Você está na página 1de 17

Apontamentos Especiais sobre as

Dimensões da Ética

Prezado(a) aluno(a), após o estudo das considerações gerais e filosóficas sobre a ética,
analisaremos de forma teórica e prática, neste capítulo, alguns apontamentos especiais sobre a
ética, dando uma abordagem ambiental, bioética, empresarial, profissional e com a
responsabilidade socioambiental. Vamos juntos?

3.1 Ética Ambiental


2

Na doutrina existem vários conceitos de ética ambiental, vejamos alguns deles:


Ética Ambiental é o estudo da conduta comportamental do ser humano em relação à
natureza, decorrente da conscientização ambiental e conseqüente compromisso personalíssimo
preservacionista, tendo como objetivo a conservação da vida global. (Fonte:
http://www.aultimaarcadenoe.com.br/etica-ambiental. Acessado em: 20 jul. 2014).
Para Nalini (2010, p. 23), “ético é o código de comportamento que governa a conduta
de um grupo ou de um indivíduo; série de princípios morais ou sistema filosófico que procura
distinguir entre o certo e o errado”.
O mesmo autor define ética ambiental como a aplicação da ética social a questões de
comportamento em relação ao ambiente. E, ainda, afirma que a crise não é do ambiente. Mas
uma crise de valores humanos, da ética em todas as dimensões, que traz à tona novos
pensamentos, novos conflitos, novas possibilidades, novas soluções e novos comportamentos
diante do planeta. Já para o entendimento de Paulitish (2012, p. 89), a “ética ambiental pode ser
considerada como aquela que advém da necessidade de reexaminarmos o nosso conceito de valor
moral face aos problemas ambientais e na necessidade de compreender as razões que
determinantes do homem em relação à natureza”.

2
A ética ambiental aqui exposta passa a ser o início de uma nova ordem mundial, é uma
nova filosofia de vida do ser humano alicerçada em novos valores sociais.
Não podemos deixar de estudar as palavras do juiz de direito, o Dr. Antonio Silveira
Ribeiro dos Santos (ambientalista da cidade de São Paulo), que possui uma ideia muito clara sobre
a ética ambiental, conforme segue:

Atenção

A Ética Ambiental é o estudo da conduta comportamental do


ser humano em relação à natureza, decorrente da conscientização
ambiental e conseqüente compromisso personalíssimo preservacionista,
tendo como objetivo a conservação da vida global.
A ética ambiental aqui exposta passa a ser o início de uma
nova ordem mundial, é uma nova filosofia devida do ser humano
alicerçada em novos valores extrasociais humanos.
Sua base científica é o estudo da relação homem-natureza,
englobando neste binômio todas as raças humanas e todos os seres
existentes, abrangendo também os inanimados como o solo, o ar, e a
água. Tudo que existe tem sua importância e passa a fazer parte desta
nova relação ética.
Esta nova ética ajudará a formar uma humanidade consciente de
sua posição perante a vida do planeta Terra e dará origem a uma nova
postura, um novo comportamento calcado na preservação global da
natureza, sendo uma nova esperança de vida.
A colocação em prática dessa nova forma de comportamento
ético propiciará uma enorme satisfação subjetiva e íntima em cada
indivíduo, e consequentemente da sociedade humana de estar
contribuindo com responsabilidade para a preservação do maior bem
que existe que é a Natureza como um todo, e isto nos dará a esperança
de poderemos prolongar a existência de nossa espécie nesse planeta
com condições mais dignas, permitindo que possamos usufruir
juntamente com os demais seres um novo comportamento calcado na
preservação global da natureza, sendo uma nova esperança de vida.
(Fonte: http://www.aultimaarcadenoe.com/artigos51.htm. Acessado
em: 21 jul. 2014).

3.2
2
Ética e Bioética

Nas últimas décadas, a bioética aumentou sensivelmente como segmento de


conhecimento e tornou-se particularmente relevante nas ciências direcionadas com a vida
humana, tais como: a medicina, a biologia, o direito etc., em que pese ser instrumento de análise
interdisciplinar e ter preenchido também lugar de destaque na filosofia moral.
Do ponto de vista histórico, podemos dizer que o termo “bioética” foi, principalmente,
utilizado pelo médico norte americano V. R. Potter no início da década de 1970. Em seu livro
Bioethics: a bridge to the future, Potter defendeu uma nova abordagem, menos científico-
tecnicista e mais humanista, de alguns problemas vitais para o ser humano incluindo uma visão
global de temas relacionados coma vida, por exemplo, o meio ambiente. (DALL’AGNOL, 2004, p.
13).
Van Potter estava incomodado com a amplitude que os progressos da ciência,
destacadamente no segmento da biotecnologia. Desta forma, ele apresentou uma nova ciência
que auxiliasse as pessoas a refletirem nas eventuais implicações, sejam positivas como negativas,
das descobertas da ciência sobre a vida.
Para reforçar o nosso estudo, compreenda alguns conceitos de “Bioética”:
A bioética pode ser concebida como o estudo sistemático da conduta humana no
âmbito das ciências da vida e da saúde, enquanto essa conduta é examinada à luz de valores e
princípios morais. (PESSINI, 2012, p. 30).
A bioética é um ramo da ética que estuda como as descobertas científicas devem ser
utilizadas com o respeito ao princípio da dignidade da pessoa humana. (LOUREIRO, 2009, p. 3).
Já para Diniz (2014, p. 12), a bioética é o conjunto de reflexões filosóficas e morais
sobre a vida em geral e sobre as práticas médicas em particular.
Com base nestes conceitos pode-se afirmar que a bioética já ultrapassou o segmento
preponderantemente médico e, hoje, deve ser assimilada como um campo de estudo inerente a
todas às áreas de humanas ou de exatas.

Vale ressaltar que a bioética possui seus próprios princípios, como segue:

2
Autonomia

Princípios
Bioéticos Beneficência

Justiça

Afirma Diniz (2014, p. 15), sobre o princípio da autonomia, que é a valorização da


vontade do paciente, ou de seus representantes, levando em conta, em certa medida, seus valores
morais e religiosos.
Tratando-se do princípio da beneficência, diz respeito ao atendimento do médico e dos
demais profissionais da área da saúde, em relação aos mais relevantes interesses do paciente,
visando seu bem-estar, evitando-lhe quaisquer danos
Já o princípio da justiça requer a imparcialidade da distribuição dos riscos e benefícios
da prática médica, pelos profissionais da área da saúde, procurando evitar a discriminação.
A bioética, portanto, corresponde a uma preocupação contemporânea de
aproximação entre ciência e ética. Isso não quer significar que a ética normativa e filosófica já não
satisfizesse a essas necessidades, ou, muito menos ainda, que se possa vislumbrar na bioética uma
ciência formalmente constituída, mas sim que os avanços técnico-científicos têm colocado o
homem diante de embaraçosas questões que carecem de respostas e soluções pragmáticas
imediatas. (BITTAR, 2014, p. 145).
Merece destacar que as ciências da vida e da saúde enfrentam hoje vários assuntos
éticos ou bioéticos, tais como: Aborto, doação e transplante de órgãos, engenharia genética,
eutanásia, experimentação clínica, fertilidade, inseminação in vitro, meio ambiente, organismos
geneticamente modificados (OGM), Saúde Pública e outros.

3.3

2
Ética Empresarial

Atualmente, há uma grande preocupação com a conduta das organizações em todo o


mundo.
Incomodadas com a sua sobrevivência a longo prazo, as empresas procuram aliar os
objetivos empresariais com os da sociedade. Ultimamente, abordar sobre a ética, valores,
integridade e responsabilidade, é um conceito cada vez mais acolhido pelo ambiente empresarial.
As empresas para se manterem neste mercado tão concorrente e disputado, devem e
precisam ter uma postura ética nos mais diferentes segmentos, tais como: acionistas,
trabalhadores, fornecedores, entidades de crédito, clientes, governos estrangeiros, grupos de
apoio, atividades sociais, meios de comunicação, distribuidores, concorrentes e outros.
Mas, afinal, o que venha ser ética empresarial ou ética das organizações?
Moreira (1999, p. 28) define a ética empresarial como "o comportamento da empresa
– entidade lucrativa – quando ela age de conformidade com os princípios morais e as regras do
bem proceder aceitas pela coletividade (regras éticas)". O referido autor (1999, p. 33) entende
que: “O Código de ética tem a missão de padronizar e formalizar o entendimento da organização
empresarial em seus diversos relacionamentos e operações. A existência do código de ética evita
que os julgamentos subjetivos deturpem, impeçam ou restrinjam a aplicação plena dos
princípios”.

Atenção
Atenção
Segundo Passos (2007, p. 66), “ética nas organizações significa
forma de ser e modo de agir, não de maneira mecânica, mas como fruto
da reflexão em consonância com a cultura e a filosofia da organização”.
Leisinger e Shmitt (2002, p. 22) confirmam que: “a ética
empresarial reflete sobre as normas e valores efetivamente dominantes
em uma empresa, interroga-se pelos fatores qualitativos que fazem com
que determinado agir seja um bom agir”.

2
Em relação ao código de ética empresarial (corporativo), pode-se dizer que suas
principais diretrizes são: guiar o relacionamento das empresas com seus:

Clientes

Fornecedores

Ética Funcionários
Empre
sarial Governo

Meio Ambiente

Nos últimos anos as empresas adquiriram direitos e deveres que antigamente só eram
atribuídos às pessoas físicas. Dentre muitos, poderíamos indicar os seguintes:
• Empenhar-se e engajar-se em curto prazo e em longo prazo pelo bem da empresa;
• Cuidar com responsabilidade da segurança e previdência de colaboradores e
colaboradoras;
• Levar em conta da forma mais ampla possível os desejos dos consumidores;
• Produzir e oferecer a preços razoáveis produtos e serviços que sejam úteis, seguros,
saudáveis e, sob o aspecto qualitativo, os melhores possíveis;
• Criar ou pelo menos manter vagas de trabalho;
• Engajar-se em favor do contexto social, as comunidades e assumir responsabilidade
social, bem como ultimamente em medida cada vez maior;
• Levar em conta os interesses de curto e longo prazo dos acionistas da empresa
(LEISINGER; SCHMITT, 2002, p. 24/25).
Vale dizer, também, que as pessoas jurídicas (empresas) que não possuem seu código
de comportamento podem se envolver em inúmeras atitudes antiéticas (causando muitos
prejuízos financeiros), conforme bem observa Moreira (1999, p. 221/231):
• Subfaturamento: prática de emitir documentos por valores menores que os
acordados, para pagar tributos menores;

2
• Utilização indevida de nome ou marca: adoção de nome comercial semelhante;
Importação e comercialização com marca para a qual não está licenciado; Utilização de marca que
possa confundir o cliente; Alteração e adulteração de marca;
• Acordos proibidos entre concorrentes e outras práticas anticoncorrenciais: qualquer
acordo que limite ou restrinja a livre concorrência é ilícito, inclusive, sobre preços, condições de
pagamentos e entrega, territórios de vendas, dumping etc;
• Suborno e Corrupção: obtenção de uma decisão favorável para a empresa, mediante
pagamento ou premiação a terceiros, em detrimento aos concorrentes;
• Dispensa de Licitação: a empresa não se submete às regras da concorrência pública;
• Edital Dirigido: elimina indevidamente um ou mais proponentes ou que contém
condição ilegítima, em que só um proponente possa cumprir;
Além disto, algumas atitudes simples e comuns, nas atividades empresariais, poderão
cooperar para a diminuição no “vazamento” das informações corporativas. Observe alguns:
• Fiscalizar o Lixo: fiscalizar o lixo é um dos melhores métodos da atualidade para se
proteger da espionagem industrial;
• Espião Ocasional: verifique e fotocopie as credenciais com as ordens de serviço de
qualquer profissional que esteja prestando serviços técnicos temporários nas dependências da
empresa;
• Informação Digital: a espionagem focalizada fez com que os computadores, laptops,
CPDs, redes intranet, sejam as prováveis portas de acesso;
• Tecnologias Amigas: os avanços tecnológicos nos oferecem muitas alternativas para
a comodidade nas comunicações, como exemplo os telefones celulares, mas infelizmente dão
oportunidades para os espiões;
• Telefonia Portátil: os telefones sem fio e os celulares estão catalogados como os
alvos mais fáceis para sua interpretação;
• Ataque às Linhas Telefônicas: os telefones comerciais proporcionam aos espiões uma
grande variedade de métodos de escuta;
• Reuniões Sigilosas: as reuniões fora da empresa, convenções, workshops, seminários
etc. são excelentes oportunidades para a infiltração de espiões e para a obtenção de informações
importantes;

2
• Imprudência e Ingenuidade: às vezes, deixamos escapar alguma informação, de
forma descuidada e inocente, tal como:
– Departamentos, escritórios ou arquivos abertos e sem chave;
– Documentos confidenciais que não foram devidamente guardados;
– Computadores sem firewall ou senhas de proteção;
– Responder perguntas por telefone a pessoas desconhecidas.
• Traição: outro tipo comum de espião é o famoso “empregado de confiança”; é um
dos mais perigosos e difíceis de serem descobertos. (SANTOS, 2014, p. 18).
Logo, conclui-se que as práticas da ética empresarial de forma contínua e estratégica
trarão benefícios, vantagens e solidez no mercado competitivo.

3.4 Ética Profissional


2.2
Quanto à ética profissional, seria possível a sua aplicação? Com certeza, pois é um
conjunto de normas de conduta que deverão ser postas em prática no exercício de qualquer
profissão.
A ética profissional estuda o relacionamento do profissional com sua clientela, visando
à dignidade humana e a construção do bem-estar no contexto sócio-cultural onde exerce sua
profissão.

Atenção Atenção
Mas, afinal, qual o conceito de Ética Profissional?
É o conjunto de normas éticas que formam a consciência do
profissional e representam imperativos de sua conduta.
Ter ética profissional é o indivíduo cumprir com todas as
atividades de sua profissão, seguindo os princípios determinados pela
sociedade e pelo grupo de trabalho.
(Fonte: http://www.significados.com.br/etica-profissional.
Acessado em: 31 mai. 2014).

3
Ela atinge todas as profissões e quando falamos de ética profissional estamos nos
referindo ao caráter normativo e até jurídico que regulamenta determinada profissão a partir de
estatutos e códigos específicos.
E estes códigos são criados, geralmente, pelas entidades de classe de cada profissão,
tais como: CRA (Conselho Regional de Administração), CRC (Conselho Regional de Contabilidade,
CRM (Conselho Regional de Medicina), OAB (Ordem dos advogados do Brasil) e outros. Em geral,
estes códigos determinam os direitos, obrigações, penalidades e honorários de cada profissional.
Sendo a ética inerente à vida humana, sua importância é bastante evidenciada na vida
profissional, porque cada profissional tem responsabilidades individuais e responsabilidades
sociais, pois envolvem pessoas que dela se beneficiam.
A ética é ainda indispensável ao profissional, porque na ação humana "o fazer" e "o
agir" estão interligados. O “fazer” diz respeito à competência, à eficiência que todo profissional
deve possuir para exercer bem a sua profissão. O “agir” se refere à conduta do profissional, ao
conjunto de atitudes que deve assumir no desempenho de sua profissão.

Saiba Mais
De forma objetiva, Dall’Agnol (2005, p. 20) entende que devemos ter
as seguintes posturas:
• agir em benefício dos outros (proteger os direitos dos outros);
• ajudar aos outros na tomada de decisões;
• não causar danos (prevenir danos);
• não mentir (falar a verdade);
• proteger as informações confidenciais;
• respeitar a privacidade e o sigilo;
• ser prudente;
• ser transparente etc.

Observe, agora, uma situação que demonstra quanto pode ser relativa e vulnerável a
segurança das informações de certa entidade corporativa (empresa), assim como é imprescindível
a prática da ética empresarial.
Foi um caso ocorrido na América do Norte (nos Estados Unidos), onde uma das
secretárias da mega fabricante de refrigerante Coca-Cola ofereceu a fórmula do seu principal

3
refrigerante para a sua grande concorrente, a empresa Pepsi Cola. Nesta situação, revelou-se que
a referida funcionária teve acesso às informações secretas e sigilosas da empresa.
Vejamos a história na íntegra, pesquisado no portal UOL.

Secretária que tentou vender segredo da Coca-Cola é condenada

Washington, 23 mai 2007, uma mulher que trabalhou como secretária na Coca-Cola, e tentou
vender à rival Pepsi os segredos da fabricação da bebida, foi sentenciada hoje, em Atlanta, a oito anos de
prisão.
Joya Williams, de 42 anos, havia sido declarada culpada, em 2 de fevereiro, das acusações de
conspiração, devido à sua tentativa frustrada de vender o segredo por US$ 1,5 milhão.
“Este é o tipo de delito que não pode ser tolerado em nossa sociedade”, declarou o juiz federal
J. Owen Forrester, ao ditar a sentença. Ibrahim Dimson, outro dos acusados, foi condenado a cinco anos de
prisão.
O terceiro acusado, Edmund Duhaney, ainda não recebeu sua sentença. Dimson e Duhaney
haviam se declarado culpados.
O plano fracassou porque empregados da Pepsi alertaram a empresa rival, após terem
recebido uma carta de um dos cúmplices de Williams, na qual se pedia dinheiro em troca da informação.
Williams havia trabalhado como Assistente administrativa do diretor Global de marcas da
Coca-Cola e, Segundo a Promotoria, se apropriou de documentos confidenciais da empresa, e de mostras
de produtos que ainda não haviam chegado ao mercado, com o objetivo de vendê-los para a Pepsi.
A defesa argumentou que Williams foi enganada por dois indivíduos com antecedentes de
fraudes, e que ela não havia cometido delito algum. (Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultnot/efe/2007/
05/23/ult1807u36978.jhtm. Acesso em: 31 jul. 2014).

Após o estudo deste caso, chegamos a algumas conclusões, conforme o raciocínio de


Silva (2014, p. 21), como segue:
• Por mais que exista a segurança das informações de uma empresa, temos um ser
humano (passível de erro) gerenciando os dados contidos no computador corporativo;
• As empresas precisam investir em “softwares anti-invasões” e cobrar uma postura
ética e profissional dos seus funcionários;
• Para a empresa concorrente, a Pepsi Cola, compensava muito mais, para a sua
imagem e credibilidade no mercado, tomar este tipo de atitude.

3
Portanto, como profissionais ou futuros profissionais de mercado (não importando o
seu seguimento), pratique sempre os princípios éticos, pois uma eventual vantagem hoje poderá
lhe custar inúmeras outras desvantagens no seu futuro profissional. Pense e reflita!

3.5 Ética e Responsabilidade Social


2.2
Cada vez mais, as empresas estão se preocupando com o seguimento da
responsabilidade social. A qualificação de um administrador com responsabilidade social implica
na experiência e na vivência de princípios morais e éticos.
As pessoas jurídicas, em regra, visam vantagens econômicas (lucro), porem não só isto,
mas entre seus objetivos às questões sociais.
Mas, como podemos conceituar a responsabilidade social?
Esta expressão se refere, de forma ampla, a decisões de negócios tomadas com base
em valores éticos que incorporam as dimensões legais, o respeito pelas pessoas, comunidades e
meio ambiente. (MACHADO FILHO, 2006, p. 24).

Atenção

Responsabilidade Social Empresarial é a forma de gestão que


se define pela relação ética e transparenteAtenção
da empresa com todos os
públicos com os quais ela se relaciona e pelo estabelecimento de metas
empresariais que impulsionem o desenvolvimento sustentável da
sociedade, preservando os recursos ambientais e culturais para as
gerações futuras, respeitando a biodiversidade e promovendo a redução
das desigualdades sociais. (Fonte: http://www1.ethos.org.br/
EthosWeb/pt/29/o_que_e_rse/o_ que_e_rse.aspx. Acessado em: 29 jun.
2014).

3
Esta visão ampla, da atuação da responsabilidade social empresarial, dar-se-á nas
realidades: econômica, humana e social. Para melhor entendimento, observe a seguinte figura:

Econômica

Humana
Realidade

Social

As empresas vivenciam, hoje, uma posição intermediária que consistem em respeitar a


tríplice realidade das organizações, quais sejam:
I. Realidade econômica – É evidente que a finalidade precípua das organizações
empresariais é a realização de sua finalidade econômica, ou seja, é a obtenção de lucro, sem o
qual sua existência perde a essência;
II. Realidade humana – Na perseguição de sua finalidade principal, que é a obtenção de
lucro, as empresas se deparam com outra realidade, não de menor importância, ou seja, o
atendimento e a realização das necessidades humanas daqueles que direta ou indiretamente
estejam ligados à organização. O atendimento das necessidades e o respeito às condições
humanas pelas organizações são essenciais para a obtenção de sua finalidade principal, o lucro.
III. Realidade social – Sobretudo, as empresas assumem um papel e uma finalidade
social notória, disseminando emprego capaz de propiciar atendimento das necessidades sociais
básicas, produção de riquezas que se espalham pela sociedade, preservação do meio ambiente,
entre outras. (SILVA, 2014, p. 25).
Ter responsabilidade social implica pensar em “desenvolver-se de forma sustentável”,
em criar uma estratégia de desenvolvimento econômico em sintonia com as demandas e questões
sociais e a utilizar, de forma consciente, os recursos disponíveis no meio ambiente, permitindo a
satisfação da necessidade atual sem comprometer a possibilidade das gerações futuras de
atenderem seus interesses. (SANTOS, 2013, p. 125).

3
E, neste sentido, as empresas poderão fazer as seguintes atividades:
• Desenvolver projetos educativos e profissionalizantes para jovens e adultos das
comunidades próximas aos empreendimentos, como palestras, exibição de vídeos, cursos de
alfabetização nas próprias instalações da empresa ou em canteiros, parcerias com cooperativas de
reciclagem, orientações sobre higiene e saúde, oficinas com aulas sobre profissões presentes no
empreendimento, entre outros;
• Campanhas educativas periódicas sobre separação e reciclagem do lixo; uso racional da
água e energia; saneamento, entre outros, tanto internas como para as famílias dos colaboradores
e suas comunidades.
Cabe também mencionar o que entende GUARNIER, como segue: A Responsabilidade
Social é uma forma de conduzir os negócios da empresa de tal maneira que a torna parceira e co-
responsável pelo desenvolvimento social. A empresa socialmente responsável é aquela que possui
a capacidade de ouvir os interesses das diferentes partes (acionistas, funcionários, prestadores de
serviço, fornecedores, consumidores, comunidade, governo e meio-ambiente) e conseguir
incorporá-los no planejamento de suas atividades, buscando atender às demandas de todos e não
apenas dos acionistas ou proprietários.
A atuação baseada em princípios éticos elevados e a busca de qualidade nas relações
são manifestações da responsabilidade social empresarial. Numa época em que os negócios não
podem mais se dar em segredo absoluto, a transparência passou ser a alma do negócio: tornou-se
um fator de legitimidade social e um importante atributo positivo para a imagem pública e
reputação das empresas. Empresas socialmente responsáveis estão melhor preparadas para
assegurar a sustentabilidade a longo prazo dos negócios, por estarem sincronizadas com as novas
dinâmicas que afetam a sociedade e o mundo empresarial. (Fonte: http://www.revistaea.org/
artigo.php?idartigo=571&class=21. Acessado em 01 jul. 2014).

3
Saiba Mais

Observe o que pensa uma empresa de grande presença no


segmento de alimentos, bebidas e chocolates, quanto à conscientização da
responsabilidade social empresarial:
A Nestlé considera que, para o sucesso do negócio no longo prazo,
tão importante quanto gerar valor para o acionista é a geração de valor para a
sociedade.
Por isso a Nestlé elegeu como temas-focos para suas ações de
responsabilidade social a Nutrição, a Água e o Desenvolvimento Rural. Esses
temas estão intimamente relacionados às operações da companhia no Brasil,
uma das maiores empresas de nutrição, saúde e bem-estar no mundo.
Expressão desse compromisso são os três programas da Fundação
Nestlé Brasil: Programa Nutrir, que leva educação alimentar a crianças e
adolescentes de baixa renda; o Programa Cuidar, que leva educação ambiental
com foco na preservação da água; e o Programa Saber, que atua levando
desenvolvimento rural às regiões de baixa renda no país. (Fonte:
http://www.nestle.com.br/portalnestle/responsabilidadesocial/htm/respsocial
_ conceito.html. Acessado em: 30 mai. 2014).

Curiosidade

Várias empresas têm a preocupação com a responsabilidade


social através de diversos projetos, por exemplo: Fundação Bradesco,
Fundação Nestlé Brasil, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica,
Fundação Petrobras e tantos outros.

3.6 Ética na Sociedade Tecnológica


2.2

Estamos passando, cada vez mais, por transformações comportamentais, sociais e


tecnológicas, estas em especial, com o surgimento crescente de novas tecnologias da informação
e da comunicação.

3
Segundo Gallo (2011, p. 106), “O tempo humano encontra-se ainda mais distante; as
pessoas têm de se subordinar cada vez mais aos ritmos impostos pelas máquinas. A sociedade
hoje é marcada pelo fluxo das informações e pela velocidade das transformações. Nesse sistema
científico-tecnológico, o homem perde seu lugar, transforma-se num número”.
Certo é que a sociedade contemporânea está marcada pela exorbitante velocidade e
quantidade de informações, por intermédio de computadores e, principalmente, a internet (rede
mundial de computadores).
Já na área da ética, podemos analisar em três grandes aspectos tecnológicos: o
pessoal, o profissional e a pública.
O aspecto pessoal ocorre com uma gama enorme de indivíduos acessando a internet
para as mais diferentes atividades, como a compra de produtos e serviços; utilização de sites de
relacionamentos, lazer e outros interesses, porém nem sempre com uma postura ética no seu
manuseio.
Já no aspecto profissional, o indivíduo tem a condição de exercer suas atividades,
utilizando-se das ferramentas tecnológicas, todavia dentro dos princípios éticos da profissão e da
empresa pelo qual exerce suas funções, caso contrário, sofrerá com as conseqüências cabíveis
pelo seu atos ilegais e antiéticos.
E no aspecto público (tanto no nível federal, estadual ou municipal) podemos
questionar a forma pela qual as informações são tratadas e manipuladas, ou seja, a prática da
transparência e do acesso de informações guardados em seus bancos de dados, como exemplo,
podemos citar a Declaração de Imposto de Renda de Pessoas Físicas e Jurídicas pela Receita
Federal.
A ética atua, portanto, na sociedade da informação, para promover e disseminar o
bem de todos e contribuir para a melhora da qualidade de vida da sociedade, tanto no ambiente
virtual como o real e concreto.
Será tão difícil a prática da ética no ambiente tecnológico no século XXI? O que você
pensa? Reflita sobre isto!

Atenção
Não se esqueça que a internet Atenção
(as redes sociais) não é terra de
ninguém, ou seja, você não pode escrever o que bem entender e ficar
impune, pois seus dados e informações são rastreáveis e detectáveis,
podendo no futuro, sofrer as conseqüências jurídicas cabíveis.

3
Explore seu Conhecimento

Agora que terminamos esse capítulo, vamos verificar se fixou bem o conteúdo, assim,
responda os seguintes exercícios:

1) Coloque V (Verdadeiro) ou F (Falso) para as seguintes afirmativas:

a) (___) A inclusão da proteção do ambiente entre os objetivos da organização moderna


ampliou substancialmente o conceito de administração.
b) (___) A ética empresarial compreende os princípios e padrões que orientam o
comportamento do mundo dos negócios.
c) (___) É correto dizer que responsabilidade social é a obrigação da administração de tomar
decisões e ações que irão contribuir para o bem-estar e os interesses da organização e da
sociedade.
d) (___) Não compensa, para as empresas, atuarem no mercado com preocupações
ambientais, pois nunca será instrumento de marketing e captação de clientes.
e) (___) Os profissionais corretos não devem se preocupar com as regras de comportamento
estabelecidas pela sua respectiva entidade de classe.

2) Assinale a afirmativa incorreta.

a) É o estudo da conduta comportamental do ser humano em relação à natureza, decorrente


da conscientização ambiental.
b) As empresas para se manter neste mercado tão concorrente, devem e precisam ter uma
postura ética nos mais diferentes segmentos.
c) A busca da ética na sociedade contemporânea não representa para as pessoas físicas e
jurídicas uma prioridade, pois ser ético não é sinônimo de responsabilidade e justiça.
d) É parte de nosso papel como cidadão a preocupação com ações de proteção ao meio
ambiente. Afinal, as condições ambientais influenciam a saúde e o bem-estar do ser humano.

3
e) Uma nova ética ajudará a formar uma humanidade consciente de sua posição perante a
vida do planeta Terra e dará origem a uma nova postura, um novo comportamento calcado na
preservação global da natureza, sendo uma nova esperança de vida.

3) Coloque V (Verdadeiro) ou F (Falso) para as seguintes afirmativas:

a) (___) Ética Profissional é o conjunto de normas éticas que formam a consciência do


profissional e representam imperativos de sua conduta.
b) (___) A nova consciência ambiental, surgida no bojo das transformações culturais que
ocorreram nas décadas de 60 e 70, ganhou dimensão e situou o meio ambiente como um dos
princípios fundamentais do homem moderno.
c) (___) A empresa é sócio-ambientalmente responsável quando vai além da obrigação de
respeitar as leis, pagando impostos e degradando as condições inadequadas de segurança e saúde
para os trabalhadores.
d) (___) Van Potter dizia que: ”Nem tudo que é cientificamente possível é eticamente
aceitável”.
e) (___) As empresas para se manter neste mercado tão concorrente, devem e precisam ter
uma postura ética nos mais diferentes segmentos, tais como: acionistas, trabalhadores,
fornecedores, entidades de crédito, clientes, governos e outros.

4) Com atenção, complete as seguintes lacunas:


a) Ético é o ____________ de comportamento que governa a ____________ de um grupo ou
de um indivíduo; série de princípios ____________ ou sistema filosófico que procura distinguir
entre o certo e o errado.
b) A _____________ é o conjunto de reflexões ________________ e ___________ sobre a
vida em geral e sobre as práticas ___________ em particular.
c) Sendo a ____________ inerente à vida humana, sua importância é bastante evidenciada
na vida ___________________, porque cada profissional tem responsabilidades
__________________ e responsabilidades _______________, pois envolvem pessoas que dela se
beneficiam.