Você está na página 1de 58

Fármacos

imunomoduladores

Marilia Tavares Coutinho da Costa Patrão


Setor de Endocrinologia Experimental
Departamento de Farmacologia
UNIFESP-EPM

Outubro 2008
Imunomoduladores: definição e principais aplicações
- Imunossupressores
- Imunoestimulantes

Resposta imune: visão geral


- Resposta imune adaptativa
- Regulação da resposta imune:
rejeição a aloenxertos,
doenças autoimunes,
imunodeficiências.

Imunossupressores:
- Inibidores da calcineurina
- Glicocorticóides
- Drogas citotóxicas
- Anticorpos

Imunoestimulantes:
- Levamisol
- BCG
- Citocinas recombinantes
Imunomoduladores: definição e principais aplicações

Imunomoduladores são fármacos que podem alterar (exacerbar ou


reduzir) a resposta imune, modificando o curso das doenças por corrigir
sistemas imunes desbalanceados.

Efeito desejado sobre resposta imune:

(diminuição) (aumento)

Imunossupressores Imunoestimulantes
Doenças auto-imunes Infecções
Transplantes de órgãos Imunodeficiências
Neoplasias
Resposta imune: visão geral

Sistema imune apresenta dois componentes…

Imunidade

Inata Adaptativa

Granulócitos Macrófagos Linfócitos


(fagocitose, lib.
de mediadores)

Linfócitos T Linfócitos B
Neutrófilos Eosinófilos Basófilos (citotoxicidade, (anticorpos)
(fagocitose, lib. (lib. de mediadores) lib. de mediadores)
de mediadores)
Resposta imune: visão geral

Medula óssea
Precursores eritróides
(eritrócitos, granulócitos,
plaquetas, mastócitos)
Células tronco pluripotentes
Precursores mielóides
(células dendríticas,
Precursores linfóides macrófagos)

timo
Linfócito B
(produção de
anticorpos) Linfócito T CD4+ Linfócito T CD8+
(helper) (citotóxico)

ativação ativação

Th2 Th1 Linfócitos T e B


(ativação de (ativação de células
linfócitos B) fagocíticas e
citotóxicas)
Imunidade adaptativa

O que confere especificidade à resposta imune?

Imunidade
mediada por
célula

Célula Th não
diferenciada
Proliferação

IL-2

Célula
apresentadora
de antígeno Imunidade
humoral

Adaptado de Brody, 4a ed., 2006


Imunidade adaptativa

Reconhecimento de antígeno pelo linfócito T helper

Célula
apresentadora
de antígeno (T helper)

Presente apenas em linfócitos T CD4+

TCR Receptor das células T

Marcador fenotípico de linfócitos T

Órgão linfóide secundário

Adaptado de Brody, 4a ed., 2006


Imunidade adaptativa

Resposta imune – visão geral

T CD8+

MHC-I

Órgão-alvo
Imunidade adaptativa

Resposta imune – visão geral

T CD4+

MHC-II
n o)
e
ntíg CAA
(A
Timo
T CD8+

MHC-I

Órgão-alvo
Imunidade adaptativa

Resposta imune – visão geral

Th2
Ativação
T CD4+
T CD4+
(Th2)

Th1
MHC-II (Th1)
n o)
e
ntíg CAA
(A
Timo
T CD8+ Proliferação
T CD8+

MHC-I

Órgão-alvo Célula-alvo
Imunidade adaptativa

B
Resposta imune – visão geral

Th2 B ativado
Ativação
T CD4+
T CD4+
(Th2)
Y Y

Y
Y anticorpos
Th1
MHC-II (Th1)
n o)
e
ntíg CAA
(A
macrófago
T CD8+ Proliferação
T CD8+

