Você está na página 1de 23

GeoJournal 52: 285–293, 2000.

© 2002 Kluwer Academic Publishers. Printed in the Netherlands.

Gottmann’s Geographic Glossa

Luca Muscara`

S. Elena, Venice, Italy

Received 29 September and accepted 24 October 2001

Key words: crossroad, human geography, iconography, Jean Gottmann,


movement, partitioning, political geography

Resumo

Numa época em que a geografia humana - em sua busca por leis gerais e
sistêmicas - era frequentemente seduzida por diferentes tipos de determinismo,
Jean Gottmann desenvolveu seu modelo teórico para explicar a divisão política
do espaço geográfico. Este modelo, moldado pelo estudo dos clássicos na
filosofia política, faz referência explícita à psicologia humana e baseia-se em
alguns conceitos fundamentais: cloisonnement (particionamento), circulação
(movimento), carrefour (encruzilhada) e iconografie (iconografia). Este artigo
apresenta os conceitos acima mencionados através de uma análise
cronológica de sua formulação em diferentes capítulos da bibliografia de
Gottmann, a fim de reconstruir a gênese e a evolução de seu modelo. Nas
conclusões, são apresentadas algumas perguntas que sugerem como o
modelo de Gottmann ainda poderia ser aplicado de maneira útil à geografia
humana e política contemporânea.

A busca por leis gerais na geografia humana

Enquanto na década de 1930 a geografia humana procura fundações


científicas "mais duras", alguns estudiosos - especialmente na escola alemã,
mas também na geografia americana - parecem cair na armadilha do
determinismo ambiental.1 A tentação de explicar a complexidade dinâmica da
geografia humana como uma função da geografia física ou como uma
extensão da botânica, é rejeitada pela escola francesa mais 'possibilista'.

Na encruzilhada da ciência, história e filosofia, Jean Gottmann (1915-1994),


que foi educado em Paris por Albert Demangeon (1872-1940) na bolsa de
estudos de Paul Vidal de la Blache, desenvolve uma teoria geográfica original
que além de se opor a qualquer A forma do determinismo, seja o determinismo
climático de Ellsworth Huntington, o determinismo biológico da Geopolítica ou o
determinismo estatístico da revolução quantitativa dos anos 50, tentaram
avaliar os componentes psicológicos e materiais que moldam a geografia
humana para fornecer às comunidades melhores ferramentas conceituais para
organizar e gerenciar a coabitação em um mundo particionado.

Sua longa associação (1942-1965) com o Instituto de Estudos Avançados em


Princeton, Nova Jersey - onde alguns dos cientistas mais influentes do século
20 foram reunidos, de Einstein a Niels Böhr, de von Neumann a Oppenheimer -
contribuiu para melhorar sua relativismo epistemológico:

“A natureza é o número infinito e a variedade de eventos ou existências


que a experiência humana, e especialmente a investigação científica,
revela cumulativamente sob condições bio-culturais e espaço-temporais
específicas. Porque desde que os antigos gregos homem tem tentado
explorar domínios do infinito com meios e medições finitas, o
conhecimento [está condenado a ser] parcial”.2

Essa declaração de relatividade no conhecimento científico poderia ser


considerada como a estrutura de um cientista social moderno para uma
abordagem que está enraizada em um pano de fundo histórico e filosófico

1 Um longo debate ocorreu durante grande parte do século XX, tentando avaliar o determinismo da geografia alemã, a eventual influência de
Ratzel no desenvolvimento da geopolítica alemã ou a contribuição da última para o expansionismo nazista. Por razões de espaço, não é possível
apresentá-lo neste contexto. Sobre esse assunto, veja: Mark Bassin, "Imperialism and the Nation State in Friedrich Ratzel’s Political Geography",
Progress in Human Geographic, 1987, vol. 11, n4, p.473-495 e pelo mesmo autor, "Corrida contra o espaço: o conflito entre a geopolítica alemã e
o nacional-socialismo", Geographic Quarterly, vol. 6 No. 2, abril de 1987, 115-134). Por outro lado, a influência das idéias ambientalistas sobre
geógrafos americanos como Ellen Semple e Ellsworth Huntington é bem reconhecida. Segundo Bassin, «E. Huntington - o determinista por
excelência - foi um dos fundadores da eugenia nos EUA.’.
2 Notas pessoais para uma palestra, no Fond Gottmann, Bibliothéque de Fr nce, Paris.3Annales de Géographie, 47: 575–601.
clássico. Em seu trabalho sobre a sociedade e o meio na geografia francesa,
Anne Buttimer (1971, p.149) lembra Gottmann na última geração de vidalianos,
entre aqueles que defendiam "uma abordagem abrangente e holística da
investigação geográfica". E Johnston (1996, p.184) reconheceu: “ele era um
geógrafo regional que buscava generalizar [...] ele acreditava que se poderia
proceder do particular para o geral”.

Em seu artigo de 1938, 'L'homme, la route et l'eau en Asie Sud-Occidentale'3,


Gottmann, de 23 anos, responde à tentativa de Ellsworth Huntington de
explicar as mudanças na história das civilizações da Ásia central e ocidental
oscilação do clima cíclico da umidade à secura, opondo não somente o
problema de datação precisamente tais oscilações, mas recusando a
legitimidade de admitir a priori uma relação de causa-efeito entre os dois
fenômenos. Huntington é acusado de ser auto referencial, e o surgimento de
civilizações poderosas na área é explicado historicamente com o papel da
circulação e do comércio na criação das principais encruzilhadas nas posições
mais favoráveis.”.3

Depois de fugir da França ocupada no final de 1941, nos EUA, Gottmann


também participa do debate sobre Geopolítica alemã, com um artigo, onde ele
reconstrói as diferentes raízes da filosofia política que reconhece a semelhança
dos pensadores franceses e ingleses na busca de estabelecer "leis racionais"
em oposição à "lei natural" de Fichte, que influenciou o pensamento alemão.5

