Você está na página 1de 66

M i n i C V - O s va l d o A n d ra d e S o u za - o sval do.a. s @gmail.

com - 9 8 7 7 4 - 9 7 7 8
Eng. Mecânica, UFBA-79; Pós Graduações: CEMANT-79 e Eng. de Segurança, UFBA-02

• Professor da UNIJORGE na graduação de Engenharia Mecânica, várias disciplinas;


• Professor de Pós Graduação em Engenharia: UFBA / CEEST e UFBA / CEMANT;
• Consultor Sênior da RSE – Gerenciamento de Risco e Sustentabilidade Empresarial e
Professor do Cursos de Pós Graduação em Engenharia: RSE / Faculdade Jardins - RJ;
• Aulditor Líder do Prêmio Pólo de Saúde, Segurança e Meio Ambiente;
• Consultor Principal da DNV de 2007 a 2015, na área de Confiabilidade e Ger. de Risco no
Brasil e no Exterior;
• Professor de: Segurança, G. de Risco e Confiabilidade pela: Abiquim, IBP, UFBA, Ceman,
Braskem e Petrobras;
• Vários trabalhos apresentados em Revistas e Encontros Técnicos no Brasil, Argentina e
Inglaterra;
• Participação no Livro Reliability’91, editado por R. H. Matthews, pela Elsevier Science
Publishers Ltd. UK;
• Coord. SSMA Braskem, atuando antes em P&D, Processo, Operação, Montagem, Manutenção
e Confiabilidade até 2007;
• Coordenador do grupo de Gerenciamento de Riscos do COFIC do Polo de Camaçari até 2007.
Dia Tema Dia Tema
A-01 (2h) Apresent - C Didático - Mec Fís Transp Energia - (Leis A-01 (1h) Apresent - C Didático - Mec Fís Transp Energia - (Leis
6/2 7/2
Termo) Acordo da AV3 Termo)
13/2 Carnaval 14/2 Carnaval
A-02 (2h) C Did Fim - Ações AV3 - (Cic Term) - CT Reais Efic A-02 (1h) C Did Fim - Ações AV3 - (Cic Term) - CT Reais Efic Desv
20/2 21/2
Desv Perd Perd
A-03 (2h) (Cald- His Tip Aplic) - Sists Comp - S-Água - S-Vapor - Cond A-03 (1h) (Cald- His Tip Aplic) - Sists Comp - S-Água - S-Vapor - Cond -
27/2 28/2
- Purg Purg
A-04 (2h) (Cont Instrum) - C-Nível - C-Master - C-Temp - A-04 (1h) (Cont Instrum) - C-Nível - C-Master - C-Temp - Intertrav -
6/3 7/3
Intertrav - Proteções Proteções
13/3 A-05 (2h) (Combustão) – S-Comb - Malha cont Simp e Cruzad 14/3 A-05 (1h) (Combustão) – S-Comb - Malha contr Simples e Cruzado
A-06 (2h) S-Ar - Vent - Aquec - S-Combustível - Bomb - Transp A-06 (1h) S-Ar - Vent - Aquec - S-Combustível - Bomb - Transp - (Op
20/3 21/3
- (Op de Bomb e Vent) de Bomb e Vent)
A-07 (2h) (S-Cont da Polui) - S-Gases - Filtro - Cinza - Chaminé A-07 (2h) (S-Cont da Polui) - S-Gases - Filtro - Cinza - Chaminé - U
27/3 28/3
- U Nucleares Nucleares
3/4 AV1 (A-01 a A-07) 4/4 A-08 (1h) Aquec e GV Elét e Solares – (Aquecs Residen de Água)
A-08 (2h) Aquec e GV Elétricos e Solares – (Aquecedores
10/4 11/4 A-09 (1h) (Turbina a Vapor)
Residenciais de Água)
17/4 A-09 (1h) (Turbina a Vapor) - Devolução da AV1 (1 hora) 18/4 A-09 (1h) (Turbina a Vapor)
24/4 AV3 Equipes - 8 / 7 / 6 / 5 25/4 AV3 Equipes - 4 / 3
1/5 F E R I A D O - Dia do Trabalhador 2/5 AV3 Equipes – 2 / 1
A-10 (2h) (Corrente A 50-60 HZ) Controle Turbina Vapor - A-10 (1h) (Corrente A 50-60 HZ) Controle Turbina Vapor - Gerador
8/5 9/5
Gerador interligado ou não interligado ou não
A-11 (2h) (Comp de Gases) - Conceitos fundam-construt A-11 (1h) (Comp de Gases) - Conceitos fundam-construt Comp –
15/5 16/5
Comp – Comp de T-Gás Comp de T-Gás
22/5 MOSTRA DE PROJETOS 23/5 A-12 (1h) (Motor a Jato) - Turbina a Gás - Turbo Reatores
29/5 A-12 (2h) (Motor a Jato) - Turbina a Gás - Turbo Reatores 30/5 Revisão Aulas 7 a 12
5/6 AV2 (A-08 a A-12) 7/6 Revisão Aulas 1 a 12
as
12/6 2 Chamadas - (Solicitação até 11/6) 13/6 Cont. Devolução da AV2 - Notas no Portal até 10/6
19/6 Notas no Portal até 18/6 - Devolução 2as Chamadas 20/6 Revisão Aulas 1 a 12
26/6 AV4 (A-01 a A-12) 27/6 Comentários sobre as questões da AV4 - Notas no Portal até 27/6
29/6 Devolução AV4 30/6 Devolução AV4 - Continuação
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Esclarecimento Geral
• Nem sempre todos os slides, destes arquivos que estão sendo colocados no
portal, foram apresentados em sala. Alguns são extras para facilitar a revisão de
pontos requeridos pelas próximas aulas. Alguns são retirados pois só tem
sentido no contexto da sala de aula (apresentação da pessoas, etc.)
• Coloquem as dúvidas existentes para serem esclarecidas em sala.

