhor
matical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige a comuni- Fulano de Tal
cação), levam a concordância para a terceira pessoa. É que o verbo Ministro de Estado da Justiça
concorda com o substantivo que integra a locução como seu núcleo 70.064-900 – Brasília. DF
sintático: “Vossa Senhoria nomeará o substituto”; “Vossa Excelên-
cia conhece o assunto”. Da mesma forma, os pronomes possessivos A Sua Excelência o Senhor
referidos a pronomes de tratamento são sempre os da terceira pes- Senador Fulano de Tal
soa: “Vossa Senhoria nomeará seu substituto” (e não “Vossa... vos- Senado Federal
so...”). Já quanto aos adjetivos referidos a esses pronomes, o gênero 70.165-900 – Brasília. DF
gramatical deve coincidir com o sexo da pessoa a que se refere, e
não com o substantivo que compõe a locução. Assim, se nosso in- A Sua Excelência o Senhor
terlocutor for homem, o correto é “Vossa Excelência está atarefa- Fulano de Tal
do”, “Vossa Senhoria deve estar satisfeito”; se for mulher, “Vossa Juiz de Direito da 10a Vara Cível
Excelência está atarefada”, “Vossa Senhoria deve estar satisfeita”. Rua ABC, no 123
01.010-000 – São Paulo. SP
Emprego dos Pronomes de Tratamento
Como visto, o emprego dos pronomes de tratamento obedece Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento
a secular tradição. São de uso consagrado: digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dig-
Vossa Excelência, para as seguintes autoridades: nidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público,
sendo desnecessária sua repetida evocação.
a) do Poder Executivo; Vossa Senhoria é empregado para as demais autoridades e
Presidente da República; para particulares. O vocativo adequado é:
Vice-Presidente da República; Senhor Fulano de Tal,

21
LÍNGUA PORTUGUESA
(...)
Identificação do Signatário
No envelope, deve constar do endereçamento: Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da Repú-
Ao Senhor blica, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e
Fulano de Tal o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assina-
Rua ABC, nº 123 tura. A forma da identificação deve ser a seguinte:
70.123 – Curitiba. PR
(espaço para assinatura)
Como se depreende do exemplo acima fica dispensado o em- NOME
prego do superlativo ilustríssimo para as autoridades que recebem Chefe da Secretária-geral da Presidência da República
o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o
uso do pronome de tratamento Senhor. Acrescente-se que doutor (espaço para assinatura)
não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Evite usá-lo NOME
indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-o apenas em Ministro de Estado da Justiça
comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal grau por terem
concluído curso universitário de doutorado. É costume designar por Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatura
doutor os bacharéis, especialmente os bacharéis em Direito e em em página isolada do expediente. Transfira para essa página ao me-
Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor confere a dese- nos a última frase anterior ao fecho.
jada formalidade às comunicações. Mencionemos, ainda, a forma
Vossa Magnificência, empregada por força da tradição, em comu- O Padrão Ofício
nicações dirigidas a reitores de universidade. Corresponde-lhe o Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela fi-
vocativo: nalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o memorando. Com
o fito de uniformizá-los, pode-se adotar uma diagramação única,
Magnífico Reitor, que siga o que chamamos de padrão ofício. As peculiaridades de
(...) cada um serão tratadas adiante; por ora busquemos as suas seme-
lhanças.
Os pronomes de tratamento para religiosos, de acordo com a
hierarquia eclesiástica, são: Partes do documento no Padrão Ofício
O aviso, o ofício e o memorando devem conter as seguintes
Vossa Santidade, em comunicações dirigidas ao Papa. O voca- partes:
tivo correspondente é: a) tipo e número do expediente, seguido da sigla do órgão que
Santíssimo Padre, o expede:
(...) Exemplos:
Mem. 123/2002-MF Aviso 123/2002-SG Of. 123/2002-MME
Vossa Eminência ou Vossa Eminência Reverendíssima, em co-
municações aos Cardeais. Corresponde-lhe o vocativo: b) local e data em que foi assinado, por extenso, com alinha-
Eminentíssimo Senhor Cardeal, ou mento à direita:
Eminentíssimo e Reverendíssimo Senhor Cardeal, Exemplo:
(...) 13
Brasília, 15 de março de 1991.
Vossa Excelência Reverendíssima é usado em comunicações
dirigidas a Arcebispos e Bispos; Vossa Reverendíssima ou Vossa Se- c) assunto: resumo do teor do documento
nhoria Reverendíssima para Monsenhores, Cônegos e superiores Exemplos:
religiosos. Vossa Reverência é empregado para sacerdotes, clérigos Assunto: Produtividade do órgão em 2002.
e demais religiosos.
Assunto: Necessidade de aquisição de novos computadores.
Fechos para Comunicações
d) destinatário: o nome e o cargo da pessoa a quem é dirigida
O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade
a comunicação. No caso do ofício deve ser incluído também o en-
óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os modelos
dereço.
para fecho que vinham sendo utilizados foram regulados pela Por-
taria nº1 do Ministério da Justiça, de 1937, que estabelecia quinze
e) texto: nos casos em que não for de mero encaminhamento
padrões. Com o fito de simplificá-los e uniformizá-los, este Manual
estabelece o emprego de somente dois fechos diferentes para to- de documentos, o expediente deve conter a seguinte estrutura:
das as modalidades de comunicação oficial: – Introdução, que se confunde com o parágrafo de abertura,
a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da Re- na qual é apresentado o assunto que motiva a comunicação. Evite o
pública: uso das formas: “Tenho a honra de”, “Tenho o prazer de”, “Cumpre-
Respeitosamente, -me informar que”, empregue a forma direta;
b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia in- – Desenvolvimento, no qual o assunto é detalhado; se o texto
ferior: contiver mais de uma ideia sobre o assunto, elas devem ser tratadas
Atenciosamente, em parágrafos distintos, o que confere maior clareza à exposição;
– Conclusão, em que é reafirmada ou simplesmente reapresen-
Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas a au- tada a posição recomendada sobre o assunto.
toridades estrangeiras, que atendem a rito e tradição próprios, de-
vidamente disciplinados no Manual de Redação do Ministério das Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos casos
Relações Exteriores. em que estes estejam organizados em itens ou títulos e subtítulos.

22
LÍNGUA PORTUGUESA
Já quando se tratar de mero encaminhamento de documentos o) para facilitar a localização, os nomes dos arquivos devem
a estrutura é a seguinte: ser formados da seguinte maneira: tipo do documento + número do
– Introdução: deve iniciar com referência ao expediente que documento + palavras-chaves do conteúdo Ex.: “Of. 123 - relatório
solicitou o encaminhamento. Se a remessa do documento não tiver produtividade ano 2002”
sido solicitada, deve iniciar com a informação do motivo da comu-
nicação, que é encaminhar, indicando a seguir os dados completos Aviso e Ofício
do documento encaminhado (tipo, data, origem ou signatário, e as-
sunto de que trata), e a razão pela qual está sendo encaminhado, — Definição e Finalidade
segundo a seguinte fórmula: Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial pratica-
“Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991, enca- mente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expe-
minho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990, do Depar- dido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de
tamento Geral de Administração, que trata da requisição do servi- mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas
dor Fulano de Tal. ” Ou “Encaminho, para exame e pronunciamento, demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de
a anexa cópia do telegrama no 12, de 1o de fevereiro de 1991, do assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e,
Presidente da Confederação Nacional de Agricultura, a respeito de no caso do ofício, também com particulares.
projeto de modernização de técnicas agrícolas na região Nordeste. ”
– Desenvolvimento: se o autor da comunicação desejar fazer — Forma e Estrutura
algum comentário a respeito do documento que encaminha, pode- Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo do padrão
rá acrescentar parágrafos de desenvolvimento; em caso contrário, ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o destinatário (v. 2.1
não há parágrafos de desenvolvimento em aviso ou ofício de mero Pronomes de Tratamento), seguido de vírgula.
encaminhamento. Exemplos:
Excelentíssimo Senhor Presidente da República
f) fecho (v. 2.2. Fechos para Comunicações); Senhora Ministra
g) assinatura do autor da comunicação; e Senhor Chefe de Gabinete
h) identificação do signatário (v. 2.3. Identificação do Signa- Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as seguin-
tário). tes informações do remetente:
– Nome do órgão ou setor;
Forma de diagramação – Endereço postal;
Os documentos do Padrão Ofício5 devem obedecer à seguinte – telefone E endereço de correio eletrônico.
forma de apresentação:
a) deve ser utilizada fonte do tipo Times New Roman de corpo Memorando
12 no texto em geral, 11 nas citações, e 10 nas notas de rodapé;
b) para símbolos não existentes na fonte Times New Roman po- — Definição e Finalidade
der-se-á utilizar as fontes Symbol e Wingdings; O memorando é a modalidade de comunicação entre unidades
c) é obrigatória constar a partir da segunda página o número administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquica-
da página; mente em mesmo nível ou em nível diferente. Trata-se, portanto,
d) os ofícios, memorandos e anexos destes poderão ser impres- de uma forma de comunicação eminentemente interna. Pode ter
sos em ambas as faces do papel. Neste caso, as margens esquerda caráter meramente administrativo, ou ser empregado para a ex-
e direta terão as distâncias invertidas nas páginas pares (“margem posição de projetos, ideias, diretrizes, etc. a serem adotados por
espelho”); determinado setor do serviço público. Sua característica principal é
e) o início de cada parágrafo do texto deve ter 2,5 cm de distân- a agilidade. A tramitação do memorando em qualquer órgão deve
cia da margem esquerda; pautar-se pela rapidez e pela simplicidade de procedimentos buro-
f) o campo destinado à margem lateral esquerda terá, no míni- cráticos. Para evitar desnecessário aumento do número de comuni-
mo, 3,0 cm de largura; cações, os despachos ao memorando devem ser dados no próprio
g) o campo destinado à margem lateral direita terá 1,5 cm; 5 O documento e, no caso de falta de espaço, em folha de continuação.
constante neste item aplica-se também à exposição de motivos e à Esse procedimento permite formar uma espécie de processo sim-
mensagem (v. 4. Exposição de Motivos e 5. Mensagem). plificado, assegurando maior transparência à tomada de decisões,
h) deve ser utilizado espaçamento simples entre as linhas e de e permitindo que se historie o andamento da matéria tratada no
6 pontos após cada parágrafo, ou, se o editor de texto utilizado não memorando.
comportar tal recurso, de uma linha em branco;
i) não deve haver abuso no uso de negrito, itálico, sublinhado, — Forma e Estrutura
letras maiúsculas, sombreado, sombra, relevo, bordas ou qualquer Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do padrão
outra forma de formatação que afete a elegância e a sobriedade do ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve ser mencio-
documento; nado pelo cargo que ocupa.
j) a impressão dos textos deve ser feita na cor preta em papel Exemplos:
branco. A impressão colorida deve ser usada apenas para gráficos Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração Ao Sr. Subche-
e ilustrações; fe para Assuntos Jurídicos
l) todos os tipos de documentos do Padrão Ofício devem ser
impressos em papel de tamanho A-4, ou seja, 29,7 x 21,0 cm; Exposição de Motivos
m) deve ser utilizado, preferencialmente, o formato de arquivo
Rich Text nos documentos de texto; — Definição e Finalidade
n) dentro do possível, todos os documentos elaborados devem Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente da
ter o arquivo de texto preservado para consulta posterior ou apro- República ou ao Vice-Presidente para:
veitamento de trechos para casos análogos; a) informá-lo de determinado assunto;

23
LÍNGUA PORTUGUESA
b) propor alguma medida; ou Mencionar:
c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo. - Se o problema configura calamidade pública;
- Por que é indispensável a vigência imediata;
Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da - Se se trata de problema cuja causa ou agravamento não te-
República por um Ministro de Estado. nham sido previstos;
Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um Mi- - Se se trata de desenvolvimento extraordinário de situação já
nistério, a exposição de motivos deverá ser assinada por todos os prevista.
Ministros envolvidos, sendo, por essa razão, chamada de intermi-
nisterial. 6. Impacto sobre o meio ambiente (sempre que o ato ou medi-
da proposta possa vir a tê-lo)
— Forma e Estrutura 7. Alterações propostas
Formalmente, a exposição de motivos tem a apresentação do 8. Síntese do parecer do órgão jurídico
padrão ofício (v. 3. O Padrão Ofício). O anexo que acompanha a Com base em avaliação do ato normativo ou da medida pro-
exposição de motivos que proponha alguma medida ou apresente posta à luz das questões levantadas no item 10.4.3.
projeto de ato normativo, segue o modelo descrito adiante. A ex- A falta ou insuficiência das informações prestadas pode acar-
posição de motivos, de acordo com sua finalidade, apresenta duas retar, a critério da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil,
formas básicas de estrutura: uma para aquela que tenha caráter a devolução do projeto de ato normativo para que se complete o
exclusivamente informativo e outra para a que proponha alguma exame ou se reformule a proposta. O preenchimento obrigatório do
medida ou submeta projeto de ato normativo. anexo para as exposições de motivos que proponham a adoção de
No primeiro caso, o da exposição de motivos que simplesmen- alguma medida ou a edição de ato normativo tem como finalidade:
te leva algum assunto ao conhecimento do Presidente da República, a) permitir a adequada reflexão sobre o problema que se busca
sua estrutura segue o modelo antes referido para o padrão ofício. resolver;
Já a exposição de motivos que submeta à consideração do Pre- b) ensejar mais profunda avaliação das diversas causas do pro-
sidente da República a sugestão de alguma medida a ser adotada blema e dos efeitos que pode ter a adoção da medida ou a edição
ou a que lhe apresente projeto de ato normativo – embora sigam do ato, em consonância com as questões que devem ser analisadas
também a estrutura do padrão ofício –, além de outros comentá- na elaboração de proposições normativas no âmbito do Poder Exe-
rios julgados pertinentes por seu autor, devem, obrigatoriamente, cutivo (v. 10.4.3.).
apontar: c) conferir perfeita transparência aos atos propostos.
a) na introdução: o problema que está a reclamar a adoção da
medida ou do ato normativo proposto; Dessa forma, ao atender às questões que devem ser analisadas
b) no desenvolvimento: o porquê de ser aquela medida ou na elaboração de atos normativos no âmbito do Poder Executivo,
aquele ato normativo o ideal para se solucionar o problema, e even- o texto da exposição de motivos e seu anexo complementam-se e
tuais alternativas existentes para equacioná-lo; formam um todo coeso: no anexo, encontramos uma avaliação pro-
c) na conclusão, novamente, qual medida deve ser tomada, ou funda e direta de toda a situação que está a reclamar a adoção de
qual ato normativo deve ser editado para solucionar o problema. certa providência ou a edição de um ato normativo; o problema a
ser enfrentado e suas causas; a solução que se propõe, seus efeitos
Deve, ainda, trazer apenso o formulário de anexo à exposição e seus custos; e as alternativas existentes. O texto da exposição de
de motivos, devidamente preenchido, de acordo com o seguinte motivos fica, assim, reservado à demonstração da necessidade da
modelo previsto no Anexo II do Decreto no 4.176, de 28 de março providência proposta: por que deve ser adotada e como resolverá
de 2002. o problema. Nos casos em que o ato proposto for questão de pes-
Anexo à Exposição de Motivos do (indicar nome do Ministério soal (nomeação, promoção, ascensão, transferência, readaptação,
ou órgão equivalente) nº de 200. reversão, aproveitamento, reintegração, recondução, remoção,
exoneração, demissão, dispensa, disponibilidade, aposentadoria),
1. Síntese do problema ou da situação que reclama providên- não é necessário o encaminhamento do formulário de anexo à ex-
cias posição de motivos.
2. Soluções e providências contidas no ato normativo ou na Ressalte-se que:
medida proposta – A síntese do parecer do órgão de assessoramento jurídico
3. Alternativas existentes às medidas propostas não dispensa o encaminhamento do parecer completo;
Mencionar: – O tamanho dos campos do anexo à exposição de motivos
- Se há outro projeto do Executivo sobre a matéria; pode ser alterado de acordo com a maior ou menor extensão dos
- Se há projetos sobre a matéria no Legislativo; comentários a serem ali incluídos.
- Outras possibilidades de resolução do problema.
Ao elaborar uma exposição de motivos, tenha presente que
4. Custos a atenção aos requisitos básicos da redação oficial (clareza, conci-
Mencionar: são, impessoalidade, formalidade, padronização e uso do padrão
- Se a despesa decorrente da medida está prevista na lei orça- culto de linguagem) deve ser redobrada. A exposição de motivos é
mentária anual; se não, quais as alternativas para custeá-la; a principal modalidade de comunicação dirigida ao Presidente da
- Se é o caso de solicitar-se abertura de crédito extraordinário, República pelos Ministros. Além disso, pode, em certos casos, ser
especial ou suplementar; encaminhada cópia ao Congresso Nacional ou ao Poder Judiciário
- Valor a ser despendido em moeda corrente; ou, ainda, ser publicada no Diário Oficial da União, no todo ou em
parte.
5. Razões que justificam a urgência (a ser preenchido somente
se o ato proposto for medido provisória ou projeto de lei que deva
tramitar em regime de urgência)

24
LÍNGUA PORTUGUESA
Mensagem Presidente da República, tradicionalmente, por cortesia, quando a
ausência é por prazo inferior a 15 dias, faz uma comunicação a cada
— Definição e Finalidade Casa do Congresso, enviando-lhes mensagens idênticas.
É o instrumento de comunicação oficial entre os Chefes dos e) encaminhamento de atos de concessão e renovação de
Poderes Públicos, notadamente as mensagens enviadas pelo Chefe concessão de emissoras de rádio e TV. A obrigação de submeter
do Poder Executivo ao Poder Legislativo para informar sobre fato tais atos à apreciação do Congresso Nacional consta no inciso XII
da Administração Pública; expor o plano de governo por ocasião do artigo 49 da Constituição. Somente produzirão efeitos legais a
da abertura de sessão legislativa; submeter ao Congresso Nacional outorga ou renovação da concessão após deliberação do Congresso
matérias que dependem de deliberação de suas Casas; apresentar Nacional (Constituição, art. 223, § 3o). Descabe pedir na mensagem
veto; enfim, fazer e agradecer comunicações de tudo quanto seja a urgência prevista no art. 64 da Constituição, porquanto o § 1o do
de interesse dos poderes públicos e da Nação. Minuta de mensa- art. 223 já define o prazo da tramitação. Além do ato de outorga
gem pode ser encaminhada pelos Ministérios à Presidência da Re- ou renovação, acompanha a mensagem o correspondente processo
pública, a cujas assessorias caberá a redação final. As mensagens administrativo.
mais usuais do Poder Executivo ao Congresso Nacional têm as se- f) encaminhamento das contas referentes ao exercício ante-
guintes finalidades: rior. O Presidente da República tem o prazo de sessenta dias após a
a) encaminhamento de projeto de lei ordinária, complemen- abertura da sessão legislativa para enviar ao Congresso Nacional as
tar ou financeira. Os projetos de lei ordinária ou complementar são contas referentes ao exercício anterior (Constituição, art. 84, XXIV),
enviados em regime normal (Constituição, art. 61) ou de urgência para exame e parecer da Comissão Mista permanente (Constitui-
(Constituição, art. 64, §§ 1o a 4o). Cabe lembrar que o projeto pode ção, art. 166, § 1o), sob pena de a Câmara dos Deputados realizar a
ser encaminhado sob o regime normal e mais tarde ser objeto de tomada de contas (Constituição, art. 51, II), em procedimento disci-
nova mensagem, com solicitação de urgência. Em ambos os casos, plinado no art. 215 do seu Regimento Interno.
a mensagem se dirige aos Membros do Congresso Nacional, mas é g) mensagem de abertura da sessão legislativa.
encaminhada com aviso do Chefe da Casa Civil da Presidência da Ela deve conter o plano de governo, exposição sobre a situação
República ao Primeiro Secretário da Câmara dos Deputados, para do País e solicitação de providências que julgar necessárias (Cons-
que tenha início sua tramitação (Constituição, art. 64, caput). Quan- tituição, art. 84, XI). O portador da mensagem é o Chefe da Casa
to aos projetos de lei financeira (que compreendem plano pluria- Civil da Presidência da República. Esta mensagem difere das demais
nual, diretrizes orçamentárias, orçamentos anuais e créditos adicio- porque vai encadernada e é distribuída a todos os Congressistas em
nais), as mensagens de encaminhamento dirigem-se aos Membros forma de livro.
do Congresso Nacional, e os respectivos avisos são endereçados ao h) comunicação de sanção (com restituição de autógrafos).
Primeiro Secretário do Senado Federal. A razão é que o art. 166 Esta mensagem é dirigida aos Membros do Congresso Nacio-
da Constituição impõe a deliberação congressual sobre as leis fi- nal, encaminhada por Aviso ao Primeiro Secretário da Casa onde
nanceiras em sessão conjunta, mais precisamente, “na forma do se originaram os autógrafos. Nela se informa o número que tomou
regimento comum”. E à frente da Mesa do Congresso Nacional está a lei e se restituem dois exemplares dos três autógrafos recebidos,
o Presidente do Senado Federal (Constituição, art. 57, § 5o), que co- nos quais o Presidente da República terá aposto o despacho de san-
manda as sessões conjuntas. As mensagens aqui tratadas coroam o ção.
processo desenvolvido no âmbito do Poder Executivo, que abrange i) comunicação de veto.
minucioso exame técnico, jurídico e econômico-financeiro das ma- Dirigida ao Presidente do Senado Federal (Constituição, art. 66,
térias objeto das proposições por elas encaminhadas. Tais exames § 1o), a mensagem informa sobre a decisão de vetar, se o veto é
materializam-se em pareceres dos diversos órgãos interessados no parcial, quais as disposições vetadas, e as razões do veto. Seu texto
assunto das proposições, entre eles o da Advocacia-Geral da União. vai publicado na íntegra no Diário Oficial da União (v. 4.2. Forma e
Mas, na origem das propostas, as análises necessárias constam da Estrutura), ao contrário das demais mensagens, cuja publicação se
exposição de motivos do órgão onde se geraram (v. 3.1. Exposição restringe à notícia do seu envio ao Poder Legislativo. (v. 19.6.Veto)
de Motivos) – exposição que acompanhará, por cópia, a mensagem j) outras mensagens.
de encaminhamento ao Congresso. Também são remetidas ao Legislativo com regular frequência
b) encaminhamento de medida provisória. mensagens com:
Para dar cumprimento ao disposto no art. 62 da Constituição, – Encaminhamento de atos internacionais que acarretam en-
o Presidente da República encaminha mensagem ao Congresso, cargos ou compromissos gravosos (Constituição, art. 49, I);
dirigida a seus membros, com aviso para o Primeiro Secretário do – Pedido de estabelecimento de alíquotas aplicáveis às opera-
Senado Federal, juntando cópia da medida provisória, autenticada ções e prestações interestaduais e de exportação
pela Coordenação de Documentação da Presidência da República. (Constituição, art. 155, § 2o, IV);
c) indicação de autoridades. – Proposta de fixação de limites globais para o montante da
As mensagens que submetem ao Senado Federal a indicação dívida consolidada (Constituição, art. 52, VI);
de pessoas para ocuparem determinados cargos (magistrados dos – Pedido de autorização para operações financeiras externas
Tribunais Superiores, Ministros do TCU, Presidentes e Diretores do (Constituição, art. 52, V); e outros.
Banco Central, Procurador-Geral da República, Chefes de Missão Di- Entre as mensagens menos comuns estão as de:
plomática, etc.) têm em vista que a Constituição, no seu art. 52, inci- – Convocação extraordinária do Congresso Nacional (Constitui-
sos III e IV, atribui àquela Casa do Congresso Nacional competência ção, art. 57, § 6o);
privativa para aprovar a indicação. O curriculum vitae do indicado, – Pedido de autorização para exonerar o Procurador-Geral da
devidamente assinado, acompanha a mensagem. República (art. 52, XI, e 128, § 2o);
d) pedido de autorização para o Presidente ou o Vice-Presiden- – Pedido de autorização para declarar guerra e decretar mobi-
te da República se ausentarem do País por mais de 15 dias. Trata- lização nacional (Constituição, art. 84, XIX);
-se de exigência constitucional (Constituição, art. 49, III, e 83), e a – Pedido de autorização ou referendo para celebrar a paz
autorização é da competência privativa do Congresso Nacional. O (Constituição, art. 84, XX);

25
LÍNGUA PORTUGUESA
– Justificativa para decretação do estado de defesa ou de sua — Forma e Estrutura
prorrogação (Constituição, art. 136, § 4o); Os documentos enviados por fax mantêm a forma e a estrutura
– Pedido de autorização para decretar o estado de sítio (Cons- que lhes são inerentes. É conveniente o envio, juntamente com o
tituição, art. 137); documento principal, de folha de rosto, i. é., de pequeno formulário
– Relato das medidas praticadas na vigência do estado de sítio com os dados de identificação da mensagem a ser enviada, confor-
ou de defesa (Constituição, art. 141, parágrafo único); me exemplo a seguir:
– Proposta de modificação de projetos de leis financeiras
(Constituição, art. 166, § 5o); Correio Eletrônico
– Pedido de autorização para utilizar recursos que ficarem sem
despesas correspondentes, em decorrência de veto, emenda ou re- — Definição e finalidade
jeição do projeto de lei orçamentária anual (Constituição, art. 166, Correio eletrônico (“e-mail”), por seu baixo custo e celeridade,
§ 8o); transformou-se na principal forma de comunicação para transmis-
– Pedido de autorização para alienar ou conceder terras públi- são de documentos.
cas com área superior a 2.500 ha (Constituição, art. 188, § 1o); etc.
— Forma e Estrutura
— Forma e Estrutura Um dos atrativos de comunicação por correio eletrônico é sua
As mensagens contêm: flexibilidade. Assim, não interessa definir forma rígida para sua es-
a) a indicação do tipo de expediente e de seu número, horizon- trutura. Entretanto, deve-se evitar o uso de linguagem incompatí-
talmente, no início da margem esquerda: vel com uma comunicação oficial (v. 1.2 A Linguagem dos Atos e
Mensagem no Comunicações Oficiais). O campo assunto do formulário de correio
b) vocativo, de acordo com o pronome de tratamento e o cargo eletrônico mensagem deve ser preenchido de modo a facilitar a or-
do destinatário, horizontalmente, no início da margem esquerda; ganização documental tanto do destinatário quanto do remetente.
Excelentíssimo Senhor Presidente do Senado Federal, Para os arquivos anexados à mensagem deve ser utilizado, prefe-
c) o texto, iniciando a 2 cm do vocativo; rencialmente, o formato Rich Text. A mensagem que encaminha al-
d) o local e a data, verticalmente a 2 cm do final do texto, e gum arquivo deve trazer informações mínimas sobre seu conteúdo.
horizontalmente fazendo coincidir seu final com a margem direita. Sempre que disponível, deve-se utilizar recurso de confirmação de
leitura. Caso não seja disponível, deve constar na mensagem o pe-
A mensagem, como os demais atos assinados pelo Presidente dido de confirmação de recebimento.
da República, não traz identificação de seu signatário.
—Valor documental
Telegrama Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de
correio eletrônico tenha valor documental, i. é, para que possa ser
— Definição e Finalidade aceito como documento original, é necessário existir certificação di-
Com o fito de uniformizar a terminologia e simplificar os proce- gital que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida
dimentos burocráticos, passa a receber o título de telegrama toda em lei.
comunicação oficial expedida por meio de telegrafia, telex, etc. Por
tratar-se de forma de comunicação dispendiosa aos cofres públicos
e tecnologicamente superada, deve restringir-se o uso do telegra- EXERCÍCIOS
ma apenas àquelas situações que não seja possível o uso de correio
eletrônico ou fax e que a urgência justifique sua utilização e, tam-
bém em razão de seu custo elevado, esta forma de comunicação 1. (FMPA – MG)
deve pautar-se pela concisão (v. 1.4. Concisão e Clareza). Assinale o item em que a palavra destacada está incorretamen-
te aplicada:
— Forma e Estrutura (A) Trouxeram-me um ramalhete de flores fragrantes.
Não há padrão rígido, devendo-se seguir a forma e a estrutura (B) A justiça infligiu pena merecida aos desordeiros.
dos formulários disponíveis nas agências dos Correios e em seu sítio (C) Promoveram uma festa beneficiente para a creche.
na Internet. (D) Devemos ser fieis aos cumprimentos do dever.
(E) A cessão de terras compete ao Estado.
Fax
2. (UEPB – 2010)
— Definição e Finalidade Um debate sobre a diversidade na escola reuniu alguns, dos
O fax (forma abreviada já consagrada de fac-símile) é uma for- maiores nomes da educação mundial na atualidade.
ma de comunicação que está sendo menos usada devido ao desen-
volvimento da Internet. É utilizado para a transmissão de mensa- Carlos Alberto Torres
gens urgentes e para o envio antecipado de documentos, de cujo 1
O tema da diversidade tem a ver com o tema identidade. Por-
conhecimento há premência, quando não há condições de envio do tanto, 2quando você discute diversidade, um tema que cabe muito
documento por meio eletrônico. Quando necessário o original, ele no 3pensamento pós-modernista, está discutindo o tema da 4diver-
segue posteriormente pela via e na forma de praxe. Se necessário sidade não só em ideias contrapostas, mas também em 5identida-
o arquivamento, deve-se fazê-lo com cópia xerox do fax e não com des que se mexem, que se juntam em uma só pessoa. E 6este é um
o próprio fax, cujo papel, em certos modelos, se deteriora rapida- processo de aprendizagem. Uma segunda afirmação é 7que a diver-
mente. sidade está relacionada com a questão da educação 8e do poder. Se
a diversidade fosse a simples descrição 9demográfica da realidade e
a realidade fosse uma boa articulação 10dessa descrição demográ-
fica em termos de constante articulação 11democrática, você não

26
LÍNGUA PORTUGUESA
sentiria muito a presença do tema 12diversidade neste instante. Há Dentre todos os sinônimos apresentados no texto para o vo-
o termo diversidade porque há 13uma diversidade que implica o uso cábulo indiferença, o que melhor se aplica a ele, considerando-se
e o abuso de poder, de uma 14perspectiva ética, religiosa, de raça, o contexto, é
de classe. (A) ceticismo.
[…] (B) desdém.
(C) apatia.
Rosa Maria Torres (D) desinteresse.
15
O tema da diversidade, como tantos outros, hoje em dia, abre (E) negligência.
16
muitas versões possíveis de projeto educativo e de projeto 17po-
lítico e social. É uma bandeira pela qual temos que reivindicar, 18e 4. (CASAN – 2015) Observe as sentenças.
pela qual temos reivindicado há muitos anos, a necessidade 19de I. Com medo do escuro, a criança ascendeu a luz.
reconhecer que há distinções, grupos, valores distintos, e 20que a II. É melhor deixares a vida fluir num ritmo tranquilo.
escola deve adequar-se às necessidades de cada grupo. 21Porém, o III. O tráfico nas grandes cidades torna-se cada dia mais difícil
tema da diversidade também pode dar lugar a uma 22série de coisas para os carros e os pedestres.
indesejadas.
[…] Assinale a alternativa correta quanto ao uso adequado de ho-
Adaptado da Revista Pátio, Diversidade na educação: limites e possibi- mônimos e parônimos.
lidades. Ano V, nº 20, fev./abr. 2002, p. 29. (A) I e III.
(B) II e III.
Do enunciado “O tema da diversidade tem a ver com o tema (C) II apenas.
identidade.” (ref. 1), pode-se inferir que (D) Todas incorretas.
I – “Diversidade e identidade” fazem parte do mesmo campo
semântico, sendo a palavra “identidade” considerada um hiperôni- 5. (UFMS – 2009)
mo, em relação à “diversidade”. Leia o artigo abaixo, intitulado “Uma questão de tempo”, de
Miguel Sanches Neto, extraído da Revista Nova Escola Online, em
II – há uma relação de intercomplementariedade entre “diversi-
30/09/08. Em seguida, responda.
dade e identidade”, em função do efeito de sentido que se instaura
“Demorei para aprender ortografia. E essa aprendizagem con-
no paradigma argumentativo do enunciado.
tou com a ajuda dos editores de texto, no computador. Quando eu
III – a expressão “tem a ver” pode ser considerada de uso co-
cometia uma infração, pequena ou grande, o programa grifava em
loquial e indica nesse contexto um vínculo temático entre “diversi-
vermelho meu deslize. Fui assim me obrigando a escrever minima-
dade e identidade”.
mente do jeito correto.
Mas de meu tempo de escola trago uma grande descoberta,
Marque a alternativa abaixo que apresenta a(s) proposi- a do monstro ortográfico. O nome dele era Qüeqüi Güegüi. Sim,
ção(ões) verdadeira(s). esse animal existiu de fato. A professora de Português nos disse que
(A) I, apenas devíamos usar trema nas sílabas qüe, qüi, güe e güi quando o u é
(B) II e III pronunciado. Fiquei com essa expressão tão sonora quanto enig-
(C) III, apenas mática na cabeça.
(D) II, apenas Quando meditava sobre algum problema terrível – pois na pré-
(E) I e II -adolescência sempre temos problemas terríveis –, eu tentava me
libertar da coisa repetindo em voz alta: “Qüeqüi Güegüi”. Se numa
3. (UNIFOR CE – 2006) prova de Matemática eu não conseguia me lembrar de uma fórmu-
Dia desses, por alguns momentos, a cidade parou. As televi- la, lá vinham as palavras mágicas.
sões hipnotizaram os espectadores que assistiram, sem piscar, ao Um desses problemas terríveis, uma namorada, ouvindo minha
resgate de uma mãe e de uma filha. Seu automóvel caíra em um evocação, quis saber o que era esse tal de Qüeqüi Güegüi.
rio. Assisti ao evento em um local público. Ao acabar o noticiário, o – Você nunca ouviu falar nele? – perguntei.
silêncio em volta do aparelho se desfez e as pessoas retomaram as – Ainda não fomos apresentados – ela disse.
suas ocupações habituais. Os celulares recomeçaram a tocar. Per- – É o abominável monstro ortográfico – fiz uma falsa voz de
guntei-me: indiferença? Se tomarmos a definição ao pé da letra, terror.
indiferença é sinônimo de desdém, de insensibilidade, de apatia e – E ele faz o quê?
de negligência. Mas podemos considerá-la também uma forma de – Atrapalha a gente na hora de escrever.
ceticismo e desinteresse, um “estado físico que não apresenta nada Ela riu e se desinteressou do assunto. Provavelmente não sabia
de particular”; enfim, explica o Aurélio, uma atitude de neutralida- usar trema nem se lembrava da regrinha.
de. Aos poucos, eu me habituei a colocar as letras e os sinais no
Conclusão? Impassíveis diante da emoção, imperturbáveis lugar certo. Como essa aprendizagem foi demorada, não sei se con-
diante da paixão, imunes à angústia, vamos hoje burilando nossa seguirei escrever de outra forma – agora que teremos novas regras.
indiferença. Não nos indignamos mais! À distância de tudo, segui- Por isso, peço desde já que perdoem meus futuros erros, que servi-
mos surdos ao barulho do mundo lá fora. Dos movimentos de mas- rão ao menos para determinar minha idade.
sa “quentes” (lembram-se do “Diretas Já”?) onde nos fundíamos na – Esse aí é do tempo do trema.”
igualdade, passamos aos gestos frios, nos quais indiferença e dis-
tância são fenômenos inseparáveis. Neles, apesar de iguais, somos Assinale a alternativa correta.
estrangeiros ao destino de nossos semelhantes. […] (A) As expressões “monstro ortográfico” e “abominável mons-
(Mary Del Priore. Histórias do cotidiano. São Paulo: Contexto, 2001. tro ortográfico” mantêm uma relação hiperonímica entre si.
p.68) (B) Em “– Atrapalha a gente na hora de escrever”, conforme
a norma culta do português, a palavra “gente” pode ser substi-
tuída por “nós”.

27
LÍNGUA PORTUGUESA
(C) A frase “Fui-me obrigando a escrever minimamente do (A) ligar duas orações que querem dizer exatamente a mesma
jeito correto”, o emprego do pronome oblíquo átono está coisa.
correto de acordo com a norma culta da língua portuguesa. (B) separar acontecimentos que se sucedem cronologicamen-
(D) De acordo com as explicações do autor, as palavras pregüi- te.
ça e tranqüilo não serão mais grafadas com o trema. (C) ligar duas observações contrárias acerca do mesmo assunto.
(E) A palavra “evocação” (3° parágrafo) pode ser substituída (D) apresentar uma alternativa para a primeira ideia expressa.
no texto por “recordação”, mas haverá alteração de sentido. (E) introduzir uma conclusão após os argumentos apresentados.

6. (FMU) Leia as expressões destacadas na seguinte passagem: 12. (IBFC – 2013) Leia as sentenças:
“E comecei a sentir falta das pequenas brigas por causa do tempero É preciso que ela se encante por mim!
na salada – o meu jeito de querer bem.” Chegou à conclusão de que saiu no prejuízo.
Tais expressões exercem, respectivamente, a função sintática
de: Assinale abaixo a alternativa que classifica, correta e respecti-
(A) objeto indireto e aposto vamente, as orações subordinadas substantivas (O.S.S.) destacadas:
(B) objeto indireto e predicativo do sujeito (A) O.S.S. objetiva direta e O.S.S. objetiva indireta.
(C) complemento nominal e adjunto adverbial de modo (B) O.S.S. subjetiva e O.S.S. completiva nominal
(D) complemento nominal e aposto (C) O.S.S. subjetiva e O.S.S. objetiva indireta.
(E) adjunto adnominal e adjunto adverbial de modo (D) O.S.S. objetiva direta e O.S.S. completiva nominal.

7. (PUC-SP) Dê a função sintática do termo destacado em: “De- 13. (ADVISE-2013) Todos os enunciados abaixo correspondem
pressa esqueci o Quincas Borba”. a orações subordinadas substantivas, exceto:
(A) objeto direto (A) Espero sinceramente isto: que vocês não faltem mais.
(B) sujeito (B) Desejo que ela volte.
(C) agente da passiva (C) Gostaria de que todos me apoiassem.
(D) adjunto adverbial (D) Tenho medo de que esses assessores me traiam.
(E) aposto (E) Os jogadores que foram convocados apresentaram-se
ontem.
8. (MACK-SP) Aponte a alternativa que expressa a função sintá-
tica do termo destacado: “Parece enfermo, seu irmão”. 14. (PUC-SP) “Pode-se dizer que a tarefa é puramente formal.”
(A) Sujeito No texto acima temos uma oração destacada que é ________e
(B) Objeto direto um “se” que é . ________.
(C) Predicativo do sujeito (A) substantiva objetiva direta, partícula apassivadora
(D) Adjunto adverbial (B) substantiva predicativa, índice de indeterminação do sujeito
(E) Adjunto adnominal (C) relativa, pronome reflexivo
(D) substantiva subjetiva, partícula apassivadora
9. (OSEC-SP) “Ninguém parecia disposto ao trabalho naquela (E) adverbial consecutiva, índice de indeterminação do sujeito
manhã de segunda-feira”.
(A) Predicativo 15. (UEMG) “De repente chegou o dia dos meus setenta anos.
(B) Complemento nominal Fiquei entre surpresa e divertida, setenta, eu? Mas tudo parece
(C) Objeto indireto ter sido ontem! No século em que a maioria quer ter vinte anos
(D) Adjunto adverbial (trinta a gente ainda aguenta), eu estava fazendo setenta. Pior: du-
(E) Adjunto adnominal vidando disso, pois ainda escutava em mim as risadas da menina
que queria correr nas lajes do pátio quando chovia, que pescava
10. (MACK-SP) “Não se fazem motocicletas como antigamen- lambaris com o pai no laguinho, que chorava em filme do Gordo e
te”. O termo destacado funciona como: Magro, quando a mãe a levava à matinê. (Eu chorava alto com pena
(A) Objeto indireto dos dois, a mãe ficava furiosa.)
(B) Objeto direto A menina que levava castigo na escola porque ria fora de hora,
(C) Adjunto adnominal porque se distraía olhando o céu e nuvens pela janela em lugar de
(D) Vocativo prestar atenção, porque devagarinho empurrava o estojo de lápis
(E) Sujeito até a beira da mesa, e deixava cair com estrondo sabendo que os
meninos, mais que as meninas, se botariam de quatro catando lá-
11. (UFRJ) Esparadrapo pis, canetas, borracha – as tediosas regras de ordem e quietude se-
Há palavras que parecem exatamente o que querem dizer. “Es- riam rompidas mais uma vez.
paradrapo”, por exemplo. Quem quebrou a cara fica mesmo com Fazendo a toda hora perguntas loucas, ela aborrecia os pro-
cara de esparadrapo. No entanto, há outras, aliás de nobre sentido, fessores e divertia a turma: apenas porque não queria ser diferente,
que parecem estar insinuando outra coisa. Por exemplo, “incuná- queria ser amada, queria ser natural, não queria que soubessem que
bulo*”. ela, doze anos, além de histórias em quadrinhos e novelinhas açuca-
QUINTANA, Mário. Da preguiça como método de trabalho. Rio de radas, lia teatro grego – sem entender – e achava emocionante.
Janeiro, Globo. 1987. p. 83. (E até do futuro namorado, aos quinze anos, esconderia isso.)
*Incunábulo: [do lat. Incunabulu; berço]. Adj. 1- Diz-se do livro O meu aniversário: primeiro pensei numa grande celebração,
impresso até o ano de 1500./ S.m. 2 – Começo, origem. eu que sou avessa a badalações e gosto de grupos bem pequenos.
Mas pensei, setenta vale a pena! Afinal já é bastante tempo! Logo
A locução “No entanto” tem importante papel na estrutura do me dei conta de que hoje setenta é quase banal, muita gente com
texto. Sua função resume-se em: oitenta ainda está ativo e presente.

28
LÍNGUA PORTUGUESA
Decidi apenas reunir filhos e amigos mais chegados (tarefa difí- 20. (IBGE) Indique a opção correta, no que se refere à concor-
cil, escolher), e deixar aquela festona para outra década.” dância verbal, de acordo com a norma culta:
LUFT, 2014, p.104-105 (A) Haviam muitos candidatos esperando a hora da prova.
(B) Choveu pedaços de granizo na serra gaúcha.
Leia atentamente a oração destacada no período a seguir: (C) Faz muitos anos que a equipe do IBGE não vem aqui.
“(...) pois ainda escutava em mim as risadas da menina que (D) Bateu três horas quando o entrevistador chegou.
queria correr nas lajes do pátio (...)” (E) Fui eu que abriu a porta para o agente do censo.

Assinale a alternativa em que a oração em negrito e sublinhada 21. (FUVEST – 2001) A única frase que NÃO apresenta desvio
apresenta a mesma classificação sintática da destacada acima. em relação à regência (nominal e verbal) recomendada pela norma
(A) “A menina que levava castigo na escola porque ria fora de culta é:
hora (...)” (A) O governador insistia em afirmar que o assunto principal
(B) “(...) e deixava cair com estrondo sabendo que os meninos, seria “as grandes questões nacionais”, com o que discordavam
mais que as meninas, se botariam de quatro catando lápis, líderes pefelistas.
canetas, borracha (...)” (B) Enquanto Cuba monopolizava as atenções de um clube,
(C) “(...) não queria que soubessem que ela (...)” do qual nem sequer pediu para integrar, a situação dos outros
(D) “Logo me dei conta de que hoje setenta é quase banal países passou despercebida.
(...)” (C) Em busca da realização pessoal, profissionais escolhem a
dedo aonde trabalhar, priorizando à empresas com atuação
16. (FUNRIO – 2012) “Todos querem que nós social.
____________________.” (D) Uma família de sem-teto descobriu um sofá deixado por
um morador não muito consciente com a limpeza da cidade.
Apenas uma das alternativas completa coerente e adequada- (E) O roteiro do filme oferece uma versão de como consegui-
mente a frase acima. Assinale-a. mos um dia preferir a estrada à casa, a paixão e o sonho à
(A) desfilando pelas passarelas internacionais.
regra, a aventura à repetição.
(B) desista da ação contra aquele salafrário.
(C) estejamos prontos em breve para o trabalho.
22. (FUVEST) Assinale a alternativa que preenche corretamen-
(D) recuperássemos a vaga de motorista da firma.
te as lacunas correspondentes.
(E) tentamos aquele emprego novamente.
A arma ___ se feriu desapareceu.
Estas são as pessoas ___ lhe falei.
17. (ITA - 1997) Assinale a opção que completa corretamente
Aqui está a foto ___ me referi.
as lacunas do texto a seguir:
“Todas as amigas estavam _______________ ansiosas Encontrei um amigo de infância ___ nome não me lembrava.
_______________ ler os jornais, pois foram informadas de que as Passamos por uma fazenda ___ se criam búfalos.
críticas foram ______________ indulgentes ______________ ra-
paz, o qual, embora tivesse mais aptidão _______________ ciên- (A) que, de que, à que, cujo, que.
cias exatas, demonstrava uma certa propensão _______________ (B) com que, que, a que, cujo qual, onde.
arte.” (C) com que, das quais, a que, de cujo, onde.
(A) meio - para - bastante - para com o - para - para a (D) com a qual, de que, que, do qual, onde.
(B) muito - em - bastante - com o - nas - em (E) que, cujas, as quais, do cujo, na cuja.
(C) bastante - por - meias - ao - a - à
(D) meias - para - muito - pelo - em - por 23. (FESP) Observe a regência verbal e assinale a opção falsa:
(E) bem - por - meio - para o - pelas – na (A) Avisaram-no que chegaríamos logo.
(B) Informei-lhe a nota obtida.
18. (Mackenzie) Há uma concordância inaceitável de acordo (C) Os motoristas irresponsáveis, em geral, não obedecem aos
com a gramática: sinais de trânsito.
I - Os brasileiros somos todos eternos sonhadores. (D) Há bastante tempo que assistimos em São Paulo.
II - Muito obrigadas! – disseram as moças. (E) Muita gordura não implica saúde.
III - Sr. Deputado, V. Exa. Está enganada.
IV - A pobre senhora ficou meio confusa. 24. (IBGE) Assinale a opção em que todos os adjetivos devem
V - São muito estudiosos os alunos e as alunas deste curso. ser seguidos pela mesma preposição:
(A) ávido / bom / inconsequente
(A) em I e II (B) indigno / odioso / perito
(B) apenas em IV (C) leal / limpo / oneroso
(C) apenas em III (D) orgulhoso / rico / sedento
(D) em II, III e IV (E) oposto / pálido / sábio
(E) apenas em II
25. (TRE-MG) Observe a regência dos verbos das frases reescri-
19. (CESCEM–SP) Já ___ anos, ___ neste local árvores e flores. tas nos itens a seguir:
Hoje, só ___ ervas daninhas. I - Chamaremos os inimigos de hipócritas. Chamaremos aos ini-
(A) fazem, havia, existe migos de hipócritas;
(B) fazem, havia, existe II - Informei-lhe o meu desprezo por tudo. Informei-lhe do meu
(C) fazem, haviam, existem desprezo por tudo;
(D) faz, havia, existem III - O funcionário esqueceu o importante acontecimento. O
(E) faz, havia, existe funcionário esqueceu-se do importante acontecimento.

29
LÍNGUA PORTUGUESA
A frase reescrita está com a regência correta em: 31. (VUNESP/2017 – TJ-SP) Assinale a alternativa em que todas
(A) I apenas as palavras estão corretamente grafadas, considerando-se as regras
(B) II apenas de acentuação da língua padrão.
(C) III apenas (A) Remígio era homem de carater, o que surpreendeu D.
(D) I e III apenas Firmina, que aceitou o matrimônio de sua filha.
(E) I, II e III (B) O consôlo de Fadinha foi ver que Remígio queria desposa-
-la apesar de sua beleza ter ido embora depois da doença.
26. (INSTITUTO AOCP/2017 – EBSERH) Assinale a alternativa (C) Com a saúde de Fadinha comprometida, Remígio não con-
em que todas as palavras estão adequadamente grafadas. seguia se recompôr e viver tranquilo.
(A) Silhueta, entretenimento, autoestima. (D) Com o triúnfo do bem sobre o mal, Fadinha se recuperou,
(B) Rítimo, silueta, cérebro, entretenimento. Remígio resolveu pedí-la em casamento.
(C) Altoestima, entreterimento, memorização, silhueta. (E) Fadinha não tinha mágoa por não ser mais tão bela; agora,
(D) Célebro, ansiedade, auto-estima, ritmo. interessava-lhe viver no paraíso com Remígio.
(E) Memorização, anciedade, cérebro, ritmo.
32. (PUC-RJ) Aponte a opção em que as duas palavras são acen-
27. (ALTERNATIVE CONCURSOS/2016 – CÂMARA DE BANDEI- tuadas devido à mesma regra:
RANTES-SC) Algumas palavras são usadas no nosso cotidiano de (A) saí – dói
forma incorreta, ou seja, estão em desacordo com a norma culta (B) relógio – própria
padrão. Todas as alternativas abaixo apresentam palavras escritas (C) só – sóis
erroneamente, exceto em: (D) dá – custará
(A) Na bandeija estavam as xícaras antigas da vovó. (E) até – pé
(B) É um privilégio estar aqui hoje.
(C) Fiz a sombrancelha no salão novo da cidade. 33. (UEPG ADAPTADA) Sobre a acentuação gráfica das palavras
(D) A criança estava com desinteria. agradável, automóvel e possível, assinale o que for correto.
(E) O bebedoro da escola estava estragado. (A) Em razão de a letra L no final das palavras transferir a
tonicidade para a última sílaba, é necessário que se marque
28. (SEDUC/SP – 2018) Preencha as lacunas das frases abaixo graficamente a sílaba tônica das paroxítonas terminadas em
com “por que”, “porque”, “por quê” ou “porquê”. Depois, assinale a L, se isso não fosse feito, poderiam ser lidas como palavras
alternativa que apresenta a ordem correta, de cima para baixo, de oxítonas.
classificação. (B) São acentuadas porque são proparoxítonas terminadas em
“____________ o céu é azul?” L.
“Meus pais chegaram atrasados, ____________ pegaram trân- (C) São acentuadas porque são oxítonas terminadas em L.
sito pelo caminho.” (D) São acentuadas porque terminam em ditongo fonético –
“Gostaria muito de saber o ____________ de você ter faltado eu.
ao nosso encontro.” (E) São acentuadas porque são paroxítonas terminadas em L.
“A Alemanha é considerada uma das grandes potências mun-
diais. ____________?” 34. (IFAL – 2016 ADAPTADA) Quanto à acentuação das palavras,
(A) Porque – porquê – por que – Por quê assinale a afirmação verdadeira.
(B) Porque – porquê – por que – Por quê (A) A palavra “tendem” deveria ser acentuada graficamente,
(C) Por que – porque – porquê – Por quê como “também” e “porém”.
(D) Porquê – porque – por quê – Por que (B) As palavras “saíra”, “destruída” e “aí” acentuam-se pela
(E) Por que – porque – por quê – Porquê mesma razão.
(C) O nome “Luiz” deveria ser acentuado graficamente, pela
29. (CEITEC – 2012) Os vocábulos Emergir e Imergir são parô- mesma razão que a palavra “país”.
nimos: empregar um pelo outro acarreta grave confusão no que (D) Os vocábulos “é”, “já” e “só” recebem acento por constitu-
se quer expressar. Nas alternativas abaixo, só uma apresenta uma írem monossílabos tônicos fechados.
frase em que se respeita o devido sentido dos vocábulos, selecio- (E) Acentuam-se “simpática”, “centímetros”, “simbólica” por-
nando convenientemente o parônimo adequado à frase elaborada. que todas as paroxítonas são acentuadas.
Assinale-a.
(A) A descoberta do plano de conquista era eminente. 35. (MACKENZIE) Indique a alternativa em que nenhuma pala-
(B) O infrator foi preso em flagrante. vra é acentuada graficamente:
(C) O candidato recebeu despensa das duas últimas provas. (A) lapis, canoa, abacaxi, jovens
(D) O metal delatou ao ser submetido à alta temperatura. (B) ruim, sozinho, aquele, traiu
(E) Os culpados espiam suas culpas na prisão. (C) saudade, onix, grau, orquídea
(D) voo, legua, assim, tênis
30. (FMU) Assinale a alternativa em que todas as palavras estão (E) flores, açucar, album, virus
grafadas corretamente.
(A) paralisar, pesquisar, ironizar, deslizar 36. (IFAL - 2011)
(B) alteza, empreza, francesa, miudeza
(C) cuscus, chimpazé, encharcar, encher Parágrafo do Editorial “Nossas crianças, hoje”.
(D) incenso, abcesso, obsessão, luxação
(E) chineza, marquês, garrucha, meretriz “Oportunamente serão divulgados os resultados de tão impor-
tante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos sentimos na
pele e na alma a dor dos mais altos índices de sofrimento da infân-

30
LÍNGUA PORTUGUESA
cia mais pobre. Nosso Estado e nossa região padece de índices vergonhosos no tocante à mortalidade infantil, à educação básica e tantos
outros indicadores terríveis.” (Gazeta de Alagoas, seção Opinião, 12.10.2010)
O primeiro período desse parágrafo está corretamente pontuado na alternativa:
(A) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão importante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos, sentimos
na pele e na alma a dor dos mais altos índices de sofrimento da infância mais pobre.”
(B) “Oportunamente serão divulgados os resultados de tão importante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos sentimos,
na pele e na alma, a dor dos mais altos índices de sofrimento da infância mais pobre.”
(C) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão importante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos, sentimos
na pele e na alma, a dor dos mais altos índices de sofrimento da infância mais pobre.”
(D) “Oportunamente serão divulgados os resultados de tão importante encontro, mas, enquanto nordestinos e alagoanos sentimos,
na pele e na alma a dor dos mais altos índices de sofrimento, da infância mais pobre.”
(E) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão importante encontro, mas, enquanto nordestinos e alagoanos, sentimos,
na pele e na alma, a dor dos mais altos índices de sofrimento da infância mais pobre.”

37. (F.E. BAURU) Assinale a alternativa em que há erro de pontuação:


(A) Era do conhecimento de todos a hora da prova, mas, alguns se atrasaram.
(B) A hora da prova era do conhecimento de todos; alguns se atrasaram, porém.
(C) Todos conhecem a hora da prova; não se atrasem, pois.
(D) Todos conhecem a hora da prova, portanto não se atrasem.
(E) N.D.A

38. (VUNESP – 2020) Assinale a alternativa correta quanto à pontuação.


(A) Colaboradores da Universidade Federal do Paraná afirmaram: “Os cristais de urato podem provocar graves danos nas articula-
ções.”.
(B) A prescrição de remédios e a adesão, ao tratamento, por parte dos pacientes são baixas.
(C) É uma inflamação, que desencadeia a crise de gota; diagnosticada a partir do reconhecimento de intensa dor, no local.
(D) A ausência de dor não pode ser motivo para a interrupção do tratamento conforme o editorial diz: – (é preciso que o doente
confie em seu médico).
(E) A qualidade de vida, do paciente, diminui pois a dor no local da inflamação é bastante intensa!

39. (ENEM – 2018)

Física com a boca


Por que nossa voz fica tremida ao falar na frente do ventilador?
Além de ventinho, o ventilador gera ondas sonoras. Quando você não tem mais o que fazer e fica falando na frente dele, as ondas da
voz se propagam na direção contrária às do ventilador. Davi Akkerman – presidente da Associação Brasileira para a Qualidade Acústica – diz
que isso causa o mismatch, nome bacana para o desencontro entre as ondas. “O vento também contribui para a distorção da voz, pelo fato
de ser uma vibração que influencia no som”, diz. Assim, o ruído do ventilador e a influência do vento na propagação das ondas contribuem
para distorcer sua bela voz.
Disponível em: http://super.abril.com.br. Acesso em: 30 jul. 2012 (adaptado).

Sinais de pontuação são símbolos gráficos usados para organizar a escrita e ajudar na compreensão da mensagem. No texto, o sentido
não é alterado em caso de substituição dos travessões por
(A) aspas, para colocar em destaque a informação seguinte
(B) vírgulas, para acrescentar uma caracterização de Davi Akkerman.
(C) reticências, para deixar subetendida a formação do especialista.
(D) dois-pontos, para acrescentar uma informação introduzida anteriormente.
(E) ponto e vírgula, para enumerar informações fundamentais para o desenvolvimento temático.

31
LÍNGUA PORTUGUESA
40. (FCC – 2020)

A supressão da vírgula altera o sentido da seguinte frase:


(A) O segundo é o “capitalismo de Estado”, que confia ao governo a tarefa de estabelecer a direção da economia.
(B) milhões prosperaram, à medida que empresas abriam mercados.
(C) Por fim, executivos e investidores começaram a reconhecer que seu sucesso em longo prazo está intimamente ligado ao de seus
clientes.
(D) De início, um novo indicador de “criação de valor compartilhado” deveria incluir metas ecológicas.
(E) Na verdade, esse deveria ser seu propósito definitivo.

41. (CESGRANRIO - RJ) As palavras esquartejar, desculpa e irreconhecível foram formadas, respectivamente, pelos processos de:
(A) sufixação - prefixação – parassíntese
(B) sufixação - derivação regressiva – prefixação
(C) composição por aglutinação - prefixação – sufixação
(D) parassíntese - derivação regressiva – prefixação
(E) parassíntese - derivação imprópria - parassíntese

42. (UFSC) Aponte a alternativa cujas palavras são respectivamente formadas por justaposição, aglutinação e parassíntese:
(A) varapau - girassol - enfaixar
(B) pontapé - anoitecer - ajoelhar
(C) maldizer - petróleo - embora
(D) vaivém - pontiagudo - enfurece
(E) penugem - plenilúnio - despedaça

32
LÍNGUA PORTUGUESA
43. (CESGRANRIO) Assinale a opção em que nem todas as pala- 47. (UFMG-ADAPTADA) As expressões em negrito correspon-
vras são de um mesmo radical: dem a um adjetivo, exceto em:
(A) noite, anoitecer, noitada (A) João Fanhoso anda amanhecendo sem entusiasmo.
(B) luz, luzeiro, alumiar (B) Demorava-se de propósito naquele complicado banho.
(C) incrível, crente, crer (C) Os bichos da terra fugiam em desabalada carreira.
(D) festa, festeiro, festejar (D) Noite fechada sobre aqueles ermos perdidos da caatinga
(E) riqueza, ricaço, enriquecer sem fim.
(E) E ainda me vem com essa conversa de homem da roça.
44. (FUVEST-SP) Foram formadas pelo mesmo processo as se-
guintes palavras: 48. (UMESP) Na frase “As negociações estariam meio abertas
(A) vendavais, naufrágios, polêmicas só depois de meio período de trabalho”, as palavras destacadas são,
(B) descompõem, desempregados, desejava respectivamente:
(C) estendendo, escritório, espírito (A) adjetivo, adjetivo
(D) quietação, sabonete, nadador (B) advérbio, advérbio
(E) religião, irmão, solidão (C) advérbio, adjetivo
(D) numeral, adjetivo
45. (FUVEST) Assinale a alternativa em que uma das palavras (E) numeral, advérbio
não é formada por prefixação:
(A) readquirir, predestinado, propor 49. (ITA-SP)
(B) irregular, amoral, demover Beber é mal, mas é muito bom.
(C) remeter, conter, antegozar (FERNANDES, Millôr. Mais! Folha de S. Paulo, 5 ago. 2001, p. 28.)
(D) irrestrito, antípoda, prever
(E) dever, deter, antever A palavra “mal”, no caso específico da frase de Millôr, é:
(A) adjetivo
46. (UNIFESP - 2015) Leia o seguinte texto: (B) substantivo
Você conseguiria ficar 99 dias sem o Facebook? (C) pronome
Uma organização não governamental holandesa está propondo (D) advérbio
um desafio que muitos poderão considerar impossível: ficar 99 dias (E) preposição
sem dar nem uma “olhadinha” no Facebook. O objetivo é medir o
grau de felicidade dos usuários longe da rede social. 50. (PUC-SP) “É uma espécie... nova... completamente nova!
O projeto também é uma resposta aos experimentos psicológi- (Mas já) tem nome... Batizei-(a) logo... Vou-(lhe) mostrar...”. Sob o
cos realizados pelo próprio Facebook. A diferença neste caso é que ponto de vista morfológico, as palavras destacadas correspondem
o teste é completamente voluntário. Ironicamente, para poder par- pela ordem, a:
ticipar, o usuário deve trocar a foto do perfil no Facebook e postar (A) conjunção, preposição, artigo, pronome
um contador na rede social. (B) advérbio, advérbio, pronome, pronome
Os pesquisadores irão avaliar o grau de satisfação e felicidade (C) conjunção, interjeição, artigo, advérbio
dos participantes no 33º dia, no 66º e no último dia da abstinência. (D) advérbio, advérbio, substantivo, pronome
Os responsáveis apontam que os usuários do Facebook gastam (E) conjunção, advérbio, pronome, pronome
em média 17 minutos por dia na rede social. Em 99 dias sem acesso,
a soma média seria equivalente a mais de 28 horas, 2que poderiam
ser utilizadas em “atividades emocionalmente mais realizadoras”. GABARITO
(http://codigofonte.uol.com.br. Adaptado.)

