Você está na página 1de 2

Nome: Gabriel Guimarães

Fichamento Teoria das RI


Prof: Ricardo Weber

Realismo e Interdependência Complexa


Robert Keohane e Joseph Nye

A interdependência complexa é uma teoria liberal e pluralista que veio a contrapor os ideais
realistas, principalmente no que diz respeito às políticas mundiais.Na análise de Keohane e
Nye, no cenário mundial houve uma mudança na hierarquia das necessidades, não sendo
mais prioridade as questões de cunho militar, embora não sejam menos importantes. O
texto procura mostrar que as necessidades econômicas cresceram e estas, na perspectiva
da interdependência complexa não devem ser, como dizem os realistas, classificadas como
“low politics”,mas sim ocupar o mesmo patamar que as questões de segurança nacional.
Na visão realista, três pontos são tidos como fundamentais, nos quais em primeiro lugar,
os estados sendo unidades coerentes devem ser os atores dominantes no cenário da
política mundial, em segundo, a força é para eles um instrumento político eficaz, embora
outros instrumentos possam ser usados a força continua sendo o mais efetivo, e em
terceiro, os realistas possuem uma hierarquia de suas necessidades, sendo as questões de
segurança militar as “High Politic” predominantes, e as que envolvem economia e
questões sociais ,as “low politics”, como sendo secundárias.
Assim como o realismo, a interdependência complexa, segundo o texto, possui 3 pontos
principais bem diferentes dos da concepção realista.Para os autores, diferente dos
tradicionalistas, os Estados não ocupam mais o papel de atores principais do cenário
mundial, segundo eles outros atores emergiram nesse quadro, dentre os quais podemos
citar as telecomunicações ,organizações internacionais e as transnacionais( bancos e
grandes corporações multinacionais) , eles agora participam do cenário mundial e criam
novas necessidades, as quais são tratadas isoladamente e sem respeitar a uma hierarquia, as
questões internas e externas começam a se confundir com a emergência desses novos
atores.As questões militares como já citado, deixam de ser prioridade na relação com
outros Estados, no entanto continuam importantes sobretudo no que diz respeito as
relações com blocos rivais.
A interdependência complexa favorece a cooperação entre os estados, principalmente
através das organizações mundiais que buscam estabilizar o cenário internacional, no
entanto essa estabilização não significa uma perda de poder mas sim uma mudança na
forma de se lidar com ele.Na interdependência, o poder continua presente ,mas não como
o poder bélico e sim como a habilidade de atingir objetivos através de outras formas que
não a guerra propriamente dita, nesse momento podemos citar mais uma vez as
transnacionais como sendo um meio de países conseguirem objetivos no cenário mundial
sem usar a força mas sim o poder, aumentando sua influência.
Na minha concepção, a visão de Keohane e Nye se adapta de maneira quase que perfeita a
realidade em que vivemos hoje, em um mundo globalizado com o atual não se pode
ignorar os novos atores no cenário internacional e a sua importância nas relações
econômicas e sócias no mundo inteiro.A visão realista se perde ao ignorar o fato de que os
estados hoje, são cada vez mais liberais e que com isso surgem novos atores na economia e
o lucro se torna o objetivo comum, enquanto a segurança militar continua importante no
entanto não ocupa mais o papel principal nos objetivo e nas políticas Estatais, em um
mundo cada vez mais interligado torna-se impossível a dedicação majoritária a um
objetivo principal, a diversificação de objetivos é portanto inevitável e necessária.