Você está na página 1de 22

A GESTALT

Profª Anne Brito


CRP 21ª/00393
Conceito
• psic teoria que considera os fenômenos
psicológicos como totalidades organizadas,
indivisíveis, articuladas, isto é, como
configurações.
• Gestalt é uma palavra de origem germânica,
com uma tradução aproximada de “forma” ou
“figura”.
• Gestalt, Gestaltismo ou Psicologia da Forma é
uma doutrina da psicologia baseada na ideia
da compreensão da totalidade para que haja
a percepção das partes.
História/ 1870
• Os pioneiros desta doutrina e formuladores
das Leis da Gestalt foram os psicólogos Kurt
Koffka, Wolfgang Köhler e Max Werteimer.
• o psicólogo austríaco Christian von Ehrenfels,
a percepção humana é formada a partir das
formas: as sensíveis (relativo ao objeto em si)
e as formais (os ideais e visões de mundo
particulares de cada indivíduo).
Leis/princípios
• As Leis Básicas da Gestalt são: Semelhança,
Proximidade, Continuidade, Pregnância,
Fechamento e Unidade.
Lei da Semelhança
• imagens similares tendem a se agruparem
entre si, de acordo com a percepção da mente
humana.
Lei da Proximidade
• elementos próximos tendem a se agrupar,
formando imagens únicas.
Lei da Pregnância (Lei da
Simplicidade)
• os elementos presentes em determinado
ambiente são vistos da forma mais simples
possível, isto para que haja a rápida
assimilação do ambiente ou do elemento.
Lei do Fechamento
• elementos que aparentam se completar são
interpretados como um objeto completo.
Curiosidades
• Gestalt-terapia foi criada por Fritz Perls, ainda
na década de 1950.
• a Gestalt ou terapia do contato, trabalha o
indivíduo como um todo e não apenas em
determinado problema psicoemocional
apresentado.
• O interessante desta terapia holística é o foco
em compreender como o presente afeta o
indivíduo e o que pode ser feito para mudar a
realidade, quando há um incômodo
emocional.
• Faz parte da abordagem da Gestalt enxergar a
pessoa como indivíduo em desenvolvimento,
um processo permanente que pode ser
influenciado – e alterado – pela maneira como
a qual cada um lida com a própria realidade.
• “Quando o individuo consegue integrar as
partes conhecidas e desconhecidas de si, bem
como o que ele aceita ou não dele mesmo, é
possível que ele chegue ao que ele realmente
é. Desta forma, a vida poderá fluir de maneira
menos complicada, mais saudável e com
maior consciência sobre si mesmo”, afirma
Castro.
• “Trata-se de uma proposta bem mais
humanística, que enxerga o homem de maneira
plena, na busca incessante pelo pleno
desenvolvimento de todas as suas
potencialidades”, afirma Castro.