Você está na página 1de 3

“O Sabbat e muitos de seus membros acreditam em suas ilusões. Nós das Revelações Malignas somos os ‘Verdadeiros Sabbat’. Se eles conhecessem todos os seus irmãos, incluindo seus supostos inimigos, fi- cariam chocados. Um dia eles encontrarão as res- postas que procuram e talvez seja tarde demais para se voltarem contra nós.”

- Arcebispo Lorister, Demonologista e Condenador de Almas

A maioria dos jogadores nunca saberão de informa-

ções sobre os seguidores desta Trilha, e somente podem vir a descobrir mediante combates constan- tes com os infernais. Estes são os segredos da Trilha das Revelações Malignas, uma Trilha não aconselhá- vel à personagens jogadores. Alcunha: Hereges e Corruptores Crenças Básicas: O vampirismo é inerentemente maligno. Se originou no ato maléfico de Caim, e des- se ponto em diante os vampiros têm servido a propó- sitos malignos. Isto é algo realmente sinistro, com pretensões de tirar muitos proveitos da pós-vida. Não há maneiras de controlar o mundo, pois este foi cria- do para os mortais, não para os mortos. A moralidade da pós-vida é uma ilusão, vampiros foram criados para venerar os poderes das Trevas.

A Ética da Trilha

Rejeite tudo o que há de humano em você. Você é o avatar de um mal sobrenatural. Apoie os Senhores das Trevas, e será recompensado. Esconda sua malevolência de seus companheiros Sabbat. Nunca revele seus verdadeiros mestres. Corrompa os ou- tros sempre que possível. Mostre a eles as trevas como você às vê.

História

Um grupo de Brujah que cultuavam e trabalhavam

para seres Infernais deram início à Trilha, no século XVI. Mesmo antes do início desta, existiam no míni- mo uns poucos na pós-vida dispostos à servir o mal.

A Trilha conseguiu se manter escondida ao longo de

toda a história, apesar de seus praticantes terem sido descobertos e destruídos muitas vezes no decorrer dos séculos.

Práticas Atuais

Os seguidores desta Trilha encontram-se regularmen- te, porém os Infernalistas são extremamente para-

nóicos e sigilosos. Embora muitas das reuniões se- jam pequenas, ocasionalmente eles realizam gran- des reuniões com dúzias de vampiros e seus muitos servidores mortais. Alias, uma prática não utilizada pelo Sabbat é o uso de mortais. Todos os seguidores mantém um bom número de servos mortais, que ser- vem à muitos propósitos, inclusive sacrifícios huma- nos. Os vampiros também fazem pactos com demô- nios em troca de poderes no mundo material. Eles também envolvem demônios no Vaulderie, e através desta prática, de alguma forma, eles rompem seus Vínculos com todos os Sabbat que não seguem a Tri- lha.

Descrição dos Seguidores

Surpreendendo o próprio Sabbat, foi descoberto que dentro da seita há vários seguidores desta Trilha. Os Infernalistas não são necessariamente os mais ava- rentos e nem os mais brutais dentre os membros da seita; alguns até são encontrados ao lado de huma- nos. Surpreendentemente, muitos líderes da seita seguem esta Trilha, isto explica porque muitos des- tes seguidores salvam suas peles. Muitos são do Clã Lasombra, alguns Serpentes da Luz e uns poucos Tremere Antitribu, mas estes estão em número pe- queno.

Opiniões sobre as Outras Trilhas

Trilha de Caim: “São uns tolos. Eles realmente pen- sam como Caim gostaria? Ninguém pode ser como Caim, exceto ele mesmo.” Trilha dos Cátaros: “Há poder em seus jogos - po- der real. Porém eles não sabem como focaliza-lo. Eles são muito parecidos conosco, embora não admitam.” Trilha da Morte e da Alma: “Nós sabemos o que pro- curam e conhecemos todos os atalhos.” Trilha da Harmonia: “Eles merecem morrer se não forem corruptos. Seus simulados sensos de decência e ética me enojam.” Trilha do Acordo Honrado: “Eles são muito diverti- dos nos jogos de manipulação. Ainda são humanos, mas não aceitam este fato.” Trilha do Poder e da Voz Interior: “Todos os outros caminhos são ramificações desta Trilha, conduzida por nós. Entendemos a realidade do Poder e da Voz Interior.”