ATENÇÃO
• Muitos comentários e esclarecimentos são feitos em sala e não aparecem nos
slides. Eles são importantes no processo de aprendizado.
• Caso não possam assistir a alguma das aulas, além de estudar o tema
conversem com algum colega que assistiu.

Apoio Bibliográfico
• Além da bibliografia indicada estarei colocando artigos e livros no portal,
confirmem que o acesso está sendo pleno por parte de vocês.
SUCESSO
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

EMENTA:
Transporte de energia: condutividade térmica, mecanismos físicos. Conceitos
fundamentais: compressores, turbinas a gás e turbo-reatores. Ciclos
termodinâmicos a vapor de água. Geradores de vapor. Condensadores. Turbinas.
OBJETIVO:
Familiarizar o estudante com as principais máquinas térmicas quanto às suas
funções, aplicações, principais partes e parâmetros críticos de operação, bem
como fornecer noções de controle para maximizar os seus rendimentos.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Exposição do plano de curso, evidenciar conceitos de termodinâmica, conceitos
de trabalho realizado por máquinas térmicas, principais Máquinas Térmicas;
descrição da aplicação e operação, principais partes, controle e rendimentos.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Base para o Entendimento e Análise


Técnica das Máquinas Térmicas:
• Conceitos Fundamentais
• Caldeiras / Geradores de Vapor
• Transporte de Energia
• Condensadores
• Condutividade Térmica
• Turbinas a Vapor
• Mecanismos Físicos
• Turbinas a Gás
• Ciclos Termodinâmicos
• Turbo reatores / Motor a Jato
• Rendimentos
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Referências Técnicas do Curso:


• INCORPERA, F.P. Fundamentos de Transferência de Calor e Massa
• MORAN, Michael J. Introdução à engenharia de sistemas térmicos: termodinâmica,
mecânica dos fluidos e transferência de calor
• BRAGA, Filho Washington. Transmissão de Calor
Outras Fontes Técnicas:
• TORREIRA, Raúl Paragallo. Geradores de Vapor
• PERRY, Robert H. Manual de Engenharia Química
• Biblioteca da Escola e outras
Este é o melhor
• Material Técnico Colocado no Portal
momento para
• Internet
ter dúvidas e
• Seu NetWork
questionar
• Tudo que estiver ao seu alcance.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Engenharia requer Competência e Persistência

Lembrando do recado do Ídolo:


“No que diz respeito ao empenho, ao compromisso, ao esforço, à
dedicação, não existe meio termo.
Ou você faz uma coisa bem feita ou não faz.”

Ayrton Senna da Silva .


Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre a dinâmica em sala: Contrato Didático


O contrato didático é definido por Guy Brousseau (* ) como
o conjunto de comportamentos do professor que são
esperados pelo aluno e o conjunto dos comportamentos
do aluno que são esperados pelo professor.
São as expectativas do professor em relação aos alunos e
destes em relação ao professor, incluindo-se, nessa
relação, o saber e as formas como esse saber é tratado
por ambas as partes.
(*) BROUSSEAU, 1986, APUD SILVA, 2008, p.50.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre a dinâmica em sala: Contrato Didático


De acordo com Gálvez (1996), Esse contrato define as regras de
funcionamento da relação, dentro da situação didática (* ) como,
por exemplo:
• o direito de falar e de ouvir de cada uma das partes,
• a forma de relacionamento dos alunos dentro da sala de aula,
• a forma de relação desses com o professor,
• a distribuição das responsabilidades,
• a determinação de prazos,
• a proibição ou permissão do uso de determinados recursos, etc.
(*) conjunto de relações estabelecidas entre um aluno ou um grupo de alunos e um
sistema educativo (o professor) com a finalidade de possibilitar a estes alunos um
saber constituído ou em vias de constituição.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre a dinâmica em sala: Papéis


Do Professor:
Presença Mediadora na:
• Mobilização / Problematização
• Construção
• Elaboração da Síntese
Dos Alunos:
Presença Atuante na:
• Construção do Conhecimento
• Problematização
• Elaboração da Síntese
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Proposta de Contrato Didático


Tema Finalidade Proposta Inicial Acordo
Final

Falar e Ouvir Poder se Uso discreto de celular em necessidade


concentrar (Vibra e a pessoa sai ou digita)
Uso do Celular
na aula
Evitar Excesso Conversa paralela
Conversa Paralela
Controlar o tom e o volume da voz
Forma de Harmonia e Perguntas devem ser feitas logo que
relacionamento entendiment surgem mas respeitando a finalização do
o estre todos diálogo em curso
Estarmos abertos as criticas construtivas
dos
Pontualidade Atender Chamada em horas específicas / Correr a
requisitos da Lista
Assiduidade
Escola e do
Nº de pessoas na lista maior que na sala
Pais
elimina a opção de correr a lista
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Proposta de Contrato Didático


Tema Finalidade Proposta Inicial Acordo
Final
Slides das aulas Acesso ao material Os slides serão colocados em
Fotografar e didático PDF no Portal
Filmar Autodesenvolviment Uma ou outra foto é natural.
o Gravar ou filmar a aula não.
Prazos Eficácia no processo Cumprir os Prazos é parte
do aprender e fundamental do atendimento
comprovar
Respeito/Compromis
so
Ética na Prova Confiança para Pessoas que têm trabalhos
Clareza e assegurar a formação especiais que podem chocar
Transparência e poder recomendar com alguma aulas deve avisar e
nossos alunos combinar a alternativa
Avaliação Provas são Individuais ...
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Proposta de Contrato Didático


Tema Finalidade Proposta Inicial Acordo
Final
Uso adequado de Estudantes e Professo providenciam
EPIs no Laboratório seus EPIs. Professor divulga lista.
Segurança Pessoal
Experimentos com Uso de fogo apenas no laboratório
uso de fogo – AV3 avisando aos bombeiros
Email e WhatsApp e Facilidade de Serão disponibilizados para os
Celular contatos alunos
Colaboração Alunos usarão com equilíbrio
Planejamento Uma única pessoa da equipe
enviará a AV3
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

O Processo envolvendo as Leitura Prévia às aulas deste curso


As “Leituras Previas”, normalmente envolvendo uma folha frente e
verso, são materiais próprios ou comentados pelo professor visando
uma revisão conceitual, para ser lida antes das aulas, e visa apoiá-los e
fortalecer nossas condições para os debates em sala.

Este processo didático é complementado por:


• Uma análise estatística do percentual de alunos que estão tendo condições de
realizar esta leituras previamente;
• Jogos com questões do tema com o (https://kahoot.com) ou similar Quizzes!

• Em cada Jogo Oficial (Feito via Software) o 1º colocado recebe +0,2 para a AV3 e
os 2º e 3º +0,1.

Contribuam com sugestões para enriquecer este processo.


Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Recordando no K A H O OT
E n ge n h a r i a é S a b e r
N ã o é S o r te
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Questão de Avaliação 1

Vo c ê c o n s e g u i u l e r o m ate r i a l de “ L e i t u ra
P ré v i a ” D i v u l ga d o v i a Po r ta l ?

1 . L e u e G o sto u

2 . L e u e N ã o G o sto u

3 . Re c e b e u , Te ve A c e s s o, m a s N ã o L e u

4 . N ã o Re c e b e u , N ã o Te m A c e s s o
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Questão de Avaliação 2

C o m o vo c ê co n s i d e ra a n e c e s s i d a d e d a re v i s ã o
p ré v i a d o s co n c e i to s ?
1. Os itens apresentados, nas “Leituras Prévias” estão
sendo os necessários e suficientes

2. Houve uma quantidade excessiva de revisão

3. Vale apenas pela possibilidade de ganhar pontos


extras

4. Como eu não estudei ainda as disciplinas de


termodinâmica não é o caso apenas de Revisão.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Vamos em Frente Lei-0


Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica:


Conceitos Fundamentais

O que chamamos de Equilíbrio Térmico?

O que seria um Equilíbrio Termodinâmico?


Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais:

Quando dois corpos tem a mesma temperatura dizemos que estão em


Equilíbrio Térmico entre si.

Um Corpo está em Equilíbrio Termodinâmico com seu meio se é incapaz de


uma mudança espontânea, enquanto não variarem essas condições:

• Equilíbrio térmico: temperatura igual em todo o sistema


• Equilíbrio mecânico: não há variação de pressão
• Equilíbrio de fase: massa constante de cada fase
• Equilíbrio químico: composição não muda com o tempo
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais:


Lei Zero da Termodinâmica

Podemos definir a lei zero da termodinâmica como:

"Se dois corpos estão em equilíbrio térmico com um


terceiro eles estão em equilíbrio térmico entre si ".

O uso dos Termômetros só faz sentido porque existe a Lei Zero da


Termodinâmica.
Temperatura da Pessoa  Vidro  Mercúrio
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Vamos em Frente Lei-1


Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos


Fundamentais: Primeira Lei

O objetivo básico da termodinâmica é relacionar calor e


trabalho.

A primeira lei da termodinâmica é comumente chamada de


"lei da conservação da energia“ e traz o e reconhecimento
de que o calor é uma forma de energia.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais: Primeira Lei

A ideia básica, aqui, é que a energia pode ser armazenada


dentro de um sistema, transformada de uma para outra forma
de energia e transferida entre sistemas. Chamamos de energia
interna de um sistema à soma de todos os tipos de energia dos
átomos ou moléculas que constituem o sistema

Para o sistema fechado a energia pode ser transferida através


do trabalho e da transferência de calor.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos


Fundamentais: Primeira Lei

A quantidade total de energia é conservada em todas as


transformações ou transferências.

Se um dado processo ocorre num certo sentido ou


sequencia temporal, conservando a energia em cada etapa,
nada impediria, de acordo com a primeira lei, que ele
ocorresse em sentido inverso, ou seja, o processo seria
reversível.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos


Fundamentais: Primeira Lei

Para o sistema fechado a energia pode ser transferida através


do trabalho e da transferência de calor.

O Trabalho também é uma forma de energia em trânsito, pois


é resultante do deslocamento de uma massa pela ação de uma
força.

É possível elevar a temperatura de um sistema pela adição de


calor ou efetuando-se trabalho sobre ele. - James P. Joule
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais:


Máquina Térmica

As máquinas térmicas foram os primeiros dispositivos mecânicos a


serem utilizados em larga escala na indústria, por volta do século
XVIII.

Na forma mais primitiva, era usado o aquecimento para transformar


água em vapor, capaz de movimentar um pistão, que por sua vez,
movimentava um eixo que tornava a energia mecânica utilizável para
as indústrias da época.

Chamamos Máquina Térmica o dispositivo que, utilizando duas


fontes térmicas, faz com que a energia térmica, ou parte dela, se
converta em energia mecânica (trabalho).
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Transporte de Energia Térmica: Transmissão


de Calor

A Energia Térmica está relacionada com a vibração, translação e rotação dos


átomos e moléculas da matéria e está associada à temperatura.

O trânsito ocorre devido unicamente


a uma diferença de temperatura
entre dois locais.

