Você está na página 1de 2

Universidade Cidade de São Paulo

Fernando Perpétuo Castanheira


CA: 21436723
Gestão Escolar 1000Horas - 12meses

Que relações podemos estabelecer entre o Projeto Político Pedagógico e a


Coordenação Pedagógica?

O Projeto Político Pedagógico previsto na legislação requer dos


educadores e da sociedade que se beneficia dos serviços prestados pela
escola uma visão crítica e transformadora. Como vimos anteriormente, a
proposta atual da educação e de cada unidade escolar, especialmente as da
rede pública, é de assumir a autoria por sua gestão, pensando em processos
de melhoria no ensino ofertado. Essa autoria, no entanto, não é de uma única
pessoa ou apenas da equipe diretiva, é de toda a comunidade escolar
comprometida com uma educação de qualidade e deve estar documentada
num Projeto Político-Pedagógico que represente os anseios de todos.
O coordenador é apenas um dos atores que compõem o coletivo da
escola. Para coordenar, direcionando suas ações para a transformação, estar
consciente de que seu trabalho não se dá isoladamente, mas nesse coletivo,
mediante a articulação dos diferentes atores escolares, no sentido da
construção de um projeto político-pedagógico transformador.
Esses elementos devem ser molas propulsoras do trabalho de uma
coordenação pedagógica interessada na melhoria da qualidade dos serviços
educacionais ofertados pela escola, e devem, por sua vez, ser o eixo em torno
do qual o Projeto Político-Pedagógico acontece. Assim, a ação dos
coordenadores não pode acontecer sem a intermediação de situações
concretas, em que possa ser expressa e percebidas. Esse coordenador que
vem sendo discutido – e temos acreditado como viável e integrador -, que está
envolvido na construção do projeto pedagógico e assume o currículo como
espaço de atuação, necessária e principalmente, tem o professor em parceria,
sendo mediador entre este e um projeto pedagógico mais amplo. Alguns
coordenadores, no que se refere ao acompanhamento pedagógico não têm
clareza de que tal projeto não é apenas uma responsabilidade de alguns dentro
da escola. Não levam em conta que também cabe a eles estimular e criar
situações para que se realizem debates amplos e definições sobre a estrutura
da escola, seu funcionamento e suas relações com a sociedade. Além disso,
não citam, entre suas responsabilidades a formação de professores, a
sensibilização para a importância de um projeto comum aos indivíduos que
circulam e/ou atuam no espaço escolar e um incentivo constante às práticas
inovadoras que ocorrem no interior da escola.
Contudo, o projeto político-pedagógico permite a democracia no interior
da escola, o exercício da cidadania e o encontro de parcerias no sentido de
garantir a todos os alunos a oportunidade de aprendizado, sendo este, o
sentido maior de um bom coordenador, não de uma gestão escolar baseada
em apenas atender os anseios de uma comunidade local apenas, pois o que
temos hoje nas escolas são processos de aprendizagem e desenvolvimento
complexos.