Você está na página 1de 68

www.embalagemmarca.com.

br
Festejamos sem fazer festa
ecentemente, num brincadeira. revista e a possibilidade de

R evento de negó-
cios, perguntaram-
me como seria a festa de
Como é visível fisicamen-
te, a revista vem registran-
do contínuo crescimento e
investirmos para que seja
cada vez mais útil aos pro-
fissionais envolvidos no
sexto aniversário de EMBA- recebendo seguidas mani- negócio da embalagem.
LAGEM M ARCA , em junho festações de apoio, as quais A revista está em perma-
próximo. Brincando, res- transformamos em campa- nente construção e pode
Wilson Palhares pondi que, embora a data nha institucional, na forma tornar-se cada vez melhor,
seja um marco de mais uma de anúncios testemunhais. inovando sempre. Críticas
etapa percorrida e do início Quem quiser ver a série e sugestões são muito úteis
A revista está em de uma nova, não era moti- desses depoimentos de e, portanto, sempre bem-
permanente construção vo para comemorações es- anunciantes e usuários de vindas. Se as tiver e quiser
peciais. Não porque seja- embalagens deve acessar fazê-las pessoalmente, será
e pode tornar-se
mos avessos a festejar, nosso site (www.embala- um prazer recebê-lo em
cada vez melhor,
muito pelo contrário. Não gemmarca.com.br). Tanto nosso estande na Fispal
inovando sempre. faremos nenhum evento quanto esse esteio verbal (este ano, em maio). A co-
Críticas e sugestões “especial” porque, a cada que nos incita a festejar, é bertura completa do even-
são muito úteis edição da revista, temos importante o contínuo to, do Label Summit Latin
para esse fim, tido reiteradas razões para apoio que recebemos em America e a da Interpack
portanto são dar vivas – e isso é dito publicidade. É ele que ali- sairão na Edição de Aniver-
sempre bem-vindas aqui não mais em tom de menta o crescimento da sário. Até junho.
nº 69 • maio 2005
Diretor de Redação
Wilson Palhares

8 26
palhares@embalagemmarca.com.br
Café Mercado
Expansão do consumo Fabricante de Reportagem
interno de grãos gourmet embalagens Flávio Palhares
amplia mercado para cartonadas flavio@embalagemmarca.com.br
embalagens flexíveis assépticas, Guilherme Kamio
com válvulas aromáticas SIG Combibloc guma@embalagemmarca.com.br
quer ampliar Leandro Haberli Silva
participação leandro@embalagemmarca.com.br
no Brasil
Diretor de Arte

28 Rotulagem Carlos Gustavo Curado


Prévia com mais novidades da arte@embalagemmarca.com.br

14 Capa: bebidas Label Summit Latin America 2005 Assistente de Arte


José Hiroshi Taniguti

30
lácteas refrigeradas
Mercado de iogurtes líquidos Rotulagem
Smart labels atraem atenção Administração
cresce com subcategorias
crescente no mercado brasileiro Marcos Palhares (Diretor de Marketing)
aliadas a sucos de fruta e
Eunice Fruet (Diretora Financeira)
amplia oportunidades na

36
área de acondicionamento Departamento Comercial
Brasilplast
Edição 2005 do evento foi marcada comercial@embalagemmarca.com.br
por otimismo, apesar dos repasses Karin Trojan
de custos que angustiam parte Wagner Ferreira
da cadeia do plástico
Circulação e Assinaturas
Marcella de Freitas Monteiro
assinaturas@embalagemmarca.com.br
Assinatura anual: R$ 90,00

22 Pesquisa
Levantamento expõe riscos
da falta de controle no
abastecimento do varejo
Público-Alvo
EMBALAGEMMARCA é dirigida a profissionais que
ocupam cargos técnicos, de direção, gerência
e supervisão em empresas fornecedoras, con-

24
vertedoras e usuárias de embalagens para ali-
Processos mentos, bebidas, cosméticos, medicamentos,
Poly-Vac ganha mercado com materiais de limpeza e home service, bem
polipropileno termoformado como prestadores de serviços relacionados

44
com a cadeia de embalagem.
Entrevista:
Merheg Cachum Filiada ao
Presidente da Abiplast comenta
consequências do processo de
alta das resinas termoplásticas

A capa desta edição foi impressa em Papelcartão Art Premium Novo 250g/m2, Esta revista foi impressa em Papelcartão
Art Premium Novo 250g/m2 (capa) e papel
da Ripasa, termolaminada com filme Prolam®. Image Mate 90g/m2 (miolo), fabricados pela
Ripasa S/A Celulose e Papel, em
harmonia com o meio ambiente.

3 Editorial Impressão: Congraf Tel.: (11) 5563-3466


A essência da edição do mês, nas palavras do editor Laminação: Lamimax Tel.: (11) 3644-4128
Filme da laminação: Prolam Tel.: (11) 3611-3400
20 Internacional EMBALAGEMMARCA é uma publicação
Destaques e idéias de mercados estrangeiros mensal da Bloco de Comunicação Ltda.
Rua Arcílio Martins, 53 • Chácara Santo
32 Rotulagem Antonio - CEP 04718-040 • São Paulo, SP
Materiais, equipamentos e processos de decoração, identificação e rastreabilidade Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463

52 Display Filiada à
FOTO DE CAPA: STUDIO AG – ANDRÉ GODOY

Lançamentos e novidades – e seus sistemas de embalagens

56 Panorama www.embalagemmarca.com.br
Movimentação na indústria de embalagens e seus lançamentos
O conteúdo editorial de EMBALAGEMMARCA é
60 Painel Gráfico resguardado por direitos autorais. Não é per-
mitida a reprodução de matérias editoriais pu-
Novidades do setor, da criação ao acabamento de embalagens blicadas nesta revista sem autorização da Blo-
co de Comunicação Ltda. Opiniões expressas
66 Almanaque em matérias assinadas não refletem necessa-
Fatos e curiosidades do mundo das marcas e das embalagens riamente a opinião da revista.
mercado >>> cafés

Finos em expansão
Consumo interno de grã0s gourmet cresce favorecendo nobreza em flexíveis
pondo-se à comoditização que pa-

O rece se manifestar em cada vez


mais setores produtivos, a indústria
brasileira de café comemora os re-
sultados obtidos a partir de investimentos em
marketing e principalmente na melhoria da
qualidade de seus produtos. Depois de dois
anos seguidos de queda nas vendas internas,
em 2004 o consumo da bebida no país cresceu
bem acima da média mundial, estimada em
1,5%. De novembro de 2003 a outubro do ano
passado, 14,95 milhões de sacas de café foram
consumidas no Brasil, resultado quase 9% aci-
ma do atingido no período anterior.
Divulgados pela Associação Brasileira da
Indústria de Café (Abic), com base nas infor-
mações de suas 490 empresas associadas, os
balanços do setor trazem outra constatação
animadora: pela primeira vez nos últimos vinte

FOTOS: STUDIO AG - ANDRÉ GODOY


anos o consumo anual de café por habitante
superou no Brasil a marca de 4 quilos.
Tal dinamismo tem movimentado toda a
cadeia produtiva de café, inclusive as empre-
sas do setor de embalagem. Embora represen-
tem menos de 10% do total de sacas produzi-
das anualmente no país, os cafés gourmet, KNOW-HOW – No alto,
aqueles preparados a partir de grãos previa- estruturas flexíveis lisas, dos brasileiros que se dispõem a pagar por ca-
mente selecionados, aparecem como os res- incluindo stand-up fés de qualidade superior é lastreada, entre ou-
pouches, são fornecidas
ponsáveis por boa parte das novas oportunida- pela Rangel com foco
tros fenômenos, pela proliferação de cafeterias
des de negócio na área de acondicionamento. no mercado de cafés especializadas em grãos e aromas nobres nos
“O aumento, principalmente no último gourmet. Detalhes grandes centros, e também de marcas progres-
mostram válvulas
ano, da produção e venda de cafés gourmet foi sivamente sofisticadas nas prateleiras dos su-
desgasificadoras
muito significativo”, avalia Roberto Rangel da italiana Goglio permercados.
Barboza, gerente-administrativo da Rangel In-
dústria e Comércio, fornecedora de estruturas A força dos expressos
flexíveis e acessórios de embalagem com Considerando as exportações e o mercado ex-
know-how no atendimento a torrefadoras de terno, estima-se que o nicho dos gourmet vem
grãos premium. “O número de empresas dan- se expandindo até 25% ao ano no Brasil. Além
do valor à qualidade do que vendem tem cres- de ter consagrado as embalagens de aço, esse
cido”, completa o empresário. segmento tem demandado acondicionamentos
Ainda que mais de 95% da produção brasi- flexíveis mais aprimorados, especialmente
leira de cafés gourmet, calculada pela Abic em para distribuição de grãos destinados às má-
3,3 milhões de sacas, sejam exportados, o mer- quinas de expressos das cafeterias.
cado interno desse tipo de produto vem cres- Esse é o foco de atuação do Café Santa Lú-
cendo, abrindo mais espaço para soluções efi- cia, produzido em Monte Sião (MG) somente
cazes e nobres de embalagem. A multiplicação com frutos da espécie Arábica. Com cresci-

8 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


mento anual de 20%, a marca tem investido animal, por exemplo, o principal mercado das
em embalagens flexíveis dotadas de válvulas válvulas desgasificadoras é o de café. Nele,
desgasificadoras e compostas de poliéster, alu- elas são chamadas de válvulas aromáticas, e
mínio e polietileno. O fornecedor do filme, im- desempenham papel central na manutenção da
presso em rotogravura, é a J. F. Camargo, e o qualidade do produto.
convertedor, a Embalpac, empresa também
responsável pela aplicação das válvulas nas Prazo de expiração mais longo
embalagens. É assim porque, após a torrefação, os grãos e o
O mercado de expressos também está na pó de café liberam gás carbônico (CO2). Além
mira da Rangel Indústria e Comércio, que se de inflar a embalagem, ocasionando em casos
consolidou como fornecedora de soluções de extremos rompimentos dos pontos de selagem
embalagem para cafés gourmet em 2002, da embalagem, essa substância pode interferir
quando passou a distribuir uma das mais reno- nas características de aroma e sabor e no prazo
madas linhas de válvulas desgasificadoras do de expiração dos produtos. Assim, a função
mundo, a da fabricante italiana Goglio. das válvulas é eliminar o CO2 e o oxigênio re-
Com único sentido de direção, esse tipo de sidual, ampliando a validade a partir da data de
acessório foi desenvolvido para fazer os gases acondicionamento para seis meses.
emanados por produtos já acondicionados se- Tal prazo é duas vezes maior que o propor-
rem expelidos de suas embalagens, sem permi- cionado por embalagens flexíveis com menor
tir infiltração de ar ou de qualquer outra subs- grau de barreira e desprovidas de válvulas. São
tância do ambiente externo. Embora também as chamadas almofadas, que, ainda muito usa-
sejam aplicadas no acondicionamento de ração das no Brasil para acondicionar cafés tradicio-

Vendas lá fora crescem com ajuda de aliados efetivos


A bem-sucedida estratégia de ex- do o produto começa a ser aber- sadas em aumentar as vendas lá
portação do Café Turmalin, culti- to, a tampa interna é pressiona- fora é a lata Ploc Off, da Brasila-
vado pela torrefadora Fatec na da contra a tampa externa, que ta. Feita de aço com tampa plás-
região do Cerrado Mineiro, não ainda está retida pelo gargalo, li- tica de fácil abertura dotada de
se deve apenas ao cuidadoso cul- berando o aroma do café sem ris- lacre de segurança, a embalagem
tivo e à esmerada seleção de cos para o consumidor”, descreve foi recentemente adotada pela To-
grãos 100% arábica. Contabili- Daisy Zakzuk Spaco, diretora de ledo & Heleno, dona da marca To-
zando a cada ano novos embar- marketing e desenvolvimento da leno, de café torrado e moído. A
ques de café torrado e moído Sonoco For-Plas. A solução foi empresa atua com “blend espe-
para diferentes países, especial- criada há aproximadamente dois cial de alta qualidade”, e já expor-
mente o Japão, a empresa tem anos, e por enquanto o Café Tur- ta para o México, Coréia e Euro-
em seu sistema de acondiciona- malin é o único usuário no Brasil. pa. Além de café, a lata Ploc Off
mento, dotado de rótulo termoen- Outro sistema de acondiciona- é indicada para outros produtos
colhível, um aliado efetivo na con- mento que avança entre as torre- secos, como achocolatados, mati-
quista do mercado internacional. fadoras de grãos nobres interes- nais e complementos nutricionais.
Criada em parceria com a Sonoco
For-Plas, a embalagem é compos-
ta por frasco de PET produzido
pela própria Fatec, e fechamento
de rosca com tampa interna de
polipropileno e tampa externa de
polietileno de baixa densidade.
Além de vedar a embalagem, a
FOTOS: DIVULGAÇÃO

função desse duplo sistema de fe-


chamento é absorver os gases li-
berados pelo café após a torrefa-
ção, contendo a pressão que se
formaria dentro do frasco. “Quan-

10 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


nais, têm como deficiência a necessidade de As embalagens que a torrefadora utiliza em
perfuração de seus filmes como forma de dar seus produtos de exportação também têm vál-
vazão aos gases emitidos após a torra. vulas aromáticas e estrutura de alumínio e po-
“Além de maior validade, as válvulas ga- liéster, porém com um detalhe a mais: adição
rantem que o aroma do café seja sentido antes de nitrogênio. Esse componente, diz Peres, ex-
da abertura da embalagem”, lembra Rodrigo pulsa completamente o oxigênio do pacote,
Branco Peres, diretor da Café do Centro, tradi- prolongando a validade do café para um ano.

DIVULGAÇÃO
cional torrefadora de cafés especiais, que ado- “Vale lembrar que os cafés denominados tradi-
tou os acessórios desgasificadores fornecidos cionais, acondicionados nas conhecidas almo-
pela Rangel. “Esse é um superdiferencial de fadas ou mesmo nas embalagens do tipo ‘vá-
marketing para o mercado de cafés gourmet”, cuo compensado’, têm validade de 3 meses.”
REFORÇO – Café Santa
completa Peres, acrescentando que há alterna-
Lúcia optou por filme de
tivas de válvulas nacionais, mas nenhuma com alta barreira composto Aposta na qualidade
a “mesma qualidade das importadas”. de poliéster, alumínio Os investimentos do segmento de cafés gour-
e polietileno met em embalagens mais sofisticadas estão em
Fora nitrogênio sintonia com o esforço que vem sendo feito
Empenhada em expandir suas exportações e Brasilata pela indústria brasileira para melhorar a quali-
(11) 3871-8500
aumentar a participação no mercado interno de dade dos grãos tradicionais, que representam
www.brasilata.com.br
grãos selecionados, a Café do Centro criou uma 95% do produto torrado e moído consumido
Embalpac
linha de cafés especiais de origem. Apresenta- (11) 6604-5744 no país. Além do estímulo à consolidação do
dos em embalagem de alta barreira feita de po- www.embalpac.com.br mercado de grãos selecionados, a Abic, depois
liéster aluminizado fornecida pela convertedo- Goglio de ter lançado no final da década de 80 seu selo
www.goglio.it
ra Shellmar, os produtos vêm acompanhados de de pureza, está certificando as marcas consu-
Rangel
um selo que identifica as distintas regiões pro- (11) 3341-4266
midas no dia-a-dia, a partir do Programa de
dutoras. Na parte decorativa, uma reprodução www.rangel.ind.br Qualidade do Café (PQC).
de tela do pintor David Dalmau retrata uma an- Shellmar No próximo ano, a entidade estima que o
tiga cafeteria do centro de São Paulo. “Com (11) 4128-5200 setor investirá 60 milhões de reais em ações de
www.shellmar.com.br
essa linha quisemos mostrar que, assim como o marketing e melhoria da qualidade. Exemplo
Sonoco For-Plas
vinho, o café é marcado pela diversidade de sa- (11) 5097-2750 dos avanços possíveis está em prática no Cer-
bores”, resume o diretor da Café do Centro. www.sonocoforplas.com.br rado Mineiro, onde boa parte da produção já
vem sendo identificada com etiquetas dotadas
EMANANDO SABOR - Válvulas
de código de barra. Dessa forma, os distribui-
aromáticas são vistas como dores europeus ou de outras regiões importa-
diferencial de marketing na doras têm disponíveis todas as informações do
estratégia da marca Café do Centro
produto que comercializam, como nome do
produtor, da propriedade, identificação do ex-
portador, da torrefadora e das características de
aroma e sabor do café.
“O consumidor está pedindo de forma cla-
ra que o mercado lhe ofereça cafés de melhor
qualidade, que dão mais prazer na hora de be-
ber, e que satisfaçam sua ansiedade de informa-
ções e conhecimento sobre o produto”, diz Na-
than Herszkowicz, diretor-executivo da Abic.
“Ele retribui a isso consumindo mais”, comple-
ta o dirigente. A meta da Abic, tida como plau-
sível em vista dos números do ano passado, é
que o consumo interno em 2006 alcance 16 mi-
STUDIO AG - ANDRÉ GODOY

lhões de sacas. Considerado animador por toda


a indústria cafeeira, tal resultado, se concretiza-
do, deverá ser comemorado de forma a torná-
lo ainda mais satisfatório para os produtores:
com uma xícara de café gourmet.

