Você está na página 1de 7

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

1. Ao longo dos anos 80, com o agravamento da crise do estado de bem-estar e a


consolidação das tendências “pós-industriais”, várias camadas sociais, em diversos
países do mundo, começaram a se movimentar com o objetivo de otimizar o uso dos
recursos públicos cada vez mais escassos e estimular o desenvolvimento em bases
socialmente mais justas e sustentáveis. Em decorrência, cresceu sobremaneira o
campo de cooperação entre instituições públicas e instituições privadas , acentuando-
se, ao mesmo tempo, a interferência de diversas entidades nas definições das políticas
públicas seguidas pelos diversos países. Configurou-se, assim, o que tem sido
chamado de “terceiro setor”. Um dos resultados mais visíveis deste processo foi a
proliferação das Organizações Não-Governamentais (ONGs), entidades formadas por
livre inciativa, desvinculadas do poder governamental mas capazes de atuar em
funções típicas do Estado. Assinale a opção que melhor caracteriza o perfil de atuação
das ONGs no mundo contemporâneo.

a) As ONGs formam um universo complexo: algumas atuam com enfoque


despolitizador, procurando substituir o Estado, e outras atuam com claro
direcionamento político, buscando estimular a cidadania dos grupos menos
favorecidos da sociedade, introduzir modificações nas prioridades governamentais e
superar a dinâmica burocrática dos aparatos públicos.
b) As ONGs atuam quase que exclusivamente no campo ecológico e ambiental, dada a
facilidade de obter financiamento internacional para o desenvolvimento de projetos
nesta área e dado o maior apelo político das questões ambientais.
c) Embora possam ser úteis em diversos programas sociais, as ONGs concorrem
deslealmente com os governos democraticamente constituídos, pois atuam fora da
legalidade, não estão obrigadas a prestar contas de seus atos nem se submetem aos
mecanismos eleitorais de legitimação e aprovação popular.
d) As ONGs funcionam basicamente como centros geradores de novas idéias e de novos
comportamentos coletivos, agindo apenas como instrumentos de pressão sobre
governos pouco representativas e distantes dos interesses da população.
e) Por estarem muito próximas dos partidos políticos de esquerda, as ONGs concentram-
se na área de defesa dos direitos humanos e sociais, atuando principalmente em
períodos menos democráticos e fora dos quadros constitucionais do Estado. (questão
13, pág. 381)

2. São muitos os analistas que consideram a constituição de 1988 como responsável por
um retrocesso burocrático em relação à reforma administrativa de 1967 e pela
interposição de sérios obstáculos à modernização (questão 18 a ser revista na página
383)

3. O modelo racional-legal de administração, tanto na área pública quanto na


empresarial, encontra no conceito de burocracia em de seus elementos principais.
Neste modelo, a burocracia define-se, basicamente, como o tipo de organização apta
para realizar de modo eficiente e eficaz tarefas administrativas em grande escala,
mediante o trabalho racionalmente organizado de muitos indivíduos. São numerosos
os estudos a respeito deste padrão organizacional. Em que pesem as diferenças de
abordagem e de pressupostos existentes entre eles, é possível alcançar um visão de
conjunto a respeito do fenômeno burocrático. Indique a opção que contém os
princípios administrativos típicos da burocracia.

a) Organização por departamentos, planejamento estratégico, disciplina e criatividade.


b) Especialização dos níveis intermediários, alta remuneração dos escalões de base e
restrição dos privilégios dos superiores hierárquicos.
c) Horizontalização dos processos decisórios, participação permanente, rotinização
normatiza e liderança carismática.
d) Flexibilidade gerencial, estruturação de carreiras e transparência orçamentária.
e) Especialização, autoridade hierarquizada, sistema de regras normativas e
impessoalidade. (questão 24, página 385)

4. Ao lado das dificuldades apresentadas pela burocracia para se adaptar às rápidas


mudanças culturais, políticas e econômicas das últimas décadas, o crescimento
desmesurado do número e do poder das organizações burocráticas tem sido
apresentado como um dos fatores que levaram à ineficiência e inviabilizaram a
reprodução do modelo racional-legal de administração. Indique a opção que fornece a
melhor explicação a respeito deste problema.

