U IV R ID D E U R OM N L N N ES A E DAD O DA E F C L A ED D E O A U D D E IR IT PLANO DA DISCIPLINA DE DIREITO CONSTITUCIONAL DISCIPLINA Ano lectivo Tipo de disciplina Carga horária Total Aulas magistrais

Aulas práticas CURSO Licenciatura em Direito Direito Constitucional 2011 Semestral 64h 20 44

INTRODUÇÃO No ano lectivo de 2004 a Faculdade de Direito da UEM introduziu um novo plano curricular do Curso de Licenciatura, de acordo com o qual passou a ser leccionada no 1º ano a cadeira anual de Ciência Política e Direito Constitucional, que resultou da fusão de três disciplinas semestrais do Plano Curricular anterior, designadamente: (i) Ciência Política; (ii) Direito Constitucional Geral e (iii) Direito Constitucional Moçambicano. No ano lectivo de 2010 foi introduzido um novo plano curricular em conexão com adopção do método PBL – Problem Based Learning ou Aprendizagem Baseada em Problemas. Neste contexto, operou-se a cisão da Ciência Política e Direito Constitucional em duas disciplinas semestrais autónomas, de um lado, a Ciência Política e, doutro, o Direito Constitucional. Actualmente, a partir do presente ano lectivo de 2011, está em vigor um novo plano curricular, no qual a disciplina de Ciência Política foi eliminada do plano de estudos do 1º ano, restando apenas a de Direito Constitucional, que é semestral. A última alteração curricular introduz o sistema modular, segundo o qual a disciplina de Direito Constitucional passa a ser leccionada em oito semanas, com carga horária semanal de oito horas. O presente Programa Temático procura adaptar a leccionação da disciplina de Direito Constitucional a esta nova realidade, tendo em conta que o processo de ensino e aprendizagem deve contribuir para a elevação e consolidação do nível de cultura jurídicopolítica dos estudantes, dotando-lhes dos instrumentos necessários para a melhor compreensão das demais disciplinas jurídicas do curso, pois é no Direito Constitucional onde se estudam os princípios fundamentais em que se alicerça toda a ordem jurídica do Estado. O ensino aprendizagem do Direito Constitucional deve criar e desenvolver nos estudantes aptidões para a produção de análise, numa perspectiva jurídico-política, dos fenómenos relativos ao Estado e à Constituição, quer no plano nacional que no pano internacional, resolvendo problemas práticos e emitindo opiniões cientificamente fundamentadas. OBJECTIVOS GERAIS DA DISCIPLINA Pretende-se que, no final da leccionação da disciplina, os estudantes devem ser capazes de: • Explicar o Estado na perspectiva da teoria geral; • Estabelecer a relação entre o Estado e o Direito;

1

• • • •

Caracterizar o Direito constitucional Discutir os institutos da Teoria da Constituição; Analisar as linhas fundamentais de evolução do Estado e da Constituição em Moçambique; Interpretar e aplicar o Direito Constitucional positivo moçambicano

INDICAÇÕES METODOLÓGICAS 1. O processo de ensino e aprendizagem obedece ao método PBL – Problem Based Problem, que compreende: • Aulas magistrais; • Pesquisa e consulta bibliográfica; • Resolução de problemas em grupos; • Elaboração e apresentação de relatórios de trabalhos, individuais e em grupo; 2. Serão utilizados todos os meios e técnicas de ensino disponíveis, nomeadamente o quadro preto ou branco, electro-projector, material bibliográfico e textos de apoio. AVALIAÇÃO O sistema de avaliação compreende: • Avaliação contínua que permite acompanhar de forma permanente o grau de assimilação e capacidade de aplicação dos conhecimentos pelo estudante; • Produção de ensaios individuais sobre temas escolhidos pelos estudantes sob orientação do docente; • Realização de trabalhos de pesquisa individual e em grupos sobre temas indicados pelos docentes; • Dois testes escritos de avaliação de frequência; • Exame final (normal e de recorrência). PROGRAMA TEMÁTICO TEMAS Noções de Teoria Geral do Estado Introdução ao Direito Constitucional Teoria da Constituição Garantias da Constituição e da constitucionalidade Direito Constitucional Moçambicano TOTAL Teóricas 04 02 06 02 06 20 HORAS Práticas 06 04 12 06 16 44 Total 10 06 18 08 22 64

