Você está na página 1de 56

Luciney Sebastião da Silva

Antropologia
Filosófica

Montes Claros/MG - 2014


Copyright ©: Universidade Estadual de Montes Claros
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES

REITOR CONSELHO EDITORIAL


João dos Reis Canela Ângela Cristina Borges
Arlete Ribeiro Nepomuceno
VICE-REITORA Betânia Maria Araújo Passos
Maria Ivete Soares de Almeida Carmen Alberta Katayama de Gasperazzo
César Henrique de Queiroz Porto
DIRETOR DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÕES Cláudia Regina Santos de Almeida
Humberto Velloso Reis Fernando Guilherme Veloso Queiroz
Jânio Marques Dias
EDITORA UNIMONTES Luciana Mendes Oliveira
Conselho Consultivo Maria Ângela Lopes Dumont Macedo
Antônio Alvimar Souza Maria Aparecida Pereira Queiroz
César Henrique de Queiroz Porto Maria Nadurce da Silva
Duarte Nuno Pessoa Vieira Mariléia de Souza
Fernando Lolas Stepke Priscila Caires Santana Afonso
Fernando Verdú Pascoal Zilmar Santos Cardoso
Hercílio Mertelli Júnior
Humberto Guido REVISÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA
José Geraldo de Freitas Drumond Carla Roselma Athayde Moraes
Luis Jobim Waneuza Soares Eulálio
Maisa Tavares de Souza Leite
Manuel Sarmento REVISÃO TÉCNICA
Maria Geralda Almeida Karen Torres C. Lafetá de Almeida
Rita de Cássia Silva Dionísio Káthia Silva Gomes
Sílvio Fernando Guimarães Carvalho Viviane Margareth Chaves Pereira Reis
Siomara Aparecida Silva
DESIGN EDITORIAL E CONTROLE DE PRODUÇÃO DE CONTEÚDO
Andréia Santos Dias
Camila Pereira Guimarães
Camilla Maria Silva Rodrigues
Fernando Guilherme Veloso Queiroz
Magda Lima de Oliveira
Sanzio Mendonça Henriiques
Wendell Brito Mineiro
Zilmar Santos Cardoso

Catalogação: Biblioteca Central Professor Antônio Jorge - Unimontes


Ficha Catalográfica:

2014
Proibida a reprodução total ou parcial.
Os infratores serão processados na forma da lei.

EDITORA UNIMONTES
Campus Universitário Professor Darcy Ribeiro
s/n - Vila Mauricéia - Montes Claros (MG)
Caixa Postal: 126 - CEP: 39.401-089
Correio eletrônico: editora@unimontes.br - Telefone: (38) 3229-8214
Ministro da Educação Diretora do Centro de Ciências Biológicas da Saúde - CCBS/
José Henrique Paim Fernandes Unimontes
Maria das Mercês Borem correa Machado
Presidente Geral da CAPES
Jorge Almeida Guimarães Diretor do Centro de Ciências Humanas - CCH/Unimontes
Antônio Wagner veloso rocha
Diretor de Educação a Distância da CAPES
João carlos teatini de Souza clímaco Diretor do Centro de Ciências Sociais Aplicadas - CCSA/Unimontes
Paulo cesar Mendes Barbosa
Governador do Estado de Minas Gerais
Alberto Pinto coelho Júnior Chefe do Departamento de Comunicação e Letras/Unimontes
Mariléia de Souza
Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
Narcio rodrigues da Silveira Chefe do Departamento de Educação/Unimontes
Andréa Lafetá de Melo Franco
Reitor da Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
João dos reis canela Chefe do Departamento de Educação Física/Unimontes
rogério Othon teixeira Alves
Vice-Reitora da Universidade Estadual de Montes Claros -
Unimontes Chefe do Departamento de Filosofia/Unimontes
Maria Ivete Soares de Almeida Ângela cristina Borges

Pró-Reitor de Ensino/Unimontes Chefe do Departamento de Geociências/Unimontes


João Felício rodrigues Neto Anete Marília Pereira

Diretor do Centro de Educação a Distância/Unimontes Chefe do Departamento de História/Unimontes


Jânio Marques Dias Francisco Oliveira Silva
Jânio Marques Dias
Coordenadora da UAB/Unimontes
Maria Ângela Lopes Dumont Macedo Chefe do Departamento de Estágios e Práticas Escolares
cléa Márcia Pereira câmara
Coordenadora Adjunta da UAB/Unimontes
Betânia Maria Araújo Passos Chefe do Departamento de Métodos e Técnicas Educacionais
Helena Murta Moraes Souto

Chefe do Departamento de Política e Ciências Sociais/Unimontes


carlos caixeta de Queiroz
Autor
Luciney Sebastião da Silva
É mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Ouro Preto. Bacharel e Licenciado em
Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Fez especialização em Filosofia
pela Universidade Estadual de Montes Claros e Gestão Pública Municipal pelas Faculdades
Santo Agostinho em Montes Claros. Atualmente é professor da Favenorte – Montes Claros,
como também foi professor do Departamento de Filosofia – Unimontes, das Faculdades Santo
Agostinho e da Faculdade Vale do Gorutuba. Nestas quatro Instituições teve oportunidade
de lecionar disciplinas na área de Ciências Humanas, Ciências Gerenciais, Ciências Biológicas
e da Saúde, Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Exatas e Tecnológicas, como por exemplo, as
disciplinas de Introdução à Filosofia, Filosofia da Educação, Filosofia da Educação em Artes,
Filosofia do Direito, Filosofia da Ciência, Filosofia e Ética, Ética e Responsabilidade Social, Ética
Profissional, Bioética, Antropologia Social, Teoria Política, entre outras. Atuou também como
professor conteudista e professor tutor nas TICs e como professor formador nos cursos de
graduação em História e Artes Visuais na UAB/Unimontes.
Sumário
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

Unidade 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
A antropologia filosófica: sua natureza e tarefa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

1.2 Conceituação e objeto a antropologia filosófica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

1.3 Breve história da antropologia filosófica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

1.4 A Antropologia filosófica e sua legitimidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

1.5 Marco metodológico da antropologia filosófica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

Unidade 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
As concepções de ser humano na antropologia filosófica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

2.2 A concepção clássica do homem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

2.3 A concepção cristão-medieval . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

2.4 A concepção moderna de homem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

2.5 A concepção do homem na filosofia contemporânea . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

Unidade 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
As estruturas fundamentais do ser humano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

3.2 A categoria do corpo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

3.3 A categoria da afetividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

3.4 A categoria do psiquismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

3.5 A categoria do espírito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

Unidade 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Antropologia filosófica e religião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
UAB/Unimontes - 3º Período

4.2 O fenômeno da religiosidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

4.3 O homem e a religião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

Referências básicas, complementares e suplementares . . . . . 51

Atividade de Aprendizagem – AA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

8
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Apresentação
Caro(a) acadêmico(a):

É com muita satisfação que iniciamos nossos estudos de Antropologia Filosófica, isto é, estu-
dos que pretendem pensar sobre a clássica indagação: O que é o homem? Enfatizamos que, ao
pensar essa questão, não procuramos apenas responder a pergunta, mas, sobretudo pensarmos
sobre a pergunta. Desse modo, o que nos impulsiona a fazer essa pergunta fundamental sobre
o homem está na raiz da própria Filosofia, ou seja, é nossa capacidade de admirar e de ficar
perplexo diante do mundo. Essa condição alimenta nossa inquietação e busca de sentidos para a
vida e, na Antropologia Filosófica, esse procedimento volta-se para o homem.
Vivemos numa cultura da calmaria e da normalidade e, ao mesmo tempo, sob a urgência de
um mundo pragmático. Estamos sempre ocupados com coisas práticas e com o consumismo de-
senfreado e, no entanto, não é comum que nos ocupemos com perguntas reflexivas em que nos-
sa condição humana torna-se questionável a si mesma. As insatisfações de vários níveis se multi-
plicam cotidianamente em várias esferas de inter-relações, na família, na educação, na sociedade,
na religião, na ética, na política, na economia, no direito, colocando em xeque não apenas essas
instâncias, mas a própria sociabilidade humana.
Diante dessa crise de legitimação e funcionamento das instituições, o homem é chamado
a se posicionar e tomar decisões que não se restringem a meros formalismos e legalidade, mas
a rever a sua própria condição humana, de ser-no-mundo. Eis, então, um estudo preparado
para você, acadêmico, que não oferece uma fórmula mágica ou milagrosa para confecção de um
homem perfeito nem uma receita que possa resolver todos os problemas do mundo, mas que
pretende convidá-lo a pensar e refletir filosoficamente sobre o que é mais fundamental para o
homem, ou seja, ressignificar a sua condição humana à luz dos preceitos estéticos, éticos e de
preceitos ligados a sua autotranscendência e religiosidade.
Para tanto, este Caderno Didático está estrategicamente organizado em quatro unida-
des, que parte de elementos básicos da Antropologia Filosófica, como a sua definição, sua na-
tureza, sua tarefa, sua história, sua legitimidade acadêmica e se estende a compreensão do
fenômeno humano por meio de um breve esboço da história das concepções do homem e, con-
secutivamente, da análise das estruturas fundamentais do ser humano, inclusive propõe-se tam-
bém uma compreensão do homem sob a ótica da religiosidade.
Nesse sentido, esperamos que este material possa contribuir significativamente para sua
formação acadêmica e pessoal.

Desejamos a você uma ótica leitura e estudos!