a) A burocracia cresceu em tamanho e em número na proporção direta em que se deixou


contaminar pela influência de fatores políticos irracionais e pela massificação do
acesso às suas carreiras.
b) A dificuldade crescente para estabelecer rotinas processuais e a politização excessiva
dos procedimentos normativos acabaram por fazer com que as altas autoridades
burocráticas perdessem o controle sobre seus subordinados.
c) As organizações burocráticas cresceram por terem sido forçadas a reagir diante dos
excessivos controles democráticos sobre elas exercidos pelas instâncias políticas do
Estado.
d) O esprit de corps e a oligarquização das cúpulas dirigentes acabaram por estimular a
tendência à multiplicação artificial de órgãos como forma de reforçar o poder dos
burocratas.
e) O crescimento desmesurado das burocracias foi provocado pela aplicação descriteriosa
de métodos intuitivos, num quadro marcado por uma acirrada competição entre os
agentes econômicos. ( questão 25, página 386)

5. A questão do controle perpassa os mais diversos tipos de estrutura organizacional,


envolvendo a efetividade do planejamento, a avaliação de seus efeitos e a explicitação
das grandes linhas de ação estratégica das organizações. Exatamente por isso, a
temática do controle implica também a consideração dos vários aspectos do problema
de saber quem controla, quais são os instrumentos de controle quais os critérios a
partir dos quais ele é exercido. Tendo em vista sua importância para a administração
pública, indique a opção que está em total descompasso com as sistematizações que os
estudiosos vêm realizando sobre o tema.

a) Para que possa ocorrer efetivamente uma ação de controle, é necessário que se
estabeleça uma relação de conformidade entre aquilo que se deseja controlar e um
padrão que sirva como uma espécie de escala de valor para orientar a ação.
b) Os chamados controles internos são aqueles exercidos pela própria administração no
sentido de valorizar os recursos organizacionais e garantir o respeito à legalidade, isto
é, a subordinação do conjunto das ações e atividades às normas prescritas.
c) Frente à rigidez que permeia o funcionamento da estrutura administrativa e à
dificuldade de estabelecer, claramente, responsabilidades na implementação de
programas, o chamado controle de gestão tem sido proposto como uma forma mais
eficiente de averiguar as realizações e os resultados previstos inicialmente.
d) O ombudsman pode ser entendido como um órgão de controle que orienta livremente
sua atividade no sentido de defender os direitos fundamentais do cidadão e/ou do
usuário. Para realizar essa meta, busca controlar o modo como se realiza a prestação
de serviços públicos e aferir a legalidade das decisões das autoridades jurídicas e
administrativas.
e) O controle exercido pelo Legislativo sobre o Executivo tem-se revelado cada vez mais
eficiente em virtude da autonomia crescente dos parlamentares e de seu acesso
irrestrito às informações necessárias ao exame crítico das decisões governamentais.
(questão 7, página 393)

6. Muito se tem falado a respeito do esgotamento do modelo racional-legal, ou


burocrático, de organização da administração pública. Regra geral, a burocracia tem
sido contraposta a um modelo emergente, impulsionado pelas transformações
estruturais das últimas décadas. Para acentuar sua capacidade de ir além dos limites e
características da burocracia, esse modelo tem sido chamado de (“pós-burocrático) ou
gerencial.

a) A estruturação por departamentos, o orçamento programa e a generalização dos


elementos de hierarquização funcional.
b) A preocupação com a eficácia dos serviços oferecidos aos cidadãos e a constituição de
uma estrutura organizacional flexível e cada vez menos hierarquizada.
c) O privilegiamento das funções especializadas, a ênfase na rotinização administrativa e
o respeito a procedimentos preestabelecidos.
d) A ampliação dos mecanismos de controle centralizado e a subordinação das
preocupações com a missão organizacional à busca de lucro e maior produtividade.
e) A valorização do mercado e a aceitação plena dos métodos de gestão desenvolvidos
pela iniciativa privada. (questão 11, página 396)