Essa transmissão pode ocorrer de


três formas diferentes:
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais:


Fluxo de Calor
A Energia Térmica é transmitida sempre que dois sistemas
vizinhos apresentam temperaturas diferentes.

O Processo pelo qual a energia é transportada é chamado de


Transmissão de Calor. Este trânsito energético não pode ser
observado diretamente, mas os seus efeitos são passiveis de
observação.

O Fluxo de Calor é o processo que altera a energia interna de cada


sistema e que pode ser constatado e mensurado pelas alterações
de suas temperaturas.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais: Fluxo de


Calor

O Fluxo de calor (ou fluxo térmico) φq através de uma superfície de


área A é definido como a quantidade de calor por unidade de tempo
(Q/t) por unidade de área
Φq=(Q/t)/A

Desde que de calor por unidade de tempo tem dimensão de potência, a


unidade do fluxo de calor no Sistema Internacional (SI) é watt por
metro quadrado (W/m2).
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: / Calor Específico

Equação Básica

c = Q/mΔT = S/m

c é o calor específico em joules por quilograma kelvins (j.kg-1.K-1);


Q é a quantidade de calor em joules (j);
m é a massa, em quilogramas (kg);
ΔT é a diferença de temperatura, em kelvins (K);
S é a entropia, em joules por kelvin (j/K).
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Calor Específico / Capacidade Térmica Mássica

Calor Específico (Cp) é a quantidade de energia (Q) necessária para elevar em 1


ºC a temperatura de unidade de massa.
Cp = Q/m.ρ.T
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Capacidade Térmica / Capacidade Calorífica


Capacidade térmica (C) ou capacidade calorífica é uma grandeza física que
determina a variação térmica de um corpo ao receber determinada quantidade de
calor.
O valor da capacidade térmica é correspondente à quantidade de calor necessária
para elevar a temperatura do corpo em uma unidade de variação de temperatura.
É possível calcular pela seguinte fórmula: C = c * M
Onde:
C é a capacidade térmica, em joules por kelvins (j/k);
c é o calor específico, em joules por quilograma kelvins (j.kg-1.K-1);
M é a massa, em quilogramas (kg).

Também podemos substituir o calor específico por sua própria fórmula de definição:

C = (Q / m ΔT) M donde: C = Q / ΔT
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Condutividade Térmica / Oposto de


Resistividade Térmica

Condutividade Térmica é mede a capacidade do corpo em transmitir energia.

A Condutividade Térmica equivale à quantidade de calor transmitida por unidade


de tempo através de um objeto com espessura unitária, numa direção normal à
área da superfície de sua seção reta, também unitária, devido a uma variação de
temperatura unitária entre as extremidades longitudinais.

O inverso da condutividade térmica é a Resistividade Térmica.

A unidade de condutividade térmica segundo o sistema internacional de unidades


é o watt por metro e por kelvin, sendo o watt obviamente análogo
ao joule por segundo.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Mecanismos Físicos: Condução (ou Difusão)

Se envolvermos um objeto aquecido, que está num ambiente mais frio, com uma
camada de material, então a condutividade térmica do material isolante
determinará a rapidez com que o calor fluirá através dele.

É o processo de transferência de energia através de um meio material, sem


transporte de matéria. a energia térmica se propaga de partícula para partícula do
meio.

Ocorre principalmente nos materiais sólidos.


Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Mecanismos Físicos: Convecção (Quando o


movimento é horizontal (ex. atmosférico) o termo é Advecção

Convecção é o fluxo de calor devido a um movimento macroscópico,


carregando partes da substância de uma região quente para uma região fria.

A convecção engloba dois fenômenos físicos: a dilatação térmica, e a


flutuabilidade (menos denso ascende; mais denso descende). Ela não ascende
se não houver gravidade.

Suponha que tenhamos uma região de ar que se aquece. À medida que o ar se


aquece as moléculas de ar se espalham, fazendo com que esta região se torne
menos densa que o ambiente em torno, o ar não aquecido. Sendo menos
denso ele se elevará. Este movimento de ar quente para uma região mais fria é
chamada de transferência de calor por convecção.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Mecanismos Físicos: Radiação

A terceira forma de transferência de calor é por radiação, ondas


eletromagnéticas emitidas por um corpo. Esta é a maneira, por exemplo, do sol
transferir energia para a terra através do espaço vazio.