MHC-I
T citotóxico
Célula-alvo
Imunidade adaptativa

Rejeição a aloenxertos
Mecanismo direto

Células apres. de
Célula apres. de
Tecido antígeno do doador
antígeno do doador
transplantado
Circulação
ATAQUE
MHC- I
Reconhecimento
ativ
aç Expansão (+)
ão clonal
IL-2 (+)
Linfócito T Th1 Th2
CD8+ IL-2
(citotóxico)
Linfócito T CD4+
do receptor
do receptor
Imunidade adaptativa

Rejeição a aloenxertos
Mecanismo indireto

Órgãos linfóides secundários


Células Célula apres. de
estranhas antígeno do receptor
Tecido do doador
Fagocitose
transplantado
Circulação antígeno

Expressão do
MHC- I ATAQUE MHC-II

Reconhecimento

ativa (+)
ç ão Proliferação
IL-2
Linfócito T (+) Linfócito T CD4+
CD8+ Th1 Th2
IL-2 do receptor
(citotóxico)
do receptor
Imunossupressores - classes

- Ciclosporina
1) Inibidores da calcineurina
- Tacrolimo

- Prednisona
2) Glicocorticóides
- Prednisolona

- Azatioprina

3) Drogas citotóxicas - Micofenolato mofetil

- Ciclofosfamida

- anti-CD3
4) Anticorpos - anti-CD25
- anti- TNF-α
Escolha; Associação  eficaz, dim ef colaterais; Variação ind, prática clínica; Objetivo
Imunossupressores – características gerais

Indicações clínicas para terapia com imunossupressores:

- Transplante de órgãos

- Tratamento de desordens autoimunes

Fatores limitantes do uso de imunossupressores:

-Fase 1aria: resposta imune é mais facilmente suprimida que fase 2aria

- Imunossupressores não possuem mesma eficácia em todas as respostas imunes

Efeitos colaterais da terapia:

-Risco aumentado de infecções de todos os tipos (bactérias, fungos, vírus, oportunistas)

- Risco aumentado de desenvolvimento de linfoma e células malignas

- Para minimizar efeitos colaterais envolvidos com toxicidade, muitas vezes são usadas
associações de imunossupressores.
Imunossupressores - classes

-Ciclosporina
1) Inibidores da calcineurina
- Tacrolimus

-Prednisona
2) Glicocorticóides
- Prednisolona

-Azatioprina

3) Drogas citotóxicas -Micofenolato mofetil

- Ciclofosfamida

- anti-CD3
4) Anticorpos - anti-CD25
-Anti- TNF-α
Isolada fungos; aum taxa êxito
Inibidores da calcineurina
Ciclosporina, Tacrolimus (FK-506)
Mecanismo de ação:
Inibição da síntese de IL-2 e outras citocinas pela interação com imunofilinas

MHC-II + antígeno
1 11
Receptor
TCR (receptores de celulas T) de IL-2

10
1 Linfócito T
2
Ca2+ CaM [Ca2+]
12

3
Proliferação
Ca2+ CaM
PO4 NFATc IL-2

Pi 9
4 5
calcineurina calcineurina NFATc 6
8
mRNA para o IL-2
7 transcrição
NFATc

Gene para o IL-2/ -3/ -4/ TNF-α/ IFN-γ


Núcleo
Inibidores da calcineurina
Ciclosporina, Tacrolimus (FK-506)
Mecanismo de ação:
Inibição da síntese de IL-2 e outras citocinas pela interação com imunofilinas

MHC-II + antígeno
1

TCR (receptores de celulas T)

1 Linfócito T
2 Ciclofilina calcineurina
Ca2+ CaM [Ca2+]
Ciclosporina
3 Tacrolimus:
mesmo mecanismo
de ação, mas se liga

X
PO4 NFATc
a FKBP12
4
calcineurina calcineurina

Gene para o IL-2/ -3/ -4/ TNF-α/ IFN-γ


Núcleo
Inibidores da calcineurina

Ciclosporina, Tacrolimus
Mecanismo de ação:

- Inibição da síntese de IL-2 e outras citocinas pela interação com imunofilinas


- inibe a ativação e proliferação clonal de linfócitos T
- mais efetivo nas fases mais iniciais da resposta imune
- não exerce efeito depressor sobre a medula óssea

membrana
X X
Proliferação
linfócitos

NFAT
Gene IL-2
Adaptado de Brody, 4a ed., 2006
Imunidade adaptativa

B
Resposta imune – visão geral
IL-2: ativação e proliferação dos linfócitos T

Th2 B ativado
Ativação IL-4
T CD4+ (+)
T CD4+
IL-2 Y
Y

Y
Y anticorpos
(+)
Th1 IL-2
n o) IL-2 IFN-γγ
e IL-2
ntíg (+)
(A
(+) IL-2
macrófago
T CD8+ Proliferação (+) IL-2
IFN-γγ
T CD8+

(+)
T citotóxica
IL-2
Inibidores da calcineurina

Inibidores da calcineurina: B
Inibem ativação e proliferação dos linfócitos T;
demais etapas da resposta imune são mantidas

Th2 B ativado Plasmócito


Ativação IL-4
T CD4+ (+)
T CD4+
IL-2 Y Y

Y
Y anticorpos
(+)
Th1 IL-2
n o) IL-2 IFN-γγ
e IL-2
ntíg (+)
(A
(+) IL-2
macrófago
T CD8+ Proliferacão (+) IL-2
(exp. clonal) IFN-γγ
T CD8+

(+)
T citotóxica
IL-2 Imunossupr dias antes do transpl, respostas em andamento mantidas; já cons doses maiores, assoc

IL-2
Inibidores da calcineurina

Ciclosporina

Usos terapêuticos:

- Imunossupressor de escolha para prevenção e tratamento da rejeição de transplantes (rim,


fígado, coração); geralmente em associação com glicocorticóide.

- Uso em doenças auto-imunes (psoríase, artrite reumatóide, lúpus, etc): doses maiores, maior
toxicidade

Administração:
-Extremamente hidrofóbica  solubilização em etanol + óleo

- Tratamento oral: 4- 24 h antes do transplante (15 mg/kg) até 1-2 semanas após o transplante.
Diminuição para 3-10 mg/kg gradativamente (paciente que não tolera via oral: 1/3 dose, via
endovenosa).
Imunossupressão seletiva  escolha
Inibidores da calcineurina

Ciclosporina

Efeitos tóxicos:

-Nefrotoxicidade é o principal afeito adverso (75% dos pacientes);

-Toxicidade medida clearance de creatinina na urina

- Hipertensão, hepatotoxicidade, hirsutismo, toxicidade gastrointestinal (náuseas, vômitos,


diarréia, anorexia, dor abdominal)

Interações medicamentosas:

(metabolização hepática pelo citocromo P450 3A)

-Anfotericina B e eritromicina  aumento dos efeitos tóxicos

- Fenobarbital e fenitoína  diminuição dos efeitos da ciclosporina


Inibidores da calcineurina

Tacrolimus

Usos terapêuticos:
-Semelhante à ciclosporina, porém 100 vezes mais potente;

- Usado principalmente para reverter a rejeição aguda ao transplante de fígado (inclusive em


casos resistentes à ciclosporina)

Administração e metabolização:
- Semelhante à ciclosporina

Efeitos tóxicos:
Toxicidade semelhante à ciclosporina (nefrotoxicidade é o mais importante)

Neurotoxicidade (dor de cabeça, insônia, etc.)

Hipertensão, toxicidade metabólica (hipercalemia, hipomagnesemia, hipoglicemia)


Maior pot não é menos nefrotoxicidade
Imunossupressores - classes

-Ciclosporina
1) Inibidores da calcineurina
- Tacrolimo

-Prednisona
2) Glicocorticóides
- Prednisolona

-Azatioprina

3) Drogas citotóxicas -Micofenolato mofetil

- Ciclofosfamida

- anti-CD3
4) Anticorpos - anti-CD25
-Anti- TNF-α
Esteróides adrenocorticais

Prednisona, prednisolona

Mecanismo de ação: Prednisolona Prednisona

-Diversas ações sobre os mediadores da resposta imune, dentre elas:

INIBIÇÃO da expressão de várias citocinas envolvidas na imunidade adaptativa:


(IL-1, IL-2 e seu receptor, IL-3, IL-4, IL-5, IL-6, IL-8, TNF-α, entre outros)
INIBIÇÃO da expressão de MHC

- Efeito anti-inflamatório.
Esteróides adrenocorticais

Mecanismo de ação:

GC

Citoplasma
Efeitos
celulares
GC ↑↓ Proteínas
GR
GC GC
GR GR ↑↓ transcrição

GC GRE Gene ↑↓RNA


p65
mensageiro
GR p50
transcrição
NF-κB
Gene
Núcleo

Principais efeitos de inibição da resposta imune pelos GCs são devidos à inibição
da transcrição mediada por NFkB.
Esteróides adrenocorticais

Prednisona, prednisolona

Usos terapêuticos: Prednisolona Prednisona

- Prevenção de rejeição em transplantes (em associação c/ outros imunossupressores)

- Controle de doenças autoimunes

- Controle de rejeição alérgica com o uso de anticorpos (gerados em animais)

Efeitos colaterais:

- Aumento do risco de infecções

- Hiperglicemia, hipertensão, osteoporose, entre outros (síndrome de Cushing)


Imunossupressão generalizada, terapia prolongada evitada
Imunossupressores - classes

-Ciclosporina
1) Inibidores da calcineurina
- Tacrolimo

-Prednisona
2) Glicocorticóides
- Prednisolona

- Azatioprina

3) Drogas citotóxicas - Micofenolato mofetil

- Ciclofosfamida

- anti-CD3
4) Anticorpos - anti-CD25
-Anti- TNF-α
Inibem div celular indiscriminadamente; quimioterápicos
Drogas citotóxicas

Azatioprina, Micofenolato de mofetil, ciclofosfamida

Mecanismo de ação:

Interferência no DNA da célula  inibição da proliferação clonal dos linfócitos T e B e


da replicação de genes envolvidos com a resposta imune.

- Azatioprina  inibição da síntese de purinas (nucleotídeo fraudulento)

- Micofenolato de mofetil  inibição da síntese de purinas (inibição de enzima)

- Ciclofosfamida  alquilação do DNA

Purinas
Adenina, guanina transcrição tradução

Pirimidinas
Timina, citosina
DNA RNA Proteína
Especif; mec ação; tabela
Drogas citotóxicas

Azatioprina

SEMELHANTE A
O2N

SH
S Conversão não
enzimática

Azatioprina 6-mercaptopurina
(nucleotídeo ‘fraudulento”)

1) A 6- mercaptopurina entra na via de biossíntese de purinas no lugar da adenina e da guanina.


2) Há a formação de tio-GTP e inibição da formação de GTP
3) O tio-GTP é incorporado na fita de DNA
4) Como resultado, há a inbição da transcrição de genes.
Tríade clássicos mais azatioprina
Drogas citotóxicas

Azatioprina O2N

Usos terapêuticos:

- Controle de doenças autoimunes (artrite reumatóide, lúpus, psoríase)

- Prevenção de rejeição de transplante (principalmente rim), associação com


ciclosporina e/ou prednisona

- Em muitos casos reservada a pacientes que não respondem à ciclosporina

-Administração:

-Via oral ou intravenosa

-1 a 5 mg/dia 3 dias antes do transplante, seguido de ajuste de dose.

- Excreção principalmente pela urina


Drogas citotóxicas

Azatioprina O2N

S
Efeitos tóxicos:

-Depressão da medula óssea é o principal efeito colateral


(inibe a produção das células imunes pela medula óssea)

- Náuseas, vômitos, erupções cutâneas e hepatotoxicidade de grau leve

- Uso prolongado  associado a aumento na frequência de aparecimento de tumores.