7. O conceito de burocracia é o principal elemento do modelo racional-legal de


administração, tanto na área pública quanto na empresarial. Seja na abordagem
clássica de Max Weber, seja nas diversas variantes teóricas por ela balizadas, a
burocracia define-se, basicamente, como o tipo de organização capacitada para realizar
de modo eficiente e eficaz tarefas administrativas em grande escala, mediante o
trabalho racionalmente organizado de muitos indivíduos. Indique a opção que
apresenta a formulação correta das principais características desse tipo de organização.

a) A racionalidade interna, o rigoroso planejamento estratégico e a horizontalização dos


processos decisórios explicariam a alta eficiência da burocracia, mas seriam, também,
os fatores que impulsionariam a sua crise.
b) Organização por departamentos, disciplina estatutária e especialização dos níveis
intermediários, associadas à alta remuneração dos escalões de base e à restrição dos
privilégios dos superiores hierárquicos, seriam tendências inerentes ao fenômeno
burocrático.
c) A burocracia consolida-se como modelo de organização graças à sua capacidade de
estimular a participação permanente dos funcionários, a rotinização normativa e a
liderança carismática.
d) A flexibilidade gerencial e a extrema transparência administrativa são os instrumentos
com que conta a burocracia para evitar a tendência natural ao fortalecimento de seu
próprio poder.
e) A especialização funcional, a autoridade hierarquizada e a impessoalidade, articuladas
em um sistema de regras normativas regido pelo princípio da competência,
garantiriam a superioridade técnica da burocracia sobre as demais formas de
organização. (questão 13, página 396)

8. No Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado (1995), pode-se ler: “No


passado, constituiu grande avanço a implementação de uma administração pública
formal, baseada em princípios racional-burocráticos, os quais se contrapunham ao
patrimonialismo, ao clientelismo, ao nepotismo (...) Mas o sistema introduzido, ao
limitar-se a padrões hierárquicos rígidos e ao concentrar-se no controle dos processos
e não dos resultados, revelou-se lento e ineficiente para a magnitude e a complexidade
dos desafios que o País passou a enfrentar diante da globalização econômica”. A saída,
para esse documento, estaria na adoção de uma administração pública gerencial,
baseada em um novo paradigma, costumeiramente denominado “pós-burocrático”.
Nas opções abaixo, são apresentadas algumas breves definições dessa administração
gerencial, das quais apenas uma é a correta. Indique-a.

a) O paradigma pós-burocrático parte do suposto de que se esgotaram as possibilidades


de adoção de estruturas organizacionais permanentes, mesmo que flexíveis e
dinâmicas. No lugar dessas estruturas, propõe a generalização de pequenas
organizações autogestionárias, solidamente assentadas no planejamento normativo.
b) O paradigma pós-burocrático concentra-se fortemente em operações de curto prazo e
distantes de maior esforço de planejamento. Sua principal característica é a defesa de
uma firme reinvenção das hierarquias funcionais, com a expansão das chefias
intermediárias e a redução dos cargos de direção centralizada.
c) O paradigma pós-burocrático procura demonstrar a superioridade das tecnologias
administrativas baseadas na racionalização de custos, estimulando a adoção de
políticas de redução de pessoal, na recuperação do planejamento normativo e na
gestão orçamentário-financeira.
d) O paradigma pós-burocrático baseia-se em conceitos renovados de administração e
eficiência, volta-se firmemente para a adoção de estruturas descentralizadas e de uma
nova idéia de gerência, concentrada mais na aplicação de conhecimentos do que no
controle da atividade dos subordinados.
e) O paradigma pós-burocrático propõe a substituição da racionalidade administrativa
formal pelo estímulo à iniciativa e à criatividade dos funcionários, com o que se pode
aumentar a transparência das missões organizacionais e fortalecer o planejamento.
(questão 15, página 398)