I II III IV V

PROGRAMA ANALÍTICO CONTEÚDO PROGRAMATICO Tema I – Noções de Teoria Geral do Estado Objectivos específicos • Definir o conceito de Estado; • Examinar origem e a evolução do Estado na história; • Identificar e explicar os elementos do Estado;

2


• • • •

• • • •

Identificar e explicar as formas de Estado; Analisar os fins, as funções e os órgãos do Estado; Explicar as formas de designação dos titulares do poder político Definir, tipificar e caracterizar os regimes políticos Definir, tipificar e caracterizar os sistemas de governo; Compreender a noção, a tipologia e as funções dos partidos políticos Analisar os sistemas de partidos Estabelecer a relação entre os sistemas de partidos e os sistemas eleitorais Estabelecer a relação entre os sistemas de partidos e os sistemas de governo

Conteúdo 1. Conceito de Estado 2. Formação e evolução histórica do Estado 3. Elementos do Estado: povo, território e poder Político 4. Formas de Estado: Estado simples e Estado composto 5. Fins do Estado: segurança, justiça e bem-estar 6. Funções do Estado: política, administrativa e jurisdicional 7. Actos do Estado 8. Órgãos do Estado e formas de designação dos seus titulares 9. Regimes políticos: noção e tipologia 10. Sistemas de governo: noção e tipologia 11. Partidos políticos: noção, tipos e funções 12. Sistemas de partidos políticos 13. Sistemas eleitorais Tema II – Introdução ao Direito Constitucional Objectivos • Discutir as relações entre o Estado e o Direito • Delimitar o conceito de Direito Constitucional • Determinar a posição do Direito Constitucional na ordem jurídica do Estado; • Identificar as grandes divisões do Direito Constitucional Conteúdo 2.1. O Estado como fenómeno jurídico 2.2. Limitação do poder público pelo Direito 2.3. Direito público e sua distinção do Direito privado 2.4. Direito Constitucional como ramo do Direito público que rege o Estado 2.5. Direito Constitucional e ordem jurídica do Estado 2.6. Divisões internas do Direito Constitucional Tema III – Teoria da Constituição Objectivos específicos • Distinguir a Constituição material da Constituição formal • Classificar materialmente as Constituições • Analisar o processo de formação da Constituição • Analisar o fenómeno da modificação das Constituições • Examinar a estrutura das normas constitucionais • Aplicar os princípios e as regras de interpretação e integração da Constituição • Resolver problemas concernentes à aplicação das normas constitucionais

3

Conteúdo Programático Subtema I 1. Perspectivas básicas de Constituição: material e formal – Perspectiva material de Constituição Constituição em sentido material e Constituição e sentido instrumental – Perspectiva formal de Constituição - Valor jurídico e força normativa da Constituição formal - Constituição em sentido formal e Constituição em sentido instrumental - Normas formalmente constitucionais e normas materialmente constitucionais 2. Classificações materiais das Constituições – Constituições normativas, nominais e semânticas – Constituições estatutárias e Constituições doutrinais – Constituições simples e Constituições complexas ou compromissórias – Outras classificações das Constituições

Subtema II

Poder constituinte e formação da Constituição 1.1 Momentos do processo de formação da Constituição 1.2 Do poder constituinte material ao poder constituinte formal – Pré-Constituição ou Constituição provisória 1.3 Constituição e soberania do Estado – Heteroconstituição 1.4 Poder constituinte material originário – Vicissitudes do Estado – Mudança de regime político - Revolução como fenómeno constituinte - Transição constitucional Modificação e subsistência da Constituição 2.1. Fundamentação doutrinal da modificação constitucional 2.2. Vicissitudes constitucionais e sua classificação 2.3. Diversas espécies de vicissitudes constitucionais 3. Da revisão constitucional em particular 3.1. Requisitos de qualificação da revisão constitucional 3.2. Limites materiais de revisão constitucional 4. Processo de revisão Constitucional na Constituição Moçambicana

