Você está na página 1de 5

Esta é a ficha do soldado João Lansillote, pai de Anne, nossa amiga carioca.

Os
dois estiveram conosco na Itália em 2010, para comemorações dos 65 anos da
participação da Força
Expedicionária Brasileira durante a
Segunda Guerra Mundial.

O texto é oficial e deve ter sido


transcrito pelos parentes do
querido veterano da FEB. Não
houve correção de qualquer
espécie. Para facilitar a leitura,
excluí os meses sem alterações e
editei a formatação dos
parágrafos.

CÓPIA AUTENTICA:-
MINISTÉRIO DA GUERRA – 1º
EXÉRCITO – 1ª DIVISÃO DE
INFANTARIA EXPEDICIONÁRIA –
COMPANHIA DE INTENDÊNCIA –
LIVRO DE ALTERAÇÕES

SOLDADO JOÃO LANSILLOTE

ANO DE 1944:-

JANEIRO:- a 18, foi transferido da 1ª Cia Int. Reg., tendo se apresentado na


mesma data, sendo incluído no estado efetivo desta Unidade.

MARÇO:- a 14, tomou o nº 66.

MAIO:- a 17, foi identificado sob o nº 1G-289.748.

SETEMBRO:- a 20, deslocou com o 2º escalão, com destino a além-mar.

NOVEMBRO:- a 28, o 2º Tenente Claudio Mendes da Silva, se expressou nos


seguintes termos: soldado nº 66, tudo fez para cumprir a contento a missão que
lhe foi afeta, atenta ao trato da viatura que lhe estava distribuída, proporcionado,
digo, proporcionando-lhe o máximo de assistência isto é confirmado pelo estado
de funcionamento e conservação em que a mesma se apresentou nas missões de
transporte de tropas; a 29, foi público ter se deslocado no dia 24 do corrente da
região de Pisa ( Staging Area), (Via S. Rossore), para Pistóia, acantonado na Via
Nazario Sauro nº 214.

