P. 1
FILOS.DA.MATTA.casa.rua

FILOS.DA.MATTA.casa.rua

|Views: 113|Likes:
Publicado porCarlaRMNascimento

More info:

Published by: CarlaRMNascimento on Feb 08, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/22/2013

pdf

text

original

A casa e a rua

Roberto DaMatta

Significados das categorias público e privado
Categorias gregas: oikos e polis (casa e cidade). Representação: espaços distintos e separados hierarquicamente. Definição do privado como a negação do público; privado de ser público.

O público e o privado como categorias sociológicas
Diversos conceitos de público: o público de um evento; tudo que vem a público; o público relacionado ao Estado; o público como ação compartilhada. Conceitos de privado: a casa; o que é íntimo; o que é desconhecido.

O público e o privado como categorias de análise da sociedade brasileira
Qual o conceito de público no Brasil? Qual o conceito de privado?

Conceitos de público e privado no Brasil
O público: identificação com o Estado, não com a sociedade, com o que é plural, que pertence a todos. O privado: identificação com a casa, com a família.

não abrange. aquele que age pelas leis do coração: [. não podia deixar de marcar nossa sociedade. nisto que uma e outra nascem do coração. 106). 1991. uma invasão do público pelo privado. sentimentos positivos e de concórdia. tão poderoso e exigente. todas as nossas atividades. por excelência dos chamados ‘contatos primários’. Contribuição de Roberto DaMatta O uso das categorias público e privado para a análise da relação entre a casa e a rua. da respeitabilidade. a todo formalismo e convencionalismo social. Características da casa e da rua A CASA a vontade para falar A RUA receio..Contribuição de Sérgio Buarque de Holanda O autor salienta que a família patriarcal no Brasil transferiu para o espaço público sua visão particularista. “sentir-se em casa”. Na rua vivem “os malandros.. Representando.50). nossa vida pública. assim. a entidade pública. dos laços de sangue e de coração – está em que as relações que se criam na vida doméstica sempre forneceram o modelo obrigatório de qualquer composição social entre nós” (Ibid. por um lado. p. da esfera do íntimo. procedem. da obediência e da coesão social. única e intransferível. o único setor onde o princípio de autoridade é indisputado. p. Expressões: “estar em casa”. A identidade privada precede sempre. Segundo o autor. estranha. os marginais”.] “essa cordialidade. A casa é um ideal da própria sociedade. assim. a família patriarcal fornece o modelo da vida política e do comportamento sedimentado em laços de sangue e afetivos: “E um dos efeitos decisivos da supremacia incontestável e absorvente do núcleo familiar – a esfera. a família colonial fornecia a idéia mais normal do poder. como já se notou acima. 107). do Estado pela família” (Holanda. que sua sombra persegue os indivíduos mesmo fora do recinto doméstico. por outro. do familiar. A nostalgia dessa organização compacta. A inimizade bem pode ser tão cordial como a amizade. cautela . vinculando a política a uma extensão do espaço privado familiar: “O quadro familiar torna-se. neles. sentimentos próprios à comunidade doméstica. naturalmente particularista e antipolítica. os pilantras. p. apenas obrigatoriamente. do privado” (Ibid. onde prevalecem necessariamente as preferências fundadas em laços afetivos. É desse ambiente que nasce o homem cordial.

instituição ou até mesmo localidade. 65). Você sabe com quem está falando? “Não há brasileiro que não conheça o valor das relações sociais e que não as tenha utilizado como instrumentos de solução de problemas ao longo da vida. objeto ou profissão. Para nós. carinho. destinada a sofrer . seja pessoa. Não há brasileiro que nunca tenha usado o ‘você sabe com quem está falando?’ diante de uma lei universal e do risco de uma universalização que acabaria transformando sua figura moral num mero número ou entidade anônima. de quem se trata?” (p. o isolamento e a individualização somente devem ocorrer quando não existe nenhuma possibilidade de definir alguém socialmente por meio de sua relação com alguma coisa. indigente desabrigo Valores e ideologias Louis Dumont – Ideologias como valores fundadores de uma sociedade. Roberto DaMatta – Ideologias como códigos de conduta. nada é mais aviltante do que responder a pergunta: ‘afinal de contas. consideração seriedade cidadão coberto de direitos segurança Super-cidadão pessoa de caráter abrigo mundo desumano cada um por si malandragem elemento marginal insegurança subcidadão ladrão. Valores e ideologias HOLISMO todo hierarquia personalismo primado da relação relação INDIVIDUALISMO parte igualdade individualismo autonomia individual cidadão Identidade brasileira “Na constituição da identidade social no Brasil.mundo humano amor.

da casa e da rua? . aquilo que um nega. fundado na ideia de cidadão. enquanto as sociedades que passaram pela revolução individualista instituíram um código de conduta hegemônico. Assim. são complementares entre si. 97). Só que eles não estão em competição. 102). Realmente.as penas de uma prisão injusta ou o arbítrio por vezes brutal dos órgãos da repressão’ (p. Retrato do Brasil Qual o retrato do Brasil baseado nas definições do público e do privado. Cidadania relacional “É que a sociedade brasileira tem fontes diversas para a classificação e a filiação de seus membros. o outro pode facultar” (p. as sociedades relacionais têm muitos códigos de comportamento operando simultaneamente.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->