12 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


reportagem de capa >>> bebidas lácteas refrigeradas

A evolução dos sucos pro


Voltados ao apelo do bem-viver, iogurtes com suco de fruta agregam rentabilidade
Por Leandro Haberli
ara quem não se lembra, na segun-

P da metade da década passada a ca-


tegoria de iogurtes foi, ao lado das
de frangos e dentaduras, símbolo da
explosão de consumo do Plano Real. Quase
dez anos depois essas especialidades lácteas
vivem um novo boom nos supermercados bra-
sileiros. Agora, entretanto, o crescimento das
vendas, concentrado em subcategorias pouco
expressivas naqueles já longínquos primeiros
anos do real, não está relacionado à estabilida-
de econômica ou ao aumento do poder aquisi-
tivo da população. Na verdade parece refletir
uma conhecida mudança comportamental dos
consumidores: a crescente predileção por die-
tas saudáveis, de preferência aliadas à conve-
niência e à praticidade de consumo.
Surfando a onda da preocupação com o
bem-estar, com o excesso de peso e com os
cuidados com a saúde em geral, fabricantes de
iogurtes e de outras bebidas lácteas refrigera-
das aproveitam para investir em novas catego-
rias e apresentações. Nessa tendência, pautada
pelo lançamento de extensões de linha e por
progressiva segmentação de marcas e produ-
tos, um dos setores que vêm se destacando é o
dos iogurtes misturados com suco de fruta,
hoje liderado pelas marcas Frutess, da Nestlé,
e Corpus Fresh, da Danone.
Por se tratar de um segmento específico e
relativamente novo – a categoria se consolidou
no Brasil há cerca de três anos –, é difícil obter
levantamentos sobre o consumo dessas bebi-
das. Mas sabe-se que tais produtos, também
considerados uma “evolução dos sucos pron-
tos para beber”, estão por trás da incrível ex-
pansão apresentada pelo mercado brasileiro
de iogurtes líquidos, hoje um dos mais mo-
vimentados nas lucrativas gôndolas de be-
bidas lácteas refrigeradas.
Segundo dados da ACNielsen, a pro-
dução brasileira de iogurtes líquidos
cresceu 11,9% em volume entre 2003 e
o ano passado, quando o consumo foi

14 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


estimado em 207,5 milhões de quilos. Apesar

ntos da inevitável atração exercida sobre pequenos


fabricantes, que traz embutidos os riscos de
guerra de preços e de invasão de marcas com
distribuição regional, tal expansão não com-
ao setor de lácteos prometeu as margens de ganho do setor. Ao
contrário, no mesmo período, o mercado de io-
gurtes líquidos cresceu em valor 20,5%, movi-
mentando apenas no ano passado 660,7 mi-
lhões de reais.
“A razão do crescimento é a aposta em ino-
vação”, arrisca Carlos Reis, diretor da Logo-
plaste, fabricante de frascos plásticos com for-
te atuação no mercado de iogurtes líquidos em
particular e de produtos lácteos frescos em ge-
ral. Além da aposta em iogurtes com menores
taxas de açúcar e gordura, novas formulações
e sabores, Reis refere-se aos investimentos fei-
tos em atualização de projetos de embalagem.
“Seguindo tendências que já estavam claras no
mercado europeu, os sistemas de decoração e
rotulagem, bem como o formato dos frascos
desse tipo de bebida, passaram nos últimos
anos por mudanças importantes”, ele avalia.
As transformações relatadas pelo executi-
vo da Logoplaste, empresa especializada em
projetos in-house, que atende três das maiores
fabricantes de produtos lácteos do Brasil (Nes-
tlé, Itambé e Danone), resumem-se em grande
medida à adoção de rótulos termoencolhíveis

MARCO – Chegada dos termo-


encolhíveis no mercado de
iogurtes líquidos evidenciou
vantagens de marketing
desse sistema de rotulagem
FOTOS: STUDIO AG – ANDRÉ GODOY
no mercado brasileiro de iogurtes líquidos. Tal frascos com perfil ondulado e cintura fina. Tais
estratégia, por sinal, virou marco no cenário de formatos foram rapidamente associados à idéia
sistemas de decoração de embalagem. de boa forma que esses produtos buscam trans-
mitir, alinhando-se ao apelo do bem-viver por
Cintura fina trás do aumento das vendas de iogurtes. Talvez
Embora não tenham interferido no tipo de ma- por isso os rótulos termoencolhíveis tenham
téria-prima das embalagens plásticas de iogur- encontrado na seara de bebidas lácteas refrige-
PIONEIRISMO? – Com
tes líquidos, que continua sendo em grande es- radas um campo tão fértil para a propagação de
segmentação da linha
cala o polietileno de alta densidade (PEAD), Kissy, de iogurtes líqui- suas vantagens de diferenciação e marketing.
nem no tamanho das embalagens, que variam dos, Batávia reivindica “O mercado de iogurtes líquidos ajudou a
entre 200ml e 1 litro, os sleeves termoencolhí- estréia de smoothies mostrar às empresas usuárias de embalagem
no mercado brasileiro
veis, ou shrink labels, fizeram surgir no setor que os termoencolhíveis são uma alternativa de
rotulagem de grande impacto no ponto-de-ven-
da, aliando, com custos cada vez mais compe-
titivos, brilho, maior área de impressão e fras-
cos sinuosos”, resume Roberto Brandão, ge-
rente de vendas da Propack, fornecedora de ró-
tulos termoencolhíveis que recentemente con-
quistou um importante cliente no mercado de
iogurtes líquidos. Trata-se da Batávia, que em
março último estreou a marca Kissy Smoothies
no favorável nicho de iogurte com suco de fru-
ta. A empresa defende que a nova linha trouxe
pioneiramente ao Brasil os chamados smoo-
thies, bebida cujo consumo cresce sem parar
nos mercados americano e europeu, combinan-
do num único produto sucos de fruta, frutas,
sorvetes ou iogurtes light.
Segundo Regina Boschini, gerente de mar-
keting da Batávia, a diferença entre os smoo-
thies e os iogurtes com suco de fruta resume-se
a uma questão de textura. “Os smoothies são
viscosos e aveludados, similares ao milk shake,
mas com sabor de suco.” As perspectivas quan-
to ao lançamento são as mais otimistas possí-

Nos bastidores, discussão e acusações de plágio


A chegada ao Brasil dos chamados smoothies, úl- querer “frear a ação de concorrentes que copiam
tima palavra em bebidas saudáveis, que se trans- produtos que demandam fortes investimentos an-
formaram em coqueluche nos Estados Unidos mis- tes de chegarem ao mercado”. Diz o texto da noti-
turando num único produto sucos de fruta, iogur- ficação: “No entender da empresa, com seus últi-
te light e sorvete, foi acompanhada de uma con- mos lançamentos a Batavo visa se beneficiar do
tenda nos bastidores da indústria de alimentos. sucesso e liderança alcançada pelos pioneiros Cor-
Após o lançamento pela Batávia (dona da marca pus Fresh e Activia”.
Batavo) da sua linha Kissy Smoothies, de iogurte O presidente da Batávia, José Antônio Prado Fay,
com sucos de fruta, a Danone notificou extra-judi- se disse surpreso com a acusação de plágio, afir-
FOTO: STUDIO AG – ANDRÉ GODOY

cialmente a concorrente por “uso de embalagens mando não haver semelhança nenhuma entre as
com padrão visual semelhante” ao da sua linha embalagens. A coincidência nos materiais e nas
Corpus Fresh, também de iogurte líquido mistura- cores da embalagem dos produtos, ele diz, reflete
do com suco de fruta. uma “tendência do mercado”. Quanto ao formato
A empresa, que acusa a Batávia de ter plagiado da garrrafa do Kissy Smoothies, Fay afirma que
também seus iogurtes funcionais Activia, afirma ele é usado pela empresa desde 2001.

16 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


veis. “Nos Estados Unidos os smoothies movi-
mentaram mais de 1 bilhão de dólares em
2002, contra 540 milhões de dólares em 1997”,
informa a gerente de marketing da Batávia.
Outro bom sinal veio no primeiro mês de ven- DIVERSIDADE – Além
das, quando a linha Kissy Smoothies agregou de frascos sinuosos
22% ao faturamento da família de iogurtes lí- de PEAD, mercado de
iogurtes com sucos
quidos da Batávia. de fruta vem deman-
dando quantidades
Opção pelo custo crescentes de carto-
nadas com fechamen-
Termoencolhíveis, os rótulos adotados pela tos diferenciados
nova marca da Batávia são feitos de PVC
mono-orientado, com taxa de retração entre
50% e 55%. Na versão multipack, quatro uni-
dades vêm agrupadas por uma cinta de PEBD
esticável, fornecida pela PVA. Segundo Rober-
to Brandão, da Propack, o critério dessa esco-
lha foi o custo. “Essa manga poderia ser desen-
volvida com nosso PVC termoencolhível, que
a Danone utilizou por bom período nos four
packs da linha Dan'up e Corpus. Mas o PEBD
revelou-se mais econômico.”
Apesar da crescente força dos frascos plás-
ticos, o mercado de iogurtes líquidos continua
sendo um porto seguro para as embalagens
cartonadas assépticas. Segundo dados da Tetra ALÉM DOS LÁCTEOS –
Pak, somente em 2004 foram vendidos 15,2 Vendas de bebidas à
milhões de litros da bebida nesse tipo de acon- base de soja também
surfam onda da
dicionamento no Brasil. preocupação com saúde
Mostrando que está atenta ao avanço das e boa alimentação
garrafinhas sinuosas de PEAD, a empresa vem
concentrando no mercado de bebidas refrigera-
das, onde estão incluídos os iogurtes com suco
de fruta, a oferta de dois tipos distintos de cai-
xinhas: Tetra Rex e Tetra Top. Disponível em
três diferentes opções de família com volume
que varia entre 150ml e 1 litro, esta última tem
suas paredes feitas de material cartonado. Já a
estrutura do topo é plástica. A solução de ma-
quinário oferecida permite envase simultâneo
de dois produtos distintos em uma linha de en- de polietileno, responsável pelo fechamento
chimento dupla. Já a família Tetra Rex é feita Logoplaste hermético, é aplicada por um equipamento in-
(11) 2132-0411
inteiramente de material cartonado, podendo www.logoplaste.com tegrado à máquina de enchimento.
receber tampas plásticas rosqueáveis. Deixando de lado os movimentos de emba-
Propack
Outra opção oferecida pela multinacional lagem, o que se percebe é que a preferência por
(11) 4781-1700
sueca no mercado brasileiro de iogurtes mistu- www.propack.com.br alimentos e bebidas considerados mais saudá-
rados com sucos de fruta é a Tetra Prisma veis não é um fenômeno restrito aos brasilei-
PVA
Aseptic, na qual o fechamento PullTab, forma- (51) 3741-1041
ros. Após análise de 89 itens, pesquisa realiza-
do por uma etiqueta de alumínio que cobre o www.pva.ind.br da pela consultoria ACNielsen em 59 países,
orifício feito para escoamento do produto, per- responsáveis por 93% do PIB e 77% da popu-
Tetra Pak
mite consumo direto da embalagem. A etique- (11) 5501-3200 lação mundial, concluiu que houve expansão
ta, cuja parte interna é composta por uma fita www.tetrapak.com.br de 4% na receita das vendas de alimentos e de
bebidas em todo o mundo (na América Latina,
o aumento foi ainda maior, de 7%), durante um
Baixa acidez, um apelo crescente período de doze meses encerrado em julho de
Após detectar o crescimen- “Embora não haja esse tipo 2004. Segundo o estudo, entre os principais
to, principalmente no merca- de produto no mercado bra- motivos disso está a constatação de que cada
do europeu, de sucos pron- sileiro, enfrentaremos a con- vez mais consumidores priorizam alimentos e
tos para beber que aliam re- corrência dos sucos com io- bebidas menos gordurosos e adocicados.
frescância e baixa acidez, a gurte e das bebidas à base Para muitos não há dúvidas de que as fa-
Wow, dona das marcas Yo- de soja”, diz Viviane Farinelli mosas dietas ricas em proteínas e com poucos
gomix e Sufresh, lançou no Jarina, profissional de mar- carboidratos têm estimulado as vendas de dis-
Brasil uma bebida que resul- keting da Wow. Em países tintas categorias de produtos. Junto com os io-
ta da mistura de leite com como a Espanha, produtos gurtes, as bebidas à base de soja estão entre os
suco de frutas. É o Sufresh similares fazem sucesso há principais beneficiários da tendência, tendo
Mix, produto sem gordura, mais de dez anos.
sua penetração nos lares brasileiros ampliada
que vem sendo vendido
em 147% entre 2001 e 2004.
em caixinhas longa-vida
Essa informação é do Latin-Panel, que, em
da Tetra Pak em versões
outra pesquisa, feita no ano passado em 6 mi-
de 200ml e 1 litro. O
lhões de residências brasileiras, revela que
público-alvo é composto
30% das pessoas compram produtos light e
por adolescentes e do-
nas-de-casa com filhos
diet, e que mais de 50% consomem frutas, le-
com idade entre 6 e 10 gumes e verduras diariamente. Dados assim
anos. Além do auto-ser- atestam o crescimento da consciência sobre os
FOTOS: DIVULGAÇÃO

viço, a distribuição será riscos da obesidade e da alimentação inade-


focada em cantinas es- quada, e também deixam claro que os dividen-
colares e academias. dos que a indústria alimentícia pode extrair
desse panorama estão longe de se esgotar.

