Você está na página 1de 664

Manual de serviço dos modelos Softail

Harley-Davidson ano 2012


99482-12BR
©2011 H-D.
AVISO IMPORTANTE

As motocicletas Harley-Davidson atendem todos os padrões federais de segurança de veículos a


motor dos EUA e as normas da agência de proteção ambiental (EPA) dos EUA em vigor na data da
fabricação.

Para manter a segurança, a confiabilidade e o desempenho do controle de emissões e ruídos, é


essencial seguir os procedimentos, as especificações e as instruções de serviço deste manual.

Qualquer substituição, alteração ou ajuste do sistema de emissão e dos componentes do controle de


ruídos fora das especificações da fábrica podem ser legalmente proíbidas.

Harley-Davidson Motor Company


Manual de serviço dos
modelos Softail
Harley-Davidson ano 2012

©2011 H-D.
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
99482-12BR

Impresso nos EUA

VISITE O WEB SITE DA HARLEY-DAVIDSON


http://www.harley-davidson.com
Blank Text Here
COMENTÁRIOS DO LEITOR
Blank Text Here
O departamento de comunicações de serviço da Harley-Davidson mantém um esforço permanente para a
melhoria da qualidade e a utilidade de suas publicações. Para que isto seja mais efetivo, precisamos dos
comentários do usuário: sua avaliação crítica deste manual.

Comente a abrangência, a precisão, a organização, a funcionalidade e a legibilidade deste manual.


Corte aqui

Indique a página, o item e o número da peça de todo erro que você encontrar neste manual.

Diga-nos como podemos melhorar esta publicação.

Ocupação:

Nome: Concessionária:

Rua: Departamento:

Cidade: Estado: CEP:


Corte aqui

Manual de serviço dos modelos Softail Harley-Davidson ano 2012 (99482-12BR)


Recorte e envie para:
Service Communications Department
Harley-Davidson Motor Company
P.O. Box 653
Milwaukee, WI 53201 EUA
NOTAS
SOBRE ESTE MANUAL
INFORMAÇÕES GERAIS Para um eficiente serviço de manutenção, é muito importante
uma boa preparação. Uma área de trabalho limpa, no começo
Este Manual de serviço foi preparado tendo-se em mente duas de cada tarefa, lhe permitirá fazer o reparo o mais fácil e rapi-
finalidades. Em primeiro lugar, ele vai ajudar o usuário a damente possível, e reduzirá a incidência de extravio de ferra-
familiarizar-se com a construção do produto Harley-Davidson mentas e peças. Uma motocicleta, que esteja excessivamente
e a executar os serviços básicos de manutenção e reparos. suja, deve ser limpa antes de se iniciar qualquer trabalho.
Em segundo lugar, ele vai apresentar aos técnicos profissionais Ocasionalmente, a limpeza acaba revelando as origens de um
da Harley-Davidson os mais recentes e principais métodos de problema. Antes de iniciar o trabalho, deve-se reunir todas as
reparos aprovados pela empresa e testados em campo. Nós peças, instrumentos e componentes necessários. Interromper
acreditamos, sinceramente, que este Manual de serviço tornará um trabalho para localizar ferramentas ou peças é uma pertur-
seu relacionamento com os produtos Harley-Davidson mais bação e acaba causando uma perda de tempo desnecessária.
agradável e lucrativo.
NOTAS
COMO USAR O MANUAL DE SERVIÇO • Para evitar uma desmontagem desnecessária, leia com
Veja na tabela abaixo o layout do conteúdo deste manual. atenção todas as informações relativas à manutenção
antes de iniciar o serviço de reparo.
N.o CAPÍTULO • Nas legendas das figuras, o número que vem após o nome
1 Manutenção de uma peça indica a quantidade necessária para um
conjunto completo.
2 Chassi
• Ao fazer manutenção de um veículo, equipado com o
3 Motor
sistema de segurança Smart Harley-Davidson (H-DSSS),
4 Sistema de combustível você deve primeiro desativar o sistema de segurança.
5 Acionamento Mantenha o controle remoto bem próximo do veículo, ou
use o DIGITAL TECHNICIAN II (peça N.o HD-48650) para
6 Transmissão
desabilitar o sistema de segurança enquanto o veículo
7 Sistema elétrico estiver em manutenção. Ative o sistema quando concluir
A Apêndice A – Reparo de conectores o serviço.

PREFÁCIO
B Apêndice B – Fiação BOLETINS DE SERVIÇO
C Apêndice C – ABS Além das informações apresentadas neste Manual, a Harley-
D Apêndice D – Conversões Davidson Motor Company enviará periodicamente os Boletins
de serviço às concessionárias Harley-Davidson. Os Boletins
E Apêndice E – Glossário
de serviço trazem alterações técnicas provisórias e infor-
mações suplementares. Veja os Boletins de serviço para
Para localizar rapidamente os assuntos, use o ÍNDICE (que
manter-se sempre bem informado e atualizado em relação ao
vem depois deste PREFÁCIO) e o ÍNDICE ALFABÉTICO (na
produto.
parte de trás deste manual). Os capítulos e tópicos deste
manual são numerados seqüencialmente para facilitar as USE PEÇAS DE REPOSIÇÃO GENUÍNAS
consultas.
Por exemplo, a referência cruzada 2.2 ESPECIFICAÇÕES
refere-se ao capítulo 2 CHASSI, subtítulo 2.2 ESPECIFI-
CAÇÕES. As peças e os acessórios da Harley-Davidson são proje-
tados para as motocicletas Harley-Davidson. O uso de
Para que se tenha uma referência fácil e rápida, todas as peças e de acessórios não originais da Harley-Davidson
páginas têm um número de capítulo seguido por um número pode afetar negativamente o desempenho, a estabilidade
de página. Por exemplo, a indicação página 3-5 refere-se à ou a dirigibilidade, o que pode resultar em morte ou lesões
página 5, capitulo 3. graves. (00001b)
Uma série de acrônimos e abreviaturas são usados neste Para conseguir reparos satisfatórios e duradouros, siga cuida-
documento. Para uma lista de acrônimos, abreviaturas e defi- dosamente as instruções do Manual de serviço e somente use
nições, veja E.1 GLOSSÁRIO. peças de reposição genuínas Harley-Davidson. Por trás do
PREPARAÇÃO PARA A MANUTENÇÃO emblema com as palavras GENUINE HARLEY-DAVIDSON
temos mais de 100 anos de experiência em criação, pesquisas,
produção, testes e inspeção. Aí está a garantia de que as
PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA
peças que você está usando vão atender à necessidade, fun-
HD-48650 DIGITAL TECHNICIAN II cionar bem e durar mais.

ADVERTÊNCIAS E CUIDADOS
As declarações neste manual que vêm precedidas pelas
Desligue o motor ao reabastecer ou consertar o sistema seguintes palavras têm uma relevância especial.
de combustível. Não fume nem permita chamas ou faíscas
perto da gasolina. A gasolina é extremamente inflamável
e altamente explosiva, o que poderá resultar em morte ou
lesões graves. (00002a)
I
Quando este manual faz referência a um nome de marca
específico para produto, ferramenta ou instrumento, um pro-
duto, ferramenta ou instrumento equivalente pode ser substi-
ATENÇÃO indica uma situação potencialmente perigosa
tuído.
que se não for evitada, poderá resultar em morte ou lesões
graves. (00119a) Produtos Kent-Moore
Todas as ferramentas mencionadas neste manual com prefácio
“HD”, “J” ou “B” devem ser encomendadas através da SPX
CUIDADO indica uma situação potencialmente perigosa Kent-Moore. Para informações sobre encomendas ou devo-
que se não for evitada, poderá resultar em lesões luções de produtos, garantia ou outras, visite www.spx.com.
pequenas ou moderadas. (00139a) Produtos de vedação e trava-roscas Loctite
Alguns procedimentos neste manual pedem o uso de produtos
Loctite. Se você tiver perguntas sobre o uso do produto Loctite
AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, ou a localização de varejistas/atacadistas, por favor entre em
se não for evitada, poderá resultar em danos materiais. contato com a Loctite Corp. em www.loctite.com.
(00140b)
MARCAS REGISTRADAS DE PRODUTOS
NOTA Apple, Alcantara S.p.A., Allen, Amp Multilock, Bluetooth,
Refere-se a informações importantes e é colocada em itálico. Brembo, Delphi, Deutsch, Dunlop, Dynojet, Fluke, G.E. Versi-
Recomenda-se que você preste atenção especial a estes itens. lube, Garmin, Gunk, Hydroseal, Hylomar, iPhone, iPod, Kevlar,
Lexan, Loctite, Lubriplate, Keps, K&N, Magnaflux, Marson
Serviço e reparos corretos são importantes para a operação Thread-Setter Tool Kit, MAXI fuse, Molex, Michelin, MPZ,
segura e confiável de todos os produtos mecânicos. Os proce- Multilock, nano, NGK, Novus, Packard, Pirelli, Permatex, Phi-
dimentos de serviço recomendados e descritos neste manual lips, PJ1, Pozidriv, Robinair, S100, Sems, Snap-on, Teflon,
são métodos efetivos de se realizar as operações de serviço. Threadlocker, Torca, Torco, TORX, Tufoil, Tyco, Ultratorch,
Velcro, X-Acto, XM Satellite Radio e zūmo estão entre as
marcas registradas de seus respectivos proprietários.

Sempre use proteção adequada dos olhos ao usar mar- H-D MICHIGAN, INC. INFORMAÇÕES DE
telos, eixos ou prensas hidráulicas, saca-engrenagem, MARCAS REGISTRADAS
compressores da mola, martelos deslizantes e ferramentas
similares. Peças que saltam subitamente podem causar Bar & Shield, Cross Bones, Digital Tech, Digital Technician,
morte ou lesões graves. (00496b) Digital Technician II, Dyna, Electra Glide, Evolution, Fat Bob,
Fat Boy, Glaze, Gloss, H-D, H-Dnet.com, Harley, Harley-
Algumas destas operações de serviço exigem o uso de ferra-
Davidson, HD, Heritage Softail, Low Rider, Night Rod,
mentas especialmente projetadas para este fim. Estas ferra-
Nightster, Night Train, Profile, Revolution, Road Glide, Road
mentas especiais devem ser usadas forma e conforme reco-
King, Road Tech, Rocker, Screamin’ Eagle, Softail, Sportster,
mendado. É importante notar que este manual traz algumas
Street Glide, Street Rod, Sun Ray, Sunwash, Super Glide,
advertências contra o uso de métodos de serviço específicos
SYN3, TechLink, TechLink II, Tour-Pak, Twin Cam 88, Twin
que podem danificar a motocicleta ou torná-la insegura.
Cam 88B, Twin Cam 96, Twin Cam 96B, Twin Cam 103, Twin
Entretanto, é bom lembrar que estas advertências não incluem
Cam 103B, Twin Cam 110, Twin Cam 110B, Ultra Classic,
tudo. Medidas de segurança inadequadas podem resultar em
V-Rod, VRSC, Harley-Davidson Genuine Motor Parts e
morte ou lesões graves.
Genuine Motor Accessories são marcas comerciais da H-D
Como a Harley-Davidson não poderia possivelmente saber, Michigan, Inc.
avaliar ou aconselhar o ramo de serviços sobre todas as
formas possíveis em que um serviço possa ser executado, ou ÍNDICE
das possíveis conseqüências perigosas de cada método, não As fotografias, as ilustrações e os procedimentos podem não
fizemos uma avaliação tão ampla. Assim sendo, qualquer necessariamente mostrar o modelo ou componente mais atual,
pessoa, que adotar um procedimento de serviço ou usar uma mas baseiam-se nas informações de produção mais recentes
ferramenta não recomendada pela Harley-Davidson, deve à disposição no momento da publicação.
primeiro ter toda a garantia de que a segurança dela e do piloto
não será ameaçada por causa disso. Não seguir este aviso A Harley-Davidson reserva-se o direito de modificar as espe-
poderá resultar em morte ou lesões graves. cificações, o equipamento ou o seu projeto a qualquer tempo
sem prévio aviso e sem incorrer em nenhuma obrigação.
REFERÊNCIAS DE PRODUTO

Leia e siga as advertências e instruções em todos os


produtos. A falta de observância dos avisos de atenção e
cuidado poderá resultar em morte ou lesões graves.
(00470b)

II PREFÁCIO
MANUTENÇÃO 1.7 FILTRO DE AR E SISTEMA DE
ESCAPAMENTO
1.1 VALORES DE TORQUE PARA Remoção..........................................................................1-20
PARAFUSOS Limpeza e inspeção..................................................1-20
Instalação.........................................................................1-21
Valores de torque para parafusos neste capítulo...............1-1
Verificação de vazamentos no sistema de escapamento..1-22
1.2 INFORMAÇÕES GERAIS 1.8 PNEUS E RODAS
Manutenção de uma motocicleta nova...............................1-4
Informações gerais...........................................................1-23
Manutenção para uma operação segura............................1-4
Pneus................................................................................1-23
Boas práticas na oficina......................................................1-4
Substituição dos pneus.....................................................1-24
Notas sobre reparos....................................................1-4
Inspeção....................................................................1-24
Segurança...................................................................1-4
Quando substituir os pneus.......................................1-24
Remoção de peças......................................................1-4
Rolamentos da roda.........................................................1-24
Limpeza.......................................................................1-4
Raios de roda...................................................................1-25
Desmontagem e montagem........................................1-5
Identificar os grupos de raios da roda.......................1-25
Verificação do torque nos parafusos...........................1-5
Ajuste de raio da roda...............................................1-25
Bandeja com peças magnéticas.................................1-5
Procedimentos de reparo e substituição............................1-5 1.9 LUBRIFICANTE DO BLOCO DA
Ferragens e peças rosqueadas...................................1-5
Agentes trava-roscas...................................................1-5 CORRENTE PRIMÁRIA
Fiação, mangueiras e linhas.......................................1-5 Informações gerais...........................................................1-27
Instrumentos e indicadores.........................................1-5 Troca do lubrificante do bloco da corrente primária.........1-27
Rolamentos.................................................................1-5
Buchas.........................................................................1-5 1.10 LUBRIFICANTE DE TRANSMISSÃO
Gaxetas.......................................................................1-6 Verificação do nível do lubrificante de transmissão..........1-29
Retentores tipo lábio....................................................1-6 Troca do lubrificante de transmissão................................1-29
Anéis de vedação “o-ring” (gaxetas pré-moldadas).....1-6
Engrenagens...............................................................1-6 1.11 EMBREAGEM
Eixos............................................................................1-6 Ajuste................................................................................1-31
Substituição da peça...................................................1-6
Vazamento do sistema de escapamento ...................1-6 1.12 CORREIA DA TRANSMISSÃO E RODAS

ÍNDICE
Limpeza..............................................................................1-6
Proteção de peças.......................................................1-6
DENTADAS
Processo de limpeza...................................................1-6 Informações gerais...........................................................1-33
Remoção de ferrugem ou corrosão.............................1-6 Limpeza............................................................................1-33
Rolamentos.................................................................1-6 Inspeção...........................................................................1-33
Segurança no uso de ferramentas.....................................1-7 Rodas dentadas........................................................1-33
Ferramentas pneumáticas...........................................1-7 Correia da transmissão.............................................1-33
Chaves........................................................................1-7 Verificação da flexão da correia.......................................1-34
Alicates/cortadores/alavancas.....................................1-7 Ajuste da flexão da correia...............................................1-35
Martelos.......................................................................1-7
Punções/cinzel............................................................1-7 1.13 CABOS DO ACELERADOR
Chaves de fenda.........................................................1-7 Lubrificação, inspeção e ajuste do cabo..........................1-37
Catracas e cabos.........................................................1-7 Lubrificação e inspeção.............................................1-37
Soquetes.....................................................................1-7 Ajuste.........................................................................1-37
Armários de armazenamento......................................1-8
1.14 LUBRIFICAÇÃO DO CABO E DO
1.3 COMBUSTÍVEL E ÓLEO CHASSI
Combustível........................................................................1-9
Informações gerais...........................................................1-39
Misturas de gasolina...........................................................1-9
Cabos e alavancas manuais............................................1-39
Lubrificação do motor.........................................................1-9
Cavalete lateral.................................................................1-39
Lubrificação de inverno....................................................1-10
Rolamentos da coluna de direção....................................1-39
1.4 ESPECIFICAÇÕES DE LÂMPADAS 1.15 FREIOS
Informações gerais...........................................................1-11
Inspeção do fluido.............................................................1-40
Pedal do freio traseiro.......................................................1-40
1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO
Altura do pedal..........................................................1-40
Informações gerais...........................................................1-12 Lubrificação do pedal................................................1-40
Coxim do pedal..........................................................1-40
1.6 ÓLEO DO MOTOR E FILTRO
Verificação e adição de óleo.............................................1-17 1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS
Tipo de óleo...............................................................1-17 Inspeção...........................................................................1-41
Verificação do nível de óleo......................................1-17 Pastilhas do freio.......................................................1-41
Troca de óleo e do filtro....................................................1-17 Discos de freio...........................................................1-41
Substituição da pastilha do freio.......................................1-42

III
ÍNDICE
Cáliper do freio traseiro.............................................1-42 Sistema de lubrificação.....................................................1-66
Cáliper do freio dianteiro...........................................1-43 O óleo não retorna ao tanque de óleo.......................1-66
O motor utiliza óleo demais ou cria fumaça em
1.17 VELAS DE IGNIÇÃO excesso.....................................................................1-67
Inspeção...........................................................................1-46 O motor vaza óleo pelas caixas, varetas de compressão,
Inspeção dos cabos das velas de ignição........................1-47 mangueiras, etc.........................................................1-67
Pressão de óleo baixa...............................................1-67
1.18 AJUSTES DA SUSPENSÃO Pressão de óleo alta..................................................1-67
Sistema elétrico................................................................1-67
Amortecedores.................................................................1-48
O alternador não carrega..........................................1-67
Calcular número de espiras......................................1-48
A porcentagem de carga do alternador está abaixo do
Ajuste.........................................................................1-48
normal........................................................................1-67
1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE Velocímetro funciona de maneira errática.................1-67
Transmissão.....................................................................1-67
DIREÇÃO Troca de marcha muito dura.....................................1-67
Ajuste: FLSTC, FLSTF/B, FLSTN.....................................1-49 Desengata da engrenagem.......................................1-67
Ajuste do rolamento (inclinação)...............................1-49 A embreagem escorrega...........................................1-68
Ajuste: FXST e FXS..........................................................1-50 A embreagem patina ou não desengata...................1-68
Ajuste do rolamento (inclinação)...............................1-50 A embreagem trepida................................................1-68
Lubrificação......................................................................1-52 Manuseio..........................................................................1-68
Irregularidades...........................................................1-68
1.20 ALINHAMENTO DO FAROL DIANTEIRO Freios................................................................................1-68
Alinhamento do farol dianteiro..........................................1-54 Freio não segura como normal.................................1-68
Ajuste do farol dianteiro....................................................1-54
CHASSI
1.21 PARAFUSOS CRUCIAIS
Inspeção...........................................................................1-56 2.1 VALORES DE TORQUE PARA
Verificação do torque nos parafusos.........................1-56 PARAFUSOS
1.22 MANUTENÇÃO DA BATERIA Valores de torque para parafusos nesse capítulo..............2-1
Informações gerais...........................................................1-57 2.2 ESPECIFICAÇÕES
Limpeza e inspeção..........................................................1-58
Teste de voltímetro...........................................................1-58 Especificações....................................................................2-5
Teste de voltímetro....................................................1-58 Especificações do chassi............................................2-5
Carregando a bateria........................................................1-58 Especificações dos pneus...........................................2-6
Precauções de segurança.........................................1-58
Utilização de um carregador de bateria....................1-58
2.3 NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO DO
Desconexão e remoção....................................................1-59 VEÍCULO (VIN)
Armazenamento...............................................................1-60 Número de identificação do veículo...................................2-9
Instalação e conexão........................................................1-60
2.4 RODA DIANTEIRA
1.23 ARMAZENAMENTO Remoção..........................................................................2-11
Informações gerais...........................................................1-63 Desmontagem..................................................................2-11
Armazenamento...............................................................1-63 Disco de roda............................................................2-11
Remoção do armazenamento..........................................1-64 Roda raiada...............................................................2-11
Limpeza e inspeção..........................................................2-13
1.24 SOLUÇÃO DE PROBLEMAS Montagem.........................................................................2-13
Informações gerais...........................................................1-65 Disco de roda............................................................2-13
Motor.................................................................................1-65 Roda raiada...............................................................2-14
O motor de partida não funciona ou não dá partida no Instalação.........................................................................2-14
motor ........................................................................1-65
O motor gira, mas não dá partida .............................1-65 2.5 RODA TRASEIRA
Dificuldade na partida................................................1-65 Remoção..........................................................................2-16
O motor olá partida, mas funciona irregularmente ou falha Desmontagem..................................................................2-16
...................................................................................1-65 Limpeza e inspeção..........................................................2-17
As velas de ignição sujam continuamente................1-66 Montagem.........................................................................2-17
Pré-ignição ou detonação (bate ou faz ruído)...........1-66 Instalação.........................................................................2-18
Superaquecimento....................................................1-66
Barulho no conjunto de válvulas...............................1-66 2.6 ENRAIAMENTO
Excesso de vibração.................................................1-66 Enraiamento: Cubo flangeado com ângulo......................2-19
A lâmpada de verificação do motor acende durante a
operação do veículo..................................................1-66

IV ÍNDICE
ÍNDICE
2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE 2.14 CÁLIPER DO FREIO TRASEIRO
RODAS Remoção..........................................................................2-53
Informações gerais...........................................................2-21 Desmontagem..................................................................2-53
Verificação do desvio da roda..........................................2-21 Limpeza, inspeção e reparo.............................................2-55
Verificando o desvio lateral.......................................2-21 Montagem.........................................................................2-56
Verificação do desvio radial.......................................2-21 Orientação da tubulação do freio traseiro........................2-56
Deslocamento do aro da roda raiada...............................2-22 Instalação.........................................................................2-57
Centragem de rodas raiadas............................................2-24
Excentricidade radial.................................................2-24
2.15 SANGRAMENTO DOS FREIOS
Excentricidade lateral................................................2-25 Informações gerais...........................................................2-58
Procedimento....................................................................2-58
2.8 ROLAMENTOS DA RODA COM
VEDAÇÃO 2.16 GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO
Inspeção...........................................................................2-26 Informações gerais...........................................................2-60
Remoção..........................................................................2-26 Troca do óleo do garfo......................................................2-60
Instalação.........................................................................2-28 Remoção..........................................................................2-61
Desmontagem..................................................................2-61
2.9 PNEUS Limpeza e inspeção..........................................................2-61
Montagem.........................................................................2-66
Informações gerais...........................................................2-30 Instalação.........................................................................2-66
Remoção..........................................................................2-30
Limpeza, inspeção e reparo.............................................2-31 2.17 COLUNA DE DIREÇÃO
Instalação.........................................................................2-31
Pneus com câmara....................................................2-31 Remoção..........................................................................2-68
Pneus sem câmara: Rodas fundidas........................2-32 Modelos FLSTC, FLSTF/B, FLSTN...........................2-68
Pneus sem câmara: Rodas raiadas..........................2-32 Modelos FXST...........................................................2-68
Verificação do desvio do pneu..........................................2-33 Modelos FXS.............................................................2-68
Excentricidade lateral................................................2-33 Inspeção...........................................................................2-69
Excentricidade radial.................................................2-33 Todos os modelos......................................................2-69
Balanceamento da roda...................................................2-34 Desmontagem..................................................................2-69
Estático e dinâmico...................................................2-34 Remoção dos rolamentos inferiores do tubo de
Pesos.........................................................................2-34 direção.......................................................................2-69
Remoção da pista do rolamento da coluna de
2.10 ALINHAMENTO DO VEÍCULO direção.......................................................................2-69
Montagem.........................................................................2-70
Inspeção...........................................................................2-36 Instalação.........................................................................2-70
Modelos FLSTC, FLSTF/B, FLSTN...........................2-70
2.11 CILINDRO-MESTRE DO FREIO Modelos FXST...........................................................2-71
DIANTEIRO Modelos FXS.............................................................2-71
Informações gerais...........................................................2-37
Remoção e desmontagem...............................................2-37 2.18 CAPA DE PROTEÇÃO DA CORREIA E
Limpeza e inspeção..........................................................2-39 DEFLETOR DE DETRITOS
Montagem e instalação.....................................................2-39 Remoção..........................................................................2-72
Capa de proteção da correia.....................................2-72
2.12 CÁLIPER DO FREIO DIANTEIRO Defletor de detritos....................................................2-72
Remoção..........................................................................2-41 Instalação.........................................................................2-72
Desmontagem..................................................................2-41 Capa de proteção da correia.....................................2-72
Limpeza, inspeção e reparo.............................................2-43 Defletor de detritos....................................................2-72
Montagem.........................................................................2-44
Instalação.........................................................................2-45 2.19 AMORTECEDORES TRASEIROS
Informações gerais...........................................................2-73
2.13 CILINDRO-MESTRE DO FREIO Remoção..........................................................................2-73
TRASEIRO Instalação.........................................................................2-73
Informações gerais...........................................................2-47 Descarte dos amortecedores...........................................2-74
Remoção..........................................................................2-47
Desmontagem..................................................................2-47 2.20 GARFO TRASEIRO
Limpeza e inspeção..........................................................2-48 Remoção..........................................................................2-76
Montagem.........................................................................2-48 Limpeza e inspeção..........................................................2-77
Instalação.........................................................................2-49 Substituição do rolamento da articulação.........................2-77
Instalação.........................................................................2-78

ÍNDICE V
ÍNDICE
2.21 CONTROLE DO ACELERADOR Remoção.................................................................2-107
Instalação................................................................2-107
Remoção/desmontagem..................................................2-79
Apoio para os pés do passageiro...................................2-108
Limpeza e inspeção..........................................................2-79
Remoção.................................................................2-108
Montagem/instalação........................................................2-79
Instalação................................................................2-108
2.22 CONTROLE DA EMBREAGEM 2.34 CAVALETE LATERAL
Remoção..........................................................................2-81
Limpeza..........................................................................2-109
Instalação.........................................................................2-81
Sensor: Modelos HDI......................................................2-109
Remoção........................................................................2-110
2.23 GUIDOM: FLSTC, FLSTN, FXST
Instalação.......................................................................2-110
Remoção..........................................................................2-83
Instalação.........................................................................2-84 2.35 TRAVA DE DIREÇÃO
Remoção........................................................................2-111
2.24 GUIDOM: FLSTF/B
Instalação.......................................................................2-111
Remoção..........................................................................2-85
Instalação.........................................................................2-86 2.36 PORCA DE RETENÇÃO DO ASSENTO
2.25 GUIDOM: FXS E DA TIRA DE APOIO
Substituição....................................................................2-112
Remoção..........................................................................2-89
Instalação.........................................................................2-89 2.37 ASSENTO: FXS E FXST
2.26 PÁRA-LAMA DIANTEIRO Substituição....................................................................2-113
Remoção.................................................................2-113
Remoção..........................................................................2-92
Instalação................................................................2-113
Instalação.........................................................................2-92

2.27 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTC 2.38 ASSENTO: FLSTN, FLSTF, FLSTFB,


Remoção..........................................................................2-93
FLSTC
Instalação.........................................................................2-93 Remoção e instalação....................................................2-114

2.28 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTF/B 2.39 SUPORTE DO BAGAGEIRO: FLSTN


Remoção..........................................................................2-95 Remoção e instalação....................................................2-115
Instalação.........................................................................2-95
2.40 ALFORJES: FLSTC
2.29 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXST Remoção........................................................................2-116
Remoção..........................................................................2-97 Instalação.......................................................................2-116
Instalação.........................................................................2-97
2.41 PÁRA-BRISA: FLSTC
2.30 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXS Remoção........................................................................2-118
Remoção..........................................................................2-99 Instalação.......................................................................2-118
Instalação.........................................................................2-99
Montagem e instalação do suporte da placa de MOTOR
identificação do veículo.............................................2-99
Instalação do pára-lama..........................................2-100 3.1 VALORES DE TORQUE DE PARAFUSOS
2.31 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTN Valores de torque de parafusos neste capítulo..................3-1

Remoção........................................................................2-102 3.2 ESPECIFICAÇÕES


Desmontagem................................................................2-102
Especificações....................................................................3-3
Montagem.......................................................................2-104
Instalação.......................................................................2-104 3.3 LIMITES DE DESGASTE DE SERVIÇO
2.32 CONDUÍTE DA FIAÇÃO NO Informações gerais.............................................................3-5
PÁRA-LAMA TRASEIRO 3.4 FLUXO DO ÓLEO DO MOTOR
Instalação.......................................................................2-105
Alimentação de óleo...........................................................3-7
Extremidade superior..........................................................3-8
2.33 ESTRIBOS E APOIOS PARA OS PÉS
Extremidade inferior............................................................3-9
Estribos do motociclista..................................................2-107 Suporte da guia da corrente.............................................3-11
Remoção.................................................................2-107 Retorno de óleo................................................................3-12
Instalação................................................................2-107
Apoio para o pé do motociclista.....................................2-107

VI ÍNDICE
ÍNDICE
3.5 OPERAÇÃO DA BOMBA DE ÓLEO Cilindro..............................................................................3-34
Pistão................................................................................3-35
Informações gerais...........................................................3-13
Operação..........................................................................3-13 3.17 CONJUNTO DO RESPIRO
3.6 OPERAÇÃO DO RESPIRO Desmontagem..................................................................3-37
Limpeza e inspeção..........................................................3-37
Informações gerais...........................................................3-15
Montagem.........................................................................3-37
3.7 PRESSÃO DO ÓLEO 3.18 PLACA DE SUPORTE DO BALANCIM
Lâmpada indicadora de pressão do óleo.........................3-16
Desmontagem..................................................................3-38
Verificação da pressão do óleo........................................3-16
Limpeza e inspeção..........................................................3-38
Inspeção....................................................................3-38
3.8 SOLUÇÃO DE PROBLEMAS
Instalação do eixo do balancim.................................3-38
Diagnóstico de ruído no conjunto de válvulas..................3-18 Eixo do balancim na bucha.......................................3-39
Teste de compressão........................................................3-18 Substitua as buchas dos balancins...........................3-39
Teste de vazamento dos cilindros....................................3-19 Montagem.........................................................................3-40
Diagnóstico de motor fumando ou com elevado consumo de
óleo...................................................................................3-19 3.19 VARETAS DE COMPRESSÃO, TUCHOS
Verificação antes da remoção do cabeçote do E TAMPAS
cilindro.......................................................................3-19
Verificação depois da remoção do cabeçote do Desmontagem..................................................................3-41
cilindro.......................................................................3-19 Limpeza e inspeção..........................................................3-41
Inspeção do tucho............................................................3-42
3.9 COMO USAR ESTA SEÇÃO Montagem.........................................................................3-42
Reparo da extremidade superior......................................3-20 3.20 CABEÇOTE DO CILINDRO
Reparo da extremidade inferior........................................3-20
Sintomas típicos...............................................................3-20 Desmontagem..................................................................3-43
Limpeza............................................................................3-44
3.10 SERVIÇO NA EXTREMIDADE Inspeção...........................................................................3-45
Cabeçote do cilindro..................................................3-45
SUPERIOR
Guias das válvulas....................................................3-45
Motor no chassi................................................................3-21 Válvulas.....................................................................3-46
Motor removido do chassi................................................3-22 Molas das válvulas....................................................3-46
Retentores cônicos....................................................3-46
3.11 SERVIÇO NO COMPARTIMENTO DO Sedes de válvula.......................................................3-46
EXCÊNTRICO Substituição da guia da válvula........................................3-46
Motor no chassi................................................................3-23 Remoção...................................................................3-46
Motor removido do chassi................................................3-24 Instalação..................................................................3-47
Válvula e refaceamento da sede......................................3-50
3.12 REMOÇÃO DA MOTOCICLETA PARA Montagem.........................................................................3-53
SERVIÇO 3.21 CILINDRO
Procedimento....................................................................3-25 Limpeza............................................................................3-55
Inspeção...........................................................................3-55
3.13 MONTAGEM DA MOTOCICLETA Desvitrificação do cilindro.................................................3-57
DEPOIS DO SERVIÇO Retificação e brunimento do cilindro................................3-57
Procedimento....................................................................3-26
3.22 PISTÃO
3.14 REMOÇÃO DO MOTOR DO CHASSI Desmontagem..................................................................3-59
Procedimento....................................................................3-27 Anéis do pistão..........................................................3-59
Limpeza............................................................................3-59
3.15 INSTALAÇÃO DO MOTOR NO CHASSI Inspeção...........................................................................3-59
Procedimento....................................................................3-28 Montagem.........................................................................3-61
Verificação da lacuna do anel do pistão....................3-61
3.16 REVISÃO GERAL DA EXTREMIDADE Instalação dos anéis do pistão..................................3-62
SUPERIOR: DESMONTAGEM 3.23 REVISÃO GERAL DA EXTREMIDADE
Informações gerais...........................................................3-30 SUPERIOR: MONTAGEM
Tampas dos balancins......................................................3-30
Placa de suporte do balancim..........................................3-30 Informações gerais...........................................................3-64
Varetas de compressão, tuchos e tampas.......................3-32 Pistão................................................................................3-64
Cabeçote do cilindro.........................................................3-33 Cilindro..............................................................................3-65
Cabeçote do cilindro.........................................................3-68

ÍNDICE VII
ÍNDICE
Varetas de compressão, tuchos e tampas.......................3-71 Virabrequim instalado..............................................3-105
Placa de suporte do balancim..........................................3-72 Virabrequim removido.............................................3-105
Respiro e tampa do balancim...........................................3-74
3.28 REPARO DO CONJUNTO DO
3.24 COMPONENTES DE COMPARTIMENTO CONTRAPESO
DO EXCÊNTRICO Limpeza, inspeção e reparo...........................................3-107
Placa de suporte do excêntrico e remoção da tampa......3-75 Informações gerais..................................................3-107
Preparação do motor.................................................3-75 Remoção do eixo balanceador................................3-107
Remoção da corrente do excêntrico e rodas Instalação do eixo balanceador...............................3-108
dentadas....................................................................3-75 Remoção dos rolamentos do suporte do eixo
Remoção da placa de suporte do excêntrico............3-77 balanceador.............................................................3-108
Limpeza e inspeção da placa de suporte do excêntrico....3-78 Instalação dos rolamentos do suporte do eixo
Válvula de pressão do óleo.......................................3-78 balanceador.............................................................3-108
Placa de suporte do excêntrico.................................3-78 Rodas dentadas dianteira e traseira do
Virabrequins......................................................................3-78 balanceador.............................................................3-109
Remoção...................................................................3-78 Tensionadores hidráulicos.......................................3-110
Instalação..................................................................3-79 Guias do tensionador da corrente...........................3-110
Válvula de alívio de pressão do óleo................................3-80 Suporte do eixo balanceador..................................3-110
Remoção...................................................................3-80 Corrente balanceadora............................................3-110
Inspeção....................................................................3-81
Instalação..................................................................3-81 3.29 CONJUNTO DA CARCAÇA
Rolamentos de agulhas no excêntrico.............................3-81 Instalação do conjunto do contrapeso............................3-111
Remoção...................................................................3-81 Carcaça..........................................................................3-114
Instalação..................................................................3-83
Instalação da placa de suporte do excêntrico e tampa.....3-84 3.30 TANQUE DE ÓLEO
Remoção e desmontagem.............................................3-117
3.25 BOMBA DE ÓLEO
Tanque de óleo........................................................3-117
Remoção..........................................................................3-89 Conexões da tubulação de óleo/retentores.............3-119
Limpeza e inspeção..........................................................3-89 Instalação.......................................................................3-121
Instalação.........................................................................3-90
SISTEMA DE COMBUSTÍVEL
3.26 DESMONTAGEM DA CARCAÇA E
REPARO 4.1 VALORES DE TORQUE DE PARAFUSOS
Desmontagem da carcaça................................................3-92 Valores de torque de parafusos neste capítulo..................4-1
Conjunto do contrapeso...................................................3-93
Limpeza e inspeção..........................................................3-94 4.2 ESPECIFICAÇÕES: SISTEMA DE
Metade direita da carcaça................................................3-95
Tela da guia da corrente............................................3-95
COMBUSTÍVEL
Remoção do rolamento principal...............................3-95 Especificações....................................................................4-3
Instalação do rolamento principal..............................3-96
Remoção dos bicos de lubrificação do pistão...........3-96 4.3 CONJUNTO DO FILTRO DE AR
Instalação dos bicos de lubrificação do pistão..........3-96 Remoção............................................................................4-4
Metade esquerda da carcaça...........................................3-97 Instalação...........................................................................4-4
Remoção do rolamento principal...............................3-97 Montagem da placa posterior: Modelos HDI......................4-5
Instalação do rolamento principal..............................3-98
Pista interna do rolamento do eixo da roda dentada........3-99 4.4 TUBULAÇÃO DE ALIMENTAÇÃO DE
Remoção...................................................................3-99 COMBUSTÍVEL
Instalação................................................................3-100
Pinos do cilindro.............................................................3-102 Purga da tubulação de alimentação de combustível..........4-6
Remoção.................................................................3-102 Desconexão da tubulação de alimentação de
Instalação................................................................3-102 combustível.........................................................................4-6
Bujões dos tubos e conexões de óleo............................3-102
Remoção/instalação................................................3-102
4.5 TESTE DE PRESSÃO DE COMBUSTÍVEL
Informações gerais.............................................................4-7
3.27 VOLANTE E BIELAS Teste...................................................................................4-7
Informações gerais.........................................................3-104
Sintomas..................................................................3-104
4.6 TANQUE DE COMBUSTÍVEL
Falta de pressão de óleo.........................................3-104 Informações gerais...........................................................4-10
Vibração..................................................................3-104 Remoção..........................................................................4-10
Inspeção.........................................................................3-104 Limpeza e inspeção..........................................................4-11
Medição da excentricidade do virabrequim....................3-105 Instalação.........................................................................4-12

VIII ÍNDICE
ÍNDICE
4.7 CONSOLE: MODELO FXS Desmontagem e montagem.............................................4-27
Filtro de combustível.................................................4-27
Remoção..........................................................................4-13
Regulador..................................................................4-27
Instalação.........................................................................4-13
Soquete da admissão................................................4-28
Bomba de combustível..............................................4-28
4.8 SENSOR DE POSIÇÃO DA BORBOLETA
Instalação.........................................................................4-29
DO CORPO DE INJEÇÃO (TPS)
Informações gerais...........................................................4-14 4.17 SISTEMA DE ESCAPAMENTO: FXST E
Remoção..........................................................................4-14 FLSTC
Instalação.........................................................................4-14
Silenciadores....................................................................4-31
Remoção...................................................................4-31
4.9 SENSOR DE TEMPERATURA DO AR DE
Montagem..................................................................4-31
ADMISSÃO (IAT) Sistema.............................................................................4-31
Informações gerais...........................................................4-15 Remoção...................................................................4-31
Remoção..........................................................................4-15 Instalação..................................................................4-31
Instalação.........................................................................4-15
4.18 SISTEMA DE ESCAPAMENTO: FLSTF,
4.10 SENSOR DE TEMPERATURA DO FLSTFB, FLSTN, FXS
MOTOR (ET) Silenciadores....................................................................4-33
Informações gerais...........................................................4-16 Remoção...................................................................4-33
Remoção..........................................................................4-16 Montagem..................................................................4-33
Instalação.........................................................................4-16 Sistema.............................................................................4-33
Remoção...................................................................4-33
4.11 MÓDULO DE INDUÇÃO Instalação..................................................................4-33
Remoção..........................................................................4-17
Instalação.........................................................................4-18
4.19 TESTE DE VAZAMENTO DA ADMISSÃO
Informações gerais...........................................................4-36
4.12 CONTROLE DO AR DA MARCHA Dispositivo de teste de vazamento...................................4-36
LENTA (IAC) Lista de peças...........................................................4-36
Conjunto do dispositivo de teste...............................4-36
Informações gerais...........................................................4-19 Ajuste do dispositivo de teste....................................4-36
Remoção..........................................................................4-19 Procedimento....................................................................4-36
Instalação.........................................................................4-19
4.20 SISTEMA DE CONTROLE DE
4.13 SENSOR DE PRESSÃO ABSOLUTA DO
EMISSÕES EVAPORATIVAS
COLETOR DE ADMISSÃO (MAP)
Informações gerais...........................................................4-38
Informações gerais...........................................................4-20 Filtro de carvão ativado (cartucho)...................................4-39
Remoção..........................................................................4-20 Remoção...................................................................4-39
Instalação.........................................................................4-20 Instalação..................................................................4-39
Solenóide de purga...........................................................4-40
4.14 SENSOR DE OXIGÊNIO Remoção...................................................................4-40
Informações gerais...........................................................4-21 Instalação..................................................................4-40
Remoção..........................................................................4-21 Orientação/substituição da mangueira.............................4-40
Sensor de O2 dianteiro.............................................4-21 Mangueira de respiro do tanque de combustível......4-40
Sensor de O2 traseiro...............................................4-21 Tubo do solenóide de purga para o módulo de
Instalação.........................................................................4-21 indução......................................................................4-40
Sensor de O2 dianteiro.............................................4-21 Tubo do filtro de carvão ativado-solenóide de
Sensor de O2 traseiro...............................................4-21 purga.........................................................................4-41
Tubo de respiro-filtro de carvão ativado (cartucho)....4-41
4.15 INJETORES DE COMBUSTÍVEL
Informações gerais...........................................................4-23 ACIONAMENTO
Remoção..........................................................................4-23
Instalação.........................................................................4-23 5.1 VALORES DE TORQUE DE PARAFUSOS
4.16 BOMBA DE COMBUSTÍVEL E UNIDADE Valores de torque de parafusos neste capítulo..................5-1
DE TRANSMISSÃO DO INDICADOR DE 5.2 ESPECIFICAÇÕES: ACIONAMENTO
COMBUSTÍVEL Especificações....................................................................5-2
Informações gerais...........................................................4-25
Remoção..........................................................................4-25
Válvula de vapor...............................................................4-26

ÍNDICE IX
ÍNDICE
5.3 TAMPA DO BLOCO DA CORRENTE Sexta marcha..............................................................6-4
PRIMÁRIA 6.4 CÂMBIO
Informações gerais.............................................................5-3 Ajuste..................................................................................6-6
Remoção............................................................................5-3 Alavanca de mudança de marchas....................................6-6
Instalação...........................................................................5-3 Substituição da alavanca de câmbio..................................6-6
5.4 COMPONENTES DO ACIONAMENTO 6.5 TAMPA DE DESENGATE DA
Remoção............................................................................5-5 EMBREAGEM
Instalação...........................................................................5-7
Remoção e desmontagem.................................................6-8
5.5 ALOJAMENTO DO BLOCO DA Limpeza e inspeção............................................................6-8
Montagem e instalação.......................................................6-9
CORRENTE PRIMÁRIA
Remoção..........................................................................5-11 6.6 CONJUNTO DA TRANSMISSÃO
Inspeção...........................................................................5-11 Remoção..........................................................................6-10
Rolamento do eixo principal e retentor de lábio...............5-11 Desmontagem..................................................................6-11
Remoção...................................................................5-11 Excêntrico do câmbio/garfos seletores.....................6-11
Instalação..................................................................5-11 Eixo principal.............................................................6-13
Pista interna do rolamento de agulhas.............................5-12 Eixo secundário.........................................................6-16
Remoção...................................................................5-12 Remoção dos rolamentos da porta lateral................6-17
Instalação..................................................................5-13 Limpeza e inspeção..........................................................6-18
Instalação.........................................................................5-13 Montagem.........................................................................6-18
Instalação dos rolamentos da porta lateral...............6-18
5.6 EMBREAGEM Eixo secundário.........................................................6-19
Remoção e instalação......................................................5-15 Eixo principal.............................................................6-19
Somente conjunto de discos da embreagem...................5-15 Excêntrico do câmbio/garfos seletores.....................6-20
Desmontagem parcial...............................................5-15 Instalação.........................................................................6-22
Limpeza e inspeção..................................................5-15
Montagem..................................................................5-16 6.7 ENGRENAGEM E ROLAMENTO DO
Conjunto de discos da embreagem e rolamento..............5-17 ACIONAMENTO PRINCIPAL
Desmontagem completa...........................................5-17
Montagem..................................................................5-18 Remoção..........................................................................6-24
Limpeza e inspeção..........................................................6-26
5.7 RODA DENTADA DA TRANSMISSÃO Substituição do rolamento de agulhas......................6-26
Instalação.........................................................................6-28
Remoção..........................................................................5-20
Instalação do rolamento da engrenagem do acionamento
Limpeza e inspeção..........................................................5-21
principal.....................................................................6-28
Instalação.........................................................................5-21
Instalação da engrenagem do acionamento
principal.....................................................................6-28
5.8 CORREIA DE TRANSMISSÃO
Instalação da vedação grande da engrenagem do
Remoção..........................................................................5-23 acionamento principal...............................................6-29
Inspeção...........................................................................5-23
Instalação.........................................................................5-23 6.8 CAIXA DA TRANSMISSÃO
Remoção..........................................................................6-32
TRANSMISSÃO Instalação.........................................................................6-32
Desmontagem..................................................................6-33
6.1 VALORES DE TORQUE DE PARAFUSOS Conjunto do braço do câmbio...................................6-33
Valores de torque de parafusos neste capítulo..................6-1 Limpeza e inspeção..........................................................6-33
Montagem.........................................................................6-34
6.2 ESPECIFICAÇÕES: TRANSMISSÃO Substituição do rolamento de agulhas do eixo
secundário.................................................................6-34
Especificações....................................................................6-2
Conjunto da alavanca da garra do câmbio................6-34
Limites de desgaste de serviço..........................................6-2

6.3 TRANSMISSÃO SISTEMA ELÉTRICO


Fluxo da potência...............................................................6-4
Ponto morto.................................................................6-4 7.1 VALORES DE TORQUE DE PARAFUSOS
Primeira marcha..........................................................6-4 Valores de torque de parafuso neste capítulo....................7-1
Segunda marcha.........................................................6-4
Terceira marcha...........................................................6-4 7.2 ESPECIFICAÇÕES: SISTEMA ELÉTRICO
Quarta marcha.............................................................6-4 Especificações....................................................................7-4
Quinta marcha.............................................................6-4

X ÍNDICE
ÍNDICE
7.3 PAINEL ELÉTRICO 7.14 MOTOR DE PARTIDA
Informações gerais.............................................................7-5 Informações gerais...........................................................7-25
Remoção............................................................................7-5 Remoção..........................................................................7-25
Instalação...........................................................................7-6 Conjunto de acionamento.................................................7-25
Desmontagem...........................................................7-25
7.4 MÓDULO DE CONTROLE ELETRÔNICO Inspeção....................................................................7-26
(ECM) Montagem..................................................................7-26
Solenóide..........................................................................7-27
Informações gerais.............................................................7-7
Remoção da tampa e do pistão................................7-27
Remoção............................................................................7-7
Contato do borne curto: Motor de partida.................7-27
Instalação...........................................................................7-7
Contato do borne comprido: Positivo da bateria.......7-27
7.5 MÓDULO DE CONTROLE DO CORPO Instalação do êmbolo e da tampa.............................7-28
Instalação.........................................................................7-28
(BCM)
Informações gerais.............................................................7-8 7.15 FAROL DIANTEIRO
Configuração do BCM........................................................7-8 Informações gerais...........................................................7-29
Remoção............................................................................7-8 Remoção e instalação do conjunto do farol dianteiro.......7-29
Instalação...........................................................................7-8 Remoção...................................................................7-29
Instalação..................................................................7-29
7.6 ATIVAÇÃO DO H-DSSS Remoção e instalação da lâmpada..................................7-30
Configuração do side-car.................................................7-10 Modelos FXST, FXS..................................................7-30
Ativação............................................................................7-10 Modelos FLSTC, FLSTF/B e FLSTN.........................7-30
Atribuição do controle remoto...........................................7-10
7.16 LÂMPADA TRASEIRA: TODOS,
7.7 NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO PESSOAL EXCETO FLSTN
(SENHA) Informações gerais...........................................................7-32
Informações gerais...........................................................7-11 Substituição de lâmpadas................................................7-32
Alteração da senha...........................................................7-11 Substituição da base........................................................7-32
Modificação de uma senha existente........................7-11
7.17 LÂMPADA TRASEIRA: FLSTN
7.8 MANUTENÇÃO DO HD-SSS Substituição de lâmpadas................................................7-35
Bateria do controle remoto (key fob)................................7-13 Substituição da lâmpada traseira.....................................7-35
Cronograma de substituição da bateria....................7-13
Substituição da bateria..............................................7-13 7.18 LÂMPADAS AUXILIARES: FLSTC,
Sirene (se instalada).........................................................7-13 FLSTN
Cronograma de substituição da bateria....................7-13
Lâmpada auxiliar..............................................................7-38
Substituição da bateria..............................................7-13
Remoção...................................................................7-38
7.9 SIRENE DE SEGURANÇA Instalação..................................................................7-38
Modelos FLSTC................................................................7-38
Remoção..........................................................................7-15 Remoção do suporte da lâmpada auxiliar.................7-38
Instalação.........................................................................7-15 Instalação do suporte da lâmpada auxiliar................7-39
Remoção da estrutura da lâmpada auxiliar...............7-39
7.10 REGULADOR DE VOLTAGEM Instalação da estrutura da lâmpada auxiliar..............7-39
Desmontagem..................................................................7-17 Modelos FLSTN................................................................7-41
Instalação.........................................................................7-17 Remoção do suporte da lâmpada auxiliar.................7-41
Instalação do suporte da lâmpada auxiliar................7-41
7.11 FUSÍVEIS Remoção da estrutura da lâmpada auxiliar...............7-42
Remoção..........................................................................7-19 Instalação da estrutura da lâmpada auxiliar..............7-42
Instalação.........................................................................7-19 Ajuste: Modelos FLSTC/FLSTN.......................................7-43

7.12 INTERRUPTOR DA IGNIÇÃO E 7.19 PISCAS E LUZES DE POSIÇÃO


ILUMINAÇÃO Substituição de lâmpadas: Estilo Bullet............................7-45
Substituição de lâmpadas: Estilo lente achatada.............7-45
Informações gerais...........................................................7-20
Substituição de lâmpada..................................................7-45
Remoção e instalação: Todos, exceto FXS......................7-20
Todos os modelos......................................................7-45
Remoção e instalação: FXS.............................................7-21
Piscas dianteiros: Todos, exceto FLSTC, FLSTN.....7-46
7.13 CABOS DA BATERIA Piscas dianteiros: FLSTC, FLSTN............................7-47
Piscas traseiros: Todos, exceto FLSTN, FXS...........7-47
Procedimento de orientação.............................................7-23 Piscas traseiros: FXS................................................7-48
Piscas traseiros: FLSTN............................................7-48

ÍNDICE XI
ÍNDICE
7.20 SENSOR DE POSIÇÃO DO 7.31 INTERRUPTOR PONTO MORTO
VIRABREQUIM (CKP) Informações gerais...........................................................7-69
Informações gerais...........................................................7-50 Remoção..........................................................................7-69
Remoção..........................................................................7-50 Instalação.........................................................................7-69
Instalação.........................................................................7-50
7.32 PRESSOSTATO DE ÓLEO
7.21 LIBERAÇÃO AUTOMÁTICA DE Informações gerais...........................................................7-70
COMPRESSÃO (ACR) Remoção..........................................................................7-70
Instalação.........................................................................7-70
Informações gerais...........................................................7-52
Remoção..........................................................................7-52 7.33 INTERRUPTOR DA LÂMPADA DO
Instalação.........................................................................7-52
FREIO TRASEIRA
7.22 BOBINA DE IGNIÇÃO Informações gerais...........................................................7-71
Remoção..........................................................................7-54 Remoção..........................................................................7-71
Todos, exceto o FXS.................................................7-54 Instalação.........................................................................7-71
FXS............................................................................7-54
Instalação.........................................................................7-54
7.34 BUZINA
Todos, exceto o FXS.................................................7-54 Inspeção...........................................................................7-72
FXS............................................................................7-54 Remoção e instalação: Todos, exceto FXS......................7-72
Remoção e instalação: FXS.............................................7-73
7.23 CABOS DAS VELAS DE IGNIÇÃO
Informações gerais...........................................................7-56
7.35 ESCAPE ATIVO
Remoção..........................................................................7-56 Informações gerais...........................................................7-74
Instalação.........................................................................7-56 Remoção..........................................................................7-74
Reparo..............................................................................7-74
7.24 ALTERNADOR Instalação.........................................................................7-74
Remoção..........................................................................7-57
Limpeza e inspeção..........................................................7-57
7.36 CHICOTE DE FIOS PRINCIPAL
Instalação.........................................................................7-58 Remoção..........................................................................7-75
Instalação.........................................................................7-76
7.25 INDICADOR DE COMBUSTÍVEL
Informações gerais...........................................................7-59
7.37 MÓDULOS DE CONTROLE DO GUIDOM
Remoção..........................................................................7-59 Informações gerais...........................................................7-78
Instalação.........................................................................7-59 Procedimentos de reparo.................................................7-78

7.26 VELOCÍMETRO: TODOS, EXCETO FXS 7.38 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO


Remoção..........................................................................7-61 DIREITO DO GUIDOM
Instalação.........................................................................7-61 Remoção..........................................................................7-80
Instalação.........................................................................7-81
7.27 VELOCÍMETRO: FXS Substituição do interruptor do freio dianteiro....................7-82
Remoção..........................................................................7-62
Instalação.........................................................................7-62 7.39 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO
ESQUERDO DO GUIDOM
7.28 SENSOR DE VELOCIDADE DO
Remoção..........................................................................7-84
VEÍCULO (VSS) Instalação.........................................................................7-85
Informações gerais...........................................................7-64 Substituição do interruptor da embreagem......................7-86
Remoção..........................................................................7-64
Instalação.........................................................................7-64 APÊNDICE A – REPARO DE
7.29 LÂMPADAS INDICADORAS: TODOS, CONECTORES
EXCETO FXS
A.1 CONECTORES ELÉTRICOS NÃO
Informações gerais...........................................................7-65
Remoção..........................................................................7-65 SELADOS AUTOFUSE
Instalação.........................................................................7-65 Reparo de conectores não selados Autofuse....................A-1
Informações gerais......................................................A-1
7.30 LÂMPADAS INDICADORAS: FXS Desmontagem.............................................................A-1
Informações gerais...........................................................7-67 Montagem...................................................................A-1
Remoção..........................................................................7-67
Instalação.........................................................................7-67

XII ÍNDICE
ÍNDICE
A.2 CONECTOR SELADO DELPHI 100W A.9 CONECTORES SELADOS DELPHI
MICRO-PACK MICRO-64
Reparo do conector selado Delphi 100W Micro-Pack.......A-2 Reparo de conector selado Delphi Micro-64....................A-12
Informações gerais......................................................A-2 Informações gerais....................................................A-12
Separação do conector fêmea do ECM......................A-2 Separação de conectores macho e fêmea...............A-12
Correspondência do conector fêmea com o ECM......A-2 União de conectores macho e fêmea.......................A-12
Remoção do terminal fêmea.......................................A-2 Remoção de terminal................................................A-12
Instalação do terminal fêmea......................................A-2 Instalação do terminal...............................................A-13
Crimpagem dos terminais...........................................A-2 Preparação dos fios para crimpagem.......................A-13
Crimpagem dos terminais.........................................A-13
A.3 CONECTORES SELADOS DELPHI 150 Inspeção de crimpagens...........................................A-13
METRI-PACK
A.10 CONECTORES SELADOS DELPHI GT
Reparo de conector selado Delphi 150 Metri-Pack............A-4
Informações gerais......................................................A-4 150
Separação de conectores macho e fêmea.................A-4 Reparo de conector selado Delphi GT 150......................A-15
União de conectores macho e fêmea.........................A-4 Informações gerais....................................................A-15
Remoção do terminal fêmea.......................................A-4 Separação de conectores macho e fêmea...............A-15
Inserção do terminal fêmea........................................A-4 União de conectores macho e fêmea.......................A-15
Remoção dos terminais fêmea.................................A-15
A.4 CONECTORES NÃO SELADOS DELPHI Instalação dos terminais fêmea................................A-15
280 METRI-PACK
A.11 CONECTOR DO ECM TERMINAL 73
Reparo do bloco de fusíveis...............................................A-6
Remoção dos terminais fêmea...................................A-6 SELADO DELPHI GT 280
Instalação dos terminais fêmea..................................A-6 Conector do ECM terminal 73 selado Delphi GT 280......A-17
Crimpagem dos terminais...........................................A-6 Separação do conector fêmea do ECM....................A-17
Correspondência do conector fêmea com o ECM.....A-17
A.5 CONECTORES NÃO SELADOS DELPHI Terminal fêmea..........................................................A-17
480 METRI-PACK Terminal terra do ECM..............................................A-17
Reparo de conector não selado Delphi 480 Metri-Pack.....A-7 A.12 CONECTORES SELADOS DEUTSCH
Informações gerais......................................................A-7
Separação de conectores macho e fêmea.................A-7 DT
União de conectores macho e fêmea.........................A-7 Reparo de conector selado Deutsch DT..........................A-19
Remoção dos terminais fêmea...................................A-7 Informações gerais....................................................A-19
Instalação dos terminais fêmea..................................A-7 Separação de conectores macho e fêmea...............A-19
União de conectores macho e fêmea.......................A-19
A.6 CONECTORES NÃO SELADOS DELPHI Remoção dos terminais fêmea.................................A-19
630 METRI-PACK Instalação dos terminais fêmea................................A-19
Remoção dos terminais macho................................A-21
Reparo de conector não selado Delphi 630 Metri-Pack.....A-8
Instalação de terminais macho.................................A-21
Separação de conectores macho e fêmea.................A-8
Crimpagem dos terminais.........................................A-22
União de conectores macho e fêmea.........................A-8
Remoção do terminal fêmea.......................................A-8 A.13 REPARO DE TERMINAL SELADO
Instalação do terminal fêmea......................................A-8
DEUTSCH DT
A.7 ALOJAMENTO DO FUSÍVEL PRINCIPAL Crimpagens de terminal selado Deutsch DT...................A-23
SELADO DELPHI 800 METRI-PACK Preparação dos fios para crimpagem.......................A-23
Crimpagem do terminal no fio...................................A-23
Reparo do alojamento do fusível principal selado Delphi 800
Inspeção de crimpagens...........................................A-23
Metri-Pack..........................................................................A-9
Remoção dos terminais fêmea...................................A-9 A.14 REPARO DE TERMINAL MINI SELADO
Instalação dos terminais fêmea..................................A-9
DEUTSCH DTM
A.8 REPARO DE TERMINAL DELPHI Crimpagens de terminal mini selado Deutsch DTM.........A-25
METRI-PACK Preparação dos fios para crimpagem.......................A-25
Crimpagem de um miniterminal em um fio...............A-25
Crimpagens de terminais Metri-Pack...............................A-10
Inspeção de crimpagens...........................................A-25
Correspondência do terminal com o crimpador........A-10
Preparação do fio......................................................A-10 A.15 REPARO DE TERMINAL MINI SELADO
Crimpagem da alma do fio........................................A-10
Crimpagem do isolamento/vedação.........................A-10 COM CILINDRO MACIÇO DEUTSCH DTM
Inspeção de crimpagens...........................................A-11 Crimpagens de terminais selados com cilindro maciço Deutsch
DTM..................................................................................A-26

ÍNDICE XIII
ÍNDICE
Preparação dos fios para crimpagem.......................A-26 Instruções de reparo...................................................B-1
Ajuste do crimpador..................................................A-26
Crimpagem de um contacto cilíndrico em um fio......A-26 B.2 DIAGRAMAS DE FIAÇÃO
Inspeção de crimpagens...........................................A-26 Informações do diagrama de fiação...................................B-5
Código de cores dos fios............................................B-5
A.16 CONECTORES SELADOS JAE MX19 Símbolos dos diagramas de fiação.............................B-5
Conectores selados JAE MX19.......................................A-28 Diagramas de fiação do modelo Softail ano 2012.............B-7
Receptáculos do conector........................................A-28
Remoção dos terminais............................................A-28 APÊNDICE C – ABS
Instalação dos terminais...........................................A-28
Crimpagem dos terminais................................................A-28 C.1 VALORES DE TORQUE DE PARAFUSOS
A.17 CONECTORES SELADOS MOLEX CMC Valores de torque de parafuso neste capítulo...................C-1
Conectores selados Molex CMC......................................A-29 C.2 UNIDADE DE CONTROLE ELETRÔNICO
Separação do conector.............................................A-29
Remoção dos terminais............................................A-29 (ECU)
Instalação dos terminais...........................................A-29 Remoção............................................................................C-3
Crimpagem dos terminais................................................A-30 Instalação...........................................................................C-3

A.18 CONECTORES SELADOS MOLEX MX C.3 UNIDADE DE CONTROLE HIDRÁULICO


150 (HCU)
Reparo de conector selado Molex MX 150......................A-31 Unidade de controle hidráulico dianteira (HCU)................C-5
Separação de conectores macho e fêmea...............A-31 Remoção.....................................................................C-5
União de conectores macho e fêmea.......................A-31 Instalação....................................................................C-5
Remoção dos terminais............................................A-31 Unidade de controle hidráulico traseira (HCU)..................C-6
Instalação dos terminais...........................................A-31 Remoção.....................................................................C-6
Crimpagem de terminal no fio..........................................A-32 Instalação....................................................................C-6
Preparação do fio......................................................A-32
Preparação da ferramenta........................................A-32 C.4 SENSORES DE VELOCIDADE DA RODA
Posição do terminal no punção/matriz......................A-33 Sensor de velocidade da roda dianteira............................C-8
Introdução do fio desencapado.................................A-33 Remoção.....................................................................C-8
Crimpagem de terminal no fio...................................A-34 Instalação....................................................................C-9
Inspeção da crimpagem............................................A-34 Sensor de velocidade da roda traseira..............................C-9
Remoção.....................................................................C-9
A.19 CONECTORES NÃO SELADOS Instalação..................................................................C-10
MULTILOCK TYCO 070
Reparo de conectores não selados Multilock Tyco 070....A-35
C.5 TUBULAÇÃO DE FREIO ABS
Informações gerais....................................................A-35 Cilindro-mestre dianteiro a HCU dianteira.......................C-11
Separação de conectores macho e fêmea...............A-35 Remoção...................................................................C-11
União de conectores macho e fêmea.......................A-35 Instalação..................................................................C-11
Remoção dos terminais do alojamento.....................A-35 HCU até o cáliper do freio dianteiro.................................C-12
Inserção dos terminais no alojamento......................A-36 Remoção...................................................................C-12
Preparação dos fios para crimpagem.......................A-37 Instalação..................................................................C-12
Crimpagem de terminais em fios..............................A-37 Cilindro-mestre traseiro a HCU traseira...........................C-13
Inspeção de terminais crimpados.............................A-38 Remoção...................................................................C-13
Instalação..................................................................C-14
A.20 CONECTORES DE EMENDA SELADA HCU traseira ao cáliper do freio traseiro..........................C-15
Reparo do conector de emenda selada...........................A-39 Remoção...................................................................C-15
Informações gerais....................................................A-39 Instalação..................................................................C-15
Preparação dos fios..................................................A-39
Emenda de fios.........................................................A-39 APÊNDICE D – CONVERSÕES
Inspeção das vedações............................................A-39
D.1 CONVERSÃO PARA O SISTEMA
APÊNDICE B – FIAÇÃO MÉTRICO
Tabela de conversão..........................................................D-1
B.1 CONECTORES
Localizações dos conectores.............................................B-1 D.2 CONVERSÕES DE FLUIDOS
Função/localização.....................................................B-1 Sistema dos EUA...............................................................D-2
Localização e cor........................................................B-1 Sistema métrico.................................................................D-2
Número do conector....................................................B-1 Sistema Imperial Britânico.................................................D-2

XIV ÍNDICE
ÍNDICE
D.3 CONVERSÕES DE TORQUE MATERIAL DE REFERÊNCIA
Sistema dos EUA...............................................................D-3
Sistema métrico.................................................................D-3 FERRAMENTAS............................................I
APÊNDICE E – GLOSSÁRIO VALORES DE TORQUE..............................XI
E.1 GLOSSÁRIO ÍNDICE ALFABÉTICO.............................XXV
Acrônimos e abreviações...................................................E-1

ÍNDICE XV
NOTAS

XVI ÍNDICE
ÍNDICE

ASSUNTO........................................................................................................................ PÁGINA N.o


1.1 VALORES DE TORQUE PARA PARAFUSOS..........................................................................1-1
1.2 INFORMAÇÕES GERAIS..........................................................................................................1-4
1.3 COMBUSTÍVEL E ÓLEO...........................................................................................................1-9
1.4 ESPECIFICAÇÕES DE LÂMPADAS.......................................................................................1-11
1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO....................................................................................1-12
1.6 ÓLEO DO MOTOR E FILTRO.................................................................................................1-17
1.7 FILTRO DE AR E SISTEMA DE ESCAPAMENTO..................................................................1-20
1.8 PNEUS E RODAS...................................................................................................................1-23
1.9 LUBRIFICANTE DO BLOCO DA CORRENTE PRIMÁRIA.....................................................1-27
1.10 LUBRIFICANTE DE TRANSMISSÃO....................................................................................1-29
1.11 EMBREAGEM........................................................................................................................1-31
1.12 CORREIA DA TRANSMISSÃO E RODAS DENTADAS........................................................1-33
1.13 CABOS DO ACELERADOR..................................................................................................1-37
1.14 LUBRIFICAÇÃO DO CABO E DO CHASSI...........................................................................1-39
1.15 FREIOS..................................................................................................................................1-40
1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS.......................................................................................1-41
1.17 VELAS DE IGNIÇÃO.............................................................................................................1-46
1.18 AJUSTES DA SUSPENSÃO.................................................................................................1-48

MANUTENÇÃO
1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE DIREÇÃO........................................................................1-49
1.20 ALINHAMENTO DO FAROL DIANTEIRO.............................................................................1-54
1.21 PARAFUSOS CRUCIAIS.......................................................................................................1-56
1.22 MANUTENÇÃO DA BATERIA...............................................................................................1-57
1.23 ARMAZENAMENTO..............................................................................................................1-63
1.24 SOLUÇÃO DE PROBLEMAS................................................................................................1-65
NOTAS
PÁGINA INICIAL

VALORES DE TORQUE PARA PARAFUSOS 1.1


VALORES DE TORQUE PARA PARAFUSOS
NESTE CAPÍTULO
A tabela abaixo lista valores de torque para todos os parafusos
apresentados neste capítulo.