Sua rejeição de qualquer forma de determinismo na geografia humana


continua também após o fim da guerra. Em 1955, por exemplo, embora
reconhecendo a importância que as estatísticas demográficas adquiriram
durante o século XX, Gottmann rejeita as explicações fáceis baseadas
exclusivamente em uma combinação de demografia e comida, ou de
demografia e saúde: o papel de cada fator é necessário, mas não suficiente

3Da mesma forma, a decadência dessas civilizações e a recriação de pessoas sedentárias é


explicada pelo influxo externo de circulação e de comércio internacional: a queda do Império
Romano, a autarquia da Idade Média e a descoberta das Américas exercendo uma influência
na estrutura demográfica e na economia da área, resultando na perda de seu papel de
carrefours comerciais.
para explicar a complexidade dos processos políticos e históricos.6 E o novo
determinismo é combatido com a história favorita de um oficial de Napoleão,
escrevendo ao imperador:

“Eu, Jean Dupont, idade: 50 anos, anos de serviço nas forças de Sua
Majestade Imperial: 12; campanhas nos exércitos do imperador: 13;
citações: 7 ... 'e isto continuou com:' crianças: 4; feridas: 6; 'e terminou
com:' total: 216, solicitar a Legião de Honra”. 7

No entanto, apesar de se opor a qualquer forma de determinismo, Gottmann


compartilha com o seu tempo a busca de princípios gerais e sistêmicos na
geografia humana. Esta pesquisa está bem representada em 'De la methode
d’analyse en géographie humaine ', onde Gottmann considera as diferenças
qualitativas entre a geografia física e humana, tanto em termos de temas como
de métodos, e é fascinado pelo interesse precoce de Isaías Bowman em' social
termodinâmica'. Seu modelo que explica o particionamento político do mundo
ainda não foi formulado, mas atraído por certas leis de energia, Gottmann
afirma claramente que é necessário diferenciar entre a matéria imóvel e a
matéria humana viva.8

De fato, referências explícitas tanto a Bergson quanto a Bernard já estavam


presentes no mencionado artigo de 1947, antes de Gottmann aplicá-las a seu
modelo teórico, como veremos, em 1951-2 (Muscarà, 1998a). "La vie
psycologique" emergirá então como um conceito não determinístico, suficiente
para explicar a mudança da relação humana com o território. E isso evoluirá ao

ponto de entender o território como um "dispositivo psicossomático".9

Teoria geográfica de Gottmann

Uma análise aprofundada da bibliografia de Gottmann revelaria facilmente que


Gottmann dedicou grande parte de sua longa atividade intelectual à tentativa
de compreender como ocorre o particionamento político do espaço geográfico.
Por causa da extensão de sua obra (Muscarà 1998b), selecionamos alguns
conceitos-chave que apareceram ao longo de sua obra, como um guia para a
compreensão de seu modelo e de sua gênese.
Cloisonnement (particionamento)

No sistema geográfico de Gottmann, a divisão do espaço geográfico


(cloisonnement) é o fenômeno fundamental e a razão de ser da disciplina em
si. Não é por acaso que Gottmann abre com ela os seus livros mais teóricos:
La Politique des États et leur Géographie (1952) e The Significance of Territory
(1973). O particionamento espacial deriva da ideia fundamental de
diversificação da superfície da Terra, que não é tanto devido às diferenças da
geografia física, mas sim à diversidade da geografia humana: as principais
divisões estão na mente das pessoas. Na geografia humana, é a circulação
que organiza o espaço e o diferencia, e, para isso, o impacto da psicologia
humana é mais significativo que o da geografia física. Nesta medida, Gottmann
sublinha, portanto, a noção de acessibilidade:

“A psicologia humana estava, obviamente, na raiz da questão; [...]


Acessibilidade é o problema central e mais permanente, assim como a
razão indireta para a compartimentação do espaço, regulando as
condições de acesso. Uma comunidade atravessa um território para
controlar o acesso de pessoas de fora à sua terra, pessoas e recursos.
Ainda assim, a mesma comunidade quer permitir que seus membros
tenham acesso ao espaço, às pessoas e aos recursos do mundo
exterior. Assim, dentro do ambiente comum que os estudos de geografia
e política manipulam, definido como 'o espaço acessível às atividades
humanas [...] existe um conflito constante entre os propósitos políticos
de maior segurança de um lado e uma oportunidade mais ampla do
outro. (1973, p.9)

Na visão de Gottmann, o espaço geográfico é definido através de seis


características: é contínuo, mas limitado; está se expandindo e diversificando, é
organizado e particionado. A divisão do território é concebida como um
fenômeno psicossomático. Uma definição que gostaríamos de interpretar no
sentido MacLuhan de extensão do corpo humano e uma metáfora da mente
humana. O território deve refletir não apenas os projetos organizacionais de
uma sociedade, mas também suas projeções inconscientes, Circulação que se
materializam em estruturas espaciais, bem como no particionamento espacial.

Seguindo os grandes mestres do pensamento geográfico, também em


Gottmann, a circulação é a principal força que molda a geografia humana. Este
conceito já era uma parte fundamental nas regiões de Ratzel e Vidal; foi
desenvolvido pela escola francesa, enquanto em Gottmann adquire um
significado mais específico.

Novamente, em seu ensaio seminal de 1947, ao discutir os estudos


populacionais de Demangeon, Gottmann se refere à teoria "pioneira" de Isaiah
Bowman, em relação à definição de uma identidade regional, um fenômeno
que parece ser cíclico:

"O caráter primário e capital é aquela fluidez, esse movimento perpétuo


que anima a massa, um movimento que se decompõe em quase uma
infinidade de movimentos particulares e dos quais nem o todo nem os
vários elementos parecem seguir as regras de um sistema. Essa
circulação constante de multidões que se deslocam de continente para
continente, de país para país, de país para cidade e de cidade para
cidade, vistas no espaço e no tempo, não parece caótica, no entanto.
Grandes correntes e tendências mais ou menos estáveis emergem dos
numerosos estudos agora disponíveis. Essa circulação de homens e
seus produtos é a grande dinâmica humana que torna os estudos
populacionais tão fascinantes e constantemente renovam a geografia
humana e econômica. Assim, apresenta-se em um papel semelhante ao
que a circulação da água mantém na natureza.” (1947, p.6).10

Se os diferentes fluxos de movimento são a razão da identidade cultural de


uma região e, ao mesmo tempo, estão além do nascimento de carrefours e
cidades, no mesmo artigo, como vimos, Gottmann encontra uma fonte de
inspiração metodológica em Henry Bergson, que elaborou a ideia de
tendências opostas, e foi lembrado por Gottmann na discussão sobre a vaga
noção de carrefour.