18 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


A visível energia do simulacro de pilha
Presente no mercado americano des- tampas que proporcionam o consumo da lata. Impressa em tinta termocro-
de 1985, a linha de refrigerantes ener- fracionado da bebida. O estímulo à mática, essa escala muda de cor
géticos Jolt, da Wet Planet, foi recen- bebericação, aliás, é potencializado quando a bebida é gelada. Na hora do
temente relançada com uma distintiva por uma “barra de energia” no corpo consumo, a tinta retorna à cor original
embalagem, obra de uma combi- e denuncia ao consumi-
nação de inovações da dor o volume do pro-
multinacional de origem duto ainda restante
inglesa Rexam. Nomeada na embalagem. “Es-
Battery, pelo fato de seu peramos uma forte
visual simular a aparência resposta dos consumi-
de uma pilha, a nova apre- dores. Trata-se de uma
sentação alia o corpo da lata grande bebida, agora po-
de alumínio Monster – sicionada em um recipien-
com capacidade para te de alumínio inovador que
700 mililitros, quase o irá realmente sobressair nas
dobro das latas conven- gôndolas das lojas”, entende
cionais (como Bill Barker, diretor da Rexam
mostra a figura Beverage Cans. Em tempo: a
ao lado) – à tecno- propriedade revigorante dos refrige-
logia Cap Can de rantes Jolt é baseada na cafeína.
fechamento, com www.rexam.com

Marshmallow com a corda toda


Os doces de marshmallow Dul- tado (OPP). Assim, o cordão é
cia, marca da Haribo, estão processado já acoplado ao
chegando às gôndolas euro- material da embalagem numa
péias com um prático acessó- máquina FFS vertical. Posicio-
rio em sua embalagem de 1 nado numa das laterais do sa- 1
quilo. Trata-se do StringPull, quinho, com uma de suas pon-
recente inovação da divisão de tas selada ao canto superior
flexíveis da Amcor que assegu- correspondente, o cordão sur-
ra um sistema de refechamen- ge na abertura do topo da
to de baixo custo para embala- embalagem, orientada por mi-
gens flexíveis obtidas por meio croperfurações. O saquinho
de aplicações form/fill/seal. O pode tornar a ser fechado de
acessório consiste num cordão dois modos: por estrangula-
de polietileno extrudado, passí- mento, com o cordão fazendo
vel de selagem o papel de cinto (imagem 1),
à estrutura do ou amarrado verticalmente,
saquinho, de po- com seu topo enrolado para
lipropileno orien- baixo (imagem 2). Instruções
na embalagem mostram
como abri-la e como retirar
o cordão e usá-lo. “O
StringPull é ideal para uma
ampla gama de produtos tipi-
camente não consumidos de
uma só vez e pode ser aplica-
do a diferentes construções de 2
embalagem”, informa a Amcor
na brochura utilizada para a di-
vulgação da novidade.
www.amcor.com

20 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


pesquisa >>> varejo

A praga das quebras


Rupturas nas lojas estimulam trocas de marcas, aponta estudo
falta de produtos nas gôndolas por de atrasos nas entregas dos centros de distri-

A descontrole no abastecimento,
problema chamado de ruptura pelo
setor varejista, vem tirando o sono
das indústrias. Ocorre que o consumidor de-
buição das redes varejistas às suas próprias
lojas. Para desatar esse nó, a ECR Brasil está
encampando pesquisas-piloto em associadas
como Wal-Mart, Coop, Ponto Frio, Colgate,
monstra cada vez menos fidelidade extrema Coca-Cola, Nestlé, Gillette e Kraft Foods. O
às suas marcas de coração: quando não as en- cruzamento de dados sobre causas, freqüên-
contra no supermercado, ele mostra maior cia e situação das rupturas nas indústrias, no
disposição para traí-las, colocando produtos varejo e em operadores logísticos, a ser feito
de bandeiras concorrentes em seu carrinho, em breve, irá ajudar na elaboração de um
do que para buscá-las noutro estabelecimen- elenco de ferramentas e recomendações para
to. Essa é uma das conclusões do primeiro Ín- estancar as quebras. Empresas interessadas
dice Nacional de Rupturas, um estudo inde- em se aprofundar no assunto podem contatar
pendente realizado pela Associação ECR a ECR Brasil. “Os empresários e gestores po-
Brasil (ECR é a sigla para Efficient Consu- dem utilizar o estudo como uma referência
mer Response, ou “Resposta Eficiente do para identificar os volumes e as causas da
AC Nielsen
Consumidor”, em português) em parceria (11) 4613-7000
ruptura nas categorias de maior representati-
com a Abras – Associação Brasileira de Su- www.acnielsen.com.br vidade das suas lojas, corrigir as falhas que
permercados e o instituto de pesquisas AC provocam o problema e aumentar a eficiência
ECR Brasil
Nielsen. (11) 3838-4520 dos processos”, entende Cláudio Czapski, su-
Segundo os resultados do estudo, divulga- www.ecrbrasil.com.br perintendente da Associação ECR Brasil.
dos no final de 2004, existe motivo para preo-
cupação. O índice médio da ruptura das mar-
cas líderes registrado nas principais lojas da Tem, mas acabou
Grande São Paulo e do Grande Rio foi de 8%. Alguns dos resultados do
Ou seja, a cada 100 tentativas de compra de 1º Índice Nacional de Rupturas
marcas notórias, em oito delas as marcas de-
sejadas não se encontravam nas lojas. Em en- 8% é a ruptura média entre as
trevistas complementares feitas por telefone marcas líderes
com 605 donas-de-casa das classes A, B e C,
11,6% foi a maior taxa média
constatou-se que cerca de 50% delas levariam de ruptura, na categoria Pães
para casa outras marcas na ausência de suas
preferidas nas prateleiras, e apenas um terço 6,8% foi a menor taxa, das
delas demonstrou fidelidade incontida às categorias Leite e Aperitivo
marcas prediletas, alegando disposição para salgado sólido e batatas
procurá-las em outros supermercados. A
14,1% das rupturas são causadas
predisposição às “puladas de cerca” variou por problemas no reabastecimento
de categoria para categoria. Enquanto 69% por repositores
das entrevistadas disseram que migrariam de
marca na falta da sua escolhida em óleos de 69% dos consumidores
trocam de óleo de cozinha
cozinha, 41% delas, no outro extremo, o fa-
na falta de sua marca preferida
riam em produtos de higiene pessoal.
FONTE: ECR BRASIL

O estudo detectou que as rupturas varia- 41% dos consumidores tro-


ram tanto por categoria quanto por área da cam produtos de higiene pes-
loja, e que 27% delas aconteceram em função soal na falta de seus preferidos

22 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


processos >>> termoformagem

Experimento bem sucedido


Polipropileno termoformado estréia com sucesso em três categorias de produtos

recente estréia de embalagens de

A polipropileno (PP) termoforma-


do em três categorias de produtos
até então dominadas por outros
materiais – hastes flexíveis para higiene pes-
soal, sorvetes e tintas gráficas – está sendo
comemorada pela Poly-Vac, responsável pe-
las novidades, como uma espécie de passa-
gem bem sucedida por uma espécie de “perío-
do experimental”. A empresa forneceu em
fins de 2004 três novos produtos para empre-
sas atuantes naquelas áreas, com dois podero-
sos apelos – o da redução de custos e o do de-
sign mais arrojado que o das embalagens que derá marcar uma mudança de paradigma em ESTRÉIAS – A partir do
vinham utilizando. relação às latas de aço e aos potes injetados canto superior esquerdo,
em sentido horário, o
Para os cotonetes Yes, da Divisão Natu- que atualmente dividem o mercado daquele pote dos cotonetes Yes,
re’s Plus do Grupo EMS Sigma Pharma, de- insumo. a tampa dos sorvetes
senvolveu um pote quadrado, campo em que “Os três produtos estão obtendo bons re- Cornetto e os recipientes
das tintas gráficas
predominavam os estojos de papel cartão e sultados de mercado”, diz o analista de mar- Spectrum: substituições
os recipientes injetados de PP e PVC. Segun- keting. “A concretização desses projetos assi- por termoformados com
do Pedro Gabriel Lepiane, analista de mar- nala uma tendência para o futuro das embala- “ganhos em custo e
design”
keting da Poly-Vac, “além do preço mais gens em todos os segmentos de mercado, ou
competitivo do material, o formato inusitado seja, a migração é necessária devido a redu-
representa um importante diferencial”. Para ção de custo, design diferenciado, leveza,
a Kibon (Unilever), foi desenvolvida uma transparência e inovação, atributos oferecidos
tampa côncava para os cones de sorvete Cor- pelo processo de termoformagem.” Em abril
netto, marcando também uma expressiva último, comprovando a boa aceitação das no-
mudança de apresentação em relação aos vas embalagens, encomendas adicionais já
discos de papel cartão que recobriam a parte estavam em processamento.
superior da guloseima. Já a Tecnotintas ado- Com 32 anos recém-completados, a Poly-
tou, para as tintas gráficas de sua linha Spec- Vac “está em nova fase de investimento, tan-
Poly-Vac
trum, os recipientes termoformados num to em tecnologia quanto em recursos huma- (11) 5541-9988
movimento que, no entender de Lepiane, po- nos”, informa Lepiane. www.poly-vac.com.br

24 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


mercado >>> cartonadas assépticas

Ânimo renovado
SIG Combibloc reforça intenção de expandir
a presença de suas caixinhas no Brasil
egunda maior fornecedora mundial

S de embalagens cartonadas assépti-


cas, a suíço-alemã SIG Combibloc
há sete anos ensaia sua difusão na
América do Sul – e principalmente no Brasil,
disparado o maior mercado da região, consu-
midor de cerca de 9 bilhões de caixinhas lon-
ga vida por ano. A companhia chegou a fechar
por aqui alguns contratos pontuais de forneci-
mento com a Unilever, com a Pomar, produto-
ra dos sucos Izzy, e com o laticínio Jussara,
porém nunca conseguiu formar massa crítica
para ameaçar a gigante desse negócio no país, FIRMEZA – Leite
a sueca Tetra Pak. Só que jogar a toalha não condensado Frimesa
está nos planos da SIG Combibloc. Pelo con- é o novo produto
nacional com caixinha
trário: numa recente coletiva de imprensa, em
da SIG Combibloc;
São Paulo, seu presidente mundial e CEO, o fábrica no país, em
alemão Walter Schäfers, carimbou que a con- planejamento, encer-
quista de pelo menos 10% de share em caixi- raria importação das

FOTOS: DIVULGAÇÃO
embalagens pré-for-
nhas, num prazo de oito anos, é meta estraté- madas (no segundo
gica da empresa. “A América do Sul é a últi- plano) da Alemanha
ma janela a ser fechada por nós no mundo”,
sentenciou o executivo.
“O motivo da manutenção do ânimo é um prir a Frimesa. “Outra vantagem, o envase de
recente rearranjo do modelo de negócios para caixinhas de diferentes dimensões numa mes-
o mercado sul-americano, levado a cabo nos ma máquina, permitirá à Frimesa lançar no-
últimos dois anos”, explicou no evento o di- vos produtos, creme de leite, por exemplo,
retor geral na América Latina da SIG Combi- sem novos investimentos em maquinário”,
bloc, Achim Lubbe. Entre outras reestrutura- ressaltou Luciana Galvão, gerente de marke-
ções internas, o escritório brasileiro não é ting da SIG Combibloc.
mais subordinado à filial americana, como Agora, o objetivo da SIG é conquistar no-
ocorria anteriormente, respondendo direta- vas contas no mercado nacional e em países
mente à central alemã. vizinhos para atingir volume que justifique a
construção de uma fábrica no Brasil – projeto
Nova fase, nova conta em pauta há alguns anos e que, diz Schäfers,
O primeiro resultado dessa nova fase também será inevitável para anular os impostos de im-
foi divulgado no evento: um acordo de forne- portação, de 16%, e a diferença cambial entre
cimento de embalagens para o leite condensa- o real e o euro. O investimento necessário, ele
do da fabricante paranaense de lácteos Frime- calcula, seria de cerca de 70 milhões de euros.
sa, produto que está chegando agora aos su- “Uma demanda de 500 milhões de embala-
permercados do Sul e do Sudeste. No primei- gens talvez já seja motivo para construirmos
ro ano, 15 milhões de caixinhas, importadas aqui nossa nona planta mundial”, estima o
da fábrica alemã de Linnich já pré-formadas CEO, lembrando que a oitava unidade fabril
SIG Combibloc
– um dos diferenciais do sistema SIG Combi- (11) 2107-6744 da SIG Combibloc foi inaugurada há pouco,
bloc em relação ao da concorrente –, irão su- www.sigcombibloc.biz no início de abril, em Riad, Arábia Saudita.

26 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


Mais sobre o Label Summit
Um complemento à prévia publicada em abril HP – Trabalho de
convencimento
sobre os benefícios
a reportagem “Expansão ultramarina” feita na

N
da impressão digital
edição anterior, de balanço prévio do que será
apresentado no Label Summit Latin America
2005, dias 17 e 18 deste mês em São Paulo,
alguns expositores não foram incluídos, devido a que suas
informações chegaram à redação após o fechamento dos trar que a combinação da demanda por lotes cada vez me-
trabalhos da revista. Elas são apresentadas agora, de modo nores de rótulos com a pressão por entregas em prazos cada
que os interessados em visitar o evento têm, com esta vez mais apertados pode significar a equação necessária
edição de EMBALAGEMMARCA e com a anterior, um “guia” para viabilizar economicamente a impressão digital.
para orientar-se. Aos que não tiverem condições de compa- A holandesa ABG apresentará no evento a sua linha de
recer, a próxima edição trará a cobertura em profundidade. rebobinadeiras, incluindo os modelos “Turrent” (de torre)
e as revisoras de etiquetas e rótulos auto-adesivos com sis-
Para diferentes etapas da conversão tema eletrônico de vídeo inspeção Fleyevision.
Representante de alguns dos expositores que terão espaço Outra empresa representada pela Comprint presente no
no Latin American Label Summit, a Comprint reforçará seu Label Summit é a Melzer, fornecedora de soluções para o
posicionamento de empresa provedora de soluções para di- mercado de etiquetas inteligentes (ver na página 30).
ferentes estágios na área de conversão de rótulos.
Para quem está preocupado com velocidade, vale a pena Mais força em especialidades
consultar os atributos da linha Combat de impressoras fle- Um dos principais patrocinadores do Label Summit, a
xográficas da italiana Gidue. O fabricante enfatiza a simpli- Avery Dennison, aproveitará o evento para fazer o lança-
cidade de operação do equipamento, e afirma haver pouca mento de novos produtos. Um deles é o Fasson Global Co-
influência do grau de experiência do operador sobre a pro- Ex, um filme de altíssima transparência e com grande flexi-
dutividade da impressora. Essa mesma facilidade de opera- bilidade para aplicações em rótulos primários, destinado
ção, segundo a Gidue, reduz os tempos de setup. aos mercados de cosméticos, de higiene e limpeza, farma-
A também fabricante de impressoras Drent-Goebel, de cêutico e de alimentos e bebidas. Entre os benefícios do
origem holandesa-alemã, baterá na tecla da sua tecnologia Global Co-Ex, a fornecedora destaca, além da transparência
VSOP (Variable Sleeve Offset Printing), a primeira a com- e da flexibilidade superiores, quando comparado com fil-
binar impressão offset com o uso de sleeves. A empresa as- mes de polietileno, a alta qualidade de impressão e registro
segura que as trocas de sleeve são extremamente simples, e de cores.
que o tempo entre mudanças de serviço fica abaixo de 20 Também no Label Summit, a Avery Dennison destacará
minutos. Versátil, por poder imprimir embalagens flexíveis, a sua linha de produtos para vinhos. A empresa aproveitará
rótulos e cartuchos, a linha da D-G recebeu recentemente ainda a oportunidade que terá de estar próxima de alguns de
mais um modelo, a impressora VSOP 1120, voltada para o seus principais clientes para fazer o lançamento do Fasson
segmento de rótulos termo-encolhíveis. Splice Free, um serviço para atender a necessidade do mer-
A HP Indigo, por sua vez, aposta no florescente merca- cado convertedor na busca por
do de impressão digital de rótulos para mostrar aos visitan- produtividade e economia.
tes as oportunidades e os benefícios dessa tecnologia para Com esse serviço a Avery
tiragens pequenas e médias. A empresa pretende mos- Dennison garante o forneci-
mento de bobinas sem emen-
das, o que elimina a necessi-
dade de redução de velocida-
de de máquina na passagem
das emendas e diminui tam-
GIDUE – Linha Combat
tem como principais apelos a
bém a perda de insumos du- AVERY – Lançamento do Global
velocidade e a simplicidade de operação rante a conversão. Co-Ex, filme de alta transparência

28 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


Lançamentos para marcar presença
A Gafor, que distribui no Brasil a linha de produtos da ita-
liana Arconvert, visa a reforçar sua presença no mercado
de filmes e papéis auto-adesivos ampliando o leque de
produtos ofertados. Para isso, lançará durante o Latin
America Label Summit a base para auto-adesivos de po-
lietileno transparente fosco, filme que, segundo a empre-
sa, é inédito no mercado brasileiro, e a SecurtacK, etique-
ta de segurança para lacres de produtos invioláveis, com
excelente resultado de conversão.
De acordo com informações da Gafor, o Polietileno
Transparente Fosco tem excelente desempenho em má-
quina, e pode gerar ganhos de produtividade – com con-
seqüente redução de custos – no processo de rotulagem.
Isso porque, conforme explicação do distribuidor, em ge-
ral os convertedores são obrigados a adicionar um passo
a mais no processo produtivo para retirar o brilho indese-
jável do auto-adesivo para determinadas aplicações.
Já a etiqueta de segurança SecurtacK oferece a alta
qualidade de lacre exigida por sua aplicação em diferen-
tes superfícies, possibilitando, ao mesmo tempo, a perso-
nalização gráfica do selo de segurança.