PARAFUSO VALOR TORQUE NOTAS


Bico do raio 6,2 N·m 55 lb·pol. 1.8 PNEUS E RODAS, Raios de roda
Bico do raio da roda raiada de aço 6,2 N·m 55 lb·pol. 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
mações gerais
Bico do raio da roda raiada de alumínio 6,2 N·m 55 lb·pol. 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
cromado mações gerais
Contraporca no ajustador do cabo 13,6 N·m 120 lb·pol. 1.11 EMBREAGEM, Ajuste
Parafuso da estrutura dos interruptores 4 a 5 N·m 35 a 45 lb·pol. 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
do guidom mações gerais
Parafuso da estrutura dos interruptores 4,0 a 5,1 N·m 35 a 45 lb·pol. 1.13 CABOS DO ACELERADOR, Lubrificação,
do guidom inspeção e ajuste do cabo
Parafuso da ponte/pino da pastilha do 20,3 a 22,6 N·m 15 a 16 lb·pé 1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS, Substi-
freio, cáliper dianteiro tuição da pastilha do freio
Parafuso da tampa de inspeção da 9,5 a 12,2 N·m 84 a 108 lb·pol. 1.9 LUBRIFICANTE DO BLOCO DA CORRENTE
embreagem PRIMÁRIA, Troca do lubrificante do bloco da cor-
rente primária
Parafuso da tampa do filtro de ar 4,1 a 6,8 N·m 36 a 60 lb·pol. 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
mações gerais
Parafuso da tampa do filtro de ar 4,1 a 6,8 N·m 36 a 60 lb·pol. 1.7 FILTRO DE AR E SISTEMA DE ESCAPA-
MENTO, Instalação
Parafuso de ajuste horizontal do farol 40,7 a 47,5 N·m 30 a 35 lb·pé 1.20 ALINHAMENTO DO FAROL DIAN-
dianteiro TEIRO, Ajuste do farol dianteiro
Parafuso de ajuste vertical do farol 40,7 a 47,5 N·m 30 a 35 lb·pé 1.20 ALINHAMENTO DO FAROL DIAN-
dianteiro: FXS TEIRO, Ajuste do farol dianteiro/FXS
Parafuso de ajuste vertical do farol 47,5 a 61,0 N·m 35 a 45 lb·pé 1.20 ALINHAMENTO DO FAROL DIAN-
dianteiro: Todos, exceto FXS TEIRO, Ajuste do farol dianteiro/Todos, exceto
FXS
Parafuso de aperto do tubo de direção 74,6 a 81,4 N·m 55 a 60 lb·pé 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
inferior DIREÇÃO, Ajuste: FLSTC, FLSTF/B, FLSTN
Parafuso de aperto do tubo de direção 33,9 a 40,7 N·m 25 a 30 lb·pé 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
superior DIREÇÃO, Ajuste: FLSTC, FLSTF/B, FLSTN
Parafuso de aperto do tubo de direção 33,9 a 40,7 N·m 25 a 30 lb·pé 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
superior DIREÇÃO, Ajuste: FLSTC, FLSTF/B, FLSTN
Parafuso de drenagem 19,0 a 28,5 N·m 14 a 21 lb·pé 1.6 ÓLEO DO MOTOR E FILTRO, Troca de óleo
e do filtro
Parafuso de drenagem da transmissão 19 a 28 N·m 14 a 21 lb·pé 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
mações gerais
Parafuso de drenagem da transmissão 19,0 a 28,5 N·m 14 a 21 lb·pé 1.10 LUBRIFICANTE DE TRANSMISSÃO, Troca
do lubrificante de transmissão
Parafuso de drenagem do bloco da cor- 19 a 28 N·m 14 a 21 lb·pé 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
rente primária mações gerais
Parafuso de drenagem do bloco da cor- 19,0 a 28,5 N·m 14 a 21 lb·pé 1.9 LUBRIFICANTE DO BLOCO DA CORRENTE
rente primária PRIMÁRIA, Troca do lubrificante do bloco da cor-
rente primária
Parafuso de drenagem do óleo do motor 19 a 28 N·m 14 a 21 lb·pé 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
mações gerais

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-1


PÁGINA INICIAL

PARAFUSO VALOR TORQUE NOTAS


Parafuso de montagem do cáliper de 38,0 a 51,5 N·m 28 a 38 lb·pé 1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS, Substi-
freio dianteiro tuição da pastilha do freio
Parafuso de montagem do cáliper de 38,0 a 51,5 N·m 28 a 38 lb·pé 1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS, Substi-
freio dianteiro tuição da pastilha do freio
Parafuso do suporte da tampa do filtro 4,5 a 6,8 N·m 40 a 60 lb·pol. 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
de ar mações gerais
Parafuso do terminal da bateria 6,8 a 8,1 N·m 60 a 72 lb·pol. 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
mações gerais
Parafusos da tampa da embreagem 9,5 a 12,2 N·m 84 a 108 lb·pol. 1.11 EMBREAGEM, Ajuste
Parafusos da tampa do reservatório do 0,7 a 0,9 N·m 6 a 8 lb·pol. 1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS, Substi-
cilindro-mestre: Tampa dianteira tuição da pastilha do freio
Parafusos da tampa do reservatório do 1,4 a 1,7 N·m 12 a 15 lb·pol. 1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS, Substi-
cilindro-mestre: Tampa dianteira tuição da pastilha do freio
Parafusos de aperto do suporte do garfo 16,3 a 21,7 N·m 144 a 192 lb·pol. 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
inferior: FXS DIREÇÃO, Ajuste: FXST e FXS
Parafusos de aperto do suporte do garfo 16,3 a 21,7 N·m 144 a 192 lb·pol. 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
inferior: FXS DIREÇÃO, Ajuste: FXST e FXS
Parafusos de aperto do suporte do garfo 74,6 a 81,4 N·m 55 a 60 lb·pé 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
inferior: FXST DIREÇÃO, Ajuste: FXST e FXS
Parafusos de aperto do suporte do garfo 74,6 a 81,4 N·m 55 a 60 lb·pé 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
inferior: FXST DIREÇÃO, Ajuste: FXST e FXS
Parafusos de aperto do tubo de direção 74,6 a 81,4 N·m 55 a 60 lb·pé 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
inferior: FLSTC, FLSTF/B, FLSTN DIREÇÃO, Ajuste: FLSTC, FLSTF/B, FLSTN
Parafusos do cabo da bateria na bateria 6,8 a 8,1 N·m 60 a 72 lb·pol. 1.22 MANUTENÇÃO DA BATERIA, Instalação e
conexão
Parafusos do cabo da bateria na bateria 6,8 a 8,1 N·m 60 a 72 lb·pol. 1.22 MANUTENÇÃO DA BATERIA, Instalação e
conexão
Parafusos do cáliper traseiro 21,7 a 27,1 N·m 16 a 20 lb·pé 1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS, Substi-
tuição da pastilha do freio
Parafusos do suporte do filtro de ar 4,5 a 6,8 N·m 40 a 60 lb·pol. 1.7 FILTRO DE AR E SISTEMA DE ESCAPA-
MENTO, Instalação
Pino da pastilha, cáliper traseiro 9,0 a 13,6 N·m 80 a 120 lb·pol. 1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS, Substi-
tuição da pastilha do freio
Porca de travamento do parafuso de 8,1 a 13,6 N·m 72 a 120 lb·pol. 1.11 EMBREAGEM, Ajuste
ajuste
Porca de travamento do parafuso de 8 a 14 N·m 72 a 120 lb·pol. 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
ajuste da embreagem mações gerais
Porca do eixo traseiro 128,8 a 95 a 105 lb·pé 1.12 CORREIA DA TRANSMISSÃO E RODAS
142,4 N·m DENTADAS, Ajuste da flexão da correia
Porca do motor de partida 7,9 a 10,2 N·m 70 a 90 lb·pol. 1.22 MANUTENÇÃO DA BATERIA, Instalação e
conexão
Porca do tubo de direção 94,9 a 108,4 N·m 70 a 80 lb·pé 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
DIREÇÃO, Ajuste: FXST e FXS
Porca do tubo de direção 94,9 a 108,4 N·m 70 a 80 lb·pé 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
DIREÇÃO, Ajuste: FXST e FXS
Porca do tubo de direção 94,9 a 108,4 N·m 70 a 80 lb·pé 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
DIREÇÃO, Ajuste: FXST e FXS
Porca do tubo de direção 94,9 a 108,4 N·m 70 a 80 lb·pé 1.19 ROLAMENTOS DA COLUNA DE
DIREÇÃO, Ajuste: FXST e FXS
Tampão com vareta de nível de enchi- 2,8 a 8,5 N·m 25 a 75 lb·pol. 1.10 LUBRIFICANTE DE TRANSMISSÃO, Verifi-
mento da transmissão cação do nível do lubrificante de transmissão

1-2 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

PARAFUSO VALOR TORQUE NOTAS


Tampão com vareta de nível de enchi- 2,8 a 8,5 N·m 25 a 75 lb·pol. 1.10 LUBRIFICANTE DE TRANSMISSÃO, Troca
mento da transmissão do lubrificante de transmissão
Torque do parafuso da tampa de ins- 10 a 12 N·m 84 a 108 lb·pol. 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
peção da embreagem mações gerais
Torque do parafuso da tampa do 1,4 a 1,7 N·m 12 a 15 lb·pol. 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
cilindro-mestre: Dianteiro mações gerais
Torque do parafuso da tampa do 0,7 a 0,9 N·m 6 a 8 lb·pol. 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
cilindro-mestre: Traseiro mações gerais
Torque do parafuso do prendedor do 16,3 a 20,3 N·m 12 a 15 lb·pé 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
guidom mações gerais
Torque do tampão de enchimento da 3 a 9 N·m 25 a 75 lb·pol. 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
transmissão mações gerais
Vela de ignição 16 a 24 N·m 12 a 18 lb·pé 1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO, Infor-
mações gerais
Vela de ignição 16,3 a 24,4 N·m 12 a 18 lb·pé 1.17 VELAS DE IGNIÇÃO, Inspeção

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-3


PÁGINA INICIAL

INFORMAÇÕES GERAIS 1.2


MANUTENÇÃO DE UMA MOTOCICLETA NOTAS
NOVA • Reparo = Desmontagem/montagem.
• Substituição = Substituir uma peça velha por uma nova.
Todas as ferramentas especiais e valores de torque são citados
Execute as operações de serviço e manutenção como em seções específicas.
indicado na tabela de intervalos regulares de serviço. A Todas as peças ou materiais podem ser encontrados no
falta de manutenção regular durante os intervalos reco- catálogo de peças.
mendados poderá afetar a operação segura da sua moto-
cicleta, o que poderá resultar em morte ou lesões graves. Segurança
(00010a) Ao fazer qualquer trabalho, a segurança é sempre a conside-
A manutenção a ser feita antes da entrega da motocicleta para ração mais importante. Esteja seguro de que foi possível
o cliente é especificada nas instruções de configuração pré- entender completamente a tarefa a ser executada. Utilize seu
entrega para o ano do modelo. bom senso. Use as ferramentas apropriadas Proteja a si
mesmo e também a terceiros com proteção aprovada para os
O desempenho do serviço inicial de uma motocicleta nova é olhos. Não apenas faça o trabalho; faça – o com segurança.
necessário para manter a validade da garantia e para verificar
a operação adequada do sistema de emissões. Veja Remoção de peças
1.5 PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO.
Sempre pense no peso de uma peça ao levantá-la. Utilize uma
MANUTENÇÃO PARA UMA OPERAÇÃO talha sempre que necessário. Não levante peças pesadas sem
ajuda mecânica. Uma talha e um farol de elevação ou estopo
SEGURA ajustáveis são necessários para remover algumas peças. Os
NOTAS comprimentos das múltiplas correntes ou cabos da talha até
• Não tente apertar os parafusos dos cabeçotes dos cilin- a peça devem ser iguais e paralelos e devem ser posicionados
dros do motor, ou danos poderão ocorrer. diretamente em cima do centro da peça. Esteja seguro de que
nenhum obstáculo interferirá com o levantamento da peça.
• Durante o período inicial de amaciamento, utilize somente Nunca deixe uma peça suspensa no ar.
óleo de motor ÓLEO PARA MOTOCICLETA GENUÍNO
HARLEY-DAVIDSON H-D 360 20W50. Deixar de usar o
óleo recomendado prejudicará o amaciamento dos cilin-
dros do motor e dos anéis do pistão. Verifique as especificações e a condição da talha, dos
Uma verificação cuidadosa de certos equipamentos é estopo, correias e cabos antes do uso. Ultrapassar as
necessária após o armazenamento da motocicleta por um especificações da talha ou utilizar uma talha que não esteja
certo tempo e, freqüentemente, entre intervalos regulares de segura pode levar a um acidente, o que pode resultar em
serviço para determinar se uma manutenção adicional é morte ou lesões graves. (00466c)
necessária. Sempre use blocos ou cavaletes apropriados para apoiar a
Verifique: peça que foi removida. Se não for possível remover uma peça,
verifique se todos os parafusos e ferragens conectando a peça
1. A pressão correta dos pneus, o desgaste excessivo ou à motocicleta foram removidos. Certifique-se de que nenhuma
quaisquer sinais de dano nos pneus. peça esteja no caminho da peça sendo removida.
2. A tensão e condição da correia de acionamento. Ao remover mangueiras, fiações ou tubos, marque cada peça
com uma etiqueta para assegurar instalação correta.
3. Freios, direção e acelerador, para ver se estão funcio-
nando bem. Limpeza
4. Nível e condição do fluido de freio. Linhas hidráulicas e Se uma peça vai ser reutilizada, siga a as boas práticas de
encaixes, quanto a vazamentos. Verifique também o oficina e limpe a peça completamente antes da montagem.
desgaste dos discos e das pastilhas do freio. Mantenha qualquer sujeira longe das peças para que os
componentes possam operar bem e tenham e uma vida útil
5. Cabos quanto ao desgaste, crimpagem e operação livre.
maior. Vedações, filtros e tampas são usados nesse veículo
6. Níveis do óleo do motor e fluido da transmissão. para protegê-lo de sujeira e pó. Esses itens devem ser man-
tidos em boas condições para assegurar operação satisfatória.
7. Funcionamento do farol dianteiro, lâmpada auxiliar, lâm-
pada traseira, lâmpada do freio, buzina e pisca. Quando as instruções falam para limpar a rosca de um para-
fuso ou furos rosqueados, faça o seguinte: Limpe todo material
BOAS PRÁTICAS NA OFICINA trava-roscas das roscas do parafuso e dos furos rosqueados.
Utilize uma escova de aço para limpar as roscas dos parafusos.
Notas sobre reparos Utilize um pente de abrir roscas ou outra ferramenta apropriada
Práticas gerais de manutenção são apresentadas nesta seção. para limpar os furos rosqueados. Utilize o produto de limpeza
PJ1 ou equivalente para remover qualquer rastro de óleo e

1-4 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

contaminantes das roscas. Utilize ar comprido à baixa pressão PROCEDIMENTOS DE REPARO E


para limpar dentro dos furos rosqueados.
SUBSTITUIÇÃO
Limpe e inspecione todas as peças à medida que forem
removidas. Esteja seguro de que todos os furos e passagens Ferragens e peças rosqueadas
estejam abertos e sem nenhum resíduo. Depois da limpeza, Instale encaixes de reparo de rosca quando os furos ros-
cubra todas as peças com um pano limpo sem fiapos, papel queados em peças fundidas estiverem espanadas, danificadas
ou outro material. Esteja seguro de que a peça esteja limpa ou não capazes de agüentar o torque especificado.
quando instalada.
Substitua parafusos, porcas, pinos, arruelas, espaçadores e
Sempre limpe ao redor de cabos ou tampas antes de removê- ferragens pequenas comuns se faltando ou danificadas. Limpe
los. Tampe ou cubra furos e aberturas com uma fita, para não ou conserte danos menores à rosca com um macho ou tarraxa.
deixar sujeira, pó ou detritos entrarem.
Substitua todas as conexões de lubrificação danificadas ou
Sempre verifique o estado de limpeza de furos cegos antes faltando.
da montagem. Apertar um parafuso com sujeira, água ou óleo
no furo pode causar a rachadura ou quebra de peças fundidas. Use vedante de tubo com Teflon ou VEDANTE DE TUBO
LOCTITE 565 com Teflon nas roscas da conexão do tubo.
Desmontagem e montagem
Agentes trava-roscas
Sempre monte ou desmonte apenas uma peça de cada vez.
Não trabalhe em duas montagens simultaneamente. Esteja Siga sempre os procedimentos do Manual de serviço ao traba-
seguro de que todos os ajustes tenham sido feitos. Verifique lhar com parafusos contendo agentes trava-roscas pré-apli-
seu trabalho, ao terminar, para ter certeza de que tudo esteja cados quando a substituição de um parafuso for recomendada.
certo. Quando usar parafusos contendo agentes trava-roscas, certi-
fique-se de remover completamente todo agente trava-roscas
Opere o veículo para executar quaisquer verificações ou existente no parafuso com uma escova de aço ou escova de
ajustes finais. Se tudo estiver correto, o veículo pode ser aço circular. Também certifique-se de remover o agente trava-
devolvido para o cliente. roscas residual do furo do parafuso usando um dispositivo de
Verificação do torque nos parafusos abertura de roscas apropriado e ar comprimido. Sempre use
o agente trava-roscas recomendado para o procedimento
Tente apertar o parafuso com um torquímetro configurado para específico.
o torque mínimo especificado para aquele parafuso. Se o
parafuso não girar, é porque o torque do parafuso foi Fiação, mangueiras e linhas
alcançado. Caso o parafuso gire, remova-o para determinar Mangueiras, abraçadeiras, fiação elétrica, interruptores elé-
se há algum agente trava-roscas. tricos ou tubulações de combustível caso não satisfaçam as
Caso um agente trava-roscas tenha sido aplicado, limpe todo especificações.
o material trava-roscas do furo rosqueado. Substitua o parafuso
por um novo ou limpe as roscas do parafuso original e aplique
Instrumentos e indicadores
o produto trava-roscas apropriado (veja o procedimento Substitua os instrumentos e indicadores danificados ou que
específico). Instale e aperte o parafuso de acordo com a apresentem defeito.
especificação.
Rolamentos
Caso o parafuso não precise de um agente trava-roscas, ins-
tale-o e aperte-o para o torque especificado. Rolamentos anti-fricção devem ser tratados com cuidados
especiais. Para evitar a entrada de sujeira e material abrasivo,
Bandeja com peças magnéticas cubra os rolamentos assim que os remover da embalagem.
Bandejas magnéticas para peças são comuns na oficina de Ao instalar rolamentos contra flanges, esteja seguro de que o
serviços porque são convenientes e podem ajudar a evitar lado do rolamento com chanfro esteja sempre contra o flange.
perda de peças durante manutenção. Porém, peças de aço Lubrifique os rolamentos e todas as superfícies metálicas de
temperado podem ficar magnetizados quando mantidas em contato antes de pressioná-los no lugar. Somente pressione
bandejas magnéticas. a parte do rolamento que entra em contato direto com a peça
e que se casa com o rolamento. Instale rolamentos com o lado
Os fragmentos metálicos resultantes do desgaste normal são
com o número virado para fora.
lavados normalmente através do óleo do motor e são coletados
no filtro de óleo ou pelo plugue magnético de drenagem. Partes Sempre use as ferramentas para remoção e instalação de
magnetizadas do motor podem reter esses fragmentos, rolamentos.
podendo causar danos e acelerar o desgaste do motor.
Remova rolamentos somente quando necessário. Geralmente,
Peças que serão reutilizadas dentro do trem de força, como a remoção danifica os rolamentos e faz com que precisem ser
engrenagens, arruelas de encosto e especialmente rolamentos, substituídos por novas peças.
nunca devem ser guardadas em uma bandeja magnética.
Buchas
Não remova uma bucha a menos que esteja danificada, des-
gastada excessivamente ou solta no seu furo. Remova buchas
que precisem ser substituídas pressionando-as.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-5


PÁGINA INICIAL

Ao pressionar buchas, esteja seguro de que esteja aplicando secos e livres de rebarbas antes de encaixá-los. Pressione as
pressão paralelamente ao furo da bucha. Utilize uma chave peças juntas com força.
para remover rolamentos/buchas ou uma barra com uma
Limpe toda a ferrugem das superfícies usinadas de peças
extremidade lisa e chata. Nunca utilize um martelo para
novas.
remover buchas.
Inspecione a bucha e as peças que se casam com ela para Substituição da peça
ver se há furos de óleo antes da instalação, e verifique se Sempre substitua as peças desgastadas ou danificadas por
todos os furos de óleo estão alinhados corretamente durante peças novas.
a instalação.
Vazamento do sistema de escapamento
Gaxetas
Caso haja um vazamento no sistema de escapamento numa
Sempre descarte as gaxetas após a remoção. Substitua por conexão do silenciador ou na localização do fixador do tubo
gaxetas novas. Nunca use as mesmas gaxetas duas vezes. de escape, desmonte e limpe todas as superfícies casadas.
Esteja seguro de que os furos na gaxeta se alinhem com os Substitua qualquer componente danificado. Caso o vazamento
furos na peça com que se casa. Mas esteja ciente de que persista, desmonte e conserte o vazamento aplicando uma
partes da gaxeta podem ser utilizadas para vedar furos. gota de “Permatex Ultra Copper” ou vedante de flange
LOCTITE 5920 (ou uma alternativa equivalente adequada para
Retentores tipo lábio uso em sensor de oxigênio/catalítico). Monte os componentes,
Retentores tipo lábio são utilizados para vedar óleo ou graxa tire qualquer excesso de vedante com um pano e deixe por
e normalmente são instalados com o lábio de vedação virado um tempo adequado para cura, seguindo as instruções do
para o lubrificante contido. Porém, a orientação da vedação produto vedante, antes de operar o veículo.
pode variar com a aplicação.
LIMPEZA
Os vedadores não devem ser removidos exceto se necessário.
Somente remova vedadores se for necessário para ter acesso Proteção de peças
a outras peças ou se danos ou desgaste do retentor exigirem
Antes de fazer limpeza, proteja as peças de borracha (como
sua substituição.
mangueiras, protetores e isolamento elétrico) de soluções de
Vazamento de óleo ou graxa geralmente indica dano da limpeza. Utilize um material à prova de graxa. Remova a peça
vedação. Substitua retentores danificados para evitar supera- de borracha se não for possível protegê-la completamente.
quecimento dos rolamentos.
Processo de limpeza
Sempre descarte os vedadores após a remoção. Nunca use
a mesma vedação duas vezes. Qualquer método de limpeza pode ser usado, contanto que
não resulte em danos às peças. É necessária uma limpeza
Anéis de vedação “o-ring” (gaxetas completa para a inspeção correta de peças. Remova a tinta
pré-moldadas) das áreas enferrujadas até expor o metal, antes de preparar
a superfície e repintar.
Sempre descarte o anel de vedação “o-ring” após a remoção.
Substitua por um anel de vedação “o-ring” novo. Para evitar Remoção de ferrugem ou corrosão
vazamento, lubrifique o anel de vedação “o-ring” antes da Remova ferrugem e corrosão com uma escova de aço, pano
instalação. Aplique o mesmo tipo de lubrificante que o lubrifi- abrasivo, jateamento de areia ou de vapor, ou um removedor
cante sendo selado. Esteja seguro de que todas as superfícies de ferrugem. Utilize um pano de polir em peças altamente
correspondentes da gaxeta, anel de vedação “o-ring” e vedador polidas, mas enferrujadas.
estejam completamente limpas antes da instalação.
Rolamentos
Engrenagens
Lave rolamentos em uma solução de limpeza não-inflamável
Sempre verifique as engrenagens em relação a dentes des- à base de petróleo. Nunca utilize uma solução que contenha
gastados ou danificados. cloro. Remova lubrificante encrustado batendo o rolamento
Remova rebarbas e áreas ásperas com uma pedra de lixa- levemente contra um bloco de madeira. Lave os rolamentos
mento ou um pano de polir antes da instalação. novamente.
Lubrifique as superfícies de encaixe antes de pressionar as
engrenagens nos eixos.

Eixos Usar ar comprimido para secar os rolamentos pode causar


o desmonte do rolamento, o que pode resultar em morte
Caso não seja fácil tirar um eixo, verifique se todas as porcas, ou lesões graves. (00505b)
parafusos e anéis de retenção foram removidos. Verifique se
outras peças não estão no caminho antes de usar força para Cubra os rolamentos com um pano de limpeza e deixe secarem
remover o eixo. ao ar. Não gire os rolamentos enquanto estão secando. Nunca
use ar comprimido para secar rolamentos.
Eixos montados em eixos ranhurados devem estar bem justos.
Se os eixos não estiverem justos, desmonte-os e inspecione Quando secos, aplique uma camada de óleo limpo aos rola-
as ranhuras. Descarte as peças que estiverem desgastadas. mentos. Embale os rolamentos em papel limpo.
Esteja seguro de que os eixos ranhurados estejam limpos,

1-6 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

SEGURANÇA NO USO DE FERRAMENTAS Punções/cinzel


Ferramentas pneumáticas • Nunca utilize um punção ou cinzel com uma extremidade
lascada ou na forma de um cogumelo. Conserte punções
• Sempre use equipamento de proteção ocular aprovado ou cinzel em forma de cogumelo com uma esmerilhadora.
ao executar qualquer tarefa com ferramentas pneumáticas.
• Segure um cinzel ou um punção com um aparelho de
• Utilize somente acessórios recomendados, com as espe- segurar ferramentas, quando possível.
cificações corretas, em ferramentas elétricas ou
pneumáticas. • Ao usar um cinzel em uma peça pequena, segure a peça
firmemente em uma morsa e trabalhe no sentido do mor-
• Não exceda as especificações de pressão de ar das fer- dente fixo.
ramentas pneumáticas.
• Sempre utilize proteção ocular aprovada ao utilizar essas
• Ponteiras devem ser encostadas na superfície de trabalho ferramentas.
antes de ligar um martelete pneumático.
• Proteja assistentes com proteção ocular aprovada.
• Desconecte a tubulação de fornecimento de ar de um
martelo pneumático antes de encaixar a ponteira. Chaves de fenda
• Nunca aponte uma ferramenta pneumática a você ou a • Não utilize uma chave de fenda para alavancar, puncionar,
um terceiro. cinzelar, riscar ou raspar.
• Proteja assistentes com proteção ocular aprovada. • Use o tipo correto de chave de fenda para o trabalho.
Combine a ponta de uma chave de fenda com o parafuso.
Chaves
• Não troque chaves de fenda POZIDRIV, PHILLIPS ou
• Nunca use uma extensão em um cabo de chave. REED AND PRINCE.
• Se possível, sempre puxe o cabo da chave e ajuste sua • Os cabos das chaves de fenda não foram feitos para
postura para evitar uma queda se algo soltar de repente. serem isolantes. Não os use em circuitos elétricos energi-
• Mantenha a chave sempre bem encaixada no parafuso. zados.

• Nunca utilize um martelo em qualquer chave que não seja • Não utilize uma chave de fenda com pontas arredondadas,
uma CHAVE DE BATER. pois deslizará. Conserte-a com uma esmerilhadora.

• Descarte qualquer chave com pontos danificados ou Catracas e cabos


amassados. • Periodicamente limpe e lubrifique mecanismos de catracas
• Nunca use uma chave de cano para dobrar ou levantar com um óleo fino. Não substitua peças individualmente.
um cano. As catracas devem ser reconstruídas com o conteúdo
completo do kit de serviço.
Alicates/cortadores/alavancas
• Nunca martele numa catraca ou use uma extensão de
• Cabos de alicate cobertos com plástico ou vinil não foram encanamento num cabo de catraca para melhor alavan-
projetados para funcionar como isolamento. Não os use cagem.
em circuitos elétricos energizados.
• Sempre apóie a cabeça da catraca ao usar extensões de
• Não utilize alicates ou cortadores para cortar fios de aço soquete, mas não coloque sua mão na cabeça, pois pode
temperado a menos que tenham sido feitos para esse fim. interferir com o mecanismo de ação reversa.
• Sempre corte fios com um ângulo de 90 graus. • Ao soltar um parafuso, aplique um pouco de pressão para
• Não use uma alavanca como um cinzel, punção ou mar- certificar-se de que a roda dentada da catraca esteja
telo. engrenada com a garra.

Martelos Soquetes
• Nunca bata um martelo contra um objeto forjado, como • Nunca use soquetes para ferramentas manuais com
outro martelo. chaves elétricas ou de impacto. Selecione apenas
soquetes de impacto para uso com chaves de impacto
• Sempre segure o cabo de um martelo com firmeza, pró- pneumáticas ou elétricas.
ximo à extremidade.
• Selecione o soquete do tamanho correto para o trabalho.
• Bata no objeto com a face do martelo centrada.
• Mantenha a chave ou soquete sempre bem encaixado no
• Nunca utilize um martelo com uma cabeça solta ou um parafuso.
cabo rachado.
• Substitua soquetes rachados ou desgastados.
• Descarte um martelo caso a face esteja lascada ou na
forma de um cogumelo. • Mantenha os soquetes limpos.

• Utilize proteção ocular aprovada ao usar ferramentas de • Sempre use proteção ocular aprovada ao empregar
bater. soquetes para ferramentas elétricas ou de impacto.

• Proteja assistentes com proteção ocular aprovada.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-7


PÁGINA INICIAL

Armários de armazenamento • Feche as tampas e tranque as gavetas e portas antes de


mover armários.
• Não abra mais de uma gaveta cheia de uma vez. Feche
cada gaveta antes de abrir outra para evitar que o armário • Não puxe um armário de ferramentas. Sempre empurre
tombe de maneira imprevista. armários de ferramentas à sua frente.
• Coloque os freios nos rodízios depois de rolar o armário
para o lugar desejado.

1-8 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

COMBUSTÍVEL E ÓLEO 1.3


COMBUSTÍVEL calibradas para funcionar com concentrações maiores de
etanol e para satisfazer os padrões de combustível dos
Sempre use gasolina sem chumbo de boa qualidade. Os mesmos.
índices de octanagem geralmente estão marcados nas bombas
de gasolina. Veja Tabela 1-1. • GASOLINAS REFORMULADAS OU OXIGENADAS
(RFG): Gasolina reformulada é um termo usado para
descrever as misturas de gasolina que são especifica-
mente projetadas para queimarem de uma forma mais
Evite derramamentos. Remova a tampa do tanque de limpa que outros tipos de gasolina, produzindo menos
enchimento lentamente. Não encha além da base do emissão pelo tubo de descarga. Elas também são formu-
inserto do bocal de abastecimento, deixando espaço de ladas para evaporar menos quando você abastece o
ar para a expansão do combustível. Fixe a tampa do tanque tanque. As gasolinas reformuladas utilizam aditivos para
após o reabastecimento. A gasolina é extremamente oxigenar o gás. A sua motocicleta funcionará normalmente
inflamável e altamente explosiva, o que poderá resultar com esse tipo de gasolina e a Harley-Davidson recomenda
em morte ou lesões graves. (00028a) que você use esse tipo de gasolina sempre que possível
para ajudar a manter o ar do nosso meio-ambiente mais
limpo.
• Não use gasolina para competição. O uso desses com-
Tome cuidado ao reabastecer. O ar pressurizado no tanque bustíveis danificará o sistema de combustível.
de combustível pode forçar o escape da gasolina através
do tubo de enchimento. A gasolina é extremamente • A Harley-Davidson recomenda o uso de ADITIVO DE
inflamável e altamente explosiva, o que poderá resultar OCTANAGEM SUPER SCREAMIN' EAGLE para
em morte ou lesões graves. (00029a) aumentar a octanagem do combustível. Esse é o único
aditivo para aumento da octanagem que foi extensiva-
As modernas bombas dos postos de gasolina distribuem um mente testado e aprovado para uso em motores e compo-
alto fluxo de gasolina no tanque de combustível da motocicleta, nentes Harley-Davidson.
existindo a possibilidade de armazenamento e pressurização
do ar. Algumas misturas de gasolina podem afetar o arranque, a
condução e a eficiência de combustível da motocicleta de uma
forma desfavorável. Se qualquer um desses problemas ocorrer,
Tabela 1-1. Índices de octanagem
tente uma marca de gasolina diferente ou uma gasolina com
ESPECIFICAÇÕES ÍNDICE um índice de octanagem maior.
Octanagem da bomba (R+M)/2 91 (95 RON) LUBRIFICAÇÃO DO MOTOR
MISTURAS DE GASOLINA
A sua motocicleta foi projetada para oferecer o melhor
desempenho e a melhor eficiência utilizando gasolina sem O contato prolongado ou repetido com óleo de motor
chumbo. A maior parte das gasolinas é misturada com álcool usado pode ser nocivo para a pele e poderá causar câncer
e/ou éter, para criar misturas oxigenadas. O tipo e a quantidade de pele. Lave rapidamente as áreas afetadas com água e
de álcool ou do éter adicionado ao combustível é importante. sabão. (00358b)

Não use gasolina que contenha metanol. Isto poderá Em caso de ingestão, não provocar vômito. Chame um
resultar em falha de componentes do sistema de com- médico imediatamente. Em caso de contato com os olhos,
bustível, dano ao motor e/ou falha no equipamento. lave imediatamente com água. Chame um médico se a
(00148a) irritação persistir. (00357c)

• Gasolina contendo METIL TERCIÁRIO BUTIL ÉTER


(MTBE): As misturas de gasolina/MTBE são uma mistura
de gasolina e até 15% de MTBE. As misturas de gaso- Não troque de marcas de lubrificante indiscriminadamente;
lina/MTBE podem ser usadas na sua motocicleta. alguns lubrificantes interagem quimicamente quando são
• Combustível ETANOL é uma mistura de etanol (álcool misturados. O uso de lubrificantes de baixa qualidade
etílico) e gasolina sem chumbo. Embora o etanol tenha pode danificar o motor. (00184a)
um impacto no consumo de combustível, combustíveis O óleo do motor é um fator importante para o desempenho e
com conteúdo de etanol de até 10% podem ser usados vida útil do motor. Sempre use o óleo adequado para a tempe-
em sua motocicleta sem afetar o desempenho do veículo. ratura mais baixa esperada antes da próxima troca de óleo
No momento desta publicação, as regulamentações da programada. Seu concessionário autorizado tem o óleo ade-
EPA nos EUA indicam atualmente que combustíveis com quado para satisfazer as suas necessidades. Veja Tabela 1-2.
15% de etanol (E15) têm seu uso proibido em motoci-
cletas. As motocicletas fornecidas em alguns países são

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-9


PÁGINA INICIAL

Esta motocicleta foi equipada originalmente com óleo de motor diesel. As designações de óleo do motor diesel aceitáveis
Genuíno H-D 360 Multi-Grade 20W50, este é o óleo preferido incluem: SH, CH-4, CI-4 e CJ-4.
sob condições normais de operação. Se for prevista operação
As viscosidades preferidas para o óleo do motor diesel, em
sob frio ou calor extremo, veja Tabela 1-2 para obter as alter-
ordem descendente, são as seguintes: 20W50, 15W40 e
nativas.
10W40.
Se for necessário acrescentar óleo e o óleo Harley-Davidson
Logo que possível, consulte um concessionário autorizado
não estiver disponível, use um óleo certificado para motores
para voltar a usar o óleo 100% Harley-Davidson.

Tabela 1-2. Óleos recomendados para motor

TIPO VISCOSIDADE ÍNDICE TEMPERATURA AMBIENTE TEMPO FRIO


MAIS BAIXA COMEÇA ABAIXO
DE 10 °C (50 °F)
Genuíno H-D 360 Multi-grade SAE 20W50 HD 360 Acima de 4 °C (40 °F) Bom
Lubrificante sintético para motoci- SAE 20W50 HD 360 Acima de 4 °C (40 °F) Excelente
cletas Screamin’ Eagle SYN3
Óleo do motor sintético para motoci- SAE 20W50 HD 360 Acima de 4 °C (40 °F) Bom
cletas Screamin’ Eagle
Genuíno H-D 360 Regular Heavy SAE 50 HD 360 Acima de 16 °C (60 °F) Fraco
Genuíno H-D 360 Extra Heavy SAE 60 HD 360 Acima de 27 °C (80 °F) Fraco
Multi-grade (óleo certificado para SAE 10W40 SH, CH-4, Abaixo de 4 °C (40 °F) Excelente
uso em motores a diesel) CI-4, CJ-4

LUBRIFICAÇÃO DE INVERNO O vapor d’água é um subproduto normal de combustão de


qualquer motor. Durante a operação no inverno, uma parte do
Em climas frios, o óleo do motor deverá ser trocado com maior vapor se condensa e se transforma em água nas superfícies
freqüência. Se a motocicleta for usada com freqüência em de metal frias dentro do motor. Em temperaturas abaixo de
viagens, com menos de 24 km (15 mi), em temperaturas zero, a água se transforma em lodo ou gelo e, se o acúmulo
ambientes abaixo de 16 °C (60 °F), reduza os intervalos de persistir por um período de tempo prolongado, poderá entupir
troca do óleo para 2400 km (1500 mi). Motocicletas usadas as tubulações de óleo e danificar o motor.
somente para trajetos de curta distância deverão ter o tanque
totalmente esvaziado antes que o novo óleo seja colocado. Se o motor funcionar com freqüência e o suficiente para ser
O esvaziamento total do tanque deve ser feito por um conces- aquecido completamente, a maior parte da água se vaporizará
sionário autorizado ou um técnico qualificado. outra vez e será expelida pelo respiro da carcaça.

NOTA Se o motor não funcionar com freqüência e o suficiente para


ser aquecido completamente, essa água se acumulará, se
Quanto mais abaixo de zero a temperatura cair, menor o misturará com o óleo do motor e formará uma lama prejudicial
intervalo da troca de óleo. ao motor.

1-10 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

ESPECIFICAÇÕES DE LÂMPADAS 1.4


INFORMAÇÕES GERAIS NOTAS
• Todas as lâmpadas indicadoras dos velocímetros, tacô-
Veja Tabela 1-3. Essa tabela fornece a localização e os
metros e odômetros do modelo Softail são iluminadas por
requisitos de lâmpadas para todas as motocicletas Softail
LEDs.
Harley-Davidson.

Tabela 1-3. Tabela de lâmpadas

LÂMPADA DESCRIÇÃO LÂMPADAS CONSUMO DE CORRENTE NÚMERO DA PEÇA


(TODAS AS LÂMPADAS DE NECESSÁ- (AMPERAGEM) HARLEY-DAVIDSON
12 V) RIAS
Farol dianteiro Farol alto/farol baixo 1 4,7 4,3 68329-03
(farol alto) (farol baixo)
Lâmpada de posição – interna- 1 0,32 53436-97
cional
Lâmpadas traseira e do freio Lâmpada traseira/freio 1 0,59/2,10 68167-04
(todos os modelos, exceto Lâmpada traseira/freio – inter- 1 0,59/2,10 68167-04
FLSTN e FXS internacional) nacional

Lâmpadas traseira e do freio Lâmpada traseira/freio 1 0,59/2,10 68168-89A


(FLSTN) Lâmpada traseira/freio – inter- 1 0,59/2,10 68169-90A
nacional
Lâmpadas dos piscas Dianteira/de posição 2 2,25 0,59 68168-89A
(piscas) (trafegar
dianteira)
Dianteira internacional (exceto 2 1,75 68163-84
FLSTC)
Dianteira internacional 2 1,75 68572-64B
(FLSTC)
Traseira (exceto FXS) 2 2,25 68572-64B
Traseira (FXS) 2 2,25 68168-89A
Traseira internacional (exceto 2 1,75 68163-84
FXS)
Lâmpadas do pisca/tra- Iluminado por LEDs. Se houver falha, substitua todo o conjunto.
seira/freio (FXS internacional)
Lâmpadas auxiliares FLSTC/FLSTN 2 2,50 68453-05
Farol de neblina internacional 2 2,92 68453-05
Lâmpada da ponta do pára- FLSTC 2 0,10 68193-95
lama
Lâmpadas do painel de ins- Iluminado por LEDs. Se houver falha, substitua todo o conjunto.
trumentos

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-11


PÁGINA INICIAL

PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO 1.5


INFORMAÇÕES GERAIS
A tabela abaixo lista a programação de manutenção periódica
PARAFUSO VALOR TORQUE para as motocicletas do modelo Softail. Caso já esteja familia-
Parafuso de drenagem do 19 a 28 N·m 14 a 21 lb·pé rizado com os procedimentos, veja tabela para o intervalo de
óleo do motor serviço recomendado. Se necessário, veja a tabela de
referência rápida (Tabela 1-5) para as especificações corres-
Parafuso de drenagem do 19 a 28 N·m 14 a 21 lb·pé
pondentes.
bloco da corrente primária
Caso precise de informações mais detalhadas, vá às seções
Porca de travamento do para- 8 a 14 N·m 72 a
a seguir para instruções passo-a-passo.
fuso de ajuste da embreagem 120 lb·pol.
Ao longo desse manual, as instruções falarão também do uso
Torque do parafuso da tampa 10 a 12 N·m 84 a
de vários lubrificantes, graxas e vedantes. Veja Tabela 1-6.
de inspeção da embreagem 108 lb·pol.
Para os números de peça corretos para esses itens.
Parafuso de drenagem da 19 a 28 N·m 14 a 21 lb·pé
transmissão
Torque do tampão de enchi- 3 a 9 N·m 25 a
mento da transmissão 75 lb·pol.
Vela de ignição 16 a 24 N·m 12 a 18 lb·pé
Parafuso do terminal da 6,8 a 8,1 N·m 60 a
bateria 72 lb·pol.
Bico do raio da roda raiada de 6,2 N·m 55 lb·pol.
aço
Bico do raio da roda raiada de 6,2 N·m 55 lb·pol.
alumínio cromado
Torque do parafuso da tampa 1,4 a 1,7 N·m 12 a
do cilindro-mestre: Dianteiro 15 lb·pol.
Torque do parafuso da tampa 0,7 a 0,9 N·m 6 a 8 lb·pol.
do cilindro-mestre: Traseiro
Parafuso do suporte da tampa 4,5 a 6,8 N·m 40 a
do filtro de ar 60 lb·pol.
Parafuso da tampa do filtro de 4,1 a 6,8 N·m 36 a
ar 60 lb·pol.
Torque do parafuso do pren- 16,3 a 12 a 15 lb·pé
dedor do guidom 20,3 N·m
Parafuso da estrutura dos 4 a 5 N·m 35 a
interruptores do guidom 45 lb·pol.

Tabela 1-4. Intervalos regulares de serviço: Modelos Softail ano 2012


ITEM EM MANUTENÇÃO PROCEDIMENTO 1600 km 8000 km 16.000 km 24.000 km 32.000 km 40.000 km 48.000 km NOTAS
1000 mi 5000 mi 10.000 mi 15.000 mi 20.000 mi 25.000 mi 30.000 mi

Óleo do motor e filtro Substitua X X X X X X X 7


Tubulações de óleo e sistema de Inspecione quanto a vazamentos, X X X X X X X 1, 3
freio contato ou abrasão
Filtro de ar Inspecione, e execute a manu- X X X X X X 7
tenção conforme necessário
Sistema de escapamento Verifique a existência de vaza- X X X X X X X 3, 7
mentos ou rachaduras, parafusos
ou isoladores térmicos soltos ou
faltando
Pneus Verifique a pressão, inspecione a X X X X X X X 3
banda de rodagem
Raios de rodas (se assim equi- Verifique o aperto X X X 1, 5, 7
pados)
Lubrificante do bloco da corrente Substitua X X X X 7
primária

1-12 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

Tabela 1-4. Intervalos regulares de serviço: Modelos Softail ano 2012


ITEM EM MANUTENÇÃO PROCEDIMENTO 1600 km 8000 km 16.000 km 24.000 km 32.000 km 40.000 km 48.000 km NOTAS
1000 mi 5000 mi 10.000 mi 15.000 mi 20.000 mi 25.000 mi 30.000 mi

Lubrificante de transmissão Substitua X X 7


Embreagem Verifique o ajuste X X X X X X X 1, 7
Correia da transmissão e rodas Inspecione, ajuste a correia X X X X X X X 1
dentadas
Controles do acelerador, freio e Verifique, ajuste e lubrifique X X X X X X X 1
embreagem
Cavalete lateral Inspecione e lubrifique X X X X 1
Tubulações de combustível e seus Inspecione quanto a vazamentos, X X X X X X X 1, 3
encaixes contato ou abrasão
Filtro de combustível no tanque de Substitua a cada 160.000 km (100.000 mi). 1
combustível
Fluido de freio Inspecione o visor X X X X X X X 4
Pastilhas do freio e discos Inspecione em relação a desgaste X X X X X X X
Velas de ignição Substitua X 6
Equipamento elétrico e interrup- Verifique a operação X X X X X X X
tores
Óleo do garfo dianteiro Troque o óleo do garfo e inspecione a cada 80.000 km (50.000 mi). 1
Rolamentos da coluna de direção Ajuste X X X X 1
Rolamentos da coluna de direção Lubrifique X X X 2
Buchas do pára-brisa (se assim Inspecione X X X 1
equipada)
Parafusos cruciais Verifique o aperto X X X X 1, 3
Bateria Verifique a bateria e limpe as conexões anualmente.
Teste na estrada Verifique o funcionamento de X X X X X X X
componentes e sistemas
NOTAS: 1. Deverá ser efetuado por um concessionário autorizado Harley-Davidson, a menos que você tenha as ferramentas e dados
de serviço apropriados, e seja um mecânico qualificado.
2. Desmonte, lubrifique e inspecione a cada 48.000 km (30.000 mi).
3. Execute anualmente ou nos intervalos especificados, o que ocorrer primeiro.
4. Troque o fluido de freio DOT 4 e lave o sistema a cada dois anos.
5. Execute a verificação da tensão dos raios nas manutenções de 1600 km (1000 mi), 8000 km (5000 mi), 32.000 km (20.000 mi)
e em cada intervalo de 24.000 km (15.000 mi) a seguir. Nem todos os veículos são equipados com rodas raiadas. Veja o tópico
apropriado no Manual de serviço.
6. Execute a cada dois anos ou no intervalo especificado, o que ocorrer primeiro.
7. Execute a manutenção com maior freqüência em condições de direção rigorosas (temperaturas extremas, ambientes
empoeirados, estradas montanhosas ou irregulares, etc.).

Tabela 1-5. Tabela de manutenção de referência rápida

ITEM EM ESPECIFICAÇÕES DADOS


MANUTENÇÃO
Óleo do motor e filtro Torque do parafuso de drenagem 19 a 28 N·m (14 a 21 lb·pé)
Capacidade de óleo (com o filtro) 3,31 L (3,5 quartos EUA)
Filtro Aperte com a mão 1/2 a 3/4 de volta após a gaxeta
fazer contato
Lubrificante para cor- Tipo de lubrificante LUBRIFICANTE PARA TRANSMISSÃO E BLOCO
rente primária DA CORRENTE PRIMÁRIA FORMULA+
Capacidade do lubrificante 0,95 L (32 onças) molhado
1,18 L (40 onças) seco
Torque do parafuso de drenagem do bloco da 19 a 28 N·m (14 a 21 lb·pé)
corrente primária

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-13


PÁGINA INICIAL

Tabela 1-5. Tabela de manutenção de referência rápida

ITEM EM ESPECIFICAÇÕES DADOS


MANUTENÇÃO
Ajuste da embreagem Folga no parafuso de ajuste 1/2 a 1 volta
Torque da porca de travamento do parafuso de 8 a 14 N·m (72 a 120 lb·pol.)
ajuste
Folga na alavanca manual 1,6 a 3,2 mm (1/16 a 1/8 pol.)
Torque da tampa de inspeção da embreagem 10 a 12 N·m (84 a 108 lb·pol.)
Lubrificante de trans- Nível do lubrificante Vareta de nível nas marcas ADD (encher) e FULL
missão (cheio) com a motocicleta no cavalete lateral e o
tampão de enchimento permanecendo rosqueado.
Tipo de lubrificante e capacidade * LUBRIFICANTE PARA TRANSMISSÃO E BLOCO
DA CORRENTE PRIMÁRIA FORMULA+ ou ÓLEO
SYN3 20W50
0,95 L (32 onças)
Torque do parafuso de drenagem da transmissão 19 a 28 N·m (14 a 21 lb·pé)
Torque do tampão de enchimento 3 a 9 N·m (25 a 75 lb·pol.)
Velas de ignição Tipo HD-6R12
Lacuna 0,97 a 1,09 mm (0,038 a 0,043 pol.)
Torque 16 a 24 N·m (12 a 18 lb·pé)
Rotação do motor em Velocidade da marcha lenta 950 a 1050 RPM
marcha lenta
Óleo do garfo dianteiro Tipo ÓLEO DE GARFO HIDRÁULICO (TIPO E)
Veja 2.16 GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO,
Troca do óleo do garfo.
Bateria Lubrificante LUBRIFICANTE PARA CONTATOS ELÉTRICOS
Torque do terminal da bateria 6,8 a 8,1 N·m (60 a 72 lb·pol.)
Condição e pressão dos Pressão para motociclista e passageiro Modelos FLSTC e FLSTN:
pneus Dianteiro: 248 kPa (36 psi)
Traseiro: 276 kPa (40 psi)
Modelo FXST:
Dianteiro: 207 kPa (30 psi)
Traseiro: 290 kPa (42 psi)
Modelos FLSTF/B:
Dianteiro: 248 kPa (36 psi)
Traseiro: 290 kPa (42 psi)
Modelos FXS:
Dianteiro: 207 kPa (30 psi)
Traseiro: 276 kPa (40 psi)
Desgaste Substitua o pneu se restar menos de 0,8 mm
(1/32 pol.) de banda de rodagem.
Raio da roda Torque da bico do raio (mínimo) Roda raiada de aço:
6,2 N·m (55 lb·pol.)
Roda raiada de alumínio cromado:
6,2 N·m (55 lb·pol.)
Rolamentos da coluna Lubrificante para encaixe do pescoço GRAXA PARA USOS ESPECIAIS
de direção

1-14 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

Tabela 1-5. Tabela de manutenção de referência rápida

ITEM EM ESPECIFICAÇÕES DADOS


MANUTENÇÃO
Nível do reservatório de Tipo Fluido de freio hidráulico DOT 4
fluido de freio (verifique Nível apropriado de fluido 6,35 ± 3,18 mm (1/4 ± 1/8 pol.) na parte superior
o visor de inspeção. Se
o fluido estiver baixo, Torque do parafuso da tampa do cilindro-mestre: 1,4 a 1,7 N·m (12 a 15 lb·pol.)
remova a tampa do Dianteira
reservatório e verifique Torque do parafuso da tampa do cilindro-mestre: 0,7 a 0,9 N·m (6 a 8 lb·pol.)
novamente) Traseira
Revestimento das pasti- Espessura mínima da pastilha do freio 1,02 mm (0,04 pol.)
lhas do freio e discos Espessura mínima do disco do freio Veja o valor estampado no lado do disco
Correia de transmissão Força de medida para cima aplicada no ponto 4,5 kg (10 lb)
intermediário da parte inferior da correia
Com a motocicleta no cavalete lateral sem motoci- FXS, FLSTN e FLSTFB (LO): 6,4 a 7,9 mm (1/4 a
clista ou bagagem 5/16 pol.)
FXST, FLSTC e FLSTF/B: 14,3 a 15,9 mm (9/16
a 5/8 pol.)
Veículo em posição vertical com a roda traseira no FXS, FLSTN e FLSTFB (LO): 7,9 a 9,5 mm (5/16
ar a 3/8 pol.)
FXST, FLSTC e FLSTF/B: 17,5 a 19,1 mm (11/16
a 3/4 pol.)
Filtro de ar Torque do parafuso do suporte da tampa do filtro 4,5 a 6,8 N·m (40 a 60 lb·pol.)
de ar
Torque do parafuso da tampa do filtro de ar 4,1 a 6,8 N·m (36 a 60 lb·pol.)
Adesivo para o parafuso da tampa do filtro de ar TRAVA-ROSCA LOCTITE 243
Cabos da embreagem e Lubrificante HARLEY LUBE
do acelerador Torque do parafuso do prendedor do guidom 16,3 a 20,3 N·m (12 a 15 lb·pé)
Torque do parafuso da estrutura dos interruptores 4 a 5 N·m (35 a 45 lb·pol.)
do guidom
* A capacidade é aproximada. Quando trocar o óleo, adicione inicialmente 0,83 L (28 onças). Verifique e encha conforme
necessário.