9. Seguindo as tendências dominantes nas teorias administrativas contemporâneas, o


Plano Diretor da Reforma do Estado (1995) estabeleceu, como seu principal
instrumento de aplicação, o Programa da Qualidade e Participação na Administração
Pública. Com isso, propõe-se a introduzir, no setor público, as mudanças de valores e
comportamentos preconizadas pela administração gerencial, além de viabilizar a
revisão dos procedimentos administrativos, tendo em vista a sua maior eficiência e
eficácia. Como se sabe, a busca de metas de qualidade para bens e serviços, sejam eles
produzidos em organizações públicas ou privadas, é considerada uma estratégia
indispensável para o alcance de maior eficiência, melhores resultados econômicos e
maior competitividade nos mercados. Entre as opções abaixo, escolha a que condensa,
da melhor maneira, os elementos constitutivos dessa modalidade de gestão.

a) Gestão orçamentário-financeira informatizada, lucro, redução de pessoal,


modificações na relação custo/benefício, definição clara da missão institucional.
b) Liderança, planejamento estratégico, foco no cliente, informação e análise, gestão e
desenvolvimento de pessoas, gestão de processos, resultados institucionais.
c) Recuperação da instância normativa central, marketing institucional agressivo,
eliminação das gerências intermediárias, informatização e horários móveis.
d) Estrutura organizacional simplificada, customização, redefinição dos espaços físicos
das instituições, maior produtividade e satisfação do cliente.
e) Reengenharia, horizontalização, planejamento normativo, logística de pessoal,
programas de capacitação e treinamento continuado. (questão 21, página 401)

10. Apesar de ser considerado um dos elementos centrais da moderna administração


gerencial, o controle a posteriori dos resultados é de aplicação difícil e controvertida
no setor público, esbarrando, regra geral, em resistências de natureza cultural e
organizacional. Tratar-se-ia, na opinião de diversos estudiosos, de empreender uma
forte modificação no plano da gestão, que deveria deixar de se concentrar nos recursos
e nos processos administrativos, como é recomendado pela teoria da organização
burocrática. Tal recomendação parte evidentemente de algumas pressuposições e
recomendações relativas ao modo mesmo de se organizar o processo de prestação de
serviços públicos. Entre as opções abaixo, indique aquela que se refere de maneira
correta a esse quadro de problemas.

a) A difícil generalização da administração por resultados decorre da convicção de que os


controles a priori dos processos e dos recursos possibilitam a adoção, pelas
organizações, de critérios mais consistentes de promoção e premiação dos
funcionários, impulsionando, ao mesmo tempo, a correção dos desvios funcionais e as
demissões voluntárias.
b) A cultura burocrática parte do suposto de que a principal justificativa para a adoção da
gestão por processos e pelo controle rigoroso dos recursos é a constatação de que ela
facilita o cálculo do custo real dos serviços públicos, criando estímulos e incentivos
para a incorporação de atitudes racionalizadoras por parte dos funcionários.
c) Diferentemente do que supõe a cultura burocrática, a administração gerencial advoga
que os controles a posteriori dos resultados são uma aposta incondicional na
honestidade de intenções e no caráter dos funcionários, possibilitando o
estabelecimento de uma relação mais equilibrada entre quantidade, qualidade e custo
dos serviços prestados.
d) A ênfase unilateral nos controles a priori dos recursos e dos processos administrativos
combina-se com a recusa de se delegar autoridade e autonomia aos administradores
públicos e parte de uma desconfiança fundamental nos políticos, que são vistos, regra
geral, como estando sempre prontos a submeter a administração pública a seus
interesses eleitorais.
e) Os controles a priori dos recursos e dos processos administrativos são vistos, pela
cultura burocrática, como os únicos instrumentos capazes de permitir a implementação
de políticas de contenção de despesas e racionalização administrativa, ao facilitar a
visualização da real produtividade dos servidores. (questão 24, página 403)