Espaço para os ribbons


A RR Papéis, empresa do Grupo RR, participará do Label
Summit em conjunto com a Sony Chemicals, que repre-
senta na área de ribbons. Nesse segmento apresentará
alguns desenvolvimentos do que afirma serem “conside-
rados mundialmente os melhores ribbons do mercado”.
Segundo a empresa, nas versões cera, misto e resina, os
ribbons Sony trabalham com altas velocidades de impres-
são e baixas temperaturas, diminuindo a tensão. A RR Pa-
péis afirma ainda que os ribbons proporcionam menor
desgaste das cabeças térmicas de impressão.
Entre seus desenvolvimentos próprios a RR Papéis
exibirá adesivos de alto desempenho, desenvolvidos prin-
cipalmente para satisfazer as exigências do mercado inter-
nacional interessado nos produtos agro-industriais conge-
lados brasileiros e utilizados na fabricação de rótulos de
alta resistência e alta adesividade. Apresentará também
lacres anti-violação destinados às indústrias eletroeletrô-
nica, farmacêutica, cosmética fina e alimentos. Terão des-
taque, ainda, filmes metalizados de polipropileno bi-
orientado (BOPP) para rótulos de bebidas, cosméticos e
produtos refrigerados em geral.
ABG Gafor Melzer
www.abgint.nl www.gafor.com.br www.melzergmbh.com
Arconvert (11) 3046-3590 Comprint
www.arconvert.com Gidue www.comprint.com.br
Avery Dennison www.gidue.com (11) 3371-3371
www.averydennison.com.br HP Sony Chemicals
(19) 3876-7600 www.hp.com.br www.sonychemicals.com
Drent Goebel (11) 5502-5000 RR Papéis
www.drent-goebel.com www.rretiquetas.com.br
Cada vez mais perto
Interesse pela tecnologia RFID mobiliza mercado brasileiro
burburinho em torno das chama-

O das etiquetas inteligentes não


pára. As incertezas que ainda
pairam no ar, como a indefinição
relativa aos padrões que serão adotados, pa-
rece não ser suficiente para deter o avanço
dessa tecnologia, facilmente identificada
SATO CLE RFID
pela sigla RFID (do termo em inglês para SMART PRINTER
identificação por rádio freqüência). Efetua a gravação das
É bem verdade que o sonho da aplicação informações na etiqueta
inteligente enquanto
de smart labels em cada produto ainda vai faz a impressão. O
demorar um pouco para se concretizar. Mas mesmo equipamento
a aplicação em paletes e em caixas já está testa a etiqueta grava-
da, descartando auto-
sendo discutida – e implementada – por
maticamente as que
grandes empresas, que enxergam nisso a apresentarem defeitos
possibilidade de reduzir custos com opera-
ções logísticas e aumentar a rastreabilidade
de seus produtos. gas nos Estados Unidos e na Europa Ociden-
A existência de um mercado potencial tal – está movimentando fornecedores de
nada desprezível para essa tecnologia no equipamentos, insumos e serviços, e atrain-
Brasil – onde as grandes redes de supermer- do atenção crescente de empresas que estu-
cados têm poder suficiente para exigir de dam tornar-se fornecedoras ou usuárias de
seus principais fornecedores a adoção do soluções nessa área.
RFID, a exemplo do que fizeram suas cole-
A teoria na prática
Um exemplo disso foi o Workshop RFID,
RFID em vidro também organizado pela Sunnyvale em sua sede, no
A japonesa Toppan Printing, com a dia 30 de março. A empresa passou aos seus
colaboração da vidraria Nippon Sheet convidados um panorama da tecnologia
Glass, anunciou a obtenção de uma RFID, mostrando aplicações, explicando
etiqueta RFID para recipientes de vi- conceitos e indicando tendências. Depois,
dro, desenvolvimento até então inédi- fez uma demonstração da impressora de eti-
to no mundo. Segundo a Toppan, a quetas especiais – que também grava e testa
etiqueta se amolda a superfícies cur- chips RFID – da japonesa Sato, marca que a
vas, como as de garrafas e tubos de Sunnyvale representa no Brasil. A Sato Cle
ensaio, e apresenta resistência ao RFID Smart Printer efetua a gravação das
calor e à abrasão. A intenção é pros- informações na etiqueta inteligente enquan-
pectar a tecnologia em várias áreas, to faz a impressão. O mesmo equipamento
como a proteção de vinhos finos e testa a etiqueta gravada, descartando auto-
cosméticos de luxo e no controle de maticamente as que apresentarem defeitos.
estoque de medicamentos. Um por-
Outro exemplo de quanto as etiquetas in-
ta-voz da empresa revelou que diver-
FOTOS: DIVULGAÇÃO

teligentes têm alvoroçado o mercado brasi-


sas companhias japonesas já mostra-
leiro é a participação da Melzer (fabricante
ram interesse no produto, cujo início
alemã de equipamentos destinados a esse
de produção é iminente.
segmento, representada no Brasil pela Com-

30 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


Comprint print) no Latin American Label Summit, que atributos de sua tecnologia de teste e seleção
www.comprint.com.br
ocorre nos dias 17 e 18 de maio em São Pau- de transponders no início do processo de
(11) 3371-3371
lo (veja mais informações na página 28). A produção, o que permite a substituição das
Melzer Melzer, que se apresenta como o único for- unidades com defeito pelo fabricante/forne-
www.melzergmbh.com
+ 49 (0) 2336-9292-0
necedor com solução completa em linhas de cedor. Além de testar e selecionar os trans-
produção para o segmento de tecnologia sem ponders, o equipamento faz conversão e aca-
Sato contato (contactless technology) mostrará os bamento em linha.
www.satoamerica.com
+ 1 (704) 644-1650

Sunnyvale
www.sunnyvale.com.br
(11) 3048-0147

Toppan Printing
www.toppan.co.jp

MELZER - Fabricante
afirma ser o único
fornecedor com solução
completa em linhas de
produção com tecnologia
sem contato
Precisão magnética Hologramas
A fabricante americana de facas a montagem diretamente na im-
rotativas Bunting Magnetics pressora. Ímãs localizados nos aplicados em linha
anunciou em meados de abril cilindros mantêm as facas no lu- A OMET, fabricante italiana de impresso-
que adicionou mais uma série de gar correto mesmo em altas ve- ras de banda média e estreita represen-
produtos à sua extensa linha de locidades. A Bunting Magnetics tada no Brasil pela Gammerler, está dis-
cilindros e bases magnéticas. afirma que alguns atributos de li- ponibilizando aos usuários da linha Vary-
Trata-se da X-treme Series Die- nha e outros opcionais tornam o flex (equipamento sem engrenagens no
Cutting Cylinders, concebida tempo de setup baixo e garan- cilindro de impressão, disponível nas ver-
para resistir à deflexão e manter tem registros precisos em subs- sões de 420mm, 520mm e 670mm) uma
a precisão dentro de uma faixa tratos com espessuras variadas unidade in-line aplicadora de hologramas,
de tolerância extremamente bai- e de diferentes materiais. a Hologram-Insetting. A empresa acredita
xa – segundo a empresa, a me- + 1 316 284-2020 que o apelo visual e a dificuldade de fal-
nor da indústria gráfica. Os cilin- www.buntingmagnetics.com sificação das embalagens com hologra-
dros X-treme Cylinders permitem mas podem dar um grande impulso ao
novo acessório. O dispositivo é capaz de
aplicar hologramas vindos de até seis bo-
binas diferentes, e pode ser usado não
apenas na produção de rótulos, mas tam-
bém de embalagens flexíveis e cartuchos
de papel-cartão. A Hologram-Insetting já
foi testada, com resultados positivos se-
gundo a fabricante, na velocidade de 80
Mais agilidade e qualidade metros por minuto. A mesma unidade
A Mack Color, convertedora pré-impressão. A expectativa também pode ser usada na função “foil
de rótulos auto-adesivos, ad- da Mack Color é de que, com saver”, para redução nos gastos com a
quiriu uma expositora da o novo equipamento de gra- aplicação de foil. Nessa opção, a alimen-
Olec, modelo OV33HD, para vação de chapas para impres- tação do foil é programada com base no
agilizar os seus processos de são nos sistemas offset, silk- comprimento da imagem a ser impressa,
screen, flexografia e letter- e não sobre a base da montagem entre
press, o tempo de exposição as duas imagens.
seja reduzido em cerca de (11) 3846-6877
30%. No período de testes e www.gammerler.com.br
avaliações dos trabalhos ge-
rados no novo sistema, a con-
vertedora afirma ter obtido
melhor definição de degradês
e redução no ganho de ponto
da ordem de 20%.
(11) 6195-4499
www.mackcolor.com.br

In-Mold Labeling em destaque


De 26 a 28 de outubro próximo, a coloca como o único totalmente
cidade de Amsterdã, na Holanda, dedicado a esse sistema de rotu-
recebe a IMLCON2005, 13ª Con- lagem. Paralelamente às confe-
ferência Internacional sobre In- rências, será realizada uma pe-
Mold Labeling (IML). O evento, quena exposição. Detalhes sobre
organizado pela RBS Technolo- o programa do evento podem ser
gies e pela AWA Conferences, se obtidos em www.imlcon.com.

32 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


Fine Papers traz moda
chilena para o Brasil
Sucesso no Chile, onde veste 97% das
garrafas dos vinhos lá produzidos, a li-
nha Estate Label de papéis para rótulos
finos, da Fine Papers, está chegando
ao Brasil. Em quatro opções, com dife-
rentes texturas e cores, a linha possui
tratamento wet strength, que garante
estabilidade na influência de umidade
e nas alterações de temperaturas. “O
tratamento é próprio para produtos
que possam ter seus rótulos em contato com estas
alterações de temperatura extremas, como balde de
gelo, agüentando até 11 horas, o que é o dobro da
exigência do mercado internacional”, explica Tatiane
de Féo, gerente de marketing da Fine Papers. Se-
gundo ela, a nova linha visa atender por aqui vinhos,
espumantes e cachaças de qualidade, passíveis de
serem resfriados ou que procurem uma apresenta-
ção mais nobre. Construída em papel de fibra longa
premium, a Estate Label
apresenta adesivação efi-
caz sob altas temperaturas
e alta performance em dife-
rentes sistemas de impres-
são e processos de acaba-
mento (como hot stamping,
relevo seco e serigrafia). As
opções da linha são: Natu-
ral Smooth Finish (branco natural em textura lisa);
White Laid Finish (branco em textura feltrada); Bright
White Vellum Finish (super branco em textura avelu-
dada); e Cream Laid Finish (creme claro em textura
feltrada). Todas elas estão disponíveis em 89g/m2,
com acabamento em marca d’água, em folhas gráfi-
cas com formato 63,5cm x 96,5cm, bobinas e adesi-
vação sob encomenda.
(11) 3819-2000 • www.finepapers.com.br
evento >>> brasilplast

Otimismo espelhado
Boas projeções da cadeia do plástico movimentaram a Brasilplast 2005
Por Guilherme Kamio

FOTOS: DIVULGAÇÃO
previsão de bons ventos para a econo-

A mia brasileira nos próximos meses,


embora com propensão maior às bri-
sas que às lufadas, está gerando pesa-
dos investimentos da cadeia nacional dos plásti-
cos em desenvolvimento de produtos e em am-
pliação de oferta. Nem mesmo a volubilidade
das cotações do petróleo, responsável por recen-
tes conflitos sobre repasses de custos entre os
elos da corrente de negócios formada por esses
materiais – queixumes dos transformadores de
embalagens, por exemplo, têm sido freqüentes
(veja a Entrevista desta edição) –, freiam o âni-
mo do setor. Explica-se. O escoamento de plásti-
cos no país costuma acompanhar a evolução do
PIB em proporção dobrada ou até triplicada, e o mercado Se não fecharam pedidos de imediato nos estandes, os
local guarda um fabuloso potencial: enquanto o consumo representantes internacionais, principalmente de delega-
anual per capita de plásticos no Brasil é de 23 quilos, em ções de países latinos e da China, o novo eldorado dos ex-
certos países ele ultrapassa os 100 quilos. Ademais, as ex- portadores ocidentais, deixaram clara a intenção de logo
portações do setor estão em franco aquecimento. Esse estreitar acordos com o Brasil. “No quesito contatos, a
quadro explica o porquê de a 10ª edição da Brasilplast – Brasilplast superou as previsões. Atendemos pessoas até
Feira Internacional da Indústria do Plástico, realizada de 4 da África”, afirma Maristela Simões de Miranda, diretora
a 8 de abril no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em comercial da Maqplas e diretora estratégica de financia-
São Paulo, ter sido palco de intenso movimento. mentos da Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de
O evento, organizado pela Alcantara Machado Feiras Máquinas e Equipamentos. De acordo com o diretor geral
de Negócios, reuniu numa área de 76 000 metros quadra- da feira, Evaristo Nascimento, o sucesso de público es-
dos 1 254 expositores, quase 50 a mais que na edição ante- trangeiro “resultou da política agressiva de divulgação
rior, realizada em 2003 no mesmo local. Pelos corredores junto a mercados estratégicos e do apoio de entidades re-
da feira, ficou evidente o interesse estrangeiro no mercado presentativas da indústria”.
brasileiro de plásticos, e não somente pela presença de 511 De fato, o foco nas vendas marcou o evento. Nem por
empresas expositoras originárias de outros países. A Brasil- isso alguns expositores deixaram de aproveitar a ocasião
plast deste ano também registrou recorde de visitação de para promover a estréia de produtos, principalmente as pe-
estrangeiros. Das 59 015 pessoas que giraram as catracas troquímicas, por meio de novidades em resinas (muitas de-
do Anhembi, quase 2 000 foram forasteiras, oriundas de 58 las antecipadas por EMBALAGEMMARCA em sua edição an-
nações, contra os 48 países de origem contabilizados na terior). O setor de máquinas e equipamentos também
edição de dois anos atrás. E, vale dizer, o interesse dos es- lançou novos modelos na Brasilplast. Já as empresas pro-
trangeiros não se restringia à prospecção de freguesia local, dutoras de embalagens, até pela participação contida, dei-
mas também nos materiais, serviços e tecnologia apresen- xaram a impressão de estarem guardando fôlego para a Fis-
tados pelos expositores nacionais. Para se ter idéia, o pro- pal Tecnologia, feira a ser realizada no mês que vem no
grama Export Plastic, criado para estimular as exportações mesmo local. “A participação dos transformadores na Bra-
de produtos plásticos manufaturados brasileiros, realizou silplast é mais institucional”, explica Merheg Cachum,
na feira 500 rodadas de negócios, que geraram 400 000 dó- presidente da Abiplast – Associação Brasileira da Indústria
lares em negócios imediatos. A expectativa é que, num pra- do Plástico. Nas próximas páginas, destacamos algumas
zo de até um ano, os contatos feitos na Brasilplast revertam das novidades relacionadas a embalagens que atraíram a
em mais 8 milhões a 12 milhões de dólares. atenção de nossa reportagem presente ao evento.