9
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

UNIDADE 1
A antropologia filosófica: sua
natureza e tarefa

1.1 Introdução
Iniciaremos nossos estudos fazendo algumas considerações que julgamos fundamentais
para entendermos a natureza e tarefa da Antropologia Filosófica, bem como para termos uma
compreensão mais ampla da Antropologia Filosófica. Nesse sentido, em nossa Unidade I, sobre
a natureza e tarefa da Antropologia Filosófica, convidamos você a recordar o sentido que a Filo-
sofia teve e ainda tem para o homem em seu contexto histórico. Na sequência, trataremos de sua
conceituação e objeto; esboçaremos uma breve história da Antropologia Filosófica; versare-
mos sobre a sua legitimidade e seu marco metodológico. Certamente esse retorno à natureza
e atividade filosófica em si [Cf. Box 1] facilitará nossa compreensão do que seria a empreitada
da Antropologia Filosófica, ou seja, de um filosofar sobre o homem. Segundo os estudiosos da
filosofia, o exercício de investigação que os filósofos empreenderam, na Grécia antiga por volta
do século VI a.C, e, por ocasião do nascimento da Filosofia, decorreu do modo como os primeiros
filósofos enfrentaram a realidade, ou seja, a investigação filosófica começou quando eles se sen-
tiram admirados ou ficaram perplexos diante da realidade em que estavam inseridos e, a partir
daí, começaram a fazer inúmeras perguntas.
Box 1
Significado de Filosofia

O que é Filosofia

Filosofia é uma palavra grega que significa «amor à sabedoria” e consiste no estudo de


problemas fundamentais relacionados à existência, ao conhecimento, à verdade, aos valo-
res morais e estéticos, à mente e à linguagem.
Filósofo é um indivíduo que busca o conhecimento de si mesmo, sem uma visão
pragmática, é movido pela curiosidade e sobre os fundamentos da realidade. Além do de-
senvolvimento da filosofia como uma disciplina, a filosofia é intrínseca à condição huma-
na, não é um conhecimento, mas uma atitude natural do homem em relação ao universo
e seu próprio ser.
A filosofia foca questões da existência humana, mas diferentemente da religião, não
é baseada na revelação divina ou na fé e sim na razão. Dessa forma, a filosofia pode ser
definida como a análise racional do significado da existência humana, individual e coleti-
vamente, com base na compreensão do ser. Apesar de algumas semelhanças com a ciên-
cia, muitas das perguntas da filosofia não podem ser respondidas pelo empirismo experi-
mental.
A filosofia pode ser dividida em vários ramos. A filosofia do ser, por exemplo, inclui a metafí-
sica, ontologia e cosmologia, entre outras disciplinas. A filosofia do conhecimento inclui a lógica
e a epistemologia, enquanto a filosofia de trabalho está relacionada a questões como a ética.
Diversos filósofos deixaram seu nome gravado na história mundial, com suas teorias que
são debatidas, aceitas e condenadas até os dias de hoje. Alguns desses filósofos são Aristóte-
les, Pitágoras, Platão, Sócrates, Descartes, Locke, Kant, Freud, Habermas e muitos outros. Cada
um desses filósofos fez suas teorias baseadas nas diversas disciplinas da filosofia, lógica, meta-
física, ética, filosofia política, estética e outras.

11
UAB/Unimontes - 3º Período

De acordo com Platão, um filósofo tenta chegar ao conhecimento das Ideias, do verdadei-
ro conhecimento caracterizado como episteme, que se opõe à doxa, que é baseado somen-
te na aparência. Segundo Aristóteles, o conhecimento pode ser divido em três categorias, de
acordo com a conduta do ser humano: conhecimento teórico (matemática, metafísica, psicolo-
gia), conhecimento prático (política e ética) e conhecimento poético (poética e economia).
Nos dias de hoje, a palavra “filosofia” é muitas vezes usada para descrever um conjunto
de ideias ou atitudes, como por exemplo: “filosofia de vida”, “filosofia política”, “filosofia da edu-
cação”, “filosofia reggae” etc.

Origem da Filosofia
A Filosofia surgiu na Grécia Antiga, por volta do século VI a.C. Naquela altura, a Grécia
era um centro cultural importante e recebia influências de várias partes do mundo. Assim, o
pensamento crítico começou a florescer e muitos indivíduos começaram a procurar respostas
fora da mitologia grega. Essa atitude de reflexão que busca o conhecimento significou o nas-
cimento da Filosofia.
Antes de surgir o termo filosofia, Heródoto já usava o verbo filosofar e Heráclito usava o
substantivo filósofo. No entanto, vários autores indicam que Tales de Mileto foi o primeiro filó-
sofo (sem se descrever como tal) e Pitágoras foi o primeiro que se classificou como filósofo ou
amante da sabedoria.

Fonte: Disponível em: http://www.significados.com.br/filosofia/ Acesso em: 28 jun. 2014.

E em todo o ato de pensar e de perguntar, o homem, invariavelmente, vive a experiência do


existir, pois assim pode fazer escolhas e decidir sobre sua vida, tendo ele a certeza do seu próprio
Eu. Veja Sócrates (469-399 a.C), na figura 1, considerado como o pensador responsável por trans-
ferir os questionamentos sobre a natureza física (physis) para a natureza humana (anthropos),
provocando uma revolução no campo da política, do direito, da justiça, da religiosidade, da ética,
dos valores e da verdade e seus fundamentos.
Percebemos, desse modo, que o filósofo
diz respeito a uma pessoa curiosa, indagado-
ra e, sobretudo, a um sujeito que se questio-
Figura 1: O filósofo ► na e que faz perguntas sobre o que observa
Sócrates. na realidade em que está inserido, seja no
Fonte: Brasil escola. Dis- campo social, político, religioso, econômico,
ponível em: http://www.
brasilescola.com/filosofia/ cultural. Foram muitas as questões filosófi-
socrates.htm. Acesso em: cas que preocuparam o homem ao longo da
5 de abr. 2014. história, das quais podemos citar, por exem-
plo, os assuntos ligados ao descobrimento do
universo. Sobre essa questão, o homem pre-
tendeu entender de onde tudo começou e o
seu funcionamento; noutras palavras, ele quis
Dica saber se o cosmo (Kósmos) era governado por
Sobre Sócrates e sua uma inteligência ou providência divina ou
contribuição filosófica, se todo seu funcionamento estaria ligado ao
assista ao vídeo: Só- acaso.
crates. Filme de 1971, O mais instigante de tudo isso é que o
dirigido por Roberto
Rossellini. Edição es-
homem também quis investigar e entender
pecial. Disponível em: a sua própria condição humana, ou seja, o homem se empenhou em saber quem ele é, o seu
<http://www.filme- modo de ser e existir. Ele quis conhecer sua própria estrutura de pensar e sua maneira de agir
sepicos.com/2009/09/ perante os outros. São estas e outras indagações que levam a Filosofia a investigar e entender
socrates-1971.html#. o homem como tal. E é justamente esse exercício filosófico voltado para o próprio homem,
U9o5NqPSSzs> Acesso
em: 5 abr. 2014.
que define e justifica o porquê de uma Antropologia Filosófica, posto que ela propõe-se com-
preender o homem em sua experiência sobre si mesmo e, racionalmente, responder a pergun-
ta: O que é o homem?Trataremos dessa temática, começando por elaborar uma definição des-
sa disciplina na parte seguinte.

12
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

1.2 Conceituação e objeto a


antropologia filosófica
Dica
A definição de Antropologia Filosófica está estritamente ligada ao seu objeto de estudo, ou Para ilustrar um pouco
seja, à compreensão do homem. Acerca dessa compreensão interpõe-se o caráter investigativo mais o objeto da
da própria Filosofia. Assim sendo, sobre a Filosofia (do grego Φιλοσοφία, literalmente – amor à Antropologia Filosófica,
convido você a assistir
sabedoria) podemos entender que ela pressupõe um estudo conceitual que almeja a espe- ao vídeo “o que é o
culação e a compreensão da essência dos fenômenos estudados; e a Antropologia (do grego homem na filosofia”.
ἄνθρωπος, transliteral - anthropos, “homem”, e λόγος, logos, “razão” / “pensamento” / “discurso” / Disponível em: <www.
“estudo”), por sua vez, empenha-se no estudo do homem no intuito de compreender e expressar youtube.com/watch?-
o que ele é e, sobretudo o que ele pode e deve ser. Nesses termos, podemos dizer que a An- v=Ogdtvj0xgqU> Aces-
so em: 15 maio. 2014.
tropologia Filosófica é considerada uma disciplina filosófica autônoma e sistemática que busca
compreender o fenômeno humano de maneira totalizante, considerando todas as suas dimen-
sões. Acerca disso, Mondin ressalta que é justamente pelo fato da investigação partir de um fi-
lósofo que este: “[...] se empenha em buscar resposta total, completa, exaustiva, última, resposta
em condições de esclarecer plenamente o que seja o homem tomado globalmente, em seu todo,
o que ele seja efetivamente além e sob as aparências [...]” (MONDIN, 2005, p.14).
Embora a investigação sobre o
homem seja antiga, o termo Antropo-
logia só começa a ser usado no século
XVI pelo humanista Otto Casmann que
publica, em 1596, uma obra intitulada
Psychologia anthropologica, a qual ◄ Figura 2: Homem
versa sobre a alma e o corpo. O termo Fonte: Antropologia Geral.
Disponível em: http://
tornou-se mais conhecido por mérito www.brasilemalta.net/
do filósofo Immanuel Kant que intitu- antropologia-cultural-so-
lou uma de suas obras de Antropolo- cial-filosofica.html. Acesso
em: 6 de abr.2014.
gia de um ponto de vista pragmá-
tico. O termo não foi criado por Kant,
mas nesta obra de 1798, o filósofo ale-
mão esboça sistematicamente as con-
dições em que o homem elabora a sua
própria existência e, para o conheci- Atividade
mento dessa condição existencial, uma A partir do que já foi
antropologia não deve ser apenas teó- exposto até aqui, con-
rica [conhecimento geral do homem vido você a organizar
essas informações
e de suas faculdades], mas também preliminares e reelabo-
pragmática [conhecimento centrado rar uma definição de
em tudo aquilo que pode ampliar sua Antropologia Filosófica.
habilidade] na medida em que conhe- Em seguida, proponha
cer o homem pressupõe entender seus ao professor formador
uma postagem de tal
interesses e, ao mesmo tempo, conhe- definição, no Fórum de
cer o mundo naquilo que ele possa discussão da Disciplina.
atender aos fins humanos.
O termo Antropologia Filosófica foi cunhado nos anos vinte do século XX e seu sucesso está
ligado ao livro de Max Scheler, A posição do Homem no Cosmos. Segundo Mondin (2005), o
uso filosófico do termo Antropologia, tem uma tradição muito sólida; no entanto, ele foi apro- Dica
priado e monopolizado por outros campos, que resultou na divisão de três disciplinas diferentes: Para obter uma com-
Antropologia Física, Antropologia Etnográfica ou Cultural e Antropologia Filosófica que preten- preensão mais ampla e
der estudar o homem do ponto de vista dos seus princípios últimos. detalhada da obra de
Podemos entender que a antropologia geral divide-se em vários ramos [cultural, linguística, Kant, leia: KANT, Imma-
nuel. Antropologia
arqueológica, aplicada, física] donde, no estudo da Antropologia, percebe-se a preocupação com de um ponto de vista
as condições de existência dos grupos humanos, na qual os antropólogos utilizam em seus estu- pragmático. Trad. Célia
dos, e abordagens de termos específicos para distinguir metodologicamente os níveis de análise Aparecida Martins. São
ou as tradições acadêmicas. Paulo: Iluminuras, 2006.