"Mas as propriedades vitais nunca são totalmente realizadas, mas ainda


estão em andamento; eles são menos estados do que tendências. E
uma tendência obtém tudo o que visa apenas se não se opõe a
nenhuma outra tendência: como este caso ocorreria no reino da vida,
onde há sempre uma implicação recíproca de tendências antagônicas?"
(Bergson, 1909, p.13, quoted in Gottmann, 1947, p.8–9).11

O Bergsoniano será desenvolvido em breve em seu modelo binário. Enquanto


isso, a ideia de tendências opostas é espelhada nas ideias de Claude Bernard,
o biólogo francês do século 19, que molda as visões biológicas e ecológicas de
Gottmann. Bernard, de fato, considerava a saúde de um indivíduo como o
resultado da mudança de equilíbrio de duas esferas: a interna, a fisiológica e a
externa, a 'cósmica'. Gottmann achava que a dialética dessas duas esferas
poderia constituir uma chave para entender a relação coletiva dos seres
humanos com seu ambiente, ao mesmo tempo em que postulava a existência
de uma terceira esfera intermediária - o ambiente relacional - entre as duas
esferas.

O modelo binário Gottmanniano

Alguns anos depois, o princípio bergsoniano encontra aplicação apropriada em


seu par binário de forças opostas responsáveis pela regionalização política do

espaço.12

Examinar a relação entre a geografia e a política dessas chamadas


regiões políticas mostrou repetidamente a importância fundamental dos
sistemas de movimento e da resistência ao movimento: os sistemas de
movimento formam todos que chamamos de circulação no espaço; os
sistemas de resistência ao movimento são mais absolutos do que
materiais, eles consistem em vários símbolos, nós os chamamos de
iconografias "(1952a, p.214). 13

Nesta nova formulação, a circulação - o primeiro fator determinante nas


relações espaciais (1952a, p.215) - é uma força de mudança e de instabilidade
geográfica. Sua ação se materializa em circuitos de troca ou em transferências
unidirecionais, e por causa da unidade do espaço geográfico, aparece como
um todo, "infinitude fluide, infiniment ramifié" (fluido infinito, infinitamente
ramificado). O status de movimento / circulação é responsável pela
singularidade da posição geográfica, enquanto as restrições da geografia física
são mais relevantes devido ao seu impacto no movimento / circulação.

Muitas circunstâncias em sua vida afastarão Gottmann temporariamente da


geografia política, sua maior obra em Megalópoles (1961) e a geografia urbana
ocuparão por muito tempo sua atenção. Em seu estudo da urbanização norte-
americana na costa nordeste da costa atlântica, o movimento e a iconografia
não são explicitamente lembrados, mas podemos considerar que eles estão
implicitamente incorporados ao novo conceito urbano, já que Megalópole é a
cidade das ideias e o fator movimento, sustenta a rede polinuclear de centros
especializados urbanos e é o mesmo princípio dinâmico da sociedade, que
pode ser visto nos fluxos de informação, bem como na mudança na estrutura
ocupacional de colares azuis para colarinhos brancos, ou, como em uma
afirmação posterior: “Nas migrações de trabalhadores que buscam emprego
melhor, movendo-se através das fronteiras internacionais” (1973, p.139).

O casal binário de movimento e iconografia é mencionado novamente em


meados dos anos sessenta em La Géographie Politique (1966), onde
Gottmann se concentra mais na interação recíproca dos dois fatores, e seu
resultado em termos de estabilidade. O foco está no problema da coabitação, e
aqui a iconografia é vista em seu uso da circulação para estabelecer e ampliar
sua autoridade, enquanto a circulação tenta mudar iconografias em cada
compartimento do espaço que atravessa.

O par binário não é explicitamente mencionado em The Significance of


Territory. O movimento é lembrado como princípio dinâmico na expansão do
espaço geográfico, assim como na divisão e organização do espaço (1973,
p.10–12).

“A urbanização é uma tendência mundial, assim como a maior


mobilidade e afluência das pessoas, resultando em mudanças
constantes nos padrões de distribuição, exigindo uma reorganização e
até a reforma do governo local”. (1973, p.147)

No entanto, o modelo binário reaparecerá dois anos depois em um artigo que


segue o livro (1975).

Na virada da década de 1970-1980, Gottmann volta a escrever sobre geografia


política (1980a, b). O fator movimento ainda é considerado muito abstrato: é
visto em termos de relações interdependentes entre lugares, onde a
centralidade flutua ao longo da história e é claramente referida como uma fonte
de instabilidade política. (1980c, 1982).

“Os dilemas básicos são os mesmos, exceto pela aceleração do


momento cinético” (1980b, p.224).

Nestes anos, o geógrafo francês enfatiza a aceleração da história, produto da


abertura geral do espaço geográfico aos fluxos de movimento e comunicação,
que resulta de causas concorrentes, entre as quais Gottmann recorda, para
além da inovação tecnológica evidente, em primeiro lugar, maior liberdade de
movimento dos indivíduos” (1980b, p. 219). Nessa formulação, seu casal
binário também poderia ser usado para explicar a percepção de centro e
periferia (1980, p. 223).

