Você está na página 1de 5

Cinco Eixos da Alfabetização e Letramento: Um Resumo

Categoria: Alfabetização, Gestão Escolar, Sala de Aula

Enviar por e-mail Compartilhar no Facebook BlogThis! Compartilhar no Twitter

Para que não tem acesso ao material elaborado


pelo CEALE para o MEC e para a Secretaria de Educação de Minas Gerais
acompanhe a seguir um pequeno resumo sobre cada um dos cinco eixos. Os
mesmos foram apresentados com suas respectivas capacidades em
Alfabetização e Letramento Com os Cinco Eixos.

É de extrema importância saber o que cada um quer dizer para que fique claro
o trabalho do professor alfabetizador. Após essa compreensão o trabalho
alcançará dimensões de aprendizado que vai surpreender até o professor mais
experiente. Nada é novidade!

1. COMPREENSÃO E VALORIZAÇÃO DA CULTURA ESCRITA

Sabemos que ainda há muitas crianças que chegam à escola sem ter tido a
oportunidade de conviver e de se familiarizar com os meios sociais de
circulação da escrita. Por isso é tão importante que o professor trabalhe com os
alunos seus usos, para que serve e suas aplicações práticas.
Ao trabalhar as capacidades propostas neste eixo, o professor estará
introduzindo seus alunos no mundo letrado. Trata-se do processo de letramento
que não deve ser trabalhado separado do trabalho específico da alfabetização,
isso significa promover simultaneamente a alfabetização e o letramento.
“Na nossa civilização, todo cidadão, qualquer que seja seu grau de escolaridade
ou sua posição social, está, de algum modo, inserido numa cultura letrada: tem
documentos escritos e realiza, bem ou mal, práticas que dependem da escrita
(ex.: tomar ônibus, pagar contas, etc.).” (Pró-Letramento: alfabetização e
linguagem, fascículo 1, pág. 18,19).

2. APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

São conhecimentos que os alunos precisam adquirir para


compreender as regras que orientam a leitura e a escrita no sistema alfabético
bem como a ortografia da língua portuguesa.

Este eixo aborda capacidades que devem ser trabalhadas com os alunos em
sala de aula de forma sistemática. Aqui há várias capacidades que já devem ser
introduzidas, trabalhadas e consolidadas logo no primeiro ano do processo de
alfabetização.

Como as capacidades iniciais deste eixo referem-se a conhecimentos básicos é


importante que o professor perceba que esses não são conhecimentos óbvios
para o aluno que está no início do processo.

É durante o trabalho das capacidades desse eixo que os alunos vão


compreender alguns conhecimentos básicos como:
* Diferenças entre a escrita e outras formas gráficas;
* Orientação e o alinhamento da escrita da língua portuguesa (da esquerda
para a direita, de cima para baixo);
* Função de segmentação dos espaços em branco e da pontuação de final de
frase entre outros que podem ser conferidos no quadro que apresenta este
eixo; entre outros.

3. LEITURA

O aluno não precisa saber ler e escrever para que


o professor inicie o trabalho com a leitura. A leitura é um dos conteúdos do
currículo que deve ser trabalhado em todos os anos de escolaridade.

Para atender a essa capacidade pode-se iniciar o trabalho com textos que
fazem parte da tradição oral como parlendas, cantigas, músicas, poemas, entre
outros.
É importante que a criança perceba a leitura como um ato prazeroso e
necessário. Além de possuir objetivos diferentes como ler por prazer, para
estudar, para informar, para revisar o que escrevemos, para seguir instruções,
etc.

Ao longo do trabalho com essa capacidade os alunos vão alcançando níveis


gradativos, que vão desde a decodificação de palavras e textos escritos até a
leitura com fluência e compreensão, que é a meta principal no ensino da
leitura.

4. PRODUÇÃO ESCRITA
Serão tratadas neste eixo as capacidades
necessárias ao domínio da escrita, considerando desde as primeiras formas de
registro alfabético e ortográfico até a produção autônoma de textos.

A escrita, tanto na escola como fora dela, deve servir a algum objetivo, ter
alguma função e dirigir-se a algum leitor. Muitas crianças chegam à escola sem
saber escrever, além de não saberem por que e para que se escreve.

Como a maioria dos textos que escrevemos são grafados em língua culta, os
alunos devem ter clareza que a escrita é diferente da fala, ou seja, não se
escreve da mesma maneira que se fala.

Neste processo estão inclusas capacidades que começam a ser adquiridas no


processo de alfabetização proporcionando ao aluno alcançar a condição letrada,
permitindo-lhe uma ativa participação nas práticas sociais próprias da cultura
escrita.

5. DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE

Todo conteúdo, ao ser introduzido, passa necessariamente


pela oralidade através de atividades orais (fala e escuta), tanto do aluno como
do professor.
É importante o professor perceber a importância de propiciar ao aluno,
principalmente àqueles oriundos de um meio social menos favorecido, o acesso
a uma língua de prestígio, não deixando, no entanto de respeitar a língua
adquirida no seu meio social e familiar.

Cabe à escola contribuir para que a criança aprenda a interagir oralmente de


acordo com as regras de convivência dos diversos espaços sociais, já que em
muitos casos isso só será oportunizado a ele no ambiente escolar.

Agora que você já conhece, em síntese, o que cada eixo pretende alcançar no
processo de Alfabetização e Letramento, comente nesta postagem suas
experiências após utilizar os eixos em sua sala de aula. Diga o que deu certo e
o que não deu para que possamos acompanhar e esclarecer dúvidas que
possam surgir ao longo do seu trabalho!

Acompanhe as próximas postagens, onde estarei sugerindo atividades que


esclarecem, de forma prática, a aplicação dos cinco eixos em sala de aula.