13
UAB/Unimontes - 3º Período

Dica Não adentraremos nas especificidades de cada uma dessas disciplinas ou escolas antropo-
lógicas, mesmo porque nossa intenção é tratar mais detidamente da Antropologia Filosófica. En-
Sobre conceitos,
tretanto, salientamos que, para empreendermos um estudo profundo sobre o objeto da Antro-
definições, significados
e termos da Antropolo- pologia e almejarmos respostas convincentes sobre a pergunta o que é o homem?, é necessário
gia, acesse http://www. certa cautela sobre que tipo de antropologia devemos explorar para não reduzir as manifesta-
significados.com.br/ ções do fenômeno humano a uma única base explicativa.
antropologia/ A Antropologia é o estudo do homem num sentido muito amplo, pois sua abordagem en-
volve várias das dimensões humanas. Assim, cada uma das áreas de estudos deve ser previamen-
te demarcada por escolha prévia de certos aspectos a serem privilegiados. Desse modo, nenhum
dogma consegue abarcar o homem em sua plenitude e somente a conjunção das escolas antro-
pológicas pode contribuir para a tarefa de abordar o fenômeno humano, uma vez que para enten-
der o homem é preciso considerar toda a complexidade e mistérios da experiência existencial.
Em se tratando especificamente de Antropologia Filosófica, Vaz (2001) salienta que existem
centros de referência que privilegiam a compreensão do homem, isto é, podemos falar de três
Glossário polos epistemológicos que explicitam os aspectos da realidade humana que são o polo das for-
mas simbólicas, referentes às ciências da cultura; o polo do sujeito que, segundo o autor, é si-
Epistemologia: é a
disciplina que toma as tuado no horizonte das ciências do indivíduo e do seu agir individual, social e histórico; e o polo
ciências como objeto da natureza, que diz sobre o universo das ciências naturais do homem.
de investigação com Precisamos, desse modo, buscar uma articulação entre os três polos citados por Vaz (2001),
vistas ao agrupamento e tal procedimento deve ocorrer de forma dialética, obedecendo a um procedimento metodoló-
do conhecimento cien- gico adequado para que o discurso filosófico sobre o homem não seja comprometido. Ademais,
tífico da filosofia das
ciências e da história ao interrogarmos sobre o homem, estamos convencidos de que esta questão é predominante-
das ciências. (JAPIASSÚ, mente filosófica, como já ressaltamos, e que ela se arrasta por um longo período da história. Ve-
Hilton e MARCONDES, jamos a seguir esses pontos fundamentais para a compreensão do fenômeno humano, ou seja,
Danilo. Dicionário o da história e da legitimidade da Antropologia Filosófica e da questão metodológica acerca do
básico de filosofia. Rio estudo do homem em sua plenitude.
de Janeiro: Zahar, 2006.
pp.88)

Glossário 1.3 Breve história da antropologia


filosófica
Fenômeno: é a apa-
rência sensível que se
contrapõe à realidade,
podendo ser considera-
do manifestação desta,
ou que se contrapõe ao Embora o termo Antropologia, como já notamos, aparece na história da filosofia recente-
fato, do qual pode ser mente, o estudo sobre o homem tem raízes profundas e diversificadas. Linton (2000) recorda so-
considerado idêntico.
É este sentido que essa
bre a abordagem antropológica e da complexidade de um estudo do homem que tampouco se
palavra normalmente pode, por sua vez, determinar o lugar de origem de nossa espécie e, segundo esse autor, “Pare-
assume na linguagem ce que muito antes de surgir o Homo sapiens, formas semi-humanas ocuparam todas as regiões
comum. (ABBAGNANO, tropicais, quentes e temperadas do Novo Mundo.” (LINTON, 2000, p.27). Mesmo sobre qualquer
Nicola. Dicionário de indagação filosófica sobre o homem, é importante salientar que do aparecimento de nossos
filosofia. São Paulo:
Martins Fontes, 2003.
ancestrais até culminar no emblemático Homo sapiens, conforme se observa na figura 3, foram
pp.436) muitos indivíduos que emergiram de alguma espécie em evolução e não necessariamente por
um único par, como é o caso de Adão e Eva.

Figura 3: O homo ►
sapiens sapiens
Fonte: Ciência do uni-
verso. Disponível em:
http://cienciadouniverso.
blogspot.com.br/2010/12/
homo-sapiens-sapiens.
html. Acesso em: 7 de abr.
2014

14
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Notamos com isso que, sob o ponto de vista antropológico, os conceitos e interpretações Glossário
que procuram explicar e compreender o homem podem sofrer inúmeras variações e, nesse sen- Metafísica: define-se
tido, nosso intento de esboçar um histórico da Antropologia Filosófica concentra-se tão somente como filosofia primeira,
naquela investigação que o homem fez de si mesmo através dos séculos. Ao traçar esse percurso como ponto de partida
não pretendemos reduzir o entendimento do homem em sua condição de racionalidade, de li- do sistema filosófico,
berdade e de sociabilidade, ou sintetizar essas dimensões apenas num modo metafísico, mas, so- tratando daquilo que é
pressuposto por todas
bretudo, entender o homem contextualizado, buscando sublinhar os aspectos históricos, sociais, as outras partes do
políticos, culturais, religiosos e filosóficos nos quais ele está inserido. sistema, na medida em
Segundo Mondin (2005), o homem foi estudado tanto pela filosofia grega quanto pela cris- que examina os princí-
tã, pela filosofia moderna e pela contemporânea. Em cada período destes, o homem recebe uma pios e causas primeiras,
atenção a partir de uma perspectiva diferenciada, o que repercute decisivamente na imagem e que se constitui como
doutrina do ser em ge-
que se tem do homem. Desse modo, na filosofia clássica grega, a ênfase que se deu foi a cosmo- ral, e não de suas deter-
cêntrica, que afirma a prioridade do mundo natural para análise e ordem da existência real. Esse minações particulares;
princípio natural deve ocupar também o centro de referência de toda explicação filosófica, ao inclui ainda a doutrina
passo que, na filosofia cristã, a perspectiva de estudo do homem foi teocêntrica, que considera do Ser Divino ou do Ser
Deus como o fundamento de toda a ordem do mundo, sendo assim, o significado e o valor das Supremo. (JAPIASSÚ,
Hilton e MARCONDES,
ações humanas são atribuídas a Deus. Já na filosofia moderna e na contemporânea, prevaleceu a Danilo. Dicionário
perspectiva antropocêntrica na qual se ressalta que o homem ou a humanidade deve permane- básico de filosofia. Rio
cer como o centro de referência para análises do entendimento de todas as questões humanas. de Janeiro: Zahar, 2006.
pp.185-186)

1.3.1 Perspectiva cosmocêntrica


Dica
Acompanharemos a seguir esta divisão da história da Antropologia Filosófica proposta por
Mondin (2005), cujas antropologias elaboradas, na perspectiva cosmocêntrica, destacam-se as Sobre Platão e sua
contribuições de Platão, Aristóteles e Plotino. Na visão de Platão (427-347a.C), o homem é cons- teoria das ideias, leia
o mito da caverna.
tituído essencialmente de alma e, portanto, é um ser imortal dada a imortalidade da alma. No Disponível em: <www.
entanto, o homem tem um corpo que constitui um problema para essa condição essencialmente brasilescola.com/filo-
humana. A saída desse engodo é libertar a alma da prisão que o corpo representa. sofia/mito-caverna-pla-
De certo, o entendimento de Platão sobre tao.htm>. Acesso em: 5
homem é perpassado por uma ideia de ser hu- mar. 2014.
mano que pode ascender ao mundo perfeito –
Mundo das Ideias – isso porque ele é um ser
espiritual e não está necessariamente refém
da condição corpórea. Observe, na figura 4, ◄ Figura 4: Platão
Fonte: A filosofia. Dispo-
Platão apontando para as coisas do alto, isto é, nível em: http://afilosofia.
simbolizando a prioridade dada pelo filósofo no.sapo.pt/platao1.htm
ao mundo superior das Ideias. Acesso em: 9 de abr. 2014
Para Aristóteles (384-322 a.C), no entan-
to, além de desfrutar da condição espiritual da
alma – De anima – para a constituição de sua
humanidade, o homem tem também o corpo
para constituir sua condição essencial; vale
ressaltar que Aristóteles reconhece que a alma
é superior ao corpo. Para entendermos melhor
essa concepção antropológica em Aristóte-
les, basta nos lembrarmos de sua concepção
de homem entre uma vida ética e política, ou
seja, o homem tende a alcançar sua condição
humana e virtuosa por excelência à medida
que souber conciliar sua natureza (Política) ◄ Figura 5: Aristóteles
com a atividade reflexiva (Ética). ensinando Alexandre, O
Já Plotino (205-270 a.C) retoma a con- Grande.
cepção platônica da dicotomia – corpo e alma Fonte: Wikipédia.
Disponível em: http://
– e afirma que a Noesis, ou seja, o conheci- pt.wikipedia.org/wiki/
mento intelectivo pertence exclusivamente à Arist%C3%B3teles
alma e os demais conhecimentos processados Acesso em: 9 de abr. 2014.
na atividade humana mediados pelo corpo
são conformados à alma. No campo religioso,

15
UAB/Unimontes - 3º Período

Dica esse neoplatonismo apresenta contribuições para a noção de transcendência em relação a Deus,
Sobre Alexandre, O que por ser concebido como algo Inefável, somente pode ser atingido na sua plenitude por meio
Grande, bem como sua do êxtase, que é uma fulguração divina, superior à filosofia.
relação com a sabe-
doria de seu professor
Aristóteles, assista ao
vídeo: Alexandre, O 1.3.2 Perspectiva cristã
Grande. Filme de 1956,
dirigido por Robert
Rossen. Disponível em: Quanto à perspectiva cristã, muda-se o
<www.filmesepicos. modo de conceber o homem e proclama-se
com/2009/05/alexan- Deus como o centro do universo. Neste perío-
dre-o-grande-1956.
html#.U9o67KPSSzs> do iluminado pelo Cristianismo, as reflexões
Acesso em: 5 mai. 2014. antropológicas deixam de enfatizar a questão
do cosmos ou da natureza, tal como faziam os
gregos, para então defender a questão da sal-
Figura 6: Plotino ► vação. A concepção de homem está moldada
Fonte: Wikipédia. Dispo- pela relação suposta ou estabelecida entre
nível em: http://www. Deus e a humanidade, na qual alguns autores
mundodafilosofia.com.br/ cristãos vão desenvolver suas antropologias.
page22.html
Acesso em: 10 de abr. Entre elas, destacam-se as contribuições de
2014. Agostinho e de Tomás de Aquino, respectiva-
mente, por meio da Patrística e da Escolástica.
Na Patrística, cuja abordagem antropo-
lógica se deve a Santo Agostinho (354-430),
este se inspira em Platão e defende que o es-
tudo da alma é fundamental para a compreen-
são do homem, visto que por ela se chega a
Deus. Nota-se, com a apropriação platônica,
que Santo Agostinho enaltece o conhecimen-
Figura 7: Santo ► to intelectivo e a questão da alma. Ao elevar
Agostinho essas condições para compreensão elevada do
Fonte: Epigrafes históri- homem, ele ressalta e desmerece as imposi-
cas. Disponível em: http://
epigrafeshistoricas.blogs-
ções do corpo, uma vez que o corpo propicia o
pot.com.br/2013/01/san- pecado e afasta o homem da salvação.
to-agostinho.html Acesso Na Escolástica, outro representante do
em: 10 de abr. 2014.
período cristão é Santo Tomás de Aquino
(1226-1274) que diverge, em partes, de Santo
Agostinho no que se refere ao platonismo. Na
sua antropologia, entrevê que Aristóteles, e
não Platão, oferece uma concepção mais sóli-
da de homem, embora incompatível com a re-
velação cristã. Nesse sentido, Santo Tomás de
Aquino propõe uma antropologia apropriada
ao Cristianismo, concebendo o homem com
um ser essencialmente de alma e corpo, tendo
essas duas dimensões uma unidade profun-
da. No entanto, esse pensador defende que a
morte do corpo não implica na morte da alma,
já que esta é prioritária em relação à finitude
Figura 8: Santo Tomás ►
de Aquino corporal.
Fonte: Wikipédia.
Disponível em: http://
pt.wikipedia.org/wiki/
Filosofia
1.3.3 Perspectiva
Acesso em: 10 de abr.
2014.
antropocêntrica

A abordagem antropológica moderna e


a contemporânea descarta o enquadramento
cosmocêntrico dos pensadores gregos, bem

16
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

como a perspectiva teocêntrica dos autores cristãos. Passa-se então a entender o homem como
o ponto de partida da pesquisa filosófica. Podemos citar, por exemplo, Descartes, Pascal, Spinoza,
Leibniz que cada qual, ao seu modo, elabora suas antropologias de forma crítica, conservando
o rigor filosófico para a compreensão do homem e, sobretudo em suas pesquisas, prevalece o
cunho metafísico.
Todavia uma nova perspectiva antropológica decorre a partir de Kant, que procurou pro-
var as incoerências das pretensões metafísicas, convicto de que a mente humana não é capaz de
abarcar um saber absoluto do mundo, de Deus ou até mesmo do homem. Quanto a isso, Mon-
dim ressalta que: “Kant tentou elaborar uma antropologia de índole prática, mostrando que o ho-
mem é ser diferente dos outros no seu valor, na sua dignidade, na sua condição de pessoa, e que
a essas características deve corresponder comportamento adequado.” (MONDIN, 2005, p.12).
Essas contribuições kantianas, somadas
aos progressos da ciência, à questão da cons-
ciência histórica e a outros fatores dos séculos
XIX e XX repercutiram numa reviravolta signi-
ficativa na Antropologia Filosófica da moder-
nidade. A figura 9 ilustra, através de sua ideia
de simetria, a inclinação antropocêntrica do
homem moderno e o quanto as demandas de
tal contexto influenciaram essa nova visão e ◄ Figura 9: Homem
imagem do homem. Podemos entender, a par- Vitruviano, de Leonardo
tir do desenho, que o conhecimento humano da Vinci
passava a ser a medida de todas as coisas cujo Fonte: Wikipédia. Disponí-
vel em: http://pt.wikipedia.
antropocentrismo permaneceu inabalável por org/wiki/Antropologia
longo tempo e apenas metamorfoseou-se Acesso em: 15 de abr. 2014.
para atender, de agora em diante, as exigên-
cias do homem.

Nesse sentido, o viés metafísico que pre-


tendeu pronunciar sobre o que é o homem
cede lugar a novas formas de investigar e
compreender o fenômeno humano, ou seja, a Dica
investigação antropológica passa a se ampa- Para tomar conheci-
rar no terreno da história, da ciência, da cultu- mento deste esboço
ra, da fenomenologia, da psicanálise, da religião, entre outros. Mondin (2005, p.13) oferece uma sobre a imagem do
síntese de novas imagens do homem que se delineia mediante essa reviravolta e, assim, conclui homem, consulte esta
obra citada de Mon-
afirmando que, certamente, a Antropologia Filosófica está mais apta a desenvolver um discurso din. MODIM, Batista. O
tanto mais rico como mais completo a respeito do homem do que esteve no passado. homem: quem é ele?
Elementos de Antropo-
logia Filosófica. 6.ed.
São Paulo: Paulinas,

1.4 A Antropologia filosófica e sua 2005, p.13.

legitimidade
Se, de fato, podemos afirmar algo sobre a legitimidade da Antropologia Filosófica, esse es-
tatuto de legalidade decorre do enfoque que se dá ao homem. Certamente a Antropologia Física
e a Antropologia Cultural produzem resultados consideráveis para a compreensão do homem.
Igualmente podemos ressaltar as grandes contribuições das ciências especializadas, ou seja, da
linguística, da medicina, da psicologia, da sociologia, da economia, das ciências políticas e outras
que produzem informações relevantes para decifrar o universo humano.
Entretanto, é a Antropologia Filosófica que pretende ultrapassar o conhecimento parcial e su-
perficial do homem, procurando entendê-lo na sua totalidade. Mondin enfatiza que: “[...] a antro-
pologia filosófica se propõe desmascarar a auto-suficiência do saber científico e mostra que a rea-
lidade humana traz problemas que a razão de per si não consegue resolver.” (MONDIN, 2005, p.14).
Todavia, o problema é recolocado e caberia, desse modo, uma indagação após a constata-
ção filosófica do próprio Kant de que a coisa em si é inalcançável senão com o auxílio das ciên-
cias matemáticas e físicas, isto é, como compreender o homem em sua plenitude, uma vez que

17
UAB/Unimontes - 3º Período

não se pode conferir estatuto de conhecimento seguro a não ser pela investigação e constatação
científica? E, nesse caso, a antropologia filosófica parece carecer de tais preceitos.

Figura 10: Biologia e ►


Fisiologia humana
Fonte: Culturamix. Dispo-
nível em: http://cultura.
culturamix.com/ciencias/
biologia/biologia-anato-
mia-humana.Acesso em:
15 de abr. 2014.

De fato, podemos concordar que para decifrar a natureza e compreender os fenômenos fí-
sicos ou, até mesmo os da biologia e fisiologia humana, precisamos de uma explicação, do tipo,
científica, tal como podemos imaginar observando a figura 10. Entretanto, quando o assunto é
o homem, a abordagem há de ser pela compreensão e por isso que o estatuto epistemológico da
Antropologia Filosófica passa pelo conhecimento compreensivo e não pelo explicativo. Mondin
(2005) recorda que renomados filósofos, como Bergson, James, Dilthey, Scheler, Heidegger, Ga-
damer, Ricoeur, entre outros, convenceram-se de que, além da forma científica, existem outras
extracientíficas para explicar uma realidade.
Não queremos duvidar de que a ciência e toda a racionalidade dela desencadeada seja
importante para o melhoramento das condições de vida humana. Desde seus indícios remo-
tos e, sobretudo com a sua afirmação no período moderno, pôde-se demonstrar que o homem
conquistou uma posição e dimensão no universo e, por meio da ciência, o homem também
pôde adquirir melhor conhecimento de si, afirmando sua condição de sociabilidade. Parado-
xalmente, nota-se que a ciência ameaça o humanismo e pode restringir a compreensão do
fenômeno humano.
Essa situação se deve ao fato de que a ciência tem seus limites e nunca seus métodos de
medição e de experimentação, como no caso pretendido pelas ciências exatas, poderão abarcar
o homem por completo. Quanto à impossibilidade do pressuposto de exatidão científica para a
compreensão do humanismo, Nogare acentua que: “[...] o homem é algo mais que pura natureza
física.” (NOGARE, 1985, p.209). O homem é um ser multidimensional e, ao mesmo tempo, um ser
imerso num universo de incertezas.
Para concluir esse tópico, voltamos ao problema anteriormente colocado sobre as preten-
sões da ciência mencionadas por Kant, mas aqui recordando que ele próprio, em seu projeto
filosófico, retomado pelas celebres perguntas fundamentais: O que posso saber? O que devo
fazer? O que me é permitido esperar?, finalmente Kant apresenta a questão central e mais
abrangente de toda a filosofia, ou seja, o que é o homem? Certamente, a resposta a essa inda-
gação somente será contemplada por meio do exercício filosófico, pois a ciência não consegue
penetrar satisfatoriamente no conhecimento da pessoa humana, em sua plenitude e realização
autêntica. E, nesse caso, a ciência nunca poderá dispensar a filosofia para a investigação e com-
preensão do homem.

18
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

1.5 Marco metodológico da


antropologia filosófica
Glossário
O problema que ronda a Antropologia Filosófica é denominado método. Por isso, vamos tra- Hermenêutica: sig-
tar agora dos problemas filosóficos e metodológicos inerentes às ciências do homem. De acordo nifica originalmente
teoria da interpretação.
com Vaz, a fonte desses problemas pode ser compreendida pelo fato de que: “[...] tanto a expe-
Atualmente é chamada
riência natural como a ciência voltam-se para o próprio homem que é, a um tempo, sujeito e de hermenêutica uma
objeto da interrogação filosófica.” (VAZ, 2001, p.13). Nesse sentido, acompanharemos a exposição corrente filosófica con-
desses problemas que se encontram, por um lado, em torno da natureza, sob a égide das ciên- temporânea, surgida
cias empírico-formais ou das ciências naturais do homem; e, por outro lado, em torno dos polos pela metade do século
XX e caracterizada em
do sujeito e da cultura, problemas que serão abarcados pelas ciências hermenêuticas.
grandes linhas pela
No primeiro caso, sobre os problemas filosóficos relacionados às ciências naturais, estes gi- ideia de que a verda-
ram em torno de dois pontos, ou seja, o primeiro se refere à origem natural do homem na medi- de seja fruto de uma
da em que se pretende alcançar sua essência, obedecendo a uma linha de derivação natural e, o interpretação. (D’AGOS-
segundo ponto, diz respeito à consideração da estrutura dicotômica do homem (corpo e alma) e TINI, Franca. Analíticos
e continentais: guia à
para se alcançar do mesmo uma síntese ontológica – um discurso do Ser como ser.
filosofia dos últimos
No segundo caso de problemas filosóficos, que diz respeito às ciências hermenêuticas, es- trinta anos. Trad. Benno
ses estão diretamente relacionados ao campo das ciências humanas e, segundo Vaz (2001, p.13- Dischinger. São Leopol-
17), tais problemas podem ser enumerados da seguinte forma: do, RS: Editora Unisinos,
2002. pp.396)
1. O problema da cultura, que aponta para o mundo pelo qual o homem exprime a reali-
dade e a si mesmo. Nesse caso, a interrogação reside na origem e evolução da cultura e
sobre o papel do homem neste processo. Dica
2. Sobre o problema da sociedade, nota-se a questão da essência do homem como ser so- Sobre a aproximação
cial e ao mesmo tempo ser produtor em decorrência das mudanças profundas da socieda- do homem com a
natureza e também
de ocidental nos últimos três séculos.
sobre a abordagem
3. O problema do psiquismo está, por sua vez, ligado ao da linguagem, que conjuntamente do homem pela
operam de forma reducionista na concepção de homem, ora reduzindo o psiquismo ao psicologia nos moldes
somático, ora na redução do psiquismo ao noético. das ciências naturais,
4. Quanto ao problema da história, ressalta-se a questão do tempo histórico como referên- consulte Psicologia em
Estudo, Maringá, v. 16,
cia de tempo da realização humana em contraposição ao tempo físico, daí um desdobra-
n. 4, p. 509-510, out./
mento que é a questão da existência histórica e da história narrada. No que se refere ao dez. 2011. Disponível
problema da religião, basta recordar que a própria origem da Filosofia na Grécia antiga é em: <http://www.
marcada pela linguagem religiosa dos mitos, daí tal problema decorrer e se arrastar à luz scielo.br/pdf/pe/v16n4/
de uma associação do homem religioso às outras dimensões do homem, tematizadas pela a01v16n4.pdf> Acesso
em: 5 mai. 2014.
própria filosofia.
5. E, finalmente, o problema do ethos que, por sua vez envolve todos os demais por impli-
car a prerrogativa essencial do homem, isto é, o ethos refere-se à dimensão consciente do
agir humano seja de forma social ou individual, pautada pelos pressupostos teleológicos Glossário
e axiológicos [valorativo]. Noético: diz respeito à
noese, que na fenome-
Passaremos agora a esboçar outros pontos da questão metodológica da Antropologia Filo- nologia husserliana,
sófica, tendo em vista o problema já realçado no início deste tópico que é a questão da demar- ao analisar o vivido da
consciência, o noema
cação de seu objeto – O que é o homem? – e sobre ele pressupor que a própria razão seja capaz
é esse algo de que a
de dar respostas. Rabuske (2005, p. 16) salienta que o fato de o homem perguntar pela sua pró- consciência tem cons-
pria essência já denota que ele já sabe algo de si mesmo. ciência; e a noese se
Uma abordagem antropológica de cunho filosófico é propícia para a compreensão sistemá- identifica com a própria
tica e ampla do homem visto que, por ser enigmático e misterioso, o homem não se compreende visada da consciência.
Assim a noese é o ato
perfeitamente. Quanto a isso, almeja-se um rigor imprescindível no tocante ao método e estra-
mesmo de pensar, e o
tégias de abordagem adequadas, uma vez que, pela metodologia, visa a traçar as condições de noema é o objeto desse
possibilidade de compreensão do fenômeno humano e, consequentemente, expressar intelec- pensamento. (JAPIAS-
tualmente essa compreensão por meio de conceitos e categorias. SÚ, Hilton e MARCON-
Segundo Vaz (2001), o discurso filosófico sobre o homem estará, invariavelmente, sujeito ao DES, Danilo. Dicionário
básico de filosofia. Rio
risco do reducionismo pelo próprio homem, já que é um homem que fala sobre o outro homem.
de Janeiro: Zahar, 2006.
Por isso, o autor adverte que: “A tarefa que se propõe a Antropologia filosófica é identificar essas pp.202)
categorias, definir seu conteúdo, e articulá-las de modo a que se constitua com elas um discurso

19
UAB/Unimontes - 3º Período

sistemático.” (VAZ, 2001, p.159). Para o autor, o procedimento metodológico da Antropologia Fi-
losófica abarcará três níveis de conhecimento do homem, a saber:

1. O primeiro é a pré-compreensão que diz respeito à experiência natural do conhecimen-


to, cuja expressão se dá por meio de representações, crenças e símbolos, os quais são con-
textualizados na cultura.
2. O segundo nível é a compreensão explicativa que está associada ao conhecimento cien-
tífico, que obedece e se orienta, por sua vez pelos padrões explicativos e metodológicos
Glossário da mesma.
Fenomenologia: é 3. E o terceiro nível é a compreensão filosófica, um tipo de conhecimento que define as
um método, o que condições transcendentais ou de inteligibilidade das formas de compreensão do homem.
significa dizer que ela
é o “caminho” da crítica Além disso, algumas circunstâncias devem ser observadas ao longo do percurso metodológi-
do conhecimento
universal das essências.
co no âmbito da Antropologia Filosófica, das quais podemos ressaltar a questão do homem ser o
Assim, para Husserl, objeto e, ao mesmo tempo, produtor de conhecimento de si mesmo. Outra situação está ligada à
a fenomenologia é o questão do conceito, visto que pela expressão conceitual a caracterização do fenômeno humano
“caminho” (método) assume o nível de compreensão filosófica. A terceira ocorrência a ser destacada diz respeito ao
que tem por “meta” discurso, o qual deverá ser articulado formalmente, visando sempre e, dialeticamente, à integração
a constituição da
ciência da essência
da unidade do sujeito. Este é o nível pelo qual a Antropologia Filosófica distingue-se do discurso da
do conhecimento ou pré-compreensão e de outros discursos das ciências, até mesmo das ciências humanas.
doutrina universal das Mondin (2005) esclarece que a investigação antropológica traz consigo características de
essências. Cf. GALEFFI, qualquer pesquisa que lida com cognições de valor universal. Para esse autor, a Antropologia Fi-
Dante Augusto. O que é losófica exige um método muito complexo constituído por duas fases principais, ou seja, a feno-
isto – a fenomenologia
de Husserl?. In.: Revista
menológica e a transcendental, cuja primeira, em linhas gerais, atenta-se aos dados relativos ao
Ideação, Feira de San- ser do homem e, na segunda, propõe-se revelar o significado último desses dados.
tana. n.5, p.13-36, jan./ Não é nosso objetivo discorrer sobre as correntes filosóficas e nem tratar da Fenomenologia
jun. 2000 [Cf. Box 2] propriamente dita, apenas ressaltar que o tocante à fase fenomenológica, Mondin
(2005) salienta que o método da Antropologia distingue-se da ciência porque compreende não
apenas a observação objetiva, mas considera também a introspecção; e quanto ao método trans-
cendental, o autor salienta que: “[...] move-se a partir dos fenômenos e os estuda profundamente
com a finalidade de descobrir suas raízes últimas.” (MONDIN, 2005, p.17).
Não há, portanto uma análise fenomenológica, na Antropologia Filosófica, sem uma inter-
pretação de cunho universal e, por assim dizer, metafísico dos pressupostos do fenômeno hu-
mano, de outro modo, deve-se realizar uma avaliação transcendental das condições de possi-
bilidade da manifestação fenomênica. Isso não quer dizer que estamos retratando dois métodos
distintos para análise do homem, mas ressaltando que se exige um método no qual se tenha
duas fases, tal como salientamos inicialmente nas palavras de Mondin (2005) e que essas fases
devem se pautar por uma estreita sintonia. Em suma, o marco metodológico da Antropologia Fi-
losófica, por dispor de um objeto peculiar – o homem – e da exigência de um método adequado
para compreendê-lo em sua plenitude, deve pautar-se pela interseção do rigor metafísico e das
condições da ethos em que o homem estabelece sua vivência.
Box 2
OS FENOMENOLOGISTAS

A fenomenologia estuda como as coisas são apresentadas ou representadas. Os feno-


menologistas tentam ir além da aparência, ou superfície sensível, para revelar a natureza da
consciência em si.
EDMUND HUSSERL (1859-1938) foi o fundador da fenomenologia. Ele quis abolir as teo-
rias sobre a realidade e restaurar a certeza na filosofia. Seu método era descrever exatamente
como a realidade se apresenta à consciência. Ele quis transformar a filosofia em uma ciência
precisa. Acreditava que sem isso as ciências tradicionais não teriam uma base firme e nunca
poderiam ter certeza do que estavam fazendo. A filosofia de Husserl começa com o que ele
chamou de “ponto de vista natural”, o mundo cotidiano experimentado por cada indivíduo. Seu
método é realizar uma “redução fenomenológica” dessa experiência. Isso leva a ignorar todas
as suposições pessoais, filosóficas e até científicas previamente adquiridas sobre uma coisa e
então examinar o que restou. O objetivo é revelar exatamente como a mente funciona. Husserl
acreditava que é possível retroceder e realizar uma redução fenomenológica da consciência
em si. Ele chamou essa consciência “pura”, que seria capaz de observar a consciência “cotidiana”
trabalhando, de “ego transcendental”. Isso poderia ser o começo de todo o conhecimento.
20
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Apenas uma pequena parte do que Husserl escreveu foi publicada. A maioria de seus
textos permanece em um arquivo na Bélgica.
MARTIN HEIDEGGER (1889-1976) foi o aluno mais famoso de Husserl e trabalhou como
seu assistente. O principal interesse de Heidegger era a existência (ou “ser”) em si, baseado na
questão fundamental filosófica: “Por que há algo em vez de não haver nada?”. Em seu trabalho
mais famoso, “O ser e o tempo”, Heidegger usa o método da redução fenomenológica de Hus-
serl para descrever a existência humana. Entretanto, a versão de Heidegger da fenomenologia
não separa o mundo exterior da consciência humana individual. Ele achava que não pode-
mos nos separar do mundo. Em primeiro lugar somos todos “seres-no-mundo”. Heidegger in-
ventou uma porção de palavras compostas, porque julgou a linguagem limitada demais para
descrever a espécie humana. Heidegger identificou “cuidado” como a característica que sepa-
ra a humanidade do resto da existência. Com isso, ele quis se referir ao interesse ativo que as
pessoas demonstram por tudo o que percebem, como família, animais de estimação, política,
história e o futuro.
MAURICE MERLEAU-PONTY (1908-1961) emprestou muitas ideias de Husserl. Sua objeção
básica à fenomenologia de Husserl era que estava baseada na experiência mental em vez de
na corporal. Em seu primeiro grande livro, “A fenomenologia da percepção”, Merleau-Ponty
argumentou que a maneira como usamos nosso corpo determina como experimentamos o
mundo. Assim como Kant, ele acreditava que todas as nossas ideias vêm de impressões senso-
riais que são moldadas por certas regras de entendimento. Mas ele discordou que essas regras
fossem puramente mentais. Acreditava que o entendimento é moldado por regras do corpo.
Neste livro, ele demonstrou como as pessoas cujo corpo foi lesado ou debilitado experimen-
tam o mundo diferentemente.

Fonte: Disponível em: http://epigrafeshistoricas.blogspot.com.br/2013/01/immanuel-kant-o-que-e-ilustracao.html


Acesso em: 25 jun. 2014.

Referências
LINTON, Ralf. O homem: uma introdução à antropologia. 12ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

MODIM, Batista. O homem: quem é ele?Elementos de Antropologia Filosófica. 6.ed. São Paulo:
Paulinas, 2005.

NOGARE, Pedro Dalle. Humanismos e anti-humanismos: introdução à antropologia filosófica.


9ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.

RABUSKE, E. Antropologia filosófica. São Paulo: Vozes, 2005.

VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Antropologia Filosófica I. São Paulo: Loyola, 2001.

21
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

UNIDADE 2
As concepções de ser humano na
antropologia filosófica

2.1 Introdução
Já destacamos, na Unidade I, que a Antropologia Filosófica busca compreender o homem
na sua essência e plenitude e, para isso, ela estuda cuidadosamente todos os aspectos da feno- Dica
menologia do existir humano. Tendo compreendido essa tarefa da Antropologia Filosófica, pas-
saremos, nesta Unidade II, a desenvolver um estudo das concepções do homem no transcurso Para saber mais sobre
o individualismo na
da Antropologia Filosófica, ou seja, por meio de uma digressão, esboçaremos a história das con- sociedade contempo-
cepções de ser humano na filosofia ocidental. rânea, leia também:
Ao propormos um histórico dessas concepções do homem, é preciso advertir que o caráter VELHO, Gilberto. Indi-
do homem só poderá ser compreendido nos termos de sua consciência e na observação de re- vidualismo e Cultura:
lações imediatas com seus pares.Cassirer, em Ensaio sobre o homem, explicou sobre isso que: notas para uma antro-
pologia da sociedade
“Não podemos descobrir a natureza do homem do mesmo modo que podemos detectar a na- contemporânea. Rio de
tureza das coisas físicas. As coisas físicas podem ser descritas nos termos de suas propriedades Janeiro: Zahhar, 2004.
objetivas [...].” (CASSIRER, 2005, p.16).
Nesta Unidade, apresentaremos de forma sistemática a história das concepções de ser hu-
mano na filosofia ocidental, a qual será organizada da seguinte forma: primeiramente, a concep-
ção clássica do homem e suas subdivisões, ou seja, iniciaremos com a concepção do homem
na cultura arcaica grega até a concepção neoplatônica do homem; em seguida, analisaremos a
concepção cristão-medieval; após esta, trataremos da concepção moderna de homem; e, por
fim, a concepção do homem na filosofia contemporânea.
Mas, antes dessa exposição histórica, traçaremos o pano de fundo de nossa proposta, isto
é, a hipótese de que a ideia de homem perdeu sua unidade nos últimos séculos e, dessa forma,
tentaremos apresentar uma caracterização geral de ser humano e, ao mesmo tempo, problema-
tizá-la para que, daí em diante, você possa empreender uma compreensão dialética a partir das
concepções fornecidas ao longo do pensamento ocidental.
O ponto central desse panorama, no qual o homem está inserido, é a significação humana,
sobretudo na modernidade. Muitos teóricos se empenharam e outros tantos se empenham em
oferecer pistas para essa compreensão, podendo destacar dentre eles Hannah Arendt, Albert Ca-
mus, Gilles Lipovetsky, Zygmunt Bauman, entre outros, dos quais faremos questão de apresentar
partes de suas análises. Em certa medida, esses autores lançam luz sobre o individualismo e uma
consequente crise ou confusão de sentido que assola a condição social de vida humana.
Esse diagnóstico sobre o homem na modernidade é muito bem pontuado por Berger e
Luckmann ao enfatizar que: “O sentido se constitui na consciência humana: na consciência do in-
divíduo, que se individualizou num corpo e se tornou pessoa através de processos sociais”. (BER-
GER e LUCKMANN, 2004, p.14). Esses autores reforçam que essa consciência e individualidade,
bem como a sociabilidade estabelecida à sua luz, tornaram-se características de nossa espécie.
Avaliando-se as relações humanas, nota-se que as vivências são puramente e predominan-
temente subjetivas, embora a maioria das soluções para os problemas nos quais o indivíduo está
envolvido só pode ser encontrada no âmbito da intersubjetividade. Uma rápida análise antro-
pológica do que foi introduzido até aqui leva-nos a pensar que o homem, diante desse quadro
marcado pela crise de sentido e pelo individualismo moderno, se vê isento ou divido entre a res-
ponsabilidade por suas ações e a possibilidade de manter uma relação social comprometida com
os demais.
Segundo Lipovetsky (2005), esse momento é denominado A era do vazio (Box 3), em que
se constata uma deserção social. Nela, o homem torna-se indiferente, sua certeza perde o caráter