“Uma rede complexa é assim formada, constantemente remodelada em


alguns de seus setores, e o todo é animado por fluxos e correntes. Daí a
impressão predominante de fluidez e instabilidade. Talvez devêssemos
começar a formular uma teoria cinética da geografia política.” (1980,
p.219)

Finalmente, em sua última aparição pública em Tóquio, pelo 30º aniversário da


Community Study Foundation, Gottmann retorna explicitamente ao par binário
original de forças, mas com uma variação: a ênfase agora está na liberdade de
movimento, que é em grande parte devido a Avanços tecnológicos:

“a liberdade de movimento é em grande parte o resultado do progresso


tecnológico; esse movimento mais livre superou a distância e outras
barreiras naturais; ela permeou muitas partições políticas permanentes,
que são mais espessas e numerosas do que as barreiras naturais ... o
movimento funciona para a mudança, para mais fluidez no espaço
particionado” (1994, p.13–14).

O movimento está relacionado à sua raiz original, população, pois assume a


forma de migrações e diásporas que criam novos elos através do espaço, inter-
redes dinamicamente cidades a escala global. (1994, p.23).

“[... ] A globalização não é apenas uma questão de comércio, transporte


e informação que flui mais livremente em todo o mundo. É também e,
mais importante, um movimento de pessoas migrando e se misturando
em grande número, seguindo correntes mais variadas do que nunca [...].
Os historiadores do futuro podem reconhecer os anos de 1940 a 1990
como um período de reassentamento mais massivo do que o
povoamento das Américas em qualquer século anterior. A diversidade
de correntes nessas migrações também é sem precedentes. Dificilmente
existe um país no mundo que não esteja enviando colonos para os
Estados Unidos e Canadá. Vietnamitas são encontrados em todos os
lugares. Filipinos estão vindo para a Itália. Turcos e albaneses são
abundantes na Alemanha, Murtis na França, iranianos no Japão,
trinitários e indianos na Inglaterra, e assim por diante”. (1994, p.17–18)
O fator movimento, originado na circulação de Vidal, reforçado pela ideia de
Bowman de "franja pioneira", incorporada pelo conceito bergsoniano de forças
opostas no par binário de movimento / iconografia, e analisado como fonte de
instabilidade política, retorna à sua raiz filosófica liberdade individual enquanto
a atenção muda para a exploração dos fluxos migratórios diaspóricos.

Carrefours (encruzilhada)

Não devemos dedicar muita atenção aqui ao conceito de carrefour, que era, na
tradição francesa, intimamente ligado ao da circulação (1947) e ao qual
Gottmann dedicou grande parte de sua vida intelectual, desenvolvendo-o em
seu estudo de Megalópole e em sua geografia urbana. É suficiente dizer que o
carrefour é o terceiro elemento do casal binário (1952a), com um papel
fundamental como elemento nuclear da geografia humana, não só em termos
funcionais, mas também simbolicamente.

A maneira como a circulação e a iconografia concordam é muito fácil de


entender. Qual é o nó essencial, o organizador do tráfego? A
encruzilhada. Onde costumamos encontrar os grandes monumentos
religiosos? Nos cruzamentos. [...] Chegando ao carro, nós sempre
quisemos ser protegidos "(1952a, p.222).14

No carrefour, Gottmann estabelece uma tríplice associação: onde os fluxos de


movimento se encontram, a instabilidade resultante é administrada com as
ferramentas dos rituais religiosos e propiciatórios e da polícia. Ambos os
remédios para o sentimento de incerteza, como veremos, são o produto ou a
encarnação de uma iconografia (religiosa ou política).

"Na encruzilhada encontramos, portanto, o encontro do tráfego, da


iconografia e da polícia, este último simbolizando a organização política
e, hoje, o estado. Esta associação tripla foi proveitosa. Explica a
diferenciação do espaço e sua organização. Isso nos permite entender
que a divisão do mundo se deve mais às barreiras que estão nas
mentes e às órbitas radiantes das interseções do que a quaisquer
características físicas inscritas no espaço. Os símbolos da iconografia
não estão no chão. Eles circulam com a difusão de ideias e os
movimentos dos homens. Esta circulação de iconografia aumenta a
fluidez do mapa político” (1952a, p.223).15

Iconografias
Como já vimos, a iconografia é o fator de resistência que as comunidades se
opõem à dinâmica do movimento. Este conceito representa uma importante
orientação metodológica para a geografia humana, que pode ser relacionada à
tradição dos estudos da paisagem, já que seu "ícone" raiz lida com a ideia de
que as crenças abstratas se materializam em alguma medida em objetos
visíveis e reconhecíveis. Por esta razão, as iconografias nacionais ou regionais
podem ser usadas pelos geógrafos como instrumentos para o mapeamento
cultural.

Mas a iconografia tem ao mesmo tempo outra característica distintiva


importante: como geografia e política estão intimamente interligadas e inter-
relacionadas, iconografias também têm sido usadas frequentemente por forças
políticas para alcançar objetivos políticos específicos, e é aí que a atenção de
Gottmann se concentra.

"Para fixar os homens no espaço que ocupam, para dar-lhes a sensação


de ligações que unem a nação e o território, é essencial trazer a
geografia regional para a iconografia. É assim que a iconografia se torna
na geografia uma espécie de resistência ao movimento, um fator de
estabilização política. "(1952a, p.221)16

Ainda assim, antes de discutirmos mais sobre o uso político das iconografias,
pode ser útil recordar as origens do conceito. O conceito foi formulado em 1951
e desenvolvido em 1952, em um contexto em que Gottmann apresentava as
razões da compreensão geográfica a um público de estudiosos de relações
internacionais. Na primeira dessas duas formulações, ele reflete sobre as
diversidades regionais que rejeitam a relação determinista entre o ambiente
físico e o comportamento das nações que o habitam. Essa diferenciação do
espaço geográfico e a divisão política relacionada a ele são causadas por
diferenças culturais ou espirituais, e ele descreve o "espírito nacional ou
regional" com atributos semelhantes que ele usará mais tarde para definir a
iconografia:

“[... ] porque o espírito de cada nação é tão diferente do espírito das


outras nações. Isto é especialmente verdadeiro nos países vizinhos:
existem fronteiras entre eles porque cada país sente que é diferente do
outro. Esse espírito nacional ou regional é sempre composto de muitos
componentes: um pano de fundo histórico e sua interpretação, comum
aos membros da comunidade, mas alheios àqueles que estão além da
fronteira. O elo comum é preservado e muitas vezes reforçado pela
educação que a família e a escola dão às gerações mais jovens. O
ambiente local sempre desempenha um papel entre as fundações desse
espírito nacional ou regional, mas o importante é o que as pessoas
aprendem a ver nas condições físicas e sociais em que vivem.” (1951,
p.162–163)

Sucessivamente Gottmann reconhecerá que o conceito de iconografia surgiu do


conceito de espírito de nação, mas ele o substituiu por iconografia porque o
espírito era ambíguo demais:

“A força abstrata de uma ordem existente está enraizada no espírito da


nação ou do grupo de nações envolvidas. "Espírito" é outra noção difícil,
cujo uso pode parecer um tanto não científico. O que isso significa aqui
é uma atitude psicológica resultante de uma combinação de eventos
reais com crenças profundamente enraizadas na mente das pessoas”. (,
p. 516)

Como as línguas e religiões já eram reconhecidas na geografia como traços


culturais fundamentais que diferenciam as comunidades humanas, na Politique
des Etats Gottmann analisou a importância qualitativa do fator população nas
relações internacionais e desenvolveu o conceito de iconografia como uma
implementação do gênero de vida ou tipo nacional de Vidal. Portanto, mesmo
antes de desenvolvermos seu uso no par binário, esse conceito já poderia ser
qualificado como o fortalecimento de uma percepção do mundo por um grupo
particular. Sua razão de ser é a necessidade de identidade e de solidariedade
cultural de um grupo. Essa percepção abstrata da identidade do grupo tem que
ser intencionada primeiro em termos de continuidade histórica e é caracterizada
pelo apego tenaz de uma comunidade a ela. “Essa mesma coesão não precisa
de uma continuidade territorial para ser forte, mas certamente precisa de uma
grande fé na iconografia oficial e também um senso de justiça social realizado
ou em processo de realização.” (1952a, p.159)17

É através da transmissão intergeracional de símbolos, valores e ideias que


uma determinada iconografia é construída e sua relação identitária com um
grupo é definida. As pessoas “[...] registram o passado e escolhem a forma em
que esse pano de fundo histórico é transmitido às gerações em crescimento”
(1952b, p.514). Por essa razão, uma iconografia mudará muito lentamente na
história, mas Gottmann considera sua possível evolução e adaptação. Essa
necessidade abstrata de identidade pode conter um "sentimento de
pertencimento", que pode ser expresso em termos espaciais, à medida que um
território específico se torna objeto de projeções espaciais. Como as fronteiras
e partições mais difíceis estão na mente das pessoas, e o movimento das
pessoas em um território foi bastante limitado no passado, não é difícil
entender que "o alcance de uma iconografia é limitado no espaço". Mesmo a
proto noção de iconografia, como "espírito da nação", já foi definida
espacialmente como "nacional ou regional". Segundo Gottmann, uma
iconografia é constituída por três elementos fundamentais: “[. . . ]
essencialmente uma crença forte baseada em algum credo religioso, algum
ponto de vista social, ou algum padrão de memórias políticas, ou uma
combinação de todos os três. Assim, o regionalismo tem a iconografia como
base” (1951, p.163).

Tal como as línguas e as religiões, as iconografias emergem de "uma vida


comum em uma dada divisão do espaço" (1952a, p.153), mas são aplicadas
por razões políticas, como demonstra a análise das iconografias nacionais, até
ao ponto de ser criado artificialmente. “Esta iconografia do grupo contém vários
elementos: da bandeira nacional à forma da torre do relógio, à estrutura social
aceita, aos credos religiosos, aos princípios educacionais. Inclui os interesses
oficiais investidos, bem como as ideias populares sobre o que o grupo poderia
e deveria fazer do seu meio local.” (1966, p.1762–1763).

Por essa razão, o conteúdo de uma iconografia não é tão importante quanto seu
funcionamento na rede de relações estabelecida entre um grupo e seu espaço
geográfico. Portanto, a força de uma iconografia não deve ser julgada por sua
composição, mas de acordo com seus efeitos políticos. De fato, a ação política de
uma iconografia nacional do ponto de vista territorial não é neutra:

"A iconografia também facilita a manutenção de certas estruturas


sociais. [...] A iconografia tende a retirar da nação da qual faz a unidade
e a originalidade os estranhos e até as influências estrangeiras. Exerce
uma ação limitadora de contatos, portanto de circulação. Assim,
concebe-se que é na grande dinâmica humana o fundamento das
partições espirituais e políticas "(1952a, p.221).18
Essa ação da iconografia em limitar a circulação deve ser entendida como
relacionada à psicologia humana. Se a circulação é uma força de mudança, essa
mudança poderia desafiar a identidade das comunidades afetadas por ela, ao
ponto de que: “a preservação de uma iconografia também poderia ditar o
fechamento do espaço nacional” (1980b, p.222). Até seu último trabalho,
Gottmann manterá a mesma visão: “a iconografia trabalha para a preservação da
ordem estabelecida e o fortalecimento das divisões permanentes” (1994, p.14).

