Você está na página 1de 6

O BERÇO DO HERÓI

1. AUTOR

DIAS GOMES

Nasceu em Salvador, Bahia, em 1922.

Morreu em S. Paulo, em 1999.

Dias Gomes dedicou-se ao teatro de características brasileiras, não só na temática


como também na linguagem.

Quanto à temática, Dias Gomes optou pela realidade de nosso país no século XX. A
constante foi mostrar, sob vários ângulos, o jogo dos articuladores do poder em detrimento
de um povo sofrido, ignorante, ludibriado, manipulado. É o caso de “O Santo Inquérito”, “O
Pagador de Promessas”, “O Bem-amado”, “O Berço do Herói”.

“O Berço do Herói” tornou-se sua peça mais polêmica, porque teve problemas
incontornáveis na época – ditadura militar – com a censura, uma vez que o texto foi
considerado ofensivo às autoridades constituídas, as quais mandavam arbitrariamente no
Brasil.

Quanto à linguagem, expressou-se de modo regionalista (recorreu a expressões


típicas das regiões nas quais se desenvolviam os enredos) e simples (sem termos eruditos,
inserindo palavras ou expressões usadas na comunicação oral, consideradas grosseiras, mas
de largo uso nos textos modernistas e pós-modernistas).

Dias Gomes declarou que seu teatro era popular, no sentido de defender o povo –
entendido como os menos favorecidos -; porém dirigido a espectadores elitizados. Sua
intenção era falar à consciência da platéia não-popular, uma vez que o povo por ele
defendido não estaria presente nas salas de espetáculo, por motivos óbvios.

Nas últimas décadas de sua vida, Dias Gomes redigiu textos de telenovelas.

Foi membro da Academia Brasileira de Letras.

2. OBSERVAÇÃO

“O Berço do Herói” foi uma peça escrita em 1963 e sua primeira encenação seria em
1965. Contudo, censurada, não foi levada ao palco. Em 1975, Dias Gomes fez uma
adaptação ao texto desta peça para a televisão, sob o novo título de “Roque Santeiro”; mais
uma vez, a peça não pôde vir a público. Só em 1985, a telenovela foi encenada.
Existe, pois, um texto original de “O Berço do Herói” e outro texto. Este último não
foi fruto da fuga à censura; portanto, manteve-se a intenção e orientação do primeiro. O
próprio Dias Gomes, depois da exibição na televisão, resolveu introduzir novos elementos e
alterar outros. O resultado foi “Roque Santeiro ou O Berço do Herói”.

Palavras do próprio autor: “As personagens, de tal forma haviam sido popularizadas
pela televisão, que não teria sentido mantê-las com os nomes originais. Fui tentado também
a retrabalhar a peça, enriquecendo-a com algumas cenas sugeridas pela novela.”

Este nosso estudo se atém ao texto modificado, que acabou sendo, pode-se dizer, o
definitivo.

3. PERSONAGENS

Chico Malta (conhecido como Sinhozinho Malta): grande fazendeiro; chefe político
da cidadezinha de Asa Branca, no interior da Bahia; deputado federal. Mantém sua
força construída demagogicamente sobre a ignorância do povo. Consegue
beneficiamentos para a região, sempre levando vantagens pessoais. Sem escrúpulos,
exerce a política enquadrada no seguinte princípio: “Política se faz com a mão
esquerda na consciência e a mão direta na merda”.

Porcina: ex-empregada doméstica; amante de Chico Malta. Em decorrência dessa


sua ligação, adquire ótima situação financeira. Toma ares de madame, mas não tem
bom gosto, não melhora seus conceitos e permanece vulgar, sem controle sobre seus
ímpetos sexuais.

Florindo Abelha: prefeito despersonalizado, totalmente dominado por Chico Malta.


Ele procura mostrar poder, porém só consegue manter a imagem de autoridade.

Dona Pombinha: mulher do prefeito. Beata em sua religiosidade próxima do


fanatismo.

Mocinha: filha do prefeito e de D. Pombinha; namorada do Cabo Roque. Solteira


por frustração, resolve assumir o voto de castidade; assim, ela consegue um certo
equilíbrio, por se achar virtuosa.

Padre Hipólito: vigário que se constitui numa das pessoas mais influentes do lugar.
Obcecado pela implantação de uma rígida moral sexual, acaba aceitando benefícios
financeiros da situação imoral que ele combate, o comércio da prostituição.

Zé das Medalhas: comerciante que enriqueceu por ter modernizado e monopolizado


a fabricação e comercialização das medalhas em memória do Cabo Roque.

Cabo Roque: rapaz que esteve na guerra e desertou, mas, por interpretação
equivocada de seu desaparecimento, se tornou herói mítico.

