P. 1
Anatomia da flor

Anatomia da flor

|Views: 2.035|Likes:
Publicado porcomum

More info:

Published by: comum on Sep 22, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/26/2013

pdf

text

original

Faculdade de Saúde Ibituruna ² FASI Curso de Ciências Biológicas ² 4º Período Docente: Suerlani Moreira

Lívia Mariana Allanne Pillar Luma Veloso Anna Carolina Célio Lara Paola Ferreira

Introdução
A flor é uma estrutura de reprodução gerada pelo esporófito que compreende a reunião de órgãos férteis e inférteis.

Ciclo Biológico .

sépalas. apresentando apêndices especializados.Morfologia da flor A flor é um ramo altamente ramificado. estames e carpelo. pedicelo. Constitui-se de uma haste. receptáculo. pétalas. .

. O androceu compreende o conjunto de estames da flor que se diferencia em antera e filete.Morfologia da flor Apresenta três principais conjuntos de órgãos apendiculares: o perianto. o androceu e o gineceu.

gineceu unicarpelar. estilete e ovário.Morfologia da flor O gineceu é formado pelo estigma. . Pode ser formado por um único carpelo. ou por vários carpelos. gineceu pluricarpelar.

estas são recobertas por uma epiderme e são altamente vascularizados por vasos de pequeno porte.Morfologia da flor O perianto se diferencia em pétalas e sépala. .

.Esporogênese e Gametogênese Esporogênese é o processo pelo qual a planta produz esporos e a gametogênese é o processo pelo qual as plantas produzem gametas. Microesporogênese e Microgametogênese Estes processos são referentes à formação de esporos e gametas masculinos. No final destes processos será formado o microgametófito o grão de pólen. respectivamente. A microesporogênese é o processo que leva à formação do tubo polínico e a microgametogênese leva à formação dos núcleos espermáticos (microgametas).

.

respectivamente. .Megaesporogênese e Megagametogênese Estes processos são referentes à formação de esporos e gametas femininos.

.Fertilização ou fecundação É o processo que ocorre somente após a polinização e diz respeito à união dos gametas.

Brasil (ismoscheta@uem. Colombo.) MART.MORFO-ANATOMIA E ASPECTOS DA BIOLOGIA FLORAL DE Cabralea canjerana (VELL.(87020-900) Maringá. Paraná. (MELIACEAE) Ismar S. da Rosa Universidade Estadual de Maringá.br) . Departamento de Biologia Av. Luiz A. Káthia S. Moscheta. Mourão e Sônia M. de Souza. 5790 . M.

é uma árvore comum nesses remanescentes do Paraná e que pode atingir 30 metros de altura no interior da mata.) Mart.Cabralea canjerana (Vell. .. conhecida vulgarmente como canjerana ou pau-de-santo.

. A análise da estrutura floral foi feita em material coletado fresco ou fixado em FAA 50 ou FPA 5010.As coletas de flores em pré-antese e pós-antese e as observações de campo foram feitas no Horto Florestal de Maringá. em altitude média de 556 metros. Brasil. quando um de seus órgãos sexuais (ou todos) amadurece e o perianto abre-se. situado entre os meridianos 51Æ30 e 54ÆW e os paralelos 22Æ30 . Paraná. iniciando o ciclo reprodutivo das flores. um remanescente florestal de 37 hectares.e 24Æ30 S. Antese é o ato da abertura das flores.

Morfologia e anatomia da flor .

‡ As sépalas são vascularizadas por até seis feixes colaterais (Figuras 6 e 7).‡ As sépalas são revestidas por epiderme simples com cutícula estriada. que reveste as paredes celulares periclinais externas. sendo as células localizadas sob a epiderme de menor dimensão (Figura 10) ‡ Na maturidade o androceu conserva na parede apenas a epiderme e o endotécio. ‡ O mesofilo é parenquimático multiestratificado. .

.

Neste tecido também se observam idioblastos secretores (Figura 20) . ‡ No nectário o tecido secretor parenquimático é formado por células pequenas densamente citoplasmáticas nas proximidades da epiderme e células maiores e vacuolizadas na região central.‡ No gineceu a epiderme interna é glabra e também unisseriada (Figura 14).

. Esse néctar secretado deve ter origem no tecido condutor que vasculariza o nectário.A forma de exsudação do néctar secretado nos nectários de Cabralea canjerana não foi observada. mas a existência de estômatos na epiderme destas estruturas leva se a supor que o néctar exsuda por estas aberturas epidérmicas. conforme registrado em Tropaeolum majus L. Parênquima Traqueídes .

SOUZA1. n.26. MOSCHETA1 e SÔNIA M.. KÁTHIA S. p.MORFOLOGIA E ANATOMIA DA FLOR DE PILOCARPUS PENNATIFOLIUS LEM.175-184.2. ROSA Revista Brasil. Bot. V. MOURÃO1. ISMAR S.M. (RUTACEAE) LUIZ A. jun.2. 2003 .

Paraná. ocorre no Paraguai. .Pilocarpus pennatifolius Lem. conhecida vulgarmente como jaborandi e cutia-branca. no Brasil. Santa Catarina e Rio Grande do Sul. na Argentina e.. nos Estados de São Paulo.

Anatomia da Flor  Pétalas  Sépalas .

Anatomia da Flor  Estigma .

Anatomia da Flor  Parênquima .

Anatomia de Flor  Ovário  Epiderme .

Anatomia de Flor  Nectário A vascularização do nectário é feita predominantemente pelo floema. .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->