Você está na página 1de 57

HELMINTOS

 Helmintos  Animais conhecidos como vermes, que constituem


um grupo numerosos de seres vivos, parasitas e vida livre.

 20% população humana parasitada.

 São endoparasitos, geralmente macroscópicos que se classificam


em dois grupos (Filos):

 Platelmintos  Vermes achatados

 Nematelmintos  Vermes cilíndricos.


Platyhelminthes

 São os representantes mais inferiores dos helmintos

 Achatados dorsoventralmente,
 sem tubo digestivo completo
 corpo dividido em segmentos (proglotes).
Platyhelmintos

1. Shcistosoma mansoni – Esquistossomose

2. Tenia sp - Teniase
Esquistossomose
Esquistossomose

 A. Etiológico  Shcistosoma mansoni No Brasil conhecida como Barriga


d'água, doença dos caramujos, moléstia de Pirajá da Silva e etc.
 Foram encontradas em múmias egípcias da XX dinastia (> 3.000 anos de
idade.
Schistosoma mansoni
Schistosoma mansoni
Transmissão

• A transmissão ocorre através do contado com a larva cercaria


após contato com água contaminada com o parasito
Shcistosoma sp.

• A larva penetra ativamente pela pele do homem (hospedeiro


definitivo), após liberar enzimas proteolíticas que degradam as
células da epiderme.
Ciclode
Ciclo deVida
Vida
Miracídio Cercária
Manifestações

 Dermatite cercariana inicialmente (penetração da cercária)

 Hepatoesplenomegalia (oclusão da veia porta hepática)

 Fibrose periportal

 Cirrose hepática

 Diarréia

 Hipertensão e reações tóxicas

 Anemia (consomem 2,5 mg de ferro/dia.)


Profilaxia
Profilaxia

 Saneamento básico
 Educação sanitária
 Tratamento dos doentes
 Combate ao molusco
Teníase e Cisticercose
Teníase e cisticercose

 Conhecida popularmente como “solitária”(Teníase) e “canjiquinha”


cisticercose.
 Agente etiológicos: Taenia sp.
 Altamente endêmico de populações rurais
Teníase e cisticercose
Principais cestodas
Transmissão

• A transmissão ocorre através do consumo de carne de animais


cru ou mal cozidas e por mal hábitos de higiene.
Ciclo biológico
Manifestações

• Teníase
 A maioria das pessoas são assintomáticas;
 Eosinofilia moderada
 Dor abdominal
 Diarreia

• Cisticercose
 Neurocisticercose.
 Oftalmocisticercose
Profilaxia

PROFILAXIA

Cozinhar bem carnes antes do consumo;

Educação sanitária

Lavar as mãos antes de tocar os alimentos

Tratamento das pessoas parasitadas

.
Nematelmintos

 São os representantes superiores dos helmintos;

 Corpo Cilíndricos liso, não segmentado;

 Tubo digestivo completo;

 Vida livre ou parasitas;


Nematelmintos

1. Ascaris lumbricoides – Ascaridíase

2. Ancilostoma duodenale/ Necator americanus –


Ancilostomose

3. Enterobius vermicuiaris – oxiuríase

4. Filariose Linfática-
Ascaridíase
ASCARIDÍASE  É o parasitismo desenvolvido no homem pelo Ascaris
lumbricoides.
Nome popular  Lombrigas ou bichas.
Prevalência  O Ascaris lumbricoides é encontrado em quase todos
os países do mundo, sendo a infecção mundial mais comum.
Transmissão

• A transmissão ocorre através do consumo de alimentos


contaminados com ovos do parasito, falta de higiene pessoal ou
ingerindo ovos acidentalmente.
Ciclo de Vida
Manifestações
 Reações alérgicas (neurotoxinas)
 Eosinofilia (Síndrome de Löffler)
 Tosse, febre e bruxismo
 Anemia
 Obstrução intestinal e bililar (parasitose maciça)
 Consomem grande quantidade de vitaminas (A e C), proteínas,
lipídeos, carboidratos levando desnutrição
 Dor abdominal e vômitos
 Diarréia
Profilaxia

PROFILAXIA

Melhoria das condições de saneamento básico

Construção de fossas sépticas

Educação sanitária

Lavar as mãos antes de tocar os alimentos

Tratamento das pessoas parasitadas

Proteção dos alimentos contra insetos.


ANCILOSTOMOSE
Ancilostomose

“A inteligência do amarelado atrofia-se e a triste figura, incapaz de ação,


incapaz de vontade, incapaz de progresso, torna-se escravo dos
vermes” (Monteiro Lobato, 1919, Urupês).
ANCILOSTOMOSE
• Ancilostomose É o parasitismo desenvolvido no homem pelos
parasitas Ancilostoma duodenale / Necator americanus.