Seguindo a Trilha Contagem de Trilha Falha mínima para teste de Trilha Os seguidores maléficos
Seguindo a Trilha
Contagem de Trilha
Falha mínima para teste de Trilha
Os seguidores maléficos desta trilha servem aos
Lordes das Trevas. Por esta razão, o Narrador nunca
deve permitir que seus jogadores possuam como ca-
racterística esta Trilha. Os maiores interesses de seus
seguidores é servir as Forças Infernais. Eles sempre
tentam corromper outros para que sigam sua Trilha
através de suas promessas, prometem sempre rique-
za e poder. Eles também, mentem e manipulam não
por seus próprios interesses, mas sim o de seus mes-
tres.
Habilidades Comuns: Muitos possuem conhecimen-
tos úteis, como: Alquimia, Arqueologia, Cultura De-
moníaca, Cultura da Família, Cultura dos Magos,
Ocultismo e Teologia. Outros são aptos em Debate,
Empatia, Intimidação, Liderança, Sedução, Sentir
Dissimulação, Furtividade e Sobrevivência.
Disciplinas Preferidas: Auspícios, Taumaturgia Ne-
gra e Presença são altamente valorizadas. Muitos
Infernalistas entram em pactos com Forças Infernais,
prometendo almas e serviços em troca de poderes
profanos.
Não tentar corromper seus amigos
10
e aliados.
Não demonstrar interesse pelo
9
poder.
Falhar na destruição de uma força
8
bondosa.
Ajudar outros que não sejam a favor
7
de seus mestres.
Falhar ao cometer diablerie
6
vampírica, quando há oportunidade
Quaisquer atos de bondade, a
5
menos que esteja promovendo um
futuro mal, grande mal.
Perder a oportunidade de
4
demonstrar sua depravação sem
medo da retribuição.
Revelar os segredos Infernais à
3
não-Infernalistas.
Falhar no uso de uma situação que
2
favoreça seus mestres.
1
Falhar ao servir seus mestres.
Sins e Nãos para os Seguidores da
Trilha das Revelações Malignas
Se um Sabbat descobrir que muitos de seus maiores
líderes seguem a Trilha das Revelações Malignas, a
seita entrará num pânico total. A corrupção é muito
mais comum do que muitos Sabbat poderiam acredi-
tar. Até mesmo, uns poucos Prisci e Arcebispos man-
- Sempre tentar corromper outros para os caminhos
dos Lordes das Trevas.
- Na presença do inimigo - todos os que não seguem
tém certos interesses nesta Trilha. A Inquisição está
correta em suas aparentes paranóias e supostas ilu-
sões.
esta Trilha - nunca agir de acordo com sua verdadei-
ra natureza.
O Narrador é quem decide o quão distante flui a
- Usar todos para seus proveitos e os de seus
mestres.
corrupção e quais serão os efeitos nos personagens.
Isto pode ser o foco de uma crônica, porém trabalhe
bem as origens das intrigas, aumentando o mistério
- Realizar sacrifícios, quando necessário, para
satisfazer seus mestres.
do jogo.
- Expressar sua natureza infame quando surgir
oportunidades seguras.
- Exercer a diablerie vampírica tanto como a
diablerie Infernal.
- Despreze todos os vampiros que agem como
humanos e reivindicam conceitos morais e éticas.
“Ninguém é sempre honesto,
Aqui está o melhor policial,
No entanto pequenas mentiras podem mudá-lo para
sempre,
Embora você possa negar o óbvio,
Faça o que tem de fazer,
Leve uma Vida Dupla.”
- Styx, “Vidas Duplas”
Dentro do Sabbat existem apenas marcas das influ-
ências demoníacas, a Inquisição acredita que os de-
mônios sejam uma ameaça real e imediata, pois eles
controlam tudo no qual estão envolvidos. Suas mui-
tas naturezas procuram sempre submeter e escravi-
zar. O Sabbat baseia-se na liberdade, e todos são
livres para destruir os demônios.
A vulnerabilidade do Sabbat é o caos e a rebeldia da
estrutura política da seita. Muitos Sabbat vêem nos
demônios, uma chance de aumentar seu poder pes-
soal., investindo sempre com os mais velhos entre os
malditos. Contudo, muitos outros não acreditam na
“alma”, e consequentemente, não temem a suposta
punição eterna. Mas, a grande maioria dos Sabbat
estremecem só em pensar na perda de suas almas, e
isto induz os líderes a chamar pela Inquisição. Alguns