Interações medicamentosas:
(metabolismo pela xantina oxidase)

- Alopurinol: aumento do tempo de ação e dos efeitos tóxicos da 6-mercaptopurina

Medula óssea div rápida e mantida; dif admin quimioterápico e imunossupressor


Drogas citotóxicas

Micofenolato de mofetil

- Pró-droga: metabolismo hepático (geração de ácido micofenólico)  início da ação

Mecanismo de ação:

- Inibição da inosina monofosfato desidrogenase  envolvida na biossíntese de novo de purinas


nos linfócitos T e B (outras células podem gerar purinas através de outra via)  ação
antiproliferativa não é disseminada por todas as células do organismo.

- Restringe a proliferação de linfócitos T e B (atinge a imunidade humoral e a imunidade mediada


por células)
Drogas citotóxicas

Micofenolato de mofetil

Usos terapêuticos:

- Via oral para a prevenção de rejeição de transplantes renais


(dose inicial em ~72 h após cirurgia; usado em associação com ciclosporina/corticosteróides)

- Excreção principalmente pela urina.

Efeitos tóxicos:

- Semelhantes a azatioprina: efeitos gastrointestinais, depressão da medula óssea

Depr só leucopenia
Drogas citotóxicas

Ciclofosfamida

Mecanismo de ação:
- Contém grupos químicos (radicais alquila) que conseguem formar ligações covalentes entre
grupos eletronegativos do DNA e outras moléculas  inibição da síntese de DNA.

- Restringe a proliferação de linfócitos T e B (atinge a imunidade humoral e a imunidade mediada


por células)

Retirado de Rang & Dale, 6a ed, 2007


Drogas citotóxicas

Ciclofosfamida

Usos terapêuticos:

- Doses mais altas: efeito supressivo em pacientes com transplante de medula óssea.

- Doses mais baixas: controle de doenças autoimunes (lupus eritematoso, artrite reumatóide)
refratários a outros tratamentos.

Administração:

- Via oral ou endovenosa.

- Excretada pela urina

Efeitos tóxicos:
- Náuseas e vômitos, depressão da medula óssea e cistite hemorrágica.

Muito usada neoplasias


Imunossupressores - classes

-Ciclosporina
1) Inibidores da calcineurina
- Tacrolimo

-Prednisona
2) Glicocorticóides
- Prednisolona

- Azatioprina

3) Drogas citotóxicas - Micofenolato mofetil

- Ciclofosfamida

- anti-CD3
4) Anticorpos - anti-CD25
-Anti- TNF-α
Alto custo x especificidade
Anticorpos

Anticorpos gerados em animais (policlonais):

- Globulinas anti-linfócitos e anti-timócitos.

- Globulina anti Rh(D): imunossupresão seletiva; doença hemolítica do recém-nascido.

- Soro coletado, fração purificada usada como imunossupressor.

- Problemas associados:

- eficácia variável dependendo da fonte e do lote.

- riscos de reações alérgicas e produção de anticorpos a proteínas estranhas,


mesmo no paciente imunossuprimido.
Anticorpos

Anticorpos produzidos por técnica de hibridoma (monoclonais):

- Mais puros e específicos; contra diferentes alvos protéicos.

- anti-CD3 (muromonab-CD3, OKT-3).

- anti-CD25 (CD25 = cadeia alfa do receptor de IL-2) (daclizumab, basiliximab).

- anti- CD21

- anti- TNF-α (artrite reumatóide) (infliximab, ethanercept)


Anticorpos

Técnica de hibridoma para produção de anticorpos monoclonais

Retirado de diagnosticoeterapeuticaap.blogspot.com/
Imunidade adaptativa

B
Resposta imune – visão geral
Proteínas diferencialmente expressas em linfócitos T e B

Th2 B ativado

T CD4+
T CD4+ CD4+ CD19+
CD3+ CD21+
CD25+ Y Y

Y
Y anticorpos
CD4+ Th1
CD3+ CD4+
CD3+
CD25+
CD4+
CD3+ macrófago
T CD8+ CD25+
T CD8+

CD8+
CD3+ CD8+ CD8+
CD3+ CD3+
CD25+ CD25+
Anticorpos

B
Anticorpo anti-CD3
Se liga em linfócitos Th e Tc, ativados ou não

Y Th2 B ativado Plasmócito


Y T CD4+ Y T CD4+ CD4+ CD19+
CD3+ CD21+ Y
Y

Y
Y CD25+
Y anticorpos
CD4+ Th1
CD3+ CD4+
CD3+
CD25+
Y T CD8+
Y Y
CD4+
CD3+
CD25+
macrófago

T CD8+

CD8+
CD3+ CD8+ CD8+
CD3+ CD3+
CD25+ CD25+
Anticorpos

B
Anticorpo anti-CD25
Se liga somente em linfócitos Th e Tc ativados

Y Th2 B ativado Plasmócito

T CD4+ Y T CD4+ CD4+ CD19+


CD3+ CD21+ Y
Y

Y
Y CD25+
Y anticorpos
CD4+ Th1
CD3+ CD4+
CD3+
CD25+
CD4+
macrófago
T CD8+
Y T CD8+
Y CD3+
CD25+

CD8+
CD3+ CD8+ CD8+
CD3+ CD3+
CD25+ CD25+
Anticorpos

B
Anticorpo anti-CD21
Se liga em linfócitos B

Th2
YB ativado Plasmócito

T CD4+
T CD4+ CD4+ CD19+
CD3+ CD21+ Y
Y

Y
CD25+
Y anticorpos
CD4+ Th1
CD3+ CD4+
CD3+
CD25+
CD4+
CD3+ macrófago
T CD8+ CD25+
T CD8+

CD8+
CD3+ CD8+ CD8+
CD3+ CD3+
CD25+ CD25+
Anticorpos

Anti-TNF-α: papel na artrite reumatóide

Retirado de Brody, 4a ed., 2006

Artrite reumatóide:

-Caracterizada por alterações articulares que compreendem inflamação, proliferação da


sinóvia e erosão da cartilagem e do osso.

-As citocinas TNF-α e IL-1, liberadas pelos macrófagos, têm um papel importante na
patogênese, podendo levar à inflamação e lesão de osso e cartilagem.
Anticorpos

Anti-TNF-α: papel na artrite reumatóide


Y Y
X
Adaptado de Brody, 4a ed., 2006

Anticorpos anti-TNF-α:

-Inibe a inflamação e lesão do osso e da cartilagem por impedir a ação do TNF-α sobre a
cartilagem.

- Usado em combinação com o metrotexato, um antagonista do ácido fólico utilizado para


inibir a hiperproliferação celular dos componentes sinoviais.
Anticorpos

Anticorpos

Usos terapêuticos:
Retirado de www.unb.br/.../anticorpos_humanizados.html

-Anti-timócitos, anti-CD3, anti-CD25: imunossupressão em transplantes (em


combinação com outros imunossupresores)

-Anti-TNF-alfa: artrite reumatóide

-Anti-CD21: em fase de teste (assim como outros anticorpos que se ligam


especificamente a linfócitos B)  inibição da imunidade humoral (ou seja,
inibição da formação de anticorpos!)
Anticorpos

Anticorpos

Administração:

- Endovenosa

Efeitos colaterais: Retirado de www.unb.br/.../anticorpos_humanizados.html

- Anti-CD3: síndrome da liberação de citocinas  admin concomitante de glicocorticóides