A aceleração deste século, muitas vezes sublinhada por Gottmann, a explosão


demográfica e as migrações em grande escala e de longa distância que se
seguiram com todos os conflitos relacionados em todas as escalas, exigem o
uso desse conceito. A população se mistura com novas civilizações diferentes,
criando novos grupos originais com novas iconografias, e isso acontece em
particular nos carrefours. Assim, devido à ação do fator movimento, as
iconografias necessariamente têm que se confrontar, e como resultado elas
podem entrar em conflito ou podem mudar, mesmo que muito lentamente. “As
iconografias não são inamovíveis; eles se movem, enquanto evoluem um pouco
a cada transplante, com as correntes de migração e outros fatos de circulação”

(1952a, p.158).19

É mais fácil seguir essa lenta mudança em países de história relativamente


recente, onde às vezes ela assume a forma de uma estratificação hierárquica
de iconografias. Como Gottmann escreveu:

"[...] assim os Estados Unidos, o Brasil, a Argentina, a África do Sul,


Israel. Nestas nações de constituição recente, uma estratificação curiosa
tende a ocorrer, estabelecendo uma hierarquia social de acordo com as
origens; a cúpula é ocupada por pessoas de ou descendentes de países
cuja iconografia prevalece na tradição nacional. Geralmente são os
primeiros que se organizaram no país; nos Estados Unidos, é chamado
o estrato social do Mayflower, o navio que trouxe os peregrinos
fundadores para Boston e para a Commonwealth of Massachusetts.
"(1952a, p.158)20

Para estabelecer uma nova iconografia, é necessário mudar para uma nova
região:

"É preciso uma fabricação energética e muitas vezes uma transferência


para uma nova região, para criar um cadinho onde os vários elementos
iconográficos se misturam em um novo. Os Estados Unidos são um
exemplo desse processo: ainda assim, sua iconografia nacional tem
uma marca particularmente visível de origem britânica, como a
construção do país começou no âmbito do Império Britânico “. (1952a,
p.220–221)21

Essa mistura de pessoas e de suas iconografias leva Gottmann a interrogar-se


sobre a possibilidade de uma iconografia unificada, isto é, uma comunidade
mundial ou, como Doxiadis a denominou, uma "Ecumenópolis”. “Mal se imagina
a humanidade politicamente unificada, se não pela fusão de uma das grandes
iconografias existentes” (1952a, p.221).22

Mas se esta iconografia unificada é para ser alcançada, isso não acontecerá por
causa de uma abordagem de cima para baixo: “A organização internacional só
pode ter sucesso se não ofender todas essas crenças; cada povo está
convencido de que sua fé religiosa, sua bandeira, sua organização social, suas
técnicas, seu país são o melhor que podem ser. De que outra forma ele
acreditaria?” (1952a, p.221).23

Quais iconografias do século 21?

Como conclusão do presente trabalho, gostaria de apresentar algumas


questões levantadas pela análise dos termos fundamentais do sistema
conceitual de Gottmann. Se é verdade que as iconografias respondem a uma
necessidade de identidade territorial que uma comunidade exprime para resistir
à mudança, a necessidade de uma iconografia unificada provavelmente
corresponderia a um grau máximo de medo e instabilidade em nossas
sociedades, o que não tenho certeza ainda estão prontos para gerenciar,
mesmo em termos culturais.

Se, como afirmou Gottmann, o território é um fenômeno psicossomático,


devemos interpretar o mundo bipolar da Guerra Fria, com suas iconografias e
modelos opostos da realidade, com sua separação em dois blocos opostos
como o reflexo de uma dissociação coletiva psicológica de acordo com Que
sociedades envolvidas na Segunda Guerra Mundial foram capazes de lidar
com o choque da guerra, com o holocausto, a bomba atômica e milhões de
mortes e a aceleração relacionada apenas pensando em si mesmos em termos
esquizofrênicos?

A Europa Ocidental não lutou na Guerra Fria e cresceu protegida pelo


equilíbrio relativo das duas superpotências. As novas instabilidades causadas
pelas mudanças em escala global produziram uma mudança nas fronteiras
externas da Europa, e os fluxos migratórios do leste e do sul foram uma
realidade por muitas décadas, enquanto a Europa estava em processo de
abolir suas fronteiras internas. O alto grau de instabilidade trazido por esses
fatos deve impulsionar uma mudança na iconografia. A bem estudada
fragmentação europeia nas iconografias e na linguagem, que é o resultado da
nossa história e do nosso património - a nossa riqueza e a nossa maldição -
não produzirá necessariamente a longo prazo uma iconografia europeia mais
alargada. Como uma forte iconografia é a reação a um alto grau de
instabilidade, nossa capacidade de não perder a memória de nossas origens e
manter um certo grau de diversidade cultural e fragmentação territorial, refletida
em múltiplas iconografias, será a medida de nossa força interna e estabilidade.

A iconografia europeia poderia representar apenas um subcapítulo da


iconografia ocidental da globalização que, especialmente durante a segunda
metade do século passado, transformou a mesma ideia de circulação em um
ícone global, reforçando o sonho de uma comunidade mundial que vive em
paz, mas ao mesmo tempo não ser capaz de compreender as reações locais
de comunidades com diferentes tradições que se sentem desafiadas em sua
identidade pelo excesso de mudança. A lacuna cultural parece estar
preenchida em termos militares toda vez que tais comunidades previsivelmente
reagem ao desafio identitário produzido por um excesso de mudança com a
imposição de sua própria iconografia territorial que poderia ditar o fechamento
de seu espaço nacional. Tais comunidades podem também ocupar uma
encruzilhada geográfica estratégica que possivelmente está no caminho de
preciosas fontes de energia.

O desafio político - como Gottmann já sabia nos anos 50 quando da geografia


política para estudar Megalópole - o desafio político acontecerá na escala
urbana e a instabilidade será maior nos carrefours, onde as forças de mudança
convergem e conflitam, mesmo em o nível da vizinhança. A rede de fluxos de
circulação e carrefours promove a imagem de uma regionalização diferente do
mapa político do mundo, que aparece cada vez mais como apenas mais uma
iconografia. Nossa possibilidade de lidar com este desafio dependerá
principalmente de nossa capacidade de manter um equilíbrio interno sem
necessariamente impor uma iconografia unificada de cima, respeitando
iconografias distintas e distantes, com o mesmo cuidado que às vezes
provamos ter para as iconografias que são as na herança de nossas histórias
passadas. Na interconexão global de uma rede de carrefours acorrentados, no
futuro não nos será permitido esquecer alguns deles só porque pertencem a
regiões geográficas cuja posição, história e cuja cultura estão mais distantes
daquelas de nossa herança.