acreditam que os líderes só chamam a Inquisição por sentirem sua segurança e posição na seita ameaçada. Em 1804, Gustav M Ventrue Antitribu de grande reputação, criou a Inquisição. Mallenhous havia encontrado um culto de adoração aos demôni- os infernais trabalhando junto à seita, quando visita- va um ami Velho Continente. Mallenhous ficou face a face com os poderes sobrenaturais daqueles monstros, mas sobreviveu. E olhando além daquele pequeno culto, notou que a demonologia era muito mais difundida do que imaginava. Mallenhous, um Priscus, ganhou o apoio de vários líderes de ande poder e fundou a versão Sabbat da Inquisição. Nos tempos da Guerra civil no Sabbat, a Inquisição tornou-se uma ferramenta política, desaparecendo quando a Jyhad se expandiu para os territórios de domínio Sabbat. Não houve tempo para se pensar nesses assuntos. Por volta de 1924, que a Inquisição Sabbat se restabeleceu, neste tempo a Mão Negra era dominada por Julian. Julian era um homem anti- go, rico de Avignon perícias de combate (aumentando ainda mais sua ri- queza) para os fortes homens de Henry III, o qual lutou para conduzir os mesmos a desconsiderar seus inimigos da Inquisição. A Inquisição é, atualmente, desprezada por alguns Sabbat, mesmo com sua in- fluência e autoridade para destruir quase qualquer membro da seita. Os métodos da Inquisição variam para cada situa- ção, mas normalmente os processos seguem um pa- drão básico. Primeiramente, a Inquisição entra for- malmente em qualquer cidade Sabbat e começam a inve r. Na seqüência, os Inquisidoresionam todos os Sabbat em particular sobre quaisquer infor- mações de cultos de adoração ao demônio na cida- de. E desta forma, vão conduzindo suas investiga- ções. Os Inquisidores seguem o testemunho de qualquer Sabbat, que venha a relatar um caso suspeito, e nor- malmente mantém a identidade do informante em segredo. Os Inquisidores investigam os anteceden- tes de todos os suspeitos de estarem envolvidos em cultos demoníacos. Investigam uma situação geral- mente por três semanas e quase sempre terminam em provações. Os Inquisidores só atacam os acusa- dos se algumas evidências tiverem fundamentos, convocando o acusado à apresentar-se perante o Bis- po, os Padres e todos os Inquisidores. Eles estabele- cem uma data para o julgamento e exigem que o acu- sado fique de fora. O vampiro não poderá andar livremente, pois estaria sendo vigiado constantemente. Daí, um julgamento será realizado, e são convidados à assisti ral Inquisidor é o juiz. Se o inocente, será comunicado nescrito o “Ad Cautelam , uma declaraçãoque afirma a inocên-

cia do vampiro. Agora, se o acusado é considerado

culpado, ele será torturado pela Inquisição, até reve- lar seus conhecimentos e outros cultuadores do de- mônio. Logo depois, ele é conduzido até seus com- panheiros de Sabbat, que lhes aplicam as devidas punições - conhecidas como “auto-de-fé”. Seguindo, o vampiro é apresentado à seus companheiros, seus crimes são descritos, e depois ele é executado sem maiores formalidades por todos que estejam disponí- veis. As execuções variam de caso para caso e depende de quem for o Gene r. Entre as punições favoritas destacam-se o banho de ácido, ferver (ou fritar) até a Morte Final, alterar a carne e os músculos do culpado camada por camada, e de forma lenta e terrível desmembrá-lo e multilá-lo. Uma punição nunca imposta é a morte por Diablerie. Os Inquisidores con- sideram o sangue destes vampiros “manchado com o mal”. Aqueles que veneram a servidão ao demônio são severamente punidos. Os Inquisidores, muitas vezes, fazem uso de um ritual especial de localizar a posição dos Infernalistas. Os contornos

maléficos de cada um ficam visíveis. Nem sempre eles são localizados em lugares que muito provavel- mente não há humanos para os observa todos os Sabbat cumprem visivelmente todos os avi- sos.

Os Inquisidores demonstram grande competência nas

técnicas de Intimidação, Intriga e Manipulação ao acabar com as raízes do mal. Eles também contam

com seus grandes conhecimentos das disciplinas, especial Taumaturgia. Correm boatos de que um Inquisidor está estudando

a Taumaturgia Negra, mas rejeitando os demônios,

no entanto, estas insinuações sombrias foram passa-

das pela oposição.

Para cada 13 Inquisidores, quatro são

são Agentes Inquisidores, e um é o General Inquisido

além de um carniçal investigador com habilidades psíquicas.

Matérias extraídas do livro Storyteller Handbook to Sabbat (em inglês):

- Revelações Malignas (“The Path of Evil Revelations

Revelead”) pag. 49 à 50;

- O Alcance da Corrupção (“The Extent of the Corruption”)

pag. 50;

- Os Esforços da Inquisição (“Efforts of the Inquisition”) pag. 47 à 48.

r. O Gene-

T