36 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


Um plantel de novas especialidades
A Brasilplast foi plataforma de es- a unitização de multipacks de fil-
tréia de uma série de especialida- mes termoencolhíveis (os popula-
des da Braskem para a produção res shrinks). “Sua maior inovação
de embalagens – das quais EMBA- é não permitir a adesão do filme
LAGEMMARCA antecipara detalhes de transporte ao filme encolhível
em sua edição anterior. No even- primário, problema até então sem
to, a petroquímica revelou que a resposta convincente do merca-
nova linha de polietilenos de baixa do”, afirmou Luiz de Mendonça,
densidade linear (PEBDL) obtida a vice-presidente de Poliolefinas da
partir da tecnologia de quarterpo- Braskem (foto abaixo).
límeros, uma combinação de qua- Outra marca revelada pela petro-
tro tipos de monômeros, será co- química na feira foi a Braskem
mercializada sob a marca Bras- Prisma, guarda-chuva de uma
kem Pluris. A nova linha, combina- nova carteira de especialidades
da a outras resinas da compa- em polipropileno da companhia.
nhia, é mãe das Soluções Bras- Dela, dois grades foram especial-
kem, que abrangem produtos cus- mente destacados: a 2910, copo-
tomizados para aplicações em límero para a injeção de embala-
embalagens – entre elas gens com alta transpa-
filmes técnicos de alta rência e resistentes a
performance para empa- baixas temperaturas,
cotamento automático e ideal para a produção de
sacaria para pet food. “No embalagens que vão ao
caso das rações, a Solu- freezer e ao congelador
ção dedicada garante al- (sorvetes e pratos con-
tas velocidades da linha gelados, por exemplo);
de envase e embala- e a 3400, criada espe-
gens com visual supe- cialmente para abas-
rior, sem a corriquei- tecer a tecnologia
ra marcação dos ISBM (Injection
grãos, efeito conhe- Stretch Blow Mol-
cido como ‘pipoca’”, ding) de sopro de re-
ilustrou Marcelo cipientes para bebi-
Mancini, diretor co- das não-gasosas.
mercial de Poliolefi- “Esta última propor-
nas da Braskem, du- ciona embalagens de
rante evento para a ótimo custo, leves,
imprensa. Outra so- brilhantes, com alta
lução destacada foi a transparência e re-
de Termoencolhíveis sistentes a envase a
Não-colantes, paten- quente”, detalhou
teada pela Braskem. Luís Felli, também di-
Ela compreende um retor comercial de
filme coextrudado Poliolefinas da Bras-
encolhível, híbrido kem (foto em
das famílias Pluris, destaque).
PP e PEBD de resi- (11) 3443-9999
nas, desenvolvido para www.braskem.com.br
Com a iminência do início de suas
operações, programado já para este Corte e solda em
segundo trimestre de 2005, a Rio
Polímeros (Riopol) compareceu à
destaque na Maqplas
feira com um estande de 300 me-
tros quadrados. “Não iremos sim-
plesmente produzir polietileno, que-
remos agregar serviços ao produto
e criar diferenciais”, disse João
Brandão, diretor superintendente
da companhia, aproveitando a oca-
sião como um teaser do modelo de
negócios que a Riopol adotará.

A primeira dama do Estado de São


Paulo, Maria Lucia Alckmin, visitou
a feira no dia 5 de abril e recebeu da Tradicional fabricante nacional de tros tipos de embalagens plásticas
fabricante gaúcha de máquinas Hi- máquinas de corte e solda para baseadas em poliolefinas, seja com
maco utensílios domésticos produ- embalagens flexíveis, a Maqplas solda lateral, de fundo ou beira la-
zidos nas injetoras alocadas no es- destacou na Brasilplast sua nova teral. Por sua vez, a CSP UP 600,
tande da empresa. As cerca de 5000 corte e solda para sacolas NCS para formação de stand-up pou-
bacias e 1200 conjuntos de pratos 800 SLH high speed. Em relação ches, ganhou alarme de fim de bo-
com talheres recolhidos serão doa- aos modelos antecessores, a má- bina, estação de zíper e queda de
dos ao Fundo Social de Solidarie- quina apresenta novo software, pressão da rede, um furador com
dade do Estado de São Paulo. melhor controle na tensão do filme correção automática por fotocélula
e maior performance na produção. e tela touch screen.
Lançando novas resinas na feira
A gama de produtos atendidos vai (11) 3602-8355
(destacadas na edição anterior de
EmbalagemMarca), a Politeno rece- de sacolas com alça flexível a ou- www.maqplas.com.br
beu em seu estande o secretário do
Comércio, Indústria e Mineração da
Bahia, José Luiz Pérez Garrido. “A
Politeno tem sido importante par- Para filmes técnicos complexos
ceira pela capacidade de criar opor- A Carnevalli alugou uma grande área na
tunidades e levar novos empresá-
Brasilplast para colocar em funcionamen-
rios para o Estado da Bahia”, decla-
to diversos de seus equipamentos. Um
rou o político. Sob o slogan “Polite-
no e Você – Uma Parceria de Classe lançamento de destaque foi a nova coex-
Mundial”, a petroquímica também trusora de sete camadas Polaris PA
enfatizou seu programa de apoio 1400. Segundo Mauricy Pedro Costa, da
administrativo aos clientes via in- área de marketing da empresa, a novida-
ternet, o FastLine. de é voltada à fabricação de filmes técni-
cos multicamadas para embalagens de
A Basf comemorou na Brasilplast alimentos e de outros produtos depen-
os 75 anos do início da produção de dentes de altas barreiras. “A nova Polaris
poliestireno (PS), ocorrida em sua pode empregar, em uma ou mais cama-
fábrica de Ludwigshafen, na Alema-
das, poliolefinas, poliamidas
nha. O material, em sua forma ex-
como nylon e EVOH e outros
pandida, se popularizaria anos de-
pois através da marca isopor, que materiais”.
acabou por se tornar sinônimo do (11) 6413-3811
produto. www.carnevalli.com

Quem também fez uma visita à Bra-


silplast, no primeiro dia da feira, foi
o cirurgião plástico Ivo Pitanguy.
Ele falou à imprensa do prefácio
que escreveu para o livro “O plásti-
co em sua vida”, escrito pelo jorna-
lista Anthony de Christo e patroci-
nado pela Braskem.

38 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


Um gostinho das novidades previs-
tas para chegar ao mercado em Mangas vestidas a um custo acessível
2007, quando a ampliação da planta A fabricante de equipamentos Na-
da Polietilenos União no ABC pau-
rita participou da Brasilplast des-
lista ficará pronta, já pôde ser senti-
tacando a nova Vest Plus, rotula-
do na Brasilplast. Dentro de um tra-
balho de pré-marketing, a compa- dora compacta para a aplicação
nhia já divulgava prospectos e de rótulos manga de polietileno
amostras dos novos produtos que em frascos cilíndricos. De acordo
ela irá produzir com a tecnologia com a fabricante, a maquina, ca-
adquirida da Chevron Philips – paz de aplicar até 3 500 ró-
entre eles, um polietileno de baixa tulos por hora, alia agilidade e
densidade linear metaloceno praticidade a um custo de in-
(PEBDLm), base de filmes com vestimento reduzido. A Narita
transparência e brilho elevados. também anunciou o início da fabri-
cação de túneis de encolhimento
A Ipiranga Química detalhou na fei-
para rótulos termoencolhíveis, os
ra o contrato fechado em fevereiro
com a Petroquímica Triunfo, que a quais irá expor na Fispal Tecnolo-
torna distribuidora oficial no Sul e gia, no fim de maio.
no Sudeste da linha de polietilenos (11) 4352-3855
de baixa densidade e de copolíme- www.narita.com.br
ros de etilenos com acetato de vini-
la (EVA) desta última. A Ipiranga
também lançou um masterbatch
branco no evento. Ciclo rápido rende boas perspectivas
O Plastivida – Instituto Sócio-Am- Vendida recentemente para o gru- bém estão disponíveis na versão
biental dos Plásticos aproveitou a po americano Taylor’s HPM (veja a Fast, para altas velocidades, ideal
Brasilplast para anunciar a remode- seção Panorama desta edição), a para aplicações de ciclo rápido com
lagem de seu site na Internet Sandretto do Brasil fez na Brasil- parede fina. Aliás, um dos modelos
(www.plastivida.org.br). Ele passa a plast o début de sua série Nove HP Fast, com 300 toneladas de força
divulgar notícias e atualidades so- de injetoras. Resultado de um in- de fechamento, encontrava-se em
bre plásticos, educação ambiental e vestimento de 2 milhões de dólares operação no estande da empresa,
responsabilidade social e recicla-
dividido entre a subsidiária brasilei- produzindo tampas de parede fina
gem, entre outros assuntos.
ra e a base italiana, a série é com- para potes de alimentos. “A tecno-
posta por 24 modelos, com capaci- logia embarcada nas máquinas
Outra entidade que anunciou um
banho de loja em seu endereço na dades entre 90 e 485 toneladas Nove HP permitirá que elas este-
Internet foi o Siresp – Sindicato da de força de fechamento, com siste- jam na dianteira do mercado por
Indústria de Resinas Sintéticas do ma hidráulico reformulado que alia pelo menos cinco anos”, divulga
Estado de São Paulo. O portal da alta velocidade e sobreposição de Guido Pelizzari, diretor geral da
entidade (www.siresp.org.br) ga- movimentos à baixa emissão de ruí- Sandretto do Brasil.
nhou upgrades em seu visual e em dos e redução no consumo energé- (11) 4652-0100
sua funcionalidade. tico. As máquinas Nove HP tam- www.sandretto.com.br

Com o objetivo de elevar sua pro-


dução anual em mais 6000 tonela-
das, a produtora de masterbatches
Termocolor destacou o projeto de
sua nova planta em Cabreúva (SP).
O início das operações da unidade
será em 2006. A companhia também
acaba de adquirir uma extrusora
com capacidade instalada de 3 000
toneladas/ano e de reformular sua
página na web (www.termoco-
lor.com.br) e sua identidade visual.
As embalagens dos produtos da
empresa já estão chegando ao mer-
cado com um novo logotipo.

40 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


Bombonas com controle
Quatro máquinas estiveram expostas no estande da
fabricante nacional de sopradoras e injetoras Pavan
Zanetti. Entre elas, o destaque ficou por conta da
HDL 20L, sopradora para a fabricação de bombo-
nas de 20 litros para itens agroquímicos, que fun-
cionava com um módulo de injeção acoplado, permi-
tindo a aplicação de uma faixa de visão vertical,
transparente, nas embalagens. “Desse modo, tor-
na-se possível verificar o nível do líquido embalado”,
expõe o gerente de marketing e vendas Newton Za-
netti. Outro modelo exposto, o Bimatic BMT 3.6D,
mostrou a fabricação de embalagens para cosméti-
cos em linhas automatizadas. “Esse modelo propor-
ciona relação custo e benefício muito interessante,
dada a necessidade de reduzir custos nos proces-
sos de fabricação”, diz Zanetti. A Pavan Zanetti co-
memorava na Brasilplast a marca de 2 000 sopra-
doras fabricadas desde sua fundação, em 1966.
(19) 3475-8500 • www.pavanzanetti.com.br

Novos grades de PET


Divisão da química Eastman focada na produção de
resinas PET para embalagens, a Voridian sacou na
Brasilplast novas soluções de sua carteira. Uma de-
las foi a nova integrante da família Voridian Aqua
PET de resinas para a produção de garrafas de água
mineral, a PJ004, substituta da PJ002. Outra ma-
téria-prima destacada na Brasilplast foi a resina PET
PG600, de alta transparência, voltada à transfor-
mação de embalagens para alimentos, medicamen-
tos e cosméticos. Marcos Pinhel, gerente de contas
da empresa, informou que as novidades serão pro-
duzidas na fábrica argentina da Voridian. “Assim, po-
deremos oferecer custos mais competitivos. Não te-
remos que importar ‘extra-zona’ e arcar com altos
custos de impostos”, definiu o profissional.
(11) 5506-9989 • www.voridian.com
Um robô mais compacto Flexo júnior e
A Wittmann destacou na Bra- os outros componentes do sis- laminadora em foco
silplast seu robô W721 Com- tema de controle ficam abriga-
Uma nova impressora flexográfica de
pact CNC 6.2, integrante da dos num gabinete fixado ao
série 7 de robôs da empresa. lado do eixo Z, propiciando seis cores, a FR6, foi destacada pela
Indicado para operar conjuga- maior aproveitamento do espa- espanhola Comexi em seu estande na
do a injetoras com 250 a até ço nos arredores da injetora. A Brasilplast. De acordo com a empresa,
2 000 toneladas de força de construção modular, diz a trata-se de um modelo com engrena-
fechamento, o modelo se ca- Wittmann, também amortiza o gens júnior, acessível e de operação
racteriza pelo formato compac- custo de aquisição do robô. simples, sem detalhes supérfluos, po-
to. Os módulos dos servomoto- (19) 3234-9464 rém com o aporte das últimas tecnolo-
res são instalados no eixo X, e www.wittmann.com.br gias da área: bancada monoblock (com
anilox incluído), tinteiros paralelos, du-
pla guia de suporte de tinteiros, nova
tecnologia de secagem e sistema canti-
lever de troca de camisas porta-cli-
chês. Os ajustes de tinteiros são micro-
métricos manuais. “É uma máquina que
alia precisão a simplicidade, pois nem
todos os trabalhos exigem oito ou dez
cores”, explica Jeferson Luiz Giampie-
tro, diretor comercial e de marketing
da Comexi do Brasil. Em tempo: a Co-
mexi também reforçou a divulgação de
sua laminadora solventless Nexus One,
para trabalhos de até 300 metros por
minuto com uma ampla gama de mate-
riais (na foto).
(51) 632-2130
Imagem alinhada ao mundo comexi@comexibrasil.com.br

A Solvay Indupa utilizou ca Solvin já vir sendo uti-


a Brasilplast para con- lizada no resto do
solidar o alinhamento mundo há certo tempo.
mundial da marca de A Solvay Indupa também
sua resina de PVC, anunciou que a expan-
ocorrido em março. O são de sua fábrica de
produto de força da Santo André (SP), inicia-
companhia do Grupo da em 2004, deverá ser
Solvay, quarto maior concluída até o segundo
produtor mundial de semestre deste ano.
PVC, passa a ter Fruto de um investimen-
imagem global pa- to de 50 milhões de dó-
dronizada, aten- lares, a expansão irá ge-
dendo pelo nome rar um incremento de
Solvin. Até então, 30 000 toneladas anu-
o PVC da empre- ais na produção de PVC
sa era conhecido e mais 100 000 tonela-
como Solvic, no das por ano de MVC
Brasil, e como (Monômero de Cloreto
Induvil na Ar- de Vinila) no Brasil.
gentina, ape- (11) 3708-5265
sar de a mar- www.solvayindupa.com