Notas Finais

6 Gottmann, J. 1955. Elements de géographie politique. Paris, Armand Colin:


p. 1–27.

7 Ibidem.

8 (1947). Annales de Gèographie, Paris, 56: 1–12.

9 Gottmann, J. (1973). The significance of Territory. Char- lottesville, the

University Press of Virginia: 15; (1975) ‘The evolution of the concept of Territory’.
Social Science Infor- mation (Paris) 14, (3/4): 29–47; (1993) ‘Cloisonnement du
Monde: théories et faits’, postface à Jean Paul Hubert, La discontinuité
critique, Paris, Publ. de la Sorbonne: 201.

10 “A primeira e fundamental característica é essa fluidez, esse movimento

perpétuo que anima massas, um movimento que se decompõe em quase uma


infinidade de movimentos particulares, que nem como um todo nem em seus
diferentes componentes parecem seguir as regras de um sistema. Esse
constante movimento de pessoas entre continentes, países, assentamentos e
cidades - consideradas no espaço e no tempo - não é caótico. Algumas grandes
correntes, algumas tendências mais ou menos estáveis emergem dos muitos
estudos que estão hoje disponíveis. Esse movimento de pessoas e de seus
produtos é a grande dinâmica humana que faz estudos populacionais tão
interessantes e que inova constantemente a geografia humana e econômica. O
movimento pode ser comparado à circulação da água na natureza ”. Esta e
todas as seguintes traduções são de responsabilidade do autor.

11 “As propriedades vivas nunca são inteiramente realizadas, mas sempre em

progresso; eles são menos estados do que tendências. E uma tendência não
obterá tudo o que almeja, a menos que não seja contrariada por outra
tendência: como esse caso apareceria no domínio da vida, onde há sempre
uma implicação recíproca de tendências antagônicas?

12 Esse princípio dialético estará subjacente também a alguns outros pares

binários no pensamento de Gottmann, como no caso do território, entendido


tanto como fonte de sobrevivência / resgate e trampolim para oportunidades,
inspirado pela visão clássica de Platão e Aristóteles, quanto pelo par binário de
centro e periferia.

13 “A análise das relações entre geografia e política dessas regiões políticas

denominadas Estados nos permite observar repetidamente o papel fundamental


dos sistemas de movimento e resistência ao movimento: a primeira forma que
chamamos de circulação no espaço, as segundas são mais abstratas do que as
materiais. , e eles consistem em um conjunto de símbolos, nós os chamamos
de iconografias”.

14 “A maneira como o movimento e a iconografia se encontram é muito fácil de

entender. Qual é o nó essencial que organiza o movimento? O cruzamento. Lá


encontramos mais frequentemente os grandes monumentos religiosos? Pelas
encruzilhadas [...] Chegando ao cruzamento, sempre quis se proteger.”

15 “Na encruzilhada encontramos o reencontro do movimento, da iconografia e

da polícia, este último simbolizando a organização política e, hoje, o Estado.


Esta associação tripla foi proveitosa. Explica a diferenciação do espaço e sua
organização. Permite compreender que o particionamento do mundo se deve
mais às fronteiras da mente e às órbitas radiantes das encruzilhadas que a
qualquer característica física escrita no espaço geográfico. Os símbolos da
iconografia não estão fixados no chão. Eles se movem com a difusão de ideias
e com o movimento das pessoas. Este movimento de iconografias aumenta a
fluidez no mapa político do mundo”.

16“Para enraizar as pessoas no espaço que ocupam, para dar-lhes um


sentimento das ligações entre a nação e o território, é necessário permitir que
a geografia regional entre na iconografia. Desta forma, a iconografia se torna
um bastião de resistência ao movimento, um fator de estabilização política”.

17 “Essa mesma coesão nem precisa de continuidade territorial para ser forte,

mas certamente precisa de uma grande fé na iconografia oficial e também um


sentimento de justiça social que se realiza ou está em andamento.”.

18 “A iconografia contribui para a manutenção de certas estruturas sociais [...]

Iconografia tende a rejeitar da nação, para a qual unidade e originalidade


contribui, pessoas estrangeiras e até influências estrangeiras. Ela exerce uma
ação limitadora nos contatos, assim no próprio movimento. Por esta razão, na
grande dinâmica humana, nós a concebemos como a base do particionamento
espiritual e político.”.

19 “Iconografias não são fixas uma vez para sempre; eles se movem e evoluem

levemente com cada movimento, com os fluxos migratórios e outros fatos do


movimento”.

20 “[. . . ] assim os EUA, Brasil, Argentina, África do Sul, Israel. Nestes países

mais recentes, uma curiosa sobreposição ocorre, resultando no


estabelecimento de uma hierarquia social de acordo com as origens; o topo é
tomado pelos herdeiros dos primeiros colonos originais cuja iconografia foi
levada para a tradição nacional. Em geral, aqueles que chegaram em primeiro
lugar que organizaram o país; nos EUA chamamos de camada social do
Mayflower, o navio que trouxe os peregrinos fundadores de Boston e da
Commonwealth of Massachusetts.”
21 “Somente uma fusão energética e uma transferência para uma nova região,

poderia criar um berço onde os diferentes elementos iconográficos criam uma


nova síntese. Os EUA são um exemplo desse processo: sua iconografia
nacional ainda carrega uma impressão particularmente visível de origem
britânica, porque a construção do país começou no âmbito do Império
Britânico.”.

22“Não podemos imaginar a união política da humanidade sem a fusão em


uma das grandes iconografias existentes. ”23“ A organização internacional só
terá sucesso se não prejudicar todas essas crenças; cada povo está
corretamente convencido de que sua fé, sua bandeira, sua organização social,
suas técnicas, seu país são os melhores possíveis. Como ele poderia acreditar
neles, caso contrário?

Referencias

Bergson H., 1909: L’Evolution créatrice. Paris.

