Você está na página 1de 1

RELATRIO SOBRE A TICA DE KANT

Este relatrio tem como tema a reflexo de Kant diante a tica. O filosofo prussiano do sculo XVIII Immanuel Kant, considerado por muitos o ltimo grande filsofo dos princpios da era moderna. Kant nos trs de volta ao debate do conceito tico, a importncia da razo, se contrapondo a moral do corao de Rousseau. Kant formula a distino entre razo pura terica ou especulativa e razo pura prtica, assim como a distino entre ao por causalidade ou necessidade e ao por finalidade ou liberdade, com o diferencial em um sistema de objetos que opera segundo leis necessrias de causa e efeito, independentes de nossa interveno. Kant diz que a razo prtica a liberdade como instaurao de normas e fins ticos. Se a razo prtica tem o poder para criar normas e fins morais, tem tambm o poder para imp-los a se mesmo. A Natureza o reino da necessidade, onde acontecimentos regidos por sequncias necessrias de causa e efeito, j no reino humano esta por finalidade e liberdade. O dever segundo Kant revela nossa verdadeira natureza, o dever uma forma que deve valer para toda e qualquer ao moral, uma lei moral interior, o ato moral aquele que se realiza como acordo entre a vontade e as leis universais que ela d a si mesmo.

CONCLUSO

Para Kant fica claro que a lei moral um imperativo categrico, que a lei moral ordena pura e simplesmente o respeito pelo dever, as aes boas devam ser executadas pelo seu valor de ser boa em si, e no por causas e efeitos de consequncias, onde o comprimento de deveres como de no mentir, seja uma obrigao absoluta.