Você está na página 1de 13

MEDICINA LEGAL

IDENTIDADE OU IDENTIFICAÇÃO JUDICIÁRIA

Independe de conhecimentos médicos, caracterizando-se, no passado,


principalmente, na identificação de malfeitores e criminosos, primários
ou reincidentes.

Todo indivíduo, hoje, deve possuir documento de que torne


fácil a sua identificação.

PARTICULARIDADES DE UM BOM MÉTODO DE IDENTIFICAÇÃO:

1. UNICIDADE - que o conjunto de elementos sinaléticos que torne o


indivíduo distinto dos demais.

2. IMUTABILIDADE - que os elementos sinaléticos não se modifiquem por


ação de doenças, idade, fatores mesológicos, etc (endógenos ou exógenos).
3. PRATICABILIDADE - que os elementos sinaléticos possam ser de fácil
obtenção, sem dificuldades de registros, evitando mão-de-obra onerosa ou
especializada.

4. CLASSIFICABILIDADE - que os dados sinaléticos sejam de fácil


classificação, sem dificultar a maneira de os registrar (arquivamento e
localização).

MÉTODOS DE IDENTIFICAÇÃO:

1.Processos antigos:

Ferrete - o mais antigo (?). Consistia em marcar por ferro em brasa


(fronte, espáduas e coxas). Finalidade identificatória e punitiva.
Empregando-se letras para caracterizar as infrações que foram praticadas.

Mutilação - baseava-se em ablação e/ou amputação de partes do corpo


(orelhas, narinas, mãos, dedos, língua) e castração. - Para discriminar
delinqüentes.

2.Assinalamento sucinto - muito utilizado pela imprensa quando na procura


de desaparecidos. - Anota-se a estatura, raça, compleição física, idade, cor dos
olhos e dos cabelos e dados ou alterações definidas (sinais particulares, defeitos
físicos, deformidades, etc).
3.Fotografia - utilizado, ainda hoje, nas cédulas de identidade. -
Inconvenientes: difícil classificação, alterações da fisionomia com o avanço da
idade, alterações da fotografia - pelo tempo, variações da temperatura -, a
existência de sósias e outros.

4.Retrato falado - revelações feitas por pessoas de bom poder mnemônico que
descrevem detalhes fisionômico de quem se queira identificar - fronte, nariz,
orelhas, boca, cabelo e o penteado.

5.Fotografia sinalética - (Bertillon) - resumia em fotografar o indivíduo de


frente e de perfil, com redução fixa de 1/7, fazendo-se a seguir a superposição de
fotografias comparando-se detalhes como: altura da testa (fronte), formas e
diâmetros da boca e do nariz, altura do pavilhão auricular, etc.

As orelhas são elementos sinaléticos importantes por


conservarem as características durante toda a vida.

6.Método de Bertillon ou Sistema Antropométrico de Bertillon


(Bertilonagem).

Alphonso Bertillon - funcionário da Policia de Paris - criou(?) ou


desenvolveu (?).

Conhecido universalmente como o primeiro método científico de


identificação.
Baseado em dados antropométricos (antropologia), descrição e sinais
individuais (retrato falado e fotografia sinalética) e impressões digitais.

____ Dados antropométricos fundamentados na fixidez do esqueleto humano,


após os 20 anos (menos de 20 anos ficam excluídos); diversificação
extrema dos esqueletos um em comparação com os outros; facilidade e
relativa precisão com que se podem tomar as medidas do esqueleto.

====Pode haver diversidade quanto as medidas tomadas em um mesmo


indivíduo, em uma mesma ocasião, por dois operadores diferentes.

Onze medidas que o autor preconizou (em milímetros):

1. diâmetro longitudinal do crânio (antero posterior);


2. diâmetro transversal;

3. diâmetro bi-zigomático;

4. comprimento da orelha direita;

5. comprimento do pé esquerdo;

6. comprimento do dedo médio esquerdo;

7. comprimento do dedo mínimo esquerdo;

8. comprimento do antebraço esquerdo;

9. estatura;

10. envergadura;

11. altura do busto.