-Febre, calafrios, aumento da susceptibiblidade a infecções

- Desencadeamento de resposta imune contra os anticorpos injetados (produzidos em animais)

 uso concomitante de outros imunossupressores


 humanização dos anticorpos (técnicas recombinantes)
Imunoestimulantes

Imunoestimulantes

1) Levamisol

2) BCG (bacilo de Calmette e Guérin)

IFN-α
α/-β
β/-γγ
3) Citocinas recombinantes
IL-2

Ñ mto usados
Imunoestimulantes – características gerais

Indicações clínicas para terapia com imunoestimulantes:

- Infecções crônicas

- Imunodeficiências (doenças, imunossupressão prolongada, indivíduos idosos)

-Neoplasias

Fatores limitantes do uso de imunoestimulantes:

- Efeitos sistêmicos generalizados

- Eficácia limitada
Imunoestimulantes – Levamisol

Levamisol

- Inicialmente usado como agente anti-helmíntico

- Mecanismo de ação não é conhecido; restaura função de células do sistema imune


(linfócitos T, linfócitos B, macrófagos e monócitos) em indivíduos imunossuprimidos.

- Sua única indicação é como adjuvante do tratamento com fluorouracil após


ressecção cirúrgica de paciente com câncer de cólon.

- Seu uso está sendo estudado em afecções orais recorrentes (herpes, aftas).
Imunoestimulantes – BCG

BCG (bacilo de Calmette-Guérin)

- Vacina contra tuberculose (elaborada a partir de uma bactéria atenuada de origem


bovina, Mycobacterium bovis)

- Estimula o sistema imunológico contra tumores neoplásicos por mecanismo ainda


desconhecido

- Potente estimulador de resposta Th1.

- Indicado na profilaxia do carcinoma de bexiga urinária.

- Efeitos colaterais: febre, calafrios e choque; hipersensibilidade em indivíduos


alérgicos ao BCG
Imunoestimulantes – Citocinas recombinantes

Interferons (IFN-α, -β e -γ)

- Produzidos por expressão recombinante em E. coli

- Inibição da proliferação celular

- Propriedades antivirais

- Aumento da fagocitose por macrófagos e aumento da citotoxicidade por linfócitos T


(estimula braço Th1 da resposta imune)

- Usos terapêuticos: IFN-α, por exemplo, é usado no tratamento de hepatite C

- Efeitos colaterais: sensação de estado gripal generalizado (febre, calafrio e


mialgia), leucopenia, depressão e diferentes alterações neuropsiquiátricas.
Imunoestimulantes – Citocinas recombinantes

Interleucina-2 (IL-2)

- Também é produzida por expressão recombinante em E. coli

- Ativação da imunidade: aumento da ativação e proliferação de linfócitos Th e Tc.

- Usos terapêuticos: tratamento de carcinomas renais com metástase e melanoma.

- Efeitos colaterais: toxicidade cardiovascular, hipotensão, perfusão diminuída,


podendo levar a morte. Aumento do risco de infecções graves devidas a prejuízo na
função de neutrófilos.
Imunoestimulantes – Citocinas recombinantes

Imunoestimulantes que agem sobre outras células da resposta imune

GM-CSF
(Sargramostim)

Estimula proliferação de
células da linhagem mielóide

Uso terapêutico:
-Transplante autólogo de
medula óssea;

- Recuperação de indivíduos
imunossuprimidos.

Adaptado de Brody, 4a ed., 2006


Imunoestimulantes – Citocinas recombinantes

Imunoestimulantes que agem sobre outras células da resposta imune

G-CSF
(Filgrastim)

Estimula produção e ativação


de granulócitos
(principalmente neutrófilos)

Uso terapêutico:
-Transplante de medula
óssea;

- Recuperação de indivíduos
imunossuprimidos (AIDS,
quimioterapia).
Adaptado de Brody, 4a ed., 2006
Leitura recomendada

Leitura recomendada (disponí


disponível na rede)
rede)

Prática Hospitalar, Ano IX, no 52, Jul-Ago 2007