23
UAB/Unimontes - 3º Período

de ser absoluta, pode-se ou deve-se adaptar-se a tudo, suas opiniões são suscetíveis de modifi-
cações rápidas e, além disso, nota-se uma perda de sentido da continuidade histórica que, se por
um lado, descarta-se o significado as tradições; por outro, as projeções por vir são igualmente ir-
relevantes e desmerecidas. Uma das consequências mais acentuada da nossa avaliação antropo-
lógica é a forma com que os valores humanos e com que as instituições sociais são abandonadas.
Box 3
A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo

Filósofo francês, Gilles Lipovetsky (1944) não criou o termo pós-modernidade, mas é um
dos seus maiores estudiosos – embora atualmente prefira utilizar hipermodernidade. Em A
era do vazio, de 1983, mostra as causas e os primeiros efeitos do fenômeno da pós-moder-
nidade, sendo o principal deles o que o autor vai chamar de processo de personalização. Tra-
ta-se de uma valorização do indivíduo que fará inclusive diminuir a interação entre o Eu e o
Outro. Em resumo, ele lista o enfraquecimento da sociedade, dos costumes do indivíduo con-
temporâneo, da era do consumo de massa, a emergência de um modo de socialização e de
individualização inédito, numa ruptura com o que foi instituído a partir dos séculos XVII e XVIII
como suas principais características.
A partir desse processo, Lipovetsky analisa diversos fenômenos decorrentes da per-
sonificação, em seis artigos. No prefácio, ele explica esse processo com mais detalhamen-
tos. No primeiro artigo, A sedução não para, mostra como a sedução é a nova regente dos
processos sociais, não só nas relações interpessoais. A indiferença pura, o segundo artigo,
denota que o processo de personificação incentiva a indiferença na sociedade pós-mo-
derna, a ponto de atingir a política. Com a metáfora do deserto, desde os espaços públi-
cos até a mente humana, ele defende que o indivíduo cada vez mais foca em si mesmo e
esvazia o social.
Em Narciso, ou a estratégia do vazio, aprofunda a descrição do processo de personifica-
ção, a partir da figura de Narciso. Mas não se trata do narcisismo no estrito sentido freudiano,
mas sim de um neonarcisismo, de exaltação do eu e abdicação do social e político. No longo
quarto artigo Modernismo e pós-modernismo, ele vai diferencia os dois movimentos, a dizer:
enquanto o primeiro exalta a revolução e a diferenciação da vanguarda, o segundo vai, após
o esgotamento da vanguarda, perder o caráter revolucionário e a ideia de ideal comum – o
individual fala mais alto.
Nos dois últimos, discute a personificação no humor e na violência. Para ele, o humor in-
Dica vadiu diversas plataformas, não somente aquelas tradicionalmente ligadas ao riso. Chega aos
títulos de jornais, à publicidade e à moda. É como se todos rissem de si mesmos, sem denegrir
Leia também o
os outros. Quanto à violência, ele defende que esta está suavizada, devido à pacificação que a
poema de Manoel
Bandeira sobre a sociedade pós-moderna traz.
condição humana. O texto é rápido – Lipovetsky troca de assunto e objeto a todo o momento – o que torna
Disponível em: <http:// difícil uma sintetização de sua, digamos, narrativa. No entanto, o embasamento teórico é o
literaturaemconta- mesmo do início ao fim. Sem se aprofundar exatamente nas causas dos processos e mais em
gotas.wordpress.
suas consequências e manifestações, teoricamente acaba repetitivo: tudo é o tal processo de
com/2008/11/25/o-
bicho-de-manuel-ban- personificação. Vale ler o pósfácio por completo para entender essa teoria e suas manifesta-
deira/>Acesso em 10 ções mais recentes.
jun. 2014.
Fonte: Disponível em: http://dekoboko.com.br/fukushiroluiz/?p=1. Acesso em: 30 jun. 2014.

Essa situação do homem, que é constatada


na modernidade, em que seu egoísmo sobre-
Figura 11: Crise ► põe a responsabilidade social, reporta-nos, por
existencial sua vez, a necessidade de homem se posicionar
Fonte: Modernidade e diante de si e surge como condição, antes mes-
crise de valores. Dispo- mo, mais para a simples sobrevivência da espé-
nível em: http://stoa.usp.
br/andredutra/weblog/
cie humana do que como imperativo ético ou
skip=20 até mesmo religioso. O autoconhecimento dei-
Acesso em: 20 de abr. xa de ser um interesse meramente teórico ou
2014.
um tema de simples curiosidade, passando a se
constituir como um compromisso indispensável
do qual o homem não poderá se esquivar.

24
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

De acordo com Cassirer (2005), em Ensaios sobre o homem, a crise do conhecimento de si Atividade
do homem, tal como sugere a figura 11, é considerada a mais alta meta da indagação filosófica Acompanhe a partir
e é, sob o amparo desta reflexão que passaremos, na parte seguinte, a analisar as concepções de do próximo tópico,
homem ao longo da história do pensamento ocidental. Faremos isso, sobretudo com base nas essa exposição das
interpretações e classificação de Vaz (2001). concepções de homem
e ao término desta
unidade escolha uma
de tais concepções e

2.2 A concepção clássica do


faça uma defesa da
mesma, no Fórum de
discussão, tendo em
vista a possibilidade de

homem ela expressar de forma


mais abrangente o
fenômeno humano.

A civilização ocidental recebeu da cultura clássica greco-romana o seu primeiro conjunto de


ideais e valores, daí a importância de estudá-la para a compreensão do homem. No tocante à
cultura grega, podemos afirmar que dois traços são característicos de seu espírito: o primeiro,
refere-se à ideia de o homem se constituir como ser do discurso (zôo logikón); o segundo, a ideia
de o homem ser comparado a um animal político (zôo politikón). Além disso, podemos dizer tam-
bém que estão ligadas a esses dois traços a questão da contemplação e a questão do agir cujos
preceitos da ação são pautados pela moralidade política.
Para desenvolvermos essa compreensão do homem cujas raízes são denominadas clássicas,
dividiremos este período, sinteticamente em sete partes, ou seja, primeiramente trataremos da
concepção do homem na cultura arcaica grega e, em seguida, na filosofia pré-socrática, na tran- Dica
sição socrática, na antropologia platônica, na aristotélica, na idade helenística, e na antropologia
Sobre mitologia consul-
neoplatônica. te o site:<www.on.br/
Da concepção do homem na cultura glossario/alfabeto/m/
arcaica grega podemos dizer seguramente mitologiaEm cache -
que ela é permeada de um conjunto de ele- Similares>. Acesso em
15 jun. 2014
mentos ricos e, ao mesmo tempo, complexos
que favorecem a compreensão da imagem
do homem. O primeiro conjunto desses ele-
mentos está ligado à questão religiosa, que
traça a relação entre o mundo dos deuses e o
mundo dos mortais. Desse modo, a situação ◄ Figura 12: Zeus, deus
grego
e compreensão do homem estão ligadas ao
Fonte: Mitologia e religião.
desfecho dessa relação dele com o divino. Disponível em:http://his-
Outro conjunto se refere à questão cos- toriapibid2011.wordpress.
mológica, cuja contemplação da ordem do com/2013/06/10/interven-
cao-1o-c-grecia-2/. Acesso
mundo marca uma peculiaridade do homem em: 23 de abr. 2014.
grego. Primeiramente, pela questão da admi-
ração (thauma) que reivindicará para si o seu
modo de vida teorética; e, segundo, pela ques-
tão da ideia de necessidade (anánke) inscrita na
ordem do mundo, necessidade essa que marca-
rá a ligação entre a liberdade humana à ordem
do universo por meio do conceito de natureza
(physis). Noutras palavras, para os gregos, o cos-
mo é comparado ao mundo natural, um espa-
ço ou uma realidade ordenada de acordo com
certos princípios racionais e leis. O cosmo é en- ◄ Figura 13: O mundo
tendido como uma ordem que se opõe à falta cósmico grego
de ordem (caos), assim é conferido à razão esse Fonte: Physis grega.
Disponível em: http://
papel de organização da realidade. O entendi- antoniogarcianeto.files.
mento humano do mundo é possível graças à wordpress.com/2013/01/
racionalidade que está implícita na própria or- blog5.jpg. Acesso em: 23
de abr. 2014.
dem do universo. A figura 13 pretende ilustrar
essa demarcação racional [geométrica e mate-
mática] do universo ou essa compatibilidade
entre a razão humana e a ordem cósmica.