____Nas fichas anotava-se:

Caracteres morfológicos (altura e largura da fronte, dimensões e forma da


boca e do nariz, etc);

Caracteres cromáticos (cor da pele, dos cabelos e dos olhos);

Caracteres complementares (dados particulares e os sinais pessoais -


marcas, cicatrizes, amputações, tatuagens, anquiloses, etc).

7.Sistema Geométrico de Matheios. Baseia-se em medidas de regiões fixas


da face, após certa idade, comparando fotografias tiradas em épocas diferentes.

Consiste em traçar uma linha vertical que passa pelo dorso do nariz, duas
linhas paralelas à primeira passando pelas pupilas e várias linhas horizontais
capazes de dividir a face em múltiplas frações, passando pela base de
implantação dos cabelos, pelo meio da fronte, pelas asas do nariz, pelos lábios
superior e inferior, pelo meio do mento, duas linhas passando por cima e por
baixo tangentes às sobrancelhas e uma cortando as pupilas. A seguir examinam-
se as fotografias com superposição e comparando as diversas partes.

De difícil classificação e os resultados não são animadores.

8.Sistema demográfico de Bentham. Preconizava o autor que todas as


pessoas ao nascer fossem identificadas por tatuagens. Não merece comentários.

9.Sistema craniográfico de Anfosso ou Afonso(?) Empregando-se o


“taquiantropômetro” buscava-se levantar as medidas dos ângulos formados
pelos dedos indicador e médio da mão direita e os perfis cranianos.

10.Sistema otométrico de Frigério. Usando-se o “otômetro” media-se o


pavilhão auricular, em especial a distância entre o pavilhão e a parede craniana
(ângulo aurículo-temporal), o maior e o menor diâmetro do pavilhão
auricular (orelha).
___Baseia-se na imutabilidade e multiplicidade dos pavilhões auriculares.

11.Sistema oftométrico de Capdeville. Consiste na cor e na medida dos


olhos, com o emprego de um instrumento criado por Javard e Schilitz,
modificado por João Maurício Capdeville, com a seguinte técnica:

1. medida da curvatura das córneas;

2. medida da distância interpupilar;

3. medida interorbital máxima;

4. anotação de certas particularidades dos olhos.

12.Sistema oftalmoscópico de Levinsohn. Preconizado na utilização de


fotografia do fundo de olho e das variabilidades apresentadas pelo nervo
óptico, para se conseguir a identificação.

13.Sistema radiológico de Levinsohn. Consiste na mensuração das imagens


dos ossos metacarpianos e metatarsianos, através da radiografia.
14.Sistema flebográfico de Tamassia. Com emprego de fotografias,
observa-se as diversas ramificações das veias do dorso da mão. (imutabilidade
individual).

15.Sistema flebográfico de Ameuille Aqui temos os desenhos venosos da


fronte com o emprego da fotografia.

16.Sistema palmar de Stockes e Wild. Baseado em delinear os sulcos


palmares.

17.Sistema onfalográfico de Bert e Viamay. Baseado nas diversas variações


da cicatriz umbilical.

18.Sistema poroscópico de Locard. Consiste no estudo dos poros que se


abrem, na pele, das glândulas sudoríparas.
19.Dactiloscopia ou Sistema Dactiloscópico de Vucetich (Juan Vucetich).

Dactiloscopia (daktylos = dedo + skopein = examinar) definindo-se como


sendo “a ciência que se propõe a identificar as pessoas, fisicamente
consideradas, por meio das impressões ou reproduções físicas dos
desenhos formados pelos desenhos formados pelas cristas papilares das
extremidades digitais”.

Desenho digital = conjunto de cristas e sulcos existentes nas polpas dos


dedos, com uma gama de variedades.

Impressão digital = ajuntamento de linhas brancas e pretas, que se


apresentam sobre uma superfície (suporte), cujo desenho se apresenta
invertido.

____ É o melhor método de identificação, tanto no vivo, quanto no


morto.

____ Pode ser aplicado desde o 6º mês de vida intra-uterina até após a
morte, conquanto não ocorra destruição da pele.

Locard: três os princípios fundamentais conferidas as impressões digitais:

1-perenidade - os desenhos palmares e plantares, pelas cristas papilares, são


perenes, isto é, não sofrem alterações durante toda a vida e, mesmo, após a
morte.

2-imutabilidade - os desenhos digitais não são modificáveis nem


patologicamente nem por vontade do seu portador - não se modificam nem por
limagem (48 horas de repouso se refazem), nem por água fervente, cicatrizes,
nada.
3-variedade - os desenhos digitais nunca são idênticos. Nunca se encontram
duas impressões iguais.

*** Gêmeos, podem apresentar semelhanças, mais


nunca absolutamente iguais.

Delta, pequeno triângulo formado pela linhas dispostas em ângulos envolvendo


o núcleo central, é a base da Dactiloscopia.

Quatro tipos fundamentais do Sistema Dactiloscópico de Vucetich,


dependendo da presença de um, dois ou ausência do delta numa impressão
digital:

1. Verticilo - 2 deltas e um núcleo central;

2. Presilha externa - um delta a esquerda do observador e o núcleo voltado


para o lado contrário;

3. Presilha interna - um delta a direita do observador e o núcleo voltado a


esquerda;

4. Arco - ausência do delta e de núcleo.

__ Esses tipos essenciais são representado simbolicamente por letra maiúsculas


para os polegares e números (algarismos) para o restante dos dedos.

Assim temos:
Verticilo - V - 4;

Presilha externa - E - 3;

Presilha interna - I - 2;

Arco - A - 1.

Para memorizar empregamos a palavra VEIA.

Ausência de dedo (amputação) empregamos 0 (zero) e desenhos defeituosos


(cicatriz ou qualquer alteração) usamos a letra X.

Fórmula Dactiloscópica ou Individual Dactiloscópica

Nome dado a fração formada pela seqüência de letras e números configuradores


dos tipos fundamentais de um indivíduo, que se inicia pelo polegar direito e
finda no mínimo esquerdo, sendo o numerador a mão direita e o denominador a
mão esquerda.

Numerador = série

Denominador = seção

Polegar direito = fundamental

Demais dedos = divisão


Polegar esquerdo = subclassificação

Os outros dedos = subdivisão

Exemplo da fórmula de individual dactiloscópica

fundamental - divisão

Série A 2.3.4.4

Seção V 3.1.2.2

subclassificação - subdivisão

Podemos encontrar alguns acidentes nas cristas papilares chamados


pontos característicos - o ponto, a cortada, a bifurcação, a forquilha,
o encerro, a ilhota, lagunas e outros.

O método é utilizado por ampliação fotográfica da impressão


(testemunha e suspeita), dividindo-se o desenho em quatro partes
(quadrantes), começa-se o exame no quadrante superior direito no
sentido dos ponteiros do relógio.
No Brasil comparamos 12 pontos característicos idênticos, para se
confirmar uma impressão digital encontrada.

20.Poroscopia. Consiste na observação dos pontos claros encontrados nas


linhas papilares, chamados de poros e, que variam em números, forma,
posição e posição, sendo diferente em cada papila.

21. Albodactilograma. Consiste na pesquisa das linhas brancas existentes


entre uma crista papilar e outra.

22. Identificação do Recém-nascido.

Conforme o que determina a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que


dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, os hospitais e todos
estabelecimentos ligados a saúde, são obrigados a manter por um prazo não
inferior a 18 anos, meios capazes de identificar o recém-nascido e sua genitora,
pela impressão digital ou plantar.

Hoje, com as conquistas biológicas, celular e molecular, a metodologia


ideal para estudos genéticos de investigação de parentesco entre os homens é o
emprego do DNA (ácido desoxirribonucleico), podendo se empregar a técnica do
PCR (polimerase chain reaction)