Você está na página 1de 110

UENP – UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ –

CAMPUS DE CORNÉLIO PROCÓPIO

CONTABILIDADE GERAL I
2018

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

ACADÊMICO(A):_________________________________________________

TURMA:_____________

PROFESSOR VALDECIR ALVES

PROIBIDO
A
REPRODUÇÃO

REVISADA E ATUALIZADA PARA O ANO LETIVO DE 2018

ANOTAÇÕES GERAIS
Janeiro/2018 Fevereiro/2018 Março/2018

10 11 12 13 10 10
14 15 16 17 18 19 20 11 12 13 14 15 16 17 11 12 13 14 15 16 17
21 22 23 24 25 26 27 18 19 20 21 22 23 24 18 19 20 21 22 23 24
28 29 30 31 25 26 27 28 25 26 27 28 29 30 31

Abril/2018 Maio/2018 Junho/2018

2
10 11 12 13 14 10 11 12
15 16 17 18 19 20 21 13 14 15 16 17 18 19 10 11 12 13 14 15 16
22 23 24 25 26 27 28 20 21 22 23 24 25 26 17 18 19 20 21 22 23
29 30 27 28 29 30 31 24 25 26 27 29 30

Julho/2018 Agosto/2018 1912 Setembro/2018

10 11 12 13 14 10 11
15 16 17 18 19 20 21 12 13 14 15 16 17 18 10 11 12 13 14 15
22 23 24 25 26 27 28 19 20 21 22 23 24 25 16 17 18 19 20 21 22
29 30 31 26 27 28 29 30 31 23 24 25 26 28 29
30

Outubro/2018 Novembro/2018 Dezembro/2018

10 11 12 13 10
14 15 16 17 18 19 20 11 12 13 14 15 16 17 10 11 12 13 14 15
21 22 23 24 25 26 27 18 19 20 21 22 23 24 16 17 18 19 20 21 22
28 29 30 31 25 26 27 28 29 30 23 24 25 26 28 29
30 31

RECESSO OU FERIADO
ÍNICIO E TÉRMINO DO ANO LETIVO

CONTABILIDADE

CONTABILIDADE é a ciência que tem como objetivo orientar, controlar e registrar os fatos contábeis
ocorridos num patrimônio, vinculados a uma entidade ou empresa.

2
A Contabilidade é hoje uma ciência universalmente aplicada.
Nenhuma organização com patrimônio definido, pode dispensar a contabilidade sem que corra sérios
riscos de ordem administrativa.

DEFINIÇÃO:
A contabilidade é uma ciência que desenvolveu uma metodologia própria com a finalidade de:
a) controlar o patrimônio das aziendas.
b) apurar o rédito (resultado) das atividades das aziendas.
c) Prestar informações às pessoas que tenham interesse na avaliação da situação patrimonial e do desempenho
dessas entidades.

CONTABILIDADE
(CIÊNCIA)

MÉTODO

FUNÇÃO AMINISTRATIVA FUNÇÃO ECONÔMICA

Controlar o Apurar o Rédito


Patrimônio (Resultado)

PRESTAR
INFORMAÇÕES

PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS

Pessoa Física (ou natural)


É o ser humano (homem ou mulher) considerado singularmente como sujeito de direitos e obrigações.

Pessoa Jurídica (Ser de existência abstrata)


É a unidade jurídica resultante de um agrupamento humano organizado, inteiramente distinta dos
indivíduos que a compõem, capaz de possuir e exercitar direitos e contrair obrigações. (Ex. Empresa civis,
comerciais, industriais, Entidades (com ou sem fins lucrativos), etc.

Empresas Individuais ou firmas individuais (Denominação alterada para “Empresário” – Lei 10.406,
10/01/2002 – Novo Código Civil)
São pessoas naturais que exploram atividades com fins lucrativos em seu próprio nome. Para efeito de
imposto de renda são equiparadas às pessoas jurídicas.

Nascimento das pessoas:


Pessoa física: DE FATO – através do parto.
DE DIREITO – através do registro no Cartório Civil de Pessoas Físicas.

Pessoa Jurídica: DE FATO – Pela prática de atos de comércio.


DE DIREITO – através de registro no órgão competente.

CAMPO DE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE: são as aziendas.

3
AZIENDAS representam:
- entidades econômico-administrativas, assim chamadas aquelas que, para atingirem seu objetivo, seja ele
econômico ou social, utilizam bens patrimoniais e necessitam de um órgão administrativo, que pratica
atos de natureza econômica necessários a seus fins; ou
- complexo de obrigações, bens materiais e direitos, representados em valores ou suscetíveis de apreciação
econômica, constitutivos de um patrimônio, considera juntamente com a pessoa natural ou jurídica que
sobre ele tem poderes de administração e disponibilidade.
Note que o conceito de azienda é mais amplo que o conceito de empresa. Esta última tem como objetivo vender
bens e serviços com a finalidade de lucro.

PATRIMÔNIO
OBJETO DA CONTABILIDADE: o patrimônio da entidade.

A Contabilidade é a ciência que tem como objetivo orientar, controlar e registrar os fatos contábeis
ocorridos num patrimônio, vinculado a uma entidade. Não havendo patrimônio, a contabilidade não terá
sobre o que agir. Entretanto, para que seja alvo da ação da contabilidade, o patrimônio deverá estar
vinculado, isto é, pertencer a pessoa jurídica – entidade ou empresa. Essas entidades, e você já ouviu falar
em muitas delas: lojas, casas, comerciais, clubes de futebol, associações, indústrias, bancos, escolas,
cinemas, secretarias de governo são constituídas pelo homem, para atingir uma finalidade econômica ou
social.
Veja os exemplos:
COM FINALIDADE SOCIAL – prestam serviços à coletividade: associações beneficentes, associações
esportivas, etc.
COM FINALIDADE ECONÔMICA – o objetivo é o lucro: as empresas comerciais, industriais,
agropastoris, transportadoras, financeiras, prestadoras de serviços, etc.
Essas entidades podem ser públicas, particulares ou mistas.
São PÚBLICAS – quando organizadas e mantidas pelo Governo, podendo ou não ter finalidades lucrativa.
São PARTICULARES - quando organizadas e mantidas por particulares, sem interferência do Governo.
Também podem ou não ter finalidade lucrativa.
São MISTAS – quando organizadas e mantidas pelo Governo e por particulares. Então, o campo de
aplicação da Contabilidade é o patrimônio de uma empresa, tenha ou não fins lucrativos.

PATRIMÔNIO É O CONJUNTO DE BENS, DIREITOS E OBRIGAÇÕES VINCULADOS A UMA


EMPRESA OU ENTIDADE.

Você vai ser, agora, cada um dos elementos que compõem o patrimônio.

BENS

PATRIMÔNIO = DIREITOS

OBRIGAÇÕES

BENS – tudo aquilo destinado a venda, uso ou consumo da empresa, sobre o que ela exerce POSSE e DOMÍNIO.
Tudo que pode ser avaliado economicamente e que satisfaça necessidades humana

Antes de continuarmos, seria bom explicar o que é posse e o que é domínio: quando somos o legítimo
proprietário de um bem, dizemos que temos DOMÍNIO sobre esse bem; e estando ele em nosso poder, dizemos
que temos a POSSE do referido bem.

4
Exemplo: Comprei um carro e o paguei à vista. Tenho DOMÍNIO sobre este bem e a POSSE dele.
Para você entender melhor o conceito de BENS, veja o exemplo: a empresa JOANINHA compra e vende
calçados. Veja seus BENS.

BENS DE USO BENS DE CONSUMO BENS DE TROCA


Balcão Papel de embrulho Calçados para venda
Prateleiras Material para limpeza
Vitrina Meio quilo de café
Caixa Registradora
Cadeiras
Espelho

Os bens são classificados em:

BENS MATERIAIS (tangíveis, corpóreos ou concretos)

BENS IMATERIAIS

Como o próprio nome indica, os bens materiais são aqueles que possuem corpo, matéria, ou seja, tem
existência física.

Estes bens materiais podem ser:

MÓVEIS – aqueles que podem ser removidos de seu lugar.


IMÓVEIS – aqueles que não podem ser deslocados de seu lugar natural.

Vamos ilustrar com exemplos:

BENS MATERIAIS MÓVEIS BENS MATERIAIS IMÓVEIS


Mesas Casas
Veículos Terrenos
Máquinas de escrever Edifícios
Dinheiro
Mercadorias

Veja, agora, os bens IMATERIAIS (intangíveis, incorpóreos ou abstratos):

São aqueles que, embora sendo considerados bens, não possuem corpo, não têm matéria, ou seja, não possuem
existência física, representam uma aplicação de capital indispensável aos objetivos da empresa, e cujo valor
reside em direitos de propriedade que são legalmente conferidos aos seus possuidores.

Exemplos: Direitos autorais, Patentes, Fundo de Comércio.

DIREITOS
Também os DIREITOS representam parte do patrimônio.

DIREITOS – são representados por valores sobre os quais a empresa exerce domínio, mas que estão em
poder de terceiros.
: Direito é ter a propriedade (ser legítimo dono) e não ter a posse (não estar usando). São valores a serem
recebidos de terceiros
É comum as empresas efetuarem vendas a prazo. Quando isso ocorre, a empresa não recebe o dinheiro
correspondente à venda, no ato; receberá, futuramente, porque a venda foi a prazo, não é? Sendo assim, a
empresa fica com direito de receber o valor da venda no prazo determinado. A mercadoria fica em poder do
cliente. Ele tem sua POSSE.

Em garantia da dívida, esse cliente assina uma duplicata que corresponde a um DIREITO da empresa. Esta,
por sua vez, tem o DOMÍNIO sobre a mercadoria.

É importante salientar que BENS E DIREITOS REPRESENTAM OS VALORES POSITIVOS


PERTENCENTES À EMPRESA, ISTO É, REPRESENTAM A PARTE POSITIVA DO PATRIMÔNIO.

5
O CONJUNTO DE
ELEMENTOS POSITIVOS
(Bens e Direitos) É O QUE ATIVO
CHAMAMOS DE ATIVO.

OBRIGAÇÕES

OBRIGAÇÕES – são os valores cuja posse a empresa detém, mas sobre os quais ela não tem total domínio
Obrigação é Ter a posse (uso) e não Ter a propriedade (ser o legítimo dono). São dívidas ou compromissos
de qualquer espécie ou natureza assumidos perante terceiros.
São os valores que ela tem a pagar para terceiros.

É comum, também, as empresas efetuarem compras a prazo. Quando isso ocorre, a empresa não paga a
compra ao fornecedor, no ato; deverá pagar OBRIGAÇÃO de pagar o valor da compra no tempo
determinado.

Contabilmente, as obrigações são representadas pelos valores que a empresa tem a pagar ou a recolher, tais
como: fornecedores, salários, impostos, obrigações sociais, contas diversas.

MUITO IMPORTANTE!

AS OBRIGAÇÕES REPRESENTAM OS VALORES NEGATIVOS DO PATRIMÔNIO.

O CONJUNTO DE
ELEMENTOS NEGATIVOS
(Obrigações) É O QUE
CHAMAMOS DE PASSIVO. PASSIVO

Para sua melhor compreensão, veja uma representação gráfica (FOTO) de patrimônio:

BENS OBRIGAÇÕES PASSIVO

E ATIVO

DIREITOS
SITUAÇÃO PATRIMÔNIO
LÍQUIDA LÍQUIDO

Vejamos com alguns valores:

Ativo Passivo
Dupl. a pagar.$ 500

Dinheiro.........$ 500
Veículos........$ 400
Máquinas......$ 500
Dupl.a rec.....$ 100 Patr.Líquido.$ 1000

6
RESUMINDO:
Dinheiro
Imóveis
Veículos
BENS Mercadorias

Duplicatas a receber
PATRIMÔNIO DIREITOS Clientes
Nota promissória a receber

Salários a pagar
Duplicatas a Pagar
OBRIGAÇÕES FGTS a recolher
Alugueis a pagar

EXERCÍCIO
B – Bens
D – Direitos
O – Obrigações

Dinheiro............................................( )
Saldo positivo em conta-corrente....................( )
Veículo.............................................( )
Imóvel..............................................( )
Duplicata para pagar................................( )
Cheque para receber.................................( )
Nota promissória a receber..........................( )
Salário a pagar.....................................( )
Impostos a recolher.................................( )
Contas a receber....................................( )
Valores a receber...................................( )
Saldo negativo em conta-corrente....................( )

COMPOSIÇÃO PATRIMÔNIAL: Ativo e Passivo


ATIVO: Parte positiva, composta de bens e direitos. Representa as aplicações de recursos.
PASSIVO: Parte negativa, composta de obrigações. Representa as origens de recursos de terceiros.

ATIVO PASSIVO

Parte negativa

Parte positiva

7
PATRIMÔNIO LÍQUIDO
É a diferença positiva verificada entre o Ativo Real (Bens e Direitos) e o Passivo Real (Obrigações). Representa
as origens de recursos próprios.

Formado pelo capital social, reservas, fundos, provisões e lucros é também denominado Passivo Fictício. Os
valores referentes a cada elemento estão aplicados no Ativo (Fixo ou Circulante) e constituem uma
“obrigação” da empresa para com os sócios. Daí a denominação Passivo Fictício.

Representação gráfica do Patrimônio:

ATIVO PASSIVO

Bens 2.000 Obrigações 1.000

Direitos 1.500 Patrimônio Líquido 2.500


TOTAL 3.500 TOTAL 3.500

SITUAÇÕES PATRIMONIAIS:

Situação favorável
ATIVO PASSIVO
Bens 4.000 Obrigações 2.000

Direitos 3.000 PL 5.000


TOTAL 7.000 TOTAL 7.000

Situação Desfavorável (Passivo a Descoberto)


ATIVO PASSIVO
Bens 4.000 Obrigações 8.000

Direitos 3.000 PL (1.000)


TOTAL 7.000 TOTAL 7.000

Situação Nula
ATIVO PASSIVO
Bens 4.000 Obrigações 7.000

Direitos 3.000 PL
TOTAL 7.000 TOTAL 7.000

Situação Plena (Propriedade total dos ativos)


ATIVO PASSIVO
Bens 4.000 Obrigações

Direitos 3.000 PL 7.000


TOTAL 7.000 TOTAL 7.000

ATIVO PASSIVO

Recursos de
Aplicação de Obrigações Terceiros
Recursos Fontes de
Bens e
(investimentos) Recursos
(financiamentos)
Direitos
Patrimônio Recursos
Líquido próprios

8
CAPITAL SOCIAL
CAPITAL SOCIAL é o conjunto de recursos próprios, mediante o qual a empresa adquire condições para
iniciar e gerir suas atividades.

Tem sua origem fora da empresa, através da participação financeira de cada sócio ou, dentro da empresa,
através da incorporação das reservas, lucros, provisões, etc.
Exemplo: João e José desejam abrir uma loja. João entrará com R$ 6.000 e José com R$ 5.000. Neste caso,
o Capital Social é de R$ 11.000.

É a parcela escolhida pelo sócio e que corresponde à sua participação na formação do capital social.
Representa o compromisso que o sócio assumiu (através de um contrato) , perante a empresa, que em
determinada época, passará para a empresa, bens ou direitos, para que esta possa desenvolver suas atividades.
CAPITAL SUBSCRITO

Vimos que o capital social é o conjunto de Valores que permitem à empresa iniciar e gerir suas atividades.
Do capital inicial, que é a parte do capital social, cuja origem é fora da empresa, podem participar vários
sócios. Cada sócio, por ocasião da elaboração do contrato social, escolherá, dentro de suas possibilidades, o
valor com o qual vai participar. O valor é, pois, o que denominamos Capital Subscrito.
Tomemos como exemplo uma empresa cujo capital social é de R$ 6.000,00, assim constituído:
Sócio A .............................................$ 3.000,00
Sócio B .............................................$ 1.800,00
Sócio C .............................................$ 1.200,00

Diz-se que o sócio A subscreveu $ 3.000,00 do capital social; o sócio B subscreveu $ 1.800,00; e o sócio C
subscreveu $ 1.200,00.

A = $ 3.000
B = $ 1.800
C = $ 1.200
CAPITAL INTEGRALIZADO
Quando os sócios subscrevem o capital, elaboram um documento, o Contrato Social. Este contém, além de
outros dados, o valor com que cada um deles participa na formação do capital da sociedade ou empresa. Uma
vez assinado o Contrato Social e devidamente registrado nos órgãos competentes, o Capital Subscrito passa a
ser dívida líquida e certa dos sócios para com a empresa. Essa dívida poderá ser liquidada no momento da
assinatura do contrato, à vista ou parceladamente, conforme determine o próprio Contrato Social.

Ao ato de liquidar ou pagar o Capital Subscrito denominamos INTEGRALIZAÇÃO DE CAPITAL.

Portanto:
Voltando ao exemplo do Capital Subscrito:
CAPITAL INTEGRALIZADO é a parte ou o total do Capital Subscrito que já foi pago ou liquidado pelos
sócios.

Sócio A ......................................$ 3.000


Sócio B .......................................$ 1.800
Sócio C........................................$ 1.200

Os sócios A e B liquidaram ou pagaram suas partes. O sócio C, entretanto, liquidou apenas $ 600,00. Então, o
Capital Integralizado dessa empresa é, até o presente momento, de $ 5.400,00.

CAPITAL PRÓPRIO
CAPITAL PRÓPRIO é a parte do capital que pertence exclusivamente à empresa, não podendo ser exigido por
terceiros, salvo em casos muito especiais. Os capitais próprios representam o patrimônio líquido.
9
O Capital Próprio tem sua origem fora da empresa, através da dotação financeira de cada sócio, para formação
do capital social; ou, dentro da própria empresa, através da destinação de parte do lucro obtido para formação
das reservas, fundos e provisões.

CAPITAL ALHEIO OU DE TERCEIROS


CAPITAL ALHEIO OU DE TERCEIROS são os valores ou capitais pertencentes a outras pessoas, aplicados na
empresa. Corresponde à parte do patrimônio que a empresa deve para terceiros.

Compra de mercadorias ou outros bens efetuados a prazo, empréstimos obtidos junto a instituições financeiras,
retenções de contribuições previdenciárias são exemplos típicos de capitais alheios. Estes capitais alheios
poderão ser exigidos pelos respectivos credores por ocasião do vencimento dos títulos representativos das
obrigações correspondentes.

ATIVO PASSIVO

Aqui estão os Capitais de


investimentos Obrigações terceiros
Fontes de
Bens e
Recursos
(financiamentos)
Direitos
Patrimônio Capitais
Líquido próprios

Exemplo:
Vamos admitir que uma pessoa não possua nada de bens, nem direitos ou obrigações. Portanto se
visualizássemos seu patrimônio ele seria assim: (Uma foto em determinado momento)

ATIVO PASSIVO

Continuando, vamos admitir que essa pessoa foi até o Banco e tomou emprestado R$5.000,00, para pagar
daqui a um mês. Se tirássemos outra foto do patrimônio dessa pessoa, veríamos o seguinte:

ATIVO PASSIVO
Dinheiro R$ 5.000,00 Dívida R$ 5.000,00
Capitais de
terceiros
Fontes de
Recursos
(financiamentos)
Patrimônio
Líquido = R$.0,0 Capitais
próprios

Se esta pessoa comprasse a vista um veículo por R$.2.000,00 e logo após isso, tirássemos outra foto do seu
patrimônio, veríamos:

10
ATIVO PASSIVO
Dinheiro R$ 3.000,00 Dívida R$ 5.000,00
Capitais de
Veículo R$ 2.000,00 terceiros
Fontes de
Recursos
(financiamentos)
Patrimônio
Líquido = R$.0,0 Capitais
próprios

Continuando, vamos admitir que esta pessoa venda agora o seu veículo por R$.2.700,00, para receber daqui a
dois meses. Após este fato, se tirássemos outra foto do patrimônio, teríamos:

ATIVO PASSIVO
Dinheiro R$ 3.000,00 Dívida R$ 5.000,00
Capitais de
Conta a receber R$ terceiros
2.700,00 Fontes de
Recursos
(financiamentos)
Patrimônio
Líquido = R$.700,00 Capitais
próprios
TOTAL 5.700,00 TOTAL 5.700,00

Agora existe um PL de R$.700,00, ou seja, R$.5.700,00 (de bens + direitos) – R$.5.000,00 (de obrigações). O
total de bens e direitos (R$.5.700,00) foram adquiridos com R$.5.000,00 (capital de terceiros) e R$.700,00
(capital próprio). Portanto, pelo exemplo acima, como o próprio nome indica, capital próprio é aquela parcela
de bens e direitos que realmente pertencem a empresa, embora seja quase impossível associar os capitais
próprios ou de terceiros aos bens e direitos.

EXERCÍCIO
1. Em janeiro de 2003, uma empresa foi constituída com o Capital Social de R$ 800.000,00, sendo
integralizados no ato 80% em moeda corrente nacional e 10% em máquinas e equipamentos. Em
fevereiro de 2003, a empresa adquiriu, a prazo, mercadoria para revenda no valor de R$ 600.000,00 e
vendeu 50% do estoque pelo valor de R$ 400.000,00, com vencimento em março de 2003, não
ocorrendo incidência tributária. Sem outra movimentação os valores do Patrimônio Líquido no final de
janeiro e fevereiro de 2003, repectivamente, são de R$.________________________ e
R$.______________________.

2. Dados:
Bens numerários R$ 30.000,00
Bens de venda R$ 15.000,00
Bens de uso R$ 20.000,00
Dívidas R$ 15.000,00
Capital Social R$ 25.000,00
Receitas do período R$ 38.000,00
Despesas do período R$ 13.000,00

A situação acima demonstra que o Patrimônio Líquido tem o valor de R$.____________________.

3. Identifique as contas abaixo com A = Ativo , PE = Passivo Exigível e PL = Patrimônio Líquido:

( ) 01 - Salários a pagar ( ) 02 - Aplicações Financeiras - liquidez imediata


( ) 03 - Dinheiro em bancos ( ) 04 - FGTS a recolher
( ) 05 - Ações de outras cias ( ) 06 - Impostos a recuperar
( ) 07 - IR a pagar ( ) 08 - Impostos a Recolher
( ) 09 - Estoque de mercadorias ( ) 10 - Capital Social

11
( ) 11 - Máquina de café ( ) 12 - Provisão para férias (férias a pagar)
( ) 13 - Veículos ( ) 14 - Máquina registradora
( ) 15 - Terrenos ( ) 16 - Matéria prima
( ) 17 - Duplicatas a pagar ( ) 18 - Participações em Controladas
( ) 19 - Empréstimos Bancários obtidos ( ) 20 - Lucros Acumulados
( ) 21 - Empréstimos concedidos ( ) 22 - Financiamentos a pagar
( ) 23 - Encargos sociais a pagar ( ) 24 - Fornecedores
( ) 25 - Títulos a receber ( ) 26 - Provisão para 13º salário (13º a pagar)
( ) 27 - Títulos a pagar ( ) 28 - Obras de Arte
( ) 29 - Títulos da Dívida Pública ( ) 30 - Produtos Acabados
( ) 31 - Marcas e Patentes ( ) 32 - Adiantamentos a Pessoal
( ) 33 - Comissões a pagar ( ) 34 - Instalações
( ) 35 - Equipamentos ( ) 36 - Seguros a pagar
( ) 37 - Caderneta de Poupança ( ) 38 - Seguros a receber
( ) 39 - Móveis e Utensílios ( ) 40 - Casa
( ) 41 - Material de consumo ( ) 42 - Empréstimos aos sócios
( ) 43 - Títulos e Valores Mobiliários ( ) 44 - Dividendos a pagar
( ) 45 - Seguros a apropriar ( ) 46 - Provisão para IR (IR a pagar)
( ) 47 – Despesas antecipadas ( ) 48 - Mercadorias em Trânsito
( ) 49 - Clientes ( ) 50 - Empréstimos compulsórios sobre combustíveis

EXERCÍCIO

Subscrição e Integralização de capital em dinheiro: R$ 20.000,00


ATIVO PASSIVO

PATR.LÍQUIDO

TOTAL TOTAL

Compra a vista de um veículo R$. 8.000,00


ATIVO PASSIVO

PATR.LÍQUIDO

TOTAL TOTAL

Compra a prazo de um Imóvel, dando em garantia um nota promissória R$. 5.000,00


ATIVO PASSIVO

PATR.LÍQUIDO

TOTAL TOTAL

Pagamento de parte da nota promissória R$. 2.000,00


ATIVO PASSIVO

PATR.LÍQUIDO

TOTAL TOTAL

Venda a vista do veículo R$. 8.000,00


ATIVO PASSIVO

PATR.LÍQUIDO

12
TOTAL TOTAL

Depósito em conta corrente do dinheiro em caixa R$. 1.000,00


ATIVO PASSIVO

PATR.LÍQUIDO

TOTAL TOTAL

FUNÇÃO ECONÔMICA DA CONTABILIDADE: Apurar resultado (rédito)

Resultado: Diferença entre o valor das receitas e o valor das despesas. O Resultado pode ser:

POSITIVO (Lucro) (Receitas > Despesas)


NEGATIVO (Prejuízo) (Receitas < Despesas)
NULO (Receitas = Despesas)

RECEITAS: São entradas de elementos para o Ativo da empresa, na forma de bens ou direitos que sempre
provocam um aumento no Patrimônio Líquido
GASTO: Sacrifício financeiro efetuado para obtenção de um bem ou serviço, sacrifício este representado pela
entrega de ativos ou a simples promessa de entrega.
CUSTO: Gasto com um bem ou serviço para obter um outro bem ou serviço;
DESPESAS: Gastos incorridos para, direta ou indiretamente, gerar receitas. São bens ou serviços consumidos
direta ou indiretamente para obter receitas.
PERDAS: São bens ou serviços consumidos de forma anormal e involuntária.

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS
Você se lembra de que o patrimônio de uma empresa se forma a partir do capital, cuja dotação é feita pelo seu
proprietário e/ou sócios.

Nesta unidade, você verá que este patrimônio pode ou não sofrer variações. A atividade econômica
desenvolvida em qualquer entidade traz variações a seu patrimônio, que devem ser registradas pela
Contabilidade. Assim, ela poderá estudar e controlar esse patrimônio com o objetivo de fornecer informações
sobre a composição patrimonial e as variações ocorridas em determinado período.
Então:

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS são alterações sofridas pelo patrimônio durante a gestão comercial ou industrial.

É bom esclarecer que alguns fenômenos não afetam a estrutura do patrimônio nem provocam nele qualquer
alteração.

Exemplos:
A Empresa MORATO admitiu para seu quadro de funcionários uma nova secretária. Este acontecimento
provocará um ato administrativo: admissão de funcionário.

Mas, ao pagar o salário a essa funcionária, o patrimônio vai sofrer alterações: saída de dinheiro.

Outros exemplos: Se essa mesma empresa efetuar uma compra ou uma venda, também poderá haver alteração
de seu patrimônio: ela contraiu uma dívida ou adquiriu um direito. Estes são FATOS CONTÁBEIS.
Então:

FATOS CONTÁBEIS são fenômenos que provocam alterações no patrimônio.

13
ATOS E FATOS

Atos Administrativos: são os que não provocam alterações nos elementos do Patrimônio. (Ex: datilografar
cartas, telefonar, etc.)

Fatos Contábeis (Administrativos): São os que provocam alterações nos elementos do Patrimônio. (Comprar
mercadorias, Pagar conta telefônica, Vender Imóveis, etc).

Os fatos contábeis, podem ser:


- Permutativos:
- Modificativos: aumentativos ou diminutivos;
- Mistos (ou Compostos): aumentativos ou diminutivos.
Permutativos: São os que não provocam alterações no Patrimônio Líquido, mas modificam os elementos da
composição do Patrimônio .

Situação Inicial:

ATIVO PASSIVO

Total dos bens


e direitos: $ Dinheiro $ 5.000
5.000
PL $ 5.000
Total do PL: 5.000

Fato: Compra a vista de um veículo por $ 1.000

ATIVO PASSIVO

Total dos bens


e direitos: $ Dinheiro $ 4.000
5.000 Veículo $ 1.000
PL $ 5.000
Total do PL: 5.000
(não houve alteração)

Fato: Compra a prazo de um Imóvel por $ 2.000, mediante emissão de uma nota promissória.

ATIVO PASSIVO

N.Promissória $ 2.000 Obrigações: $ 2.000


Total dos bens
e direitos: $ Dinheiro $ 4.000
7.000 Veículo $ 1.000
Imóvel $ 2.000 PL $ 5.000
Total do PL: 5.000
(não houve alteração)

14
Modificativos Aumentativos: São os que provocam alterações no Patrimônio Líquido, aumentando-o.

Fato: Recebimento de aluguel, referente ao imóvel $ 200

ATIVO PASSIVO

Obrigações: $ 2.000
N.Promissória $ 2.000
Total dos bens
e direitos: $ Dinheiro $ 4.200
7.200 Veículo $ 1.000
Imóvel $ 2.000 PL $ 5.200 Total do PL: 5.200
(houve alteração,
aumentando-o em
$200)

Modificativos Diminutivos: São os que provocam alterações no Patrimônio Líquido, diminuindo-o.


Fato: Pagamento do IPVA do veículo $ 120

ATIVO PASSIVO

N.Promissória $ 2.000 Obrigações: 2.000


Total dos bens
e direitos: $ Dinheiro $ 4.080
7.080 Veículo $ 1.000
Imóvel $ 2.000 PL $ 5.080
Total do PL: 5.080
(alteração diminuindo-o
em $ 120)

Mistos: São os que combinam fatos permutativos com fatos modificativos.


Podem ser:
- Misto aumentativo
- Misto diminutivo

Misto aumentativo:

Fato: Venda do veículo por $ 1.500

ATIVO PASSIVO

N.Promissória $ 2.000 Obrigações: $ 2.000


Total dos bens
e direitos: $ Dinheiro $ 5.580
7.580
Imóvel $ 2.000 PL $ 5.580
Total do PL: 5.580
( houve alteração)

Atenção: Houve alteração no PL no valor de $ 500 (aumentando-o) e houve


troca no ativo de veículo por dinheiro. Observe que houve uma troca 15
(permuta) de um bem (veículo no valor $ 1.000) por um outro bem (dinheiro
no valor de $1.500), portanto uma permuta que aumentou o PL
Misto diminutivo:
Fato: Pagamento da nota promissória com juros de $ 100

ATIVO PASSIVO

Obrigações: $ 0
Total dos bens
e direitos: $ Dinheiro $ 3.480
5.480
Imóvel $ 2.000 PL $ 5.480
Total do PL: 5.480
( houve alteração)

Atenção: Houve alteração no PL no valor de $ 100 (diminuindo-o)


e houve troca ente o ativo e o passivo (trocou-se dinheiro pela
extinção de uma obrigação). Observe que houve uma troca
(permuta) de um bem (dinheiro $ 2.100) pela extinção de uma
obrigação (N.promissória no valor de $2.000), portanto uma
permuta que diminuiu o PL EXERCÍCIO

Relacione as colunas abaixo:

1 – Fato Permutativo;
2 – Fato Modificativo;
3 – Fato Misto.

( ) Pagamento de Duplicatas com desconto;


( ) Compra de Móveis e Utensílios a prazo;
( ) Recebimento, em dinheiro, de duplicatas com juros;
( ) pagamento de despesas de telefone;
( ) compra de mercadorias, sendo 40% à vista e o restante a prazo.
( ) Recebimento, em dinheiro, de Duplicatas com desconto;
( ) Pagamento de despesas de aluguéis;
( ) Recebimento de Receitas de Aluguel em dinheiro.

Assinale no quadro abaixo as variações decorrentes dos seguintes fatos :

1. Formação de sociedade com entrega do dinheiro para depósito em banco em nome da empresa.
2. Compra um veículo à vista.
3. Compra Imóvel , pagando uma entrada e assinando notas promissórias correspondente ao restante.
4. Compra um arquivo a prazo.
5. Pagamento de uma nota promissória referente à compra do imóvel.
6. Compra gasolina para pagamento posterior.
7. Obtenção de um empréstimo bancário.
8. Prestação de serviços à vista.
9. Prestação de serviços a prazo.
10. Prestação de serviços recebendo apenas 50% do valor.
11. Pagamento dos funcionários que prestaram os serviços.(obrigação já registrada)
12. Pagamento das contas referentes à compra de gasolina.
13. Sócios resolvem aumentar o capital da firma em dinheiro, que é depositado em nome da firma.
14. Pagamento de parte do empréstimo acrescido de juros.
15. Aplicação financeira de parte do saldo existente em conta corrente.
16
16. Pagamento do aluguel do imóvel referente ao período em curso.
17. Pagamento do aluguel de um equipamento que será utilizado no próximo período.
18. Pagamento do aluguel de um veículo utilizado no período anterior.( já registrado como obrigação)
19. Resgate da aplicação financeira com rendimentos.
20. Compra material de consumo para estoque , pagando no momento apenas uma entrada.
21. Utiliza parte do material de consumo para realização de serviços

Item ATIVO PASSIVO EXIGÍVEL PATR.LÍQUIDO FATO CONTÁBIL


01 + Sem variação + MOD +
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21

01-EMPRÉSTIMO EFETUADO JUNTO AO BANCO Y R$.5.000,00 02- SUBSCRIÇÃO E INTEGRALIZAÇÃO DO CAPITAL EM DINHEIRO
R$.50.000,00

ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO


Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar
Títulos a Receber Empréstimos a Pagar Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO....
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

03-COMPRA A VISTA DE IMÓVEIS R$.15000,00 04-COMPRA À PRAZO DE VEÍCULOS R$.10.000,00


ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar
Títulos a Receber Empréstimos a Pagar Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

05-COMPRA A VISTA DE MERCADORIAS P/REVENDA (5 MESAS) 06-PAGAMENTO DE UMA DUPLICATA R$.10.000,00


R$.10.000,00
ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar

17
Títulos a Receber Empréstimos a Pagar Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

07-VENDA A PRAZO DE IMÓVEIS R$.15.000,00 08-EMPRÉSTIMO EFETUADO JUNTO AO BANCO DO BRASIL R$.5.000,00
ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar
Títulos a Receber Empréstimos a Pagar Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

09-RECEBIMENTO PARCIAL DE UM TÍTULO R$.10.000,00 10-VENDA DE VEÍCULOS A VISTA R$.10.000,00


ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar
Títulos a Receber Empréstimos a Pagar Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

1-PAGAMENTO DE ALUGUEL 12-PAGAMENTO DE SALÁRIOS R$.1.500,00


R$.1.000,00
ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar
Títulos a Receber Empréstimos a Pagar Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

13-VENDA À VISTA DE 02 MESAS POR R$ 7.000,00 (ELAS CUSTARAM 14-COMPRA A VISTA DE MATERIAL DE LIMPEZA PARA USO FUTURO
4.000,00) R$.2.000,00
ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar
Títulos a Receber Empréstimos a Pagar Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

15-UTILIZAÇÃO DE METADE DOS MATERIAIS DE LIMPEZA 16-COMPRA A VISTA DE VEÍCULOS R$ 6.000,00


ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar
Títulos a Receber Empréstimos a Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Pagar

18
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO....
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

17-VENDA A VISTA DE VEÍCULOS R$ 6.500,00 18-PAGAMENTO TOTAL DE EMPRÉSTIMOS C/JUROS (VALOR DOS JUROS
R$ 900.00)
ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar
Títulos a Receber Empréstimos a Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO
‘ Capital Social Capital Social

Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

19-RECEBIMENTO DE TITULOS C/JUROS (VALOR DOS JUROS R$ 1.500,00) 20-AUMENTO DE CAPITAL INTEGRALIZADO EM VEÍCULOS R$ 8.000,00
ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar
Títulos a Receber Empréstimos a Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

21-O FUNCIONÁRIO TRABALHOU DURANTE O MÊS JUNHO E GANHARIA R$ 22-A EMPRESA UTILIZOU O RESTANTE DOS MATERIAIS DE
1.200,00, PORÉM A EMPRESA NÃO EFETUOU O PAGAMENTO LIMPEZA
ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar
Títulos a Receber Empréstimos a Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

23-PAGAMENTO DE SALÁRIOS (já registrado como despesa) 24-TROCA DOS VEÍCULOS POR UM PRÉDIO COMERCIAL
ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar
Títulos a Receber Empréstimos a Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

25-A EMPRESA EMPRESTOU R$ 20.000,00 A UMA OUTRA EMPRESA 26-RECEBIMENTO PARCIAL DE EMPRÉSTIMO R$ 10.000,00
ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO
Caixa Dupl.a Pagar Caixa Dupl.a Pagar

19
Títulos a Receber Empréstimos a Títulos a Receber Empréstimos a Pagar
Pagar
Estoque Mercadorias Salários a Pagar Estoque Mercadorias Salários a Pagar
Estoque Mat.Limpeza Estoque Mat.Limpeza
Imóveis Imóveis
Veículos PATR.LÍQUIDO Veículos PATR.LÍQUIDO
Capital Social Capital Social
Receitas/Ganhos Receitas/Ganhos
Despesas/Perdas Despesas/Perdas
TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL
ELABORE O PATRIMÔNIO DAS EMPRESAS (A, B e C) ABAIXO, IDENTIFIQUE A SITUAÇÃO E A
EQUAÇÃO PATRIMONIAL

Exemplo:
Empresa X:
Dinheiro em Caixa 5.000,00
Veículo 6.000,00
Contas a pagar 1.000,00

BALANÇO PATRIMONIAL DA EMPRESA “X”


ATIVO PASSIVO
Dinheiro em caixa 5.000,00 Contas a Pagar 1.000,00
Veículo 6.000,00
PL
(11.000,00 – 1.000,00) 10.000,00
TOTAL 11.000,00 TOTAL 11.000,00

Situação Favorável: A( Ativo) > PE (Passivo Exigível)


Equação: A = PE + PL
11.000,00 = 1.000,00 + 10.000,00
Empresa A:
Aplicações em fundos de curto prazo 2.600,00
Dinheiro em Bancos 800,00
Máquinas 600,00
Veículos 800,00
Contas a Pagar 600,00
Impostos a Pagar 1.000,00

Empresa B:
Duplicatas a receber 800,00
Aplicações em RDB 400,00
Dinheiro 200,00
Imóveis 600,00
Cafezais 800,00
Duplicatas a Pagar 1.400,00
Impostos a recolher 1.400,00

Empresa C:
Caixa e Bancos 800,00
Contas a receber 400,00
Mercadorias em Estoque 400,00
Máquinas 600,00
Pomares 400,00
Fornecedores 1.800,00
Obrigações a Pagar 400,00
Contas a Pagar 200,00
Empréstimos a Pagar 600,00

BALANÇO PATRIMONIAL DA EMPRESA “A”


ATIVO PASSIVO

20
PL

TOTAL TOTAL

Situação:____________________________

Equação:____________________________

BALANÇO PATRIMONIAL DA EMPRESA “B”


ATIVO PASSIVO

PL

TOTAL TOTAL

Situação:____________________________

Equação:____________________________

BALANÇO PATRIMONIAL DA EMPRESA “C”


ATIVO PASSIVO

PL

TOTAL TOTAL

Situação:____________________________

Equação:____________________________

EXERCÍCIO

1) A Floricultura Flores do Sol Ltda. iniciou suas atividades em 2 de janeiro de X1.

a) Demonstrar o Patrimônio da empresa, após cada uma das operações;


b) Identificar a equação patrimonial
c) Identificar a situação patrimonial
d) Classificar o fato contábil que representa.

21
Fatos:

1) Integralização do Capital Social em dinheiro $ 150,00


2) Comprou flores e sementes de JL Ltda., pagando $ 48,00 à vista;
3) Comprou plantas e vasos de KM Ltda., à vista, pagando $ 18,00
4) Comprou flores naturais de YK Ltda., a prazo, aceitando uma duplicata no valor de $ 42,00
5) Vendeu, à vista, dois pacotes de sementes, por $ 36,00. Esses pacotes custaram $ 24,00
6) Pagou a Antonio Santos, despesas de entrega no valor de $ 6,00
7) Comprou Móveis e Utensílios, à vista, no valor de $ 60,00
8) Pagou parte da dívida assumida com a empresa YK Ltda., no valor de $ 12,00.

FATO NÚMERO 1
ATIVO PASSIVO

PL

TOTAL TOTAL

Situação:____________________________

Fato:_______________________________

Equação:____________________________

FATO NÚMERO 2
ATIVO PASSIVO

PL

TOTAL TOTAL

Situação:____________________________

Fato:_______________________________

Equação:____________________________

FATO NÚMERO 3
ATIVO PASSIVO

22
PL

TOTAL TOTAL

Situação:____________________________

Fato:_______________________________

Equação:____________________________

FATO NÚMERO 4
ATIVO PASSIVO

PL

TOTAL TOTAL

Situação:____________________________

Fato:_______________________________

Equação:____________________________

FATO NÚMERO 5
ATIVO PASSIVO

PL

TOTAL TOTAL

Situação:____________________________

Fato:_______________________________

Equação:____________________________

FATO NÚMERO 6
ATIVO PASSIVO

23
PL

TOTAL TOTAL

Situação:____________________________

Fato:_______________________________

Equação:____________________________

FATO NÚMERO 7
ATIVO PASSIVO

PL

TOTAL TOTAL

Situação:____________________________

Fato:_______________________________

Equação:____________________________

FATO NÚMERO 8
ATIVO PASSIVO

PL

TOTAL TOTAL

Situação:____________________________

Fato:_______________________________

Equação:____________________________

2) Caso o Passivo Exigível de uma empresa seja de $ 19.650,00 e o Patrimônio Líquido de $ 9.850,00, o valor
de seu Capital Próprio será de _____________________________

3) A firma ABC foi registrada e obteve: $ 500,00 dos sócios, na forma de Capital; $ 300,00 de terceiros, na
forma de empréstimos e $ 150,00 de terceiros na forma de rendimentos. Aplicou esses recursos, sendo: $
450,00 em bens para revender; $ 180,00 em caderneta de poupança; $ 240,00 em empréstimos concedidos; e
o restante em despesas. Com essa gestão, pode-se afirmar que a empresa ainda tem um patrimônio bruto e
um patrimônio líquido, respectivamente , de ________________________ e _______________________.

4) Identifique a operação (FATO) ocorrida entre um ano e outro:


24
ATIVO Ano1 Ano2 PASSIVO Ano1 Ano2
Caixa 200 320 Fornecedores 400 400
Clientes 0 40
Mercadorias 800 600 Patrimônio Líquido
Máquinas 400 400 Capital 1.000 1.000
Prejuízo 0 (40)
TOTAL 1.400 1.360 TOTAL 1.400 1.360

OPERAÇÃO:______________________________________________________________________________

5) Explicar as transações ocorridas para justificar as situações patrimoniais abaixo:

ATIVO PASSIVO EXIGÍVEL PATRIMÔNIO LÍQUIDO


Dinheiro 15.000 Empréstimos Capital 10 .000
Bancários 5.000
TOTAL 15.000 TOTAL 5.000 TOTAL 10.000
Dinheiro 13.000 Empréstimos
Empréstimos Bancários 5.000 Capital 10.000 1
a empregados 2.000
TOTAL 15.000 TOTAL 5.000 TOTAL 10.000
Dinheiro 8.000 Empréstimos Capital 10.000
Empréstimos Bancários 5.000
A empregados
Veículos
2.000
5.000
Contas a pagar 3.000 2
Mercadorias 3.000
TOTAL 18.000 TOTAL 8.000 TOTAL 10.000
Dinheiro 14.000 Empréstimos Capital 16.000
Empréstimos Bancários 5.000 Receita 1.000 3
A empregados 2.000 Contas a pagar 3.000
Veículos 5.000
Mercadorias 3.000
Contas a receber 1.000
TOTAL 25.000 TOTAL 8.000 TOTAL 17.000
Dinheiro 7.000 Contas a pagar 1.000 Capital 16.000
Empréstimos
a empregados 1.000
Receita
Despesas
1.000
(1.000)
4
Veículos 5.000
Mercadorias 3.000
Contas a receber 1.000
TOTAL 17.000 TOTAL 1.000 TOTAL 16.000
Dinheiro
Veículos
9.000
5.000
Contas a pagar
Fornecedores
1.000
2.000
Capital
Receita
16.000
1.000
5
Mercadoria 5.000 Despesas (1.000)
TOTAL 19.000 TOTAL 3.000 TOTAL 16.000

1)- a)- __________________________________________________________________________

2)- a)- __________________________________________________________________________

b)- __________________________________________________________________________

3)- a)- __________________________________________________________________________

b)- __________________________________________________________________________

4)- a)- __________________________________________________________________________

25
b)- __________________________________________________________________________

c)- __________________________________________________________________________

d)- __________________________________________________________________________

5)- a)-__________________________________________________________________________

b)- __________________________________________________________________________

c)____________________________________________________________________________

6) Classifique os fatos contábeis:

1. Venda de mercadorias, com 10% de margem de lucro, recebendo apenas 40%.


2. Prestação de serviços, recebendo 30% à vista, 20% a prazo e o restante já havia sido recebido.
3. Pagamento de prestação de consórcio do período.
4. Recebimento do veículo, adquirido através de consórcio, do qual já havia quitado 40% do valor .
5. Pagamento de 40% do Prêmio de Seguro anual, contratado neste momento, apropriando a despesa mensal.
6. Fabricação de produtos que consumiram: matéria prima existente em estoque , mão de obra não paga e
outros custos pagos no período .
7. Resgate de aplicação financeira com rendimento de 20% e retenção de IR de 10% sobre o rendimento .
8. Aumento de Capital utilizando parte das Reservas de Capital .
9. Pagamento de duplicatas com desconto.

1)- 6)-
2)- 7)-
3)- 8)-
4)- 9)-
5)-

TÉCNICAS CONTÁBEIS

Conjunto de procedimentos utilizados pela contabilidade para registrar ou levantar os fatos contábeis:

As principais técnicas contábeis são:

a) Escrituração;
b) Demonstrações Contábeis ou Financeiras;
c) Análise das Demonstrações Contábeis ou Financeiras;
d) Auditoria.

ESCRITURAÇÃO

É a técnica contábil utilizada para registro dos fatos administrativos (contábeis) ocorridos na entidade. O
registro de cada fato chama-se lançamento. Os lançamentos são efetuados nos livros contábeis tais
como: O Livro diário, o Livro Razão, etc. A escrituração pode, então ser definida como um conjunto de
lançamentos.

PROCESSO CONTÁBIL

DOCUMENTOS

DIÁRIO

RAZÃO

26
BALANCETE DE
VERIFICAÇÃO

Balanço Demonstração do Demonstração de Lucro ou


Resultado Prejuízos Acumulados

Processos de Escrituração
a) Manual (manuscrita)
b) Semi-mecanizada (efetuada por máquina de escrever)
c) Mecanizada (Máquina de contabilidade apropriada ao processo)
d) Eletrônica (computadores)
Livros Contábeis:
- Livro Razão
- Livro Diário

Livros Fiscais:
- Livro Registro de entradas, Livro Registro de Saídas, Livro Registro de Apuração do ICMS, Livro
Registro do Inventário, etc.

ESCRITURAÇÃO DO LIVRO DIÁRIO

O Livro Diário é o livro obrigatório pelo Código Comercial, estando sujeito a certas formalidades quanto a sua
apresentação e registros.

Formalidades Extrínsecas (Externas): correspondem à apresentação material do livro.


Exemplo:
- livro encadernado com costura, com as páginas numeradas mecanicamente;
- possuir termos de abertura e encerramento lavrados por ocasião do seu registro;
- registrado na repartição competente: Junta Comercial para empresas comerciais e Cartório de Registro e
documentos para empresas civis;
- estar rubricado, em todas as páginas, por funcionário da Junta Comercial ou do Cartório.

Formalidades Intrínsecas (Internas)

- os registros devem ser efetuados sem rasuras, borrões ou emendas;


- não pode conter registro nas entrelinhas e nas margens;
- deve obedecer à rigorosa ordem cronológica;
- a escrituração deve obedecer um método uniforme (plano de contas).

RESOLUÇÃO CFC Nº 1330/11


DE 18 DE MARÇO DE 2011
APROVA A ITG 2000 - ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL.

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, e


com fundamento no disposto na alínea “f” do art. 6º do Decreto-Lei n.º 9.295/46, alterado pela Lei n.º
12.249/10,

RESOLVE:

Art. 1º. Aprovar a ITG 2000 – Escrituração Contábil.

Art. 2º. Revogar as Resoluções CFC n.ºs 563/83, 596/85, 597/85, 612/85, 684/90, 685/90, 790/95, 848/99 e
1.115/07, publicadas no D.O.U., Seção 1, de 30/12/83, 29/7/85, 29/7/85, 21/1/86, 27/8/91, 27/8/91, 18/12/95,
12/7/99 e 19/12/07, respectivamente.

Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 18 de março de 2011.

27
Contador Juarez Domingues Carneiro
Presidente

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

ITG 2000 – ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL


Objetivo

1. Esta Interpretação estabelece critérios e procedimentos a serem adotados pela entidade para a escrituração
contábil de seus fatos patrimoniais, por meio de qualquer processo, bem como a guarda e a manutenção da
documentação e de arquivos contábeis e a responsabilidade do profissional da contabilidade.

Alcance

2. Esta Interpretação deve ser adotada por todas as entidades, independente da natureza e do porte, na
elaboração da escrituração contábil, observadas as exigências da legislação e de outras normas aplicáveis, se
houver.

Formalidades da escrituração contábil

3. A escrituração contábil deve ser realizada com observância aos Princípios de Contabilidade.

4. O nível de detalhamento da escrituração contábil deve estar alinhado às necessidades de informação de seus
usuários. Nesse sentido, esta Interpretação não estabelece o nível de detalhe ou mesmo sugere um plano de
contas a ser observado. O detalhamento dos registros contábeis é diretamente proporcional à complexidade das
operações da entidade e dos requisitos de informação a ela aplicáveis e, exceto nos casos em que uma
autoridade reguladora assim o requeira, não devem necessariamente observar um padrão pré-definido.

5. A escrituração contábil deve ser executada:

a) em idioma e em moeda corrente nacionais;


b) em forma contábil;
c) em ordem cronológica de dia, mês e ano;
d) com ausência de espaços em branco, entrelinhas, borrões, rasuras ou emendas; e
e) com base em documentos de origem externa ou interna ou, na sua falta, em elementos que comprovem ou
evidenciem fatos contábeis.

6. A escrituração em forma contábil de que trata o item 5 deve conter, no mínimo:

a) data do registro contábil, ou seja, a data em que o fato contábil ocorreu;


b) conta devedora;
c) conta credora;
d) histórico que represente a essência econômica da transação ou o código de histórico padronizado, neste caso
baseado em tabela auxiliar inclusa em livro próprio;
e) valor do registro contábil;
f) informação que permita identificar, de forma unívoca, todos os registros que integram um mesmo lançamento
contábil.

7. O registro contábil deve conter o número de identificação do lançamento em ordem sequencial relacionado ao
respectivo documento de origem externa ou interna ou, na sua falta, em elementos que comprovem ou
evidenciem fatos contábeis.

8. A terminologia utilizada no registro contábil deve expressar a essência econômica da transação.

9. Os livros contábeis obrigatórios, entre eles o Livro Diário e o Livro Razão, em forma não digital, devem
revestir-se de formalidades extrínsecas, tais como:

28
a) serem encadernados;

b) terem suas folhas numeradas sequencialmente;


c) conterem termo de abertura e de encerramento assinados pelo titular ou representante legal da entidade e pelo
profissional da contabilidade regularmente habilitado no Conselho Regional de Contabilidade.

10. Os livros contábeis obrigatórios, entre eles o Livro Diário e o Livro Razão, em forma digital, devem
revestir-se de formalidades extrínsecas, tais como:

a) serem assinados digitalmente pela entidade e pelo profissional da contabilidade regularmente habilitado;
b) serem autenticados no registro público competente.

11. Admite-se o uso de códigos e/ou abreviaturas, nos históricos dos lançamentos, desde que permanentes e
uniformes, devendo constar o significado dos códigos e/ou abreviaturas no Livro Diário ou em registro especial
revestido das formalidades extrínsecas de que tratam os itens 9 e 10.

12. A escrituração contábil e a emissão de relatórios, peças, análises, demonstrativos e demonstrações contábeis
são de atribuição e de responsabilidade exclusivas do profissional da contabilidade legalmente habilitado.

13. As demonstrações contábeis devem ser transcritas no Livro Diário, completando-se com as assinaturas do
titular ou de representante legal da entidade e do profissional da contabilidade legalmente habilitado.

Livro diário e livro razão

14. No Livro Diário devem ser lançadas, em ordem cronológica, com individualização, clareza e referência ao
documento probante, todas as operações ocorridas, e quaisquer outros fatos que provoquem variações
patrimoniais.

15. Quando o Livro Diário e o Livro Razão forem gerados por processo que utilize fichas ou folhas soltas, deve
ser adotado o registro “Balancetes Diários e Balanços”.

16. No caso da entidade adotar processo eletrônico ou mecanizado para a sua escrituração contábil, os
formulários de folhas soltas, devem ser numerados mecânica ou tipograficamente e encadernados em forma de
livro.

17. Em caso de escrituração contábil em forma digital, não há necessidade de impressão e encadernação em
forma de livro, porém o arquivo magnético autenticado pelo registro público competente deve ser mantido pela
entidade.

18. Os registros auxiliares, quando adotados, devem obedecer aos preceitos gerais da escrituração contábil.

19. A entidade é responsável pelo registro público de livros contábeis em órgão competente e por averbações
exigidas pela legislação de recuperação judicial, sendo atribuição do profissional de contabilidade a
comunicação formal dessas exigências à entidade.

Escrituração contábil de filial

20. A entidade que tiver unidade operacional ou de negócios, quer como filial, agência, sucursal ou
assemelhada, e que optar por sistema de escrituração descentralizado, deve ter registros contábeis que permitam
a identificação das transações de cada uma dessas unidades.

21. A escrituração de todas as unidades deve integrar um único sistema contábil.

22. A opção por escrituração descentralizada fica a critério da entidade.

23. Na escrituração descentralizada, deve ser observado o mesmo grau de detalhamento dos registros contábeis
da matriz.

24. As contas recíprocas relativas às transações entre matriz e unidades, bem como entre estas, devem ser
eliminadas quando da elaboração das demonstrações contábeis da entidade.
29
25. As despesas e as receitas que não possam ser atribuídas às unidades devem ser registradas na matriz e
distribuídas para as unidades de acordo com critérios da administração da entidade.

Documentação contábil

26. Documentação contábil é aquela que comprova os fatos que originam lançamentos na escrituração da
entidade e compreende todos os documentos, livros, papéis, registros e outras peças, de origem interna ou
externa, que apoiam ou componham a escrituração.

27. A documentação contábil é hábil quando revestida das características intrínsecas ou extrínsecas essenciais,
definidas na legislação, na técnica-contábil ou aceitas pelos “usos e costumes”.

28. Os documentos em papel podem ser digitalizados e armazenados em meio magnético, desde que assinados
pelo responsável pela entidade e pelo profissional da contabilidade regularmente habilitado, devendo ser
submetidos ao registro público competente.

Contas de compensação

29. Contas de compensação constituem sistema próprio para controle e registro dos fatos relevantes que
resultam em assunção de direitos e obrigações da entidade cujos efeitos materializar-se-ão no futuro e que
possam se traduzir em modificações no patrimônio da entidade.

30. Exceto quando de uso mandatório por ato de órgão regulador, a escrituração das contas de compensação não
é obrigatória. Nos casos em que não forem utilizadas, a entidade deve assegurar-se que possui outros
mecanismos que permitam acumular as informações que de outra maneira estariam controladas nas contas de
compensação.

Retificação de lançamento contábil

31. Retificação de lançamento é o processo técnico de correção de registro realizado com erro na escrituração
contábil da entidade e pode ser feito por meio de:

a) estorno;
b) transferência;
c) complementação.

32. Em qualquer das formas citadas no item 31, o histórico do lançamento deve precisar o motivo da retificação,
a data e a localização do lançamento de origem.

33. O estorno consiste em lançamento inverso àquele feito erroneamente, anulando-o totalmente.

34. Lançamento de transferência é aquele que promove a regularização de conta indevidamente debitada ou
creditada, por meio da transposição do registro para a conta adequada.

35. Lançamento de complementação é aquele que vem posteriormente complementar, aumentando ou reduzindo
o valor anteriormente registrado.

36. Os lançamentos realizados fora da época devida devem consignar, nos seus históricos, as datas efetivas das
ocorrências e a razão do registro extemporâneo.

Publicada no Diário Oficial da União de 22 de março de 2011.

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Representam peças em forma técnica que evidenciam fatos patrimoniais ocorridos em determinada gestão
administrativa. As demonstrações elencadas na Lei das Sociedades Anônimas são:
- Balanço Patrimonial;
- Demonstração do Resultado do Exercício;
- Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados;
- Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido;
- Demonstração dos Fluxos de caixa;
- Demonstração do Valor Adicionado;
- Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras.
30
Conceitos de Conta

“ Expressão qualitativa e quantitativa, estática e dinâmica, de fatos patrimoniais da mesma natureza,


ocorridos ou por ocorrer, em uma empresa ou em uma entidade”.(Sá)
“ Conta é um conjunto de levantamentos, refletindo um elemento ou componente formado ou em
formação, efetivo ou potencial, de um patrimônio aziendal ou de terceiros, do qual exprime, geralmente, a
variável grandeza em uma dada medida, quase sempre monetária.” (Vencenzo Mais. Rilevazione patrimoniale. 2
ed. Padova: Cedam 1942. p.359)
“ Conta é o nome técnico que identifica um componente patrimonial ( Bem, Direito, Obrigação ou
Patrimônio Líquido) ou um componente de Resultado (Despesa ou Receita) .” (Ribeiro, Osni Moura.3. ed., São
Paulo: Saraiva, 2002. p. 61).

Todos os acontecimentos que ocorrem diariamente na vida da empresa, responsáveis pela gestão do
patrimônio – como compras, vendas, pagamentos, recebimentos etc. -, são registrados pela Contabilidade em
contas próprias. Assim, toda movimentação de dinheiro efetuada dentro da entidade é registrada em uma Conta
denominada Caixa; os objetivos comercializados pela entidade são registrados em uma Conta denominada
Mercadorias, e assim por diante. Ela é, portanto, o instrumento que se adota para guardar memória, reunindo
acontecimentos patrimoniais, de natureza idêntica, possuindo, por esta razão, um objeto certo.
A conta tem sempre objeto distinto de outras contas porque reúne fatos de características próprias, iguais
por sua natureza e que sucedem no patrimônio. O grande cuidado deverá residir sempre no respeito a este básico
princípio de que a conta é uma expressão de um objeto certo, que não deverá nunca ser confundido com o de
outras contas, ou seja, uma evidenciação de fatos ou fenômenos patrimoniais da mesma natureza, sempre sob o
aspecto da finalidade da empresa ou da entidade.
As contas podem ser classificadas em dois grupos: Contas Patrimoniais e Contas de Resultado ( Teoria
Patrimonialista).
As contas Patrimoniais são as que representam os elementos componentes de Patrimônio. Dividem-se em
Ativas ( Bens e Direitos ) e Passivas ( Obrigações e Patrimônio Líquido).
As contas de Resultado são as que representam as variações patrimoniais. Dividem-se em Contas de
Despesas e Contas de Receitas.

Uma conta deve ser apresentada, para efeitos de um Plano de Contas, através de Seus:´
1. Título;
2. Função;
3. Funcionamento;
4. Classificação;
5. Grupamentos;
6. Códigos etc.

TITULO: È a palavra ou designação que dá nome a ma conta; evidenciando seu objeto, ou seja, a razão para a
qual foi aberta e a classe de valores que registra; é uma identificação imprescindível na técnica dos registros.

FUNÇÃO DAS CONTAS - CONCEITO: Função de uma conta é sua ação, ou ainda, para que serve qual o
papel que desempenha na escrituração; pode ainda ser conceituada como sendo a explicação do objeto da conta,
ou então a expressão descritiva da natureza dos fatos registráveis da conta.
Exemplo:

FUNÇÃO DA CONTA: FORNECEDORES


Esta conta destina-se ao registro de todas as transações realizadas com as firmas ou pessoas que realizem
fornecimentos para a empresa. Nela registram-se, normalmente, as faturas ou notas de fornecimento e os seus
resgates. Tem ainda por função o registro das antecipações sobre fornecimentos quando estes forem feitos a
prazo curto e quando não se relacionarem com transações que se prolonguem, necessitando de acertos especiais.
Pela descrição feita acima percebe-se, é claro, que pela função de uma conta se conhece perfeitamente qual o
seu objeto, ou ainda, para que foi aberta.

FUNCIONAMENTO DAS CONTAS - CONCEITO: O funcionamento das contas estabelece a relação da


conta com as demais outras e evidencia como se comporta diante de seu objeto. Demonstra como se debita a
conta, como se credita, qual a natureza de seu saldo, quais as outras contas que normalmente com ela
estabelecem contado.
Exemplo:

FUNCIONAMENTO DA CONTA : CLIENTES


Esta conta é debitada pelas faturas ou notas de vendas feitas a clientes da empresa: é creditada, quando o cliente

31
resgata sua dívida. A natureza do saldo desta conta é DEVEDOR, integrando o sistema de aplicações da
empresa. Relaciona-se em seu DÉBITO com as contas de vendas e similares. Relaciona-se com seu CRÉDITO
com as contas de CAIXA, BANCOS E DEVOLUÇÕES. Esta conta é de natureza devedora.

CLASSIFICAÇÃO:

- Contas Patrimoniais: Bens, Direitos, Obrigações e Patrimônio Líquido


- Contas de Resultado: Receitas e Despesas

GRUPAMENTO:

Ativo: Bens e Direitos


Passivo: Obrigações e Patrimônio Líquido
Contas de Resultado: Receitas e Depesas

ATIVO PASSIVO
CIRCULANTE CIRCULANTE

NÃO CIRCULANTE NÃO CIRCULANTE


Realizável a Longo Prazo
Investimentos PATRÍMÔNIO LÍQUIDO
Imobilizado Capital Social
Intangível Reservas de Capital
Ajustes de Avaliação Patrimonial
Reservas de Lucros
Lucros/Prej.Acumulados

CONTAS DE RESULTADO

Receita Operacional Bruta


Deduções da Receita (Despesas)
Custo da Mercadoria Vendida (Despesa)
Custo do Produto Vendido (Despesa)
Custo do Serviço Prestado (Despesa)
Outras Receitas Operacionais
Outras Despesas Operacionais
Receitas Financeiras
Despesas Financeiras
Receitas não Operacionais
Despesas não Operacionais

O QUE É UM PLANO DE CONTAS


Plano de contas é uma peça na técnica contábil que estabelece previamente a conduta a ser adotada na
escrituração, através da exposição das contas em seus títulos, funções, funcionamento, grupamentos, análises,
derivações, dilatações e reduções.
É um conjunto de normas e intitulação de contas, previamente estabelecido, destinado a orientar os trabalhos da
escrituração contábil.
É um conjunto de contas, diretrizes e normas que disciplinam as tarefas do setor de Contabilidade, objetivando a
uniformização dos registros contábeis.

COMPOSIÇÃO DO PLANO DE CONTAS


Um Plano de contas ideal poderá compor-se de três partes:
Elenco de Contas;
Manual de Contas;
Lançamentos explicativos para registro de operações especiais.

ELENCO DAS CONTAS – CONCEITO


Em um plano de Contas o elenco é a relação dos títulos das contas. Costuma-se denomina-lo também “ Quadro
de Contas”.

32
Manual das Contas
O Manual de contas é um quadro explicativo do uso adequado de cada uma das contas constantes do Elenco de
Contas. Esse quadro apresenta:
a) Função de cada conta;
b) Funcionamento de cada conta;
c) Natureza do saldo de cada conta.

QUANTIDADE DE CONTAS QUE DEVER TER UM PLANO DE CONTAS


Um plano de contas deve ter tantas contas quantas forem necessárias para expressar, com a devida clareza, os
fatos ocorridos na vida de um patrimônio.

UTILIDADE O PLANO DE CONTAS


A principal utilidade do plano de contas é a de servir de meio de orientação na escrituração contábil,
possibilitando a unidade de trabalho e protegendo a empresa contra os erros naturais motivados pela ausência de
sistematização.

Exemplo:

1. ATIVO
11. ATIVO CIRCULANTE
111. Disponível
111.01. Bancos c/Movimento
111.01.01 Banco do Brasil S/A
111.01.02 Banco Itaú S/A.
111.02 Aplicações Financeiras
111.02.01 Caderneta de Poupança
111.02.01.01 Banco do Brasil S/A

Numeração básica mais comumente utilizada:


1 – ATIVO
2- PASSIVO
3- CONTAS DE RESULTADO

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL

PARTIDAS DOBRADAS: Método divulgado no século XIV pelo geométra Frá Luca Paccioli. A essência
desse método implica que a um débito em uma ou mais contas deve corresponder um crédito equivalente, em
uma ou mais contas.

TEORIA DAS CONTAS

PERSONALISTA: nesta teoria cada conta assume a configuração de uma pessoa no seu relacionamento com a
empresa ou entidade. Assim Caixa, Bancos, Duplicatas a Receber, Fornecedores, Capital, Receitas Despesas,
etc., representam pessoas com as quais a entidade mantém relacionamento de débito e crédito
Isto posto, podemos concluir que os bens e direitos são pessoas devedoras em relação à entidade e as
Obrigações e o Patrimônio líquido são pessoas credoras em relação à entidade.

Segundo essa teoria, as contas se classificam em:


Contas dos Agentes Consignatários – representam os bens da empresa.
Contas dos Agentes Correspondentes – representam os direitos e obrigações da entidade perante terceiros.
Contas dos Proprietários – são as contas do Patrimônio Líquido e suas variações, inclusive receitas e despesas.

MATERIALISTA: as contas representam relações materiais e se classificam em:


Contas Integrais: representam bens direitos e obrigações
Contas Diferenciais: representam as contas do Patrimônio Líquido e suas variações, inclusive receitas e
despesas.

PATRIMONIALISTA: entende que o patrimônio é o objeto a ser administrado.

Contas Patrimoniais – representam a situação estática, ou seja, o patrimônio: bens, direitos e obrigações e o
Patrimônio Líquido.
Contas de Resultado – representam a situação dinâmica, ou seja, as contas que alteram o Patrimônio Líquido:
Receitas e Despesas.

33
CONTAS

As contas representam registros de débitos e créditos da mesma natureza ou espécie, identificadas por nomes
(títulos) que qualificam os elementos registrados.

Modelo de conta
Nome da Conta: Código da Conta:
Grupo a que Pertence: Exercício de:
Contra-
Data Histórico Partida Débito Crédito Saldo D/C

Modelo de Conta resumida (usada para efeitos didáticos)

Nome da Conta

Valores escriturados Valores escriturados


A DÉBITO A CRÉDITO

Saldo Devedor Saldo Credor

DEBITO, CRÉDITO E SALDO


Débito da conta – situação de dívida de responsabilidade da conta
Crédito da conta – situação de direito de haver da conta
Saldo da conta – representa a diferença entre os valores debitados e creditados, podem ser:
- Devedor: D>C
- Credor: D<C
- Nulo: D=C

Justificativa dos Saldos das contas:


Balanço Patrimonial
Ativo Passivo
Bens Obrigações

Diretos
PL
Total Total
Ativo: Bens e direitos – Contas de natureza Devedora
Passivo: Obrigações e PL – contas de natureza Credora

Resultado

Despesas Receitas
Perdas Ganhos

Despesas e Perdas: Contas de natureza Devedora


Receitas e Ganhos: Contas de natureza Credora

Classifique as contas em:


a) (P) Patrimonial ou (R) Resultado;
b) (A) Ativo, (P) Passivo, (D) Despesa ou (R) Receita;
c) (D) Devedora ou (C) Credora;

Nº CONTAS A B C
1 Caixa
2 Fornecedores

34
3 Clientes
4 Água e Esgoto
5 Aluguéis Ativos
6 Bancos conta Movimento
7 Promissórias a Pagar
8 Capital Social
9 Aluguéis Passivos
10 Café e Lanches
11 Descontos Obtidos
12 Combustíveis
13 Descontos Concedidos
14 Lucros ou Prejuízos Acumulados
15 Contribuições de Previdência a Recolher
16 FGTS a Recolher
17 Salários a Pagar
18 Veículos
19 Estoques de Mercadorias
20 Receita de Serviços
21 Despesas Bancárias
22 Impostos e Taxas a Recolher
23 Móveis e Utensílios

RESUMO DO MECANISMO DO DÉBITO E CRÉDITO

N A T U R E Z A PARA O SALDO

Das contas Do Saldo Aumentar Diminuir

Ativo: Bens e Direitos D D C

Passivo: obrigações e PL C C D

Receitas e Ganhos C C D

Despesas e Perdas D D C

Contas retificadoras do Ativo C C D

Contas retificadoras do Passivo D D C

Regra: Debita-se a aplicação de recurso (em que foi aplicado o recurso)


Credita-se a fonte de recurso (o que originou o recurso)
Toda despesa será sempre DEBITADA
Toda receita será sempre CREDITADA
Exemplos:

a) Compra de um veículo no valor de $ 5.000, sendo seu pagamento com cheque do Banco Y

Registro contábil:
Debitou-se a conta “Veículos”, pois os recursos foram aplicados
DÉBITO – Veículos (destinados) na aquisição de um veículo

Creditou-se a conta “Banco Y”, pois os recursos foram originados


CRÉDITO – Banco Y (vieram) da conta-corrente que a empresa possui no Banco Y.

35
b) Compra de um imóvel a prazo no valor de $ 5.000, emitindo-se uma nota promissória para garantia do
vendedor

Registro contábil:
Debitou-se a conta “Imóveis”, pois os recursos foram aplicados
(destinados) na aquisição de um imóvel
DÉBITO – Imóveis

Creditou-se a conta “N.Promissória a pagar”, pois


CRÉDITO – N.Promissória a pagar os recursos foram originados (vieram) de uma nota
promissória emitida pela empresa (assumiu uma
obrigação).

Pagamento em dinheiro de energia elétrica consumida pelo setor de vendas da empresa $ 500

Registro contábil:
Debitou-se a conta “Despesas c/Energia
Elétrica”, pois toda vez que ocorre uma
DÉBITO – Despesas c/Energia Elétrica despesa, esta deverá ser sempre
DEBITADA

Creditou-se a conta “Caixa”, pois os recursos foram originados


CRÉDITO – Caixa (vieram) do caixa (dinheiro) que a empresa possui.

c) Recebimento em dinheiro de aluguel relativo a um imóvel que a empresa aluga $ 5.00

Registro contábil:

Debitou-se a conta “Caixa”, pois o recurso foi aplicado (ficou ) não


DÉBITO – Caixa caixa da empresa.

Creditou-se a conta “Receitas c/alugueis”,


CRÉDITO – Receitas c/Alugueis pois toda vez que ocorre uma receita, esta
deverá ser sempre CREDITADA.

REGRAS PARA RECONHECIMENTO CONTÁBIL DAS RECEITAS E DESPESAS

Regime de Competência:

- A receita será contabilizada no período em que for gerada independentemente de seu recebimento.
- A despesa será contabilizada no período em que for consumida, incorrida, utilizada, independentemente do
pagamento.

Regime de Caixa:

- A receita será contabilizada no momento de seu recebimento. ( quando entrar dinheiro no caixa);
- A despesa será contabilizada no momento do pagamento. (quando sair dinheiro do caixa).

Portanto, segundo do regime

Receitas: As receitas deverão ser reconhecidas contabilmente (serem registradas na contabilidade), quando
ocorrer a entrega efetiva do produto, bem ou serviço. (NÃO ANTES)

Despesas: As despesas deverão ser reconhecidas contabilmente (serem registradas na contabilidade), quando
ocorrer o consumo efetivo do bem, produto ou serviço. (NÃO ANTES)
36
Exemplo:

Recebimento de $ 2.000, proveniente de uma venda em fevereiro/2003 de um produto, cuja entrega ocorrerá em
maio/2003.
Observe que não houve o reconhecimento
D – Caixa contábil da receita, pois o produto não foi
C - Adiantamento de Clientes $ 2.000 entregue. A conta creditada representa uma
obrigação da empresa perante o comprador,
pois caso não venha a entregar o produto,
deverá devolver o dinheiro.

Quando da efetiva entrega do produto a


empresa efetuará o lançamento de
reconhecimento, ou seja, desaparece aquela
D- Adiantamento de Clientes $ 2.000 obrigação concretizando-se a receita pela
C- Vendas de produtos venda do produto.

Compra a vista no valor de $ 500 de materiais p/escritório


Observe que não há reconhecimento de
D – Estoque de Mat.p/Escritório despesa. O lançamento esta reconhecendo a
C - Caixa $ 500 aplicação de recursos em um determinado
bem (mat.p/escritório).

Utilização de 30% do material p/escritório

A medida em que os materiais são requisitados


D- Desp.c/Mat.p/Escritório $ 150 e efetivamente utilizados (consumidos), é que
C- Estoque se faz o lançamento reconhecendo a existência
da despesa.

Outro exemplo: Salários:


Quando um funcionário trabalha, por exemplo, do dia 01/03/2003 até 31/03/2003, tal pessoa receberá, na
maioria das vezes, o dinheiro correspondente à esses dias trabalhados, no início do mês de abril/2003 (até o 5º
dia útil, segundo a legislação trabalhista). Observe porém, que o registro contábil da despesa deverá ser efetuado
no mês de março/2003, mais precisamente no dia 31/03/2003, pois, foi em março/2003 que efetivamente
ocorreu a despesa. Em abril/2003 o que acontece é apenas um desembolso, fato necessário para liquidar a
obrigação originada (nascida) em março/2003.
LANÇAMENTOS

Conceito: É o registro individual de um fato administrativo.


É o registro contábil de um fato administrativo.

O lançamento deve ser feito em ordem cronológica e obedecendo a determinada disposição técnica.
Elementos essenciais do lançamento:

a)- Local e data Ex: (Cornélio Procópio, 15 de março de 2000)


b)- Conta Devedora Ex: (Caixa)
c)- Conta Credora Ex: (a Venda de Mercadorias)
d)- Histórico e Valor Ex: (Venda a vista conf. nf.001.....R$ 500,00)

Funções do lançamento
A função histórica do lançamento é narrar o fato contábil em ordem cronológica. A função monetária
compreende o registro da expressão monetária dos fatos e seu agrupamento sendo a natureza de cada um.
Fórmulas de lançamentos:

Existem 04 fórmulas de lançamentos no Diário, de acordo com o número de contas debitadas e creditadas.

Primeira Fórmula
Quando aparece apenas uma conta devedora e uma credora
Exemplo:
Fato: Compra de um veículo com pagamento à vista de R$.10.000,00 Conta debitada
37
Veículos
a Caixa
Pg.Empresa ALFA, ref.aqus. de um veículo Conta creditada
Marca XK ano 99, chassi Z01, conf. nf.nº.
002..........................................................................R$ 10.000,00

Segunda Fórmula
Quando aparece apenas uma conta devedora e várias credoras
Exemplo:

Fato: Compra de um veículo, sendo o pagamento parte à vista R$.4.000,00 e parte a prazo R$.6.000,00
(representado por uma nota promissória)
Conta debitada Indicando que
Veículos várias contas estão
a Diversos sendo creditadas
a Caixa
Pg.Empresa ALFA, ref.aqus. de um veículo
Marca XK ano 99, chassi Z01, conf. nf.nº.
Relação das
002...............................................................R$ 4.000,00
contas creditadas
a Nota Promissória a Pagar
Vr.ref.aceite Nota Promissória....................R$ 6.000,00

Terceira Fórmula
Quando aparece várias contas devedoras e apenas uma credora
Exemplo:
Fato: Venda de um veículo, sendo o recebimento parte à vista R$.4.000,00 e parte a prazo R$.6.000,00
(representado por uma nota promissória)
Indicando que
Diversos várias contas estão
a Veículos sendo debitadas
Caixa
Recebido da Empresa BETA, ref. venda de
um veículo Marca XK ano 99, chassi Z01, Conta creditada
conf. nf.nº.002...................................................R$ 4.000,00
Nota Promissória a Receber Relação das
Vr. ref.Emissão de Nota Promissória...............R$ 6.000,00 contas debitadas

Quarta Fórmula
Quando aparece várias contas devedoras e várias contas credoras
Exemplo:
Fato: Compra de Mercadorias e Móveis e Utensílios, sendo o pagamento:
Mercadorias parte à vista R$.2.000,00 e parte a prazo R$.4.000,00 (representado Duplicata)
Móveis e Utensílios parte à vista R$.3.000,00 e parte a prazo R$.1.000,00 (representado por uma nota
Duplicata)
Indicando que
várias contas estão
sendo debitadas

Diversos Indicando que


a Diversos várias contas estão
sendo creditadas 38
Estoque de Mercadorias
Compra mercadorias da Empresa X, conf.nf.001........R$ 6.000,00
Móveis e Utensílios
Compra de uma mesa da Empresa X, conf. nf.001.....R$ 4.000,00 Relação das
a Caixa contas debitadas
Pgto.Empresa X, ref.parte nf.001................................R$ 5.000,00
a Duplicatas a Pagar
Aceite de título c/vencto p/30dias...............................R$ 5.000,00
Relação das
contas creditadas

Lançamentos no Diário e no Razão:

NO LIVRO DIÁRIO:

Cornélio Procópio, 18 de março de 2005

Mercadoria p/Revenda
a Caixa
Compra a vista da Empresa Paulinha Ltda. de mercadorias,
conf. nf. 1252.............................................................................. 800,00

Cornélio Procópio, 20 de março de 2005

Veículos
a Diversos
a Caixa
Aqus.de um veículo Y, da empresa Veículos Show Ltda., conf.
nf.125............................................................................ 200,00
a Nota Promissória a Pagar
Vr. NP, ref. nf.125...................................................................... 1.500,00 1.700,00

Nome da Conta: Mercadoria p/Revenda Código da Conta: 114.01


Grupo a que Pertence: ATIVO Exercício de: 2005
CIRCULANTE
Data Histórico Contra- Débito Crédito Saldo D/C
Partida
18/03/05 Compra a vista da Empresa
Paulinha, de mercadorias,
conf. nf.1252 111.01 800,00 800,00 D

Nome da Conta: C aixa Código da Conta: 111.01


Grupo a que Pertence: CIRCULANTE Exercício de: 2005
Data Histórico Contra- Débito Crédito Saldo D/C
Partida
Saldo anterior..................... 5.000,00
18/03/05 Compra a vista da Empresa
Paulinha, de mercadorias, 114.01 800,00 4.200,00 D
conf. nf.1252
20/03/05 Pg. parte da nf.1252 132.01.05 200,00 4.000,00 D
Nome da Conta: Veículos Código da Conta: 132.01.05
Grupo a que Pertence: ATIVO Exercício de: 2005
IMOBILIZADO
Data Histórico Contra- Débito Crédito Saldo D/C
Partida
20/03/05 Compra de um veículo, da
empresa Veículos Show
Ltda. conf.nf.1252 111.01/
216.03 1.700,00 1.700,00 D

Nome da Conta: Nota Promissória a pagar Código da Conta: 216.03


Grupo a que Pertence: PASSIVO Exercício de: 2005
CIRCULANTE
Data Histórico Contra- Débito Crédito Saldo D/C
Partida
20/03/05 Vr. ref. nf.1252 132.01.05 1.500,00 1.500,00 C

39
Para fazermos o lançamento utilizando o “a” para identificar o crédito, devemos seguir a seguinte regra:

Primeiro: a conta DEBITADA, caso seja mais de uma, utiliza-se o termo DIVERSOS;
Segundo: a letra “a” seguida da conta CREDITADA, caso seja mais de uma conta, utiliza-se o termo
DIVERSOS;
Terceiro: caso tenha utilizado “Diversos” para identificar as contas debitadas, relacionar as Diversas Contas
Debitadas;
Quarto: caso tenha utilizado “a Diversos” para identificar as contas creditadas, relacionar as Diversas contas
creditadas, utilizando antes delas a letra “a”

Fato: Compra de Mercadorias e Móveis e Utensílios, sendo o pagamento:


Mercadorias parte à vista R$.2.000,00 e parte a prazo R$.4.000,00 (representado Duplicata)
Móveis e Utensílios parte à vista R$.3.000,00 e parte a prazo R$.1.000,00 (representado por uma nota
Duplicata)
Diversos
a Diversos
Estoque de Mercadorias R$ 6.000,00
Móveis e Utensílios R$ 4.000,00
a Caixa R$ 5.000,00
a Duplicatas a Pagar R$ 5.000,00

EXERCÍCIO

1) A Cia Viva Vida apresentava, em milhares, o seguinte patrimônio em 30.11.X3:

ATIVO PASSIVO EXIGÍVEL PATRIMÔNIO LÍQUIDO


Caixa 120 Fornecedores 30 Capital Social 150
Dup.Receber 80 Emp.Bancários 50 Receita 50
Mat. Consumo 50 Despesa (30)
TOTAL 250 TOTAL 80 TOTAL 170

Durante o mês de dezembro ocorreram os seguintes fatos :


1. Recebimento de 70% das Duplicatas com desconto de 2%.
2. Pagamento de 30% dos Fornecedores com juros de 5%.
3. Aplicação financeira no valor de $ 90.
4. Prestação de serviços : à vista $110 e a prazo $ 90.
5. Recebimento de $ 70 por serviços a serem prestados no futuro.
6. Contabiliza , mas não paga, os juros bancários de 3% sobre os empréstimos.
7. Consumo de material existente no estoque no valor de $ 30
8. Resgate da aplicação financeira com juros de 2%.

PEDE-SE :

- Efetuar os lançamentos contábeis


- Transcrever os lançamentos nos razonetes
- Evidenciar a situação patrimonial da empresa.
- Baseado no patrimônio final desta empresa, destaque :

- Capital Total = ...............................................


- Capital de Terceiros = ................................................
- Capital Próprio = ................................................
- Resultado final = ................................................
- Disponibilidade financeira = ................................................

LANÇAMENTOS:
01

40
02

03

04

05

06

07

08

41
2) Classifique os fatos contábeis abaixo:

1. Subscrição do Capital Social no valor de 150 mil, com integralização de 50 %.


2. Depósito bancário de todos os recursos financeiros .

42
3. Aquisição de Imóvel, no valor de 20 mil, pagando uma entrada de 30%.
4. Compra material de consumo por 2 mil, a prazo, para estoque.
5. Obtenção de empréstimo bancário no valor de 15 mil.
6. Concessão de empréstimo a empregado no valor de 3 mil.
7. Pagamento referente à compra de material de consumo.
8. Recebimento do empréstimo concedido a empregados.
9. Pagamento de 10% da dívida relacionada à compra do imóvel.
10. Integralização de 40% do Capital a Integralizar.

Item Fato contábil Tipo de Lançamento

01

02

03

04

05

06

07

08

09

10

3) O lançamento correspondente à aquisição de um terreno, sendo pago 50% à vista, e o saldo garantido por
nota promissória é:

4) Uma empresa emitiu nota fiscal de serviços prestados no valor de R$ 10.000,00, com retenção de
imposto de renda na fonte de 1,5% do valor total, recebendo o valor líquido no ato. O registro contábil
referente à operação é:

5) A empresa recebeu a importância líquida no valor de R$ 23.800,00 referente a quitação de um título, tendo
concedido ao cliente um desconto de 15%, gerando o seguinte lançamento:

6) Uma empresa recebeu um aviso bancário comunicando o débito, em conta corrente, da mesma de
importância correspondente a uma duplicata descontada e não liquidada pelo cliente. O lançamento contábil
correspondente é:

43
TRANSFERÊNCIA DOS SALDOS DAS CONTAS DE RESULTADO PARA A CONTA “RESULTADO
DO EXERCÍCIO”

No final do período, as contas de resultado serão encerradas contra uma conta denominada Resultado do
Exercício onde, como o próprio nome indica, será apurado o resultado, ou seja, se a empresa teve lucro,
prejuízo ou resultado nulo em suas atividades num determinado exercício social (período).
As contas relativas às receitas, por possuírem saldo credor, serão encerradas debitando-se a respectiva conta
pelo valor do saldo (portanto, tornando-se o saldo nulo, “encerrado” a conta) e creditando-se a conta Resultado
do Exercício.

Exemplo:
1- Subscrição de capital no valor de $ 50.000
2- Integralização do capital em dinheiro $ 50.000
3- Compra de um veículo a prazo por $ 10.000
4- Serviços prestados: à vista 25.000 à prazo 20.000
5- Pagamento de despesas de Manutenção de veículos $ 3.000
6- Pagamento de salários $ 7.000
7- Compra a vista de material de consumo para uso futuro $ 3.000
8- Procedimento: Apurar o Resultado do Exercício
9- Procedimento: Transferir o resultado para conta Lucros/Prejuízos Acumulados

Capital Subscrito Capital a Integralizar Caixa


(1) 50.000 (1) 50.000 (2) 50.000 (2) 50.000 (5) 3.000
(4)a 25.000 (6) 7.000
(7) 3.000

Veículos Fornecedores Receita de Serviços


(3) 10.000 (3) 10.000 (8)a 45.000 (4) a 25.000
(4)b 20.000

Duplicatas a receber Despesas c/Veículos Despesas c/Salários


(4)b 20.000 (5) 3.000 (8)b 3.000 (7) 7.000 (8)c 7.000

Estoque de mat.de consumo Resultado do Exercício Lucros/Prej.Acumulados


(7) 3.000 (8)b 3.000 (8)a 45.000 (9) 35.000
(8)c 7.000
(9) 35.000

1) D – Capital a Integralizar
C – Capital Subscrito...........................................50.000
2) D – Caixa
C – Capital a Integralizar.....................................50.000

3) D – Veículos
C – Fornecedores.................................................10.000

04)
a) D – Caixa
C – Receita de Serviços ..................................25.000
b) D – Duplicatas a Receber
C – Serviços Prestados.....................................20.000

5) D – Despesas c/veículos
C – Caixa..............................................................3.000

44
6) D – Despesas c/Salários
C – Caixa..............................................................7.000

7) D – Estoque de Mat.de Consumo


C – Caixa..............................................................3.000

08)-
a) D – Receita de Serviços
C – Resultado do Exercício..........................45.000

b) D – Resultado do Exercício
C – Despesas s/Veículos................................3.000

c)D – Resultado do Exercício


C – Despesas c/Salários.................................7.000
8) D – Resultado do Exercício
C – Lucros/Prej.Acumulados............................35.000

EXERCÍCIO

1) Em 01.09.X2, o patrimônio da Cia MPD - 1 era composto das seguintes contas e respectivos saldos:
Caixa 300 Capital Social 1.000
Duplicatas a Receber 600 Empréstimos Bancários 250
Material de Consumo 200 Móveis e Utensílios 400
Fornecedores 250

Durante o mês de setembro, ocorreram os seguintes fatos :

A – Recebe 60% das duplicatas com juros de 2%.


B – Paga 30% dos fornecedores com juros de 2%.
C – Compra $ 300 de Material de Consumo, pagando uma entrada de 20%.
D – Paga empréstimos com juros de 4%.
E – Assina um contrato de seguro anual, de setembro de X2 a agosto de X3, no valor de $ 480, pagando apenas
uma parcela de $ 40.
F – Presta serviços sendo $ 400 à vista e $300 a prazo.
G – Despesas do mês: à vista $ 120 e a prazo $ 180
H – Sócios aumentam Capital Social em $ 1.200, transferindo um veículo para o patrimônio da cia.
I – Recebe um adiantamento de $ 300 por serviços a serem prestados no futuro.
J – Aplica em CDB 50% do saldo existente em Caixa.

PEDE – SE :
- Abrir os razonetes com os saldos iniciais.
- Contabilizar nos razonetes os fatos
- Estruturar um Balancete de Verificação
- Apurar o resultado do período nos razonetes, contabilizando a intenção de distribuir 20% do
resultado para os sócios, como dividendos
- Apurar os valores totais do :

ATIVO =...................PE = .......................PL = ....................

CAPITAL DE TERCEIROS = .............................................

CAPITAL PRÓPRIO = .......................................................

45
46
BALANCETE DE VERIFICAÇÃO

SALDO SALDO
CONTAS ANTERIOR DÉBITO CRÉDITO ATUAL

TOTAL

2) O saldo das contas da Cia. Pasil em 30/11/X1, eram:


- Caixa $ 260,00
- Equipamentos $ 840,00
- Contas a receber $ 420,00
- Veículos $ 240,00
- Móveis e Utensílios $ 168,00
- Fornecedores $ 48,00
- Contas a Pagar $ 200,00
- Títulos a Pagar 120,00
- Capital social $ 1.040,00
- Despesas c/energia Elétrica $ 392,00
- Despesas de pessoal $ 528,00
- Dividendos a Pagar $ 200,00
- Receitas de Serviços $ 1.240,00

Durante o mês de dezembro ocorreram as seguintes operações:


1) Recebimento de receitas de serviços do mês $ 60,00
2) Pagamento de manutenção de veículos $ 120,00
3) Pagamento de despesas de impostos $ 56,00
4) Recebimento de contas a receber $ 200,00
5) Pagamento de dividendos aos acionistas $ 180,00
6) Compra a prazo de Móveis e Utensílios $ 400,00
7) Pagamento de despesas de manutenção de equipamentos $ 48,00

47
8) Recebimento de receitas de serviços do mês $ 80,00
9) Recebimento de contas a receber $ 160,00
10) Pagamento de Salários do mês $ 200,00
11) Pagamento de conta de energia elétrica do mês $ 40,00

Pede-se:
a) Abrir razonetes com os saldos em 30/11/X1;
b) Registro das operações de dezembro (lançamentos);
c) Transcrever nos razonetes os lançamentos;
d) Balancete de Verificação em 31/12/X1;
e) Apuração do Resultado do Exercício em 31/12/X1;
f) Balanço Patrimonial em 31/12/X1.

LANÇAMENTOS:
01

02

03

04

05

06

48
07

08

09

10

11

12

13

14

49
RAZONETES:

50
BALANCETE DE VERIFICAÇÃO

SALDO SALDO
CONTAS ANTERIOR DÉBITO CRÉDITO ATUAL

TOTAL

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/X1 – CIA.PASIL

ATIVO PASSIVO

51
TOTAL TOTAL

3) Identifique o Fato contábil através dos lançamentos abaixo:

Diversos
a Bancos c/Movimento
Duplicatas a Pagar 400,00
Juros Passivos 100,00 500,00

FATO:_________________________________________________________________________

Veículos
a Diversos
a Caixa 400,00
a Duplicatas a Pagar 100,00 500,00

FATO:_________________________________________________________________________

EXERCÍCIO

Suponhamos que, no exercício de x2, tenham ocorrido os seguintes eventos na gestão de uma determinada
empresa:

1. Pagamentos em dinheiro, de salários e encargos, no valor de R$ 2.000, referentes ao mês de dezembro de x1.
2. Pagamentos efetuados durante o exercício de x2, em cheques, no valor de R$ 30.000, referentes a salários e
encargos incorridos nos meses de janeiro a novembro de x2.
3. Salários e encargos de dezembro de x2 a serem pagos em janeiro de x3, no valor de R$ 5.000.
4. Recebida em janeiro de x2 a importância de R$ 500, referente a aluguéis no mês de dezembro de x1.
5. Recebida em dinheiro, durante o exercício de x2, a importância de R$, referente a aluguéis correspondentes
aos meses de janeiro a novembro de x2.
6. Aluguel de dezembro de x2, a ser recebido em janeiro, de x3 no valor de R$ 800.
7. Recebimento de R$ 250 do cliente João para quitação de uma duplicata de seu aceite.
8. Recolhimento em janeiro de x2, através de cheque, da importância de R$ 1.000, correspondente a impostos e
contribuições de dezembro de x1.
9. Pagamentos efetuados em dinheiro, durante o exercício de x2, referentes a impostos e contribuições,
correspondentes aos meses de janeiro a novembro de x2, no valor de R$ 12.000.
10. Impostos e contribuições referentes a dezembro de x2, a serem recolhidos em janeiro de x3, no valor de R$
1.900.
11. Serviços prestados durante o exercício de x2, recebidos à vista, no valor de R$ 54.000.
12. Serviços prestados em dezembro de x2, a prazo, para recebimento no exercício de x3, no valor de R$15.000.
13. Seguro contra incêndio firmado com a Cia. Seguradora Brasil, em 01 de setembro de x2, pelo período de um
ano. Valor de prêmio pago em 01 de setembro de x2, através do cheque n° 200.001 no Banco Urupês: R$
3.600.
14. Pagamento de R$ 800 em dinheiro ao fornecedor J.A. Ltda., para quitação de uma duplicata de nosso aceite.

Pede-se:
- Efetuar o lançamentos contábeis, inclusive os de apuração do Resultado do Exercício. (No verso da apostila)
52
OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

Mercadorias são os objetos comercializados pelas empresas comerciais.


Existem dois métodos e dois sistemas que podem ser adotados pelas empresas para o registro das
operações envolvendo mercadorias.

1- MÉTODOS
1.1 Conta Mista: consiste na adoção de uma só conta, que exerce a função de uma conta patrimonial
porquê registra o valor do estoque inicial e estoque final, figurando no balanço patrimonial como as demais
contas do ativo. Ao mesmo tempo exerce a função de resultado, pois nela também são registradas as compras,
devolução de compras, vendas, devolução de vendas, etc... permitindo assim apurar-se através dela o resultado
bruto do exercício.

1.2 Contas Desdobradas: consiste em desdobrar a conta de mercadoria em tantas contas quantas forem
necessárias, para a contabilização isolada de cada tipo de fato que envolva as operações com mercadorias.

Ex.: Estoque de mercadorias, Compras, Vendas, Devoluções de compras ou de vendas.

2 - SISTEMAS

2.1 Inventario Periódico: com esse sistema a empresa passa a elaborar o inventario físico somente no
final de um período, normalmente um ano.

2.2 Inventario Permanente: já com esse sistema de controle de estoque, a empresas que o adota passa a
controlar permanentemente o seu estoque de mercadorias, controlando também as entradas e saídas no mesmo.

3 - REGISTROS E CONTROLE DE ESTOQUE

Então com isso existem três maneiras diferentes de registrar e controlar as operações com mercadorias.
São elas:
Conta Mista com Inventario Periódico
Conta Desdobrada com Inventário Periódico
Conta Desdobrada com Inventário Permanente

Quando mencionamos no registros de controle de estoque demos o exemplo de três formas


controle de estoque na contabilização dos fatos, que são: a Contas Mista com Inventário Periódico, a Conta
Desdobrada com Inventário Periódico e a Conta Desdobrada com Inventário Permanente, agora iremos as
formas de controlar o estoque no almoxarifado e para isso, as empresas necessitamos de controles que nos dê
com exatidão, os números em estoque e seus respectivos valores monetários.

Para isto, estaremos apresentado abaixo os quatro métodos mais conhecidos e utilizados no mercado.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUE


Uma empresa pode adquirir os mesmos tipos de mercadorias em datas diferentes, pagando por elas
preços variados. Assim para determinar o custo dessas mercadorias estocadas e das mercadorias que foram
vendidas, precisamos adotar algum critério. Os critérios mais conhecidos para avaliação de estoque são: Preço
Específico, Peps, Ueps e Preço Médio Ponderado.

a) Preço Específico
Critério de avaliação que consiste no controle das mercadorias em estoque pelo seu preço específico, ou seja, o
preço pago por ela.
Normalmente adotado por revendedores de veículos usados e corretoras de imóveis, já que esse tipo de
comércio não tem como fazer preço médio, devido a diferença de preço de bens de mesma natureza
Para estudar os outros critérios vamos considerar que a empresa Inoxil Ltda. teve as seguintes
operações:
a) Em 05/02, comprou 100 mesas por R$ 100,00 cada, conf. nf 1000
b) Em 08/02, vendeu 20 mesas conf. nf 01
c) Em 10/02 comprou 50 mesas por R$ 120,00 cada conf. nf 1001
d) Em 19/02 comprou 50 mesas por 140,00 cada conf. nf 1002
e) Em 20/02 devolveu 20 mesas referentes a compra de 19/02, conf. nf 02
f) Em 27/02 vendeu 140 mesas, conf. nf 03
g) Em 28/02 recebeu em devolução 5 mesas refer. a venda de 27/02, conf. nf 20
53
Obs.* para o controle de estoque, o preço de venda das mercadorias não importa, só o de compra.
b) Peps ou Fifo
Critério que adota o controle das mercadorias em estoque pela linha de que o primeiro que entra é o
primeiro que sai.
Para adotar este critério de valorização dos estoque, a empresa tem que atribuir às mercadorias
vendidas o custo das mercadorias que primeiro foram adquiridas.

Observe abaixo as operações controladas pelo critério de Peps:


Data Histórico Entradas Saídas Saldo
Quant C. Unit. C. Total Quant. C. Unit. C. Total Quant. C. Unit. C. Total
05/02 S/nf 1000 100 100 10.000 - - - 100 100 10.000
08/02 N/nf 01 - - - 20 100 2.000 80 100 8.000
10/02 S/nf 1001 50 120 6.000 - - - 80 100 8.000
50 120 6.000
130 14.000
19/02 S/nf 1002 50 140 7.000 - - - 80 100 8.000
50 120 6.000
50 140 7.000
180 21.000
20/02 N/nf 02 (20) 140 (2.800) - - - 80 100 8.000
50 120 6.000
30 140 4.200
160 18.200
27/02 N/nf 03 - - - 80 100 8.000
50 120 6.000
10 140 1.400 20 140 2.800
28/02 S/nf 20 - - - (5) 140 (700) 25 140 3.500

Obs. * As devoluções de compras deverão ser registradas pelo valor pago ao fornecedor e as devoluções de
vendas deverão ser registradas pelo valor das respectivas saídas. Isso para todos os critérios de avaliação.
Como no exemplo acima observa-se que os valores que representam as devoluções de compras tanto quanto as
de vendas, estão representados entre parênteses, para destacarem-se.

c) Ueps ou Lifo
Método que adota o controle das mercadorias em estoque pela linha de que o último que entra é o
primeiro que sai.
Para adotar este critério de valorização dos estoque, a empresa tem que atribuir às mercadorias
vendidas o valor das mercadorias que foram adquiridas por último.

Observe abaixo as operações controladas pelo critério de Ueps:


Data Histórico Entradas Saídas Saldo
Quant C. Unit. C. Total Quant. C. Unit. C. Total Quant. C. Unit. C. Total
05/02 S/nf 1000 100 100 10.000 - - - 100 100 10.000
08/02 N/nf 01 - - - 20 100 2.000 80 100 8.000
10/02 S/nf 1001 50 120 6.000 - - - 80 100 8.000
50 120 6.000
130 14.000
19/02 S/nf 1002 50 140 7.000 - - - 80 100 8.000
50 120 6.000
50 140 7.000
180 21.000
20/02 N/nf 02 (20) 140 (2.800) - - - 80 100 8.000
50 120 6.000
30 140 4.200
160 18.200
27/02 N/nf 03 - - - 30 140 4.200
50 120 6.000
60 100 6.000 20 100 2.000
28/02 S/nf 20 - - - (5) 100 (500) 25 100 2.500

d) Custo Médio (média ponderada móvel)


54
Observe abaixo as operações controladas pelo critério de Custo Médio (móvel):

Data Histórico Entradas Saídas Saldo


Quant C. Unit. C. Total Quant. C. Unit. C. Total Quant. C. Unit. C. Total
05/02 S/nf 1000 100 100 10.000 - - - 100 100 10.000
08/02 N/nf 01 - - - 20 100 2.000 80 100 8.000
10/02 S/nf 1001 50 120 6.000 - - - 130 107,69 14.000
19/02 S/nf 1002 50 140 7.000 - - - 180 116,66 21.000
20/02 N/nf 02 (20) 140 (2.800) - - - 160 113,75 18.200
27/02 N/nf 03 - - - 140 113,75 15.925,0 20 113,75 2.275,00
0
28/02 S/nf 20 - - - (5) 113,75 (568,75) 25 113,75 2.843,75

e) Custo Médio (média ponderada fixa)

Observe abaixo as operações controladas pelo critério de Custo Médio (móvel):

Data Histórico Entradas Saídas


Quant. C. Unit. C. Total Quant. C. Unit. C. Total
05/02 S/nf 1000 100 100 10.000 - - -
08/02 N/nf 01 - - - 20 112,22 2.244,40
10/02 S/nf 1001 50 120 6.000 - - -
19/02 S/nf 1002 50 140 7.000 - - -
20/02 N/nf 02 (20) 140 (2.800) - - -
27/02 N/nf 03 - - - 140 112,22 15.710,80
28/02 S/nf 20 - - - (5) 112,22 (561,10)
TOTAL 180 20.200

Cálculo: 20.200 / 180 und. = 112,22 (custo médio fixo do período)

IMPOSTOS NAS COMPRAS E VENDAS DE MERCADORIAS

Em relação às compras e vendas de mercadorias, no tocante a impostos encontraremos duas modalidades de


impostos: Os impostos cumulativos e os impostos NÃO cumulativos.

Impostos cumulativos:
São aqueles que vão se acumulando sobre o preço da mercadoria à medida que a empresa vende a mercadoria
para outra, e esta outra fica obrigada a pagar imposto sobre venda, não podendo efetuar nenhuma compensação.
Exemplo: Pis s/faturamento, Cofins s/faturamento, etc.

A empresa ALFA vende para a empresa BETA mercadorias por R$.1.000,00 e fica obrigada a pagar a título de
Cofins s/faturamento 7% sobre o valor da venda. Portando deverá recolher R$.70,00

A empresa BETA comprou a mercadoria por R$.1.000,00, e deseja vendê-la a empresa MEGA e obter um ganho
de R$.200,00, entretanto sabe que quando da venda deverá recolher a título de Cofins s/faturamento 7% sobre o
valor da venda. Por quanto deverá a empresa BETA vender o produto? Se efetuarmos o cálculo, veremos que
para se obter o lucro desejado e recolher o imposto devido, deverá vender por R$.1.290,32, ou seja:

Preço de venda 1.290,32


(-) Valor da compra 1.000,00
(-) Pis (1.290,32 x 7%) 90,32
(=) Lucro desejado 200,00

A empresa MEGA, adquiriu a mercadoria por R$.1.290,32 e deseja vendê-la aos consumidores e obter um lucro
de R$.180,00, entretanto, sabe que quando da venda deverá recolher a título de Cofins s/faturamento 7% sobre o
valor da venda. Por quanto deverá a empresa MEGA vender o produto? Se efetuarmos o cálculo, veremos que
para se obter o lucro desejado e recolher o imposto devido, deverá vender por R$.1.580,99, ou seja:

Preço de venda 1.580,99


(-) Valor da compra 1.290,32

55
(-) Pis (1.290,32 x 7%) 110,67
(=) Lucro desejado 180,00

O custo para o consumidor adquirir esta mercadoria é de R$.1.590,99, ou seja, cada empresa agregou o seu
lucro desejado e mais os impostos. É visível que o imposto vai se acumulando a medida que uma empresa vende
para outra. Por isso se diz que o imposto é cumulativo.

Demonstrativo do fluxo da mercadoria:

Venda por R$.1.000,00 Venda por R$.1.580,99

EMPRESA EMPRESA EMPRESA Consumidor


‘ ALFA BETA MEGA

Venda por
R$.1.290,3
2

Impostos NÃO cumulativos:


São aqueles que NÃO vão se acumulando sobre o preço da mercadoria à medida que a empresa vende a
mercadoria para outra. Neste caso a empresa que adquiri a mercadoria tem o direito de compensar o valor que a
outra já recolheu. Diz-se que o imposto é recuperável.
Exemplo: ICMS, Pis, Cofins, etc.

A empresa ALFA vende para a empresa BETA mercadorias por R$.1.000,00 e fica obrigada a pagar a título de
ICMS 10% sobre o valor da venda. Portando deverá recolher R$.100,00

A empresa BETA comprou a mercadoria por R$.1.000,00, e deseja vendê-la a empresa MEGA e obter um ganho
de R$.200,00, entretanto, sabe que quando da venda deverá recolher a título de ICMS 10% sobre o valor da
venda. Sabe também que poderá abater do valor que tem a recolher o valor recolhido pela empresa ALFA. Por
quanto deverá a empresa BETA vender o produto? Se efetuarmos o cálculo, veremos que para se obter o lucro
desejado e recolher o imposto devido, deverá vender por R$.1.222,22, ou seja:
PV= custo + lucro + imposto
PV= 900,00 + 200,00 + PVx10%

Preço de venda 1.222,32


(-) Valor da compra 1.000,00
(-) ICMS (1.222,22 x 10%) 22,22 O valor a recolher é R$.122,22 (-) R$.100,00 já recolhido pela ALFA
(=) Lucro desejado 200,00

A empresa MEGA, adquiriu a mercadoria por R$.1.222,22 e deseja vendê-la aos consumidores e obter um lucro
de R$.180,00. Entretanto sabe que quando da venda deverá recolher a título de ICMS 10% sobre o valor da
venda. Sabe também que poderá abater do valor que tem a recolher o valor recolhido pela empresa BETA. Por
quanto deverá a empresa MEGA vender o produto? Se efetuarmos o cálculo, veremos que para se obter o lucro
desejado e recolher o imposto devido, deverá vender por R$.1.422,22, ou seja:

Preço de venda 1.422,22


(-) Valor da compra 1.222,22
(-) ICMS (1.422,22 x 10%) 20,00 O valor a recolher é R$.142,22 (-) R$.122,22 já recolhido pela ALFA
E BETA
(=) Lucro desejado 180,00

O custo para o consumidor adquirir esta mercadoria é de R$.1.422,22, ou seja, cada empresa compensou , no
momento de determinar o valor que deveria recolher, os valores recolhidos anteriormente a título de ICMS. Por
isso se diz que o imposto é NÃO cumulativo.

Demonstrativo do fluxo da mercadoria:

Venda por R$.1.000,00 Venda por R$.1.422,22


56
EMPRESA EMPRESA EMPRESA Consumidor
‘ ALFA BETA MEGA

Venda por
R$.1.222,2
2

LANÇAMENTOS:

Sistema de Inventário PERIÓDICO:

Exemplo: Compra a vista de mercadoria p/revenda com ICMS de 12% incluso no preço e recuperável. Valor da
compra R$. 5.000,00.

D- Compras de Mercadorias
C- Caixa ou Bancos R$.5.000,00

D- ICMS a recuperar
C- ICMS s/compras R$. 600,00

Neste caso utiliza-se contas denominadas (contas transitórias), que são as contas Compras de Mercadorias e
ICMS s/compras. São contas que irão abrigar lançamentos temporariamente, ou seja, até o momento que fizer a
apuração do CMV.

Exemplo: Venda de mercadoria a vista por R$.12.000,00, ficando a empresa obrigada a recolher 12% a título de
ICMS. Sabe-se que o custo de aquisição dessa mercadoria é R$.9.800,00

D- Caixa ou Bancos
C- Vendas de Mercadorias R$.12.000,00

D- ICMS s/ vendas (conta de despesa)


C- ICMS a recolher R$. 1.440,00

Sistema de Inventário PERMANENTE:

Exemplo: Compra a vista de mercadoria p/revenda com ICMS de 12% incluso no preço e recuperável. Valor da
compra R$. 5.000,00.

D- Estoque de mercadoria R$.4.400,00


D- ICMS a recuperar R$. 600,00
C- Caixa ou Bancos R$.5.000,00

Exemplo: Venda de mercadoria a vista por R$.12.000,00, ficando a empresa obrigada a recolher 12% a título de
ICMS. Sabe-se que o custo de aquisição dessa mercadoria é R$.9.800,00.

D- Caixa ou Bancos
C- Vendas de Mercadorias R$.12.000,00

D- ICMS s/ vendas (conta de despesa)


C- ICMS a recolher R$. 1.440,00

D- CMV
C- Estoque de mercadoria R$. 9.800,00

57
No inventário PERMANENTE, nas vendas, o lançamento é quase idêntico ao do inventário PERIÓDICO, a
diferença é que no PERMANENTE faz-se o lançamento do custo da mercadoria vendida e no PERIÓDICO
não. O restante é idêntico.

EXERCÍCIO

Preencher as fichas de controle de estoques com os dados da pagina seguinte:

DADOS INICIAIS DA EMPRESA:


Caixa............................................ 15.000,00

58
Estoque de Mercadoria................ 3.000,00 (30 unidades)
Capital Social.............................. 18.000,00

PEPS

ENTRADAS SAÍDAS SALDO

Quant. Vr.Unit. Total Quant. Vr. Unit. Total Quant. Vr.Unit. Total

UEPS

ENTRADAS SAÍDAS SALDO

Quant. Vr.Unit. Total Quant. Vr. Unit. Total Quant. Vr.Unit. Total

59
CUSTO MÉDIO (Móvel)

ENTRADAS SAÍDAS SALDO

Quant. Vr.Unit. Total Quant. Vr. Unit. Total Quant. Vr.Unit. Total

DADOS:

1- Compra de 03 unidades pelo valor total de R$.1.200,00, com ICMS incluso no preço de 17%. Pago frete
no valor de R$.150,00 e seguro no valor de R$.15,00;
2- Venda de 10 unidades por R$.6.000,00
3- Compra de 05 unidades por R$.500 cada, com ICMS incluso no preço de R$.425,00;
4- Compra de 03 unidades no valor total de R$.2.100,00, com ICMS incluso no preço de 17%;
5- Venda de 15 unidades por r$.750,00 cada.

Preencher as fichas de controle de estoques:

DADOS INICIAIS DA EMPRESA:


Caixa............................................ 15.000,00
Estoque de Mercadoria................ 3.000,00 (30 unidades)
Capital Social.............................. 18.000,00

Operações:
Em 03/04/2000 – Compra a vista de 10 unid. a R$ 120,00/cada (ICMS incluso 10%)
Em 05/04/2000 – Compra a prazo de 05 unid. a R$ 130,00/cada (ICMS incluso 10%)
Em 06/04/2000 – Venda a vista de 40 unid. a R$ 200,00/cada (ICMS 10%)
Em 08/04/2000 – Compra a vista de 15 unid. a R$ 140,00/cada (ICMS incluso 10%)
Em 09/04/2000 – Devolução 05 unid. da compra a vista realizada em 08/04/2000
Em 10/04/2000 – Venda a Prazo de 07 unid. a R$ 250,00/cada (ICMS 10%)
Em 11/04/2000 – Devolução de 02 unid. da venda realizada em 10/04/2000

60
PEPS

ENTRADAS SAÍDAS SALDO

Quant. Vr.Unit. Total Quant. Vr. Unit. Total Quant. Vr.Unit. Total

61
PEPS

ENTRADAS SAÍDAS SALDO

Quant. Vr.Unit. Total Quant. Vr. Unit. Total Quant. Vr.Unit. Total

CUSTO MÉDIO

ENTRADAS SAÍDAS SALDO

Quant. Vr.Unit. Total Quant. Vr. Unit. Total Quant. Vr.Unit. Total

62
Efetuar os lançamentos contábeis : (sistema Inventário Permanente)

03/04/2000

05/04/2000

06/04/2000

08/04/2000

09/04/2000

63
10/04/2000

11/04/2000

Efetuar os lançamentos contábeis : (sistema Inventário Periódico)

03/04/2000

05/04/2000

06/04/2000

64
08/04/2000

09/04/2000

10/04/2000

11/04/2000

EXERCÍCIOS

1. O Balancete de Verificação de uma empresa, levantado para fins de apuração do resultado, apresentava,
em 31.12.2003, os seguintes dados:

CONTAS VALORES
Compras de Mercadorias R$ 580.000,00
Estoque Inicial R$ 250.000,00
65
ICMS sobre Vendas R$ 144.500,00
Vendas de Mercadorias R$ 850.000,00

O Estoque Final, segundo o Livro de Inventário, foi avaliado em R$ 150.000,00. Com base nos elementos
acima, é CORRETO afirmar que o Custo das Mercadorias Vendidas foi de R$.______________________

2. Uma empresa comercial utiliza o Método do Inventário Periódico, com avaliação pelo critério PEPS,
para controlar os seus estoques. Durante o exercício de 2003 houve um furto de mercadorias que só foi
descoberto em fevereiro de 2004, com a confissão do culpado. No exercício de 2003, o valor da
mercadoria roubada, foi despercebidamente incluída:
a) No estoque inicial de mercadorias.
b) No estoque final de mercadorias.
c) No Custo de Mercadorias Vendidas.
d) Nas vendas de mercadorias.

3. O estoque inicial de mercadorias de uma empresa era de R$ 20.000,00 e o final, de R$ 15.000,00. O


custo das mercadorias vendidas durante o exercício foi de R$ 95.000,00. Do total das compras
efetuadas, 75% foram a prazo, correspondendo, portanto, ao valor de R$.____________________.

4. Analise os dados que se seguem.

Compra de Mercadorias para Revenda R$ 400.000,00


Custo de Mercadorias Vendidas R$ 350.000,00
Devolução de Compras R$ 12.000,00
Duplicatas a Receber R$ 15.000,00
Empréstimos a Pagar R$ 120.000,00
Estoque Inicial R$ 85.000,00
Fretes sobre Compras R$ 6.500,00
Pis sobre Receita Operacional R$ 3.250,00
Vendas de Mercadorias R$ 500.000,00

De acordo com os dados, o Estoque Final é de R$._____________________.

5. Dados:
Devolução de Vendas de Mercadorias R$ 5.000,00
Estoque Final de Mercadorias R$ 12.000,00
Estoque Inicial de Mercadorias R$ 8.000,00
Fretes Pagos sobre Compras de Mercadorias R$ 3.500,00
ICMs Incidente sobre as Compras de Mercadorias R$ 10.500,00
ICMs Incidente sobre as Vendas de Mercadorias R$ 22.800,00
Total das Compras de Mercadorias R$ 150.000,00
Total das Vendas de Mercadorias R$ 190.000,00

As informações acima destacadas evidenciam um resultado com mercadorias de R$._______________

6. Uma empresa comercial adquiriu para revenda, em 02.10.2002, 50 computadores ao preço unitário de
R$ 1.500,00 com alíquota de ICMs de 17%, assumindo uma dívida, representada por duas duplicatas
vencíveis em 30 e 60 dias. Da data de recebimento da mercadoria até 31.12.2002 ocorreram as
seguintes operações:

- Vendeu 15 unidades em 29.10.2002 ao preço unitário de R$ 2.500,00.


- Devolveu 5 unidades em 15.11.2002, por defeito de fabricação.
- Pagou no vencimento, sem qualquer abatimento, a primeira duplicata.
- Em 31.12.2002 transferiu para uso próprio 3 unidades para o departamento de contabilidade.

Considerando o uso do método da média ponderada, o valor do Estoque Final dessa mercadoria demonstrado no
Balanço Patrimonial em 31.12.2002, é de R$._______________________.

7. Uma empresa tinha zerado seus estoques em 01/08/2002. Durante este mesmo mês realizou as
seguintes operações: de entradas: no dia 05 um montante de 1.500 unidades ao custo unitário de R$
11,00, no dia 12 um montante de 1.800 unidades ao custo unitário de R$ 12,00 e no dia 19 um
montante de 600 unidades ao custo unitário de R$ 13,00, de saídas: no dia 09 um montante de 800

66
unidades, no dia 16 um montante de 1.300 unidades e no dia 23 um montante de 200 unidades.
Considerando o Método PEPS os saldos iniciais dos dias 06.08, 17.08 e 20.08, são, respectivamente:

R$____________________ R$_______________________ R$.________________________

8. Uma empresa apresentava as seguintes informações no sistema de controle de estoque, referentes a um


item de matéria-prima, em unidades:

Data Entrada Saída Saldo


31/01/2003 450
08/02/2003 390 840
10/02/2003 170 1.010
17/02/2003 140 1.150
18/02/2003 840 310
25/02/2003 160 150

Considerando que o estoque inicial foi comprado a R$ 5,10 a unidade e as compras a R$ 6,00, R$ 7,50 e R$
8,90, respectivamente, o Estoque Final, apurado pelo método PEPS é de R$.______________________.

9. Uma empresa que trabalhava com um único tipo de mercadoria realizou, na ordem abaixo, as
seguintes operações:
1ª) Compra de 10 unidades a R$ 30,00 cada e com destaque de 17% de ICMS.
2ª) Compra de 15 unidades a R$ 35,00 cada e com destaque de 17% de ICMS.
3ª) Venda de 8 unidades a R$ 70,00 cada e com destaque de 17% de ICMS.

Tendo em vista que essa empresa adota o Método do Custo Médio Ponderado Variável, podemos afirmar
que o Custo das Mercadorias Vendidas relativo à 3ª operação é de R$._________________________.

10. O fato representado pela compra a prazo de 100 unidades de mercadorias a R$ 200,00 cada, num total
de R$ 20.000,00 e com R$ 3.400,00 de ICMS destacado na nota fiscal é contabilizado pelo inventário
permanente através do lançamento:

11. Indique o registro contábil correspondente à venda de mercadorias, no valor de R$25.000,00, cujo
recebimento é 30% à vista, 30% em 30 dias e o restante em 60 dias. (inventário periódico)

12. O Diário e o Razão constituem:


a. Os registros auxiliares das variações patrimoniais.
b. Os registros permanentes da Entidade.
c. Os fundamentos para apuração de impostos.
d. Os dados básicos para abertura de concordata

13. Independente do método utilizado, no controle de estoque, não se altera o:


a) Valor de saída.
b) Valor final do estoque.
c) Preço de compra.
d) Custo do produto.

14. Considerando a existência de estoques de mercadorias e uma realidade de preços crescentes durante o
exercício social, podemos afirmar, quanto aos métodos de controle de estoques utilizados, que:
a) Se comparado com o método UEPS, a Média Ponderada Móvel geraria um resultado maior.
b) Se comparado com o método PEPS, a Média Ponderada Móvel geraria um resultado maior.

67
c) Se comparado com o método UEPS, o PEPS geraria um resultado equivalente.
d) Se comparado com o método UEPS, o PEPS geraria um resultado menor.

PRINCÍPIOS CONTÁBEIS
Em 29 de Dezembro de 1993, o Conselho Federal de Contabilidade através da Resolução 750/93, devido a
grande evolução ocorrida nos últimos anos na área de Ciências Contábeis, atualiza seus Princípios
Fundamentais, reduzindo-os à sete como segue:

Principio da Entidade;
Principio da Continuidade;
Principio da Oportunidade;
Principio do Registro pelo Valor Original;
Principio da Atualização Monetária;
Principio da Competência e
Principio da Prudência.

PRINCÍPIO DA ENTIDADE

Este Principio, nos diz que o Patrimônio da entidade, jamais poderá ser confundido com o Patrimônio dos
Sócios. Deverá haver a distinção por completo das operações efetuadas pelo Sócios, ( Pessoa Física ), para as
operações efetuadas pela Entidade ( Pessoa Jurídica ).
O Principio da Entidade, reconhece o Patrimônio como objeto da Contabilidade.

PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE

O principio da Continuidade, pressupõe que a entidade continuará por um tempo indefinido, mesmo que haja
indícios de que possa ocorrer o contrário.
Para isso são considerados os atos e fatos, quantitativos e qualificativos, classificados e avaliados.
Este principio é indispensável à correta aplicação do Principio da competência, por relacionar-se diretamente à
quantificação dos componentes Patrimoniais e a formação do Resultado. Também avalia a capacidade de
geração de resultados futuros.

PRINCÍPIO DA OPORTUNIDADE

Tem o objetivo de complementar o Principio da Competência, uma vez que qualquer receita ou despesa refletem
nas contas Patrimoniais e por conseqüência no Patrimônio Liquido.
O ponto chave deste principio é o reconhecimento imediato de Ativos e Passivos nos registros contábeis.
Este principio refere-se também a tempestividade e integridade dos registros. Ou seja, os registros devem ser
feitos imediatamente a sua ocorrência e com extensão correta, independente de sua origem.

PRINCÍPIO DO REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL

Os Fatos Administrativos devem ser registrados pelos valores das transações em conformidade com documentos
idôneos, também devem ser sempre registrados em moeda corrente do pais onde situa-se a entidade. Devem ser
avaliados pelo valor base de entrada.
Uma vez integrado ao Patrimônio da Entidade o bem não poderá ter seu valor alterado.
O principio da Atualização Monetária e o Principio de que tratamos agora completam-se.
O primeiro completa o valor original de entrada.

PRINCÍPIO DA ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA

Este principio indica a necessidade de reconhecermos a perda do poder aquisitivo da moeda. Fazendo-se
necessário a Atualização Monetária das Demonstrações Financeiros.
Este principio representa o ajuste dos valores originais para um determinado período através de indexadores ou
índices econômicos.

PRINCIPIO DA COMPETÊNCIA
Reconhecimento das despesas incorridas e das receitas auferidas no período de sua efetivação e não quando de
seu pagamento ou recebimento respectivamente.
Determina quando as alterações do Ativo e Passivo resultam em aumento ou diminuição do Patrimônio Liquido.
As Receitas são realizadas quando na prestação de serviço ou na venda de mercadorias a terceiros, é não quando
do seu recebimento. Também quando existir uma extinção total ou parcial de um valor do Passivo.

68
Ocorrem as despesas quando surgir um Passivo sem um valor respectivo no Ativo ou pela diminuição ou
extinção de um valor de Ativo.

PRINCÍPIO DA PRUDÊNCIA

Em casos de alternativas igualmente validas o principio da prudência determina que a contabilidade utilize
menores valores para o Ativo e Receitas e maiores valores para o Passivo e Despesas.
Isto é, para que resultem em menor o valor do Patrimônio Liquido.
Só poderá ocorrer quando as opções forem aceitas pelos outros Princípios Fundamentais da Contabilidade.
Este principio só pode ser aplicado em fatos posteriores, constituindo observância do principio da Competência.
Sua maior ênfase se dá quando da elaboração de estimativas que tenha incerteza de grau variável.

EXERCÍCIOS

QUESTÃO 01
A observância dos Princípios Fundamentais de Contabilidade emanadas pelo CFC − Conselho Federal de
Contabilidade é obrigatória no exercício da profissão e constitui condição de legitimidade das Normas
Brasileiras de Contabilidade. A Norma Contábil que determina a inclusão das receitas e despesas na apuração do
resultado do período a que pertencerem, de forma simultânea quando se correlacionarem, independentemente de
ter havido recebimento no caso de receita, ou pagamento, no caso de despesa, está contida no Princípio
Fundamental de Contabilidade da:
(A) Competência.
(B) Continuidade.
(C) Oportunidade.
(D) Tempestividade.
(E) Uniformidade.

QUESTÃO 02
As obrigações de uma empresa, cujo prazo de vencimento é indeterminado, classificam-se no Passivo
Circulante. Essa orientação baseia-se no Princípio Fundamental de Contabilidade:

a) Da Prudência.
b) Da Materialidade.
c) Da Competência.
d) Do Registro pelo Custo Original.

QUESTÃO 03
Em relação aos Princípios Fundamentais de Contabilidade, é INCORRETO afirmar:

a) O Princípio da Prudência estabelece a adoção do maior valor para os componentes do Ativo e do menor
valor para os do Passivo, com função de criar reservas ocultas.
b) A Continuidade influencia o valor econômico dos ativos e, em muitos casos, o valor ou o vencimento dos
passivos, especialmente quando a extinção da Entidade tem prazo determinado previsto ou previsível.
c) Como resultado da observância do Princípio da Oportunidade, desde que tecnicamente estimável, o registro
das variações patrimoniais deve ser feito mesmo na hipótese de somente existir razoável certeza de sua
ocorrência.
d) O Princípio da Prudência estabelece a adoção do menor valor para os componentes do Ativo e do maior
valor para os do Passivo, com função de criar reservas ocultas.

QUESTÃO 04
Uma empresa comprou, em novembro de 2003, material de expediente para utilização nos próximos seis meses,
registrando o valor da compra, integralmente, em conta de despesas. O Princípio Contábil não-observado foi o:

a) Da Competência.
b) Da Oportunidade.
c) Da Prudência.
d) Do Registro pelo Valor Original.

QUESTÃO 05
A correta aplicação do Princípio da Competência deve ser precedida da observância ao Princípio da:
a) Consistência.
b) Continuidade.
69
c) Integridade.
d) Materialidade.
QUESTÃO 06
Considere os dados a seguir referentes ao mês de dezembro de 2003:

 Despesa de dezembro/2003, paga em janeiro/2004 no valor de R$ 46,00.


 Despesa de janeiro/2004, paga em dezembro/2003 no valor de R$ 52,00.
 Despesa de dezembro/2003, paga em dezembro/2003 no valor de R$ 50,00.
 Receita de dezembro/2003, recebida em janeiro/2004 no valor de R$ 30,00.
 Receita de janeiro/2004, recebida em dezembro/2003 no valor de R$ 60,00.
 Receita de dezembro/2003, recebida em dezembro/2003 no valor de R$ 54,00.

O resultado do referido mês, conforme os Princípios Fundamentais da Contabilidade é:

a) Prejuízo de R$ 12,00.
b) Prejuízo de R$ 4,00.
c) Lucro de R$ 12,00.
d) Lucro de R$ 38,00.

QUESTÃO 06
Uma empresa comercial registra sua movimentação patrimonial pelo Regime de Competência com as seguintes
contas:
 Despesas relativas a dez/2003 e pagas em dez/2003 por R$ 34.000,00;
 Despesas relativas a jan/2004 - pagas em dez/2003 - R$ 43.000,00;
 Despesas relativas a dez/2003 - pagas em jan/2004 - R$ 26.000,00;
 Receitas relativas a dez/2003 - recebidas em jan/2004 - R$ 17.000,00;
 Receitas relativas a jan/2004 - recebidas em dez/2003 - R$ 53.000,00;
 Receitas relativas a dez/2003 - recebidas em dez/2003 - R$ 41.000,00.

Para fins de análise da diretoria e com base nas informações apresentadas, os Resultados do Exercício desta
empresa em dezembro de 2003, pelo Regime de Caixa e pelo Regime de Competência são,
respectivamente:

a) Prejuízo de R$ 2.000,00 e Lucro de R$ 6.000,00.


b) Prejuízo de R$ 17.000,00 e Lucro de R$ 2.000,00.
c) Lucro de R$ 6.000,00 e Prejuízo de R$ 2.000,00.
d) Lucro de R$ 17.000,00 e Prejuízo de R$ 2.000,00.

QUESTÃO 06
A denominação de “entidade em marcha” ou “going concern”, é encontrada em muitos sistemas de normas no
exterior e também na literatura contábil estrangeira. Estas expressões se referem ao:

a) Princípio da Competência.
b) Princípio da Continuidade.
c) Princípio da Oportunidade.
d) Princípio da Prudência

DEPRECIAÇÃO

A palavra depreciação é de uso muito freqüente, tanto na linguagem popular como na linguagem tecnológica,
econômica e contábil. Em sentido vulgar, está quase sempre ligada à idéia de valor, porém esse valor, em geral,
nunca é bem definido. Na acepção tecnológica, a palavra e aplicada no sentido de perda de eficiência funcional
dos bens, como máquinas, instalações, veículos, etc.
Depreciar consiste em considerar, como despesa ou custo do período, uma parte do valor gasto na compra dos
bens de uso da empresa. Quando a empresa adquire um bem de duração não superior a um ano o valor gasto na
compra desse bem não estará sujeito à depreciação, devendo ser contabilizado diretamente como despesa
operacional. Os bens de consumo duráveis que serão utilizados pela empresa para desenvolver suas atividades
normais por vários anos serão depreciados ao longo do tempo de vida útil para que o valor gasto na sua
aquisição seja distribuído proporcionalmente para compor o custo ou o valor das despesas de exercícios durante
os quais este em foi utilizado.
A legislação tributária, constante do Regulamento do Imposto de Renda, disciplina esse assunto determinando
as contas sujeitas à depreciação e fixando prazos, métodos, taxas, critérios etc. Portanto. Causas: Desgaste pelo
uso, ação da natureza e obsolescência. A obsolescência: se dá em função dos novos investimentos. Um bem
obsoleto é um bem antiquado, ultrapassado, fora de moda. A depreciação alcança apenas os bens materiais
70
classificados no Ativo Imobilizado e os bens de renda classificados no grupo de Investimentos do não
Circulante (Ex: Imóvel alugado).

CONTAS PRAZOS ADMITIDOS TAXAS

Computadores e Periféricos 5 anos 20% a.a.


Edifícios e Benfeitorias 25 anos 4% a.a.
Motociclos 4 anos 25% a.a.
Móveis e Utensílios e Instalações 10 anos 10% a.a.
Veículos 5 anos 20% a.a.

Momento da depreciação: a depreciação pode ser calculada mensalmente ou no final do ano, por ocasião da
apuração do Resultado do Exercício.

Calculo: para se calcular o valor da quota de depreciação, basta aplicar a taxa sobre o valor do bem a ser
depreciado.

Exemplo:
Calcular o valor da quota de depreciação da conta Veículos, que tem saldo de R$ 50.000, pela taxa de 20% a.a.
Solução:
20% de R$ 50.000 = 10.000

Contabilização
Depreciação ( Conta de Despesa ou de Custo do período)
a Depreciação Acumulada ( Conta retificadora do Ativo)

Tempo de vida útil é o prazo durante o qual se pode esperar utilização econômica do bem, na produção dos seus
rendimentos.

Quota de depreciação é o valor obtido pela aplicação da taxa sobre o valor do bem ou:
Quota de depreciação = Custo – Valor residual (eventual)
Periódica (anual ou mensal) N° de períodos de vida útil estimada (em anos ou meses)
Métodos de depreciação: existem vários, como Linear, Soma dos dígitos dos anos, Horas de trabalho etc.
Método Linear ou em Linha reta é o mais usado no Brasil e consiste em fixar constantes de depreciação ao
longo do tempo de vida útil do bem. Se o bem a ser depreciado tiver como tempo de vida útil 5 anos, a taxa
constante de depreciação será de 20% a.a.; ao final de 5 anos, a 20% ao ano, o bem terá sido totalmente
depreciado.

A depreciação pode ser normal ou acelerada:


a) é normal quando o bem for utilizado em apenas um turno de 8 horas diárias, sendo calculada com base na
taxa normal usual;
b) é acelerada quando o bem for utilizado em empresa por mais de um turno de 8 horas diárias, nesse caso, a
taxa normal será multiplicada pelo coeficiente 1,5 ou 2,0, se o bem for utilizado em 2 ou 3 turnos,
respectivamente.

Quando a Depreciação Acumulada atingir 100% do valor do bem, e estando o referido bem ainda em uso da
empresa, não haverá mais cálculo nem contabilização de depreciação desse bem, permanecendo na
contabilidade o bem pelo valor original e a conta Depreciação Acumulada por valor idêntico , até que o bem seja
baixado.
A contabilização da baixa do bem do Ativo não Ciruculante é feita debitando-se a conta Depreciação Acumulada
e creditando-se a conta que registrava o respectivo bem.
Bens adquiridos usados: a taxa anual de depreciação de bens adquiridos será fixada tendo em vista o maior dos
seguintes prazos:

a) metade da vida útil admissível para o bem adquirido novo;


b) restante da vida útil, considerada a época em relação à primeira instalação para utilização do bem.

Exaustão
É um processo semelhante à depreciação e à amortização, porém aplicado sobre as contas que registram
recursos naturais (minerais ou vegetais).
A legislação Tributária, através do Regulamento do Imposto de Renda, disciplina o assunto, determinando as
contas sujeitas à exaustão e fixando prazos, taxas, critérios etc.

Contabilização
71
Exaustão (conta de despesa ou custo operacional)
a Exaustão Acumulada (conta retificadora do Ativo imobilizado).

Exercícios
1. Quota de depreciação é o:
a) Percentual que deve ser aplicado sobre o valor do bem.
c) Saldo da conta Depreciação Acumulada.
b) Valor obtido pela aplicação da taxa sobre o valor do bem.
d) Valor do bem diminuído da depreciação.

2. A taxa de depreciação de bens adquiridos usados será fixada tendo em vista;


a) O maior dos seguintes prazos: metade da vida útil admissível para o bem adquirido novo ou o restante da vida
útil considerada a data da primeira instalação para utilização do bem.
b) A metade do tempo de vida útil.
c) O valor do bem novo ou a metade do valor pago na aquisição.
d) NDA.

3. Examine as informações abaixo:


Uma empresa possui os seguintes elementos patrimoniais classificados no seu Ativo Imobilizado:
Terrenos, R$ 150.000; Móveis e utensílios, R$ 45.000; Máquinas, R$ 78.000, Edifícios, R$ 236.000.
Informações Adicionais:
A taxa de depreciação é anual.
Supondo uma depreciação para todos os bens acima especificados a uma taxa única de 10%, e que eles
ingressaram no patrimônio em 02/01/x1, os saldos a serem registrados nas contas de Despesa com Depreciação
e Depreciação Acumulada em 31/12/x1 eram, respectivamente:
______________________ e _____________________

4. Se a vida útil do bem é de 15 anos, qual o percentual de depreciação mensal deste bem?

5. Se o valor mensal de depreciação de R$.138,00 e o seu valor de aquisição foi de R$.24.480,00. Qual é a vida
útil desse bem?

Dados Iniciais da empresa Comércio de Ventiladores Brisa Leve Ltda. em 31/12/2000.

Caixa 90.000
Mercadorias p/Revenda 54.300 1810 und. (critério utilizado PEPS) (Inventário Permanente)
Duplicatas a receber 12.000
Móveis e Utensílios 12.000 Data de aqus. 01/04/1999 (Vida útil 10 anos)
Depr.Acum.-M.Utensílios (2.100)
Capital Social 100.000
Lucros/Prej.Acumulados 54.200

OBSERVAÇÃO:

Sabe-se que: Sobre as compras está incluso ICMS (10%), que é recuperável.
Sobre as vendas a empresa fica na obrigação de pagar: ICMS 10% , COFINS 3% e PIS 0,65%
Registrar mensalmente a depreciação dos bens do Imobilizado pelo método linear. (pesquisar sobre
depreciação)

Com base nos dados acima efetuar o registro dos fatos contábeis abaixo.

01)- Em 17/01/2001 - Recebimento de 70% das duplicatas a receber com juros de $ 500.
02)- Em 18/01/2001 - Venda a prazo de 1400 ventiladores. a $ 45,00/cada.
03)- Em 27/01/2001 - Compra a vista de 1500 ventiladores a $ 33,00/cada.
04)- Em 29/01/2001 - Aqus. de um veículo por $ 15.000,00
05)- Em 03/02/2001 – Venda a vista de 800 ventiladores pelo valor total de $ 41.600
06)- Em 05/02/2001- Compra a Prazo de 500 ventiladores pelo valor total de 18.000
07)- Em 28/02/2001- Venda dos Móveis e Utensílios por $ 10.200

72
73
74
EXERCÍCIO SOCIAL

Art. 175 - O exercício social terá duração de 1 (um) ano e a data do término será fixada no estatuto.
Parágrafo único - Na constituição da companhia e nos casos de alteração estatutária o exercício social
poderá ter duração diversa.
Exercício Social é um espaço de tempo (período) da vida de uma entidade. A duração do exercício
social é de 1 ano (12 meses), podendo ser diferente nos casos de alteração estatutária ou quando da
constituição da companhia.
Quando o ciclo operacional da empresa for maior que o exercício social, a classificação no circulante
ou longo prazo terá por base esse ciclo. O ciclo operacional compreende o período em que se inicia alguma
coisa até o momento em que se termina e se vende tal coisa. Exemplo: empresas que constroem navios,
turbinas, etc.
As empresas, por questão de conveniência, em suas maiorias, fixam o exercício social com início e
término idêntico ao do ano civil (01/01X1 a 31/12/X1), por isso, a maioria dos livros exemplificam o balanço,
75
como sendo levantado em 31/12, entretanto, poderia ser qualquer outra data, contanto que a duração do
exercício fosse a de 1 ano. Exemplo: início em 17/04/X1 e término em 16/04/X2, ou início em 01/07/X1 e
término em 30/06/X2.

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Art. 176 - Ao fim de cada exercício social, a Diretoria fará elaborar, com base na escrituração mercantil
da companhia, as seguintes demonstrações financeiras, que deverão exprimir com clareza a situação do
patrimônio da companhia e as mutações ocorridas no exercício;

I - balanço patrimonial;
II - demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados;
III - demonstração do resultado do exercício;
IV - demonstração dos fluxos de caixa; e
V- se companhia aberta, demonstração do valor adicionado

§ 1° - As demonstrações de cada exercício serão publicadas com a indicação dos valores correspondentes
das demonstrações do exercício anterior.

BALANÇO PATRIMONIAL

BALANÇO PATRIMONIAL: É a demonstração que tem por objetivo expressar os elementos financeiros
e patrimoniais de uma entidade, através da apresentação ordenada de suas aplicações de recursos (Ativo) e
das origens desses recursos (Passivo).

Art. 178 - No balanço, as contas serão classificadas segundo os elementos do patrimônio que registrem, e
agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a análise da situação financeira da companhia.

§ 1° - No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos nelas
registrados, nos seguintes grupos:

Liquidez: Capacidade de solvência ou de pagamento de dívidas e obrigações, necessitando de bens


numerários para fazer frente a esses compromissos. Um bem ou direito, quanto mais próximo estiver de se
transformar em dinheiro, maior liquidez possuirá.

a) ativo circulante;
b) ativo não circulante, composto por ativo realizável a longo prazo, investimentos, imobilizado e
intangível.

§ 2° - No passivo, as contas serão classificadas nos seguintes grupos:


(As contas deverão ser dispostas por ordem decrescente de exigibilidade “de vencimento da
dívida”)
a) passivo circulante;
b) passivo não circulante; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009)
c) resultados de exercícios futuros;
d) patrimônio líquido, dividido em capital social, reservas de capital, ajuste de avaliação patrimonial,
reservas de lucros, ações em tesouraria e prejuízos acumulados.

§ 3° - Os saldos devedores e credores que a companhia não tiver direito de compensar serão classificados
separadamente.
Se a empresa tem um IRPJ a restituir de $ 100 e tem um ICMS a recolher de $ 70, deverá classificar o
IRPJ no ativo e o ICMS no passivo, ou seja, separadamente. Caso tivesse um ICMS a recuperar de $ 100 e um
ICMS a recolher de $ 70, faria a compensação e iria evidenciar apenas um direito de $ 70.

ATIVO PASSIVO

CIRCULANTE CIRCULANTE

NÃO CIRCULANTE NÃO CIRCULANTE


REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
INVESTIMENTOS PATRIMÔNIO LÍQUIDO
IMOBILIZADO CAPITAL SOCIAL

76
INTANGÍVEL RESERVAS DE CAPITAL
AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL
RESERVAS DE LUCROS
PREJUÍZOS ACUMULADOS

ATIVO

Art. 179 - As contas serão classificadas do seguinte modo:

I - no ativo circulante: as disponibilidades, os direitos realizáveis no curso do exercício social


subseqüente e as aplicações de recursos em despesas do exercício seguinte:

II - no ativo realizável a longo prazo: os direitos realizáveis após o término do exercício seguinte, assim
como os derivados de vendas, adiantamentos ou empréstimos a sociedades coligadas ou controladas (Art. 243),
diretores, acionistas ou participantes no lucro da companhia, que não constituírem negócios usuais na
exploração do objeto da companhia;

Sociedades Coligadas: são as sociedades em que, sem haver controle, a investidora (sociedade que
detiver ações ou quotas de outras) participa com 10% ou mais do capital social da investida (sociedade que
tem ações ou quotas de sua emissão possuídas por outras).
Sociedade Controladora: é a empresa investidora que detiver, direta ou indiretamente, mais de 50%
do capital votante de uma sociedade investida, esta chamada de controlada.

INVESTIDORA

= ou = ou
>50% > 10% <50% < 10%

Controlada Coligada Outras

III - em investimentos: as participações permanentes em outras sociedades e os direitos de qualquer


natureza, não classificáveis no ativo circulante, e que não se destinem à manutenção da atividade da companhia
ou da empresa;

IV - no ativo imobilizado: os direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das
atividades da companhia ou da empresa ou exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações
que transfiram à companhia os benefícios, riscos e controle desses bens;

VI - no intangível: os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da
companhia ou exercidos com essa finalidade, inclusive o fundo de comércio adquirido.

Parágrafo único - Na companhia em que o ciclo operacional da empresa tiver duração maior que o
exercício social, a classificação no circulante ou longo prazo terá por base o prazo desse ciclo.

PASSIVO EXIGÍVEL

Art. 180 - As obrigações da companhia, inclusive financiamentos para aquisição de direitos do ativo não
circulante, serão classificadas no passivo circulante, quando se vencerem no exercício seguinte, e no passivo
não circulante, se tiverem vencimento em prazo maior, observado o disposto no parágrafo único do art. 179
desta Lei.(Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

77
PATRIMÔNIO LÍQUIDO: corresponde à diferença entre os valores que compõem o Ativo, o Passivo
Exigível e o Resultado de Exercícios Futuros.
O Patrimônio Líquido se divide em:
- Capital Social;
- Reservas de Capital;
- Ajustes de Avaliação Patrimonial
- Reservas de Lucros e
- Prejuízos Acumulados

Art. 182 - A conta do capital social discriminará o montante subscrito e, por dedução, a parcela ainda não
realizada.
Capital Social: representa valores recebidos pela empresa, ou por ela gerados, e que estão formalmente
incorporados ao capital. O Art. 182 da Lei nº.6404/76 estabelece que “a conta do capital social discriminará o
montante subscrito, e por dedução, a parcela ainda não realizada”. Dessa forma o capital social subdivide-se
em:
- Capital subscrito (compromisso assumido pelos sócios ou acionistas)
- Capital Realizado (pagamento efetivo do compromisso pelos sócios ou acionistas)
- Capital a Realizar (parcela do compromisso, assumido pelos sócios ou acionistas, ainda não
quitada)

BALANÇO PATRIMONIAL
A T I V O PA S S I V O

CIRCULANTE CIRCULANTE

Representa os bens, direitos e aplicações de Representa as obrigações (dívidas) da empresa,,


recursos, cuja realização (transformação em cuja exigibilidade (vencimento) ocorrerá ATÉ o
dinheiro) se dará ATÉ o final do exercício social final do exercício social seguinte.
seguinte. Ex: Exercício social com duração de 12 meses:
Ex: Exercício social com duração de 12 meses: Início em 01/01 e término em 31/12 de cada
Início em 01/01 e término em 31/12 de cada ano ano

Direito a ser classificado no final do exercício Obrigação a ser classificada no final do exercício
social (31/12/2006):Duplicata a ser recebida em social (31/12/2006):Título a ser pago em
18/09/2007 21/04/2007

(A realização deste direito se dará no decorrer do exercício social (A exigibilidade (pagamento) dessa obrigação deverá ser
seguinte, ou seja, entre 01/01/2007 a 31/12/2007). efetuada no decorrer do exercício social seguinte (dia
21/04/2007), ou seja, entre 01/01/2007 a 31/12/2007).
NÃO CIRCULANTE
NÃO CIRCULANTE
REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
Representa as obrigações (dívidas) da empresa,,
Representa os bens, direitos e aplicações de cuja exigibilidade (vencimento) ocorrerá APÓS o
recursos, cuja realização (transformação em final do exercício social seguinte.
dinheiro) se dará APÓS o final do exercício social Ex: Exercício social com duração de 12 meses:
seguinte, e os direitos oriundos de adiantamentos, Início em 01/01 e término em 31/12 de cada
vendas ou empréstimo a sócios, acionistas, ano
coligadas, controladas ou a participantes do lucro
da empresa, independentemente da data de Obrigação a ser classificada no final do exercício
realização desse direito, e desde que não seja social (31/12/2006):Título a ser pago em
atividade da empresa a prática do ato que gerou o 21/01/2008
direito).
(A exigibilidade (pagamento) dessa obrigação deverá ser
Ex: Exercício social com duração de 12 meses: efetuada APÓS o final do exercício social seguinte (dia
Início em 01/01 e término em 31/12 de cada ano 21/01/2008), ou seja, APÓS 31/12/2007).

Direito a ser classificado no final do exercício PATRIMÔNIO LÍQUIDO


social (31/12/2006):Duplicata a ser recebida em (Diferença entre BENS + DIREITOS (-)
18/05/2008 OBRIGAÇÕES. É subdividido nos grupos abaixo).
(A realização deste direito se dará APÓS o final do exercício
social seguinte, ou seja, APÓS 31/12/2007).
CAPITAL SOCIAL
78
(representa valores recebidos pela empresa,
(Os bens e direitos aqui registrados são aqueles queou por ela gerados, e que estão formalmente
a empresa adquire sem a intenção de venda. Isso incorporados ao capital. O Art. 182 da Lei
não quer dizer que ela não possa vendê-los, nº.6404/76 estabelece que “a conta do capital
significa apenas que a intenção inicial é de não social discriminará o montante subscrito, e por
vendê-los. É subdivido nos subgrupos abaixo). dedução, a parcela ainda não realizada. Em outras
palavras representa o valor dos bens e direitos que
INVESTIMENTOS os sócios entregaram a título de capital social no
(São bens e direitos adquiridos sem a intenção início das atividades e durante a vida da empresa,
de venda e que não se destinem à manutenção da bem como incorporação de lucros (valores gerados
atividade da empresa). pela empresa) e ou reservas de capital a título de
CAPITAL SOCIAL).
IMOBILIZADO
(São bens e direitos corpóreos adquiridos sem a RESERVAS DE CAPITAL
intenção de venda e que se destinem à manutenção (representam valores recebidos que não
da atividade da empresa). transitaram pelo seu resultado como receita, são
INTANGÍVEL bens e direitos que entraram no ativo da empresa
(São bens e direitos incorpóreos adquiridos sem sem que ela fizesse algum esforço financeiro ou
a intenção de venda e que se destinem à econômico para obtê-los).
manutenção da atividade da empresa).
AJUSTES DE AVALIAÇÃO
PATRIMONIAL
(Serão classificadas como ajustes de avaliação
patrimonial, enquanto não computadas no
resultado do exercício em obediência ao regime de
competência, as contrapartidas de aumentos ou
diminuições de valor atribuído a elementos do
ativo (§ 5º do art. 177, inciso I do caput do art. 183
e § 3º do art. 226 desta Lei) e do passivo, em
decorrência da sua avaliação a preço de
mercado.).

RESERVAS DE LUCROS
(Representam lucros reservados e constituem
garantia e segurança adicional para a saúde
financeira da companhia, por que são lucros
contabilmente realizados que ainda não foram
distribuídos aos sócios ou acionistas. São lucros
retidos com finalidade específica).

PREJUÍZOS ACUMULADOS
(Representam prejuízos acumulados)

Reversão: Significa que quando as reservas de lucros deixarem de ter fundamento, por já terem sido
realizados os motivos pelos quais foram constituídas, os seus valores, corrigidos monetariamente, deverão
retornar à conta Lucros ou Prejuízos Acumulados.

Exemplos de Reservas de Lucros:


- Reserva legal
- Reservas Estatutárias
- Reservas para contingências
- Reservas de lucros a realizar
- Reservas de lucros para Expansão

Deve-se atentar ao fato de que sempre estaremos fazendo a classificação dos bens, direitos e obrigações
no final do exercício social, data de elaboração do balanço segundo o art.176. Quando estivermos elaborando
um balanço em data diferente que a do final do exercício social, deveremos fazer a classificação entendendo
que, por exemplo, Ativo Circulante são o bens, direitos e as aplicações de recursos realizáveis NÃO NO
EXERCÍCIO SOCIAL SEGUINTE, mas sim nos meses seguintes, meses estes cujo tempo some o tempo
equivalente a de um exercício social.
Exemplo: Classificação de uma nota promissória a receber cujo vencimento ocorrerá em 31/08/2007
1) Classificação na data de elaboração do Balanço segundo o art.176, ou seja, no final do exercício social:
a) Admitindo-se exercício social com início em 01/01/2006 e término em 31/12/2006 (um ano)::

79
A classificação será efetuada em 31/12/2006, e será considerada um Ativo Circulante, pois segundo a
Lei 6.404/76, artigo 179, Ativo Circulante são: “as disponibilidades, os direitos realizáveis no curso do
exercício social subseqüente e as aplicações de recursos em despesas do exercício seguinte” ou seja, tudo que
se realizar no período de 01/01/2007 a 31/12/2007.
b) Admitindo-se exercício social com início em 01/05/2005 e término em 30/04/2006 (um ano):
A classificação será efetuada em 30/06/2006, e será considerada um Ativo Realizável a Longo Prazo,
pois segundo a Lei 6.404/76, artigo 179 Ativo Circulante são: “as disponibilidades, os direitos realizáveis no
curso do exercício social subseqüente e as aplicações de recursos em despesas do exercício seguinte”, ou seja,
tudo que se realizar no período de 01/05/2006 a 30/04/2007.

2) Elaboração de um balanço em data diversa daquela determinada pelo art.176, ou seja, em data diferente da
do final do exercício social:
Admitindo-se exercício social com início em 01/01/2006 e término em 31/12/2006:
Balanço elaborado em 31/03/2006. A classificação será efetuada em 31/03/2006, e o direito em questão
(nota promissória c/ vencimento em 31/08/2007), será considerado um Ativo Realizável a Longo Prazo, pois
neste caso não podemos interpretar o art.176 literalmente. Caso o fizéssemos, o período compreendido como
circulante seria o de 01/042006 a 31/12/2007 (21 meses). O período a ser considerado como circulante tem que
ser o equivalente ao do exercício social, ou seja, no caso, o de 12 meses (01/04/2006 a 31/03/2007),
prevalecendo desta forma o bom senso, e acima de tudo, mantendo-se ativo o espírito classificatório do art.179.

§ 2° - Nas demonstrações, as contas semelhantes poderão ser agrupadas; os pequenos saldos poderão ser
agregados, desde que indicada a sua natureza e não ultrapassem 0,1 (um décimo) do valor do respectivo grupo
de contas; mas é vedada a utilização de designações genéricas, como "diversas contas" ou "contas correntes".

Exemplo:
A)

ATIVO CIRCULANTE............... $ 2.000,00


DISPONÍVEL
Caixa................................. $ 1.000,00 Deve detalhar as contas, pois sua soma
Bancos c/Movimento......... $ 500,00 Representa mais de 10% do grupo
B)

ATIVO CIRCULANTE............... $ 80.000,00


DISPONÍVEL Pode ser agrupado “Caixa e Bancos” em
Caixa................................. $ 1.000,00 disponibilidade, pois sua soma é inferior a
Bancos c/Movimento......... $ 500,00 10% do Grupo “CIRCULANTE”

§ 3° - As demonstrações financeiras registrarão a destinação dos lucros segundo a proposta dos órgãos da
administração, no pressuposto de sua aprovação pela assembléia geral.

§ 4º As demonstrações serão complementadas por notas explicativas e outros quadros analíticos ou


demonstrações contábeis necessários para esclarecimento da situação patrimonial e dos resultados do exercício.

§ 5o As notas explicativas devem: (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

I – apresentar informações sobre a base de preparação das demonstrações financeiras e das práticas
contábeis específicas selecionadas e aplicadas para negócios e eventos significativos; (Incluído pela Lei nº
11.941, de 2009)

II – divulgar as informações exigidas pelas práticas contábeis adotadas no Brasil que não estejam
apresentadas em nenhuma outra parte das demonstrações financeiras; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009)

III – fornecer informações adicionais não indicadas nas próprias demonstrações financeiras e
consideradas necessárias para uma apresentação adequada; e (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009)

IV – indicar: (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009)

80
a) os principais critérios de avaliação dos elementos patrimoniais, especialmente estoques, dos cálculos
de depreciação, amortização e exaustão, de constituição de provisões para encargos ou riscos, e dos ajustes para
atender a perdas prováveis na realização de elementos do ativo; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009)

b) os investimentos em outras sociedades, quando relevantes (art. 247, parágrafo único); (Incluído pela
Lei nº 11.941, de 2009)

c) o aumento de valor de elementos do ativo resultante de novas avaliações (art. 182, § 3 o ); (Incluído
pela Lei nº 11.941, de 2009)

d) os ônus reais constituídos sobre elementos do ativo, as garantias prestadas a terceiros e outras
responsabilidades eventuais ou contingentes; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009)

e) a taxa de juros, as datas de vencimento e as garantias das obrigações a longo prazo; (Incluído pela Lei
nº 11.941, de 2009)

f) o número, espécies e classes das ações do capital social; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009)

g) as opções de compra de ações outorgadas e exercidas no exercício; (Incluído pela Lei nº 11.941, de
2009)

h) os ajustes de exercícios anteriores (art. 186, § 1o); e (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009)

i) os eventos subsequentes à data de encerramento do exercício que tenham, ou possam vir a ter, efeito
relevante sobre a situação financeira e os resultados futuros da companhia. (Incluído pela Lei nº 11.941, de
2009)

§ 6o A companhia fechada com patrimônio líquido, na data do balanço, inferior a R$ 2.000.000,00 (dois
milhões de reais) não será obrigada à elaboração e publicação da demonstração dos fluxos de caixa. (Redação
dada pela Lei nº 11.638,de 2007)

§ 7o A Comissão de Valores Mobiliários poderá, a seu critério, disciplinar de forma diversa o registro
de que trata o § 3o deste artigo. (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009)

ATIVO E SUA AVALIAÇÃO

Art. 183. No balanço, os elementos do ativo serão avaliados segundo os seguintes critérios:

I - as aplicações em instrumentos financeiros, inclusive derivativos, e em direitos e títulos de créditos,


classificados no ativo circulante ou no realizável a longo prazo: (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007)

a) pelo seu valor justo, quando se tratar de aplicações destinadas à negociação ou disponíveis para venda; e
(Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

b) pelo valor de custo de aquisição ou valor de emissão, atualizado conforme disposições legais ou
contratuais, ajustado ao valor provável de realização, quando este for inferior, no caso das demais aplicações e
os direitos e títulos de crédito; (Incluída pela Lei nº 11.638,de 2007)

II - os direitos que tiverem por objeto mercadorias e produtos do comércio da companhia, assim como
matérias-primas, produtos em fabricação e bens em almoxarifado, pelo custo de aquisição ou produção,
deduzido de provisão para ajustá-lo ao valor de mercado, quando este for inferior;

Exemplo: Admitindo-se que a empresa tenha em seus estoques mercadorias que foram adquiridas por $
1.000,00, no entanto, na data do balanço o preço de aquisição (valor de mercado) é R$.900,00:

Lançamento no momento da compra:


D- Estoques (Ativo circulante)
C- Caixa/Bancos.....................................................R$ 1.000,00

Lançamento na data de elaboração do balanço:


D- Provisão p/ajuste ao valor de mercado (Conta de resultado)
C- Provisão p/ajuste ao valor de mercado (Conta retificadora da conta estoques “Ativo”).......R$ 100,00

81
A conta retificadora da conta estoques aparecerá no balanço até o dia em que tais estoques ainda
existirem. Após a venda deve-se baixar tal conta:

Lançamento de baixa da conta:


D- Provisão p/ajuste ao valor de mercado (Conta retificadora da conta estoques “Ativo”)
C-Estoques (Ativo).......................................................................................................................R$ 100,00

III - os investimentos em participação no capital social de outras sociedades, ressalvado o disposto nos
Arts. 248 a 250, pelo custo de aquisição, deduzido de provisão para perdas prováveis na realização do seu valor,
quando essa perda estiver comprovada como permanente, e que não será modificado em razão do recebimento,
sem custo para a companhia, de ações ou quotas bonificadas;

Arts. 248 a 250 (Avaliação de Investimentos e Coligadas e Controladas

Art. 248. No balanço patrimonial da companhia, os investimentos em coligadas ou em controladas e em outras


sociedades que façam parte de um mesmo grupo ou estejam sob controle comum serão avaliados pelo método
da equivalência patrimonial, de acordo com as seguintes normas: (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

I - o valor do patrimônio líquido da coligada ou da controlada será determinado com base em balanço
patrimonial ou balancete de verificação levantado, com observância das normas desta Lei, na mesma data, ou
até 60 (sessenta) dias, no máximo, antes da data do balanço da companhia; no valor de patrimônio líquido não
serão computados os resultados não realizados decorrentes de negócios com a companhia, ou com outras
sociedades coligadas à companhia, ou por ela controladas;

II - o valor do investimento será determinado mediante a aplicação, sobre o valor de patrimônio líquido
referido no número anterior, da porcentagem de participação no capital da coligada ou controlada;

III - a diferença entre o valor do investimento, de acordo com o número II, e o custo de aquisição
corrigido monetariamente; somente será registrada como resultado do exercício:

a) se decorrer de lucro ou prejuízo apurado na coligada ou controlada;

b) se corresponder, comprovadamente, a ganhos ou perdas efetivos;

c) no caso de companhia aberta, com observância das normas expedidas pela Comissão de Valores
Mobiliários.

§ 1º Para efeito de determinar a relevância do investimento, nos casos deste artigo, serão computados
como parte do custo de aquisição os saldos de créditos da companhia contra as coligadas e controladas.

§ 2º A sociedade coligada, sempre que solicitada pela companhia, deverá elaborar e fornecer o balanço
ou balancete de verificação previsto no número I.

IV - os demais investimentos, pelo custo de aquisição, deduzido de provisão para atender às perdas
prováveis na realização do seu valor, ou para redução do custo de aquisição ao valor de mercado, quando este
for inferior;

Os recursos aplicados em bens e direitos classificados como investimentos, devem ser registrados pelo
custo de aquisição. Deve fazer lançamento de ajuste ao valor de mercado, caso venha a ocorrer uma perda
(redução do valor de mercado) de forma permanente. Não deve-se confundir essa redução com baixa no valor
da ação. A redução tem que ser permanente e não temporária. Os investimentos em sociedade Coligadas e
Controladas, dependendo de uma série de análises, às vezes devem ser avaliados pelo método da equivalência
patrimonial. Exemplo: Digamos que tenhamos adquirido 30% das ações da empresa MEGA por R$.3.000,00,
fazendo dela uma Coligada nossa. No final do exercício social a empresa MEGA ao elaborar seu balanço
constatou um lucro de R$.2.000,00, o que elevou seu PL de R$.10.000,00 para 12.000,00, ou seja, um aumento
de 20%¨. Diante desta situação, o nosso investimento, se entendido que ele deva ser avaliado pelo método da
equivalência, deveremos proceder a um lançamento ajustando no investimento, de R$.3.000,00 para
R$.3.600,00, ou seja, um ajuste de 20%., justamente o quanto elevou o PL da empresa MEGA.

Lançamento de ajuste do investimento pelo método da equivalência patrimonial:

D- Investimento em Coligadas (Ativo não Circulante)

82
C- Outras receitas Operacionais (Conta de resultado)..........................R$ 600,00

A empresa MEGA, por sua vez não tem que fazer nenhum lançamento em relação à equivalência. Caso
ela venha a propor distribuição de dividendos, deverá evidentemente fazer a respectiva provisão:
Exemplo: proposta de distribuição de 15% do lucro obtido, ou seja, R$.300,00 (R$.2.000,00 x 15%)

Lançamento de provisão para distribuição de dividendos na empresa MEGA:

D- Lucros/Prejuízos Acumulados (PL)


C- Dividendos a distriuir (Passivo Circulante)............................R$ 300,00

Lançamento em nossa contabilidade, em relação à proposta de distribuição de dividendos pela empresa


MEGA:
D- Dividendos a receber (Ativo Circulante)
C- Investimento em Coligadas (Ativo não Circulante).....................R$ 90,00

A conta creditada é Investimento e não conta de receita. Isso ocorre por que a receita já foi registra no
momento da avaliação pela equivalência. O que está ocorrendo é apenas a transformação de parte do
investimento em dinheiro.

V - os direitos classificados no imobilizado, pelo custo de aquisição, deduzido do saldo da respectiva


conta de depreciação, amortização ou exaustão;

Os bens e direitos classificados como ativo imobilizado, devem ser depreciados, amortizados ou
exauridos
A depreciação evidencia o valor do desgaste físico ocorrido em função do uso, da ação da natureza ou
do fato do bem estar ficando obsoleto.
A amortização evidencia a perda do valor ocorrida em razão, não do uso efetivo, mas do tempo que é
transcorrido. Ela retrata a perda de valor nos direitos do ativo imobilizado de duração limitada. Exemplo:
Marcas e Patentes.
A exaustão evidencia perda do valor pela exploração dos recursos minerais ou florestais. É que o bem
vai exaurindo-se (acabando-se). Na área agrícola, diz-se que a lavoura classificada como Ativo Imobilizado,
sofrerá exaustão caso o fruto seja a própria árvore. Ex: Cana-de-açucar, eucalipto, etc. Sofrerá depreciação
caso o fruto não seja a própria árvore, como o café, a laranja, etc.

Lançamento da depreciação, amortização ou exaustão:

D- Despesa ou custo c/ depreciação


C- Depreciação acumulada......................................R$

VII – os direitos classificados no intangível, pelo custo incorrido na aquisição deduzido do saldo da
respectiva conta de amortização; (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)

VIII – os elementos do ativo decorrentes de operações de longo prazo serão ajustados a valor presente,
sendo os demais ajustados quando houver efeito relevante. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)

§ 1o Para efeitos do disposto neste artigo, considera-se valor justo: (Redação dada pela Lei nº 11.941, de
2009)

a) das matérias-primas e dos bens em almoxarifado, o preço pelo qual possam ser repostos, mediante
compra no mercado;

b) dos bens ou direitos destinados à venda, o preço líquido de realização mediante venda no mercado,
deduzidos os impostos e demais despesas necessárias para a venda, e a margem de lucro;

c) dos investimentos, o valor líquido pelo qual possam ser alienados a terceiros.

d) dos instrumentos financeiros, o valor que pode se obter em um mercado ativo, decorrente de transação
não compulsória realizada entre partes independentes; e, na ausência de um mercado ativo para um determinado
instrumento financeiro: (Incluída pela Lei nº 11.638,de 2007)

1) o valor que se pode obter em um mercado ativo com a negociação de outro instrumento financeiro de
natureza, prazo e risco similares; (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)

83
2) o valor presente líquido dos fluxos de caixa futuros para instrumentos financeiros de natureza, prazo e
risco similares; ou (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)

3) o valor obtido por meio de modelos matemático-estatísticos de precificação de instrumentos financeiros.


(Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)

§ 2o A diminuição do valor dos elementos dos ativos imobilizado e intangível será registrada
periodicamente nas contas de: (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

a) depreciação, quando corresponder à perda do valor dos direitos que têm por objeto bens físicos sujeitos a
desgaste ou perda de utilidade por uso, ação da natureza ou obsolescência;

b) amortização, quando corresponder à perda do valor do capital aplicado na aquisição de direitos da


propriedade industrial ou comercial e quaisquer outros com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo
objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado;

c) exaustão, quando corresponder à perda do valor, decorrente da sua exploração, de direitos cujo objeto
sejam recursos minerais ou florestais, ou bens aplicados nessa exploração.

§ 3o A companhia deverá efetuar, periodicamente, análise sobre a recuperação dos valores registrados no
imobilizado e no intangível, a fim de que sejam: (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

I – registradas as perdas de valor do capital aplicado quando houver decisão de interromper os


empreendimentos ou atividades a que se destinavam ou quando comprovado que não poderão produzir
resultados suficientes para recuperação desse valor; ou (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)

II – revisados e ajustados os critérios utilizados para determinação da vida útil econômica estimada e para
cálculo da depreciação, exaustão e amortização. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)

§ 4° Os estoques de mercadorias fungíveis destinadas à venda poderão ser avaliados pelo valor de mercado,
quando esse for o costume mercantil aceito pela técnica contábil.

PASSIVO E SUA MENSURAÇÃO

Art. 184 - No balanço, os elementos do passivo serão avaliados de acordo com os seguintes critérios:

I - as obrigações, encargos e riscos, conhecidos ou calculáveis, inclusive imposto de renda a pagar com
base no resultado do exercício, serão computados pelo valor atualizado até a data do balanço;

Exemplo: Quando a empresa elabora seu Balanço, via de regra isto ocorre em 31/12 (data que
determina o final do exercício social), ela deverá fazer constar do balanço todas as obrigações conhecidas ou
calculáveis, como é o caso de férias dos funcionários que conquistaram o direito integral ou a vezes
proporcional. O imposto de renda, este que incide sobre o lucro do período que se encerra, deve ser registrado
antes do encerramento do resultado do exercício.

Lançamento do imposto de renda:


D- Provisão para Imposto de Renda (conta de resultado)
C- Imposto de Renda a recolher (Passivo)..................................R$ 100,00

II - as obrigações em moeda estrangeira, com cláusula de paridade cambial, serão convertidas em moeda
nacional à taxa de câmbio em vigor na data do balanço;

Exemplo: a empresa comprou a prazo um Veículo por $ 1.000 dólares (cotação do dólar na data da
compra = R$.1,50). No momento de elaborar seu balanço a cotação do dólar é de R$.1,80. Neste caso deverá
fazer um lançamento para ajustar o valor da obrigação de R$.1.500,00 ($ 1.000 x R$.1,50) para R$.1.800,00
($1.000,00 x R$.1,80).

Lançamento no momento da compra:


D- Veículos (Ativo Imobilizado)
C- Títulos a pagar (Passivo)...............................................R$ 1.500,00

Lançamento de ajuste na data do balanço:


D- Variações monetárias passivas (conta de resultado “despesa financeira”)
C- Títulos a pagar (Passivo)...............................................R$ 300,00

84
III – as obrigações, os encargos e os riscos classificados no passivo não circulante serão ajustados ao seu
valor presente, sendo os demais ajustados quando houver efeito relevante. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de
2009)

ESCRITURAÇÃO

Art. 177. A escrituração da companhia será mantida em registros permanentes, com obediência aos preceitos da
legislação comercial e desta Lei e aos princípios de contabilidade geralmente aceitos, devendo observar métodos
ou critérios contábeis uniformes no tempo e registrar as mutações patrimoniais segundo o regime de
competência.

§ 1º As demonstrações financeiras do exercício em que houver modificação de métodos ou critérios


contábeis, de efeitos relevantes, deverão indicá-la em nota e ressaltar esses efeitos.

2o A companhia observará exclusivamente em livros ou registros auxiliares, sem qualquer modificação da


escrituração mercantil e das demonstrações reguladas nesta Lei, as disposições da lei tributária, ou de legislação
especial sobre a atividade que constitui seu objeto, que prescrevam, conduzam ou incentivem a utilização de
métodos ou critérios contábeis diferentes ou determinem registros, lançamentos ou ajustes ou a elaboração de
outras demonstrações financeiras. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

I – (revogado); (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

II – (revogado). (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

§ 3o As demonstrações financeiras das companhias abertas observarão, ainda, as normas expedidas pela
Comissão de Valores Mobiliários e serão obrigatoriamente submetidas a auditoria por auditores independentes
nela registrados. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

§ 4º As demonstrações financeiras serão assinadas pelos administradores e por contabilistas legalmente


habilitados.

§ 5o As normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários a que se refere o § 3 o deste artigo deverão
ser elaboradas em consonância com os padrões internacionais de contabilidade adotados nos principais
mercados de valores mobiliários. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)

§ 6o As companhias fechadas poderão optar por observar as normas sobre demonstrações financeiras
expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários para as companhias abertas. (Incluído pela Lei nº 11.638,de
2007)

§ 7o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

DADOS PARA EXERCÍCIO

1- Empréstimo efetuado em 01/03/02 junto ao Banco Y, no valor total de $ 6.800, dividido em 32


parcelas, com vencimento da primeira parcela em 01/11/02.
2- Pagamento a vista em 16/06/02 de um seguro de veículo no valor total de $ 1.417,50, cujo prazo de
cobertura é de 27 meses, tendo início em 01/07/2002.
3- Assinatura de um jornal nas seguintes condições: Período da assinatura 01/11/02 a 31/10/04. Condições
de pagamento: 6 parcelas de $ 480, sendo a primeira no ato da assinatura e as demais no primeiro dia
de cada mês.
4- A empresa Jarrão-Comércio de Bebidas S/A, efetuou em 12/11/02 a um de seus sócios, um empréstimo
no valor de $ 8.000, nas seguintes condições: O sócio efetuará o pagamento do empréstimo em 4
parcelas, nas seguintes datas: 15/12/02, 15/01/03, 15/02/03 e 15/04/03.
5- A empresa MEGA vendeu a uma de suas coligadas, um imóvel no valor valor de $ 10.000, nas
seguintes condições: 50% em 17/12/02 e o restante em 25 parcelas, vencendo a primeira no dia
31/01/03.
6- Uma empresa adquiriu em 15/10/02, 300 unidades de aparelhos de TV (Mercadorias p/revenda),
pagando por cada unidade $ 200. Em 31/12/02, quando da elaboração de seu balanço, a empresa
constatou em seus controles de estoques 35 unidades, ou seja, 265 unidades foram vendidas. A
empresa verificou que o preço de mercado dessas mercadorias na data de seu balanço (31/12/02) é de $
193 cada unidade.

EXERCÍCIO – PERGUNTAS
85
a) Admitindo que o exercício social da empresa é de 01/01 a 31/12, em relação à situação "1", qual valor
figurará no PC e no PELP nos balanços de 31/12/02 e 31/12/03?
b) Admitindo que o exercício social da empresa é de 01/01 a 31/12, em relação à situação "2", qual valor
figurará no Ativo Circulante e no Realizável a Longo nos balanços de 31/12/02 e 31/12/03?
c) Admitindo que o exercício social da empresa é de 01/01 a 31/12, em relação à situação "3", qual valor
figurará no AC, PC, ARLP e PELP nos balanços de 31/12/02 e 31/12/03?
d) Admitindo que o exercício social da empresa é de 01/01 a 31/12, em relação à situação "4", qual valor
figurará no AC e ARLP no balanço de 31/12/02 e 31/12/03?
e) Admitindo que o exercício social da empresa é de 01/01 a 31/12, em relação à situação "5", qual valor
figurará no AC, PC, ARLP e PELP nos balanços de 31/12/02 e 31/12/03?
f) Em relação à situação "6", qual o valor que figurará a título de Estoque de mercadorias no AC da
empresa?
g) Admitindo que o exercício social da empresa é de 01/04 a 31/03, em relação à situação "1", qual valor
figurará no Passivo Circulante e no Exigível a Longo nos balanços de 31/03/03 e 31/03/04?

EXERCÍCIOS
QUESTÃO 01
Saldos finais das contas patrimoniais da Cia. Colibri em 31.12.2005:

Caixa 1.000,00
Capital Social 1.000,00
Contas a pagar até 90 dias 1.000,00
Contas a receber até 360 dias 2.000,00
Depreciação Acumulada 500,00
Financiamentos a Longo Prazo 1.200,00
Imobilizado 2.000,00
Lucro Acumulado 700,00
Provisão p/Crédito de Liquidação Duvidosa 300,00
Salários a Pagar 300,00

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente:


(A)R$ 2.800,00 e R$ 3.600,00
(B)R$ 4.200,00 e R$ 1.700,00
(C)R$ 4.200,00 e R$ 2.800,00
(D)R$ 4.300,00 e R$ 1.200,00
(E)R$ 5.000,00 e R$ 1.000,00

QUESTÃO 02
A renovação anual dos contratos de seguros do ativo operacional da Empresa Organizadinha ocorre
sistematicamente no primeiro dia do mês de junho e o pagamento do contrato é sempre efetuado à vista em uma
única parcela. Foram pagos R$ 2.400,00 em cada um dos exercícios de 2004 e 2005. Com base nessas
informações, os saldos finais das contas Despesas Pagas Antecipadamente e Despesas de Seguros, nessa ordem,
em 31.12.2005, são:
(A) R$ 1.000,00 e R$ 2.400,00
(B) R$ 1.000,00 e R$ 1.200,00
(C) R$ 1.000,00 e R$ 1.000,00
(D) R$ 1.200,00 e R$ 1.200,00
(E) R$ 1.200,00 e R$ 2.400,00

QUESTÃO 03
A Lei no 6.404/76, ao dispor sobre as características e natureza das Sociedades por Ações, estabelece a
classificação das contas segundo os elementos do patrimônio, agrupando-as de modo a facilitar a evidenciação e
a análise financeira das companhias. Assim, se uma empresa adquire o controle acionário de outra, esse evento é
registrado no Ativo:
(A) Imobilizado.
(B) Circulante.
(C) Intangível.
(D) Realizável a Longo Prazo.
(E) Investimento.

QUESTÃO 04

86
A Empresa Comercial Aurora Ltda. negociou, em 31.12.2005, uma operação de Desconto de Duplicatas no
valor total de R$ 1.500.000,00 distribuídos conforme o fluxo de vencimento das duplicatas a seguir:

Nessa operação, a instituição financeira cobrou e recebeu juros antecipados no valor de R$ 155.000,00,
calculados à taxa de 5% ao mês (juros simples), e taxas de serviços de R$ 500,00. Se a empresa encerra o seu
exercício contábil ao final de dezembro, qual foi o efeito do registro dessa operação nas Demonstrações
Contábeis da empresa?
(A) Diminuição no Resultado do Exercício no valor de R$ 155.500,00.
(B) Diminuição no Ativo no valor de R $ 155.500,00.
(C) Diminuição no Ativo Circulante no valor de R$ 500,00.
(D) Aumento de Despesas Financeiras no valor de R$ 155.000,00.
(E) Aumento do Passivo Circulante no valor de R$ 500,00.

QUESTÃO 05
A Cia. Manufatura Guaracy adquiriu um equipamento, em outubro de 2005, colocando-o em funcionamento em
01.12.2005. Do custo de aquisição desse bem, no valor de R$ 63.000,00, foi paga uma parcela de R$ 30.000,00
e o restante financiado com incidência de juros de 12% ao ano. Além desse valor, no mês de novembro, a
empresa incorreu nos seguintes desembolsos:

Itens Pagos Valor


Transporte do Equipamento 2.500,00
Instalação e Adequação Física do Equipamento 3.000,00
Testes de Funcionamento do Equipamento 3.000,00
Juros sobre Empréstimos 330,00

Qual é o valor a ser contabilizado no Ativo Imobilizado da empresa, em 30.11.2005, em relação a esse
equipamento?
(A) R$ 63.000,00
(B) R$ 65.500,00
(C) R$ 69.500,00
(D) R$ 71.500,00
(E) R$ 71.830,00

QUESTÃO 06

Considere os saldos iniciais e os fatos ocorridos no Patrimônio Líquido de uma Companhia no ano de 2003:
Saldos em 01.01.2003
Capital Social R$ 100.000,00
Reservas de Lucros R$ 15.000,00
Lucros Acumulados R$ 12.800,00

Fatos ocorridos durante o ano de 2003


Aumento de capital com reservas de lucros R$ 10.000,00
Aumento de capital com imóveis R$ 34.000,00
Lucro do exercício R$ 26.000,00
Distribuição de dividendos retirados do lucro do exercício R$ 15.000,00
Destinação de parte do lucro para reservas R$ 8.000,00

O valor do Patrimônio Líquido, em 31.12.2003, é:

a) R$ 172.800,00.
b) R$ 174.800,00.
c) R$ 182.800,00.
d) R$ 190.800,00.

QUESTÃO 07
Uma empresa possuía um imóvel, utilizado no desempenho de suas atividades, adquirido por R$ 30.000,00 e
depreciado em 20% do seu valor. Vendeu-o por R$ 25.000,00, em 30.09.2003, concedendo prazo ao comprador
para pagamento até o final de fevereiro de 2004, com juros simples de 5% ao mês, recebidos no ato da venda. A
87
empresa encerra seu exercício social em 31 de dezembro de cada ano. A operação proporcionou à empresa
vendedora:

a) Aumento do Ativo Circulante no valor de R$ 4.750,00.


b) Aumento do Patrimônio Líquido no exercício de 2003 no valor de R$ 7.250,00.
c) Um Ativo Imobilizado reduzido no valor de R$ 25.000,00.
d) Uma Receita Financeira, no exercício de 2003, no valor de R$ 3.750,00.

QUESTÃO 08
Dois sócios resolveram constituir uma sociedade, para tanto investiram R$ 100.000,00. No ato da constituição
da sociedade, em 10.06.2003, o sócio A integralizou a importância de R$ 10.000,00 em dinheiro e R$ 40.000,00
em imóveis; o sócio B integralizou a importância de R$ 30.000,00 em dinheiro e se comprometeu integralizar o
restante em 30.12.2003. No Balancete de Verificação, de 30.11.2003, as contas Capital Subscrito e Capital a
Integralizar possuíam os seguintes saldos, respectivamente:

a) R$ 20.000,00 e R$ 100.000,00.
b) R$ 80.000,00 e R$ 20.000,00.
c) R$ 100.000,00 e R$ 20.000,00.
d) R$ 100.000,00 e R$ 100.000,00.

QUESTÃO 09
Uma determinada empresa de manutenção de veículos em seu Balancete de Verificação, de 31.12.2003,
apresentava os seguintes saldos das contas:

CONTAS SALDOS
Adiantamento de Clientes R$ 5.000,00
Bancos conta Movimento R$ 4.000,00
Caixa R$ 800,00
Capital a Integralizar R$ 8.000,00
Capital Social R$ 12.000,00
Clientes R$ 800,00
Custo de Serviços Vendidos R$ 3.500,00
Despesas com Aluguel R$ 500,00
Despesas com Energia Elétrica R$ 200,00
Despesas com Pró-Labore R$ 3.200,00
Despesas com Propaganda R$ 1.500,00
Despesas com Salários R$ 3.400,00
Despesas com Seguros R$ 300,00
Despesas com Telefone R$ 200,00
Duplicatas a Pagar R$ 3.500,00
Equipamentos R$ 4.000,00
Estoques de Peças de Reparos R$ 5.000,00
Imóveis R$ 12.000,00
Lucros Acumulados R$ 2.200,00
Receita com Venda de Serviços R$ 28.000,00
Seguros a Vencer R$ 3.300,00

Após o encerramento das contas de resultado, o Balanço Patrimonial apresentou o Ativo Total e o
Patrimônio Líquido, respectivamente, de:

a) R$ 26.600,00 e R$ 21.400,00.
b) R$ 29.900,00 e R$ 21.400,00.
c) R$ 31.600,00 e R$ 29.400,00.
d) R$ 34.900,00 e R$ 29.400,00.

QUESTÃO 10
Determinada empresa apresenta as contas de seu Balanço Patrimonial.

Caixa R$ 30.000,00
Máquinas e Equipamentos R$ 150.000,00
Fornecedores R$ 180.000,00
88
Duplicatas a Receber R$ 90.000,00
Capital Social R$ 100.000,00
Estoques R$ 120.000,00
Contas a Pagar R$ 160.000,00
Ações de Outras Empresas R$ 140.000,00
Lucros ou Prejuízos Acumulados R$ 30.000,00
Financiamentos a Pagar de Longo Prazo R$ 60.000,00

O valor do Ativo (Investimento+Imobilizado) e o do Patrimônio Líquido são, respectivamente:

a) R$ 240.000,00 e R$ 340.000,00
b) R$ 290.000,00 e R$ 130.000,00.
c) R$ 290.000,00 e R$ 270.000,00.
d) R$ 430.000,00 e R$ 150.000,00.

QUESTÃO 11
Analise o Balanço Patrimonial abaixo.

ATIVO
Ativo Circulante R$ 5.000,00
Caixa R$ 1.500,00
Bancos Conta Movimento R$ 2.000,00
Duplicatas a Receber R$ 1.500,00
Ativo não Circulante R$ 5.000,00
Veículos R$ 5.000,00
Ativo Total R$ 10.000,00
PASSIVO
Passivo Circulante R$ 6.000.00
Fornecedores R$ 2.000,00
Empréstimos a Pagar R$ 4.000,00
PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Capital Social R$ 4.000,00
Passivo Total R$ 10.000,00

Os percentuais de Capital Próprio e de Terceiros são, respectivamente:

a) 40,00% e 60,00%.
b) 57,14% e 175,00%.
c) 87,50% e 50,00%.
d) 162,50% e 70,00%.

QUESTÃO 12
Recentemente, uma loteadora colocou à venda terrenos de ótima localização para fins residenciais. Uma
empresa de grande sucesso, atuante no ramo de indústria têxtil, instalada numa cidade em crescimento, que
possui recursos disponíveis por tempo indeterminado, decidiu adquirir dois terrenos no valor de R$ 50.000,00
cada, para fins de auferir rendas através de locação. Tal bem deve ser registrado no:

a) Ativo Circulante.
b) Ativo Realizável a Longo-Prazo.
c) Ativo – Imobilizado.
d) Ativo – Investimento.

QUESTÃO 13
As receitas e as despesas estão geralmente relacionadas nas empresas com fins lucrativos. Sendo assim,
podemos afirmar que:

a) A despesa é incorrida no momento em que ocorre o consumo e a receita no momento em que recebemos
direitos já provisionados.
b) A despesa é incorrida no momento em que ocorre o desembolso e a receita é realizada no momento em que
se transfere a propriedade do bem.
c) A receita é realizada no momento em que é transferida a propriedade do bem ou serviço e a despesa é
incorrida no momento do consumo.

89
d) A receita é realizada por ocasião da transferência da propriedade e a despesa é incorrida no momento da
aquisição, independente do pagamento.

QUESTÃO 14
Uma empresa adquiriu um lote de mercadorias para revenda por R$ 250.000,00. No encerramento do
exercício, este lote, a preço de mercado, estava avaliado em R$ 200.000,00. No Balanço Patrimonial final do
exercício, essa mercadoria tem o valor correspondente ao custo de aquisição subtraído da Provisão para Ajuste
de Estoque ao Preço de Mercado de:

a) R$ 250.000,00, mas com redução de R$ 50.000,00.


b) R$ 250.000,00, sem qualquer redução.
c) R$ 200.000,00, mas com ágio de R$ 50.000,00.
d) R$ 250.000,00, mas com redução de R$ 200.000,00.

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

OBJETIVO: Fornecer o Resultado Líquido do Exercício e os elementos que o compuseram.


APRESENTAÇÃO: de forma dedutiva vertical
RESULTADO LÍQUIDO: Lucro ou Prejuízo.
EXERCÍCIO: unidade convencional de tempo
OBRIGATORIEDADE: Item III, art.176, da Lei 6.404/76

ART. 187 DA LEI 6.404/76:

Art. 187. A demonstração do resultado do exercício discriminará:

I - a receita bruta das vendas e serviços, as deduções das vendas, os abatimentos e os impostos;

II - a receita líquida das vendas e serviços, o custo das mercadorias e serviços vendidos e o lucro bruto;

III - as despesas com as vendas, as despesas financeiras, deduzidas das receitas, as despesas gerais e
administrativas, e outras despesas operacionais;

IV – o lucro ou prejuízo operacional, as outras receitas e as outras despesas; (Redação dada pela Lei nº
11.941, de 2009)

V - o resultado do exercício antes do Imposto sobre a Renda e a provisão para o imposto;

VI – as participações de debêntures, empregados, administradores e partes beneficiárias, mesmo na forma


de instrumentos financeiros, e de instituições ou fundos de assistência ou previdência de empregados, que não
se caracterizem como despesa; (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)

VII - o lucro ou prejuízo líquido do exercício e o seu montante por ação do capital social.

§ 1º Na determinação do resultado do exercício serão computados:

a) as receitas e os rendimentos ganhos no período, independentemente da sua realização em moeda; e

b) os custos, despesas, encargos e perdas, pagos ou incorridos, correspondentes a essas receitas e


rendimentos.

§ 2o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) (Revogado pela Lei nº 11.638,de 2007)

ESTRUTURA DA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

RECEITA OPERACIONAL BRUTA


Vendas de Mercadorias
Vendas de Produtos
Vendas de Serviços
(-) DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA
Devoluções, Abatimentos e/ou Descontos Incondicionais
Concedidos e Impostos Incidentes sobre Vendas e Serviços
90
(=) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA
(-) CUSTO DAS VENDAS
CMV
CPV
CSP
(=) LUCRO OU PREJUÍZO OPERACIONAL BRUTO ou (RESULTADO OPERACIONAL
BRUTO)
(-) DESPESAS OPERACIONAIS
- Despesas com Vendas
- Despesas Administrativa
- Resultado Financeiro Líquido
- Receitas Financeiras
- Despesas Financeiras
- Outras Despesas Operacionais
- Resultado Negativo em Participações Societárias,
alugueis,perdas nas venda de imobilizado, etc
(+) OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS
- Resultado Positivo em Participações Societárias, Alugueis, ganhos
nas venda de imobilizdo, etc.
(=) RESULTADO OPERACIONAL LÍQUIDO
() RESULTADO DA CORREÇÃO MONETÁRIA
(=) RESULTADO DO EXERCÍCIO ANTES DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL
(-) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO
(=) RESULTADO DO EXERCÍCIO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA
(-) IMPOSTO DE RENDA
(=) RESULTADO DO EXERCÍCIO DEPOIS DO IMPOSTO DE RENDA
(-) PARTICIPAÇÕES E CONTRIBUIÇÕES
- Debêntures
- Empregados
- Administradores
- Contr.p/Fundos de Assistência ou Previdência de Empregados
(=) RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO
RESULTADO POR AÇÃO OU QUOTA DO CAPITAL SOCIAL
Receita Operacional Bruta: Compreende o produto (valor) da venda de mercadorias, produtos ou serviços
prestados. Não se incluem na receita bruta os impostos não cumulativos cobrados destacadamente do
comprador, dos quais o vendedor seja mero depositário (IPI).
OBS: A questão de não poder integrar a Receita Bruta “os impostos não cumulativos” (IPI), é devido uma
Instrução Normativa da Receita Federal (IN 051/1978). Neste caso, sugere-se para cumprir a determinação legal
da Receita Federal, sem prejudicar as informações contábeis, a de fazer constar da contabilidade (no Plano de
contas) um grupo chamado “FATURAMENTO BRUTO” o que seria a Receita Bruta, e utilizar esta para
designar a diferença entre o Faturamento Bruto e o IPI faturado:

Exemplo:

FATURAMENTO BRUTO............... 100.000,00


(-) IPI Faturado.................... 1.000,00
(=) RECEITA BRUTA................... 99.000,00

DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA:

Impostos Incidentes sobre vendas: São os tributos que guardam proporcionalidade com o preço da venda
efetuada ou dos serviços prestados, tais como o ICMS, ISS, PIS, COFINS, etc.

Devoluções: Correspondem à anulação de valores registrados como receita bruta de vendas no período.

Descontos ou Abatimentos Incondicionais: São parcela redutoras do preço de venda, quando constarem da
Nota Fiscal de Venda, que não dependam, para sua concessão, de evento posterior à emissão desses documentos.

CUSTO DAS VENDAS: CMV, CPV e CSP


São Custos (Valores gastos para a aquisição), das mercadorias, produtos e serviços, que foram efetivamente
vendidos.

Despesas Operacionais: São gastos (não computados no custo) necessários à atividade da empresa e à
manutenção da respectiva fonte produtora.

91
Resultado da Correção Monetária do Balanço: É o saldo (Credor ou Devedor) da correção monetária de
todas as contas do Ativo imobilizado, intangível e Patrimônio Líquido. A correção monetária foi extinta por
força de legislação fiscal em 31/12/95.

Contribuição Social: É uma contribuição cobrada sobre os lucros das empresas.

Imposto de Renda: É um imposto cobrado sobre os lucros das empresas.

Participações e Contribuições: São participações sobre o lucro da empresa. Toma-se o lucro líquido depois da
Contribuição Social e do Imposto de Renda e dele se deduz o saldo eventual de prejuízos acumulados. Esse
valor se torna a base inicial das participações.
O Art. 190 da Lei 6.404/76 define que as participações de empregados e administradores serão determinadas,
sucessivamente e nessa ordem, com base nos lucros que remanescerem depois de deduzida a participação
anteriormente calculada. Esse artigo, por lapso, deixou de mencionar as Debêntures, mas, pela seqüência do
art.187, as Debêntures seriam incluídas antes da dos empregados.

Exemplo:

Resultado do Exercício depois do Imposto de Renda: $ 100.0000,00


Participações: Debêntures 10%, empregados 8%, Administradores 8% e Partes Beneficiárias 5%.

(=) RESULTADO DO EXERCÍCIO DEPOIS DO IMPOSTO DE RENDA......... 100.000,00


(-) PARTICIPAÇÕES E CONTRIBUIÇÕES
- Debêntures.......................................... 10.000,00
- Empregados......................................... 7.200,00
- Administradores..................................... 6.624,00
(=) RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO............................ 76.176,00
LUCRO PO AÇÃO

Obrigatoriedade: Art. 187, da lei 6.404/76, no seu item VII.

A informação do lucro por ação deve ser dada na própria Demonstração do Resultado do Exercício, após a linha
de lucro líquido do exercício.
O cálculo do lucro por ação, pode tornar-se um caso complexo, quando a estrutura de capital for complexa, ou
seja, capital formado por ações de espécies e classes diversas e com direitos e vantagens diferenciadas umas das
outra, ou haver, durante o exercício, aumento de capital, redução de capital, gerando dúvidas sobre o número de
ações a utilizar no cálculo. Deve-se portanto, analisar caso a caso, a fim de poder determinar o critério
adequado.

Exemplo:

Lucro Líquido do Exercício: $ 20.000,00


Número de ações: 100.000

Lucro por Ação: 20.000,00/ 100.000 = $ 0,20

92
DEMONSTRAÇÃO DOS LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

Art. 186 da Lei 6.404/76

“A demonstração de lucros ou prejuízos acumulados discriminará:

I – o saldo do início do período, os ajustes de exercícios anteriores e a correção monetária do saldo inicial;
II – as reversões de reservas e o lucro líquido do exercício;

93
III – as transferências para reservas, os dividendos, a parcela dos lucros incorporada ao capital e o saldo final do
período.”

§ 1° - Como ajustes de exercícios anteriores serão considerados apenas os decorrentes de efeitos de mudança de
critério contábil, ou da retificação de erro imputável a determinado exercício anterior, e que não possam ser
atribuídos a fatos subseqüentes.

§ 2° - A demonstração de lucros ou prejuízos acumulados deverá indicar o montante do dividendo por ação do
capital social e poderá ser incluída na demonstração das mutações do patrimônio líquido, se elaborada e
publicada pela companhia.

ESTRUTURA:

() SALDO INICIAL....................................R$ 19.590,00


() AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES
Efeitos da mudança de critérios contábeis......R$ (1.000,00)
Retificação de erros de exercícios anteriores..R$ (2.000,00)
(-) PARCELA DE LUCROS INCORPORADAS AO CAPITAL........R$ (8.000,00)
() CORREÇÃO MONETÁRIA...............................R$ 2.337,00
(+) REVERSÃO DE RESERVAS
De Contingências...............................R$ 1.300,00
De Lucros a realizar...........................R$ 1.200,00
() RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO...................R$ 19.689,00
(-) DESTINAÇÃO DO LUCRO
Transferências para Reservas
- Reserva Legal.............................R$ (984,00)
- Reserva Estatutária.......................R$ (2.405,00)
- Reserva de Lucros a Realizar..............R$ (3.077,00)
- Reserva de Lucros para Expansão...........R$ (6.000,00)
Dividendos a distribuir........................R$ (7.920,00)
(+) SALDO FINAL......................................R$ 11.930,00

Para as companhias abertas a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) estabeleceu em sua instrução nº 59, de
22/12/86, a obrigatoriedade de elaboração e publicação da DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO
PATRIMÔNIO LÍQUIDO, ficando estas dispensadas da elaboração da DLPA.

AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES:

A Lei das S.A. estabeleceu o critério de que o lucro líquido do ano não deve estar influenciado por efeitos que,
na verdade, não pertencem ao exercício, para que o resultado do ano reflita um valor que possa ser comparado
com o de outros anos seguintes em bases similares.

Parágrafo primeiro, artigo 186 da Lei 6.404/76: “Como ajustes de exercícios anteriores serão considerados
apenas os decorrentes de efeitos de mudança de critério contábil, ou da retificação de erro imputável a
determinado exercício anterior, e que não possam ser atribuídos a fatos subsequentes.”

Parágrafo primeiro, artigo 177 da Lei 6.404/76: “As demonstrações financeiras do exercício em que houver
modificação de métodos ou critérios contábeis, de efeitos relevantes, deverão indicá-la em nota e ressaltar tal
efeito.”

ERROS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES:

Suponhamos que no ano X1 ocorreu um reconhecimento do CMV a menor, e este erro só foi identificado no
ano X2. A correção deve ser efetuada na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados, objetivando-se não afetar o
resultado do exercício do ano X2.
REVERSÕES DE RESERVAS

Para lucros acumulados são revertidas somente as Reservas de Lucros, pois essas surgiram de LUCROS.

TRANSFERÊNCIAS PARA RESERVAS

São as apropriações do lucro feitas para formação de Reservas. Tais reservas são constituídas na forma dos
Estatutos, e de acordo também com a Propostas da Administração para a destinação do lucro.

94
EXERCÍCIOS

1. Uma empresa pagou R$ 3.000,00 relativos a prêmio de seguro com vigência para o período de 01.08.2003 a
30.07.2004. O pagamento integral foi efetivado em 01.07.2003 e o Balanço Patrimonial apurado em
31.12.2003. O valor a ser apropriado em 2004 como Despesas de Seguros será de R$__________________.

2. No Balancete de Verificação de 31.12.2003, que se segue, foram cometidos erros de classificação da


natureza das contas.
Balancete de Verificação em 31.12.2003
Saldos
Contas
Devedor Credor
Ações em Tesouraria R$ 3.500,00
Ações Negociáveis em Curto Prazo R$ 60.000,00
Bancos Conta Movimento R$ 17.500,00
Caixa R$ 18.000,00
Capital Social R$ 110.000,00
Duplicatas a receber R$ 85.000,00
Contas a Pagar R$ 25.000,00
Depreciação Acumulada de Equipamentos R$ 14.000,00
Dividendos a Pagar R$ 3.500,00
Duplicatas Descontadas (conta retificadora) R$ 9.000,00
Encargos Sociais a Recolher R$ 4.000,00
Equipamentos R$ 30.000,00
Estoques R$ 84.000,00
Financiamentos Bancários R$ 46.000,00
Fornecedores R$ 35.000,00
Impostos a Recolher R$ 12.000,00
Lucros Acumulados R$ 18.000,00
Provisão para Créditos de Liquidação R$ 4.000,00
Duvidosa (conta retificadora)
Provisão para Imposto de Renda R$ 4.500,00
Reserva Legal R$ 20.000,00
Salários a Pagar R$ 8.000,00
Total R$ 305.500,00 R$ 305.500,00

O total CORRETO do Ativo Circulante no Balanço Patrimonial em 31.12.2003 é de R$__________________.

3. A receita recebida antecipadamente é entendida como

a) Realizada e ainda não contabilizada.


b) Realizada e ainda não recebida.
c) Recebida e ainda não contabilizada.
d) Recebida e ainda não realizada.

4. A opção que representa unicamente Capitais de Terceiros é

a) Capital Social e Duplicatas a Pagar.


b) Capital Social e Lucros Acumulados.
c) Duplicatas a Pagar e Impostos a Pagar.
d) Duplicatas a Pagar e Lucros Acumulados

5. O pagamento de uma dívida é uma operação que

a) Aumenta o Passivo e diminui o Ativo.


b) Aumenta o Patrimônio Líquido e diminui o Ativo e Passivo.
c) Diminui o Ativo e o Passivo.
d) Diminui o Patrimônio Líquido e o Passivo, e aumenta o Ativo.

95
6. Examine os seguintes saldos das contas de determinada empresa.

Bancos Conta Movimento R$ 10.950,00


Capital a Integralizar R$ 14.400,00
Capital Social R$ 80.000,00
COFINS sobre Receita Operacional R$ 7.500,00
Custo das Mercadorias Vendidas R$ 35.000,00
Devolução de Vendas R$ 12.500,00
Duplicatas a Pagar R$ 53.000,00
Duplicatas a Receber R$ 50.000,00
ICMS a Recuperar R$ 6.000,00
ICMS sobre Vendas R$ 42.500,00
Imóveis R$ 12.000,00
Mercadorias R$ 80.000,00
PIS sobre Receita Operacional R$ 1.625,00
Prejuízos Acumulados R$ 4.000,00
Vendas de Mercadorias R$ 250.000,00

O valor do Receita Operacional Líquida da empresa é de R$.____________________.

8. Considere os dados a seguir.

Compras R$ 20.000,00
Despesas Operacionais R$ 40.000,00
Devolução de Compras R$ 1.000,00
Devolução de Vendas R$ 4.000,00
Estoque Inicial R$ 8.000,00
Impostos sobre Vendas R$ 8.000,00
Resultado do Exercício R$ 14.000,00
Receita Operacional Bruta R$ 80.000,00
Receita Não Operacionial R$ 8.000,00

Com base exclusivamente nestas informações, o valor do Estoque Final é de R$________________.

9. Analise o Balanço Patrimonial abaixo.


ATIVO
Ativo Circulante R$ 6.000,00
Caixa R$ 1.200,00
Bancos Conta Movimento R$ 3.000,00
Duplicatas a Receber R$ 1.800,00
Ativo não Circulante R$ 8.000,00
Veículos R$ 8.000,00
Ativo Total R$ 14.000,00
PASSIVO
Passivo Circulante R$ 3.500,00
Fornecedores R$ 1.000,00
Empréstimos a Pagar R$ 2.500,00
PATRIMÔNIO LÍQUIDO R$ 10.500,00
Capital Social R$ 10.500,00
Passivo Total R$ 14.000,00

Os percentuais de Capital Próprio e de Terceiros, respectivamente, são: ____________ e ___________.

10. O saldo credor da conta Caixa:


a) É admissível nos casos de desfalques de dinheiro sofridos pela empresa.
b) É inadmissível numa escrituração regular e correta.
c) Pode ocorrer nos casos de lançamento em duplicidade de vendas a vista.
d) Pode ocorrer nos casos de omissão de escrituração de compras a vista.

96
11. Uma empresa comercial apresentou os seguintes dados referentes à Demonstração do Resultado do
Exercício, com Receitas de R$ 50.000,00 e Despesas de R$ 32.000,00, considerando que as receitas e as
despesas foram a vista e que o lucro foi totalmente reaplicado na atividade da empresa sem distribuição de
dividendos.

Balanço Patrimonial antes da Apuração do Resultado


ATIVO PASSIVO
Ativo Circulante R$ 15.500,00 Passivo Circulante R$ 18.000,00
Caixa R$ 3.500,00 Contas a Pagar R$ 18.000,00
Duplicatas a Receber R$ 12.000,00
Ativo não Ciruculante R$ 11.000,00 Patrimônio Líquido R$ 8.500,00
Investimentos R$ 3.000,00 Capital Social R$ 8.000,00
Imobilizado R$ 8.000,00 Lucros Acumulados R$ 500,00
Total do Ativo R$ 26.500,00 Total do Passivo R$ 26.500,00

O Ativo Circulante e o Patrimônio Líquido, após a apuração do resultado, são, respectivamente


R$._____________________ e R$.____________________.

12. Da “Demonstração do Resultado do Exercício” de uma empresa comercial, em 31.12.2003, foram extraídos
os seguintes elementos:

CONTAS VALORES
COFINS sobre Receita Operacional R$ 15.000,00
Custos de Mercadorias Vendidas R$ 225.000,00
Descontos Incondicionais Concedidos R$ 25.000,00
Despesas de Comissão sobre Vendas R$ 5.000,00
Despesas Financeiras R$ 1.200,00
Despesas não Operacionais R$ 5.600,00
ICMS sobre Vendas R$ 85.000,00
Outras Despesas Operacionais R$ 16.000,00
Pis sobre Receita Operacional R$ 3.250,00
Provisão para Imposto de Renda R$ 20.692,50
Receita Bruta com Venda de Mercadorias R$ 500.000,00
Receitas Financeiras R$ 10.000,00
Receitas não Operacionais R$ 15.000,00

O Resultado Operacional Bruto e o Resultado Operacional Líquido da referida demonstração importam,


respectivamente R$.______________________ e R$.________________________.

13. Uma empresa apresenta os seguintes saldos contábeis em seu Balancete de Verificação:

CONTAS SALDOS
Compras R$ 2.600,00
Despesas Administrativas R$ 800,00
Despesas Financeiras R$ 150,00
Devolução de Compras R$ 200,00
Devolução de Vendas R$ 500,00
Estoque Final R$ 1.000,00
Estoque Inicial R$ 3.500,00
Vendas R$ 8.000,00

O Resultado Operacional Líquido e o Custo das Mercadorias Vendidas são, respectivamente


R$.___________________ e R$._____________________.

14. Dados:
Contas Saldos
Impostos sobre Serviços R$ 12.000,00
ICMs sobre Vendas R$ 81.600,00

97
Despesas Financeiras R$ 18.000,00
Despesas Administrativas R$ 60.000,00
Custo de Serviços Prestados R$ 96.000,00
Custo de Mercadorias Vendidas R$ 280.000,00
Venda de Mercadorias R$ 480.000,00
Dividendos Propostos R$ 12.000,00
Receitas de Serviços Prestados R$ 240.000,00
Provisão para Contribuição Social sobre Lucros R$ 15.500,00
Provisão para Imposto de Renda R$ 25.800,00

Indique o Resultado Operacional Bruto e o Resultado Líquido do Exercício respectivamente em face dos saldos
apurados nas contas relacionadas acima: R$.__________________ e R$.____________________.

15. Dados:
Balancete de Verificação em 31.12.2002
CONTAS Saldos
Caixa R$ 6.000,00
Capital Social R$ 45.000,00
Clientes R$ 45.000,00
Compra de Mercadorias para Revenda R$ 20.400,00
Depreciação Acumulada de Móveis e Utensílios R$ 6.360,00
Despesas com Aluguéis R$ 2.400,00
Despesas com Depreciação R$ 3.600,00
Despesas com Salários R$ 7.200,00
Despesas com Viagens R$ 3.600,00
Estoque Inicial de Mercadorias para Revenda R$ 15.000,00
Fornecedores R$ 11.040,00
Lucros Acumulados R$ 15.000,00
Móveis e Utensílios R$ 31.800,00
Venda de Mercadorias R$ 57.600,00

Considerando os saldos apresentados aciama e sabendo-se que o Estoque Final de Mercadorias em 31.12.2002
era de R$ 7.200,00, podemos afirmar que o Custo de Mercadorias Vendidas, o total do Ativo e o Resultado
Operacional Líquido são, respectivamente: R$.__________________; R$._________________ e
R$.________________.

16. Uma empresa contratou seguros com cobertura para doze meses, com vigência a partir de 01.08.2002 no
valor de R$ 3.300,00. Por ocasião do encerramento do exercício em 31.12.2002, o saldo da conta de
Despesas de Seguros a Apropriar com base nessa operação é de R$._____________________.

17. Uma determinada empresa, em 01/03/2001, contratou uma apólice de seguros nas seguintes condições:
- Prazo de cobertura: 12 meses, a partir da contratação.
- Forma de pagamento do prêmio: 06 parcelas mensais, iguais e consecutivas, sendo a 1ª no ato da
contratação e as restantes a cada dia 1º de cada mês.
- Valor do prêmio: R$ 360,00.
O saldo em 31/12/2001, da conta Seguros a Apropriar é de R$.________________.

18. Os Empréstimos a Acionistas, que não decorrem de negócios usuais na exploração do objeto da companhia,
são demonstrados no Balanço Patrimonial através do:

a) Ativo Circulante.
b) Realizável a Longo Prazo.
c) Capital a Integralizar.
d) Resultado de Exercícios Futuros

19. Os estoques são avaliados pelo:


a) Custo de aquisição ou valor de mercado, quando este for menor.
b) Custo de aquisição ou valor de mercado, dos dois o maior.
c) Custo de aquisição ou valor de mercado, calculado pela média aritmética simples.
d) Custo de aquisição ou valor de mercado, calculado pela média aritmética ponderada.

20. O resultado que indica o lucro ou prejuízo decorrente das atividades-fins da empresa é o:

98
a) Bruto.
b) Líquido.
c) Operacional.
d) Não Operacional

EXERCÍCIO

99
Lançamentos

100
101
102
EXERCÍCIO

Relação das contas com seus respectivos saldos extraídos do livro Razão da empresa de prestação de serviços
Santos & Santos Ltda., em 30 de novembro de x2.

1. Caixa 5.400
2. Bancos Conta Movimento 8.000
3. Duplicatas a Receber 12.000
4. Estoque de Material de Expediente 2.000
5. Adiantamento a Fornecedores (*) 1.500
6. Computadores 6.300
7. Móveis e Utensílios 4.800
8. Duplicatas a Pagar 1.000
9. Adiantamento de Clientes (**) 3.000
10. Impostos a Recolher 800
11. Capital 30.000
12. Lucros (Prejuízos) Acumulados 5.200
Total 80.000

Fatos ocorridos durante o mês de dezembro de x2:

103
1) Pagamento, em dinheiro, ao fornecedor J.B. Ltda., de uma duplicata no valor de R$ 500.
2) Recebimento, de clientes, da importância de R$ 3.200, referente a duplicatas de nossa emissão.
3) Recolhida, no Banco Paineiras S/A, a importância de R$ 800 referente a impostos do Mês de novembro.
Pagamento efetuado através de cheque de nossa emissão.
4) Serviços prestados ao cliente J.B Ltda., no valor de R$ 3.000, cujo valor havia sido recebido
antecipadamente em novembro do corrente.
5) Recebida a importância de R$ 5.000 de clientes, em cheques.
6) Depósito efetuado no Banco Urupês S/A, da importância de R$ 5.000, em cheques recebidos de clientes.
7) Compra de móveis do fornecedor Manoel Ltda., conforme Nota Fiscal n° 777, no valor de R$ 1.500.
Obs.: Essa Compra havia sido paga no mês de novembro do corrente.
8) Venda à vista, pelo preço de custo, de um computador, conforme nossa Nota fiscal n° 120, no valor de R$
2.300.
9) Compra, à vista, de um computador com impressora, conforme Nota Fiscal n° 923, da casa Monção S/A,
no valor de R$ 1.800, paga em dinheiro.
10) Venda de móveis, pelo preço de custo, ao Sr. Flávio Peixoto, conforme Nota Fiscal n° 123, no valor de
R$ 7.000, nas seguintes condições:
a) Em dinheiro, R$ 5.000;
b) O restante em 30 dias, com aceite de duplicata.
11) O proprietário da empresa aumentou o capital, com integralização nesta data, como segue:
a) Em dinheiro 10.000
b) Um automóvel com laudo de avaliação 8.000
c) Diversos móveis com laudo de avaliação 2.000
12) Pagamento, em dinheiro , das seguintes despesas:
a) Aluguel do imóvel, conforme recibo 1.000
b) Juros pelo atraso no pagamento de aluguel 200
c) Energia elétrica, conforme conta 100
d) Aluguel de telefone, conforme recibo 200
e) Conta de telefone 120
13) Compra de um terreno, no valor de R$ 100.000, nas seguintes condições:
a) Em dinheiro 11.000
b) Em cheque de nossa emissão 9.000
c) O restante será pago em 4 parcelas mensais de R$ 20.000 cada, conforme emissão de notas
Promissórias.
14) Recebida a importância de R$ 6.500 por serviços prestados, conforme nossas Notas Fiscais n°s 130 e
150.
15) Pagamento de R$ 650 ao Posto Mangueira, referente a consumo de combustíveis, conforme Nota Fiscal
n° 122.
16) Recebimento de duplicatas no valor de R$ 200, com 20% de juros.
17) Recebimento de duplicata no valor de R$ 1.000, com 5% de desconto.
18) Pagamento de aluguel de imóvel, no valor de R$ 800, com 10% de juros. O pagamento foi efetuado com
cheque de nossa emissão.
19) Pagamento efetuado ao mecânico Paulo, referente a reparos no veículo, conf. Nota Fiscal n° 231, no
valor de R$ 300. Pagamento efetuado em dinheiro.
20) Serviços prestados ao Sr. Geraldo, no valor de R$ 2.000, tendo recebido 50% em dinheiro e 50%
mediante aceite de duplicata para 20 dias.
Pede-se:
a) Escriture os fatos de dezembro de x2 em partidas de Diário.
b) Transcreva os fatos escriturados no Diário para os Razonetes.
c) Apure o Resultado do Exercício:
• Transfira os saldos das contas de Despesas para a conta Resultado do Exercício.
• Transfira os saldos das contas de Receitas para a conta de Resultado do Exercício.
• Apure no Razonete o saldo da conta Resultado do Exercício e transfira-o para a conta
Lucros ou Prejuízos Acumulados.

Obs: Ajustes para apuração do Resultado Líquido:


- Deprecie a conta Computadores à Taxa de 20% ao ano.
- Deprecie a Moveis e Utensílios à Taxa de 10% ao ano.

104
1)

2)

3)

4)

5)

6)

7)

8)

105
9)

10)

11)

12A)

12B)

12C)

12D)

12E)

13)

106
14)

15)

16)

17)

18)

19)

20)

Depreciação:

APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

107
Transf.p/Lucros/Prejuízos Acumulados

108
109
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

- Equipe de Professores da FEA da USP. Contabilidade Introdutória. 11ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.
- FRANCO, Hilário. Contabilidade Geral. 23ª ed. São Paulo: Atlas, 1997.
- GUZZO, Augusto & CAVALCANTI, Braz Bezerra. Contabilidade Básica. São Paulo: Estrutura
Ltda., 1997.
- IUDICIBUS, Sérgio de. & GELBEKE, Ernesto Rubens. Manual de Contabilidade das Sociedades
por Ações. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2009.
- MARION, José Carlos. Contabilidade Básica. 10ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.

110