Tabela 1-6. Lubrificantes, graxas, vedantes

ITEM NÚMERO DA EMBALAGEM


PEÇA
Lubrificante anti-engripante 98960-97 Tubo de 1 onça
Graxa para freio CCI N.o 20 42830-05 bisnaga (incluída no kit de remontagem do cilindro-
mestre)
Graxa para freio G40M 42820-04 Bisnaga
Graxa Dow Corning Moly 44 94674-99 Embalagem de 2 cm³
Fluido de freio DOT 4 99953-99A Frasco de 12 onças
Lubrificante para contatos elétricos 99861-02 Tubo de 1 onça
Lubrificante para transmissão e bloco da corrente 99851-05 Frasco de 1 quarto
primária Formula+
Óleo para motocicleta Genuíno Harley-Davidson H-D 99816- Frasco de 1 quarto
360 20W50 2050/00QT
Óleo do motor sintético para motocicletas Screamin’ 99813-09 Frasco de 1 quarto
Eagle 20W50
Lubrificante sintético para motocicletas Screamin’ Eagle 99824-03/00QT Frasco de 1 quarto
SYN3 20W50

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-15


PÁGINA INICIAL

Tabela 1-6. Lubrificantes, graxas, vedantes

ITEM NÚMERO DA EMBALAGEM


PEÇA
Vedante de alto desempenho Harley-Davidson – cinza 99650-02 Tubo de 1,9 onça
Gaxeta e veda-rosca Hylomar 99653-85 Tubo de 3,5 onças
Veda-rosca Loctite 565 99818-97 Tubo de 6 mL
Prism Primer Loctite 770
Adesivo instantâneo Prism Loctite 411
Adesivo Super Bonder Loctite 420
Agente de limpeza/primer Loctite 7649 98968-99 Frasco de 1,75 onças
Trava-rosca e veda-rosca resistência baixa (roxo) 99811-97 Tubo de 6 mL
Loctite 222
Trava-roscas e veda-rosca resistência média (azul) 99642-97 Tubo de 6 mL
Loctite 243 11100005 Frasco de 50 mL
Trava-roscas resistência média/alta temperatura (azul)
Loctite 246
Trava-roscas e veda-rosca resistência média (vermelho) 94759-99 Tubo de 6 mL
Loctite 262 11100006 Frasco de 50 mL
Trava-roscas resistência alta (vermelho) Loctite 271 99671-97 Tubo de 6 mL
Trava-roscas e veda-rosca resistência alta/alta tempe- 98618-03 Frasco de 10 mL
ratura (vermelho/laranja) Loctite 272
Lubrificante para montagem Screamin’ Eagle 94971-09 Frasco de 4 onças
Graxa para usos especiais 99857-97A Cartucho de 14 onças
Graxa para o rolamento da roda 99855-89 Lata de 1 lb
99856-92 Cartucho de 14 onças
Harley® Lube 94968-09 Dispensador de agulha de 1/4 onças
Óleo de garfo hidráulico tipo “E” 99884-80 Frasco de 16 onças
Óleo para garfo Big Piston (somente Sportster XR) 99885-10 Frasco de 16 onças
Tratamento para couro Harley-Davidson 98261-91V Lata de 6 onças
Adesivo Harley-Davidson (Griplock) 99839-95 Tubo de 10 g
Selante de silicone RTV 99650-02 Tubo de 1,9 onças
Removedor de adesivo de uso geral 3M
Adesivo 3M 847 021200-19718 Tubo de 5 onças
Anticongelante e líquido de refrigeração para vida útil 99822-02 Recipiente de 1 galão
prolongada da Harley-Davidson (somente VRSC)

1-16 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

ÓLEO DO MOTOR E FILTRO 1.6


VERIFICAÇÃO E ADIÇÃO DE ÓLEO
sm03037a
Veja Figura 1-1. Verificação do nível de óleo do motor:
• Como parte da inspeção antes de dirigir.
• A cada intervalo de serviço agendado.

Tipo de óleo
Veja Tabela 1-2. Use o óleo adequado para a temperatura
mais baixa esperada antes da próxima troca de óleo progra-
mada. Veja 1.3 COMBUSTÍVEL E ÓLEO para obter infor-
mações específicas sobre requisitos para o inverno.
Se for necessário acrescentar óleo e o óleo Harley-Davidson
não estiver disponível, use um óleo certificado para motores
diesel. As designações aceitáveis de óleo do motor diesel
incluem CF-4, CG-4, CH-4, e CI-4. As viscosidades preferidas Figura 1-1. Verificação do nível de óleo no tanque de óleo
para o óleo do motor diesel, em ordem descendente, são as
seguintes: 20W-50, 15W-40 e 10W-40. Logo que possível, vá
a um concessionário Harley-Davidson para colocar de novo o
óleo 100% Harley-Davidson. sm03039

Verificação do nível de óleo

O nível de óleo não pode ser medido com precisão com


o motor frio. Para a inspeção inicial, com a motocicleta
apoiada sobre o cavalete lateral em uma superfície plana,
a marca de óleo deve aparecer entre as setas da vareta
de nível quando o motor está frio. Não adicione óleo para
trazer o nível para a marca de cheio (FULL) com o motor
FRIO. (00185a)
Dirija a motocicleta para que o motor esquente até atingir a
temperatura de operação, depois faça o seguinte:
Figura 1-2. Ranhura superior da vareta de nível do tanque
1. Deixe a motocicleta em marcha lenta apoiada no cavalete de óleo
lateral por 1 ou 2 minutos.
2. Desligue a motocicleta e deixe-a apoiada no cavalete TROCA DE ÓLEO E DO FILTRO
lateral.
3. Veja Figura 1-2. Verifique o nível de óleo na vareta de PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA
nível. Se necessário, adicione óleo até que o nível fique HD-42311 CHAVE DE BOCA PARA FILTRO DE
na ranhura superior da vareta de nível. Não encha demais ÓLEO
o tanque de óleo.
HD-44067 CHAVE DE BOCA PARA FILTRO DE
ÓLEO

PARAFUSO VALOR TORQUE


Parafuso de drenagem 19,0 a 14 a 21 lb·pé
28,5 N·m

NOTAS
• Se a motocicleta for conduzida de maneira severa, sob
condições de poeira ou em clima frio, o óleo e o filtro
deverão ser trocados com maior freqüência.
• Todos os modelos Softail são despachados da fábrica
com óleo de motor Harley-Davidson 360 SAE 20W50.
• Todos os modelos Softail são equipados na fábrica com
um filtro de óleo com meio filtrante sintético Premium de

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-17


PÁGINA INICIAL

5 mícron, peça N.o 63798-99a (cromado) ou 63731-99a 9. Ligue o motor e procure cuidadosamente por vazamentos
(preto). Esses são os únicos filtros de substituição reco- de óleo perto do parafuso de drenagem e do filtro de óleo.
mendados.
10. Verifique o nível de óleo do motor com o uso do procedi-
1. Dirija a motocicleta até que o motor atinja a temperatura mento de verificação com o motor quente.
de operação normal.
2. Veja Figura 1-1. Remova o tampão com vareta de nível sm03041

de enchimento de óleo do motor puxando-a firmemente


enquanto a move para frente e para trás.
3. Veja Figura 1-3. Remova o parafuso de drenagem do óleo
do motor com o anel de vedação “o-ring” (2). Permita que
o óleo drene para dentro de um recipiente adequado.

Use a chave de boca para filtro de óleo Harley-Davidson


para a remoção do filtro. Esta ferramenta pode evitar danos
ao sensor de posição do virabrequim e/ou cabo do sensor.
(00192b)
4. Veja Figura 1-4. Remova o filtro de óleo com a CHAVE
DE BOCA PARA FILTRO DE ÓLEO (peça N.o HD-42311)
ou a CHAVE DE BOCA PARA FILTRO DE ÓLEO (peça
N.o HD-44067). Limpe qualquer junta ou material velho
da superfície de montagem do filtro de óleo.
1. Conexão na estrutura para a mangueira de drenagem
NOTA do tanque de óleo
Desfaça-se do óleo e do filtro de acordo com as regulamen- 2. Parafuso de drenagem do tanque de óleo e anel de
tações locais. vedação “o-ring”
5. Veja Figura 1-5. Lubrifique a gaxeta no novo filtro de óleo Figura 1-3. Parafuso de drenagem do tanque de óleo
com óleo do motor e instale o novo filtro. Aperte com a
mão o filtro de óleo de 1/2 a 3/4 de volta após a gaxeta
fazer contato com a superfície de montagem do filtro. NÃO
sm01673
use a chave de boca para filtro de óleo para a instalação
do filtro de óleo.
6. Veja Figura 1-3. Instale o parafuso de drenagem do tanque
de óleo (2).
a. Inspecione o anel de vedação “o-ring” quanto a des-
gastes ou danos. Substitua se necessário. Limpe
qualquer sujeira que esteja no tampão.
b. Instale o anel de vedação “o-ring” e o parafuso de
drenagem. Aperte com torque de 19,0 a 28,5 N·m
(14 a 21 lb·pé).

7. Encha o tanque de óleo com a quantidade correta de óleo.


Use o óleo adequado para a temperatura mais baixa
esperada antes da próxima troca de óleo programada.
Veja Tabela 1-2. Figura 1-4. Chaves de boca para filtro de óleo
a. Use 3,31 L (3,5 quartos) de óleo do motor para o
reabastecimento da capacidade líquida.
b. Use 3,79 L (4,0 quartos) para um reabastecimento
da capacidade seca.
NOTA
Use os valores da capacidade líquida para motores que
acabaram de ter seu óleo drenado. Use os valores da
capacidade seca para motores que foram desmontados,
limpos com solvente e secados.

8. Verifique o nível de óleo do motor com o uso do procedi-


mento de verificação com o motor frio.

1-18 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

sm01414

Figura 1-5. Lubrificação da nova gaxeta do filtro de óleo

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-19


PÁGINA INICIAL

FILTRO DE AR E SISTEMA DE ESCAPAMENTO 1.7


REMOÇÃO 2. Limpe o elemento do filtro.
a. Lave a tela de papel/arame do filtro de ar e as man-
1. Veja Figura 1-6. Remova o parafuso (1) e a tampa do filtro
gueiras de respiro em água morna e detergente
de ar (2).
suave. Não bata o elemento do filtro contra uma
2. Remova três parafusos TORX (4) e o suporte (5) do ele- superfície dura para remover a terra.
mento do filtro (6).
b. Deixe o filtro secar naturalmente ou utilize um secador
3. Puxe com cuidado as mangueiras de borracha do respiro pela parte interna, com ar em pressão baixa. Não
(9) do elemento. Remova o elemento do filtro (6) e a use óleo do filtro de ar no elemento do filtro de ar de
gaxeta (7). tela de papel/arame Harley-Davidson.
4. Substitua o elemento do filtro se estiver danificado ou se c. Segure o elemento do filtro contra uma fonte de luz
uma limpeza adequada não puder ser mais feita no forte. Se a luz estiver uniformemente visível através
mesmo. do elemento, é porque ele está limpo o bastante.

Limpeza e inspeção 3. Inspecione o anel de vedação (3) da tampa quanto a


rachaduras ou áreas rasgadas. Verifique se veda bem na
placa posterior. Substitua, se necessário.
4. Inspecione as mangueiras de respiro quanto a desgastes,
Não use gasolina ou solventes para limpar o elemento do
cortes, furos ou outros danos. Substitua, se necessário.
filtro. Agentes purificadores inflamáveis podem causar
incêndio no sistema de admissão, podendo resultar em NOTA
morte ou lesões graves. (00101a) As mangueiras de respiro fazem com que os vapores da car-
1. Puxe com cuidado as mangueiras do respiro dos para- caça sejam dirigidos ao elemento do filtro de ar. Ao propor-
fusos do respiro na placa posterior (8). cionar uma recirculação efetiva dos vapores da carcaça, as
mangueiras servem para eliminar os poluentes normalmente
liberados da carcaça. A montagem do filtro de ar sem a insta-
lação das mangueiras de respiro, ou com as mangueiras de
O ar comprimido pode perfurar a pele e os detritos respiro não hermeticamente fechadas, permite que os vapores
lançados pelo ar comprimido podem causar lesões graves da carcaça sejam liberados na atmosfera, violando os padrões
nos olhos. Use óculos de proteção ao trabalhar com ar legais de emissões. Isto também afetará negativamente o
comprimido. Nunca use a sua mão para verificar vaza- sistema de respiro do motor, pois causará trepidação da válvula
mentos de ar ou para determinar a porcentagem do fluxo de cobertura.
de ar. (00061a) 5. Limpe a parte interna da tampa do filtro de ar e a placa
posterior com um pano umedecido para remover a poeira.

1-20 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

sm03096

6 7
10 3

2 4

9
8
1

11 3 6
7
5

2 4

9 8
1
1. Parafuso 7. Gaxeta
2. Tampa do filtro de ar 8. Placa posterior
3. Anel de vedação 9. Mangueira de respiro (2)
4. Parafuso T-27 TORX (3) 10. Montagem do filtro de ar: Oval
5. Suporte 11. Montagem do filtro de ar: Redondo
6. Elemento do filtro

Figura 1-6. Conjunto do filtro de ar

INSTALAÇÃO mento do filtro. Coloque as mangueiras de respiro nos


parafusos do respiro na placa posterior.
PARAFUSO VALOR TORQUE 4. Veja Figura 1-6. Instale o elemento do filtro de ar e o
Parafusos do suporte do filtro 4,5 a 6,8 N·m 40 a suporte.
de ar 60 lb·pol. a. Assegure-se de que os furos na gaxeta estejam ali-
Parafuso da tampa do filtro de 4,1 a 6,8 N·m 36 a nhados com os furos na placa posterior.
ar 60 lb·pol. b. Use três parafusos TORX (4) para fixar o suporte e
o elemento do filtro de ar. Aperte com torque de 4,5
1. Veja Figura 1-7. Posicione a nova gaxeta na placa poste- a 6,8 N·m (40 a 60 lb·pol.).
rior.
5. Instale a tampa do filtro de ar (2).
2. Filtro de ar oval: Veja Figura 1-8. Insira as duas man-
gueiras de respiro nos furos da parte traseira do elemento a. Aplique uma gota de TRAVA-ROSCA LOCTITE 43
do filtro e posicione a parte traseira do elemento. Fixe as (azul) nas roscas do parafuso da tampa do filtro de
mangueiras de respiro nos parafusos do respiro na placa ar (1).
posterior. b. Instale a tampa do filtro de ar utilizando o parafuso.
3. Filtro de ar redondo: Posicione a parte traseira do ele- Aperte com torque de 4,1 a 6,8 N·m (36 a 60 lb·pol.).
mento do filtro na placa posterior e, em seguida, insira as
duas mangueiras de respiro nos furos na frente do ele-

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-21


PÁGINA INICIAL

sm02454a
VERIFICAÇÃO DE VAZAMENTOS NO
SISTEMA DE ESCAPAMENTO
Verifique se o sistema de escapamento apresenta vazamentos
a cada intervalo de serviço agendado como a seguir:
1. Verifique todo o sistema de escapamento, procurando
parafusos frouxos ou abraçadeiras ou suportes faltando,
e sinais óbvios de vazamento (trilhas de carbono nas
juntas dos canos, etc.).
2. Verifique a existência de isoladores térmicos soltos ou
quebrados. Substitua ou conserte o que for necessário.
3. Ligue o motor, tampe as extremidades do silenciador com
estopas limpas e secas, e procure sinais audíveis de
vazamento de ar do sistema de escapamento.
4. Corrija qualquer vazamento detectado. Veja 4.17 SIS-
Figura 1-7. Gaxeta (típica) TEMA DE ESCAPAMENTO: FXST E FLSTC ou
4.18 SISTEMA DE ESCAPAMENTO: FLSTF, FLSTFB,
FLSTN, FXS para os procedimentos de remoção e insta-
lação do sistema de escapamento.
sm02455

Figura 1-8. Tubos de respiro no lado de trás do filtro

1-22 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

PNEUS E RODAS 1.8


INFORMAÇÕES GERAIS PNEUS

Use pneus, câmaras, tiras ou vedações de aro, válvulas Use somente pneus especificados pela Harley-Davidson.
de ar e tampas compatíveis com a roda correta. Entre em Consulte um concessionário Harley-Davidson. O uso de
contato com o seu concessionário Harley-Davidson. O pneus não especificados pode afetar negativamente a
uso de peças incompatíveis pode resultar em danos ao estabilidade, o manuseio ou a frenagem, o que poderá
pneu, permitir o deslizamento do pneu na roda ou causar resultar em morte ou lesões graves. (00024b)
uma falha no pneu, o que poderá resultar em morte ou
lesões graves. (00023c) NOTAS
• Os pneus sem câmara são usados em todas as rodas de
disco e rodas fundidas, e nas rodas raiadas com perfil
sem câmara com a designação MTM da Harley-Davidson.
Certifique-se de que os pneus estejam devidamente
inflados, balanceados, sem danos e que tenham uma • O tamanho dos pneus está moldado na parede lateral do
banda de rodagem adequada. Inspecione os pneus regu- pneu. O tamanho da câmara de ar está impressa na pró-
larmente e consulte um concessionário Harley-Davidson pria câmara de ar.
para substituições. Pilotar com desgaste excessivo, des- • Pneus novos devem ser armazenados em uma prateleira
balanceamento, inflagem desapropriada, sobrecarga ou horizontal. Evite empilhar pneus novos verticalmente. O
pneus danificados pode causar uma falha no pneu com peso da pilha comprime os pneus e fecha os talões.
conseqüente instabilidade e dificuldade no manuseio, o
que poderá resultar em morte ou lesões graves. (00014b) Verifique a pressão dos pneus e a banda de rodagem:
• Como parte da inspeção antes de dirigir.
• A cada intervalo de serviço agendado.
Instale a nova vedação antes de montar o pneu. Pilotar a 1. Inspecione cada pneu para furos, cortes e quebras.
motocicleta sem a vedação posicionada pode danificar a
haste de válvula, causando perda rápida de ar e levando 2. Inspecione cada pneu para desgaste. Substitua os pneus
à perda de controle, o que poderá resultar em morte ou antes que a barra indicadora de desgaste da banda de
lesões graves. (00622b) rodagem apareça.

Sempre mantenha a pressão apropriada dos pneus, como


especificado em Tabela 1-7. Não carregue os pneus além do
peso bruto máximo permitido por eixo (GAWR) especificado Certifique-se de que os pneus estejam devidamente
em Tabela 2-4 e em Tabela 2-5. Pneus sem ar suficiente, inflados, balanceados, sem danos e que tenham uma
cheios demais ou com sobrecarga podem falhar. banda de rodagem adequada. Inspecione os pneus regu-
Use somente os pneus listados na Tabela 1-7. larmente e consulte um concessionário Harley-Davidson
para substituições. Pilotar com desgaste excessivo, des-
NOTA
balanceamento, inflagem desapropriada, sobrecarga ou
As motocicletas com ABS deverão sempre usar pneus e rodas pneus danificados pode causar uma falha no pneu com
idênticos aos do equipamento original. O sistema ABS monitora conseqüente instabilidade e dificuldade no manuseio, o
a velocidade de rotação das rodas através de sensores de que poderá resultar em morte ou lesões graves. (00014b)
velocidade individuais das rodas para determinar sua apli-
cação. A troca para rodas com diâmetros diferentes ou pneus NOTA
com tamanhos diferentes pode alterar a velocidade de rotação A ausência de barras indicadoras de desgaste significa que
e desordenar a calibragem do ABS, resultando em um efeito resta menos de 0,8 mm (1/32 pol.) da banda de rodagem.
negativo em sua capacidade de detectar e impedir trava-
mentos. Operar com pressão de enchimento diferente daquela 3. Verifique as pressões corretas dos pneus dianteiro e tra-
especificada em Tabela 1-7 pode reduzir o desempenho do seiro quando estes estiverem frios. Compare os resultados
ABS. em relação à Tabela 1-7.
NOTA
A Harley-Davidson não executa nenhum teste com apenas
nitrogênio nos pneus. A Harley-Davidson não recomenda nem
desencoraja o uso de nitrogênio puro para o enchimento de
pneus.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-23


PÁGINA INICIAL

Tabela 1-7. Pneus especificados

MODELO MONTAGEM TAMANHO PNEU ESPECIFICADO PRESSÃO (FRIO)


kPa psi
FLSTC Dianteira 16 pol. Dunlop D402F MT90B16 248 36
FLSTN, FLSTC (banda Dianteira 16 pol. Dunlop D402F MT90B16 248 36
branca)
FLSTF, FLSTFB Dianteira 17 pol. Dunlop D408F 140/75R17 248 36
FXST Dianteira 21 pol. Dunlop D408F MH90-21 207 30
FXS Dianteira 21 pol. Dunlop D402F MH90-21 207 30
FLSTC Traseira 16 pol. Dunlop D401 150/80B16 276 40
FLSTN, FLSTC (banda Traseira 16 pol. Dunlop D402 MU85B16 276 40
branca)
FXS Traseira 16 pol. Dunlop D402 MU85B16 276 40
FLSTF, FXST, FLSTFB Traseira 17 pol. Dunlop D407 200/55R17 290 42

SUBSTITUIÇÃO DOS PNEUS NOTAS


• Ao instalar pneus em aros, não se baseie no projeto da
Inspeção banda de rodagem para determinar o sentido de rotação.
Sempre se certifique de que as setas de sentido gravadas
nas paredes laterais apontem no sentido de rotação
quando o veículo se mover para frente.
Substitua imediatamente o pneu com um pneu especifi-
cado pela Harley-Davidson quando as barras de desgaste • Nunca instale um pneu e uma câmara de ar em um aro
estiverem visíveis ou com apenas 0,8 mm (1/32 pol.) de raiado com as designações TUBELESS (sem câmara) e
profundidade da banda de rodagem. Pilotar com um pneu MTM gravadas no mesmo. Esses aros são projetados
desgastado poderá resultar em morte ou lesões graves. especialmente para uso em pneu sem câmara.
(00090c)
ROLAMENTOS DA RODA
Os pneus Harley-Davidson são providos de barras de desgaste
situadas horizontalmente na banda de rodagem. Um pneu NOTA
desgastado a tal ponto que as barras de desgaste estejam Substitua os rolamentos apenas em conjuntos. Veja
visíveis ou com apenas 0,8 mm (1/32 pol.) de profundidade 2.8 ROLAMENTOS DA RODA COM VEDAÇÃO, Inspeção.
da banda de rodagem poderá:
1. Substitua os rolamentos quando a folga axial ultrapassar
• Sofrer danos com maior facilidade, levando à falha do o limite de 0,051 mm (0,002 pol.).
pneu.
2. Inspecione-os toda vez que a roda for removida.
• Proporcionar menos tração.
a. Inspecione o movimento dos rolamentos da roda com
• Afetar negativamente a estabilidade e o manuseio. o dedo enquanto estiverem ainda dentro da roda.
As setas nas paredes laterais do pneu indicam a localização b. Gire a sede interna do rolamento para verificar que
das barras indicadoras de desgaste. não haja barulho anormal.
Quando substituir os pneus c. Certifique-se de que o rolamento gire suavemente.
Novos pneus serão necessários se houver uma das seguintes 3. Verifique se os rolamentos da roda e os espaçadores do
condições: eixo estão gastos ou corroídos. Folga excessiva ou irregu-
1. As barras indicadoras de desgaste da banda de rodagem laridades indicam que os rolamentos estão desgastados.
estão visíveis nas superfícies da banda de rodagem.
2. Os cabos ou a lona do pneu está visível através de flancos
rachados, saliências ou cortes profundos.
3. Aparece uma protuberância, saliência ou rachadura no
pneu.
4. Há furo, corte ou outro dano no pneu que não pode ser
reparado.

1-24 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

RAIOS DE RODA 1. Veja Figura 1-9. Começando no primeiro grupo de raios,


afrouxe o raio (1) usando a CHAVE DE BICO DE RAIO
(peça N.o HD-94681-80) 1/4 de volta.
PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA
HD-48985 TORQUÍMETRO DE RAIO 2. Utilizando o TORQUÍMETRO DE RAIO (peça N.o HD-
48985) aperte o raio (1) com o torque citado na
HD-94681-80 CHAVE DE BICO DE RAIO Tabela 1-8.
a. Enquanto aperta, se o torquímetro emitir um clique
PARAFUSO VALOR TORQUE antes da marca de alinhamento, continue a girar o
Bico do raio 6,2 N·m 55 lb·pol. bico do raio até que a marca se alinhe.
b. Se as marcas de alinhamento se alinharem e a
especificação de torque não for alcançada, continue
a apertar o bico do raio até obter o torque correto,
Raios que estão apertados demais podem puxar os bicos mas não gire o bico do raio mais de 1/4 de volta além
pelo aro ou distorcer os flanges do cubo. Raios frouxos da marca de alinhamento.
demais podem soltar mais ainda quando a motocicleta for
utilizada. Qualquer uma das duas condições pode afetar 3. Repita os dois passos anteriores para o raio (4) do mesmo
desfavoravelmente a estabilidade e o manuseio do veículo, grupo.
o que poderá resultar em morte ou lesões graves. (00286a) 4. Continue ao redor da roda verificando os raios 1 e 4 até
terminar todos os grupos.
5. Repita o procedimento para os raios (2, 3) em cada grupo.
Não aperte demais os bicos do raio. Bicos do raio salientes NOTA
podem danificar a tubo, resultando numa deflação rápida Ao verificar os raios marcados, certifique-se de que esteja
do pneu, o que poderá resultar em morte ou lesões graves. utilizando a marca de alinhamento original.
(00526d)
6. Verifique os raios, se houverem, que foram marcados
como não tendo atingido o valor correto de torque após
apertar 1/4 de volta além da marca de alinhamento.
Quando levantar uma motocicleta usando um macaco, a. Afrouxe o raio 1/4 de volta além da marca de alinha-
certifique-se de que este faça contato com ambos os tubos mento original utilizando a CHAVE DE BICO DE RAIO
inferiores do quadro onde os tubos descendentes e os (peça N.o HD-94681-80).
tubos inferiores do quadro convergem. Nunca levante b. Enquanto aperta, se o torquímetro emitir um clique
colocando o macaco no membro transversal, no cárter ou antes da marca de alinhamento, continue a girar o
em outras estruturas. A falha em seguir este aviso pode bico do raio até que a marca se alinhe.
causar sérios danos, resultando na necessidade de exe-
cutar grandes serviços de reparo. (00586c) c. Se as marcas de alinhamento se alinharem e a
especificação de torque não for alcançada, continue
Identificar os grupos de raios da roda a apertar o bico do raio até obter o torque correto,
NOTA mas não gire o bico do raio mais de 1/4 de volta além
da marca de alinhamento.
Os raios são agrupados em conjuntos de quatro.
1. Levante a roda com um dispositivo apropriado.
2. Veja Figura 1-9. Começando pela haste da válvula, iden-
tifique o primeiro grupo de quatro raios (1 a 4).
3. Usando uma cor diferente para cada raio no grupo,
desenhe uma marca de alinhamento entre o bico do raio
e sobre o aro.
4. Continue ao redor da roda, marcando o restante dos raios
tal como indicado no passo anterior.

Ajuste de raio da roda


NOTAS
• Não aperte o raio mais de 1/4 de volta além da marca de
alinhamento. Se for necessária uma tensão maior, etiquete
o raio e verifique depois de terminar o restante da roda.
• Não use a chave de torque para raios para afrouxar os
raios. Use a CHAVE DE BICO DE RAIO (peça N.o HD-
94681-80) para afrouxar os raios.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-25


PÁGINA INICIAL

7. Alinhe a roda. Veja 2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM


DE RODAS.
sm06507
2 3 1
4
Tabela 1-8. Especificação de torque do bico do raio

TIPO DO ARO TORQUE MÍNIMO


Todos 6,2 N·m (55 lb·pol.)

Figura 1-9. Aperto de rodas raiadas (típico)

1-26 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

LUBRIFICANTE DO BLOCO DA CORRENTE


PRIMÁRIA 1.9
INFORMAÇÕES GERAIS 8. Remova a vedação (1). Limpe o óleo da ranhura na tampa
do bloco da corrente e da superfície de montagem.
Todos os modelos possuem um tensionador automático da
corrente Para os procedimentos de serviço na corrente
primária, veja 5.4 COMPONENTES DO ACIONAMENTO.

TROCA DO LUBRIFICANTE DO BLOCO DA Não coloque lubrificante em excesso no bloco da corrente


primária. O excesso pode provocar dificuldade no engate
CORRENTE PRIMÁRIA da embreagem, desengate incompleto, resistência da
embreagem e/ou dificuldade de encontrar a posição de
PARAFUSO VALOR TORQUE ponto morto com o motor em marcha-lenta. (00199b)
Parafuso de drenagem do 19,0 a 14 a 21 lb·pé 9. Coloque a motocicleta em posição vertical e encha o bloco
bloco da corrente primária 28,5 N·m da corrente primária.
Parafuso da tampa de ins- 9,5 a 84 a
10. Veja Tabela 1-9. Coloque a quantidade especificada de
peção da embreagem 12,2 N·m 108 lb·pol.
LUBRIFICANTE PARA TRANSMISSÃO E BLOCO DA
CORRENTE PRIMÁRIA FÓRMULA+ GENUÍNO da
1. Dirija a motocicleta para que o motor esquente até atingir Harley-Davidson pela abertura da tampa de inspeção da
a temperatura normal de operação. embreagem.

Tabela 1-9. Capacidade de reabastecimento do lubrificante


Quando drenar ou adicionar lubrificante, não permita que do bloco da corrente primária
sujeira, detritos ou outros materiais entrem no motor. ITEM CAPACIDADE
(00198a)
Lubrificante do bloco da cor- 0,95 L (32 onças) molhado
rente primária 1,18 L (40 onças) seco

Ao trocar os lubrificantes, esteja seguro de que não caia


lubrificante ou fluido nos pneus, rodas ou freios. Isto pode om00114a

prejudicar a tração, causando a perda de controle da


motocicleta, o que poderá resultar em morte ou lesões
graves. (00047d)
2. Veja Figura 1-10. Remova o plugue magnético de dre-
nagem na parte inferior do bloco da corrente primária.
Drene o lubrificante em uma bandeja adequada.
NOTA
Descarte o óleo de acordo com as regulamentações locais.
3. Limpe o parafuso de drenagem. Se o parafuso tiver acu-
mulado muitos resíduos, inspecione a condição dos
componentes do bloco da corrente.
4. Instale um anel de vedação “o-ring” novo no parafuso de
drenagem.
5. Volte a instalar o parafuso de drenagem dentro da tampa
do bloco da corrente primária. Aperte o parafuso com
Figura 1-10. Remoção/instalação do parafuso de drenagem
torque de 19,0 a 28,5 N·m (14 a 21 lb·pé).
do bloco da corrente

Para impedir a partida acidental do veículo, que poderá


causar morte ou lesões graves, desconecte o cabo nega-
tivo (-) da bateria antes de continuar. (00048a)
6. Desconecte o cabo negativo da bateria.
7. Veja Figura 1-11. Remova os cinco parafusos TORX com
arruelas de pressão (3) para soltar a tampa de inspeção
da embreagem (2) da tampa do bloco da corrente primária.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-27


PÁGINA INICIAL

c. Veja Figura 1-12. Insira o parafuso (com a arruela de


om00709
pressão) na tampa de inspeção da embreagem e
enrosque-o com cuidado pelo furo para parafuso na
tampa superior.
1
d. Aperte os quatro parafusos restantes (com arruelas
3 de pressão).
e. Aperte alternadamente os parafusos com torque de
9,5 a 12,2 N·m (84 a 108 lb·pol.) seguindo a
seqüência de torque mostrada na Figura 1-12.

2 sm02844

1. Vedação 5
2. Tampa de inspeção da embreagem
3. Parafusos com arruela de pressão

Figura 1-11. Tampa da embreagem


4
11. Instale a tampa de inspeção da embreagem e a nova 3
vedação da seguinte maneira:
a. Limpe completamente todo o lubrificante da superfície
de montagem da tampa e da ranhura do bloco da 1
corrente.
b. Veja Figura 1-11. Posicione a nova vedação (1) no
chanfro na tampa de inspeção da embreagem e
pressione cada dente da vedação na ranhura. Os Figura 1-12. Seqüência de torque da tampa da embreagem
dentes manterão a posição da vedação.

1-28 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

LUBRIFICANTE DE TRANSMISSÃO 1.10


VERIFICAÇÃO DO NÍVEL DO
om01041
LUBRIFICANTE DE TRANSMISSÃO
PARAFUSO VALOR TORQUE
Tampão com vareta de nível 2,8 a 8,5 N·m 25 a
de enchimento da transmissão 75 lb·pol.

Verifique o nível do lubrificante de transmissão com o motor


desligado e a motocicleta apoiada no cavalete lateral numa 2
superfície nivelada. 1
NOTA
Deixe o veículo apoiado por alguns momentos antes de veri-
ficar o nível do lubrificante. Isto permitirá a normalização do
nível do lubrificante.
1. Veja Figura 1-13. Remova o tampão com vareta de nível
de enchimento do tanque de lubrificante da transmissão. 1. Adicionar
Limpe a vareta de nível. 2. Cheio

2. Introduza a vareta de nível na transmissão com o tampão Figura 1-14. Nível do lubrificante no tampão com vareta
com vareta de nível de enchimento permanecendo nas de nível de enchimento da transmissão
roscas. Não aperte.
3. Veja Figura 1-14. Remova o tampão com vareta de nível
Tabela 1-10. Lubrificante recomendado
de enchimento e verifique o nível de lubrificante na vareta
de nível. Se nível do lubrificante estiver na marca adicionar MODELO LUBRIFICANTE QTD.
(ADD) ou abaixo da mesma na vareta de nível, adicione REABAS-
somente lubrificante suficiente para aumentar o nível entre TECIM. *
as marcas ADD e cheio (FULL) na vareta de nível.
Todos LUBRIFICANTE PARA TRANS- 0,83 L
4. Instale o tampão com vareta de nível de enchimento. MISSÃO E BLOCO DA COR- (28 onças)
Aperte com torque de 2,8 a 8,5 N·m (25 a 75 lb·pol.). RENTE PRIMÁRIA FORMULA+
ou ÓLEO SYN3 20W50
sm03075a * Aproximada. Verifique e adicione conforme necessário para
atingir o nível dentro da especificação.

TROCA DO LUBRIFICANTE DE
TRANSMISSÃO
PARAFUSO VALOR TORQUE
Parafuso de drenagem da 19,0 a 14 a 21 lb·pé
transmissão 28,5 N·m
Tampão com vareta de nível 2,8 a 8,5 N·m 25 a
de enchimento da transmissão 75 lb·pol.

1. Veja Figura 1-13. Remova o tampão com vareta de nível


de enchimento da transmissão.

Quando drenar ou adicionar lubrificante, não permita que


sujeira, detritos ou outros materiais entrem no motor.
Figura 1-13. Verificação/enchimento de lubrificante da (00198a)
transmissão

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-29


PÁGINA INICIAL

5. Encha a transmissão com 0,83 L (28 onças) do lubrificante


Harley-Davidson recomendado. Veja Tabela 1-10.
Ao trocar os lubrificantes, esteja seguro de que não caia 6. Veja 1.10 LUBRIFICANTE DE TRANSMISSÃO, Verifi-
lubrificante ou fluido nos pneus, rodas ou freios. Isto pode cação do nível do lubrificante de transmissão. Verifique
prejudicar a tração, causando a perda de controle da o nível e acrescente mais lubrificante até deixar o nível
motocicleta, o que poderá resultar em morte ou lesões entre as marcas adicionar (ADD) e cheio (FULL).
graves. (00047d)
7. Instale o tampão com vareta de nível de enchimento e
2. Veja Figura 1-15. Remova o parafuso de drenagem da aperte com torque de 2,8 a 8,5 N·m (25 a 75 lb·pol.).
transmissão e drene o lubrificante para dentro de um
recipiente adequado.
sm03076

NOTA
Elimine o lubrificante de transmissão de acordo com as regu-
lamentações locais.
3. Inspecione o anel de vedação “o-ring” do parafuso de
drenagem quanto a desgastes ou danos. Substitua, se
necessário. Limpe qualquer sujeira que esteja no tampão.

Não aperte demasiadamente a vareta de nível de enchi-


mento ou o parafuso de drenagem. Isso pode fazer com
que o lubrificante vaze. (00200b)
4. Instale o parafuso de drenagem com o anel de vedação
“o-ring”. Aperte com torque de 19,0 a 28,5 N·m (14 a Figura 1-15. Parafuso de drenagem da transmissão (vista
21 lb·pé). Não aperte demais. inferior)

1-30 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

EMBREAGEM 1.11
AJUSTE b. Veja Figura 1-18. Afaste a virola do cabo (2) de
embreagem do suporte da alavanca da embreagem
PARAFUSO VALOR TORQUE (3) para verificar a folga. Gire o regulador do cabo
até conseguir uma folga de 1,6 a 3,2 mm (1/16 a
Porca de travamento do para- 8,1 a 72 a 1/8 pol.) entre a extremidade da virola do cabo e o
fuso de ajuste 13,6 N·m 120 lb·pol. suporte da alavanca da embreagem.
Contraporca no ajustador do 13,6 N·m 120 lb·pol.
cabo 9. Segure o regulador com a chave de 1/2 pol. Com uma
chave de 9/16 pol., aperte a contraporca no ajustador do
Parafusos da tampa da 9,5 a 84 a cabo com torque de 13,6 N·m (120 lb·pol.). Cubra o
embreagem 12,2 N·m 108 lb·pol. mecanismo do regulador do cabo com o protetor de bor-
racha.
NOTA
Execute o ajuste da embreagem com a motocicleta à tempe- sm02219
ratura ambiente. A folga do parafuso de ajuste aumenta à
medida que a temperatura do trem de força aumenta. Se o
parafuso de ajuste for ajustado com o trem de força quente,
a folga no rolamento da vareta de compressão poderá ser
insuficiente com o trem de força frio, podendo ocorrer desliza- 3
mento da embreagem.
1

1. Posicione a motocicleta sobre um elevador adequado,


em posição vertical e em nível. Direcione a roda dianteira 2
para a frente.
4
2. Remova os cinco parafusos TORX com arruelas de
pressão para soltar a tampa de inspeção da embreagem 1. Protetor de borracha
da tampa do bloco da corrente primária. 2. Regulador do cabo
3. Remova e descarte a vedação. 3. Contraporca
4. Ponta do cabo
4. Veja Figura 1-16. Adicione folga no cabo.
Figura 1-16. Regulador do cabo de embreagem
a. Remova o protetor de borracha (1) do regulador do
cabo.
b. Segurando o regulador do cabo (2) com a chave de sm02220
1/2 pol., solte a contraporca (3) com uma chave de
9/16 pol.
c. Gire o regulador do cabo (2) até que haja muita folga
na alavanca manual da embreagem.

5. Veja Figura 1-17. Solte a contraporca (1) do parafuso de


ajuste da embreagem (2). Para compensar toda a folga,
gire o parafuso para dentro (sentido horário) até que
assente ligeiramente. Acione a alavanca da embreagem
para verificar se as esferas estão assentadas nas rampas.
6. Recue o parafuso de ajuste (sentido anti-horário) 1/2 a
1 volta completa. Aperte a contraporca com um torque de
8,1 a 13,6 N·m (72 a 120 lb·pol.), enquanto segura o 2
parafuso de ajuste com uma chave Allen.
7. Aperte a alavanca da embreagem três vezes até o limite
máximo, para ajustar a esfera e o mecanismo de liberação
da rampa.
8. Verifique a folga. 1
a. Afaste o regulador do cabo da contraporca até eli- 1. Contraporca
minar a folga da alavanca manual da embreagem. 2. Parafuso de ajuste da embreagem

Figura 1-17. Parafuso de ajuste da embreagem

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-31


PÁGINA INICIAL

c. Insira o parafuso (com a arruela de pressão) na tampa


pd00059
de inspeção da embreagem e enrosque-o com cui-
dado pelo furo para parafuso na tampa superior.
4
2 d. Aperte os quatro parafusos restantes (com arruelas
1
de pressão).
e. Aperte alternadamente os parafusos com torque de
9,5 a 12,2 N·m (84 a 108 lb·pol.) seguindo a
seqüência de torque mostrada na Figura 1-19.

sm02844
3
2
1. Cabo da embreagem
2. Virola do cabo
3. Suporte da alavanca da embreagem 5
4. 1,6 a 3,2 mm (1/16 a 1/8 pol.)

Figura 1-18. Alavanca manual da embreagem

10. Instale a tampa de inspeção da embreagem e a nova 4


3
vedação da seguinte maneira:
a. Limpe completamente todo o lubrificante da superfície
de montagem da tampa e da ranhura do bloco da
corrente. 1
b. Posicione a nova vedação no chanfro na tampa de
inspeção da embreagem e pressione cada dente da
vedação na ranhura. Os dentes manterão a posição
da vedação. Figura 1-19. Seqüência de torque da tampa da embreagem

1-32 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

CORREIA DA TRANSMISSÃO E RODAS


DENTADAS 1.12
INFORMAÇÕES GERAIS
sm02222

Nunca dobre a correia para a frente com um diâmetro 1


menor que aquele da roda dentada da transmissão. Nunca
dobre a correia com uma volta invertida. A dobra excessiva
pode danificar a correia, resultando em falha prematura, 2
podendo provocar a perda de controle, o que poderá
resultar em morte ou lesões graves. (00339a)
No caso de danos à correia causados por uma pedra, inspe-
cione se há danos nas rodas dentadas e substitua-as se
necessário. Sempre substitua as rodas dentadas traseira e da
transmissão durante a substituição da correia.

LIMPEZA
Mantenha sujeira, graxa, óleo e detritos fora da correia da 1. Dente
2. Sulco
transmissão e rodas dentadas. Limpe a correia com um pano
levemente molhado com um agente purificador leve. Figura 1-20. Roda dentada traseira
INSPEÇÃO
Correia da transmissão
Rodas dentadas
Veja Figura 1-21. Inspecione a correia da transmissão para:
NOTA
• Cortes ou um padrão de desgaste fora do normal.
Se falhas no cromo ou fendas na roda dentada traseira forem
grandes o suficiente para serem perigosas, deixarão um padrão • Biselamento das bordas externas (8). Um pouco de bise-
na superfície da correia. lamento é comum, mas indica que as rodas dentadas
estão desalinhadas.
1. Veja Figura 1-20. Inspecione cada dente (1) da roda
dentada traseira para: • Sinais de uma punção por uma pedra na superfície
externa nervurada (7). Caso haja rachaduras/danos na
a. Danos sérios aos dentes.
borda da correia, substitua a correia imediatamente.
b. Falhas grandes no cromo com bordas afiadas. Danos ao centro da correia exigirão substituição em algum
momento no futuro, mas quando a rachadura chegar na
c. Fendas causadas por objetos duros. borda da correia, a ruptura da correia é iminente.
d. Perda excessiva do revestimento cromado (veja o • Cordas de tensão expostas no lado interno (a parte den-
próximo passo). tada) da correia (normalmente cobertas por uma camada
de náilon e outra de polietileno). Esta condição resultará
2. Para verificar se o revestimento cromado ficou desgas-
em ruptura da correia e indica que os dentes da roda
tado, passe um riscador ou uma faca com ponta afiada
dentada da transmissão estão desgastados. Substitua a
no fundo de um sulco (2) (entre dois dentes) com pressão
correia e a roda dentada da transmissão.
média.
a. Se o riscador ou a ponta da faca deslizar pelo sulco • Sinais de uma punção ou rachaduras na base dos dentes
sem deixar uma marca visível, o revestimento cro- da correia. Substitua a correia caso uma dessas condições
mado ainda está bom. exista.

b. Se o riscador ou faca cavar e deixar uma marca • Substitua a correia caso condições 2, 3, 6 ou 7 (na borda
visível, está cortando o alumínio nu. A ponta de uma da correia) existirem.
faca não penetraria o revestimento cromado.
NOTA
3. Substitua a roda dentada traseira caso haja danos aos A condição 1 pode se transformar na condição 2 ou 3 com o
dentes ou perda do revestimento cromado. passar do tempo. A presença da condição 1 não exige substi-
tuição da correia, mas deve ser vigiada com cuidado antes
que a condição 2 ocorra, pois ela exige substituição da correia.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-33


PÁGINA INICIAL

sm01390

1 2

3 4

5 6

Pedra
Seção transversal da correia
Lado da roda dentada
da correia

7 8

Figura 1-21. Padrões de desgaste da correia da transmissão

Tabela 1-11. Análise do desgaste da correia da transmissão

PADRÃO CONDIÇÃO AÇÃO NECESSÁRIA


1 Rachaduras no lado interno nos dentes (finas) OK, mas monitore a condição da correia.
2 Rachaduras no lado externo dos dentes Substitua a correia.
3 Dentes faltando Substitua a correia.
4 Falhas (não sérias) OK, mas monitore a condição da correia.
5 Corda com fiapos na borda OK, mas monitore a condição da correia.
6 Desgaste tipo gancho Substitua a correia e a roda dentada.
7 Danos causados por uma pedra Substitua a correia se o dano for próximo à borda.
8 Desgaste tipo bisel (na beira externa apenas) OK, mas monitore a condição da correia.

VERIFICAÇÃO DA FLEXÃO DA CORREIA Sempre use o INDICADOR DA TENSÃO DA CORREIA (peça


N.o HD-35381-A) para determinar a força da flexão de 4,5 kg
PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA (10 lb). Correias frouxas falharão devido ao fenômeno de
oscilação (salto de um dente), resultando em ondulação do
HD-35381-A INDICADOR DA TENSÃO DA COR- cordão de tensão e sua ruptura.
REIA
Verifique a flexão da correia de acionamento:
NOTA • Como parte da inspeção antes de dirigir.
Não confie em “impressões” para obter a flexão correta, porque • A cada intervalo de serviço agendado.
isto normalmente resulta em tensão insuficiente das correias.

1-34 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

Ao verificar a flexão da correia:


sm02452
• Ajuste a tensão da correia no ponto mais frouxo da correia.
• Execute o procedimento com a motocicleta fria.

NOTA
Os clientes podem adquirir o indicador de tensão da correia 6
em um concessionário autorizado Harley-Davidson. 4
5
1. Veja Figura 1-22. Obtenha o INDICADOR DA TENSÃO 1
DA CORREIA (peça N.o HD-35381-A). 3
2. Para usar o indicador de tensão da correia: 2
a. Deslize o anel de vedação “o-ring” (4) na direção da
marca 0 kg (0 lb) (3). 0 10

b. Veja Figura 1-23. Instale o suporte da correia (2)


contra a parte inferior da correia de acionamento na
metade entre as polias de acionamento.
1. Indicador da tensão da correia
c. Pressione o botão (6) para cima até que o anel de
2. Suporte da correia
vedação “o-ring” deslize para baixo até a marca de 3. Marca 0 kg (0 lb)
4,5 kg (10 lb) (5). 4. Anel de vedação “o-ring”
5. Marca 4,5 kg (10 lb)
3. Veja Figura 1-23. Verifique a flexão da correia de aciona- 6. Botão
mento. Aplique 4,5 kg (10 lb) de força na direção do ponto
1. Figura 1-22. Indicador da tensão da correia

4. Veja Tabela 1-12. Compare a flexão da correia de aciona-


mento com as especificações listadas na tabela.
sm01833

Tabela 1-12. Flexão da correia de acionamento

VEÍCULO FXS, FLSTN e TODOS OS


FLSTFB (Lo) MODELOS,
EXCETO FXS,
FLSTN E FLSTFB
(Lo)
Com a motocicleta 6,4 a 7,9 mm 14,3 a 15,9 mm
1
no cavalete lateral (1/4 a 5/16 pol.) (9/16 a 5/8 pol.) 2
sem motociclista ou
bagagem.
1. 4,5 kg (10 lb) de força
Veículo em posição 7,9 a 9,5 mm 17,5 a 19,1 mm 2. Quantidade de flexão
vertical com a roda (5/16 a 3/8 pol.) (11/16 a 3/4 pol.)
traseira no ar Figura 1-23. Verificação da flexão da correia

AJUSTE DA FLEXÃO DA CORREIA


PARAFUSO VALOR TORQUE
Porca do eixo traseiro 128,8 a 95 a 105 lb·pé
142,4 N·m

1. Veja Figura 1-24. Remova o anel elástico (1). Afrouxe a


porca do eixo traseiro (2).
2. Ajuste a tensão da correia girando os ajustadores do eixo
(3) com o mesmo número de voltas para manter a roda
alinhada até que a especificação da Tabela 1-12 seja
alcançada.
3. Aperte a porca do eixo (2) com torque de 128,8 a
142,4 N·m (95 a 105 lb·pé).
4. Instale o anel elástico.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-35


PÁGINA INICIAL

5. Verifique o alinhamento da roda traseira. Veja 2.10 ALI-


sm02594a
NHAMENTO DO VEÍCULO.

Verifique a folga axial do rolamento da roda após apertar


a porca do eixo para o torque especificado. Folga axial
excessiva pode prejudicar a estabilidade e manuseio e
pode causar perda de controle, o que pode resultar em
morte ou lesões graves. (00285b) 1
6. Verifique a folga axial do rolamento da roda. Veja 3
2.8 ROLAMENTOS DA RODA COM VEDAÇÃO, Inspeção.
2

1. Anel elástico
2. Porca do eixo
3. Ajustador do eixo

Figura 1-24. Ajustadores do eixo

1-36 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

CABOS DO ACELERADOR 1.13


LUBRIFICAÇÃO, INSPEÇÃO E AJUSTE DO 3. Recue a contraporca (3) do ajustador do cabo até que
pare. Gire o regulador do cabo no sentido horário até que
CABO faça contato com a contraporca. Repita o procedimento
no ajustador do cabo da marcha lenta.
PARAFUSO VALOR TORQUE
4. Veja Figura 1-26. Endireite a roda dianteira para a frente.
Parafuso da estrutura dos 4,0 a 5,1 N·m 35 a
Gire suavemente a manopla do acelerador de modo que
interruptores do guidom 45 lb·pol.
o acelerador fique totalmente aberto (totalmente no sentido
anti-horário) e, em seguida, mantenha-a nessa posição.
Lubrificação e inspeção Agora, gire o regulador do cabo do acelerador no sentido
1. Veja Figura 1-25. Remova dois parafusos (1) para separar anti-horário até que o excêntrico do acelerador (2) toque
o alojamento superior do alojamento do guidom. de leve o encosto do excêntrico (5) no módulo de indução.

2. Desenganche cada virola e cabo da manopla do acele- 5. Solte a manopla do acelerador, gire o regulador do cabo
rador e remova a luva do acelerador. do acelerador no sentido anti-horário mais 1/2 a 1 volta
completa e, em seguida, aperte a contraporca contra o
3. Aplique uma camada fina de grafite ao guidom e substitua ajustador do cabo. Cubra o mecanismo do regulador do
a manopla do acelerador. cabo com o protetor de borracha.
4. Coloque uma ou duas gotas de HARLEY LUBE no aloja- 6. Gire a roda dianteira totalmente para a direita. Gire o
mento de cada cabo. regulador do cabo da marcha lenta no sentido anti-horário
5. Ao montar o alojamento do guidom, aperte ambos os até que o estrutura do cabo (4) toque de leve a mola (6)
parafusos (1) com torque de 4,0 a 5,1 N·m (35 a da guia do cabo (como visto através da fenda).
45 lb·pol.). 7. Opere a manopla do acelerador para verificar se o cabo
do acelerador volta à posição de marcha lenta ao ser
Ajuste solto. Se o cabo não voltar à marcha lenta, gire o regu-
O controle do acelerador deve funcionar livremente, sem lador do cabo ligeiramente no sentido horário até obter a
emperrar. Com o parafuso de ajuste do atrito da aceleração resposta correta.
recuado, a manopla do acelerador deve voltar livremente à
posição fechada (marcha lenta). O controle do acelerador 8. Aperte a contraporca contra o ajustador do cabo e cubra
também deverá abrir e fechar de modo livre quando a roda o mecanismo do ajustador do cabo com o protetor de
dianteira for girada totalmente para a direita e a esquerda. Se borracha.
a manopla do acelerador não voltar livremente à posição de
marcha lenta, verifique a tensão do parafuso de ajuste do atrito sm02225
da aceleração. Se o parafuso de ajuste estiver recuado, inspe-
cione os cabos em relação a pequenas dobras.

Antes de dar partida no motor, certifique-se de que o


controle do acelerador volte para a posição de marcha 2
lenta quando liberado. Um controle do acelerador que 3
impeça o motor de retornar automaticamente à marcha
lenta poderá levar à perda de controle, o que poderá 1
resultar em morte ou lesões graves. (00390a)
4
1. Parafuso (2)
Não aperte demais o parafuso de ajuste do atrito da acele- 2. Ajustador do cabo do acelerador
ração a ponto do motor não retornar à marcha lenta auto- 3. Contraporca (2)
maticamente. O aperto excessivo pode provocar a perda 4. Ajustador do cabo da marcha lenta
de controle do veículo, o que poderá resultar em morte Figura 1-25. Ajustadores do cabo do acelerador
ou lesões graves. (00031b)
Ajuste os cabos do acelerador:
1. Veja Figura 1-25. Remova o protetor de borracha do
mecanismo do ajustador do cabo do acelerador (2).
2. Segurando o ajustador do cabo com uma chave de
3/8 pol., afrouxe a contraporca girando-a no sentido
horário.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-37


PÁGINA INICIAL

sm02226 3

4
6

5
2
1. Cabo do acelerador
2. Excêntricos do acelerador
3. Cabo da marcha lenta
4. Estrutura do cabo da marcha lenta
5. Encosto do excêntrico
6. Mola

Figura 1-26. Conexão do cabo do módulo de indução

1-38 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

LUBRIFICAÇÃO DO CABO E DO CHASSI 1.14


INFORMAÇÕES GERAIS Caso a motocicleta seja usada em estradas lamacentas ou
empoeiradas, limpe e lubrifique o cavalete com maior
Inspecione e lubrifique o seguinte nos intervalos de serviço freqüência.
agendados especificados na seção 1.5 PROGRAMAÇÃO DE
MANUTENÇÃO. CABOS E ALAVANCAS MANUAIS
• Alavanca manual do freio dianteiro Para os cabos do acelerador, veja 1.13 CABOS DO ACELE-
RADOR.
• Alavanca manual da embreagem
Use lubrificante HARLEY® LUBE para alavanca e cabo da
• Cabos do controle de aceleração
embreagem.
• Luva da manopla de controle do acelerador
Use a GRAXA PARA FREIO G40M no furo do pino da alavanca
• Cabo da embreagem do freio dianteiro e na extremidade do pistão que toca a ala-
vanca de freio.
• Articulação da alavanca do pedal de câmbio (se aplicável)
• Articulação da alavanca de freio traseiro CAVALETE LATERAL
• Rolamentos da coluna de direção Limpe e lubrifique o cavalete lateral. Para obter mais infor-
mações, veja 2.34 CAVALETE LATERAL.
• Cavalete lateral
ROLAMENTOS DA COLUNA DE DIREÇÃO
• Rolamento do eixo pivô do garfo traseiro e bucha
Lubrifique os rolamentos da coluna de direção com a GRAXA
ESPECIAL HARLEY-DAVIDSON. Veja 1.19 ROLAMENTOS
DA COLUNA DE DIREÇÃO.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-39


PÁGINA INICIAL

FREIOS 1.15
INSPEÇÃO DO FLUIDO PEDAL DO FREIO TRASEIRO
1. Posicione o veículo para inspeção. Altura do pedal
a. Freio dianteiro: Posicione o veículo sobre uma
O pedal do freio traseiro não é ajustável. Quando os compo-
superfície nivelada. Vire o guidom de forma que o
nentes do sistema de freios forem montados de modo apro-
cilindro-mestre do freio dianteiro fique aproximada-
priado, o pedal do freio estará ajustado corretamente.
mente no nível.
b. Freio traseiro: Peça a um assistente para manter o Lubrificação do pedal
veículo na posição vertical sobre uma superfície Veja Figura 1-28. O pedal do freio traseiro contém buchas sem
nivelada. graxa (4, 5). Substitua as buchas se estiverem desgastadas.

2. Veja Figura 1-27. Observe o visor do reservatório e veri- Coxim do pedal


fique a presença de fluido. O visor deverá aparecer escuro
Se o coxim da pastilha do pedal do freio (8) for substituído,
caso haja fluido.
deslize o coxim antigo para fora do pedal do freio (7) e, em
3. Se o visor não estiver escuro, verifique o sistema de freio seguida, deslize o novo coxim no pedal.
para vazamentos de fluido. Verifique se as pastilhas do
freio estão instaladas corretamente e se não estão gastas sm03054 8
além dos limites de desgaste de serviço. Execute quais-
quer reparos necessários. Veja 1.16 PASTILHAS DO 7
FREIO E DISCOS.
9
4. Remova a tampa e verifique o nível do fluido. Se
necessário, adicione FLUIDO DE FREIO HARLEY-
DAVIDSON DOT 4 ao reservatório. Recoloque a tampa. 6 10
Veja 2.15 SANGRAMENTO DOS FREIOS. 5 11
4
5. A alavanca manual do freio dianteiro e o pedal do freio
traseiro devem dar uma sensação de firmeza ao serem
3
aplicados. Se isto não ocorrer, sangre o sistema usando 2 12
somente FLUIDO DE FREIO HARLEY-DAVIDSON DOT 4.
Veja 2.15 SANGRAMENTO DOS FREIOS.
1

om01509
1
1. Parafuse com torque de 16,3 a 21,7 N·m (12 a 16 lb·pé)
2. Arruela
2 3. Anel de vedação “o-ring”
4. Bucha
5. Bucha
6. Anel de vedação “o-ring”
7. Pedal do freio
8. Coxim
9. Contrapino
10. Arruela
11. Vareta de compressão do cilindro-mestre
12. Pino de segurança

Figura 1-28. Pedal do freio traseiro (típico)


1. Visor, reservatório do cilindro-mestre dianteiro
2. Visor, reservatório do cilindro-mestre traseiro

Figura 1-27. Fluido de freio nos cilindros-mestres

1-40 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

PASTILHAS DO FREIO E DISCOS 1.16


INSPEÇÃO sm02217

Verifique os discos e as pastilhas do freio: 1


• A cada intervalo de serviço agendado.
• Sempre que os componentes forem removidos durante
procedimentos de serviço.

Pastilhas do freio
4
3
O contato direto do fluido de freio DOT 4 com os olhos
pode causar irritação. Evite o contato com os olhos. Em
caso de contato acidental com os olhos, lave abundante-
2
mente com água e procure auxílio médico. Ingerir grande 2
quantidade do fluido de freio DOT 4 pode causar distúrbios
digestivos. Se ingerido, procure auxílio médico. Utilize-o
em áreas bem arejadas. MANTENHA FORA DO ALCANCE
5
DE CRIANÇAS. (00240a)
3

O fluido de freio DOT 4 danificará superfícies pintadas e 4


o painel da carenagem se entrar em contato com estas
partes. Tenha sempre muito cuidado e proteja as superfí-
cies de derramamentos ao executar reparos no freio. A
falha em seguir este aviso poderá resultar em danos
cosméticos. (00239b)

Sempre substitua as pastilhas de freio em conjuntos


completos para uma operação correta e segura dos freios.
A operação inadequada dos freios poderá resultar em
morte ou lesões graves. (00111a) 1. Cáliper do freio dianteiro (visto por baixo)
2. Disco do freio
Veja Figura 1-29. Substitua as pastilhas do freio (3) caso o 3. Pastilhas do freio
material de atrito da pastilha do freio no cáliper dianteiro ou 4. Placa de apoio
traseiro tenha um desgaste de 1,02 mm (0,04 pol.) ou menos 5. Cáliper do freio traseiro (visto por cima)
acima da placa de apoio (4). Sempre substitua ambas as Figura 1-29. Inspeção das pastilhas do freio
pastilhas em um cáliper, como um conjunto. Veja 1.16 PASTI-
LHAS DO FREIO E DISCOS, Substituição da pastilha do freio.
Ao verificar as pastilhas do freio e discos, inspecione as man-
gueiras do freio quanto à orientação correta e quaisquer sinais
de danos.

Discos de freio
• A espessura mínima do disco do freio (2) está estampada
na lateral do disco.
• O desvio e distorção lateral máximo do rotor do freio é de
0,2 mm (0,008 pol.) quando medido perto do diâmetro
externo.
Substitua o disco caso esteja empenado ou escoriado demais.
Veja 2.4 RODA DIANTEIRA ou 2.5 RODA TRASEIRA.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-41


PÁGINA INICIAL

SUBSTITUIÇÃO DA PASTILHA DO FREIO em uma área não desgastada e em seguida na área com
sulcos ou desgastada. Se o desgaste for superior a
PARAFUSO VALOR TORQUE 0,38 mm (0,015 pol.), substitua o pino.