• Nome popular  Amarelão


Ancilostomose
ANCILOSTOMOSE
Agente etiológico
Agente etiológico
Ancylostoma duodenale Necator americanus
(Velho mundo) (novo mundo)
Transmissão

• A transmissão ocorre através do contado com a larva filarióide.

• A larva penetra ativamente pela pele do homem (hospedeiro


definitivo), após liberar enzimas proteolíticas que degradam as
células da epiderme.
Ciclo biológico
Ciclo biológico
Manifestações
Manifestações
Diagnóstico

CLÍNICO Difícil de ser feito (maioria assintomática)

Laboratorial (Teníase)

 Pesquisa de proglotes - Tamização


 Parasitológico de fezes - Willis, Faust, Hoffmann
 Imunológico

Cisticercose

 Imunológico (soro, líquido cefalorraquidiano e humor aquoso – olho)


 Radiológico
 Exame anatomo-patológico
Larva migrans

Ag etiológico.
 Ancylostoma braziliense
 Ancylostoma caninum

Patogenia
 Larva migrans cutânea
 Larva migrans visceral
 Larva migrans ocular
Larva migrans
Larva migrans
Enterobius vermicuIaris
Enterobius vermicuIaris

 Também conhecida como oxiuríase.


 Existem diversas espécies, sendo a Enterobius vermicuIaris
exclusiva do homem.
 Fêmeas podem colocar de 5 a 16 mil ovos, ele é encontrado na cavidade

perianal, nas mulheres pode ser encontrado na vagina, útero e bexiga.


Formas de infecção
Transmissão

 Heteroinfecção quando ovos atingem novo hospedeiro


 indireta  ovos presentes na poeira ou alimentos atingem o mesmo
hospedeiro autoinfecção externa ou direta: levam os ovos da região
perianal a boca. E o principal mecanismo responsável pela cronicidade
dessa verminose;
 autoinfecção interna  processo raro no qual as larvas eclodem ainda
dentro do reto e depois migrariam até o ceco, transformando-se em vermes
adultos;
 Retroinfecção  as larvas eclodem na região perianal (externamente),
Manifestações

 Na maioria dos casos assintomático.

 Prurido anal noturno.

 Enterite catarral (muco nas fezes).

 Presença nos órgãos genitais femininos vaginite, ovarite e


salpingite.
Profilaxia
Profilaxia
 Tratamento de todas as pessoas parasitadas;

 Corte rente das unhas;

 Roupa de dormir e de cama não devem ser sacudidas e sim enroladas


e lavadas em água fervente.
Filariose Linfática
Filariose Linfática

• Filariose linfática É o parasitismo desenvolvido no homem


pelos parasitas Wuchereria bancrofti.

• Nome popular  Elefantiase

• VETOR : Culex quiquefasciatus

• O parasito infecta exclusivamente o ser humano.


Macho e fêmea adultos removidos Secção de adultos parasitas
de um vaso/gânglio linfático num vaso linfático
Transmissão

• A transmissão ocorre através da picada de mosquitos de espécie


Culex quiquefasciatus (transmissor por excelência), ou mosquitos
do gênero Anopheles sp..

• Após penetrar pelo sangue do hospedeiro, o parasito segue em


direção aos vasos e gânglios linfáticos..

Culex quiquefasciatus Anopheles sp


Ciclo biológico
Manifestações

• Adenites: Os linfonodos hipertrofiados tornam-se muito sensíveis


ou mesmo dolorosos e em torno das filárias que aí se encontram,
desenvolvendo granulomas com eosinófilos e histiócitos.

• Linfangites: Inflamação e dilatação dos vasos linfáticos formando


varizes

• Lesões genitais: Funiculite filariana (linfangite do cordão


espermático) e hidrocele (distensão e espessamento da túnica
vaginal)
Manifestações

• Linfoedema: acúmulo de linfa nos tecidos, devido


difulcudade circulatória

• Derrame linfático: cavidades serosas (pelura, peritôneo ou


túnica vaginal do testículo

• Outras complicações: derrame de líquido nas vias


urinárias (linfúria) ou mais ramente nos intestinos
(linforréia) e infecções secundárias
Profilaxia
Profilaxia

• Potencialmente erradiacável

• Sem reservatórios animais

• Controle de vetores:

inseticidas para mosquitos e larvas


controle biológico (peixes larvófagos, Bacillus)
telagem das coleções de água
drenagem águas pluviais e esgotos
telas domésticas e mosquiteiros (com piretróides)
OBRIGADO PELA
ATENÇÃO!!!
Prof. Bruno Ferreira