42 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


entrevista >>> Merheg Cachum

No plástico, o cenário não


é tão colorido como parece
entro do sempre tormentoso horizonte do O clima na Brasilplast 2005 parecia ser de grande satis-

D mundo brasileiro dos negócios, a marcha às


vezes tranqüila e esporádicos fatos auspi-
ciosos não autorizam ninguém a fazer pre-
visões para muito adiante. Nesse quadro, a
cadeia do plástico, aqui abordada basicamente por sua
fação – para não dizer de euforia – entre expositores e vi-
sitantes. Tinha-se a impressão de que a cadeia do plásti-
co está tendo excelente desempenho. Na sua visão o cená-
rio é realmente tão colorido assim?
A Brasilplast foi uma feira maravilhosa, uma demonstração
parte ligada ao negócio da embalagem, passa por constan- gigante da força da indústria plástica brasileira em todos os
tes agruras. Quem acompanhou a maior feira do setor no setores. Batemos todos os recordes – de visitantes, de espa-
país, a Brasilplast, pode ter concluído que o cenário é co- ço ocupado, de tudo, enfim. Agora precisamos aguardar que
lorido, mas talvez não tenha tido uma visão completa. a economia do país decole. Essa é a grande expectativa de
Mais dependente do fornecimento do petróleo do que os todos os elos da cadeia do plástico e, claro, de todos os se-
setores concorrentes, na medida que o utiliza como even- tores produtivos nacionais. No caso da cadeia de plásticos,
tual fonte de energia e inevitavelmente como matéria-pri- eu diria que as coisas estão indo bem para quem está expor-
ma, o atomizado time dos transformadores brasileiros é tando. Todavia, para quem está só no mercado interno, ex-
afetado, entre muitos outros, por dois graves fatores que ceção feita àqueles que fornecem componentes para a in-
influem nos preços do fornecimento: a imponderabilidade dústria automobilística – uma área que exporta cada vez
de eventos internacionais e o invariável ritmo ascendente mais –, a situação muda de figura. O quadro é complicado.
das cotações internas. O fato é que “os transformadores
não conseguem reajustar seus preços como conseguem os Ultimamente temos acompanhado os transformadores ma-
produtores de resinas”, ressalta Merheg Cachum, presi- nifestarem publicamente insatisfação com os fornecedores
dente da Abiplast – Associação Brasileira da Indústria do de resinas. Quais são especificamente as queixas do setor?
Plástico, nesta entrevista feita por telefone, dos Estados Nosso problema é um só: não temos como reajustar pre-
Unidos, onde se encontrava a negócios. ços como os produtores de resinas têm. Para eles é muito
Cachum ressalva que, na cadeia do plástico, os exportado- mais fácil. Os fornecedores de resinas formam um univer-
res estão se saindo melhor do que quem fornece para o so de poucas empresas, e com um poder muito grande,
mercado interno, agora ameaçado também pelo avanço uma facilidade incomensurável de definir preços. Do nos-
dos chineses, cujos produtos têm preços formados sem o so lado, somos 8 000 empresas trabalhando muitas vezes
ônus de componentes específicos do Brasil: a maior carga para clientes gigantes. Aí, enfrentamos complicações, por-
tributária do planeta, juros himalaicos, custos trabalhistas que essas empresas fazem uma pressão muito grande acer-
estratosféricos. Não obstante tudo isso, Cachum destaca o ca dos preços, e nós acabamos pagando mais caro pelas
enorme potencial de exportação de embalagens e do au- resinas, sem a velocidade que deveríamos ter para acertar
mento de seu consumo no Brasil. preços com nossos clientes.

Merheg Cachum, presidente da Abiplast – Associação


Brasileira da Indústria do Plástico, queixa-se de
fatores que pressionam a área de transformação, mas
lembra potencial exportador do Brasil em embalagens

44 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


entrevista >>> Merheg Cachum

Falando nisso, o senhor tinha um encontro marcado com É possível fazer previsões quanto à inversão do atual pro-
autoridades em Brasília para discutir a questão dos pre- cesso, e conseqüente diminuição dos custos das resinas ter-
ços das resinas. Esse encontro foi realizado? moplásticas e da nafta?
Ainda não. Estamos aguardando somente a confirmação Fico muito preocupado com a inversão do processo, porque
do agendamento para que essa reunião se concretize. a velocidade com que se aumentam os preços é muito gran-
Nossa intenção é discutir a possibilidade de se ter, por de, e o inverso nunca foi verdade.
parte do governo ou da própria Petrobras, uma política de
preços de resinas. Do jeito que os Quais os últimos reflexos do proces-
preços estão, e com a impossibili- “Os chineses irão invadir a so de alta nos índices brasileiros de
dade de repassarmos os aumentos consumo de embalagens plásticas?
dos preços, o setor todo está com- indústria brasileira, colo- Os reflexos são altamente penosos,
plicado. porque alguém, nesta ponta, está
perdendo, e este alguém somos nós,
A escalada de preços das maté-
cando produtos onde hoje transformadores de plásticos.
rias-primas derivadas de petróleo
já chegou ao limite? Ou o setor de nós colocamos, só que com O aumento das importações de
transformação plástica vislumbra produtos chineses é uma das con-
novos ciclos de reajustes? uma condição totalmente seqüências mais temidas do ciclo
Quanto a essa questão é aquela de reajustes das resinas termo-
história: nunca nenhum de nós diferenciada. Eles não plásticas. De que forma o setor
sabe qual o limite do preço do pe- tem se organizado para reagir a
tróleo. É quanto está hoje? E se es- essa ameaça?
tourar uma guerra no Irã, como
vivem, como nós, com a Sem dúvida, essa é uma realidade
fica? Vê-se que o caso é complica- incontestável. Os chineses prova-
do. Nós somos totalmente depen- maior carga tributária do velmente irão invadir a indústria
dentes do petróleo, essa é a reali- brasileira, colocando produtos
dade. Como a Petrobras hoje é planeta, juros absurda- onde hoje nós colocamos, só que
quase auto-suficiente, teríamos de com uma condição totalmente di-
ter uma política de governo que mente altos, custos traba- ferenciada. Eles têm condições
pelo menos determinasse que as que nós não temos. Vivemos com
resinas tivessem uma condição di-
ferenciada de preço. E as cadeias
lhistas estratosféricos” uma carga tributária que não exis-
te em nenhum lugar do planeta, te-
que antecedem o nosso negócio têm de participar dessa mos uma carga de juros absurda, custos trabalhistas estra-
discussão também. O setor de transformação está extre- tosféricos. Na China, tudo é o contrário, e vale lembrar
mamente preocupado porque para ele não existe espaço que em muitos casos o governo subsidia as empresas para
para reajustes. colocarem seus produtos em mercados estrangeiros. En-
tão, é uma desigualdade muito grande. Se acontecer, será
O senhor acredita que as fusões e o aporte de multinacio- como colocar um gigante para brigar com uma criança de
nais no negócio brasileiro de transformação de plásticos, dez anos. A Fiesp tem se organizado nesse sentido, tem to-
como vem ocorrendo na seara das embalagens, por exem- mado várias providências quando indústrias reclamam de
plo, pode injetar um pouco mais de força às reivindica- problemas relativos a essa questão.
ções do setor?
As multinacionais sempre têm um poder de negociação Como o senhor avalia o impacto da atual situação no es-
diferente das empresas nacionais, com exceção, é claro, forço empreendido pela cadeia brasileira de transformação
daquelas poucas que são gigantes – as quais podemos di- plástica para aumentar as exportações de produtos plásti-
zer, até, que se encontram niveladas às multinacionais. cos acabados?
Mas é óbvio que a pulverização de nosso negócio torna as O esforço tem sido enorme, e as perspectivas no médio e
negociações mais difíceis, e a concentração sempre facili- no longo prazo parecem ser positivas. Temos o programa
ta a força das reivindicações. O grande número de atores, Export Plastic operando com bons resultados. Entretanto,
no entanto, faz parte da natureza do setor de transforma- o processo de exportação não ocorre de um dia para outro.
ção de plásticos, e a balança não pode pender somente É preciso perseverança das empresas, dedicação, partici-
para determinados lados. pação nas principais feiras do mundo... Assim, todos

46 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


entrevista >>> Merheg Cachum

poderão colher frutos daquilo que se está plantando hoje, sado. Nada tem a ver com as margens dos transformadores.
trata-se de um processo.
Ultimamente temos visto aumentar, principalmente no ne-
Dentro da questão do esforço para aumentar o escoamen- gócio de embalagens, parcerias entre produtoras de resinas
to de produtos plásticos manufaturados em mercados exter- com transformadores para o desenvolvimento de novas re-
nos, temos observado diversas afirmações, tanto de empre- sinas e de produtos especiais derivados desses materiais. O
sários como de entidades de classe, dando conta de que tem senhor acredita que essa tendência se acentuará?
havido um aumento das exporta- Com certeza. A lógica, para o negó-
ções de embalagens acabadas. O “Acredito que a embalagem cio do fornecedor de resinas, é fe-
senhor confirma essa tendência? char parcerias com sua clientela,
Sim, e acredito que a embalagem talvez seja o produto que é a cadeia de transformação.
talvez seja o produto plástico mais Ninguém pode ver seu fornecedor
fácil para exportarmos. Pegue-se o como não-parceiro. O bom relacio-
caso das embalagens flexíveis:
plástico mais fácil para namento entre esses dois elos é vi-
elas ocupam poucos espaços, en- tal, porque abre novos negócios
chem contêineres, têm uma logísti- exportarmos. Pegue-se para ambos, fortalecendo o apelo
ca amigável. Acredito muito na do plástico perante os usuários fi-
grande possibilidade de exporta- o caso das embalagens nais, ou seja, os clientes diretos dos
ção das embalagens. Outros seto- transformadores. O interesse é mú-
res também têm condições de ex- flexíveis: ocupam tuo: os transformadores também
portar. Na área de peças técnicas, têm de se escorar nos fornecedores
observamos que montadoras de para se antecipar a novas oportuni-
automóveis de países desenvolvi-
poucos espaços, enchem dades de negócio. É deles que com-
dos importam muitos componen- pramos a matéria-prima.
tes, inclusive do Brasil. contêineres, têm uma
Freqüentemente ouvimos atuantes
Como se explica a escalada de pre- logística amigável. A área da cadeia de plásticos abordarem o
ços das resinas, quando o preço do enorme gap existente entre o consu-
petróleo vem caindo e, segundo de peças técnicas também mo anual per capita de plásticos no
previsões variadas, poderá cair Brasil e o de outros países, o que
ainda mais?
Bem, essa é a resposta que eu tam-
tem condições de exportar” denotaria claramente um grande
potencial de desenvolvimento do
bém quero dos produtores de resinas, porque, quando o setor no país. É possível medir o quanto dessas oportunida-
preço delas vem subindo, as respostas são muito rápidas des latentes caberia às embalagens plásticas?
com relação aos nossos associados, e quando há o inverso No ano passado o consumo per capita de plásticos no Brasil
do processo, infelizmente a resposta não é rápida. fechou em 23 quilos. Em 2003, o registro foi menor. Nos
Estados Unidos, onde estou agora, o consumo anual per ca-
Em que medida os aumentos das resinas têm interferido na pita de plásticos passa um pouco dos 100 quilos. Para se ter
taxa de ociosidade do setor de transformação plástica? idéia do potencial do mercado brasileiro, há lugares em que
Quando as resinas sobem demais, nossas empresas deixam esse índice chega a 180 quilos. O grande fator por trás des-
de ser competitivas. Aí, abrimos espaço para empresas do sas diferenças de consumo de plásticos não é outro senão a
exterior colocarem seus produtos aqui no nosso país a um diferença de poder econômico da população brasileira para
preço mais atrativo. O que acontece: estamos gerando em- os dos outros países. Um operário americano ganha uma
pregos para outros países, em prol do desemprego gerado no fortuna se comparado ao ganho de um operário brasileiro.
nosso país e da quebra de muitas empresas. Como praticamente tudo é comprado já embalado, natural-
mente as embalagens respondem por muito desse potencial
A oferta de especialidades por parte das petroquímicas tor- adormecido do Brasil. Mas claro que a diferença não é so-
nou-se uma maneira de fugir da commoditização do negó- mente de consumo de embalagens. Quando o país é rico, os
cio de resinas. Essa tendência tem afetado as margens dos plásticos são mais escoados também através de eletroeletrô-
transformadores? nicos, de automóveis, de materiais de construção civil etc.
As petroquímicas estão investindo porque tiveram resulta- Nesse sentido, o consumo de plásticos é um termômetro do
dos fabulosos nos últimos anos, principalmente no ano pas- estado da atividade econômica dos países.

48 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


Vávula pump contra dermatites caninas Chegam ao mercado
as fraldas Garfield
Cachorros com queda de pêlo,
descamações e inflamações de O gato cor de laranja criado por Jim
pele têm um novo aliado. A Ouro Davis deixa as histórias em quadri-
Fino Bem-Estar Animal lançou o nhos para fazer parte do dia-a-dia
Dermocanis Pump. Segundo a dos bebês com o lançamento das
empresa, é o único medicamento fraldas descartáveis Garfield Baby,
do gênero dotado de válvula da Baby Roger.
pump, acessório de embalagem As fraldas estão disponíveis nas ver-
que permite borrifar produtos sões Clássica e Econômica.
líquidos, facilitando a aplicação
As embalagens são fabricadas pela
diretamente nos animais. A válvu-
Silflex, em polietileno linear de baixa
la foi fornecida pela Saint-Gobain
densidade e impressão em flexogra-
Calmar. Com capacidade de
fia. O design é da Quadro Final.
100ml, os frascos são feitos de
PET pela Vedapack. Já os cartu-
chos cartonados que envolvem o
conjunto são impressos pela
Macron Indústria Gráfica.

Imagens enobrecem pacote de arroz


Novidade da Camil em arroz: a li- tificação nos pontos-de-venda. O
nha Gourmet Food Service da trabalho gráfico da embalagem é
Agora é a vez da
empresa está chegando ao merca- assinado pela Spice Design. camponesa
do através do Cu- Resgatar os atributos emocionais
linária Italiana, ar- despertados pelo leite. Esse foi o
roz voltado ao norte do projeto de redesenho
preparo de risotos
das embalagens dos leites Elegê,
nas cozinhas pro-
recentemente realizado pela
fissionais. O pa-
agência gaúcha Bendito Design.
cote do produto,
Entre as líderes do mercado bra-
fabricado pela
Cristal Embala- sileiro de leite longa-vida, a mar-
gens, traz ima- ca agora tem estampada em suas
gens alusivas a embalagens a figura de uma
uma cozinha pro- camponesa sentada num banqui-
fissional e visa nho ordenhando uma simpática
gerar rápida iden- vaca malhada. O padrão de cores
varia de acordo com a versão do
Embalagem interativa para crianças produto (integral, semi-desnatado
A Rigesa desenvolveu uma embala- e desnatado). As embalagens são
gem exclusiva para o CD evangélico fornecidas pela Tetra Pak.
“Quem é Jesus?”, que integra o proje-
to “Crianças Diante do Trono”, da li-
nha infantil do Ministério de Louvor
Diante do Trono. A embalagem foi
produzida dentro do conceito Digipak,
que conjuga papel cartão e plástico, e
tem como destaques um brinquedo em
formato de labirinto e um livrinho com
as letras das músicas.