Pino da pastilha, cáliper tra- 9,0 a 80 a 9. Veja Figura 1-31. Inspecione a presilha de aperto. Subs-
seiro 13,6 N·m 120 lb·pol. titua-a se estiver danificada ou desgastada.
Parafusos do cáliper traseiro 21,7 a 16 a 20 lb·pé 10. Veja Figura 1-32. Inspecione a mola anti-vibração. Subs-
27,1 N·m titua-os se estiverem danificados ou desgastados.
Parafusos da tampa do reser- 0,7 a 0,9 N·m 6 a 8 lb·pol. 11. Veja Figura 1-33. Instale pastilhas do freio e pino de
vatório do cilindro-mestre: retenção novos. A lingüeta (1) deve se encaixar na pre-
Tampa dianteira silha (2) na estrutura do cáliper. Aperte o pino da pastilha
Parafuso de montagem do 38,0 a 28 a 38 lb·pé com torque de 9,0 a 13,6 N·m (80 a 120 lb·pol.).
cáliper de freio dianteiro 51,5 N·m 12. Veja Figura 1-30. Instale o cáliper. Aperte o parafuso de
Parafuso de montagem do 38,0 a 28 a 38 lb·pé montagem (1) e o pino deslizante (3) com torque de 21,7
cáliper de freio dianteiro 51,5 N·m a 27,1 N·m (16 a 20 lb·pé).
Parafuso da ponte/pino da 20,3 a 15 a 16 lb·pé 13. Se equipado com ABS, fixe o cabo do sensor de veloci-
pastilha do freio, cáliper dian- 22,6 N·m dade da roda na mangueira do freio traseiro com uma
teiro abraçadeira próximo do cáliper.
Parafusos da tampa do reser- 1,4 a 1,7 N·m 12 a
vatório do cilindro-mestre: 15 lb·pol.
Tampa dianteira
Após efetuar o serviço nos freios e antes de movimentar
a motocicleta, bombeie os freios para acumular pressão
Cáliper do freio traseiro no sistema de freio. Pressão insuficiente poderá afetar
1. Remova o alforje do lado direito, se presente. desfavoravelmente o desempenho dos freios, o que poderá
resultar em morte ou lesões graves. (00279a)
2. Se equipado com ABS, remova a abraçadeira que fica o
cabo do sensor de velocidade da roda na mangueira do
freio traseiro no cáliper. SM03916a

3. Veja Figura 1-30. Afrouxe, mas não remova o pino da


pastilha (métrico) (2).
4. Remova o parafuso de montagem (1) e o pino deslizante
(3). Puxe o cáliper traseiro para fora do disco do freio. 2
5. Remova o pino da pastilha (2) e as pastilhas. 1
NOTA
O afrouxamento da tampa do reservatório permitirá a saída
do ar e ajudará a evitar contaminação. Isto também ajudará a
evitar o respingo do fluido para fora do reservatório caso os
pistões se retraiam rápido demais. 3
6. Afrouxe a tampa do reservatório do cilindro-mestre tra-
seiro.
NOTA
1. Parafuso de montagem
À medida que os pistões forem pressionados de volta para o
2. Pino da pastilha
cáliper, o nível do fluido poderá subir acima do nível recomen- 3. Pino deslizante
dado e que é de 6,35 ± 3,18 mm (1/4 ± 1/8 pol.) abaixo da
superfície da gaxeta. Poderá ser necessário remover fluido Figura 1-30. Cáliper do freio traseiro
para que se obtenha o nível recomendado.
7. Usando a pastilha do freio antiga e um prendedor “C”,
retraia totalmente os pistões no cáliper.

Sempre substitua as pastilhas de freio em conjuntos


completos para uma operação correta e segura dos freios.
A operação inadequada dos freios poderá resultar em
morte ou lesões graves. (00111a)
8. Inspecione o pino da pastilha para ver se há formação de
sulcos e desgaste. Meça o diâmetro do pino da pastilha

1-42 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

14. Bombeie o pedal do freio para mover os pistões para fora


sm04639a
até que as pastilhas do freio façam contato com o rotor.
15. Verifique o nível do fluido de freio no cilindro-mestre. Se
necessário, abasteça até o nível apropriado usando
FLUIDO DE FREIO DOT 4. Instale a tampa do reservatório
do cilindro-mestre. Aperte os parafusos da tampa do
reservatório com torque de 0,7 a 0,9 N·m (6 a 8 lb·pol.).
16. Instale o alforje direito, se necessário.

Após reparar o sistema de freio, teste os freios em baixa


velocidade. Se os freios não estiverem funcionando corre-
tamente, o teste feito em alta velocidade poderá causar
perda de controle, o que poderá resultar em morte ou
lesões graves. (00289a)
Figura 1-31. Presilha de aperto
17. Teste o sistema de freio.
a. LIGUE o interruptor da ignição. Bombeie o pedal do
sm04627a freio para verificar o funcionamento da lâmpada do
freio.
b. Faça um teste dirigindo a motocicleta. Se os freios
parecerem “esponjosos”, sangre o sistema. Veja
2.15 SANGRAMENTO DOS FREIOS.
2
NOTA
Evite fazer paradas bruscas nos primeiros 160 km (100 milhas).
1 Isto permitirá o acomodamento das novas pastilhas aos discos
do freio.

Cáliper do freio dianteiro


1. Veja Figura 1-34. Afrouxe, mas não remova o parafuso
da ponte do freio dianteiro/pino da pastilha (3) (métrico).
2. Remova ambos os parafusos de montagem do cáliper (1,
2) (métricos). Remova o cáliper dos garfos dianteiros e
do disco do freio.
1. Lingüetas de mola anti-vibração
2. Lingüeta interna da pastilha do freio NOTA
Figura 1-32. Mola anti-vibração As pastilhas de freio têm lingüetas que ficam presas nas molas
das pastilhas. Desencaixe as lingüetas das molas das pastilhas
à medida que você remove as pastilhas.

sm04625a 3. Remova o parafuso da ponte/pino da pastilha e remova


as pastilhas de freio.
NOTA
O afrouxamento da tampa do reservatório permitirá a saída
1 do ar e ajudará a evitar contaminação. Isto também ajudará a
evitar o respingo do fluido para fora do reservatório caso os
pistões se retraiam rápido demais.
4. Afrouxe a tampa do reservatório do cilindro-mestre dian-
teiro.
NOTA
2 À medida que os pistões forem pressionados de volta para o
cáliper, o nível do fluido poderá subir acima do nível recomen-
dado, qual seja, 6,35 ± 3,18 mm (1/4 ± 1/8 pol.) abaixo da
superfície da gaxeta. Poderá ser necessário remover fluido
1. Lingüeta da pastilha do freio para que se obtenha o nível recomendado.
2. Presilha de aperto
5. Usando a pastilha do freio antiga e um prendedor “C”,
Figura 1-33. Instalação da pastilha do freio traseiro retraia totalmente os pistões no cáliper.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-43


PÁGINA INICIAL

6. Inspecione o parafuso da ponte do freio dianteiro/pino da do cilindro-mestre. Aperte os parafusos da tampa do


pastilha em relação à formação de sulcos e desgaste. reservatório com torque de 1,4 a 1,7 N·m (12 a 15 lb·pol.).
Meça o diâmetro do pino da pastilha em uma área não
desgastada e em seguida na área com sulcos ou desgas-
tada. Se o desgaste for superior a 0,38 mm (0,015 pol.),
substitua o pino da pastilha. Após reparar o sistema de freio, teste os freios em baixa
velocidade. Se os freios não estiverem funcionando corre-
tamente, o teste feito em alta velocidade poderá causar
perda de controle, o que poderá resultar em morte ou
Sempre substitua as pastilhas de freio em conjuntos lesões graves. (00289a)
completos para uma operação correta e segura dos freios.
12. Teste o sistema de freio.
A operação inadequada dos freios poderá resultar em
morte ou lesões graves. (00111a) a. LIGUE o interruptor da ignição. Acione a alavanca
manual do freio para verificar o funcionamento da
NOTAS lâmpada do freio.
• Veja Figura 1-35. Certifique-se que as lingüetas de mola
da pastilha (1) na pastilha do freio se encaixam nas molas b. Faça um teste dirigindo a motocicleta. Se os freios
das pastilhas nos pistões. parecerem “esponjosos”, sangre o sistema. Veja
2.15 SANGRAMENTO DOS FREIOS.
• Se a lingüeta indicadora de direção (2) não ficar voltada
para baixo quando o cáliper for instalado, poderá ocorrer NOTA
ruído no freio.
Evite fazer paradas bruscas nos primeiros 160 km (100 milhas).
• Veja Figura 1-36. Devem ser usadas as pastilhas do freio Isto permitirá o acomodamento das novas pastilhas aos discos
dianteiro com uma marca branca em cada pastilha. Essas do freio.
pastilhas de freio têm um coxim isolador instalado na parte
traseira da pastilha. sm04574a

7. Instale as novas pastilhas no cáliper. A lingüeta direcional


(2) deverá ficar voltada para baixo quando o cáliper for
1
instalado.
8. Instale o parafuso da ponte/pino da pastilha central sem
apertar totalmente. 2
9. Instale o cáliper no garfo dianteiro.
a. Veja Figura 1-34. Coloque o cáliper sobre o disco de
freio com a válvula de sangria virada para cima.
b. Se equipado com ABS, coloque o retentor do cabo
do sensor de velocidade da roda na posição ade-
3
quada.
c. Instale o parafuso de montagem comprido (1) 1. Parafuso de montagem comprido (métrico)
(métrico) sem apertar no furo superior na perna do 2. Parafuso de montagem curto (métrico)
garfo. 3. Pino da pastilha (métrico)
d. Coloque o parafuso de montagem curto (2) (métrico) Figura 1-34. Cáliper do freio dianteiro (lado esquerdo
no furo inferior na perna do garfo. Aperte o parafuso mostrado)
de montagem inferior com torque de 38,0 a 51,5 N·m
(28 a 38 lb·pé).
e. Dê um aperto final no parafuso de montagem superior
com torque de 38,0 a 51,5 N·m (28 a 38 lb·pé).
f. Dê o aperto final no parafuso da ponte/pino da pas-
tilha central (3) com torque de 20,3 a 22,6 N·m (15 a
16 lb·pé).

10. Bombeie a alavanca manual do freio para mover os


pistões para fora até que façam contato com ambas as
pastilhas do freio. Verifique a localização do pistão contra
as pastilhas. Se a roda dianteira estiver acima do chão,
gire a roda para verificar se há resistência excessiva da
pastilha do freio.
11. Verifique o nível do fluido de freio no cilindro-mestre. Se
necessário, abasteça até o nível apropriado usando
FLUIDO DE FREIO DOT 4. Instale a tampa do reservatório

1-44 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

sm04031b sm06990a

1 1

2
3
Figura 1-36. Indicações da pastilha dianteira nos modelos
Softail
1. Lingüetas de mola da pastilha
2. Lingüeta indicadora de direção
3. Pastilha do freio dianteiro

Figura 1-35. Pastilhas do freio dianteiro

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-45


PÁGINA INICIAL

VELAS DE IGNIÇÃO 1.17


INSPEÇÃO 4. Se as velas precisarem de limpeza entre intervalos de
manutenção agendada, faça o seguinte:
PARAFUSO VALOR TORQUE a. Remova o óleo da extremidade da vela de ignição
Vela de ignição 16,3 a 12 a 18 lb·pé utilizando LIMPADOR DE CONTATOS ELÉTRICOS.
24,4 N·m Seque a vela com ar comprimido.
b. Utilize uma lixa pequena para achatar os eletrodos
da vela de ignição. Uma vela de ignição com bordas
afiadas nos eletrodos exige 25 a 40% menos tensão
de ignição que uma com eletrodos com bordas arre-
A desconexão do cabo da vela de ignição com o motor
dondadas.
funcionando poderá causar choque elétrico e morte ou
lesões graves. (00464b) c. Se não for possível limpar as velas de ignição, subs-
1. Depois que o motor resfriar até a temperatura ambiente, titua-as por velas novas.
desconecte os cabos de ambas as velas de ignição.
5. Verifique a lacuna entre os eletrodos com um calibre de
2. Remova as velas de ignição. Se uma vela tiver eletrodos lâmina. Dobre a parte externa do eletrodo para que se
gastos, depósitos pesados ou um isolador trincado, des- sinta apenas um pouco de resistência quando o calibrador
carte-a. é passado entre os eletrodos. A medida correta para a
lacuna entre os eletrodos é de 0,97 a 1,09 mm (0,038 a
3. Veja Figura 1-37. Compare suas observações dos depó- 0,043 pol.).
sitos na vela com as descrições fornecidas abaixo.
a. Um depósito úmido, preto e brilhante na base da vela, 6. Verifique a condição das roscas no cabeçote do cilindro
nos eletrodos e no pé do isolador cerâmico indica e na vela. Caso seja necessário remover depósitos,
uma vela suja de óleo. A condição pode ter sido aplique óleo penetrante e limpe com um pente de abrir
causada por um ou mais dos seguintes problemas: roscas.
Pistões, anéis de pistão, válvulas, guias de válvula, 7. Aplique o produto ANTI-ENGRIPANTE LOCTITE na rosca
ou vedações de válvulas desgastados, uma bateria da vela de ignição. Instale e aperte com torque de 16,3 a
fraca ou um sistema de ignição com falha. 24,4 N·m (12 a 18 lb·pé).
b. Um depósito preto seco, fofo ou fuliginoso indica que 8. Conecte os cabos das velas de ignição. O cabo da vela
a mistura ar-combustível está rica demais. do cilindro traseiro se conecta ao terminal superior da
c. Um depósito marrom claro e vítreo indica uma vela bobina. Verifique se os cabos estão conectados de
superaquecida. Essa condição pode ser acompa- maneira segura à bobina e às velas de ignição.
nhada por rachaduras no isolador ou por erosão dos
eletrodos e é causada por uma mistura ar-combustível sm01640
pobre demais, um motor superaquecido, válvulas não
assentadas corretamente ou regulagem da ignição
incorreta. O depósito vítreo na vela de ignição é
condutor quando quente e pode resultar em uma
falha a altas velocidades. Uma vela com eletrodos
erodidos, depósitos pesados ou um isolador trincado
deve ser substituída.
d. Uma vela com um depósito de pó branco, amarelo,
castanho-amarelado ou marrom-ferrugem indica
combustão equilibrada. Limpe os depósitos da vela
de ignição a intervalos regulares.

O ar comprimido pode perfurar a pele e os detritos


lançados pelo ar comprimido podem causar lesões graves
nos olhos. Use óculos de proteção ao trabalhar com ar
comprimido. Nunca use a sua mão para verificar vaza-
mentos de ar ou para determinar a porcentagem do fluxo
de ar. (00061a)

Figura 1-37. Depósitos típicos na vela de ignição

1-46 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

INSPEÇÃO DOS CABOS DAS VELAS DE sm02659a


IGNIÇÃO 4
1 3
1. Inspecione os cabos das velas de ignição. Substitua os
cabos que estiverem desgastados ou danificados.
a. Verifique se há rachaduras ou terminais soltos.
b. Verifique se há folga na bobina da ignição e nas velas 2
de ignição.

2. Verifique se os protetores/tampas dos cabos têm racha-


duras ou estão rasgados. Substitua os protetores/tampas
que estiverem desgastados ou danificados.
3. Veja Figura 1-38. Verifique a resistência do cabo da vela
de ignição com um ohmímetro. Substitua cabos que não
1. Fio positivo do ohmímetro
satisfaçam as especificações de resistência. Veja 2. Fio negativo do ohmímetro
Tabela 1-13. 3. Cabo da vela de ignição
4. Ohmímetro
Tabela 1-13. Valores de resistência do cabo da vela de Figura 1-38. Teste de resistência
ignição

Descrição Comprimento Valores de


mm pol. resistência
(ohm)
Todos, exceto o FXS: 483 19,00 4750-12.675
Cabo dianteiro
Todos, exceto o FXS: 165 6,50 1625-4350
Cabo traseiro
FXS: Ambos os 184 7,25 1813-4833
cabos

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-47


PÁGINA INICIAL

AJUSTES DA SUSPENSÃO 1.18


AMORTECEDORES Ajuste
NOTAS
PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA
• Ajuste os amortecedores com a motocicleta apoiada no
94448-82B CHAVE DE BOCA DE AJUSTE DO cavalete lateral.
AMORTECEDOR
• Ajuste os dois amortecedores com o mesmo número de
espiras.
Calcular número de espiras
1. Veja Figura 1-39. Segure o eixo do amortecedor com uma
Os modelos Softail têm amortecedores traseiros ajustáveis
chave de boca nas faces planas e solte a contraporca (2).
que ficam na parte de baixo da motocicleta. A pré-carga da
mola do amortecedor traseiro é ajustada em relação à carga 2. Use as alças da CHAVE DE BOCA DE AJUSTE DO
total ou pode variar de acordo com o conforto que você deseja. AMORTECEDOR (peça N.o 94448-82B) nos furos do
cartucho do amortecedor traseiro (1) para girá-lo no sen-
1. Identifique o número de espiras de pré-carga em função
tido horário até parar. Esta é a posição mínima da pré-
do peso do motociclista.
carga.
• FLSTC, FLSTF e FXST: Veja Tabela 1-14.
3. Faça uma marca de referência na frente do alojamento
• FXS, FLSTFB e FLSTN: Veja Tabela 1-15. da mola.
2. Calcule o número de espiras para o passageiro e carga 4. Gire o alojamento da mola no sentido anti-horário dando
em questão. o número de voltas calculadas em função da carga total.
3. Some o número de espiras para o motociclista com o 5. Aperte a contraporca.
número de espiras adicionais necessárias para o peso
total do passageiro e/ou carga em questão.
sm03080

Tabela 1-14. Pré-carga do amortecedor: FLSTC, FLSTF e


FXST

PESO DO MOTOCICLISTA* ESPIRAS** 1


Inferior a 75 kg (165 lb) 0
75 a 100 kg (165 a 220 lb) 1 2
100 a 125 kg (220 a 275 lb) 2
175 a 152 kg (275 a 335 lb) 3
152 a 179 kg (335 a 395 lb) 4
179 kg (395 lb) até o peso máximo adicionado 5
permitido (veja Tabela 2-4 e Tabela 2-5)
*Passageiro/carga: Para cada 18,1 kg (40 lb) aumente uma 3
espira de pré-carga.
**Espiras fora (sentido anti-horário) da pré-carga mínima. 1. Cartucho do amortecedor traseiro
2. Contraporca
3. Placa de ajuste da mola
Tabela 1-15. Pré-carga do amortecedor: FXS, FLSTFB e
FLSTN Figura 1-39. Ajuste do amortecedor traseiro

PESO DO MOTOCICLISTA* ESPIRAS**


Inferior a 84 kg (185 lb) 0
84 a 107 kg (185 a 235 lb) 1
100 a 129 kg (235 a 285 lb) 2
129 a 154 kg (285 a 340 lb) 3
154 kg (340 lb) até o peso máximo adicionado 4
permitido (veja Tabela 2-4 e Tabela 2-5)
*Passageiro/carga: Para cada 15,8 kg (35 lb) aumente uma
espira de pré-carga.
**Espiras fora (sentido anti-horário) da pré-carga mínima.

1-48 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

ROLAMENTOS DA COLUNA DE DIREÇÃO 1.19


AJUSTE: FLSTC, FLSTF/B, FLSTN 6. Verifique a tensão do rolamento da coluna de direção.
a. Gire a extremidade dianteira três vezes de um lado
PARAFUSO VALOR TORQUE para outro do guidom. Centralize a extremidade
Parafuso de aperto do tubo de 33,9 a 25 a 30 lb·pé dianteira movendo o guidom da esquerda até o
direção superior 40,7 N·m centro.

Parafusos de aperto do tubo 74,6 a 55 a 60 lb·pé b. Bata levemente no pára-lama do lado direito na
de direção inferior: FLSTC, 81,4 N·m direção do batente esquerdo da direção até que a
FLSTF/B, FLSTN extremidade dianteira comece a se inclinar sozinha.
Marque este ponto no material de marcação.
Parafuso de aperto do tubo de 33,9 a 25 a 30 lb·pé
direção superior 40,7 N·m c. Gire a extremidade dianteira três vezes de um lado
para outro do guidom. Centralize a extremidade
Parafuso de aperto do tubo de 74,6 a 55 a 60 lb·pé
dianteira movendo o guidom da direita até o centro.
direção inferior 81,4 N·m
d. Repita os passos até que os pontos sejam cons-
Ajuste do rolamento (inclinação) tantes.

1. Apóie a motocicleta em posição vertical de modo que a e. Meça a distância entre as duas marcas. Essa é a
extremidade dianteira fique completamente suspensa e medida da inclinação.
o veículo fique em nível.
7. A distância entre as duas marcas da inclinação deve ficar
2. Remova todo o peso dos acessórios, como o pára-brisa, entre 25,4 a 50,8 mm (1,0 a 2,0 pol.).
e que possam influenciar a maneira como a extremidade a. Caso a distância seja superior a 50,8 mm (2,0 pol.),
dianteira oscila. Se o cabo da embreagem estiver orien- continue no passo 7.
tado de modo que ele puxe a extremidade dianteira para
um lado ou para o outro, desconecte-o. b. Se inferior a 25,4 mm (1,0 pol.), continue no passo
8.
sm07287
8. A distância é superior a 50,8 mm (2,0 pol.).
a. Veja Figura 1-41. Afrouxe o parafuso de aperto do
tubo de direção superior (4).
b. Afrouxe os parafusos de aperto do tubo de direção
inferior.
c. Afrouxe ligeiramente o parafuso do tubo de direção
(2).
d. Aperte o parafuso de aperto do tubo de direção
superior com torque de 33,9 a 40,7 N·m (25 a
30 lb·pé).
e. Aperte o parafusos de aperto do tubo de direção
inferior com torque de 74,6 a 81,4 N·m (55 a
60 lb·pé).
f. Repita o procedimento para determinar se a incli-
nação está dentro das especificações.

9. A distância é inferior a 25,4 mm (1,0 pol.).


Figura 1-40. Tubulação do freio dianteiro com ABS a. Veja Figura 1-41. Afrouxe o parafuso de aperto (4).
b. Afrouxe os parafusos de aperto do tubo de direção
3. Veja Figura 1-40. Se os freios da moto forem equipados inferior.
com ABS, desconecte a tubulação do freio da coluna de
direção. c. Aperte ligeiramente o parafuso de aperto do tubo de
direção (2).
4. Coloque um material de marcação adequado, como uma
fita adesiva, sobre a ponta do pára-lama. d. Aperte o parafuso de aperto do tubo de direção
superior com torque de 33,9 a 40,7 N·m (25 a
5. Instale um apontador de forma que a base fique esta- 30 lb·pé).
cionária no solo e o apontador indique o centro do pára-
lama. O conjunto dianteiro deve estar posicionado reto e. Aperte os parafusos de aperto do tubo de direção
para frente, mas o ponto de equilíbrio pode ficar um pouco inferior com torque de 74,6 a 81,4 N·m (55 a
descentralizado. 60 lb·pé).

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-49


PÁGINA INICIAL

f. Repita o procedimento para determinar se a incli- AJUSTE: FXST E FXS


nação está dentro das especificações.
PARAFUSO VALOR TORQUE
NOTA
Porca do tubo de direção 94,9 a 70 a 80 lb·pé
Se parecer que o ajuste não teve efeito, verifique se os tubos 108,4 N·m
internos estão presos nos prendedores. Se necessário, bata
nos tubos com um martelo de borracha para liberá-los. Teste Parafusos de aperto do 74,6 a 55 a 60 lb·pé
novamente a tensão do rolamento da coluna de direção depois suporte do garfo inferior: 81,4 N·m
de liberar os garfos. FXST
Porca do tubo de direção 94,9 a 70 a 80 lb·pé
sm03245
1 6 108,4 N·m
Parafusos de aperto do 16,3 a 144 a
2 7
suporte do garfo inferior: FXS 21,7 N·m 192 lb·pol.
4 3 8 Porca do tubo de direção 94,9 a 70 a 80 lb·pé
108,4 N·m
9
Parafusos de aperto do 74,6 a 55 a 60 lb·pé
suporte do garfo inferior: 81,4 N·m
10
5 FXST
11 Porca do tubo de direção 94,9 a 70 a 80 lb·pé
108,4 N·m
Parafusos de aperto do 16,3 a 144 a
12 suporte do garfo inferior: FXS 21,7 N·m 192 lb·pol.

Ajuste do rolamento (inclinação)


1. Apóie a motocicleta em posição vertical de modo que a
extremidade dianteira fique completamente suspensa e
o veículo fique em nível.
1. Capa do tubo de direção
2. Parafuso do tubo de direção
2. Remova todo o peso dos acessórios, como o pára-brisa,
3. Arruela e que possam influenciar a maneira como a extremidade
4. Parafuso de aperto dianteira oscila. Se o cabo da embreagem estiver orien-
5. Suporte superior tado de modo que ele puxe a extremidade dianteira para
6. Protetor contra poeira superior um lado ou para o outro, desconecte-o.
7. Rolamento superior
8. Sede do rolamento superior 3. Se os freios da moto forem equipados com ABS, desco-
9. Sede do rolamento inferior necte a tubulação do freio da coluna de direção.
10. Rolamento inferior
4. Coloque um material de marcação adequado, como uma
11. Protetor contra poeira inferior
12. Suporte do tubo de direção
fita adesiva, sobre a ponta do pára-lama.

Figura 1-41. Coluna de direção: FLSTC, FLSTF/B, FLSTN 5. Instale um apontador de forma que a base fique esta-
cionária no solo e o apontador indique o centro do pára-
lama. O conjunto dianteiro deve estar posicionado reto
para frente, mas o ponto de equilíbrio pode ficar um pouco
descentralizado.
6. Verifique a tensão do rolamento da coluna de direção.
a. Gire três vezes a direção de um lado para outro e,
em seguida, centralize a extremidade dianteira.
b. Bata levemente em um lado do pára-lama até que a
extremidade dianteira comece a se “inclinar” sozinha.
Marque este ponto no material de marcação.
c. Repita o passo anterior para a direção oposta.
d. Repita até que as marcas fiquem constantes. Se as
marcas variarem, use a média.
e. Meça a distância entre as marcas.

7. A distância entre as marcas de “inclinação” deve ficar


entre 25,4 a 50,8 mm (1,0 a 2,0 pol.). Se a inclinação não

1-50 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

estiver dentro das especificações, consulte os próximos 11. FXS: Caso a distância seja inferior a 25,4 mm (1,0 pol.).
passos. a. Remova o velocímetro, mas não desconecte a fiação
8. FXST: Caso a distância seja superior a 50,8 mm (2,0 pol.). do mesmo. Veja 7.27 VELOCÍMETRO: FXS.
a. Veja Figura 1-42. Afrouxe os parafusos de aperto do b. Proteja e afixe o velocímetro.
suporte superior do tubo de direção.
c. Veja Figura 1-43. Afrouxe os parafusos de aperto do
b. Afrouxe os parafusos de aperto do tubo de direção tubo de direção inferior (13).
inferior.
d. Afrouxe a porca do tubo de direção (1).
c. Afrouxe a porca do tubo de direção (2).
e. Aperte ligeiramente a porca de ajuste do rolamento
d. Afrouxe ligeiramente a porca de ajuste do rolamento (5).
(6).
f. Aperte a porca do tubo de direção com torque de
e. Aperte a porca do tubo de direção com torque de 94,9 a 108,4 N·m (70 a 80 lb·pé).
94,9 a 108,4 N·m (70 a 80 lb·pé).
g. Aperte os parafusos de aperto do suporte do garfo
f. Aperte o parafusos de aperto do suporte do garfo inferior com torque de 16,3 a 21,7 N·m (144 a
inferior com torque de 74,6 a 81,4 N·m (55 a 192 lb·pol.).
60 lb·pé).
h. Instale o velocímetro. Veja 7.27 VELOCÍMETRO:
g. Repita o procedimento para determinar se a incli- FXS.
nação está dentro das especificações.
i. Repita o procedimento para determinar se a incli-
9. FXS: Caso a distância seja superior a 50,8 mm (2,0 pol.). nação está dentro das especificações.
a. Remova o velocímetro, mas não desconecte a fiação
NOTA
do mesmo. Veja 7.27 VELOCÍMETRO: FXS.
Se parecer que o ajuste não teve efeito, verifique se os tubos
b. Proteja e afixe o velocímetro. internos estão presos nos prendedores. Se necessário, bata
c. Veja Figura 1-43. Afrouxe os parafusos de aperto do nos tubos com um martelo de borracha para liberá-los. Teste
tubo de direção inferior (13). novamente a tensão do rolamento da coluna de direção depois
de liberar os garfos.
d. Afrouxe a porca do tubo de direção (1).
e. Afrouxe ligeiramente a porca de ajuste do rolamento
(5).
f. Aperte a porca do tubo de direção com torque de
94,9 a 108,4 N·m (70 a 80 lb·pé).
g. Aperte os parafusos de aperto do suporte do garfo
inferior com torque de 16,3 a 21,7 N·m (144 a
192 lb·pol.).
h. Instale o velocímetro. Veja 7.27 VELOCÍMETRO:
FXS.
i. Repita o procedimento para determinar se a incli-
nação está dentro das especificações.

10. FXST: Caso a distância seja inferior a 25,4 mm (1,0 pol.).


a. Veja Figura 1-42. Afrouxe os parafusos de aperto do
suporte superior do tubo de direção.
b. Afrouxe os parafusos de aperto do tubo de direção
inferior.
c. Afrouxe a porca do tubo de direção (2).
d. Aperte ligeiramente a porca de ajuste do rolamento
(6).
e. Aperte a porca do tubo de direção com torque de
94,9 a 108,4 N·m (70 a 80 lb·pé).
f. Aperte os parafusos de aperto do suporte do garfo
inferior com torque de 74,6 a 81,4 N·m (55 a
60 lb·pé).
g. Repita o procedimento para determinar se a incli-
nação está dentro das especificações.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-51


PÁGINA INICIAL

sm03246 sm07160
1 1
6
2 2
3 7
5
8 3
4 6
9
7
10 4
8
11
9
12
10

13 5 11

12

13

1. Capa do tubo de direção


2. Porca do tubo de direção
3. Arruela de pressão 1. Porca do tubo de direção
4. Suporte superior 2. Arruela
5. Parafuso de aperto 3. Parafusos de aperto do suporte superior (2)
6. Porca de ajuste 4. Suporte superior
7. Protetor contra poeira superior 5. Porca de ajuste
8. Rolamento superior 6. Protetor contra poeira superior
9. Sede do rolamento superior 7. Rolamento superior
10. Sede do rolamento inferior 8. Pista do rolamento superior
11. Rolamento inferior 9. Pista do rolamento inferior
12. Protetor contra poeira inferior 10. Rolamento inferior
13. Suporte do tubo de direção 11. Protetor contra poeira inferior
12. Tubo de direção e suporte
Figura 1-42. Coluna de direção: FXST 13. Parafusos de aperto do suporte inferior (4)

Figura 1-43. Coluna de direção: FXS

LUBRIFICAÇÃO
Veja Figura 1-44. Use a GRAXA PARA USOS ESPECIAIS em
cada intervalo de serviço de 16.000 km (10.000 mi). Encha a
graxeira no tubo da coluna de direção até que a graxa comece
a sair pelas partes superior e inferior da coluna de direção.

1-52 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

sm03087

Figura 1-44. Graxeira

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-53


PÁGINA INICIAL

ALINHAMENTO DO FAROL DIANTEIRO 1.20


ALINHAMENTO DO FAROL DIANTEIRO
om00124

4 5 2
O recurso de ligação automática do farol dianteiro propor-
ciona maior visibilidade do motociclista por parte de outros
motoristas. Esteja seguro de que o farol dianteiro esteja
sempre aceso. Uma baixa visibilidade do motociclista por
parte de outros motoristas poderá resultar em morte ou
lesões graves. (00030b)
1
NOTA 3
Ajuste os faróis dianteiros das motocicletas com feixe múltiplo
para convergerem com um padrão.
1. Certifique-se de que a calibragem dos pneus dianteiro e 1. Linha perpendicular
traseiro estejam corretas e de que a suspensão esteja 2. Linha vertical
ajustada ao peso do motociclista principal. Veja 3. 7,6 m (25 pés)
4. Linha central da lâmpada do farol alto
1.8 PNEUS E RODAS.
5. Linha horizontal 53,3 mm (2,1 pol.) mais baixa que a
2. Encha o tanque de combustível ou adicione lastros para linha central da lâmpada
igualar ao peso do combustível necessário. Figura 1-45. Alinhamento do farol dianteiro
NOTA
Veja Figura 1-45. Para auxiliar no posicionamento correto da AJUSTE DO FAROL DIANTEIRO
motocicleta, uma linha perpendicular (1) pode ser desenhada
no chão. Para melhores resultados, escolha uma área com PARAFUSO VALOR TORQUE
iluminação mínima.
Parafuso de ajuste horizontal 40,7 a 30 a 35 lb·pé
3. Desenhe uma linha vertical (2) na parede. do farol dianteiro 47,5 N·m
4. Posicione a motocicleta de forma que o eixo dianteiro Parafuso de ajuste vertical do 40,7 a 30 a 35 lb·pé
esteja a 7,6 m (25 pés) da parede. farol dianteiro: FXS 47,5 N·m
NOTA Parafuso de ajuste vertical do 47,5 a 35 a 45 lb·pé
Como o peso do motociclista irá comprimir ligeiramente a farol dianteiro: Todos, exceto 61,0 N·m
suspensão, peça a uma pessoa cujo peso seja próximo do FXS
peso do motociclista principal que sente na motocicleta.
1. Veja Figura 1-46. Afrouxe o parafuso de ajuste horizontal
5. Com o veículo carregado e em posição perpendicular,
(2). Incline o farol dianteiro para a esquerda ou para a
endireite a roda dianteira em relação à parede e meça a
direita para dirigir o feixe de luz direto para frente.
distância (4) a partir do chão até o centro da lâmpada de
FAROL ALTO. 2. Aperte o parafuso de ajuste horizontal (2) com torque de
40,7 a 47,5 N·m (30 a 35 lb·pé).
6. Desenhe uma linha horizontal (5) através da linha vertical
na parede que seja 53,3 mm (2,1 pol.) mais baixa que a 3. Afrouxe o parafuso de ajuste vertical (1). Incline o farol
linha central da lâmpada já medida. dianteiro para cima ou para baixo em relação à linha
horizontal da inspeção de alinhamento do farol dianteiro.
7. Verifique o alinhamento do farol dianteiro. Com a motoci-
cleta ligada, coloque o interruptor do farol dianteiro em 4. Aperte o parafuso de ajuste vertical (1) com torque de:
farol ALTO. a. FXS: 40,7 a 47,5 N·m (30 a 35 lb·pé).
a. O centro do ponto quente (área mais brilhante do
feixe de luz) deve estar centrado onde as duas linhas b. Todos, exceto FXS: 47,5 a 61,0 N·m (35 a 45 lb·pé).
cruzam.
b. Ajuste o alinhamento do farol dianteiro se necessário.

1-54 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

om01307

1. Parafuso de ajuste vertical


2. Parafuso de ajuste horizontal

Figura 1-46. Ajuste do farol dianteiro: FXST mostrado


(típico)

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-55


PÁGINA INICIAL

PARAFUSOS CRUCIAIS 1.21


INSPEÇÃO b. Caso o parafuso gire, remova-o para determinar se
há um agente trava-roscas.
Inspecione parafusos cruciais nos intervalos de serviço agen-
dados. Substitua quaisquer parafusos danificados ou ausentes. c. Caso um agente trava-roscas tenha sido aplicado,
limpe todo o material trava-roscas do furo rosqueado.
Verificação do torque nos parafusos Substitua o parafuso por um novo ou limpe a rosca
1. Tente apertar o parafuso com um torquímetro configurado do parafuso original e aplique o produto trava-roscas
para o torque mínimo especificado para aquele parafuso. apropriado (veja o procedimento apropriado).
Veja Tabela 1-16. d. Instale e aperte o parafuso de acordo com a especi-
a. Se o parafuso não girar, é porque o torque do para- ficação.
fuso foi alcançado. Nenhuma atenção adicional é
necessária neste momento. 2. Caso o parafuso não tenha um agente trava-roscas, ins-
tale-o e aperte-o com o torque especificado.

Tabela 1-16. Parafusos cruciais

SISTEMA PARAFUSO TORQUE


Controles manuais Parafusos das estruturas superior e inferior dos interrup- 3,9 a 5,1 N·m 35 a 45 lb·pol.
tores
Parafusos do prendedor da barra do guidom da alavanca 6,8 a 9,0 N·m 60 a 80 lb·pol.
da embreagem
Parafusos do prendedor da barra do guidom do cilindro- 6,8 a 9,0 N·m 60 a 80 lb·pol.
mestre
Freios Parafusos banjo (todos, exceto HCU traseira e dianteira) 23,1 a 29,9 N·m 17 a 22 lb·pé
Parafusos banjo (HCU dianteira e traseira) 13,6 a 16,3 N·m 120 a 144 lb·pol.
Parafusos de montagem do cáliper do freio dianteiro 38,0 a 51,5 N·m 28 a 38 lb·pé
Parafuso da ponte do freio dianteiro/pino da pastilha 20,3 a 22,6 N·m 15 a 16 lb·pé
Parafusos de montagem do cáliper do freio traseiro 13,6 a 18,9 N·m 120 a 168 lb·pol.
Pino da pastilha do freio traseiro 9,0 a 13,6 N·m 80 a 120 lb·pol.
Parafusos do disco do freio, dianteiro 21,7 a 32,5 N·m 16 a 24 lb·pé
Parafusos do disco do freio, traseiro 40,7 a 61,0 N·m 30 a 45 lb·pé
Parafusos da tampa do reservatório: Dianteira 1,4 a 1,7 N·m 12 a 15 lb·pol.
Parafusos da tampa do reservatório: Traseira 0,7 a 0,9 N·m 6 a 8 lb·pol.
Porca de montagem do cilindro-mestre traseiro 40,7 a 54,2 N·m 30 a 40 lb·pé
Porcas do eixo Eixo dianteiro 81,42 a 88,2 N·m 60 a 65 lb·pé
Eixo traseiro 128,1 a 95 a 105 lb·pé
142,4 N·m
Garfo dianteiro/guidom Parafusos de aperto do garfo inferior: Todos, exceto FXS 74,6 a 81,4 N·m 55 a 60 lb·pé
Parafusos de aperto do garfo inferior: FXS 16,3 a 21,7 N·m 144 a 192 lb·pol.
Parafusos de aperto do suporte superior: FLSTC, FLSTN, 33,9 a 40,7 N·m 25 a 30 lb·pé
FLSTF/B
Parafusos de montagem do prendedor do guidom 16,3 a 20,3 N·m 12 a 15 lb·pé
Parafusos do prendedor (suspensor) inferior 40,7 a 54,2 N·m 30 a 40 lb·pé

1-56 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

MANUTENÇÃO DA BATERIA 1.22


INFORMAÇÕES GERAIS prontas para funcionar. Não tente abrir estas baterias de forma
alguma.
NOTA
Para informações sobre o processo de carga, veja
As baterias contêm ácido sulfúrico, que pode causar
1.22 MANUTENÇÃO DA BATERIA, Carregando a bateria.
queimaduras graves nos olhos e pele. Use uma proteção
Para informações sobre testes, veja o Manual de diagnóstico
facial, luvas de borracha e roupas de proteção ao trabalhar
elétrico.
com baterias. MANTENHA AS BATERIAS LONGE DE
CRIANÇAS. (00063a)
om01163

Nunca remova o rótulo de atenção afixado em cima da


bateria. A falha em ler e compreender todas as precauções
contidas no aviso poderá resultar em morte ou lesões
graves. (00064a)

As baterias, os bornes da bateria, os terminais e os


acessórios relacionados contêm chumbo e componentes
de chumbo, e outros elementos químicos tidos pelo estado
da Califórnia como causadores de câncer e defeitos de
nascença, bem como outros danos na reprodução. Lave
bem as mãos após o manuseio. (00019e)
Todas as baterias AGM são permanentemente seladas, isentas
de manutenção, reguladas por válvula e contêm chumbo/cálcio
e ácido sulfúrico. As baterias são enviadas pré-carregadas,
Figura 1-47. Etiqueta de advertência da bateria

sm02241

1 2 3 4 5 6

1. O conteúdo é corrosivo 4. Mantenha longe de chamas


2. Use óculos de proteção 5. Leia as instruções
3. O conteúdo é explosivo 6. Mantenha longe de crianças

Figura 1-48. Etiqueta de advertência da bateria

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-57


PÁGINA INICIAL

diagnóstico elétrico para obter o procedimento de teste de


Tabela 1-17. Antídotos para ácido de bateria carga. Veja Tabela 1-18.
CONTATO TRATAMENTO
Tabela 1-18. Teste de voltímetro para condições de carga
Externo Lave com água.
da bateria
Interno Beba grandes quantidades de leite ou água,
seguido por leite de magnésia, óleo vegetal TENSÂO (OCV) SITUAÇÃO DA CARGA
ou ovos batidos. Procure auxílio médico ime- 12,7 V 100%
diatamente.
12,6 V 75%
Olhos Lave com água. Procure auxílio médico ime-
12,3 V 50%
diatamente.
12,0 V 25%
LIMPEZA E INSPEÇÃO 11,8 V 0%
1. A parte superior da bateria tem que estar limpa e seca. A
sujeira e o eletrólito em cima da bateria podem fazer com CARREGANDO A BATERIA
que ela se auto-descarregue. Limpe a parte de cima da
bateria com uma solução de bicarbonato de sódio e água
Precauções de segurança
(5 colheres de chá de bicarbonato de sódio por litro de Sempre examine as instruções do carregador antes de carregar
água). Quando a solução parar de borbulhar, enxágüe a uma bateria. Além das instruções do fabricante, siga as
bateria com água limpa. seguintes precauções gerais de segurança:
2. Limpe os conectores do cabo e os terminais da bateria • Sempre use a proteção para olhos, face e mãos.
com uma escova de aço ou lixa. Remova toda a oxidação. • Sempre carregue as baterias em área bem ventilada.
3. Inspecione parafusos, braçadeiras e cabos da bateria • Para evitar faíscas perigosas, desligue o carregador antes
quanto a rompimentos, conexões soltas e corrosão. Limpe de conectar ou desconectar os fios na bateria.
os prendedores.
• Nunca tente carregar uma bateria que esteja visivelmente
4. Verifique os bornes da bateria quanto a derretimento ou danificada ou congelada.
danos causados pelo aperto excessivo.
• Faça a conexão dos fios do carregador com a bateria: O
5. Inspecione a bateria quanto à descoloração, parte superior fio positivo vermelho (+) com o terminal positivo (+) e o
levantada ou caixa empenada ou destorcida. Isto pode fio negativo preto (-) com o terminal negativo (-). Se a
indicar que a bateria congelou, superaqueceu ou sobre- bateria ainda estiver no veículo, faça a conexão do fio
carregou. negativo com o terra do chassi. Certifique-se de que a
6. Inspecione a caixa da bateria quanto a rachaduras e ignição e todos os acessórios elétricos estejam desligados.
vazamentos. • Certifique-se de que os fios do carregador para a bateria
não estejam separados, desgastados ou soltos.
TESTE DE VOLTÍMETRO
• Caso a temperatura da bateria ultrapasse 43 °C (110 °F)
durante o processo de carga, desligue o carregador e
deixe a bateria esfriar.
As baterias contêm ácido sulfúrico, que pode causar
queimaduras graves nos olhos e pele. Use uma proteção
Utilização de um carregador de bateria
facial, luvas de borracha e roupas de proteção ao trabalhar Carregue a bateria se qualquer das seguintes condições estiver
com baterias. MANTENHA AS BATERIAS LONGE DE presente:
CRIANÇAS. (00063a)
• As luzes do veículo parecem fracas.
• O motor de partida está fraco.
• A bateria não foi usada por um período de tempo prolon-
Nunca remova o rótulo de atenção afixado em cima da
gado.
bateria. A falha em ler e compreender todas as precauções
contidas no aviso poderá resultar em morte ou lesões
graves. (00064a)

Teste de voltímetro O gás hidrogênio explosivo que escapa durante a carga


pode causar morte ou lesões graves. Carregue a bateria
O teste de voltímetro é um indicador geral da condição da em área bem ventilada. Mantenha sempre longe da bateria
bateria. Verifique a tensão da bateria para certificar-se de que as chamas abertas, as faíscas elétricas e os materiais que
ela esteja 100% carregada. Se a leitura da tensão do circuito produzam fumaça. MANTENHA AS BATERIAS LONGE DE
aberto (desligado) estiver abaixo de 12,6 V, carregue a bateria CRIANÇAS. (00065a)
e verifique novamente a tensão após a bateria ter assentado
por uma ou duas horas. Se a leitura da tensão for de 12,7 V
ou mais, efetue um teste de carga. Veja o Manual de

1-58 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

2. Conecte o fio vermelho do carregador de bateria no ter-


minal positivo (+) da bateria e o fio preto do carregador
no terminal negativo (-) da bateria.
Se a bateria deixar escapar uma quantidade excessiva de
gás durante o processo de carga, diminua a porcentagem NOTA
de carga. O superaquecimento pode acarretar distorção Se a bateria ainda estiver no veículo, faça a conexão do fio
da placa, curto-circuito interno, ressecamento e outros negativo com o terra do chassi. Certifique-se de que a ignição
danos. (00413b) e todos os acessórios elétricos estejam desligados.
1. Verifique a condição da carga com um voltímetro. Veja o 3. Fique afastado da bateria e ligue o carregador.
Manual de diagnóstico elétrico. Se a bateria precisar ser
carregada, siga para o próximo passo.

NOTAS Desconecte ou DESLIGUE o carregador de bateria antes


• O tempo de carga pode variar. Ao usar um carregador de desconectar os cabos do carregador da bateria. Desco-
automático apropriado, deixe-o determinar quando o pro- nectar os prendedores com o carregador LIGADO poderá
cesso de carga está completo. Veja Tabela 1-19. causar faíscas e uma explosão da bateria, o que poderá
resultar em morte ou lesões graves. (00067a)
• Não utilize carregadores de bateria que produzam tensão
excessivamente alta projetados para baterias tracionárias, 4. Depois que a bateria estiver completamente carregada,
ou que produzam corrente excessivamente altas por desligue o carregador. Desconecte o fio preto do carre-
serem projetados para baterias muito maiores. O processo gador da bateria do terminal negativo (-) da bateria.
de carga deverá ser limitado a não mais de 5 ampères a
5. Desconecte o fio vermelho do carregador da bateria do
não mais de 14,6 V.
terminal positivo (+) da bateria.
6. Marque na bateria a data em que foi carregada.

Desconecte ou DESLIGUE o carregador de bateria antes 7. Faça um teste de condutância ou de carga para deter-
de conectar os cabos do carregador na bateria. Conectar minar a condição da bateria. Veja o Manual de diagnóstico
os cabos com o carregador LIGADO poderá causar faíscas elétrico.
ou uma explosão da bateria, o que poderá resultar em 8. Caso esteja carregando uma bateria porque o teste com
morte ou lesões graves. (00066a) o voltímetro resultou em uma medida abaixo de 12,6 V,
faça um teste com o voltímetro novamente. Veja o Manual
de diagnóstico elétrico.

Não inverta as conexões do carregador descritas nos


passos seguintes, caso contrário o sistema de carga da
motocicleta poderá ser danificado. (00214a)

Tabela 1-19. Porcentagem e tempo do processo de carga da bateria de 19 Ah (aproximado)

LEITURA PORCENTAGEM CARREGADOR CARREGADOR CARREGADOR CARREGADOR


(VOLTS) DE CARGA DE 5 A DE 2 A DE 1,5 A DE 0,75 A
12,7 100 – – – –
12,6 75 2h 3 h 24 min 4 h 12 min 7 h 18 min
12,3 50 2 h 54 min 5 h 48 min 7 h 18 min 13 h 42 min
12,0 25 3 h 54 min 8 h 6 min 10 h 30 min 20 h
11,8 0 4 h 48 min 10 h 30 min 13 h 42 min 26 h 18 min

DESCONEXÃO E REMOÇÃO 3. Remova o cabo positivo (+) da bateria (vermelho) do ter-


minal positivo (+) da bateria.
4. Remova a bateria.

Faça a desconexão do cabo negativo (-) da bateria pri-


meiro. Se o cabo positivo (+) da bateria tiver contato com
o terra ou com o cabo negativo (-) conectado, as faíscas
resultantes podem causar uma explosão da bateria, o que
poderá resultar em morte ou lesões graves. (00049a)
1. Remova o assento.
2. Veja Figura 1-49. Remova o cabo negativo da bateria
(preto) do terminal negativo (-) da bateria.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-59


PÁGINA INICIAL

sm03813c NOTAS
• O CARREGADOR DE BATERIA GLOBAL (peça
1 N.o 99863-01A) pode ser usado para manter a carga da
bateria por períodos de tempo prolongados sem correr o
risco de sobrecarga ou ebulição.
• Antes de usar uma bateria que estava armazenada, veja
o Manual de diagnóstico elétrico.
2
sm02838

1 25 °C (77 °F)
40,5 °C (105 °F)
100%

3 75%
¡

¡
50 %

1. Terra da bateria no quadro


2. Cabo negativo da bateria 2 0 3 6 9 12 15

3. Cabo positivo da bateria

Figura 1-49. Conexões da bateria 1. Capacidade


2. Meses sem uso

ARMAZENAMENTO Figura 1-50. Porcentagem de carga automática da bateria

PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA


INSTALAÇÃO E CONEXÃO
99863-01A CARREGADOR DE BATERIA GLOBAL
PARAFUSO VALOR TORQUE
Porca do motor de partida 7,9 a 70 a
10,2 N·m 90 lb·pol.
As baterias contêm ácido sulfúrico, que pode causar Parafusos do cabo da bateria 6,8 a 8,1 N·m 60 a
queimaduras graves nos olhos e pele. Use uma proteção na bateria 72 lb·pol.
facial, luvas de borracha e roupas de proteção ao trabalhar
Parafusos do cabo da bateria 6,8 a 8,1 N·m 60 a
com baterias. MANTENHA AS BATERIAS LONGE DE
na bateria 72 lb·pol.
CRIANÇAS. (00063a)
Se a motocicleta será guardada com o sistema de segurança 1. Veja Figura 1-51. Posicione o cabo positivo da bateria
armado, conecte um CARREGADOR DE BATERIA GLOBAL corretamente no motor de partida. A extremidade do cabo
(peça N.o 99863-01A) para manter a carga na bateria. deve estar voltada a 35° +/-10 graus para frente a partir
Se a motocicleta será guardada com a bateria instalada, sem do lado esquerdo do veículo.
um CARREGADOR DE BATERIA GLOBAL e com o sistema
de segurança não armado, remova o fusível principal.
Se a motocicleta for ficar fora de uso por vários meses (por Certifique-se de que o protetor de borracha cubra o ter-
exemplo, durante o inverno), remova a bateria da motocicleta minal do solenóide do motor de partida conectado ao cabo
e carregue-a completamente. positivo (+) da bateria. Um terminal descoberto pode entrar
Veja Figura 1-50. Uma bateria removida do veículo é afetada em curto e causar fagulhas que poderão resultar em
por auto-descarregamento. Uma bateria armazenada no veí- explosão da bateria e morte ou lesões graves. (00463c)
culo é afetada por auto-descarregamento e, de maneira mais 2. Aperte a porca do motor de partida com torque de 7,9 a
significativa, por cargas parasitas. Uma carga parasita é gerada 10,2 N·m (70 a 90 lb·pol.) e cubra com o protetor.
por coisas como uma corrente de fuga em diodo ou manu-
tenção da memória do computador com o veículo desligado. 3. Veja Figura 1-52. Posicione o suporte da bateria e instale
As baterias se auto-descarregam a uma porcentagem mais a presilha do suporte da bateria (1) debaixo da frente da
rápida em condições de temperaturas ambientes mais ele- bandeja da bateria (3). Certifique-se que as lingüetas (2)
vadas. Para reduzir a porcentagem de auto-descarga, guarde do suporte encaixem sobre a traseira da bandeja da
a bateria em um lugar fresco e seco. bateria.
Carregue a bateria uma vez por mês, se permanecer armaze- 4. Veja Figura 1-53. Instale o cabo positivo (1) da bateria na
nada no veículo. Carregue a bateria a cada três meses, se presilha no suporte. Coloque uma curva em “S” no cabo
ficar armazenada fora do veículo. positivo da bateria na extremidade do motor de partida

1-60 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

do cabo. Isto ajudará a posicionar corretamente a extre-


sm03812b
midade do terminal para a instalação da bateria.
5. Distribua o chicote de fios do sensor traseiro de oxigênio
(2) pela presilha (3).

Conecte os cabos aos terminais corretos da bateria. Não


seguir este aviso pode resultar em danos ao sistema elé-
trico da motocicleta. (00215a)
2

3
Conecte o cabo positivo (+) da bateria primeiro. Se o cabo
positivo (+) da bateria entrar em contato com o terra com 1. Presilha
o cabo negativo (-) conectado, as faíscas resultantes 2. Lingüetas
podem causar uma explosão da bateria, o que poderá 3. Bandeja da bateria
resultar em morte ou lesões graves. (00068a) Figura 1-52. Suporte da bateria
6. Veja Figura 1-54. Instale a bateria. Aperte o parafuso do
terminal positivo da bateria com torque de 6,8 a 8,1 N·m
(60 a 72 lb·pol.). sm03814b

7. Instale o cabo negativo da bateria no terra da bateria no


quadro (1) antes de qualquer fio terra acessório. 2
8. Instale o cabo negativo da bateria (2) na bateria. Aperte
o parafuso do terminal negativo da bateria com torque de 1 3
6,8 a 8,1 N·m (60 a 72 lb·pol.).

Após instalar o assento, puxe-o para cima para certificar-


se de que esteja travado na posição certa. Ao dirigir, um
assento solto pode se deslocar, causando perda de con-
trole, o que poderá resultar em morte ou lesões graves.
(00070b) 1. Cabo positivo da bateria
2. Chicote de fios do sensor traseiro de oxigênio
9. Instale o assento.
3. Presilha

sm03809b
Figura 1-53. Orientação dos fios no suporte da bateria

Figura 1-51. Orientação do cabo positivo da bateria

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-61


PÁGINA INICIAL

sm03813c

1. Terra da bateria no quadro


2. Cabo negativo da bateria
3. Cabo positivo da bateria

Figura 1-54. Conexões da bateria

1-62 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

ARMAZENAMENTO 1.23
INFORMAÇÕES GERAIS 6. Inspecione o filtro de ar. Veja 1.7 FILTRO DE AR E SIS-
TEMA DE ESCAPAMENTO.
Sempre prepare a motocicleta para armazenamento prolon-
gado seguindo os procedimentos do Manual de serviço. Isto 7. Lubrifique os controles. Veja 1.14 LUBRIFICAÇÃO DO
ajudará a proteger as peças contra corrosão, preservará a CABO E DO CHASSI.
bateria e impedirá o acúmulo de goma e verniz no sistema de 8. Inspecione a operação de todos os equipamentos e
combustível. interruptores elétricos.
ARMAZENAMENTO 9. Calibre os pneus e inspecione-os para desgaste e/ou
danos. Veja 1.8 PNEUS E RODAS. Se a motocicleta for
PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA ser armazenada por um longo período de tempo, apóie a
motocicleta com segurança debaixo do quadro de maneira
98716-87A CAPA PARA ARMAZENAMENTO
que nenhum peso esteja nos pneus.

Não guarde a motocicleta com gasolina no tanque dentro Não permita que fluido de freio ou outros lubrificantes
de casa ou na garagem, quando houver nesses lugares a entrem em contato com as pastilhas do freio ou discos.
presença de chamas abertas, lâmpadas piloto, faíscas ou Tal contato poderá afetar negativamente a habilidade de
motores elétricos. A gasolina é extremamente inflamável frear, causando perda de controle, o que poderá resultar
e altamente explosiva, o que poderá resultar em morte ou em morte ou lesões graves. (00290a)
lesões graves. (00003a) 10. Lave superfícies pintadas e revestidas com cromo. Aplique
1. Dirija a motocicleta até que o motor esteja na temperatura uma leve camada de óleo a superfícies expostas não
de operação normal. Desligue o motor e drene o tanque pintadas.
de óleo, instale um novo filtro de óleo e encha o tanque
de óleo com óleo do tipo correto. Verifique o nível do
lubrificante de transmissão.
DESLIGUE o carregador de bateria antes de conectar os
cabos do carregador na bateria. Conectar os cabos com
o carregador LIGADO poderá causar faíscas ou uma
Evite derramamentos. Remova a tampa do tanque de explosão da bateria, o que poderá resultar em morte ou
enchimento lentamente. Não encha além da base do lesões graves. (00066a)
inserto do bocal de abastecimento, deixando espaço de
ar para a expansão do combustível. Fixe a tampa do tanque
após o reabastecimento. A gasolina é extremamente
inflamável e altamente explosiva, o que poderá resultar O gás hidrogênio explosivo que escapa durante a carga
em morte ou lesões graves. (00028a) pode causar morte ou lesões graves. Carregue a bateria
em área bem ventilada. Mantenha sempre longe da bateria
as chamas abertas, as faíscas elétricas e os materiais que
produzam fumaça. MANTENHA AS BATERIAS LONGE DE
Tome cuidado ao reabastecer. O ar pressurizado no tanque CRIANÇAS. (00065a)
de combustível pode forçar o escape da gasolina através 11. Remova a bateria do veículo. Carregue a bateria até que
do tubo de enchimento. A gasolina é extremamente a tensão correta seja atingida. Carregue a bateria a cada
inflamável e altamente explosiva, o que poderá resultar dois meses se ela estiver guardada em temperaturas
em morte ou lesões graves. (00029a) abaixo de 16 °C (60 °F). Carregue a bateria uma vez por
2. Prepare seu sistema de combustível, enchendo o tanque mês se ela estiver guardada em temperaturas acima de
de combustível e acrescentando um estabilizador de 16 °C (60 °F). Veja 1.22 MANUTENÇÃO DA BATERIA.
gasolina. Use um dos estabilizadores de gasolina comer-
cialmente disponíveis, seguindo as instruções do fabri-
cante.
Desconecte ou DESLIGUE o carregador de bateria antes
3. Remova as velas de ignição, borrife um pouco de óleo do
de desconectar os cabos do carregador da bateria. Desco-
motor em cada cilindro e faça girar o motor 5 a 6 voltas.
nectar os prendedores com o carregador LIGADO poderá
Instale as velas de ignição.
causar faíscas e uma explosão da bateria, o que poderá
4. Inspecione a correia da transmissão. Veja 1.12 CORREIA resultar em morte ou lesões graves. (00067a)
DA TRANSMISSÃO E RODAS DENTADAS. 12. Se a motocicleta for ser coberta, utilize um material que
5. Inspecione a correia da transmissão e rodas dentadas. respira, como a CAPA PARA ARMAZENAMENTO (peça
Veja 1.12 CORREIA DA TRANSMISSÃO E RODAS N.o 98716-87A) ou uma lona leve. Os materiais plásticos
DENTADAS. que não respiram promovem a formação de condensação
que levam à corrosão.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-63


PÁGINA INICIAL

REMOÇÃO DO ARMAZENAMENTO 3. Limpe o elemento do filtro de ar.


4. Se o tanque de combustível tiver sido drenado, encha-o
com gasolina nova.

Se a embreagem falhar em desengatar, pode causar perda 5. Ligue o motor e deixe-o operando até que atinja a tempe-
de controle, o que poderá resultar em morte ou lesões ratura normal de operação.
graves. Antes de dar a partida após períodos prolongados 6. Verifique o nível de óleo do motor. Verifique o nível do
de armazenamento, engrene a transmissão e empurre o lubrificante de transmissão. Encha até os níveis corretos
veículo para frente e para trás várias vezes para assegurar com os fluidos corretos, se for necessário.
o desengate correto da embreagem. (00075a)
7. Execute todos as verificações da LISTA DE CHECAGEM
1. Carregue a bateria e instale-a.
ANTES DE DIRIGIR do Manual do proprietário.
2. Remova e inspecione as velas de ignição. Substitua se
necessário.

1-64 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

SOLUÇÃO DE PROBLEMAS 1.24


INFORMAÇÕES GERAIS 5. Cabos das velas de ignição em má condição e em curto-
circuito, conexões do cabo soltas ou cabos conectados
aos cilindros errados.
6. Afrouxe a conexão do fio no conector da bobina, da bateria
A seção de solução de problemas deste manual é um guia ou do ECM.
para diagnosticar problemas. Leia as devidas seções deste
manual antes de fazer qualquer reparo na motocicleta. O 7. Regulagem incorreta da ignição devido a bobina, ECM
reparo e/ou manutenção inadequados poderão resultar ou sensores com falha.
em morte ou lesões graves. (00528b) 8. O sensor de ângulo de inclinação TSM/TSSM/HFSM
Use os sintomas listados para solução de problemas. Pode desligado e o interruptor de ignição não colocado na
haver mais de uma condição ao mesmo tempo. Verifique todos posição de desligado (OFF) e depois de volta a ignição
os itens possíveis para manter a motocicletas em boas con- (IGNITION).
dições de operação.
9. Filtro de combustível entupido.
NOTA
10. Válvula(s) emperrada(s) ou danificada(s) ou vareta(s) de
Veja o Manual de diagnóstico elétrico para obter informações. compressão do tamanho errado.
MOTOR 11. Injetores de combustível entupidos.

O motor de partida não funciona ou não dá Dificuldade na partida


partida no motor 1. As velas de ignição estão em má condição ou com lacuna
1. O interruptor não está na posição de ignição (IGNITION). inadequada ou parcialmente sujas.

2. O interruptor de funcionamento do motor está na posição 2. Os cabos das velas de ignição estão em má condição.
de desligado (OFF). 3. A bateria está quase descarregada.
3. A bateria está descarregada, as conexões dos terminais 4. Os fios estão danificados ou a conexão está solta em um
estão soltas ou corroídas (solenóide trepidando). dos terminais da bateria, bobina da ignição, ou conexão
4. Falha do circuito, do relé ou solenóide de controle do ECM.
motor de partida. 5. O sistema de combustível está com água ou sujeira.
5. O pinhão diferencial do eixo do motor de partida não está 6. Vazamento de ar de admissão.
se encaixando ou a embreagem está deslizando.
7. Mangueira de respiro do tanque de combustível, respiro
6. O sensor de ângulo de inclinação BCM desligado e o da tampa do tanque ou válvula de vapor entupidos, ou
interruptor da chave de ignição/luz não colocado na tubulação de combustível fechada, limitando o fluxo de
posição desligado (OFF) e depois de volta à ignição combustível.
(IGNITION).
8. O lubrificante de motor está muito pesado (operação de
7. Sistema de segurança ativado. inverno).
8. A motocicleta está engrenada e a embreagem não está NOTA
puxada. Para arranque do motor em tempo frio, sempre desengate a
9. O cavalete lateral está abaixado e a transmissão está embreagem.
engrenada (somente modelos HDI). 9. Ignição não funcionando corretamente (possível falha de
10. Fusível principal não encaixado ou ausente. sensor).
10. Bobina de ignição com falha.
O motor gira, mas não dá partida
11. Válvulas emperrando.
1. Tanque de combustível vazio.
12. Injetores de combustível parcialmente entupidos.
2. As velas de ignição estão sujas.
3. A bateria está descarregada, as conexões do terminal O motor olá partida, mas funciona
estão frouxas ou danificadas. irregularmente ou falha
4. O lubrificante de motor está muito pesado (operação de 1. As velas de ignição estão em má condição ou parcial-
inverno). mente sujas.
NOTA 2. Os cabos das velas de ignição estão em má condição e
Para partida do motor em tempo frio, sempre desengate a causando curto-circuito ou fuga de corrente.
embreagem.
3. A folga da vela de ignição é muito pequena ou muito
grande.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-65


PÁGINA INICIAL

4. Bobina da ignição com falha, ECM, ou sensor. 6. Anel de vedação “o-ring” danificado ou faltando na junção
bomba de óleo/carcaça (também causa desempenho
5. A bateria está quase descarregada.
inferior do motor).
6. Os fios estão danificados ou a conexão está solta nos
terminais da bateria, bobina da ignição, ou conexão ECM. Barulho no conjunto de válvulas
1. Baixa pressão de óleo causada pelo mau funcionamento
7. Curto-circuito intermitente devido a danos no isolamento
da bomba de suprimento de óleo ou obstrução das passa-
do fio.
gens do óleo.
8. O sistema de combustível está com água ou sujeira.
2. Elevador hidráulico falha.
9. O sistema de ventilação do tanque de combustível está
3. Vareta de compressão empenada.
entupido.
4. Vareta de compressão com o comprimento errado.
10. Vazamento no coletor da admissão ou no filtro de ar.
5. Braço do balancim prendendo no eixo.
11. Conector do ECM frouxo ou sujo.
6. Válvula emperrando na guia.
12. Sensores com falha: Sensores de pressão absoluta do
coletor (MAP), de posição do virabrequim (CKP) ou de 7. Mola ou sapata de tensionamento da corrente desgastada.
oxigênio (O2).
8. Excêntrico(s), engrenagem do excêntrico ou bucha(s) do
13. Regulagem incorreta das válvulas. excêntrico desgastado(s).
14. Molas de válvula fracas ou danificadas. 9. Tempo do excêntrico incorreto.
15. Válvula de admissão ou escape danificada. Excesso de vibração
16. Injetores de combustível parcialmente entupidos. 1. Rodas empenadas ou danificadas e/ou pneus desgas-
17. Solenóide do filtro de ar EVAP (se equipado) emperrada tados ou danificados.
na posição fechada ou inoperante. 2. Corrente primária extremamente gasta ou articulações
justas devido a lubrificação insuficiente ou desalinha-
As velas de ignição sujam continuamente mento.
1. A mistura do combustível está muito rica.
3. Os parafusos de montagem do motor para a transmissão
2. Velas de ignição incorretas para o tipo de serviço. estão soltos.
3. Anéis de pistão extremamente gastos ou danificados. 4. Suporte fixação do motor superior solto.
4. Guias ou vedações da válvula extremamente gastas. 5. Regulagem da ignição avançada devido a entradas de
sensor com falha (MAP, CKP)/motor incorretamente
Pré-ignição ou detonação (bate ou faz ruído) ajustado.
1. Índice de octanagem do combustível baixo demais. 6. Problema interno do motor.
2. Velas de ignição com falha. 7. Quadro danificado.
3. Velas de ignição incorretas para o tipo de serviço. 8. Contrapeso do motor não sincronizado ou rolamento com
4. Depósitos excessivos de carbono na cabeça do pistão ou falha.
na câmara de combustão. 9. Os parafusos do eixo pivô do garfo traseiro estão soltos.
5. Regulagem da ignição avançada devido a entradas de 10. Os parafusos dianteiros de montagem do motor estão
sensor com falha (MAP e/ou CKP)/ motor incorretamente soltos.
ajustado.
6. Regulagem da ignição avançada devido a ECM ou sen-
A lâmpada de verificação do motor acende
sores (CKP, ET ou MAP) defeituosos. durante a operação do veículo
7. Vazamento do vácuo no coletor de admissão. 1. Uma falha foi detectada. Veja o Manual de diagnóstico
elétrico para obter mais informações.
Superaquecimento
SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO
1. Suprimento de óleo insuficiente ou falta de circulação de
óleo. O óleo não retorna ao tanque de óleo
2. Fluxo de ar sobre o motor insuficiente. 1. O tanque de óleo está vazio.
3. Grossos depósitos de carbono. 2. Bomba de óleo não funciona.
4. Regulagem da ignição atrasada devido a ECM ou sen- 3. Engrenagens da bomba de óleo de retorno danificadas.
sores falha: Sensor de pressão absoluta do coletor (MAP)
4. As tubulações de óleo ou suas conexões estão restritas.
e/ou de posição do virabrequim (CKP).
5. O filtro de óleo está restrito.
5. Vazamento da(s) válvula(s).

1-66 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


PÁGINA INICIAL

6. Bomba de óleo desalinhada ou em condição ruim. Pressão de óleo alta


7. Anel de vedação “o-ring” danificado ou faltando na junção 1. Válvula de derivação (bypass) emperrada na posição
bomba de óleo/carcaça (também causa desempenho fechada.
inferior do motor).
SISTEMA ELÉTRICO
O motor utiliza óleo demais ou cria fumaça
NOTA
em excesso
Para informações sobre diagnósticos, veja o Manual de
1. Tanque de óleo cheio demais. diagnóstico elétrico.
2. Tubulação de retorno do óleo para o tanque de óleo res-
O alternador não carrega
trita.
1. Módulo do regulador de voltagem não aterrado.
3. Operação da mangueira de respiro está restrita.
2. O fio de ligação terra do motor está solto ou danificado.
4. O filtro de óleo está restrito.
3. Módulo do regulador de voltagem com falha.
5. Bomba de óleo desalinhada ou em condição ruim.
4. Existem fios soltos ou danificados no circuito de carga.
6. Anéis de pistão extremamente gastos ou danificados.
5. Estator e/ou rotor com falha.
7. Guias ou vedações da válvula gastas ou danificadas.
8. Anel de vedação “o-ring” danificado ou faltando na junção A porcentagem de carga do alternador está
bomba de óleo/carcaça (também causa desempenho abaixo do normal
inferior do motor). 1. Bateria fraca ou danificada.
9. Porta de expulsão da carcaça entupida. 2. Conexões frouxas.
10. Óleo diluído com gasolina. 3. Módulo do regulador de voltagem com falha.
O motor vaza óleo pelas caixas, varetas de 4. Estator e/ou rotor com falha.
compressão, mangueiras, etc.
Velocímetro funciona de maneira errática
1. Existem peças soltas.
1. Sensor de velocidade do veículo contaminado (remova o
2. A selagem nas juntas, tampa da vareta de compressão, sensor e limpe as partículas de metal).
arruelas, etc. está inadequada.
2. Conexões frouxas.
3. Passagens de respiro ou mangueira restrita até o filtro de
ar. TRANSMISSÃO
4. O filtro de óleo está restrito. Troca de marcha muito dura
5. Tanque de óleo cheio demais. 1. Bloco da corrente primária abastecido em excesso com
lubrificante.
6. Gaxeta inferior do alojamento do balancim instalada
incorretamente (de cabeça para baixo). 2. Embreagem não desengata completamente.
7. Tubulação de retorno do óleo para o tanque de óleo res- 3. O lubrificante de transmissão está muito pesado (operação
trita. de inverno).
8. Porosidade. 4. Mola de retorno do câmbio (dentro da transmissão) torta
ou quebrada.
Pressão de óleo baixa
5. Alavanca de mudança de marchas empenada.
1. Tanque de óleo não enchido o suficiente.
6. Garfos seletores (dentro da transmissão) empenados.
2. Pressostato de óleo baixo com falha.
7. Cantos desgastados das engrenagens de dentes
3. Anel de vedação “o-ring” da bomba de óleo danificado ou espaçados da embreagem do câmbio (dentro da trans-
faltando. missão).
4. Válvula de derivação (bypass) emperrada na posição
aberta.
Desengata da engrenagem
1. Alavanca de mudança de marchas ajustada incorreta-
5. Esfera faltando ou vazando na placa de suporte do
mente.
excêntrico.
2. Tambor do câmbio (dentro da transmissão) ajustado
6. Gerotor de bomba de óleo desgastado.
incorretamente ou danificado/desgastado.
7. Mangueira de alimentação do tanque de óleo restrita.
3. As partes da embreagem que se engatam (dentro da
8. Óleo diluído com gasolina. transmissão) extremamente gastas e arredondadas.
4. Garfos do câmbio empenados.

Serviço Softail ano 2012: Manutenção 1-67


PÁGINA INICIAL

5. Engrenagens danificadas. 6. Porcas do eixo da roda soltas. Aperte de acordo com a


especificação de torque recomendada.
A embreagem escorrega
7. Roda traseira fora de alinhamento com o quadro e a roda
1. Os controles da embreagem estão mal ajustados. dianteira.
2. A tensão da mola da embreagem está insuficiente. 8. Rolamentos da coluna de direção ajustados incorreta-
3. Os discos de fricção estão desgastados. mente. Corrija o ajuste e substitua rolamentos e calhas
corroídos ou gastos.
A embreagem patina ou não desengata
9. Raios soltos (somente em veículos com rodas raiadas).
1. Nível de lubrificante no bloco da corrente primária alto
demais. 10. Pneu e roda não balanceados.

2. Os controles da embreagem estão mal ajustados. 11. Aros e pneus com desvio radial.

3. Corrente primária muito desalinhada ou muito justa. 12. Aros e pneus com desvio lateral.

4. A tensão da mola da embreagem está insuficiente. 13. Aperto incorreto do pivô do garfo traseiro.

5. Os discos da embreagem estão empenados. FREIOS


A embreagem trepida Freio não segura como normal
Os discos de fricção ou de aço estão desgastados ou empe- 1. Nível baixo de fluido de freio no reservatório, vazamento
nados. no sistema ou pastilhas desgastadas.

MANUSEIO 2. O sistema de freio está com bolhas de ar.

Irregularidades 3. Vedações do cilindro-mestre/pistão do cáliper desgastadas


ou peças danificadas.
1. Motocicleta carregada incorretamente. Equipamento não
padrão na frente, como receptores de rádio pesados, 4. As pastilhas do freio estão contaminadas com graxa ou
equipamento extra de iluminação ou bagagem, tende a óleo.
desestabilizar o manuseio. 5. As pastilhas do freio estão muito desgastadas.
2. Pneus danificados ou combinação incorreta de pneus 6. O disco do freio está muito desgastado ou empenado.
dianteiro e traseiro.
7. Freio arrasta – folga no pedal do freio ou na alavanca
3. Desgaste irregular na banda de rodagem do pneu dian- manual do freio insuficiente, pistão do cáliper desgastado
teiro. ou danificado, ou quantidade excessiva de fluido do freio
4. Pressão incorreta de pneu. Veja 1.8 PNEUS E RODAS no reservatório.

5. Amortecedor não funciona normalmente. 8. Freio enfraquece devido ao acúmulo de calor – pastilhas
arrastam ou uso excessivo do freio.
9. Vazamento do fluido de freio quando sob pressão.

1-68 Serviço Softail ano 2012: Manutenção


ÍNDICE

ASSUNTO........................................................................................................................ PÁGINA N.o


2.1 VALORES DE TORQUE PARA PARAFUSOS..........................................................................2-1
2.2 ESPECIFICAÇÕES...................................................................................................................2-5
2.3 NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO DO VEÍCULO (VIN)................................................................2-9
2.4 RODA DIANTEIRA..................................................................................................................2-11
2.5 RODA TRASEIRA....................................................................................................................2-16
2.6 ENRAIAMENTO.......................................................................................................................2-19
2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE RODAS.........................................................................2-21
2.8 ROLAMENTOS DA RODA COM VEDAÇÃO..........................................................................2-26
2.9 PNEUS.....................................................................................................................................2-30
2.10 ALINHAMENTO DO VEÍCULO..............................................................................................2-36
2.11 CILINDRO-MESTRE DO FREIO DIANTEIRO.......................................................................2-37
2.12 CÁLIPER DO FREIO DIANTEIRO.........................................................................................2-41
2.13 CILINDRO-MESTRE DO FREIO TRASEIRO........................................................................2-47
2.14 CÁLIPER DO FREIO TRASEIRO..........................................................................................2-53
2.15 SANGRAMENTO DOS FREIOS............................................................................................2-58
2.16 GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO..................................................................................2-60
2.17 COLUNA DE DIREÇÃO.........................................................................................................2-68
2.18 CAPA DE PROTEÇÃO DA CORREIA E DEFLETOR DE DETRITOS..................................2-72
2.19 AMORTECEDORES TRASEIROS........................................................................................2-73
2.20 GARFO TRASEIRO...............................................................................................................2-76

CHASSI
2.21 CONTROLE DO ACELERADOR...........................................................................................2-79
2.22 CONTROLE DA EMBREAGEM.............................................................................................2-81
2.23 GUIDOM: FLSTC, FLSTN, FXST..........................................................................................2-83
2.24 GUIDOM: FLSTF/B................................................................................................................2-85
2.25 GUIDOM: FXS.......................................................................................................................2-89
2.26 PÁRA-LAMA DIANTEIRO......................................................................................................2-92
2.27 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTC.........................................................................................2-93
2.28 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTF/B......................................................................................2-95
2.29 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXST............................................................................................2-97
2.30 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXS..............................................................................................2-99
2.31 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTN.......................................................................................2-102
2.32 CONDUÍTE DA FIAÇÃO NO PÁRA-LAMA TRASEIRO......................................................2-105
2.33 ESTRIBOS E APOIOS PARA OS PÉS................................................................................2-107
2.34 CAVALETE LATERAL..........................................................................................................2-109
2.35 TRAVA DE DIREÇÃO..........................................................................................................2-111
2.36 PORCA DE RETENÇÃO DO ASSENTO E DA TIRA DE APOIO........................................2-112
2.37 ASSENTO: FXS e FXST......................................................................................................2-113
2.38 ASSENTO: FLSTN, FLSTF, FLSTFB, FLSTC.....................................................................2-114
2.39 SUPORTE DO BAGAGEIRO: FLSTN.................................................................................2-115
2.40 ALFORJES: FLSTC.............................................................................................................2-116
2.41 PÁRA-BRISA: FLSTC..........................................................................................................2-118
NOTAS
PÁGINA INICIAL

VALORES DE TORQUE PARA PARAFUSOS 2.1


VALORES DE TORQUE PARA PARAFUSOS
NESSE CAPÍTULO
A tabela abaixo lista valores de torque para todos os parafusos
apresentados neste capítulo.

PARAFUSO VALOR TORQUE NOTAS


Conexão do raio 6,2 N·m 55 lb·pol. 2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE
RODAS, Centragem de rodas raiadas
Parafuso banjo de cáliper traseiro 23,1 a 29,9 N·m 17 a 22 lb·pé 2.14 CÁLIPER DO FREIO TRASEIRO, Instalação
Parafuso banjo do cáliper dianteiro 23,1 a 29,9 N·m 17 a 22 lb·pé 2.12 CÁLIPER DO FREIO DIANTEIRO, Instalação
Parafuso banjo do cilindro-mestre/cáliper 23,1 a 29,9 N·m 17 a 22 lb·pé 2.11 CILINDRO-MESTRE DO FREIO DIAN-
do freio TEIRO, Montagem e instalação
Parafuso banjo do cilindro-mestre tra- 23 a 30 N·m 17 a 22 lb·pé 2.13 CILINDRO-MESTRE DO FREIO TRA-
seiro SEIRO, Instalação
Parafuso da estrutura dos interruptores 4,0 a 5,1 N·m 35 a 45 lb·pol. 2.11 CILINDRO-MESTRE DO FREIO DIAN-
do guidom TEIRO, Montagem e instalação
Parafuso da ponte do cáliper do freio, 38,0 a 51,5 N·m 28 a 38 lb·pé 2.12 CÁLIPER DO FREIO DIANTEIRO, Montagem
dianteiro
Parafuso da ponte do freio/pino da pas- 20,3 a 22,6 N·m 15 a 16 lb·pé 2.12 CÁLIPER DO FREIO DIANTEIRO, Montagem
tilha, cáliper dianteiro
Parafuso de aperto do suporte superior 33,9 a 40,7 N·m 25 a 30 lb·pé 2.17 COLUNA DE DIREÇÃO, Instalação
do tubo de direção: FLSTC, FLSTF/B,
FLSTN
Parafuso de montagem do cáliper do 38,0 a 51,5 N·m 28 a 38 lb·pé 2.4 RODA DIANTEIRA, Instalação
freio, dianteiro
Parafuso de montagem do cáliper do 21,7 a 27,1 N·m 16 a 20 lb·pé 2.14 CÁLIPER DO FREIO TRASEIRO, Instalação
freio, traseiro
Parafuso de montagem inferior do 38,0 a 51,5 N·m 28 a 38 lb·pé 2.12 CÁLIPER DO FREIO DIANTEIRO, Instalação
cáliper do freio dianteiro
Parafuso de montagem superior do 38,0 a 51,5 N·m 28 a 38 lb·pé 2.12 CÁLIPER DO FREIO DIANTEIRO, Instalação
cáliper do freio dianteiro
Parafuso do prendedor dos interruptores 6,8 a 9,0 N·m 60 a 80 lb·pol. 2.11 CILINDRO-MESTRE DO FREIO DIAN-
do guidom TEIRO, Montagem e instalação
Parafuso do prendedor inferior do 40,7 a 54,3 N·m 30 a 40 lb·pé 2.23 GUIDOM: FLSTC, FLSTN, FXST, Instalação
guidom
Parafuso do prendedor inferior do 40,7 a 54,2 N·m 30 a 40 lb·pé 2.24 GUIDOM: FLSTF/B, Instalação
guidom; FLSTF/B
Parafuso do retentor do cilindro-mestre 39,4 a 46,1 N·m 29 a 34 lb·pé 2.13 CILINDRO-MESTRE DO FREIO TRA-
do freio traseiro SEIRO, Instalação
Parafuso do sensor do cavalete lateral 10,8 a 16,3 N·m 96 a 144 lb·pol. 2.34 CAVALETE LATERAL, Sensor: Modelos HDI
Parafuso do suporte da mangueira do 10,8 a 13,6 N·m 96 a 120 lb·pol. 2.17 COLUNA DE DIREÇÃO, Instalação
freio dianteiro
Parafuso do suporte da mangueira do 10,8 a 13,6 N·m 96 a 120 lb·pol. 2.17 COLUNA DE DIREÇÃO, Instalação
freio dianteiro
Parafuso do suporte da mangueira do 10,8 a 13,6 N·m 96 a 120 lb·pol. 2.17 COLUNA DE DIREÇÃO, Instalação
freio dianteiro
Parafuso do suporte do apoio para o pé 33,9 a 40,7 N·m 25 a 30 lb·pé 2.33 ESTRIBOS E APOIOS PARA OS PÉS, Apoio
do passageiro para os pés do passageiro

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-1


PÁGINA INICIAL

PARAFUSO VALOR TORQUE NOTAS


Parafuso do suporte do apoio para os 33,9 a 40,7 N·m 25 a 30 lb·pé 2.33 ESTRIBOS E APOIOS PARA OS PÉS, Apoio
pés do passageiro do lado esquerdo: para os pés do passageiro
FLSTN
Parafuso do tubo hidráulico do garfo 14,7 a 24,5 N·m 130 a 216 lb·pol. 2.16 GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO, Mon-
dianteiro tagem
Parafusos da estrutura do controle do 4,0 a 5,1 N·m 35 a 45 lb·pol. 2.21 CONTROLE DO ACELERADOR, Mon-
acelerador tagem/instalação
Parafusos da roda dentada da correia- 104,5 a 77 a 83 lb·pé 2.5 RODA TRASEIRA, Montagem
aperto final 112,6 N·m
Parafusos da roda dentada da correia- 81,4 N·m 60 lb·pé 2.5 RODA TRASEIRA, Montagem/. Após o aperto
aperto inicial inicial, afrouxe os parafusos 1/2 volta (180 graus)
Parafusos da tampa do reservatório do 1,4 a 1,7 N·m 12 a 15 lb·pol. 2.15 SANGRAMENTO DOS FREIOS, Procedi-
cilindro-mestre dianteiro mento
Parafusos da tampa do reservatório do 0,7 a 0,9 N·m 6 a 8 lb·pol. 2.15 SANGRAMENTO DOS FREIOS, Procedi-
cilindro-mestre traseiro mento
Parafusos de aperto inferiores do tubo 16,3 a 21,7 N·m 12 a 16 lb·pé 2.16 GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO, Insta-
de direção: FXS (afrouxe e, em seguida, lação
aperte com o mesmo torque)
Parafusos de aperto inferiores do tubo 74,6 a 81,3 N·m 55 a 60 lb·pé 2.16 GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO, Insta-
de direção: Todos, exceto FXS lação
Parafusos de aperto superiores do tubo 16,3 a 21,7 N·m 12 a 16 lb·pé 2.16 GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO, Insta-
de direção: FXS lação
Parafusos de drenagem do garfo 5,9 a 8,9 N·m 52 a 78 lb·pol. 2.16 GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO, Troca
do óleo do garfo
Parafusos dianteiros do suporte de 10,8 a 13,6 N·m 96 a 120 lb·pol. 2.39 SUPORTE DO BAGAGEIRO:
bagageiro: FLSTN FLSTN, Remoção e instalação
Parafusos do disco do freio, dianteiro 21,7 a 32,5 N·m 16 a 24 lb·pé 2.4 RODA DIANTEIRA, Montagem
Parafusos do disco do freio, dianteiro 21,7 a 32,5 N·m 16 a 24 lb·pé 2.4 RODA DIANTEIRA, Montagem
Parafusos do disco do freio, traseiro 40,7 a 61,0 N·m 30 a 45 lb·pé 2.5 RODA TRASEIRA, Montagem
Parafusos do estribo do motociclista 6,8 a 9,0 N·m 60 a 80 lb·pol. 2.33 ESTRIBOS E APOIOS PARA OS
PÉS, Estribos do motociclista
Parafusos do pára-lama dianteiro 20,3 a 28,5 N·m 15 a 21 lb·pé 2.26 PÁRA-LAMA DIANTEIRO, Instalação
Parafusos do prendedor superior do 16,3 a 24,4 N·m 12 a 18 lb·pé 2.24 GUIDOM: FLSTF/B, Instalação
guidom; FLSTF/B
Parafusos do suporte do apoio para o 39,4 a 46,1 N·m 29 a 34 lb·pé 2.33 ESTRIBOS E APOIOS PARA OS PÉS, Apoio
pé do motociclista para o pé do motociclista
Parafusos do suporte do conjunto do 33,9 a 40,7 N·m 25 a 30 lb·pé 2.34 CAVALETE LATERAL, Instalação
cavalete lateral
Parafusos do suporte do pára-lama tra- 28,5 a 36,6 N·m 21 a 27 lb·pé 2.30 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXS, Instalação
seira no pára-lama: FXS
Parafusos do suporte do pára-lama tra- 51,5 a 56,9 N·m 38 a 42 lb·pé 2.29 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXST, Insta-
seiro, inferiores dianteiros: Aperto final lação/Aperto final
Parafusos do suporte do pára-lama tra- 51,5 a 56,9 N·m 38 a 42 lb·pé 2.27 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTC, Insta-
seiro, inferiores dianteiros: Aperto final lação/Aperto final
Parafusos do suporte do pára-lama tra- 51,5 a 56,9 N·m 38 a 42 lb·pé 2.28 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTF/B, Insta-
seiro, inferiores dianteiros: Aperto final lação/Aperto final
Parafusos do suporte do pára-lama tra- 51,5 a 56,9 N·m 38 a 42 lb-pé 2.31 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTN, Insta-
seiro, inferiores dianteiros: Aperto final lação/Aperto final
Parafusos do suporte do pára-lama tra- 40,7 a 47,5 N·m 30 a 35 lb·pé 2.29 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXST, Insta-
seiro, inferiores dianteiros: Aperto inicial lação/Aperto inicial
Parafusos do suporte do pára-lama tra- 40,7 a 47,5 N·m 30 a 35 lb·pé 2.27 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTC, Insta-
seiro, inferiores dianteiros: Aperto inicial lação/Aperto inicial

2-2 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

PARAFUSO VALOR TORQUE NOTAS


Parafusos do suporte do pára-lama tra- 40,7 a 47,5 N·m 30 a 35 lb·pé 2.28 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTF/B, Insta-
seiro, inferiores dianteiros: Aperto inicial lação/Aperto inicial
Parafusos do suporte do pára-lama tra- 40,7 a 47,5 N·m 30 a 35 lb·pé 2.31 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTN, Insta-
seiro, inferiores dianteiros: Aperto inicial lação/Aperto inicial
Parafusos do suporte do pára-lama tra- 51,5 a 56,9 N·m 38 a 42 lb·pé 2.30 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXS, Insta-
seiro: Aperto final lação/Aperto final
Parafusos do suporte do pára-lama tra- 40,7 a 47,5 N·m 30 a 35 lb-pé 2.30 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXS, Insta-
seiro: Aperto inicial lação/Aperto inicial
Parafusos do suporte traseiro do pára- 28,5 a 36,6 N·m 21 a 27 lb·pé 2.27 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTC, Instalação
lama, superior
Parafusos do suporte traseiro do pára- 28,5 a 36,6 N·m 21 a 27 lb·pé 2.28 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTF/B, Insta-
lama, superior lação
Parafusos do suporte traseiro do pára- 28,5 a 36,6 N·m 21 a 27 lb·pé 2.29 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXST, Instalação
lama, superior
Parafusos do suporte traseiro do pára- 28,5 a 36,6 N·m 21 a 27 lb·pé 2.31 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTN, Instalação
lama, superiores
Parafusos inferiores do suporte da placa 1,4 a 2,0 N·m 12 a 18 lb·pol. 2.30 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXS, Instalação
de identificação do veículo no suporte
de montagem: FXS
Parafusos superiores do suporte da 6,8 a 9,0 N·m 60 a 80 lb·pol. 2.30 PÁRA-LAMA TRASEIRO: FXS, Instalação
placa de identificação do veículo no
suporte de montagem: FXS
Parafusos traseiros do suporte de 16,3 a 19,0 N·m 12 a 14 lb·pé 2.39 SUPORTE DO BAGAGEIRO:
bagageiro: FLSTN FLSTN, Remoção e instalação
Parafuso traseiro do amortecedor 164,0 a 121 a 136 lb·pé 2.19 AMORTECEDORES TRASEIROS, Instalação
184,4 N·m
Pino da pastilha do freio, cáliper traseiro 9,0 a 13,6 N·m 80 a 120 lb·pol. 2.14 CÁLIPER DO FREIO TRASEIRO, Montagem
Porca cega do suporte inferior do alforje: 13,6 a 16,3 N·m 120 a 144 lb·pol. 2.40 ALFORJES: FLSTC, Instalação
FLSTC
Porca da haste da válvula 1,4 a 1,7 N·m 12 a 15 lb·pol. 2.9 PNEUS, Instalação
Porca da haste da válvula 1,4 a 1,7 N·m 12 a 15 lb·pol. 2.9 PNEUS, Instalação
Porca de travamento do amortecedor 43,4 a 52,9 N·m 32 a 39 lb·pé 2.19 AMORTECEDORES TRASEIROS, Instalação
traseiro
Porca do cilindro-mestre traseiro 40,7 a 54,2 N·m 30 a 40 lb·pé 2.13 CILINDRO-MESTRE DO FREIO TRA-
SEIRO, Instalação
Porca do eixo dianteiro 81,3 a 88,1 N·m 60 a 65 lb·pé 2.4 RODA DIANTEIRA, Instalação
Porca do eixo pivô 122 a 149,1 N·m 90 a 110 lb·pé 2.20 GARFO TRASEIRO, Instalação
Porca do eixo traseiro 128,8 a 95 a 105 lb·pé 2.5 RODA TRASEIRA, Instalação
142,5 N·m
Porca do guidom (FXS) 122 a 149 N·m 90 a 110 lb·pé 2.25 GUIDOM: FXS, Instalação
Porca do tubo de direção: FXS 94,9 a 108,4 N·m 70 a 80 lb·pé 2.17 COLUNA DE DIREÇÃO, Instalação
Porca do tubo de direção: FXST 94,9 a 108,4 N·m 70 a 80 lb·pé 2.17 COLUNA DE DIREÇÃO, Instalação
Porcas da tampa do tubo externo do eixo 14,9 a 20,3 N·m 132 a 180 lb·pol. 2.4 RODA DIANTEIRA, Instalação
dianteiro
Porcas flangeadas do alforje: FLSTC 13,6 a 16,3 N·m 120 a 144 lb·pol. 2.40 ALFORJES: FLSTC, Instalação
Prendedores das abraçadeiras dianteiras 16,3 a 20,3 N·m 12 a 15 lb·pé 2.23 GUIDOM: FLSTC, FLSTN, FXST, Instalação
do guidom
Prendedores das abraçadeiras traseiras 16,3 a 20,3 N·m 12 a 15 lb·pé 2.23 GUIDOM: FLSTC, FLSTN, FXST, Instalação
do guidom
Prisioneiros do suporte do pára-lama: 28,5 a 36,6 N·m 21 a 27 lb·pé 2.40 ALFORJES: FLSTC, Instalação
FLSTC

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-3


PÁGINA INICIAL

PARAFUSO VALOR TORQUE NOTAS


Tampa do tubo interno 81,3 a 95,0 N·m 60 a 70 lb·pé 2.16 GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO, Troca
do óleo do garfo
Tampa do tubo interno 81,3 a 95,0 N·m 60 a 70 lb·pé 2.16 GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO, Insta-
lação
Válvula de sangria do cáliper do freio 9,0 a 11,3 N·m 80 a 100 lb·pol. 2.14 CÁLIPER DO FREIO TRASEIRO, Montagem
Válvula de sangria do cáliper do freio 9,0 a 11,3 N·m 80 a 100 lb·pol. 2.15 SANGRAMENTO DOS FREIOS, Procedi-
mento
Válvula de sangria do cáliper do freio 9,0 a 11,3 N·m 80 a 100 lb·pol. 2.12 CÁLIPER DO FREIO DIANTEIRO, Montagem

2-4 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

ESPECIFICAÇÕES 2.2
ESPECIFICAÇÕES
Especificações do chassi
Tabela 2-1. Capacidade

ITEM L EUA
Tanque de combustível (total) 18,93 5,00 galões
Luz indicadora de nível baixo de combustível 3,79 1,00 galão
Tanque de óleo com filtro 3,31 3,50 quartos
Transmissão (aproximada) 0,95 1,00 quarto
Bloco da corrente primária (aproximada) 0,95 1,00 quarto

Tabela 2-2. Dimensões: FLSTFB, FLSTC, FLSTF, e FLSTN

ITEM FLSTFB FLSTC FLSTF FLSTN


mm pol. mm pol. mm pol. mm pol.
Distância entre os eixos 1638 64,5 1638 64,5 1638 64,5 1638 64,5
Distância mínima do solo 122 4,8 130 5,1 130 5,1 122 4,8
Altura do assento* 616 24,3 648 25,5 645 25,4 622 24,5
*Com motociclista de 81,6 kg (180 lb) no assento

Tabela 2-3. Dimensões: FXST e FXS

ITEM FXST FXS


mm pol. mm pol.
Distância entre os eixos 1638 64,5 1689 66,5
Distância mínima do solo 130 5,1 133 5,25
Altura do assento* 663 26,1 610 24,0
*Com motociclista de 81,6 kg (180 lb) no assento.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-5


PÁGINA INICIAL

Tabela 2-4. Pesos: FLSTC, FLSTF, FLSTFB e FLSTN

ITEM FLSTC FLSTF FLSTFB FLSTN


kg lb kg lb kg lb kg lb
Peso em ordem de marcha* 345,2 761 328,8 725 331,5 731 329,3 726
Peso máximo adicionado permi- 181,0 399 197,4 435 194,7 429 196,9 434
tido**
GVWR 526,2 1160 526,2 1160 526,2 1160 526,2 1160
GAWR dianteiro 195,0 430 195,0 430 195,0 430 195,0 430
GAWR traseiro 331,1 730 331,1 730 331,1 730 331,1 730
*O peso total da motocicleta, tal como entregue, com todos os fluidos e o óleo, e aproximadamente 90% de combustível.
**O peso total dos acessórios, da carga, dos equipamentos de pilotagem, do passageiro e do motociclista não podem ultrapassar
esse peso.

Tabela 2-5. Pesos: FXST e FXS

ITEM FXST FXS


kg lb kg lb
Peso em ordem de marcha* 317,0 699 309,3 682
Peso máximo adicionado permitido** 193,3 426 200,5 442
GVWR 510,3 1125 509,8 1124
GAWR dianteiro 188,2 415 188,2 415
GAWR traseiro 322,1 710 322,1 710
*O peso total da motocicleta, tal como entregue, com todos os fluidos e o óleo, e com aproximadamente 90% de combustível.
**O peso total dos acessórios, da carga, dos equipamentos de pilotagem, do passageiro e do motociclista não pode ultrapassar
esse peso.

• Para obter informações importantes sobre dados dos


pneus e calibragem dos pneus, veja 1.8 PNEUS E
RODAS.
Não exceda a capacidade de peso bruto do veículo (GVWR)
de sua motocicleta ou a capacidade de peso bruto do eixo Especificações dos pneus
(GAWR). Exceder essas especificações de peso pode
causar falha do componente e afetar negativamente a
estabilidade, o manuseio e o desempenho, podendo
resultar em morte ou lesões graves. (00016f) Use pneus, câmaras, tiras ou vedações de aro, válvulas
• A GVWR é a soma do peso da motocicleta, dos acessórios de ar e tampas compatíveis com a roda correta. Entre em
e do peso máximo do motociclista, do passageiro e da contato com o seu concessionário Harley-Davidson. O
carga, que podem ser conduzidos com segurança. uso de peças incompatíveis pode resultar em danos ao
pneu, permitir o deslizamento do pneu na roda ou causar
• GAWR é a quantidade máxima de peso que pode ser uma falha no pneu, o que poderá resultar em morte ou
conduzida com segurança em cada eixo. lesões graves. (00023c)
• A GVWR e a GAWR são mostradas na placa de infor-
mação localizada no tubo inferior do quadro. NOTA
As motocicletas com ABS deverão sempre usar pneus e rodas
NOTAS idênticos aos do equipamento original. O sistema ABS monitora
• O peso máximo adicional permitido na motocicleta é igual a velocidade de rotação das rodas através de sensores de
à capacidade de peso bruto do veículo (GVWR) menos velocidade individuais das rodas para determinar sua apli-
o peso em ordem de marcha. Por exemplo, uma motoci- cação. A troca para rodas com diâmetros diferentes ou pneus
clista com GVWR de 544 kg (1200 lb) com um peso em com tamanhos diferentes pode alterar a velocidade de rotação
ordem de marcha de 363 kg (800 lb), permitirá um peso e desordenar a calibragem do ABS, resultando em um efeito
máximo adicional de 181 kg (400 lb), compreendendo o negativo sobre sua capacidade de detectar e impedir trava-
peso do motociclista, do passageiro, dos acessórios de mentos. Operar com pressão de enchimento diferente daquela
pilotagem, da carga e dos acessórios instalados. especificada na Tabela 2-10 pode reduzir o desempenho do
ABS.

2-6 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

O tamanho do pneu está especificado no flanco dos pneus. diâmetro normal do aro em polegadas, medido do assento do
Veja as tabelas de adaptação de pneus abaixo. O tamanho e talão. O “2,15” é a largura do assento do talão, medida em
contorno do aro estão fundidos ou estampados na sua polegadas. “TLA” designa o contorno do aro. “DOT” indica que
superfície exterior. o aro cumpre os padrões de segurança para a norma de
segurança federal de veículos a motor do Departamento de
Exemplo: T21 x 2,15 TLA DOT. “T” indica que a coroa cumpre
Transporte (EUA).
os padrões da Associação de Pneus e Coroas. O “21” é o

Tabela 2-6. Adaptação – Rodas fundidas sem câmara

TAMANHO E POSIÇÃO TAMANHO E CONTORNO DIÂ. DO FURO DA VÂLVULA PNEU APROVADO


DA RODA DO ARO NO ARO
17 pol. – Dianteiro T17 x 3,50 MT 0,35 pol. Dunlop D408F
140/75R17 67V
17 pol. – Traseiro T17 x 6,00 MT 0,35 pol. Dunlop D407
200/55R17 78V

Tabela 2-7. Adaptação do pneu – Rodas raiadas de perfil de alumínio sem câmara

TAMANHO E POSIÇÃO TAMANHO E CONTORNO PNEU APROVADO


DA RODA DO ARO
16 pol. – Dianteiro T16 x 3,0 MTM Dunlop D402F
MT90B16 72H
16 pol. – Traseiro T16 x 3,0 MTM Dunlop D402
MU85B16 77H

Tabela 2-8. Adaptação do pneu – Rodas raiadas de aço tipo com câmara

TAMANHO E POSIÇÃO DA TAMANHO E CONTORNO DO TAMANHO DA CÂMARA PNEU APROVADO


RODA ARO
16 pol. – Dianteiro T16 x 3,00 D MT90-16 Dunlop D402F
MT90B16 72H
16 pol. – Traseiro (FLSTN) T16 x 3,00 D MT90-16/MU85-16 Dunlop D402
MU85B16 77H
21 pol. – Dianteiro T21 x 2,15 TLA MH90-21 Dunlop D408F
MH90-21 54H
16 pol. – Traseiro (FLSTC) T16 x 3,00 D MT90-16/MU85-16 Dunlop D401
150/80B16

Tabela 2-9. Adaptação do pneu – Rodas raiadas de perfil de alumínio tipo com câmara

TAMANHO E POSIÇÃO DA TAMANHO E CONTORNO DO TAMANHO DA CÂMARA PNEU APROVADO


RODA ARO
16 pol. – Traseiro (FLSTN e T16 x 3,0 MT MT90-16/MU85-16 Dunlop D402
FXS) MU85B16 77H
21 pol. – Dianteiro (FXS) T21 x 2,15 MT MH90-21 Dunlop D402F
MH90-21 54H

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-7


PÁGINA INICIAL

Tabela 2-10. Pneus especificados

MODELO MONTAGEM TAMANHO PNEU ESPECIFICADO PRESSÃO (FRIO)


kPa psi
FLSTC Dianteira 16 pol. Dunlop D402F MT90B16 248 36
FLSTN, FLSTC (banda Dianteira 16 pol. Dunlop D402F MT90B16 248 36
branca)
FLSTF, FLSTFB Dianteira 17 pol. Dunlop D408F 140/75R17 248 36
FXST Dianteira 21 pol. Dunlop D408F MH90-21 207 30
FXS Dianteira 21 pol. Dunlop D402F MH90-21 207 30
FLSTC Traseira 16 pol. Dunlop D401 150/80B16 276 40
FLSTN, FLSTC (banda Traseira 16 pol. Dunlop D402 MU85B16 276 40
branca)
FXS Traseira 16 pol. Dunlop D402 MU85B16 276 40
FLSTF, FXST, FLSTFB Traseira 17 pol. Dunlop D407 200/55R17 290 42

2-8 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO DO VEÍCULO (VIN) 2.3


NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO DO VEÍCULO om00092

Veja Figura 2-1. O número completo de série de 17 dígitos,


ou número de identificação do veículo (VIN), está estampado
na coluna de direção. Em alguns destinos, uma etiqueta com
o VIN impresso também será afixada no tubo inferior dianteiro
direito da estrutura.
Um VIN abreviado está estampado na parte esquerda da car-
caça na base do cilindro traseiro.
NOTA
Forneça sempre todos os 17 dígitos do número de identificação
do veículo quando encomendar peças ou fizer quaisquer
consultas sobre a sua motocicleta.

Figura 2-1. Localização da identificação do VIN

om00914

1 2 3 4 5 6 7 8 9

1HD 1 BW 5 1 3 C B 111000
Figura 2-2. VIN Harley-Davidson típico: Modelos Softail ano 2012

Tabela 2-11. Composição do VIN Harley-Davidson: Modelos Softail ano 2012

POSIÇÃO DESCRIÇÃO VALORES POSSÍVEIS


1 Identificador mundial do fabricante 1HD=Fabricada originalmente para ser vendida dentro dos Estados
Unidos
5HD=Fabricada originalmente para ser vendida fora dos Estados Unidos
932=Fabricada originalmente no Brasil para ser vendida exclusivamente
no mercado brasileiro
MEG=Fabricada originalmente na Índia para ser vendida exclusivamente
no mercado indiano
2 Tipo de motocicleta 1=Motocicleta pesada (901 cm3 e maior)
3 Modelo Consulte a tabela de modelos do VIN
4 Tipo de motor 5=Twin Cam 96B™, 1585 cm3 refrigerado a ar, com injeção de com-
bustível, balanceado
V=Twin Cam 103B™, 1690 cm3 refrigerado a ar, com injeção de com-
bustível, balanceado

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-9


PÁGINA INICIAL

Tabela 2-11. Composição do VIN Harley-Davidson: Modelos Softail ano 2012

POSIÇÃO DESCRIÇÃO VALORES POSSÍVEIS


5 Data de introdução/calibragem Introdução normal Introdução na metade do ano ou
1=EUA especial
3=Califórnia 2, 4=EUA
A=Canadá 5, 6=Califórnia
C=HDI B=Canadá
E=Japão D=HDI
G=Austrália F=Japão
J=Brasil H=Austrália
L=Ásia-Pacífico K=Brasil
N=Índia M=Ásia-Pacífico
P=Índia
6 Dígito de verificação do VIN Pode ser de 0 a 9 ou X
7 Ano do modelo C=2012
8 Planta de montagem B=York, PA EUA
D=H-D Brasil-Manaus, Brasil (CKD)
N=Haryana-Índia (Bawal District Rewari)
9 Número seqüencial Varia

Tabela 2-12. Códigos de modelo do VIN: Modelos Softail ano 2012

CÓDIGO MODELO CÓDIGO MODELO


BV FXST Softail® padrão (mercados da Austrália) JH FLSTC Shrine
BW FLSTC Heritage Softail® Classic JP FXS Blackline™
BX FLSTF Fat Boy® JN FLSTFB Softail™ Fat Boy™ Lo (mercados CAL,
CAN, EUA, JPN)
FLSTFB Softail® Fat Boy® Special (mercados HDI,
HDE)
JD FLSTN Softail® Deluxe

2-10 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

RODA DIANTEIRA 2.4


REMOÇÃO esquerdo e direito. Todos os modelos FLSTC usam um
espaçador dentro do conjunto da calota (2) no lado direito.
1. Bloqueie a motocicleta por baixo do quadro de forma que
a roda dianteira fique acima do chão. 2. Se necessário, remova o disco do freio (7). No lado
esquerdo da roda, remova os cinco parafusos (11) para
2. Inspecione a folga axial do rolamento da roda e os rola- remover o disco esquerdo do freio. Descarte os parafusos.
mentos de serviço se for necessário. Veja 2.8 ROLA-
MENTOS DA RODA COM VEDAÇÃO. 3. Para desmontar a calota dos modelos FLSTC, remova o
anel de retenção do espaçador do cubo. Descarte o anel
3. Veja Figura 2-3. Remova o cáliper do freio. Apóie o cáliper de retenção.
usando uma corda elástica de borracha. Tome cuidado
para não riscar a pintura do pára-lama.
sm03915
NOTA
Não opere a alavanca de freio dianteiro com a roda dianteira
removida, ou o pistão do cáliper poderá ser forçado para fora 1
de seu furo. Retificar o pistão exige desmontagem do cáliper.
4. Remova a porca do eixo, a arruela de pressão e a arruela 2
(3).
5. Etiquete os espaçadores da roda para localização
(esquerda ou direita) e orientação (lado do garfo ou lado
da roda).
6. Veja Figura 2-4. Afrouxe os parafusos da tampa do tubo 3
externo (2) e puxe o eixo (1) para soltá-lo.
NOTAS
• Se for equipada com ABS, nunca puxe o cabo do sensor 1. Parafuso de montagem comprido (métrico)
de velocidade da roda esticado ou use-o para segurar a 2. Parafuso de montagem curto (métrico)
roda, o eixo ou outros componentes. 3. Porca do eixo, arruela de pressão e arruela

• Sempre mantenha o sensor de velocidade da roda e o Figura 2-3. Montagem do cáliper e do eixo dianteiro (lado
rolamento do codificador do ABS afastados de campos esquerdo)
magnéticos como bandejas de peças magnéticas, relógios
comparadores com base magnética, rotores de alterna-
dores, etc., caso contrário ocorrerão danos. sm03123

7. Remova a roda do garfo.

NOTA
Nos modelos FLSTC, a calota sai com a roda.
1
DESMONTAGEM
Disco de roda
NOTA
Veja 2.9 PNEUS para a montagem do pneu ou da haste da
válvula de reposição.
1. Veja Figura 2-5. Remova os espaçadores (2, 7) dos lados
esquerdo e direito.
2
2. Se necessário, remova o disco do freio (6). No lado
esquerdo da roda, remova os cinco parafusos (10) para 1. Eixo
remover o disco do freio. Descarte os parafusos. 2. Parafusos e arruelas da tampa do tubo externo

Roda raiada Figura 2-4. Montagem da roda dianteira

1. Veja Figura 2-6. Em todos os modelos com rodas raiadas,


exceto FLSTC, remova os espaçadores (3, 8) dos lados

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-11


PÁGINA INICIAL

sm3124a
12

11
13
9
14

10

7
3

4 5
3
1 2
1. Eixo 8. Arruela
2. Espaçador do rolamento direito 9. Porca do eixo
3. Rolamento (2) 10. Parafuso (5)
4. Luva 11. Clipe de cabo
5. Disco de roda 12. Suporte da presilha
6. Disco do freio 13. Sensor de velocidade da roda
7. Espaçador do rolamento esquerdo 14. Rolamento do codificador do ABS

Figura 2-5. Disco da roda dianteira: FLSTF/B

2-12 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm03125a 13

12
14 10
15

11

8
4

2
7

5
4
6
3

1
1. Eixo 9. Arruela
2. Espaçador do cubo, calota e anel de retenção (somente 10. Porca do eixo
FLSTC) 11. Parafuso (5)
3. Espaçador do rolamento direito (todos os modelos, 12. Clipe de cabo
exceto FLSTC) 13. Suporte da presilha
4. Rolamento (2) 14. Sensor de velocidade da roda
5. Luva 15. Rolamento do codificador do ABS
6. Roda raiada
7. Disco do freio
8. Espaçador do rolamento esquerdo

Figura 2-6. Roda dianteira raiada: Todos os modelos, exceto FLSTF/B

LIMPEZA E INSPEÇÃO MONTAGEM


1. Inspecione todas as peças quanto a danos ou desgaste
PARAFUSO VALOR TORQUE
excessivo. Se for necessário fazer a manutenção dos
rolamentos vedados da roda, veja 2.8 ROLAMENTOS DA Parafusos do disco do freio, 21,7 a 16 a 24 lb·pé
RODA COM VEDAÇÃO. dianteiro 32,5 N·m
Parafusos do disco do freio, 21,7 a 16 a 24 lb·pé
dianteiro 32,5 N·m

Sempre substitua as pastilhas de freio em conjuntos


completos para uma operação correta e segura dos freios.
A operação inadequada dos freios poderá resultar em
morte ou lesões graves. (00111a) Não permita que fluido de freio ou outros lubrificantes
entrem em contato com as pastilhas ou discos de freio.
2. Inspecione o disco e pastilhas do freio. Veja 1.16 PASTI- Tal contato poderá afetar negativamente a habilidade de
LHAS DO FREIO E DISCOS. frenagem, causando perda de controle, o que poderá
resultar em morte ou lesões graves. (00290a)

Disco de roda
1. Verifique se a roda e o pneu estão corretos. Veja
2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE RODAS.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-13


PÁGINA INICIAL

4. Veja Figura 2-3. Instale a arruela e a porca do eixo (3).


Insira a chave de fenda ou uma vareta de aço através do
furo no eixo do lado direito do veículo. Enquanto mantém
Não reutilize os parafusos dos discos/rotores de freio. A
o eixo parado, aperte a porca do eixo com torque de 81,3
reutilização desses parafusos pode causar perda de torque
a 88,1 N·m (60 a 65 lb·pé).
e danos aos componentes do freio. (00319c)
NOTA
2. Veja Figura 2-5. Se for removido, instale o disco do freio
No próximo passo, certifique-se de que as folgas dianteira e
(6). Verifique se o disco do freio está limpo. Instale cinco
traseira entre a tampa do tubo externo e o tubo externo estejam
novos parafusos (10) para fixar o disco do freio. Aperte
uniformes.
os parafusos com torque de 21,7 a 32,5 N·m (16 a
24 lb·pé). 5. Veja Figura 2-4. Aperte as porcas da tampa do tubo
externo com torque de 14,9 a 20,3 N·m (132 a
3. Instale os espaçadores (2, 7) com a extremidade maior
180 lb·pol.).
chanfrada voltada para fora da roda.
NOTA
Roda raiada Veja Figura 2-5 ou Figura 2-6. Se equipada com ABS, instale
1. Se o cubo e o aro forem desmontados, veja o suporte do cabo do sensor de velocidade da roda (12 ou 13)
2.6 ENRAIAMENTO. durante a instalação do cáliper do freio. Fixe o cabo do sensor
de velocidade da roda no suporte da presilha com o clipe de
2. Verifique se a roda e o pneu estão corretos. Veja cabo (11 ou 12).
2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE RODAS.
6. Veja Figura 2-3. Instale o cáliper do freio e o suporte da
3. Nos modelos FLSTC, fixe a calota no espaçador com o presilha, se equipada com ABS, na perna do garfo usando
novo anel de retenção. o parafuso de montagem comprido (1) (métrico) no furo
superior e o parafuso de montagem curto (2) (métrico) no
furo inferior da perna do garfo.

Não reutilize os parafusos dos discos/rotores de freio. A 7. Aperte os parafusos com torque de 38,0 a 51,5 N·m (28
reutilização desses parafusos pode causar perda de torque a 38 lb·pé).
e danos aos componentes do freio. (00319c) 8. Se equipada com ABS, certifique-se de que o cabo do
4. Veja Figura 2-6. Se necessário, instale o disco do freio sensor de velocidade da roda esteja fixado corretamente
em sua posição original. Verifique se o disco do freio está na tubulação do freio com todas as três presilhas de
limpo. Instale cinco novos parafusos (11) para fixar o segurança e as duas abraçadeiras.
disco do freio (7). Aperte os parafusos com torque de 21,7
a 32,5 N·m (16 a 24 lb·pé).
5. Instale o conjunto do cubo (2) ou os espaçadores (3, 8) Sempre que uma roda for instalada e antes de movimentar
com a extremidade maior chanfrada voltada para fora da a motocicleta, bombeie os freios para acumular pressão
roda. no sistema de freio. Pressão insuficiente poderá afetar
desfavoravelmente o desempenho dos freios, o que poderá
INSTALAÇÃO resultar em morte ou lesões graves. (00284a)
PARAFUSO VALOR TORQUE 9. Bombeie a alavanca manual do freio para mover os
pistões para fora até que façam contato com ambas as
Porca do eixo dianteiro 81,3 a 60 a 65 lb·pé
pastilhas do freio. Verifique a localização do pistão contra
88,1 N·m
as pastilhas.
Porcas da tampa do tubo 14,9 a 132 a
externo do eixo dianteiro 20,3 N·m 180 lb·pol.
Parafuso de montagem do 38,0 a 28 a 38 lb·pé
cáliper do freio, dianteiro 51,5 N·m

1. Aplique uma camada fina de LUBRIFICANTE ANTI-


ENGRIPANTE no eixo, nos mancais de montagem do
rolamento e no furo da luva interna.
2. Coloque a roda no garfo dianteiro e instale o eixo. Veri-
fique se os espaçadores do eixo no lado direito e esquerdo
e o sensor de velocidade da roda (se equipada com ABS)
estão instalados corretamente.
3. Veja Figura 2-7. Se a moto for equipada com ABS, gire o
sensor de velocidade da roda dianteira no sentido anti-
horário até que o pino de encaixe faça contato com o
ressalto do tubo externo esquerdo do garfo.

2-14 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm04027

Figura 2-7. Pino de encaixe do sensor de velocidade da


roda dianteira (equipada com ABS)

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-15


PÁGINA INICIAL

RODA TRASEIRA 2.5


REMOÇÃO 11. Mova a roda para frente e deslize a correia da roda den-
tada.
1. Bloqueie a motocicleta debaixo do quadro de modo que
o seu peso fique fora da roda traseira. 12. Levante a motocicleta para permitir uma distância mínima
suficiente para a remoção da roda traseira.
2. Remova os alforjes, se assim equipado.
13. Puxe a roda com a roda dentada da correia do garfo tra-
3. Remova a capa de proteção da correia e o defletor de seiro.
detritos do garfo traseiro. Veja 2.18 CAPA DE PROTEÇÃO
DA CORREIA E DEFLETOR DE DETRITOS. NOTA
4. Inspecione a folga axial do rolamento da roda e os rola- Não opere o pedal do freio traseiro com a roda traseira remo-
mentos de serviço se for necessário. Veja 2.8 ROLA- vida, caso contrário o pistão do cáliper poderá ser forçado para
MENTOS DA RODA COM VEDAÇÃO. fora de seus furos. Retificar o pistão exige desmontagem do
cáliper.
5. Etiquete os espaçadores da roda para localização
(esquerda ou direita) e orientação (lado do garfo ou lado DESMONTAGEM
da roda).
1. Veja Figura 2-9. Remova os espaçadores (2, 3, 14) dos
6. Equipada com ABS: Corte a abraçadeira para soltar o lados esquerdos e direito caso não tenham sido removidos
cabo do sensor de velocidade da roda traseira da man- anteriormente.
gueira do freio traseiro.
2. Se necessário, remova o disco do freio e/ou a roda den-
7. Remova o cáliper do freio traseiro do suporte do cáliper tada traseira.
e apóie-o usando uma corda elástica ou algo semelhante. a. Remova os cinco parafusos (18) para remover a roda
Veja 2.14 CÁLIPER DO FREIO TRASEIRO. dentada traseira (13). Descarte os parafusos.
8. Veja Figura 2-8. Remova o anel elástico (1). Remova a b. Remova os cinco parafusos (5) para remover o disco
porca do eixo traseiro (2). do freio traseiro (6). Descarte os parafusos.
9. Afrouxe ambos os parafusos do ajustador do eixo (3) com
o mesmo número de voltas para remover a tensão da sm02594a
correia de acionamento.
NOTAS
• Se a moto for equipada com ABS, nunca puxe o cabo do
sensor de velocidade da roda esticado ou use-o para
segurar a roda, o eixo ou outros componentes.
• Sempre mantenha o sensor de velocidade da roda e o
rolamento do codificador do ABS afastados de campos
magnéticos como bandejas de peças magnéticas, relógios 1
comparadores com base magnética, rotores de alterna- 3
dores, etc., caso contrário ocorrerão danos.
2
• Apóie a roda traseira por baixo durante a remoção.
10. Bata ligeiramente no eixo na direção do lado direito e
remova-o. Remova os espaçadores, o suporte de mon- 1. Anel elástico
tagem do cáliper e o sensor de velocidade da roda traseira 2. Porca do eixo
(se equipada com ABS). 3. Ajustador do eixo

Figura 2-8. Ajustadores do eixo

2-16 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm03165b
18 17
16

15
14

8
12
13
4

9
11
7

5 6 10
3
2
1

1. Eixo 10. Cubo e aro da roda raiada


2. Espaçador do rolamento direito, curto 11. Disco de roda
3. Espaçador do rolamento direito, comprido (sem ABS) 12. Rolamento
4. Sensor de velocidade da roda (ABS) 13. Roda dentada traseira
5. Parafuso (5) 14. Espaçador do rolamento esquerdo
6. Disco do freio traseiro 15. Arruela
7. Rolamento (sem ABS) 16. Porca do eixo
8. Rolamento do codificador (ABS) 17. Retentor
9. Luva 18. Parafuso (5)

Figura 2-9. Roda traseira/cubo (típico)

LIMPEZA E INSPEÇÃO MONTAGEM


1. Inspecione todas as peças quanto a danos ou desgaste
PARAFUSO VALOR TORQUE
excessivo.
Parafusos do disco do freio, 40,7 a 30 a 45 lb·pé
2. Inspecione o disco e pastilhas do freio. Veja 1.16 PASTI- traseiro 61,0 N·m
LHAS DO FREIO E DISCOS.
Parafusos da roda dentada da 81,4 N·m 60 lb·pé
3. Inspecione a correia da transmissão e a roda dentada. correia-aperto inicial
Veja 1.12 CORREIA DA TRANSMISSÃO E RODAS
Parafusos da roda dentada da 104,5 a 77 a 83 lb·pé
DENTADAS.
correia-aperto final 112,6 N·m

1. Veja Figura 2-9. Se roda raiada (10) for desmontada, veja


2.6 ENRAIAMENTO.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-17


PÁGINA INICIAL

7. Verifique o alinhamento correto do eixo (veja 2.10 ALINHA-


MENTO DO VEÍCULO) e a flexão da correia (veja
1.12 CORREIA DA TRANSMISSÃO E RODAS DEN-
Não reutilize os parafusos dos discos/rotores de freio. A
TADAS).
reutilização desses parafusos pode causar perda de torque
e danos aos componentes do freio. (00319c)
2. Usando novos parafusos (5), instale o disco do freio (6)
caso tenha sido removido. Aperte os parafusos com torque Verifique a folga axial do rolamento da roda após apertar
de 40,7 a 61,0 N·m (30 a 45 lb·pé). a porca do eixo para o torque especificado. Folga axial
excessiva pode prejudicar a estabilidade e manuseio e
pode causar perda de controle, o que pode resultar em
morte ou lesões graves. (00285b)
Não reutilize os parafusos de montagem da roda dentada.
8. Aperte a porca do eixo com torque de 128,8 a 142,5 N·m
A reutilização dos parafusos de montagem originais da
(95 a 105 lb·pé).
roda dentada poderá resultar em perda de torque de aperto
e em danos à roda dentada e/ou ao conjunto da correia. 9. Instale o retentor (17).
(00480b)
10. Instale a capa de proteção da correia e o defletor de
3. Usando os novos parafusos (18), instale a roda dentada detritos. Veja 2.18 CAPA DE PROTEÇÃO DA CORREIA
da correia (13) caso tenha sido removida. Aperte os E DEFLETOR DE DETRITOS.
parafusos usando a seguinte seqüência:
11. Instale o cáliper e as pastilhas do freio. Veja
a. Aperte os parafusos (18) com um torque inicial de 2.14 CÁLIPER DO FREIO TRASEIRO.
81,4 N·m (60 lb·pé).
12. Se a moto for equipada com ABS, fixe o cabo do sensor
b. Recue os parafusos 1/2 volta (180 graus). de velocidade da roda na tubulação do freio traseiro pró-
c. Aperte os parafusos com um torque final de 104,5 a ximo ao cáliper com uma abraçadeira.
112,6 N·m (77 a 83 lb·pé). 13. Instale os alforjes, se assim equipado.
4. Verifique se a roda e o pneu estão corretos. Veja
2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE RODAS.

INSTALAÇÃO Sempre que uma roda for instalada e antes de movimentar


a motocicleta, bombeie os freios para acumular pressão
PARAFUSO VALOR TORQUE no sistema de freio. Pressão insuficiente poderá afetar
desfavoravelmente o desempenho dos freios, o que poderá
Porca do eixo traseiro 128,8 a 95 a 105 lb·pé
resultar em morte ou lesões graves. (00284a)
142,5 N·m
14. Bombeie o pedal do freio para mover os pistões para fora
1. Veja Figura 2-9. Aplique uma camada fina de LUBRIFI- até que façam contato com ambas as pastilhas do freio.
CANTE ANTI-ENGRIPANTE no eixo (1), nos mancais de Verifique a localização do pistão contra as pastilhas.
montagem do rolamento e no furo da luva interna (9).
sm06982
2. Role a roda no garfo traseiro e deslize a correia de acio-
namento sobre a roda dentada de acionamento.
3. Posicione o espaçador do rolamento esquerdo (14) entre
a roda e o garfo.
4. No lado direito, insira cuidadosamente o eixo através do
garfo traseiro direito, do espaçador curto (3), do suporte
de montagem do cáliper traseiro, do sensor de velocidade
da roda (4) (se equipada com ABS) ou espaçador com-
prido (3) e no furo do rolamento.
Continue deslizando o eixo através da luva do cubo da
roda, do espaçador do lado esquerdo e do garfo traseiro
esquerdo.
5. Instale a arruela (15) e a porca do eixo (16). Não aperte
a porca do eixo por enquanto.
6. Veja Figura 2-10. Se equipada com ABS, gire o sensor Figura 2-10. Pino de encaixe do sensor de velocidade da
de velocidade da roda traseira no sentido anti-horário até roda traseira (equipada com ABS)
que o pino de encaixe faça contato com o suporte do
cáliper no ponto mostrado.

2-18 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

ENRAIAMENTO 2.6
ENRAIAMENTO: CUBO FLANGEADO COM
sm06503
ÂNGULO
NOTAS
• Veja Figura 2-11. O procedimento abaixo é válido para
rodas que utilizam o cubo flangeado com ângulo e qual-
quer estilo ou diâmetro de aro.
• O lado do cubo do freio primário é aquele que tem um ou
dois sulcos cortados na superfície de montagem do disco.
1
sm06505
1 2

1. Raio externo
2. Raio interno

Figura 2-12. Raios juntados

7. Instale os raios externos do flange inferior e, em seguida,


coloque os bicos dos raios sem apertar muito:
2 a. Aro com furo de válvula não centrado: Veja
Figura 2-13. Comece no furo da válvula (1).
1. Furo de raio externo
2. Furo de raio interno b. Aro com furo de válvula centrado: Veja Figura 2-14.
Comece no primeiro furo (1) no sentido anti-horário
Figura 2-11. Cubo flangeado com ângulo
do furo da válvula.

1. Coloque o cubo em uma mesa de trabalho: 8. Instale os raios externos remanescentes de 4 em 4 furos.
a. Dianteiro: Com o lado do freio primário para cima. 9. Instale os raios internos do flange inferior e, em seguida,
b. Traseiro: Com o lado com o freio para baixo. coloque os bicos dos raios sem apertar muito:
a. Começando com o 2º furo (2) no sentido anti-horário
2. Instale todos os raios do flange inferior. do primeiro raio instalado, instale o raio interno.
3. Veja Figura 2-12. Vire o cubo. Junte todos os raios b. Instale os raios internos remanescentes de 4 em 4
externos e segure-os em pé com um elástico. Repita com furos.
os raios internos utilizando um segundo elástico.
10. Solte os raios internos do flange superior e abra-os sobre
4. Instale os raios no outro flange.
o aro, girando-os no sentido horário.
5. Gire os raios do flange inferior tanto quanto possível:
11. Começando com o primeiro furo (3) no sentido anti-horário
a. Os raios externos no sentido horário. do primeiro raio instalado, instale o raio interno. Instale
b. Os raios internos no sentido anti-horário. os raios internos remanescentes de 4 em 4 furos.
12. Solte os raios externos do flange superior e abra-os sobre
6. Centre o aro sobre o cubo e os raios e apóie-o sobre o aro, girando-os no sentido anti-horário.
blocos de madeira com uma altura de aproximadamente
38,1 mm (1,5 pol.). 13. Instale os raios externos nos furos remanescentes (4).
a. Se o furo da válvula não estiver localizado no centro 14. Verifique se as extremidades dos raios estão encaixadas.
do aro, posicione o aro com o furo para cima. Aperte os bicos dos raios com as mãos até que estejam
b. Se a válvula estiver localizada no centro do aro, apertados. Aperte apenas para remover a folga. O torque
poderá ser colocada com qualquer lado para cima. correto será aplicado quando a roda for alinhada. Ajuste
o desvio e alinhe a roda. Veja 2.7 VERIFICAÇÃO E
NOTA CENTRAGEM DE RODAS.
Instale os bicos até que aproximadamente 3,2 mm (1/8 pol.)
da rosca do raio esteja visível.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-19


PÁGINA INICIAL

sm06506 sm06507
2 3 1
3 1 4
2
4

Figura 2-13. Aro com válvula não centrada Figura 2-14. Aro com válvula centrada

2-20 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE RODAS 2.7


INFORMAÇÕES GERAIS sm03115

Inspecione as rodas para ver se há desvio lateral e radial antes


de instalar um pneu, uma câmara ou uma vedação de aro
novos. O procedimento de verificação de rodas raiadas é igual
independentemente de serem fundidas ou raiadas.
Rodas raiadas com desvio excessivo podem ser alinhadas,
enquanto rodas fundidas devem ser substituídas. Nunca tente
alinhar uma roda fundida.
Sempre verifique as condições dos rolamentos da roda antes
de verificar ou ajustar o desvio da roda. Veja 1.8 PNEUS E 1
RODAS, Rolamentos da roda.

VERIFICAÇÃO DO DESVIO DA RODA

PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA


HD-99500-80 SUPORTE DE CENTRAGEM E
BALANCEAMENTO DA RODA

Verificando o desvio lateral 2


Veja Figura 2-15. Suporte a roda no SUPORTE DE CEN-
TRAGEM E BALANCEAMENTO DA RODA (peça N.o HD-
99500-80).
3
NOTA
Para medir o desvio com maior exatidão, utilize um indicador
com mostrador no lugar de um indicador em forma de haste.
1. Suporte de centragem e balanceamento da roda
Para verificar o desvio lateral, coloque um indicador em forma
2. Excentricidade lateral
de haste próximo ao flange do talão do aro, ou um relógio 3. Indicador em forma de haste
comparador nesse flange, e meça a distância em vários locais
no aro. O desvio lateral não deve ultrapassar 0,76 mm Figura 2-15. Verificação do desvio lateral
(0,030 pol.).
Verificação do desvio radial
Veja Figura 2-16. Ajuste o indicador no suporte de centragem
para próximo à proeminência de segurança do talão do pneu.
Gire a roda e meça a distância em vários locais no aro. O
desvio não deve ultrapassar 0,76 mm (0,030 pol.).

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-21


PÁGINA INICIAL

sm03117 sm01235

1 2

2
4 Figura 2-17. Marcando os grupos de raios

2. Veja Figura 2-18. Suporte a roda no SUPORTE DE


3 CENTRAGEM DE RODA (peça N.o HD-99500-80) utili-
zando o eixo intermediário. Aperte as porcas do eixo
intermediário para que o cubo gire nos seus rolamentos.
NOTA
O lado do cubo do disco do freio primário é aquele que tem
1. Suporte de centragem e balanceamento da roda
2. Excentricidade radial um ou dois sulcos cortados na superfície de montagem do
3. Indicador em forma de haste disco.
4. Proeminência de segurança do talão 3. Deite uma régua na superfície de montagem do disco do
Figura 2-16. Verificação do desvio radial freio primário e no cubo em um dos grupos de raios mar-
cados.
Se qualquer das medidas não estiver dentro das especifi- 4. Veja Figura 2-19. Meça a distância da régua até o local
cações: mostrado, dependendo do tipo de aro, para determinar a
distância A. Veja Tabela 2-13.
• Roda fundida: Substitua a roda.
• Roda raiada: Ajuste os raios para alinhar a roda. Veja os NOTAS
passos nesta seção. • Sempre afrouxe os raios apropriados antes de apertar os
outros dois. Fazer esse procedimento ao contrário resul-
DESLOCAMENTO DO ARO DA RODA tará em um aro não redondo.
RAIADA • Aperte ou afrouxe os raios um quarto de volta de cada
vez e controle a medida novamente.
PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA • Sempre trabalhe com grupos opostos para manter o
HD-94681-80 CHAVE PARA BICO DE RAIOS desvio radial.
HD-99500-80 SUPORTE DE CENTRAGEM DE 5. Caso a dimensão não esteja correta, ajuste os quatro
RODA raios utilizando a CHAVE PARA BICO DE RAIOS (peça
N.o HD-94681-80). Por exemplo, se a medida do lado
1. Veja Figura 2-17. Coloque um pedaço de fita no aro para direito for menor do que deve ser, afrouxe os dois cubos
marcar o centro de cada grupo de quatro raios, como no lado direito do aro e aperte os dois cubos do lado
mostrado. Os grupos devem ser diretamente opostos um esquerdo. Gire os quatro raios um número igual de voltas
ao outro, e deve haver aproximadamente 90 graus entre até que a profundidade esteja correta.
eles. Use cores diferentes de fita ou escreva números nas
6. Repita o passo anterior para todos os grupos de raios na
fitas para facilitar.
roda.
7. Uma vez que a profundidade esteja verificada, continue
na seção 2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE RODAS,
Centragem de rodas raiadas.

2-22 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm03223

Figura 2-18. Verificação da dimensão da profundidade da


roda (típico)

Tabela 2-13. Dimensões de deslocamento da roda

TIPO DE ARO MODELO TAMANHO RODA mm pol.


Raiado de aço (1) FXST 21 x 2,15 Dianteira 42,16 a 42,93 1,660 a 1,690
FLSTC, FLSTN 16 x 3 Dianteira 32,18 a 32,94 1,267 a 1,297
FLSTC, FLSTN 16 x 3 Traseira 35,23 a 35,99 1,387 a 1,417
Perfil de alumínio FXS 21 x 2,15 Dianteira 42,93 a 43,69 1,690 a 1,720
Raiado de aço (2) FXS 16 x 3 Traseira 28,02 a 28,78 1,102 a 1,133
FLSTC, FLSTN 16 x 3 Dianteira 25,46 a 26,22 1,002 a 1,032
FLSTC, FLSTN 16 x 3 Traseira 28,52 a 29,28 1,123 a 1,153

sm04390

1 2

1. Aro de aço
2. Perfil de alumínio

Figura 2-19. Dimensão do deslocamento do cubo das rodas raiadas

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-23


PÁGINA INICIAL

CENTRAGEM DE RODAS RAIADAS 5. Trabalhando em lados alternados da roda, utilize o TOR-


QUÍMETRO DE RAIOS (peça N.o HD-48985) para apertar
PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA todos os raios para o torque especificado na Tabela 2-14.

94681-80 CHAVE DE BICO DE RAIO 6. Caso esteja trabalhando com um cubo com flange reto,
verifique se cada cabeça de raio no flange do cubo está
HD-48985 TORQUÍMETRO DE RAIOS encaixada, utilizando um punção com bico chato e um
HD-99500-80 SUPORTE DE CENTRAGEM DE macete.
RODA
7. Verifique se o desvio radial ainda está dentro da faixa
especificada.
PARAFUSO VALOR TORQUE
8. Após ter verificado se a excentricidade radial ainda está
Conexão do raio 6,2 N·m 55 lb·pol. dentro da especificada, prossiga para a excentricidade
lateral.
NOTAS
• Para medir o desvio com mais exatidão, um relógio com-
parador pode ser utilizado em vez de um indicador em
forma de haste. Raios apertados demais podem puxar os bicos pelo aro
ou distorcer os flanges do cubo. Raios frouxos demais
• A centragem radial deve ser feita antes da centragem
podem soltar mais ainda quando a motocicleta for utili-
lateral.
zada. Qualquer uma das duas condições pode afetar des-
Excentricidade radial favoravelmente a estabilidade e o manuseio do veículo, o
que poderá resultar em morte ou lesões graves. (00286a)
1. Veja Figura 2-20. Com a roda montada no SUPORTE DE
CENTRAGEM DE RODA (peça N.o HD-99500-80), ajuste
o indicador no suporte (3) próximo da projeção de segu-
rança (4) do talão do pneu. Caso esteja utilizando um
relógio comparador, coloque a sua ponta na projeção de
segurança do talão.
2. Caso esteja trabalhando com um cubo com flange reto,
encaixe cada cabeça de raio no flange do cubo utilizando
um punção com bico chato e um macete.
NOTAS
• Sempre afrouxe os raios apropriados utilizando a CHAVE
DE BICO DE RAIO (peça N.o 94681-80), antes de apertar
os outros dois. Realizar esse procedimento ao contrário
resultará em um aro não redondo.
• Aperte ou afrouxe os raios um quarto de volta cada vez
e controle a medida novamente. Pequenas alterações
nos raios podem resultar em mudanças grandes no
desvio.
• Sempre trabalhe com grupos opostos para manter o
desvio radial.
3. Gire o aro devagar e verifique a distância (2). O aro deve
estar alinhado dentro de 0,76 mm (0,030 pol.).
a. Caso o raio entre em contato com o indicador próximo
a um grupo de raios marcado, afrouxe os raios no
grupo no lado oposto do aro. Em seguida, aperte os
raios no grupo em que o aro toca o indicador um
número igual de voltas.
b. Se o raio tocar o indicador entre dois grupos mar-
cados, afrouxe os raios em ambos os grupos no lado
contrário do aro. Em seguida, aperte os grupos de
raios no lado do aro que fez contato com o indicador
dando um número igual de voltas.

4. Quando a roda estiver centralizada e alinhada, comece


no furo da válvula e aperte todos os bicos de raio, um por
vez, até que fiquem firmes.

2-24 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

• Aperte ou afrouxe os raios um quarto de volta cada vez


sm03117
e controle a medida novamente. Pequenas alterações
nos raios podem resultar em mudanças grandes no
desvio.
3. Novamente trabalhando com grupos de quatro, afrouxe
dois raios no lado apertado e aperte dois raios no lado
solto.
4. Repita com cada grupo até que a roda satisfaça as
especificações.

1 5. Verifique se todos os bicos dos raios estão apertados


dentro das especificações. Veja Tabela 2-14.
6. Caso o pneu seja removido do aro, use uma lima ou outra
ferramenta para lixar as extremidades dos raios que se
projetarem além dos bicos para evitar que a câmara seja
furada quando o pneu for montado.
NOTA
Depois da instalação da roda dianteira, verifique visualmente,
2 se ela está aproximadamente centrada entre os ressaltos dos
4 pára-lamas do garfo.

sm03115
3

1. Suporte de centragem e balanceamento da roda


2. Excentricidade radial
3. Indicador em forma de haste
4. Proeminência de segurança do talão

Figura 2-20. Controlando o desvio radial


1

Tabela 2-14. Especificação de torque de aperto dos bicos


dos raios

TIPO DE ARO TORQUE MÍNIMO


Todas 6,2 N·m (55 lb·pol.)

Excentricidade lateral
NOTA 2
Para medir o desvio com mais exatidão, um relógio comparador
pode ser utilizado em vez de um indicador em forma de haste. 3
1. Veja Figura 2-21. Com a roda montada no SUPORTE DE
CENTRAGEM DE RODA (peça N.o HD-99500-80), ajuste
o indicador em forma de haste (3) perto do flange do talão
do aro.
1. Suporte de centragem e balanceamento da roda
2. Gire o aro devagar e verifique o desvio lateral (2). Se o 2. Excentricidade lateral
desvio ultrapassar 0,76 mm (0,030 pol.), ajuste os raios 3. Indicador em forma de haste
como a seguir.
Figura 2-21. Verificando o desvio lateral
NOTAS
• Sempre afrouxe os raios apropriados antes de apertar os
outros dois. Fazer esse procedimento ao contrário resul-
tará em um aro não redondo.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-25


PÁGINA INICIAL

ROLAMENTOS DA RODA COM VEDAÇÃO 2.8


INSPEÇÃO NOTAS
• Veja Figura 2-24. Alguns cubos podem não fornecer apoio
1. Gire a roda várias vezes. adequado para a ponte do removedor de rolamentos.
NOTA Nesses casos, centre um disco de freio usado sobre o
Se a moto for equipada com ABS, mantenha o relógio compa- cubo para suportar a ponte enquanto estiver removendo
rador com base magnética o mais afastado possível do sensor os rolamentos.
de velocidade da roda e do rolamento codificador do ABS, • Motocicletas equipadas com ABS usam um rolamento
caso contrário ocorrerão danos. codificador especial (com cor esverdeado castanho-
2. Verifique a folga axial como segue: amarelado) no lado do disco do freio primário e um rola-
mento padrão (preto) no lado oposto. Selecione HD-
a. Veja Figura 2-22. Monte um relógio comparador com 44060-11 se a motocicleta for equipada com ABS, ou HD-
base magnética no disco do freio. Ajuste o ponto de 44060-10 para motocicletas sem ABS.
contato do comparador na extremidade do eixo.
3. Veja Figura 2-23. Pegue o INSTALADOR/EXTRATOR DE
b. Empurre com firmeza a roda para um lado e zere o ROLAMENTO DA RODA (peça N.o HD-44060C) e monte
relógio comparador.
usando a PINÇA DE 25 MM (peça N.o HD-44060-10) (6).
c. Puxe com firmeza a roda para trás, o máximo a. Aplique um pouco de lubrificante de grafite nas roscas
possível, e anote a leitura do relógio comparador. do parafuso forçador (1) para prolongar a vida útil e
d. Repita o procedimento para verificar a leitura. fornecer uma operação suave.

e. Os rolamentos passam pela inspeção de folga axial b. Instale a porca (2), a arruela (3) e o rolamento (4) no
se a leitura for inferior a 0,051 mm (0,002 pol.). parafuso. Insira o conjunto pelo furo na ponte (5).

f. Substitua os rolamentos se a folga axial ultrapassar c. Deixe cair um rolamento de esferas dentro do cáliper
a especificação, ou se houver resistência, rotação de 25 mm (6). Fixe a pinça com o rolamento de
difícil, ruído anormal ou algo incomum. esferas contra o parafuso forçador.

4. Segure a extremidade do parafuso forçador e vire a pinça


sm02234 para expandir suas bordas.
5. Veja Figura 2-25. Quando a pinça expandida estiver
segurando as bordas do rolamento, segure a extremidade
do parafuso forçador e vire a porca para remover o rola-
mento da roda.
6. Remova o espaçador do interior do cubo da roda.
7. Repita o procedimento para o outro lado do rolamento.
Descarte todos os rolamentos depois de removidos.

Figura 2-22. Inspeção do rolamento da roda (roda dianteira


mostrada)

REMOÇÃO

PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA


HD-44060-10 PINÇA DE 25 MM
HD-44060C INSTALADOR/EXTRATOR DE ROLA-
MENTO DA RODA

1. Remova a roda da motocicleta. Veja 2.4 RODA DIAN-


TEIRA ou 2.5 RODA TRASEIRA.
2. Se estiver presente, remova a placa do cubo da roda no
lado oposto do disco do freio dianteiro.

2-26 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm02235 SM03870

2
3
4
5

1. Parafuso forçador
2. Porca
3. Arruela
4. Rolamento
5. Ponte
6. Pinça com rolamento de esferas no interior

Figura 2-23. Ferramenta de remoção

Figura 2-24. Uso do disco de freio como base para ponte


do extrator

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-27


PÁGINA INICIAL

primário do cubo. O rolamento estará plenamente encai-


sm02236
xado quando não for mais possível virar a porca. Remova
1
a ferramenta.
3. Instale o espaçador dentro do cubo da roda.
4. Inverta a ferramenta e instale o rolamento do lado oposto
2 até que o rolamento faça contato com o espaçador interno.

sm02237

1. Parafuso forçador
2. Porca

Figura 2-25. Remoção do rolamento

Figura 2-26. Placa de suporte da ferramenta de instalação


INSTALAÇÃO

PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA


sm02238
HD-44060C INSTALADOR/EXTRATOR DE ROLA-
MENTO DA RODA
6
NOTAS 5
• Instale primeiro o rolamento no lado do cubo do disco do
freio primário que é identificado com dois sulcos cortados 4
na superfície de montagem do disco.
• Mantenha os rolamentos do codificador ABS afastados
de campos magnéticos (como bandejas de peças
magnéticas, relógios comparadores com base magnética,
rotores de alternadores, etc.), caso contrário ocorrerão 3
danos. 2
1
• Motocicletas equipadas com ABS usam um rolamento
codificador especial (com cor esverdeado castanho-
amarelado) no lado do disco do freio primário e um rola-
mento padrão (preto) no lado oposto. 1. Haste rosqueada
2. Porca
1. Pegue o INSTALADOR/EXTRATOR DE ROLAMENTO 3. Arruela
DA RODA (peça N.o HD-44060C) e monte-o. 4. Rolamento
a. Aplique um pouco de lubrificante de grafite nas roscas 5. Guia
6. Rolamento da roda
da haste rosqueada para prolongar a vida útil e
manter uma operação suave. Figura 2-27. Instalando o rolamento
b. Veja Figura 2-26. Passe a haste rosqueada pela placa
de suporte. Insira o conjunto pela roda.
c. Veja Figura 2-27. Coloque o novo rolamento (6) na
haste (1) com o lado com letras voltado para fora da
linha central da roda. Rolamento ABS com o lado de
cor esverdeado castanho-amarelado contra a guia
(5).
d. Instale a guia (5), o rolamento (4), a arruela (3) e a
porca (2) na haste.

2. Segure a extremidade hexagonal da haste rosqueada (1)


e gire a porca (2) para instalar o rolamento (6) no lado

2-28 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

NOTAS
sm02239
9 10 12 • As peças de 1 a 7 são comuns para remoção e instalação.
11 • As peças de 8 a 10 são usadas somente para remoção.
13 • As peças de 11 a 15 são usadas somente para instalação.
8
1 7

2 6 14

4
3 5 15
1. Ponte, (peça N.o HD-44060-5)
2. Esfera de aço, (peça N.o 12547)
3. Parafuso forçador, (peça N.o HD-44060-4)
4. Porca, (peça N.o 10210)
5. Arruela, (peça N.o 12004)
6. Rolamento, (peça N.o 217801)
7. Lubrificante, (peça N.o J-23444A)
8. Pinça, 19 mm (3/4 pol.), (peça N.o HD-44060-3A)
9. Pinça (ABS), 25 mm, (peça N.o HD-44060-11)
10. Pinça, 25,4 mm (1,0 pol.), (peça N.o HD-44060-7)
11. Pinça, 25 mm, (peça N.o HD-44060-10)
12. Guia, 25,4 mm (1,0 pol.), (peça N.o HD-44060-8)
13. Placa de apoio, (peça N.o HD-44060-1)
14. Guia, 19 mm (3/4 pol.), (peça N.o HD-44060-6)
15. Haste rosqueada, (peça N.o 280856)

Figura 2-28. Componentes do instalador/extrator de


rolamento da roda

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-29


PÁGINA INICIAL

PNEUS 2.9
INFORMAÇÕES GERAIS sm02177a

Use somente pneus especificados pela Harley-Davidson.


Consulte um concessionário Harley-Davidson. O uso de 1
pneus não especificados pode afetar negativamente a
estabilidade, o manuseio ou a frenagem, o que poderá
resultar em morte ou lesões graves. (00024b)

Certifique-se de que os pneus estejam devidamente


inflados, balanceados, sem danos e que tenham uma
banda de rodagem adequada. Inspecione os pneus regu-
larmente e consulte um concessionário Harley-Davidson
para substituições. Pilotar com desgaste excessivo, des-
balanceamento, inflagem desapropriada, sobrecarga ou
pneus danificados pode causar uma falha no pneu com
2
conseqüente instabilidade e dificuldade no manuseio, o
que poderá resultar em morte ou lesões graves. (00014b)
Sempre mantenha a pressão apropriada dos pneus, como
especificado na Tabela 2-10. Não carregue os pneus além do
peso bruto máximo permitido por eixo (GAWR) especificado
na Tabela 2-4 ou na Tabela 2-5. Pneus sem ar suficiente,
cheios demais ou com sobrecarga podem falhar.
NOTAS
• Verifique o desvio em todas as rodas raiadas ou fundidas
antes de instalar um pneu novo. Veja 2.7 VERIFICAÇÃO
E CENTRAGEM DE RODAS. 1. Flanco do pneu
2. Superfície da banda de rodagem
• Armazene pneus novos em uma prateleira horizontal.
Evite empilhar pneus novos verticalmente. O peso da Figura 2-29. Indicadores de desgaste da banda de rodagem
pilha comprime os pneus e fecha os talões. (típico)
• Inspecione os pneus para ver se há furos, cortes, quebras
e desgaste pelo menos uma vez por semana. REMOÇÃO
• Veja Figura 2-29. As barras indicadoras de desgaste da NOTA
banda de rodagem aparecerão nas superfícies da banda
É necessário tomar cuidado ao remover e instalar pneus para
de rodagem do pneu quando restar 0,8 mm (1/32 pol.) ou
evitar danos cosméticos à roda. Esse é o caso especialmente
menos de espessura da banda de rodagem. Sempre
quando as rodas têm superfícies pintadas.
substitua os pneus antes que cheguem as barras indica-
doras de desgaste da banda de rodagem. 1. Remova a roda da motocicleta:
Novos pneus serão necessários se houver uma das seguintes a. Roda dianteira: Veja 2.4 RODA DIANTEIRA,
condições. Veja 1.8 PNEUS E RODAS. Remoção.

1. Os pinos indicadores de desgaste do pneu estão visíveis b. Roda traseira: Veja 2.5 RODA TRASEIRA,
nas superfícies da banda de rodagem. Remoção.

2. Os cabos ou a lona do pneu estão visíveis através de 2. Solte o ar do pneu.


flancos trincados, saliências ou cortes profundos.
NOTA
3. Aparece uma protuberância, saliência ou rachadura no Em rodas do tipo com câmara, não é necessário remover o
pneu. pneu completamente do aro para trocar a câmara. Remover
apenas um lado permite a troca da câmara e a inspeção do
4. Furo, corte ou outro dano no pneu que não pode ser
pneu.
reparado.
3. Solte ambos os talões do flange do pneu. Na maioria dos
casos, uma máquina para desmontar pneus será
necessária para soltar os talões do aro.
4. Remova o pneu.

2-30 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

LIMPEZA, INSPEÇÃO E REPARO


1. Limpe o lado interior do pneu e a superfície externa da
câmara. Certifique-se de que os pneus estejam devidamente
inflados, balanceados, sem danos e que tenham uma
2. Se o aro estiver sujo ou enferrujado, limpe-o com uma banda de rodagem adequada. Inspecione os pneus regu-
escova de aço duro. larmente e consulte um concessionário Harley-Davidson
3. Inspecione as rodas para ver se há desvio lateral e radial para substituições. Pilotar com desgaste excessivo, des-
antes de instalar um pneu novo. Veja 2.7 VERIFICAÇÃO balanceamento, inflagem desapropriada, sobrecarga ou
E CENTRAGEM DE RODAS. pneus danificados pode causar uma falha no pneu com
conseqüente instabilidade e dificuldade no manuseio, o
4. Inspecione o pneu para ver se há desgaste e danos. Ins- que poderá resultar em morte ou lesões graves. (00014b)
pecione a profundidade da banda de rodagem. Substitua
Para obter a pressão dos pneus, veja 1.8 PNEUS E RODAS,
pneus desgastados. Substitua a câmara de ar ou a
Pneus.
vedação do aro antes de reinstalar o pneu.
Alguns pneus têm setas moldadas na parede lateral do pneu.
Esses pneus devem ser montados no aro com a seta apon-
tando no sentido de rotação para frente. O ponto colorido no
Substitua pneus furados ou danificados. Em alguns casos, flanco do pneu é uma marca de balanceamento e deve ficar
pequenos furos na área da banda de rodagem podem ser oposto ou a 180 graus do buraco da haste da válvula.
consertados na parte de dentro do pneu removido por um
concessionário Harley-Davidson. A velocidade NÃO deve Pneus com câmara
ultrapassar 80 km/h (50 mi/h) nas primeiras 24 horas após
o reparo, e o pneu consertado NUNCA deverá ser usado
a mais de 130 km/h (80 mi/h). A não observância deste
Use pneus, câmaras, tiras ou vedações de aro, válvulas
aviso poderá levar a falha do pneu e resultar em morte ou
de ar e tampas compatíveis com a roda correta. Entre em
lesões graves. (00015b)
contato com o seu concessionário Harley-Davidson. O
5. Repare a banda de rodagem em pneus sem câmara caso uso de peças incompatíveis pode resultar em danos ao
o furo tenha 6,4 mm (1/4 pol.) ou menos. Reparos pre- pneu, permitir o deslizamento do pneu na roda ou causar
cisam ser feitos pelo lado interior do pneu. uma falha no pneu, o que poderá resultar em morte ou
lesões graves. (00023c)
6. Sempre combine um remendo e um tampão ao reparar
pneus danificados.
NOTAS
INSTALAÇÃO • Para obter os tipos corretos de pneu e de câmara, veja
2.2 ESPECIFICAÇÕES.
PARAFUSO VALOR TORQUE
• Toda vez que um pneu que usa câmara é substituído, a
Porca da haste da válvula 1,4 a 1,7 N·m 12 a câmara também deve ser substituída. Câmaras só devem
15 lb·pol. ser remendadas como medida de emergência. Substitua
Porca da haste da válvula 1,4 a 1,7 N·m 12 a uma câmara danificada ou remendada assim que possível.
15 lb·pol. Cintas protetoras de aro devem ser utilizadas em todas
as rodas raiadas.
1. Veja Figura 2-30. Em rodas raiadas com câmara, instale
uma faixa de aro na fenda central do aro. Certifique-se
Os pneus dianteiro e traseiro da Harley-Davidson não são de que nenhum raio se projete além dos bicos, e verifique
iguais. Inverter os pneus dianteiro e traseiro pode causar se o furo da válvula na faixa do aro está alinhado com o
defeito do pneu, o que poderá resultar em morte ou lesões furo da haste da válvula no aro.
graves. (00026a) 2. Instale a câmara e o pneu.

Não ultrapasse a pressão recomendada pelo fabricante


para assentar os talões. Ultrapassar a pressão recomen-
dada pode arrebentar o conjunto do aro e pneu, o que
poderá resultar em morte ou lesões graves. (00282a)

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-31


PÁGINA INICIAL

sm02466 sm02467

1. Porca
2. Arruela metálica
3. Ilhó de borracha

Figura 2-31. Haste da válvula de pneu sem câmara

Pneus sem câmara: Rodas raiadas


Figura 2-30. Instalando a faixa do aro

Pneus sem câmara: Rodas fundidas Não use lubrificantes ao instalar a vedação do aro. Os
lubrificantes podem causar deslizamento na vedação do
aro, levando a um esvaziamento do pneu, podendo resultar
em morte ou lesões graves. (00612b)
Instale apenas válvulas e tampas de válvula de pneu origi-
nais. Uma válvula, ou o conjunto de válvula/tampa, que
esteja longa ou pesada demais pode bater em compo-
nentes adjacentes, danificando a válvula e levando à perda Use pneus, câmaras, tiras ou vedações de aro, válvulas
rápida de pressão. Perda rápida de pressão pode provocar de ar e tampas compatíveis com a roda correta. Entre em
a perda de controle do veículo, o que poderá resultar em contato com o seu concessionário Harley-Davidson. O
morte ou lesões graves. (00281a) uso de peças incompatíveis pode resultar em danos ao
pneu, permitir o deslizamento do pneu na roda ou causar
1. Veja Figura 2-31. No caso de rodas fundidas sem câmara, uma falha no pneu, o que poderá resultar em morte ou
as hastes de válvulas danificadas ou com vazamento lesões graves. (00023c)
devem ser substituídas. Instale um ilhó de borracha (3)
na haste da válvula.
2. Insira a haste da válvula no furo do aro.
Instale a nova vedação antes de montar o pneu. Pilotar a
3. Instale a arruela metálica (2). motocicleta sem a vedação posicionada pode danificar a
haste de válvula, causando perda rápida de ar e levando
4. Instale a porca e aperte com torque de 1,4 a 1,7 N·m (12
à perda de controle, o que pode resultar em morte ou
a 15 lb·pol.).
lesões graves. (00622b)
5. Instale o pneu. Veja Figura 2-32. Aros de rodas raiadas sem câmara são
identificados pela palavra “TUBELESS” (sem câmara)
estampada no lado de fora do aro e são fabricados com
o perfil MTM. Um identificador típico seria “TUBELESS
16M/CxMTM3.00 T DOT”.
• Não instale uma vedação de aro e um pneu sem
câmara em um aro raiado que não tenha essa
identificação.
• NÃO instale uma câmara em um pneu montado em
um aro raiado sem câmara.
• Não instale um pneu em um aro raiado sem câmara
sem a faixa do aro e a vedação do aro instaladas.

2-32 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

A falha em seguir essas diretrizes poderá resultar em uma VERIFICAÇÃO DO DESVIO DO PNEU
perda repentina e inesperada de pressão de ar, resultando
em perda de controle, ferimentos sérios ou morte. Excentricidade lateral
NOTAS 1. Verifique se o pneu está calibrado.
• Em rodas raiadas sem câmara, uma haste de válvula 2. Veja Figura 2-34. Gire a roda no eixo e meça o desvio
danificada ou com vazamento exige a substituição da lateral do pneu de um ponto fixo a uma área lisa na parede
vedação do aro. lateral do pneu. Evite medir sobre as letras em relevo ou
• A faixa do aro e a vedação do aro deverão ser substituídas os furos de ventilação.
sempre que o pneu for removido. 3. O desvio lateral do pneu não deve ultrapassar 2,29 mm
• Não use lubrificante ao instalar a faixa e a vedação no (0,090 pol.). Se o desvio do pneu ultrapassar a especifi-
aro. O lubrificante deve ser usado ao instalar o pneu no cação, remova o pneu do aro e verifique o desvio lateral
aro. do aro. Se necessário, substitua as rodas fundidas. Veja
2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE RODAS.
• Instale apenas vedações e tampas de válvula para pneu
sem câmara originais. 4. Se o desvio lateral do aro estiver dentro da especificação,
o problema está com o pneu, e o pneu deve ser substi-
1. Veja Figura 2-33. Instale uma nova faixa do aro (2) e a tuído. Se o desvio lateral do aro não estiver dentro das
vedação do aro (1). especificações, corrija-o ajustando os raios em rodas
2. Insira a haste da válvula através do furo do aro e fixe-a raiadas ou substituindo as rodas fundidas. Veja
com a porca. Aperte a porca com torque de 1,4 a 1,7 N·m 2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE RODAS.
(12 a 15 lb·pol.). 5. Instale o pneu. Verifique o desvio lateral do pneu.
3. Instale o pneu.
sm01803

sm06835a

Figura 2-32. Identificação de roda raiada sem câmara


Figura 2-34. Verificando o desvio lateral do pneu

sm07284
Excentricidade radial
3 1. Verifique se o pneu está calibrado.
1 2. Veja Figura 2-35. Gire a roda no eixo e meça o desvio
2 radial do pneu na linha central da banda de rodagem.
3. O desvio radial do pneu não deve ultrapassar 2,29 mm
(0,090 pol.). Caso o desvio do pneu ultrapasse esse valor,
remova o pneu do aro. e verifique o desvio radial do aro.
Se necessário, substitua as rodas fundidas. Veja
2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE RODAS.
4. Se o desvio radial do aro estiver dentro da especificação,
o problema está com o pneu, e o pneu deve ser substi-
tuído. Se o desvio do talão do aro não estiver dentro das
especificações, corrija-o ajustando os raios em rodas
raiadas ou substituindo as rodas fundidas. Veja
2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM DE RODAS.
1. Vedação do aro
2. Faixa do aro 5. Instale o pneu e verifique o desvio radial do pneu nova-
3. Roda mente.
Figura 2-33. Roda sem câmara e vedação

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-33


PÁGINA INICIAL

sm01804
Pesos
O peso máximo permissível para balanceamento é 99,2 g
(3,5 onças) (peso total aplicado ao aro). Caso seja necessário
mais de 99,2 g (3,5 onças) de peso para balancear a roda,
vire o pneu 180 graus no aro e faça o balanceamento do con-
junto novamente. As rodas devem ser balanceadas respeitando
o limite de 14 g (0,5 onças).
Todos os pesos de roda fornecidos atualmente pela Harley-
Davidson são feitos com zinco, que é mais leve do que o
chumbo. O peso de cada segmento de zinco é de 5 g
(0,18 onças) contra 7 g (0,25 onças) do chumbo e é estampado
em cada segmento para facilitar a identificação. Considere
essa diferença ao balancear as rodas.
NOTAS
• Se for necessário adicionar 43 g (1,5 onças) ou mais de
peso em um ponto, divida o peso de maneira que cada
lado do aro receba metade deste peso.

Figura 2-35. Verificando o desvio radial do pneu • Em rodas fundidas sem uma área plana próximo ao talão
é aceitável colocá-los transversalmente na abertura.

BALANCEAMENTO DA RODA 1. Veja Figura 2-36. Coloque os pesos em uma superfície


lisa do aro da roda, de maneira que a força centrífuga
Estático e dinâmico ajude a mantê-los no lugar. Certifique-se de que a área
de aplicação esteja completamente limpa, seca e livre de
O balanceamento da roda é recomendado para melhorar a óleo e graxa.
dirigibilidade e para reduzir vibrações, especialmente a altas
velocidades. NOTA
Veja Figura 2-37. Ao instalar pesos, o alinhamento deverá ser
O balanceamento estático produzirá resultados satisfatórios considerado por motivos estéticos. O serpenteio (1) deve ser
para velocidades normais de estrada. O balanceamento dinâ- mantido dentro de 1,02 mm (0,040 pol.) (2) da linha reta.
mico pode produzir resultados melhores para operação a altas Também mantenha o alinhamento angular de segmentos
velocidades. individuais (3) dentro de 3 graus.
2. Remova o papel protetor do adesivo do peso. Pressione-
o no lugar com firmeza e segure-o por dez segundos.

sm06487

1 2 3 4

1. Raiado, de aço 3. Fundida (típica, com área plana no talão)


2. Raiado de perfil 4. Fundida (especial, sem área plana no talão)

Figura 2-36. Colocação de contrapeso para roda

2-34 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm07192b

2
3

1. Serpenteio
2. Não exceder 1,02 mm (0,040 pol.)
3. Não exceder 3 graus

Figura 2-37. Alinhamento dos segmentos de peso

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-35


PÁGINA INICIAL

ALINHAMENTO DO VEÍCULO 2.10


INSPEÇÃO 1. Verifique se as rodas estão alinhadas de acordo com as
especificações. Veja 2.7 VERIFICAÇÃO E CENTRAGEM
DE RODAS.
2. Verifique o ajuste do rolamento da coluna de direção e
Somente um concessionário Harley-Davidson deve fazer ajuste-o se necessário. Veja 1.19 ROLAMENTOS DA
o alinhamento do veículo. O alinhamento inadequado pode COLUNA DE DIREÇÃO.
afetar a estabilidade e o manuseio do veículo, o que poderá
resultar em morte ou lesões graves. (00060a) 3. Verifique se o centro do eixo traseiro está eqüidistante do
centro do garfo traseiro do eixo pivô. Verifique as medidas
em ambos os lados do veículo. A medida deve estar
dentro de 0,794 mm (1/32 pol.) em ambos os lados do
Verifique o alinhamento do veículo de acordo com os veículo. Ajuste, se necessário.
procedimentos seguintes. O alinhamento incorreto pode
afetar desfavoravelmente a estabilidade e o manuseio do
veículo, o que poderá resultar em morte ou lesões graves.
(00287a)

2-36 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

CILINDRO-MESTRE DO FREIO DIANTEIRO 2.11


INFORMAÇÕES GERAIS 17,5 mm (11/16 pol.) enquanto os que trabalham com um só
disco (um cáliper) têm uma perfuração de 14,3 mm (9/16 pol.).
A medida da perfuração é gravada no cilindro-mestre dentro
do suporte de prendedor do guidom.
Não use peças de kits de reparo para cáliper simples REMOÇÃO E DESMONTAGEM
(diâmetro 9/16 pol.) em modelos de cáliper duplo. Da
mesma forma, não use peças de kits de reparo para cáliper 1. Drene o fluido de freio.
duplo (diâmetro 11/16 pol.) em modelos de cáliper simples. a. Abra a tampa do sangrador no cáliper do freio dian-
O uso de peças incorretas pode causar falha dos freios, teiro.
o que poderá resultar em morte ou lesões graves. (00278a)
b. Instale uma ponta de tubo transparente na válvula
de sangria do cáliper e coloque a ponta livre em
recipiente adequado.
O fluido de freio DOT 4 danificará superfícies pintadas e c. Abra a válvula de sangria cerca de 1/2 volta.
o painel da carenagem se entrar em contato com estas
partes. Sempre tenha muito cuidado e proteja as superfí- d. Acione a alavanca manual do freio várias vezes para
cies de derramamentos ao executar reparos no freio. A drenar o fluido de freio.
falha em seguir este aviso poderá resultar em danos
e. Feche a válvula de sangria.
cosméticos. (00239b)

Não deixe que sujeiras ou detritos entrem no reservatório Evite vazamentos. Certifique-se, antes da montagem, de
do cilindro-mestre. Sujeiras ou detritos no reservatório que as gaxetas, os parafusos banjo, as tubulações de freio
poderão resultar em uma operação inadequada e danos e o diâmetro do cilindro-mestre estejam limpos e intactos.
ao equipamento. (00205c) (00322a)

Veja Figura 2-38. Os cilindros-mestres que trabalham com 2. Remova o parafuso e as duas arruelas de aço/borracha
dois discos (duos cálipers) de freio têm uma perfuração de para desconectar o circuito hidráulico das tubulações de
freio do cilindro-mestre. Descarte as arruelas.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-37


PÁGINA INICIAL

sm03169

12 13

11

10

1 9

8 15
7
14
6
5 16
4
3
22
2
21 17

20
19 18

1. Lubrificante 12. Visor


2. Retentor limpador 13. Parafuso (2)
3. Tampa do pistão 14. Reservatório do cilindro-mestre
4. Anel de vedação “o-ring” 15. Pino de articulação
5. Pistão 16. Bucha
6. Copo primário 17. Alavanca manual do freio
7. Mola 18. Anel de retenção
8. Prendedor do guidom 19. Lado liso
9. Parafuso T-27 TORX e arruela (2) 20. Ressalto
10. Gaxeta 21. Pino
11. Tampa 22. Ranhura do anel de vedação “o-ring”

Figura 2-38. Cilindro-mestre do freio dianteiro

3. Veja Figura 2-38. Afrouxe ambos os parafusos do pren- 5. Remova o pino de articulação (15) e a alavanca manual
dedor da estrutura do interruptor. Remova os dois para- do freio (17).
fusos T-27 TORX com arruelas lisas (9) para remover o
6. Remova cuidadosamente o retentor limpador (2) com um
prendedor do guidom (8) do reservatório do cilindro-mestre
gancho ou uma ferramenta semelhante.
(14).
7. Remova a tampa do pistão (3).
4. Remova o anel de retenção (18) da ranhura do pino de
articulação na parte inferior do suporte do cilindro-mestre.

2-38 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

8. Remova o pistão (5) com o anel de vedação “o-ring” (4) 1. Veja Figura 2-38. Instale o anel de vedação “o-ring” (4)
e o copo primário (6). na ranhura no lado externo do pistão (5) (lado do pino).
9. Remova a mola (7). 2. Instale o copo primário (6) sobre a borda no lado interno
do pistão, de modo que o lado fechado (diâmetro externo
10. Remova ambos os parafusos (13), a tampa (11) e a gaxeta
menor) faça contato com o ressalto.
da tampa (10).
3. Revista o furo do pistão do reservatório do cilindro-mestre
LIMPEZA E INSPEÇÃO com o lubrificante especial (1) fornecido no kit de peças
de reposição. Também aplique o lubrificante no diâmetro
externo do anel de vedação “o-ring” (4) instalado e no
copo primário (6).
Use álcool desnaturado para limpar os componentes do
sistema de freios. Não use solventes minerais (como 4. Insira a mola (7) no furo do pistão, de modo que assente
gasolina ou solvente de tinta), pois podem danificar as contra o rebaixo (recesso) na parte inferior.
peças de borracha mesmo depois da montagem. A dete- 5. Deslize o pistão sobre a mola.
rioração destes componentes pode resultar em falha dos
freios e, conseqüentemente, poderá resultar em morte ou 6. Instale o retentor limpador (2) sobre a tampa do pistão (3)
lesões graves. (00291a) de modo que o lado liso do retentor limpador faça contato
com o ressalto da tampa.
7. Instale a tampa do pistão sobre o pino do pistão (5).

O ar comprimido pode perfurar a pele e os detritos 8. Pressione o retentor limpador para baixo até que faça
lançados pelo ar comprimido podem causar lesões graves contato com o rebaixo. O diâmetro externo maior do
nos olhos. Use óculos de proteção ao trabalhar com ar retentor limpador deve assentar completamente na
comprimido. Nunca use a sua mão para procurar por ranhura no lado da saída do furo do pistão.
vazamentos de ar ou para determinar a porcentagem do
9. Instale a tampa do reservatório do cilindro-mestre (11).
fluxo de ar. (00061a)
Fixe com dois parafusos, mas não aperte por enquanto.
1. Limpe todos os componentes com álcool desnaturado ou
10. Alinhe o furo da alavanca manual do freio (17) com o furo
FLUIDO DE FREIO DOT 4. Não contamine com óleo
do suporte do cilindro-mestre. Do topo do conjunto, passe
mineral ou outros solventes. Seque com um pano limpo
o pino de articulação (15) pelo suporte e alavanca manual.
sem fiapos. Sopre as passagens perfuradas e o furo com
uma fonte de ar limpo. Não utilize um fio ou instrumento
semelhante para limpar furos perfurados no fundo do
reservatório.
Use óculos de proteção ao remover ou instalar anéis de
2. Inspecione cuidadosamente todos as peças quanto a retenção. Os anéis de retenção podem deslizar do alicate
desgastes ou danos e substitua o que for necessário. e serem expelidos com muita força, o que pode resultar
em lesões graves nos olhos. (00312a)
3. Inspecione o diâmetro do cilindro do pistão na estrutura
do cilindro-mestre para ver se há escoriação, corrosão ou 11. Instale o novo anel de retenção (18) na ranhura do pino
atrito. Substitua o alojamento se uma dessas condições de articulação. Verifique se o anel de retenção está com-
for encontrada. pletamente apoiado na ranhura.
4. Inspecione a porta de saída que se encaixa com a 12. Veja Figura 2-39. Posicione o conjunto alavanca de
conexão da tubulação de freio. Como é uma superfície freio/cilindro-mestre na estrutura do interruptor encaixando
de vedação crítica, substitua o alojamento se houver a lingüeta (2) na ranhura (3) que existe na estrutura inferior
riscos, mossas ou outros danos. dos interruptores (1) no topo do suporte da alavanca de
freio (4).
5. Inspecione a junta da tampa em relação a cortes, rasgos
ou deterioração geral. Substitua-o, se necessário. 13. Alinhe os furos do prendedor do guidom com os furos da
estrutura do cilindro-mestre e monte os dois parafusos
MONTAGEM E INSTALAÇÃO T-27 TORX (com arruelas lisas). Posicione a alavanca
manual e os controles para o conforto do motociclista.
PARAFUSO VALOR TORQUE Começando com o parafuso de cima, aperte os parafusos
Parafuso do prendedor dos 6,8 a 9,0 N·m 60 a com torque de 6,8 a 9,0 N·m (60 a 80 lb·pol.).
interruptores do guidom 80 lb·pol. 14. Aperte os parafusos da estrutura dos interruptores com
Parafuso da estrutura dos 4,0 a 5,1 N·m 35 a torque de 4,0 a 5,1 N·m (35 a 45 lb·pol.).
interruptores do guidom 45 lb·pol.
Parafuso banjo do cilindro- 23,1 a 17 a 22 lb·pé
mestre/cáliper do freio 29,9 N·m
Evite vazamentos. Antes da montagem, verifique se as
gaxetas, os parafusos banjo, o furo do cáliper e as tubu-
NOTA
lações do freio estão limpos e intactos. (00321a)
Sempre remonte o cilindro-mestre utilizando peças novas do
kit de reparo correto.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-39


PÁGINA INICIAL

15. Insira o parafuso banjo (com as novas arruelas de


sm07078
aço/borracha) para fixar o encaixe da tubulação do freio
no reservatório do cilindro-mestre. Aperte o parafuso banjo
com torque de 23,1 a 29,9 N·m (17 a 22 lb·pé).
1
4
2 3
Sempre que o módulo ABS, ou o cilindro-mestre, ou
qualquer tubulação entre um cilindro-mestre e o módulo
ABS é desconectada ou substituída, o Digital Technician
II deve ser usado durante o procedimento de sangria do
freio para garantir que todo o ar seja removido do sistema.
A falha em seguir tal procedimento pode resultar em ar
no sistema de freio hidráulico, reduzindo a eficiência do
freio, o que poderá resultar em morte ou lesões graves.
(00585b)
16. Sangre o sistema de freio dianteiro. Veja 2.15 SANGRA-
MENTO DOS FREIOS. 1. Conjunto da estrutura dos interruptores
2. Lingüeta
NOTA 3. Ranhura
A validade de um frasco de fluido de freio DOT 4 fechado é 4. Suporte da alavanca de freio
de um ano. A validade de um frasco não contaminado que foi
Figura 2-39. Fixação do cilindro-mestre nos interruptores
aberto e depois fechado é de uma semana.
do lado direito do guidom

2-40 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

CÁLIPER DO FREIO DIANTEIRO 2.12


REMOÇÃO sm04090b

NOTA
Se somente as pastilhas do freio forem substituídas, veja
4
1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS.
3
5
O contato direto do fluido de freio DOT 4 com os olhos
pode causar irritação. Evite o contato com os olhos. Em
caso de contato acidental com os olhos, lave abundante-
mente com água e procure auxílio médico. Ingerir grande
quantidade do fluido de freio DOT 4 pode causar distúrbios 1
digestivos. Se ingerido, procure auxílio médico. Utilize-o 2
em áreas bem arejadas. MANTENHA FORA DO ALCANCE
DE CRIANÇAS. (00240a)
1. Parafuso banjo
2. Arruela de aço/borracha (2)
3. Tubulação do freio dianteiro
4. Parafuso de montagem superior (métrico)
Evite vazamentos. Antes da montagem, verifique se as
5. Parafuso de montagem inferior (métrico)
gaxetas, os parafusos banjo, o furo do cáliper e as tubu-
lações do freio estão limpos e intactos. (00321a) Figura 2-40. Cáliper dianteiro

DESMONTAGEM
O fluido de freio DOT 4 danificará superfícies pintadas e
o painel da carenagem se entrar em contato com estas PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA
partes. Sempre tenha muito cuidado e proteja as superfí- HD-48649 EXTRATOR DO PISTÃO DO CÁLIPER
cies de derramamentos ao executar reparos no freio. A DO FREIO DIANTEIRO
falha em seguir este aviso poderá resultar em danos
cosméticos. (00239b) 1. Veja Figura 2-41. Remova o parafuso da ponte/pino da
1. Veja Figura 2-40. Remova o parafuso banjo (1) e as duas pastilha (12) (métrico), as pastilhas de freio (7) e o para-
arruelas (2) para desconectar a tubulação do freio (3) do fuso da ponte (11) (métrico) para separar as estruturas
cáliper. Descarte as arruelas. do conjunto cáliper (1, 8).

2. Remova os parafusos de montagem superior (4) e inferior


(5) (métrico). Levante o cáliper para removê-lo do disco
de freio.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-41


PÁGINA INICIAL

sm03824
12
11

10 13
8
9

7
6
14

2
1 5
4
3

1. Estrutura do conjunto cáliper interna 8. Estrutura do conjunto cáliper externa


2. Vedação transversal 9. Anel de vedação “o-ring”
3. Vedação quadrada (4) 10. Válvula de sangria
4. Retentor Limpador (4) 11. Parafuso da ponte
5. Pistão (4) 12. Parafuso da ponte/pino da pastilha
6. Mola anti-vibração (4) 13. Parafuso de montagem superior (comprido)
7. Pastilhas do freio (2) 14. Parafuso de montagem inferior (curto)

Figura 2-41. Cáliper do freio dianteiro

2. Se for necessário, remova a válvula de sangria (10). d. Aplique ar comprimido a baixa pressão ao furo (1)
do parafuso banjo para remover os pistões para fora
dos furos do cáliper. Ouça todos os quatro pistões
“saltarem” contra a ferramenta.
O ar comprimido pode perfurar a pele e os detritos
e. Remova os parafusos da ponte e remova a ferra-
lançados pelo ar comprimido podem causar lesões graves
menta.
nos olhos. Use óculos de proteção ao trabalhar com ar
comprimido. Nunca use a sua mão para procurar por 4. Balance os pistões dos furos do cáliper para remover
vazamentos de ar ou para determinar a porcentagem do completamente.
fluxo de ar. (00061a)
5. Se necessário, remova as molas das pastilhas de cada
3. Veja Figura 2-42 e Figura 2-43. Remova os pistões. pistão.
a. Coloque o EXTRATOR DO PISTÃO DO CÁLIPER
DO FREIO DIANTEIRO (peça N.o HD-48649) (3)
entre as estruturas do conjunto cáliper.
Evite vazamentos. Evite danificar o pistão ou o furo do
NOTA
pistão. Use ferramentas não-metálicas ao fazer a manu-
Certifique-se de que o furo na ferramenta (1) fique ali-
tenção dos componentes. (00529d)
nhado com os furos transversais (2) na estrutura do con-
junto cáliper. 6. Veja Figura 2-44. Remova e descarte a vedação trans-
versal (1) da parte interna da estrutura do conjunto cáliper.
b. Insira os dois parafusos da ponte (2) (métrico) e
aperte-os com firmeza. 7. Utilizando um palito de dente (2), remova o limpador (3)
e a vedação quadrada (4) de cada furo de cáliper. Des-
c. Se a válvula de sangria foi removida, instale-a aper-
carte todas as peças removidas.
tando-a com os dedos.

