Você está na página 1de 3

ESTRUTURA DE ORGANIZAÇÃO DO TCC

Capítulo 01 – Performance é estar além das fronteiras


1.1 Recortes temporais sobre a Performance Art

Capítulo 02 – A transformação acontece no exercício de estranhar e transgredir


2.1 Estranhamento e transgressão: rumo a uma cena performativa
2.2 Percepções de elementos recorrentes na cena performativa

Capítulo 03 – A arte do eu lida com as experiências e com o espaço de rupturas


3.1 Construção de experiências: encenador em formação
3.2 Rupturas com a cena e comigo mesmo
3.3 Em busca de uma arte do eu.

 CAPÍTULO 01
Performance é estar além das fronteiras
Neste capítulo pretendo apontar os contextos históricos que contribuíram e
impulsionaram o surgimento da Performance Art no século XX. Como
referencial inicial para este capítulo, apoio-me nos escritos de Roselee
Goldberg (A arte da performance: do futurismo ao presente), Jorge Glusberg
(A arte da performance) e Renato Cohen (Performance como linguagem).

 CAPÍTULO 02
A transformação acontece no exercício de estranhar e transgredir
A partir da contextualização referente ao surgimento da Performance, busco
aproximações e distanciamentos da mesma com o teatro e delinear
elementos que podem caracterizar sua presença na criação cênica teatral.
Como referencial inicial para este capítulo parto dos escritos de Josette Féral
(Além dos limites: teoria e prática do teatro), Patrice Pavis (A encenação
contemporânea: origens, tendências, perspectivas), Jean-Jacques Roubine (A
linguagem da encenação teatral) e Hans-Thies Lehmann Teatro Pós-
dramático.
 CAPÍTULO 03
A arte do eu lida com as experiências e com o espaço de rupturas
Neste capítulo pretendo refletir sobre os processos criativos e a construção
de uma poética que propõe-se a investigar o entre-lugar entre Teatro e
Performance à luz da encenação que desenvolvi, quais sejam, Toque-me,
Balada da Dependência e Manifesto. Como referencial inicial para este
capítulo oriento-me nos escritos de Matteo Bonfitto (Entre o ator e o
performer), Renato Cohen (Work in progress na cena contemporânea), Ana
Goldenstein Carvalhaes (Persona performática: alteridade e experiência na
obra de Renato Cohen), Janaina Fontes Leite (Autoescrituras performativas:
do diário à cena) e Edélcio Mostaço org. (Sobre performatividade).

Referências iniciais

BONFITTO, Matteo. Entre o ator e o performer. 1. ed. São Paulo:


Perspectiva, 2013.

CARVALHAES, Ana Goldenstein. Persona performática: alteridade e


experiência na obra de Renato Cohen. São Paulo: Perspectiva, 2012.

COHEN, Renato. Performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva,


2013.

COHEN, Renato. Work in progress na cena contemporânea. 2. ed. São


Paulo: Perspectiva, 2013.

FÉRAL, Josette. Além dos limites: teoria e prática do teatro.1.ed. São Paulo:
Perspectiva, 2015.

GLUSBERG, Jorge. A arte da performance. 2. ed. São Paulo: Perspectiva,


2013.

GOLDBERG, Roselee. A arte da performance: do futurismo ao presente. 3.


ed. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

LEHMANN, Hans-Thies. Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac Naify,


2007.

LEITE, Janaina Fontes. Autoescrituras performativas: do diário à cena. 1.


ed. São Paulo: Perspectiva, 2017.
MOSTAÇO, Edélcio. OROFINO, Isabel. BAUMGARTEL, Stephan. COLLAÇO,
Vera (orgs). Sobre performatividade. Florianópolis: Letras Contemporâneas,
2009.

PAVIS, Patrice. A encenação contemporânea: origens, tendências,


perspectivas. 1. ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

ROUBINE, Jean-Jacques. A linguagem da encenação teatral. 2. ed. Rio de


Janeiro: Zahar, 1998.