Matilde: proprietária da casa de prostituição.


Prostitutas: Ninon e Rosali.

Figura popular: Toninho Jiló.

Militar: General.

NOTA – No texto original, além de algumas personagens secundárias a mais ou


diversas das acima citadas, havia as seguintes diferenças em relação às principais
personagens: Major Chico Manga; Antonieta; Cabo Jorge; Lilinha.

4. ENREDO

Chico Malta morava em Asa Branca, com mulher e filhos, mas ficou conhecendo
Porcina em Salvador, ao praticar suas aventuras sexuais.

Irresistivelmente atraído por Porcina, resolveu levá-la para Asa Branca e torná-la sua
amante. Não queria, porém, fazer isso ostensivamente. Precisava de um pretexto.

Um rapaz daquela cidade, chamado Roque, tinha sido convocado para a guerra na
Itália e se tornou cabo. No campo de batalha, ele fugiu da trincheira, por pura covardia.
Como, no entanto, essa fuga foi tão absurda – porque ele a empreendeu movido por um
medo irracional – pareceu ser um ato de heroísmo (só um herói teria ousado o que ele
ousou!) Ao fugir, balearam-no de leve, no ombro, o que não o impediu de, depois de
desmaiar, continuar fugindo. Deparou com um camponês morto; trocou de roupa com ele e
se escondeu numa vila italiana perdida nas montanhas, passando por português. Terminada a
guerra, Roque não voltou para o Brasil porque era um desertor.

Em todo o período de desaparecimento, o Cabo Roque foi cultuado como um herói.


Chegou a ter seu nome homenageado no Exército, em cujo boletim constava sua morte no
dia 18 de setembro de 1944, conforme ordem do dia do 6º Regimento de Infantaria.

Na ocasião em que Malta levou Porcina para Asa Branca, o culto do herói estava
começando. Então, Malta teve a idéia de tornar Porcina a viúva do Cabo Roque; para tanto,
falsificou a documentação. Assim, ele passou a se encontrar sempre com a amante,
simulando dar apoio à viúva de um herói.

Mocinha ficou decepcionada com o casamento ignorado de Roque. Quando veio a


público a existência de Porcina como viúva de Roque, Mocinha pensou até em ingressar
num convento. Depois, com o voto de permanecer solteira, de certa forma se sentiu até
realizada na condição de eterna namorada de um herói.

Em função de ser terra de um herói nacional, Asa Branca se tornou alvo de


iniciativas que a fizeram agitar-se e tornar-se conhecida. Por exemplo: à custa do mito do
herói, Chico Malta demagogicamente se elegia e conseguia melhoramentos para a região e
para benefício próprio, como foi o caso da construção de uma estrada que teve seu percurso
desviado para passar pelas terras dele; Zé das Medalhas se tornou rico por cunhar medalhas
com a efígie do Cabo Roque... No campo do lazer, Asa Branca passou a oferecer opções
novas: um bordel mais sofisticado e uma boate. Apesar de o Pe. Hipólito combater a
exploração comercial do sexo e levar seu grupo de beatas a uma violenta reação contra as
prostitutas, ele recebia donativos destas.

Tudo indicava que Asa Branca iria continuar em sua rota de se celebrizar e tirar
proveito turístico com o mito do herói. No entanto, de repente aconteceu algo que
desmontaria todo o esquema armado: numa madrugada, quinze anos depois do término da
guerra, em decorrência da anistia que favoreceu os desertores, o Cabo Roque desembarcou
em Asa Branca para lá se fixar. Em momento algum, lhe passara pela cabeça ter sido,
equivocadamente, considerado um herói no Brasil.

Depois de conversar com Matilde, que não o conhecera antes, o cabo foi procurar
Porcina, sem saber quem ela era. A partir de sua conversa com a “viúva”, informou-se da
situação embaraçosa em que estava envolvido. Porcina o manteve escondido em sua casa e
se comunicou com as pessoas importantes da cidade: Chico Malta, Padre Hipólito, o
Prefeito, Zé das Medalhas. Apavorados, eles se reuniram para deliberar o que se deveria
fazer. Pensaram até em oferecer a Roque uma boa soma de dinheiro para que ele voltasse
para a Europa, sumisse de Asa Branca. Além de isso ser arriscado – ele poderia vir a público
denunciar o engano – o cabo não aceitou a idéia.

Chico Malta resolveu ir ao Rio de Janeiro e se comunicar com o Exército para buscar
uma solução, pois os militares também teriam interesse no caso. Enquanto ele esteve fora,
Porcina e os demais resolveram que iriam anunciar e festejar o retorno do herói, dizendo que
ele fora dado como morto por engano e que, na verdade, Roque teria estado vagando pela
Europa todo este tempo por ter perdido a memória.

Do Rio voltou Malta trazendo um general que tinha sido comandante do Cabo Roque
e que se empenhara nas homenagens ao herói “morto”. A idéia de promover o retorno
festivo do Cabo Roque agradou a Malta, mas o general não concordou de modo algum com
essa farsa: afinal o rapaz fora um covarde!

A solução não foi declarada, mas executaram-na: aconselharam Roque a ir se divertir


no bordel, onde ninguém o conhecia. Em troca de ser dada autorização para que Matilde
montasse a Boate Sexus, ela daria um jeito de eliminar o rapaz. Coincidentemente, as beatas
fanáticas foram incitadas a se dirigir ao bordel justamente quando Roque estava lá e
apedrejar a casa. Enquanto as pedras caíam e quebravam a vidraça, Matilde teve a idéia de,
com um caco de vidro, matar Roque, alegando que a morte ocorrera porque um estilhaço
perdido atingira o rapaz. Enterraram-no, sem que o povo desconfiasse que se tratava do
famoso Roque.

A cena final é o discurso do prefeito na inauguração da Boate Sexus, iniciativa que


fazia parte de um plano de turismo e diversão para o município, “plano que, se Deus quiser,
há de fazer de Asa Branca uma cidade digna do Cabo Roque, aquele que morreu lutando
pela democracia e pela civilização cristã.” (Aplausos)
5. COMENTÁRIO

“O Berço do Herói” é uma peça teatral que se desenvolve em 2 atos, nos quais se
apresentam 16 quadros, isto é, ambientações. Por exemplo: na casa de Porcina; na praça; no
bordel...

Além dos diálogos, Dias Gomes inseriu no final de vários quadros textos para serem
cantados, cuja intenção é fazer considerações sobre o que se passou no quadro.

A peça “O Berço do Herói” não deixa de ser uma espécie de alegoria sobre o Brasil:
personagens e episódios são imagens criadas para representar idéias que definem o nosso
país.

A idéia central é a necessidade histórica brasileira de criar heróis e torná-los mitos.


Isso fica explícito no texto, quando já no final do primeiro quadro Chico Malta canta: “Não
são os heróis que fazem a História é a História que faz os heróis. Porém no caso aqui do
nosso Roque, terá sido a História ou teremos sido nós?”

No correr dos quadros se vai evidenciando que os poderosos criam heróis míticos
como forma de se beneficiarem, enganando o povo.

Se a vida sem importância do suposto herói aparecer para o povo, se a mentira for
revelada, será abalado e até destruído o mundo vantajoso dos poderosos. A solução é proibir
que a realidade desmitificada venha à tona. No caso da peça, o Cabo Roque teria que morrer
para que o mito sobrevivesse: o mito é mais forte do que a realidade.

Os mitos são instrumentos de dominação porque alienam o povo, distraem os


dominados, amortecem ou sufocam neles o desenvolvimento da visão crítica. Sem esta, a
população subjugada e enganada perde o potencial de reação contra os dominadores.

O mito do herói é conjugado com o mito do progresso. O que os poderosos chamam


de progresso são novos hábitos, novas situações que servem para enriquecê-los e fortalecê-
los perante a opinião pública. Inescrupulosamente, a ambição dos manipuladores do poder
insere no conceito de progresso a degradação dos costumes (no caso, o estímulo à
prostituição), o cultivo da ignorância ( no caso, a fabricação das medalhas) e o turismo sem
sentido ( no caso, tornar a cidade pólo atrativo com base numa mentira).

No processo de perpetuação no poder para levar vantagem, os poderosos contam


com a ambígua posição dos representantes da religião. Aparentemente, eles tentam livrar o
povo da manipulação; no entanto, não desejam uma mudança substancial porque a situação
que eles combatem os beneficia. Eles também manipulam o povo porque fanatizam seus
dominados: excitam neles a violência contra um tipo de degradação – a prostituição - , mas
omitem-se perante outra degradação – o enriquecimento imoral de algumas pessoas.

Outra definição do quadro social brasileiro presente na peça é a verdadeira ditadura


exercida no interior do país pelos chefes políticos, que dominam não só a população como
também as demais lideranças. O único limite encontrado pelos chefes políticos era, na época
documentada por Dias Gomes, a força militar. Isso o autor explicitou no texto original sem
saber que a proibição da encenação da peça iria ilustrar exatamente a situação referida: o
govenador do Rio, Carlos Lacerda, assumiu a proibição da peça por pressão dos militares
que faziam do Brasil um imenso quartel.

Em suma, “O Berço do Herói”, tematizando aspectos sócio-políticos, faz um


questionamento ético: os interesses pessoais dos poderosos podem sobrepor-se ao bem e ao
mal?

Interesses relacionados