Como elaborar um referencial teórico?

Josué Alexandre Sander1 O objetivo deste texto é auxiliar os alunos a elaborar o referencial teórico. Ele é baseado na reflexão na leitura de trabalhos sobre o tema e das práticas que tenho adotado para escrever referenciais teóricos. Ele não se propõe a ser um roteiro e nem um manual que todos devem seguir, apenas visa auxiliá-los a desenvolver melhores textos. Antes de falar propriamente da escrita de um referencial teórico é importante que esteja claro para todos que a redação é um ato de comunicação que é desenvolvido com a prática. Um dos princípios de uma comunicação eficaz é que ela esteja em sintonia com o seu contexto e tenha um objetivo que vise ser atendido. No texto acadêmico temos o objetivo de criar, reorganizar ou refutar ideias. A construção de um referencial teórico é basicamente a reorganização de ideias de diversos trabalhos que foram escritos sobre o tema no qual estamos interessados. No processo de elaboração do meu referencial teórico da dissertação percebi que escrita tem um papel fundamental na compreensão do tema que estamos trabalhando. Como isso ocorre? Durante a leitura dos artigos havia compreendido algumas questões de maneira equivocada, que ficaram claras quando estava escrevendo sobre elas de maneira confusa, bastou revisar o artigo e percebi alguns destes equívocos. Caso não tivesse escrito o referencial teórico provavelmente permaneceria com a compreensão errônea de muitas questões. Após esta sensibilização da importância do referencial teórico vou passar para as etapas do processo de escrita. A escrita do referencial teórico inicial com a definição de um tema sobre o qual você irá escrever. Com o tema na cabeça (e de preferência também escrito no papel) é iniciada a pesquisa de artigos, livros e capítulos que tratem deste tema. Após a pesquisa você iniciará a leitura dos materiais coletados. A leitura é a etapa fundamental de um bom referencial teórico, afinal você só conseguirá escrever sobre aquilo que compreendeu e você só entenderá o texto através de uma leitura profunda. Para ganhar tempo nas etapas posteriores é
1

Mestre em Administração da Universidade Federal do Paraná – UFPR

professores) leiam e façam comentários sobre o texto.  Seguir os princípios básicos de redação recomendados por Azevedo (2002): clareza. realização da pesquisa e leitura iniciará a fase da escrita. Como o referencial teórico é um texto geralmente longo corremos um grande risco de ficarmos perdidos com a folha em branco na nossa frente. Depois de elaborado o esboço comece a escrever. ou até mesmo pode precisar reler todos os textos novamente. resumo do texto. Se não fizer boas anotações de leituras você será obrigado a consultar constantemente o material que já leu durante o processo de escrita. correção política. sem uma coerência na construção do texto. concisão. nem coisas que você acha e não pode 2 Pode utilizar fichamentos. criar uma tabela com citações. correção. e fidelidade. Corrija o que for necessário e procure revisar novamente. Após a primeira correção peça que outras pessoas (colegas. etc. Para evitar isto recomendo que após a etapa da leitura façam um esboço do texto que pretendem escrever. encadeamento. não escreva afirmações de senso comum. Após a definição de tema. Uma possibilidade ao utilizar o mapa mental é agrupar os „recortes‟ dos textos feitos durante a leitura de acordo com s itens que precisará escrever. Assim no momento de escrever você conseguirá seguir uma linha de raciocínio coerente e criar um diálogo entre diversos autores sobre um determinado tema. quando finalizar releia e altere o que considerar necessário. destacando os itens e sub-itens que precisarão ser abordados no texto. consistência. sem saber por onde iniciar. . copiar as citações para um arquivo no computador. precisão. originalidade. A seguir elaborei uma série de dicas visando auxiliar a etapa de redação do referencial teórico.  Procure escrever utilizando como base nos textos que você leu. contundência. ou então escrever de uma maneira confusa.fundamental que você anote de alguma forma o conteúdo que está lendo 2. mapa mental. Este esboço pode ser feito no formato de um esquema com os principais “sub-títulos” que irão trabalhar ou na forma de um mapa mental.

Referências: AZEVEDO. creditando as informações e ideais aos seus autores”. Ex.  A citação pode ser direta ou indireta. São Paulo: Hagnos. ed. . O prazer da produção científica. procure desenvolver esta competência enquanto ainda está na universidade. o Para evitar que cada autor “invente” uma forma diferente de citar as suas fontes existem alguns padrões de citação. o Citação direta é quando você copia para o seu texto uma parte literal do trabalho de outro autor. D. O que é comumente usado no Brasil é o fornecido pela ABNT e pode ser encontrado no artigo enviado em anexo. Neste caso você deve utilizar colocar o texto “entre aspas” e informar também a página na qual ela foi tirada. o Citação indireta é quando você utiliza as ideias ou informações fornecidas por determinado autor utilizando as suas próprias palavras. opte por reescrevê-las.comprovar. p. 2002. Recomendo que consultem também o livro do Azevedo citado nas referências. 10ª edição. Lembrem-se que a habilidade de escrever com rigor é necessária tanto no meio acadêmico quanto empresarial. xx) recomenda que se “faça poucas citações diretas. I. Ela sempre deve conter o sobrenome dou autor seguido do ano da obra. Estas são algumas recomendações básicas que visam auxiliar o seu processo de redação. Azevedo (2002. Segundo Azevedo (2002) o texto científico deve ser claro para auxiliar a compreensão do leitor. Procure sempre informar de onde vocês estão retirando as idéias informadas (isso é o que chamamos de citação). Ex. B.