Subtema III 5. Normas Constitucionais 5.1. – Princípios vs regras ou disposições constitucionais – Função dos princípios constitucionais Preâmbulos constitucionais 1. Disposições constitucionais e sua classificação 2. Interpretação e integração das normas constitucionais. Os princípios da interpretação constitucional A interpretação autêntica da Constituição A interpretação conforme com a Constituição

4

A integração das lacunas da Constituição 1. Aplicação das normas constitucionais no tempo 2. Aplicação das normas constitucionais no espaço Tema IV – Garantias da Constituição e da constitucionalidade Objectivos • Garantias da Constituição em geral • Garantia por via da fiscalização da constitucionalidade • Explicar o significado e o alcance do princípio da constitucionalidade; • Definir e tipificar a inconstitucionalidade; • Distinguir as diversas modalidades de fiscalização da constitucionalidade; • Identificar as consequências jurídicas da inconstitucionalidade; • Caracterizar os sistemas típicos de fiscalização da constitucionalidade; • Explicar os mecanismos de fiscalização da constitucionalidade no Direito moçambicano. Conteúdo 1. Supremacia da Constituição no ordenamento jurídico 2. Garantias políticas da Constituição 3. Garantias jurídicas da Constituição 4. Garantia jurisdicional: fiscalização da constitucionalidade 4.1. Conceito de inconstitucionalidade vs ilegalidade 4.2. Diversos tipos de inconstitucionalidade 4.3. Modalidade de fiscalização da constitucionalidade 4.4. Valor jurídico negativo do acto inconstitucional 5. Sistemas de fiscalização da constitucionalidade no Direito comparado 6. A fiscalização da constitucionalidade no Direito moçambicano Tema VI – Direito Constitucional Moçambicano Objectivos • Explicar a génese e evolução do constitucionalismo moçambicano. • Comparar a Constituição de 2004 com a de 1990; • Analisar os pressupostos do Estado moçambicano; • Identificar e explicar os princípios estruturantes da Constituição moçambicana; • Interpretar os princípios e as regras constitucionais sobre a organização e o exercício do poder político na República de Moçambique; Conteúdo 1. Moçambique sob o domínio colonial português 2. A resistência à ocupação colonial 3. Estado novo em Portugal e a situação colonial 4. Nacionalismo organizado, a fundação da FRELIMO e a Luta Armada de Libertação Nacional 5. Processo de descolonização: a Revolução de Abril em Portugal e os Acordos de Lusaka 6. Independência Nacional e Fundação do Estado Moçambicano 7. Constituição de 1975: características e principais revisões 8. Constituição de 1990: características e principais revisões 9. Constituição de 2004 10. Enquadramento geral Comparação das Constituições de 2004 e de1990 Estrutura formal da Constituição de 2004 11. Elementos do Estado Moçambicano O povo e a cidadania

5

O território 12. Poder Político 13. Princípios Estruturantes da Constituição de 2004 3.1. Estado republicano 3.2. Estado laico 3.3. Estado de direito 3.4. Estado democrático 3.5. Estado pluralista 3.6. Estado social 3.7. Organização económica e social 4. Organização do Poder Político 4.1. Princípios gerais 4.2. Órgãos do Estado e respectivas funções 4.2.1. Presidente da República 4.2.2. Assembleia da República 4.2.3. O Governo 4.2.4. Os Tribunais 4.2.5. Conselho Constitucional (remissão)