Após ler o texto acima, examine as passagens do primeiro pa- 1 C


rágrafo: “Uma organização não governamental holandesa está pro-
pondo um desafio” “O objetivo é medir o grau de felicidade dos 2 B
usuários longe da rede social.” 3 D
A utilização dos artigos destacados justifica-se em razão:
(A) da retomada de informações que podem ser facilmen- 4 C
te depreendidas pelo contexto, sendo ambas equivalentes 5 C
semanticamente.
6 A
(B) de informações conhecidas, nas duas ocorrências, sendo
possível a troca dos artigos nos enunciados, pois isso não 7 D
alteraria o sentido do texto. 8 C
(C) da generalização, no primeiro caso, com a introdução de
informação conhecida, e da especificação, no segundo, com 9 B
informação nova. 10 E
(D) da introdução de uma informação nova, no primeiro caso,
e da retomada de uma informação já conhecida, no segundo. 11 C
(E) de informações novas, nas duas ocorrências, motivo pelo 12 B
qual são introduzidas de forma mais generalizada
13 E
14 B

33
LÍNGUA PORTUGUESA

15 A ANOTAÇÕES
16 C
17 A ______________________________________________________
18 C ______________________________________________________
19 D
______________________________________________________
20 C
21 E ______________________________________________________

22 C ______________________________________________________
23 A
______________________________________________________
24 D
______________________________________________________
25 E
26 A ______________________________________________________
27 B ______________________________________________________
28 C
______________________________________________________
29 B
30 A ______________________________________________________

31 E ______________________________________________________
32 B ______________________________________________________
33 E
______________________________________________________
34 B
35 B ______________________________________________________
36 E ______________________________________________________
37 A
______________________________________________________
38 A
39 B ______________________________________________________

40 A ______________________________________________________
41 D ______________________________________________________
42 D
______________________________________________________
43 B
44 D ______________________________________________________
45 E ______________________________________________________
46 D
_____________________________________________________
47 B
_____________________________________________________
48 B
49 B ______________________________________________________
50 E ______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

34
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
1. Ética E Moral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Ética, Princípios E Valores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
3. Ética E Democracia: Exercício Da Cidadania . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
4. Ética E Função Pública . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
5. Ética No Setor Público . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
6. Lei estadual nº 6.754/2006 (Código de Ética Funcional do Servidor Público do Estado de Alagoas) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO

ÉTICA E MORAL ÉTICA, PRINCÍPIOS E VALORES

São duas ciências de conhecimento que se diferenciam, no Princípios, Valores e Virtudes


entanto, tem muitas interligações entre elas. Princípios são preceitos, leis ou pressupostos considerados
A moral se baseia em regras que fornecem uma certa previsão so- universais que definem as regras pela qual uma sociedade civiliza-
bre os atos humanos. A moral estabelece regras que devem ser assu- da deve se orientar.
midas pelo homem, como uma maneira de garantia do seu bem viver. Em qualquer lugar do mundo, princípios são incontestáveis,
A moral garante uma identidade entre pessoas que podem até não se pois, quando adotados não oferecem resistência alguma. Enten-
conhecer, mas utilizam uma mesma refêrencia de Moral entre elas. de-se que a adoção desses princípios está em consonância com o
A Ética já é um estudo amplo do que é bem e do que é mal. pensamento da sociedade e vale tanto para a elaboração da cons-
O objetivo da ética é buscar justificativas para o cumprimento das tituição de um país quanto para acordos políticos entre as nações
regras propostas pela Moral. É diferente da Moral, pois não esta- ou estatutos de condomínio.
belece regras. A reflexão sobre os atos humanos é que caracteri- O princípios se aplicam em todas as esferas, pessoa, profissio-
zam o ser humano ético. nal e social, eis alguns exemplos: amor, felicidade, liberdade, paz
Ter Ética é fazer a coisa certa com base no motivo certo. e plenitude são exemplos de princípios considerados universais.
Ter Ética é ter um comportamento que os outros julgam Como cidadãos – pessoas e profissionais -, esses princípios
como correto. fazem parte da nossa existência e durante uma vida estaremos
A noção de Ética é, portanto, muito ampla e inclui vários prin- lutando para torná-los inabaláveis. Temos direito a todos eles,
cípios básicos e transversais que são: contudo, por razões diversas, eles não surgem de graça. A base
1. O da Integridade – Devemos agir com base em princípios dos nossos princípios é construída no seio da família e, em muitos
e valores e não em função do que é mais fácil ou do que nos trás casos, eles se perdem no meio do caminho.
mais benefícios De maneira geral, os princípios regem a nossa existência e
2. O da Confiança/Credibilidade – Devemos agir com coerên- são comuns a todos os povos, culturas, eras e religiões, queiramos
cia e consistência, quer na ação, quer na comunicação. ou não. Quem age diferente ou em desacordo com os princípios
3. O da Responsabilidade – Devemos assumir a responsabili- universais acaba sendo punido pela sociedade e sofre todas as
dade pelos nossos atos, o que implica, cumprir com todos os nos- consequências.
sos deveres profissionais. Valores são normas ou padrões sociais geralmente aceitos ou
4. O de Justiça – As nossas decisões devem ser suportadas, mantidos por determinado indivíduo, classe ou sociedade, por-
transparentes e objetivas, tratando da mesma forma, aquilo que
tanto, em geral, dependem basicamente da cultura relacionada
é igual ou semelhante.
com o ambiente onde estamos inseridos. É comum existir certa
5. O da Lealdade – Devemos agir com o mesmo espírito de
confusão entre valores e princípios, todavia, os conceitos e as
lealdade profissional e de transparência, que esperamos dos ou-
aplicações são diferentes.
tros.
Diferente dos princípios, os valores são pessoais, subjetivos
6. O da Competência – Devemos apenas aceitar as funções
e, acima de tudo, contestáveis. O que vale para você não vale ne-
para as quais tenhamos os conhecimentos e a experiência que o
cessariamente para os demais colegas de trabalho. Sua aplicação
exercício dessas funções requer.
pode ou não ser ética e depende muito do caráter ou da persona-
7. O da Independência – Devemos assegurar, no exercício de
funções de interesse público, que as nossas opiniões, não são in- lidade da pessoa que os adota.
fluenciadas, por fatores alheios a esse interesse público. Na prática, é muito mais simples ater-se aos valores do que
aos princípios, pois este último exige muito de nós. Os valores
Abaixo, alguns Desafios Éticos com que nos defrontamos dia- completamente equivocados da nossa sociedade – dinheiro, su-
riamente: cesso, luxo e riqueza – estão na ordem do dia, infelizmente. Todos
1. Se não é proibido/ilegal, pode ser feito – É óbvio que, exis- os dias somos convidados a negligenciar os princípios e adotar os
tem escolhas, que embora, não estando especificamente referidas, valores ditados pela sociedade.
na lei ou nas normas, como proibidas, não devem ser tomadas. Virtudes, segundo o Aurélio, são disposições constantes do
2. Todos os outros fazem isso – Ao longo da história da hu- espírito, as quais, por um esforço da vontade, inclinam à prática
manidade, o homem esforçou-se sempre, para legitimar o seu do bem. Aristóteles afirmava que há duas espécies de virtudes:
comportamento, mesmo quando, utiliza técnicas eticamente re- a intelectual e a moral. A primeira deve, em grande parte, sua
prováveis. geração e crescimento ao ensino, e por isso requer experiência e
tempo; ao passo que a virtude moral é adquirida com o resultado
Nas organizações, é a ética no gerenciamento das informa- do hábito.
ções que vem causando grandes preocupações, devido às conse- Segundo Aristóteles, nenhuma das virtudes morais surge em
quências que esse descuido pode gerar nas operações internas e nós por natureza, visto que nada que existe por natureza pode
externas. Pelo Código de Ética do Administrador capítulo I, art. 1°, ser alterado pela força do hábito, portanto, virtudes nada mais
inc. II, um dos deveres é: “manter sigilo sobre tudo o que souber são do que hábitos profundamente arraigados que se originam do
em função de sua atividade profissional”, ou seja, a manutenção meio onde somos criados e condicionados através de exemplos e
em segredo de toda e qualquer informação que tenha valor para comportamentos semelhantes.
a organização é responsabilidade do profissional que teve acesso Uma pessoa pode ter valores e não ter princípios. Hitler, por
à essa informação, podendo esse profissional que ferir esse sigilo exemplo, conhecia os princípios, mas preferiu ignorá-los e adotar
responder até mesmo criminalmente. valores como a supremacia da raça ariana, a aniquilação da oposi-
ção e a dominação pela força.
Uma pessoa é ética quando se orienta por princípios e con-
vicções.

1
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
No mundo corporativo não é diferente. Embora a convivên- Dentro desta concepção surge a democracia grega, onde somen-
cia seja, por vezes, insuportável, deparamo-nos com profissionais te 10% da população determinava os destinos de toda a Cidade
que atropelam os princípios, como se isso fosse algo natural, um (eram excluídos os escravos, mulheres e artesãos).
meio de sobrevivência, e adotam valores que nada tem a ver com Ser cidadão é respeitar e participar das decisões da socieda-
duas grandes necessidades corporativas: a convivência pacífica e de para melhorar suas vidas e a de outras pessoas. Ser cidadão é
o espírito de equipe. Nesse caso, virtude é uma palavra que não nunca se esquecer das pessoas que mais necessitam. A cidadania
faz parte do seu vocabulário e, apesar da falta de escrúpulo, leva deve ser divulgada através de instituições de ensino e meios de
tempo para destituí-los do poder. comunicação para o bem estar e desenvolvimento da nação. A
Valores e virtudes baseados em princípios universais são ine- cidadania consiste desde o gesto de não jogar papel na rua, não
gociáveis e, assim como a ética e a lealdade, ou você tem, ou não pichar os muros, respeitar os sinais e placas, respeitar os mais
tem. Entretanto, conceitos como liberdade, felicidade ou riqueza velhos (assim como todas às outras pessoas), não destruir telefo-
não podem ser definidos com exatidão. Cada pessoa tem recorda- nes públicos, saber dizer obrigado, desculpe, por favor, e bom dia
ções, experiências, imagens internas e sentimentos que dão um quando necessário... até saber lidar com o abandono e a exclusão
sentido especial e particular a esses conceitos. das pessoas necessitadas, o direito das crianças carentes e outros
O importante é que você não perca de vista esses conceitos grandes problemas que enfrentamos em nosso mundo.
e tenha em mente que a sua contribuição, no universo pessoal “A revolta é o último dos direitos a que deve um povo livre
e profissional, depende da aplicação mais próxima possível do buscar, para garantir os interesses coletivos: mas é também o
senso de justiça. E a justiça é uma virtude tão difícil, e tão ne- mais imperioso dos deveres impostos aos cidadãos.” (Juarez Tá-
gligenciada, que a própria justiça sente dificuldades em aplicá-la, vora - Militar e político brasileiro)
portanto, lute pelos princípios que os valores e as virtudes fluirão Cidadania é o exercício dos direitos e deveres civis, políticos e
naturalmente. sociais estabelecidos na constituição. Os direitos e deveres de um
cidadão devem andar sempre juntos, uma vez que ao cumprirmos
nossas obrigações permitimos que o outro exerça também seus
ÉTICA E DEMOCRACIA: EXERCÍCIO DA CIDADANIA direitos. Exercer a cidadania é ter consciência de seus direitos e
obrigações e lutar para que sejam colocados em prática. Exercer a
cidadania é estar em pleno gozo das disposições constitucionais.
Ética e democracia: exercício da cidadania Preparar o cidadão para o exercício da cidadania é um dos objeti-
A ética é construída por uma sociedade com base nos valores vos da educação de um país.
históricos e culturais. Do ponto de vista da Filosofia, a Ética é uma A Constituição da República Federativa do Brasil foi promul-
ciência que estuda os valores e princípios morais de uma socieda- gada em 5 de outubro de 1988, pela Assembleia Nacional Consti-
de e seus grupos. tuinte, composta por 559 congressistas (deputados e senadores).
Cada sociedade e cada grupo possuem seus próprios códigos A Constituição consolidou a democracia, após os anos da ditadura
de ética. militar no Brasil.
Cidadão é um indivíduo que tem consciência de seus direitos A cidadania está relacionada com a participação social, por-
e deveres e participa ativamente de todas as questões da socie- que remete para o envolvimento em atividades em associações
dade. culturais (como escolas) e esportivas.
É muito importante entender bem o que é cidadania. Trata-
-se de uma palavra usada todos os dias, com vários sentidos. Mas Deveres do cidadão
hoje significa, em essência, o direito de viver decentemente. - Votar para escolher os governantes;
Cidadania é o direito de ter uma ideia e poder expressá-la. É - Cumprir as leis;
poder votar em quem quiser sem constrangimento. É poder pro- - Educar e proteger seus semelhantes;
cessar um médico que age de negligencia. É devolver um produto - Proteger a natureza;
estragado e receber o dinheiro de volta. É o direito de ser negro, - Proteger o patrimônio público e social do País.
índio, homossexual, mulher sem ser descriminado. De praticar
uma religião sem se perseguido. Direitos do cidadão
Há detalhes que parecem insignificantes, mas revelam está- - Direito à saúde, educação, moradia, trabalho, previdência
gios de cidadania: respeitar o sinal vermelho no transito, não jo- social, lazer, entre outros;
gar papel na rua, não destruir telefones públicos. Por trás desse - O cidadão é livre para escrever e dizer o que pensa, mas
comportamento está o respeito ao outro. precisa assinar o que disse e escreveu;
No sentido etimológico da palavra, cidadão deriva da palavra - Todos são respeitados na sua fé, no seu pensamento e na
civita, que em latim significa cidade, e que tem seu correlato gre- sua ação na cidade;
go na palavra politikos – aquele que habita na cidade. - O cidadão é livre para praticar qualquer trabalho, ofício ou
Segundo o Dicionário Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, profissão, mas a lei pode pedir estudo e diploma para isso;
“cidadania é a qualidade ou estado do cidadão”, entende-se por - Só o autor de uma obra tem o direito de usá-la, publicá-la e
cidadão “o indivíduo no gozo dos direitos civis e políticos de um tirar cópia, e esse direito passa para os seus herdeiros;
estado, ou no desempenho de seus deveres para com este”. - Os bens de uma pessoa, quando ela morrer, passam para
Cidadania é a pertença passiva e ativa de indivíduos em um seus herdeiros;
estado - nação com certos direitos e obrigações universais em - Em tempo de paz, qualquer pessoa pode ir de uma cidade
um específico nível de igualdade (Janoski, 1998). No sentido ate- para outra, ficar ou sair do país, obedecendo à lei feita para isso.
niense do termo, cidadania é o direito da pessoa em participar
das decisões nos destinos da Cidade através da Ekklesia (reunião A ética é daquelas coisas que todo mundo sabe o que são,
dos chamados de dentro para fora) na Ágora (praça pública, onde mas que não são fáceis de explicar, quando alguém pergunta. Tra-
se agonizava para deliberar sobre decisões de comum acordo). dicionalmente ela é entendida como um estudo ou uma reflexão,

2
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
científica ou filosófica, e eventualmente até teológica, sobre os - Publicidade - Publicidade é a divulgação oficial do ato para
costumes ou sobre as ações humanas. Mas também chamamos de conhecimento público e início de seus efeitos externos. (...) O
ética a própria vida, quando conforme aos costumes considerados princípio da publicidade dos atos e contratos administrativos,
corretos. A ética pode ser o estudo das ações ou dos costumes, e além de assegurar seus efeitos externos, visa a propiciar seu co-
pode ser a própria realização de um tipo de comportamento. nhecimento e controle pelos interessados diretos e pelo povo em
Enquanto uma reflexão científica, que tipo de ciência seria a geral, através dos meios constitucionais (...)
ética? Tratando de normas de comportamentos, deveria chamar- - Eficiência – O princípio da eficiência exige que a atividade
-se uma ciência normativa. Tratando de costumes, pareceria uma administrativa seja exercida com presteza, perfeição e rendimen-
ciência descritiva. Ou seria uma ciência de tipo mais especulativo, to funcional. É o mais moderno princípio da função administra-
que tratasse, por exemplo, da questão fundamental da liberdade? tiva, que já não se contenta em ser desempenhada apenas com
Que outra ciência estuda a liberdade humana, enquanto tal, legalidade, exigindo resultados positivos para o serviço público e
e em suas realizações práticas? Onde se situa o estudo que per- satisfatório atendimento das necessidades da comunidade e de
gunta se existe a liberdade? E como ele deveria ser definida teori- seus membros. (...).”
camente, a como deveria ser vivida, praticamente? Ora, ligado ao
problema da liberdade, aparece sempre o problema do bem e do Função pública é a competência, atribuição ou encargo para
mal, e o problema da consciência moral e da lei, e vários outros o exercício de determinada função. Ressalta-se que essa função
problemas deste tipo. não é livre, devendo, portanto, estar o seu exercício sujeito ao
interesse público, da coletividade ou da Administração. Segundo
ÉTICA E FUNÇÃO PÚBLICA Maria Sylvia Z. Di Pietro, função “é o conjunto de atribuições às
quais não corresponde um cargo ou emprego”.
No exercício das mais diversas funções públicas, os servido-
E na Administração Pública, qual o papel da ética? res, além das normatizações vigentes nos órgão e entidades públi-
Uma vez que é através das atividades desenvolvidas pela Ad- cas que regulamentam e determinam a forma de agir dos agentes
ministração Pública que o Estado alcança seus fins, seus agentes públicos, devem respeitar os valores éticos e morais que a socie-
públicos são os responsáveis pelas decisões governamentais e dade impõe para o convívio em grupo. A não observação desses
pela execução dessas decisões. valores acarreta uma série de erros e problemas no atendimento
Para que tais atividades não desvirtuem as finalidades esta- ao público e aos usuários do serviço, o que contribui de forma sig-
tais a Administração Pública se submete às normas constitucio- nificativa para uma imagem negativa do órgão e do serviço.
nais e às leis especiais. Todo esse aparato de normas objetiva a Um dos fundamentos que precisa ser compreendido é o de
um comportamento ético e moral por parte de todos os agentes que o padrão ético dos servidores públicos no exercício de sua
públicos que servem ao Estado. função pública advém de sua natureza, ou seja, do caráter público
e de sua relação com o público.
Princípios constitucionais que balizam a atividade adminis- O servidor deve estar atento a esse padrão não apenas no
trativa: exercício de suas funções, mas 24 horas por dia durante toda a
Devemos atentar para o fato de que a Administração deve sua vida. O caráter público do seu serviço deve se incorporar à
pautar seus atos pelos princípios elencados na Constituição Fede- sua vida privada, a fim de que os valores morais e a boa-fé, am-
ral, em seu art. 37 que prevê: “A administração pública direta e in- parados constitucionalmente como princípios básicos e essenciais
direta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito a uma vida equilibrada, se insiram e seja uma constante em seu
Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, relacionamento com os colegas e com os usuários do serviço.
impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (...)”. O Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Po-
Quanto aos citados princípios constitucionais, o entendimen- der Executivo Federal estabelece no primeiro capítulo valores que
to do doutrinador pátrio Hely Lopes Meirelles é o seguinte: vão muito além da legalidade.
“- Legalidade - A legalidade, como princípio da administração II – O servidor público não poderá jamais desprezar o ele-
(CF, art. 37, caput), significa que o administrador público está, em mento ético de sua conduta. Assim, não terá que decidir somente
toda a sua atividade funcional, sujeito aos mandamentos da lei entre o legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o incon-
e às exigências do bem comum, e deles não se pode afastar ou veniente, o oportuno e o inoportuno, mas principalmente entre o
desviar, sob pena de praticar ato inválido e expor-se a responsa- honesto e o desonesto, consoante as regras contidas no art. 37,
bilidade disciplinar, civil e criminal, conforme o caso. (...) caput, e§ 4°, da Constituição Federal.
- Impessoalidade – O princípio da impessoalidade, (...), nada Cumprir as leis e ser ético em sua função pública. Se ele cum-
mais é que o clássico princípio da finalidade, o qual impõe ao ad- prir a lei e for antiético, será considerada uma conduta ilegal, ou
ministrador público que só pratique o ato para o seu fim legal. E seja, para ser irrepreensível tem que ir além da legalidade.
o fim legal é unicamente aquele que a norma de Direito indica Os princípios constitucionais devem ser observados para que
expressa ou virtualmente como objetivo do ato, de forma impes- a função pública se integre de forma indissociável ao direito. Es-
soal. Esse princípio também deve ser entendido para excluir a ses princípios são:
promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos sobre – Legalidade – todo ato administrativo deve seguir fielmente
suas realizações administrativas (...) os meandros da lei.
- Moralidade – A moralidade administrativa constitui, hoje – Impessoalidade – aqui é aplicado como sinônimo de igual-
em dia, pressuposto de validade de todo ato da Administração dade: todos devem ser tratados de forma igualitária e respeitan-
Pública (...). Não se trata – diz Hauriou, o sistematizador de tal do o que a lei prevê.
conceito – da moral comum, mas sim de uma moral jurídica, en- – Moralidade – respeito ao padrão moral para não compro-
tendida como “o conjunto de regras de conduta tiradas da disci- meter os bons costumes da sociedade.
plina interior da Administração” (...) – Publicidade – refere-se à transparência de todo ato público,
salvo os casos previstos em lei.

3
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
– Eficiência – ser o mais eficiente possível na utilização dos – A atuação pública deve estar guiada pelos princípios da
meios que são postos a sua disposição para a execução do seu igualdade e não discriminação. Ademais a atuação de acordo com
trabalho. o interesse público deve ser o “normal” sem que seja moral rece-
ber retribuições diferentes da oficial que se recebe no organismo
A GESTÃO PÚBLICA NA BUSCA DE UMA ATIVIDADE ADMI- em que se trabalha;
NISTRATIVA ÉTICA – O funcionário deve atuar sempre como servidor público e
Com a vigência da Carta Constitucional de 1988, a Adminis- não deve transmitir informação privilegiada ou confidencial. O
tração Pública em nosso país passou a buscar uma gestão mais funcionário como qualquer outro profissional, deve guardar o si-
eficaz e moralmente comprometida com o bem comum, ou seja, gilo de ofício;
uma gestão ajustada aos princípios constitucionais insculpidos no – O interesse coletivo no Estado social e democrático de Di-
artigo 37 da Carta Magna. reito existe para ofertar aos cidadãos um conjunto de condições
Para isso a Administração Pública vem implementando po- que torne possível seu aperfeiçoamento integral e lhes permita
líticas públicas com enfoque em uma gestão mais austera, com um exercício efetivo de todos os seus direitos fundamentais. Para
revisão de métodos e estruturas burocráticas de governabilidade. tanto, os funcionários devem ser conscientes de sua função pro-
Aliado a isto, temos presenciado uma nova gestão preocupa- mocional dos poderes públicos e atuar em consequência disto.
da com a preparação dos agentes públicos para uma prestação (tradução livre).”
de serviços eficientes que atendam ao interesse público, o que Por outro lado, a nova gestão pública procura colocar à dis-
engloba uma postura governamental com tomada de decisões po- posição do cidadão instrumentos eficientes para possibilitar uma
líticas responsáveis e práticas profissionais responsáveis por parte fiscalização dos serviços prestados e das decisões tomadas pelos
de todo o funcionalismo público. governantes. As ouvidorias instituídas nos Órgãos da Administra-
Neste sentido, Cristina Seijo Suárez e Noel Añez Tellería, em ção Pública direta e indireta, bem como junto aos Tribunais de
artigo publicado pela URBE, descrevem os princípios da ética pú- Contas e os sistemas de transparência pública que visam a prestar
blica, que, conforme afirmam, devem ser positivos e capazes de informações aos cidadãos sobre a gestão pública são exemplos
atrair ao serviço público, pessoas capazes de desempenhar uma desses instrumentos fiscalizatórios.
gestão voltada ao coletivo. São os seguintes os princípios apresen- Tais instrumentos têm possibilitado aos Órgãos Públicos res-
tados pelas autoras: ponsáveis pela fiscalização e tutela da ética na Administração
– Os processos seletivos para o ingresso na função pública apresentar resultados positivos no desempenho de suas funções,
devem estar ancorados no princípio do mérito e da capacidade, cobrando atitudes coadunadas com a moralidade pública por par-
e não só o ingresso como carreira no âmbito da função pública; te dos agentes públicos. Ressaltando-se que, no sistema de con-
– A formação continuada que se deve proporcionar aos fun- trole atual, a sociedade tem acesso às informações acerca da má
cionários públicos deve ser dirigida, entre outras coisas, para gestão por parte de alguns agentes públicos ímprobos.
transmitir a ideia de que o trabalho a serviço do setor público Entretanto, para que o sistema funcione de forma eficaz é
deve realizar-se com perfeição, sobretudo porque se trata de tra- necessário despertar no cidadão uma consciência política alavan-
balho realizado em benefícios de “outros”; cada pelo conhecimento de seus direitos e a busca da ampla de-
– A chamada gestão de pessoal e as relações humanas na Ad- mocracia.
ministração Pública devem estar presididas pelo bom propósito Tal objetivo somente será possível através de uma profunda
e uma educação esmerada. O clima e o ambiente laboral devem mudança na educação, onde os princípios de democracia e as no-
ser positivos e os funcionários devem se esforçar para viver no ções de ética e de cidadania sejam despertados desde a infância,
cotidiano esse espírito de serviço para a coletividade que justifica antes mesmo de o cidadão estar apto a assumir qualquer função
a própria existência da Administração Pública; pública ou atingir a plenitude de seus direitos políticos.
– A atitude de serviço e interesse visando ao coletivo deve ser Pode-se dizer que a atual Administração Pública está desper-
o elemento mais importante da cultura administrativa. A mentali- tando para essa realidade, uma vez que tem investido fortemente
dade e o talento se encontram na raiz de todas as considerações na preparação e aperfeiçoamento de seus agentes públicos para
sobre a ética pública e explicam por si mesmos, a importância do que os mesmos atuem dentro de princípios éticos e condizentes
trabalho administrativo; com o interesse social.
– Constitui um importante valor deontológico potencializar Além, dos investimentos em aprimoramento dos agentes pú-
o orgulho são que provoca a identificação do funcionário com os blicos, a Administração Pública passou a instituir códigos de ética
fins do organismo público no qual trabalha. Trata-se da lealdade para balizar a atuação de seus agentes. Dessa forma, a cobrança
institucional, a qual constitui um elemento capital e uma obriga- de um comportamento condizente com a moralidade administra-
ção central para uma gestão pública que aspira à manutenção de tiva é mais eficaz e facilitada.
comportamentos éticos; Outra forma eficiente de moralizar a atividade administrativa
– A formação em ética deve ser um ingrediente imprescindí- tem sido a aplicação da Lei de Improbidade Administrativa (Lei nº
vel nos planos de formação dos funcionários públicos. Ademais se 8.429/92) e da Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar
devem buscar fórmulas educativas que tornem possível que esta nº 101/00) pelo Poder Judiciário, onde o agente público que des-
disciplina se incorpore nos programas docentes prévios ao aces- via sua atividade dos princípios constitucionais a que está obriga-
so à função pública. Embora, deva estar presente na formação do responde pelos seus atos, possibilitando à sociedade resgatar
contínua do funcionário. No ensino da ética pública deve-se ter uma gestão sem vícios e voltada ao seu objetivo maior que é o
presente que os conhecimentos teóricos de nada servem se não interesse social.
se interiorizam na práxis do servidor público; Assim sendo, pode-se dizer que a atual Administração Pú-
– O comportamento ético deve levar o funcionário público blica está caminhando no rumo de quebrar velhos paradigmas
à busca das fórmulas mais eficientes e econômicas para levar a consubstanciados em uma burocracia viciosa eivada de corrupção
cabo sua tarefa; e desvio de finalidade. Atualmente se está avançando para uma
gestão pública comprometida com a ética e a eficiência.

4
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
Para isso, deve-se levar em conta os ensinamentos de Andrés - liderança e aptidão para manter relações pessoais e profis-
Sanz Mulas que em artigo publicado pela Escuela de Relaciones sionais;
Laborales da Espanha, descreve algumas tarefas importantes que - habilidade para lidar com os usuários internos e externos.
devem ser desenvolvidas para se possa atingir ética nas Adminis-
trações. Encerramos esse tópico com o trecho de um texto de Andrés
“Para desenhar uma ética das Administrações seria necessá- Sanz Mulas:
rio realizar as seguintes tarefas, entre outras: “Para desenhar uma ética das Administrações seria necessá-
– Definir claramente qual é o fim específico pelo qual se cobra rio realizar as seguintes tarefas, entre outras:
a legitimidade social; - Definir claramente qual é o fim específico pelo qual se cobra
– Determinar os meios adequados para alcançar esse fim e a legitimidade social;
quais valores é preciso incorporar para alcançá-lo; - Determinar os meios adequados para alcançar esse fim e
– Descobrir que hábitos a organização deve adquirir em seu quais valores é preciso incorporar para alcançá-lo;
conjunto e os membros que a compõem para incorporar esses - Descobrir que hábitos a organização deve adquirir em seu
valores e gerar, assim, um caráter que permita tomar decisões conjunto e os membros que a compõem para incorporar esses
acertadamente em relação à meta eleita; valores e gerar, assim, um caráter que permita tomar decisões
acertadamente em relação à meta eleita;
– Ter em conta os valores da moral cívica da sociedade em - Ter em conta os valores da moral cívica da sociedade em
que se está imerso; que se está imerso;
– Conhecer quais são os direitos que a sociedade reconhece - Conhecer quais são os direitos que a sociedade reconhece
às pessoas.” às pessoas.”

Quando falamos sobre ética pública, logo pensamos em cor-


ÉTICA NO SETOR PÚBLICO rupção, extorsão, ineficiência, etc, mas na realidade o que deve-
mos ter como ponto de referência em relação ao serviço público,
ou na vida pública em geral, é que seja fixado um padrão a partir
Dimensões da qualidade nos deveres dos servidores públicos do qual possamos, em seguida julgar a atuação dos servidores
Os direitos e deveres dos servidores públicos estão descritos
públicos ou daqueles que estiverem envolvidos na vida pública,
na Lei 8.112, de 11 de dezembro de 1990.
entretanto não basta que haja padrão, tão somente, é necessário
Entre os deveres (art. 116), há dois que se encaixamno para-
que esse padrão seja ético, acima de tudo .
digma do atendimentoe do relacionamento que tem como foco
O fundamento que precisa ser compreendido é que os pa-
principal o usuário.
drões éticos dos servidores públicos advêm de sua própria natu-
São eles:
reza, ou seja, de caráter público, e sua relação com o público. A
- “atender com presteza ao público em geral, prestando as
questão da ética pública está diretamente relacionada aos prin-
informações requeridas” e
cípios fundamentais, sendo estes comparados ao que chamamos
- “tratar com urbanidade as pessoas”.
no Direito, de “Norma Fundamental”, uma norma hipotética com
Presteza e urbanidade nem sempre são fáceis de avaliar, uma premissas ideológicas e que deve reger tudo mais o que estiver
vez que não têm o mesmo sentido para todas as pessoas, como relacionado ao comportamento do ser humano em seu meio so-
demonstram as situações descritas a seguir. cial, aliás, podemos invocar a Constituição Federal. Esta ampara
• Serviços realizados em dois dias úteis, por exemplo, podem os valores morais da boa conduta, a boa fé acima de tudo, como
não corresponder às reais necessidades dos usuários quanto ao princípios básicos e essenciais a uma vida equilibrada do cidadão
prazo. na sociedade, lembrando inclusive o tão citado, pelos gregos an-
• Um atendimento cortês não significa oferecer ao usuário tigos, “bem viver”.
aquilo que não se pode cumprir. Para minimizar as diferentes in- Outro ponto bastante controverso é a questão da impessoa-
terpretações para esses procedimentos, uma das opções é a utili- lidade. Ao contrário do que muitos pensam, o funcionalismo pú-
zação do bom senso: blico e seus servidores devem primar pela questão da “impessoa-
• Quanto à presteza, o estabelecimento de prazos para a en- lidade”, deixando claro que o termo é sinônimo de “igualdade”,
trega dos serviços tanto para os usuários internos quanto para os esta sim é a questão chave e que eleva o serviço público a níveis
externos pode ajudar a resolver algumas questões. tão ineficazes, não se preza pela igualdade. No ordenamento jurí-
• Quanto à urbanidade, é conveniente que a organização in- dico está claro e expresso, “todos são iguais perante a lei”.
clua tal valor entre aqueles que devem ser potencializados nos E também a ideia de impessoalidade, supõe uma distinção
setores em que os profissionais que ali atuam ainda não se cons- entre aquilo que é público e aquilo que é privada (no sentido do
cientizaram sobre a importância desse dever. interesse pessoal), que gera portanto o grande conflito entre os
interesses privados acima dos interesses públicos. Podemos veri-
Não é à toa que as organizações estão exigindo habilidades ficar abertamente nos meios de comunicação, seja pelo rádio, te-
intelectuais e comportamentais dos seus profissionais, além de levisão, jornais e revistas, que este é um dos principais problemas
apurada determinação estratégica. Entre outros requisitos, essas que cercam o setor público, afetando assim, a ética que deveria
habilidades incluem: estar acima de seus interesses.
- atualização constante; Não podemos falar de ética, impessoalidade (sinônimo de
- soluções inovadoras em resposta à velocidade das mudan- igualdade), sem falar de moralidade. Esta também é um dos prin-
ças; cipais valores que define a conduta ética, não só dos servidores
- decisões criativas, diferenciadas e rápidas; públicos, mas de qualquer indivíduo. Invocando novamente o or-
- flexibilidade para mudar hábitos de trabalho; denamento jurídico podemos identificar que a falta de respeito

5
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
ao padrão moral, implica, portanto, numa violação dos direitos do fora dele, já que refletirá o exercício da vocação do próprio Poder
cidadão, comprometendo inclusive, a existência dos valores dos Estatal. Seus atos, comportamentos e atitudes serão direcionados
bons costumes em uma sociedade. para a preservação da honra e da tradição dos serviços públicos es-
A falta de ética na Administração Publica encontra terreno taduais;
fértil para se reproduzir, pois o comportamento de autoridades II - o servidor público não poderá jamais desprezar o elemento
públicas está longe de se basearem em princípios éticos e isto ético de sua conduta. Assim, não terá que decidir somente entre o
ocorre devido a falta de preparo dos funcionários, cultura equi- legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente,
vocada e especialmente, por falta de mecanismos de controle e o oportuno e o inoportuno, mas principalmente entre o honesto e
responsabilização adequada dos atos antiéticos. o desonesto, consoante as regras contidas no artigo 37, caput, e §
A sociedade por sua vez, tem sua parcela de responsabilida- 4º, da Constituição Federal;
de nesta situação, pois não se mobilizam para exercer os seus di- III - a moralidade da Administração Pública Estadual não se li-
reitos e impedir estes casos vergonhosos de abuso de poder por mita à distinção entre o bem e o mal, devendo ser acrescida da idéia
parte do Pode Público. de que o fim é sempre o bem comum. O equilíbrio entre a legali-
Um dos motivos para esta falta de mobilização social se dá, dade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá
devido á falta de uma cultura cidadã, ou seja, a sociedade não consolidar a moralidade do ato administrativo;
exerce sua cidadania. A cidadania Segundo Milton Santos “é como IV - a remuneração do servidor público é custeada pelos tribu-
uma lei”, isto é, ela existe, mas precisa ser descoberta, aprendida, tos pagos direta ou indiretamente por todos, até por ele próprio, e
utilizada e reclamada e só evolui através de processos de luta. por isso se exige, como contrapartida, que a moralidade adminis-
Essa evolução surge quando o cidadão adquire esse status, ou trativa se integre no Direito, como elemento indissociável de sua
seja, quando passa a ter direitos sociais. A luta por esses direi- aplicação e de sua finalidade, erigindo-se, como conseqüência, em
tos garante um padrão de vida mais decente. O Estado, por sua fator de legalidade;
vez, tenta refrear os impulsos sociais e desrespeitar os indivíduos, V - o trabalho desenvolvido pelo servidor público perante a
nessas situações a cidadania deve se valer contra ele, e imperar comunidade deve ser entendido como acréscimo ao seu próprio
através de cada pessoa. Porém Milton Santos questiona se “há bem-estar, já que, cidadão, integrante da sociedade, o êxito desse
trabalho pode ser considerado como seu maior patrimônio;
cidadão neste país”? Pois para ele desde o nascimento as pessoas
VI - a função pública integra-se na vida particular de cada ser-
herdam de seus pais e ao longo da vida e também da sociedade,
vidor público. Assim, os fatos e atos verificados na conduta do dia-
conceitos morais que vão sendo contestados posteriormente com
-a-dia em sua vida privada poderão acrescer ou diminuir o seu bom
a formação de ideias de cada um, porém a maioria das pessoas
conceito na vida funcional;
não sabe se são ou não cidadãos.
VII - salvo os casos de investigações policiais ou interesse supe-
A educação seria o mais forte instrumento na formação de
rior do Estado e da Administração Pública Estadual, a serem preser-
cidadão consciente para a construção de um futuro melhor.
vados em processo previamente declarado sigiloso, nos termos da
No âmbito Administrativo, funcionários mal capacitados e
Lei, a publicidade de qualquer ato administrativo constitui requisito
sem princípios éticos que convivem todos os dias com mandos e de eficácia e moralidade, ensejando sua omissão comprometimen-
desmandos, atos desonestos, corrupção e falta de ética tendem a to ético contra o bem comum, imputável a quem a negar;
assimilar por este rol “cultural” de aproveitamento em beneficio VIII - toda pessoa tem direito à verdade. O servidor público não
próprio. pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da
própria pessoa interessada ou da Administração Pública Estadual. O
LEI ESTADUAL Nº 6.754/2006 (CÓDIGO DE ÉTICA FUN- Estado de Alagoas não pode crescer ou estabilizar-se sobre o poder
CIONAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO ESTADO DE ALA- corruptivo do hábito do erro, da opressão, ou da mentira, que sem-
GOAS) pre aniquila a dignidade humana;
IX - a cortesia, a boa vontade, o cuidado e o tempo dedicados
ao serviço público estadual caracterizam o esforço pela disciplina;
LEI N 6.754, DE 1º DE AGOSTO DE 2006. X - tratar mal uma pessoa que paga seus tributos direta ou indi-
retamente significa causar-lhe dano moral;
INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA FUNCIONAL DO SERVIDOR PÚBLI- XI - causar dano a qualquer bem pertencente ao patrimônio
CO CIVIL DO ESTADO DE ALAGOAS. público, deteriorando-o, por descuido ou má vontade, não constitui
apenas uma ofensa ao equipamento e às instalações ou ao Estado
O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS de Alagoas, mas a todos os homens de boa vontade que dedicaram
Faço saber que o Poder Legislativo estadual decreta e eu san- sua inteligência, seu tempo, suas esperanças e seus esforços para
ciono a seguinte Lei: construí-los;
XII - deixar o servidor público qualquer pessoa à espera de solu-
CAPÍTULO I
ção que compete ao setor em que exerça suas funções, permitindo
SEÇÃO I
a formação de longas filas, ou qualquer outra espécie de atraso na
DAS REGRAS DEONTOLÓGICAS
prestação do serviço, não caracteriza apenas atitude contra a ética
ou ato de desumanidade, mas principalmente dano moral aos usu-
Art. 1º Esta Lei institui o Código de Ética Funcional do Servidor
ários dos serviços públicos estaduais;
Público Civil do Estado de Alagoas.
XIII - o servidor público deve prestar toda a sua atenção às or-
Art. 2º O exercício de cargo efetivo ou em comissão, emprego
dens legais de seus superiores, velando atentamente por seu cum-
público ou função de confiança exige conduta compatível com os
primento, e, assim, evitando a conduta negligente. Os repetidos er-
preceitos deste Código e com os demais princípios da moral indivi-
ros, o descaso e o acúmulo de desvios tornam-se, às vezes, difíceis
dual, social e funcional, em especial com os seguintes:
de corrigir e caracterizam até mesmo imprudência no desempenho
I - a dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos
da função pública;
princípios morais são primados maiores que devem nortear o ser-
vidor público, seja no exercício de cargo, emprego ou função, ou

6
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
XIV - toda ausência injustificada do servidor público de seu local XIII - manter limpo e em perfeita ordem o local de trabalho,
de trabalho é fator de desmoralização do serviço público estadual, seguindo os métodos mais adequados à sua organização e distri-
o que quase sempre conduz à desordem nas relações humanas; e buição;
XV - o servidor público que trabalha em harmonia com a estru- XIV - participar dos movimentos e estudos que se relacionem
tura organizacional, respeitando seus colegas e cada concidadão, com a melhoria do exercício de suas funções, tendo por escopo a
colabora e de todos pode receber colaboração, pois sua atividade realização do bem comum;
pública é a grande oportunidade para o crescimento e o engrande- XV - apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao
cimento do Estado de Alagoas. exercício da função;
XVI - manter-se atualizado com as instruções e normas de ser-
SEÇÃO II viço, bem como com a legislação pertinente ao órgão ou entidade
DOS DEVERES FUNDAMENTAIS DO SERVIDOR PÚBLICO onde exerce suas funções;
XVII - cumprir, de acordo com as normas do serviço e as instru-
Art. 3º Para fins de apuração do comprometimento ético, en- ções superiores, as tarefas de seu cargo, emprego ou função, tanto
tende-se por servidor público todo aquele que, por força de Lei, quanto possível com critério, segurança e rapidez, mantendo sem-
contrato ou de qualquer ato jurídico, preste serviços de natureza pre em boa ordem;
permanente, temporária ou excepcional, ainda que sem retribuição XVIII - facilitar a fiscalização de todos os atos ou serviços por
financeira, desde que ligado direta ou indiretamente a qualquer ór- quem de direito;
gão ou entidade do Poder Estatal, como as autarquias, as fundações XIX - exercer, com estrita moderação, as prerrogativas funcio-
públicas, as entidades paraestatais, as empresas públicas e as socie- nais que lhe sejam atribuídas, abstendo-se de fazê-lo contrariamen-
dades de economia mista, ou em qualquer setor onde prevaleça o te aos legítimos interesses dos usuários dos serviços públicos esta-
interesse do Estado de Alagoas. duais e dos jurisdicionados administrativos;
Art. 4º São deveres fundamentais do servidor público: XX - abster-se, de forma absoluta, de exercer sua função, poder
I - desempenhar, a tempo, as atribuições do cargo efetivo ou ou autoridade com finalidade estranha ao interesse público, mes-
em comissão, emprego público ou função de confiança de que seja mo que observando as formalidades legais e não cometendo qual-
titular; quer violação expressa à Lei; e
II - exercer suas atribuições, com rapidez, perfeição e rendi- XXI - divulgar e informar a todos os integrantes da sua classe
mento, pondo fim ou procurando prioritariamente resolver situa- sobre a existência deste Código de Ética Funcional, estimulando o
ções procrastinatórias, principalmente diante de filas ou de qual- seu integral cumprimento.
quer outra espécie de atraso na prestação dos serviços pelo setor
em que exerça suas atribuições, com o fim de evitar dano moral ao SEÇÃO III
usuário; DAS VEDAÇÕES AO SERVIDOR PÚBLICO
III - ser probo, reto, leal e justo, demonstrando toda a integri-
dade do seu caráter, escolhendo sempre, quando estiver diante de Art. 5º É vedado ao servidor público:
duas opções, a melhor e a mais vantajosa para o bem comum; I - o uso do cargo, emprego ou função, bem como facilidades,
IV - jamais retardar qualquer prestação de contas, condição es- amizades, tempo, posição e influências, para obter qualquer favo-
sencial da gestão dos bens, direitos e serviços da coletividade a seu recimento, para si ou para outrem;
cargo; II - prejudicar deliberadamente a reputação de outros servido-
V - tratar cuidadosamente os usuários dos serviços públicos es- res públicos ou de cidadãos que deles dependam;
taduais, aperfeiçoando o processo de comunicação e contato com III - ser, em função de seu espírito de solidariedade, conivente
o público; com erro ou infração a este Código de Ética ou ao Código de Ética
VI - ter consciência de que seu trabalho é regido por princípios de sua profissão;
éticos que se materializam na adequada prestação dos serviços pú- IV - usar de artifícios para procrastinar o exercício regular de
blicos estaduais; direito por qualquer pessoa, causando-lhe dano moral ou material;
VII - ser cortês, ter urbanidade, disponibilidade e atenção, V - deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos ao seu
respeitando a capacidade e as limitações individuais de todos os alcance ou do seu conhecimento para atendimento do seu mister;
usuários dos serviços públicos estaduais, sem qualquer espécie de VI - permitir que perseguições, simpatias, antipatias, caprichos,
preconceito ou distinção de raça, sexo, nacionalidade, cor, idade, paixões ou interesses de ordem pessoal interfiram no trato com o
religião, cunho político e posição, abstendo-se, dessa forma, de público ou com colegas hierarquicamente superiores ou inferiores;
causar-lhes dano moral; VII - pleitear, solicitar, provocar, sugerir ou receber qualquer
VIII - ter respeito à hierarquia, porém sem nenhum temor de tipo de ajuda financeira, gratificação, prêmio, comissão, doação ou
representar contra qualquer comprometimento indevido da estru- vantagem de qualquer espécie, para si, familiares ou qualquer pes-
tura em que se funda o Poder Estatal; soa, para o cumprimento da sua missão ou para influenciar outro
IX - resistir a todas as pressões de superiores hierárquicos, de servidor público para o mesmo fim;
contratantes, interessados e outros que visem obter quaisquer fa- VIII - alterar ou deturpar o teor de documentos que deva enca-
vores, benesses ou vantagens indevidas em decorrência de ações minhar para providências;
imorais, ilegais ou aéticas e denunciá-las; IX - iludir ou tentar iludir qualquer pessoa que necessite do
X - zelar, no exercício do direito de greve, pelas exigências espe- atendimento em serviços públicos estaduais;
cíficas da defesa da vida e da segurança coletiva; X - desviar servidor público para atendimento a interesse par-
XI - ser assíduo e freqüente ao serviço, na certeza de que sua ticular;
ausência provoca danos ao trabalho ordenado, refletindo negativa- XI - retirar da repartição pública, sem estar legalmente autori-
mente em todo o sistema; zado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimô-
XII - comunicar imediatamente a seus superiores todo e qual- nio público estadual;
quer ato ou fato contrário ao interesse público, exigindo as provi-
dências cabívis;

7
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
XII - fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito profissional, o servidor público esteja inscrito, para as providências
de seu serviço, em benefício próprio, de parentes, de amigos ou de disciplinares cabíveis. O retardamento dos procedimentos aqui
terceiros; prescritos implicará comprometimento ético da própria Comissão,
XIII - apresentar-se embriagado no serviço ou fora dele; cabendo à autoridade acima citada o seu conhecimento e provi-
XIV - dar o seu concurso a qualquer instituição que atente con- dências.
tra a moral, a honestidade ou a dignidade da pessoa humana; e Art. 11. As decisões da Comissão de Ética, na análise de qualquer
XV - exercer atividade profissional aética ou ligar o seu nome a fato ou ato submetido à sua apreciação ou por ela levantado, serão
empreendimentos de cunho duvidoso. resumidas em ementa e, com a omissão dos nomes dos interessados,
divulgadas no próprio órgão ou entidade, bem como remetidas às
CAPÍTULO II demais Comissões de Ética, criadas com o fito de formação da consci-
DAS COMISSÕES DE ÉTICA ência ética na prestação de serviços públicos estaduais.
Parágrafo único. Todo o expediente deverá ser remetido à Se-
Art. 6º Em todos os órgãos e entidades do Poder Executivo, de- cretaria Executiva de Administração, Recursos Humanos e Patrimô-
verá ser criada, através de Portaria do respectivo Secretário de Esta- nio, por translado, em se tratando de servidor do Poder Executivo.
do ou do dirigente máximo da entidade ou Poder, uma Comissão de Art. 12. A Comissão de Ética não poderá se eximir de funda-
Ética, integrada por 3 (três) servidores públicos efetivos e respecti- mentar o julgamento da falta ética do servidor publico ou do presta-
vos suplentes, encarregada de orientar e aconselhar sobre a ética dor de serviços contratado, alegando a falta de previsão neste Códi-
funcional do servidor público, no tratamento com as pessoas e com go, cabendo-lhe recorrer à analogia, aos costumes e aos princípios
o patrimônio público estadual, competindo-lhe conhecer concreta- éticos e morais conhecidos em outras profissões.
mente de atos susceptíveis de advertência ou censura ética. Art. 13. Em cada órgão e entidade do Poder Executivo do Es-
Parágrafo único. A Portaria a que se refere o caput deverá ser tado de Alagoas, em que qualquer cidadão houver de tomar posse
publicada no Diário Oficial do Estado de Alagoas, com a indicação ou ser investido em função pública, deverá ser prestado, perante
dos nomes dos membros titulares e dos respectivos suplentes. a respectiva Comissão de Ética, um compromisso solene de acata-
Art. 7º À Comissão de Ética incumbe fornecer, aos organismos mento e observância das regras estabelecidas por este Código de
encarregados da execução do quadro de carreira, os registros sobre Ética Funcional e de todos os princípios éticos e morais estabeleci-
a conduta ética dos servidores públicos, para o efeito de instruir das pela tradição e pelos bons costumes.
e fundamentar promoções e para todos os demais procedimentos Art. 14. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
próprios da carreira do servidor público. Art. 15. Ficam Revogadas as disposições em contrário.
Art. 8º O processo de apuração de prática de ato em desrespei- PALÁCIO REPÚBLICA DOS PALMARES, em Maceió, 1º de agosto
to ao preceituado neste Código será instaurado pela Comissão de de 2006, 118º da República.
Ética, de ofício ou em razão de denúncia fundamentada formulada
por autoridade, servidor público, qualquer cidadão que se identifi-
que ou quaisquer entidades associativas regularmente constituídas. EXERCÍCIOS
§ 1º O servidor público será oficiado para manifestar-se no pra-
zo de 5 (cinco) dias. 1. Considerando os conceitos de direito e de moral, assinale a
§ 2º Os interessados, bem como a Comissão de Ética, de ofício, opção correta à luz da filosofia do direito.
poderão produzir provas documental e testemunhal. (A) Kant desenvolveu a teoria do mínimo ético, segundo a qual o
§ 3º A Comissão de Ética poderá promover as diligências que direito representa todo o conteúdo moral obrigatório para que
considerar necessárias. a sociedade possa sobreviver minimamente.
§ 4º Concluídas as diligências mencionadas no parágrafo ante- (B) Hans Kelsen formulou a teoria da bilateralidade atributiva,
rior, a Comissão de Ética oficiará o servidor público para nova mani- asseverando que a moral não se distingue do direito, mas o com-
festação, no prazo de 3 (três) dias. plementa por meio da bilateralidade ou intersubjetividade.
§ 5º Se a Comissão de Ética concluir que o servidor público pra- (C) Christian Thomasius propôs a distinção entre o direito e
ticou ato em desrespeito ao preceituado neste Código, adotará uma a moral, sob a inspiração pufendorfiana, com base na ideia
das cominações previstas no artigo posterior, com comunicação da de coação.
decisão ao faltoso e ao seu superior hierárquico. (D) Thomas Hobbes desenvolveu a teoria da atributividade,
Art. 9º A violação das normas estipuladas neste Código acarre- segundo a qual direito e moral estão inter-relacionados, ten-
tará as seguintes cominações: do ambos origem no direito natural.
I - advertência, aplicável aos servidores públicos no exercício (E) Max Scheler preconizava uma espécie de moral pura, con-
do cargo efetivo ou em comissão, emprego público ou função de dição para a existência de um comportamento que, guiado
confiança; e pelo direito e pela ética, não muda segundo as circunstâncias
II - censura ética, aplicável aos servidores públicos que já tive-
rem deixado o cargo efetivo ou em comissão, emprego público ou
2. Considerando as noções de ética e de moral, bem como
função de confiança.
os princípios e valores que conduzem nossa sociedade, julgue os
Parágrafo único. A cominação aplicada será transcrita na ficha
itens seguintes.
funcional do faltoso, por um período de 5 (cinco) anos, para todos
I- Um indivíduo em situação de miséria que encontrar, caí-
os efeitos legais, em especial para o disposto no art. 6º deste Có-
da na rua, uma carteira e decidir utilizar o cartão de crédito nela
digo.
guardado para adquirir medicamentos ao seu filho terá agido de
Art. 10. Sempre que a conduta do servidor público ou sua rein-
acordo com as normas éticas, mas não com os princípios morais.
cidência ensejar a imposição de penalidade, deverá a Comissão
II- Os valores morais variam ao longo do tempo.
de Ética encaminhar a sua decisão à autoridade competente para
instaurar o processo administrativo disciplinar, nos termos do Regi- III- O campo da filosofia dedicado a estudar os valores e prin-
me Jurídico Único dos Servidores Públicos do Estado de Alagoas e, cípios que orientam a conduta dos seres humanos em sociedade
cumulativamente, se for o caso, à entidade em que, por exercício é denominado ética.

8
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
Assinale a opção correta. 6. Com relação à ética, à democracia e ao exercício da cidada-
(A) Apenas os itens I e II estão certos. nia, assinale a alternativa correta.
(B) Apenas os itens I e III estão certos. (A) O exercício da cidadania, como uso de direitos e desempe-
(C) Apenas os itens II e III estão certos. nho de deveres, deve pautar-se por contornos éticos.
(D)Todos os itens estão certos. (B) O exercício da cidadania tem em vista o bem individual,
sem observar a conduta coletiva.
3. Acerca da ética, princípios e valores no serviço público, as- (C) A cidadania é exercida no campo individual.
sinale a alternativa correta. (D) As atribuições cívico-políticas do cidadão independem da
“Note-se que a quase totalidade das sociedades ocidentais forma de governo adotada pelo Estado.
tem a dignidade humana como princípio ético, muito embora seus (E) A democracia, a transparência e a divergência de ideias
códigos morais (suas práticas habituais) sejam tão diferentes, por não podem estar associadas.
que diferentes são os valores por elas eleitos, embora todos eles
tenham a dignidade humana como alicerce” (MULLER, 2018) 7. Acerca da ética e função pública, assinale a alternativa in-
(A) Os valores possuem uma perspectiva ética, orientando o correta.
ser humano a direcionar suas ações para o bem (A) É dever do servidor atender com presteza ao público em
(B) Os princípios são objetos da escolha moral; ou seja, a qua- geral, prestando as informações requeridas, ressalvadas as
lidade de algo preferível ou estimável protegidas por sigilo
(C) A probidade administrativa é escolha moral que deve ser (B) É dever do servidor exercer com zelo e dedicação as atri-
feita por todo servidor público buições do cargo
(D) A moralidade administrativa faz parte dos valores morais (C) É dever do servidor participar de gerência ou administra-
que regem o comportamento dos servidores públicos, con- ção de sociedade privada, personificada ou não personificada
duzindo seu comportamento profissional para o bem comum (D) É dever do servidor cumprir as ordens superiores, exceto
quando manifestamente ilegais
4. Acerca de ética, princípios e valores no serviço público,
analise as afirmativas abaixo. 8. Acerca da ética e função pública, assinale a alternativa in-
I. O princípio é um fundamento ético. correta.
II. O valor é uma escolha moral. (A) É dever do servidor público exercer com zelo e dedicação
III. Os princípios são por nós assimilados ao longo de nossa as atribuições do cargo
vida, seja por nossas vivências, seja pelos ensinamentos que rece- (B) É dever do servidor levar as irregularidades de que tiver
bemos. São objetos de escolha moral, a qual torna algo preferível ciência em razão do cargo ao conhecimento da autoridade su-
ou estimável. perior ou, quando houver suspeita de envolvimento desta, ao
conhecimento de outra autoridade competente para apuração
Assinale a alternativa correta. (C) O descumprimento dos deveres funcionais do servidor,
(A) Apenas as afirmativas I e II estão corretas descritos no art. 116 da Lei 8.112/1990, ensejará a aplicação
(B) Apenas a afirmativa III está correta da pena de advertência (art. 129), sendo que a reincidência
(C) As afirmativas I, II e III estão corretas implicará na pena de suspensão (art. 130)
(D) Apenas as afirmativas I e III estão corretas (D) É direito do servidor promover manifestação de apreço ou
desapreço no recinto da repartição
5. Sobre a ética, democracia e exercício da cidadania, analise
as afirmativas abaixo e dê valores Verdadeiro (V) ou Falso (F). 9. Quanto à ética no Setor Público, assinale a alternativa correta.
( ) Exercício da cidadania é o gozo de direitos e desempenho (A) É desnecessário estabelecer um padrão de comportamen-
de deveres pelo cidadão. to a ser observado pelos servidores, uma vez que o agir ético
( ) A democracia constitui forma de governo pautada pelo res- deve se basear nas decisões e nos conceitos individuais dos
peito à singularidade, pela defesa da transparência e pela garantia servidores públicos.
da perpetuação do exercício do poder. (B) A promoção da ética no serviço público prescinde da atua-
( ) O exercício da cidadania deve pautar-se por contornos éti- ção permanente de Conselhos ou Comissões de Ética.
cos, de modo que o exercício da cidadania deve materializar-se na (C) A ética, por tratar-se de elemento subjetivo, torna desne-
escolha da melhor conduta, tendo em vista o bem comum, resul- cessário fornecer aos servidores públicos diretrizes que afir-
tando em uma ação moral como expressão do bem. mem o que deve e o que não deve ser feito.
( ) Democracia é o regime político em que a soberania é exer- (D) A gestão de ética no serviço público deve abordar o exer-
cida pelo povo. cício das seguintes funções: normalização; educação; monito-
ramento; e aplicação de sistemas de consequências em caso
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de de atividades antiéticas.
cima para baixo. (E)Todo servidor deve ter estabelecido o conceito do que é
(A) V, V, F, V ético ou antiético, motivo que leva a instituição de códigos de
(B) V, V, V, F ética de servidores públicos a ser desnecessária.
(C) F, F, V, F
(D) V, F, V, V

9
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
10. Sobre a ética no setor público, assinale a alternativa cor- ______________________________________________________
reta.
(A) Princípio da diligência se refere a agir com zelo e escrúpu- ______________________________________________________
lo em todas funções
______________________________________________________
(B) O princípio da conduta ilibada é o de agir da melhor ma-
neira esperada em sua profissão e fora dela, com técnica, jus- ______________________________________________________
tiça e discrição
(C) O princípio da correção profissional diz respeito a não acu- ______________________________________________________
mular funções incompatíveis
(D) O princípio da lealdade e da verdade orienta a guardar se- ______________________________________________________
gredo sobre as informações que acessa no exercício da profissão
______________________________________________________

______________________________________________________
GABARITO
______________________________________________________

______________________________________________________
1 C
______________________________________________________
2 C
______________________________________________________
3 C
4 A ______________________________________________________
5 D ______________________________________________________
6 A
______________________________________________________
7 C
8 D ______________________________________________________

9 D ______________________________________________________
10 A ______________________________________________________

______________________________________________________

ANOTAÇÕES ______________________________________________________

______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________

10
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
1. Constituição Do Estado De Alagoas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Lei Estadual Nº 5.247/1991 (Regime Jurídico Único Dos Servidores Públicos Civis Do Estado De Alagoas, Das Autarquias E Fundações
Públicas Estaduais) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
XII – fomentar a pesquisa científica e tecnológica, tendo em
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE ALAGOAS vista o bem-estar coletivo e o desenvolvimento das ciências;
XIII – contribui para a indissolubilidade da União Federal;
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE ALAGOAS XIV – promover as condições necessárias para a fixação o ho-
mem no campo.
TÍTULO I Art. 3º Rege-se o Estado de Alagoas pelas normas estabele-
DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS cidas nesta Constituição e pelas leis que adotar, observados os
princípios prescritos na Constituição da República.
Art. 1º O Estado de Alagoas, constituído de Municípios autô- Parágrafo único. São símbolos do Estado de Alagoas a Ban-
nomos, é unidade político-administrativa da República Federativa deira, o Hino e o Brasão adotados à data da promulgação desta
do Brasil. Constituição, além de outros que a lei estabelecer.
Parágrafo único. Todo poder emana do povo, que o exerce
por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos TÍTULO II
da Constituição da República e desta Constituição. DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO
Art. 2º É finalidade do Estado de Alagoas, guardadas as diretri-
zes estabelecidas na Constituição Federal, promover o bem-estar CAPÍTULO I
social, calcado nos princípios de liberdade democrática, igualdade DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA
jurídica, solidariedade e justiça, cumprindo-lhe, especificamente:
I – assegurar a dignidade da pessoa humana, mediante a Art. 4º A organização político-administrativa do Estado de
preservação dos direitos invioláveis a ela inerentes, de modo a Alagoas compreende o Estado e os Municípios.
proporcionar idênticas oportunidades a todos os cidadãos, sem Parágrafo único. São poderes do Estado o Legislativo, o Exe-
distinção de sexo, orientação sexual, origem, raça, cor, credo ou cutivo e o Judiciário, independentes e harmônicos entre si.
convicção política e filosófica e qualquer outra particularidade
ou condição discriminatória, objetivando a consecução do bem SEÇÃO I
comum; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 23/2001.) DO ESTADO
REDAÇÃO ORIGINAL: “I – assegurar a dignidade da pessoa hu-
mana, mediante a preservação dos direitos invioláveis a ela ine- Art. 5º O território do Estado, constituído por Municípios, tem
rentes;” os limites que lhe são assegurados pela tradição, por documentos
II – garantir a participação da comunidade na condução e no históricos, leis e julgados, não podendo ser alterados senão nos
controle da administração pública, nas condições e pelos meios casos previstos pela Constituição Federal.
que a lei especificar; Art. 6º O Estado de Alagoas tem Capital e sede do seu Gover-
III – contribuir para o desenvolvimento integral e harmônico no no Município de Maceió.
da comunidade, de modo a remover as desigualdades regionais Parágrafo único. O Município de Marechal Deodoro será sede
e sociais; do Governo Estadual, anualmente, no dia 15 de novembro. (Reda-
IV – dar proteção aos valores e ao patrimônio cultural, pre- ção acrescentada pela Emenda Constitucional nº 38/2010.)
servando os bens de natureza material e imaterial referenciados à Art. 7º Exercerá o Estado, exclusiva, concorrente ou supleti-
identidade e à memória dos diferentes grupos da sociedade; vamente, as competências que lhe são reservadas pela Constitui-
V – promover e estimular, com a colaboração da sociedade, ção da República, sem prejuízo de todas as demais que lhe não
amplas oportunidades de educação, visando ao pleno desenvol- sejam expressamente excluídas.
vimento da pessoa humana, ao seu preparo para o exercício da Art. 8º Incluem-se entre os bens do Estado:
cidadania e a sua qualificação para o trabalho; I – as águas superficiais ou subterrâneas, fluentes, emergen-
VI – estimular os desportos, em suas modalidades formais e tes e em depósito, ressalvadas, nestecaso, na forma da lei,asde-
informais, bem assim o lazer como forma de promoção social; correntes de obras da União;
VII – desenvolver ações permanentes de amparo à infâcia, à II – as áreas, nas ilhas oceânicas e costeiras, que estiverem no
maternidade, aos idosos e aos portadores de deficiências, bem seu domínio, excluídas aquelas sob domínio da União, dos Muni-
como oferecer assistência aos necessitados, contribuindo para a cípios ou de terceiros;
erradicação do subemprego, da marginalização e da miséria; III – as ilhas fluviais e lacustres não pertencentes à União;
VIII – proteger o meio ambiente, zelando pela perenização IV – asterras devolutas não compreendidas entre as da União.
dos processos ecológicos essenciais e pela conservação da diver- Parágrafo único. Os bens integrantes do patrimônio imobiliá-
sidade e da integridade das espécies; rio do Estado não poderão ser objeto de alienação ou aforamento
IX – executar ações que visem à redução dos riscos à doença, senão em virtude de lei.
favorecendo o acesso igualitário e universal aos serviços destina- Art. 9º É vedado ao Estado de Alagoas e aos Municípios:
dos à promoção, à proteção e à recuperação da saúde, bem assim I – estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los,
o desembaraçado exercício dos direitos relativos à assistência so- embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus re-
cial; presentantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na
X – velar pela preservação da ordem econômica, fundada na forma da lei, a colaboração de interesse público;
valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, objetivando a II – recusar fé aos documentos públicos;
consecução do desenvolvimento integral da comunidade; III – criar distinções entre brasileiros, em razão de credo, cor,
XI – conceber e executar ações e programas voltados ao apro- raça, sexo, condição social ou origem;
veitamento racional e adequado da terra, estimulando a planifica- IV – estabelecer preferências entre si.
ção das atividades agrícolas, pecuárias, agroindustriais, pesquei-
ras e florestais;

1
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
SEÇÃO II Art. 14. A Lei Orgânica será votada em dois turnos, com in-
DO MUNICÍPIO terstício mínimo de dez dias, e aprovada pela Câmara Municipal,
sendo obrigatória a guarda dos seguintes preceitos fundamentais:
SUBSEÇÃO I I – realização do planejamento municipal com a participação
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS de entidades representativas da comunidade;
II – fixação das despesas com pessoal ativo e inativo, respeita-
Art. 10. O Município, ente político-administrativo autônomo, dos os limites estabelecidos em lei complementar federal;
reger-se-á pela Lei Orgânica que adotar, respeitados os princípios III – criação de cargos e empregos públicos, fixação e majo-
estabelecidos pela Constituição da República e por esta Constituição. ração de vencimentos e salários, instituição ou reformulação de
Art. 11. A autonomia municipal será assegurada: estruturas de carreiras e ainda a concessão de vantagens pecuniá-
I – pelo poder de auto-organizar-se mediante a decretação de rias, condicionadas à existência de dotação orçamentária suficien-
sua Lei Orgânica; te e de autorização específica na lei orçamentária, excluídas, no
último caso, as empresas públicas e as companhias de economia
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “auto-orga- mista;
nizar-se” ser lida como “se auto-organizar”. IV – depósito das disponibilidades de caixa das Administra-
ções Direta, Indireta e Fundacional Pública em instituição finan-
II – pela eleição direta do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Ve- ceira oficial, ressalvados os casos previstos em lei;
readores; V – Aplicação, anualmente, de pelo menos vinte e cinco por
III – pelo exercício de administração própria, no que concerne cento da receita resultante da arrecadação de impostos, com-
ao seu peculiar interesse; preendida a proveniente de transferências, na manutenção e no
IV – pela instituição e pela arrecadação dos tributos de sua desenvolvimento do ensino público;
competência;
V – pela organização dos serviços públicos locais. NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra que inicia o
Art. 12. Compete ao Município dispor sobre todas as matérias inciso vir com a sua letra inicial minúscula.
pertinentes ao seu peculiar interesse e especialmente:
I – zelar pela guarda da Constituição, das leis e das institui- VI – sujeição dos servidores públicos municipais a regime ju-
ções democráticas e conservar o patrimônio público; rídico único.
II – manter, com a cooperação técnica e financeira da União Art. 15. O Governo Municipal será exercido:
e do Estado, programas de educação pré-escolar e de ensino fun- I – pela Câmara Municipal, com funções legislativas e de con-
damental, bem assim prestar serviços de atendimento à saúde da trole administrativo;
população e de proteção às pessoas portadoras de deficiência; II – Pelo Prefeito Municipal, com funções executivas.
III – promover, no que couber, adequado ordenamento terri-
torial, mediante planejamento e controle de uso, do parcelamen- NOTA: Houve um erro material. Deve a preposição que inicia
to e da ocupação do solo urbano; o inciso vir com a sua letra inicial minúscula.
IV – desenvolver ações de proteção ao patrimônio histórico-
cultural e ao meio ambiente, observadas as legislações e as ativi- Parágrafo único. Os órgãos do Governo Municipal exercerão
dades fiscalizadoras da União e do Estado; suas atribuições com plena independência entre si, bem assim em
V – fomentar a produção agropecuária e organizar o abaste- relação aos Poderes e aos órgãos da União e do Estado.
cimento alimentar; Art. 16. Cada Município poderá instituir símbolos próprios re-
VI – promover programas de construção de moradias e de presentados pela bandeira, pelo hino e pelo brasão municipais.
melhoria das condições habitacionais e de saneamento básico;
VII – criar, organizar e suprimir distritos, guardada a legisla- SUBSEÇÃO II
ção estadual pertinente; DAS CÂMARAS MUNICIPAIS
VIII – organizar e prestar, diretamente ou sob o regime de
concessão ou de permissão, os serviços públicos de interesse lo- Art. 17. A Câmara Municipal compõe-se de Vereadores, elei-
cal, incluído o de transporte coletivo, que tem caráter essencial; tos entre cidadãos maiores de dezoito anos e no exercício dos
IX – instituir e arrecadar os tributos de sua competência; direitos políticos, por voto direto e secreto, em cada Município.
X – aplicar suas rendas, observados os deveres de prestação Parágrafo único. O mandato de vereador será de quatro anos.
de contas e de publicação mensal de balancetes, respeitados os Art. 18. O número de Vereadores é proporcional à população
prazos e as condições prescritas em lei; do Município, respeitados os seguintes limites:
XI – legislar sobre os assuntos de interesse local; a) mínimo de nove e máximo de vinte e um nos Municípios de
XII – suplementar, no que couber, as legislações federal e es- até um milhão de habitantes;
tadual; b) mínimo de trinta e três e máximo de quarenta e um nos
Municípios de mais de um milhão e menos de cinco milhões de
NOTA: Houve um erro material. Deve o inciso ser terminado habitantes;
por ponto final. c) mínimo de quarenta e dois e máximo de cinquenta e cinco
nos Municípios de mais de cinco milhões de habitantes.
Art.13. A criação, a incorporação, a fusão e o desmembra- Art. 19. A remuneração dos Vereadores não poderá ser supe-
mento de Municípios far-se-ão por lei estadual, obedecidos os rior à retribuição que for fixada ao Prefeito Municipal, em espé-
requisitos estabelecidos em lei complementar estadual e depen- cie, a qualquer título.
derão de consulta prévia, mediante plebiscito, às populações Parágrafo único. Fica vedada, às Câmaras Municipais, a con-
diretamente interessadas, preservada, em qualquer hipótese, a cessão de verba de representação aos membros da Mesa Direto-
continuidade e a unidade histórico-cultural do ambiente urbano. ra.

