Você está na página 1de 2

INTRODUÇÃO A PROTESE: ANATOMIA PROTETICA

Tipos de prótese
1. Protese fixa
2. PPR – Protese Parcial Removivel
3. Protese sobre implante
4. Protese total

- PROTESE FIXA: reabilita de um elemento até a oclusao. Substitui os dentes ausentes


Terminologia: Coroa/ Coroa Total/ Coroa Parcial
Coroa – ocupa a área externa da coroa clinica
Coroa Total – substitui toda a coroa clinica
Coroa Parcial – pega parte da coroa clinia

Inlay – lesões na oclusal


Onlay – lesões em 1 ou2 cuspides
Overlay – lesões em todas as cúspides

-PPR – Não é total, removível e repõem tecidos

- PROTESE TOTAL: ajuda na deglutição, fonética, mastigação e estética

 Classificação:
1. Localização – superior ou inferior
2. Mecanismo de retenção – mucosuportada, overdenture, protocolo
3. Momento de instalação – imediate (após exo do elemento) ou mediata (após cicatrização do tecido
4. Material – macio ou rígido
5. Cor da resina – rosa, incolor e cor da gengiva

ANATOMIA PROTÉTICA:
MAXILA:
1. Espaço coronomaxilar – processo coronoide medialmente na tuberosidade da maxila
2. Fundo vestíbulo bucal – musculo bucinador
3. Fundo vestíbulo labial – musculo orbicular
4. Freio labial
5. Postdamming / termino porterior – zona de transição (palato mole e duro)
MANDIBULA:
1. Chanfradura do Masseter – inserção do masseter
2. Fundo vestíbulo bucal – bridas
3. Fundo vestíbulo labial – musculo orbicular
4. Fossa distolingual – auxilia na estabilidade
5. Flange sublingual - osso milohiloide / glândula sublingual
6. Freio lingual – osoo genioglosso

AREA CHAPEAVEL:
ZONAS DA AREA BASAL –
*PRINCIPAL – crista do rebordo
*secundaria – vertente do rebordo
*regiões de alivio – rafe, torus. Reduz a pressão
*selado periférico – região marginal

RETENÇÃO:
Adesão – interação entre moléculas de substancias diferente (saliva, prótese, gengiva)
Coesão – interação entre moléculas da mesma substancia
Tensão superficial – a criação de um menisco impedindo entrada de ar

ESTABILIDADE:
Fatores que influenciam – rebordos, relação Centrica, oclusao balanceada

MOLDAGEM
MOLDAGEM – MOLDE – MODELO

MOLDAGEM DE ESTUDO – MOLDAGEM DA BOCA


MOLDAGEM DE TRABALHO – APÓS REMOÇAÕ DA BOCA, MODELO DE CONFECÇÃO
MOLDAGEM FUNCIONAL – MATERIAL FINALIZADO PARA USO

Para que haja uma melhor moldagem é necessário levar em consideração os seguintes fatores:
Tempo de presa, cor, atóxico, custo beneficio, consistência, fácil manipulação não deformar

TEMPO DE MOLDAGEM:
- TEMPO DE MISTURA – do início ao fim da manipulação
- TEMPO DE PRESA – do inicia da manipulação até a remoção do molde da boca
- TEMPO DE TRABALHO – do início da manipulação até inserção do molde na boca

PROPRIEDADES MECANICA:
ANELASTICO X ELASTICOS
ANELASTICOS: pasta de oxido de zinco e eugenol, godiva, gesso
ELASTICO: hidrocoloides & elastômeros

CLASSIFICAÇÃO – MECANISMO DE PRESA


REVERSIVEIS – se adequam quando calor e frio / hidrocoloides agar e godiva)
IRREVERSIVEIS – sofrem alterações químicas sem voltar ao original (alginato, oxido de zinco e eugenol e silicone)

ELASTÔMEROS: borrachoides
a. Polissulfeto: + time, Money, Strong / - smell, stain, memory (1 hora)
b. Silicone de condensação: + smell, easy, reproduction / -rip, deform, distort (30 min)
c. Silicone de Adição: +precise, resistente, time / -sulfur, bubble
d. Poliéter: +precision / - waterlike, rip, taste, desinfecction (imediato)

HIDROCOLOIDES:
a. Alginato (irreversível)
b. Agar (reversível)

PROTESE TOTAL – MOLDAGEM

1. MOLDAGEM ANATOMICA: obtenção do molde delimitando a área chapeavel provocando mínima


deformação e produzindo a moldeira individual
2. MOLDAGEM FUNCIONAL: possui duas fases (vedamento e moldagem)

MATERIAIS – moldagem anatomica:


A. ALGINATO: moldeira perfurada, nause, irreversivel
B. GODIVA: termoplástica, pode ser corrigida
C. SILICONE: indicados para casos de alterações osseas

VEDAMENTO – técnica que estabelece suas próprias relações com o material


ENCAIXOTAMENTO – auxilia no assentamento do gesso sobre as bordas do molde