50 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


Aurora lança frisantes Aromas que
remetem à natureza
A linha de vinhos Mar- são ideais para consu-
A D By DeMillus, divisão de cosméti-
cus James, da Vinícola mo com pratos leves.
cos da fabricante de lingeries DeMil-
Aurora, ganha duas O design das embala-
lus, lançou três aromas de sabonete
novidades para o va- gens é da Plano Glo-
que remetem ao contato com a natu-
rejo nacional. A viní- bal, de Bento Gonçal- reza: oliva e karité, erva-cidreira e
cola criou os vinhos ves (RS). Os rótulos leite e mel, todos à base de ingre-
frisantes Marcus Ja- são fornecidos pela dientes naturais. As embalagens, de
mes Happy Hour, nas Igel e as garrafas de papel cartão Duplex Supremo, da
versões Rosé e Bran- 750ml pela Saint-Go- Suzano, são impressas pela Schmidt
co. As duas opções bain Vidros. Embalagens, de Juiz de Fora (MG),
com design da Maria Luiza Gonçal-
ves Veiga Brito.
Refresco em pó também com leite
Após oito meses de pesquisas, o re- A nova fórmula do produto foi desen-
fresco em pó Nutrinho, produzido volvida em parceria com os fornece-
pela Nutrimental, chega às pratelei- dores da empresa, que ajudaram a
ras com novo layout, alto teor de vi- criar aromas especiais, a fim de dar
tamina C e uma grande novidade: mais ênfase ao sabor natural da fru-
além de ser preparado com água, é ta. As embalagens, com layout da
o primeiro refresco em pó do país Komatsu Design, são fornecidas pela
que pode ser diluido em leite gelado. Zaraplast.

Molho na mostarda
A Hemmer investe mais uma vez
na inovação, acrescentando “mo-
lho” ao visual das embalagens de
sua linha de mostardas. Elas têm
agora rótulos de BOPP com hot
melt frigorífico, mantendo-se ínte-
gros em ambientes refrigerados.
Alinhamento de maionese O desenho das embalagens, de
A fim de promover rótulos auto-adesi- polietileno de alta densidade
o alinhamento de vos, impressos em (PEAD) e tampas de polipropileno
(PP), é do designer Alexandre da
suas embalagens, offset, em papel
Conceição, da Cia. Hemmer. Os
a Unilever está al- couché, pela Pro-
frascos da mostarda tradicional
terando o visual de desmaq. Foi tam- são fornecidos pela Cleplax, e os
todos os produtos bém incorporado da linha light, pela Doormann.
da linha Hell- o novo logotipo Os rótulos são produzidos pela
mann´s. Tanto da Unilever. A alte- Baumgarten.
para o ketchup ração da embala-
quanto para a gem foi focada
maionese saboriza- apenas na arte
da da marca, mu- dos rótulos. Os
daram cores, tons, frascos e os pro-
ilustrações, tipolo- dutos não sofre-
gia e layout dos ram modificação.

52 >>> EmbalagemMarca >>> abril 2005


Biscoitos sempre frescos
Os biscoitos com fibras uma barreira contra a luz,
vegetais Fibraxx, da Wes- o que prolonga a vida útil
sanen do Brasil, acabam do produto e o mantém
de ter ampliado de seis sempre fresco e crocan-
para nove meses seu te”, diz André Estrela, ge-
tempo de vida de pratelei- rente nacional de marke-
ra, graças à substituição ting e vendas da marca Fi-
de sua tradicional embala- braxx. Os filmes são for-
gem primária, sachês fei- necidos pela Flexa Emba-
tos de polipropileno bi- lagem, de Brusque (SC), e
orientado (BOPP) trans- os estojos de papel car-
parente, por outra, que uti- tão, que não foram modifi-
liza esse tipo de filme, po- cados, são da também ca- Um beijão para as mamães
rém com aplicação de alu- tarinense Gráfica Meyer,
A Hersheys, gigante ameri- último, o produto é vendi-
mínio. “A metalização cria de Joinville.
cana do mercado de cho- do em tamanho gigante,
colates e candies, está recheado com os originais
aproveitando o Dia das kisses de chocolate ao lei-
Mães para incrementar a te. Em forma de cubo, o
linha Kisses, um de seus cartucho cartonado que
carros-chefes no mercado traz o Kisses Maxi foi pro-
brasileiro. Na nova versão, duzido pela Jofer
lançada no final de abril Embalagens.
Na Congraf, o que produzimos é bem feito. E gostamos disso! Espe-
cializados que somos em produzir embalagens premium, nos orgu-
lhamos, também, em imprimir a revista EmbalagemMarca, importan-
tíssimo veículo do nosso setor, onde os assuntos são tratados em
profundidade, mas de forma compreensível.

Os artigos, reportagens e entrevistas sempre acrescentam informa-


ção e destacam algum aspecto especial, às vezes surpreendente, na
produção ou no uso das embalagens. O projeto gráfico da revista é
claro, limpo e atraente, o que contribui para facilitar a leitura. É por
isso que nos orgulhamos de ser a gráfica escolhida para imprimir Em-
balagemMarca.

Quando nossos potenciais clientes recebem EmbalagemMarca estão


recebendo, além de boa informação, uma amostra concreta da exce-
lência de nossos serviços. Para completar, um testemunho essencial:
anúncios da Congraf em EmbalagemMarca já se transformaram em
negócios. Em grandes negócios.
Popcorn para brasileiro
A pipoca para microondas Orville Re- que popcorn, as embalagens, embora
denbacher’s, a mais vendida nos Esta- produzidas pela Phoenix Packaging,
dos Unidos, está agora à disposição maior fornecedora de sacos para aque-
dos consumidores brasileiros, trazidas le produto nos EUA, têm sabores tradu-
pelas mãos da ConAgra Foods, terceira zidos para o português.
maior empresa do setor de ali-
mentos da América do Norte.
O produto chega ao país com
nove opções de sabores, em
três versões de embalagens:
Single Pack (individuais), 3-
Pack (caixa com três pacotes
individuais) e 6-Pack (com seis
pacotes). Como no Brasil é
mais fácil vender pipoca do

Caipirinha para francês


Dentro do projeto Viva Brasil, criado Brasil na França, série de eventos cul-
pelo Pão de Açúcar, centenas de pro- turais e comerciais que se estenderá
dutos de consumo brasileiros serão dis- até o final de 2005 naquele país.
tribuídos em 4 900 lojas das redes de Para participar da promoção, a Caipi-
supermercados Casino e Monoprix Veritas, caipirinha da Agrivale, de
como parte das iniciativas do Ano do Macaé (RJ), pronta para consumo ga-
nhou dois novos sabores e agora,
além do tradicional sabor limão, será
oferecida nas versões Maracujá e Fru-
tas Vermelhas. A nova embalagem,
uma lata de aço expandida com tam-
pa de alumínio e rótulo termoencolhí-
vel, foi desenhada pela Packing De-
sign. As latas são fabricadas pela
CBL, e os rótulos, pela ITW Canguru.

Cachaça para todo mundo


Da cidade mineira de Ouro, para ser consumi-
Salinas, famosa pela da pura. As duas são
qualidade de suas ca- acondicionadas em gar-
chaças artesanais, está rafas de vidro com tam-
no mercado mais uma pa de rosca de alumínio,
aguardente direcionada de dose única (50ml) e
ao consumo de aprecia- de 700ml, produzidas
dores gabaritados, do pela Saint-Gobain Em-
país e do mundo inteiro, balagens. Fornecidos
a Tabua, marca da bebi- pela Indexflex, os rótulos
da e da indústria produ- e contra-rótulos são de
tora. São duas as op- BOPP metalizado, com
ções do produto: Flor de impressão em branco
Prata, cachaça branca sobre fundo azul metáli-
utilizada em caipirinhas co e logotipo vazado,
e batidas, e Flor de portanto prateado.
Bom 2004... Vidro em sintonia com tendência global
A Krones do Brasil fechou o ano de 2004 Reflexo de uma das maiores transfor- passado. Segundo Steve McCracken,
com um crescimento de 50% em seu fa- mações em seus 102 anos de histó- CEO da O-I, a padronização respon-
turamento. Grandes projetos e o aumen-
ria, a gigante em embalagens de vidro de ao perfil cada vez mais globalizado
to na venda de peças de reposição e
Owens-Illinois anunciou no início de da companhia – mais de 60% de seu
serviços foram as razões do resultado.
abril a implementação faturamento já é pro-
No primeiro trimestre deste ano, a com-
global da marca O-I veniente de fora dos
panhia já registrou aumento no número
de pedidos, mas a expectativa é de que, como sua identidade Estados Unidos.
no total de 2005, o faturamento mante- em negócios mun- “Aproximando nossos
nha-se estável em relação a 2004, sem diais. Com a decisão, negócios de uma
grande variação de crescimento. 22 subsidiárias da perspectiva global de
companhia americana ao redor do mercado, entendemos que a deman-
...E bis em 2005 globo passarão a usar a marca. Por da total por embalagens de vidro con-
“Assim como em vários outros países, a aqui não haverá mudanças, uma vez tinua a expandir, especialmente em
concorrência acirrada e o aumento des- que o braço da companhia no país, a categorias sofisticadas de alimentos e
proporcional dos custos de matéria-pri- antiga Cisper, já utiliza o nome bebidas”, afirma o executivo.
ma pressionam o resultado para baixo”, Owens-Illinois do Brasil desde o ano www.o-i.com
comenta Jens Hoyer, diretor presidente
da Krones do Brasil. “Por isso, apesar
do relativo aquecimento da economia, Novo volume sobre o plástico
em comparação ao primeiro semestre de A Dezembro Editorial embalagens. Quem as-
2004, esperamos manter o resultado es- está lançando o livro “O sina o prefácio é o cirur-
tável para 2005”. Hoyer antecipa que a plástico em sua vida”, gião plástico Ivo Pitan-
Krones irá aumentar a produção de equi- escrito pelo jornalista guy, que ressalta a con-
pamentos no Brasil. “Ganhamos, assim, Anthony de Christo. tribuição do material na
mais competitividade.” Com 114 páginas, o vo- evolução da medicina
lume resgata a história estética e reparadora. O
Dois decênios
do plástico e aborda livro será somente distri-
A Vick, distribuidora de embalagens, in-
suas diversas aplica- buído de forma seletiva
sumos para comunicação visual e sinali-
ções na atualidade, in- pela Braskem, patroci-
zação, plásticos industriais, fitas adesi-
clusive no campo das nadora de seu projeto.
vas e materiais para arquitetura e cons-
trução, entre outros produtos, está com-
pletando 20 anos neste mês de maio. Sofisticação com tecnologia
Está cada vez mais claro que se conso- mostrado, bem como a qualificação dos
Reta final
lida a tendência de agregar valor aos visitantes, na maioria profissionais de
O Grupo Wheaton Brasil, composto pela
produtos de consumo através das segmentos que utilizam ou produzem
vidraria brasileira Wheaton e outras
empresas do setor da indústria de base, embalagens. Recente evidência disso embalagens sofisticadas, demonstra-
deu início à segunda etapa de trabalho foi o êxito alcançado pela Luxe Pack ram um fato: os fornecedores se empe-
para adoção da norma internacional SA Brasil – Feira de Embalagem dos Pro- nham em atender a demanda de indús-
8000. Ela é uma espécie de ISO 9000 da dutos de Luxo para América Latina, rea- trias usuárias e designers por insumos
responsabilidade social, medindo o lizada dias 13 e 14 de abril em São Pau- que adicionem valor às embalagens.
conjunto de princípios éticos nas ações lo, no Centro de Eventos São Luís. Ali, No entanto, como observou Privitera,
e relações com os principais agentes 24 expositores do Brasil e do exterior “não basta oferecer aos visitantes pe-
econômicos e sociais com os quais uma apresentaram a mais de 1 400 visitan- ças irresistíveis, de apelo visual eston-
corporação interage. Entre eles estão tes (15% deles estrangeiros) produtos e teante”. Na verdade, para um público
saúde e segurança no trabalho, liberda- tecnologia destinados à produção de especializado como o que foi ao evento,
de de associação e direito à negociação embalagens sofisticadas. Salvatore Pri- é preciso apresentar, acima de tudo, so-
coletiva, remuneração, além da não vitera, da SPR International, empresa luções capazes de unir sofisticação
contratação de trabalho infantil, traba-
responsável pela realização da feira, com tecnologia de ponta. Na Luxe Pack
lho forçado e o repúdio à discriminação
prevê que em 2006 o evento chegará deste ano, os expositores parecem ter
de qualquer gênero. A implantação do
perto de trinta expositores. conseguido, como será mostrado na
projeto começou há três anos.
O expressivo número de inovações próxima edição de EMBALAGEMMARCA.

56 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


SIG Beverages reorganiza
a divisão Corpoplast
Seguindo uma orienta- der máquinas importa-
ção estratégica da ale- das da Alemanha. Até
mã SIG, a mesma con- então situada em Jun-
troladora da SIG Combi- diaí (SP), a empresa
bloc, o braço nacional mudará para dois novos
da divisão Corpoplast endereços. A área de
da SIG Beverages, a equipamentos e moldes
outra ramificação de ne- ficará na capital paulis-
gócios em embalagem ta, e atenderá pelo
do grupo, anunciou que telefone (11) 2107-6794
irá deixar de fabricar so- e pelo e-mail
pradoras de PET no vendas@sig.biz. Serviços,
Brasil. A partir de agora, peças, reformas e trei-
a empresa prestará namento ficarão con-
serviços, auxiliará no centrados em Barueri
desenvolvimento de (SP), podendo ser
embalagens, atuará na acessados pelo telefone
reposição de peças so- (11) 4208-7887 e pelo
bressalentes e irá ven- e-mail sac@sig.biz

Enchimento versátil
A Optima do Brasil, braço grandes volumes (até
nacional da Optima ale- 180mm de diâmetro e
mã, está reforçando a di- 250 mm de altura, para
vulgação de seus equipa- volumes de 10ml a
mentos para linhas de 1500ml). A máquina é
embalagens de itens far- 100% servo-motorizada e
macêuticos e cosméticos, trabalha com bombas
de fabricação totalmente com válvula de diafrag-
nacional. Um dos desta- ma, podendo encher até
ques do portfólio da em- 12 objetos por minuto por
presa é a ODBfill, enva- bomba. O transporte das
sadora linear automática embalagens pode ser fei-
para líquidos capaz de to com ou sem pucks de
trabalhar com recipientes transporte.
rígidos de plástico, metal (19) 3886-9800
ou vidro de pequenos a www.optima-bra.com
Ploc Off com mix de diâmetros ampliado
Completando 50 anos de sua funda- apresentada é o primeiro café torra-
ção neste ano, a produtora de do e moído premium da marca Tole-
embalagens metálicas Brasilata irá no, produzida pela Toledo & Heleno
apresentar na feira APAS 2005, a para exportação (veja reportagem
ser realizada de 9 a 12 de maio no na página 8).
Expo Center Norte, em São Paulo, (11) 3871-8500
novas versões de sua lata Ploc Off, www.brasilata.com.br
que conjuga corpo em aço com uma
tampa plástica, permitindo assim o
consumo progressivo de alimentos.
As novidades são latas nos diâme-
tros 99mm, 83mm e 73mm, com vo-
lumes e alturas podendo variar con-
forme solicitação dos clientes. Du-
rante a feira, que congrega a cadeia
de abastecimento dos supermerca-
dos paulistas, a Brasilata terá estan-
de, onde mostrará lançamentos em
alimentos com a Ploc Off – casos
do achocolatado Rush, da gaúcha
Neugebauer, do composto alimentar
LactoSoy e do achocolatado Soya-
maltine, da Sósoja, de Caldas No-
vas (GO). Outra novidade a ser