2-42 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm03820
2 sm03821
1

2
3

1
4

1. Furo na ferramenta
2. Furo transversal na estrutura do conjunto cáliper
1. Vedação transversal
Figura 2-42. Instalação da ferramenta 2. Palito de dente
3. Retentor Limpador
4. Vedação quadrada
sm03819 2 Figura 2-44. Limpadores e vedações

LIMPEZA, INSPEÇÃO E REPARO

Use álcool desnaturado para limpar os componentes do


sistema de freios. Não use solventes minerais (como
gasolina ou solvente de tinta), pois podem danificar as
peças de borracha mesmo depois da montagem. A dete-
1 3 rioração destes componentes pode resultar em falha dos
freios e, conseqüentemente, poderá resultar em morte ou
lesões graves. (00291a)

O ar comprimido pode perfurar a pele e os detritos


lançados pelo ar comprimido podem causar lesões graves
nos olhos. Use óculos de proteção ao trabalhar com ar
comprimido. Nunca use a sua mão para procurar por
vazamentos de ar ou para determinar a porcentagem do
1. Furo do parafuso banjo – Aplique ar a baixa pressão fluxo de ar. (00061a)
2. Parafuso da ponte (2)
3. Extrator do pistão do cáliper do freio
1. Limpe todos os componentes com álcool desnaturado ou
FLUIDO DE FREIO DOT 4. Não contamine com óleo
Figura 2-43. Remoção dos pistões mineral ou outros solventes. Seque as peças com um
pano limpo sem fiapos. Sopre as passagens perfuradas
e o furo com uma fonte de ar limpo. Não utilize um fio ou
instrumento semelhante para limpar furos perfurados.
2. Inspecione com cuidado todos os componentes. Substitua
quaisquer peças que pareçam danificadas, desgastadas
ou corroídas.
a. Verifique os pistões em relação a cavitação, riscos
ou corrosão na face e também nas superfícies usi-
nadas.
b. Inspecione o furo do pistão do cáliper. Não tente lixar
o furo. Se o furo apresentar cavitação ou corrosão,
substitua o cáliper.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-43


PÁGINA INICIAL

c. Inspecione o pino da pastilha para ver se há formação uma resistência à instalação, remova o pistão e verifique
de sulcos e desgaste. Meça o diâmetro do pino da se as vedações e os limpadores estão instalados correta-
pastilha em uma área não desgastada e em seguida mente.
na área com sulcos ou desgastada. Se o desgaste
5. Coloque uma nova vedação transversal (1) na parte
for superior a 0,38 mm (0,015 pol.), substitua os dois
interna da estrutura do conjunto cáliper.
pinos.
6. Monte as estruturas do conjunto cáliper.
d. Sempre substitua os limpadores, as vedações qua-
dradas e a vedação transversal depois da desmon- a. Instale a válvula de sangria e aperte com torque de
tagem. 9,0 a 11,3 N·m (80 a 100 lb·pol.).
b. Verifique se a nova vedação transversal está insta-
3. Se o decalque na parte externa do alojamento for remo-
lada na parte interna da estrutura do conjunto cáliper.
vido, raspe o adesivo restante da superfície com uma
lâmina. c. Veja Figura 2-41. Una as estruturas interna e externa
do conjunto cáliper usando o parafuso da ponte (11)
4. Inspecione as pastilhas do freio e o disco do freio. Veja
e o parafuso de montagem superior (comprido) (13)
1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS.
(métrico).
MONTAGEM d. Aperte o parafuso da ponte com torque de 38,0 a
51,5 N·m (28 a 38 lb·pé).
PARAFUSO VALOR TORQUE
Válvula de sangria do cáliper 9,0 a 80 a
do freio 11,3 N·m 100 lb·pol.
Parafuso da ponte do cáliper 38,0 a 28 a 38 lb·pé Sempre substitua as pastilhas de freio em conjuntos
do freio, dianteiro 51,5 N·m completos para uma operação correta e segura dos freios.
A operação inadequada dos freios poderá resultar em
Parafuso da ponte do 20,3 a 15 a 16 lb·pé
morte ou lesões graves. (00111a)
freio/pino da pastilha, cáliper 22,6 N·m
dianteiro NOTAS
• Veja Figura 2-46. Verifique se as lingüetas de mola da
NOTA pastilha (1) na pastilha do freio se encaixam nas molas
das pastilhas nos pistões.
Não use fluido de freio DOT 4 para a lubrificação. O uso de
fluido de freio DOT 4 resultará em um curso maior de freio. • Se a lingüeta direcional (2) não ficar voltada para baixo
quando o cáliper for instalado, poderá ocorrer ruído no
1. Antes de montar, lubrifique as seguintes peças usando
freio.
uma camada fina de GRAXA DE SILICONE VERSILUBE
G.E. N.o G322 L (com a marca “Piston Lube”) do kit de • Os modelos Softail ano 2011 e posteriores usam pastilhas
peças de reposição. Todas as outras superfícies precisam de freio dianteiro diferentes das usadas nos modelos
estar secas para montagem. anteriores. Entre as mudanças nas pastilhas de freio tra-
a. Lubrifique o raio dianteiro e o diâmetro externo do seiro incluem-se uma placa isolante e material de atrito
pistão. Aplique lubrificante na parte interna dos furos diferente. Para adquirir pastilhas de freio de reposição
do pistão do cáliper. corretas, visite um concessionário Harley-Davidson auto-
rizado.
b. Aplique lubrificante no diâmetro interno das vedações
e dos limpadores. • Veja Figura 2-47. As pastilhas do freio dianteiro da Softail
podem ser identificadas por uma marca branca em cada
pastilha.
7. Instale as novas pastilhas no cáliper. A lingüeta direcional
Evite vazamentos. Evite danificar o pistão ou o furo do (2) deverá ficar voltada para baixo quando o cáliper for
pistão. Use ferramentas não-metálicas ao fazer a manu- instalado.
tenção dos componentes. (00529d) 8. Veja Figura 2-41. Instale o pino da pastilha/parafuso da
2. Veja Figura 2-41. Instale uma nova vedação quadrada ponte (12) (métrico). Aperte com torque de 20,3 a
(3) e um novo limpador (4) em cada furo de pistão. Use 22,6 N·m (15 a 16 lb·pé).
um palito de dente para ajudar na instalação, se
necessário.
3. Veja Figura 2-45. Instale a mola da pastilha (2) em cada
pistão. Verifique se a mola está instalada com firmeza na
ranhura do pistão.
4. Gire o pistão para que a mola da pastilha (2) fique orien-
tada como mostrado. Insira cuidadosamente os pistões
com as mãos nos furos de ambos as estruturas do con-
junto cáliper. Pressione os pistões de maneira perpendi-
cular no lugar até que assentem nos furos. Caso sinta

2-44 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm03827 1 INSTALAÇÃO
2 PARAFUSO VALOR TORQUE
Parafuso de montagem infe- 38,0 a 28 a 38 lb·pé
rior do cáliper do freio dian- 51,5 N·m
teiro
Parafuso de montagem supe- 38,0 a 28 a 38 lb·pé
rior do cáliper do freio dian- 51,5 N·m
teiro
Parafuso banjo do cáliper 23,1 a 17 a 22 lb·pé
dianteiro 29,9 N·m

1. Veja Figura 2-48. Instale o cáliper na perna do garfo.


a. Coloque o cáliper sobre o disco de freio com a válvula
1. Vedação transversal de sangria virada para cima.
2. Molas da pastilha
NOTA
Figura 2-45. Molas da pastilha do cáliper dianteiro Se equipada com ABS, instale o retentor do cabo do
sensor de velocidade da roda quando instalar o cáliper
no garfo dianteiro.
sm04031b
b. Instale o parafuso de montagem superior (4) (métrico)
sem apertar no furo superior na perna do garfo.
1 1 c. Coloque o parafuso de fixação inferior (5) (métrico)
no furo inferior na perna do garfo. Aperte o parafuso
de montagem inferior com torque de 38,0 a 51,5 N·m
(28 a 38 lb·pé).
d. Dê um aperto final no parafuso de montagem superior
com torque de 38,0 a 51,5 N·m (28 a 38 lb·pé).

2 Evite vazamentos. Certifique-se, antes da montagem, de


3 que as gaxetas, os parafusos banjo, as tubulações de freio
e o diâmetro do cilindro-mestre estejam limpos e intactos.
1. Lingüetas de mola da pastilha (00322a)
2. Lingüeta direcional 2. Lubrifique as novas arruelas de aço/borracha com
3. Pastilha do freio dianteiro FLUIDO DE FREIO DOT 4. Conecte a tubulação do freio
Figura 2-46. Pastilhas do freio dianteiro (3) no cáliper usando as novas arruelas de aço/borracha
(2) e parafuso banjo (1). Aperte com torque de 23,1 a
29,9 N·m (17 a 22 lb·pé).
sm06990a

Sempre que o módulo ABS, o cilindro-mestre ou qualquer


tubulação entre um cilindro-mestre e o módulo ABS é
desconectada ou substituída, o Digital Technician II deve
ser usado durante o procedimento de sangria do freio para
garantir que todo o ar seja removido do sistema. A falha
em seguir tal procedimento pode resultar em ar no sistema
de freio hidráulico, reduzindo a eficiência do freio, o que
pode resultar em morte ou lesões graves. (00585b)
3. Sangre o sistema de freios. Veja 2.15 SANGRAMENTO
DOS FREIOS.

NOTA
Figura 2-47. Indicações da pastilha dianteira nos modelos Evite fazer paradas bruscas nos primeiros 160 km (100 milhas).
Softail Isto permitirá o acomodamento das novas pastilhas aos discos
do freio.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-45


PÁGINA INICIAL

sm04090b

4
3
5

1
2

1. Parafuso banjo
2. Arruela de aço/borracha (2)
3. Tubulação do freio dianteiro
4. Parafuso de montagem superior (métrico)
5. Parafuso de montagem inferior (métrico)

Figura 2-48. Cáliper dianteiro

2-46 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

CILINDRO-MESTRE DO FREIO TRASEIRO 2.13


INFORMAÇÕES GERAIS 5. Se o cilindro-mestre for desmontado, remova o anel de
retenção (3).

DESMONTAGEM
Não use peças de kits de reparo para cáliper simples NOTA
(diâmetro 9/16 pol.) em modelos de cáliper duplo. Da Não desmonte o corpo do cartucho. Os componentes do corpo
mesma forma, não use peças de kits de reparo para cáliper do cartucho não são vendidos separadamente, assim, se o
duplo (diâmetro 11/16 pol.) em modelos de cáliper simples. vazamento na vedação do pistão for evidente, substitua o
O uso de peças incorretas pode causar falha dos freios, conjunto inteiro do corpo do cartucho.
o que poderá resultar em morte ou lesões graves. (00278a)
1. Limpe completamente a parte externa do conjunto do
cilindro-mestre com álcool desnaturado.
2. Mantenha o conjunto do cilindro-mestre em posição ver-
O contato direto do fluido de freio DOT 4 com os olhos
tical na superfície da vedação banjo. Para obter melhores
pode causar irritação. Evite o contato com os olhos. Em
resultados, suspenda o reservatório sobre a borda de uma
caso de contato acidental com os olhos, lave abundante-
mesa. Certifique-se de colocar um pano limpo para pro-
mente com água e procure auxílio médico. Ingerir grande
teger a superfície de vedação contra danos.
quantidade do fluido de freio DOT 4 pode causar distúrbios
digestivos. Se ingerido, procure auxílio médico. Utilize-o
em áreas bem arejadas. MANTENHA FORA DO ALCANCE
DE CRIANÇAS. (00240a)
Use óculos de proteção ao remover ou instalar anéis de
retenção. Os anéis de retenção podem deslizar do alicate
e serem expelidos com muita força, o que pode resultar
em lesões graves nos olhos. (00312a)
O fluido de freio DOT 4 danificará superfícies pintadas e
o painel da carenagem se entrar em contato com estas 3. Veja Figura 2-49. Pressione a arruela lisa grande para
partes. Sempre tenha muito cuidado e proteja as superfí- baixo para comprimir a mola. Enquanto segura a mola
cies de derramamentos ao executar reparos no freio. A comprimida, remova o anel de retenção da ranhura no
falha em seguir este aviso poderá resultar em danos garfo e, em seguida, solte cuidadosamente a mola. Des-
cosméticos. (00239b) carte o anel de retenção.
NOTA
Veja Figura 2-56. Vareta de compressão/garfo/arruela
espaçadora (7) formam um conjunto de peça única.
Não deixe que sujeiras ou detritos entrem no reservatório
do cilindro-mestre. Sujeiras ou detritos no reservatório 4. Remova a arruela lisa grande (17), o protetor contra poeira
poderão resultar em uma operação inadequada e danos (12) e a mola (10) da extremidade da vareta de com-
ao equipamento. (00205c) pressão/garfo/arruela espaçadora (7) do corpo do cartucho
(2). Remova a mola (10) e o retentor da mola (11) do
REMOÇÃO protetor contra poeira (12).
5. Veja Figura 2-50. Pressione a extremidade rosqueada do
corpo do cartucho para removê-lo do adaptador do
O fluido de freio DOT 4 danificará superfícies pintadas e reservatório. Use somente a pressão das mãos. Tome
o painel da carenagem se entrar em contato com estas cuidado para manter o corpo do cartucho sem sujeira e
partes. Sempre tenha muito cuidado e proteja as superfí- graxa.
cies de derramamentos ao executar reparos no freio. A 6. Veja Figura 2-56. Remova cuidadosamente os dois anéis
falha em seguir este aviso poderá resultar em danos de vedação “o-ring” (1) da parte externa do corpo do car-
cosméticos. (00239b) tucho (2). Atue com cautela para evitar riscar as ranhuras
1. Veja Figura 2-54. Remova o parafuso (1) e o retentor (2). do anel de vedação “o-ring”.
2. Veja Figura 2-53. Remova o parafuso banjo (1) e as duas 7. Remova o anel de retenção pequeno (8) da extremidade
arruelas de aço/borracha (2) para desconectar a tubulação da vareta de compressão no corpo do cartucho. O con-
do freio do cilindro-mestre. Descarte as arruelas. junto é carregado a mola; assim, certifique-se de manter
as peças unidas ao remover o anel de retenção.
3. Remova a porca (4) para liberar o conjunto do suporte
fixação. 8. Remova a vareta de compressão/garfo/arruela espaçadora
(7) do corpo do cartucho. Remova o anel de retenção
4. Veja Figura 2-55. Remova o contrapino (4) e a arruela (5) pequeno (8) da vareta de compressão, se instalado.
do pino de segurança (6). Remova o conjunto do cilindro- Descarte o anel de retenção.
mestre do pedal do freio.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-47


PÁGINA INICIAL

2. Inspecione o furo do adaptador do reservatório em relação


sm03174
a riscos. Substitua o reservatório se houver riscos.
3. Verifique o protetor contra poeira em relação a cortes ou
rasgos. Substitua-o, se necessário.
4. Inspecione as roscas do corpo do cartucho e da vareta
de compressão. Substitua a peça se as roscas estiverem
danificadas.
5. Inspecione a mola em relação a rachaduras ou bobinas
danificadas. Substitua-a, se necessário.
6. Inspecione as ranhuras do anel de vedação “o-ring” no
corpo do cartucho em relação a sujeira. Limpe cuidadosa-
mente as ranhuras do anel de vedação “o-ring” usando
um pano de algodão macio umedecido com álcool e deixe
secar. Inspecione as ranhuras do anel de vedação “o-ring”
em relação a riscos. Substitua o corpo do cartucho se as
ranhuras estiverem riscadas.
7. Inspecione a junta da tampa do reservatório em relação
Figura 2-49. Remoção do garfo a cortes, rasgos ou deterioração geral. Se for necessário
substituir a gaxeta e/ou o visor, proceda como segue:
a. Do lado interno, pressione o visor na direção da parte
sm03175
superior da tampa até que fique livre.
b. Puxe a gaxeta de borracha da tampa.
c. Instale o bico da nova gaxeta no furo da tampa, ali-
nhando a gaxeta e a tampa através dos furos.
d. Da parte inferior da gaxeta, pressione a extremidade
lisa do visor através do bico até que a parte superior
do vidro fique rente à parte superior da gaxeta. Veri-
fique se o vidro está em ângulo reto no furo. Se for
necessária alguma lubrificação, use uma pequena
quantidade de fluido de freio limpo.

MONTAGEM
1. Veja Figura 2-56. Para instalar o pistão (5) no corpo do
cartucho (2), proceda como segue:
a. Instale a mola pequena (3) no corpo do cartucho (2)
certificando-se de que a mola fique assentada no
rebaixo.
b. Lubrifique ligeiramente o copo primário (4) e o anel
Figura 2-50. Remoção do cartucho de vedação “o-ring” (6) no pistão (5) com FLUIDO
DE FREIO DOT 4.
LIMPEZA E INSPEÇÃO c. Instale o pistão (5) sobre a mola (3).

2. Instale o novo anel de retenção grande (9) na ranhura no


lado da vareta de compressão/garfo/arruela espaçadora
Use álcool desnaturado para limpar os componentes do (7) do corpo do cartucho (2).
sistema de freios. Não use solventes minerais (como 3. Posicione o novo anel de retenção (8) na vareta de
gasolina ou solvente de tinta), pois podem danificar as compressão, entre a arruela espaçadora e o garfo, ou no
peças de borracha mesmo depois da montagem. A dete- garfo, na parte interna da ranhura do anel de retenção.
rioração destes componentes pode resultar em falha dos
freios e, conseqüentemente, poderá resultar em morte ou
lesões graves. (00291a)
1. Limpe todas as peças metálicas, exceto o conjunto do
corpo do cartucho, e sopre com ar comprimido seco.
Limpe todas as peças de borracha com álcool desnatu-
rado.

2-48 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

11. Instale a mola sobre a vareta de compressão e o corpo


sm03176
do cartucho até que faça contato com a lateral do anel de
retenção grande.
12. Coloque o lado côncavo do retentor da mola sobre a
extremidade da mola, encaixando as lingüetas internas
na fenda do garfo.
13. Deslize o protetor contra poeira sobre a mola e o retentor
da mola.
14. Coloque a arruela lisa grande no topo do protetor contra
poeira, encaixando as lingüetas internas na fenda do
garfo.
15. Pressione a arruela lisa grande para baixo para comprimir
a mola. Enquanto segura a mola comprimida, instale o
novo anel de retenção na ranhura do garfo.
16. Puxe o protetor contra poeira para baixo conforme
necessário para assentá-lo sobre a borda no adaptador
do reservatório.
Figura 2-51. Compressão da mola e do anel de retenção
17. Gire o protetor de modo que o furo fique na parte inferior.
A parte inferior fica do lado oposto da lingüeta de locali-
4. Veja Figura 2-51. Mantenha o corpo do cartucho em zação no adaptador do reservatório.
posição vertical na superfície da vedação banjo. Coloque
um pano limpo para proteger a superfície de vedação
sm03179
contra danos.

Use óculos de proteção ao remover ou instalar anéis de


retenção. Os anéis de retenção podem deslizar do alicate
e serem expelidos com muita força, o que pode resultar
em lesões graves nos olhos. (00312a)
5. Insira a extremidade redonda da vareta de compressão
no copo do pistão. Pressionando a vareta de compressão
para baixo para comprimir a mola, instale a arruela
espaçadora presa no corpo do cartucho. Comprimindo
ainda mais a mola conforme necessário, instale o anel de
retenção posicionado no passo 3 na ranhura do furo do
corpo do cartucho.
6. Verifique se o anel de retenção está completamente
assentado na ranhura e se a vareta de compressão gira
livremente. Figura 2-52. Conjunto do cilindro-mestre
7. Veja Figura 2-56. Lubrifique os novos anéis de vedação
“o-ring” (1) com FLUIDO DE FREIO DOT 4 e instale-os INSTALAÇÃO
cuidadosamente nas ranhuras na parte externa do corpo
do cartucho (2). PARAFUSO VALOR TORQUE
8. Limpe o furo do adaptador do reservatório (18) com Porca do cilindro-mestre tra- 40,7 a 30 a 40 lb·pé
FLUIDO DE FREIO DOT 4. seiro 54,2 N·m
9. Insira o corpo do cartucho (2) no adaptador do reser- Parafuso banjo do cilindro- 23 a 30 N·m 17 a 22 lb·pé
vatório. Alinhe a lingüeta no adaptador com a fenda na mestre traseiro
extremidade rosqueada do cartucho. Use somente a Parafuso do retentor do 39,4 a 29 a 34 lb·pé
pressão das mãos. O corpo do cartucho estará completa- cilindro-mestre do freio tra- 46,1 N·m
mente instalado quando o adaptador do reservatório fizer seiro
contato com o anel de retenção grande.
10. Veja Figura 2-52. Mantenha o conjunto do cilindro-mestre 1. Veja Figura 2-57. Se o cilindro-mestre foi desmontado,
em posição vertical na superfície da vedação banjo. Para instale um novo anel de retenção (3).
obter melhores resultados, suspenda o reservatório sobre
2. Instale o conjunto do cilindro-mestre no pedal de freio.
a borda de uma mesa. Certifique-se de colocar um pano
Instale a arruela (5) e o novo contrapino (4) no pino de
limpo para proteger a superfície de vedação contra danos.
segurança (6).

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-49


PÁGINA INICIAL

3. Veja Figura 2-53. Instale o anel do corpo do cartucho no


sm06983
furo do suporte de fixação. Aplique TRAVA-ROSCAS
LOCTITE 243 (azul) nas roscas da porca (4). Instale a
porca no corpo do cartucho até ficar apertado com os 1
dedos. Aperte com torque de 40,7 a 54,2 N·m (30 a
40 lb·pé).
4. Lubrifique as novas arruelas de aço/borracha (2) com 2
FLUIDO DE FREIO DOT 4. Posicione as novas arruelas
de aço/borracha em cada lado da tubulação do freio (3).
Introduza o parafuso banjo (1) nas arruelas e no encaixe. 3
Aperte com torque de 23 a 30 N·m (17 a 22 lb·pé).
5. Veja Figura 2-54. Instale o retentor (2) na posição. Certi-
fique-se de que a guia do retentor esteja no furo de alinha-
mento (3). Instale o parafuso (1) e aperte com torque de
39,4 a 46,1 N·m (29 a 34 lb·pé).

sm03171
1. Parafuso
2. Retentor
4 3. Furo de alinhamento
3 Figura 2-54. Retentor do cilindro-mestre

1
Sempre que o módulo ABS, ou o cilindro-mestre, ou
qualquer tubulação entre um cilindro-mestre e o módulo
ABS é desconectada ou substituída, o Digital Technician
II deve ser usado durante o procedimento de sangria do
freio para garantir que todo o ar seja removido do sistema.
2 A falha em seguir tal procedimento pode resultar em ar
no sistema de freio hidráulico, reduzindo a eficiência do
1. Parafuso banjo freio, o que poderá resultar em morte ou lesões graves.
2. Arruelas de aço/borracha (2) (00585b)
3. Tubulação do freio
4. Porca
6. Sangre o sistema de freios. Veja 2.15 SANGRAMENTO
DOS FREIOS.
Figura 2-53. Controle do freio traseiro: Suporte dianteiro
NOTA
Um visor de inspeção permite ao motociclista verificar visual-
mente o nível do fluido de freio sem precisar tirar a tampa do
cilindro-mestre. Quando o reservatório está cheio, o visor fica
escuro. Quando o nível do fluido diminui, o visor clareia, indi-
cando ao motociclista que o nível caiu.

2-50 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm03765

5
1
4
2
3

1. Pedal do freio traseiro


2. Reservatório do cilindro-mestre
3. Anel de retenção
4. Contrapino
5. Arruela
6. Pino de segurança

Figura 2-55. Controle do freio traseiro: Suporte traseiro

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-51


PÁGINA INICIAL

sm03172
15
13
14

16
17
12
11
10
9
8
7
6
5
4
3
1
2
1

18
19

1. Anel de vedação “o-ring” 11. Retentor da mola


2. Corpo do cartucho 12. Protetor contra poeira
3. Mola 13. Pino de segurança
4. Copo primário 14. Arruela lisa
5. Pistão 15. Contrapino
6. Anel de vedação “o-ring” 16. Anel de retenção
7. Vareta de compressão, garfo, arruela espaçadora (con- 17. Arruela
junto de peça única) 18. Reservatório
8. Anel de retenção 19. Porca hexagonal
9. Anel de retenção
10. Mola

Figura 2-56. Conjunto do cilindro-mestre traseiro

2-52 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

CÁLIPER DO FREIO TRASEIRO 2.14


REMOÇÃO SM04091

NOTA
Caso esteja apenas trocando as pastilhas do freio, não remova
o(s) cáliper(s) do freio traseiro. Caso seja necessário substituir 2
a pastilha, veja 1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS.

4
O fluido de freio DOT 4 danificará superfícies pintadas e
1
o painel da carenagem se entrar em contato com estas
partes. Sempre tenha muito cuidado e proteja as superfí- 5
3
cies de derramamentos ao executar reparos no freio. A
falha em seguir este aviso poderá resultar em danos
cosméticos. (00239b)
1. Parafuso banjo
1. Veja Figura 2-57. Remova o parafuso banjo (1) e as duas 2. Arruelas de aço/borracha
arruelas de aço/borracha (2) para desconectar a tubulação 3. Pino deslizante
do freio traseiro do cáliper. Descarte as arruelas. 4. Parafuso de montagem
5. Fenda da lingüeta
2. Remova o pino deslizante (3) e o parafuso de montagem
(4) (métrico). Remova o conjunto do cáliper do disco do Figura 2-57. Cáliper traseiro
freio.
3. Para remover o suporte traseiro do cáliper: DESMONTAGEM
a. Remova o eixo da roda traseira. Veja 2.5 RODA
TRASEIRA. PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA
b. Levante o suporte traseiro do cáliper para fora do HD-48648 EXTRATOR DO PISTÃO DO CÁLIPER
eixo e do garfo traseiro. O entalhe no suporte do DO FREIO
cáliper deve ficar fora da lingüeta no garfo traseiro.
1. Veja Figura 2-58. Remova o pino da pastilha (3) e as
pastilhas de freio (12).
2. Se for necessário, remova a válvula de sangria (4).
NOTA
Se os isoladores fenólicos (8) estiverem soltos, remova-os dos
pistões.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-53


PÁGINA INICIAL

sm03836

7
8
4 5
6

3
9

2
13 10
1

14
15

16

12
11
1. Pino deslizante 9. Presilha de aperto
2. Bucha (superior) 10. Suporte traseiro do cáliper
3. Pino da pastilha 11. Borracha protetora
4. Válvula de sangria com anel de vedação “o-ring” 12. Pastilhas do freio (2)
5. Estrutura do conjunto cáliper 13. Molas anti-vibração
6. Vedações quadradas (4) 14. Protetor de borracha
7. Pistão (2) 15. Bucha (inferior)
8. Isolador fenólico (disponível somente no kit de reparo) 16. Parafuso de montagem

Figura 2-58. Cáliper do freio traseiro

3. Veja Figura 2-59. Remova os pistões.


a. Coloque o EXTRATOR DO PISTÃO DO CÁLIPER
O ar comprimido pode perfurar a pele e os detritos DO FREIO (peça N.o HD-48648) (3) na estrutura do
lançados pelo ar comprimido podem causar lesões graves conjunto cáliper. Instale o parafuso (2) apenas o
nos olhos. Use óculos de proteção ao trabalhar com ar suficiente para manter a ferramenta posicionada.
comprimido. Nunca use a sua mão para procurar por NOTA
vazamentos de ar ou para determinar a porcentagem do O parafuso de retenção da ferramenta (2) é usado
fluxo de ar. (00061a) somente para evitar o deslizamento da ferramenta para
fora do cáliper durante a remoção do pistão, e não precisa
ser apertado. Não use uma chave para apertar.
Ao remover o pistão com ar comprimido, o pistão pode b. Se a válvula de sangria foi removida, instale-a aper-
voar com força do furo do cáliper. Mantenha as mãos longe tando-a com os dedos.
do pistão para evitar uma possível lesão. (00530b)
c. Aplique ar comprimido a baixa pressão ao furo (1)
do parafuso banjo para remover os pistões para fora
NOTA
dos furos do cáliper. Escute todos os pistões “sal-
Os isoladores fenólicos poderão ficar soltos quando as pasti- tarem” contra a ferramenta.
lhas de freio forem removidas, ou poderão se afrouxar quando
os pistões saírem de seus furos. Se os isoladores não esti- d. Remova a ferramenta extratora do pistão.
verem danificados, poderão ser reutilizados.

2-54 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

4. Balance os pistões dos furos do cáliper para remover


sm03833
completamente.

3
Evite vazamentos. Evite danificar o pistão ou o furo do
pistão. Use ferramentas não-metálicas ao fazer a manu- 1
tenção dos componentes. (00529d)
5. Veja Figura 2-60. Usando um palito de dente (1), remova
as duas vedações quadradas (2) de cada furo do cáliper.
Descarte todas as peças removidas.
6. Puxe a mola anti-ruído (3) em linha reta para removê-la. 2

sm03834

1. Palito de dente
2. Vedação quadrada
3. Molas anti-vibração
1 Figura 2-60. Vedações e mola

LIMPEZA, INSPEÇÃO E REPARO

Use álcool desnaturado para limpar os componentes do


3 sistema de freios. Não use solventes minerais (como
gasolina ou solvente de tinta), pois podem danificar as
peças de borracha mesmo depois da montagem. A dete-
rioração destes componentes pode resultar em falha dos
freios e, conseqüentemente, poderá resultar em morte ou
lesões graves. (00291a)

1. Furo do parafuso banjo – Aplique ar a baixa pressão


2. Parafuso de retenção do extrator
3. Extrator do pistão do cáliper do freio (peça N.o HD-
O ar comprimido pode perfurar a pele e os detritos
48648)
lançados pelo ar comprimido podem causar lesões graves
Figura 2-59. Remoção dos pistões nos olhos. Use óculos de proteção ao trabalhar com ar
comprimido. Nunca use a sua mão para procurar por
vazamentos de ar ou para determinar a porcentagem do
fluxo de ar. (00061a)
1. Limpe todos os componentes com álcool desnaturado ou
FLUIDO DE FREIO DOT 4. Não contamine com óleo
mineral ou outros solventes. Seque as peças com um
pano limpo sem fiapos. Sopre as passagens perfuradas
e o furo com uma fonte de ar limpo. Não utilize um fio ou
instrumento semelhante para limpar furos perfurados.
2. Inspecione com cuidado todos os componentes. Substitua
quaisquer peças que pareçam danificadas ou desgas-
tadas.
a. Verifique os pistões em relação a cavitação, riscos
ou corrosão na face e também nas superfícies usi-
nadas.
b. Inspecione os isoladores fenólicos em relação a
danos.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-55


PÁGINA INICIAL

c. Inspecione o furo do pistão do cáliper. Não tente lixar pistão e verifique se as vedações estão instaladas corre-
o furo. Se o furo apresentar cavitação ou corrosão, tamente.
substitua o cáliper.
5. Veja Figura 2-58. Instale a válvula de sangria (4) (com
d. Inspecione o pino da pastilha para ver se há formação anel de vedação “o-ring”) na estrutura do conjunto cáliper,
de sulcos e desgaste. Meça o diâmetro do pino da caso tenha sido removida, e aperte-a com torque de 9,0
pastilha em uma área não desgastada e em seguida a 11,3 N·m (80 a 100 lb·pol.).
na área com sulcos ou desgastada. Se o desgaste
NOTA
for superior a 0,38 mm (0,015 pol.), substitua os dois
Verifique que os isoladores fenólicos (8) estejam no lugar antes
pinos.
de instalar as pastilhas do freio.
e. Veja Figura 2-58. Inspecione o protetor de borracha
6. Insira as pastilhas do freio no cáliper com o material de
(14) em relação a rachaduras e danos. Inspecione a
atrito na pastilha virado para a abertura para o disco de
bucha (15) em relação a movimento livre. Inspecione
freio.
a bucha (2) em relação a movimento livre ou danos.
7. Instale o pino da pastilha (3) e aperte com torque de 9,0
f. Sempre substitua as vedações quadradas depois de
a 13,6 N·m (80 a 120 lb·pol.).
desmontar o conjunto.
NOTA
3. Se o decalque na parte externa do alojamento for remo-
vido, raspe o adesivo restante da superfície com uma Caso os pinos das pastilhas não se encaixem, verifique o
lâmina. seguinte:

4. Inspecione as pastilhas do freio e o disco do freio. Veja • Você está utilizando um conjunto de pastilhas, e não duas
1.16 PASTILHAS DO FREIO E DISCOS. pastilhas idênticas.
• A orientação da mola anti-ruído corresponde à
MONTAGEM Figura 2-58.
PARAFUSO VALOR TORQUE ORIENTAÇÃO DA TUBULAÇÃO DO FREIO
Válvula de sangria do cáliper 9,0 a 80 a TRASEIRO
do freio 11,3 N·m 100 lb·pol.
Veja Figura 2-61. Ao passar a tubulação do freio traseiro (3),
Pino da pastilha do freio, 9,0 a 80 a certifique-se de que ela seja colocada sobre o eixo pivô (2) e
cáliper traseiro 13,6 N·m 120 lb·pol. mantida no local adequado pela presilha da mangueira (1).
Ano modelo 2010 e tubulações de freio anteriores são pas-
NOTA sadas sob o eixo pivô.
Não use fluido de freio DOT 4 para a lubrificação. O uso de
fluido de freio DOT 4 resultará em um curso maior de freio. sm06974

1. Antes de montar, lubrifique as seguintes peças usando


uma camada fina de GRAXA DE SILICONE VERSILUBE 1
G.E. N.o G322 L (com a marca “Piston Lube”) do kit de
peças de reposição. Todas as outras superfícies precisam
estar secas para montagem.
a. Lubrifique o raio dianteiro e o diâmetro externo do
pistão. Aplique lubrificante na parte interna dos furos
do pistão do cáliper. 2
b. Aplique lubrificante no diâmetro interno das vedações 3
quadradas.

Evite vazamentos. Evite danificar o pistão ou o furo do


pistão. Use ferramentas não-metálicas ao fazer a manu-
tenção dos componentes. (00529d)
1. Presilha de mangueira
2. Veja Figura 2-60. Instale duas novas vedações quadradas 2. Eixo pivô
(2) em cada furo do pistão. Use um palito de dente (1) 3. Tubulação do freio
para ajudar na instalação, se necessário.
Figura 2-61. Orientação da tubulação do freio traseiro
3. Instale a mola anti-vibração (3) Verifique que seja orien-
tada corretamente.
4. Com cuidado, insira os pistões com as mãos nos furos
da estrutura do conjunto cáliper. Pressione os pistões de
maneira perpendicular no lugar até que assentem nos
furos. Caso sinta uma resistência à instalação, remova o

2-56 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

INSTALAÇÃO 4. Lubrifique as novas arruelas de aço/borracha com


FLUIDO DE FREIO DOT 4. Conecte a tubulação do freio
PARAFUSO VALOR TORQUE no cáliper usando as novas arruelas (2) e parafuso banjo
(1). Aperte com torque de 23,1 a 29,9 N·m (17 a 22 lb·pé).
Parafuso de montagem do 21,7 a 16 a 20 lb·pé
cáliper do freio, traseiro 27,1 N·m
Parafuso banjo de cáliper tra- 23,1 a 17 a 22 lb·pé
seiro 29,9 N·m Sempre que o módulo ABS, o cilindro-mestre ou qualquer
tubulação entre um cilindro-mestre e o módulo ABS é
1. Instale o eixo traseiro e o suporte do cáliper, caso tenham desconectada ou substituída, o Digital Technician II deve
sido removidos. Verifique que o entalhe no suporte ser usado durante o procedimento de sangria do freio para
encaixe na lingüeta do garfo traseiro. Veja 2.5 RODA garantir que todo o ar seja removido do sistema. A falha
TRASEIRA. em seguir tal procedimento pode resultar em ar no sistema
de freio hidráulico, reduzindo a eficiência do freio, o que
2. Veja Figura 2-58. Verifique que a presilha de aperto (9) pode resultar em morte ou lesões graves. (00585b)
esteja no lugar no suporte do cáliper.
5. Sangre o sistema de freios. Veja 2.15 SANGRAMENTO
3. Veja Figura 2-57. Instale o cáliper com as pastilhas no DOS FREIOS.
suporte do cáliper. Aperte o pino deslizante (3) e o para-
fuso de montagem (4) (métrico) com torque de 21,7 a NOTA
27,1 N·m (16 a 20 lb·pé). Verifique que as lingüetas das Evite fazer paradas bruscas nos primeiros 160 km (100 milhas).
pastilhas de freio encaixem nas fendas (5) do suporte do Isto permitirá o acomodamento das novas pastilhas aos discos
cáliper. do freio.

Evite vazamentos. Antes da montagem, verifique se as


gaxetas, os parafusos banjo, o furo do cáliper e as tubu-
lações do freio estão limpos e intactos. (00321a)

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-57


PÁGINA INICIAL

SANGRAMENTO DOS FREIOS 2.15


INFORMAÇÕES GERAIS PROCEDIMENTO

PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA


HD-48650 DIGITAL TECHNICIAN II
Sempre que o módulo ABS, ou o cilindro-mestre, ou
qualquer tubulação entre um cilindro-mestre e o módulo SNAP-ON BB200A SANGRADOR DE FREIO BÁSICO A
ABS é desconectada ou substituída, o Digital Technician VÁCUO
II deve ser usado durante o procedimento de sangria do
freio para garantir que todo o ar seja removido do sistema. PARAFUSO VALOR TORQUE
A falha em seguir tal procedimento pode resultar em ar
no sistema de freio hidráulico, reduzindo a eficiência do Válvula de sangria do cáliper 9,0 a 80 a
freio, o que poderá resultar em morte ou lesões graves. do freio 11,3 N·m 100 lb·pol.
(00585b) Parafusos da tampa do reser- 1,4 a 1,7 N·m 12 a
vatório do cilindro-mestre 15 lb·pol.
dianteiro
Parafusos da tampa do reser- 0,7 a 0,9 N·m 6 a 8 lb·pol.
Use álcool desnaturado para limpar os componentes do
vatório do cilindro-mestre tra-
sistema de freios. Não use solventes minerais (como
seiro
gasolina ou solvente de tinta), pois podem danificar as
peças de borracha mesmo depois da montagem. A dete-
NOTAS
rioração destes componentes pode resultar em falha dos
freios e, conseqüentemente, poderá resultar em morte ou • Para obter melhores resultados, use o SANGRADOR DE
lesões graves. (00291a) FREIO BÁSICO A VÁCUO (peça N.o Snap-On BB200A)
ou ferramenta equivalente, em especial se o sistema de
freio foi drenado completamente. Veja as instruções for-
necidas com a ferramenta. Se um sangrador de freio a
O contato direto do fluido de freio DOT 4 com os olhos vácuo não estiver disponível, use o procedimento a seguir.
pode causar irritação. Evite o contato com os olhos. Em
• Motocicletas equipadas com ABS exigem o uso do
caso de contato acidental com os olhos, lave abundante-
DIGITAL TECHNICIAN II (peça N.o HD-48650) para con-
mente com água e procure auxílio médico. Ingerir grande
firmar que as tubulações de freio estão conectadas corre-
quantidade do fluido de freio DOT 4 pode causar distúrbios
tamente e que o ar é sangrado adequadamente da uni-
digestivos. Se ingerido, procure auxílio médico. Utilize-o
dade ABS.
em áreas bem arejadas. MANTENHA FORA DO ALCANCE
DE CRIANÇAS. (00240a) 1. Remova a tampa da válvula de sangria. Instale a extremi-
dade da tubulação plástica transparente sobre a válvula
de sangria e coloque a extremidade livre em um recipiente
limpo.
O fluido de freio DOT 4 danificará superfícies pintadas e
2. Posicione o veículo ou o guidom de forma que o reser-
o painel da carenagem se entrar em contato com estas
vatório do cilindro-mestre fique nivelado.
partes. Sempre tenha muito cuidado e proteja as superfí-
cies de derramamentos ao executar reparos no freio. A NOTA
falha em seguir este aviso poderá resultar em danos Coloque um pano limpo ao redor do lado de fora do reser-
cosméticos. (00239b) vatório do cilindro-mestre para proteger a pintura do fluido de
freio que vazar.
3. Remova a tampa do reservatório do cilindro-mestre.
Não deixe que sujeiras ou detritos entrem no reservatório
do cilindro-mestre. Sujeiras ou detritos no reservatório
poderão resultar em uma operação inadequada e danos
ao equipamento. (00205c) Uma porta de alívio fechada ou coberta pode causar
resistência do freio ou travamento, causando perda do
A alavanca manual do freio dianteiro e o pedal do freio traseiro controle do veículo, o que poderá resultar em morte ou
devem dar uma sensação de firmeza ao serem aplicados. Se lesões graves. (00288a)
isto não ocorrer, sangre o sistema como descrito.
4. Veja Tabela 2-15. Adicione fluido de freio conforme
necessário e verifique a operação correta da porta de
alívio do cilindro-mestre acionando o pedal ou a alavanca
do freio. Um ligeiro esguicho de fluido quebrará a
superfície do fluido no compartimento do reservatório caso
todos os componentes internos estejam funcionando
corretamente.

2-58 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

5. Opere a alavanca ou o pedal do freio para acumular b. Reservatório do cilindro-mestre traseiro: Instale os
pressão hidráulica. parafusos da tampa e aperte-os de acordo com a
especificação.
NOTA
Tome muito cuidado com o nível do fluido no reservatório do 11. Se o veículo for equipado com ABS, conecte o DIGITAL
cilindro-mestre e adicione fluido antes de esvaziar, para evitar TECHNICIAN II (peça N.o HD-48650) e siga o procedi-
a aspiração de ar nas tubulações de freio. mento de sangria do freio.
6. Enquanto mantém a pressão com a alavanca ou o pedal NOTA
do freio: Descarte o fluido de freio usado de acordo com as regulamen-
a. Abra a válvula de sangria cerca de 3/4 volta. tações locais.
b. Feche a válvula de sangria assim que a alavanca ou 12. Verifique a operação da lâmpada do freio.
o pedal estiver no máximo de seu curso.
c. Deixe a alavanca ou pedal de freio retornar lenta-
mente até sua posição liberada.
Após reparar o sistema de freio, teste os freios em baixa
7. Repita os passos até não haver mais bolhas de ar e até velocidade. Se os freios não estiverem funcionando corre-
que uma coluna sólida de fluido possa ser observada no tamente, o teste feito em alta velocidade poderá causar
tubo de sangria. perda de controle, o que poderá resultar em morte ou
lesões graves. (00289a)
8. Aperte a válvula de sangria de acordo com a especifi-
cação. Instale a tampa da válvula de sangria. 13. Faça um teste dirigindo a motocicleta. Repita o procedi-
mento de sangria caso os freios pareçam “esponjosos”.
NOTA
Se a sangria for feita em um sistema de freios com cáliper
Tabela 2-15. Nível do fluido
duplo, repita os passos para sangrar a segunda tubulação e
o cáliper do freio. ITEM ESPECIFICAÇÃO
9. Verifique e encha o reservatório até o nível especificado. Reservatório dian- 3,2 a 9,5 mm (1/8 a 3/8 pol.) abaixo da
teiro superfície da gaxeta
NOTA
Verifique se a sanfona da junta da tampa do cilindro-mestre Reservatório tra- 6,4 a 12,7 mm (1/4 a 1/2 pol.) abaixo da
não está prolongada, caso contrário o fluido de freio será seiro superfície da gaxeta
lançado do reservatório.
10. Veja Tabela 2-16. Verifique se as superfícies da gaxeta Tabela 2-16. Especificações de torque
e da vedação estão sem detritos e instale a tampa do
COMPONENTE TORQUE
reservatório do cilindro-mestre como segue:
Sangrador 9,0 a 11,3 N·m (80 a 100 lb·pol.)
a. Reservatório do cilindro-mestre dianteiro: Oriente a
tampa com os furos de respiro voltados para a tra- Tampa dianteira 1,4 a 1,7 N·m (12 a 15 lb·pol.)
seira. Instale os parafusos da tampa e aperte-os de Tampa traseira 0,7 a 0,9 N·m (6 a 8 lb·pol.)
acordo com a especificação.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-59


PÁGINA INICIAL

GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO 2.16


INFORMAÇÕES GERAIS
sm03093
Há três tipos de garfo hidráulico:
• Todos os modelos FLSTC, FLSTF/B e FLSTN usam o
tipo mostrado na Figura 2-64.
• Todos os modelos FXST usam o tipo mostrado na
Figura 2-65.
• Todos os modelos FXS usam o tipo mostrado na
Figura 2-66.
Use a seguinte informação para fazer a manutenção dos
modelos listados acima.

TROCA DO ÓLEO DO GARFO


PARAFUSO VALOR TORQUE
Parafusos de drenagem do 5,9 a 8,9 N·m 52 a
garfo 78 lb·pol. Figura 2-62. Tampa do tubo interno
Tampa do tubo interno 81,3 a 60 a 70 lb·pé
95,0 N·m 5. Encha o garfo com ÓLEO DE GARFO TIPO E Harley-
Davidson. Veja Tabela 2-17.
NOTA
6. Aperte as tampas do tubo interno com torque de 81,3 a
No intervalo de troca especificado do óleo do garfo, inspecione 95,0 N·m (60 a 70 lb·pé).
o conjunto do garfo dianteiro. Verifique se há vazamento de
óleo nas vedações e desgaste excessivo nos tubos internos.
Desmonte, limpe e repare ou substitua os componentes con- Tabela 2-17. Quantidades de óleo de garfo tipo “E”
forme necessário. MODELO cm³ onças mm pol.
1. Apóie a motocicleta para que a roda dianteira fique afas- FLSTC, FLSTN, 395 13,4 112,0 4,41
tada do chão e os garfos fiquem completamente esten- FLSTF/B
didos.
FXST 370 12,5 170,0 6,69
FXS 398 13,5 132,0 5,20

Use óculos de proteção ao efetuar serviços no conjunto NOTA


do garfo. Não remova as tampas do tubo interno sem ali-
A quantidade de óleo dos garfos pode ser medida de duas
viar a pressão da mola, caso contrário, as tampas e as
maneiras. Veja Tabela 2-17.
molas poderão ser arremessadas, o que poderá resultar
em morte ou lesões graves. (00297a) • Use a medida de cm³/onças caso o garfo seja deixado no
quadro.
NOTA
Os modelos FLSTC e FLSTF/B têm uma mola de garfo pré- • Use a medida de mm/pol. caso o garfo seja desmontado.
carregada. Neste caso, o nível de óleo do garfo é medido do topo do
tubo interno, com a mola removida e o garfo completa-
2. Veja Figura 2-62. Remova as tampas dos tubos internos.
mente comprimido.
3. Drenagem do óleo do garfo Veja Figura 2-63. Remova e
descarte os bujões de drenagem e as arruelas de cada
garfo, e drene o óleo do garfo.
4. Instale novos bujões de drenagem e arruelas. Aperte os
parafusos de drenagem com torque de 5,9 a 8,9 N·m (52
a 78 lb·pol.).

2-60 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm03921
DESMONTAGEM

Use óculos de proteção ao efetuar serviços no conjunto


do garfo. Não remova as tampas do tubo interno sem ali-
viar a pressão da mola, caso contrário, as tampas e as
molas poderão ser arremessadas, o que poderá resultar
em morte ou lesões graves. (00297a)
1. Veja Figura 2-64, Figura 2-65 ou Figura 2-66. Remova o
tampão do tubo interno (5) e o anel de vedação “o-ring”
(6). Puxe a mola (7) para fora do tubo interno (8).
2. Remova o bujão de drenagem (9) e a arruela (10), e drene
o garfo.
Figura 2-63. Parafuso de drenagem do garfo: (lado 3. FXST: Veja Figura 2-65. Remova a tampa p/poeira (23)
esquerdo mostrado) e o protetor contra poeira (47).
4. FXS: Veja Figura 2-66. Remova a tampa p/poeira (23) e
REMOÇÃO o protetor contra poeira (24).
1. Apóie a motocicleta para que a roda dianteira fique afas- 5. Veja Figura 2-64, Figura 2-65 ou Figura 2-66. Comprima
tada do chão e os garfos fiquem completamente esten- o anel de retenção (11) e remova a presilha da ranhura
didos. interna no topo do tubo externo.
2. Remova a roda dianteira e o cáliper do freio. Veja NOTA
2.4 RODA DIANTEIRA. Como há pouca resistência à rotação ao remover o parafuso
NOTA Allen (13), o trabalho será facilitado com uma chave de impacto
A mangueira transversal do tanque de combustível não precisa pneumática.
ser desconectada. O tanque de combustível pode ser deslizado 6. Remova o parafuso Allen (13) com a arruela (14) da
para trás o suficiente para remover os conectores necessários. extremidade inferior do tubo externo do garfo (12). Isto
3. Todos, exceto FXST, FXS: liberará o tubo hidráulico (15) e o tubo externo do garfo
(8), para que possam ser removidos do tubo externo.
a. Deslize o tanque de combustível para trás. Veja
4.6 TANQUE DE COMBUSTÍVEL. 7. A bucha superior do tubo interno (16) tem um ligeiro
encaixe por interferência no tubo externo (12). A bucha
b. Remova o conjunto do farol dianteiro. Veja
superior, junto com o espaçador do retentor de óleo (17)
7.15 FAROL DIANTEIRO.
e o retentor de óleo do tubo externo (18) são removidos
c. Remova as lâmpadas auxiliares, se instaladas. Veja batendo ligeiramente na bucha superior com a bucha
7.18 LÂMPADAS AUXILIARES: FLSTC, FLSTN. inferior do tubo externo (19), pois o tubo interno é liberado
do tubo externo do garfo com um golpe rápido e contínuo.
d. Veja Figura 2-64. Remova o painel dianteiro (51). Continue essa ação de martelar deslizante até que os
componentes sejam liberados.
4. Remova o pára-lama dianteiro. Veja 2.26 PÁRA-LAMA
DIANTEIRO. 8. Pressione o tubo hidráulico (15) e a mola do tubo hidráu-
lico (20) para fora do tubo interno (8), inserindo uma haste
5. Todos, exceto FXS: Veja Figura 2-64 ou Figura 2-65.
com diâmetro pequeno através da abertura na parte infe-
a. Remova a capa do tubo interno (1). rior do tubo.
b. Remova o espaçador (2) e o retentor de óleo (3). 9. Remova o batente inferior (21) da extremidade inferior do
tubo hidráulico (15).
6. FXS: Veja Figura 2-66. Afrouxe os parafusos de aperto
do suporte superior do garfo. 10. O anel do tubo hidráulico (22) agora pode ser removido
das ranhuras na extremidade superior do tubo hidráulico
7. Afrouxe o(s) parafuso(s) de aperto do suporte do tubo de
(15). A bucha inferior do tubo externo (19) não deverá ser
direção (4) e puxe cada conjunto de deslizador e tubo dos
removida, a menos que seja para substituição. Ao trocar
suportes.
a bucha inferior do tubo externo (19), expanda o diâmetro
da nova bucha dividida somente o suficiente para instalá-
la sobre o tubo interno (8) e deslize a bucha em sua
ranhura.

LIMPEZA E INSPEÇÃO
Limpe e inspecione completamente cada peça. Se a inspeção
revelar qualquer peça empenada, inoperante ou danificada. a
peça deve ser substituída.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-61


PÁGINA INICIAL

1. Inspecione os anéis (22) do tubo hidráulico (15) e subs- 4. Certifique-se de que o anel de vedação “o-ring” (6) do
titua-os se estiverem desgastados excessivamente ou tubo interno esteja em boas condições, sem irregulari-
danificados. dades, e que proporcione uma vedação adequada quando
estiver no lugar.
2. Substitua as molas (7 ou 20) se estiverem danificadas.
5. Coloque o parafuso (9) e a arruela (10) novos.
3. Inspecione os furos pequenos na extremidade inferior do
tubo interno (8) e certifique-se de que não estejam obs- 6. Coloque o parafuso (13) e a arruela (14) novos.
truídos.
7. Substitua o tubo interno (8) se estiver dobrado ou danifi-
cado.

2-62 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm03216 42 25
54
27 26
28 35
52 5
29 50
51 53 6
11
30
18
32
23 17
33 39 55 7 16
37 19
1 22
45 21
2 31 12
46 36 3 22
40 12
24 15
9
48 20
34
4 43
10
49
14
8
13
44 47

39 38

41

1. Tampa do tubo interno (2) 20. Mola do tubo hidráulico (2) 39. Arruela de pressão (2)
2. Espaçador (2) 21. Limitador inferior (2) 40. Arruela de pressão (4)
3. Retentor de óleo (2) 22. Mola do tubo hidráulico (2) 41. Porca (2)
4. Parafuso (2) 23. Porca rápida 42. Etiqueta de atenção
5. Tampão do tubo interno do garfo 24. Braço e suporte 43. Anel de retenção do tubo de
(2) 25. Capa do tubo de direção direção
6. Anel de vedação “o-ring” do 26. Parafuso 44. Capa do eixo (2)
tampão do tubo interno do garfo 27. Parafuso (2) 45. Tubo externo do garfo/conjunto
(2) 28. Arruela do tubo de direção do tubo direito
7. Mola (2) 29. Suporte superior 46. Tubo externo do garfo/conjunto
8. Tubo interno (2) 30. Protetor contra poeira superior do tubo esquerdo
9. Parafuso de drenagem (2) 31. Protetor contra poeira inferior 47. Refletor (2)
10. Arruela (2) 32. Rolamento de rolete (2) 48. Tampa do tubo externo (2)
11. Anel de retenção do retentor de 33. Capa do rolamento (2) 49. Prisioneiro (4)
óleo (2) 34. Porca de ajuste 50. Suporte do painel dianteiro (2)
12. Tubo externo 35. Parafuso (4) 51. Painel dianteiro
13. Parafuso (2) 36. Parafuso (4) 52. Painel traseiro esquerdo
14. Arruela (2) 37. Parafuso (4) 53. Faixa de acabamento (2)
15. Tubo hidráulico (2) 38. Arruela (2) 54. Painel traseiro direito
16. Bucha superior do tubo interno 55. Parafuso (2)
(2)
17. Espaçador do retentor de óleo
18. Retentor de óleo do tubo externo
(2)
19. Bucha inferior do tubo externo

Figura 2-64. Garfo dianteiro: FLSTC, FLSTF/B, FLSTN

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-63


PÁGINA INICIAL

sm03230

25 23 42
26 43
28 47 22

11
27 1
18
17 15
29
34 19 2
30 21 20 3
32 5
6
33

12
32

31 8 7

41 14
9 44
24
4 13
10 40
35
36
37 38 16
45
39 46

1. Capa do tubo interno (2) 17. Espaçador do retentor de óleo 33. Sede do rolamento (2)
2. Espaçador (2) 18. Retentor de óleo do tubo externo 34. Porca de ajuste
3. Retentor de óleo (2) (2) 35. Arruela de pressão (2)
4. Parafuso (2) 19. Bucha inferior do tubo externo 36. Arruela (2)
5. Tampão do tubo interno do garfo 20. Mola do tubo hidráulico (2) 37. Arruela de pressão (2)
(2) 21. Limitador inferior (2) 38. Porca (2)
6. Anel de vedação “o-ring” do 22. Anel do tubo hidráulico (2) 39. Pastilha (2)
tampão do tubo interno do garfo 23. Tampa p/poeira (2) 40. Capa do eixo
(2) 24. Braço e suporte 41. Pino (2)
7. Mola (2) 25. Capa do tubo de direção 42. Tubo externo do garfo e conjunto
8. Tubo interno (2) 26. Porca do tubo de direção do tubo esquerdo
9. Parafuso de drenagem (2) 27. Parafuso (2) 43. Tubo externo do garfo e conjunto
10. Arruela (2) 28. Arruela de pressão do tubo de do tubo direito
11. Anel de retenção do retentor de direção 44. Refletor (2)
óleo (2) 29. Suporte superior 45. Placa de montagem do farol
12. Tubo externo 30. Protetor contra poeira superior dianteiro
13. Parafuso (2) 31. Protetor contra poeira inferior 46. Anel de retenção do tubo de
14. Arruela (2) 32. Rolamento de rolete (2) direção
15. Tubo hidráulico (2) 47. Protetor contra poeira (2)
16. Bucha superior do tubo interno
(2)

Figura 2-65. Garfo dianteiro: FXST

2-64 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm07178
22

15 23
36
24
1
11
28 20
2 18 35
29
3 17
30
5 16
31

30 12

4
6

32 9
14
13
33
7 10 25
26
19
34
8 27

21

1. Porca do tubo de direção 13. Parafuso (2) 25. Capa do eixo


2. Arruela do tubo de direção 14. Arruela (2) 26. Arruela de pressão (2)
3. Suporte superior 15. Tubo amortecedor (2) 27. Parafuso (2)
4. Parafuso (2) 16. Bucha superior do tubo interno (2) 28. Porca de ajuste
5. Tampão do tubo interno do garfo 17. Espaçador do retentor de óleo 29. Protetor contra poeira superior
(2) 18. Retentor de óleo do tubo externo 30. Rolamento de rolete (2)
6. Anel de vedação “o-ring” do (2) 31. Pista do rolamento (2)
tampão do tubo interno do garfo 19. Bucha inferior do tubo externo 32. Protetor contra poeira inferior
(2) 20. Mola do tubo hidráulico (2) 33. Braço e suporte
7. Mola (2) 21. Limitador inferior (2) 34. Parafuso de aperto (2)
8. Tubo interno (2) 22. Anel do tubo hidráulico 35. Tubo externo do garfo e conjunto
9. Parafuso de drenagem (2) 23. Tampa p/poeira (2) do tubo direito
10. Arruela (2) 24. Protetor contra poeira (2) 36. Tubo externo do garfo e conjunto
11. Anel de retenção do retentor de do tubo esquerdo
óleo (2)
12. Tubo externo

Figura 2-66. Garfo dianteiro: FXS

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-65


PÁGINA INICIAL

MONTAGEM INSTALAÇÃO

PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA PARAFUSO VALOR TORQUE


HD-34634 INSTALADOR DO RETENTOR DO Tampa do tubo interno 81,3 a 60 a 70 lb·pé
GARFO 95,0 N·m
Parafusos de aperto inferiores 74,6 a 55 a 60 lb·pé
PARAFUSO VALOR TORQUE do tubo de direção: Todos, 81,3 N·m
exceto FXS
Parafuso do tubo hidráulico do 14,7 a 130 a
garfo dianteiro 24,5 N·m 216 lb·pol. Parafusos de aperto supe- 16,3 a 12 a 16 lb·pé
riores do tubo de direção: FXS 21,7 N·m
1. Instale o anel do tubo hidráulico (22). Coloque a mola do Parafusos de aperto inferiores 16,3 a 12 a 16 lb·pé
tubo hidráulico (20) no tubo hidráulico (15). Insira o tubo do tubo de direção: FXS 21,7 N·m
hidráulico no tubo interno (8). (afrouxe e, em seguida, aperte
com o mesmo torque)
2. Insira a mola (7) no tubo interno (8), com o lado cônico
na direção do tubo hidráulico (15), e pressione a parte
inferior do tubo hidráulico através da abertura na extremi- NOTA
dade inferior do tubo interno. Coloque o batente inferior FXS: Veja Figura 2-67. O topo da tampa do garfo (1) deve
(21) sobre a extremidade do tubo hidráulico (15). ficar de 13,5 a 14,8 mm (0,533 a 0,583 pol.) (4) do topo do
suporte superior do garfo (3).
3. Posicione o tubo interno (8) e o tubo hidráulico (15) no
tubo externo (12). Mantenha o conjunto no lugar fazendo 1. Insira ambos os conjuntos do lado do garfo através do
pressão na mola e instale o parafuso Allen (13) com a tubo de direção e do suporte (24), e do suporte superior
arruela (14). (29).
4. Aperte o parafuso (13) com torque de 14,7 a 24,5 N·m NOTA
(130 a 216 lb·pol.). Certifique-se de que uma parte lisa de cada tampão do tubo
interno (5) fique voltada para a parte interna do garfo.
5. Coloque a bucha superior do tubo interno (16), o
espaçador o retentor de óleo (17) e um novo retentor de 2. Todos, exceto FXS: Instale o novo retentor de óleo (3),
óleo do tubo externo (18) (nessa ordem) sobre o tubo o espaçador (2) e a tampa do tubo interno (1). Aperte a
externo do garfo (12). Certifique-se que o lado com a letra tampa (1) com torque de 81,3 a 95,0 N·m (60 a 70 lb·pé).
da vedação esteja voltada para cima.
NOTA
6. Coloque o INSTALADOR DO RETENTOR DO GARFO FXS: Depois de apertar os parafusos de aperto inferiores do
(peça N.o HD-34634) sobre o tubo externo do garfo (12). tubo de direção de acordo com a especificação, afrouxe-os e,
Assente a bucha superior do tubo interno (16), o em seguida, reaperte-os de acordo com a especificação.
espaçador do retentor de óleo (17) e o retentor de óleo 3. Aperte os parafusos de aperto do suporte do tubo de
do tubo externo (18) no furo do tubo externo batendo direção (4) com o seguinte torque:
ligeiramente nos componentes com a ferramenta de ins-
a. Todos, exceto FXS: 74,6 a 81,3 N·m (55 a 60 lb·pé).
talação.
b. FXS superior: 16,3 a 21,7 N·m (12 a 16 lb·pé).
7. Instale o anel de retenção do retentor de óleo (11).
c. FXS inferior: 16,3 a 21,7 N·m (12 a 16 lb·pé).
8. FXST: Instale a tampa p/poeira (23) e o protetor contra
poeira (47). 4. Instale o pára-lamas dianteiro. Veja 2.26 PÁRA-LAMA
9. FXS: Instale o protetor contra poeira (24) e a tampa DIANTEIRO.
p/poeira (23). 5. Todos, exceto FXST, FXS:
10. Encha os garfos com óleo de garfo Harley-Davidson tipo a. Veja Figura 2-64. Instale o painel dianteiro (51).
“E”. Veja 2.16 GARFO DIANTEIRO: TELESCÓPICO,
Troca do óleo do garfo. b. Instale as lâmpadas auxiliares, se equipado. Veja
7.18 LÂMPADAS AUXILIARES: FLSTC, FLSTN.
c. Instale o conjunto do farol dianteiro. Veja 7.15 FAROL
DIANTEIRO.
d. Instale o tanque de combustível. Veja 4.6 TANQUE
DE COMBUSTÍVEL.

