Você está na página 1de 4

MINI PGAD – MICOLOGIA -AGENTES AGRESSORES

MICOSES SUPERFICIAIS ESTRITAS


Pitiriase Versicolor
Agente etiológico: Malassezia spp; a umidade do ar,
estresse, sudorese e predisposisão genética são fatores que
interferem como fatores predispotentes; quanto ao
diagnóstico clínico analisa-se o sinal de besnier ou unhada,
que consiste em uma descamação furfurácea, o sinal de
silieri, que consiste no estiramento para visualizar discreto
esfacelamento da queratina e a lâmpada de wood; o
diagnóstico laboratorial é feito com exame micológico
direto e o método Jarbas Porto com a fita adesiva (durex);
popularmente conhecida como pano branco apresentando
manchas hipo e hiperpigmentadas; manifestação crônica e
recidivante.

Tinha Negra
Possuem Horthea wernekii como agente etiológico; afeta a
camada córnea da epiderme e é localizada principalmente na
palma da mão com máculas pretas ou escuras, sem
descamação e indolor; a hiperhidrose é um fator de
predisposição; o diagnóstico laboratorial é feito com EMD
(exame micológico direto), visto que apresenta hifas escuras,
septadas e ramificadas; os fungos toleram altas
concentrações de sal.

Piedra Negra
Piedraia hortai como agente etiológico; é uma micose benigna,
presente na região externa do folículo, caracterizada como
nódulos pretos, duros e aderidos ao pêlo, mas não determina
a tonsura desse pêlo; encontrada no solo; EMD como
diagnóstico laboratorial visto que apresenta ascostroma com
ascos e ascospóro sigmoide; como tratamento recomenda-se
o uso de xampus antifúngicos e corte do cabelo caso haja
necessidade.
Piedra Branca
Tem o Trichosporon spp como agente etiológico; acometem
pêlos da barba, do bigode, da axila, das genitálias; é
esporádica e pouco contagiosa; apresenta nódulos claros e
não determina a tonsura do pêlo; diagnóstico laboratorial
com EMD visto que apresenta-se como astrosporos hialinos
aglomerados sobre o pêlo; para o tratamento indica-se o
corte dos pelos e uso de antifúngicos locais.

MICOSES CUTÂNEAS (DERMATOFITOSES, HIALOHIFOMICOSES, FEOHIFOMICOSES)


Quanto às dermatofitoses:

Agentes etiológicos: Tinea barbae, Tinea corporis, Tinea pedis, Tinea unguium, Tinea cruris; na
pele percebe-se lesões descamativas e circulares com bordas eritematosas e pruriginosas com
propagação; no pêlo causa tonsura; na unha inicia na borda livre; dermatofitides ou ides em que
as lesões inflamatórias da pele que não contêm fungo, ou
seja, lesões à distância, longe do local que apresenta o fungo;
processo alérgico à infecção dermatofídica; a infecção pode
ocorrer pelo contato direto ou por objetos contaminados; a
patogenia ocorre pela inoculação do astrósporo, ação
mecânica enzimática; o diagnóstico laboratorial é feito por
EMD, visto que a pele e unha apresenta hifas septadas e
artrosporadas; o tratamento é feito com base em
griseofulvina, cetoconazol, itraconazol, fluconazol.

Quanto às Hialohifomicoses e às
Feohifomicoses:

Os agentes etiológicos são fungos demáceos ou


hialinos como Aspergillus spp, Fusarium
oxysporum, Acremonium spp. Feohifomicoses:
Alternaria spp, Phoma, Chaetomium; as
hialohifomicoses são micoses causadas por
fungos hialinos não dermatófitos; as
feohifomicoses são micoses causadas por fungos
escuros e lesões semelhantes às dermatofitoses;
o diagnóstico laboratorial é feito por EMD, visto
que apresenta hifas septadas.
MICOSES SUBCUTÂNEAS (CROMOBLASTOMICOSE, ESPOROTRICOSE, MICETOMA
EUMICÓTICO, LACAZIOSE, RINOSPORIDIOSE)
Cromoblastomicose

Possui Fonsecaea pedrosoi, Fonsecaea compacta,


Cladophialophoran carrionii como agentes
etiológicos; é caracterizada como lesão pequena,
purulenta, com coceira, risco de autoinfecção, lesões
proximais, tendem a se fundir, lesões couve-flor, mais
frequente em homens; a infecção ocorre por
inoculação; o diagnóstico laboratorial se dá pelo EMD
visto que as células são muriformes de paredes
espessas com septações em dois planos; o tratamento
é feito com remoção cirúrgica, criocirurgia,
anfotericina B e fluorcitosina.

Esporotricose

Possui o Sporothrix schenkii como agente etiológico; é


caracterizada para infecção do tecido subcutâneo e
linfático adjacente, apresenta nódulos, que são lesões fixas
ou verrugosas; há risco de lesões secundárias em ossos e
músculos; mais frequente em homens e é associada à
profissão de floricultores e jardineiros; o diagnóstico
laboratorial é feito com EMD, visto que, as células são
leveduriformes e de difícil visualização; o tratamento é
cirúrgico, iodeto de potássio e iodeto de sódio (oral),
cetoconazol, anfotericina B (para esporotricose sistêmica).

Micetoma Eumicótica

Os agentes etiológicos são Grãos Brancos: Muderella


mycetomatis, M. grisea, Corynospora cassiicola,
Exophiala jeanselmei. Grãos negros:
Pseudoallescheria boydii, Acremonium falciforme,
Fusarium moliforme, Aspergillus nidulans; é
caracterizada por lesões tumorais crônicas que
fistulizam drenando secreções sanguinolentas,
causada por bactérias e por fungos (micetoma
actinomicótica + micetoma eumicótico); os grãos
possuem tamanhos diferentes e têm preferência por
localização no pé, óssea; principalmente em
homens; o diagnóstico é feito com EMD, visto que os grãos actinomicóticos possuem filamentos
delicados com forma bacilarese cocóide e presença de clavas; já os grãos eumicóticos possuem
hifas septadas finas ou largas, hialinas ou escuras; as características dos grãos permitem
identificar a espécie; o tratamento é feito com cetoconazol, itraconazol, anfotericina B e
tratamento cirúrgico.
Lacaziose
O agente etiológico é o Lacazia loboi; é caracterizada como
uma doença de evolução crônica, lesões verrucosas e
ulceradas; o diagnóstico é feito por EMD, visto que possui
células globosas, catenuladas, com duplo contorno e
refringente; o tratamento é cirúrgico, uso de
sulfadimetoxina, cetoconazol, miconazol e clofazimina.

Rinosporidiose
Possui o Rhinosporidium seeberi como agente etiológico; é
caracterizado com pólipos ou tumores pendiculados,
acomete a mucosa nasal, seguido da conjuntiva e outras
mucosas; apresenta lesões cutâneas que resultam da
autoinfecção; acomete principalmente homens; o
diagnóstico laboratorial é feito por EMD, visto que o
esporângio de até 350 micrometros de diâmetro;
tratamento cirúrgico ou por eletrocoagulação, anfotericina
B.