ANO DE 1945:-

ABRIL:- a 11, foi público fazer jus a transcrição da nota de comando nº 10,
publicada no Bol. Int. nº 48 de 17-II-945, desta Unidade, que se segue: “V
EXÉRCITO – IV CORPO – 1º D. I. E. – ESTADO MAIOR – 1ª SEÇÃO – ITÁLIA,
15 de Fevereiro de 1945 – NOTA DE COMANDO Nº 10 – OS MOTORISTAS DA
F. E. B. – Diariamente, entre a extensa frente da Divisão Brasileira e os órgãos
provedores do Vº Exército, circulam pelas estradas nos dois sentidos, como o
sangue que as veias e artérias leva a vida ao organismo, os comboios que
transportam também os meios de vida e de combate para as unidades da F. E. B.
E no ruído desses veículos que rolam dia e noite adivinha-se a alma brasileira dos
homens que os conduzem ao destino certo, sejam boas ou más as condições do
tráfego, esteja clara ou nebulosa a visibilidade. – Bravos motoristas que mereceis
a nossa admiração, por certo o vosso olhar seguro transmite ao vosso volante a
vossa vontade, porque sabeis que a preciosa carga que conduzis é o alimento
para a nossa gente que combate, ou o carburante que aciona os motores, ou a
munição que levará a morte às fileiras inimigas. – O ruído que deixais em vossa
passagem, característico da força do carro que conduzis, esse ruído que vos
acompanha e que vos parece, bravos profissionais do volante, música
encantadora, qual o hino que a máquina entoa pela vitória do nosso Brasil sempre
lembrado, é bem o símbolo da vossa fortaleza de ânimo; ele não vos deixa distrair,
ele vos afasta do sono muitas vezes exigido pelo continuado e estafante labor, ele
vos acompanhará durante vossa permanência aqui, como vos não deixará
quando, longe da guerra, estiverdes a gozar a bendita paz, na abençoada Pátria
Nossa, na terra incomparável do Brasil. Bravos motoristas da F. E. B. ! Fizeste
jus, pela vossa constância e dedicação, à confiança dos vossos camaradas
chefes, e ao respeito dos vossos compatriotas. (a) GEN DIV JOÃO BATISTA
MASCARENHAS DE MORAIS - Comandante da 1ª D. I. E. – F. E. B.)”. A 17, com
o Mem. nº 72 S/A, de 17/IV/945, foi mandado apresentar ao Sr Major Adjunto do
S. I., em Pistóia, com a viatura G. M. C. de 2 ½ ton. nº 20. A 17, foi público a
seguinte referência elogiosa: A confirmação, digo, a continuação da ofensiva das
forças do IV Corpo de Exército, com a participação da 1ª D. I. E. e da 10ª Divisão
de Montanha, justaposta proporcionou as nossas armas, como aos nossos
vizinhos, uma série de magníficos triunfos, de 3 a 7 de março corrente, que
culminaram na conquista da cidade de Castelnuovo, merecendo a atuação de
todos os elementos uma honrosa apreciação do Exmo Sr Gen Cmt do IV Corpo,
que abaixo se transcreve:- “General Cmt. da 1ª D. I. E. e F. E. B. 1 – Vós e os
oficiais e praças sob o comando são, por esta elogiados pelo cumprimento das
várias missões no decorrer da operação ofensiva realizada a direita da zona do IV
Corpo de 3 a 7 de março de 1945. No fim da fase, a Divisão Brasileira, mais uma
vez estava nos objetivos que lhe haviam sido designados. 2 – A missão defensiva
do 1º R. I. reforçado sob o comando do General Zenóbio da Costa, estendendo-se
de Pizzo de Campiano até ponto 1053 garantiu a segurança do exposto flanco
esquerdo da operação. A agressiva sondagem para NE, bem dentro do território
inimigo resultou no desmantelamento de suas reservas que progrediam e na
captura de numerosos prisioneiros com a correspondente e valiosa identificação
de unidades em nossa frente. Cada patrulha ou golpe de mão tentados pelos
inimigos, foi ràpidamente rechaçado, sendo-lhe imposta perdas em homens e
material que ele não podia permitir. 3 – No front Norte o 6º R. I. e o 11º R. I.,
deslocaram-se agressivamente para limpar o terreno de cada bolsão de
resistência e numa explêndida coordenação com o ataque principal, avançaram
para o importante ponto forte de Castelnuovo, sobrepujando o inimigo naquela
elevação dominante. 4 – A Artilharia Divisionária sob o Comando do General
Cordeiro de Faria, bem como outras tropas de apoio desempenharam-se bem de
suas importantes missões e prestaram um auxílio relevante quando e onde era
necessário. 5 – Estou satisfeito com mais esta demonstração de espírito ofensivo
do pessoal da 1ª D. I. E. das Forças Expedicionárias Brasileiras. Cada oficial e
praça que tenha tomado parte nessas operações, deve se calorosamente
cumprimentado. (a) Willi D. Crittenberger, Major General U. S. Army Comandant.”
- É a segunda vez, no curto espaço de quinze dias que o Gen. Cmt do IV Corpo
distingue nossa Divisão com um juízo positivo sobre a sua participação nas
operações. É por isso mesmo com satisfação que dou conhecimento a todos os
componentes da F. E. B. das expressões contidas no documento enviado por
aqueles Chefes, aproveitando o ensejo para transmitir a 1ª D. I. E. a expressão
dos meus agradecimentos e as mais calorosas felicitações aos quadros, a tropa e
aos serviços em geral, pela fidelidade com que se desincumbiram das pesadas
tarefas que lhes tocaram, agindo com energia, coragem invulgar e perfeito
ascendente sobre o poderoso inimigo com que defrontaram-se. É justo entretanto
salientar os esforços daqueles que particularmente o merecem ser graduados e
mais ligados ao Cmt da Divisão. (Do B. I. nº 86, de 27-III-945, da 1ª D. I. E. A 18,
foi público ter se deslocado com a Cia. De Pistóia para Pamperso, na região de
Silla, dia 14-4-945.

MAIO:- A 29, o Sr Cmt da Cia., em referencia elogiosa assim se expressou: Desde


o início do meu Comando, ainda no Brasil, que venho observando a exemplar
conduta do Sd nº 66 – JOÃO LANSILLOTE, do 2º Pelotão de Viaturas. Motorista
de primeira classe, atencioso e dedicado ao serviço, relevante, tem sido sua
participação no esforço de guerra. Em qualquer serviço para o qual foi destacado
o Sd Lansillote sempre se desincumbiu de seus misteres com a elevação moral e
a nítida compreensão do dever, que só em possuir aqueles que estão imbuídos do
verdadeiro sentido da grandiosa missão da F. E. B. neste T. O. A sua viatura
rodou milhares de milhas, sob as dificuldades próprias da guerra numa região
acidentada, tendo sido notável a sua atividade, como motorista no decurso das
operações no Vale do rio Serchio e na campanha do Vale do rio Reno.
Congratulando-me com o seu Cmt de Pelotão, pela circunstância feliz de ter sob
seu comando um comandando tão valioso, cumpro também, nesta oportunidade,
o grato dever de louvar o Sd LANSILLOTE, pelo o seu excepcional devotamento
ao trabalho, disciplina consciente, excelente formação moral, pontualidade,
dedicação e boa vontade. A 30, o Sr Cmt da Cia. em referência elogiosa se
expressou: Hoje, examinado detidamente o que se passou durante a fase final
das operações da Divisão, nestes últimos dias de guerra, é que se pode apreciar
do quanto é capaz o nosso soldado, que imbuído de um grande espírito de
sacrifício e devotamento ao serviço, chega mesmo ao ponto de renunciar as
conseqüências a que possa vir a ser arrastado pelo estado de saúde abalado pelo
trabalho continuado, com o fito único e exclusivo da glória pelo dever cumprido.
No Pelotão de meu Comando pude observar que não se tornou necessário uma
só palavra de estímulo, para que no momento oportuno, movidos pelo acentuado
espírito de abnegação e sacrifícios, os homens tiveram seus esforços redobrados.
É, pois, com misto de orgulho e prazer que cumpro o dever de justiça de trazer a
público os meus agradecimentos e louvores ao Soldado Motorista JOÃO
LANSILLOTE.