Frequentemente, a energia de calor pode ser utilizada para iluminar, tal como
aquela proveniente de uma fogueira. A luz, sendo uma onda, carrega energia, e
pode mover-se de um lugar para outro sem a necessidade de um meio
material.

Algumas câmaras e aparelhos estimam a temperatura dos corpos medindo a


intensidade da Radiação Infravermelha emitida ou na astronomia na faixa de
micro-ondas cósmicas.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Mecanismos Físicos:


Radiação
A radiação térmica é gerada pelo movimento de partículas carregadas na
matéria.

Toda substância com temperatura maior do que 0 K (zero Kelvin; Zero


absoluto) emite radiação térmica.

Átomos e moléculas que compõem a matéria possuem energia cinética que


varia, e essas mudanças de energia acabam resultando em aceleração das
partículas e oscilações das cargas que compõem os átomos.

Essa movimentação das cargas na matéria gera a radiação eletromagnética, ou


seja, a energia cinética de átomos e moléculas converte-se em energia
térmica e resulta na radiação eletromagnética térmica.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Mecanismos Físicos: Radiação

Há quatro propriedades gerais que caracterizam a irradiação térmica:

1 - A radiação térmica emitida em qualquer temperatura possui vários


comprimentos de onda e frequências cuja distribuição é dada pela Lei de
Planck para um emissor ideal (Corpo Negro).

2 - O intervalo dominante de frequências aumenta


proporcionalmente com a temperatura, conforme a Lei de Wien.

3 - A quantidade total de radiação aumenta de acordo com a temperatura


elevada à sua quarta potência, conforme a Lei de Stefan-Boltzmann.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Mecanismos Físicos: Radiação

Há quatro propriedades gerais que caracterizam a irradiação térmica:

4 - A taxa de radiação eletromagnética emitida em determinada frequência é


proporcional ao total absorvido pelo corpo à mesma frequência.

Assim,uma superfície que absorve mais a luz vermelha


irradia termicamente mais a luz vermelha.
Este princípio é aplicado a todas as demais propriedades de onda, inclusive
comprimento de onda (cor), direção, polarização e coerência.

Portanto, é possível ter irradiação térmica direcional, polarizada e coerente,


embora isso, na natureza, seja muito raro longe de sua fonte.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Mecanismos Físicos: Radiação


Cor observada pelo olho humano emitida por um corpo negro:

°C (K) Cor

480 °C (753,15 K) brilho avermelhado fraco

580 °C (853,15 K) vermelho escuro

730 °C (1003,15 K) vermelho brilhante, levemente alaranjado

930 °C (1203,15 K) laranja brilhante

1100 °C (1373,15 K) laranja amarelado pálido

1300 °C (1573,15 K) amarelo claro

branco (amarelado se visto a distâncias superiores à da


> 1400 °C (1673,15 K)
atmosfera)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Irradia%C3%A7%C3%A3o_t%C3%A9rmica
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais: Primeira Lei para


um Sistema Percorrendo Um Ciclo

A primeira lei da termodinâmica estabelece que, durante um processo cíclico


qualquer, percorrido por um sistema, a integral cíclica do calor é proporcional à
integral cíclica do trabalho.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais


1ª Lei da Termodinâmica –
“Típico sistema termodinâmico, mostrando entrada de uma
fonte de calor na esquerda e saída para um (condensador) na
direita. O trabalho é extraído, neste caso, por uma série de
pistões.”

Fonte:
http://www.if.ufrgs.br/~dschulz
/web/leis_termodinamica.htm
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Questão para - Ação Interativa .


A 2ª Lei da Termodinâmica afirma que:
“ As transferências de calor ocorrem sempre do corpo mais quente
para o corpo mais frio ”
No entanto, o ar condicionado desta sala está tirando calor da sala fria e jogando para o
ambiente externo que está mais quente.
O que tecnicamente é mais correto afirmar?