Abief e Afipol sob novas direções


A Abief – Associação Brasileira da leira dos Produtores de Fibras Po-
Indústria de Embalagens Plásticas liolefínicas. Eli Kattan, diretor da
Flexíveis realizou, no dia 30 de convertedora Zaraplast, é o novo
março, eleições para sua nova di- presidente da entidade.
retoria e seu novo conselho para o Mais que dar seguimento aos pro-
biênio 2005/2007. O novo presi- jetos da gestão anterior, a nova di-
dente da entidade é Rogério Mani, reção irá “oferecer aos associados
diretor da indústria de embalagens subsídios que ampliem as possibi-
Sol PP. Além de consolidar os pro- lidades de geração de negócios”,
jetos e as ações iniciadas na ges- diz Kattan, que prevê um cresci-
tão do presidente anterior, Sergio mento do setor entre 5% a 10%
Haberfeld, Mani pretende trabalhar em volume em 2005.
pela regionalização da Abief, para “Esse crescimento será justificado
expandir o mercado doméstico, e principalmente pela performance
pela formação de alianças com en- dos segmentos de sacaria para
tidades setoriais internacionais. açúcar e para fertilizantes e de
“Isso é importante para mantermos contentores flexíveis (big bags).”
nossos associados em dia com no- As exportações do setor, na previ-
vidades mercadológicas e tecnoló- são do executivo recém-empossa-
gicas.” do, também crescerão neste ano,
Quem também acaba de apontar na ordem de 5%.
nova diretoria para o próximo biê- www.abief.com.br
nio é a Afipol – Associação Brasi- www.afipol.org.br
Qualidade de vida
A Klabin, maior produtora e expor-
Rapida em rápida difusão
tadora de papéis do Brasil, lançou Focada na produção de embalagens e pectro produtivo, abrindo novos nichos
em março o Programa Klabin de rótulos, a Litografia Bandeirantes, de de mercado e trazendo novos clien-
Qualidade de Vida, direcionado aos Jundiaí (SP), acaba de adquirir uma tes.” Quem também acaba de adquirir
cerca de 350 profissionais dos es-
Rapida 105 universal, impressora off- uma Rapida 105, através do braço na-
critórios da empresa em São Pau-
lo. Entre as ações previstas estão set seis cores, alimentada por folhas e cional da KBA, é a Gráfica 43, de Blu-
medicina ocupacional preventiva, para formatos pequenos e médios, da menau (SC).
atividades físicas, terapias alterna- alemã Koenig & Bauer AG (KBA). Tra- KBA Brasil: (11) 6121-5277
tivas, palestras educativas. O obje- ta-se da quarta máquina KBA na plan- www.kba.com.br
tivo é estender o Programa Klabin
ta da Bandeirantes, e a primeira confi-
de Qualidade de Vida às outras
unidades da empresa.
gurada para trabalhar com acabamen-
tos (coatings) em linha. De acordo
Mobilidade com Valdomiro Paffaro, diretor da
A KSR está implantando a Mobile Bandeirantes, as tecnologias presen-
Sales, tecnologia móvel que per- tes na nova aquisição permitem ofere-
mite conectar em tempo real a
cer embalagens e rótulos mais sofisti-
equipe de vendas externas aos da-
dos da empresa. Agora cada pro- cados à clientela. “A KBA Rapida 105
fissional conta com um dispositivo universal estende bastante nosso es-
que conjuga as funções de palm
top e celular, dando acesso ao
nível dos estoques, dados cadas- Precisão pioneira na América Latina
trais, compras, entregas e saldo A Antilhas, convertedora de embala- geneidade dos matizes. Desenvolvido
de crédito dos clientes. Com o
gens plásticas e de papel, adquiriu o originalmente para máquinas sem en-
aparelho os vendedores também
poderão realizar pedidos e fazer primeiro sistema de gerenciamento grenagens, o sistema foi adaptado
consulta de duplicatas a pagar. de processo de impressão da Améri- especialmente para a impressora fle-
ca Latina, o BST Premius Digital. For- xográfica Comexi FJ 2108 da Anti-
Web agilidade necido pela BST Latina, subsidiária lhas. Os principais objetivos da gráfi-
A americana International Paper,
da alemã BST International, o produto ca são garantir registros precisos, re-
uma das maiores produtoras de
destina-se a reconhecer e identificar duzir o tempo entre troca de trabalhos
papel do mundo, reformulou seu
web site (www.internationalpa- qualquer tipo de defeito de impres- e diminuir as perdas de materiais no
per.com). Segundo a empresa, no- são, verificar a qualidade de impres- ajuste de máquina.
vas ferramentas foram criadas são de oito tipos diferentes de código Antilhas: (11) 4152-1130
para agilizar o acesso às diferen- de barras, e a monitorar automatica- www.antilhas.com.br
tes divisões. A reformulação do
mente as cores do serviço em máqui- BST: (11) 293-6240
design seguiu o mesmo objetivo.
“Queremos facilitar as relações na, garantindo a consistência e homo- www.bstlatina.com
comerciais com nossos clientes”,
resumiu Bill Hoel, vice-presidente
sênior da companhia. Qualidade em retículas finas
A volta do Worktech A IBF – Indústria Brasileira de Fil- mente sensível e rápida, que, se-
A Agfa e a Ripasa realizaram em mes lançou em março a chapa ne- gundo a empresa, garante alta quali-
abril a nova edição do Worktech, gativa CTcP, desenvolvida para uso dade em retículas finas (chega a re-
programa de atualização para em sistemas CTcP (Computer to produzir pontos de 10 micra).
profissionais do setor gráfico. A
Conventional Plate) à base de fonte O fornecedor elenca entre as vanta-
ação, que retornou com novos te-
mas após a programação de
de luz UV. Trata-se de uma chapa gens da nova chapa o menor tempo
2004, foi iniciada em Fortaleza negativa para impressão offset alta- de exposição necessário, a maior
(CE). Ainda este ano, o Worktech rapidez na partida de máquina, ga-
acontecerá em Salvador (maio), nho de produtividade de cerca de
Goiânia (junho), Ribeirão Preto 30%, alta resistência à abrasão e a
(julho), Campinas (agosto) e São
boa visibilidade da imagem depois
Paulo (setembro). Mais informa-
ções: (11) 5188-6444 de exposta.
(21) 2103-1025 • www.ibf.com.br

60 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


Rebobinadoras remodeladas
A Maddza Soluções em Automa- o uso de impressoras inkjet, carim-
ção Industrial anunciou que efe- badores rotativos ou etiquetadores.
tuou alterações tecnológicas e físi- (35) 3722-4545
cas em suas três versões de rebo- www.maddza.com
binadoras – Standard, Modelo In-
termitente e Modelo com Controle
Tangencial. Segundo a empresa,
os equipamentos, compactos e
versáteis, são adequados para
uma ampla gama de bobinas de fil-
mes, papéis e etiquetas. Além dis-
so, as rebobinadoras ainda permi-
tem a codificação e/ou a personali-
zação do material processado com

Novo nome, velhas mãos


A fabricante de vernizes gráficos Cro- po. A mudança faz parte da estratégia
mar passa a se chamar Overlake Ver- da empresa de se especializar em ver-
nizes Gráficos. A empresa, que no fi- nizes para a indústria gráfica.
nal de 2004 teve os 50% de suas A Overlake produz vernizes UV
ações que estavam nas mãos e base água para todos os
da Cromos recomprados processos de impressão,
por Francisco Veloso e An- produtos auxiliares, lava-
tonio Osvaldo da Costa, res- dores e soluções de fonte.
ponsáveis pela criação da Cro- (11) 6488-0938
mar, terá também um novo logoti- cromar@cromar.com.br

Para ajudar nas provas


Em março, a Starlaser lançou no otimizar a quantidade de tinta a ser
Brasil a linha de softwares da empre- utilizada na impressão) e Camflow
sa alemã GMG, composta pelos pro- (voltado para o gerenciamento de cor
dutos ColorProof (para provas digi- em imagens RGB – preview e prova).
tais), DotProof (para provas digitais Um dos destaques da linha é o pro-
com retículas), FlexoProof (para pro- grama FlexoProof, que leva em conta
vas digitais com retículas, voltado as características (cor e estrutura) do
para o mercado substrato a ser utilizado. O software
de impressão fle- viabiliza ainda a simulação de falta de
xográfica), Proof- registro na prova, e deve receber em
Control (software breve outras funções, como a possibi-
que certifica a lidade de simular o ganho de espes-
qualidade das sura de linhas finas e fontes. A Starla-
provas geradas ser afirma ser possível utilizar arqui-
pelos três progra- vos para imagesetters e CtP gerados
mas menciona- com qualquer rip do mercado, a partir
dos anteriormen- de arquivos tiff-1-bit ou arquivos em
te através de me- formatos proprietários de vários fabri-
dições colorimé- cantes.
tricas), InkOptimi- (11) 3365-3890
zer (destinado a www.starlaser.com.br
Um híbrido de 21 polegadas
Durante a NAB Show 2005, maior níveis diferentes de pressão. A Cin-
Feira de Mídia Eletrônica do Mundo, tiq 21ux deve chegar ao Brasil em
realizada em Las Vegas (EUA) no junho e tem preço sugerido nos Es-
mês de abril, a Wacom Technology tados Unidos de 2 499 dólares.
lançou a Cintiq 21ux, display interati- (11) 7846-9462
vo que associa a definição de um www.wacom.com.br
monitor de cristal líqui-
do (LCD) de 21 polega-
das com a funcionalida-
de de uma tablet. A
nova mesa permite o
uso de caneta sem fio
diretamente na tela,
ajudando os usuários a
Pré-impressão interagir de maneira
mais intuitiva e dinâmi-
mais produtiva ca com imagens, ví-
A Adobe anunciou no início de abril deos e documentos
a nova versão do pacote Creative eletrônicos, e tem sen-
Suite, ambiente de design unificado sibilidade em até 1 024
que combina novas versões comple-
tas dos softwares Photoshop, Illus-
trator, InDesign, GoLive e Acrobat Mais velocidade em formatos médios
7.0 Professional com os novos Ver-
Colocar todos os processos em li- da solução de impressão para for-
sion Cue (um gerenciador de ver-
nha e diminuir a utilização de con- mato médio mais rápida do mundo.
sões de arquivos e ferramenta de
sumíveis nas impressoras MAN Nas medidas 59 X 74cm, a veloci-
colaboração que auxilia os usuários
Roland utilizadas no mercado de dade é de até 18 000 folhas por
na visualização, rastreamento e
embalagem e em aplicações pro- hora. Nas aplicações de emba-
acesso das versões históricas de ar-
mocionais. Esses foram dois dos lagem a Roland 500 pode imprimir
quivos em projetos do Adobe Creati-
principais temas discutidos no em microondulados e substratos
ve Suite 2), Adobe Bridge (um nave-
Druckforum 2005, evento promovi- plásticos. “O desenho da máquina
gador com visualização múltipla de
do pela IPP, distribuidora dos pro- levou em conta o percurso do pa-
arquivos e integração completa
dutos MAN Roland no Brasil, em pel”, diz o consultor Kenney. “As
entre produtos que compõem o am-
março último, em São Paulo. O en- plataformas possuem colchões de
biente) e Adobe Stock Photos (que
contro também foi explorado para a ar que realizam a transferência das
permite pesquisar fotos royalty free
divulgação da Roland 500, impres- folhas sem nenhum contato físico”,
de diferentes agências de imagens)
sora com foco no mercado de meia completa o especialista.
A previsão é de que o Adobe Creati-
folha. Segundo o consultor em ar- (11) 5522-5999
ve Suite seja comercializado no
tes gráficas Tony Kenney, trata-se www.ipp.com.br
Brasil, na versão em inglês, a partir
do final de maio. O programa estará
disponível nas plataformas Mac OS
X versão 10.2.8 até 10.3.8, Java
Runtime Environment 1.4.1, Win-
dows 2000 com Service Pack 3 ou 4
ou Windows XP com Service Pack 1
ou 2.
0800 161009]
www.adobe.com/creativesuite

64 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005


Almanaque
O vôo da canarinho Não é tipo,
A “embalagem” brasileira de
maior fama mundial, a camisa que é medida
“acondiciona” os craques de altís- Ao contrário do que muitos imagi-
simo valor de nossa seleção de fu- nam, chope não designa a cerveja
tebol, teve como designer o gaú- fresca de barril. A palavra vem do
alemão schoppen, que significa
cho Aldyr Garcia Schlee. Hoje um
“copo” ou “quartilho” – a quarta
tarimbado escritor, Schlee, à oca- parte de uma canada, antiga medida
sião da criação, tinha apenas 19 portuguesa equivalente a 1,4 litro, ou
anos e trabalhava como chargista e seja, uma dose de 350 mili-
ilustrador – costumava, por exem- litros. Utilizado por
plo, desenhar reproduções de gols aqui na versão da
para revistas e jornais, tradição que língua pátria por
imigrantes alemães
sucumbiu ao uso das fotografias.
(e franceses), como
Era 1953, e a Confederação Brasi- chope na hora de
leira de Desportos (CBD), antiga escrete brasileiro. A única exigên- pedir um copo pe-
CBF, na ânsia de aposentar a cami- cia era que a camisa se ativesse às queno de loira gela-
sa branca com gola azul usada até cores da bandeira. De diversos es- da, a schoppen, ori-
o “maracanazo” da Copa de 1950, boços de Schlee, a CBD pinçou a ginalmente uma uni-
quando o Brasil perdeu de forma camisa mais limpa, na qual preva- dade de medida,
acabou virando sinô-
traumática a final, em casa, para os lecia o amarelo “canarinho”
nimo de cerveja servi-
uruguaios, promoveu um concurso (acima, o rascunho original). da em copo.
para obter uma nova farda para o O resto é história.

O verdadeiro Napo- Válvula de boas idéias


leão da margarina O conceito do ae- custeou pesquisas Goodhue e William
Na edição 68, EmbalagemMarca informou
rossol remonta ao para a criação de Sullivan, em 1943,
que a margarina foi inventada em 1869
pelo físico Hippolyte Mège Mouriès, ven-
fim do século 18, um spray portátil por meio de uma la-
cedor de um prêmio instituído pelo impe- quando bebidas ga- para os soldados re- tinha pressurizada
rador Napoleão Bonaparte a quem con- sosas em sifões sur- pelirem mosquitos por gás liquefeito, o
seguisse encontrar um produto substituto giram na França. vetores da malária clorofluorcarboneto
para a manteiga a um custo Em 1927, o enge- nos fronts – feito (CFC). A massifica-
mais baixo. nheiro norueguês obtido por Lyle ção industrial do
Na verdade, quem
Erik Rotheim paten- aerossol, porém,
governava a França
na época era Car-
teou a primeira lata só ocorreria após
los Luís Napoleão aerossol com válvu- 1953, de carona na
Bonaparte, ou Na- la acionada por um invenção de uma
poleão III (1808- sistema propelente, nova válvula pelo
1873), sobrinho- considerada a pre- americano Robert
neto de Napoleão I. cursora do aerossol Abplanal. No
Eleito presidente da
moderno. Um for- Brasil, a primeira
nova República Francesa
em 1848, em 1851 deu um mato compacto, po- produtora de latas
golpe de estado, assumindo poderes dita- rém, surgiria so- de aerossol foi a
toriais e criando o Segundo Império. Per- mente anos depois, Cia. Metalúrgica
maneceu no poder até 1870, quando fu- durante a Segunda Prada, de São Pau-
giu para Inglaterra durante a invasão da Guerra, quando o lo, no início dos
França pela Alemanha na Guerra Franco- governo americano anos 70.
Prussiana.

66 >>> EmbalagemMarca >>> maio 2005