6

BIBLIOGRAFIA I – Ciência Política A. Literatura Básica 1. Amaral, Diogo Freitas do – História das Ideias Políticas, 4. a Reimpressão, Vol. I, Almedina, Coimbra, 2004. 2. Amaral, Diogo Freitas do – História das Ideias Políticas (Apontamentos), Vol. II, Lisboa, 1997. 3. Amaral, Diogo Freitas do – “Estado”, In Polis. Enciclopédia Verbo da Sociedade e do Estado, Vol. 2, Col. 1126, Editorial Verbo, Lisboa/São Paulo, S/d. 4. Bastos, Fernando Loureiro – Ciência Política: Guia de Estudo, AAFDL, Lisboa, 1999. 5. Caetano, Marcelo – Manual de Ciência Política e Direito Constitucional, 6.a Edição, Tomo I, Reimpressão, Livraria Almedina, Coimbra, 1996. 6. Moreira, Adriano – Ciência Política, 7.a Reimpressão, Almedina, Coimbra, 2003. 7. Miranda, Jorge – Manual de Direito Constitucional, Tomo I, 7.a Edição, Coimbra Editora, 2003. 8. Miranda, Jorge – Manual de Direito Constitucional, Tomo III, 4.a Edição, Coimbra Editora, 1998. 9. Miranda, Jorge – Manual de Direito Constitucional, Tomo V, Coimbra Editora, 1997. 10. Miranda, Jorge – Ciência Política: Formas de Governo, AAFDL, Lisboa, 1992. 11. Sousa Lara, António de – Elementos de Ciência Política, Pedro Ferreira Editor, Sintra, 1995. 12. Zippelius, Reinhold – Teoria Geral do Estado, 3.a Edição, Tradução de Karin Praefke-Aires Coutinho, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1997. B – Literatura Complementar 1. Finer, S. F. – A História do Governo, 3 vols., Publicações Europa-América, Mira-Sintra, Mem Martins, 2003, 2004 e 2005. 2. Fukuyama, Francis – O Fim da História e o Último Homem, 2ª Edição, Gravida, Lisboa, 1999. 3. Fukuyama, Francis – A Grande Ruptura. A Natureza Humana e a Reconstituição da Ordem Social, Quetzal Editores, Lisboa, 2000. 4. Fukuyama, Francis – A Construção de Estados. Governação e Ordem Mundial no Século XXI, Gravida, Lisboa, 2006. 5. Prélot, Marcel e Lescuyer, Georges – História das Ideias Políticas, Vols. I e II, Tradução de Regina Louro, Editorial Presença, Lisboa, 2000. 6. Thai, Benedito Hama – Sistemas Políticos Contemporâneos, Imprensa Universitária, Maputo, 1999. II – Direito Constitucional A – Literatura Básica 1. Canotilho, J.J. Gomes, Direito Constitucional e Teoria da Constituição, 7.a Edição, Livraria Almedina, Coimbra, 2003. 2. Gouveia, Jorge Bacecelar de – Manual de Direito Constitucional, 2 Vols., Almedina, 2005. 3. Miranda, Jorge – Manual de Direito Constitucional, Tomo II, 5. a Edição, Coimbra Editora, 2003. 4. Miranda, Jorge – Manual de Direito Constitucional, Tomo VI, Coimbra Editora,

7

2001.

5. Miranda, Jorge – Direito Constitucional III: Direito Eleitoral e Direito 6.
Parlamentar, ACFDL, Lisboa, 2003. Sousa, Marcelo Rebelo de/ Galvão, Sofia – Introdução ao Estudo do Direito, 5ª Edição, Lex, Lisboa, 2000.