6. Instale a roda dianteira e o cáliper do freio. Veja 2.4 RODA


DIANTEIRA.
7. Verifique o ajuste do rolamento da coluna de direção se
o tubo de direção foi removido. Veja 1.19 ROLAMENTOS
DA COLUNA DE DIREÇÃO.

2-66 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm07168

1
4 2

1. Tampa do garfo
2. Tubo interno
3. Suporte superior do garfo
4. 13,5 a 14,8 mm (0,533 a 0,583 pol.)

Figura 2-67. Projeção da haste: FXS

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-67


PÁGINA INICIAL

COLUNA DE DIREÇÃO 2.17


REMOÇÃO Modelos FXST
NOTA 1. Remova os lados do garfo. Veja 2.16 GARFO DIANTEIRO:
TELESCÓPICO.
Se as sedes do rolamento forem removidas, os rolamentos
não poderão ser reutilizados e deverão ser substituídos. Veja 2. Remova o farol dianteiro e o suporte do farol dianteiro.
2.17 COLUNA DE DIREÇÃO, Desmontagem a seguir.
3. Veja Figura 2-69. Remova o suporte da mangueira do
Modelos FLSTC, FLSTF/B, FLSTN freio da parte inferior do tubo de direção e do suporte (13).
1. Remova as capas do garfo. 4. Remova a capa do tubo de direção (1). Remova a porca
do tubo de direção (2) com o guidom e o suporte superior
2. Remova os lados do garfo. Veja 2.16 GARFO DIANTEIRO:
(4) como um conjunto.
TELESCÓPICO.
5. Remova a porca de ajuste (6) e puxe o tubo de direção e
3. Remova o farol dianteiro e o suporte do farol dianteiro.
o suporte (13) para fora da coluna de direção.
4. Veja Figura 2-68. Remova o suporte da mangueira do
6. Remova o protetor contra poeira superior (7) e o rolamento
freio da parte inferior do tubo de direção e do suporte (12).
superior (8) da coluna de direção.
5. Remova a capa do tubo de direção (1). Afrouxe o parafuso
de aperto (4) e remova o parafuso do tubo de direção (2). sm03246
Remova a arruela (3) com o conjunto do guidom e o 1
6
suporte superior (5). 2
6. Remova o tubo de direção e o suporte (12) da coluna de 3 7
direção. Remova o protetor contra poeira superior (6).
8
7. Remova o rolamento superior (7). 4
9
sm03245
1 6 10
2 7 11
4 3 8 12
9

10 13 5
5
11

12

1. Capa do tubo de direção


2. Porca do tubo de direção
3. Arruela de pressão
4. Suporte superior
5. Parafuso de aperto
1. Capa do tubo de direção 6. Porca de ajuste
2. Parafuso do tubo de direção 7. Protetor contra poeira superior
3. Arruela 8. Rolamento superior
4. Parafuso de aperto 9. Sede do rolamento superior
5. Suporte superior 10. Sede do rolamento inferior
6. Protetor contra poeira superior 11. Rolamento inferior
7. Rolamento superior 12. Protetor contra poeira inferior
8. Sede do rolamento superior 13. Tubo de direção e suporte
9. Sede do rolamento inferior
10. Rolamento inferior Figura 2-69. Coluna de direção: FXST
11. Protetor contra poeira inferior
12. Tubo de direção e suporte
Modelos FXS
Figura 2-68. Coluna de direção: FLSTC, FLSTF/B, FLSTN 1. Remova os lados do garfo. Veja 2.16 GARFO DIANTEIRO:
TELESCÓPICO.
2. Remova o farol dianteiro e o suporte do farol dianteiro.

2-68 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

3. Veja Figura 2-70. Remova o suporte da mangueira do 2. Verifique a rugosidade dos rolamentos girando-os na pista.
freio da parte inferior do tubo de direção e do suporte (12). Substitua os rolamentos caso não girem livre e suave-
mente.
4. Remova os lados do garfo. Veja 2.16 GARFO DIANTEIRO:
TELESCÓPICO. DESMONTAGEM
5. Remova o velocímetro. Veja 7.27 VELOCÍMETRO: FXS.
PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA
6. Remova a porca do tubo de direção (1) com o guidom e
o suporte superior (4) como um conjunto. HD-33416 CABO UNIVERSAL DO INSTALADOR

7. Remova a porca de ajuste (5) e puxe o tubo de direção e HD-39301A EXTRATOR DE PISTA DO ROLA-
o suporte para fora da coluna de direção. MENTO DA COLUNA DE DIREÇÃO

8. Remova o protetor contra poeira superior (6) e o rolamento


superior (7) da coluna de direção.

Substitua os dois conjuntos de rolamentos mesmo quando


sm07160
1 um aparentar estar sem danos. Rolamentos não empare-
lhados podem resultar em desgaste excessivo e substi-
2 tuição prematura. (00532b)

3
5 Remoção dos rolamentos inferiores do tubo
6
de direção
1. Cinzele a gaiola que segura os rolos no rolamento.
7
2. Gire o tubo de direção de cabeça para baixo e aqueça a
4 pista interna. A pista se expandirá e cairá do tubo de
8
direção. Depois de remover a pista, você poderá remover
9 o protetor contra poeira inferior.

10 Remoção da pista do rolamento da coluna


de direção
11
1. Veja Figura 2-71. Com o lado cônico para baixo, assente
12 a ferramenta extratora de duas peças do EXTRATOR DE
PISTA DO ROLAMENTO DA COLUNA DE DIREÇÃO
(peça N.o HD-39301A) na pista do rolamento superior,
13 deixando uma lacuna no meio.
2. Instale o adaptador do cabo do instalador no CABO UNI-
VERSAL DO INSTALADOR (peça N.o HD-33416).
3. Insira o instalador na parte inferior do tubo da coluna de
1. Porca do tubo de direção direção e, enquanto segura a ferramenta extratora na
2. Arruela pista, centralize o anel na lacuna. Bata no instalador para
3. Parafusos de aperto do suporte superior (2) remover a pista superior.
4. Suporte superior
5. Porca de ajuste 4. Inverta a ferramenta e repita o procedimento para remover
6. Protetor contra poeira superior a pista inferior do rolamento.
7. Rolamento superior
8. Sede do rolamento superior
9. Sede do rolamento inferior
10. Rolamento inferior
11. Protetor contra poeira inferior
12. Tubo de direção e suporte
13. Parafusos de aperto do suporte inferior (4)

Figura 2-70. Coluna de direção: FXS

INSPEÇÃO
Todos os modelos
1. Verifique as sedes dos rolamentos superior e inferior da
coluna de direção. Se estiverem corroídos ou sulcados,
substitua os rolamentos e as pistas em conjuntos.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-69


PÁGINA INICIAL

NOTA
sm03249
Tome cuidado para não danificar a superfície cônica das novas
pistas. A pista deverá ser assentada com firmeza contra o
ressalto no furo.
3. Lubrifique os novos rolamentos com GRAXA ESPECIAL.
4. Instale o protetor contra poeira inferior no tubo de direção.
Pressione o rolamento inferior no lugar. Use uma luva que
faça contato apenas com a pista interna do novo rola-
mento.

1 INSTALAÇÃO
PARAFUSO VALOR TORQUE
Parafuso do suporte da man- 10,8 a 96 a
gueira do freio dianteiro 13,6 N·m 120 lb·pol.
2 Parafuso de aperto do suporte 33,9 a 25 a 30 lb·pé
superior do tubo de direção: 40,7 N·m
FLSTC, FLSTF/B, FLSTN
Parafuso do suporte da man- 10,8 a 96 a
gueira do freio dianteiro 13,6 N·m 120 lb·pol.
Porca do tubo de direção: 94,9 a 70 a 80 lb·pé
FXST 108,4 N·m
Parafuso do suporte da man- 10,8 a 96 a
gueira do freio dianteiro 13,6 N·m 120 lb·pol.
Porca do tubo de direção: FXS 94,9 a 70 a 80 lb·pé
108,4 N·m

Modelos FLSTC, FLSTF/B, FLSTN


3
1. Veja Figura 2-68. Insira o conjunto do tubo de direção e
do suporte (12) (com o protetor contra poeira e o rola-
mento inferior) na coluna de direção no quadro. Instale o
rolamento superior (7) e o protetor contra poeira (6).
2. Instale o suporte superior (5), a nova arruela (3) e o
parafuso do tubo de direção (2). Aperte o parafuso do
tubo de direção até que os rolamentos não balancem
4 visivelmente. O tubo de direção deverá girar livremente
de um lado para o outro.
3. Fixe o suporte da mangueira do freio no suporte inferior
usando as ferragens originais. Aperte o parafuso com
torque de 10,8 a 13,6 N·m (96 a 120 lb·pol.).
4. Instale o conjunto do farol dianteiro.
5. Instale os lados do garfo.
Figura 2-71. Remoção das sedes superior e inferior do
rolamento da coluna de direção 6. Encha o pescoço com GRAXA ESPECIAL HARLEY-
DAVIDSON através da graxeira localizada na coluna de
direção.
MONTAGEM

PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA


HD-39302 INSTALADOR DA SEDE DO ROLA- Ajuste corretamente os rolamentos do tubo de direção.
MENTO DA COLUNA DE DIREÇÃO Ajustes inadequados afetam a estabilidade e o manuseio,
o que poderá resultar em morte ou lesões graves. (00301a)
1. Lubrifique a parte externa das pistas do rolamento com 7. Ajuste a inclinação. Veja 1.19 ROLAMENTOS DA
óleo de motor. COLUNA DE DIREÇÃO.
2. Instale as novas pistas usando o INSTALADOR DA SEDE 8. Aplique LUBRIFICANTE ANTI-ENGRIPANTE no parafuso
DO ROLAMENTO DA COLUNA DE DIREÇÃO (peça de aperto do suporte superior (4). Aperte com torque de
N.o HD-39302). 33,9 a 40,7 N·m (25 a 30 lb·pé).

2-70 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

9. Instale a capa do tubo de direção (1). 9. Instale a capa do tubo de direção (1).

Modelos FXST Modelos FXS


1. Veja Figura 2-69. Insira o conjunto do suporte do tubo de 1. Veja Figura 2-70. Insira o conjunto do suporte do tubo de
direção (13) (com o protetor contra poeira e o rolamento direção (12) (com o protetor contra poeira e o rolamento
inferior) na coluna de direção do quadro e instale o rola- inferior) na coluna de direção do quadro e instale o rola-
mento superior (8) e o protetor contra poeira (7). Fixe com mento superior (7) e o protetor contra poeira (6). Fixe com
a porca de ajuste (6). a porca de ajuste (5).
2. Instale o suporte superior (4), uma nova arruela de 2. Instale o suporte superior (4), a arruela (2) e a porca do
pressão (3) e a porca do tubo de direção (2). Certifique- tubo de direção (1).
se de que o pino da arruela de pressão encaixe no furo
3. Fixe o suporte da mangueira do freio no suporte inferior
do suporte superior.
usando as ferragens originais. Aperte o parafuso com
3. Fixe o suporte da mangueira do freio no suporte inferior torque de 10,8 a 13,6 N·m (96 a 120 lb·pol.).
usando as ferragens originais. Aperte o parafuso com
4. Instale o conjunto do farol dianteiro.
torque de 10,8 a 13,6 N·m (96 a 120 lb·pol.).
5. Instale os lados do garfo.
4. Instale o conjunto do farol dianteiro.
6. Encha o pescoço com GRAXA ESPECIAL HARLEY-
5. Instale os lados do garfo.
DAVIDSON através da graxeira localizada na coluna de
6. Encha o pescoço com GRAXA ESPECIAL HARLEY- direção.
DAVIDSON através da graxeira localizada na coluna de
direção.

Ajuste corretamente os rolamentos do tubo de direção.


Ajustes inadequados afetam a estabilidade e o manuseio,
Ajuste corretamente os rolamentos do tubo de direção. o que poderá resultar em morte ou lesões graves. (00301a)
Ajustes inadequados afetam a estabilidade e o manuseio,
7. Ajuste a inclinação. Veja 1.19 ROLAMENTOS DA
o que poderá resultar em morte ou lesões graves. (00301a)
COLUNA DE DIREÇÃO.
7. Ajuste a inclinação. Veja 1.19 ROLAMENTOS DA
8. Aperte a porca do tubo de direção (1) com torque de 94,9
COLUNA DE DIREÇÃO.
a 108,4 N·m (70 a 80 lb·pé).
8. Aperte a porca do tubo de direção (2) com torque de 94,9
a 108,4 N·m (70 a 80 lb·pé).

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-71


PÁGINA INICIAL

CAPA DE PROTEÇÃO DA CORREIA E


DEFLETOR DE DETRITOS 2.18
REMOÇÃO 2. Instale o parafuso e a arruela (6) através da capa de pro-
teção da correia (5), do defletor de detritos (2) e do garfo
Capa de proteção da correia traseiro. Instale a porca cega (4) firmemente.
1. Remova o alforje esquerdo, se estiver presente. 3. Instale o parafuso com cabeça abaulada inferior (3) e
aperte o parafuso (1) na frente do defletor.
2. Veja Figura 2-72. Remova o parafuso com cabeça abau-
lada (9) da porca “T” (7). 4. Instale o alforje esquerdo, caso tenha sido removido.
3. Remova a porca cega (4) para remover a capa de pro-
teção da correia (5). sm03300

Defletor de detritos
1. Remova o alforje esquerdo, se estiver presente.
8 9
2. Remova o parafuso com cabeça abaulada inferior (3).
3. Afrouxe, mas não remova, o parafuso (1) na parte dian-
teira (ranhurada) do defletor.
4. Remova a porca cega (4). Levante o defletor de detritos 7
e afaste-o do quadro. 6 5
INSTALAÇÃO
4
Capa de proteção da correia
1. Veja Figura 2-72. Coloque a capa de proteção da correia 3
(5) no lugar. A lingüeta do parafuso e da arruela (6) deve
ser instalada na parte interna da lingüeta no defletor de
detritos (2). 2
2. Instale o parafuso e a arruela (6) através da capa de pro- 1
teção da correia (5), do defletor de detritos (2) e do garfo
traseiro. Instale a porca cega (4) firmemente.
1. Parafuso
3. Instale o parafuso com cabeça abaulada (9) na porca “T”
2. Defletor de detritos
(7).
3. Parafuso de cabeça abaulada
4. Instale o alforje esquerdo, caso tenha sido removido. 4. Porca cega
5. Capa de proteção da correia
Defletor de detritos 6. Parafuso e arruela
7. Porca “T”
1. Posicione o defletor de detritos (2). A abertura ranhurada 8. Ilhó
na frente do defletor desliza sobre o parafuso (1). Não 9. Parafuso com cabeça abaulada (igual ao item 3)
aperte os parafusos por enquanto.
Figura 2-72. Protetor da correia/defletor de detritos

2-72 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

AMORTECEDORES TRASEIROS 2.19


INFORMAÇÕES GERAIS INSTALAÇÃO
Os amortecedores traseiros não podem ser reparados. Se
algum amortecedor ficar danificado, deverá ser substituído PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA
como um conjunto. SRES24 ADAPTADOR SNAP-ON
NOTA SS-306G COMPUTADOR DE TORQUE SNAP-
Veja 1.18 AJUSTES DA SUSPENSÃO para obter informações ON
sobre a configuração da suspensão para transporte de carga.
PARAFUSO VALOR TORQUE
REMOÇÃO
Parafuso traseiro do amorte- 164,0 a 121 a
cedor 184,4 N·m 136 lb·pé
PEÇA N.o NOME DA FERRAMENTA
Porca de travamento do 43,4 a 32 a 39 lb·pé
SRES24 O ADAPTADOR SNAP-ON amortecedor traseiro 52,9 N·m

1. Remova o sistema de escapamento. Veja 4.17 SISTEMA 1. Veja Figura 2-73. Coloque a arruela com ilhó (4) na parte
DE ESCAPAMENTO: FXST E FLSTC, Sistema ou interna do quadro. Instale a bucha (3) sobre a extremidade
4.18 SISTEMA DE ESCAPAMENTO: FLSTF, FLSTFB, do prisioneiro do amortecedor. Insira a extremidade do
FLSTN, FXS, Sistema. prisioneiro através da lingüeta da estrutura com chaveta
2. Remova o parafuso do prendedor inferior da HCU para e instale a porca de travamento flangeada (5) sem apertá-
permitir folga suficiente para remover o amortecedor la.
esquerdo. Veja C.3 UNIDADE DE CONTROLE HIDRÁU- 2. Cubra o ressalto do parafuso (1) com LUBRIFICANTE
LICO (HCU), Unidade de controle hidráulico traseira ANTI-ENGRIPANTE e as roscas do parafuso com TRAVA-
(HCU). ROSCAS LOCTITE 243 (azul). Insira o parafuso e a
3. Veja Figura 2-73. Remova o batente do pára-choque (6) arruela (1) através da extremidade do amortecedor. Oscile
para levantar o garfo traseiro o suficiente para remover o o amortecedor para alinhar o parafuso com o furo no garfo
amortecedor direito. traseiro.

4. Usando um elevador adequado, apóie a motocicleta por NOTA


baixo do quadro até que o pneu traseiro se eleve do chão. O procedimento de aperto do parafuso do amortecedor do
modelo Softail exige o uso de um ADAPTADOR SNAP-ON
5. Remova o parafuso e a arruela (1) que fixam o amorte- (peça N.o SRES24). Como o adaptador aumenta o compri-
cedor no garfo traseiro. mento do torquímetro, o torque deve ser calculado com um
NOTA COMPUTADOR DE TORQUE SNAP-ON (peça N.o SS-306G).
O ADAPTADOR SNAP-ON (peça N.o SRES24) é necessário 3. Aperte as ferragens do amortecedor traseiro.
para ter acesso ao parafuso do amortecedor.
a. Aperte o parafuso e a arruela (1) na traseira do
6. Remova a porca de travamento flangeada (5) e a arruela amortecedor com torque de 164,0 a 184,4 N·m (121
com ilhó (4) na frente do amortecedor. a 136 lb·pé).
b. Aperte a porca de travamento flangeada (5) com
torque de 43,4 a 52,9 N·m (32 a 39 lb·pé).

4. Ajuste os dois amortecedores igualmente. Veja


1.18 AJUSTES DA SUSPENSÃO.
5. Instale o batente do pára-choque (6).
6. Instale o parafuso do prendedor inferior da HCU. Veja
C.3 UNIDADE DE CONTROLE HIDRÁULICO (HCU),
Unidade de controle hidráulico traseira (HCU).
7. Instale o sistema de escapamento. Veja 4.17 SISTEMA
DE ESCAPAMENTO: FXST E FLSTC, Sistema ou
4.18 SISTEMA DE ESCAPAMENTO: FLSTF, FLSTFB,
FLSTN, FXS, Sistema.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-73


PÁGINA INICIAL

sm03253a

3 5
4
1. Parafuso e arruela (2)
2. Amortecedor traseiro (2)
3. Bucha (2)
4. Arruela com ilhó (2)
5. Porca de travamento flangeada (2)
6. Batente do pára-choque

Figura 2-73. Amortecedores traseiros

DESCARTE DOS AMORTECEDORES


1. Desmontagem do amortecedor.
A liberação de óleo e gás pressurizados pode perfurar a
NOTA pele e ejetar detritos e, portanto, causar lesões graves.
O reservatório do amortecedor contém gás nitrogênio e óleo Utilize óculos e luvas de proteção. (00601b)
sob pressão. Não perfure a câmara de óleo. 5. Perfure na marca da punção, retraindo a broca à medida
2. Veja Figura 2-74. Puncione o reservatório entre a solda que penetrar na carcaça.
e a lata do reservatório. 6. Deixe o gás sair.
3. Apóie o reservatório em uma morsa. 7. Descarte o amortecedor.

Não exponha o amortecedor a fontes de calor. A exposição


ao calor pode causar o acúmulo excessivo de gás sob
pressão, podendo ocorrer explosão e morte ou lesões
graves. (00600b)
• Use uma broca afiada para evitar o aumento do calor ao
descarregar.
4. Instale uma broca de 6/64 a 1/8 pol. em uma furadeira.

2-74 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm06773

Figura 2-74. Localização do punção no centro/furo

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-75


PÁGINA INICIAL

GARFO TRASEIRO 2.20


REMOÇÃO 4. Remova apenas os parafusos e as arruelas do amorte-
cedor traseiro (8). Veja 2.19 AMORTECEDORES TRA-
1. Remova a roda traseira, o cáliper do freio traseiro e o SEIROS.
suporte do cáliper de montagem. Veja 2.5 RODA TRA-
SEIRA. NOTA
Ao remover o eixo pivô, anote a posição do espaçador em
2. Remova a capa de proteção da correia. Veja 2.18 CAPA cada lado da transmissão. O comprimento dos espaçadores
DE PROTEÇÃO DA CORREIA E DEFLETOR DE difere ligeiramente e estes devem ser instalados no mesmo
DETRITOS. lado de onde foram removidos. Veja Tabela 2-18.
3. Veja Figura 2-75. Remova o parafuso (1) do protetor 5. Remova o eixo pivô (4) e os dois espaçadores (11, 12).
contra respingos (2). Levante as lingüetas inferiores e Remova as duas buchas (10) da parte interna dos rola-
puxe a extremidade inferior do protetor contra respingos mentos de esferas (7). O garfo traseiro agora pode ser
para trás. Remova o protetor contra respingos do garfo removido do quadro.
traseiro.

2-76 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

sm03250b

1
13
14
6
7

7
5

11
4 10
12
6
15
8 10

1. Parafuso (2) 6. Anel de retenção (2) 11. Espaçador, esquerdo


2. Protetor contra respingos 7. Rolamento (2) 12. Espaçador, direito
3. Garfo traseiro 8. Parafuso e arruela (2) 13. Porca do eixo pivô
4. Eixo pivô 9. Amortecedor traseiro (2) 14. Arruela
5. Arruela 10. Bucha (2) 15. Batente de amortecimento

Figura 2-75. Garfo traseiro

LIMPEZA E INSPEÇÃO Verifique visualmente o alinhamento correto do garfo traseiro.


Um garfo traseiro dobrado deverá ser substituído.
Os rolamentos de esferas têm lubrificação permanente e não
exigem cuidados adicionais, a não ser a limpeza. Os rola- SUBSTITUIÇÃO DO ROLAMENTO DA
mentos de esferas do tipo luva, se não estiverem danificados, ARTICULAÇÃO
acompanham a vida útil da motocicleta. Limpe o mancal de
montagem do rolamento com um pano de limpeza, removendo 1. Remova o garfo traseiro do veículo. Veja 2.20 GARFO
toda sujeira ou grânulos que fiquem aderidos na superfície do TRASEIRO, Remoção.
rolamento.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-77


PÁGINA INICIAL

NOTA removidos. Os espaçadores são identificados pelo número


O anel de retenção se encaixa em uma ranhura usinada no de linhas usinadas. Veja Tabela 2-18.
rolamento e pode ser removido com o rolamento.
b. No lado direito, instale o eixo pivô (4) e os espaça-
2. Pressione o rolamento da articulação do garfo para fora dores (11, 12) com os anéis espaçadores voltados
com uma chave adequada a partir do centro do garfo na para a caixa da transmissão.
direção da parte externa.
c. Aplique TRAVA-ROSCA LOCTITE 262 (vermelho)
3. Instale um novo anel de retenção em um novo rolamento. nas roscas da porca do eixo pivô. Instale a porca do
eixo pivô e aperte-a com torque de 122 a 149,1 N·m
4. Posicione o conjunto do rolamento contra o lado externo
(90 a 110 lb·pé).
do ressalto do pivô do garfo traseiro, com o anel de
retenção do lado de fora. NOTA
5. Pressione o conjunto do rolamento no ressalto do pivô do O aperto correto do eixo pivô é importante para manter o ali-
garfo traseiro usando uma chave adequada. nhamento do garfo traseiro.

6. Repita o procedimento para o lado oposto. 4. Verifique se o garfo traseiro gira livremente ao redor dos
rolamentos e se o garfo e os membros laterais do quadro
7. Instale o garfo traseiro no veículo. Veja 2.20 GARFO não empenam quando a porca do eixo pivô for apertada.
TRASEIRO, Instalação.
5. Instale o cartucho de emissões evaporativas (modelos
INSTALAÇÃO Califórnia). Veja 4.20 SISTEMA DE CONTROLE DE
EMISSÕES EVAPORATIVAS.
PARAFUSO VALOR TORQUE
6. Instale o protetor contra respingos (2).
Porca do eixo pivô 122 a 90 a 110 lb·pé
7. Instale o suporte fixação do cáliper, a roda traseira e o
149,1 N·m
cáliper do freio. Veja 2.5 RODA TRASEIRA.
1. Veja Figura 2-75. Instale o batente do pára-choque (15) 8. Instale ambos os amortecedores traseiros (9) usando os
caso tenha sido removido. parafusos e as arruelas (8). Veja 2.19 AMORTECEDORES
TRASEIROS.
2. Coloque o garfo traseiro (3) no quadro de modo que os
furos no quadro se alinhem com os furos no garfo. Insira
as buchas (10) nos rolamentos de esferas (7) pela parte Tabela 2-18. Dimensões dos espaçadores da transmissão
interna.
LADO ESQUERDO mm pol. NÚMERO
3. Instale o eixo pivô (4). OU DIREITO DO DE LINHAS
a. Aplique LUBRIFICANTE ANTI-ENGRIPANTE no eixo VEÍCULO USINADAS
pivô. Lado esquerdo 49,43 1,946 2
NOTA Lado direito 39,85 1,569 1
O comprimento dos espaçadores difere ligeiramente e
estes devem ser instalados no mesmo lado de onde foram

2-78 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

CONTROLE DO ACELERADOR 2.21


REMOÇÃO/DESMONTAGEM c. Instale o parafuso de ajuste, a mola e a pastilha de
atrito na estrutura inferior, caso tenham sido remo-
1. Veja Figura 2-76. Solte as contraporcas de ajuste do cabo vidos.
(1). Aparafuse o ajustador do cabo do acelerador até que
fique o mais curto possível. Remova os dois parafusos 3. Posicione a manopla do acelerador no guidom. Coloque
que fixam a estrutura no guidom para separar as metades a estrutura inferior no acelerador. Posicione as virolas e
superior e inferior. os anéis de retenção nas esferas dos cabos e assente-
os nos entalhes do acelerador.
2. Desencaixe as virolas e os cabos da manopla do acele-
rador e da estrutura inferior.
sm03254
3. Remova o conjunto do filtro de ar. Veja 4.3 CONJUNTO
DO FILTRO DE AR.
4. Desconecte os cabos do acelerador do módulo de
indução. Veja 4.11 MÓDULO DE INDUÇÃO, Remoção.
5. Veja Figura 2-77. Puxe os cabos da estrutura colocando
uma gota de óleo no anel de retenção que segura o cabo
na estrutura e, em seguida, puxe com firmeza a parte do
tubo dobrado do cabo para fora da estrutura usando um
movimento de balanço.
2
LIMPEZA E INSPEÇÃO 1
1. Contraporcas de ajuste
2. Insertos coloridos
O ar comprimido pode perfurar a pele e os detritos Figura 2-76. Controle do acelerador no guidom
lançados pelo ar comprimido podem causar lesões graves
nos olhos. Use óculos de proteção ao trabalhar com ar
comprimido. Nunca use a sua mão para procurar por
vazamentos de ar ou para determinar a porcentagem do sm01084a
fluxo de ar. (00061a)
1. Lave todos os componentes com solvente de limpeza não
inflamável. Seque as peças com ar comprimido de baixa
pressão.
2 3 4
2. Substitua os cabos de controle se estiverem desgastados 5
1
ou tiverem voltas ou torção indesejável.
3. Coloque uma ou duas gotas de óleo na estrutura de cada
cabo de controle.

MONTAGEM/INSTALAÇÃO
PARAFUSO VALOR TORQUE
Parafusos da estrutura do 4,0 a 5,1 N·m 35 a 1. Cabo do acelerador (inserto prateado, furo dianteiro)
controle do acelerador 45 lb·pol. 2. Ranhura na manopla do acelerador
3. Entalhe
4. Virola de latão
1. Aplique uma camada fina de grafite no guidom e na 5. Cabo da marcha lenta (inserto dourado, furo traseiro)
superfície interna das estruturas.
Figura 2-77. Conexão dos cabos do acelerador
2. Veja Figura 2-77. Fixe os conjuntos dos cabos de controle
na estrutura inferior.
a. Pressione o inserto prateado da estrutura do cabo
do acelerador (1) no furo da frente do parafuso de
ajuste da tensão. Não aperte o parafuso de ajuste do atrito da aceleração a
ponto do motor não retornar automaticamente à marcha
b. Empurre o inserto dourado de menor diâmetro da
lenta. O aperto excessivo pode provocar a perda de con-
estrutura do cabo da marcha lenta (5) no furo, na
trole do veículo, o que poderá resultar em morte ou lesões
parte traseira do parafuso de ajuste de tensão.
graves. (00031b)

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-79


PÁGINA INICIAL

4. Aperte a estrutura superior no alojamento inferior usando Eles seguem debaixo do tanque de combustível através
dois parafusos. Aperte com torque de 4,0 a 5,1 N·m (35 das duas abraçadeiras do cabo e para trás até o corpo
a 45 lb·pol.). do acelerador.
6. Instale os cabos do acelerador no módulo de indução.
Veja 4.11 MÓDULO DE INDUÇÃO, Instalação.
Cabos do acelerador pressionados podem limitar a res- 7. Ajuste os cabos do acelerador. Veja 1.13 CABOS DO
posta do acelerador, causando perda de controle, o que ACELERADOR.
poderá resultar em morte ou lesões graves. (00423b)
8. Instale o filtro de ar. Veja 4.3 CONJUNTO DO FILTRO
5. Certifique-se de que os cabos do acelerador estejam DE AR.
orientados abaixo do guidom e atrás do suporte do garfo.

2-80 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

CONTROLE DA EMBREAGEM 2.22


REMOÇÃO embreagem. Veja 6.5 TAMPA DE DESENGATE DA
EMBREAGEM.
1. Solte o ajustador da embreagem para que o cabo fique
totalmente solto. Veja 1.11 EMBREAGEM. 5. Coloque algumas gotas de óleo na parte interna da
estrutura do cabo.
2. Veja Figura 2-78. Remova o anel de retenção (2) e o pino
de articulação (4). Remova o pino de encaixe do cabo de NOTA
embreagem (1) da alavanca manual. O pino de encaixe não necessita de lubrificação.
6. Verifique se cabo da embreagem está orientado correta-
mente.
a. Oriente o cabo da embreagem através da frente do
Use óculos de proteção ao remover ou instalar anéis de
guidom para o seguinte modelo: FXST. Oriente o
retenção. Os anéis de retenção podem deslizar do alicate
cabo da embreagem por trás do guidom para os
e serem expelidos com muita força, o que pode resultar
seguintes modelos: FLSTF/B, FLSTC e FLSTN.
em lesões graves nos olhos. (00312a)
b. Oriente o cabo abaixo do prendedor no tubo descen-
3. Drene o lubrificante da transmissão e remova a vareta de
dente esquerdo do quadro.
nível do tampão de enchimento. Remova a tampa lateral
da transmissão. Veja 6.5 TAMPA DE DESENGATE DA c. Oriente o cabo debaixo do espaçador do suporte do
EMBREAGEM. motor, da tampa da caixa de engrenagens e através
do suporte.
4. Veja Figura 2-79. Observe a posição de abertura do anel
de retenção (1). O anel de retenção deverá estar posicio- d. Oriente o cabo até a tampa da transmissão.
nado aproximadamente no mesmo local durante a mon-
tagem. Remova o anel de retenção. 7. Veja Figura 2-78. Insira o pino de encaixe (1) através da
alavanca e do anel do cabo da embreagem (3).
5. Puxe a rampa interna (2) e o acoplamento da rampa (3)
para fora da tampa lateral. Segure as rampas interna e 8. Coloque a alavanca no suporte e instale o pino de articu-
externa juntas para impedir que as esferas caiam. lação (4) e o anel de retenção (2).
6. Gire a rampa interna até uma posição que permita que o 9. Ajuste o cabo da embreagem. Veja 1.11 EMBREAGEM.
acoplamento seja desconectado do braço da alavanca da
rampa interna. Desconecte o acoplamento da rampa sm02481
interna. Desconecte a extremidade do cabo (4) do acopla- 4
mento.
7. Mova para trás a conexão rosqueada do cabo (5) da 3
tampa lateral.

INSTALAÇÃO
1. Veja Figura 2-79. Instale o novo anel de vedação “o-ring”
na extremidade das roscas do cabo da embreagem.
Aplique uma gota de TRAVA-ROSCAS LOCTITE 243
2
(azul) no encaixe do cabo da embreagem e no encaixe
do parafuso na tampa de desengate da embreagem. Não
aperte totalmente por enquanto. 1
2. Conecte a extremidade do cabo no acoplamento da rampa
1. Pino de encaixe
(3). Gire as rampas para facilitar o acesso e instale o 2. Anel de retenção
acoplamento na rampa interna (2). Coloque o conjunto 3. Anel
da rampa na posição dentro da tampa lateral. 4. Pino de articulação

Figura 2-78. Instalação do cabo da embreagem

Use óculos de proteção ao remover ou instalar anéis de


retenção. Os anéis de retenção podem deslizar do alicate
e serem expelidos com muita força, o que pode resultar
em lesões graves nos olhos. (00312a)
3. Instale o anel de retenção (1). Posicione a abertura do
anel de retenção à direita da alça externa da rampa (o
batente que impede a rotação).
4. Coloque a nova gaxeta na tampa lateral e instale-a,
apertando completamente o encaixe do cabo da

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-81


PÁGINA INICIAL

sm03259

3 5

1. Anel de retenção
2. Rampa interna
3. Acoplamento da rampa
4. Cabo da embreagem
5. Encaixe do cabo

Figura 2-79. Conexão do cabo da embreagem

2-82 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

GUIDOM: FLSTC, FLSTN, FXST 2.23


REMOÇÃO
sm03252b
3

Para impedir a partida acidental do veículo, o que poderá 2


resultar em morte ou lesões graves, remova o fusível
principal antes de continuar. (00251b) 4
1. Remova o fusível principal.
2. Coloque uma flanela ou tampa de proteção sobre a frente
do tanque de combustível para protegê-lo contra riscos e
1
outros danos.
3. Remova o cilindro-mestre dianteiro, o conjunto de interrup-
tores do lado direito do guidom e o acelerador. Veja
5
7.38 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO DIREITO DO 6
GUIDOM.
4. Remova o conjunto do controle da embreagem e os
interruptores do lado esquerdo do guidom. Veja
7
7.39 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO ESQUERDO 8
DO GUIDOM.
9
NOTA
A manopla original é colada e deve ser cortada. Remova a
manopla somente se necessário.
5. Remova a manopla do lado esquerdo do guidom. 10
6. Veja Figura 2-80. Remova os parafusos do prendedor
8
superior do guidom (2).
a. FLSTC/FXST: Remova o prendedor superior do 11
guidom (4)
b. FLSTN: Remova o prendedor superior do guidom (3)

7. Remova o guidom (1). 12


13
8. Se for remover o prendedor inferior do guidom (6), remova
os dois parafusos do prendedor inferior do guidom (13), 1. Guidom
as arruelas de pressão (12) e os prendedores inferiores 2. Parafuso do prendedor superior do guidom (4)
do guidom do suporte do garfo superior (10). Substitua 3. Prendedor superior do guidom (FLSTN)
as buchas (8), se necessário. 4. Prendedor superior do guidom (FLSTC/FXST)
5. Retentor do chicote de fios (4)
6. Prendedor inferior do guidom (2)
7. Arruela hemisférica superior (2)
8. Bucha (2)
9. Espaçador (2)
10. Suporte do garfo superior (típico)
11. Arruela hemisférica inferior (2)
12. Arruela de pressão (2)
13. Parafuso do prendedor inferior do guidom (2)

Figura 2-80. Guidom: Todos, exceto FLSTF/FLSTFB/FXS

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-83


PÁGINA INICIAL

INSTALAÇÃO 7.38 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO DIREITO DO


GUIDOM e 7.39 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO
PARAFUSO VALOR TORQUE ESQUERDO DO GUIDOM.

Prendedores das abraçadeiras 16,3 a 12 a 15 lb·pé 10. Teste a pressão e a operação da alavanca do freio dian-
traseiras do guidom 20,3 N·m teiro.
Prendedores das abraçadeiras 16,3 a 12 a 15 lb·pé 11. Teste a operação correta do acelerador. Ajuste conforme
dianteiras do guidom 20,3 N·m necessário. Veja 1.13 CABOS DO ACELERADOR.
Parafuso do prendedor inferior 40,7 a 30 a 40 lb·pé 12. Instale o fusível principal.
do guidom 54,3 N·m

1. Veja Figura 2-80. Se os prendedores inferiores do guidom


(6) foram removidos, instale as arruelas de pressão (12) Após instalar o assento, puxe-o para cima para certificar-
nos parafusos do prendedor inferior do guidom (13). se de que esteja travado na posição certa. Ao dirigir, um
NOTA assento solto pode se deslocar, causando perda de con-
No próximo passo, certifique-se de que as arruelas hemisfé- trole, o que poderá resultar em morte ou lesões graves.
ricas (7, 11), as buchas (8) e o espaçador (9) estejam posicio- (00070b)
nados no suporte do garfo superior (10). 13. Instale o assento.
2. Deslize os parafusos do prendedor inferior do guidom
através do suporte superior do garfo.
3. Instale, sem apertar, os prendedores inferiores do guidom Esteja seguro de que todas as luzes e interruptores fun-
no suporte superior do garfo usando os parafusos do cionem adequadamente antes de operar a motocicleta.
prendedor inferior do guidom. Uma baixa visibilidade do motociclista poderá resultar em
morte ou lesões graves. (00316a)
4. Veja Figura 2-81. Coloque o guidom nos prendedores
inferiores do guidom. Instale os prendedores superiores 14. Vire o interruptor da chave de ignição/iluminação para a
do guidom. Instale, mas não aperte, os parafusos do posição ignição (IGNITION) e verifique a operação correta
prendedor. das luzes e interruptores.
5. Usando as áreas recartilhadas do guidom como um guia, 15. Aplique a alavanca do freio para testar a luz do freio.
centralize o guidom entre os prendedores inferiores do
guidom. sm03256 4
NOTA
Em alguns modelos, as áreas recartilhadas do guidom ficarão 5
completamente ocultas pelo prendedor superior do guidom e
não serão visíveis quando o guidom estiver centrado correta-
mente.
3
6. Levante o guidom até a posição normal de direção e
mantenha-o nessa posição.
7. Fixe o guidom no prendedor:
a. Aperte os dois parafusos dianteiros (4) com as mãos.
2
b. Aperte os parafusos traseiros (3) com torque de 16,3
a 20,3 N·m (12 a 15 lb·pé).
c. Aperte finalmente os dois parafusos dianteiros (4)
1
com torque de 16,3 a 20,3 N·m (12 a 15 lb·pé).
Poderá haver uma ligeira folga entre os prendedores
superior e inferior na parte dianteira.
1. Prendedor inferior (2)
8. Veja Figura 2-80. Aperte os parafusos do prendedor infe-
2. Espaçadores estampados (2)
rior do guidom (15) com um torque de 40,7 a 54,3 N·m
3. Parafuso traseiro (2)
(30 a 40 lb·pé). 4. Parafuso dianteiro (2)
9. Instale os conjuntos de interruptores direito e esquerdo, 5. Prendedor superior
o controle do acelerador, o conjunto da alavanca da Figura 2-81. Suspensor do guidom
embreagem e o conjunto do cilindro-mestre dianteiro. Veja

2-84 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

GUIDOM: FLSTF/B 2.24


REMOÇÃO 14. Veja Figura 2-83. Remova os parafusos do prendedor
superior do guidom (2) e os prendedores superiores do
guidom (3).
15. Remova o guidom.
Para impedir a partida acidental do veículo, o que poderá
resultar em morte ou lesões graves, remova o fusível 16. Se os prendedores inferiores do guidom (4) forem remo-
principal antes de continuar. (00251b) vidos, remova os dois parafusos do prendedor inferior do
guidom (12), as arruelas de pressão(11), as arruelas (10)
1. Remova o fusível principal. e os prendedores inferiores do guidom do suporte superior
2. Veja Figura 2-82. Remova a porca cega (1) e a arruela do garfo (8).
(2).
sm02750a
3. Remova o console de instrumentos e deixe-o suspenso
do lado esquerdo. Suspenda o console usando uma corda
elástica ou um pedaço de corda pequeno para evitar
esforço no chicote de fios.
1
4. Desligue o conector do indicador de combustível locali-
zado debaixo do tanque de combustível.
5. Remova os parafusos do tanque de combustível, a man-
gueira de respiro e a conexão de alimentação de com-
bustível. Deslize o tanque de combustível para trás para
ter acesso aos conectores elétricos. Veja 4.6 TANQUE
DE COMBUSTÍVEL. 2
6. Coloque uma flanela ou tampa de proteção sobre a frente
do tanque de combustível para protegê-lo contra riscos e
outros danos.
7. Desligue todos os conectores de controle manual dos
lados esquerdo e direito do chicote de fios principal.
1. Porca cega
NOTA
2. Arruela
Anote as cores e os locais dos fios no conector antes da
remoção para ajudar durante a instalação. Figura 2-82. Console dos instrumentos
8. Identifique as localizações dos fios e remova os terminais
dos receptáculo do conector do controle manual (conector
do controle manual esquerdo [24], conector do controle
manual direito [22]). Veja A.18 CONECTORES SELADOS
MOLEX MX 150 para obter informações do conector.
9. Remova os terminais do conector Multilock da lâmpada
do pisca. Veja A.19 CONECTORES NÃO SELADOS
MULTILOCK TYCO 070 para obter informações do
conector.
10. Remova o cilindro-mestre dianteiro, o conjunto de interrup-
tores do lado direito do guidom e o acelerador. Veja
7.38 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO DIREITO DO
GUIDOM.
11. Remova o conjunto do controle da embreagem e os
interruptores do lado esquerdo do guidom. Veja
7.39 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO ESQUERDO
DO GUIDOM.
NOTA
A manopla original é colada e deve ser cortada para ser
removida. Remova a manopla somente se necessário.
12. Remova a manopla do lado esquerdo do guidom.
13. Remova as estruturas dos interruptores, os piscas e a
fiação do guidom.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-85


PÁGINA INICIAL

suportados através deste procedimento para evitar puxar o


sm03257a
ilhó ou os fios do pisca para fora da estrutura.

2 1. Repare ou substitua os interruptores, os interruptores dos


3 piscas, os fios e os ilhós, conforme necessário.
NOTA
Para obter os procedimentos de reparação dos interruptores
do guidom, veja 7.37 MÓDULOS DE CONTROLE DO
GUIDOM.
2. Envolva as extremidades dos fios e as extremidades
1 abertas do conduíte com fita isolante.
3. Corte um certo comprimento de arame para usar como
passador.
4. Coloque o arame ao longo dos chicotes de fios de modo
que alguns centímetros se sobreponham, e fixe-o usando
4 a fita isolante.

5 5. Se necessário, substitua os ilhós nas aberturas dos fios


6 no guidom.
7 6. Lubrifique os conduítes dos fios com limpa-vidro.
7. Veja Figura 2-84. Coloque os passadores dos fios através
dos ilhós do guidom e para fora do furo central.
8
8. Puxe os feixes de fios através do furo central do guidom.
6 9. Instale, sem apertar, as estruturas esquerda e direita dos
interruptores.
9
10. Puxe a folga dos chicotes de fios e remova a fita isolante
10 e o arame.
11
12

1. Guidom
2. Parafuso do prendedor superior do guidom (4)
3. Prendedor superior do guidom
4. Prendedor inferior do guidom (2)
5. Arruela hemisférica superior (2)
6. Bucha (2)
7. Espaçador (2)
8. Suporte superior do garfo
9. Arruela hemisférica inferior (2)
10. Arruela
11. Arruela de pressão (2)
12. Parafuso do prendedor inferior do guidom (2)

Figura 2-83. Guidom: FLSTF/B

INSTALAÇÃO
PARAFUSO VALOR TORQUE
Parafusos do prendedor 16,3 a 12 a 18 lb·pé
superior do guidom; FLSTF/B 24,4 N·m
Parafuso do prendedor inferior 40,7 a 30 a 40 lb·pé
do guidom; FLSTF/B 54,2 N·m

NOTA
Os fios do pisca entram nas estruturas dos interruptores
através de um ilhó de alívio na estrutura. Os piscas devem ser

2-86 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

gueira de respiro e a conexão de alimentação de com-


sm03258
bustível. Veja 4.6 TANQUE DE COMBUSTÍVEL.
19. Conecte o conector do indicador de combustível [117].
20. Instale o console de instrumentos e fixe-o com a arruela
e a porca cega.
21. Usando as áreas recartilhadas do guidom como um guia,
centralize o guidom entre os prendedores inferiores do
guidom.
NOTA
Em alguns modelos, as áreas recartilhadas do guidom ficarão
completamente ocultas pelo prendedor superior do guidom
quando o guidom estiver centrado corretamente.
22. Levante o guidom até a posição normal de direção e
mantenha-o nessa posição.
NOTA
A folga entre os prendedores superior e inferior deverá ser
igual na frente e atrás.
23. Aperte os parafusos dianteiros e traseiros com torque de
16,3 a 24,4 N·m (12 a 18 lb·pé).
24. Veja Figura 2-83. Remova um parafuso do prendedor
inferior do guidom (12). Aplique TRAVA-ROSCA DE ALTA
RESISTÊNCIA LOCTITE 271 (vermelho) nas roscas do
parafuso.
25. Instale o parafuso e aperte com torque de 40,7 a 54,2 N·m
(30 a 40 lb·pé). Repita o procedimento para o outro
parafuso.

sm03982b

Figura 2-84. Passador de fio no guidom (guidom removido


da motocicleta)
1
11. Veja Figura 2-83. Se os prendedores inferiores do guidom 2
(4) foram removidos, instale as arruelas (10) e as arruelas
de pressão (11) nos parafusos do prendedor inferior do
guidom (12).
12. Deslize os parafusos do prendedor inferior do guidom
através do suporte superior do garfo (8). 2
13. Instale, sem apertar, os prendedores inferiores do guidom
no suporte superior do garfo usando os parafusos do
prendedor inferior do guidom.
14. Coloque o guidom (1) nos prendedores inferiores do
guidom. Instale os prendedores superiores do guidom (3). 1. Superfície de fixação
Instale, mas não aperte, os parafusos do prendedor. 2. Marcas de distância
15. Insira os fios nos locais apropriados nos receptáculos dos Figura 2-85. Alinhamento do conjunto de controle do lado
conectores dos fios. Veja B.2 DIAGRAMAS DE FIAÇÃO esquerdo para o guidom
para obter as combinações conector/fio.
16. Conecte os conectores dos controles manuais esquerdo
e direito [22, 24].
17. Conecte o conector do pisca dianteiro [31].
18. Deslize o tanque de combustível até sua posição e instale
os parafusos do tanque de combustível. Conecte a man-

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-87


PÁGINA INICIAL

DO GUIDOM ou 7.38 MÓDULO DO CONTROLE DO


sm04496a
LADO DIREITO DO GUIDOM.
27. Instale o fusível principal.

Após instalar o assento, puxe-o para cima para certificar-


2 se de que esteja travado na posição certa. Ao dirigir, um
assento solto pode se deslocar, causando perda de con-
1 trole, o que poderá resultar em morte ou lesões graves.
(00070b)
28. Instale o assento.
2 29. Teste a operação correta do acelerador. Ajuste conforme
necessário. Veja 1.13 CABOS DO ACELERADOR.

Esteja seguro de que todas as luzes e interruptores fun-


cionem adequadamente antes de operar a motocicleta.
1. Superfície de fixação Uma baixa visibilidade do motociclista poderá resultar em
2. Marcas de distância morte ou lesões graves. (00316a)
Figura 2-86. Conjunto de controle do lado direito para o 30. Gire o interruptor da chave de ignição/iluminação para a
guidom posição ignição (IGNITION) e verifique a operação correta
das luzes e interruptores.

NOTA 31. Aplique a alavanca do freio para testar a luz do freio.


Veja Figura 2-85 ou Figura 2-86. Ao instalar os conjuntos do
interruptor do guidom direito e esquerdo, certifique-se de que
a superfície de fixação (1) permaneça dentro das marcas de
Após reparar o sistema de freio, teste os freios em baixa
distância (2) ou poderão ocorrer danos aos fios.
velocidade. Se os freios não estiverem funcionando corre-
26. Instale o controle da embreagem, o cilindro-mestre dian- tamente, o teste feito em alta velocidade poderá causar
teiro, o conjunto de interruptores do lado esquerdo do perda de controle, o que poderá resultar em morte ou
guidom e o conjunto de interruptores do lado direito do lesões graves. (00289a)
guidom. Alinhe as estruturas e aperte os parafusos. Veja
32. Teste a pressão e a operação da alavanca do freio dian-
7.39 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO ESQUERDO
teiro.

2-88 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

GUIDOM: FXS 2.25


REMOÇÃO sm07162a
1
NOTA
O guidom não é ajustável. Há uma parte lisa acima do eixo
rosqueado para evitar rotação.
2
5

Para impedir a partida acidental do veículo, o que poderá 6


resultar em morte ou lesões graves, remova o fusível
principal antes de continuar. (00251b)
1. Remova o fusível principal.
2. Veja 4.7 CONSOLE: MODELO FXS. Remova o console. 3
3. Remova os parafusos do tanque de combustível, a man- 4
gueira do respiro, a conexão de alimentação de com-
bustível e o conector da bomba de combustível. Deslize
o tanque de combustível para trás para ter acesso aos 1. Guidom (mostrado lado direito)
2. Suporte superior do garfo
conectores elétricos. Veja 4.6 TANQUE DE COM-
3. Arruela
BUSTÍVEL.
4. Porca
4. Coloque uma flanela ou tampa de proteção sobre a frente 5. Parte lisa no guidom
do tanque de combustível para protegê-lo contra riscos e 6. Parte lisa no suporte
outros danos. Figura 2-87. Guidom: FXS
5. Veja 7.39 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO
ESQUERDO DO GUIDOM e 7.38 MÓDULO DO CON- INSTALAÇÃO
TROLE DO LADO DIREITO DO GUIDOM. Desligue todos
os conectores de controle manual dos lados esquerdo e PARAFUSO VALOR TORQUE
direito do chicote de fios principal. Não é necessário
remover os conectores da fiação. Porca do guidom (FXS) 122 a 90 a 110 lb·pé
149 N·m
6. Remova o cilindro-mestre dianteiro, o conjunto de interrup-
tores do lado direito do guidom e o acelerador. Veja 1. Repare ou substitua os interruptores, os interruptores dos
7.38 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO DIREITO DO piscas, os fios, conforme necessário.
GUIDOM.
NOTA
7. Remova o conjunto do controle da embreagem e os Para obter os procedimentos de reparação dos interruptores
interruptores do lado esquerdo do guidom. Veja do guidom, veja 7.37 MÓDULOS DE CONTROLE DO
7.39 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO ESQUERDO GUIDOM.
DO GUIDOM.
2. Veja Figura 2-87. Alinhe a parte lisa no guidom (5) com
NOTA a parte lisa no suporte superior do garfo (6). Insira o
A manopla original é colada e deve ser cortada para ser guidom no suporte do garfo.
removida. Remova a manopla somente se necessário.
NOTA
8. Remova a manopla do lado esquerdo do guidom. Não reutilize a porca (4). Use somente uma porca nova.
9. Remova as estruturas dos interruptores, os piscas e a 3. Instale a arruela (3) e a nova porca (4). Aperte a porca
fiação do guidom. com torque de 122 a 149 N·m (90 a 110 lb·pé).
NOTA 4. Envolva as extremidades dos fios e as extremidades
Veja Figura 2-87. A porca (4) é descartável. Se for removida, abertas do conduíte com fita isolante.
deverá ser substituída.
5. Corte certo comprimento de arame para usar como pas-
10. Remova a porca (4) e a arruela (3) fixando o guidom (1) sador.
no suporte superior do garfo (2).
6. Coloque o arame ao longo dos chicotes de fios de modo
11. Remova o guidom. que alguns centímetros se sobreponham, e fixe-o usando
a fita isolante.
7. Lubrifique os conduítes dos fios com limpa-vidro.
8. Coloque os passadores dos fios através dos anéis iso-
lantes do guidom e para fora do furo.

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-89


PÁGINA INICIAL

9. Puxe os feixes de fios através do furo do guidom.


sm04496a
10. Instale, sem apertar, as estruturas esquerda e direita dos
interruptores.
11. Puxe a folga dos chicotes de fios e remova a fita isolante
e o arame.
12. Conecte os conectores dos controles manuais esquerdos
e direito [22, 24].
2

13. Conecte o conector do pisca dianteiro [31]. 1


14. Deslize o tanque de combustível até sua posição e instale
os parafusos do tanque de combustível. Conecte a man-
gueira de respiro e a conexão de alimentação de com-
2
bustível. Veja 4.6 TANQUE DE COMBUSTÍVEL.
15. Instale o console. Veja 4.7 CONSOLE: MODELO FXS.

sm03982b

1. Superfície de aperto
2. Marcas de distância

Figura 2-89. Conjunto de controle do lado direito para o


1 guidom
2
NOTA
Veja Figura 2-88 ou Figura 2-89. Ao instalar os conjuntos do
interruptor do guidom direito e esquerdo, certifique-se de que
a superfície de fixação (1) permaneça dentro das marcas de
2 distância (2) ou poderão ocorrer danos aos fios.
16. Instale o controle da embreagem, o cilindro-mestre dian-
teiro, o conjunto de interruptores do lado esquerdo do
guidom e o conjunto de interruptores do lado direito do
guidom. Alinhe as estruturas e aperte os parafusos. Veja
7.39 MÓDULO DO CONTROLE DO LADO ESQUERDO
1. Superfície de aperto DO GUIDOM ou 7.38 MÓDULO DO CONTROLE DO
2. Marcas de distância
LADO DIREITO DO GUIDOM.
Figura 2-88. Alinhamento do conjunto de controle do lado
17. Instale o fusível principal.
esquerdo para o guidom

Após instalar o assento, puxe-o para cima para certificar-


se de que esteja travado na posição certa. Ao dirigir, um
assento solto pode se deslocar, causando perda de con-
trole, o que poderá resultar em morte ou lesões graves.
(00070b)
18. Instale o assento.
19. Teste a operação correta do acelerador. Ajuste conforme
necessário. Veja 1.13 CABOS DO ACELERADOR.

Esteja seguro de que todas as luzes e interruptores fun-


cionem adequadamente antes de operar a motocicleta.
Uma baixa visibilidade do motociclista poderá resultar em
morte ou lesões graves. (00316a)
20. Vire o interruptor da chave de ignição/iluminação para a
posição ignição (IGNITION) e verifique a operação correta
das luzes e interruptores.

2-90 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

21. Aplique a alavanca do freio para testar a luz do freio. 22. Teste a pressão e a operação da alavanca do freio dian-
teiro.

Após reparar o sistema de freio, teste os freios em baixa


velocidade. Se os freios não estiverem funcionando corre-
tamente, o teste feito em alta velocidade poderá causar
perda de controle, o que poderá resultar em morte ou
lesões graves. (00289a)

Serviço Softail ano 2012: Chassi 2-91


PÁGINA INICIAL

PÁRA-LAMA DIANTEIRO 2.26


REMOÇÃO
sm03262
NOTA
Veja o desenho apropriado para o modelo que está recebendo
o serviço.
1. Remova a roda dianteira. Veja 2.4 RODA DIANTEIRA.
2. FLSTC/FLSTN: Desconecte a lâmpada da ponta do pára-
lama.
3. Remova os parafusos que seguram o pára-lama no lugar
e remova-o.

sm03260

Figura 2-92. Pára-lama dianteiro: FLSTF/B

INSTALAÇÃO
PARAFUSO VALOR TORQUE
Parafusos do pára-lama dian- 20,3 a 15 a 21 lb·pé
teiro 28,5 N·m

1. Posicione o pára-lama e instale os parafusos. Aperte com


torque de 20,3 a 28,5 N·m (15 a 21 lb·pé).
2. FLSTC/FLSTN: Conecte a lâmpada da ponta do pára-
lama.
Figura 2-90. Pára-lama dianteiro: FXS/FXST
3. Instale a roda dianteira. Veja 2.4 RODA DIANTEIRA.

sm03261

Figura 2-91. Pára-lama dianteiro: FLSTC

2-92 Serviço Softail ano 2012: Chassi


PÁGINA INICIAL

PÁRA-LAMA TRASEIRO: FLSTC 2.27


REMOÇÃO
sm03270
1. Remova o assento.
9 8

Para impedir a partida acidental do veículo, o que poderá


resultar em morte ou lesões graves, remova o fusível 4
principal antes de continuar. (00251b)
2. Remova o fusível principal.
3. Remova os alforjes. Veja 2.40 ALFORJES: FLSTC.
2
NOTA
Para verificar uma instalação apropriada, tome nota da orien- 3
tação da fiação no pára-lama e da localização das ferragens 5
antes da remoção.
2 10 7
4. Desconecte o conector do chicote de fios da fiação traseira
debaixo do assento. 6
1
5. Desligue os conectores dos piscas esquerdo e direito
dentro da lâmpada traseira. Veja 7.16 LÂMPADA TRA- 1. Parafusos do suporte do pára-lama, inferiores-dian-
SEIRA: TODOS, EXCETO FLSTN. teiros (4)
2. Parafuso
6. Veja Figura 2-93. Remova o parafuso de nylon da caixa 3. Prisioneiro do alforje: FLSTC (4)
elétrica. 4. Plugue
5. Suporte fixação do pára-lama (traseiro, 2)
7. Veja Figura 2-94. Remova os parafusos (2) e os prisio- 6. Tampa do suporte do pára-lama (2)
neiros de suporte do alforje (3) dos suportes fixação 7. Suporte fixação do pára-lama (dianteiro, 2)
dianteiro (7) e traseiro (5) do pára-lama. 8. Chapa com pinos
9. Arruela plástica
8. Levante o pára-lama do quadro.
10. Suporte do pára-lama (2)

Figura 2-94. Pára-lama traseiro: FLSTC


sm03269b

INSTALAÇÃO
PARAFUSO VALOR TORQUE
Parafusos do suporte traseiro 28,5 a 21 a 27 lb·pé
do pára-lama, superior 36,6 N·m
Parafusos do suporte do pára- 40,7 a 30 a 35 lb·pé
lama traseiro, inferiores dian- 47,5 N·m
teiros: Aperto inicial
Parafusos do suporte do pára- 51,5 a 38 a 42 lb·pé
lama traseiro, inferiores dian- 56,9 N·m
teiros: Aperto final

1. Oriente os fios do pisca através dos furos no pára-lama.


Instale os fios na parte interna dos terminais do conector.
2. Veja Figura 2-94. Coloque cuidadosamente o pára-lama
Figura 2-93. Suporte do ECM em sua posição. Instale os suportes do pára-lama usando
as ferragens mostradas.
a. Aperte os parafusos (2, 3) com torque de 28,5 a
36,6 N·m (21 a 27 lb·pé).
b. Aperte os parafusos (1) com um torque inicial de 40,7
a 47,5 N·m (30 a 35 lb·pé).
c. Afrouxe os parafusos (1) e aperte com torque final