JUNHO:- A 22, o Exmo Sr General João Batista Mascarenhas de Morais, Cmt do


1º Escalão as F. E. B., com referência a carta de 17-V-945, do Exmo Sr Gen Mack
W. Clark Cmt do 15º Grupo de Exército na Itália, palavras que exprimem
reconhecimento, elogiou-o nos seguintes termos: “A vitória sobre as tropas
alemães na Itália foi ganha por uma reunião de forças militares de origem tão
diversa, talvez como nenhum grupo de exército jamais o foi e significa acima de
tudo a devoção à liberdade e a convicção de um ideal justo são suficientes para
manter unidos os combatentes e os serviços de Suprimentos de diferentes países
e de diferentes idiomas e costumes. A F. E. B. teve uma parte importante na longa
Campanha agora felizmente terminada. O ataque para noroeste entre a 1ª Divisão
Blindada e a 92ª D. I. foi uma contribuição vital para a nossa vitória e a captura da
148ª D. I. Alemã, trouxe novo brilho para a glória das armas brasileiras. Depois a
Divisão continuou seu movimento para Oeste, em forte perseguição aos alemães.
Foi um privilégio ter a F. E. B. como parte do 15º Grupo de Exército. (Coletivo). –
(B. I. nº 161, de 13-VI-945, da 1ª D. I. E.)”
JULHO:- a 6, foi público ter se deslocado de Alessandria para a área de
estacionamento em Francolise, no dia 2 do corrente. A 12, foi público o seguinte:
Desligamento da 1ª D. I. E. – Em conseqüência do deslocamento da 1ª D. I. E. da
área de estacionamento de Alessandria para a de Francolise, fica nesta data
desligado do Vº Exército e o IV Corpo. Uso de Distintivos:- Estando já a 1ª D. I.
E. desligadas do 5º Exército e do IV Corpo, determino que todas as praças da F.
E. B. não mais poderão usar o distintivo daquela Unidade. No dia 1º de julho
somente o distintivo da F. E. B. deverá ser usado. No 27 de acordo com a parte
s/nº de 27-VII-945, do Sr Chefe do Destacamento de Saúde foi-lhe convir ficar
dispensado de instrução e serviço por 48 horas, para tratamento.

AGOSTO:- A 12, foi público ter seguido a 11-VIII-945, pelo navio “Mariposa”, com
destino ao Brasil, constituindo o 2º escalão desta Unidade.

SETEMBRO:- A 22, foi público em aditamento ao Boletim Interno nº 245, dessa


data, ter a 22-8-945, chegando, de regresso do Teatro de Operações da Itália, a
bordo do navio transporte “Mariposa”, no porto do Rio de Janeiro, Brasil,
desembarcando e deslocando-se para Realengo, onde acantonou. Na mesma
data, foi-lhe entregue a medalha de campanha, instituída pelo Decreto nº 16.821,
de 13-X-944, e a medalha comemorativa da F. E. B. na Campanha da Itália,
conferida pelo Exmo. Sr. General Cmt da 1ª D. I. E., conforme Boletim Interno nº
175, de 29-VI-945, como premio a quem mais se distinguiu no T. O. da Itália, pelas
qualidades de cumprimento do dever, ou de espírito de disciplina e que assim se
tornou merecedor dessa recompensa. A 29, ficou adido a Cia. da Polícia Militar
para fins de vencimentos e Vantagens e licenciamentos.

CONFERE COM O ORIGINAL:- Magalhães Bastos, Estado da Guanabara, 29 de


Setembro de 1970.......... WALTER DE AMORIM – 1º Ten. Resp. Aj-Sec