B – Literatura Complementar 1. Canotilho, J.J. Gomes e Vital Moreira – Constituição da República Portuguesa Anotada, 3.a Edição, Coimbra Editora, 1993. 2. Miranda, Jorge/Medeiros Rui – Constituição Portuguesa Anotada, 2 Tomos, Coimbra Editora, 2005 e 2006. 3. Novais, Jorge Reis – Os Princípios Constitucionais Estruturantes da República Portuguesa, Coimbra Editora, 2004. III – Literatura especialmente recomendada para o Estudo do Estado e do Direito Constitucional Moçambicanos A – Estudos e Artigos 1. Abrahamsson, Hans/ Nilsson, Anders – Moçambique em Transição: Um estudo de desenvolvimento durante o período 1974-1992. 2. Araújo, Raul C. – Os Sistemas de Governo de Transição Democrática nos PALOPS, Coimbra Editora, 2000. 3. Canas, Vitalino – “O Sistema de Governo Moçambicano”, In Revista LusoAfricana de Direito, Vol. I, Lex, 1997. Págs. 167 e ss. 4. Cistac, Gilles – O Poder Legislativo e Poder Regulamentar na Constituição da República de Moçambique de 30 de Novembro de 1990, In Revista Jurídica da Faculdade de Direito da UEM, Vol. I, Imprensa Universitária, Maputo, Dezembro de1996, Pág. 7 e ss. 5. Gouveia, Jorge Bacecelar de – O Princípio Democrático no Novo Direito Constitucional Moçambicano, Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Volume XXXVI (Separata), Lex, Lisboa, 1995. 6. Guenha, J. A. Ubisse, “Os Sistemas Eleitorais em Moçambique”, In Revista Luso-Africana de Direito, Vol. I, Lex, 1997, Págs. 223 e ss. 7. Martelo, David – 1974- Cessar Fogo em África, Publicações Europa-América, 2001. 8. Mateus, Dalila Cabrita – Luta pela Independência. A Formação das Elites Fundadoras da FRELIMO, MPLA e PAIGC, Editorial Inquérito, Mem Martins, 1999. 9. Miranda, Jorge –”Os Sistemas Constitucionais do Brasil e dos Países Africanos de Língua Portuguesa”, In Revista Luso-Africana de Direito, Vol. I, Lex, 1997. Págs. 153 e ss. 10. Mondlane, Eduardo Chivambo – Lutar Por Moçambique, Centro de Estudos Africanos, Maputo, 1995. 11. Monteiro, José Óscar – Em Busca do Reencontro entre o Estado Necessário e a Sociedade Real, In Revista Jurídica da Faculdade de Direito da UEM, Vol. V, Imprensa Universitária, Maputo, Dezembro de 2002, Pág. 57 e ss. 12. Rocha, Aurélio – Associativismo e Nativismo em Moçambique. Contributo para o Estudo das Origens do Nativismo Moçambicano (1900-1940), Promédia, 2002. 13. Santos, António de Almeida – Quase Memórias: Da descolonização de cada território em particular, Vol. 2, Casa das Letras, Cruz Quebrada, 2006. 14. Santos, Boaventura de Sousa/Cruz e Silva, Teresa – Moçambique e a Reinvenção da Emancipação Social, Centro de Formação Jurídica e Judiciária, Maputo, 2004.