2
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 20. Os Vereadores são invioláveis por suas opiniões, pa- Parágrafo único. A posse do Prefeito e do Vice-Prefeito ocor-
lavras e votos, no exercício do mandato e na circunscrição do Mu- rerá sempre no dia 1º de janeiro do ano subsequente ao das elei-
nicípio. ções municipais.
Art. 21. Estendem-se, no que couber, aos Vereadores, as proi- Art. 27. O Vice-Prefeito substituirá o Prefeito Municipal nos
bições, as incompatibilidades e as condições de perda de manda- casos de impedimento e o sucederá nos de renúncia ou morte.
to que são estabelecidas nesta Constituição para os Deputados Parágrafo único. A remuneração do Vice-Prefeito compreen-
Estaduais. derá representação correspondente à que percebe o Prefeito e
Art. 22. As deliberações da Câmara Municipal, salvo expressa subsídio equivalente a dois terços daquele que for a este devido.
disposição legal em contrário, serão tomadas por maioria de vo- Art. 28. Ocorrendo vacância dos cargos de Prefeito e de Vi-
tos, presente a maioria de seus membros. ce-Prefeito, far-se-á eleição nos noventa dias que se seguirem à
Art. 23. Compete à Câmara Municipal: data em que se deu a última vaga, cabendo aos eleitos completar
I – elaborar e aprovar seu próprio regimento interno; o mandato interrompido.
II – dispor quanto à organização e ao provimento dos cargos § 1º Impedidos o Prefeito e o Vice-Prefeito, serão sucessiva-
dos seus serviços; mente chamados ao exercício do cargo o Presidente e o Vice-Pre-
III – autorizar o Prefeito Municipal a se ausentar do território sidente da Câmara de Vereadores.
do Município, quando previsto afastamento por período superior § 2º Ocorrendo a dupla vacância nos últimos dois anos do
a quinze dias; mandato, dar-se-á a eleição, pela Câmara Municipal, trinta dias
IV – julgar, anualmente, as contas prestadas pelo Prefeito após a ocorrência da última vaga, na forma do que dispuser a Lei
Municipal e apreciar os relatórios trimestrais pertinentes à execu- Orgânica.
ção dos planos de governo; § 3º Vagos os cargos de Prefeito e de Vice-Prefeito, coinci-
V – fiscalizar e controlar os atos da Administração Municipal, dentemente com todos os cargos de Vereador, Administrador
inclusive dos órgãos descentralizados; Municipal será nomeado pelo Governador do Estado, escolhido
VI – fixar a remuneração dos Secretários Municipais, bem as- dentre os integrantes de lista tríplice formada pela Assembleia
sim, a cada legislatura, aquela do Prefeito Municipal, do Vice-Pre- Legislativa, ao qual incumbirá administrar o Município, até que
feito e dos Vereadores, para vigência no período subsequente; seja dada posse ao novo Prefeito. (Redação acrescentada pela
VII – conhecer da renúncia do Prefeito e do Vice-Prefeito; Emenda Constitucional nº 7/1992.)
VIII – deliberar sobre os vetos apostos pelo Prefeito Munici- § 4º Aplicar-se-á, ainda, a regra do parágrafo precedente, na
pal; hipótese de que, ultimados os mandatos de Prefeito e Vice-Pre-
IX – admitir acusações contra o Prefeito Municipal, na hipóte- feito, não estejam eleitos os seus sucessores. (Redação acrescen-
se de crimes de responsabilidade; tada pela Emenda Constitucional nº 8/1993.)
X – dispor, com a sanção do Poder Executivo, sobre as maté- Art. 29. Compete privativamente ao Prefeito Municipal:
rias de competência do Município, especialmente: I – nomear e exonerar os Secretários Municipais;
a) tributos, arrecadação e distribuição de rendas; II – exercer, com o auxílio dos Secretários Municipais, a dire-
b) orçamento, operações de crédito e dívida pública do Mu- ção superior da administração municipal;
nicípio; III – iniciar o processo legislativo, na forma e nos casos previs-
c) planos e programas municipais de desenvolvimento; tos nesta Constituição e na Lei Orgânica;
d) criação, extinção e declaração de desnecessidade de car- IV – sancionar, promulgar e fazer publicar as leis e expedir
gos e empregos; decretos e regulamentos para a sua fiel execução;
e) transferência precária da sede da administração municipal; V – vetar projetos de lei, total ou parcialmente;
f) fixação e majoração de vencimentos e salários de servido- VI – dispor sobre a organização e o funcionamento da admi-
res públicos municipais; nistração municipal, na forma da lei;
g) autorização prévia para a alienação de bens imóveis inte- VII – remeter mensagem e plano de Governo à Câmara Mu-
grantes do patrimônio municipal; nicipal, por ocasião da abertura da sessão legislativa, expondo a
h) autorização para a concessão de serviços públicos munici- situação do Município e solicitando as providências que reconhe-
pais, bem como de direito de uso, remunerado ou não, de bens cer necessárias;
públicos; VIII – conferir condecorações e distinções honoríficas;
i) aprovação do plano diretor, obrigatório nas cidades com IX – eniar à Câmara Municipal o plano plurianual de investi-
mais de vinte mil habitantes. Art. 24. Na elaboração de suas leis, mentos e as propostas de orçamento, estes até cento e vinte dias
os Municípios observarão, no que couber, as normas desta Cons- antes do início do exercício financeiro seguinte;
tituição referentes ao processo legislativo. X – prestar, anualmente, à Câmara Municipal, dentro dos ses-
Parágrafo único. A iniciativa popular de projetos de lei de in- senta dias após a abertura de cada sessão legislativa, as contas
teresse específico de Município, de cidade ou de bairros, formali- relativas ao exercício anterior;
zar-se-á mediante manifestação de, pelo menos, cinco por cento XI – prover os cargos públicos, na forma da lei;
do eleitorado. XII – apresentar, à Câmara Municipal, relatórios trimestrais
relativos ao desenvolvimento do plano de governo;
SUBSEÇÃO III XIII – remeter à Câmara Municipal, até o dia vinte de cada
DO PREFEITO E DO VICE-PREFEITO mês. o duodécimo da dotação orçamentária que lhe for reserva-
da.
Art. 25. A Chefia do Poder Executivo é exercida pelo Prefeito
Municipal. NOTA: Houve dois erros materiais. Deve existir vírgula após
Art. 26. O Prefeito e o Vice-Prefeito serão eleitos simultanea- a expressão “cada mês”, bem como no final do inciso deve existir
mente com os Vereadores, mediante pleito direto, e exercerão ponto e vírgula.
mandato de quatro anos.

3
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
XIV – exercer outras atribuições previstas nesta Constituição para garantir a observância de princípios indicados nesta Consti-
e na Lei Orgânica; tuição, ou para assegurar a execução de lei, de ordem ou de de-
cisão judicial.
NOTA: Houve um erro material. Deve o inciso ser terminado Parágrafo único. No caso do inciso IV deste artigo, dispensada
por ponto final. a apreciação pela Assembleia Legislativa, o decreto limitar-se-á a
suspender a execução do ato impugnado, se essa medida bastar
Parágrafo único. O Prefeito Municipal poderá delegar as atri- ao restabelecimento da normalidade.
buições mencionadas nos incisos VI e XI aos Secretários Munici- Art. 38. A decretação da intervenção dependerá de requisi-
pais, que observarão os limites estabelecidos nos respectivos atos ção:
de delegação. I – da Câmara Municipal ou do Tribunal de Contas o Estado,
Art. 30. A inobservância da regra do inciso XIV do artigo an- nos casos dos incisos I a III, do art. 37;
terior implicará crime de responsabilidade do Prefeito Municipal.
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula na
SUBSEÇÃO IV expressão “incisos I a III, do art. 37”
DA POLÍTICA URBANA
II – do Tribunal de Justiça, no caso do inciso IV, do art. 37.
Art. 31. O Município, na concepção e no desempenho da polí- Houve um erro material. Não deve existir a vírgula na expres-
tica local de desenvolvimento urbano, visará ao bem-estar social. são “inciso IV, do art.37”
Art. 32. O plano diretor é o instrumento básico da política de Art. 39. O decreto de intervenção, obrigatoriamente, conterá:
desenvolvimento urbano. I – a indicação das causas que motivaram a ação interventi-
Art. 33. Lei Municipal específica, observado o que dispuser a va, bem como da hipótese constitucional que legitima a medida
legislação federal, exigirá dos proprietários do solo urbano não concreta;
edificado, não utilizado ou subutilizado, que promovam o corres- II – a fixação do prazo de duração da medida excepcional, que
pondente e adequado aproveitamento, sob pena, sucessivamen- em nenhum caso poderá ser superior a noventa dias;
te, de: III – determinação dos limites da ação interventiva, conside-
I – parcelamento urbano compulsório; rada a natureza das irregularidades administrativas que justifica-
II – instituição de imposto, progressivo no tempo, sobre a rem as providências, e a indicação dos órgãos da administração
propriedade predial e territorial urbana; municipal em que foram verificadas;
III – expropriação por interesse social, necessidade ou utili- NOTA: Houve um erro material. Deve existir o artigo “a” antes
dade pública. da palavra “determinação”.
IV – a nomeação do interventor, cuja permanência no desem-
SUBSEÇÃO V penho da função fica condicionada a confirmação pela Assem-
DA FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA bleia Legislativa Estadual;
V – a obrigatoriedade da apresentação, pelo interventor, de
Art. 34. A fiscalização do Município será exercida mediante relatórios mensais à Assembleia Legislativa, ao Governador do
controle interno e externo. Estado e ao Tribunal de Contas, nos quais exporá circunstancia-
Art. 35. O controle interno será desenvolvido pelo Poder Exe- damente todas as atividades desenvolvidas no mês anterior, sem
cutivo Municipal, através de sistema instituído na forma da lei. prejuízo do relatório final que deverá ser remetido aos órgãos de
Art. 36. O controle externo incumbe à Câmara Municipal, com que trata este inciso, até dez dias após o prazo de duração da
o auxílio do Tribunal de Contas do Estado. medida interventiva.
§ 1º O parecer prévio, expedido pelo Tribunal de Contas, so- § 1º Expedido o decreto que determinar a intervenção, será
bre as Contas que o Prefeito anualmente prestar, apenas deixará ele remetido, dentro do prazo de vinte e quatro horas, a contar
de prevalecer por decisão de dois terços dos membros da Câmara da data de sua publicação, à Assembleia Legislativa Estadual, que,
Municipal. após apreciá-lo, manterá ou suspenderá a medida excepcional.
§ 2º As contas do Município ficarão, durante sessenta dias, § 2º Na hipótese de não estar a Assembleia Legislativa fun-
anualmente, à disposição de qualquer contribuinte, para exame cionando, far-se-á a convocação extraordinária no mesmo prazo
e apreciação, que poderá questionar-lhes a legitimidade, nos ter- previsto no parágrafo anterior.
mos da lei. § 3º O decreto do Poder Executivo que prorrogar a duração
§ 3º É vedada a criação de Tribunais, Conselhos ou órgãos de da medida interventiva, será submetido à Assembleia Legislati-
Contas Municipais. va Estadual, observadas as mesmas condições, inadmissível, em
qualquer hipótese, a extrapolação do limite máximo estabelecido
SEÇÃO III no inciso II.
DA INTERVENÇÃO
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula an-
Art. 37. O Estado não intervirá nos Municípios, exceto quan- tes da palavra “será”.
do:
I – deixar de ser paga, sem motivo de força maior, por dois Art. 40. Cessados os motivos da intervenção, as autoridades
anos consecutivos, a dívida fundada; afastadas de seus cargos a estes voltarão, salvo impedimento le-
II – não forem prestadas as contas devidas, na forma da lei; gal.
III – não tiver sido aplicado o mínimo exigido da receita muni-
cipal na manutenção e no desenvolvimento do ensino;
IV – o Tribunal de Justiça der provimento a representação

4
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
SEÇÃO IV VIII – garantia aos cidadãos, sempre que o requeiram, a in-
DAS REGIÕES formações sobre o andamento dos processos em que sejam dire-
tamente interessados, bem como sobre as decisões nestes pro-
Art. 41. O Estado poderá, mediante lei complementar, ins- feridas;
tituir regiões metropolitanas, aglomerações urbanas e microrre- IX – acesso de qualquer cidadão a todos os dados e infor-
giões, constituídas de Municípios limítrofes, para integrarem a mações relativas às licitações públicas, em todas as suas moda-
organização, o planejamento e a execução de funções públicas de lidades, bem como às autorizações concernentes a contratações
interesse comum. diretas.
Parágrafo único. A licitação e a contratação de bens, servi-
CAPÍTULO II ços e obras públicas, assim como os convênios deverão atender
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ao disposto na legislação pertinente, ficando vedado o aumento
da despesa com pessoal, expedido nos cento e oitenta dias an-
SEÇÃO I teriores ao final do mandato do titular do respectivo Poder ou
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS órgão, a realização de operação de crédito por Antecipação de
Receita Orçamentária (ARO) e obrigação de despesa nos últimos
Art. 42. A Administração Pública, estadual e municipal, ob- dois quadrimestres, que não possa ser cumprida integralmente
servará os princípios fundamentais de prevalência do interesse dentro do próprio mandato, ou que tenha parcelas a serem pagas
público, legalidade, impessoalidade, moralidade, economicidade, no exercício seguinte, sem que haja suficiente disponibilidade de
publicidade, planejamento e continuidade, além de outros esta- caixa para este efeito. (Redação dada pela Emenda Constitucional
belecidos nesta Constituição. nº 36/2010.) REDAÇÃO ACRESCENTADA PELA EMENDA CONSTI-
Art. 43. A Administração Pública, estadual e municipal, orien- TUCIONAL Nº 33/2007:
tar-se-á pela desconcentração e pela descentralização, compreen- “Parágrafo único. A licitação e a contratação de bens, servi-
dendo as administrações direta, indireta e fundacional pública. ços e obras públicas, assim como os convênios, são proibidos no
§ 1º Integram a Administração Direta as unidades adminis- período de até duzentos e quarenta dias precedentes ao término
trativas setoriais desconcentradas, na conformidade do que a lei do mandato do Governador do Estado, se seus contratos ou con-
disciplinar. vênios ultrapassarem o período governamental, salvo situação de
§ 2º Compõem a Administração Indireta as autarquias, as so- comprovada urgência ou emergência, ou decorrentes de recursos
ciedades de economia mista e as empresas públicas. provenientes de financiamentos externos ou repasses da União
§ 3º Constituem a Administração Fundacional Pública as fun- e que haja previsão orçamentária e disponibilidade financeira.”
dações instituídas e mantidas pelo Poder Público, destinadas à Art. 45. Os órgãos da Administração Direta e Indireta Estadual
execução de serviços estatais. e Fundacional Pública Estadual, na execução de suas atividades
Art. 44. São diretrizes específicas de observância obrigatória administrativas observarão rigorosamente os seguintes princí-
pela Administração Pública: pios:
I – acessibilidades aos cargos, funções e empregos públicos I – divulgação prévia, no órgão de imprensa oficial do Estado,
a todos os brasileiros que satisfaçam os requisitos estabelecidos para conhecimento público, de todos os atos ou contratos que
em lei; celebrem, como condição essencial a que tenham validade;
II – publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campa- II – publicação mensal de demonstrativo de todos os recursos
nhas dos órgãos públicos, através de divulgação de caráter edu- que, no mês anterior, tenham sido arrecadados pela Fazenda Es-
cativo, informativo ou de orientação social, vedada a inclusão de tadual ou por ela recebidos em razão de transferências do Gover-
imagens, nomes e símbolos que caracterizem promoção pessoal no Federal ou ainda de contratos, convênios, ajustes e acordos;
de autoridade ou de servidores públicos; III – prestação de contas ao Tribunal de Contas do Estado, de
III – responsabilidade, pelas pessoas jurídicas de direito públi- todas as despesas realizadas pelos órgãos da Administração Pú-
co, bem assim pelas de natureza privada prestadores de serviços blica, inclusive daquelas de qualquer natureza referentes à manu-
públicos, pelos danos que seus agentes, nesta qualidade, causa- tenção do Palácio do Governador, compreendendo alimentação,
rem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o agente conservação e limpeza, diárias de viagens, passagens aéreas ou
direto, nos casos de culpa ou dolo; terrestres e ajudas e contribuições;
IV – indispensabilidade de prévio processo de licitação pú- IV – apresentação, à Assembleia Legislativa Estadual, até o
blica para contratação de obras, serviços, compras e alienações, dia dez de cada mês, do demonstrativo de todas as despesas rea-
ressalvados os casos específicos na legislação ordinária; lizadas no mês anterior, com indicação dos recursos realizados;
V – asseguramento aos ofertantes em licitações de iguais con-
dições de participação, mediante exclusivo estabelecimento de NOTA: Inciso com pedido de suspensão liminar indeferido,
exigências referentes às qualificações técnicas e econômicas in- por maioria, na ADI nº 127-2-MC. Julgada pelo Pleno do STF em
dispensáveis à garantia do cumprimento do contrato, bem como 20/11/1989. Publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardan-
de cláusulas que prescrevam obrigações do pagamento segundo do julgamento.
os efetivos termos da proposta, na forma da lei;
VI – exigibilidade de comprovação da efetiva e regular aplica- V – irrestrito impedimento, aos órgãos da Administração Di-
ção dos dinheiros públicos na realização de despesas de qualquer reta, Indireta e Fundacional Pública, da celebração de contrato
natureza; com pessoas jurídicas de que sejam sócios, administradores ou
VII – imprescindibilidade de lei para criação de cargos, fun- gerentes, o Governador e o Vice-Governador do Estado, ou ainda
ções e empregos públicos nas administrações direta, autárquica qualquer de seus parentes até o terceiro grau, em linha ascenden-
e fundacional pública, bem como para a fixação dos respectivos te, descente ou colateral.
quantitativos e padrões remuneratórios;

5
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “descente” § 1º (Redação revogada pela Emenda Constitucional nº
ser lida como “descendente”. 18/1998.)
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 1º Será gratuita a inscrição para efei-
Parágrafo único. O impedimento de que trata o inciso V deste to de prestação de concurso público.”
artigo aplica-se ainda aos órgãos da Administração Direta, Indire- § 2º O prazo para inscrição em concurso público será de pelo
ta, Autárquica e Fundacional Pública, em relação ao seus titulares menos trinta dias, contados da primeira publicação do ato con-
ou dirigentes e seus parentes até o terceiro grau, em linha ascen- vocatório.
dente, descendente ou colateral. Art. 48. A autoridade que, direta ou indiretamente, contribuir
para o pagamento de vantagens indevidas a servidores públicos
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “ao seus” ou que, de alguma forma, determine a ruptura da isonomia remu-
ser lida como “aos seus”. neratória estabelecida entre os servidores dos três Poderes, será
responsabilizada pelos prejuízos impostos ao erário, obrigandose
SEÇÃO II a, pessoalmente, proceder aos ressarcimentos devidos.
DOS SERVIDORES EM GERAL Art. 49. São direitos comuns assegurados aos servidores da
Administração Direta, Civis ou Militares, Autárquica ou Fundacio-
Art. 46. São servidores públicos os ocupantes de cargos, fun- nal Pública:
ções e empregos permanentes ou temporários nas Administra- I – irredutibilidade de remuneração, salvo nas hipóteses de
ções Direta, Autárquica e Fundacional Pública, estadual e muni- extrapolação do limite remuneratório superior, violação à parida-
cipal. de com o Poder Executivo ou descontos decorrentes de obrigações
Art. 47. São princípios genéricos aplicáveis aos servidores das tributárias ou previdenciárias, ou de ordem judicial, ressalvados
Administrações Direta, Autárquica e Fundacional Pública: os casos de retenções autorizadas pelo servidor, resguardados os
I – admissão, em cargos ou empregos permanentes, condi- limites e as condições que a lei estabelecer;
cionada a prévia habilitação em concurso público de provas ou de II – piso vencimental nunca inferior a 1/40 (um quarenta avos)
provas e títulos, respeitada a ordem final de classificação, fixada da maior remuneração estadual fixada em lei; (Redação dada pela
a validade das seleções em prazo correspondente a dois anos, e Emenda Constitucional nº 28/2003.)
permitida a prorrogação, uma única vez, por igual período; REDAÇÃO DADA PELA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº
II – preferencial exercício de cargos de provimento em comis- 15/1996: “II – piso vencimental nunca inferior a 1/40 (um quaren-
são ou de funções de confiança por servidores ocupantes de car- ta avos) do maior vencimento base ou soldo, e limite máximo de
gos de carreira técnica ou profissional, nas condições e nos casos remuneração auferível pelo cargo, função ou emprego ocupado,
previstos na lei; correspondente, em cada Poder, ao valor devido como remune-
III – reserva de percentual de cargos e empregos públicos ração em espécie, a qualquer título, ao Secretário de Estado, ao
para preenchimento por pessoas portadoras de deficiência, res- Deputado Estadual e ao Desembargador, respectivamente, inclu-
peitados os critérios de admissão que a lei estabelecer; sive as vantagens de caráter individual, ressalvadas a gratificação
natalina e a remuneração de férias;”
IV – exclusividade das contratações por tempo determinado REDAÇÃO DADA PELA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº
para o atendimento de necessidades temporárias de excepcional 12/1995: “II – piso vencimental nunca inferior a 1/40 (um quaren-
interesse público, desde que suficientemente comprovada esta ta avos) do maior vencimento-base ou soldo, e limite máximo de
pré-condição, respeitados os requisitos estipulados em lei; remuneração auferível pelo cargo, função ou emprego ocupado,
V – revisão geral periódica da remuneração na atividade e dos correspondente, em cada Poder, ao valor devido como remune-
proventos dos servidores inativos, sem distinção entre civis e mi- ração em espécie, a qualquer título, ao Secretário de Estado, ao
litares, na mesma proporção e na mesma data; Deputado Estadual e ao Desembargador, respectivamente, dele
VI – extensibilidade aos servidores públicos inativos, civis e excluídas, apenas, as vantagens de caráter individual até o limite
militares, de vantagens ou benefícios concedidos aos servidores de 60% (sessenta por cento) da remuneração máxima, a gratifica-
públicos ativos, inclusive quando decorrente de reclassificações, ção natalina e a remuneração de férias;”
reestruturações, transformações ou quaisquer outras mutações REDAÇÃO ORIGINAL: “II – fixação, em lei ordinária, de relação
do cargo ou função em que foram inativados; entre a maior e menor retribuição, bem assim do limite máximo
VII – isonomia de vencimentos para os servidores do mes- da remuneração auferível pelo cargo, função ou emprego ocupa-
mo Poder, ou entre servidores dos Poderes Legislativo, Executi- do, excluídas as vantagens de caráter individual, correspondente,
vo e Judiciário, ressalvadas as vantagens de caráter individual e em cada Poder, ao valor devido como remuneração, em espécie,
as relativas à natureza e ao local de trabalho, quando ocupantes a qualquer título, ao DeputadoEstadual, ao Secretário deEstado e
de cargos de idêntica natureza ou assemelhados, compreendidos ao Desembargador,respectivamente.”
como tais aqueles a que correspondam iguais ou similares con- III – previsão, por lei, de todos os acréscimos pecuniários au-
teúdos ocupacionais ou para cujos desempenhos se exija a mes- feríveis a qualquer título, bem assim dos critérios de cálculo das
ma qualificação profissional ou habilitação técnica específica, res- correspondentes parcelas, vedada a computação ou a acumula-
pectivamente; ção destas para fins de concessão de acréscimos posteriores, sob
VIII – impossibilidade de fixação, para os cargos, empregos o mesmo título ou idêntico fundamento;
ou funções dos Poderes Legislativo e Judiciário, de remuneração IV – décimo terceiro salário, em valor apurado com base na
superior à devida pelo Poder Executivo, vedadas, para qualquer retribuição integral devida no mês de dezembro, aos servidores
outro efeito, a vinculação e a equiparação de vencimentos ou sa- ativos, inativos e pensionistas;
lários; V – abono-família, pago em razão do dependente do tra-
IX – precedência da administração fazendária e seus servido- balhador de baixa renda nos termos da lei; (Redação dada pela
res fiscais sobre os demais setores administrativos, na forma da Emenda Constitucional nº 31/2004.)
lei.

6
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
REDAÇÃO ORIGINAL: “V – abono-família, em relação a cada XIII – computação, para efeito de aposentadoria, do tempo
um dos seus dependentes, em valor nunca inferior a dez por cen- de serviço público federal, estadual e municipal, bem como do
to do piso vencimental do Poder Executivo Estadual, observado o prestador em atividade privada, de acordo com a lei pertinente;
disposto no art. 55, I;” XIV – participação nos colegiados dos órgãos públicos em que
VI – gozo de férias anuais remuneradas com pelo menos um seus interesses profissionais, remuneratórios ou previdenciários
terço a mais do que a remuneração do período correspondente, sejam objeto de discussão e deliberação, através de representantes
paga a vantagem até a data do início do período repouso; devidamente indicados pelos correspondentes órgãos de classe;
NOTA: Houve um erro material. Deve existir a preposição XV – adicional por tempo de serviço, observados uniformes
“de” antes da palavra “repouso”. critérios de concessão e cálculo para os servidores públicos em
VII – licença à maternidade sem prejuízo do cargo, de função geral.
ou de emprego ocupado, com duração de cento e oitenta dias, a NOTA: Houve um erro material. Deve o inciso ser terminado
contar da data do parto, ou, se o requerer a servidora, a partir do por ponto e vírgula.
oitavo mês de gestação, ou ainda da data em que aceitar a guarda XVI – o valor bruto da remuneração e do subsídio dos ocu-
de criança de idade inferior a trinta dias, por determinação judi- pantes de cargos, funções e empregos públicos da administração
cial ou recebê-la como filho adotivo; (Redação dada pela Emenda direta, indireta e fundacional pública e dos proventos ou qual-
Constitucional nº 34/2007.) quer outra espécie remuneratória, excluídas as vantagens de ca-
ráter individual, observarão como limite máximo, em cada Poder,
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a o valor devido, em espécie, a título de remuneração mensal, ao
palavra “judicial”. Secretário de Estado, ao Deputado Estadual e ao Desembargador
do Tribunal de Justiça. (Redação acrescentada pela Emenda Cons-
REDAÇÃO ORIGINAL: “VII – licença à maternidade, sem pre- titucional n° 28/2003.)
juízo do cargo, de função ou do emprego ocupado, com duração § 1º Sempre que ocorrer vaga em cargo público permanen-
de cento e vinte dias, a contar da data do parto, ou, se o requerer te, inicial de carreira ou isolado, dar-se-á preferência ao preen-
a servidora, a partir do oitavo mês de gestação, ou ainda da data chimento mediante provimento de quem já seja servidor público
estadual, desde que, satisfazendo os requisitos indispensáveis
em que aceitar a guarda de criança de idade inferior a trinta dias,
fixados em lei, obtenha aprovação em exame seletivo interno, ob-
por determinação judicial ou recebê-la como filho adotivo;”
servada a ordem de classificação.
VIII – licença à paternidade, nos termos que a lei especificar;
IX – licença especial, com duração correspondente a três me-
NOTA: Parágrafo com eficácia suspensa, por maioria, pela ADI
ses ao fim de cada quinquênio de efetivo exercício do cargo públi-
nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989, publica-
co permanente, facultada a opção pela conversão em abono pe-
da no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamento.
cuniário ou pela contagem dobrada do período não gozado, para
fins de aposentadoria e adicionais por tempo de serviço;
§ 2º Nenhuma vantagem pecuniária, exceto adicional por
tempo de serviço e gratificação de representação, prêmio de pro-
NOTA: Suspendeu-se a eficácia, por maioria, das seguintes ex- dutividade fiscal e aqueles de que trata o inciso VII, do art. 55,
pressões deste inciso: “pela conversão em abono pecuniário ou”, será concedida por prazo superior a seis meses, admitida à reno-
pela ADI nº 276-7-MC, julgada pelo Pleno do STF em 30/5/1990, vação, desde que devidamente motivada.
publicada no DJ de 17/8/1990. Decisão final: O Pleno julgou, em
13/11/1997, por unanimidade, procedente a ação direta, deferin- NOTA: Houve dois erros materiais. Não deve existir a vírgula
do-se a liminar. Publicada no DJ de 19/12/1997. na expressão “inciso VII, do art.55”, bem como a crase antes da
palavra “renovação”.
X – transposição, a pedido, de um para o outro cargo público
permanente, para cujo exercício haja obtido qualificação profis- § 3º Para os fins do inciso XVI deste artigo, consideram-se
sional suficiente, desde que, existente a vaga, comprove sua apti- vantagens de caráter individual exclusivamente os adicionais por
dão em exame seletivo interno; tempo de serviço, até o limite total de 35% (trinta e cinco por cen-
to) sobre a remuneração do servidor. (Redação acrescentada pela
NOTA: Inciso com eficácia suspensa, por unanimidade, até Emenda Constitucional nº 28/2003.)
decisão final da ação, pela ADI nº 362-3-MC, julgada pelo Pleno § 4º Além do disposto no parágrafo anterior e observado
do STF em 27/09/1990, publicada no DJ de 26/10/1990. Decisão o § 5º, excluem-se do limite previsto no inciso XVI deste artigo,
final: O Pleno julgou, em 21/11/1996, por unanimidade, proce- apenas: (Redação acrescentada pela Emenda Constitucional nº
dente a ação para declarar a inconstitucionalidade deste inciso. 28/2003.)
Publicada no DJ de 4/4/1997. I – a gratificação natalina; (Redação acrescentada pela Emen-
da Constitucional nº 28/2003.)
XI – percepção dos vencimentos e salários até o dia 10 (dez) II – o adicional de férias; (Redação acrescentada pela Emenda
do mês subsequente ao vencido. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 28/2003.)
Constitucional nº 03/1991.) III – a ajuda de custo, as diárias e a indenização de transporte,
vedada qualquer espécie de incorporação; (Redação acrescenta-
NOTA: Houve um erro material. Deve o inciso ser terminado da pela Emenda Constitucional nº 28/2003.)
por ponto e vírgula. IV – o valor devido, ao servidor efetivo, pelo exercício de fun-
ção gratificada e pela opção de que trata o art. 7º da Lei Estadual
REDAÇÃO ORIGINAL: “XI – Percepção dos vencimentos e sa- n.º 5.665, de 18 de janeiro de 1995, com a redação dada pela Lei
lários no último qüinqüídio do mês a que corresponder a remu- Estadual n.º 5.698, de 2 de junho de 1995, vedada qualquer espé-
neração”. cie de incorporação. (Redação acrescentada pela Emenda Consti-
XII – repouso semanal remunerado; tucional nº 28/2003.)

7
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
§ 5º Consideradas individualmente ou somadas, as vantagens Art. 52. As pensões pagas pelo Instituto de Previdência e As-
mencionadas ao inciso IV do parágrafo anterior e no § 3º deste sistência dos Servidores do Estado de Alagoas – IPASEAL – serão
artigo, não poderão exceder a 35% (trinta e cinco por cento) do li- iguais ao valor dos proventos do servidor falecido ou ao valor dos
mite máximo fixado para cada Poder. (Redação acrescentada pela proventos a que teria direito o servidor em atividade na data de
Emenda Constitucional nº 28/2003.) seu falecimento, observando-se, como limite máximo o estabe-
NOTA: Houve dois erros materiais. Deve a expressão “ao inci- lecido para o Poder Executivo, previsto no inciso XVI do artigo 49
so” ser lida como “no inciso”, bem como não deve existir a vírgula desta Constituição. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
após a palavra “artigo”. 28/2003.)
§ 6º As vantagens a que se referem os incisos I e II do § 4º
não poderão ser calculadas com base em valor superior ao limite NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula
máximo previsto no inciso XVI deste artigo, excetuando-se, para após a expressão “observando-se”.
os fins de base de cálculo, a aplicação dos adicionais por tempo
de serviço a que fizer jus o servidor, na forma e limites do § 3º. REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 52. O benefício da pensão por
(Redação acrescentada pela Emenda Constitucional nº 28/2003.) morte corresponderá à totalidade da remuneração do servidor
Art. 50. É vedada a acumulação remunerada de cargos, fun- civil ou militar falecido, ativo ou inativo, até o limite estabelecido
ções e empregos públicos, na Administração Direta, Indireta e nesta Constituição, respeitadas quaisquer mutações sobrevindas
Fundacional Pública, exceto, quando houver compatibilidade de ao cargo.”
horários: Parágrafo único. Excetuam-se do limite de que trata o caput
deste artigo as pensões que vierem a ser pagas, nos termos de
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula lei específica, diretamente pelos Poderes Legislativo e Judiciário.
após a palavra “exceto”. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 28/2003.)
REDAÇÃO ORIGINAL: “Parágrafo Único. É ainda assegurada a
a) a de dois cargos de professor; pensão de que trata este artigo, por seu valor integral, se o cônju-
b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico; ge supérstite for servidor público estadual.”
c) a de dois cargos privativos de médicos. Art. 53. Os vencimentos, proventos, pensões, gratificações e
Parágrafo único. Os proventos da inatividade e as pensões vantagens de quaisquer natureza, pagos fora dos prazos previstos
previdenciários não serão considerados para efeito de acumula- nesta Constituição, serão, obrigatoriamente, corrigidos moneta-
ção de cargos. riamente de acordo com os índices oficiais.

NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “previdenciá- NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “quaisquer
rios” ser lida como “previdenciárias”. natureza” ser lida como “qualquer natureza”.
NOTA: Suspensa a eficácia da expressão “Os proventos da
inatividade e” contida no parágrafo único, por unanimidade, até SUBSEÇÃO I
decisão final da ação, referendando o despacho do Presidente, DOS SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS
pela ADI nº 1328-9-MC, julgada pelo Pleno do STF em 31/8/1995,
publicada no DJ de 24/11/1995. Decisão final: O Pleno julgou, em Art. 54. O Estado e os Municípios, no âmbito de suas compe-
12/5/2004, por maioria, procedente, em parte, a ação para decla- tências, instituirão regime jurídico único, comum a todos os seus
rar a inconstitucionalidade da expressão “Os proventos da inativi- servidores, e estabelecerão planos de carreira para os servidores
dade e.”, publicada no DJ de 18/6/2004. da Administração Direta, Autárquica e Fundacional Pública.
Art. 55. São direitos especificamente assegurados aos servi-
Art. 51. Ao servidor público em exercício de mandato eletivo dores públicos civis:
aplicam-se as disposições a saber: I – piso vencimental ou salarial nunca inferior ao valor corres-
I – tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou distri- pondente ao salário mínimo nacionalmente unificado;
tal, ficará afastado de seu cargo, emprego ou função; II – duração do trabalho normal não superior a oito horas
II – investido no mandato de Prefeito, será afastado do cargo, diárias e quarenta horas semanais, facultada a compensação de
emprego ou função, sendo-lhe facultado optar por sua remune- horários e a redução de jornada mediante acordo entre a Admi-
ração; nistração e o órgão representativo da categoria funcional;
III – investido no mandato de Vereador, havendo compatibili- III – repouso semanal remunerado, preferencialmente aos
dade de horários, perceberá as vantagens de seu cargo, emprego domingos;
ou função, sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo, e, caso IV – remuneração, por serviços extraordinários e noturnos,
não haja compatibilidade, aplicar-se-á a norma do inciso anterior; em valor superior em cinquenta por cento, no mínimo, à devida
IV – em qualquer caso que exija o afastamento para o exercí- pelo trabalho normal e diurno;
cio de mandato eletivo, seu tempo de serviço será contado para V – proteção do mercado de trabalho da mulher mediante
todos os efeitos legais, exceto para promoção por merecimento; incentivos específicos, na forma da lei;
V – para efeito de benefício previdenciário, no caso de afas- VI – redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de
tamento, os valores serão determinados como se no exercício es- normas de saúde, higiene e segurança;
tivesse; VII – adicional de remuneração para atividades penosas, insa-
lubres ou perigosas, na forma da lei;
NOTA: Houve um erro material. Deve o inciso ser terminado VIII – proibição de diferença de remuneração, de condições
por ponto final. Parágrafo único. No caso do inciso III, a compatibi- de exercício de função e de critério de demissão por motivos de
lidade horária haverá de ser reconhecida pelo plenário da Câmara sexo, idade, cor, estado civil, religião, ideologia ou filiação políti-
Municipal. co-partidária;

8
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
IX – livre associação sindical e ingresso em estado de greve, para a inatividade, ficará o servidor automaticamente desobriga-
na última hipótese exercitado o direito nos termos e limites defi- do da prestação de serviços, sem prejuízo de sua remuneração,
nidos em lei complementar; até que publicada a decisão definitiva.
X – transferência para o quadro de pessoal de outro Poder, Art. 58. São estáveis, após dois anos de efetivo exercício, os
mediante solicitação daquele para o qual pretenda ser transposto servidores nomeados em virtude de concurso público.
e anuência daquele em que for originariamente lotado; § 1º O servidor público estadual só perderá o cargo median-
te processo administrativo disciplinar em que lhe seja assegurada
NOTA: Inciso com eficácia suspensa, por unanimidade, re- ampla defesa. Havendo pedido de revisão administrativa, a auto-
ferendando despacho da Presidência, até decisão final da ação, ridade, no prazo de trinta dias, a contar da data de autuação do
pela ADI n° 1.329-7-MC, julgada pelo Pleno do STF em 3/08/1995, pleito, decidirá fundamentalmente sobre o acolhimento ou não,
publicada no DJ de 20/9/1996. Decisão final: O Pleno julgou, em publicado o correspondente despacho no Diário Oficial.
20/8/2003, por unanimidade, procedente a ação para declarar a
inconstitucionalidade deste inciso. Publicada no DJ de 12/9/2003. NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “fundamen-
talmente” ser lida como “fundamentadamente”.
XI – criação, modificação e extinção de direitos exclusivamen-
te através de lei complementar ou ordinária; § 2º Invalidada, por sentença judicial, a demissão do servi-
XII – piso salarial profissional para as categorias com habilita- dor estável, será ele reintegrado e o eventual ocupante da vaga
ção profissional específica; reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indenização, apro-
veitado em outro cargo ou posto em disponibilidade.
NOTA: Inciso com eficácia suspensa, por decisão unânime, § 3º Extinguindo a lei o cargo ou sendo este motivadamente
pela ADI nº 668-1-MC, julgada pelo Pleno do STF em 27/3/1992, declarado desnecessário, o servidor estável ficará em disponibili-
publicada no DJ de 19/6/1992. Resultado: Aguardando julgamen- dade remunerada, com proventos integrais, até o seu obrigatório
to. aproveitamento em outro cargo.
Art. 59. Os servidores públicos do Estado, civis e militares,
XIII – proibição de dispensa, remoção ou transferência, sem bem como aqueles das autarquias, fundações, empresas públicas
justa causa ou por motivos políticos e ideológicos ou por discrimi- e sociedades de economia mista, não poderão fazer parte de mais
nação de qualquer espécie. de um órgão de deliberação coletiva, com direito a remuneração,
Art. 56. Os cônjuges e companheiros, quando ambos servido- seja qual for a natureza desta.
res públicos estaduais, terão lotação e exercício em repartições Art. 60. Lei complementar estabelecerá critérios objetivos e
situadas na mesma localidade. uniformes de classificação dos cargos públicos de todos os Pode-
Parágrafo único. Sendo ambos membros da Magistratura ou res do Estado, de forma a garantir a isonomia de vencimentos,
do Ministério Público, apenas se aplicará a regra deste artigo no com a apresentação dos limites mínimo e máximo de remunera-
caso de Comarca que compreenda mais de uma Vara. ção e das vantagens de caráter individual.
Art. 57. Os servidores públicos civis serão aposentados: Art. 61. O servidor público que for revertido à atividade, após
I – por invalidez permanente, sendo os proventos integrais cessação dos motivos que determinaram a sua aposentadoria por
quando a aposentação decorrer de acidente em serviço, moléstia invalidez, terá direito a contagem do tempo para fins de aposen-
profissional ou doença grave, contagiosa ou incurável, especifica- tadoria, adicionais por tem de serviço e progressão horizontal, re-
da em lei, e proporcionais nos demais casos; lativamente ao período em que esteve aposentado.
II – compulsoriamente, aos setenta anos de idade, com pro-
ventos proporcionais ao tempo de serviço; NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “ por tem
III – voluntariamente: de serviço” ser lida como “por tempo de serviço”.
a) aos trinta e cinco anos de serviço, se homem, e aos trinta
anos, se mulher, com proventos integrais; Art. 62. Aos empregados das empresas públicas e sociedades
b) aos trinta anos de efetivo exercício em funções de magis- de economia mista estadual é assegurada a participação nos lu-
tério, se professor, e vinte e cinco anos, se professora, com pro- cros e na gestão da empresa.
ventos integrais; § 1º A participação no lucro de exercício à conta do resulta-
c) aos trinta anos de serviço, se homem, e vinte e cinco anos, do superavitário dos balanços financeiros, terá o seu percentual
se mulher, com proventos proporcionais ao tempo de serviço; estabelecido pelo órgão superior da administração da empresa,
d) aos sessenta e cinco anos de idade, se homem, e aos ses- respeitado critério definido em lei.
senta anos, se mulher, com proventos proporcionais ao tempo de
serviço. NOTA: Houve dois erros materiais. Não deve existir a vírgula
§ 1º Lei complementar poderá estabelecer exceções ao dis- após a palavra “financeiros”, bem como deve existir o artigo “o”
posto no inciso III, a e c no caso de exercício de atividades consi- após a palavra “respeitado”.
deradas penosas, insalubres e perigosas. § 2º Na composição dos órgãos colegiados das Autarquias,
Fundações Públicas, Empresas Públicas e Sociedades de Econo-
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a mia Mista, um dos cargos será preenchido por servidor de seus
expressão “inciso III, a e c”. Quadros de Pessoal, de notório merecimento e ilibada idoneidade
moral, com, pelo menos, cinco anos de efetivo exercício, indicado
§ 2º A Lei disporá sobre a aposentadoria em cargos ou em- pelas associações de classe, em lista tríplice constituída mediante
pregos temporários. eleição.
§ 3º Decorrido o prazo de trinta dias a contar da data da pro-
tocolização do pedido de aposentadoria voluntária, sem que a
Administração conceda ou motivadamente negue a transferência

9
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
SUBSEÇÃO II Art. 65. São considerados cargos, funções ou comissões poli-
DOS SERVIDORES PÚBLICOS MILITARES ciais militares os constantes dos quadros de organização da cor-
poração previstos em lei e contidos na Lei de Organização Básica.
Art. 63. São servidores públicos militares integrantes da Polí- (Redação dada pela Emenda Constitucional n° 16/1997.)
cia Militar Estadual: REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 65. São considerados cargos, fun-
§ 1º As patentes, conferidas pelo Governador do Estado, com ções ou comissões policiais militares os constantes dos quadros
as prerrogativas, os direitos e os deveres a elas inerentes, são as- de organização da corporação.”
seguradas em plenitude aos oficiais da ativa, da reserva ou refor- Parágrafo único. São considerados cargos, funções ou comis-
mados, sendo-lhes privativos os títulos e postos militares. sões de natureza policial-militar os exercidos pelos integrantes
§ 2º O militar da ativa que aceitar cargo público civil perma- da Polícia Militar. (Redação dada pela Emenda Constitucional n°
nente será transferido para a reserva, com os direitos e deveres 16/1997.)
definidos em lei. REDAÇÃO ORIGINAL: “Parágrafo Único. São também conside-
§ 3º O militar da ativa que aceitar o cargo, função ou emprego rados cargos, funções ou comissões de natureza policial militar os
público temporário, não eletivo, ainda que na Administração Indi- desempenhados pelos integrantes da Polícia Militar.”
reta ou Fundacional Pública, ficará agregado ao respectivo quadro I – em órgãos federais relacionados com as missões das
e somente poderá, enquanto permanecer nesta situação, ser pro- Forças auxiliares; (Redação dada pela Emenda Constitucional n°
movido por antiguidade, contando-se-lhe o tempo de serviço ape- 16/1997.)
nas para aquela modalidade de promoção e transferência para a REDAÇÃO ORIGINAL: “I – em órgãos federais relacionados
reserva, sendo, depois de dois anos de afastamento, contínuos ou com as missões das Forças Auxiliares;”
não, transferido para inatividade. II – na Casa Militar do Palácio do Governo e nas Assessorias
§ 4º O militar, enquanto em serviço ativo, não poderá estar Militares da Assembleia Legislativa, Tribunal de Justiça, do Tribu-
filiado a partido político. nal de Contas, da Procuradoria-Geral de Justiça, da Procuradoria-
§ 5º O oficial militar só perderá o posto e a patente se for -Geral do Estado e da Prefeitura Municipal de Maceió; (Redação
julgado indigno do oficialato ou com ele incompatível, por decisão dada pela Emenda Constitucional Estadual n° 16/1997.)
do Conselho de Justiça de caráter permanente, devendo a lei es-
pecificar os casos de submissão a processo e o rito deste. NOTA: Houve um erro material. Deve existir a preposição
§ 6º O oficial condenado na justiça comum ou militar a pena “do” antes da expressão “Tribunal de Justiça”.
privativa de liberdade superior a dois anos, por sentença transi-
tada em julgado, será submetido ao julgamento previsto no pará- REDAÇÃO ORIGINAL: “II – na Casa Militar do Palácio do Go-
grafo precedente. verno e nas Assessorias Militares da Assembleia Legislativa e do
§ 7º A lei disporá sobre a estabilidade do servidor militar, Tribunal de Justiça;”
bem como sobre os direitos de idade e outras condições de trans- III – no Gabinete do Vice-Governador. (Redação dada pela
ferência para a inatividade. Emenda Constitucional n° 16/1997.)
§ 8º A lei estabelecerá as condições em que a praça perderá
a graduação. NOTA: Houve um erro material. A redação originária do inciso
§ 9º O Chefe do Poder Executivo Estadual, encaminhará à As- III é idêntica à redação proposta pela Emenda Constitucional n°
sembleia Legislativa de Alagoas, no prazo de 45 (quarenta e cinco) 16/97.
dias, da aprovação desta Emenda, para fins de deliberação pelos
seus Deputados, de Projeto de Lei que defina, na forma prescrita REDAÇÃO ORIGINAL: “III – no Gabinete do Vice-Governador.”
pela parte final do inciso LXI do Art. 5º da Constituição Federal, as Art.66. Aos policiais militares inativados por incapacidade
transgressões militares a que estão sujeitos os servidores públi- temporária ou definitiva, fica assegurado direito ao auxílio invali-
cos militares do Estado de Alagoas. (Redação acrescentada pela dez, na forma do que dispuser a lei.
Emenda Constitucional nº 22/2000.) Art. 67. O sistema de remuneração do pessoal da Polícia Mi-
NOTA: O § 9º acrescentado pela Emenda à Constituição Esta- litar será estabelecido em lei, não podendo o soldo do posto de
dual nº 22, de 26/12/2000, publicada no Diário Oficial do Estado, Coronel ser inferior a quarenta por cento do vencimento base
edição de 28 de dezembro de 2000, teve sua eficácia suspensa, por atribuído ao Comandante-Geral da Corporação.
unanimidade, pela ADI nº 2.393-4-MC, julgada pelo Pleno do STF
em 9/5/2000, publicada no DJ de 21/6/2002. Decisão final: O Pleno NOTA: Artigo com pedido de suspensão liminar indeferido,
julgou, em 13/2/2003, por unanimidade, procedente a ação para por maioria, na ADI nº 127-2-MC. Julgada pelo Pleno do STF em
declarar a inconstitucionalidade deste parágrafo, com a redação 20/11/1989. Publicada no DJ de 4/12/ 1992. Resultado: Aguar-
dada pela EC nº 22/2000. Publicada no DJ de 28/3/2003. O STF, no dando julgamento.
argumento da decisão, relatou que não pode o Poder Legislativo,
por meio de Lei, muito menos por meio de Emenda Constitucional,
fixar prazo para o Chefe do Executivo - princípio constitucional da
Separação dos Poderes e da reserva de iniciativa de Lei.
NOTA: Houve dois erros materiais. Não deve existir a vírgula
após a palavra “Estadual”, bem como deve a expressão “Art.5º”
vir com a sua letra inicial minúscula.

Art. 64. O servidor militar estadual faz jus à assistência judi-


ciária integral e gratuita por parte do Estado, através do órgão
competente da Polícia Militar, nos casos previstos em lei, em que
se veja indiciado ou processado.

10
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
TÍTULO III Art. 71. A convocação extraordinária da Assembleia Legisla-
DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES tiva far-se-á:
I – pelo seu Presidente, no caso de decretação de intervenção
CAPÍTULO I em município;
DO PODER LEGISLATIVO II – pelo Governador do Estado e pelo Presidente da Assem-
bleia ou a requerimento da maioria dos deputados, em caso de
SEÇÃO I urgência ou interesse público relevante.
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Parágrafo único. Na sessão legislativa extraordinária, a As-
sembleia Legislativa somente deliberará sobre a matéria para a
Art. 68. O Poder Legislativo do Estado é exercido pela Assem- qual foi convocada.
bleia Legislativa, que se compõe de deputados eleitos pelo povo, Art. 72. Salvo disposição constitucional em contrário, as de-
através de voto direto e secreto, segundo o sistema proporcional, liberações da Assembleia Legislativa e de suas comissões serão
dentre cidadãos maiores de vinte e um anos e no exercício dos adotadas por maioria dos votos, presente a maioria absoluta de
direitos políticos. seus membros.
§ 1º Cada legislatura durará quatro anos. Art. 73. A Assembleia Legislativa ou qualquer de suas Comis-
§ 2º O número de deputados à Assembleia Legislativa cor- sões poderá convocar Secretário de Estado para prestar, pessoal-
responderá ao triplo da representação do Estado na Câmara dos mente, informações sobre assunto previamente determinado,
Deputados e, atingindo o número de trinta e seis, será acrescido importando crime de responsabilidade a ausência sem justifica-
de tantos quantos forem os deputados federais acima de doze. ção adequada e oportuna.
§ 3º Integram a estrutura da Assembleia Legislativa do Estado § 1º O Secretário de Estado poderá comparecer à Assembleia
de Alagoas: Legislativa ou a qualquer de suas Comissões, por sua iniciativa e
I – a Mesa Diretora; mediante entendimentos com a Mesa, para expor assunto de re-
II – as Comissões; levância de sua Secretaria.
III – o Plenário. § 2º A Mesa poderá requisitar informações ou documentos
§ 4º São órgãos auxiliares da Assembleia Legislativa do Estado de qualquer natureza aos Secretários de Estado, Presidentes de
de Alagoas: Fundações e Empresas Públicas, Autarquias e Sociedades de Eco-
I – a Diretoria Geral; nomia Mista, bem como ao Tribunal de Contas do Estado, impor-
II – a Procuradoria Geral; tando crime de responsabilidade a recusa ou não atendimento no
III – a Coordenação Geral para Assuntos Legislativos. prazo de dez dias, bem como a prestação de informações falsas.
Art. 69. A Assembleia Legislativa Estadual, reunir-seá, anual-
mente, na Capital do Estado, de 15 de fevereiro a 30 de junho e NOTA: Houve um erro material. Deve existir o artigo “o” antes
de 1º de agosto a 15 de dezembro. (Redação dada pela Emenda da expressão “não atendimento”.
Constitucional n° 1/1990.)
SEÇÃO II
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula DOS DEPUTADOS ESTADUAIS
após a palavra “Estadual”.
Art. 74. Os Deputados Estaduais são invioláveis, civil e penal-
REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 69. A Assembleia Legislativa reu- mente por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos. (Redação
nir-se-á, anualmente, na Capital do Estado, de 1° de fevereiro a 30 dada pela Emenda Constitucional nº 26/2002.)
de junho e de 1º de agosto a 15 de dezembro.”
§ 1º As reuniões marcadas para essas datas serão transferi- NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a
das para o primeiro dia útil subsequente, quando recaírem em palavra “penalmente”.
sábado, domingo e feriado.
§ 2º A sessão legislativa não será interrompida sem a aprova- REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 74. Os Deputados Estaduais são
ção do projeto de lei de diretrizes orçamentárias. invioláveis por suas opiniões, palavras e votos.”
§ 3º O Regimento Interno disporá sobre o funcionamento da § 1º Os Deputados Estaduais desde a expedição do diploma
Assembleia Legislativa nos sessenta dias anteriores às eleições serão submetidos a julgamento perante o Tribunal de Justiça do
gerais. Estado. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 26/2002.)
Art. 70. A Assembleia Legislativa Estadual reunir-se-á, em ses- REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 1º Os Deputados Estaduais, a par-
são preparatória, a partir de 1º de fevereiro, no primeiro ano de tir da expedição do diploma, não poderão ser presos, salvo em
cada legislatura, para posse de seus membros e eleição da Mesa flagrante de crime inafiançável, nem processados criminalmente
Diretora. (Redação dada pela Emenda Constitucional n° 2/1990.) sem prévia licença da Assembleia Legislativa.”
REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 70. A Assembleia Legislativa re- § 2º Desde a expedição do diploma, os Deputados Estaduais
unir-se-á, em sessão preparatória, a partir de 15 de janeiro, no não poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável.
primeiro ano de cada legislatura, para posse de seus membros e Neste caso, os autos serão remetidos, dentro de vinte e quatro
eleição da Mesa Diretora.” horas à Assembleia Legislativa Estadual, para que, pelo voto da
Parágrafo único. Os membros da Mesa Diretora cumprirão maioria de seus membros, resolva sobre a prisão. (Redação dada
mandato de dois anos, permitida a reeleição. (Redação dada pela pela Emenda Constitucional n° 26/2002.)
Emenda constitucional n° 29/2003.)
REDAÇÃO ORIGINAL: “Parágrafo único. Os membros da Mesa NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a
Diretora cumprirão mandato de dois anos, vedada a reeleição, palavra “horas”.
para o mesmo cargo, na eleição imediatamente subsequente.”

11
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 2º O indeferimento do pedido de estabelecidas nos §§ 1º e 4º deste artigo, excluída a licença da
licença ou a ausência de deliberação suspende a prescrição en- Assembleia Legislativa para processo criminal, sendo vedada, ain-
quanto durar o mandato.” da, qualquer restrição de caráter policial quanto à inviolabilidade
pessoal e patrimonial.”
§ 3º Recebida a denúncia contra o Deputado, por crime ocor-
rido após a diplomação, o Tribunal de Justiça do Estado dará ciên- NOTA: § 8° com eficácia suspensa, com efeitos ex nunc, até
cia à Assembleia Legislativa que, por iniciativa do partido político o final do julgamento da ação direta, com votação unânime, pela
nela representado e pelo voto da maioria de seus membros, po- ADI n° 1.828-1-MC, julgada pelo Pleno do STF em 27/5/1998, pu-
derá até a decisão final sustar o andamento da ação. (Redação blicada no DJ de 7/8/1998. Resultado: Ação julgada prejudicada
dada pela Emenda Constitucional nº 26/2002.) monocraticamente por perda superveniente do objeto. Julgada
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 3º No caso de flagrante de crime em 22/11/2007. Publicada no DJ de 28/11/2007.
inafiançável, os autos serão remetidos, dentro de vinte e quatro Art. 75. Os Deputados Estaduais não poderão: I – Desde a ex-
horas, à Assembleia Legislativa, para que, pelo voto secreto da pedição do diploma:
maioria de seus membros, resolva sobre a prisão e autorize, ou a) firmar ou manter contrato com pessoas jurídicas de direito
não, a formação de culpa.” público, fundações e empresas públicas, sociedades de econo-
§ 4º O pedido da sustação, será apreciado pela Assembleia mia mista ou empresas concessionárias de serviço público, salvo
Legislativa Estadual de Alagoas no prazo improrrogável de qua- quando o contrato obedecer a cláusulas uniformes;
renta e cinco dias do seu recebimento pela Mesa Diretora. (Reda- b) aceitar ou exercer cargo, função ou emprego remunerado,
ção dada pela Emenda Constitucional n° 26/2002.) inclusive os de que sejam livremente demissíveis, nas entidades
constantes da alínea anterior;
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada
após a palavra “sustação”. por ponto final.
II – Desde a posse:
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 4º Os Deputados Estaduais serão a) ser proprietários, controladores ou diretores de empresas
que goze de favor decorrente de contrato com pessoa jurídica de
submetidos a julgamento perante o Tribunal de Justiça.”
direito público, ou nela exercer função remunerada;
§ 5º A sustação do processo suspende a prescrição, enquanto
NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “empresas”
durar o mandato. (Redação dada pela Emenda Constitucional n°
ser lida como “empresa”.
26/2002.)
b) ocupar cargo ou função de que sejam livremente demissí-
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 5º Os Deputados Estaduais não serão
veis, nas entidades referidas no inciso I, a;
obrigados a testemunhar sobre informações recebidas ou presta-
c) patrocinar causa em que seja interessada qualquer das en-
das em razão do exercício do mandato, nem sobre as pessoas que
tidades a que se refere o inciso I, a;
lhes confiaram ou deles receberam informações.”
d) ser titulares de mais de um cargo ou mandato público eletivo.
§ 6º Os Deputados Estaduais não serão obrigados a teste- Art. 76. Perderá o mandato o Deputado Estadual:
munhar sobre informações recebidas ou prestadas em razão do I – que infringir qualquer das proibições estabelecidas no ar-
exercício do mandato, nem sobre as pessoas que lhes confiaram tigo anterior;
ou delas receberam informações. (Redação dada pela Emenda II – cujo procedimento for declarado incompatível com o de-
Constitucional n° 26/2002.) coro parlamentar;
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 6º A incorporação às Forças Armadas III – que deixar de comparecer, em sessão legislativa anual,
de Deputados, embora militares e ainda que em tempo de guerra, à terça parte das sessões ordinárias ou a doze sessões ordinárias
dependerá de prévia licença da Assembleia Legislativa.” consecutivas, salvo doença comprovada por junta médica desig-
§ 7º A incorporação às Forças Armadas de Deputados Esta- nada pela Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, licença ou
duais, embora militares e ainda que em tempo de guerra, depen- missão autorizada pela Casa;
derá de prévia licença da Assembleia Legislativa. (Redação dada IV – que perder ou tiver suspenso os direitos políticos;
pela Emenda Constitucional n° 26/2002.)
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 7º As imunidades dos Deputados NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “suspenso”
Estaduais subsistirão durante o estado de sítio, só podendo ser serlida como “suspensos”.
suspensas pelo voto de dois terços dos membros da Assembleia
Legislativa, nos casos de atos que, praticados fora do recinto do V – quando o decretar a Justiça Eleitoral, nos casos previstos
Poder Legislativo, sejam incompatíveis com a execução da medi- na Constituição Federal;
da.” VI – que sofrer condenação criminal em sentença transitada
§ 8º As imunidades de Deputados Estaduais, subsistirão du- em julgado.
rante o estado de sítio, só podendo ser suspensas mediante o § 1º Nos casos dos incisos I, II e VI será decidida a perda do
voto de dois terços dos membros da Assembleia Legislativa, nos mandato pela Assembleia Legislativa, por voto secreto e maioria
casos de atos praticados fora do recinto da Assembleia Legislativa, absoluta, mediante provocação da Mesa ou de partido político re-
que sejam incompatíveis com a execução da medida. (Redação presentado na corporação legislativa, assegurada ampla defesa.
dada pela Emenda Constitucional n° 26/2002.) § 2º Nos casos previstos nos incisos III a V, a perda será decla-
rada pela Mesa da Assembleia Legislativa, de ofício ou mediante
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula provocação de qualquer de seus membros, ou de partido político
após a palavra “Estaduais”. representado no corpo legislativo, assegurada ampla defesa.
§ 3º Considera-se incompatível com o decoro parlamentar,
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 8º Os ex-Deputados Estaduais que além dos casos definidos no Regimento Interno da Assembleia
hajam exercido o mandato em caráter definitivo, por período igual Legislativa, o abuso das prerrogativas asseguradas ao Deputado
ou superior a duas sessões legislativas, gozarão das prerrogativas Estadual ou a percepção de vantagens indevidas.

12
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 77. Não perderá o mandato de Deputado Estadual: determinar”, por maioria, na ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno
I – Investido no cargo de Ministro de Estado, Secretário Na- do STF em 20/11/1989, publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado:
cional, Superintendente de Órgão Federal de Desenvolvimento Aguardando julgamento.
Regional, Governador de Território, de Secretário de Estado, do
Distrito Federal, de Territórios, de Prefeituras da Capital ou de VI – autorizar o Governador do Estado a se ausentar do Esta-
Chefe de missão diplomática temporária; (Redação dada pela do, quando a ausência exceder de quinze dias;
Emenda Constitucional n° 5/1991.)
REDAÇÃO DADA PELA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 4/1991: NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a preposição
“I – Investido no cargo de Ministro de Estado, Secretário Nacio- “de” depois da palavra “exceder”.
nal, Superintendente de Órgão Federal de Desenvolvimento Re- VII – fixar, para viger em cada exercício financeiro, a remune-
gional, Presidente de Autarquia, Empresa Pública, Sociedade de ração do Governador do Estado, do Vice-Governador, dos Secre-
Economia Mista da União e do Estado de Alagoas, Governador de tários de Estado e dos Procuradores-Gerais de Justiça e do Estado,
Território, de Secretário de Estado, do Distrito Federal, de Terri- sujeita aos impostos gerais, incluídos o de renda e extraordinário;
tório, de Prefeituras da Capital ou de Chefe de missão diplomática
temporária.” NOTA: Suspensa a eficácia das seguintes expressões: “e dos
REDAÇÃO ORIGINAL: “I – Investido no cargo de Ministro de Procuradores-Gerais da Justiça e do Estado”, por maioria, na ADI
Estado, de Governador de Território, de Secretário de Prefeitu- nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989, publica-
ra Municipal, de Estado, do Distrito Federal e de Território, bem da no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamento.
como de chefe de missão diplomática temporária.”
II – licenciado pela Assembleia Legislativa por motivo de VIII – julgar as contas do Governador do Estado;
doença, ou para tratar, sem remuneração, de interesse particular, IX – deliberar sobre o adiamento e a suspensão de suas ses-
desde que, neste caso, o afastamento não ultrapasse cento e vin- sões;
te dias por sessão legislativa. X – apreciar as contas do Poder Legislativo, apresentadas
§ 1º O suplente será convocado nos casos de vaga, de inves- obrigatoriamente pela Mesa, sem prejuízo das atribuições pró-
tidura em funções previstas neste artigo ou de licença superior a prias do Tribunal de Contas do Estado;
cento e vinte dias. XI – solicitar a intervenção federal nos casos e termos pre-
§ 2º Ocorrendo vaga e não havendo suplente, far-se-á eleição vistos no artigo 36, I, da Constituição da República Federativa do
se faltarem mais de quinze meses para o término do mandato. Brasil;
§ 3º Na hipótese do Inciso I, o Deputado Estadual poderá op- XII – receber o compromisso do Governador e do ViceGover-
tar pela remuneração do mandato. nador do Estado;
Art. 78. Os Deputados Estaduais perceberão remuneração fi- XIII – emendar a Constituição;
xada pela Assembleia Legislativa ao final de cada legislatura, para XIV – aprovar ou suspender a intervenção estadual nos mu-
viger na subsequente, sujeita aos impostos gerais, incluídos os de nicípios;
renda e extraordinários. XV – sustar os atos normativos do Poder Executivo que exor-
bitem do poder regulamentar ou dos limites de delegação legis-
SEÇÃO III lativa.
DAS ATRIBUIÇÕES DO PODER LEGISLATIVO § 1º O disposto no Inciso V deste artigo aplica-se à escolha
dos nomes que o Estado, na qualidade de acionista majoritário,
Art.79. Compete privativamente à Assembleia Legislativa: indicar à Assembleia Geral das Entidades que compõem o Sistema
I – autorizar, por dois terços de seus membros, a instauração Financeiro e Creditício Oficial do Estado, bem como, das demais
de processo por crime de responsabilidade contra o Governador, Sociedades de Economia Mista, com vistas à eleição para os car-
o Vice-Governador e os Secretários de Estado; gos de Presidente e Diretores das respectivas Entidades e Empre-
II – proceder à tomada de contas do Governador do Estado, sas.
quando não apresentadas à Assembleia Legislativa dentro de ses-
senta dias após a abertura da sessão legislativa; NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula
III – elaborar seu Regimento Interno; após a expressão “bem como”.
IV – dispor sobre sua organização, funcionamento, polícia, NOTA: Parágrafo com eficácia suspensa, por maioria, pela ADI
criação, transformação, extinção e provimento de cargos e fun- nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989, publica-
ções de seus serviços e fixação da respectiva remuneração, ob- da no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamento.
servados os parâmetros estabelecidos na Lei de Diretrizes Orça-
mentárias; § 2º O exercício provisório das funções de cargos referidos no
V – aprovar, previamente, por voto secreto, após arguição Inciso V e no § 1º deste artigo, mediante designação, em nenhu-
pública, a escolha dos Conselheiros do Tribunal de Contas indica- ma hipótese poderá exceder a quinze dias.
dos pelo Governador do Estado, do Procurador-Geral de Justiça,
do Procurador-Geral do Estado, do Comandante-Geral da Polícia NOTA: Parágrafo com eficácia suspensa, por maioria, pela ADI
Militar, dos Presidentes e Diretores das Autarquias estaduais e nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989, publica-
das entidades fundacionais públicas, bem como de outros cargos da no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamento.
que a lei determinar;
§ 3º Por motivo de conveniência pública e deliberação de
NOTA: Suspensa a eficácia das seguintes expressões: “do Pro- maioria absoluta de seus membros, poderá a Assembleia Legis-
curado-Geral do Estado, do Comandante-Geral da Polícia Militar, lativa reunir-se, temporariamente, em qualquer cidade do Estado
dos Presidentes e Diretores das Autarquias estaduais e das enti- de Alagoas.
dades fundacionais públicas, bem como de outros cargos que a lei

13
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 80. Cabe à Assembleia Legislativa, com a sanção do Go- II – realizar audiências públicas com entidades da sociedade
vernador do Estado, dispor sobre todas as matérias de competên- civil;
cia do Estado, especialmente: III – convocar Secretários de Estado para prestar informações
I – tributos, arrecadação e distribuição de renda; sobre assuntos inerentes às suas atribuições;
II – plano plurianual, diretrizes orçamentárias e orçamento IV – receber petições, reclamações, representações ou quei-
anual; xas de qualquer pessoa contra atos ou omissões das autoridades
III – operação de crédito e dívida pública do Estado; ou entidades públicas;
IV – fixação e modificação do efetivo da Polícia Militar; V – solicitar depoimento de qualquer autoridade ou cidadão;
V – planos e programas estaduais de desenvolvimento; VI – apreciar programas de obras, planos estaduais, regionais
VI – criação, transformação e extinção de cargos, funções e e setoriais de desenvolvimento e sobre eles emitir parecer.
empregos públicos e fixação dos respectivos vencimentos ou sa-
lários; NOTA: Houve um erro material. Deve o inciso ser terminado
VII – alienação de bens imóveis e ações pertencentes ao Es- por ponto e vírgula.
tado;
VIII – transferência temporária da sede do Governo do Esta- VII – encaminhar ao Governador do Estado, Secretários de
do; Estado ou titulares dos órgãos da administração descentralizada,
IX – organização judiciária do Estado e criação de municípios; conforme o caso, pedido, por escrito, de informação sobre fato
X – direitos, deveres e garantias dos servidores civis e mili- relacionado com a matéria legislativa em tramitação ou sobre
tares; fato sujeito à fiscalização da Assembleia, bem como requisitar
XI – concessão de garantias do Estado para empréstimos a documentos, importando crime de responsabilidade o não aten-
Municípios, autarquias, sociedades de economia mista, empresas dimento no prazo de 30 (trinta) dias, assim como da prestação de
e fundações públicas. informações falsas. (Redação acrescentada pela Emenda Consti-
Art. 81. A fiscalização dos atos do Poder Executivo, inclusive tucional nº 19/1998.)
os da administração indireta, será feita pelo processo regulado § 3º As comissões parlamentares de inquérito, que terão
nesta Constituição e em lei complementar. poderes de investigação próprios das autoridades judiciais, além
Art. 82. A Assembleia Legislativa Estadual, mediante Resolu- de outros previstos no Regimento Interno, serão criadas pela
ção, determinará o afastamento imediato, até que concluído o Assembleia Legislativa, mediante requerimento de um terço de
competente processo de apuração da responsabilidade, de qual- seus membros, para a apuração de fato determinado e por pra-
quer autoridade civil ou militar, ou ainda de agente público de zos certo sendo suas conclusões, se for o caso, encaminhadas ao
qualquer grau hierárquico, em razão de representação motivada Ministério Público, para que promova a responsabilidade civil ou
de cidadão ou da Ordem dos Advogados do Brasil, denunciadora criminal dos infratores.
de abuso de poder ou de desrespeito aos membros dos Poderes
Legislativo ou Judiciário, ou dos integrantes dos órgãos essenciais NOTA: Houve dois erros materiais. Deve a palavra “prazos”
à administração da justiça. ser lida como “prazo”, bem como deve existir vírgula após a pa-
lavra “certo”.
NOTA: Caput com eficácia suspensa, por decisão unânime, pela
ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989, pu- § 4º Durante o recesso, salvo convocação extraordinária,
blicada no DJ de 4/12/ 1992. Resultado: Aguardando julgamento. haverá uma comissão representativa da Assembleia Legislativa,
eleita na última sessão ordinária do período legislativo, cuja com-
Parágrafo único. Expedida a resolução, promoverá o Poder posição guardará, quanto possível, a proporcionalidade da re-
Legislativo, junto ao órgão competente, as providências neces- presentação partidária, com atribuições definidas no Regimento
sárias visando à apuração da responsabilidade do agente do ato Interno.
abusivo.
NOTA: Parágrafo único com eficácia suspensa, por decisão SEÇÃO V
unânime, pela ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em DO PROCESSO LEGISLATIVO
20/11/1989, publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardan-
do julgamento. SUBSEÇÃO I
DISPOSIÇÃO GERAL
SEÇÃO IV
DAS COMISSÕES Art. 84. O processo legislativo compreende a elaboração de:
I –emendas à Constituição;
Art.83. A Assembleia Legislativa terá comissões permanentes II – leis complementares
e temporárias, constituídas na forma e com as atribuições previs- NOTA: Houve um erro material. Deve o inciso ser terminado
tas no Regimento Interno ou no ato que trate de sua criação. por ponto e vírgula.
§ 1º Na constituição da Mesa e de cada comissão é assegura- III – leis ordinárias;
da, tanto quanto possível, a representação proporcional de par- IV – leis delegadas;
tidos ou dos blocos parlamentares que participem da Assembleia V – decretos legislativos;
Legislativa. cabe: VI – resoluções.
§ 2º Às comissões, em razão da matéria de sua competência,
Cabe:
I – discutir e votar projeto de lei que dispensar, na forma do
Regimento, a competência do Plenário, salvo se houver recurso
de um décimo dos membros do Plenário;

14
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
SUBSEÇÃO II § 2º A iniciativa popular poderá ser exercida pela apresen-
DA EMENDA À CONSTITUIÇÃO tação à Assembleia Legislativa de projeto de lei subscrito por, no
mínimo, um por cento do eleitorado estadual, distribuído pelo
Art. 85. A Constituição poderá ser emendada mediante pro- menos em um quinto dos Municípios e com não menos de um por
posta: cento dos eleitores de cada um deles.
I – de um terço, no mínimo, dos membros da Assembleia Le- Art. 87. Não serão admitidas emendas que impliquem au-
gislativa; mento da despesa prevista:
II – do Governador do Estado; I – nos projetos de iniciativa exclusiva do Governador do Es-
III – de mais da metade das Câmaras Municipais do Estado, tado, ressalvados os projetos de lei do orçamento e de diretrizes
manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus orçamentárias;
membros; II – nos projetos sobre organização dos serviços administrati-
IV – de iniciativa popular, observado o disposto no artigo 86, vos da Assembleia Legislativa, do Tribunal de Justiça, do Tribunal
§ 2º. de Contas, do Ministério Público e da Defensoria Pública; (Reda-
§ 1º A Constituição não poderá ser emendada na vigência de ção dada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio. REDAÇÃO ORIGINAL: “II – nos projetos sobre organização dos
§ 2º A proposta será discutida e votada em dois turnos, consi- serviços administrativos da Assembleia Legislativa, do Tribunal de
derando-se aprovada quando obtiver, em ambos, três quintos dos Justiça, do Tribunal de Contas e do Ministério Público;”
votos dos membros do corpo legislativo. III – nos projetos de fixação ou aumento da remuneração dos
§ 3º A emenda à Constituição será promulgada pela Mesa da membros da Magistratura, Tribunal de Contas, Ministério Público
Assembleia Legislativa, com o respectivo número de ordem. e Defensoria Pública. (Redação dada pela Emenda Constitucional
§ 4º A matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou nº 32/2007.)
havida por prejudicada, não poderá ser objeto de nova proposta REDAÇÃO ORIGINAL: “III – nos projetos de fixação ou de au-
na mesma sessão legislativa. mento da remuneração dos membros da Magistratura, Tribunal
NOTA: Houve umerromaterial.Não deve existir a vírgula após de Contas e Ministério Público.”
a palavra“prejudicada”. Art. 88. O Governador do Estado poderá solicitar urgência
para apreciação de projeto de sua iniciativa.
SUBSEÇÃO III § 1º Se, no caso deste artigo, a Assembleia Legislativa não
DAS LEIS se manifestar, em até quarenta e cinco dias, sobre a proposição,
esta deverá ser incluída na Ordem do Dia, sobrestando-se a deli-
Art. 86. A iniciativa das leis complementares e ordinárias beração sobre os demais assuntos, para que se ultime a votação.
cabe a qualquer membro ou comissão da Assembleia Legislativa, § 2º Os prazos do § 1º não correm nos períodos de recesso
ao Governador do Estado, ao Tribunal de Justiça, ao Tribunal de da Assembleia Legislativa, nem se aplicam aos projetos de código.
Contas, ao Procurador-Geral de Justiça, ao Defensor Público-Geral Art. 89. O projeto aprovado será enviado ao Governador do
do Estado e aos cidadãos, na forma prevista nesta Constituição. Estado que, aquiescendo, sanciona-lo-á.
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 86. A iniciativa das leis comple- NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “sanciona-
mentares e ordinárias cabe a qualquer membro ou comissão da -lo-á” ser lida como “o sancionará”.
Assembleia Legislativa, ao Governador do Estado, ao Tribunal de
Justiça, ao Tribunal de Contas, ao Procurador Geral de Justiça e § 1º Se o Governador do Estado considerar o projeto, no todo
aos cidadãos, na forma prevista nesta Constituição.” ou em parte, inconstitucional ou contrário ao interesse público,
§ 1º São de iniciativa privada do Governador do Estado as veta-lo-á, total ou parcialmente, no prazo de quinze dias úteis,
leis que: contados da data do recebimento, e comunicará, dentro de qua-
I – fixem ou modifiquem o efetivo da Polícia Militar; renta e oito horas, ao Presidente da Assembleia Legislativa, os
II – disponham sobre: motivos do veto, fazendo-os publicar, no mesmo prazo, no Diário
a) criação, transformação e extinção de cargos, funções ou Oficial do Estado.
empregos públicos, na administração direta, autárquica e funda-
cional pública, e fixem ou aumentem a sua remuneração; NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “veta-lo-á”
b) organização administrativa, matéria tributária e orçamen- ser lida como “vetá-lo-á”
tária, serviços públicos e pessoal de administração do Poder Exe-
cutivo; § 2º O veto parcial somente abrangerá texto integral de arti-
c) servidores públicos do Estado, seu regime jurídico único, go, de parágrafo, de inciso ou de alínea.
provimento de cargos, estabilidade e aposentadoria de civis, re- § 3º Decorrido o prazo de quinze dias, o silêncio do Governa-
forma e transferência de militares para a inatividade; dor importará sanção.
d) organização da Advocacia-Geral do Estado; (Redação dada § 4º O veto será apreciado, dentro de trinta dias a contar de
pela Emenda Constitucional nº 32/2007.) seu recebimento, só podendo ser rejeitado pelo voto da maioria
REDAÇÃO ORIGINAL: “d) organização da Advocacia Geral do absoluta dos Deputados, em escrutínio secreto.
Estado e da Defensoria Pública;” § 5º Rejeitado o veto, será o projeto enviado, para promulga-
e) criação, estruturação e atribuição das Secretarias de Es- ção, ao Governador do Estado.
tado e órgãos da administração pública, direta ou autárquica e § 6º Se a lei não for promulgada dentro de quarenta e oito
fundacional pública; horas pelo Governador do Estado, nos casos dos §§ 3º e 5º, o
f) criação e extinção de sociedade de economia mista e em- Presidente da Assembleia Legislativa a promulgará e, se este não
presa pública, e suas subsidiárias. o fizer em igual prazo, caberá ao Vice-Presidente fazêlo.

15
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
§ 7º Esgotado, sem deliberação, o prazo estabelecido no pa- no prazo de sessenta dias, deliberará a respeito, por maioria de
rágrafo quarto, o veto será incluído na ordem do dia da sessão votos, e oferecerá representação ao Poder Judiciário para defini-
imediata, sobrestadas as demais proposições, até sua votação fi- ção de responsabilidade dos gestores da coisa pública indiciados.
nal. NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “tribunal” vir
Art. 90. A matéria constante de projeto de lei rejeitado so- com a sua letra inicial maiúscula.
mente poderá constituir objeto de novo projeto, na mesma ses-
são legislativa, mediante proposta da maioria absoluta dos mem- SUBSEÇÃO II
bros da Assembleia Legislativa. DO TRIBUNAL DE CONTAS
Art. 91. As leis delegadas serão elaboradas pelo Governador
do Estado, que deverá solicitar delegação à Assembleia Legislati- Art. 95. O Tribunal de Contas do Estado, integrado por sete
va. Conselheiros, sendo um membro do Ministério Público junto ao
§ 1º Não serão objeto de delegação os atos de competência Tribunal de Contas e um Auditor, tem sede na Capital do Estado,
exclusiva da Assembleia Legislativa, a matéria reservada à lei com- quadro próprio de pessoal e jurisdição em todo território alagoa-
plementar nem à legislação sobre: no, inclusive sobre órgãos ou repartições do Estado, sediadas fora
I – organização do Poder Judiciário, do Ministério Público e do seu território, exercendo, no que couber, as atribuições pre-
da Defensoria Pública, a carreira e as garantias de seus membros; vistas no art.133 desta Constituição. (Redação dada pela Emenda
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.) Constitucional n° 30/2003.)
REDAÇÃO ORIGINAL: “I – organização do Poder Judiciário e
do Ministério Público, a carreira e as garantias de seus membros;” NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula
II – planos plurianuais, diretrizes orçamentárias e orçamen- após a expressão “repartições do Estado”.
tos;
REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 95. O Tribunal de Contas do Esta-
NOTA: Houve um erro material. Deve o inciso ser terminado do, integrado por sete conselheiros, tem sede na Capital do Esta-
por ponto final. do, quadro próprio de pessoal e jurisdição em todo território ala-
goano, inclusive sobre órgãos ou repartições do Estado, sediadas
§ 2º A delegação ao Governador do Estado terá a forma de fora do seu território, exercendo no que couber, as atribuições
resolução que especificará seu conteúdo e os termos de seu exer- previstas no art. 133 desta Constituição.”
cício. § 1º Os Conselheiros do Tribunal de Contas do Estado serão no-
§ 3º Se a resolução determinar a apreciação do projeto pela meados dentre brasileiros que satisfaçam os seguintes requisitos:
Assembleia Legislativa, esta a fará em votação única, vedada qual- I – mais de trinta e cinco anos e menos de sessenta e cin-
quer emenda. co anos de idade; (Redação dada pela Emenda Constitucional n°
Art. 92. As leis complementares serão aprovadas por maioria 30/2003.)
absoluta. REDAÇÃO ORIGINAL: “I – ser maior de trinta e cinco e menor
de sessenta e cinco anos de idade;”
SEÇÃO VI II – idoneidade moral e reputação ilibada; (Redação dada pela
DA FISCALIZAÇÃO CONTÁBIL, FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Emenda Constitucional n° 30/2003.)
REDAÇÃO ORIGINAL: “II – ter idoneidade moral e reputação
SUBSEÇÃO I ilibada;”
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS III – notórios conhecimentos jurídicos, contábeis, econômi-
cos e financeiros ou de administração pública; (Redação dada pela
Art. 93. A fiscalização da administração financeira e orçamen- Emenda Constitucional n° 30/2003.)
tária, contábil, operacional e patrimonial do Estado, quanto à le- REDAÇÃO ORIGINAL: “III – possuir notórios conhecimentos
galidade, legitimidade, economicidade, aplicações de subvenções jurídicos, contábeis, econômicos e financeiros ou de administra-
e renúncia de receitas, será exercida pela Assembleia Legislativa, ção pública;”
mediante controle externo e pelo sistema de controle interno de IV – mais de dez anos de exercício de função pública ou efe-
cada Poder. tiva atividade profissional que exija os conhecimentos menciona-
dos no inciso anterior. (Redação dada pela Emenda Constitucional
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a n° 30/2003.)
palavra “externo”. REDAÇÃO ORIGINAL: “IV – haver exercido, por mais de dez
anos, função pública ou efetiva atividade profissional que exija os
Parágrafo único. Prestará contas qualquer pessoa física ou conhecimentos mencionados no inciso anterior.”
entidade pública que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou admi- § 2º Os Conselheiros do Tribunal de Contas do Estado se-
nistre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais o Estado rão escolhidos obedecida a seguinte ordem: (Redação dada pela
responda, ou que, em nome deste, assuma obrigações de nature- Emenda Constitucional n° 30/2003.)
za pecuniária. REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 2º Os Conselheiros do Tribunal de
Art. 94. O Controle externo, a cargo da Assembleia Legislati- Contas do Estado serão escolhidos:”
va, será exercido com o auxílio do Tribunal de Contas do Estado I – quatro pela Assembleia Legislativa Estadual; (Redação
e alcançará as entidades da administração direta, as autarquias, dada pela Emenda Constitucional n° 30/2003.)
as sociedades de economia mista, as empresas públicas, inclusive REDAÇÃO ORIGINAL: “I – dois, indicados em lista tríplice pelo
suas subsidiárias e as fundações públicas. Governador do Estado com aprovação da Assembleia Legislativa,
Parágrafo único. Constatada irregularidade nos atos de ges- alternadamente dentre Auditores e Membros do Ministério Pú-
tão ou gerência dos recursos públicos, o tribunal de Contas for- blico especial que oficia perante ao Tribunal de Contas, segundo
malizará denúncia fundamentada à Assembleia Legislativa que, critérios de antiguidade e merecimento;”

16
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
II – três pelo Governador do Estado, com a aprovação da As- II – julgar as contas dos administradores e demais respon-
sembleia Legislativa, sendo um de livre escolha e dois indicados sáveis por dinheiros, bens e valores públicos das entidades da
em lista tríplice organizada pelo Tribunal de Contas, alternada- administração direta, indireta e fundacional pública, inclusive as
mente entre Membros do Ministério Público junto ao Tribunal de contas daqueles que derem causa a perda, extravio ou outra irre-
Contas e Auditores, segundo critérios de antiguidade e mereci- gularidade de que resulte prejuízo à Fazenda Estadual;
mento. (Redação dada pela Emenda Constitucional n° 30/2003.) III – apreciar, para fins de registro, a legalidade dos atos:
REDAÇÃO ORIGINAL: “II – cinco pela Assembleia Legislativa.” a) de admissão de pessoal, a qualquer título, na administra-
§ 3º A escolha ou a aprovação do nome para Conselheiro do ção direta e indireta e nas fundações públicas estaduais, excetua-
Tribunal de Contas será realizada em sessão especialmente de- das as nomeações para cargo de provimento em comissão;
signada para esse fim e convocada, impreterivelmente, pelo Pre- b) de concessão de aposentadoria, transferência para a reser-
sidente da Assembleia Legislativa ou seu substituto legal, até 20 va remunerada, disponibilidade, reforma e pensão, ressalvadas as
(vinte) dias após a existência da vaga. (Redação dada pela Emenda melhorias que não alterem o fundamento legal do ato concessó-
Constitucional n° 11/1994.) rio;
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 3º A escolha ou a aprovação de nome
para Conselheiro do Tribunal de Contas será realizada em sessão NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada
especialmente designada para esse fim.” por ponto final.
§ 4º O nome do escolhido para Conselheiro na forma do In-
ciso I, será encaminhado ao Chefe do Poder Executivo para a cor- IV – realizar, por iniciativa própria, da Assembleia Legislativa
respondente nomeação. (Redação dada pela Emenda Constitucio- ou de comissão técnica ou de inquérito, inspeções e auditorias
nal n° 30/2003.) de natureza financeira e orçamentária, contábil, operacional e
patrimonial nas unidades administrativas dos Poderes Legislativo,
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula Executivo e Judiciário e nas entidades referidas no inciso II;
após a expressão “Inciso I”. V – fiscalizar a aplicação de quaisquer recursos repassados
pelo Estado, mediante convênio, acordo, ajuste ou outros instru-
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 4º O nome do escolhido para Conse- mentos congêneres, a Município, assim como a instituições de
lheiro, na forma do Inciso II, será encaminhado ao Chefe do Poder qualquer natureza;
Executivo para a correspondente nomeação.” VI – prestar as informações solicitadas pela Assembleia Legis-
§ 5º Se, dentro do prazo de quinze dias úteis subsequentes à lativa, ou por qualquer das suas Comissões, sobre a fiscalização
data do recebimento, o Governador deixar de proceder à nomea- contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial e os
ção, o Presidente da Assembleia Legislativa expedirá o competen- resultados de auditorias e inspeções realizadas;
te ato, que produzirá todos os efeitos legais. VII – assinar prazo para que o órgão ou entidade adote pro-
§ 6º Os Conselheiros terão as mesmas garantias, prerrogati- vidências necessárias ao exato cumprimento da lei, se verificada
vas, impedimentos, vencimentos e vantagens dos Desembarga- ilegalidade ou irregularidade no procedimento administrativo sob
dores do Tribunal de Justiça do Estado e somente poderão apo- apreciação;
sentar-se, com os vencimentos e vantagens do cargo, quando o IX – sustar, se não atendida a exigência do inciso anterior,
tenham exercido efetivamente por mais de cinco anos. a execução do ato impugnado, comunicando a decisão à Assem-
§7º Caso não existam, no momento da vacância do cargo, bleia Legislativa;
Membros do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas e/ou
Auditores aptos a compor a lista referida no § 2º, II deste artigo, NOTA: Houve um erro material. Devem os incisos ser renu-
quer seja por insuficiência de idade ou por se encontrarem sub- merados.
metidos a estágio probatório o preenchimento da vaga respectiva
se dará por livre escolha do Governador, cabendo a próxima vaga X – aplicar aos responsáveis, no caso de comprovada ilegali-
à categoria impossibilitada de compor o Colegiado e, cumprida a dade de despesa ou irregularidade de contas, as sanções previstas
ordem definida neste artigo, será ela sucessivamente renovada. em lei, que estabelecerá, dentre outras cominações, multa pro-
(Redação dada pela Emenda Constitucional n° 35/2009.) porcional ao dano causado ao erário;
XI – representar ao Poder competente sobre irregularidades
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a ou abusos apurados;
palavra “probatório”. XII – pronunciar-se, conclusivamente, no prazo de trinta dias,
sobre solicitação que lhe faça a comissão especial referida no ar-
REDAÇÃO ACRESCENTADA PELA EMENDA CONSTITUCIONAL tigo, 177, § 1º, desta Constituição;
N ° 30/2003: “§ 7º Cumprida ordem definida neste artigo,será ela
sucessivamente renovada.” NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula
Art. 96. Os auditores, em número de três, nomeados pelo após a palavra “artigo”.
Chefe do Executivo, mediante prévia aprovação em concurso pú-
blico de provas e títulos, terão, quando em substituição a Conse- XIII – prestar suas contas, anualmente, à Assembleia Legisla-
lheiro, as mesmas garantias, vencimentos e impedimentos destes tiva, no prazo de sessenta dias da abertura da Sessão Legislativa,
e, quando no exercício de suas atribuições, as de Juiz de Direito. e, trimestralmente, apresentar-lhe-á relatório de suas atividades.
Art. 97. Ao Tribunal de Contas do Estado compete:
I – apreciar as contas prestadas anualmente pelo Governador NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “apresen-
do Estado, remetendo, dentro do prazo de sessenta dias, a contar tar-lhe-á” ser lida como “apresentar”.
de seu recebimento, o parecer prévio à Assembleia Legislativa, § 1º No caso de contrato, o ato de sustação será adotado di-
sob pena de crime de responsabilidade do Presidente do Tribunal; retamente pela Assembleia Legislativa, que solicitará, de imedia-
to, ao Poder Executivo, as medidas cabíveis.

17
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
§ 2º Se a Assembleia Legislativa ou o Poder Executivo, no pra- § 2º Dando-se que nenhum candidato alcance maioria abso-
zo de noventa dias, a contar da data do recebimento da comuni- luta far-se-á nova eleição dentro do prazo de vinte dias, contados
cação, não efetivar as medidas previstas no parágrafo anterior, o da data da proclamação do resultado, em que concorrerão os dois
Tribunal decidirá a respeito. candidatos mais votados, eleito o que obtiver maioria de votos.
§ 3º As decisões do Tribunal de que resulte imputação de dé-
bito ou multa terão eficácia de título executivo. NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a
Art. 98. Qualquer cidadão, partido político, associação ou sin- palavra “absoluta”.
dicato é parte legítima para, na forma da lei, denunciar irregula-
ridade da administração estadual e municipal, direta ou indireta, § 3º Se, antes da realização da segunda eleição, um dos candi-
inclusive nas fundações públicas, ao Tribunal de Contas do Estado. datos que nela concorrer vier a falecer, desistir da candidatura ou
Parágrafo único. Formalizada a denúncia, o Tribunal de Con- incorrer em impedimento que o inabilite, será convocado, dentre
tas promoverá sua apuração, através de processo administrativo, os remanescentes, aquele com maior votação, qualificando-se o
dentro do prazo improrrogável de trinta dias. mais idoso no caso de empate.
Art. 99. A lei disporá sobre a organização do Tribunal de Con- Art. 103. O Governador e o Vice-Governador do Estado toma-
tas, podendo dividi-lo em Câmaras e criar delegações junto às uni- rão posse no dia 1º de janeiro do ano subsequente ao da eleição
dades da Administração Estadual, direta, indireta e fundacional em sessão da Assembleia Legislativa Estadual, prestando o com-
pública, em função do controle externo. promisso de manter, defender e cumprir a Constituição e as leis,
Parágrafo único. A recondução do Presidente e do Vice-Pre- de promover o bem-estar do povo alagoano e de contribuir para
sidente do Tribunal de Contas se dará apenas uma vez, para o a preservação da unidade, da integridade e da independência da
mandato subsequente. (Redação dada pela Emenda Constitucio- República Federativa do Brasil.
nal n° 6/1992.) Parágrafo único. Se, decorridos dez dias da data fixada para a
REDAÇÃO ORIGINAL: “Parágrafo único. É vedada a recondu- posse, o Governador ou o Vice-Governador, salvo motivo de força
ção, para o mandato subsequente, do Presidente e do Vice-Presi- maior, não tiver assumido o cargo, será este declarado vago pela
dente do Tribunal de Contas.” Assembleia Legislativa Estadual.
Art. 104. O Vice-Governador substituirá o Governador no caso
SUBSEÇÃO III de impedimento e o sucederá na hipótese de vacância do cargo.
DO CONTROLE INTERNO § 1º Impedidos o Governador e o Vice-Governador do Estado,
serão sucessivamente chamados ao exercício do cargo o Presi-
Art. 100. Os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário man- dente da Assembleia Legislativa Estadual e o Presidente do Tribu-
terão, de forma integrada, sistema de controle interno com a fi- nal de Justiça do Estado.
nalidade de: § 2º Vagos os cargos de Governador e de Vice-Governador do
I – avaliar a execução orçamentária e o cumprimento das me- Estado, proceder-se-á na conformidade do parágrafo preceden-
tas previstas no plano plurianual e nos programas de governo; te, realizando-se eleições, para preenchê-los, noventa dias após a
II – comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à abertura da última vaga.
eficiência e eficácia, da gestão orçamentária, financeira e patri- § 3º Ocorrendo a dupla vacância nos últimos dois anos do
monial nos órgãos e entidades da administração estadual, bem mandato, dar-se-á a eleição pela Assembleia Legislativa Estadual,
como de aplicação de recursos públicos estaduais por entidades trinta dias após a ocorrência da última vaga, na forma do que dis-
subvencionadas; puser a lei.
III – exercer o controle das operações de crédito, avais e ga- § 4º Os eleitos, em qualquer dos casos, deverão complemen-
rantias, assim como dos direitos e haveres do Estado; tar o período dos seus antecessores.
IV – apoiar o controle externo no exercício de sua missão ins-
titucional. NOTA: A Emenda Constitucional n° 10/1994, que pretendia
Parágrafo único. Os responsáveis pelo controle interno, ao modificar a redação deste artigo e seus parágrafos, teve a sua efi-
tomarem conhecimento de qualquer irregularidade ou ilegalida- cácia suspensa, por maioria, até decisão final da ação, pela ADI n°
de, dela darão ciência, de imediato, ao Tribunal de Contas do Es- 999-1-MC, julgada pelo Pleno do STF em 11/3/1994, publicada no
tado, sob pena de responsabilidade solidária. DJ de 16/9/1994. Resultado: Aguardando julgamento.
Art. 105. É vedada a reeleição do Governador e do ViceGover-
CAPÍTULO II nador do Estado para o período subsequente.
O PODER EXECUTIVO Art. 106. Perderá o mandato o Governador e o ViceGoverna-
dor do Estado, quando no exercício do cargo de Governador, que
SEÇÃO I se ausentar do território estadual por período superior a quinze
DO GOVERNADOR E DO VICE-GOVERNADOR DO ESTADO dias, sem autorização da Assembleia Legislativa Estadual, ou ain-
da que assumir outro cargo ou função na administração pública
Art. 101. O Poder Executivo é exercido pelo Governador do direta, indireta ou fundacional pública, exceto quando se tratar
Estado, auxiliado pelos Secretários de Estado. de posse em virtude de concurso público, vedado o correspon-
Art. 102. O Governador e o Vice-Governador do Estado serão dente desempenho.
simultaneamente eleitos para mandato de quatro anos, com an-
tecedência de pelo menos noventa dias ao final do mandato dos
seus antecessores.
§ 1º Os candidatos a Governador e a Vice-Governador serão
conjuntamente registrados por partido político e assim votados,
eleitos os que obtiverem maioria absoluta dos votos válidos.

18
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
SEÇÃO II REDAÇÃO ORIGINAL: “Parágrafo único. O Governador do Es-
DAS ATRIBUIÇÕES DO GOVERNADOR tado poderá delegar as atribuições mencionadas nos incisos VI e
E DO VICE-GOVERNADOR XIV aos Secretários de Estado e ao Procurador Geral do Estado,
além de outras atribuições que lhe forem conferidas por lei com-
Art. 107. Compete privativamente ao Governador do Estado: plementar, auxiliar o Governador, sempre que por ele for convo-
I – nomear e exonerar os Secretários de Estado; cado para o desempenho de missões especiais.”
II – exercer, com auxílio dos Secretários de Estado, a direção Art. 108. Compete ao Vice-Governador do Estado, além de
superior da administração estadual; outras atribuições que lhe forem conferidas por lei complemen-
III – iniciar o processo legislativo, na forma e nos casos previs- tar, auxiliar o Governador, sempre que por ele for convocado para
tos nesta Constituição; o desempenho de missões especiais.
IV – sancionar, promulgar e fazer publicar as leis e expedir
decretos e regulamentos para sua fiel execução; SEÇÃO III
V – vetar projetos de lei, total ou parcialmente; DA RESPONSABILIDADE DO GOVERNADOR DO ESTADO
VI – dispor sobre a organização e o funcionamento da admi-
nistração estadual, na forma da lei; Art. 109. São crimes de responsabilidade os atos do Gover-
VII – decretar e executar a intervenção estadual; nador do Estado que atentarem contra as Constituições Federal e
VIII – remeter mensagem e plano de Governo à Assembleia Estadual e especificamente:
Legislativa Estadual, por ocasião da abertura da sessão legislativa, I – a existência e a integridade da União Federal;
expondo a situação do Estado e solicitando as providências que II – o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário,
reconhecer necessárias; do Ministério Público, da Defensoria Pública e dos Governos Mu-
IX – nomear, após aprovação pela Assembleia Legislativa Es- nicipais; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
tadual, o Procurador-Geral do Estado, o Procurador-Geral de Jus- REDAÇÃO ORIGINAL: “II – o livre exercício do Poder Legisla-
tiça, o Comandante-Geral da Polícia Militar e os Conselheiros do tivo, do Poder Judiciário, do Ministério Público e dos Governos
Tribunal de Contas, bem como outros servidores, quando assim Municipais;”
disposto nesta Constituição e na lei; III – o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais;
IV – a segurança interna do país, do Estado e do Município;
NOTA: Suspensa a eficácia das seguintes expressões: “o Pro- V – a probidade na Administração;
curador-Geral do Estado, o Comandante-Geral da Polícia Militar”, VI – a lei orçamentária;
por maioria, na ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em VII – o cumprimento das leis e das decisões judiciais;
20/11/1989, publicada no DJ de 04/12/1992. Resultado: Aguar- VIII – a guarda e o legal emprego dos dinheiros públicos;
dando julgamento. IX – a honra e o decoro de suas funções.
Parágrafo único. A apuração e o julgamento dos crimes de
X – nomear os magistrados, nos casos previstos nesta Cons- que trata este artigo serão realizados na conformidade do que
tituição; dispuser a lei.
XI – conferir condecorações e distinções honoríficas; Art.110. Admitida a acusação pela Assembleia Legislativa Es-
XII – enviar, à Assembleia Legislativa Estadual, o plano plu- tadual, pelo voto de dois terços de seus membros, será o Gover-
rianual de investimentos e as propostas de orçamento previstas nador do Estado, nas infrações penais comuns, submetido a julga-
nesta Constituição; mento perante o Superior Tribunal de Justiça, e, perante a própria
XIII – prestar anualmente, à Assembleia Legislativa Estadual, Assembleia Legislativa, na hipótese de crime de responsabilidade.
dentro dos sessenta dias após a abertura de cada sessão legislati- § 1º O Governador do Estado ficará suspenso de suas funções:
va, as contas relativas ao exercício anterior; I – no caso de infrações penais comuns, se recebida a denún-
XIV – prover os cargos públicos, na forma da lei, e propor a cia ou queixa-crime pelo Superior Tribunal de Justiça;
sua extinção; II – na hipótese de crimes de responsabilidade, após a instau-
XV – convocar a presidir o Conselho de Estado e o Conselho ração do processo pela Assembleia Legislativa.
de Política de recursos humanos; (Redação dada pela Emenda § 2º Se, decorrido o prazo de cento e oitenta dias,
Constitucional nº 20/2000.) o julgamento não estiver concluído, cessará o afastamento
do Governador, sem prejuízo do regular prosseguimento do pro-
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “convocar cesso.
a presidir” ser lida como “convocar e presidir”. § 3º Enquanto não sobrevier sentença condenatória, no caso
de infrações comuns, o Governador do Estado não se sujeitará a
REDAÇÃO ORIGINAL: “XV – exercer outras atribuições previs- prisão.
tas nesta Constituição.”
XVI – exercer outras atribuições previstas nesta Constituição. NOTA: Parágrafo com eficácia suspensa, por maioria, até a
(Inciso renumerado pela Emenda Constitucional nº 20/2000.) decisão final da ação, pela ADI nº 1.016-6-MC, julgada pelo Pleno
XVII – nomear o Defensor Público-Geral do Estado na forma do STF em 15/6/1994, publicada no DJ de 2/09/1994. Decisão fi-
desta Constituição. (Redação acrescentada pela Emenda Consti- nal: por maioria, declarou-se a inconstitucionalidade do referido
tucional nº 32/2007.) parágrafo. Julgado pelo Pleno do STF em 19/10/1995, publicada
Parágrafo único. O Governador do Estado poderá delegar as no DJ de 17/11/1995, republicada em 24/11/1995.
atribuições mencionadas nos incisos VI e XIV aos Secretários de Art. 111. O Governador do Estado, na vigência do seu man-
Estado e ao Procurador do Estado, que observarão os limites esta- dato, não responderá por crime de responsabilidade quando se
belecidos nos respectivos atos de delegação. (Redação dada pela tratar de atos estranhos ao exercício de suas funções.
Emenda Constitucional nº 20/2000.)

19
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
SEÇÃO IV SEÇÃO VI
DOS SECRETÁRIOS DE ESTADOS DO CONSELHO DE POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS

NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “Dos Se- Art. 119. Fica criado o Conselho de Política de Recursos Hu-
cretários de Estados” ser lida como “Dos Secretários de Estado”. manos, órgão superior de consulta do Governador do Estado.
Art. 120. Lei Complementar disporá sobre a composição, as
Art. 112. Os Secretários de Estado serão escolhidos dentre atribuições e o funcionamento do Conselho.
brasileiros natos, maiores de vinte e um anos e no exercício dos
direitos políticos. CAPÍTULO III
DO PODER JUDICIÁRIO
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a
palavra “anos”. SEÇÃO I
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 113. A lei disporá sobre a criação, a estruturação e as
atribuições das Secretarias de Estado. Art. 121. São órgãos do Poder Judiciário: I – o Tribunal de Jus-
Art. 114. Compete aos Secretários de Estado, além de outras tiça;
atribuições estabelecidas nesta Constituição e na lei: II – o Tribunal do Júri;
I – exercer a orientação, a coordenação e a supervisão dos III – Juízes de Direito e os Juízes Substitutos;
órgãos e entidades da administração estadual na área de sua
competência, e referendar atos e decretos expedidos pelo Gover- NOTA: Houve um erro material. Deve existir o artigo “os” an-
nador do Estado; tes da expressão “Juízes de Direito”.
II – expedir instruções para a execução de leis, decretos e re-
gulamentos, nas esferas de suas respectivas competências; IV – o Conselho da Justiça Militar; V – outros Juízes instituídos
III – apresentar, ao Governador do Estado, relatório anual de por lei.
sua gestão na Secretaria de Estado; Art. 122. Integram o Poder Judiciário, como órgãos auxiliares
IV – praticar os atos pertinentes às atribuições que lhes forem da Justiça:
outorgadas ou delegadas pelo Governador do Estado. I – o Conselho Estadual da Magistratura;
Parágrafo único. Os Secretários de Estado, nos crimes comuns II – a Corregedoria-Geral de Justiça;
e nos de responsabilidade serão processados e julgados pelo Tri- III – a Escola Superior da Magistratura de Alagoas;
bunal de Justiça, sendo que, na última hipótese, havendo conexão IV – a Diretoria-Geral do Tribunal de Justiça.
com os de Governador do Estado, o julgamento será procedido Art. 123. A Magistratura rege-se pelos seguintes princípios:
pela Assembleia Legislativa. I – ingresso na carreira, cujo cargo inicial será o de Juiz Subs-
SEÇÃO V tituto, de primeira entrância, através de concurso público de
DO CONSELHO DO ESTADO provas e títulos, com a participação da Ordem dos Advogados do
Brasil em todas as suas fases, obedecendo-se, nas nomeações, à
Art. 115. O Conselho do Estado é órgão superior de consulta ordem de classificação;
do Governador do Estado e dele participam: II – promoção de entrância para entrância, alternadamente,
I – o Vice-Governador do Estado; por antiguidade e merecimento, atendendo às seguintes normas:
II – o Presidente da Assembleia Legislativa Estadual; a) é obrigatória a promoção do Juiz que figure por três vezes
III – os líderes dos partidos com assento na Assembleia Legis- consecutivas ou cinco alternadas em lista de merecimento;
lativa Estadual; b) a promoção por merecimento pressupõe contar o Juiz com
IV – quatro cidadãos, brasileiros natos, com residência e do- dois anos de exercício na respectiva entrância e integrar a primei-
micílio no Estado de Alagoas, sendo dois nomeados mediante li- ra quinta parte da lista de antiguidade desta, salvo se não houver
vre escolha do Governador do Estado e os demais eleitos pela As- com tais requisitos quem aceite o lugar vago;
sembleia Legislativa Estadual, todos com mandato de dois anos, c) aferição do merecimento pelos critérios de presteza e se-
vedada a recondução. gurança no exercício da jurisdição e pela frequência e aproveita-
Art. 116. Compete ao Conselho do Estado: mento em cursos reconhecidos de aperfeiçoamento, ministrados
I – pronunciar-se, preliminarmente, quanto à decretação de pela Escola Superior da Magistratura;
intervenção estadual, sua amplitude, seu prazo e condições de d) na apuração da antiguidade, o Tribunal somente poderá
execução; recusar o Juiz mais antigo pelo voto de dois terços de seus mem-
II – conhecer e manifestar-se sobre as questões relevantes bros, conforme procedimento próprio, repetindo-se a votação até
relacionadas à preservação da autonomia estadual; fixar-se a indicação;
III – opinar quanto à solicitação de intervenção federal, na hipó-
tese de sua formulação pelo Poder Executivo coacto ou impedido; NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada
IV – sugerir medidas urgentes visando à remoção de compro- por ponto final.
metimentos à ordem pública e à garantia do pleno exercício dos
direitos individuais e coletivos. III – acesso ao Tribunal de Justiça por antiguidade e mereci-
Art. 117. O Governador do Estado poderá convocar Secre- mento, alternadamente, apurados na última entrância, de acordo
tário de Estado para participar de reunião do Conselho, quando com o inciso II;
constar da pauta questão relacionada com a respectiva Secretaria IV – aprovação em cursos de preparação e aperfeiçoamento
de Estado. de magistrados, promovidos pela Escola Superior da Magistratura
Art. 118. A lei regulará a organização e o funcionamento do de Alagoas, como requisito para ingresso e promoção por mereci-
Conselho do Estado. mento, na carreira, respectivamente;

20
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
V – fixação dos vencimentos dos magistrados com diferença III – participar de atividade político-partidária.
não superior a dez por cento de uma para outra das categorias da Art. 125. O Estado criará, mediante iniciativa do Tribunal de
carreira, não podendo, os dos Juízes de primeira instância, a título Justiça:
algum, exceder os dos Desembargadores, sendo que a remunera- I – juizados especiais, providos por juízes togados, ou togados
ção destes não será superior aos vencimentos dos Ministros do e leigos, competentes para a conciliação, o julgamento e a execu-
Supremo Tribunal Federal, nem inferior àquela auferida, em espé- ção de causas cíveis de menor complexidade e infrações penais de
cie, a qualquer título, pelos membros do Poder Legislativo; menor potencial ofensivo, mediante os procedimentos oral e su-
VI – aposentadoria com proventos integrais, compulsória por maríssimo, permitidos, nas hipóteses previstas em lei, a transação
invalidez ou aos setenta anos de idade, e facultativa aos trinta e o julgamento de recursos por turmas de juízes de primeiro grau;
anos de serviço, após cinco anos de exercício efetivo na judica- II – justiça de paz, remunerada, composta de cidadãos elei-
tura; tos pelo voto direto, universal e secreto, com mandato de quatro
VII – residência do Juiz Titular na respectiva comarca e do Juiz anos e competência para, na forma da lei, celebrar casamentos,
Substituto em comarca da Circunscrição Judiciária onde servir; verificar, de ofício ou em face de impugnação apresentada, o pro-
VIII – remoção, disponibilidade ou aposentadoria do magis- cesso de habilitação e exercer atribuições conciliatórias, sem ca-
trado, por interesse público, fundada em decisão por voto de dois ráter jurisdicional, além de outras previstas na legislação.
terços do Tribunal de Justiça, assegurada ampla defesa; Art. 126. Para dirimir conflitos fundiários, o Tribunal de Justi-
IX – publicidade de todos os julgamentos dos órgãos do Po- ça designará juízes de entrância especial, com competência exclu-
der Judiciário e fundamentação de todas as decisões, sob pena siva para questões agrárias.
de nulidade, podendo a lei, se o interesse público o exigir, limitar Parágrafo único. Sempre que necessário à eficiente prestação
a presença, em determinados atos, às próprias partes e aos seus jurisdicional, o juiz far-se-á presente no local do litígio.
advogados, ou somente a estes; Art. 127. Compete à Justiça Militar Estadual processar e julgar
X – motivação das decisões administrativas do Tribunal de os policiais militares e bombeiros militares nos crimes militares
Justiça, sendo as disciplinares tomadas pelo voto da maioria abso- definidos em lei, cabendo ao Conselho de Justiça Militar decidir
luta de seus membros; sobre a perda do posto e da patente dos oficiais e da graduação
XI – concessão de férias, individualmente, aos Desembarga- das praças.
dores do Tribunal de Justiça e aos Juízes de Primeira Instância do Parágrafo único. A Justiça Militar Estadual é constituída, em
Estado de Alagoas, observado, quando em gozo, o que dispuser o primeira instância, pelo Conselho de Justiça Militar, que terá
Código de Organização e Divisão Judiciárias como órgão de segunda instância o Tribunal de Justiça.
Art. 128. Ao Poder Judiciário são asseguradas as autonomias
NOTA: Houve um erro material. Deve o inciso ser terminado administrativa e financeira.
por ponto final. § 1º O Tribunal de Justiça elaborará sua proposta orçamentá-
ria dentro dos limites estipulados conjuntamente com os demais
§ 1º No caso de existência de vaga para preenchimento pelo Poderes, na lei de diretrizes orçamentárias.
critério de merecimento, a promoção de entrância para a entrân- § 2º O encaminhamento da proposta de que trata o parágrafo
cia ou o acesso ao Tribunal de Justiça resultará da lista dos três anterior compete ao Presidente, após aprovação do Tribunal.
nomes mais votados em escrutínio secreto, desde que obtida Art. 129. A exceção dos critérios de natureza alimentícia, os
maioria de votos, procedendo-se, para alcançá-la, a tantas vota- pagamentos devidos pela Fazenda Estadual ou Municipal, em vir-
ções quantas necessárias. tude de sentença judiciária, far-se-ão exclusivamente na ordem
§ 2º Formada a lista, o Tribunal indicará, dentre os que a com- cronológica de apresentação dos precatórios e à conta dos crédi-
puserem, o juiz a ser promovido, cabendo ao Presidente do Tribu- tos respectivos, proibida a designação de casos ou de pessoas nas
nal, nos três dias úteis subsequentes, expedir e fazer publicar o dotações orçamentárias e nos créditos adicionais abertos para
ato de promoção. esse fim.
Art. 124. Os juízes gozam das seguintes garantias: § 1º É obrigatória a inclusão, no orçamento das entidades de
I – vitaliciedade, que, no primeiro grau, só será adquirida direito público, de verba necessária ao pagamento de seus débi-
após dois anos de exercício, dependendo a perda do cargo, nesse tos constantes de precatórios judiciários, apresentados até 1º de
período, de deliberação do Tribunal de Justiça, e, nos demais ca- julho, data em que terão atualizados seus valores, fazendo-se o
sos, de sentença judicial transitada em julgado; pagamento até o final do exercício seguinte.
II – inamovibilidade, salvo por motivo de interesse público, na § 2º As dotações orçamentárias e os créditos abertos serão
forma do artigo 93, VIII, da Constituição da República; consignados ao Poder Judiciário, recolhendo-se as importâncias
III – Irredutibilidade de vencimentos, observado, quanto à re- respectivas à repartição competente, cabendo ao Presidente do
muneração, o que dispõem os artigos 37, XI, 150, II, 153, III, e 153, Tribunal determinar o pagamento segundo as possibilidades do
§ 2º, I, da Constituição da República. depósito, e autorizar, a requerimento do credor e exclusivamente
para o caso de preterição de seu direito de precedência, o seques-
NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra que inicia o tro da quantia necessária à satisfação do débito.
inciso vir com a sua letra inicial minúscula.
SEÇÃO II
§ 1º A garantia da inamovibilidade, quanto ao Juiz Substituto, DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA
será observada em relação à circunscrição judiciária onde servir.
§ 2º Aos juízes é vedado: Art. 130. O Tribunal de Justiça, com sede na Capital e juris-
I – exercer, ainda que em disponibilidade, outro cargo ou fun- dição em todo o território do Estado, compõe-se de, no mínimo,
ção, salvo uma de magistério; onze Desembargadores, escolhidos dentre Juízes de Direito, Ad-
II – receber, a qualquer título ou pretexto, custas ou partici- vogados e membros do Ministério Público.
pação em processo;

21
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 131. O acesso de Juízes de Direito ao Tribunal de Justiça a) os juízes estaduais e os membros do Ministério Público,
far-se-á observando-se o disposto nos inciso III e § 1º do artigo bem como os Procuradores do Estado e os Defensores Públicos,
123 desta Constituição, expedido o ato pelo Presidente do Tribu- nos crimes comuns e de responsabilidade, ressalvada a compe-
nal de Justiça. tência da Justiça Eleitoral;
Art.132. Um quinto dos lugares do Tribunal de Justiça será b) os Prefeitos Municipais;
composto de membros do Ministério Público, com mais de dez c) os Secretários de Estado, os Deputados Estaduais, o Procu-
anos de carreira, e de advogados de notório saber jurídico e de re- rador-Geral do Estado e o Procurador-Geral de Justiça, nos crimes
putação ilibada, com mais de dez anos de efetiva atividade profis- comuns e de responsabilidade, ressalvada a hipótese, no último
sional, indicados em lista sêxtupla pelos órgãos de representação caso, de conexão com crime de responsabilidade do Chefe do Exe-
das respectivas classes. 1º Recebidas as indicações, o Tribunal, na cutivo, quando o julgamento caberá à Assembleia Legislativa;
primeira sessão plenária seguinte, formará lista tríplice, remeten- d) os habeas corpus, quando o coator ou o paciente for qual-
doa ao Poder Executivo que, nos quinze dias úteis subsequentes quer das pessoas mencionadas nas alíneas a, b, e c, e o Correge-
à data do recebimento, escolherá um dos integrantes para no- dor-Geral da Justiça, quando coator, ou quando se tratar de crime
meação. sujeito à jurisdição privativa do Tribunal, ou quando houver imi-
§ 2º Considerar-se-á nomeado o integrante que encabeçar a nente perigo de consumar-se a violência antes de que o Juiz de
lista tríplice, se, dentro do prazo previsto no parágrafo anterior, o Direito possa conhecer da espécie;
Governador deixar de expedir o ato de nomeação. e) os mandados de segurança e os habeas corpus contra atos
§ 3º Sendo ímpar o número de lugares correspondentes ao do Governador, da Assembleia Legislativa ou respectiva Mesa, do
quinto, será o mais moderno alternada e sucessivamente preen- próprio Tribunal de Justiça, do Tribunal de Contas ou de seus res-
chido por advogado e por membro do Ministério Público, até que pectivos Presidentes ou Vice-Presidentes, do Corregedor-Geral da
restabelecido o equilíbrio na representação das duas classes. Justiça, do Procurador-Geral do Estado, dos Juízes de Direito, do
Art.133. Compete ao Tribunal de Justiça, precipuamente, a Procurador-Geral de Justiça, do Defensor Público-Geral do Estado
guarda da Constituição do Estado de Alagoas, cabendo-lhe, pri- e do Corregedor-Geral da Defensoria Pública; (Redação dada pela
vativamente: Emenda Constitucional Estadual n°32/2007.)
I – eleger seu órgão diretivo e elaborar seu Regimento Inter- REDAÇÃO ORIGINAL: “e) os mandados de segurança e os ha-
no, com observância das normas de processo e das garantias pro- beas corpus contra atos do Governador, da Assembleia Legislativa
cessuais das partes, dispondo sobre a competência e o funciona- ou respectiva Mesa, do próprio Tribunal de Justiça, do Tribunal de
Contas ou de seus respectivos Presidentes ou Vice-Presidentes,
mento de seus órgãos jurisdicionais e administrativos;
do Corregedor Geral da Justiça, do Procurador Geral do Estado,
II – organizar sua secretaria e serviços auxiliares e os dos juí-
dos Juízes de Direito e do Procurador Geral de Justiça;”
zos que lhe forem vinculados, velando pelo exercício da atividade
f) o mandado de injunção, quando a elaboração da norma re-
correcional respectiva:
gulamentadora for atribuição do Governador, da Assembleia Le-
gislativa ou respectiva Mesa, do Tribunal de Contas ou do próprio
NOTA: Houve um erro material. Deve o inciso ser terminado
Tribunal de Justiça;
por ponto e vírgula.
g) os conflitos de jurisdição entre as Câmaras do Tribunal ou
entre Juízes de primeira instância do Estado;
III – promover o provimento dos cargos de Juiz de Carreira e h) os conflitos de atribuições entre autoridades judiciárias e
dos cargos isolados de Juiz Auditor da Justiça Militar; administrativas do Estado ou de Municípios;
IV – propor a criação de novas varas judiciárias; i) as ações rescisórias dos julgados de qualquer instância da
V – propor à Assembleia Legislativa a Lei de Organização e de Justiça do Estado, respeitada a competência dos Tribunais Fede-
Divisão Judiciárias; rais;
VI – prover, por concurso público de provas, ou de provas e j) as revisões criminais quanto a réus condenados pela Justiça
títulos, os cargos necessários à administração da Justiça, exceto do Estado;
os de confiança assim definidos em lei, obedecido o disposto no l) a execução das sentenças, nas causas de sua competência
artigo 169, parágrafo único, da Constituição da República; originária, facultada a delegação de atos processuais;
VII – conceder licença, férias e outros afastamentos a seus m) a remoção ou a disponibilidade compulsória de juiz e, bem
membros e aos juízes e servidores que a ele forem diretamente assim, a perda do respectivo cargo;
vinculados; n) o desaforamento dos processos criminais;
VIII – propor ao Poder Legislativo, observado o artigo 169, da o) a ação direta da inconstitucionalidade de lei ou de ato nor-
Constituição da República: mativo estadual ou municipal, lesivos a esta Constituição;
p) as incompatibilidades e suspeições, opostas e não reco-
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir vírgula na nhecidas, aos Desembargadores, ao Procurador-Geral da Justiça,
expressão “artigo 169, da Constituição” ao Defensor Público-Geral do Estado ou ao CorregedorGeral da
Justiça; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
a) a criação e a extinção de cargo e a fixação de vencimentos REDAÇÃO ORIGINAL: “p) as incompatibilidades e suspeições,
de seus membros, dos juízes, dos serviços e órgãos auxiliares e os opostas e não reconhecidas, aos Desembargadores, ao Procura-
dos juízes que a ele forem vinculados; dor Geral da Justiça ou ao Corregedor Geral da Justiça;”
b) a criação ou extinção de tribunais inferiores; q) os embargos opostos aos seus acórdãos;
c) a alteração da organização e da divisão judiciárias; r) a arguição de descumprimento de preceito fundamental
decorrente desta Constituição.
NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada X – processar e julgar, como órgão de Segunda Instância:
por ponto final. a) os recursos interpostos de atos, despachos e decisões dos
Juízes de Direito, em feitos cíveis e criminais, na conformidade da
IX – processar e julgar, originariamente: lei processual;

22
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
b) os recursos interpostos da aplicação de penas Art. 139. As atribuições, os encargos e os deveres dos Juízes
disciplinares pelo Presidente do Tribunal, Relatores, Correge- serão definidos na Lei de Organização e Divisão Judiciárias.
dorGeral de Justiça e Juízes de Direito; Art. 140. Atribuir-se-á ao Juiz de Direito, para efeito de pro-
NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada moção por merecimento, pontos específicos, por curso promovi-
por ponto final. do pela Escola Superior da Magistratura, de que tenha participado
XI – homologar a transação das partes, nos feitos pendentes com aproveitamento.
de julgamento;
XII – uniformizar sua jurisprudência; NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “Atribuir-
XIII – dar posse ao Governador e ao Vice-Governador, quando -se-á” ser lida como “Atribuir-se-ão”.
não reunida a Assembleia Legislativa;
Art. 141. Para efeito de administração da Justiça, o Estado
XIV – exercer outras atribuições que lhe forem conferidas será dividido em comarcas, constituídas de um ou mais Municí-
pela Constituição da República, pelo Código de Organização e Di- pios e classificadas em entrâncias.
visão Judiciárias, pelo Regimento Interno do Tribunal e legislação Parágrafo único. Cada comarca judiciária será provida de um
complementar, orgânica e supletiva. ou mais Juiz de Direito, com exercício na respectiva sede.
Art. 134. Podem propor ação de inconstitucionalidade de lei
ou de ato normativo estadual ou municipal, em face desta Cons- CAPÍTULO IV
tituição, bem assim de ato que descumpra preceito fundamental DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA
dela decorrente:
I – o Governador do Estado; SEÇÃO I
II – a Mesa da Assembleia Legislativa; DO MINISTÉRIO PÚBLICO
III – o Prefeito Municipal;
IV – a Mesa de Câmara Municipal; Art. 142. O Ministério Público é instituição permanente, es-
V – o Procurador-Geral da Justiça; sencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa
VI – o Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil, da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais
em Alagoas; e individuais indisponíveis.
VII – partido político com representação na Assembleia Le- Parágrafo único. São princípios institucionais do Ministério
gislativa; Público a unidade, a indivisibilidade e a independência funcional.
VIII – sindicato ou entidade de classe, de âmbito estadual; Art. 143. Ao Ministério Público são asseguradas autonomias
IX – o Defensor Público-Geral do Estado. (Redação acrescen- administrativas e funcional, cabendo-lhe:
tada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.) NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “adminis-
§ 1º O Procurador-Geral da Justiça deverá ser previamente trativas” ser lida como “administrativa”.
ouvido nas ações de inconstitucionalidade. I – praticar atos próprios de gestão;
§ 2º Declarada a inconstitucionalidade por omissão de me- II – praticar atos e decidir sobre a situação funcional do pes-
dida para tornar efetiva norma constitucional, será dada ciência soal da carreira e dos serviços auxiliares, organizados em quadros
ao Poder competente para a adoção das providências necessárias próprios;
e, em se tratando de órgão administrativo, para fazê-lo em trinta III – adquirir bens e serviços e efetuar a respectiva contabili-
dias. zação;
§ 3º Quando o Tribunal de Justiça apreciar a inconstituciona- IV – propor à Assembleia Legislativa a criação e a extinção de
lidade, em tese, de norma legal ou ato normativo, citará, previa- seus cargos e serviços auxiliares, bem como a fixação dos venci-
mente, a Procuradoria-Geral do Estado, que defenderá o ato ou mentos de seus membros e servidores;
texto impugnado.
Art. 135. Somente pelo voto da maioria absoluta de seus NOTA: Inciso com pedido de suspensão liminar indeferido,
membros poderá o Tribunal de Justiça declarar a inconstituciona- por unanimidade, na ADI nº 127-2-MC. Julgada pelo Pleno do STF
lidade de lei ou de ato normativo do Poder Público. em 20/11/1989. Publicada no DJ de 4/12/ 1992. Resultado: Aguar-
dando julgamento.
SEÇÃO III
DOS JUÍZES V – prover os cargos iniciais de carreira e dos serviços au-
xiliares, assim como nos casos de promoção, remoção e demais
Art. 136. Os cargos de Juiz de Direito serão providos mediante formas de provimentos derivados, expedindo também os atos de
ato do Presidente do Tribunal de Justiça. aposentadoria;
Art. 137. É permitido ao Juiz não aceitar sua promoção, sem VI – organizar suas secretarias e os serviços auxiliares das
prejuízo, na ordem que lhe couber, quanto à antiguidade, bem Promotorias de Justiça.
como, ao candidato aprovado em concurso, não aceitar sua no- Art. 144. O Ministério Público elaborará proposta orçamen-
meação, contanto que, neste caso, não ocorram duas recusas, o tária, dentro dos limites estabelecidos pela lei de Diretrizes Or-
que implicará perda de validade da aprovação. çamentárias.
Art. 138. Além da aprovação em curso de preparação da Esco- Parágrafo único. Os recursos correspondentes às suas dota-
la Superior da Magistratura e de exame de sanidade mental, são ções orçamentárias, compreendidos os créditos suplementares e
condições para o ingresso na magistratura: especiais, ser-lhe-ão entregues até o dia vinte de cada mês, sem
I – ser brasileiro nato ou naturalizado; vinculação a qualquer tipo de despesa.
II – ser graduado em direito; Art. 145. Lei complementar, cuja iniciativa é reservada ao
III – ter, no máximo, quarenta e cinco anos de idade, salvo se Procurador-Geral de Justiça, disporá sobre:
já for ocupante de cargo efetivo no serviço público estadual.

23
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
I – normas específicas de organização, atribuições e Estatu- I – receber, a qualquer título e sob qualquer pretexto, hono-
to do Ministério Público, observados, dentre outros, os seguintes rários, percentagens ou custas processuais;
princípios: II – exercer a advocacia;
a) ingresso na carreira mediante concurso público de provas III – participar da sociedade comercial, na forma da lei;
e títulos, assegurada a participação da Ordem dos Advogados do IV – exercer, ainda que em disponibilidade, qualquer outra
Brasil na sua realização e observada, nas nomeações, a ordem de função pública, salvo uma de magistério;
classificação; V – exercer atividade político-partidária, salvo exceções pre-
b) promoção voluntária, por antiguidade e merecimento, al- vistas na lei.
ternadamente, de entrância a entrância, e da entrância mais ele- Art. 149. Além das funções previstas na Constituição Federal
vada para o cargo de Procurador de Justiça, aplicando-se, no que e nas leis, incumbe, ainda, ao Ministério Público, nos termos de
couber, o disposto no artigo 93, II, da Constituição Federal; sua lei complementar:
c) vencimentos fixados com diferença não superior a dez por I – exercer a fiscalização dos estabelecimentos prisionais e
cento de uma para outra categoria e da entrância mais elevada dos que abriguem idosos, menores, incapazes ou pessoas porta-
para o cargo de Procurador-Geral de Justiça, os deste estabeleci- doras de deficiências;
dos na forma do artigo 79, inciso VII, desta Constituição; II – fiscalizar a aplicação de verbas públicas destinadas às ins-
NOTA: Suspensa a eficácia das seguintes expressões: “os tituições assistenciais;
deste estabelecidos na forma do art. 79, inciso VII, desta Consti- III – deliberar sobre a participação em organismos estatais de
tuição”, por maioria, na ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do defesa do meio ambiente, do consumidor, de política penal e pe-
STF em 20/11/1989, publicada no DJ de 04/12/1992. Resultado: nitenciária e outros afetos à sua área de atuação;
Aguardando julgamento. IV – receber petições, reclamações ou queixas de qualquer
d) aposentadoria com proventos integrais, sendo compulsó- pessoa por desrespeito aos direitos assegurados na Constituição
ria por invalidez ou aos setenta anos de idade, e facultativa aos Federal e nesta Constituição.
trinta anos de serviço, após cinco anos de exercício efetivo. Parágrafo único. No exercício de suas funções, o Ministério
II – procedimentos administrativos de sua competência; Público poderá:
III –controle externo da atividade policial; a) instaurar procedimentos administrativos e, para instruí-
IV – demais matérias necessárias ao cumprimento de suas fi- -los, expedir notificações para colher depoimentos ou esclareci-
nalidades institucionais. mentos, requisitar informações, exames periciais e documentos,
Art. 146. O Ministério Público tem por chefe o Procurador- bem como promover inspeções e diligências investigatórias;
-Geral de Justiça, nomeado pelo Governador do Estado, dentre b) requisitar à autoridade competente a instauração desindi-
integrantes da carreira, maiores de trinta e cinco anos, indicados cância, acompanhá-la e produzir provas;
em lista tríplice, por eleição, para mandato de dois anos, permi- c) dar publicidade dos procedimentos administrativos que
tida uma recondução por igual período, na forma da lei comple- instaurar e das medidas adotadas;
mentar. d) sugerir ao Poder competente a edição de normas e a alte-
§ 1º A nomeação e a destituição do Procurador-Geral de Jus- ração de legislação em vigor;
tiça condicionam-se à prévia aprovação pela maioria absoluta dos e) requisitar os serviços temporários de servidores públicos
membros da Assembleia Legislativa. para a realização de atividades específicas.
§ 2º Decorridos quinze dias úteis a contar do recebimento da Art. 150. Lei Complementar de iniciativa do Ministério Públi-
lista tríplice pelo Governador do Estado, sem que ele tenha enca- co especial que oficia perante ao Tribunal de Contas, disporá so-
minhado a indicação à Assembleia Legislativa, a esta submeterá o bre a sua organização.
Colégio de Procuradores o nome do mais votado. NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “perante
§ 3º Aprovada a indicação e efetuada a necessária comuni- ao” serlida como “perante o”.
cação, expedirá o Governador do Estado o ato de nomeação ou Parágrafo único. Aplicam-se ao Ministério Público junto ao
dará o Colégio de Procuradores posse àquele que houver indica- Tribunal de Contas do Estado, no que couber, os princípios e nor-
do, conforme o caso, dentro do prazo de quarenta e oito horas. mas constantes desta Seção, pertinentes a garantias, direitos, ve-
§ 4º Não se pronunciando a Assembleia Legislativa no prazo dações, vencimentos, vantagens e forma de investidura de seus
de quinze dias úteis, contados do recebimento da indicação, será membros.
esta incluída na ordem do dia, sobrestando-se a deliberação so-
bre os demais assuntos para que se ultime a votação. SEÇÃO II
Art. 147. Os membros do Ministério Público têm as seguintes DA ADVOCACIA-GERAL DO ESTADO
garantias:
I – vitaliciedade, após dois anos de exercício, não podendo Art. 151. A Advocacia-Geral do Estado, exercida pela Procura-
perder o cargo senão por sentença judicial transitada em julgado; doria-Geral do Estado, é instituição permanente essencial à Justi-
II – inamovibilidade, salvo por motivo de interesse público, ça, tendo por finalidade a preservação dos interesses públicos e o
mediante decisão do órgão colegiado competente do Ministério resguardo da legalidade e da moralidade administrativa.
Público, por voto de dois terços de seus membros, assegurada Art. 152. São funções institucionais da ProcuradoriaGeral do
ampla defesa; Estado:
III – irredutibilidade de vencimentos, observado, quanto à re- I – exercer a representação judicial e extrajudicial do Estado;
muneração, o disposto na Constituição Federal. II – desenvolver as atividades de consultoria jurídica ao chefe
Parágrafo único. O ato de remoção e de disponibilidade de do Executivo e junto aos órgãos da administração direta; (Reda-
membro do Ministério Público, por interesse público, fundar-se-á ção dada pela Emenda Constitucional nº 37/2010.)
em decisão por voto de dois terços do órgão colegiado competen- REDAÇÃO ORIGINAL: “II – desenvolver as atividades de con-
te, assegurada ampla defesa. sultoria jurídica ao Chefe do Executivo e junto aos órgãos da ad-
Art. 148. Aos membros do Ministério Público é vedado: ministração estadual;”

24
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
III – zelar pela defesa do patrimônio público estadual imobi- NOTA: Suspensa a eficácia das seguintes expressões: “da últi-
liário; ma classe da carreira” e “indicados em lista sêxtupla organizada,
IV – exercer o controle interno da legalidade dos atos admi- mediante eleição, pelos integrantes da categoria.”, por maioria,
nistrativos; na ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989,
V – executar outras atribuições que lhe forem confiadas, des- publicada no DJ de 4/ 12/1992. Resultado: Aguardando julgamen-
de que compatíveis com sua finalidade institucional. to.
§ 1º O Estado centralizará, na Procuradoria-Geral do Estado, § 1º A nomeação e a destituição do Procurador-Geral do Esta-
a orientação normativa das atividades de assessoramento jurídico do condicionam-se à aprovação do nome escolhido e à autoriza-
do Estado quanto a sua Administração Direta. (Redação dada pela ção pela Assembleia Legislativa Estadual, respectivamente.
Emenda Constitucional nº 37/2010.)
REDAÇÃO ORIGINAL: “Parágrafo único. O Estado centralizará, NOTA: Parágrafo com eficácia suspensa, por maioria, pela ADI
na Procuradoria Geral do Estado, a orientação normativa das ati- nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989, publica-
vidades de assessoramento jurídico e de procuradoria judicial das da no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamento.
autarquias e das fundações públicas.”
§ 2º Os Procuradores Autárquicos e os Advogados de Funda- § 2º O Procurador-Geral do Estado exercerá mandato de dois
ção do Estado de Alagoas tem competência privativa na repre- anos, permitida a recondução.
sentação judicial e assessoramento jurídico das Entidades a quem
pertençam, sendo vedado o desvio de função destes servidores, NOTA: Parágrafo com eficácia suspensa, por maioria, pela ADI
salvo para assunção de cargos em comissão ou lotação em órgãos nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989, publica-
da Administração Direta para exercício de atividades assemelha- da no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamento.
das a outras carreiras jurídicas, desde que lhes seja garantindo § 3º O Procurador-Geral do Estado poderá ser destituído por
mesma remuneração dos cargos que substituírem. (Redação deliberação da maioria absoluta da Assembleia Legislativa, na for-
acrescentada pela Emenda Constitucional nº 37/2010.) ma da lei complementar.

NOTA: Houve três erros materiais. Deve existir acento circun- NOTA: Parágrafo com eficácia suspensa, por maioria, pela ADI
flexo na palavra “tem”, bem como devem as expressões “a quem nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989, publica-
pertençam” e “garantindo mesma” ser lidas, respectivamente, da no DJ de 04/12/1992. Resultado: Aguardando julgamento.
como “a que pertençam”e “garantida a mesma”.
NOTA: Parágrafo com a constitucionalidade questionada pe- Art. 156. São Assegurados aos Procuradores do Estado:
rante o STF, pela ADI nº 4.449. Resultado: Aguardando julgamento. I – isonomia de vencimentos em relação aos cargos de atri-
buições iguais ou assemelhadas do Ministério Público e dos Po-
§ 3º Os Procuradores Autárquicos e os Advogados de Funda- deres Legislativo e Judiciário, e para cujos exercícios seja exigi-
ção de Estado de Alagoas, para efeito de incidência de teto remu- da idêntica e específica qualificação profissional, ressalvadas as
neratório, são considerados Procuradores nos termos do art. 37. vantagens de caráter individual e as relativas à natureza ou ao
XI da Constituição Federal. (Redação acrescentada pela Emenda local de trabalho, na conformidade dos artigos 39, § 1º, e 135, da
Constitucional nº 37/2010.) Constituição da República;

NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “do art.37. NOTA: Este inciso foi objeto de análise pela ADI no 564-2-
XI” ser lida como “do art.37, XI,”. MC, julgada pelo Pleno do STF em 18/9/1991, publicada no DJ
NOTA: Parágrafo com a constitucionalidade questionada pe- de 25/10/1991. Resultado: ação julgada prejudicada monocrati-
rante o STF, pela ADI nº 4.449. Resultado: Aguardando julgamento. camente, ficando sem efeito a liminar anteriormente concedida,
tendo em vista não ter sido possível o exame sobre a constitu-
Art. 153. A Procuradoria-Geral do Estado compreende o Con- cionalidade do presente dispositivo, em virtude da promulgação
selho Superior da Procuradoria-Geral do Estado e órgãos seto- da EC nº 19, modificando substancialmente a redação dos arts.
riais, conforme dispuser a lei complementar. 37, XIII, 39, § 1º, 135 e 241 da Constituição Federal, que serviam
Parágrafo único. Na execução da dívida ativa de natureza tri- como parâmetro de confronto.
butária, a representação do Estado cabe à Procuradoria da Fazen-
da Estadual, observado o disposto em lei. II – exclusividade quanto ao desempenho das atividades de
Art. 154. As funções de Procuradoria-Geral do Estado serão representação judicial do Estado e de consultoria jurídica ao Che-
exclusivamente exercidas por Procuradores de Estado, organiza- fe do Executivo e junto aos órgãos da administração estadual cen-
dos em carreira e providos, em caráter efetivo, mediante prévia tralizada;
e indispensável seleção em concurso público de provas e títulos, III – irredutibilidade de vencimentos, observados, quanto à
vedado o ingresso através de provimento derivado. remuneração, o que dispõem os artigos 37, XI e XII, 150, II, 153, III
e § 2º, I, da Constituição da República;
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “funções
de” ser lida como “funções da”. NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “observados”
ser lida como “observado”.
Art. 155. A Procuradoria-Geral do Estado será dirigida e orien-
tada pelo Procurador-Geral do Estado, nomeado pelo Chefe do IV – todos os demais direitos garantidos aos servidores públi-
Executivo e escolhido dentre os componentes da última classe da cos civis em geral, guardadas as peculiaridades da carreira e suas
carreira de Procurador do Estado, maiores de trinta e cinco anos, assemelhadas.
indicados em lista sêxtupla organizada, mediante eleição, pelos Art. 157. É vedado aos Procuradores de Estado:
integrantes da categoria.

25
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
I – exercer a advocacia contra os interesses de pessoa jurídica IV – propor, privativamente, ao Poder Legislativo a criação e
de direito público, ou ainda, em qualquer hipótese, quando sub- a extinção de seus cargos de carreira, bem como a fixação e o
metidos a regime de trabalho de dedicação exclusiva; reajuste dos subsídios de seus membros; (Redação acrescentada
II – ocupar, ainda que em disponibilidade, qualquer outro car- pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
go público, salvo um de magistério, quando comprovada a com- V – propor, privativamente, ao Poder Legislativo a criação e
patibilidade horária; a extinção dos cargos de seus serviços auxiliares, bem como a fi-
III – desempenhar, mediante desvio de função, atividades es- xação e o reajuste dos vencimentos de seus servidores; (Redação
tranhas ao conteúdo ocupacional do cargo permanente ocupado; acrescentada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
IV – ser cedido a órgão público diverso daquele em que for VI – prover os cargos iniciais da carreira e dos serviços auxi-
lotado, exceto para o fim especial de exercício de cargo de provi- liares, por nomeação, remoção ou promoção e demais formas de
mento em comissão ou o desempenho de atribuições vinculadas provimento derivado; (Redação acrescentada pela Emenda Cons-
a atividades jurídicas; titucional nº 32/2007.)
V – exercer o comércio, na forma da lei. VII – editar atos de aposentadoria, exoneração, demissão,
Art. 158. Lei complementar disporá sobre a organização da afastamento e outros que importem vacância do cargo da carreira
carreira de Procurador de Estado e o funcionamento dos órgãos e dos serviços auxiliares, bem como os de disponibilidade de seus
da Procuradoria-Geral do Estado. membros e servidores dos serviços auxiliares; (Redação acrescen-
Parágrafo único. Aplicam-se aos Procuradores dos Poderes tada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
Legislativo e Judiciário, no que couberem, as disposições desta VIII – organizar os serviços de apoio institucional e adminis-
Seção pertinentes a direitos, proibições e forma de investidura, trativo das Defensorias Públicas de Primeira e Segunda Instâncias;
vedada a instituição, para uns e outros, de vantagens diversas da- (Redação acrescentada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
quelas atribuídas aos do Poder Executivo. IX – elaborar e aprovar seu regimento interno e dos seus ór-
gãos colegiados; (Redação acrescentada pela Emenda Constitu-
SEÇÃO III cional nº 32/2007.)
DA DEFENSORIA PÚBLICA NOTA: Houve um erro material. Deve existir o artigo “o” após
a expressão “regimento interno e”.
Art. 159. A Defensoria Pública é instituição permanente e es-
sencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe prestar X – elaborar sua proposta orçamentária dentro dos limites
assistência jurídica integral e gratuita aos necessitados, no âmbito estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias, subordinada ao
judicial e extrajudicial, compreendendo a postulação e defesa de disposto no artigo 99, §2º da Constituição Federal, e encaminhá-
seus direitos em todos os graus e instâncias, na forma do art. 5º, -la ao chefe do Poder Executivo estadual; (Redação acrescentada
inciso LXXIV da Constituição Federal. (Redação dada pela Emenda pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
Constitucional nº 32/2007.)
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após o
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a “§2º”.
expressão “inciso LXXIV”.
XI – exercer outras atribuições que forem definidas em lei.
REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 159. A Defensoria Pública é insti- (Redação acrescentada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
tuição essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe §1º Os recursos correspondentes às dotações orçamentárias,
a promoção, em todos os graus, da orientação jurídica e a defesa compreendidos os créditos suplementares e os especiais, con-
de quantos, mediante comprovação de insuficiência de recursos, signados à Defensoria Pública, ser-lhe-ão repassados em duodé-
sejam reconhecidamente necessitados, na forma da lei.” cimos até o dia vinte de cada mês. (Redação acrescentada pela
Parágrafo único. São princípios institucionais da Emenda Constitucional nº 32/2007.)
Defensoria Pública a unidade, a indivisibilidade e a indepen-
dência funcional.(Redação dada pela Emenda Constitucional nº NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “§1º” ser
32/2007.) lida como “Parágrafo único.”.
REDAÇÃO ORIGINAL: “Parágrafo Único. A lei disporá sobre as
condições de execução das atividades de Defensoria Pública, ob- Art. 159-B. A Defensoria Pública tem por chefe o Defensor Pú-
servado o que estabelecer a lei complementar federal específica, blico-Geral do Estado, nomeado pelo Governador do Estado den-
em que se determinará, inclusive, o estabelecimento de plantões tre integrantes da carreira, maiores de 30 anos, indicados em lista
permanentes, de modo a que se garanta assistência judiciária aos tríplice elaborada através de votação direta, obrigatória e secreta,
necessitados, até mesmo, indispensavelmente, quando da lavra- de todos os seus membros em efetivo exercício, para o mandato
tura de flagrantes.” de dois anos, permitida uma recondução. (Redação acrescentada
Art. 159-A. À Defensoria Pública é assegurada autonomia pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
administrativa e funcional, cabendo-lhe: (Redação acrescentada § 1º O Defensor Público-Geral poderá ser destituído, antes
pela Emenda Constitucional nº 32/2007.) do término do mandato, por deliberação da maioria absoluta da
I – praticar atos próprios de gestão; (Redação acrescentada Assembleia Legislativa, nos casos e na forma de lei complementar
pela Emenda Constitucional nº 32/2007.) estadual. (Redação acrescentada pela Emenda Constitucional nº
II – praticar atos e decidir sobre a situação funcional e admi- 32/2007.)
nistrativa dos membros da carreira e dos servidores dos serviços § 2º O Defensor Público-Geral do Estado comparecerá, anual-
auxiliares, organizados em quadros próprios; (Redação acrescen- mente, à Assembleia Legislativa para relatar, em sessão pública,
tada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.) as atividades e necessidades da Defensoria Pública. (Redação
III – adquirir bens e contratarserviços;(Redação acrescentada acrescentada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)
pela Emenda Constitucional nº 32/2007.)

26
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 159-C. A Defensoria Pública será organizada por Lei Com- tendo em vista não ter sido possível o exame sobre a constitu-
plementar de iniciativa do Defensor Público-Geral do Estado, que cionalidade do presente dispositivo, em virtude da promulgação
disporá sobre sua organização e funcionamento, assegurado aos da EC nº 19, modificando substancialmente a redação dos arts.
seus membros: (Redação acrescentada pela Emenda Constitucio- 37, XIII, 39, § 1º, 135 e 241 da Constituição Federal, que serviam
nal nº 32/2007.) como parâmetro de confronto.
I – inamovibilidade, salvo por motivo de interesse público
fundado em decisão adotada por voto de dois terços dos mem- SEÇÃO IV
bros do Conselho Superior da Defensoria Pública, assegurada a DA ADVOCACIA
ampla defesa; (Redação acrescentada pela Emenda Constitucio-
nal nº 32/2007.) Art. 161. O advogado é indispensável à administração da Jus-
II – irredutibilidade de subsídios, fixados na forma dos arti- tiça e, nos termos da lei, inviolável por seus atos e manifestações
gos 37, X, XI e XV; 39, § 4°; 134, § 1°, 135, todos da Constituição no exercício da profissão.
Federal; (Redação acrescentada pela Emenda Constitucional nº § 1º É obrigatório o patrocínio das partes por advogado, em
32/2007.) qualquer juízo ou tribunal, observado o disposto na lei processual.
III – estabilidade, após três anos de exercício, não podendo § 2º O Poder Judiciário reservará, em todos os fóruns e tribu-
ser demitido do cargo senão por sentença judicial ou em conse- nais do Estado, salas privativas, condignas e permanentes, desti-
quência de processo disciplinar administrativo em que lhes seja nadas aos advogados.
assegurada ampla defesa; (Redação acrescentada pela Emenda § 3º É dever das autoridades e dos servidores do Estado e dos
Constitucional nº 32/2007.) Municípios o respeito aos direitos e às prerrogativas dos advoga-
IV – ingresso na classe inicial da carreira através de concurso dos, sob pena de responsabilidade, na forma da lei.
público de provas e títulos, promovido pela Defensoria Pública do
Estado, assegurada a participação da Ordem dos Advogados do TÍTULO IV
Brasil em sua realização, observando-se, nas nomeações, a ordem DA TRIBUTAÇÃO E DO ORÇAMENTO
de classificação; (Redação acrescentada pela Emenda Constitucio-
nal nº 32/2007.) CAPÍTULO I
DO SISTEMA TRIBUTÁRIO ESTADUAL
V – promoção voluntária de classe para classe, alternadamen-
te, por antiguidade e merecimento, esta através de lista tríplice SEÇÃO I
elaborada pelo Conselho Superior da Defensoria Pública; (Reda- DOS PRINCÍPIOS GERAIS E DAS LIMITAÇÕES AO PODER DE
ção acrescentada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.) TRIBUTAR
VI – aposentadoria e pensão de seus dependentes de confor-
midade com o disposto no art. 40 da Constituição f ederal; (Reda- Art. 162. O Estado e os Municípios poderão instituir: I – im-
ção acrescentada pela Emenda Constitucional nº 32/2007.) postos;
II – taxas, em razão do exercício do poder de polícia o pela
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “depen- utilização, efetiva ou potencial, de serviços públicos específicos e
dentes de” ser lida como “dependentes, em”. divisíveis, prestados aos contribuintes ou postos à sua disposição;

VII – férias anuais de 60 (sessenta) dias. (Redação acrescenta- NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “o pela uti-
da pela Emenda Constitucional nº 32/2007.) lização” ser lida como “ou pela utilização”.
§ 1° Aos membros da carreira é vedado receberem, a qual-
quer título ou sob qualquer pretexto, honorários, percentagens e III – contribuição de melhoria, decorrente de obra pública.
custas processuais e exercerem a advocacia fora das suas atribui- § 1º Sempre que possível, os impostos terão caráter pessoal
ções institucionais. (Redação acrescentada pela Emenda Constitu- e serão graduados segundo a capacidade econômica do contri-
cional nº 32/2007.) buinte, facultado à administração tributária, especialmente para
conferir efetividade a esses objetivos, identificar, respeitados os
NOTA: Houve dois erros materiais. Devem as expressões “re- direitos individuais e nos termos da lei, o patrimônio, os rendi-
ceberem” e “exercerem” ser lidas, respectivamente, como “rece- mentos e as atividades econômicas do contribuinte.
ber”e “exercer”. § 2º As taxas não poderão ter base de cálculo própria de im-
postos.
§ 2° O ato de remoção e disponibilidade de membro da De- Art. 163. É vedada ao Estado e aos Municípios a instituição de
fensoria Pública, por interesse público, fundar-se-á em decisão empréstimo compulsório.
por voto de dois terços do Conselho Superior da Defensoria Pú- Art. 164. O Estado e os Municípios, na área de sua compe-
blica, assegurada a ampla defesa. (Redação acrescentada pela tência, adequarão sua legislação tributária às normas gerais es-
Emenda Constitucional nº 32/2007.) tabelecidas pela lei complementar a que se refere o art. 146 da
Art. 160. Os cargos das carreiras do Ministério Público, de Constituição Federal.
Procurador de Estado e de Defensor Público, bem como o cargo Art. 165. O Estado e os Municípios poderão instituir contri-
de Advogado de Ofício da Justiça Militar, são considerados asse- buição, cobrada de seus servidores, para o custeio, em benefício
melhados aos da carreira da Magistratura, inclusive para os fins destes e de suas famílias, de sistema de previdência e assistência
previstos nos incisos VII e VIII do art. 47 desta Constituição. social, na forma da lei.
NOTA: Este artigo foi objeto de análise pela ADI no 564-2- Art. 166. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas aos
MC, julgada pelo Pleno do STF em 18/9/1991, publicada no DJ contribuintes, é vedado ao Estado e aos Municípios, inclusive suas
de 25/10/1991. Resultado: ação julgada prejudicada monocrati- autarquias e fundações, conforme o caso:
camente, ficando sem efeito a liminar anteriormente concedida,

27
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
I – exigir, aumentar, extinguir ou reduzir impostos, taxas de Art. 167. É vedado ao Estado e aos Municípios estabelecer
quaisquer natureza, contribuições de melhoria, emolumentos por diferença tributária entre bens e serviços de qualquer natureza,
atos da Junta Comercial e custas judiciais, sem lei que o estabe- em razão de sua procedência ou destino.
leça;
SEÇÃO II
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “quaisquer DOS IMPOSTOS DO ESTADO
natureza” ser lida como “qualquer natureza”.
Art. 168. Compete ao Estado instituir: I – impostos sobre:
II – instituir tratamento desigual entre contribuintes que se a) transmissão causa mortis e doação de quaisquer bens ou
encontrem em situação de equivalência, proibida qualquer dis- direitos;
tinção por motivo de ocupação profissional ou de função por eles b) operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a
exercida, independentemente de denominação jurídica dos ren- prestação de serviços de transporte interestadual e intermunici-
dimentos, títulos ou direitos; pal, e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se
III – cobrar tributos: iniciem no exterior;
a) em relação a fatos gerados ocorridos antes do início da c) propriedade de veículos automotores;
vigência da lei que os houver instituído ou aumentado;
b) no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada
a lei que os instituiu ou aumentou; por ponto final.

NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada II – adicional de até cinco por cento do que for pago por pes-
por ponto final. soa física ou jurídica domiciliada ou estabelecida no território do
Estado, a título de imposto sobre a renda e proventos de qualquer
IV – utilizar tributo com efeito de confisco; natureza incidente sobre lucros, ganhos e rendimentos de capital.

V – estabelecer limitações ao tráfego de pessoas ou bens, por NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a
meio de tributos interestaduais ou intermunicipais, ressalvada a palavra “natureza”.
cobrança de pedágio pela utilização de vias públicas conservadas
pelo Poder Público; Parágrafo único. O imposto previsto no inciso I, b, atenderá
VI – instituir impostos sobre: ao seguinte:
a) patrimônio, renda ou serviços, uns dos outros; I – será não cumulativo, compensando-se o que for devido
b) templos de qualquer culto; em cada operação relativa à circulação de mercadorias ou pres-
c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclu- tação de serviços com o montante cobrado nas anteriores pelo
sive de suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, mesmo ou outro Estado, o Distrito Federal ou Território;
das instituições de educação e de assistência social, sem finslucra- II – a isenção ou não incidência, salvo determinação em con-
tivos, atendidos os requisitos estabelecidos em lei; trário da legislação:
d) livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua impres- a) não implicará crédito para compensação com o montante
são; devido nas operações ou prestações subsequentes;
b) acarretará a exclusão de crédito relativo às operações an-
NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada teriores;
por ponto final.
NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada
VII – renunciar à Receita e conceder isenções e anistias fiscais, por ponto final.
sem interesse público justificado.
§ 1º A vedação do inciso VI, a, é extensiva às autarquias e III – poderão ser seletivos, em função da essencialidade das
às fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, no que mercadorias e dos serviços;
se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços vinculados a suas IV – incidirão também:
finalidades essenciais ou às delas decorrentes. a) sobre a entrada de mercadoria importada do exterior, ain-
§ 2º As vedações do inciso VI, a, e do parágrafo anterior não da quando se tratar de bem destinado a consumo ou ativo fixo do
se aplicam ao patrimônio, à renda e aos serviços relacionados estabelecimento, assim como sobre serviços prestados ou inicia-
com exploração de atividades econômicas regidas pelas normas dos no exterior;
aplicáveis a empreendimentos privados, ou em que haja contra- b) sobre o valor total da operação, quando mercadorias fo-
prestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo usuário, nem rem fornecidas com serviços não compreendidos na competência
exoneram o adquirente da obrigação de pagar impostos relativa- tributária dos Municípios;
mente ao bem imóvel.
§ 3º As vedações expressas nas alíneas b e c do inciso NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada
VI compreendem somente o patrimônio, a renda e os servi- por ponto final.
ços relacionados com as finalidades essenciais das entidades ne-
las mencionadas. V – não incidirão:
§ 4º Qualquer anistia ou remissão que envolva matéria tribu- a) sobre operações que destinem ao exterior produtos indus-
tária só poderá ser concedida através de lei específica, estadual trializados, excluídos os semielaborados definidos em lei comple-
ou municipal. mentar federal;

28
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
b) sobre operações que destinem a outros Estados petróleo I – o produto da arrecadação do imposto da União sobre ren-
e lubrificantes, combustíveis líquidos e gasosos dele derivados, e da e proventos de qualquer natureza, incidente, na fonte, sobre
anergia elétrica; rendimentos pagos a qualquer título, por eles, suas autarquias e
pelas fundações que instituam ou mantenham na forma do art.
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “anergia 158, inciso I, da Constituição Federal;
elétrica” ser lida como “energia elétrica”.
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a
c) sobre ouro, nas hipóteses definidas no art. 153, § 5º, da palavra “mantenham”.
Constituição Federal;
II – cinquenta por cento do produto da arrecadação:
NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada a) do imposto da União sobre a propriedade territorial rural,
por ponto final. na forma do art. 158, inciso II, da Constituição Federal;
b) do imposto do Estado sobre a propriedade de veículos au-
VI – não compreenderá, em sua base de cálculo, o montante tomotores licenciados em seu território;
do imposto sobre produtos industrializados, quando a operação,
realizada entre contribuintes e relativa a produto destinado à in- NOTA: Houve um erro material. Deve a alínea ser terminada
dustrialização ou à comercialização, configure fato gerador dos por ponto final.
dois impostos.
III – vinte e cinco por cento do produto da arrecadação do
SEÇÃO III imposto do Estado sobre operações relativas à circulação de mer-
DOS IMPOSTOS DOS MUNICÍPIOS cadorias sobre prestações de serviços de transporte interestadual
e intermunicipal, e de comunicação.
Art. 169. Compete aos Municípios instituir impostos sobre: Parágrafo único. As parcelas de receita pertencentes aos Mu-
I – propriedade predial e territorial urbana; nicípios, mencionados no inciso III, serão creditadas conforme os
II – transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato onero- seguintes critérios:
so, de bens imóveis, por natureza ou acessão física, e de direitos
reais sobre imóveis, exceto os de garantia, bem como cessão de NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “menciona-
direitos à aquisição; dos” ser lida como “mencionadas”.
III – vendas a varejo de combustíveis líquidos e gasosos, ex-
ceto óleo diesel; I – três quartos, no mínimo na proporção do valor adicionado
IV – serviços de qualquer natureza, não compreendidos no nas operações relativas à circulação de mercadorias e nas presta-
art. 168, I, b, definidos em lei complementar federal. ções de serviços, realizadas em seus territórios;
§ 1º O imposto previsto no inciso I poderá ser progressivo, II – até um quarto, de acordo com o que dispuser a lei esta-
nos termos da lei municipal, de forma a assegurar o cumprimento dual.
da função social da propriedade. Art. 172. Além da receita relativa ao Fundo de Participação
§ 2º O imposto previsto no inciso II: dos Estados e do Distrito Federal, cabe ao Estado parcela do pro-
I – não incide sobre a transmissão de bens ou direitos incor- duto da arrecadação do imposto sobre produtos industrializados,
porados ao patrimônio de pessoa jurídica em realização de capi- na forma do artigo 159, II, da Constituição Federal.
tal, nem sobre a transmissão de bens ou direitos decorrentes de Art. 173. Além da parcela relativa ao Fundo de Participação
fusão, incorporação, cisão ou extinção de pessoa jurídica, salvo se dos Municípios, cabem a estes vinte e cinco por cento dos recur-
a atividade preponderante do adquirente for a compra e venda sos que o Estado receber da União, do produto da arrecadação do
desses bens e direitos, locação de bens imóveis ou arrendamento imposto sobre produtos industrializados, observados os critérios
mercantil; estabelecidos no artigo 158, parágrafo único, I e II da Constituição
II – compete ao Município da situação do bem. Federal.
§ 3º O imposto previsto no inciso III do caput deste artigo
compete ao Município em que se completar a venda a varejo e NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a
não exclui a incidência do imposto estadual previsto no art. 168, I, expressão “artigo 158, parágrafo único, I e II”.
b, sobre a mesma operação.
Art. 174. É vedada a retenção ou qualquer restrição à entrega
SEÇÃO IV ou ao emprego dos recursos atribuídos aos Municípios, inclusive
DA REPARTIÇÃO DAS RECEITAS TRIBUTÁRIAS quanto aos adicionais e acréscimos relativos a impostos.
§ 1º Essa vedação não impede o Estado de condicionar a en-
Art. 170. Pertencem ao Estado: trega de recursos ao pagamento de seus créditos.
I – o produto da arrecadação do imposto da União sobre ren- § 2º A retenção dos recursos mencionados no caput deste
das e proventos de qualquer natureza, incidente na fonte sobre artigo, implicará responsabilidade e demissão, a bem do serviço
rendimentos pagos, a qualquer título, por ele, suas autarquias e público, da autoridade que der causa, mediante iniciativa e deli-
suas fundações públicas; beração da Assembleia Legislativa Estadual, pelo voto da maioria
II – vinte por cento do produto da arrecadação do imposto absoluta dos seus membros.
que a União instituir no exercício da competência que lhe é atri-
buída pelo artigo 154, I, da Constituição Federal. NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula
Art. 171. Pertencem aos Municípios: após a palavra “artigo”.

29
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 175. O Estado e os Municípios divulgarão, até o último REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 10 Os duodécimos orçamentários dos
dia do mês subsequente ao da arrecadação, os montantes de cada Poderes Legislativo e Judiciário serão obrigatoriamente atualiza-
um dos tributos arrecadados, os recursos recebidos e os valores dos na mesma proporção da reestimativa da receita orçamentá-
de origem tributária entregues e a entregar. ria.”
Parágrafo único. Os dados divulgados pelo Estado serão dis- Art. 177. Os projetos de lei relativos ao plano plurianual, às
criminados por Município, indicando a expressão numérica dos diretrizes orçamentárias, ao orçamento anual e aos créditos adi-
critérios de rateio. cionais serão apreciados pela Assembleia Legislativa Estadual.
§ 1º Caberá a comissão especial permanente de Deputados:
CAPÍTULO II
DOS ORÇAMENTOS NOTA: Houve um erro material. Deve existir crase antes da
palavra “comissão”.
Art. 176. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão:
I – o plano plurianual; I – examinar e emitir parecer sobre os projetos referidos nes-
II – as diretrizes orçamentárias; te artigo e sobre as contas apresentadas anualmente pelo Gover-
III – os orçamentos anuais. nador do Estado;
§ 1º A lei que instituir o plano plurianual estabelecerá as dire- II – examinar e emitir parecer sobre os planos e programas
trizes, os objetivos e as metas da administração pública estadual estaduais previstos nesta Constituição e exercer o acompanha-
para as despesas de capital e outras delas decorrentes, bem como mento e a fiscalização orçamentária, sem prejuízo da atuação das
as relativas aos programas de duração continuada. demais comissões da Assembleia Legislativa Estadual, criadas de
§ 2º A lei de diretrizes compreenderá as metas e priorida- acordo com o art. 83 desta Constituição.
des da administração pública estadual, incluindo as despesas de § 2º As emendas serão apresentadas na comissão especial
capital para o exercício financeiro subsequente, orientará a ela- permanente, que sobre elas emitirá parecer, e apreciadas, na for-
boração da lei orçamentária anual, disporá sobre alterações na le- ma regimental, pelo plenário da Assembleia Legislativa Estadual.
gislação tributária estadual e estabelecerá a política de aplicação § 3º As emendas aos projetos de lei do orçamento anual e aos
financeira dos órgãos ou agências estaduais de fomento. projetos que o modifiquem somente podem ser aprovados caso:
§ 3º O Poder Executivo publicará, até trinta dias após o en- NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “aprovados”
cerramento de cada bimestre, relatório sucinto da execução or- ser lida como “aprovadas”.
çamentária. I – sejam compatíveis com o plano plurianual e com a lei de
§ 4º Os planos e programas previstos nesta Constituição se- diretrizes orçamentárias;
rão elaborados em consonância com o plano plurianual e aprecia- II – indiquem os recursos necessários, admitidos apenas ou
dos pela Assembleia Legislativa Estadual. provenientes de anulação de despesas, excluídas as que incidam
§ 5º A lei orçamentária anual compreenderá: sobre:
I – o orçamento fiscal referente aos Poderes do Estado, seus
fundos, órgãos e entidades da administração direta e indireta, in- NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “ou prove-
clusive fundações públicas; nientes” ser lida como “os provenientes”.
II – o orçamento de investimentos das empresas em que o Es-
tado, direta ou indiretamente, detenha a maioria do capital social a) dotações para pessoal e seus encargos;
com direito a voto; b) serviços da dívida;
III – o orçamento de seguridade social, abrangendo todas as c) transferência tributária de percentual pertencente aos Mu-
entidades da administração direta ou indireta, e órgãos a ela vin- nicípios; ou
culados, bem como os fundos e fundações públicas. III – sejam relacionados:
§ 6º O orçamento fiscal e o das entidades estaduais, compati-
bilizados com o plano plurianual, terão entre suas funções a de re- NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “relaciona-
duzir desigualdades regionais, observado o critério populacional. dos” ser lida como “relacionadas”.
§ 7º O projeto de lei orçamentária será acompanhado de
demonstrativo dos efeitos decorrentes de isenções, anistias, sub- a) com a correção de erros ou omissões; ou
sídios e benefícios de natureza financeira, tributária e creditícia, b) com os dispositivos do texto do projeto de lei.
sobre as receitas e despesas. § 4º As emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentá-
§ 8º A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estra- rias não podem ser aprovadas, quando incompatíveis com o plano
nho à previsão da receita e à fixação da despesa, não se incluindo plurianual.
na proibição a autorização para abertura de créditos suplementa- § 5º O Poder Executivo poderá enviar mensagem à Assem-
res e contratação de operações de crédito, inclusive por antecipa- bleia Legislativa para propor modificação nos projetos a que se
ção de receita, nos termos da lei. refere este artigo, enquanto não iniciada a votação, na comissão
§ 9º Caberá à lei complementar estadual: especial permanente, da parte cuja alteração é proposta.
I – dispor sobre o exercício financeiro, a vigência, os prazos, § 6º Os prazos para encaminhamento, à Assembleia Legislati-
a tramitação legislativa, a elaboração e a organização do plano va, dos projetos de lei, de iniciativa governamental, sobre o plano
plurianual, da lei de diretrizes orçamentárias e da lei orçamentá- plurianual, as diretrizes orçamentárias e os orçamentos anuais,
ria anual; serão os seguintes:
II – estabelecer normas de gestão financeira e patrimonial da I – até 15 de setembro do primeiro ano do mandato do Go-
administração direta e indireta, bem como condições para a insti- vernador eleito, do projeto de lei relativo ao plano plurianual;
tuição e funcionamento de fundos. II – até 15 de maio, anualmente, do projeto de lei de diretri-
§ 10. (Revogado pela Emenda Constitucional n° 17/1997.) zes orçamentárias; e

30
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
III – até 15 de setembro, de cada ano, do projeto de lei da NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula
proposta orçamentária para o exercício subsequente. após a palavra “fixados”.
§ 7º (Redação revogada pela Emenda Constitucional nº
27/2002.) § 9º Aplicam-se aos projetos previstos neste artigo, no que
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 7º Após a aprovação, pela Assembleia não contrariar o disposto nesta Seção, as demais normas relativas
Legislativa Estadual, os projetos de lei de que trata o parágrafo ao processo legislativo.
anterior deverão ser devolvidos, para sanção governamental, nos § 10. Os recursos que, em decorrência de veto, emenda ou
seguintes prazos:” rejeição do projeto de lei orçamentária anual, ficarem sem des-
I – (Redação revogada pela Emenda Constitucional nº pesas correspondentes, poderão ser utilizados, conforme o caso,
27/2002.) mediante créditos especiais ou suplementares, com prévia e es-
REDAÇÃO ORIGINAL: “I – Até 30 de novembro do primeiro pecífica autorização legislativa.
ano do mandato governamental, o projeto de lei que dispuser so- § 11. Além de sua publicação no Diário Oficial do Estado, os
bre o plano plurianual;” projetos de lei do Plano Plurianual, das Diretrizes Orçamentárias
II – (Redação revogada pela Emenda Constitucional nº e dos Orçamentos anuais serão colocados pelo Poder Legislativo,
27/2002.) com antecedência mínima de trinta dias de sua apreciação em
REDAÇÃO ORIGINAL: “II – Até 30 de junho, de cada ano, o Plenário, à disposição das instituições e pessoas interessadas,
projeto de lei relativo às diretrizes orçamentárias; e” para deles tomarem conhecimento e oferecerem sugestões.
III – (Redação revogada pela Emenda Constitucional nº Art. 178. São vedados:
27/2002.) I – o início de programas ou projetos não incluídos na lei or-
REDAÇÃO ORIGINAL: “III – Até 30 de novembro, anualmente, çamentária anual;
o projeto de lei orçamentária anual para o exercício subseqüen- II – a realização de despesas ou a assunção de obrigações di-
te.” retas que excedam os critérios orçamentários ou adicionais;
§ 8º A sessão legislativa não será encerrada até a aprovação III – a realização de operações de crédito que excedam o
e remessa ao Poder Executivo dos autógrafos das leis, do plano montante das despesas de capital, ressalvadas as autorizadas me-
plurianual, das diretrizes orçamentárias e do orçamento anual, diante créditos suplementares ou especiais específicos, aprova-
nos seguintes prazos: (Redação dada pela Emenda Constitucional dos pelo Poder Legislativo por maioria absoluta;
nº 27/2002.) IV – a vinculação de receita de impostos a órgãos, fundo ou
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 8º A inobservância dos prazos pre- despesa, ressalvados os percentuais da receita tributária esta-
vistos no parágrafo anterior implicará promulgação dos referidos dual, pertencentes aos Municípios ou que se destinem à manu-
projetos de lei, nos termos das normas atinentes ao processo le- tenção e desenvolvimento do ensino, como determinado no art.
gislativo;” 198, I, desta Constituição, e a prestação de garantias às operações
de crédito por antecipação de receita, nos termos da lei;
NOTA: O referido dispositivo foi questionado na ADI n° 2.593- V – a abertura de crédito suplementar ou especial, sem prévia
7. Resultado: ação julgada prejudicada monocraticamente por autorização legislativa e sem indicação dos recursos correspon-
perda superveniente do objeto, pois a redação do referido pará- dentes;
grafo foi alterada por meio da Emenda n° 27/2002. VI – a transposição, o remanejamento ou a transferência, de
recursos de uma categoria de programação para outra ou de um
I – o último dia do exercício para os projetos de lei do plano órgão para outro, sem prévia autorização legislativa;
plurianual e o orçamento anual; e
II – o dia 15 de julho, de cada ano, o projeto de lei de diretri- NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula
zes orçamentárias. após a palavra “transferência”.
§ 8°-A. No caso de não ocorrer a aprovação do projeto de lei
de diretrizes orçamentárias, será considerada como lei a então VII – a concessão ou utilização de créditos ilimitados; VIII – a
vigente. (Redação acrescentada pela Emenda Constitucional nº utilização, sem a autorização legislativa específica, de recursos do
27/2002.) orçamento fiscal para suprir necessidade ou cobrir déficit de em-
§ 8º-B. Ultrapassando o prazo do inciso I, no que tange ao presas, fundações e fundos;
orçamento anual, fica o Poder Executivo autorizado a executar a IX – a instituição de fundos de qualquer natureza, sem prévia
proposta orçamentária encaminhada, na razão de 1/12 (um doze autorização legislativa;
avos), apenas no tocante as despesas de manutenção e aos con- X – a inserção, no orçamento anual, de dotação de recursos
tratos vigentes, até a sua aprovação pelo Poder Legislativo. (Reda- sem destinação específica, notadamente de caráter reservado ou
ção acrescentada pela Emenda Constitucional nº 27/2002.) secreto.
NOTA: Houve um erro material. Deve existir crase antes da § 1º Nenhum investimento cuja execução ultrapasse um exer-
palavra “despesas”. cício financeiro poderá ser iniciado sem prévia inclusão no plano
plurianual, sem lei que autorize a inclusão, sob pena de crime de
§ 8º-C. É vedado ao Poder Legislativo rejeitar integralmen- responsabilidade.
te os projetos de lei do plano plurianual e do orçamento anual. § 2º Os créditos especiais e extraordinários terão vigência no
(Redação acrescentada pela Emenda Constitucional nº 27/2002.) exercício financeiro em que forem autorizados, salvo se o ato de
§ 8º-D. Caso não receba as propostas da lei de diretrizes orça- autorização for promulgado nos últimos quatro meses daquele
mentárias e orçamento anual nos prazos fixados, nos incisos I e II, exercício. Caso em que, reabertos os limites dos seus saldos, serão
§ 6º do art. 177, o Poder Legislativo considerará como propostas, incorporados ao orçamento do exercício financeiro subsequente.
a lei de diretrizes orçamentárias e orçamento anual vigentes, sem § 3º A abertura de crédito extraordinário somente será ad-
prejuízo das sanções constitucionais previstas. (Redaçãoacrescen- mitida para atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como as
tada pela Emenda Constitucional nº 27/2002.) decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública.

31
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 179. Os recursos correspondentes às dotações orçamen- TÍTULO V
tárias, inclusive de créditos suplementares e especiais, destinados DA ORDEM SOCIAL
aos órgãos dos Poderes Judiciário e Legislativo, bem como ao Tri- CAPÍTULO I
bunal de Contas e Ministério Público, ser-lhes-ão entregues até o DISPOSIÇÃO GERAL
vigésimo dia útil de cada mês, sob pena de responsabilidade e de-
missão, a bem do serviço público, da autoridade que der causa à Art. 184. É dever do Estado promover o bem-estar coletivo
não transferência dos recursos, mediante iniciativa e deliberação e a realização da justiça social, mediante o desenvolvimento de
da Assembleia Legislativa Estadual. programas específicos e a participação em ações integradas de
iniciativa dos poderes públicos e da sociedade.
NOTA: Suspensa a eficácia das seguintes expressões: “sob
pena de responsabilidade e demissão, a bem do serviço público, CAPÍTULO II
da autoridade que der causa à não transferência dos recursos, DA SEGURIDADE SOCIAL
mediante iniciativa e deliberação da Assembleia Legislativa Esta-
dual”, por unanimidade, na ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno SEÇÃO I
do STF em 20/11/1989, publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado: DISPOSIÇÕES GERAIS
Aguardando julgamento.
Art. 185. A seguridade social compreende ações de iniciativa
Art. 180. A despesa com pessoal ativo e inativo do Estado e dos poderes públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os
dos Municípios não poderá exceder os limites estabelecidos em direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência sociais.
lei complementar. § 1º A lei organizará a seguridade social respeitados os se-
Parágrafo único. A concessão de qualquer vantagem ou au- guintes princípios básicos:
mento de remuneração, a criação de cargos ou alteração de es-
trutura de carreiras, bem como a admissão, a qualquer título, de NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a
pessoal pelos órgãos e entidades da administração direta ou indi- palavra “social”.
reta, inclusive fundações públicas, só poderão ser feitas:
I – universalidade da cobertura e do atendimento;
I – se houver prévia dotação orçamentária suficiente para
II – uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às
atender às projeções de despesas de pessoal e os acréscimos dela
populações urbanas e rurais;
decorrentes;
III – seletividade e distributividade na prestação dos bens e
II – se houver autorização específica na lei de diretrizes or-
serviços;
çamentárias, ressalvadas as empresas públicas e as sociedads de
IV – caráter democrático e descentralizado da gestão admi-
economia mista.
nistrativa, com a participação da coletividade, em especial de tra-
Art. 181. (Redação revogada pela Emenda Constitucional nº
balhadores, empresários e aposentados;
27/2002.) V – promoção das condições necessárias para fixação do ho-
REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 181. Serão considerados aprova- mem do campo.
dos e promulgados como lei os projetos de plano plurianual, de § 2º Os orçamentos do Estado e do Município identificarão
diretrizes orçamentárias e anual, se, encaminhados pelo Governa- e estimarão as receitas destinadas ao financiamento das ações e
dor do Estado, não forem devolvidos pela Assembleia Legislativa, serviços relativos à seguridade social.
para sanção, nos prazos previstos na lei complementar a que se § 3º Nenhum benefício ou serviço de seguridade social será
refere o art. 165, § 9º, da Constituição Federal.” criado, majorado ou estendido sem a correspondente fonte de
custeio total.
NOTA: O referido dispositivo foi questionado na ADI n° 2.593-
7. Resultado: ação julgada prejudicada monocraticamente por SEÇÃO II
perda superveniente do objeto, pois a redação do referido artigo DA SAÚDE
foi revogada por meio da Emenda n° 27/2002.
Art. 186. Todo ser humano, sem distinção de qualquer natu-
Art. 182. É fixado em vinte e cinco por cento da receita do reza, tem direito à saúde.
orçamento do exercício o limite máximo do montante da dívida Art. 187. Constitui função social do Estado velar pela prote-
consolidada do Estado e dos Municípios. ção e defesa da saúde a nível individual e coletivo, adotando as
Parágrafo único. Lei Complementar Estadual, sem prejuízo do medidas necessárias para assegurar os seguintes direitos:
estabelecido na legislação federal, disporá sobre a aplicação da I – condições dignas de trabalho, saneamento, moradia, ali-
regra deste artigo. mentação, educação, transporte e lazer;
II – respeito ao meio ambiente e controle da poluição am-
Art. 183.As operações de crédito para antecipação da receita, biental.
quando autorizada no orçamento anual, não excederão a vinte Parágrafo único. A lei instituirá normas regulando o cumpri-
e cinco por cento da receita total estimada para o exercício fi- mento, por parte do Estado e da comunidade, das obrigações re-
nanceiro e, até trinta dias depois do encerramento deste, serão, lativas à saúde.
obrigatória e integralmente, liquidadas. Art. 188. O acesso aos serviços de saúde será garantido pelo
Parágrafo único. O dispêndio mensal com a sua liquidação, Poder Público, cabendo ao Estado e Municípios dispor em lei, no
compreendendo principal e acessórios, não poderá ser superior a âmbito de suas competências, sobre sua regulamentação, fiscali-
cinco por cento da receita orçamentária do exercício. zação e controle.
§ 1º O sistema único de saúde englobará todos os órgãos es-
taduais e municipais de assistência à saúde, observadas as seguin-
tes diretrizes:

32
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
I – municipalização dos recursos e ações dos serviços de saúde; Parágrafo único. O custeio da previdência social será atendi-
II – comando único em cada esfera de governo; do mediante contribuição mensal dos segurados e do Estado ou
III – atendimento integral na prestação das ações preventivas Município, conforme o caso, incidente sobre as folhas de venci-
e curativas; mentos e salários.
IV – Instituição dos Conselhos Estaduais e Municipais de Saú- Art. 195. A participação dos segurados na administração da
de como representação paritária do Poder Público, dos profissio- Previdência Social dar-se-á mediante integração ao órgão supe-
nais de saúde e da comunidade. rior de deliberação coletiva, de representantes dos servidores dos
Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário.
NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra que inicia o Art. 196. O retardamento, pelo Estado, quanto ao recolhi-
inciso vir com a sua letra inicial minúscula. mento de suas contribuições mensais ou ainda quanto a transfe-
rência dos valores correspondentes às retenções a que se obriga,
§ 2º O Conselho Estadual de Saúde será o órgão consultivo implicará responsabilidade do Governador do Estado e demissão,
superior do sistema único de saúde. a bem do serviço público, do Secretário da Fazenda, mediante ini-
§ 3º As instituições privadas, mediante convênio, poderão ciativa da Assembleia Legislativa Estadual.
participar de forma complementar do sistema único de saúde,
tendo preferência as entidades filantrópicas e as sem fins lucra- NOTA: Houve um erro material. Deve existir crase antes da
tivos. palavra “transferência”. Parágrafo único. A partir da data da deli-
Art. 189. O sistema único de saúde será financiado com re- beração da Assembleia Legislativa Estadual, ficará o Secretário da
cursos do orçamento da seguridade social, da União, e, obrigato- Fazenda automaticamente afastado das funções.
riamente, dos orçamentos do Estado e dos Municípios, além de NOTA: Caput e parágrafo único com eficácia suspensa, por
outras fontes. decisão unânime, pela ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do
STF em 20/11/1989, publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado:
SEÇÃO III Aguardando julgamento.
DA ASSISTÊNCIA SOCIAL
CAPÍTULO III
Art. 190. A assistência social tem por finalidade o amparo a DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA, DA COMUNICAÇÃO SOCIAL E
segmentos carentes da coletividade, mediante a proteção à famí- DO DESPORTO
lia, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice, promo-
vendo a integração ao mercado de trabalho e viabilizando a ha- SEÇÃO I
bilitação e a reabilitação das pessoas portadoras de deficiências. DISPOSIÇÃO GERAL
Art. 191. A comunidade, através de associações, sindicatos,
conselhos, ordens e outros órgãos representativos, participará na Art. 197. O Estado, com a contribuição da sociedade, favore-
formulação das políticas de assistência social e no controle das cerá o desenvolvimento integral da pessoa humana, seu preparo
ações pertinentes em todos os seus níveis. para o exercício da cidadania e sua qualificação para trabalho,
Art. 192. As ações governamentais de assistência social serão provendo a educação, garantindo acesso às fontes culturais e de
promovidas e financiadas com o apoio da União e da sociedade, comunicação social e fomentando as práticas desportivas formais
cabendo ao Estado coordenar a execução dos programas que de- e não formais.
senvolver, reservadas à esfera federal a coordenação geral e a ex-
pedição das normas básicas pertinentes. NOTA: Houve um erro material. Deve existir o artigo “o” antes
da palavra “trabalho”.
SEÇÃO IV
DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SEÇÃO II
DA EDUCAÇÃO
Art. 193. O Estado e os Municípios, diretamente ou através
de órgãos previdenciários que instituírem ou com os quais conve- Art. 198. O dever do Estado e do Município com a educação
niarem, prestarão a previdência social aos seus servidores e aos será efetivado com guarda dos seguintes princípios:
familiares e dependentes destes. I – aplicação de pelo menos vinte e cinco por cento da receita
Art. 194. Os planos de previdência social, mediante, assegu- resultante de impostos, incluída a proveniente de transferências,
rarão, nos termos da lei: na manutenção e no desenvolvimento do ensino público;
II – manutenção do ensino fundamental obrigatório e gra-
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “previdên- tuito, inclusive para quantos a ele não tiverem acesso na idade
cia social, mediante, assegurarão” ser lida como “previdência so- própria;
cial assegurarão”. III – extensão progressiva de gratuidade e obrigatoriedade ao
ensino de primeiro grau;
I – cobertura dos eventos de doença, invalidez e morte, incluí- IV – atendimento educacional especializado aos portadores
dos os resultantes de acidentes do trabalho, velhice e reclusão; deficiências, preferencialmente na rede regular de ensino, garan-
II – assistência financeira, habitacional, médica, hospitalar, tindo-se-lhes recursos humanos e equipamentos públicos ade-
farmacêutica e odontológica; quados;
III – proteção à maternidade, especialmente à gestante;
IV – pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao NOTA: Houve um erro material. Deve existir a preposição
cônjuge ou companheiro e dependentes; “de” antes da palavra “deficiências”.
V – auxílio à manutenção dos dependentes dos segurados de V – oferecimento de ensino noturno regular, adequado às
baixa renda. condições do educando;

33
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
VI – desenvolvimento de programas suplementares de mate- IV – oferecimento, pelo Estado, de assistência técnica aos sis-
rial didático escolar, transportes, alimentação e saúde, destinados temas municipais de ensino;
à clientela do ensino fundamental, sob a coordenação ou acom- V – adequação do Calendário Escolar às eculiaridades das
panhamento de profissionais de serviço social, com participação áreas rurais.
da comunidade escolar; § 1º Compete ao Poder Público proceder ao recenseamento
anual da clientela do ensino fundamental, fazer-lhe a chamada e
NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “transportes” zelar junto aos pais e responsáveis pela frequência regular.
ser lida como “transporte”. § 2º O não oferecimento do ensino obrigatório pelo Poder
Público e ainda sua oferta irregular importarão responsabilidade
VII – atendimento, em creches e pré-escolas, às crianças na do Chefe do Executivo Estadual ou Municipal, conforme o caso.
faixa etária de até seis anos, assegurando-lhes assistências peda- Art. 201. A Educação Religiosa constituirá área de ensino de
gógica, médica, psicológica e nutricional adequadas a seus dife- oferta obrigatória pelas escolas públicas estaduais e municipais,
rentes graus de desenvolvimento; guardados os seguintes princípios:
VIII – organização do sistema de ensino público em regime de I – facultatividade da matrícula;
colaboração com a União e os Municípios; II – compatibilidade do conteúdo programático aos diferentes
IX – igualdade de condições de acesso e de permanência na credos e cultos;
escola; III – docência, em relação a cada credo, por professores cre-
X – liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar pen- denciados pela autoridade religiosa correspondente.
samento, a arte e o saber; Art. 202. As instituições de Ensino Superior, mantidas pelo
Poder Público, visam, além da formação de profissionais de nível
NOTA: Houve um erro material. Deve existir o artigo “o” antes universitário, à organização da produção científica destinada à di-
da palavra “pensamento”. fusão e à discussão dos problemas que interessam ao conjunto da
sociedade, respeitados os seguinte princípios:
XI – valorização dos profissionais de ensino, mediante insti- a) autonomia didático-científica e administrativa;
tuição de plano de carreira para o magistério público e remunera- b) autonomia de gestão financeira e patrimonial;
ção compatível com o grau de qualificação profissional; c) indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão;
XII – orientação do processo educativo de modo a formar d) isonomia salarial.
consciência da igualdade entre os cidadãos, independentemente Parágrafo único. O Estado destinará recursos para manuten-
de sexo, cor, raça, origem, bem assim da especial contribuição da ção, funcionamento e atendimento às despesas de pessoal da
mulher, como mãe e trabalhadora, para a construção da grandeza Rede Pública Estadual de 3º grau.
da Nação. Art. 203. O Conselho Estadual de Educação, de cuja compo-
sição participarão, proporcionalmente, representantes das insti-
NOTA: Houve um erro material. Deve o inciso ser terminado tuições e dos professores das redes pública e particular de en-
por ponto e vírgula. sino, em todos os níveis, bem assim dos pais dos educandos e
dos órgãos de representação dos estudantes, expedirá as normas
XIII – garantia, aos deficientes físicos, de atendimento ade- gerais disciplinadoras do ensino nos sistemas oficial e privado e
quado em todos os níveis de ensino. procederá à interpretação, na esfera administrativa, da legislação
Art. 199. O Plano Estadual de Educação, de duração pluria- específica.
nual, visará à articulação e ao desenvolvimento do ensino em seus
diversos níveis, à integração das ações do poder público e à adap- NOTA: A Emenda 24/02, que modificava a redação deste ar-
tação em plano nacional, com os objetivos de: tigo, teve a sua eficácia suspensa, por unanimidade, até a deci-
I – erradicação do analfabetismo; são final, pela ADI-MC n° 2.654-2, julgada pelo Pleno do STF em
II – universalização do atendimento escolar; 26/6/2002, publicada no DJ de 23/8/2002. Resultado: Aguardan-
III – melhoria da qualidade de ensino; do julgamento.
IV – formação para o trabalho;
V – promoção humanística, científica e tecnológica. Art. 204. O Estado e os Municípios, visando ao desenvolvi-
Parágrafo único. O Plano Estadual de Educação será enca- mento do ensino de 1º e 2º graus e erradicação do analfabetis-
minhado para exame e aprovação à Assembleia Legislativa até o mo, poderão celebrar convênios com entidades mantenedoras
dia 31 de agosto do ano imediatamente anterior ao início de sua de estabelecimentos de ensino, com prévia autorização do Poder
execução. Legislativo.
NOTA: Parágrafo único com pedido de suspensão liminar
indeferido, por unanimidade, na ADI nº 127-2-MC. Julgada pelo SEÇÃO III
Pleno do STF em 20.11.1989. Publicada no DJ de 4/12/1992. Re- DA CULTURA
sultado: Aguardando julgamento.
Art. 200. A organização dos sistemas estadual e municipal de Art. 205. O Estado apoiará e estimulará a valorização e a difu-
ensino, na conformidade do que dispuser a lei, assegurará: são das manifestações culturais, e promoverá, mediante registros,
I – estabelecimento, mediante lei estadual, da esfera de com- inventários, tombamento, vigilância, desapropriação e outras for-
petência dos Conselhos Municipais de Educação; mas de acautelamento, a preservação do patrimônio cultural.
II – participação da comunidade escolar no planejamento das Art. 206. Constituem o patrimônio cultural os bens de nature-
atividades administrativas e pedagógicas, acompanhadas por as- za material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto,
sistentes sociais, psicólogos e profissionais do ensino; portadores de referência à identidade, à ação e à memória dos
III – integral aproveitamento da capacidade de utilização das diferentes grupos formadores da sociedade alagoana e brasileira,
unidades escolares, nos três turnos diários; nos quais se incluem:

34
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
I – as formas de expressão; e estimularão a produção independente que objetive sua divulga-
II – os modos de criar, fazer e viver; ção, bem como darão preferência a finalidades educativas, artís-
III – as criações científicas, artísticas e tecnológicas; ticas, desportivas, culturais e informativas, respeitando os valores
V – as obras, objetos, documentos, edificações e demais es- éticos sociais da pessoa e da família.
paços destinados às manifestações artístico-culturais; § 5º A Rádio Difusora de Alagoas, no desenvolvimento de
V – os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagísti- sua programação, observará as exigências de competitividade de
co, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico. mercado.
Art. 207. Incumbe, à Administração Pública, na forma da lei,
a gestão da documentação governamental e as providências para SEÇÃO V DO
franquear sua consulta a quantos dela necessitem. DESPORTO
Art. 208. A lei estabelecerá incentivos para a produção e o
conhecimento de bens e valores culturais. Art. 213. O fomento, pelo Estado, das práticas esportivas for-
Art. 209. Lei complementar disporá sobre a proteção do pa- mais e não formais, proceder-se-á com observância dos seguintes
trimônio histórico, artístico, cultural, arquitetônico, arqueológico princípios:
e paisagístico do povo alagoano, estabelecendo as condições de
uso e desfrute dos bens que o integrem, bem assim instituindo NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula
mecanismos de controle quanto ao tombamento, à preservação após a expressão “não formais”.
e à guarda.
§ 1º O Poder Público, comprovada a viabilidade, preferivel- I – autonomia das entidades desportivas, dirigentes e associa-
mente promoverá a transferência dos bens integrantes do patri- ções, quanto à sua organização e funcionamento;
mônio cultural para o domínio do Estado ou dos Municípios. II – destinação de recursos públicos para a promoção priori-
§ 2º Os danos e ameaças ao patrimônio cultural serão puni- tária do desporto educacional e, em casos específicos, para a do
dos na forma da Lei Complementar de que trata este artigo. desporto de alto rendimento;
Art. 210. É vedada a remoção definitiva, do território esta- III – tratamento diferenciado para o desporto profissional e
dual, de bens e patrimônio artístico-cultural devidamente tom-
não profissional;
bados.
IV – proteção e incentivos às manifestações desportivas de
criação nacional;
SEÇÃO IV
V – reserva de área destinada a praças e campos de esportes,
DA COMUNICAÇÃO SOCIAL
de obrigatoriedade nos projetos de urbanização e de unidades
escolares;
Art. 211. A manifestação do pensamento, a criação, a expres-
VI – concessão de bolsas de estudos aos atletas integrantes
são e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo, não
de representações estaduais das diversas modalidades esportivas.
sofrerão qualquer restrição, observados os princípios estabeleci-
dos na Constituição da República e disciplina específica definida Parágrafo único. A lei disporá sobre a origem dos recursos
na legislação federal. financeiros para aplicação nos desportos e os critérios de distri-
Art. 212. Os órgãos de imprensa escrita e de radiodifusão so- buição e de repasse dos recursos públicos estaduais às entidades
nora ou de imagem e som, integrantes da Administração Pública e associações desportivas e para o desporto educacional.
Estadual, direta, indireta ou fundacional, terão suas atividades Art. 214. O Poder Público estimulará o lazer como forma de
orientadas e supervisionadas pelo Conselho Estadual de Comu- promoção social.
nicação Social.
§ 1º O Conselho será composto por representantes dos três CAPÍTULO IV
Poderes, bem assim das entidades de classe vinculadas ao setor, DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA
conforme dispuser a lei.
§ 2º Inclui-se entre as atribuições do Conselho Estadual de Art. 215. O Estado, objetivando o bem público, progresso das
Comunicação Social, a definição de critérios visando à repartição ciências e o aprimoramento do sistema produtivo nacional e re-
equitativa das dotações destinadas à publicidade governamental, gional, promoverá e estimulará o desenvolvimento científico, a
observada a prioridade dos organismos estatais e vedada a pro- pesquisa e a capacitação tecnológica, apoiando, inclusive, a for-
moção política dos governantes e membros do Governo. mação de recursos humanos especializados.
§ 3º É vedada a aplicação pelos órgãos da Administração Pú-
blica direta, indireta e fundacional pública, de mais de cinco por NOTA: Houve um erro material. Deve existir o artigo “o” antes
cento dos recursos públicos destinados, em cada exercício finan- da palavra “progresso”.
ceiro, à produção e à veiculação de matérias publicitárias pelo ór-
gão de Comunicação Social de imprensa escrita e de radiodifusão Art. 216. Recursos orçamentários, no montante de pelo me-
sonora e de difusão de imagem e som por sinais eletromagnéti- nos 1,5% (um e meio por cento) da receita estimada anual decor-
cos, a uma só empresa ou grupo empresarial privado ou coligado rente do exercício da competência tributária estadual, deduzidas
de qualquer forma, bem como às empresas distintas com sócios as transferências aos Municípios previstas no inciso II, alínea b e
ou proprietários comuns. inciso III do art. 171, serão destinados ao desenvolvimento cientí-
fico e tecnológico do Estado, sendo transferidos em duodécimos,
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a durante o exercício correspondente, à instituição de que trata o
palavra “aplicação”. § 1º deste artigo. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
25/2002.)
§ 4º A produção e a programação das emissoras de rádio e
televisão, sem prejuízo das atividades voltadas à garantia de suas NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a
próprias manutenções, promoverão a cultura nacional e regional palavra “Municípios”.

35
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 216. Recursos orçamentários, no CAPÍTULO V
importe de pelo menos dois por cento da receita estimada, serão DO MEIO AMBIENTE
reservados com vista ao estímulo do desenvolvimento científico
e tecnológico e obrigatoriamente transferidos em duodécimos, SEÇÃO I
durante o exercício correspondente, à instituição de que trata o DA PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE
§ 1º deste artigo.”
§ 1º Ente fundacional, instituído e mantido pelo Poder Pú- Art. 217. O Estado, com a colaboração da comunidade, pro-
blico, planejará, coordenará, supervisionará e avaliará as ações moverá a defesa e a preservação do meio ambiente, cumprindo-
estatais de fomento à pesquisa científica e tecnológica. -lhe, especificamente:
§ 2º A fundação de amparo ao desenvolvimento científico e I – resguardar o restaurar os processos ecológicos essenciais
tecnológico, no cumprimento de suas finalidades, propiciará bol- e prover o manejo racional das espécies e dos ecossistemas;
sas de estudos e oferecerá auxílio financeiro e apoio especializado
visando à realização de projetos, estudos e pesquisas. NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “resguar-
dar o restaurar” ser lida como “resguardar e restaurar”.
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a
II – preservar a diversidade e a integridade do patrimônio ge-
palavra “especializado”.
nético do Estado e fiscalizar as entidades dedicadas à pesquisa e à
manipulação de material genético;
§ 3º Será destinado, para efeito de manutenção da Funda-
III – definir os espaços territoriais a serem especialmente
ção, valor nunca superior a 20% (vinte por cento) dos respectivos protegidos, inclusive seus componentes, sendo a alteração e a
recursos orçamentários, aplicado o restante, obrigatoriamente, supressão somente permitidas através de lei, vedada qualquer
na execução de programas vinculados aos seus fins institucionais. utilização que comprometa a integridade dos atributos que justi-
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 25/2002.) fiquem sua proteção;
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 3º Será destinado, para efeito de ma- IV – exigir, observado o que dispuser a lei, estudo prévio de
nutenção da fundação, valor nunca superior a cinco por cento dos impacto ambiental, sempre que se tratar da instalação de obra ou
recursos que lhe forem transferidos, aplicado o restante, obriga- atividade potencialmente causadora de significativa degradação
toriamente, na execução de atividades vinculadas aos seus fins do meio ambiente;
institucionais;” V – controlar a produção, a comercialização e o emprego de
§ 4º A administração superior da Fundação será exercida por técnicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida,
colegiado constituído de membros nomeados pelo Governador para a qualidade de vida e para o meio ambiente;
do Estado, sem remuneração de qualquer espécie, dentre pes- VI – proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as
quisadores das diversas áreas do conhecimento, em atividade na práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem
comunidade científica do Estado e pessoas com reconhecida ex- a extinção de espécies ou submetam os animais à crueldade;
periência e atuação nos setores públicos e empresariais, na forma VII – promover a educação ambiental nos diferentes níveis de
da lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 25/2002.) ensino que mantiver, bem como a conscientização pública para a
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 4º A administração da fundação é ór- preservação do meio ambiente;
gão colegiado constituído de nove membros, sem remuneração VIII – manter os recursos hídricos em condições de serem
de qualquer espécie, nomeados pelo Governador do Estado me- desfrutados pela comunidade e com características que favore-
diante indicação das instituições públicas que, sediadas no Estado çam suas autodepurações, após verificação dos possíveis impac-
de Alagoas, exerçam atividades permanentes da pesquisa cientí- tos ambientais;
fica e tecnológica.” IX – preservar a boa qualidade do ar, promovendo, inclusive,
§ 5º Será garantida a prioridade para a pesquisa básica e para os meios para a recuperação das áreas poluídas;
X – fixar normas para utilização da flora e da fauna estaduais,
a pesquisa tecnológica nas áreas indicadas pelo Plano Estadual de
delimitando áreas de reservas biológicas e florestais para a prote-
Ciência e Tecnologia, elaborado, anualmente, pelo órgão público
ção a espécies em extinção;
responsável pela política setorial.
XI – estabelecer diretrizes gerais e específicas e fiscalizar e
§ 6º Lei Complementar fixará os mecanismos de estímulo às
normatizar a ocupação do litoral, tendo em vista fatores econô-
empresas que invistam em pesquisa e criação de tecnologias ade- micos, sociais, ecológicos, culturais, paisagísticos e outros com
quadas no Estado, formação e aperfeiçoamento de seus recursos pertinência ao planejamento da sua ocupação;
humanos e que pratiquem sistemas de remuneração que asse- XII – definir a Política Estadual de Proteção Ambiental, crian-
gurem ao empregado, desvinculado do salário, participação nos do as condições técnicas e jurídicas para a sua implantação, fisca-
ganhos econômicos resultantes da produtividade de seu trabalho. lização e execução;
§ 7º (Revogado pela Emenda Constitucional n° 25/2002.) XIII – estimular o reflorestamento, especialmente nas orlas
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 7º O Poder Público disciplinará a lagunares e nas cabeceiras dos rios, concedendo, inclusive, incen-
aplicação das dotações orçamentária para ciência e tecnologia tivos fiscais aos proprietários de áreas cobertas por matas nativas
de modo que as despesas com a administração setorial incluin- ou não, e na proporção de sua extensão;
do pessoal lotado nos órgãos e entes que executem pesquisas na XIV – proporcionar assistência científica, tecnológica e credi-
área de ciência e tecnologia, não ultrapassem dez por cento do tícia às indústrias que desenvolverem e incorporarem tecnologia
respectivo orçamento.” capaz de transformar resíduos poluentes em matérias-primas
proveitosas, ou simplesmente os elimine.
§ 1º Nenhum loteamento ou projeto de urbanização será
implantado no litoral do Estado sem prévia autorização do órgão
estadual encarregado de zelar pela proteção ambiental, que bai-
xará normas estabelecendo as condições mínimas de proteção do
meio ambiente.

36
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
§ 2º A lei regulará o fracionamento das áreas e o gabarito das V – gestão interestadual, mediante convênio, dos aquíferos
edificações situadas na faixa de um mil metros contados a partir que se estendem a Estados vizinhos.
da linha de raia dos terrenos de marinha, assim considerados nos Parágrafo único. Ouvido o órgão próprio do Sistema Estadual
termos da legislação federal pertinente. de Gerenciamento de Recursos Hídricos, poderá o Estado delegar
Art. 218. As condutas e atividades consideradas lesivas ao aos municípios, ou associações de usuários organizados, a gestão
meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídi- das águas de interesse exclusivamente local.
cas, a sanções penais e administrativas, independentes da obriga-
ção de reparar os danos causados. NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “municípios”
ser lida como “Municípios”.
NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “independen-
tes” ser lida como “independentemente”. Art. 224. A Política Estadual de Recursos Hídricos atenderá
Art. 219. São indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas aos seguintes princípios:
pelo Estado, por ações discriminatórias, necessárias à proteção I – reconhecimento dos recursos hídricos como um instru-
dos ecossistemas naturais. mento indutor do desenvolvimento econômico e social do Estado;
Art. 220. Aquele que explorar recursos minerais fica obrigado II – necessária compatibilização entre o plano estadual de re-
a recuperar o meio ambiente degradado, de acordo com a solução cursos hídricos e o plano de desenvolvimento econômico do Esta-
técnica indicada pelo órgão público competente, na forma da lei. do, da União e dos Municípios;
Art. 221. É proibida a instalação, no território do Estado de III – disciplinamento do uso da água segundo as peculiarida-
Alagoas, de usinas nucleares e de depósitos de resíduos atômicos. des de cada bacia hidrográfica e conforme as estratégias de aten-
dimento ao desenvolvimento econômicosocial;
SEÇÃO II IV – aproveitamento das águas superficiais e subterrâneas;
DOS RECURSOS HÍDRICOS V – adequação de recursos hídricos das regiões árida e semiá-
rida ao processo de desenvolvimento econômico e social local;
Art. 222. É dever dos cidadãos, da sociedade e dos entes esta- VI – estabelecimento de sistema de irrigação harmonizada
tais, zelar pela preservação do regime natural das águas.
com os programas de conservação do solo e da água. Art. 225.
A lei aprovará o Plano Estadual de Recursos Hídricos, asseguran-
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula
do, prioritariamente, o abastecimento das populações humana
após a palavra “estatais”.
e animal, e zelando pela preservação da saúde natural do meio
ambiente.
§ 1º A água constitui recurso natural indispensável para a
Parágrafo único. O produto da participação dos Municípios
vida, condicionante e indutor do desenvolvimento econômico e
no resultado da exploração dos potenciais energéticos em seu
social.
território, ou a compensação financeira, deverão ser aplicados
§ 2º A lei, observado o que estabelece a legislação federal,
disporá sobre: prioritariamente nos programas previstos neste artigo.
I – o aproveitamento de recursos hídricos objetivando o aten-
dimento das necessidades de toda a coletividade; NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “deverão
II – a proteção contra ações ou eventos que comprometam ser aplicados” ser lida como “deverá ser aplicado”.
sua utilidade atual e futura, bem como a integridade e a renovabi-
lidade física e ecológica do ciclo hidrológico; Art. 226. O Estado, através do sistema estadual de gerencia-
III – o controle dos eventos efeitos dos hidrológicos determi- mento de recursos hídricos, implantará uma rede hidrometereo-
nantes de impactos danosos, de modo a evitar-lhes ou minimizar- lógica nas bacias hidrográficas de seu domínio.
-lhes as consequências prejudiciais à coletividade.
Art. 223. A lei instituirá o Sistema Estadual de Gerenciamento NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “hidromete-
de Recursos Hídricos, compatível com o Sistema Nacional, e defi- reológica” ser lida como “hidrometeorológica”.
nirá critérios de outorga de direitos de uso de água, respeitadas
as seguintes diretrizes gerais: Art. 227. As receitas decorrentes do uso da água, inclusive as
I – promoção de benefícios sociais decorrentes dos múltiplos pertinentes à participação do Estado no resultado da exploração
usos da água e minimização de seus efeitos adversos, devendo de recursos hídricos para fins de geração de energia elétrica serão
ser integrado, descentralizado e participativo, adotandose a bacia aplicadas na execução do Plano Estadual de Recursos Hídricos.
hidrográfica como base físico-territorial de gestão; Art. 228. As diversas receitas resultantes de uso da água,
II – integração das águas superficiais e subterrâneas respei- quando recolhidas pelos Municípios ou a eles repassadas, serão
tando-se os regimes naturais de ambas, bem como as interações exclusivamente empregadas visando à conservação, à proteção e
com o solo e outros recursos naturais; ao aproveitamento dos recursos hídricos existentes em seus ter-
ritórios.
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a
palavra “subterrâneas”. CAPÍTULO VI
DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE,
III – gestão permanente e contínua dos recursos hídricos, DO IDOSO E DO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA
utilizando normas e procedimentos gerais que orientam as ações
intervenientes; Art. 229. A assistência à família será oferecida na pessoa de
IV – aproveitamento do potencial hídrico subterrâneo como cada um dos seus integrantes.
reserva estratégica para o desenvolvimento como alternativa va-
liosa de suprimento de água às populações, devendo ser protegi- NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “oferecida
do contra a poluição; na pessoa” ser lida como “oferecida à pessoa”.

37
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 230. O Estado promoverá programas de assistência inte- Art. 239. O Estado e o Município dispensarão tratamento di-
gral à saúde da criança e do adolescente, admitida a participação ferenciado à microempresa e às empresas de pequeno porte, as-
de entidades não governamentais, obedecidos os princípios esta- sim definidas em lei, visando a incentivá-las pela simplificação de
belecidos na Constituição Federal. suas obrigações administrativas e tributárias, ou pela eliminação
Art. 231. O amparo aos idosos será promovido com a partici- ou redução destas, na forma da lei.
pação da União e da sociedade, de modo a assegurarlhes o bem- Art. 240. O Estado e os Municípios incentivarão o turismo,
-estar, a dignidade e o direito à vida. como fator de desenvolvimento social e econômico.
Parágrafo único. Aos maiores de sessenta e cinco anos é ga- Art. 241. O Estado assegurará a participação da representa-
rantida a gratuidade dos transportes coletivos urbanos. ção cooperativista em todos os conselhos e órgãos estaduais vin-
Art. 232. O Estado promoverá ações permanentes de preven- culados ao desenvolvimento rural e urbano.
ção de deficiência física, sensorial e mental, bem assim desen- Art. 242. O Estado de Alagoas apoiará e estimulará o coopera-
volverá programas de assistência aos portadores de deficiência, tivismo e outras formas de associativismo.
objetivando integrá-los plenamente no convívio social, mediante Art. 243. Cabe ao Estado explorar, diretamente ou mediante
a abertura de oportunidades de educação e de trabalho e a facili- concessão a empresa estatal, os serviços locais de gás canaliza-
tação do acesso aos espaços públicos e aos transportes coletivos. do, com exclusividade de distribuição para todos os segmentos
Parágrafo único. A lei disporá sobre a adaptação dos logra- do mercado.
douros, dos edifícios de uso público e dos veículos de transporte Parágrafo único. A lei estabelecerá as condições da outorga
coletivo, e criará os mecanismos necessários à implantação das da concessão de que trata este artigo.
demais ações definidas neste artigo. TÍTULO VII
DA SEGURANÇA PÚBLICA
CAPÍTULO VII
DOS ÍNDIOS Art. 244. A segurança pública, dever do Estado e direito e res-
ponsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem
Art. 233. O Estado, respeitada a competência da União, pres- pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.
tará permanente cooperação visando ao desenvolvimento de § 1º São responsáveis pela segurança pública, respeitada a
ações destinadas à proteção dos índios, especialmente no que se competência da União:
refere: I – a Polícia Civil;
I – à preservação dos direitos originários sobre as terras que II – a Polícia Militar; e (Redação dada pela Emenda Constitu-
tradicionalmente ocupam, inclusive quanto ao usufruto perma- cional nº 9/1993.)
nente e exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas REDAÇÃO ORIGINAL: “II – a Polícia Militar e o Corpo de Bom-
existentes; beiros;”
II – ao respeito à organização social, à cultura, aos costumes, III – o Corpo de Bombeiros Militar. (Redação acrescentada
às crenças e às tradições das comunidades indígenas; pela Emenda Constitucional nº 9/1993.)
III – à conservação dos recursos ambientais indispensáveis ao § 2º À Polícia Civil, dirigida por delegado de polícia, incumbe
bem-estar das coletividades indígenas, bem assim à reprodução as funções de polícia judiciária e a apuração das infrações penais,
física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições. exceto as militares.
§ 3º À Polícia Militar cabem a polícia ostensiva, a preservação
TÍTULO VI da ordem pública, além de outras atribuições definidas em lei.
DA ORDEM ECONÔMICA § 4º O Corpo de Bombeiros Militar é instituição permanen-
te, força auxiliar e reserva do Exército, organizada segundo hie-
Art. 234. O Estado velará pela preservação da ordem econô- rarquia e disciplina militares e subordinada ao Governador do
mica, respeitados os princípios fundamentais estabelecidos pela Estado, competindo-lhe as atividades de prevenção e extinção
Constituição da República. de incêndios, de proteção, busca e salvamento e de defesa civil,
Art. 235. A exploração, pelo Estado, de atividade econômica, além de outras estabelecidas em Lei. (Redação dada pela Emenda
só será permitida quando necessário aos imperativos de seguran- Constitucional nº 9/1993.)
ça nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definido REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 4º Ao Corpo de Bombeiros Militar,
em lei. integrante da Polícia Militar, compete, além das atribuições defi-
nidas em lei, a execução de atividades de defesa civil.”
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula § 5º A Polícia Militar, força auxiliar e reserva do Exército,
após a palavra “econômica”. subordina-se, juntamente com a Polícia Civil, ao Governador do
Estado.
Art. 236. A lei regulamentará as relações da sociedade de § 6º Os cargos de Comandante-Geral da Polícia Militar e de
economia mista e da empresa pública com o Estado. Comandante-Geral do Corpo de Bombeiro Militar são privativos
Art. 237. A sociedade de economia mista ou empresa pública de Oficiais da ativa das respectivas Corporações, no último posto
que, no período de cinco anos consecutivos, apresentar resulta- do correspondente quadro de Combatentes, ressalvado o dispos-
do deficitário, será autarquizada ou extinta, na última hipótese to na legislação federal pertinente. (Redação dada pela Emenda
desde que se não destine à execução de serviço público essencial. Constitucional nº 9/1993.)
Parágrafo único. Dando-se que a empresa pública apresente
resultados deficitários por dois anos consecutivos, serão destituí- NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “Bombeiro”
dos os seus dirigentes, apurando-se-lhes a responsabilidade. ser lida como “Bombeiros”.
Art. 238. A prestação indireta de serviços públicos dar-se-á
sob o regime de concessão ou permissão, sempre através de pré-
vio procedimento licitatório.

38
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 6º O Cargo de Comandante Geral da VIII – a habitação para o trabalhador rural.
Polícia Militar é privativo de Oficial da ativa da corporação, no § 1º Incluem-se, no planejamento agrícola, as atividades
último posto do quadro de combatentes, ressalvado o previsto na agroindustriais, agropecuárias, pesqueiras e florestais.
legislação federal.” § 2º Serão compatibilizadas as ações de política agrícola e de
Art. 245. A lei disciplinará a organização e o funcionamento reforma agrária.
dos órgãos responsáveis pela segurança pública, de modo a ga-
rantir a eficiência de suas atividades. TÍTULO IX
§ 1º As funções de Polícia Judiciária são privativas dos inte- DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS GERAIS
grantes das respectivas carreiras funcionais.
§ 2º A lei organizará, em carreira, os cargos da Polícia Civil. Art. 252. As entidades educacionais que, criadas ou de ins-
Art. 246. Aplica-se aos delegados de polícia de carreira a iso- tituição autorizada por lei estadual e municipal, não sejam total
nomia de vencimentos assegurada às carreiras funcionais a que ou preponderantemente mantidas com recursos públicos, ficam
correspondem funções essenciais à justiça, em relação aos cargos excluídas da obrigatoriedade do oferecimento de ensino gratuito,
dos Poderes Legislativo e Judiciário de atribuições iguais ou asse- desde que já se encontrassem funcionando na data da promulga-
melhadas. ção da Constituição da República.
Art. 253. O ensino da História de Alagoas, obrigatório nas uni-
NOTA: Este artigo foi objeto de análise pela ADI no 564-2- dades escolares da rede oficial, levará em conta as contribuições
MC, julgada pelo Pleno do STF em 18/9/1991, publicada no DJ das diferentes culturas e etnias para a formação da sociedade ala-
de 25/10/1991. Resultado: ação julgada prejudicada monocrati- goana.
camente, ficando sem efeito a liminar anteriormente concedida, Art. 254. As áreas de ensino correspondentes a Estudos So-
tendo em vista não ter sido possível o exame sobre a constitu- ciais e Educação Artística compreenderão:
cionalidade do presente dispositivo, em virtude da promulgação I – Estudos Sociais: noções de ecologia, trânsito, nutrição e
da EC nº 19, modificando substancialmente a redação dos arts. geriatria;
37, XIII, 39, § 1º, 135 e 241 da Constituição Federal, que serviam II – Educação Artística: noções de música, artes plásticas, tea-
como parâmetro de confronto. tro e história da música popular brasileira.
Art. 247. Os municípios, respeitado o que estabelecer lei com- Art. 255. A criação de novos cargos públicos, na Administra-
plementar estadual específica, poderão constituir guardas muni- ção Direta, Autárquica e Fundacional Pública, apenas será pro-
cipais destinadas à proteção de seus bens,serviços e instalações. cedida mediante fixação dos quantitativos correspondentes a
§ 1º As guardas municipais, quanto às atividades operacio- atribuição de nível, grau e padrão de vencimento, respeitado o
nais, serão supervisionadas pela Polícia Militar. sistema remuneratório existente, bem como o estabelecimento
§ 2º Ao guarda municipal é vedado o porte de arma, ressalva- de especificações para provimento.
da a hipótese de específica autorização do Secretário de Seguran-
ça, para condução exclusivamente em objeto de serviço. NOTA: Houve um erro material. Deve existir crase antes da
palavra “atribuição”.
TÍTULO VIII
DA POLÍTICA AGRÍCOLA E FUNDIÁRIA Parágrafo único. Na hipótese de ampliação de quantitativo de
cargo já existente, precisar-se-á a quantidade anterior e aquela
Art. 248. Compete ao Estado promover a Política Fundiária resultante do acréscimo advindo.
e o desenvolvimento econômico das comunidades rurais, aten- Art. 256. As vantagens pecuniárias que estejam sendo perce-
didos os princípios de justiça social e o que dispuser a lei sobre bidas pelo servidor por ocasião de sua transferência para a inativi-
alienação de terras públicas e o processo discriminatório de terras dade integrarão os cálculos dos proventos, observados os prazos
devolutas. mínimos de auferimento ininterrupto previstos em lei.
Art. 249. Os beneficiários da distribuição de imóveis rurais, Art. 257. As classificações, para efeito remuneratório, atribuí-
pela política de redistribuição, regularização e reorganização, re- das aos cargos da magistratura, bem como aos integrantes das
ceberão título de concessão de direito e de uso, inegociável pelo carreiras essenciais à justiça, seus assemelhados, são inextensí-
prazo de dez anos, fixando, a lei, os critérios para a concessão do veis a quaisquer outras categorias funcionais.
Título de Domínio, vencido aquele prazo. Art. 258. Todo o ato de provimento de cargo público obrigato-
Art. 250. A destinação de Terras Públicas e Devolutas será riamente indicará a origem da vaga a ser preenchida, precisando,
compatibilizada com a política agrícola estadual e com o Plano se for o caso, a causa do desprovimento do seu anterior ocupante.
Regional de Reforma Agrária. Art. 259. A sistemática da fiscalização contábil, financeira e
Art. 251. A Política Agrícola será planejada e executada na orçamentária, prescrita na Seção VI do Capítulo I do Título III des-
forma da lei, com a participação efetiva do setor de produção, ta Constituição, aplica-se, no que couber, às Administrações Dire-
envolvendo produtores e trabalhadores rurais, bem como dos se- ta, Indireta e Fundacional Pública dos Municípios.
tores de comercialização, de armazenamento e de transportes, Art. 260. Todos os recursos financeiros da Administração Di-
levando em conta, especialmente: reta, Indireta e Fundacional Pública dos Poderes Executivo, Le-
I – os instrumentos creditícios e fiscais; gislativo e Judiciário, serão obrigatoriamente movimentadas em
II – os preços compatíveis com os custos de produção e a ga- estabelecimentos creditícios oficiais.
rantia de comercialização;
III – o incentivo à pesquisa e à tecnologia; NOTA: Houve dois erros materiais. Não deve existir a vírgula
IV – a assistência técnica e extensão rural; após a palavra “Judiciário”, bem como deve a palavra “movimen-
V – o seguro agrícola; tadas” ser lida como “movimentados”.
VI – o cooperativismo;
VII – a eletrificação rural e a irrigação;

39
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Parágrafo único. As disposições deste artigo estendem-se a NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “ressalvan-
todos os Municípios, excetuando-se os que não possuam, em sua do” serlida como “ressalvado”.
área territorial, estabelecimento oficial de crédito. NOTA: Inciso com eficácia suspensa, por decisão unânime,
Art. 261. As consignações devidas pela Secretaria da Fazen- pela ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989,
da, na hipótese de liberação retardada por prazo superior a trinta publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamen-
dias, serão corrigidos monetariamente. to.
NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “corrigidos”
ser lida como “corrigidas”. III – em caso de morte, pensão à viúva ou companheira e ou
Art. 262. A celebração de acordos relativos a créditos tributá- dependente, de forma proporcional, de valor igual a do inciso an-
rios fica condicionada a prévia autorização legislativa, salvo quan- terior;
do, em relação a cada contribuinte, implicar valor que não exceda
ao recolhimento médio registrado no período de doze meses ime- NOTA: Houve um erro material. Deve existir crase antes da
diatamente anterior à formalização do ajuste. expressão “do inciso anterior”.
Art. 263. As transferências de que trata o art. 196 serão reali- NOTA: Inciso com eficácia suspensa, por decisão unânime,
zadas até o trigésimo dia do mês subsequente ao pagamento pro- pela ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989,
cedido ao servidor, atualizado, dia a dia, o correspondente valor. publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamen-
Art. 264. O cálculo das transferências a serem feitas aos mu- to.
nicípios alagoanos, relativas à participação do ICM, tomará como
referência os seguintes períodos de arrecadação: IV – assistência médica, hospitalar e educacional gratuita, ex-
tensiva aos seus dependentes;
NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “municípios” V – aposentadoria com proventos integrais aos vinte e cinco
ser lida como “Municípios”. anos de serviço efetivo, em qualquer regime jurídico;

I – do primeiro ao vigésimo dia do mês que esteja em Curso; NOTA: Inciso com pedido de suspensão liminar indeferido,
II – do vigésimo primeiro ao último dia do mês anterior. por unanimidade, na ADI nº 127-2-MC. Julgada pelo Pleno do STF
Parágrafo único. As transferências que alude este artigo se- em 20/11/1989. Publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguar-
rão realizadas até o dia 28 de cada mês, acrescentando-se juros e dando julgamento.
atualização monetária ás realizadas fora do prazo legal. VI – prioridade na aquisição da casa própria, para os que não
a possuem ou para as suas viúvas ou companheira;
NOTA: Houve um erro material. Deve existir a preposição “a” VII – preferência de matrícula a seus dependentes nas escolas
após a palavra “transferências”. públicas;
VIII – isenção quanto ao imposto de transmissão inter vivos
Art. 265. Integram o cálculo das transferências aos Municí- na aquisição, por ato oneroso, de imóvel para sua moradia, desde
pios os acréscimos que, relativos à atualização monetária, sejam que de outro não disponha em seu patrimônio;
cobrados, tendo como referência os impostos nos quais tenham IX – preferência para promoção funcional no serviço públi-
participação. co estadual, inclusive autárquico ou fundacional público, sempre
que existente vaga e seja qual for o critério utilizado para fins de
NOTA: Artigo com eficácia suspensa, por decisão unânime, progressão vertical.
pela ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989, Art. 267. Lei complementar disporá sobre a transferência de
publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamen- servidores públicos civis para a disponibilidade remunerada, res-
to. peitados os seguintes princípios:
I – observância de critério objetivo para efeito de identifi-
Art. 266. Ao ex-combatente que tenha efetivamente partici- cação dos servidores a serem transferidos à disponibilidade, na
pado de operações bélicas durante a segunda guerra mundial, nos hipótese de extinção ou declaração de descessidade de cargos
termos da Lei Federal n.º 5.315, de 12 de setembro de 1967, são públicos;
assegurados os seguintes direitos:
NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “descessida-
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “segunda de” ser lida como “desnecessidade”.
guerra mundial” ser lida como “Segunda Guerra Mundial”.
II – garantia de remuneração integral aos disponíveis, incluin-
I – aproveitamento no serviço público sem exigência de con- do adicional por tempo de serviço e abono família;
curso, com estabilidade; III – asseguramento quanto ao retorno obrigatório ao traba-
lho mediante aproveitamento em cargo igual ou de atribuições
NOTA: Inciso com pedido de suspensão liminar indeferido, equivalentes, vedado o decesso remuneratório;
por unanimidade, na ADI nº 127-2-MC. Julgada pelo Pleno do STF IV – adoção, na hipótese da existência de vários servidores
em 20/11/1989. Publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguar- disponíveis, de critério objetivo para o chamamento de volta à
dando julgamento. atividade.
Art. 268. Fica criado o Conselho Estadual de Defesa da Crian-
II – pensão especial correspondente à deixada por Segundo- ça e do Adolescente.
-Tenente das Forças Armadas, que poderá ser requerida a qual- Art. 269. O Instituto de Previdência dos Deputados Estaduais
quer tempo, inacumulável com quaisquer rendimentos recebidos de Alagoas – IPDEAL, instituição previdenciária sem fins lucrati-
dos cofres públicos, exceto os benefícios previdenciários, ressal- vos, é organizado e administrado na forma da lei.
vando o direito de opção;

40
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
§ 1º Qualquer alteração das finalidades do Instituto ou sua O Pleno julgou, em 21/11/1996, por unanimidade, procedente a
extinção, ficam condicionadas à preliminar deliberação pelo voto ação para declarar a inconstitucionalidade deste artigo. Publicada
de dois terços da assembleia geral. no DJ de 4/4/1997.

NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula Art. 275. É vedada a realização de operações externas de na-
após a palavra “extinção”. tureza financeira, por parte do Governo do Estado e dos Municí-
pios, sem prévia autorização do Senado Federal.
§ 2º Na hipótese do parágrafo anterior, a Mesa Diretora da Art. 276. Os policiais civis e militares, quando invalidados em
Assembleia Legislativa, ou ainda qualquer dos membros do Poder decorrência de lesão grave adquirida no cumprimento do dever,
Legislativo, observados os termos da deliberação da assembleia serão promovidos, ao ensejo da inativação, à classe, graduação e
geral, proporá o projeto de lei. posto respectivo imediatamente superiores, com proventos inte-
§ 3º O projeto de lei proposto considerar-se-á aprovado pelo grais.
voto de três quintos dos membros da Assembleia Legislativa.
Art. 270. Os relatórios conclusivos de todas as sindicâncias e NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “respectivo”
auditoriais instaladas em órgãos da Administração Direta, Indire- ser lida como “respectivos”.
ta e Fundacional Pública, serão obrigatoriamente publicados no
Diário Oficial do Estado. Art. 277. Os planos de aplicação e demais projetos elabora-
dos pelos órgãos da Administração Direta, Autarquias e Funda-
NOTA: Houve dois erros materiais. Deve a palavra “audito- ções Públicas do Estado e relativos à utilização de recursos oriun-
riais” ser lida como “auditorias”, bem como não deve existir a vír- dos de contratos, convênios ou outro tipo de ajuste firmado com
gula após a palavra “Pública”. a União ou com quaisquer outras entidades de Direito Público ou
Privado, deverão ser submetidos à apreciação e à aprovação da
Art. 271. Os servidores aposentados e pensionistas do Estado Assembleia Legislativa Estadual.
de Alagoas terão seus proventos e pensões pagos na mesma data
dos demais servidores estaduais em atividade.
NOTA: Caput com eficácia suspensa, por decisão unânime,
Art. 272. Todos têm direito de requerer e obter, no prazo de
pela ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989,
trinta dias, informações sobre projetos do Poder Público, salvo
publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamen-
em casos cujo sigilo seja comprovadamente imprescindível à se-
to.
gurança da Sociedade e do Estado.
Parágrafo único. No prazo máximo de sessenta dias, conta-
Art. 273. O servidor público estadual da administração direta,
do do encerramento do exercício considerado ou do término da
autárquica e fundacional pública que, por cinco anos consecuti-
execução de ajuste, será encaminhada prestação de contas à As-
vos ou dez anos intercalados, haja exercido cargos de provimen-
to em comissão, será aposentado com proventos calculados com sembleia Legislativa Estadual relativas aos recursos aplicados na
base naquele a que corresponder maior remuneração, desde que forma dos planos ou projetos aludidos neste artigo.
o tenha exercido por pelo menos 03 (três) anos e integrante da NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “Estadual
estrutura do Poder a que pertença o servidor, sem prejuízo das relativas ” ser lida como “Estadual, relativa”.
vantagens de natureza pessoal a que faça jus. (Redação dada pela NOTA: Parágrafo único com eficácia suspensa, por decisão
Emenda Constitucional nº 13/1995.) unânime, pela ADI nº 127- 2-MC, julgada pelo Pleno do STF em
REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 273. O servidor público estadual 20/11/1989, publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardan-
da administração direta, autárquica e fundacional pública que, do julgamento.
por quatro anos consecutivos ou oito anos alternados, haja exer-
cido cargos de provimento em comissão, será aposentado com Art. 278. A lei disporá sobre a institucionalização do sistema
proventos calculados com base naquele a que, integrante da es- de cadastro dos dirigentes de órgãos das administrações direta e
trutura do Poder a que sirva, corresponder maior remuneração, indireta e fundacional pública.
sem prejuízo das vantagens de natureza pessoal a que faça jus.” § 1º Além dos elementos informativos de caráter curricular,
constará, obrigatoriamente, o registro de bens e valores integran-
NOTA: Artigo com eficácia suspensa, efeitos ex nunc, na re- tes do patrimônio privado dos gestores da administração pública
dação que lhe foi dada pela Emenda Constitucional nº 13/95, na estadual, à vista dos dados constantes das declarações do Impos-
ADI-MC nº 1.380-7, julgada pelo Pleno do STF, à unanimidade, to de Renda, anualmente.
em 3/02/1997, publicada no DJ de 20/2/1998. Todavia, a decisão § 2º As declarações deverão ser publicadas, na íntegra, no
monocrática final de 20/11/2001 julgou prejudicada a ação pelo Diário Oficial do Estado, imediatamente às datas de investidura e
advento da Emenda à Constituição Federal nº 20, de 15 de dezem- exoneração dos cargos de que sejam titulares.
bro de 1998. Art. 279. Não produzirão quaisquer efeitos jurídicos as multas
aplicadas por infrações imputadas às pessoas físicas ou jurídicas,
Art. 274. Aplica-se aos procuradores autárquicos, inclusive os pelas entidades daAdministração Direta, Indireta, inclusive Autár-
do Instituto de Terra de Alagoas – ITERAL, o disposto nos artigos quica e Fundacional Pública, sem que delas os interessados sejam
156, 157 e 158, parágrafo único desta Constituição. regularmente notificados.

NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula após a NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula
expressão “parágrafo único”. após a palavra “jurídicas”.
NOTA: Artigo com eficácia suspensa, por unanimidade, até
decisão final da ação, pela ADI nº 362-3-MC, julgada pelo Pleno do
STF em 27/9/1990, publicada no DJ de 26/10/1990. Decisão final:

41
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Parágrafo único. A notificação mencionada neste artigo deve- § 2º Para a concessão de bolsa de estudos nos termos do art.
rá conter todos os detalhes pertinentes à exigência a que se refe- 213 da Constituição Federal, fica o Estado obrigado a suprir a de-
re, bem como a indicação do prazo para apresentação de defesa, ficiência identificada no prazo máximo de dois anos.
que não deverá ser inferior a trinta dias. Art. 286. As despesas com pessoal ativo e inativo do Estado
Art. 280. Nenhum ato dos Poderes Públicos do Estado e do e dos Municípios não poderão exceder sessenta e cinco cento do
Município da Capital, inclusive dos órgãos da Administração Indi- valor das respectivas receitas correntes.
reta e Fundacional Pública, terá eficácia antes da respectiva publi-
cação no Diário Oficial do Estado, notadamente os que se referem NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “sessenta e
à aplicação dos dinheiros públicos. cinco cento” ser lida como “sessenta e cinco por cento”.
Art. 281. Nos primeiros doze meses de cada mandato gover-
namental, deverá ser realizado um senso dos servidores da Ad- Parágrafo único. O Estado e os Municípios, quando a respec-
ministração Direta, Indireta e Fundacional Pública, com a partici- tiva despesa de pessoal exceder o limite previsto neste artigo, de-
pação das entidades de classe dos servidores, cujo resultado será verão retornar àquele limite, reduzindo o percentual excedente à
publicado no Diário Oficial do Estado. razão de um quinto por ano.
Art. 287. Os vencimentos do Secretário de Estado, sujeitos
NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “senso ” ser aos impostos gerais, incluído o de renda, não serão inferiores aos
lida como “censo”. auferidos, em espécie, a qualquer título, pelo Desembargador do
Tribunal de Justiça, ressalvadas as vantagens de caráter individual
Art. 282. A lei disporá sobre a organização, em carreira, dos a este assegurado.
cargos de Procurador de Estado do Quadro de Pessoal dos Servi-
ços da Procuradoria-Geral do Estado de Alagoas, estabelecendo NOTA: Houve umerro material. Deve a palavra “assegurado”
as correspondentes especificações e definindo as expectativas de serlida como “asseguradas”.
avanço funcional. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº NOTA: Artigo com eficácia suspensa, por decisão unânime,
21/2000.) pela ADI nº 127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989,
REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 282. A Lei disporá sobre a organi- publicada no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamen-
zação, em carreira, dos cargos de Procurador Regional da Junta to.
Comercial, estabelecendo as correspondentes especificações e
definindo as expectativas de avanço funcional.” Art. 288. Esta Constituição, com as Disposições Gerais e o Ato
Art. 283. Aos ocupantes de cargos de Procurador de Estado, das Disposições Constitucionais Transitórias, entra em vigor na
de que trata o artigo precedente, originários da Junta Comercial, data da sua promulgação.
aplicar-se-á, também, o disposto nos arts. 132 e 135 da Consti-
tuição Federal. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS
21/2000.)
REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 283. Aos ocupantes de cargo de Art. 1º O Governador do Estado, o Presidente do Tribunal de
Procurador Regional da Junta Comercial aplica-se o princípio do Justiça e os Membros da Assembleia Legislativa Estadual presta-
artigo 47, inciso VII, correspondente às carreiras referidas no arti- rão compromisso de manter, defender e cumprir esta Constitui-
go 160 desta Constituição.” ção, no ato e na data de sua promulgação.
Art. 2º A revisão constitucional será realizada após cinco anos,
contados da promulgação da Constituição, pelo voto da maioria
Art. 284. O Estado apresentará ao Legislativo e publicará até absoluta dos membros da Assembleia Legislativa Estadual.
o último dia útil do mês subsequente o demonstrativo da arreca-
dação de impostos e aplicação mensal dos recursos previstos no Art. 3º Dentro do prazo de sessenta dias, a contar da data
art. 212 da Constituição Federal. da promulgação desta Constituição, promoverão, o Executivo, o
Legislativo e o Judiciário, a declaração, mediante Lei, dos quadros
NOTA: Houve um erro material. Deve existir a preposição de cargos permanentes existentes, com identificação das catego-
“da” antes da palavra “aplicação”. rias funcionais correspondentes, quantitativos, número de cargos
vagos e padrões remuneratórios atribuídos a cada classe.
Parágrafo único. Ocorrendo o descumprimento do mínimo Art. 4º Cada Câmara Municipal, no prazo de seis meses, a
previsto, a diferença será contabilizada pelo seu valor real, cor- contar da data da promulgação desta Constituição, votará a Lei
rigido pelo indexador oficial e incorporado no mês subsequente. Orgânica Municipal respectiva, respeitado o disposto nesta Cons-
Art. 285. Os recursos públicos de que trata o art. 213 da Cons- tituição e na Constituição Federal.
tituição Federal só poderão ser dirigidos às escolas comunitárias, Art. 5º Os Municípios, no prazo de até dois anos, contados a
confessionais ou filantrópicas depois que forem assegurados: partir da data da promulgação da Constituição Federal, promo-
I – oferta de vagas na rede pública suficiente para proporcio- verão, mediante acordo ou arbitramento, demarcação de suas
nar a toda população o acesso à escolaridade completa de 1º grau linhas divisórias atualmente litigiosas, podendo para isso fazer
e progressivamente de 2º grau diurno e noturno; alteração e compensações de área que atendam aos acidentes
II – atendimento em creche e em pré-escolar a todas as crian- naturais, critérios históricos, conveniências administrativas e co-
ças de até seis anos; modidades das populações limítrofes.
III – melhoria da qualidade de ensino em condições adequa- § 1º Havendo solicitação dos Municípios interessados, o Esta-
das de formação, exercício e remuneração do magistério. do encarregar-se-á dos trabalhos demarcatórios.
§ 1º As entidades privadas, suas mantenedoras ou proprietá- § 2º Se, decorrido o prazo fixado neste artigo, não forem con-
rias, estão excluídas do acesso a isenções ou concessões fiscais de cluídos os trabalhos demarcatórios, o Estado determinará os limi-
qualquer natureza. tes das áreas litigiosas.

42
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 6º Dentro do prazo de trinta dias, a contar da data da NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “delimitados”
promulgação desta Constituição, proporá o Chefe do Executivo, serlida como “delimitado”.
ao Poder Legislativo, Projeto de Lei visando à declaração de todas
as fundações que, instituídas por iniciativa do Poder Público Esta- IV – impermissibilidade de redestinação das áreas verdes em
dual, se caracterizam como fundações de direito público. parcelamentos urbanos ou espaços ajardinados em logradouros
§ 1º Publicada a Lei de que trata este artigo, será aberta, pelo públicos.
prazo de trinta dias, oportunidade de opção para os servidores § 2º As ocupações já existentes de áreas públicas, desde que
das fundações públicas que passem a incorrer em acumulação ile- não atendam às regras definidas neste artigo, serão removidas
gítima, reconhecida a boa-fé daqueles admitidos antes do adven- dentro do prazo de três meses, a contar da data da promulgação
to da Constituição da República. desta Constituição, sob pena de responsabilidade do Prefeito Mu-
§ 2º Manifestada a preferência pelo cargo estranho à estru- nicipal.
tura da fundação, será o servidor dispensado, formalizada a extin- § 3º Os Planos Diretores a serem expedidos preservarão os
ção do contrato de trabalho na forma do que dispõe a legislação princípios estabelecidos neste artigo.
trabalhista. § 4º A inobservância da regra deste artigo implicará na impos-
§ 3º Aplicam-se as regras deste artigo aos servidores que, em sibilidade de expedição de alvarás de construção e de implanta-
virtude de ato da administração, tenham sido compelidos a se ção de parcelamentos urbanos, bem como de aberturas de novas
afastarem do exercício de empregos em fundações que venham a vias ou prolongamentos daquelas já existentes, até que entre em
ser declaradas de direito público. vigor o Plano Diretor.

NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “se afasta- NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “implicará
rem” ser lida como “se afastar”. na” serlida como “implicará a”.

Art. 7º As distorções remuneratórias porventura existentes, Art. 11. Aos servidores públicos estaduais demitidos a partir
tendo em vista a isonomia assegurada entre cargos iguais ou as- de 1986, exceto mediante processo administrativo disciplinar, e
semelhados do Executivo, do Legislativo ou do Judiciário, serão aos postos em disponibilidade, fica assegurada a volta ao traba-
corrigidos dentro do prazo de sessenta dias, a contar da data da lho, obrigando-se o Estado a repor seus vencimentos atrasados.
promulgação desta Constituição. Art. 12. (Redação revogada pela Emenda Constitucional nº
NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “corrigidos” 30/2003.)
ser lida como “corrigidas”. REDAÇÃO ORIGINAL: “Art. 12. O preenchimento das quatro
Art. 8º Aos ocupantes de dois cargos ou empregos privativos vagas de Conselheiros do Tribunal de Contas que ocorrerem após
de profissionais de saúde que, na data da promulgação da Cons- a promulgação desta Constituição será procedido mediante esco-
tituição Federal, se encontravam afastados de um dos cargos ou lha da Assembleia Legislativa, observando-se, quanto aos claros
empregos por força de exigência da administração ou opção pro- que os sobrevierem, a seqüência a saber:”
visória, é assegurado imediato retorno às suas atividades. I – (Redação revogada pela Emenda Constitucional nº
30/2003.)
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula REDAÇÃO ORIGINAL: “I – indicação pelo Governador do Es-
após a expressão “Constituição Federal”. tado, dentre os membros do Ministério Público junto ao Tribunal
de Contas;”
Art. 9º Dentro do prazo de noventa dias, a contar da promul- II – (Redação revogada pela Emenda Constitucional nº
gação da Constituição, proceder-se-á a revisão dos direitos dos 30/2003.)
servidores públicos inativos e pensionistas e a atualização dos REDAÇÃO ORIGINAL: “II – escolha pela Assembleia Legislati-
proventos e pensões a eles devidos, a fim de ajustá-los ao dispos- va;”
to na Constituição Federal. III – (Redação revogada pela Emenda Constitucional nº
NOTA: Houve dois erros materiais. Deve existir crase antes 30/2003.)
das palavras “revisão” e “atualização”. REDAÇÃO ORIGINAL: III – indicação pelo Governador do Esta-
do, dentre os Auditores do Tribunal de Contas.”
Art. 10. Os municípios com mais de vinte mil habitantes, den- Parágrafo único. (Redação revogada pela Emenda Constitu-
tro do prazo de trezentos e sessenta dias, a contar da data da cional nº 30/2003.)
promulgação desta Constituição, aprovarão, mediante Lei, seus REDAÇÃO ORIGINAL: “Parágrafo único. Cumprida a ordem
Planos Diretores. definida neste artigo, será ela sucessivamente renovada.”
§ 1º Até que publicados os correspondentes Planos Diretores, Art. 13. Aproveitar-se-ão, para os efeitos do art. 123, inciso
serão observados, objetivando a humanização dos espaços urba- II, alínea a, desta Constituição, as indicações, em listas tríplices,
nos, os seguintes princípios: ocorridas antes da vigência da Constituição Federal.
I – exigibilidade, para a comercialização de lotes em parce- Art. 14. Dentro do prazo de trinta dias, a contar da data da
lamentos urbanos, da arborização das áreas verdes e da implan- publicação desta Constituição, promover-se-á o preenchimento
tação de todos os equipamentos urbanos e comunitários, pelo do cargo de Procurador-Geral do Estado, observado o que dispõe
empreendedor; o art. 155 desta Constituição.
II – inadmissibilidade de cessões, permissões ou concessões Art. 15. Até que organizada a Defensoria Pública, consoante
de uso de área pública, salvo, em cada caso, mediante autorização dispuser Lei complementar federal específica, serão exercidos,
legislativa; por Procuradores de Estado, para tal fim designados, as atividades
III – exclusividade da exposição de murais, cartazes e simi- de orientação jurídica e de representação judicial de que trata o
lares, para quaisquer fins, em espaço previamente delimitados art. 5º, inciso LXXIV, da Constituição Federal.
através de lei local;

43
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula Art. 20. O Estado instituirá ambulatórios destinados à assis-
após a palavra “Estado”. tência médica especializada para tratamento de idosos, de crian-
ças e de portadores de deficiências de qualquer natureza.
Art. 16. A lei assegurará a absorção, pela carreira da Defen- Parágrafo único. As unidades de que trata este artigo com-
soria Pública, dos antigos Advogados de Ofício e Defensores Pú- preenderão equipes multidisciplinares, constituídas de médicos,
blicos, originariamente credenciados, desde que não venham a nutricionistas, psicólogos, sociólogos, odontólogos, fisiatras, as-
incorrer em acumulação ilegal de cargos, empregos ou funções sistentes sociais e enfermeiros.
públicas. Art. 21. Ao ocupante de cargo efetivo do serviço público es-
tadual que, no prazo de cento e vinte dias antes da data da pro-
NOTA: Artigo com eficácia suspensa, por unanimidade, até mulgação desta Constituição, encontrava-se no real desempenho
decisão final da ação, pela ADI nº 362-3-MC, julgada pelo Pleno de atribuições típicas de Procurador Regional da Junta Comercial,
do STF em 27/09/1990, publicada no DJ de 26/10/1990. Decisão é assegurada a transposição para o cargo a que correspondam
final: O Pleno julgou, em 21/11/1996, por unanimidade, proce- as funções exercidas, mediante transformação do cargo em que
dente a ação para declarar a inconstitucionalidade deste artigo. esteja investido.
Publicada no DJ de 4/4/1997.
NOTA: Artigo com eficácia suspensa, por unanimidade, até
Parágrafo único. Assegurar-se-á aos atuais Procuradores de decisão final da ação, pela ADI nº 362-3-MC, julgada pelo Pleno do
Estado faculdade de opção, de forma irretratável, entre as carrei- STF em 27/9/1990, publicada no DJ de 26/10/1990. Decisão final:
ras de Procurador de Estado e de Defensor Público. O Pleno julgou, em 21/11/1996, por unanimidade, procedente a
Art. 17. Ao homem ou à mulher que detenha, na condição de ação para declarar a inconstitucionalidade deste artigo. Publicada
enfiteuta, área urbana do domínio direto do Estado de Alagoas, no DJ de 4/4/1997.
cuja superfície não exceda a quinhentos metros quadrados, uti-
lizando-a para moradia própria e de sua família, assegurar-se-á a Art. 22. É assegurada, na forma do art. 18 do Ato das Dis-
imediata propriedade plena, mediante resgate gratuito, indepen- posições Transitórias da Constituição da República, a estabilidade
dente do trâmite do prazo específico estabelecido na Lei. que, por força do art. 154, parágrafo único, da Constituição Esta-
dual de 1967, com redação introduzida pelo artigo 1º, inciso VIII,
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “indepen- da Emenda Constitucional n.º 22, de 20 de junho de 1986, foi con-
dente” ser lida como “independentemente”. cedida aos servidores estaduais, inclusive autárquicos, admitidos
sem concurso público.
§ 1º A remissão dependerá de requerimento fundamentado
do interessado, vedado o resgate, nas condições deste artigo, em NOTA: Foi ajuizada medida cautelar na ADI n° 1.663-3, porém
qualquer hipótese, por uma única pessoa, em relação a mais de o STF a indeferiu, por unanimidade, pelo Pleno em 4/9/1997, pu-
um imóvel. blicada no DJ de 8/9/2000. Decisão monocrática final: O relator,
§ 2º Tratando-se de área a que o interesse público reclame em 12/9/2012, negou provimento à ADI mencionada.
redestinação, promoverá o Estado a remoção da moradia para ou-
tra gleba, atribuindo ao interessado o domínio pleno sobre esta, Art. 23. Fica criada a Escola de Administração Fazendária do
observadas as formalidades legais. Estado de Alagoas.
Art. 18. Os Municípios, dentro do prazo de seis meses, a con- Parágrafo único. O Poder Executivo, dentro do prazo de 90
tar da data da promulgação desta Constituição, procederão ao le- dias, a partir da promulgação desta Constituição, enviará à As-
vantamento de todos os espaços que, nos parcelamentos urbanos sembleia Legislativa Projeto de Lei regulamentando a matéria.
implantados em seus territórios, sejam destinados a áreas verdes Art. 24. O Poder Executivo promoverá meios visando à insti-
e a equipamentos urbanos e comunitários, removendo, em sendo tuição da Universidade Estadual de Alagoas.
o caso, as ocupações desconformes com as finalidades que lhes Art. 25. O Poder Executivo submeterá à Assembleia Legislati-
são atribuídas, sob pena de responsabilidade do Prefeito Muni- va, a partir da data da promulgação desta Constituição, os seguin-
cipal. tes projetos de lei:
Art. 19. O Estado promoverá a instalação de centros integra- I – dentro de cento e oitenta dias, o Programa de Desenvolvi-
dos de educação, destinados à clientela de primeiro grau e adap- mento dos Recursos Hídricos do Estado de Alagoas; e
tados ao atendimento pleno do educando durante os turnos ma- II – até trezentos e sessenta dias, o Plano Estadual dos Recur-
tutino e vespertino, oferecendo-lhes ensino regular, alimentação sos Hídricos do Estado de Alagoas.
e acompanhamento médico, odontológico e psicológico e social, Art. 26. Fica assegurada a percepção das vantagens pessoais
além de lazer e atividades desportivas e culturais. que, decorrentes da extinção do adicional trienal, estejam sendo
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “oferecen- auferidas, na data da promulgação desta Constituição, por servi-
do-lhes” ser lida como “oferecendo-lhe”. dor público estadual, ativo ou inativo.

§ 1º Dentro do prazo de trezentos e sessenta dias, a contar Art. 27. Lei ordinária a ser expedida, no prazo de trinta dias,
da data da promulgação da Constituição, instituirá o Estado, na a partir da promulgação desta Constituição, disciplinará revisão
Capital, pelo menos três centros integrados de educação. do valor do prêmio produtividade considerado no cálculo dos
§ 2º Cumprida a obrigação de que trata o parágrafo prece- proventos da aposentadoria de integrantes do Grupo Ocupacio-
dente, instituirá o Estado, a cada ano, pelo menos dois centros de nal Tributação e Finanças, restabelecendo a relação percentual
educação integrada, cada um em cidade com população superior assegurada, à época da aposentação, entre a parte variável de
a vinte mil habitantes. sua remuneração e o limite máximo de percepção remuneratória
à época vigente.

44
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
§ 1º Quando do aumento do limite máximo de percepção II – organização, disciplina e fiscalização administrativa dos
remuneratória, o prêmio de produtividade incorporada aos pro- serviços exercidos pelo Colégio Notarial e Registral, passando a
ventos será reajustado automaticamente e na mesma proporção. constituir serviço público que ficam desde logo instituído e com-
§ 2º Fica assegurada a extensão dos direitos previstos no pa- posto pelos titulares dos serviços notariais e de registro;
rágrafo único do artigo 4º da Lei 4.640 de 09 de maio de 1985,
aos ex-integrantes do grupo ocupacional tributação e finanças, NOTA: Houve um erro material. Deve a palavra “ficam” ser
aposentados antes da instituição da gratificação do prêmio de lida como “fica”.
produtividade.
III – nomeação dos titulares dos serviços notariais e de regis-
NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “Lei 4.640 tro pelo Colégio Notarial e Registral, dentre aprovados em con-
de 09 de maio” ser lida como “Lei 4.640, de 9 de maio”. curso público de provas e títulos, obedecida a rigorosa ordem de
classificação, obrigatória a participação, na comissão examinado-
§ 3º Ficam assegurados ao cônjuge ou companheiro sobrevi- ra, de um Juiz de Direito, de um Membro do Ministério Público e
vo, os direitos de revisão e incorporação de que tratam o caput e de um representante da OAB-AL, além de membros do Colégio
parágrafos deste artigo, em relação às pensões percebidas. Notarial e Registral;
IV – asseguramento de direito à nomeação aos candidatos
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula aprovados no concurso público realizado pelo Poder Judiciário,
após a palavra “sobrevivo”. para titulares dos serviços notariais e registro, de direito à no-
meação;
Art. 28. Os servidores públicos do Estado e dos Municípios, da
Administração Direta, Autárquica e das Fundações Públicas, em NOTA: Houve um erro material. Deve ser suprimida da frase
exercício na data da promulgação da Constituição da República, a expressão “de direito à nomeação” constante na parte final do
há pelo menos cinco anos continuados, e que não tenham sido inciso.
admitidos na forma regulada no art. 37, II da Constituição da Re-
pública, são considerados estáveis no serviço público. V – reconhecimento da condição de delegados do Poder Pú-
blico, para os fins de exercício de funções notariais e registrais, a
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula an- quanto as estejam interinamente desempenhando há pelo menos
tes da expressão “há pelo menos”. três anos, e, na vacância, aos atuais notários e registradores subs-
titutos;
§ 1º O tempo de serviço dos servidores referidos neste artigo
será contado como título quando se submeterem a concurso para NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “a quanto
fins de efetivação, na forma da Lei. as estejam” serlida como “desde que a estejam”.
§ 2º O disposto neste artigo não se aplica aos servidores ex-
clusivamente ocupantes de cargos, de funções e de empregos de VI – organização e funcionamento do Colégio Notarial e de
confiança ou em comissão, nem aos que a lei declare de livre exo- Registro na conformidade do regimento que expedir.
neração, cujo tempo de serviço não será computado para os fins Art. 31. No prazo de noventa dias, a contar da data da pro-
deste artigo. mulgação desta Constituição, será remetido ao Poder Legislativo
Art. 29. Fica criada a Fundação do Bem-Estar do Idoso desti- Projeto de Lei instituindo a Lei Orgânica do Grupo Ocupacional,
nada à Assistência Especializada e Lazer de Pessoas com mais de Tributação e Finanças.
sessenta anos de idade. Art. 32. O Poder Executivo, no prazo de noventa dias, a partir
da promulgação desta Constituição, enviará à Assembleia Legisla-
NOTA: Houve um erro material. Deve existir vírgula depois da tiva Projeto de Lei dispondo sobre a instituição, organização e o
palavra “Idoso”. funcionamento de Procuradoria da Fazenda Estadual.
Art. 33. As empresas públicas e sociedades de economia mis-
Parágrafo único. Lei definirá a estrutura da Fundação do Bem- ta que, no período de três anos consecutivo anteriores à data da
-Estar do Idoso. vigência desta Constituição, registraram, em seus balanços, pre-
Art. 30. Os serviços notariais e de registro, até que entre em juízos financeiros, deverão apresentar à Chefia do Poder Executi-
vigor a lei de que trata o art. 236 da Constituição Federal, serão vo, através das Secretarias a que sejam vinculadas, os seus planos
exercidos com observância aos seguintes princípios: de recuperação que, examinado pela Secretaria do Planejamento
e aprovado, será remetido à Assembleia Legislativa Estadual, para
NOTA: Artigo e incisos com eficácia suspensa, por unanimi- conhecimento.
dade, até a decisão final da ação, pela ADI nº 1.047-6-MC, julgada
pelo Pleno do STF em 25/3/1994, publicada no DJ de 6/5/1994. NOTA: Houve três erros materiais. Devem as palavras “conse-
Decisão monocrática final: ADI julgada prejudicada, declarando- cutivo”, “examinado” e “aprovado, será remetido” ser lidas, res-
-se insubsistente a liminar já concedida, com a edição, pela União, pectivamente, como “consecutivos”, “examinados” e “aprovados,
da Lei nº 8.935, de 18/11/1994, julgada em 19/9/1997, publicada serão remetidos”.
no DJ de 30/9/1997.
§ 1º O plano de recuperação de que trata este artigo, além
I – manutenção das atuais serventias notariais e de registro de conter todos os elementos informativos indispensáveis à sua
existentes no Estado, com a denominação de “serviços notariais aferição, com detalhamentos, demonstrativos e comparativos,
e de registro”, exercidos, em caráter privado, por delegação do definirá, objetiva e conclusivamente, as diretrizes visando a com-
Poder Executivo; patibilizar as ações com os fins econômicos e sociais preconizados
na sua legislação institucional.

45
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
§ 2º As empresas públicas e sociedades de economia mista NOTA: Inciso com eficácia suspensa, por unanimidade, pela
terão o prazo de cento e oitenta dias, a partir da data de vigência ADI n° 475-1-MC, julgada pelo Pleno em 12/4/1991, publicada
desta Constituição, para apresentarem à Chefia do Poder Executi- no DJ de 31/5/1991. Resultado: Ação julgada prejudicada mo-
vo os seus planos de recuperação. nocraticamente por perda superveniente do objeto. Julgada em
Art. 34. Fica criada a Polícia Ecológica. Parágrafo único. O Po- 27/5/2004. Publicada no DJ de 2/6/2004.
der Executivo, dentro do prazo de noventa dias, a partir da pro-
mulgação desta Constituição, enviará à Assembleia Legislativa, II – Campestre, desmembrado de Jundiá;
Projeto de Lei dispondo sobre a organização, as finalidades e o III – Pariconha, desmembrado do Município de Água Branca;
funcionamento da Polícia Ecológica. IV – Paripueira, desmembrado do Município de Barra de San-
Art. 35. Fica assegurado ao policial militar que, por força da to Antonio;
Emenda Constitucional n.º 22, de 20 de junho de 1986, tenha sido V – Estrela de Alagoas, desmembrado dos Municípios de Pal-
transferido para o regime estatutário em emprego do Estado, di- meira dos Índios, Minador do Negrão e Cacimbinhas.
reito de opção por um dos cargos, no prazo de trinta dias, conta- § 1º Os limites e confrontações dos Municípios dos incisos I
dos da promulgação desta Constituição. e II, serão definidos pela Comissão Municipal da Assembleia Le-
Art. 36. O servidor público estadual que conte mais de um ano gislativa.
de desvio de função na data de promulgação desta Constituição,
por ato do Chefe do Poder Executivo, do Poder Legislativo e do NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula na
Poder Judiciário, caso preencha os requisitos para o exercício do expressão “incisos I e II, serão”.
cargo para o qual tenha sido desviado, será para este transposto.
NOTA: Artigo com eficácia suspensa, por unanimidade, até § 2º O Município de Pariconha terá os seguintes limites: ao
decisão final da ação, pela ADI nº 362-3-MC, julgada pelo Pleno do Norte: tem como ponto inicial, a embocadura do Riacho Salobro,
STF em 27/9/1990, publicada no DJ de 26/10/1990. Decisão final: no Rio Moxotó, seguindo pelo mesmo riacho até o caminho Real
O Pleno julgou, em 21/11/1996, por unanimidade, procedente a Salobro – Rio d’Águinha; a Leste: daí até o Malhada Vermelha e
ação para declarar a inconstitucionalidade deste artigo. Publicada Malaquias, subindo pela Grota do Fundão, formada pelas Serras
no DJ de 4/4/1997. da Chapada e dos Cordeiros, até o encontro com a estrada de ro-
Art. 37. A lei estabelecerá no prazo de noventa dias, a contar dagem que vai para a Serra do Cavalo, denominada AGB-151, por
da promulgação desta Constituição, pisos remuneratórios para ela seguindo até a estrada AGB-202, que liga Água Branca a Pari-
os cargos e empregos do grupo de atividade de nível superior e conha, partindo de Tatajuba, daí voltando pela AGB202 até a es-
para os cargos de nível intermediário, na Administração Direta, trada para o Engenho Queimadas, daí descendo pelo Riacho Aper-
Autárquica e Fundacional Pública, compatíveis com a complexida- tado da Hora até o Riacho de Quixabeira, nos limites do povoado
de das funções e com o grau de responsabilidade cometidos aos Várzea do Pico, prosseguindo pelo mesmo Riacho até o Riacho da
seus ocupantes. Mosquita e, por este, até a ponte na rodovia asfaltada AL-145,
Art. 38. O Poder Executivo, dentro do prazo de cento e vinte seguindo por esta até o cruzamento com a rodovia federal BR-
e dias, a partir da promulgação desta Constituição, encaminhará à 423, no povoado Maria Bode; ao Sul: pela rodovia federal BR-423
Assembleia Legislativa, projeto de lei reestruturando a Secretaria até o limite com o Município de Delmiro Gouveia. Com Delmiro
de Educação, adequando-a à realidade educacional do país, inclu- Gouveia através do antigo limite com o Município de Água Branca,
sive dotando-a de Departamento de Educação Física, como órgão a partir do cruzamento desse limite com a rodovia federal BR-423
de coordenação dessa atividade. até o Rio Moxotó, na ponte ferroviária no povoado Volta, que o
Art. 39. No prazo de noventa dias a partir da promulgação separa do Estado de Pernambuco; a Oeste: do Rio Moxotó, desde
desta Constituição, os Poderes Legislativo, Judiciário e Executivo, a ponte ferroviária até a embocadura do Riacho do Salobro, ponto
apostilarão os títulos de todos os servidores públicos existentes, inicial.
de modo a testificar-lhes a atual situação funcional. § 3º O Município de Paripueira terá os seguintes limites: ao
Sul e a Oeste: com o Município de Maceió; tem como ponto ini-
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula cial a embocadura do Rio Suassuí no Oceano Atlântico, seguindo a
após a palavra “Executivo”. direção contrária do curso do Rio Suassuí até sua nascente (bem
próximo a estrada que vai para o Campo de Pouso da Usina Ca-
Art. 40. As vantagens pecuniárias decorrentes da prestação choeira), daí seguindo uma linha reta com azimute de 339º,00”
de serviços extraordinários ou de trabalhos técnicos ou científi- (com extensão de 3.250 metros) até o Rio Sapucaí (próximo a es-
cos, ou ainda pela execução de atividades de natureza especial, trada que vai para a Fazenda Juçara); ao Norte: com o Município
com risco de vida ou de saúde que, na data da promulgação des- de Barra de Santo Antonio, começa no Rio Sapucaí (próximo a es-
ta Constituição, estejam sendo percebidas há mais de dois anos trada que vai para a Fazenda Juçara), daí seguindo o curso do Rio
ininterruptos ou cinco anos intercalados, por servidor público es- Sapucaí até sua embocadura no Oceano Atlântico; a Leste: pelo
tadual, terão auferimento assegurado, como vantagem pessoal, Oceano Atlântico pela sua orla, até a embocadura do Rio Suassuí,
para todos os legais efeitos, vedada a concessão de novo acrésci- ponto inicial.
mo da mesma natureza. § 4º O Município de Estrela de Alagoas terá os seguintes limi-
tes: Ao Norte: inicia-se o limite do Município de Estrela de Alagoas
NOTA: Artigo com eficácia suspensa, por maioria, pela ADI nº no cruzamento da Rodovia PI-33 com o Riacho Baixa da Lama, na
127-2-MC, julgada pelo Pleno do STF em 20/11/1989, publicada divisa com o Estado de Pernambuco; segue em direção ao Sul por
no DJ de 4/12/1992. Resultado: Aguardando julgamento. esta rodovia, passando pela estrada PI-34 – Norte, até encontrar a
estrada PI-34 – Sul, próximo a Lagoa do Xexéu; ao Sul: do ponto de
Art. 41. Ficam criados os Municípios de: encontro da estrada PI-33, seguindo pela estrada PI-34 na direção
I – Jequiá da Praia, a ser desmembrado dos Municípios de São Oeste, até uma extensão de quinhentos metros. A partir daí segue
Miguel dos Campos e Coruripe; na direção Sul por uma linha reta, passando pela Lagoa Cascavel

46
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
até o ponto de encontro das estradas PI-49 com a PI-50. Segue en- § 8º A criação do município só será efetivada se o resulta-
tão este limite pela estrada PI-50 até encontrar-se com a estrada do do plebiscito lhe tiver sido favorável pelo voto da maioria dos
PI-52. A partir daí, o limite segue ainda na direção Sul, pela estra- eleitores que comparecerem as urnas, em manifestação a que se
da PI-50 até seu encontro com a linha de limite intermunicipal de tenham apresentado pelo menos cinquenta por cento dos eleito-
Palmeira dos Índios com o Município de Igaci, nas proximidades res inscritos.
da Lagoa do Mato. A Oeste: deste ponto o limite acompanha esta
linha de limite intermunicipal em direção Oeste em linha reta, até NOTA: Houve um erro material. Deve existir crase antes da
o limite intermunicipal de Cacimbinhas com Palmeira dos Índios. palavra “urnas”.
A partir daí segue este limite até encontrar-se com o limite in- § 9º O Prefeito, o Vice-Prefeito e os Vereadores serão eleitos
termunicipal de Minador do Negrão com Palmeira dos Índios. Se- até cento e cinquenta dias após a promulgação da Constituição,
guindo-se deste limite até o limite com o Estado de Pernambuco. obedecidas entre outras as seguintes normas:
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 14/1996.)
REDAÇÃO ORIGINAL: “§ 4º O Município de Estrela de Alagoas NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “obedeci-
terá os seguintes limites: ao Norte: niciamse o limite do Municí- das entre outras as” ser lida como “obedecidas, entre outras, as”.
pio de Estrela de Alagoas no cruzamento da Rodovia PI-33 com I – o prazo de filiação partidária dos candidatos será encerra-
o Riacho Baixa da Lama, na divisa com o Estado de Pernambuco, do sessenta dias antes da data das eleições;
segue em direção ao sul por esta rodovia, passando pela estrada II – as datas das convenções municipais destinadas a deliberar
PI-34 – Norte, até encontrar a estrada PI-34- Sul, próximo a La- sobre coligações e escolha de candidatos e dos demais procedimen-
goa do Xexéu; ao Sul: do ponto de encontro da estrada PI-33 \ tos legais, serão fixados em calendário especial pela Justiça Eleitoral;
seguindo pela estrada PI-34 na direção oeste, até uma extensão
de quinhentos metros. A partir daí segue na direção sul por uma NOTA: Houve um erro material. Deve a expressão “legais,se-
linha reta, passando pela lagoa Cascavel até o ponto de encon- rão fixados” serlida como “legais serão fixadas”.
tro das estradas PI-49 com a PI-50. Segue então este limite pela III – são inelegíveis os ocupantes de cargos estaduais ou mu-
estrada PI-50 até encontrar-se com a estrada PI-52. A partir daí, nicipais que não se tenham afastado, em caráter definitivo, ses-
o limite segue ainda na direção sul, pela estrada PI-50 até seu en- senta dias antes da data prevista neste parágrafo;
contro com a linha de limite intermunicipal de Palmeira dos Índios IV – ficam mantidos os atuais diretórios municipais dos par-
com o Município de Igaci, nas proximidades de Lagoa do Mato. A tidos políticos existentes nos Municípios, cabendo às Comissões
Oeste: deste ponto limite acompanha esta linha de limites inter- Executivas Estaduais designar Comissões Provisórias nos Municí-
municipal em direção oeste em linha reta, até a estrada PI-47, pios, nos termos e para os fins previstos em lei.
nas proximidades do Sítio Maria Preta, continuando em reta por § 10. Os mandatos do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Verea-
este mesmo limite, passando pelo Sítio Pau Santo, até encontrar a dores eleitos na forma do parágrafo anterior, extinguir-se-ão con-
estrada IG-43 sobre o Rio Traipú. A partir daí sobe acompanhando comitantemente, aos demais Municípios do Estado.
o leito deste Rio, passando pelo Sítio Cruz do Meio. A partir daí
sobe acompanhando o leito deste Rio, passando pelo Sítio Cruz do NOTA: Houve umerromaterial.Não deve existir a vírgula apó-
Meio até encontrar a BR-316. A partir deste encontro continua na sapalavra“concomitantemente”.
direção Nordeste em linha reta até encontrar a estrada MDN-452, § 11. A Câmara de Vereadores de cada município será ins-
nas proximidades da Fazenda Sítio Fechado. Daí continua acom- talada no trigésimo dia da eleição de seus integrantes, e darse-á
panhando a estrada MDN452, em direção Norte até seu encon- posse, na mesma data, ao Prefeito e ao Vice-Prefeito eleitos.
tro com a estrada MDN-030. Daí segue em linha reta em direção § 12. Os Municípios de que ocorram desmembramentos fi-
Norte, até seu encontro com a linha de limite interestadual com cam isentos dos débitos e encargos decorrentes de empreendi-
o Estado de Pernambuco, acompanha então esta linha de limite mentos no território dos novos Municípios.
em direção leste, passando pela Serra do Sacão, até seu encontro Art. 42. A Imprensa Oficial do Estado promoverá edição po-
com o ponto inicial no cruzamento da rodovia PI-33, com o Riacho pular do texto integral desta Constituição, que será posta à dispo-
da Lama;” sição das escolas e dos cartórios, dos sindicatos, das associações,
§ 5º A eficácia da regra contida neste artigo fica condiciona- dos quartéis, das igrejas, das repartições públicas e de outras ins-
da em cada caso, ao consentimento das populações interessadas, tituições representativas a comunidade, gratuitamente.
mediante consulta prévia em plebiscito. Art. 43. É preservada a vigência das leis ordinárias e dos re-
gulamentos estaduais e municipais em vigor na data da promul-
NOTA: Houve um erro material. Não deve existir a vírgula gação desta Constituição, salvo quanto aos dispositivos que se
após a palavra “caso”. conflitem com os preceitos nela contidos.

§ 6º O Tribunal Regional Eleitoral adotará as providências ne- NOTA: A decisão do STF na ADI nº 475-1-MC, julgada pelo Ple-
cessárias à realização das eleições e posse dos eleitos. no em 12/04/1991, publicada no DJ de 31/05/1991, revela-se equi-
§ 7º Nas hipóteses de que trata este artigo, o Tribunal Regio- vocada, tendo em vista que esta suspendeu o inciso I do art. 43 do
nal Eleitoral realizará as consultas plebiscitárias, até noventa dias ADCT, o que não existe, levando a crer, pela matéria discutida na
após a promulgação desta Constituição, respeitados os seguintes ação direta, que a suspensão se refere ao art. 41, inciso I, do ADCT.
preceitos: Art. 44. O percentual de 1,5% (um e meio por cento) previsto
I – residência do votante, há mais de um ano, na área a ser no art. 216 será atingido gradativamente no prazo de cinco anos,
desmembrada; iniciando com 0,7% (sete décimos por cento) em 2002 e sequen-
II – cédula oficial que contará as palavras “sim” ou “não” in- ciando-se com acréscimos anuais de 0,2% (dois décimos por cen-
dicando, respectivamente, a aprovação ou rejeição da criação do to) até a integralização de 1,5% (um e meio por cento) a partir do
município. exercício financeiro de 2006. (Redação acrescentada pela Emenda
Constitucional nº 25/2002.)

47
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
● O inciso I do art. 37 da CF/88, com redação dada pela EC
LEI ESTADUAL Nº 5.247/1991 (REGIME JURÍDICO ÚNI- 19/98, estende aos estrangeiros o direito de ingresso em cargos
CO DOS SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS DO ESTADO DE públicos, na forma da lei.
ALAGOAS, DAS AUTARQUIAS E FUNDAÇÕES PÚBLICAS § 1º A natureza das atribuições de cargo determinado pode
ESTADUAIS) justificar a exigência de outros requisitos específicos, desde que
estabelecidos em lei.
LEI Nº 5.247, DE 26 DE JULHO DE 1991 § 2º Às pessoas portadoras de deficiência é assegurado o di-
reito de inscrição a concurso público para provimento de cargo
INSTITUI O REGIME JURÍDICO ÚNICO DOS SERVIDORES PÚBLICOS cujas atribuições estejam aptas a exercer, sendolhes reservadas
CIVIS DO ESTADO DE ALAGOAS, DAS AUTARQUIAS E DAS FUNDA- até 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas.
ÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS. Art. 6º O provimento inicial dos cargos públicos far-se-á me-
diante ato de autoridade competente de cada Poder, completan-
O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS do-se a investidura com a posse.
Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a Art. 7º A nomeação é a forma originária de provimento dos
seguinte Lei: cargos públicos.
Art. 8º São formas derivadas de provimento de cargo público:
TÍTULO I I – promoção;
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES II – ascensão;
III – transferência;
Art. 1º Esta Lei institui o Regime Jurídico Único dos Servidores IV – readaptação;
Públicos Civis do Estado de Alagoas, das Autarquias e das Funda- V – reversão;
ções Públicas Estaduais. VI – reintegração;
Art. 2º Adotar-se-ão, para efeitos desta lei, as definições a VII – recondução;
saber: VIII – aproveitamento.
I – Função é o conjunto de atribuições e responsabilidades ● Vide art. 5º da Lei Estadual nº 5.599, de 07.01.94, que dis-
cometíveis a uma categoria funcional ou individualmente a de- põe sobre ascensão.
terminado agente da Administração, em caráter permanente ou
transitório; SEÇÃO II
II – Cargo é um centro unitário e indivisível de competências, DA NOMEAÇÃO
criado por lei, com determinação própria e em número certo, hie-
rarquicamente localizado na estrutura organizacional do serviço Art. 9º A nomeação far-se-á:
público; I – em caráter efetivo, quando se tratar de cargo isolado de
III – Servidor Público Civil é quem, legalmente investido em provimento efetivo ou de carreira;
cargo público civil da administração direta, autárquica e funda- II – em comissão, para cargo de confiança, de livre provimen-
cional pública, mantém com o ente estatal relação de trabalho to e exoneração.
de natureza profissional, sob vínculo de dependência hierárquica; ● Vide inciso V, do art.37 da CF/88, com redação dada pela
IV – Regime Jurídico Único é o conjunto de normas que dis- EC 19/98.
ciplinam as relações de trabalho dos servidores público civis da Art. 10. A nomeação para cargo de carreira ou cargo isolado
administração direta, autárquica e fundacional pública, definin- de provimento efetivo depende de prévia habilitação em concur-
do-lhes os direitos, responsabilidades e deveres. so público de provas ou de provas de títulos, obedecidos a ordem
Art. 3º Os cargos públicos civis são acessíveis a todos os bra- de classificação e o prazo de sua validade.
sileiros, observadas as condições de investidura estabelecidas na ● Vide inciso II, do art. 37 da CF/88, com relação dada pela
lei. EC 19/98.
Art. 4º É vedado a prestação de serviços gratuitos, salvo nos Parágrafo Único. Os demais requisitos para o ingresso serão
casos expressamente previstos na lei. estabelecidos pela lei que fixar as diretrizes do sistema de carreira
TÍTULO II da administração pública estadual e seus regulamentos.
DO REGIME FUNCIONAL

CAPÍTULO I SEÇÃO III


DO INGRESSO DO CONCURSO PÚBLICO

SEÇÃO I Art. 11. O concurso será de provas ou de provas e títulos, po-


DISPOSIÇÕES GERAIS dendo ser realizado em duas etapas, conforme dispõem a lei e o
regulamento do respectivo plano de carreira.
Art. 5º São requisitos básicos para ingresso no serviço públi- Art. 12. O concurso público terá validade de até 02 (dois)
co: anos, podendo ser prorrogado, uma única vez por igual período.
I – a nacionalidade brasileira; § 1º O prazo de validade do concurso e as condições de sua
II – o gozo dos direitos políticos; realização serão fixados em edital, que será publicado no Diário
III – a quitação com as obrigações militares e eleitorais; Oficial do Estado e em jornal diário de grande circulação.
IV – o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo; § 2º Não se abrirá novo concurso enquanto houver candidato
V – a idade mínima de 18 (dezoito) anos; aprovado em concurso anterior com prazo de validade não expi-
VI – aptidão física e mental. rado.
● Vide art. 10 da Lei Estadual nº 5.538, de 15.09.93.

48
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
SEÇÃO IV § 1º Se julgado incapaz para o serviço público, o readaptando
DA POSSE será aposentado.
§ 2º A readaptação será efetivada em cargo de atribuições
Art. 13. A posse dar-se-á pela assinatura do respectivo termo, afins, respeitada a habilitação exigida e condicionada à existência
no qual deverão constar as atribuições, os deveres, as responsabi- de vaga.
lidades e os direitos inerentes ao cargo ocupado que não poderão
ser alterados unilateralmente, por qualquer das partes, ressalva- SEÇÃO IV
dos os atos de ofício previstos em lei. DA REVERSÃO
§ 1º Apenas haverá posse nos casos de provimento de cargo
por nomeação, acesso e ascensão. Art. 19. Reversão é o retorno à atividade de servidor aposen-
§ 2º A posse ocorrerá dentro do prazo de 30 (trinta) dias con- tado por invalidez, quando, por junta médica oficial, forem decla-
tados da publicação do ato de provimento, prorrogável por mais rados insubsistentes os motivos da aposentadoria.
30 (trinta) dias, a requerimento do interessado. Art. 20. A reversão far-se-á no mesmo cargo ou no cargo re-
§ 3º A inocorrência oportuna da posse determinará a desefi- sultante de sua transformação.
cacização do ato de provimento. Parágrafo Único. Encontrando-se provido o cargo, o servidor
§ 4º Em se tratando de servidor em licença, ou afastado por exercerá suas atribuições como excedente, até a ocorrência de
qualquer outro motivo legal, o prazo será contado do término do vaga.
impedimento. Art. 21. Não poderá reverter o aposentado que já tiver com-
§ 5º No ato da posse o servidor apresentará declaração dos pletado 70 (setenta) anos de idade.
bens e valores que constituem seu patrimônio e do exercício ou
não de outro cargo, emprego ou função pública. SEÇÃO V
§ 6º A posse através de procurador fica condicionada à apre- DA REINTEGRAÇÃO
sentação de instrumento público de mandato, com outorga de
poderes especiais para tal fim. Art. 22. A reintegração é a reinvestidura do servidor estável
Art. 14. A posse dependerá de prévia inspeção médica oficial, no cargo anteriormente ocupado, ou no cargo resultante de sua
em que se comprove a aptidão física e mental do candidato para transformação, quando invalidada a sua demissão por decisão ad-
o exercício do cargo. ministrativa ou judicial com ressarcimento de todas as vantagens.
§ 1º Dando-se que tenha sido extinto o cargo anteriormente
CAPÍTULO II ocupado, o servidor ficará em disponibilidade.
DO PROVIMENTO DERIVADO § 2º Encontrando-se provido o cargo, o seu eventual ocupan-
te será reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indeniza-
SEÇÃO I ção, aproveitado em outro cargo, ou, ainda, posto em disponibili-
DA PROMOÇÃO E DA ASCENSÃO dade respeitado o interesse do serviço público.

Art. 15. O desenvolvimento do servidor na carreira proceder- SEÇÃO VI


-se-á mediante promoção e ascensão. DA RECONDUÇÃO
Art. 16. A lei que fixar as diretrizes do sistema de carreira fun-
cional na administração estadual estabelecerá as condições de Art. 23. Recondução é o retorno do servidor estável ao cargo
promoção, ascensão e acesso, definindo os procedimentos atra- anteriormente ocupado.
vés dos quais se procederão. § 1º Dar-se-á a recondução:
I – quando apurada, ao curso de estágio probatório, a inap-
SEÇÃO II tidão do servidor ao exercício de cargo em que derivadamente
DA TRANSFERÊNCIA provido;
II – quando reintegrado, no cargo que esteja a exercer, o seu
Art. 17. Transferência é a transposição do servidor estável de anterior ocupante.
um cargo efetivo para outro de igual denominação, pertencente § 2º Encontrando-se provido o cargo de origem, será o servi-
a quadro de pessoal diverso, de órgão ou instituição do mesmo dor provido em outro, de vencimento e atribuições compatíveis
Poder. com o anteriormente ocupado.
§ 1º A transferência ocorrerá de ofício ou a pedido do servi- ● Vide art. 32 deste Regime.
dor atendido o interesse do serviço, em qualquer hipótese condi-
cionada à exigência de vaga.
§ 2º Será admitida a transferência de servidor ocupante de
cargo de quadro em extinção para igual situação em quadro de SEÇÃO VII
outro órgão ou entidade. DO APROVEITAMENTO

SEÇÃO III Art. 24. Aproveitamento é o retorno obrigatório ao trabalho


DA READAPTAÇÃO de servidor que se achava em disponibilidade, ocorrendo em car-
go de atribuições e vencimentos compatíveis com o anteriormen-
Art. 18. Readaptação é a investidura do servidor em cargo de te ocupado.
atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que Art. 25. O Órgão Central do Sistema de Pessoal Civil determi-
tenha sofrido em sua capacidade física ou mental, verifica em ins- nará o imediato aproveitamento de servidor em disponibilidade
peção médico-oficial. em vaga que vier a ocorrer nos órgãos ou entidades da adminis-
tração pública estadual.

49
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 26. Será tornado sem efeito o aproveitamento e cassada CAPÍTULO IV
a disponibilidade se o servidor não entrar em exercício no prazo DA LOTAÇÃO, DA REMOÇÃO, DA REDISTRIBUIÇÃO E DO
legal, salvo doença comprovada por junta médica oficial. ACESSO

CAPÍTULO III SEÇÃO I


DO EXERCÍCIO DA LOTAÇÃO

Art. 27. Exercício é o efetivo desempenho das atribuições do Art. 33. Lotação genérica é a quantidade dos cargos vincula-
cargo. dos e necessários ao desenvolvimento das atividades de órgãos
§ 1º É de 30 (trinta) dias o prazo para o servidor entrar em ou entidades da administração pública.
exercício, contando da data da posse. Art. 34. Lotação específica é a designação de servidor para
§ 2º Escoado o prazo estabelecido no parágrafo precedente, ter exercício em unidade administrativa setorial do ente público
sem o início do exercício, será o ato de nomeação revogado. a que serve.
§ 3º A autoridade competente do órgão ou entidade para Parágrafo Único. Nenhum servidor poderá servir fora da uni-
onde for designado o servidor compete dar-lhe exercício. dade onde tenha lotação específica, ressalvadas as hipóteses de
Art. 28. O início, a suspensão, a interrupção e o reinício do provimento em cargo comissionado ou cessão segundo as condi-
exercício serão registrados no assentamento individual do servi- ções e limites estabelecidos nesta lei.
dor.
Parágrafo Único. O servidor, ao entrar em exercício, apresen- SEÇÃO II
tará ao órgão competente os elementos necessários à abertura DA REMOÇÃO
do seu assentamento individual.
Art. 29. A promoção ou a ascensão não interrompe o tempo Art. 35. Remoção é o deslocamento do servidor, a pedido ou
de exercício, que é contado no novo posicionamento na carreira, de ofício, de uma para outra localidade de trabalho, com ou sem
a partir da data da publicação do ato que promover ou conceder mudança de sede, no âmbito da unidade setorial em que for es-
a ascensão funcional ao servidor. pecificamente lotado.
Art. 30. O servidor transferido, removido, redistribuído, re- Parágrafo Único. Dar-se-á a remoção, a pedido, para outra
quisitado ou cedido, que deva ter exercício em outra localidade, localidade, independentemente de vaga, para acompanhar côn-
terá 30 (trinta) dias de prazo para entrar em exercício, incluído juge ou companheiro ou dependente enfermo, condicionada à
nesse período o tempo necessário ao deslocamento para a nova comprovação, por junta médica, da indispensabilidade da provi-
sede. dência.
Parágrafo Único. Na hipótese de o servidor encontrar-se afas-
tado legalmente, o prazo a que se refere este artigo será contado SEÇÃO III
a partir do término do afastamento autorizado. DA REDISTRIBUIÇÃO
Art. 31. O ocupante de cargo público civil fica sujeito a 40
(quarenta) horas semanais de trabalho, salvo quando a lei estabe- Art. 36. Redistribuição é o deslocamento do servidor, com o
lecer duração diversa. respectivo cargo, para quadro de pessoal de outro órgão ou en-
Parágrafo Único. Ao ocupante de cargo de provimento em tidade do mesmo Poder, cujos planos de cargos e vencimentos
comissão é ainda exigida dedicação integral ao serviço, pelo que sejam idênticos, observado sempre o interesse da administração.
poderá ser convocado sempre que houver interesse da adminis- § 1º A redistribuição dar-se-á exclusivamente para ajusta-
tração. mento de quadro de pessoal às necessidades dos serviços, inclu-
Art. 32. O servidor investido em cargo de provimento efetivo sive nos casos de reorganização, extinção ou criação de órgãos ou
ao iniciar o exercício, ficará sujeito a estágio probatório por perío- entidades.
do de 24 (vinte e quatro) meses, durante o qual a sua aptidão e § 2º Nos casos de extinção de órgão ou entidade, os servido-
capacidade para o desempenho do cargo serão objeto de avalia- res estáveis que não puderem ser redistribuídos, na forma deste
ção, observados os fatores a saber: artigo, serão colocados em disponibilidade, até seu aproveita-
I - assiduidade; mento.
II - disciplina;
III - capacidade de iniciativa; SEÇÃO IV
IV - produtividade; DO ACESSO
V - responsabilidade.
● A EC 19/98 ao alterar o art. 41 da CF/88 estende o período Art. 37. Acesso é a designação de servidor de carreira para
do estágio probatório para 03 (três) anos, além de condicionar a exercer função de direção, chefia ou assessoramento.
aquisição de estabilidade a uma avaliação especial de desempe-
nho, realizada por comissão instituída para este fim. CAPÍTULO V
● Vide art. 28 da EC 19/98. DA ESTABILIDADE
§ 1º Concluído o período de prova, será o resultado da ava-
liação homologado dentro do prazo máximo de 15 (quinze) dias, Art. 38. O servidor habilitado em concurso público e empos-
contados a partir do dia imediato ao termo final, inclusive. sado em cargo de provimento efetivo adquirirá estabilidade no
§ 2° O servidor não aprovado no estágio probatório será exo- serviço público ao completar 02 (dois) anos de efetivo exercício.
nerado ou, se estável, reconduzido ao cargo anteriormente ocu- ● O prazo para aquisição da estabilidade passo a ser de 03
pado, observado o disposto no § 2º do art. 23. três anos. Ver nota do art. 32.
§ 3° É vedado o desvio de função.

50
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 39. O servidor estável só perderá o cargo em virtude de ● Redação dada pelo art. 1º da Lei Estadual nº 6.003, de
sentença judicial transitada em julgado ou de processo adminis- 13.04.98.
trativo disciplinar no qual lhe seja assegurada ampla defesa. ● Redação anterior:
● Vide nota do art. 41. “Art. 43. Os servidores investidos em função de direção ou
chefia e os ocupantes de cargos em comissão terão substitutos
CAPÍTULO VI indicados no regimento interno ou, no caso de omissão, previa-
DA VACÂNCIA mente designados pela autoridade competente.
● § 1º O substituto assumirá automaticamente o exercício do
Art. 40. Determinarão a vacância do cargo público: cargo ou função de direção ou chefia nos afastamentos ou impe-
I - a exoneração; dimentos regulamentares do titular.
II - a demissão; ● § 2° O substituto fará jus à gratificação pelo exercício da
III - a promoção; função de direção ou chefia, paga na proporção dos dias de efeti-
IV - a ascensão; va substituição.”
V - a transferência; Art. 44. O disposto no artigo anterior aplica-se aos titulares
VI - a readaptação; de unidades administrativas organizadas em nível de assessoria.
VII - a aposentadoria;
VIII - a posse em outro cargo inacumulável; TÍTULO III
IX - o falecimento. DOS DIREITOS E VANTAGENS
Art. 41. A exoneração de cargo efetivo dar-se-á a pedido do
servidor, ou ainda de ofício, neste caso quando resultar apurada, CAPÍTULO I
em estágio probatório, sua inaptidão ao exercício do cargo. DO VENCIMENTO E REMUNERAÇÃO
● Além das hipóteses de exoneração previstas neste artigo,
temos as inovações trazidas pela EC 19/98. O art. 41 da CF/88 em ● Vide art. 39 da CF/88, notadamente os §§ 1º e 8º, com re-
seu § 1º indica três hipóteses de perda do cargo pelo servidor es- dação dada pela EC 19/98.
tável, trazendo a inovação da avaliação periódica de desempenho ● Vide art. 29 da EC 19/98.
(inciso III). O art. 16, § 4°, por sua vez, prevê a possibilidade de
● Vide incisos X, XI e XIII do art. 37 da CF/88, com redação
exoneração de servidor estável quando as despesas com pessoal
pela EC 19/98.
extrapolarem os limites fixados em Lei Complementar (hoje Lei
Art. 45. Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício
Complementar nº 96, de 31.05.99).
do cargo público, com valor fixado em lei.
● Vide art. 247 e § 5º do art. 169, ambos da CF/88, com reda-
Parágrafo Único. Nenhum servidor receberá, a título de ven-
ção dada pela EC 19/98.
cimento, importância inferior ao salário mínimo.
● Considera-se servidor não estável para fins do § 3º, II do art.
Art. 46. Remuneração é o vencimento do cargo efetivo, acres-
169 da CF/88 aqueles admitidos sem concurso público após o dia
cido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei.
05 de outubro de 1983 (Art. 33 da EC 19/98).
● Vide art. 32 deste Regime. § 1 ° A remuneração do servidor investido em função ou car-
Art. 42. A exoneração de cargo em comissão ocorrerá: go em comissão será paga na forma prevista no art. 67.
I - a juízo da autoridade competente; ● Vide art. 19, Parágrafo Único, da Lei Estadual n° 4.579/84,
II - a pedido do próprio servidor. que dispõe sobre a remuneração de servidor ocupante de cargo
Parágrafo Único. O afastamento do servidor de função de di- ou emprego público, investido em cargo de provimento em co-
reção, chefia e assessoramento dar-se-á: missão.
I - a pedido; ● Vide nota do art. 67 deste Regime.
II - mediante dispensa, nos casos de: § 2° O vencimento do cargo efetivo, acrescido das vantagens
a) promoção; de caráter permanente, é irredutível.
b) cumprimento de prazo exigido para rotatividade na função; ●Vide inciso XV do art. 37 da CF/88, com redação dada pela
c) por falta de exação no exercício de suas atribuições, segun- EC/98.
do o resultado do processo de avaliação, conforme estabelecido § 3° É assegurada a isonomia de vencimentos para cargos de
em lei e regulamento; atribuições iguais ou assemelhados do mesmo Poder, ou entre
d) afastamento para exercício de mandato classista. servidores dos três Poderes, ressalvadas as vantagens de caráter
individual e as relativas à natureza ou ao local de trabalho.
CAPÍTULO VII Art. 47. Nenhum servidor poderá perceber, mensalmente, a
DA SUBSTITUIÇÃO título de remuneração, importância superior à soma dos valores
percebidos como remuneração, em espécie, a qualquer título, no
Art. 43. Os servidores investidos em cargo ou função de dire- âmbito dos respectivos Poderes, pelos Secretários de Estado, pe-
ção ou chefia e os ocupantes de cargos em comissão terão subs- los Desembargadores e pelos Deputados Estaduais.
titutos indicados no regime interno ou, em caso de omissão, pre- Parágrafo Único. VETADO
viamente designados pela autoridade competente. Art. 48. A menor remuneração atribuída aos cargos de carrei-
§ 1º O substituto assumirá automática e cumulativamente, ra não será inferior a 1/40 (um quarenta avos) do teto de remune-
sem prejuízo do cargo que ocupa, o exercício do cargo ou função ração fixado no artigo anterior.
de direção ou chefia nos afastamentos ou impedimentos legais ou Art. 49. O servidor perderá:
regulamentares do titular. I - a remuneração dos dias em que faltar ao serviço;
§ 2º O substituto fará jus a gratificação pelo exercício do car- II - a parcela de remuneração diária, proporcional aos atrasos,
go ou função de direção ou chefia nos casos de afastamento ou ausências e saídas antecipadas, iguais ou superiores a 60 (sessen-
impedimento legais do titular, superiores a trinta dias, paga na ta) minutos;
proporção dos dias de efetiva substituição.

51
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
III - metade da remuneração, na hipótese prevista no § 2° do § 1º Correm por conta da administração as despesas de trans-
art. 132. porte do servidor e de sua família, compreendendo passagem, ba-
Art. 50. Salvo por imposição legal ou mandado judicial, ne- gagem e bens pessoais.
nhum desconto incidirá sobre a remuneração ou provento. § 2º À família do servidor que falecer na nova sede são asse-
Parágrafo Único. Mediante autorização do servidor, poderá gurados ajuda de custo e transportes para a localidade de origem,
haver consignação em folha de pagamento a favor de terceiros, dentro do prazo de 01 (um) ano, contado do óbito.
a critério da administração e com reposição de custos na forma Art. 59. A ajuda de custo é calculada sobre a remuneração do
definida em regulamento. servidor, conforme dispuser o regulamento, não podendo exce-
● Vide Decreto Estadual n° 356, de 15/10/2001, com as al- der a importância correspondente a 03 (três) meses.
terações introduzidas pelo Decreto Estadual nº 1.216, de 30 de Art. 60. Será concedida ajuda de custo ao servidor que se
abril de 2003. afastar do cargo, ou reassumi-lo, em virtude de mandato eletivo,
● Vide art. 234 deste Regime. desde que implique mudança de domicílio.
Art. 51. As reposições e indenizações ao erário serão descon- Art. 61. Será concedida ajuda de custo àquele que, não sendo
tadas em parcelas mensais não excedentes à décima parte da re- servidor do Estado, for nomeado para cargo em comissão, com
muneração ou provento, em valores atualizados. mudança de domicílio.
Art. 52. O servidor em débito com o erário, que for demiti- Parágrafo Único. Na hipótese de afastamento para exercício
do, exonerado, ou que tiver sua aposentadoria ou disponibilidade de cargo em comissão ou função de confiança, a ajuda de custo
cassada, terá prazo de 60 (sessenta) dias para quitar o débito. será paga pelo órgão cessionário, quando cabível.
Parágrafo Único. A não quitação do débito no prazo previsto Art. 62. O servidor ficará obrigado a restituir a ajuda de custo
implicará sua inscrição em dívida ativa. quando, injustificadamente, não se apresentar na nova sede no
Art. 53. O vencimento, a remuneração e o provento não serão prazo de 30 (trinta) dias.
objetos de arresto, sequestro ou penhora, exceto nos casos de
prestação de alimento resultantes de decisão judicial. SUBSEÇÃO II
DAS DIÁRIAS
CAPÍTULO II
DAS VANTAGENS Art. 63. O servidor que, a serviço, se afastar da sede em cará-
ter eventual ou transitório, para outro ponto do território nacio-
Art. 54. Além do vencimento, poderão ser pagas ao servidor nal ou para o exterior, fará jus a diárias, para cobrir despesas de
as seguintes vantagens: pousada, alimentação e locomoção urbana.
I - indenizações; ● Caput com nova redação dada pelo art. 1º da Lei Estadual
II - gratificações; nº 6.548, de 27/12/2004.
III - adicionais. ● Redação anterior: “Art. 63. O servidor que, a serviço, se afas-
§ 1º As indenizações não se incorporam ao vencimento ou tar da sede em caráter eventual ou transitório, para outro ponto
provento para qualquer efeito. do território nacional, fará jus a passagens e diárias, para cobrir as
§ 2º As gratificações e os adicionais incorporam-se ao venci- despesas de pousada, alimentação e locomoção urbana.”
mento ou provento, nos casos e condições indicados em lei. § 1º A diária será concedida por dia de afastamento, sendo
Art. 55. As vantagens pecuniárias não serão computadas, devida pela metade quando o deslocamento não exigir pernoite
nem acumuladas, para efeito de concessão de quaisquer outros fora da sede.
acréscimos pecuniários ulteriores sob o mesmo título ou idêntico § 2º Nos casos em que o deslocamento da sede constituir exi-
fundamento. gência permanente do cargo, o servidor não fará jus a diárias.
● O Inciso XIV do art. 37 da CF/88, com redação dada pela EC § 3º As demais disposições sobre diárias não previstas nesta
19/98, suprimiu a expressão “sob o mesmo título ou idêntico fun- Lei, incluindo os valores e cálculo, serão regulamentadas median-
damento”, ficando ampliada as restrições à concessão de parcelas te decreto.
ou adicionais de remuneração com incidência cumulativa. ● § 3º com nova redação dada pelo art. 1º da Lei Estadual nº
6.548, de 27/12/2004.
SEÇÃO I ● Redação anterior: “§ 3º O regulamento disporá sobre o cál-
DAS INDENIZAÇÕES culo das diárias.”
● Vide Decreto Estadual nº 2.391, de 12/01/2005, que regu-
Art. 56. Constituem indenizações ao servidor: lamenta a concessão de diárias.
I - ajuda de custo; Art. 64. O servidor que receber diárias e não se afastar da
II - diárias; sede, por qualquer motivo, fica obrigado a restituí-las integral-
III - transportes. mente, no prazo de 05 (cinco) dias.
Art. 57. Os valores das indenizações, assim como as condi- Parágrafo Único. Na hipótese de o servidor retornar à sede
ções para a sua concessão serão estabelecidos em regulamento. em prazo menor do que o previsto para o seu afastamento, resti-
tuirá as diárias recebidas em excesso, no prazo previsto no caput.
SUBSEÇÃO I
DA AJUDA DE CUSTO SUBSEÇÃO III
DA INDENIZAÇÃO DE TRANSPORTE
Art. 58. A ajuda de custo destina-se a compensar as despesas
de instalação do servidor que, no interesse do serviço, passar a Art. 65. Conceder-se-á indenização de transporte ao servidor
ter exercício em nova sede, com mudança de domicílio em caráter que realizar despesas com a utilização de meio próprio de loco-
permanente. moção para a execução de serviços externos, por força das atri-
buições próprias do cargo, conforme se dispuser em regulamento.

52
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
SEÇÃO II Art. 70. O servidor exonerado perceberá sua gratificação na-
DAS GRATIFICAÇÕES E ADICIONAIS talina, proporcionalmente aos meses de exercício, calculada so-
bre a remuneração do mês da exoneração.
Art. 66. Além do vencimento e das vantagens previstas nes- Art. 71. A gratificação natalina não será considerada para cál-
ta lei, serão deferidos aos servidores as seguintes gratificações e culo de qualquer vantagem pecuniária.
adicionais:
I - gratificação pelo exercício de função de direção, chefia e SUBSEÇÃO III
assessoramento; DO ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO
II - gratificação natalina;
III - adicional por tempo de serviço; Art. 72. O adicional por tempo de serviço, devido ao servi-
IV - adicional pelo exercício de atividades insalubres, perigo- dor provido em cargo efetivo, será pago à razão de 5% (cinco por
sas ou penosas; cento) por qüinqüênio de serviço público, incidentes sobre o ven-
V - adicional pela prestação de serviço extraordinário; cimento do cargo ocupado, até o limite de 35% (trinta e cinco por
VI - adicional noturno; cento), nele incluídos os anuênios incorporados.
VII - adicional de férias; § 1º Considerar-se-á integrante do vencimento, para os efei-
VIII - outros, relativos ao local ou à natureza do trabalho. tos da regra deste artigo, a gratificação de representação porven-
tura auferida pelo servidor.
SUBSEÇÃO I § 2º O servidor fará jus ao adicional a partir do mês em que
GRATIFICAÇÃO PELO EXERCÍCIO DE FUNÇÃO DE DIREÇÃO, completar o quinquênio, considerado como termo inicial da con-
CHEFIA OU ASSESSORAMENTO tagem o dia imediato ao em que haja completado o último anuê-
nio.
Art. 67. REVOGADO. ● Artigo com redação dada pela Lei Estadual nº 5.698, de 02
● Artigo revogado pela Lei Estadual nº 5.538, de 15 de setem- de junho de 1995.
bro de 1993. ● Redação anterior:
● Redação anterior: “Art. 72. O adicional por tempo de serviço é devido à razão de
“Art. 67. Ao servidor investido em função de direção, chefia 1% (um por cento) por ano de serviço público efetivo, incidente
ou assessoramento é devida uma gratificação pelo seu exercício. sobre o vencimento do cargo ocupado.
§ 1º Os percentuais de gratificação serão estabelecidos em § 1º Considerar-se-á integrante do vencimento, para os efei-
lei, em ordem decrescente, respeitado, em qualquer hipótese, o tos da regra deste artigo, a gratificação de representação por ven-
teto remuneratório incidente. tura auferida pelo servidor.
§ 2º A gratificação prevista neste artigo incorpora-se à remu- § 2º O servidor fará jus ao adicional a partir do mês em que
neração do servidor e integra o provento da aposentadoria, na completar o anuênio.”
proporção de 1/5 (um quinto) por ano de exercício na função de
direção, chefia ou assessoramento, até o limite, superior de 05 SUBSEÇÃO IV
(cinco) quintos. DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE, PERICULOSIDADE OU
§ 3º Quando mais de uma função houver sido desempenhada ATIVIDADES PENOSAS
no período de 01 (um) ano, a importância a ser incorporada terá
como base de cálculo a função exercida por maior tempo. Art. 73. Os servidores que trabalham com habitualidade em
§ 4º Ocorrendo o exercício de função de nível mais elevado, locais insalubres ou em contato permanente com substâncias tó-
por período de 12 (doze) meses, após a incorporação da fração de xicas radioativas, biológicas, ou com risco de vida, fazem jus a um
5/5 (cinco quintos), poderá haver a atualização progressiva das adicional sobre o vencimento do cargo efetivo.
parcelas já incorporadas, observado o disposto no parágrafo an- § 1º O servidor que fizer jus aos adicionais de insalubridade e
terior. de periculosidade deverá optar por um deles.
§ 5º Lei específica estabelecerá a remuneração dos cargos de § 2º O direito ao adicional de insalubridade ou periculosidade
provimento em comissão.” cessa com a eliminação das condições ou dos riscos que deram
causa a sua concessão.
SUBSEÇÃO II ● Ver artigos 4º e 5º, inciso I, da Lei Estadual nº 5.335, de 05
DA GRATIFICAÇÃO NATALINA de maio de 1992; art. 7º da Lei Estadual nº 5.538, de 15 de setem-
bro de 1993; e Lei Estadual nº 5.464, de 25 de janeiro de 1993.
Art. 68. A gratificação natalina corresponde a 1/12 (um doze Art. 74. Haverá permanente controle da atividade de servido-
avos) da remuneração a que o servidor fizer jus no mês de dezem- res em operação ou locais considerados penosos, insalubres ou
bro, por mês de exercício no respectivo ano. perigosos.
Parágrafo Único. A fração igual ou superior a 15 (quinze) dias Parágrafo Único. A servidora gestante ou lactante será afasta-
será considerada como mês integral. da, enquanto durar a gestação e a lactação, das operações e locais
● Vide Decreto Estadual nº 3.036, de 28/12/2005, que dispõe previstos neste artigo, exercendo suas atividades em local salubre
sobre o pagamento do 13º salário no mês de aniversário natalício e em serviço não penoso e não perigoso.
aos servidores públicos do Poder Executivo Estadual, de suas au- Art. 75. Na concessão dos adicionais de atividades penosas,
tarquias e fundações, ocupantes de cargo efetivo, e aos emprega- de insalubridade e de periculosidade, serão observadas as situa-
dos públicos com vínculo permanente com as empresas públicas ções estabelecidas em legislação específica.
e sociedades de economia mista, cujas despesas de pessoal sejam Art. 76. O adicional de atividade penosa será devido aos ser-
custeadas pelo Tesouro estadual.”. vidores em exercício em localidades cujas condições de vida o
Art. 69. A gratificação será paga até o dia 20 (vinte) do mês de justifiquem, nos termos, condições e limites designados em re-
dezembro de cada ano. gulamento.

53
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 77. Os locais de trabalho e os servidores que operam “Art. 82. O pagamento da remuneração das férias será efe-
com Raio X ou substâncias radioativas serão mantidos sob contro- tuado até 02 (dois) dias antes do início do respectivo período, ob-
le permanente, de modo que as doses de radiação ionizante não servando-se o disposto no parágrafo primeiro deste artigo.
ultrapassem o nível máximo previsto na legislação própria. § 1º É facultado ao servidor converter 1/3 (um terço) das fé-
Parágrafo único. Os servidores a que se refere este artigo se- rias em abono pecuniário, desde que o requeira com pelo menos
rão submetidos a exames médicos a cada 06 (seis) meses. 60 (sessenta) dias de antecedência.
§ 2º No cálculo do abono pecuniário será considerado o valor
SUBSEÇÃO V do adicional de férias.”
DO ADICIONAL POR SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO
Art. 83. O servidor que opera direta e permanentemente com
Art. 78. O serviço extraordinário será remunerado com acrés- Raios-X ou substâncias radioativas gozará 20 (vinte) dias conse-
cimo de 50% (cinquenta por cento) em relação à hora normal de cutivos de férias, por semestre de atividade profissional, proibida
trabalho. em qualquer hipótese a acumulação.
● O art. 3º da Lei Estadual nº 5.251, de 10 de setembro de Parágrafo único. O servidor referido neste artigo não fará jus
1991, dispõe: “A convocação de servidores públicos civis para a ao abono pecuniário de que trata o artigo anterior.
prestação de serviços extraordinários, na conformidade do que Art. 84. As férias somente poderão ser interrompidas por mo-
prevêem os artigos 78 e seguintes, da Lei nº 5.247, de 26 de julho tivo de calamidade pública, comoção interna, convocação para
de 1991, sujeitar-se-á ao que for estabelecido em regulamento a júri, serviço militar ou eleitoral ou por motivo de superior inte-
ser expedido pelo Chefe do Executivo Estadual, dentro do prazo resse público.
de 30 (trinta) dias a contar da data da publicação.”
● Este artigo foi regulamentado pelo Decreto Estadual nº CAPÍTULO IV
35.126, de 02 de julho de 1998; Decreto Estadual nº 508, de 13 de DAS LICENÇAS
dezembro de 2001; e Decreto Estadual nº 3.332, de 04 de agosto
de 2006. SEÇÃO I
DISPOSIÇÕES GERAIS
SUBSEÇÃO VI
DO ADICIONAL NOTURNO Art. 85. Conceder-se-á ao servidor licença:
I – por motivo de doença em pessoa da família;
Art. 79. O serviço noturno prestado em horário compreen- II – por motivo de afastamento do cônjuge ou companheiro;
dido entre 22 (vinte e duas) horas de um e 05 (cinco) horas do III – para serviço militar;
dia seguinte, terá o valor-hora acrescido de 50% (cinquenta por IV – para atividade política;
cento), correspondendo cada hora de trabalho a cinquenta e dois V – para capacitação profissional;
minutos e trinta segundos. ● Inciso V com redação dada pela Lei Estadual nº 6.043, de 02
de julho de 1998.
SUBSEÇÃO VII ● Redação anterior: “prêmio por assiduidade”.
DO ADICIONAL DE FÉRIAS VI – para tratar de interesses particulares;
VII – para desempenho de mandato classista.
Art. 80. Independentemente de solicitação, será pago ao ser- § 1º A licença prevista no inciso I será precedida de exame
vidor, por ocasião das férias, um adicional correspondente a 1/3 por médico ou junta médica oficial.
(um terço) da remuneração do período de férias. § 2º O servidor não poderá permanecer em licença da mesma
Parágrafo Único. No caso de o servidor exercer função de di- espécie por período superior a 24 (vinte e quatro) meses, salvo
reção, chefia ou assessoramento, ou ocupar cargo em comissão, a nos casos dos incisos II, III, IV e VII.
respectiva vantagem será considerada no cálculo do adicional de § 3º É vedado o exercício de atividade remunerada durante o
que trata este artigo. período de licença prevista no inciso I deste artigo.
Art. 86. A licença concedida dentro de 60 (sessenta) dias do
CAPÍTULO III término de outra da mesma espécie será considerada como pror-
DAS FÉRIAS rogação.

Art. 81. O servidor fará jus a 30 (trinta) dias consecutivos de SEÇÃO II


férias, que podem ser acumulados até o máximo de 02 (dois) pe- LICENÇA POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA
ríodos, no caso de necessidade do serviço, ressalvadas as hipóte-
ses em que haja legislação específica. Art. 87. Poderá ser concedida licença ao servidor por motivo
§ 1º O primeiro período aquisitivo de férias completar-se-á ao de doença do cônjuge ou companheiro, padrasto ou madrasta,
final dos 12 (doze) primeiros meses de exercício. ascendente, descendente, enteado e colateral consanguíneo ou
§ 2º É vedado levar à conta de férias qualquer falta ao serviço. afim até o segundo grau civil, mediante comprovação por junta
Art. 82. O pagamento da remuneração das férias será efetua- médica oficial.
do até 02 (dois) dias antes do início do respectivo período. § 1º A licença somente será deferida se a assistência direta do
§ 1º REVOGADO. servidor for indispensável e não puder ser prestada simultanea-
§ 2º REVOGADO. mente com o exercício do cargo.
● Artigo com a redação dada pela Lei Estadual nº 5.308, de 19 § 2º A licença será concedida sem prejuízo da remuneração
de dezembro de 1991. do cargo efetivo, até 90 (noventa) dias, podendo ser prorrogada
● Redação anterior: por até 90 (noventa) dias, mediante parecer de junta médica, e,
excedendo estes prazos, sem remuneração.

54
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
SEÇÃO III “Não se concederá licença prêmio ao servidor que, no perío-
DA LICENÇA POR MOTIVO DE AFASTAMENTO DO CÔNJUGE do aquisitivo:
I – sofrer penalidade disciplinar de suspensão;
Art. 88. Poderá ser concedida licença ao servidor para acom- II – afastar-se do cargo em virtude de:
panhar cônjuge ou companheiro que foi deslocado para outro a) licença por motivo de doença em pessoa da família, sem
ponto do território nacional, para o exterior ou para o exercício remuneração;
de mandato eletivo dos Poderes Legislativo Estadual e Municipal, b) licença para tratar de interesses particulares;
e para o Congresso Nacional. c) condenação à pena privativa de liberdade, por sentença
§ 1º A licença será por prazo indeterminado e sem remune- definitiva;
ração. d) afastamento para acompanhar cônjuge ou companheiro.
§ 2º Na hipótese do deslocamento de que trata este artigo, Parágrafo Único. As faltas injustificadas ao serviço retardarão
o servidor poderá ser cedido, provisoriamente, em repartição da a concessão da licença prevista neste artigo, na proporção de 01
Administração Federal Direta, Autárquica ou Fundacional, desde (um) mês para cada falta.”
que para o exercício de atividade compatível com o seu cargo. Art. 93. O número de servidores em gozo simultâneo de li-
cença para capacitação profissional não poderá ser superior a 1/3
SEÇÃO IV (hum terço) da lotação da respectiva unidade administrativa do
DA LICENÇA PARA O SERVIÇO MILITAR órgão ou entidade.
● Artigo com redação pela Lei Estadual nº 6.043, de 02 de
Art. 89. Ao servidor convocado para o serviço militar será julho de 1998.
concedida licença na forma e condições previstas na legislação ● Redação anterior: “O número de servidores em gozo simul-
específica. tâneo de licença prêmio não poderá ser superior a 1/3 (hum ter-
Parágrafo Único. Concluído o serviço militar, o servidor terá ço) da lotação da respectiva unidade administrativa do órgão ou
até 30 (trinta) dias sem remuneração para reassumir o exercício entidade.”
do cargo.
SEÇÃO VII
SEÇÃO V DA LICENÇA PARA TRATAR DE INTERESSES PARTICULARES
DA LICENÇA PARA ATIVIDADE POLÍTICA
Art. 94. A critério da Administração, poderá ser concedida ao
Art. 90. O servidor terá direito a licença, sem remuneração, servidor estável licença para o trato de assuntos particulares, pelo
durante o período que mediar entre a sua escolha em convenção prazo de 02 (dois) anos consecutivos, sem remuneração.
partidária, como candidato a cargo eletivo, e a véspera do registro § 1º A licença poderá ser interrompida, a qualquer tempo, a
de sua candidatura perante a Justiça Eleitoral. pedido do servidor ou no interesse do serviço.
§ 1º O servidor candidato a cargo eletivo na localidade onde § 2º Não se concederá nova licença antes de decorridos 02
desempenha suas funções e que exerça cargo de direção, che- (dois) anos do término da anterior.
fia, assessoramento, arrecadação ou fiscalização, será afastado, a § 3º Não se concederá a licença a servidores nomeados, re-
partir do dia imediato ao do registro de sua candidatura perante movidos, redistribuídos ou transferidos, antes de completarem 02
a Justiça Eleitoral, assim permanecendo até o 15º (décimo quinto) (dois) anos de exercício.
dia seguinte à data da votação.
§ 2º A partir do registro da candidatura e até o 15º (décimo SEÇÃO VIII
quinto) dia seguinte ao da eleição, o servidor fará jus a licença DA LICENÇA PARA O DESEMPENHO
como se em efetivo exercício estivesse. DE MANDATO CLASSISTA

SEÇÃO VI Art. 95. É assegurado ao servidor o direito a licença para o


DA LICENÇA PRÊMIO POR ASSIDUIDADE desempenho de mandato em confederação, federação, associa-
ção de classe de âmbito nacional, sindicato representativo da ca-
Art. 91. Após cada qüinqüênio de efetivo exercício, o servidor tegoria ou entidade fiscalizadora da profissão a que pertença em
público estável poderá, no interesse da Administração, afastar-se função do cargo ocupado, sem prejuízo de sua remuneração.
do exercício do cargo efetivo, com a respectiva remuneração, por § 1º Somente poderão ser licenciados servidores eleitos para
até 03 (três) meses, para participar de curso de capacitação pro- cargos de direção ou representação nas referidas entidades, até o
fissional. máximo de 03 (três), por entidade.
Parágrafo Único. Os períodos de licença de que trata o caput, § 2º A licença terá duração igual à do mandato, podendo ser
não são acumuláveis. prorrogada no caso de reeleição.
● Redação dada pela Lei Estadual nº 6.043, de 02 de julho de
1998. CAPÍTULO V
● Redação anterior: DOS AFASTAMENTOS
“Após cada qüinqüênio ininterrupto de exercício, o servidor
fará jus a 03 (três) meses de licença, a título de prêmio por assi- SEÇÃO I
duidade, com a remuneração do cargo efetivo. DA CESSÃO
Parágrafo Único. VETADO.”
Art. 92. REVOGADO. Art. 96. O servidor poderá ser cedido para ter exercício em
● Artigo revogado pela Lei Estadual nº 6.043, de 02 de julho outro órgão ou entidade dos poderes da União, dos Estados ou do
de 1998. Distrito Federal e dos Municípios, nas seguintes hipóteses:
● Redação anterior:

55
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
I - para exercício de cargo em comissão ou função de con- b) não havendo compatibilidade de horários será afastado do
fiança; cargo, sendo-lhe facultado optar pela remuneração.
II - em casos previstos em leis específicas. § 1º No caso de afastamento do cargo, o servidor contribuirá
§ 1º Na hipótese do inciso I, o ônus da remuneração será do para a seguridade social como se em exercício estivesse.
órgão ou entidade cessionária. § 2º O servidor investido em mandato eletivo ou classista não
§ 2º No caso de o servidor cedido a empresa pública ou so- poderá ser removido ou redistribuído de ofício para a localidade
ciedade de economia mista, nos termos das respectivas normas, diversa daquela onde exerce o mandato.
optar pela remuneração do cargo efetivo, a entidade cessionária
efetuará o reembolso das despesas realizadas pelo órgão ou en- SEÇÃO III
tidade de origem. DO AFASTAMENTO PARA ESTUDO
§ 3º A cessão far-se-á mediante portaria publicada no Diário OU MISSÃO NO EXTERIOR
Oficial do Estado.
§ 4º O servidor do Poder Executivo poderá ter exercício em Art. 98. O servidor não poderá ausentar-se do país para es-
outro órgão ou entidade dos Poderes da União, dos Estados, do tudo ou missão, em caráter oficial, sem autorização do Chefe do
Distrito Federal e dos Municípios, ou em órgão da Administração Poder a que esteja vinculado, e seu afastamento dar-se-á sem
centralizada, ou em entidade autárquica ou fundacional pública prejuízo de sua remuneração.
do Poder Executivo Estadual, para fim determinado e por prazo § 1º A ausência não excederá a 04 (quatro) anos, e finda a
certo, mediante autorização expressa do Governador do Estado. missão ou estudo, somente decorrido igual período será permiti-
§ 5º Dar-se-á a cessão, ainda, mediante convênio com entida- do nova ausência.
de privada sem fins lucrativos, de objetivos culturais, educativos, § 2º Ao servidor beneficiado pelo disposto neste artigo não
assistenciais ou filantrópicos, desde que para o desenvolvimento será concedida exoneração ou licença para tratar de interesse
de ações de interesse comum à cessionária e ao Estado de Ala- particular, antes de decorrido período igual ao do afastamento,
goas. ressalvada a hipótese de ressarcimento da despesa havida com
● Artigo com redação dada pela Lei Estadual nº 5.700, de seu afastamento.
16.06.95.
Redação anterior: CAPÍTULO VI
“Art. 96. O servidor poderá ser cedido para ter exercício em DAS CONCESSÕES
outro órgão ou entidade dos poderes da União, dos Estados ou do
Art. 99. Poderá o servidor ausentar-se do serviço, sem prejuí-
Distrito Federal e dos Municípios, nas seguintes hipóteses:
zo da remuneração:
I - para exercício de cargo em comissão ou função de con-
I – por 1 (um) dia, a cada mês, para a doação de sangue;
fiança;
II – por 2 (dois) dias, para se alistar como eleitor;
II - em casos previstos em leis específicas.
III – por 8 (oito) dias consecutivos em razão de:
§ 1º Na hipótese do inciso I deste artigo, o ônus da remunera-
a) casamento;
ção será do órgão ou entidade cessionária.
b) falecimento do cônjuge, companheiro, pais, madrasta ou
§ 2º A cessão far-se-á mediante Portaria publicada no Diário
padrasto, filhos, enteados, menor sob guarda ou tutela e irmãos.
Oficial do Estado. Art. 100. Será concedido horário especial ao servidor estu-
§ 3º Mediante autorização expressa do Chefe do Poder Exe- dante, quando comprovada a incompatibilidade entre o horário
cutivo, o servidor do Poder Executivo poderá ter exercício em ou- escolar e o da repartição sem prejuízo do exercício do cargo.
tro órgão da Administração Estadual Direta, que não tenha qua- Parágrafo Único. Para efeito do disposto neste artigo, será
dro próprio de pessoal, para fim determinado e por prazo certo. exigida a compensação de horário na repartição, respeitada a du-
§ 4º Dar-se-á a cessão, ainda, mediante convênio com enti- ração semanal do trabalho.
dade privada, sem fins lucrativos, de objetivos culturais, assisten- ● Artigo regulamentado pelo Decreto Estadual nº 36.635, de
ciais e filantrópicos, desde que para o desenvolvimento de ações 11.08.95.
de interesse comum à cessionária e ao Estado de Alagoas.” Art. 101. Ao servidor estudante que mudar de sede no inte-
● Vide Lei Estadual nº 6.003, de 13.04.98 – Dispõe sobre a resse da administração é assegurada, na localidade da nova re-
vedação de adicionais ou gratificações a empregados de Empresas sidência ou na mais próxima, matrícula em instituição de ensino
Públicas e Sociedades de Economia Mista. congênere, em qualquer época, independente de vaga, desde que
● Vide Decreto Estadual nº 36.618, de 24.07.95 – Dispõe so- permaneça no território estadual.
bre cessão e estabelece critérios para os empregados de Empresa Parágrafo Único. O disposto neste artigo estende-se ao cônju-
Pública e Sociedade de Economia Mista. ge ou companheiro, aos filhos, ou enteados do servidor que vivam
na sua companhia, bem como aos menores sob sua guarda com
SEÇÃO II autorização judicial
DO AFASTAMENTO PARA EXERCÍCIO DE MANDATO ELETIVO
CAPÍTULO VII
Art. 97. Ao servidor investido em mandato eletivo aplicam-se DO TEMPO DE SERVIÇO
as seguintes disposições:
I – tratando-se de mandato federal, estadual ou distrital, fica- (Vide art. 40 da CF/88, com redação dada pela EC 20/98, que
rá afastado do cargo; instituiu o Regime de Previdência de caráter contributivo)
II - investido no mandato de Prefeito, será afastado do cargo, Art. 102. É contado para todos os efeitos o tempo de serviço
sendo-lhe faculdade optar pela sua remuneração; público estadual.
III - investido no mandato de vereador: Art. 103. A apuração do tempo de serviço será feita em dias,
a) havendo compatibilidade de horário, perceberá as vanta- que serão convertidos em anos, considerado o ano como de 365
gens de seu cargo, sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo; (trezentos e sessenta e cinco) dias.

56
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Parágrafo Único. Feita à conversão, os dias restantes, até 182 (cen- CAPÍTULO VIII
to e oitenta e dois), não serão computados, arredondando-se para um DO DIREITO DE PETIÇÃO
ano quando excederem este número, para efeito de aposentadoria.
Art. 104. Além das ausências ao serviço previsto no art. 100, Art. 106. É assegurado ao servidor o direito de requerer aos
são considerados como de efetivo exercício os afastamentos em Poderes Públicos, em defesa de direito ou interesse legítimo.
virtude de: Art. 107. O requerimento será dirigido à autoridade compe-
● O art. 104 comete erro ao fazer remissão ao art. 100. Na tente para decidi-lo e encaminhado por intermédio daquela a que
realidade, as ausências ao serviço que o artigo faz referência são estiver imediatamente subordinado o requerente.
aquelas elencadas no art. 99. Art. 108. Cabe pedido de reconsideração à autoridade que
I - férias; houver expedido o ato ou proferido a primeira decisão, não po-
II - exercício de cargo em comissão ou equivalente, em órgão dendo ser renovado.
ou entidade dos Poderes da União, dos Estados, Municípios e Dis- Parágrafo Único. O requerimento e o pedido de reconsidera-
trito Federal; ção de que tratam os artigos anteriores deverão ser despachados
III - exercício de cargo ou função do governo ou administra- num prazo de 05 (cinco) dias e decididos dentro de 30 (trinta)
ção, em qualquer parte do território nacional, por nomeação do dias.
Presidente da República, Governador e Prefeitos; Art. 109. Caberá recurso:
IV - participação em programa de treinamento regularmente I - do indeferimento do pedido de reconsideração;
instituído; II - das decisões sobre os recursos sucessivamente interpos-
V - desempenho de mandato eletivo federal, estadual, muni- tos.
cipal, exceto para a promoção por merecimento; § 1º O recurso será dirigido à autoridade imediatamente su-
VI - júri e outros serviços obrigatórios por lei; perior à que tiver expedido o ato ou proferido a decisão e, suces-
VII - missão ou estudo no exterior, quando autorizado o afas- sivamente, em escala ascendente, às demais autoridades.
tamento; § 2º O recurso será encaminhado por intermédio da autorida-
VIII - licenças: de a que estiver imediatamente subordinado o requerente.
a) à gestante, à adotante e à paternidade; Art. 110. O prazo para interposição de pedido de reconside-
b) para tratamento da própria saúde, até 02 (dois) anos; ração ou de recurso é de 30 (trinta) dias a contar da publicação ou
c) para o desempenho de mandato classista, exceto para efei-
da ciência, pelo interessado, da decisão recorrida.
to de promoção por merecimento;
Art. 111. O recurso poderá ser recebido com efeito suspensi-
d) por motivo de acidente em serviço ou doença profissional;
vo, a juízo da autoridade competente.
e) prêmio por assiduidade ; (*)
Parágrafo Único. Em caso de provimento do pedido de recon-
f) por convocação para o serviço militar;
sideração ou do recurso, os efeitos da decisão retroagirão à data
IX - deslocamento para nova sede;
do ato impugnado.
X - participação em competição desportiva nacional ou con-
Art. 112. O direito de requerer prescreve:
vocação para integrar representação desportiva nacional, no país
I - em 05 (cinco) anos, quanto aos atos de demissão e de cas-
ou no exterior, conforme disposto em lei específica.
● Vide § 10 do art. 40 da CF/88, com redação dada pela EC sação de aposentadoria ou disponibilidade, ou que afetem inte-
20/98. resse patrimonial e créditos resultantes das relações de trabalho;
(*) Vide Lei Estadual nº 6.043, de 02.07.98 e Inciso V, do art. II - em 120 (cento e vinte) dias nos demais casos, salvo quan-
85 deste Regime. do outro prazo for fixado em lei.
Art.105. Contar-se-á apenas para efeito de aposentadoria: Parágrafo Único. O prazo de prescrição será contado da data
I - o tempo de serviço prestado à União, aos Estados, Municí- da publicação do ato impugnado ou da data da ciência pelo inte-
pios e Distrito Federal; ressado, quando o ato não for publicado.
● Vide § 9.º do art. 40 da CF/88, com redação dada pela EC Art. 113. O pedido de reconsideração e o recurso, quando ca-
20/98, em que o tempo de contribuição federal, estadual ou mu- bíveis, interrompem a prescrição.
nicipal será contado para efeito de aposentadoria e o tempo de Art. 114. A prescrição é de ordem pública, não podendo ser
serviço correspondente para efeito de disponibilidade. relevada pela administração.
II - a licença para tratamento de saúde de pessoa da família Art. 115. Para o exercício do direito de petição é assegurada
do servidor, com remuneração; vista do processo ou documento, na repartição, ao servidor ou a
III - a licença para atividade política, no caso do Art. 90, § 2º; procurador por ele constituído.
IV - o tempo correspondente ao desempenho de mandato Art. 116. A administração deverá rever seus atos, a qualquer
eletivo federal, estadual, municipal, anterior ao ingresso no servi- tempo, quando eivados de ilegalidade, revogando-os quando ino-
ço público estadual; portunos ou inconvenientes ao interesse público.
V - o tempo de serviço em atividade privada; Art. 117. São fatais e improrrogáveis os prazos estabelecidos
VI - o tempo de serviço relativo a Tiro de Guerra. neste Capítulo, salvo motivo de força maior.
§ 1º O tempo em que o servidor esteve aposentado será con-
tado apenas para nova aposentadoria. TÍTULO IV
§ 2º Será contado em dobro o tempo de serviço prestado às DO REGIME DISCIPLINAR
Forças Armadas em operação de guerra.
§ 3º É vedada a contagem cumulativa de tempo de serviço CAPÍTULO I
prestado concomitantemente em mais de um cargo ou função de DOS DEVERES
órgão ou entidade dos Poderes da União, Estados, Distrito Federal
e Municípios, Autarquias, Fundação Pública, Sociedade de Econo- Art. 118. São deveres do Servidor:
mia Mista e Empresa Pública. I - exercer com zelo e dedicação as atribuições do cargo;
§ 4º VETADO II - ser leal às instituições a que servir;

57
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
III - observar as normas legais e regulamentares; XVII – exercer quaisquer atividades que sejam incompatíveis
IV - cumprir as ordens superiores, exceto quando manifesta- com o exercício do cargo ou função e com o horário de trabalho;
mente ilegais; XVIII – desempenhar atribuições diversas daquela do cargo
V - atender com presteza: permanente ocupado, salvo na hipótese de investidura em cargo
a) ao público em geral, prestando as informações requeridas, de provimento em comissão.
reservadas as protegidas pelo sigilo;
b) à expedição de certidões requeridas para a defesa de direi- CAPÍTULO III
to ou esclarecimento de situações de interesse pessoal; DA ACUMULAÇÃO
c) às requisições para a defesa da Fazenda Pública;
VI - levar ao conhecimento da autoridade superior as irregu- Art. 120. Ressalvados os cargos previstos na Constituição, é
laridades de que tiver ciência em razão do cargo; vedada a acumulação remunerada de cargos públicos.
VII - zelar pela economia do material e a conservação do pa- ● Vide Decreto Estadual nº 34.980/91, que dispõe sobre acu-
trimônio público; mulação remunerada de cargos, funções e empregos públicos.
VIII - guardar sigilo sobre assunto da repartição; ● Vide Inciso XVI, do art. 37 da CF/88, com redação dada pela
IX - manter conduta compatível com a moralidade adminis- EC 19/98.
trativa; ● Vide § 10 do art. 37 da CF/88, com redação dada pela EC
X - ser assíduo e pontual ao serviço; 20/98.
XI - tratar com urbanidade as pessoas; § 1º A proibição de acumular estende-se a cargos, empregos
XII - representar contra ilegalidade, omissão ou abuso do po- e funções em Autarquias, Empresas Públicas e Sociedades de Eco-
der. nomia Mista da União, do Distrito Federal, dos Estados, dos Terri-
tórios* e dos Municípios.
Parágrafo Único. A representação de que trata o inciso XII (*) Vide arts. 14 e 15 ADCT da Constituição Federal.
será encaminhada pela via hierárquica e apreciada pela autorida- ● O Inciso XVII, do Art. 37 da CF/88, com redação dada pela
de superior àquela contra a qual é formulada, assegurando-se ao EC 19/98, estende a proibição de acumular às subsidiárias das em-
representado ampla defesa. presas públicas e sociedades de economia mista além das socie-
dades controladas direta ou indiretamente, pelo Poder Público.
CAPÍTULO II Vale ressaltar que a proibição às Fundações Públicas, embora não
DAS PROIBIÇÕES conste do texto desde RJ, já se encontrava expressa na CF/88 des-
de a redação anterior à EC 19/98.
Art. 119. Ao servidor é proibido: § 2º A acumulação de cargos, ainda que lícita, fica condiciona-
I – ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia da à comprovação da compatibilidade de horários.
autorização do chefe imediato; § 3º Considera-se acumulação proibida a percepção de ven-
II – retirar, sem prévia anuência da autoridade competente, cimento de cargo ou emprego público efetivo com proventos da
qualquer documento ou objeto da repartição; inatividade, salvo quando os cargos de que decorram essas remu-
III – recusar fé a documentos públicos; nerações forem acumuláveis na atividade.
IV – opor resistência injustificada ao andamento de documen- ● § 3º acrescentado pelo art. 1º da Lei Estadual nº 6.003, de
to e processo ou execução de serviço; 13/04/98.
V – promover manifestação de apreço ou desapreço no recin- ● Os direitos adquiridos concernentes à percepção simul-
to da repartição; tânea ou “acumulação” de proventos com remuneração foram
VI – cometer à pessoa estranha à repartição, fora dos casos assegurados aos membros de Poder e aos inativos, servidores e
previstos em lei, o desempenho de atribuição que seja de sua res- militares, que, até 16/12/98, tenham ingressado novamente no
ponsabilidade ou de seu subordinado; serviço público por concurso público e pelas demais formas pre-
VII – coagir ou aliciar subordinados no sentido de filiarem-se a vistas na Constituição, observada em todo caso, o limite consti-
associação profissional ou sindical, ou a partido político; tucional do §11 do Art. 40 da CF/88, com redação dada pela EC
VIII – valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de 20/98. Na hipótese de percepção de mais de uma aposentadoria
outrem em detrimento da dignidade da função pública; será facultado ao servidor inativo a opção por um dos proventos
IX – participar de gerência ou administração de empresa pri- de aposentadoria (Art. 11 da EC 20/98).
vada, de sociedade civil, ou exercer o comércio, exceto na quali- Art. 121. O servidor não poderá exercer mais de 01 (um) car-
dade de acionista quotista ou comanditário; go de provimento em comissão, nem ser remunerado pela partici-
X – atuar, como procurador ou intermediário, junto a reparti- pação em mais de 01 (um) órgão de deliberação coletiva.
ções públicas, salvo quando se trata de benefícios previdenciários ● Artigo com redação dada pela Lei Estadual nº 5.308, de
ou assistenciais de parentes até o segundo grau e de cônjuge ou 19/12/91.
companheiro; Redação anterior: “Art. 121. O servidor não poderá exercer
XI – receber propina, comissão, presente ou vantagem de mais de um cargo em comissão, nem ser remunerado pela partici-
qualquer espécie, em razão de suas atribuições; pação em órgão de deliberação coletiva”.
XII – aceitar comissão, emprego ou pensão de estado estran- ● Vide Decreto Estadual nº 36.503, de 24/04/95.
geiro; Art. 122. O servidor vinculado ao regime desta lei, que acu-
XIII – praticar usura sob qualquer de suas formas; mular licitamente 02 (dois) cargos efetivos, ficará afastado de am-
XIV – proceder de forma desidiosa; bos os cargos efetivos, quando investido em cargo de provimento
XV – utilizar pessoal ou recursos materiais da repartição em em comissão.
serviço ou atividades particulares;
XVI – cometer a outro servidor atribuições estranha ao cargo
que ocupa, exceto em situações de emergência e transitória;

58
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
CAPÍTULO IV II – abandono de cargo;
DAS RESPONSABILIDADES III – inassiduidade habitual;
IV – improbidade administrativa;
Art. 123. O servidor responde civil, penal e administrativa- V – incontinência pública e conduta escandalosa na reparti-
mente pelo exercício irregular de suas atribuições. ção;
Art. 124. A responsabilidade civil decorre de ato omisso ou VI – insubordinação grave em serviço;
comissivo, doloso ou culposo, que resulta em prejuízo ao erário VII – ofensa física, em serviço, a servidor ou a particular, salvo
ou a terceiros. em legítima defesa própria ou de outrem;
§ 1º A indenização de prejuízo dolosamente causado ao erá- VIII – aplicação irregular de dinheiros públicos;
rio somente será liquidada na forma prevista no art. 51, na falta IX – revelação de segredo do qual se tomou ciência em razão
de outros bens que assegurem a execução do débito pela via ju- do cargo;
dicial. X – lesão aos cofres públicos e dilapidação do patrimônio es-
§ 2º Tratando-se de danos causados a terceiros, responderá o tadual;
servidor perante à Fazenda Pública, em ação regressiva. XI – corrupção;
§ 3º A obrigação de reparar o dano estende-se aos sucesso- XII – acumulação ilegal de cargos, empregos ou funções pú-
res e contra eles será executada, até o limite do valor da herança blicas;
recebida. XIII – transgressão dos incisos VIII a XV do art. 119.
Art. 125. A responsabilidade penal abrange os crimes e con- Art. 135. Verificada em processo disciplinar acumulação proi-
travenções imputadas ao servidor, nessa qualidade. bida e provada a boa-fé, o servidor optará por um dos cargos.
Art. 126. A responsabilidade civil administrativa resulta de § 1º Provada a má-fé, perderá também o cargo que exerce
ato omissivo ou comissivo praticado no desempenho do cargo ou há mais tempo e restituirá o que tiver percebido indevidamente.
função. § 2º Na hipótese do parágrafo anterior, sendo um dos cargos,
Art. 127. As sanções civis, penais e administrativas poderão emprego ou função exercido em outro órgão ou entidade, a de-
cumular-se, sendo independentes entre si. missão lhe será comunicada.
Art. 128. A responsabilidade administrativa do servidor será Art. 136. Será cassada a aposentadoria ou disponibilidade do
afastada no caso de absolvição criminal que negue a existência do inativo que houver praticado, na atividade, falta punível com a
fato ou sua autoria. demissão.
Art. 129. São penalidades disciplinares: Art. 137. A destituição de cargo em comissão exercido por
I – advertência; não ocupante de cargo efetivo será aplicada nos casos de infração
II – suspensão; sujeita às penalidades de suspensão e de demissão.
III – demissão; Art. 138. A demissão ou a destituição de cargo em comissão,
IV – cassação de aposentadoria ou disponibilidade; nos casos dos incisos IV, VIII, X e XI do art. 134, implica a indispo-
V – destituição de função comissionada. nibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, sem prejuízo da
Art. 130. Na aplicação das penalidades serão consideradas a ação penal cabível.
natureza e a gravidade da infração cometida, os danos que dela Art. 139. A demissão ou a destituição de cargo em comissão
provierem para o serviço público, as circunstâncias agravantes ou por infringência do art. 119, incisos VIII e X, incompatibiliza o ex-
atenuantes e os antecedentes funcionais. -servidor para nova investidura em cargo público estadual, pelo
Art. 131. A advertência será aplicada por escrito, nos casos de prazo de 05 (cinco) anos.
violação de proibição constante do art. 119, incisos I a VIII, e de Parágrafo Único. Não poderá retornar ao serviço público es-
inobservância de dever funcional previsto em lei, regulamenta- tadual o servidor que for demitido ou destituído do cargo em co-
ção ou norma interna, que não justifique imposição de penalidade missão por infringência ao art. 134, incisos I, IV, VIII, X e XI.
mais grave. Art. 140. Configura abandono de cargo a ausência intencional
Art. 132. A suspensão será aplicada em caso de reincidência do servidor ao serviço por mais de 15 (quinze) dias consecutivos.
nas faltas punidas com advertência e de violação das demais proi- ● Artigo com a redação dada pela Lei Estadual nº 5.878, de
bições que não tipifiquem infração sujeita a penalidade de demis- 22/11/1996.
são, não podendo exceder de 90 (noventa) dias. ● Redação anterior: “Art. 140. Configura abandono de cargo a
§ 1º Será punido com suspensão de até 15 (quinze) dias o ser- ausência intencional do servidor ao serviço por mais de 30 (trinta)
vidor que, injustificadamente, recusar-se a ser submetido a inspe- dias consecutivos”.
ção médica determinada pela autoridade competente, cessando Art. 141. Entende-se por inassiduidade habitual a falta ao ser-
os efeitos da penalidade uma vez cumprida a determinação. viço sem causa justificada, por 30 (trinta) dias, interpoladamente,
§ 2º Quando houver conveniência para o serviço, a penalida- durante o período de 12 (doze) meses.
de de suspensão poderá ser convertida em multa, na base de 50% ● Artigo com a redação dada pela Lei Estadual nº 5.878, de
(cinqüenta por cento) por dia de vencimento ou remuneração, fi- 22/11/1996.
cando o servidor obrigado a permanecer em serviço. ● Redação anterior: “Art. 141. Entende-se por inassiduidade
● Vide inciso III do art. 49 deste Regime. habitual a falta ao serviço, sem causa justificada por 60 (sessenta)
Art. 133. As penalidades de advertência e de suspensão terão dias, interpoladamente, durante o período de 12 (doze) meses”.
seus registros cancelados, após o decurso de 03 (três) e 05 (cinco) Art. 142. O ato de imposição de penalidade mencionará sem-
anos de efetivo exercício, respectivamente, se o servidor não hou- pre o fundamento legal e a causa da sanção disciplinar.
ver, nesse período, praticado nova infração disciplinar. Art. 143. As penalidades disciplinares serão aplicadas:
Parágrafo Único. O cancelamento da penalidade não surtirá I – pela autoridade competente para proceder ao provimento
efeitos retroativos. do cargo ocupado, ou que tiver concedido a aposentadoria ou or-
Art. 134. A demissão será aplicada nos seguintes casos: denado a disponibilidade;
I – crime contra a administração pública;

59
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
II – pelas autoridades administrativas de hierarquia imediata- Art. 152. Do ato determinativo da instauração da sindicância,
mente inferior àquela mencionadas no inciso anterior, quando se constará a designação dos membros da competente comissão,
tratar de suspensão superior a 30 (trinta) dias; nunca inferior a 03 (três), bem assim do respectivo presidente,
III – pelo chefe da repartição de outras autoridades na forma além da descrição sucinta do fato a ser apurado.
dos respectivos regimentos ou regulamentos, nos casos de adver- Parágrafo Único. Tratando-se de sindicância sigilosa, fica dis-
tência ou de suspensão de ate 30 (trinta) dias. pensada a publicação da portaria que a determinar.
Art. 144. A ação disciplinar prescreverá: Art. 153. Na realização da sindicância observar-se-á o seguin-
I – em 05 (cinco) anos, quanto às infrações puníveis com de- te procedimento:
missão, cassação de aposentadoria ou disponibilidade e destitui- I – instalação da comissão;
ção de cargo em comissão; II – inquirição do autor da representação, havendo, e das tes-
II – em 02 (dois) anos, quanto à suspensão; temunhas do fato;
III – em 180 (cento e oitenta) dias, quanto à advertência. III – exame dos documentos que possam esclarecer a infor-
§ 1º O prazo de prescrição começa a correr da data em que o mação;
fato se tomou conhecimento.
IV – ouvida do indiciado;
§ 2º Os prazos de prescrição previstos na lei penal aplicam-se
V – assinação de prazo de 05 (cinco) dias ao indiciado para
às infrações disciplinares capituladas também como crime.
arrolar testemunhas e apresentar provas documentais;
§ 3º A abertura de sindicância ou a instauração de processo
VI – oferecimento de relatório circunstanciado e conclusivo à
disciplinar interrompe a prescrição, até a decisão final proferida
por autoridade competente. autoridade responsável pela instauração da sindicância.
§ 4º Interrompido o curso da prescrição, o prazo começará a Art. 154. Instaurada a sindicância e indiciado o servidor cha-
correr a partir do dia em que cessar a interrupção. mado a acompanhar o procedimento, mediante notificação pes-
soal.
TÍTULO V § 1º Estando o indiciado em lugar incerto e não sabido a con-
DA AÇÃO DISCIPLINAR vocação será feita pelo Diário Oficial do Estado.
§ 2º Não atendida a convocação, a comissão designar-lhe-á
Art. 145. A autoridade que tiver ciência de irregularidade no defensor.
serviço público é obrigada a promover a sua apuração imediata, Art. 155. Em qualquer fase da sindicância poderá o colegiado
mediante sindicância ou processo administrativo disciplinar, asse- apurador, havendo necessidade, promover as diligências e perí-
gurada ao acusado ampla defesa. cias indispensáveis à elucidação da ocorrência.
Art. 146. As denúncias sobre irregularidades serão objeto de Parágrafo Único. É admitida a argüição de suspeição, inclusi-
apuração, desde que contenham a identificação do denunciante ve de peritos, mediante petição fundamentada do indiciado.
e sejam formuladas por escrito ou ainda reduzidas a termo, se Art. 156. A sindicância será concluída em 30 (trinta) dias im-
oferecidas verbalmente. prorrogáveis.
Parágrafo Único. No caso de redução a termo, deverá este ser Art. 157. Da sindicância poderá resultar:
firmado pelo representante e pela autoridade perante a qual for a I – arquivamento do processo;
representação oferecida. II – aplicação de penalidade e advertência, ou a suspensão
Art. 147. Quando o fato narrado não configurar evidente in- até 30 (trinta) dias;
fração disciplinar ou ilícito penal, a denúncia será arquivada por III – instauração de processo disciplinar.
falta de objeto.
Art. 148. Nos casos passíveis de aplicação das penas de adver- CAPÍTULO III
tência, censura ou suspensão, quando confessada a falta, docu- DO PROCESSO DISCIPLINAR
mentalmente provada ou manifestamente evidente, a infringên-
cia da sanção, a critério da autoridade competente, independerá
Art. 158. O processo disciplinar é o instrumento destinado
de previa sindicância ou inquérito administrativo.
a apurar responsabilidade de servidor por infração praticada no
Art. 149. Tratando-se de irregularidade punível com suspen-
exercício de suas atribuições, ou que tenha relação com as atri-
são por mais de 30 (trinta) dias, demissão, destituição de função
ou cassação de aposentadoria e disponibilidade, dispensar-se-á buições do cargo em que se encontre investido.
a cautela da investigação sindicante como medida preliminar ao Art. 159. O processo disciplinar será conduzido por comissão
processo administrativo disciplinar, sempre que não pairar qual- composta de 03 (três) servidores estáveis, designado pela auto-
quer dúvida sobre a identidade do infrator. ridade competente, que indicará, dentre eles, o seu presidente.
§ 1º A comissão terá como secretário servidor designado por
SEÇÃO II seu presidente, podendo a indicação recair em um de seus mem-
DA SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA bros.
§ 2º Não poderá participar da comissão de sindicância ou de
Art. 150. Será procedida a instauração de sindicância admi- inquérito cônjuge ou companheiro do denunciado ou parente
nistrativa, na esfera do serviço público estadual, sempre que, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro
havendo notícia de ato ou fato que represente irregularidade de grau.
certa ou ponderável gravidade, inexista certeza ou forte probabi- Art. 160. A comissão exercerá suas atividades com indepen-
lidade de sua ocorrência ou não haja segurança quanto à autoria. dência e imparcialidade, assegurando o sigilo necessário à eluci-
Parágrafo Único. A sindicância poderá ser realizada em cará- dação do fato ou exigido pelo interesse da administração.
ter sigiloso, a critério da autoridade que determinar sua abertura. Art. 161. O processo disciplinar compreenderá as fases, a sa-
Art. 151. É competente para determinar a abertura de sindi- ber:
cância administrativa, sem prejuízo da faculdade que para tal fica I – instauração, com publicação do ato que constituir a co-
aos seus superiores hierárquicos conferida, o Chefe do estabele- missão;
cimento de ensino ou órgão onde a irregularidade se registrar.

60
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
II – inquérito administrativo, que compreende instrução, de- § 2º O procurador do acusado poderá assistir ao interroga-
fesa e relatório final e conclusivo; tório, bem como à inquirição das testemunhas, facultando-se-lhe
III – julgamento. reinquiri-las, por intermédio do presidente da comissão, sendo-
Art. 162. O prazo para a conclusão do processo administrativo -lhe vedada, porém, interferência nas perguntas e respostas.
disciplinar não excederá 60 (sessenta) dias, contados da data da Art. 170. Quando houver dúvida sobre a sanidade metal do
publicação do ato da instalação do trabalho da comissão, admiti- acusado a comissão proporá à autoridade competente que ele
da a sua prorrogação por igual prazo, quando as circunstâncias o seja submetido a exame por junta médica oficial da qual participe
exigirem. pelo menos um médico psiquiatra.
§ 1º Sempre que necessário a comissão dedicará tempo in- Parágrafo Único. O incidente de sanidade mental será pro-
tegral aos seus trabalhos, ficando seus membros dispensados do cessado em auto apartado e apenso ao processo principal, após a
ponto, até a entrega do relatório final. expedição do laudo pericial.
§ 2º As reuniões da comissão serão registradas em atas que Art. 171. O servidor será indiciado com a especificação dos fa-
deverão detalhar todos os fatos ocorridos e deliberações adota- tos a ele imputados e das respectivas provas, bem como indicação
das. do ilícito por que indiciado.
§ 1º Instaurado o processo, o indiciado será citado, por man-
SEÇÃO I dado expedido pelo presidente da comissão, para apresentar de-
DO INQUÉRITO fesa escrita no prazo de 10 (dez) dias, assegurandose-lhe vistas do
processo da repartição.
Art. 163. O inquérito administrativo obedecerá ao princípio § 2º Havendo dois ou mais indiciados, o prazo será de 20 (vin-
do contraditório, assegurada ao acusado ampla defesa, com a uti- te) dias.
lização dos meios e recursos admitidos em direito. § 3º O prazo de defesa poderá ser prorrogado pelo dobro,
Art. 164. Os autos da sindicância integrarão o processo disci- para diligências reputadas indispensáveis.
plinar, como peça informativa da instrução. § 4º No caso de recusa do indiciado em apor o ciente na cópia
Parágrafo Único. Na hipótese de o relatório da sindicância da citação, o prazo para defesa contar-se-á da data declarada em
concluir que a infração está capitulada como ilícito penal, a au- termo próprio, pelo membro da comissão que fez a citação, com
toridade competente encaminhará cópia dos autos ao Ministério assinatura de 02 (duas) testemunhas.
Público, independentemente da imediata instauração do proces- Art. 172. O indiciado que mudar de residência fica obrigado a
so disciplinar. comunicar à comissão o lugar onde poderá ser encontrado.
Art. 165. Na fase do inquérito a comissão promoverá a to- Art. 173. Achando-se o indiciado em lugar incerto e não sabi-
mada de depoimentos e promoverá acareações, investigações e do, será citado por edital, publicado no Diário Oficial do Estado e
diligências cabíveis, objetivando a coleta de prova, recorrendo, em jornal de grande circulação na localidade do último domicílio
quando necessário, a técnica e peritos, de modo a permitir a com- conhecido, para apresentar defesa.
pleta elucidação dos fatos. Parágrafo Único. Na hipótese desse artigo, o prazo para a
Art. 166. É assegurado ao servidor o direito de acompanhar o defesa será de 15 (quinze) dias, a partir da última publicação do
processo pessoalmente ou por intermédio de procurador, arrolar edital.
e reinquirir testemunhas, produzir provas e contraprovas e ainda Art. 174. Considerar-se-á revel o indiciado que, regularmente
formular quesitos, quando se tratar de prova pericial. citado, não apresentar defesa no prazo legal.
§ 1º O presidente da comissão poderá denegar pedidos consi- § 1º A revelia será declarada, por termo, nos autos do proces-
derados impertinentes, meramente protelatórios, ou de nenhum so e devolverá o prazo para a defesa.
interesse para o esclarecimento dos fatos. § 2º A autoridade instauradora do processo designará, como
§ 2º Será indeferido o pedido de prova pericial, quando a defensor dativo, sendo ocupante de cargo de nível igual ou supe-
comprovação do fato independer de conhecimento especial de rior ao do indiciado.
perito. ● A redação do §2º é obscura por não indicar quem seria o
Art. 167. As testemunhas serão intimadas a depor mediante defensor dativo. Devendo ser entendido que seja o servidor ocu-
mandado expedido pelo presidente da comissão, devendo a se- pante de cargo de nível igual ou superior ao do indiciado.
gunda via, com o ciente do interessado, ser anexado aos autos. Art. 175. Apreciada a defesa, a comissão elaborará relatório
Parágrafo Único. Se a testemunha for o servidor público, a minucioso onde resumirá as peças principais dos autos e mencio-
expedição do mandado será imediatamente comunicada ao chefe nará as provas em que se baseou para formar a sua convicção.
da repartição onde serve, com a indicação do dia e hora marcados § 1º O relatório será sempre conclusivo quanto à inocência ou
para a inquirição. a responsabilidade do servidor.
Art. 168. O depoimento será prestado oralmente e reduzido a § 2º Reconhecida a responsabilidade do servidor, a comissão
termo, não sendo lícito à testemunha trazê-lo por escrito. indicará o dispositivo legal ou regulamentar transgredido, bem
§ 1º As testemunhas serão inquiridas separadamente. como as circunstâncias agravantes ou atenuantes.
§ 2º Na hipótese de depoimentos contraditórios ou que se Art. 176. O processo disciplinar, com relatório final da comis-
infirmem, proceder-se-á a acareação entre os depoentes. são, será remetido à autoridade que determinou a sua instaura-
Art. 169. Concluída a inquirição das testemunhas, a comissão ção, para julgamento.
promoverá o interrogatório do acusado, observados os procedi-
mentos previstos nos arts. 167 e 168.
§ 1º No caso de mais de um acusado, cada um deles será ou-
vido separadamente, e, sempre que divergirem em suas declara-
ções sobre fatos ou circunstâncias, será promovida a acareação
entre eles.

61
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
SEÇÃO II § 2º Na petição inicial, o requerente pedirá dia e hora para
DO JULGAMENTO a produção de provas e inquirição das testemunhas que arrolar.
§ 3º No caso de incapacidade mental do servidor a revisão
Art. 177. O julgamento será procedido pela autoridade que será requerida por seu curador.
determinou a instauração do processo, dentro do prazo de 20 Art. 185. No processo revisional o ônus da prova cabe ao re-
(vinte) dias, contados do recebimento dos autos com relatório fi- querente.
nal da comissão processante. Art. 186. A simples alegação de injustiça da penalidade não
§ 1º Se a penalidade a ser aplicada exceder a alçada da auto- constitui fundamento para a revisão.
ridade instauradora do processo, será este encaminhado à autori- Art. 187. O requerimento da revisão de processo será dirigido
dade competente, que decidirá em igual prazo. ao Secretário de Estado ou autoridade equivalente e apenas será
§ 2º Havendo mais de um indiciado e diversidade de sanções, conhecido quando compreender a indicação de elementos não
o julgamento caberá à autoridade competente para a imposição apreciados no feito original e suscetíveis de determinar a reforma
de pena mais grave. da decisão atacada.
§ 3º Se a penalidade prevista for a demissão ou a cassação de § 1º Autorizada a revisão, será o pedido encaminhado ao di-
aposentadoria ou disponibilidade, o julgamento caberá às autori- rigente do órgão ou entidade onde se originou o processo disci-
dades de que trata o inciso I do art. 143. plinar.
Art. 178. O julgamento louvar-se-á no relatório da comissão, § 2º Deferida a petição, a autoridade competente providen-
salvo quando o contrário às provas dos autos. ciará a constituição de comissão, na forma do art. 159.
Parágrafo Único. Quando o relatório da comissão contrariar Art. 188. A revisão correrá em apenso ao processo originário.
as provas dos autos, a autoridade julgadora poderá, motivada- Art. 189. A comissão revisora terá 60 (sessenta) dias para a
mente, agravar a penalidade proposta, abranda-la ou isentar o conclusão dos trabalhos.
servidor de responsabilidade. Art. 190. Aplicam-se aos trabalhos da comissão revisora, no
Art. 179. Verificada a existência de vício insanável a autorida- que couber, as normas e procedimentos próprios da comissão do
de julgadora declarará a nulidade ocorrente e ordenará a recons- processo disciplinar.
tituição total ou parcial do processo conforme o caso. Art. 191. O julgamento caberá à autoridade que aplicou a pe-
§ 1º Na hipótese de invalidez total, reconstituição será proce- nalidade.
dida por nova comissão processante. Parágrafo Único. O prazo para julgamento para 20 (vinte)
§ 2º O julgamento fora do prazo legal não implica nulidade dias, contados do recebimento do processo, no curso do qual a
do processo. autoridade julgadora poderá determinar diligências.
§ 3º A autoridade julgadora que der causa à prescrição de que Art. 192. Julgada procedente a revisão, será declarada sem
trata o art. 144, § 2º, será responsabilizada na forma do Capítulo efeito a penalidade aplicada, restabelecendo-se todos os direitos
IV, do Título IV. do servidor, exceto em relação à destituição de cargo em comis-
Art. 180. Extinta a punibilidade pela prescrição, a autoridade são, que será convertida em exoneração.
julgadora determinará o registro do fato nos assentamentos indi- Parágrafo Único. Da revisão do processo não poderá resultar
viduais do servidor. agravamento de penalidade.
Art. 181. Quando a infração tiver capitulada como crime, o
processo disciplinar será remetido ao Ministério Público, para a CAPÍTULO II
instauração da ação penal, ficando transladado na repartição. DO AFASTAMENTO PREVENTIVO
Art. 182. O servidor que responder a processo disciplinar só
poderá ser exonerado a pedido, ou aposentado voluntariamente, Art. 193. Como medida cautelar e a fim de que o servidor
após a conclusão do processo e cumprimento da penalidade, caso não venha a influir na apuração da irregularidade motivadora do
aplicada, sem o que será a exoneração convertida em demissão. processo disciplinar poderá a autoridade determinar o seu afasta-
Art. 183. Serão assegurados transporte e diárias: mento do exercício do cargo, pelo prazo de até 60 (sessenta) dias,
I – ao servidor convocado para prestar depoimento fora da sem prejuízo da remuneração.
sede de sua repartição, na condição de testemunha, denunciado Parágrafo Único. O afastamento poderá ser prorrogado, por
ou indiciado; igual prazo, findo o qual cessarão os seus efeitos, ainda que não
II – aos membros da comissão e ao secretário, quando obri- concluído o processo.
gados a se deslocarem da sede dos trabalhos para a realização de
missão essencial ao esclarecimento dos fatos. TÍTULO VI
DA SEGURIDADE SOCIAL DO SERVIDOR

CAPÍTULO I
SEÇÃO III DISPOSIÇÕES GERAIS
DA REVISÃO DO PROCESSO
Vide art. 29 da EC 19/98.
Art. 184. O processo disciplinar poderá ser revisto, a qualquer Art. 194. O Estado manterá Plano de Seguridade Social para
tempo, a pedido ou de ofício, quando se aduzirem fatos novos ou os seus servidores e suas famílias.
circunstanciais suscetíveis de justificar a inocência do punido ou Art. 195. O Plano de Seguridade Social visa a dar cobertura
inadequação da penalidade aplicada. aos riscos a que estão sujeitos o servidor e sua família, e com-
§ 1º Em caso de falecimento, ausência ou desaparecimento preende um conjunto de benefícios e ações que atendam às se-
do servidor, qualquer pessoa da família poderá requerer a revisão guintes finalidades:
do processo.

62
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
I - garantir meios de subsistência nos eventos de doença, in- duzido pela EC 20/98, que veda a percepção simultânea de pro-
validez, velhice, acidente em serviço, inatividade, falecimento e ventos de aposentadoria com a remuneração de cargo, emprego
reclusão; ou função pública, ressalvadas as exceções (vide nota do art. 120
II - pensão por morte do segurado homem ou mulher, do côn- deste Regime); §§ 2º e 11 do art. 40 da CF/88, com redação dada
juge ou companheiro e dependentes; pela EC 20/98; e § 6º do art. 40 da CF/88, com redação dada pela
● Vide § 7.º do Art. 40 da CF/88, com redação dada pela EC EC 20/98, concernente a acumulação de aposentadorias.
20/98. ● Aos servidores ocupantes, exclusivamente, de cargo em co-
III - assistência financeira, habitacional, médica, hospitalar, missão declarado em lei, de livre nomeação e exoneração, cargo
farmacêutica e odontológica; temporário ou emprego público, aplica-se o Regime Geral de Pre-
IV - auxílio à manutenção dos dependentes de segurados de vidência Social (§ 13 do art. 40 da CF/88, com redação dada pela
baixa renda. EC 20/98).
Parágrafo único. Os benefícios serão concedidos nos termos ● São assegurados os direitos adquiridos pelos servidores pú-
e condições definidos em regulamento, observadas as disposições blicos, bem como aos seus dependentes (Art. 3.º , caput e §§ 2.º
desta lei. e 3.º da EC 20/98).
Art. 196. Os benefícios do Plano de Seguridade Social do ser- ● Vide § 1.º do Art. 3.º da EC 20/98, que assegura a isenção
vidor compreendem: de contribuição para o servidor que tenha cumprido os requisitos
I - quanto ao servidor: para aposentadoria integral, conforme os critérios vigentes até
a) aposentadoria; 16.12.98 e tenham optado por permanecer em atividade.
b) salário-família; ● O tempo de serviço para efeito de aposentadoria até
c) licença para tratamento de saúde; 16.12.98 será considerado como tempo de contribuição, exceto
d) licença à gestante, à adotante e licença paternidade; o fictício; como por exemplo: licença prêmio por assiduidade não
e) licença por acidente em serviço; gozada contado em dobro (Art. 4.º da EC 20/98).
f) assistência à saúde; ● Vide art. 8º da EC 20/98, que estabelece as regras de tran-
g) auxílio natalidade; sição aos servidores que tenham ingressado regularmente em
h) assistência financeira; cargo efetivo na Administração Pública direta, autárquica e fun-
i) assistência habitacional. dacional até 16.12.98.
● Ficam suspensas as concessões das alíneas “f”, “h” e “i”, Art. 199. O servidor será aposentado:
conforme a redação do art. 1º do Decreto Estadual nº 395/2001. I - por invalidez permanente, sendo os proventos integrais
II - quanto ao dependente: quando decorrente de acidente em serviço, moléstia profissional
a) auxílio-reclusão; ou doença grave, contagiosa ou incurável, especificada em lei, e
b) pensão vitalícia e temporária; proporcionais nos demais casos;
c) assistência à saúde; II - compulsoriamente, aos 70 (setenta) anos de idade, com
d) auxílio funeral. proventos proporcionais ao tempo de serviço;
● Ficam suspensas as concessões das alíneas “c” e “d”, con- ● A proporcionalidade indicada nos Incisos I e II, passou a ser
forme a redação do art. 1º do Decreto Estadual nº 395/2001. em relação ao tempo de contribuição e não mais em relação ao
§ 1º As aposentadorias serão concedidas e mantidas pelos tempo de serviço (Art. 40, § 1.º, I e II da CF/88, com redação dada
órgãos ou entidades aos quais se encontram vinculados os ser- pela EC 20/98).
vidores. III - voluntariamente:
§ 2º Os benefícios de que tratam as alíneas “f”, “g”, “h” e “i”, ● Passa a ser exigido, do servidor, 10 (dez) anos de efetivo
do inciso I, bem como as alíneas “b”, “c” e “d”, do inciso II, ambos exercício no serviço público e pelo menos 05 (cinco) anos no car-
deste artigo, serão assegurados pelo Instituto de Previdência e go efetivo em que se dará sua aposentadoria (Art. 40, §1.º, III da
Assistência dos Servidores do Estado de Alagoas – IPASEAL. CF/88, com redação dada pela EC 20/98).
§ 3º O recebimento indevido de benefícios havidos por frau- a) aos 35 (trinta e cinco) anos de serviço, se homem, e aos 30
de, dolo ou má-fé, implicará devolução ao erário do total auferido (trinta), se mulher, com proventos integrais;
sem prejuízo da ação penal cabível. ● Passa a ser de 60 (sessenta) anos de idade e 35 (trinta e
Art. 197. Serão ainda asseguradas ao servidor condições indi- cinco) de contribuição, se homem, e 55 (cinqüenta e cinco) anos
viduais e ambientais do trabalho satisfatórias. de idade e 30 (trinta) de contribuição, se mulher (Art. 40, § 1.º, III
Art. 198. É vedado o desconto de contribuição ao Instituto de da CF/88, com redação dada pela EC 20/98).
Previdência e Assistência dos Servidores do Estado de Alagoas – b) aos 30 (trinta) aos de efetivo exercício em função de ma-
IPASEAL – na remuneração atribuída pelo exercício de cargo em gistério, se professor, e 25 (vinte e cinco) se professora, com pro-
comissão. ventos integrais;
● O Art. 40, § 5º da CF/88, introduzido pela EC 20/98, põe fim
CAPÍTULO II a aposentadoria especial para o professor de ensino superior. Li-
DOS BENEFÍCIOS mita, portanto, a concessão da aposentadoria especial às funções
de magistério na educação infantil e nos ensinos fundamental e
SEÇÃO I médio, passando a exigir: 55 (cinqüenta e cinco) anos de idade e
DA APOSENTADORIA 30 (trinta) de contribuição, se homem, e 50 (cinqüenta) anos de
idade e 25 (vinte e cinco) anos de contribuição, se mulher.
Vide: Art. 7º da Lei Estadual nº 6.003, de 13.04.98; art. 2º da c) aos 30 (trinta) anos de serviço, se homem, e aos 25 (vinte
Lei Estadual nº 5.624, de 26.05.94; Decreto Estadual n.º 38.084, e cinco), se mulher, com proventos proporcionais a esse tempo;
de 19.07.99, que regulamenta os procedimentos para averbação ● Vide § 1.º do Art. 8.º da EC 20/98.
de tempo de serviço, aposentadorias e licença para capacitação
profissional; art. 29 da EC 19/98; § 10 do art. 37 da CF/88, intro-

63
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
d) aos 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se homem, e aos proventos calculados, com base na gratificação de função ou re-
60 (sessenta), se mulher, com proventos proporcionais ao tempo muneração do cargo em comissão da que, integrante da estrutura
de serviço. do Poder a que sirva, corresponder maior remuneração, sem pre-
● A proporcionalidade passa a ser com relação ao tempo de juízo das vantagens de natureza pessoal, desde que haja desem-
contribuição e não mais em relação ao tempo de serviço (Art. 40, penhado suas funções por pelo menos 01(um) ano.
§ 1.º, III, “b” da CF/88, com redação dada pela EC 20/98). § 2º VETADO.
§ 1º Consideram-se doenças graves, contagiosas ou incu- 3º REVOGADO.
ráveis, a que se refere o inciso I deste artigo, tuberculose ativa, ● § 3º revogado pela Lei Estadual nº 5.538, de 15/07/93.
alienação mental, esclerose múltipla, neoplasia maligna, ceguei- Redação Anterior: “§ 3º A aplicação do disposto no § 1º exclui
ra posterior ao ingresso no serviço público, que impossibilite o as vantagens previstas no Art. 199, § 3º, bem como a incorpora-
desempenho do exercício profissional, hanseníase, cardiopatia ção de que trata o art. 67, ressalvado o direito de opção”.
grave, doença de Parkinson, paralisia irreversível e incapacitante, § 4º Os prazos de que trata o § 1º serão reduzidos pela meta-
espondiloatrose anquilosante, nefropatia grave, estados avança- de, caso tenha o servidor prestado relevantes serviços ao Estado,
dos do mal de Paget (osteíte deformante), Síndrome da Imunode- conforme o declare ato expedido pelo Chefe de qualquer dos Po-
ficiência Adquirida – AIDS, e outras que a lei indicar, com base na deres do Estado.
medicina especializada. § 5º São estendidos aos inativos quaisquer benefícios ou van-
§ 2º Nos casos de exercício de atividades consideradas insa- tagens posteriormente concedidas aos servidores em atividade,
lubres ou perigosas, bem como nas hipóteses previstas no art. 76, inclusive quando decorrente de transformação ou reclassificação
a aposentadoria de que trata o inciso III, “a” e “c”, observará o do cargo ou função em que se deu a aposentadoria.
disposto em lei específica. Art. 203. O servidor aposentado com provento proporcional
§ 3º O servidor que contar tempo de serviço para aposenta- ao tempo de serviço, se acometido de qualquer das moléstias es-
doria com provento integral será aposentado: pecificadas no Art. 199, § 1º, passará a perceber provento inte-
I - com remuneração do padrão da classe imediatamente su- gral.
perior àquela, em que se encontra posicionado; ● Vide § 3º do art. 40 da CF/88, com redação dada pela EC
II - quando ocupante da última classe de carreira, com a re- 20/98.
muneração do padrão correspondente, acrescida da diferença en- Art. 204. Quando proporcional ao tempo de serviço, o pro-
tre esse e o padrão da classe imediatamente anterior; vento não será inferior a 1/3 (um terço) da remuneração da ati-
III - quando ocupante de cargo isolado com proventos au- vidade.
mentados em 10% (dez por cento). ● Vide § 3º do art. 40 da CF/88, com redação dada pela EC
● § 3º com redação dada pelo art. 1º, III da Lei Estadual nº 20/98.
5.308, de 19.12.91. Art. 205. Ao servidor aposentado será paga a gratificação na-
Redação anterior: “§ 3º O servidor que contar tempo de ser- talina, até o dia 20 (vinte) do mês de dezembro, em valor equiva-
viço para a aposentadoria com provento integral será aposentado lente ao respectivo provento, deduzido o adiantamento recebido.
com provento correspondente à remuneração da classe imediata- Art. 206. Ao ex-combatente que tenha, efetivamente, parti-
mente superior ou com provento aumentado em vinte por cento, cipado de operações bélicas, durante a Segunda Guerra Mundial,
quando ocupante da ultima classe ou ocupante de cargo isolado.” nos termos da Lei nº 5.315, de 12 de setembro de 1967, será con-
Art. 200. A aposentadoria compulsória será automática, e de- cedida aposentadoria com provento integral, aos 25 (vinte e cin-
clarada por ato, com vigência a partir do dia imediato àquele em co) anos de serviço efetivo.
que o servidor atingir e idade-limite de permanência por serviço Art. 207. Os inativos que se aposentaram com as vantagens
ativo. de cargo em comissão perceberão, automaticamente, os proven-
Art. 201. A aposentadoria voluntária ou por invalidez vigorará tos calculados sobre o cargo efetivo sempre que resultarem supe-
a partir da data da publicação do respectivo ato. riores aos calculados com base no cargo em comissão.
§ 1º A aposentadoria por invalidez será precedida de licença
para tratamento de saúde, por período não excedente a 24 (vinte SEÇÃO II
e quatro) meses. DO SALÁRIO-FAMÍLIA
§ 2º Expirado o período de licença e não estando em condi-
ções de reassumir o cargo ou de ser readaptado, o servidor será Art. 208. O salário-família é devido ao servidor ativo ou ao
aposentado. inativo, por dependente econômico.
§ 3º O lapso de tempo compreendido entre o término da li- Parágrafo Único. V E T A D O
cença e a publicação do ato de aposentadoria será considerado ● Vide art. 7.º, XII da CF/88, com redação dada pela EC 20/98,
como prorrogação da licença. que inclui a exigência de ser trabalhador de baixa redá, nos ter-
§ 4º Desde que permaneça inalterada a situação já constituí- mos da lei, para percepção de Salário-Família.
da, é facultado, ao servidor inativo, desaverbar, para que produza ● Até a edição de lei, somente os servidores, segurados e
efeitos noutra situação funcional, se for o caso, o período que seus dependentes que recebem até R$ 360,00 (trezentos e ses-
indicar, dia a dia, e que corresponda ao que exceder ao mínimo senta reais) de redá bruta mensal farão jus ao Salário-Família (Art.
exigível do tempo necessário à sua aposentadoria. 13 da EC 20/98).
Art. 202. O provento da aposentadoria será calculado com a Art. 209. Consideram-se dependentes econômicos, para efei-
observância do disposto no § 3º do Art. 46, e revisto na mesma to de percepção do salário-família:
data e proporção, sempre que se modificar a remuneração dos I - o cônjuge ou companheiro e os filhos, inclusive os entea-
servidores em atividade. dos até 21 (vinte e um) anos de idade ou, se estudante, até 24
● Vide §§ 4.º e 8.º da CF/88, com redação dada pela EC 20/98. (vinte e quatro) anos de idade ou, se inválido, de qualquer idade;
§ 1º O servidor que tiver exercido função de direção, che- II - o menor de 21 (vinte e um) anos que, mediante autoriza-
fia, assessoramento, assistência ou cargo em comissão, por 04 ção judicial, vive na companhia e às expensas do servidor, ou do
(quatro) anos consecutivo ou 08 (oito) anos alternados, terá os inativo;

64
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
III - a mãe e o pai sem economia própria. SEÇÃO
Art. 210. Não se configura a dependência econômica quando DA LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO
o beneficiário do salário-família perceber rendimento do trabalho
ou de qualquer outra fonte, inclusive pensão ou provento de apo- Art. 220. Será licenciado, com remuneração integral, o servi-
sentadoria, em valor igual ou superior ao salário mínimo. dor acidentado com serviço.
Art. 211. Quando o pai e mãe forem servidores públicos e vi- Art. 221. Configura acidente em serviço o dano físico ou men-
verem em comum, o salário-família será pago a um deles; quando tal sorrido pelo servidor, que se relacione, mediata ou imediata-
separados, será pago a um e outro, de acordo com a distribuição mente, com as atribuições do cargo exercido.
dos dependentes. Parágrafo Único. Equipara-se ao acidente em serviço o dano:
Parágrafo Único. Ao pai e à mãe equiparam-se o padrasto, I - decorrente da agressão sofrida e não provocada pelo servi-
madrasta e, na falta destes, os representantes legais dos incapa- dor no exercício do cargo;
zes. II - sofrido no percurso da residência para o trabalho e vice-
Art. 212. O salário-família não está sujeito a qualquer tributo, -versa.
nem servirá de base para qualquer contribuição, inclusive para a Art. 222. O servidor acidentado em serviço, desde que neces-
Previdência Social. site de tratamento especializado, poderá ser tratado em institui-
Art. 213. O afastamento do cargo efetivo, sem remuneração, ção privada, à conta de recursos públicos.
não acarreta a suspensão do pagamento do salário-família. Parágrafo Único. O tratamento recomendado por junta médi-
ca oficial constitui medida de exceção e somente será admissível
SEÇÃO III quando inexistirem meios e recursos adequados em instituição
DA LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE pública.
Art. 223. A prova do acidente será feita no prazo de 10 (dez)
Art. 214. Será concedida ao servidor licença para tratamento dias, prorrogável quando as circunstâncias o exigirem.
de saúde, a pedido ou de ofício, com base em perícia médica, sem
prejuízo da remuneração a que fizer jus. SEÇÃO VI
Art. 215. Para licença até 30 (trinta) dias, a inspeção será feita DO AUXÍLIO-RECLUSÃO
por médico do setor de assistência do órgão de pessoal e, se por
prazo superior, por junta médica oficial. Art. 224. À família do servidor ativo é devido o auxílio-reclu-
Parágrafo Único. Sempre que necessário, a inspeção médica são, nos seguintes valores:
será realizada na residência do servidor ou no estabelecimento I - 2/3 (dois terços) da remuneração, quando afastado por
hospitalar onde se encontrar internado. motivo de prisão, em flagrante ou preventiva, determinada pela
autoridade competente, enquanto perdurar a prisão;
SEÇÃO IV II - metade da remuneração, durante o afastamento, em vir-
DA LICENÇA À GESTANTE E À ADOTANTE E DA LICENÇA PA- tude de condenação, por sentença definitiva, a pena que não de-
TERNIDADE termine a perda do cargo.
§ 1º Nos casos previstos no inciso I deste artigo, o servidor
Art. 216. Será concedida à servidora gestante, por 120 (cento terá direito à indenização da remuneração, desde que absolvido.
e vinte) dias consecutivos, sem prejuízo da remuneração, a contar § 2º O pagamento do auxílio-reclusão cessará a partir do dia
da data do parto. imediato àquele em que o servidor for posto em liberdade, ainda
● Na construção da frase do art. 216 falta o termo “licença”, que condicional.
o que reduz sua clareza. Fica, portanto, a sugestão de que sua ● Vide art. 13 da EC 20/98.
leitura seja feita do seguinte modo: “Será concedida à servidora
gestante licença, por 120 (cento e vinte) dias...”. CAPÍTULO III
§ 1º A licença poderá ter início no primeiro dia do oitavo mês DO CUSTEIO
de gestação, salvo antecipação por prescrição médica.
§ 2º No caso de nascimento prematuro, a licença terá início Art. 225. A lei disporá sobre o custeio dos benefícios assegu-
a partir do parto. rados pelo Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores
§ 3º No caso do natimorto, decorridos 30 (trinta) dias do do Estado de Alagoas – IPASEAL.
evento, a servidora será submetida a exame médico, e, se julgada
apta, reassumirá o exercício. TÍTULO VII
§ 4º No caso de aborto, atestado por médico oficial, a servi-
dora terá direito a 30 (trinta) dias de repouso remunerado. CAPÍTULO ÚNICO
Art. 217. Pelo nascimento ou adoção de filhos, o servidor terá DA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTE-
direito à licença paternidade de 05 (cinco) dias consecutivos. RESSE PÚBLICO
Art. 218. Para amamentar o próprio filho, até a idade de 06 (VIDE LEI ESTADUAL Nº 6.018, DE 01.06.98, QUE DISPÕE
(seis) meses, a servidora lactante terá direito, durante a jornada SOBRE A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL
de trabalho, a 01 (uma) hora de descanso, que poderá ser parce- INTERESSE PÚBLICO E ART. 11, DA LEI ESTADUAL Nº 5.538,
lada em dois períodos de meia hora. DE 15.09.93.)
Art. 219. A servidora que adotar ou obtiver guarda judicial da
criança de idade inferior a 30 (trinta) dias, fará igualmente jus a Art. 226. Para atender a necessidade temporária de excep-
licença na forma do que dispõe o art. 216. cional interesse público, poderão ser efetuadas contratações de
pessoal, por tempo determinado, mediante contrato de locação
de serviços.

65
LEGISLAÇÃO ESTADUAL
Art. 227. Consideram-se como de necessidade temporária de Art. 231. Poderão ser instituídos, no âmbito dos Poderes Exe-
excepcional interesse público as contratações que visem a: cutivo, Legislativo e Judiciário, os seguintes incentivos funcionais,
I - combater surto epidêmico; atém daqueles já previstos nos respectivos planos de carreiras:
II - fazer recenseamento; I - prêmio pela apresentação de ideias, inventos ou trabalhos
III - atender a situação de calamidade pública; que favoreçam o aumento da produtividade a redução dos custos
IV – substituir professor ou admitir professor visitante, inclu- operacionais;
sive estrangeiro, em unidade d