1. Esta é uma das poucas exceções da 2ª Lei da Termodinâmica;

2. As Transferências de Calor não ocorrem naturalmente sempre do corpo


mais quente para o corpo mais frio;

3. Não há conflito, pois em todos os pontos do ar condicionado, onde há


transferência, o calor passa de uma fonte quente para uma fria;

4. A 2ª Lei não se aplica, nem aproximadamente, a equipamentos reais.


Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Interação de Convencimento Técnico


em Duplas ou Trios de Colegas

Concluímos
Aluno 1 Pensa Aluno 2 Pensa
que o certo que é YYY
que é ZZZ
é ... .
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Interação de Convencimento Técnico


Entre Grupos e Consolidação do
Processo por parte do Professor

Concluímos que
o certo é ... .

As outras
implicações disto

são ... .
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Vamos em Frente

Máquinas Térmicas
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais


M aq u i nas Té rm icas
As máquinas térmicas foram os primeiros dispositivos mecânicos a serem utilizados em larga
escala na indústria, por volta do século XVIII.
Na forma mais primitiva, era usado o aquecimento para transformar água em vapor, capaz de
movimentar um pistão, que por sua vez, movimentava um eixo que tornava a energia
mecânica utilizável para as indústrias da época.

Chamamos de Máquina Térmica


Máquina Trabalho
o equipamento, sistema ou
Té r m i c a
dispositivo que, utilizando duas
fontes térmicas, faz com que a Q1
energia térmica se converta em Fonte Q2 Fonte
Quente Fria
energia mecânica (trabalho).
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais


Maquinas Térmicas - Nos cálculos utiliza-se o valor absolutos das
quantidade de calor pois, em uma máquina que tem como objetivo o resfriamento,
por exemplo, estes valores serão negativos.

Neste caso, o fluxo de calor acontece da temperatura menor para o a maior. Mas
conforme a 2ª Lei da Termodinâmica, este fluxo não acontece espontaneamente,
logo é necessário que haja um trabalho externo, assim:

No detalhe pontual nota-se que o Trabalho


Máquina
calor sempre se desloca para a
Té r m i c a
fonte fria “do momento”, pois a
outra fonte, que era a mais fria, Q1
foi aquecida por pressurização ou Fonte Q2 Fonte
Quente Fria
ação similar e ficou mais quente.

Será Mesmo ? ? ? ? ??
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Vamos em Frente Lei-2


Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais: Segunda Lei


A Segunda Lei é a base para as Máquinas Térmicas

FONTE QUENTE
CALOR
OBTIDO
Resultados
• Trabalho é Realizado
TRABALHO REALIZADO
• Esquenta a Fonte Fria
Calor • Esfria a Fonte Quente
Residual Trabalho Usado

FONTE FRIA
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais


2ª Lei da Termodinâmica – Foi enunciada pelo físico francês Sadi
Carnot. Essa lei faz restrições para as transformações
realizadas pelas máquinas térmicas. Seu enunciado, segundo
Carnot, diz que:

Para que um sistema realize conversões de calor em


trabalho , ele deve realizar ciclos entre uma fonte quente
e fria , isso de forma contínua.
A cada ciclo é retirada uma quantidade de calor da fonte
quente, que é parcialmente convertida em trabalho e a
quantidade de calor restante é rejeitada para a fonte fria.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais


2ª Lei da Termodinâmica – Dentre as leis da termodinâmica, a
segunda é a que tem maior aplicação na construção de máquinas e
utilização na indústria, pois trata diretamente do rendimento das
máquinas térmicas.
Dois enunciados, aparentemente diferentes ilustram a 2ª Lei da
Termodinâmica. Enunciado de Clausius:
O calor não pode fluir, de forma espontânea, de um corpo de
temperatura menor, para um outro corpo de temperatura mais alta.
Tendo como consequência que o sentido natural do fluxo de calor é da
temperatura mais alta para a mais baixa, e que para que o fluxo seja
inverso é necessário que um agente externo realize um trabalho sobre
este sistema.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais


2ª Lei da Termodinâmica
Enunciado de Kelvin-Planck:
É impossível a construção de uma máquina que, operando em um ciclo
termodinâmico, converta toda a quantidade de calor recebido em
trabalho.
Este enunciado implica que, não é possível que um dispositivo térmico
tenha um rendimento de 100%, ou seja, por menor que seja, sempre
há uma quantidade de calor que não se transforma em trabalho
efetivo.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais: Segunda Lei

Condições para que um processo seja reversível

• Não deve haver nenhuma energia mecânica sendo transformada em energia


térmica por atrito, força viscosa ou outras forças dissipativas.
• A transferência de energia térmica só pode ocorrer entre corpos a mesma
temperatura (transformação isotérmica)
• O processo deve ser quase-estático, de forma que o sistema esteja sempre em
um estado de equilíbrio.
O Processo Reversível é uma idealização
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais: Segunda Lei

O principal significado da segunda lei da termodinâmica é que ela estabelece a


direção na qual ocorre um determinado processo.