8

15. Serra, Carlos – História de Moçambique, 2 vols., Livraria Universitária,
Universidade Eduardo Mondlane, Maputo, 2000 e 1999. 16. Simango, Américo – Introdução à Constituição Moçambicana, AAFDL, 1999. B- Documentos Diversos 1. Moçambique, República de. Assembleia da República – Texto Final do Projecto da Constituição da República de Moçambique e Adenda, Maputo, 1998. 2. Moçambique, República de. Assembleia da República – Anteprojecto de Revisão da Constituição, Maputo, 1998. 3. Moçambique. Faculdade de Direito da UEM – Contributo para o Debate sobre a Revisão da Constituição (Obra Colectiva sob Coordenação de Gilles Cistac), Imprensa Universitária, Maputo, 2004. 4. Ordem dos Advogados de Moçambique – Parecer sobre o Projecto de Revisão da Constituição da República de Moçambique, Maputo, 2006. C – Legislação 1. Constituição da República Popular de Moçambique, de 20 de Junho de 1975, BR, I Série, nº 1, de 25 de Junho de 1975. (Ter em conta as alterações introduzidas, nomeadamente, pela Lei nº 11/78, de 16 de Agosto, e pela Lei nº 8/86, de 25 de Junho, publicadas, respectivamente, no BR, I Série, número 97, de 15 de Agosto de 1978 e no BR, nº 30, I Série, 2º Suplemento, de 26 de Julho de 1986). 2. Constituição da República de Moçambique, de 2 de Novembro de 1990, BR, I Série, n.º 44, Suplemento, de 2 de Novembro de 1990. (ter em consideração as alterações introduzidas principalmente pela Lei nº 9/96, de 22 de Novembro, publicada no BR, I Série nº 47, Suplemento, de 22 de Novembro de 1996). 3. Constituição da República de Moçambique, de 16 de Novembro de 2004, BR, I Série, n.º 51, de 22 de Dezembro de 2004. 4. Lei da Nacionalidade, BR, I Série, nº 1, de 25 de Junho de 1975. 5. Lei n.º 16/87, de 21 de Dezembro – Introduz alterações à Lei da Nacionalidade, BR, I Série, n.º 50, 4º Suplemento, de 21 de Dezembro de 1987. 6. Lei n.º 5/93, de 28 de Dezembro – Estabelece o regime jurídico do cidadão estrangeiro, BR, I Série, n.º 51, 2º Suplemento, de 28 de Dezembro de 1993. 7. Lei n.º 4/96, de 4 de Janeiro – Lei do Mar, BR, I Série, n.º 1, Suplemento, de 4 de Janeiro de 1996. 8. Lei n.º 2/97, de 18 de Fevereiro – Aprova o quadro jurídico para a implementação das autarquias locais, BR, I Série, n.º 7, 2º Suplemento, de 18 de Fevereiro de 1997. 9. Lei n.º 8/2003, de 19 de Maio – Estabelece princípios e normas de organização, competência e funcionamento dos órgãos locais do Estado, BR, I Série, nº 20, Suplemento, de 19 de Maio de 2003. 10. Lei n.º 7/91, de 23 de Janeiro – Estabelece o quadro jurídico para a formação e actividade dos partidos políticos, BR, I Série, n.º 4, Suplemento, de 23 de Janeiro de 1991. 11. Lei n.º 14/92, de 14 de Outubro – Introduz alterações à Lei n.º 7/91, de 23 de Janeiro, sobre os partidos políticos, BR, I Série, n.º 42, Suplemento, de 14 de Outubro de 1992. 12. Lei n.º 13/92, de 14 de Outubro – Aprova o Acordo Geral de Paz, BR, I Série, n.º 42, Suplemento, de 14 de Outubro de 1992. 13. Lei n.º 5/92, de 6 de Maio – Lei Orgânica do Tribunal Administrativo, BR, I Série, n.º 19, Suplemento, de 6 de Maio de 1992. 14. Lei n.º 24/2007, de 20 de Agosto – Lei da Organização Judiciária, BR, I Série, n.º 33, Suplemento, de 2º de Agosto de 2007.

9

15. Lei n.º 6/2001, de 30 de Abril – Aprova o Regimento da Assembleia da República, BR, I Série, n.º 17, de 30 de Abril de 2001. 16. Lei nº 17/2007, de 18 de Julho – Revisão do Regimento da Assembleia da República, BR. I Série, nº 29, de 16 de Julho de 2007. 17. Lei n.º 6/2006, de 2 de Agosto – Lei Orgânica do Conselho Constitucional, BR, I Série, n.º 31, de 2 de Agosto de 2006. Alterada pela Lei nº 5/2008, de 9 de Julho, BR, I Série, nº 28, de 9 de Julho de 2008. 18. Lei n.º 7/2006, de 16 de Agosto – Aprova o Estatuto do Provedor de Justiça, BR, I Série, n.º 33, de 16 de Agosto de 2006. IV – Recursos da Internet http://pt.wikipedia.org/wiki/P%C3%A1gina_principal http://www.bibliojuridica.com/ http://www.verbojuridico.pt/ http://www.verbojuridico.net/ http://jus.uol.com.br/ http://www.dji.com.br/dicionario/dicjur.htm http://www.dji.com.br/dicionario/direito_constitucional.htm http://conjur.estadao.com.br/ http://www.odireito.com/ http://www.gddc.pt/ http://www.bresserpereira.org.br/index.asp http://www.achegas.net/ Maputo, Fevereiro de 2009 Corpo Docente: Mestre João Nguenha Mestre António Chipanga Mestre Armindo Rita Dr. Edson Macuacua (Monitor)

Mestre João André Ubisse Nguenha (Regente)

10

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful