Você está na página 1de 2

RESUMO PARA A PROVA DE ANALISE EXPERIMENTAL DO

COMPORTAMENTO (AEC) I

 Comportamento Operante
o Ao contrário do Comportamento Reflexo (constituído apenas como uma resposta
fisiológica a um estímulo ambiental), o Comportamento Operante é aquele cujas
consequências operam no meio-ambiente do indivíduo que emite esse
comportamento.
o Essa consequência, além de agir sobre o ambiente, pode retroagir sobre o
próprio indivíduo (feedback). Dessa retroação, pode haver uma modificação da
classe de comportamentos a qual aquele comportamento emitido fazia parte.
Essa modificação se dá em termos de frequência da classe de respostas.
Obs: A retroação ocorre sobre uma classe de respostas e não sobre o
comportamento porque não e possível alterar a frequência de algo que já
ocorreu.
o Precedente aos estudos de Skinner havia os estudos de Thorndike que propôs a
lei do efeito, onde quanto mais exposições à mesma situação, mais rápido seria
disparado um comportamento desejado (sair da caixa-problema, p.e.). Skinner
critica essa visão por que há implícito um conceito de “tudo ou nada”, que ele
considera inadequado (por desconsiderar o processo de construção de um
repertório comportamental), preferindo trabalhar com frequência/probabilidade
de emissão dos comportamentos.
o As modificações na frequência comportamental podem ser obtidas de três
formas: Reforçamento Positivo, Reforçamento Negativo e Punição (esses dois
últimos são chamados de métodos coercivos). Nem todo método de controle
(previsão e modificação de frequência) comportamental é coercivo, mas é
comum que essas elas se confundam na nossa sociedade.

 Reforçamento/Reforço
o Reforçamento ou Reforço é o processo onde há aumento na frequência de
emissão de uma classe de respostas a partir da atuação do feedback de
comportamentos prévios(apertar a barra metálica, p.e.).
o Existem dois tipos de Reforço. O Reforço Positivo é aquele onde a consequência
do comportamento acresce um estímulo reforçador ao meio-ambiente do
indivíduo (o rato apertar a barra e receber alimento, p.e.). O Reforço Negativo é
aquele onde a consequência retira um estímulo aversivo do meio-ambiente do
indivíduo (estando ativado um ruído alto, o rato ao apertar a barra conseguir
eliminá-lo temporariamente, p.e.).
o Reforçadores, portanto, são aqueles que quando acrescidos ao meio-ambiente
aumentam a frequência de uma classe de comportamentos. No contexto
laboratorial é preciso identificar se um elemento é capaz de se configurar como
um reforçador (por alguma razão, alguns ratos podem ser mais dificilmente
reforçados por água com açúcar do que outros) através de testes.
o Os reforçadores podem ser: primários (água, alimento, sexo, ar, sono, etc),
condicionados (reforçadores neutros que, após emparelhados com outros
reforçadores, podem por si só reforçar uma classe de comportamentos, como
apresentação de uma mamadeira a um bebê representado alimento, p.e.) ou
condicionados generalizados (quando vários reforçadores primários são
representados por um mesmo reforçador, como dinheiro, atenção, aprovação,
submissão, etc).
o Comportamento Supersticioso: quando um comportamento é reforçado
aleatoriamente.
o Dentro desse contexto, há o conceito de Extinção Operante, que seria a
diminuição da frequência de uma classe de respostas dado que o reforço deixou
de ser recebido pelo indivíduo (ex: para o comportamento “tirar uma dúvida” já
extinção operante ao final de cada aula, dado que o reforço “solução da dúvida”
deixa de ser recebido pelo aluno).

 Condicionamento Operante/Modelagem
o Para ocorrer a Modelagem, é necessário que haja um repertório de respostas
para ser modelado. Um indivíduo “tabula rasa”, por conta da filogênese, possui
repertórios de comportamentos reflexos e um repertório indiferenciado de
comportamentos que permitem serem modelados.
o A modelagem seria a construção de repertórios comportamentais (“atos
complexos”) a partir de repertórios simples. Ela se dá por aproximações
sucessivas, ou seja, reforçando-se as etapas intermediárias entre um
comportamento do repertório do indivíduo e aquele que comportamento final a
ser aprendido.
o O reforço desse aperfeiçoamento pode ser chamado de Reforço Diferencial. Ele é
diferencial por reforçar alguns comportamentos e não outros (p.e. reforçar
quando o rato tira a cabeça do bebedouro, então apenas reforçar quando ele se
movimento para próximo da barra e assim por diante).

 Punição
o Por definição seria o acréscimo de um estímulo aversivo (punição positiva) ou a
retirada de um estímulo reforçador (punição negativa).
o Os efeitos da punição são relativos. Em situações onde um mesmo
comportamento produz um estímulo reforçador (comida) e estímulo aversivo
(choque) pode haver uma interrupção do comportamento, retomado
posteriormente (nesse caso o reforçador seria mais forte do que o outro
estímulo). Caso o estímulo aversivo seja suficientemente forte, o
comportamento pode deixar de ser emitido.
o Sidman critica a Punição como método porque não ensina qual o
comportamento correto, apenas quais são errados. O autor acredita que um
método mais eficaz e menos estressante de modificar o comportamento é
através do Reforçamento Positivo. Outro problema apontado por Sidman é que,
na Punição, o estímulo aversivo pode tornar-se um reforçador condicionado (se
ao apertar a barra o rato receber comida e um choque, o choque pode se tornar
um indício de recepção de comida, p.e.).