Além disso, define:


• Motor térmico;
• Refrigerador; e
• Temperatura termodinâmica (indica quanto de energia há no sistema).

Assim, por exemplo, uma chaleira quente esfria em virtude da troca de calor com o
meio ambiente, mas o meio não pode ceder calor para a chaleira.

A primeira lei não estabelece a direção do processo, apenas define que em um


processo cíclico o calor e trabalho são iguais.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Vamos em Frente Lei-3


Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais


3ª Lei da Termodinâmica – A terceira lei da termodinâmica foi
desenvolvida por Walther Nernst entre 1906 e 1912 e diz que, quando um
sistema se aproxima da temperatura do zero absoluto, todos os processos
cessam, e a entropia tem um valor mínimo.

A lei, portanto, fornece um ponto de referência para a determinação do


valor da entropia.

Um ímã levitando sobre um material


supercondutor refrigerado a nitro-
gênio líquido, cuja temperatura é de
aproximadamente -196°C ou 77°K
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais: Terceira Lei


O fato de que se pode chegar perto do zero absoluto de temperatura,
mas nunca atingi-lo é conhecido como a terceira lei da
termodinâmica.

Ela diz que, quando a temperatura de um sistema se aproxima do


zero absoluto, todos os processos cessam, e a entropia é mínima. A
lei, portanto, fornece um ponto de referência para a determinação do
valor da entropia.

A entropia de uma rede perfeita de cristais, como definido pelo


teorema de Nernst, é zero se, e somente se, o seu estado
fundamental é único
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Alinhamento sobre Termodinâmica: Conceitos Fundamentais: Terceira Lei


A entropia de uma rede perfeita de cristais é zero se, e somente se, o
seu estado fundamental é único.

Em 1995, os físicos norte-americanos Eric Cornell (1961-) e Carl


Wieman (1951-) conseguiram “congelar” átomos, usando lasers e
campos magnéticos, a uma temperatura da ordem de 10-9 K.

Esta é a temperatura mais baixa que já se conseguiu em laboratório


(acreditasse que ela é a mais baixa jamais produzida em toda a
história do universo) e eles ganharam o prêmio Nobel de física de
2001.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Projeto em EQUIPE: AV3 - Equipes de 5 a 7 Pessoas


Neste projeto em equipe utilizaremos como base um Protótipo ou uma
Máquina ou Sistema Térmico. Requer Uso do Laboratório ou Visita Técnica.

Pode ser coordenado com a AV3 de outras disciplinas.

Alinhamento sobre o Plano de Acompanhamento Sistêmico e sobre as datas

Uso de chama envolve contato prévio com os bombeiros da Unijorge


Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Projeto em EQUIPE: AV3 - Equipes de 5 a 7 Pessoas

EQUIPE 1 EQUIPE 2 EQUIPE 3 EQUIPE 4


1. a 1. a 1. a 1. a

a a a a
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Projeto em EQUIPE: AV3 - Equipes de 5 a 7 Pessoas

EQUIPE 5 EQUIPE 6 EQUIPE 7 EQUIPE 8


1. a 1. a 1. a 1. a

a a a a
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Projeto em EQUIPE:
Cada equipe fará apresentação, sobre a o tema estudado e
sobre a participação de cada um na execução do estudo:

• Todos deve participar, de 3 a 5 minutos por pessoa.

A data da entrega e apresentação seguirá agendamento.


• As notas poderão ser diferentes conforme a participação dos
alunos no projeto.
Osvaldo Andrade Souza – UNIJORGE – Eng. Mec. – Máquina Térmicas

Geradores de Vapor / Caldeiras: Histórico: Unidade Atual

CALDEIRA Atual tipo


Flamotubular com
Paineis, Ventilador,
instrumentos, etc.
Boa Noite!
Obrigado a Todos
Osvaldo Andrade Souza
osvaldo.a.s@gmail.com

Fim dos Assuntos


da Aula do Dia