P. 1
ações da CRT

ações da CRT

|Views: 2.133|Likes:
Publicado porescritoriolb

More info:

Categories:Types, Business/Law
Published by: escritoriolb on Sep 12, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/19/2013

pdf

text

original

AÇÕES CRT As pessoas ao adquirirem telefones da antiga CRT firmaram contrato de participação financeira referente a direitos e ações que

lhe possibilitavam o uso de terminal telefônico, tornando-se desta forma, participante acionária da CRT. Naquela época, a única forma de alguém poder usufruir uma linha telefônica era tornando acionista da ré, pois à linha estavam vinculadas às ações, era inconcebível a existência de uma sem as outras. Entre os anos de 1986 e 1998, porém o prazo prescricional de 20 anos somente podem ser requeridos os direitos de linhas de 1990. Nesse período, era pago um valor pela aquisição da linha, que deveria ser convertido em ações. Calculado pelo valor integralizado (valor do contrato à vista) dividido pelo patrimonial da ação na data da integralização. Ocorre que, quando a CRT recebia o pagamento pela linha telefônica mencionada, não foi calculada a quantidade de ações pelo valor patrimonial das mesmas na data da integralização, ela espera meses, senão anos, após a integralização do valor para subscrever (entregar) as ações. Ressalta-se que as ações somente eram subscritas quando ocorria a majoração do valor da ação. Dessa forma, exemplo a parte investiu em 1990, Cr$ 411.120,00 tem direito a 90.754 ações, mas recebeu apenas 2.879 pois a requerida recebeu o valor da integralização e esperou até 30/06/1993 para subscrever as ações, sendo que neste lapso temporal as ações tiveram seu valor majorado de Cr$ 4,53 para Cr$ 5.678,422. Sendo, portanto, devida à complementação das referidas ações, na quantidade de 87.875. Outra lesão sofrida foi quando houve a Cisão da CRT, a qual deu origem à Celular CRT Participações S/A, vez que a parte requerente, pelos termos da própria Cisão, tem direito à igual número de ações da nova empresa, ou seja, 87.875. Tem direito também, aos dividendos e juros sobre capital próprio (que são rendimentos) pois não foram distribuídos e pagos no decorrer dos anos tanto na CRT fixa quanto na Celular CRT.

Neste caso, a pessoa receberá uma indenização de mais ou menos 175.000,00. Atualmente o STJ alterou significativamente seu entendimento sobre o valor patrimonial da ação que deve ser usado para o recalculo e pagamento das indenizações. Houve a criação de um chamado “balancete mensal” que diminuiu muito os valores das indenizações. Porém, menos assim, muitas pessoas ainda tem direito de buscar essa indenização na justiça. Caso, por exemplo dos contratos assinados nos anos de 1996,1997 e 1998. Além disso, para os contratos da modalidade “oferta pública” nada mudou, as pessoas continuam tendo direito à devolução do valor pago pela linha, pois nunca receberam as ações. Nesse caso, as pessoas pagaram R$1117,63 pela linha e nunca receberam as ações devidas tendo em vista o início da privatização da CRT. Essas pessoas receberam em suas residências cartas oferecendo a devolução do valor pago, assim quem aceitou a proposta na época nada tem a receber. Porém, quem não aceitou pode ainda hoje buscar esse valor investido corrigido monetariamente.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->