11. A Administração Pública gerencial, emblemática do novo modelo de Estado, requer


das organizações públicas maior capacidade de adequação às contingências, agilidade
e eficiência. Para que se concretize esse objetivo é essencial rever a forma de gerenciar
os recursos humanos na área estatal, com vistas à adequar o funcionalismo a este
cenário. A política de recursos humanos idealizada para atender a esta demanda
pressupõe orientações que rompem com o antigo paradigma burocrático.
Assinale, entre as opções abaixo, aquela que melhor define uma proposta coerente
com a constituição do novo funcionalismo público, no contexto da reforma do estado
brasileiro.

a) A adequação do funcionalismo público ao modelo de Estado que se pretende


consolidar requer o fim da estabilidade funcional para todos os servidores públicos,
como forma de estimular a melhoria do desempenho e o comprometimento do
funcionário com sua função.
b) A forma de remuneração a ser adotada deverá ter flexibilidade suficiente para
estimular os funcionários que se destacam pelo desempenho, eliminando-se, assim,
quaisquer limitações que possam obstaculizar a retenção daqueles que ocupam
funções consideradas estratégicas.
c) A admissão do funcionalismo deverá ser feita através de processos seletivos análogos
aos da iniciativa privada, eliminando assim procedimentos anacrônicos como o
concurso público.
d) Os planos de carreira a serem estruturados deverão abandonar perspectivas de classes
hierarquizadas que tendem a incentivar comportamentos tradicionais e pouco afeitos
ao empreendedorismo que se requer do novo funcionário.
e) O novo funcionalismo público deverá ser composto por um núcleo de servidores
estatutários, constituindo as denominadas carreiras de Estado, e um núcleo celetista,
dedicado à administração indireta e aos serviços operacionais. (questão 6, página
407)

12. Indique, entre as opções abaixo, aquela que não se apresenta como uma das
finalidades do sistema de controle interno, a ser exercido, de forma integrada, pelos
Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, para promover a fiscalização e controle
dos orçamentos públicos.

a) Apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional.


b) Exercer o controle das operações de crédito, avais e garantias, bem como dos direitos
e haveres da União.
c) Comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à eficácia e eficiência, da
gestão orçamentária, financeira e patrimonial nos órgãos e entidades da administração
federal, bem como da aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado.
d) Apreciar, para fins de registro, a legalidade dos atos de admissão de pessoal, a
qualquer título, na administração direta e indireta, incluídas as fundações instituídas e
mantidas pelo Poder Público, excetuadas as nomeações para cargo de provimento em
comissão, bem como a das concessões de aposentadorias, reformas e pensões,
ressalvadas as melhorias posteriores que não alterem o fundamento legal do ato
concessionário.
e) Avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual, a execução dos
programas de governo e dos orçamentos da União.( questão 6, página 411)

13. “A administração pública gerencial emergiu na segunda metade deste século como
resposta à crise do Estado, como modo de enfrentar a crise fiscal, como estratégia para
reduzir o custo e tornar mais eficiente a administração dos imensos serviços que
cabiam ao Estado e como um instrumento de proteção do patrimônio público contra os
interesses do rent-seeking ou da corrupção aberta. Mais especificamente, desde a
década de 60, ou pelo menos desde o início dos anos 70, cresceu a insatisfação,
amplamente disseminada, com relação à administração pública burocrática”.
(Trecho extraído do livro “Reforma do Estado e administração pública gerencial” de Luiz Carlos
Bresser Pereira e Peter Spink (org.) (2 ed. Rio de Janeiro. FGV, 1998 ) P. 28)

Indique, entre as opções abaixo, aquela que não se enquadra como uma característica
básica da administração pública gerencial, acima mencionada.
a) É orientada para o cidadão e para a obtenção de resultados.
b) Como estratégia, serve-se da descentralização e do incentivo à criatividade e à
inovação.
c) Concentra-se no processo, definindo procedimentos que satisfaçam as demandas dos
cidadãos.
d) Utiliza o contrato de gestão como instrumento de controle dos gestores públicos.
e) Pressupõe que os políticos e os funcionários públicos são merecedores de grau
limitado de confiança.