Buttimer A., 1971: Society and Milieu in the French geographic tradi- tion.
Published for the Association of American Geographers by Rand McNally,
Chicago, IL.

Claval P., 1980: Centre/Periphery and Space: Models of Political Geog- raphy.
In Gottmann J. (ed.), Centre and Periphery: Spatial Variation in Politics SAGE
Publications, Beverly Hills and London.

Corey K.E., 1995: In memoriam: Jean Gottmann, 1915–1994. Ann. Asso. Am.
Geogr. 85 (2): 356–365.

Demangeon A., 1942: Problèmes de géographie humaine. pp. 25–34. Paris. Gay
F.J., 1994: Jean Gottmann (1915–1994). Norois 41(163): 361-365.

Gottman J., 1938: L’homme, la route et l’eau en Asie sud-occidentale.

Annales de Géographie, Paris.

Gottman J., 1942: The background of geopolitics. Military Affairs, J. Am.


Military Inst. 6(4): 197–206.

Gottman J., 1947a: De la méthode d’analyse en géographie humaine.

Annales de Géographie, Paris LVI,301, pp.1–12.

Gottman J., 1947b: Doctrines Géographiques en Politique. Les Doctrines


Politiques Modernes. Brentanos, New York (322 pp.), pp. 17–40.

Gottman J., 1951: Geography and International Relations. World Politics II(2):
153–173.

Gottman J., 1952a: La Politique des Etats et leur géographie. A. Colin, Paris.

Gottman J., 1952b: The Political partitioning of our World: an attempt at


analysis. World Politics IV(4): 512–519.

Gottman J., 1955: Elements de géographie politique. Fascicules I et II. Les


Cours du Droit, Paris.

Gottman J., 1961a: L’urbanisation dans le monde contemporain et ses


conséquences politiques. Politique Etrangère 6: 557–571. (Reprinted in 1966b,
chapter VII.)

Gottman J., 1961b: Megalopolis: The Urbanized Northeastern Seabord of the


United States. The Twentieth Century Fund, New York.

Gottman J., 1963: La politique et le concret. La politique étrangère 28eme


annéé, 4–5: 273–302.

Gottman J., 1965: La géographie politique. Die modernen Wissenschaften und


die Aufgaben der Diplomatie. Verlag Styria, Vienna, pp. 141–60. Gottman J.,
1966a: Géographie Politique. In: Géographie Générale- Encyclopedie de la
Pléiade’. NRF Gallimard, Paris, pp. 1749–1765. Gottman J., 1966b: Essais sur
l’aménagement de l’espace habité. Mouton, Paris.

Gottman J., 1968: The growing city as a social and political process.
Transact. Bartlett Soc. London. 5: 11–46.
Gottman J., 1973: The Significance of Territory. University Press of
Virginia, Charlottesville.

Gottman J., 1975: The evolution of the concept of Territory, Social Science
Information. XIV(3/4): 29–47.

Gottman J., 1980a: Confronting Centre and Periphery. In Gottman J. (ed.)


Centre and Periphery: Spatial Variation in Politics, SAGE Publications, Beverly
Hills and London. pp. 11–25.

Gottman J., 1980b: ‘Organizing and reorganizing space’. In Gottman

J. (ed.) Centre and Periphery: Spatial Variation in Politics, SAGE


Publications, Beverly Hills and London. p. 217–224.

Gottman J., 1980c: ‘Spatial partitioning and the politician’s wisdom’. Intern.
Pol. Sci. Rev. 1(4): 432–455.

Gottman J., 1982: The basic problem of Political Geography: the organiza- tion
of space and the search for stability. Tijdschrift voor Econ. en Soc. Geografie
73(6): 340–349.

Gottman J., 1983: La città invincibile. Franco Angeli, Milano.

Gottman J., 1984: Space, Freedom and Stability. Intern. Pol. Sci. Rev. 5(2): 117–
124.

Gottman J., 1990: Urban Growth and Politics. Ekistics 340/341, January– April.

Gottman J., 1993: Le cloisonnement du monde: théories et faits, post- face à


Jean-Paul Hubert, 1993, La discontinuité critique. Essais sur les principes a
priori de la géographie humaine. Publications de la Sorbonne, Paris.

Gottman J., 1994: Beyond Megalopolis. The Community Study Foundation,


Tokyo. (Reprinted in English and Italian: 1996. Sistema Terra, V, 1-2, Roma,
Laterza).

Gottman J. and Harper R., 1990: Since Megalopolis. The Urban Writings of Jean
Gottmann. The John Hopkins Univ. Press, Baltimore – London. Gottman J. and
Muscarà C., 1991: La città prossima ventura. Laterza, Roma.

Hubert J-P., 1993: La discontinuité critique. Essais sur les principes a priori de la
géographie humaine. Publications de la Sorbonne, Paris.

Johnston R., 1996: Jean Gottmann: French regional and political geogra- pher
extraordinaire. Progr. Human Geogr 20(2): 183–193.

Le Lannou M., 1959: La géographie humaine. Flammarion, Paris. pp. 11– 12.

Miyakawa Y., 1997. The Orbit of Jean’s Geography (in press)

Muscarà L., 1985: Intervista a Jean Gottmann. Marco Polo, Venise. Muscarà L.,
1997: Innovazione tecnologica, spazio e rappresentazione: appunti per una
telegeografia. Geotema. II(3): 46–56.

Muscarà L., 1998a: The Atlantic transhumance of Jean Gottmann and the
development of his spatial theory. Finisterra. 33(65): 159–172.

Muscarà L., 1998b: Jean Gottmann’s Complete Bibliography 1933–1994.


Cybergeo, Paris, No. 64, 27.11.98, 28 pp.

Patten J. (ed.), 1983: The expanding city: essays in honour of Professor Jean
Gottmann. Academic Press, London.

Sanguin A.-L. and Prévélakis G., 1996: Jean Gottmann (1915–1994), un


pionnier de la géographie politique. Annales de Géographie 587(96) 73– 78.