25
UAB/Unimontes - 3º Período

Dica O terceiro conjunto de elementos tem um sentido antropológico, além do que já ressalta-
Sobre o Universo do mos sobre a vida religiosa, mostra-se latente a situação do homem entre os aspectos apolíneos
ponto de vista da Astro- e os dionisíacos sendo que, no primeiro caso, o homem está guiado pela luz do pensamento
nomia, complementan- cujas ações são racionais e comedidas e, no segundo caso, as forças do desejo e da paixão inter-
do essa compreensão
sobre a ordem cósmica
ferem no viver do homem. Outros fatores que retratam essa questão antropológica dizem res-
grega, consulte http:// peito à vida social e política, sobretudo pelo modo dessa vida ser orientada pela excelência da
astronomy-univer- virtude (areté).
so.blogspot.com. Para a concepção do homem na filosofia pré-socrática, devemos salientar que aque-
br/2012/09/alem-da- le momento dominado pela ideia de physis, que pontuamos anteriormente, cuja referência de
fronteira-do-cosmos.
html.
individualidade do homem deve-se à ideia de ordem cósmica, de fato marcou a cultura arcaica
grega. Contudo, ao longo desse período clássico, o problema antropológico é deslocado sob a
Glossário influência das transformações ocorridas na sociedade grega, sobretudo pelas guerras e pelas exi-
gências da democracia.
Apolíneo: é o princípio Diógenes de Apolônia é quem representa essa transição que contribui para a ideia de ho-
da individuação, pelo
qual cada ser é o que mem como estrutura corporal e espiritual. Daí as interrogações filosóficas sobre o homem serem
é, mas também do orientadas pelos problemas da educação (Paidéia) e da sabedoria (Sophía). Ressalta-se, além des-
equilíbrio e do come- ses dois momentos básicos, que o pensamento sobre o homem nesse período também contou
dimento, pelo qual se com a contribuição dos sofistas, que faz da antropologia uma possibilidade de investigação so-
contenta com sê-lo. bre o homem entre o saber teórico e as habilidades práticas.
Opõe-se ao princípio
dionisíaco, que ó o
de descomedimento, Segundo Vaz (2001, p.32-33), são al-
da fusão, do devir, do gumas das ideias diretrizes da sofística:
ilimitado – do trágico. o conceito de uma natureza humana; o
Esses dois princípios conceito de narração histórica pela in-
são complementares.
(COMTE-SPONVILLE, vestigação; a oposição entre a convenção
André. Dicionário e natureza; individualismo relativista; a
filosófico. São Paulo: concepção de um desenvolvimento pro-
Martins Fontes, 2003. gressivo da cultura; a análise do homem
pp.56) como ser de necessidade e carência; e a
ideia fundamental do homem como ser
Figura 14: A sofística e a ► dotado de logos e, por sua vez, da capaci-
vida prática
dade de persuadir.
Fonte: Os sofistas.
Disponível em: http://1. Sobre a concepção do homem na
bp.blogspot.com/-T1XU- transição socrática, certamente o filó-
xlg7dkc/Th48DAwrItI/ sofo Sócrates é considerado um marco da compreensão sobre o homem no período clássico,
AAAAAAAAAKQ/YlC4Lq-
sOsOU/s1600/sofistas.jpg como também influenciou toda a história de pensamento. Isso deve ao fato de que sua reflexão
Acesso em: 23 de abr. sobre a alma (psyché) permite ao homem uma avaliação sobre sua interioridade e virtude, sobre-
2014. tudo a compreensão da grandeza humana, pois é a alma que constitui a essência do homem,
reforçada pela Figura 15, sobre sua postura irredutível diante da morte.

Figura 15: Sócrates e ►


psyché
Fonte: Imortalidade da
alma. Disponível em:
http://www.revistafilo-
sofia.com.br/ESFI/Edico-
es/35/imprime142167.asp
Acesso em: 28 de abr.
2014.

26
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Dessa ideia de investigação da interioridade, a qual é reforçada pelo preceito délfico do “co-
nhece-te a ti mesmo”, pressupõe-se que o homem adquira a compreensão teleológica do bem e
de como escolher os melhores resultados e, consequentemente, a valorização da ética é notável.
Essa perspectiva socrática proporciona ao homem a capacidade intelectual para direcionar diale-
ticamente o pensar, para a ação virtuosa no curso das relações e convivência humana.
A concepção do homem na antropologia platônica pode ser sintetizada a partir da
conciliação do que já mencionamos sobre a tradição pré-socrática quanto à questão cosmológi-
ca; da contribuição sofística daquilo que se considera o homem como ser de cultura; e da posi-
ção socrática da qual enaltece a alma como a essência do homem. A Figura 16 ilustra o modelo
platônico da Teoria dos dois mundos.

◄ Figura 16: Teoria das


Ideias
Fonte: Mundo de Platão.
Disponível em:http://
fabiomesquita.files.
wordpress.com/2010/04/
platao.gif
Acesso em: 28 de abr. 2014.

Segundo Vaz,(2001) essa antropologia platônica é resultante da unificação dinâmica de te-


mas, donde o autor enfatiza: “[...] cuja oposição se concilia do ponto de vista de uma realidade
transcendental à qual o homem se ordena pelo movimento profundo e essencial de todo o seu
ser: a realidade das Ideias.” (VAZ, 2001, p.36). Assim, muitos elementos para a compreensão do
homem podem ser encontrados em várias obras platônicas, como por exemplo, Apologia, Crí-
ton, Menon, Fédon, Fedro, Banquete, República, Timeu, Leis.
Sobre a concepção do homem na antropologia aristotélica é importante ressaltar que,
nela, a antropologia passa a ter seus aspectos de ciência graças a Aristóteles, que soube elabo-
rar uma síntese científico-filosófica quanto ao estudo do homem. A concepção aristotélica de ho-
mem esboça uma linha evolutiva que se tornou base para estudos posteriores e que ainda hoje a
ela é recorrida. Pode-se considerar como os mais importantes de seus traços:

1. O primeiro traço se refere à estrutura biopsíquica do homem na medida em que o ho-


mem é um ser composto por vida psíquica e somática, ou seja, alma e corpo;
2. O segundo traço se refere a sua racionalidade e denomina o homem como zôon logikón,
visto que o logos e sua racionalidade o diferem dos demais seres vivos e dela pode-se in-
dicar três pontos: o primeiro está ligado à psyché no homem, sua estrutura e suas fun-
ções; o segundo, diz respeito ao finalismo da razão, ou seja, a atividade intelectual alme-
ja um fim; e o terceiro ponto se refere aos processos formais do conhecimento;
3. O terceiro traço é caracteriza o homem como ser ético-político e, sobre esse ponto, avalia-
se que Aristóteles é o precursor da antropologia que unifica as dimensões Ética e Política;
4. O quarto traço notifica o homem com ser da paixão e do desejo por entender que o es-
tudo integral do homem é indispensável sem considerar tais elementos.

Do ponto de vista filosófico, o período sobre a concepção do homem no helenismo é


caracterizado pelo advento do individualismo que decorre do declínio e fim da polis grega em
seus preceitos de comunidade. Tal período está divido em Epicurismo e Estoicismo. O primeiro
concebe o homem como um ser-que-sente, donde o conhecimento começa e termina com a
sensação, tendo representações mentais e sentimentos de prazer. No segundo caso, da antropo-
logia estoica, trata-se das condições do homem e seu viver feliz, condição essa conhecida pela
expressão eudaimonía. Nela, o indivíduo é senhor de si mesmo.
A concepção neoplatônica do homem, cujo modelo é inspirado na filosofia do neoplato-
nismo, do século III-IV d.C, tem características bem distintas, visto que em seu cerne, aspectos de
filosofia e de religião encontram-se reunidos. Isso está ligado à imposição e aos interesses do im-
pério romano. A partir daí, a necessidade religiosa representou a mais poderosa força espiritual
daquele período da era cristã.

27
UAB/Unimontes - 3º Período

A obra de Plotino torna-se um marco da imagem neoplatônica de homem, ressaltando-se


as seguintes características: a ideia inteligível do homem; a estrutura do homem que reflete a
estrutura triádica da realidade superior; e a descida da alma no corpo, sendo, para Plotino, um
evento natural. Assim sendo, o homem é pensado, nessa concepção, considerando sua unicida-
de, sua liberdade e seu dualismo.

2.3 A concepção cristão-medieval


A concepção medieval do homem é notada na cultura ocidental do século VI ao século XV,
embora seus reflexos incidam sobre as concepções antropológicas moderna e contemporânea.
Basicamente, essa concepção origina de duas fontes, a saber, da tradição bíblica, vetero e neotes-
tamentária e da tradição filosófica grega, que será reconstituída por outros pensadores medie-
vais, como veremos a seguir. Quanto à tradição bíblica do homem, é entendido que a linguagem
religiosa da salvação é responsável pela formação de um discurso antropológico.
Os traços fundamentais dessa antropologia filosófica é a unidade radical do ser do homem
que se subentende na observação da Palavra de Deus. Nesse caso, o desígnio da salvação brota
do dom de Deus, cabendo ao homem dar uma resposta ou uma aceitação. Outro traço é a ma-
nifestação progressiva do ser e do destino do homem cuja história de revelação poderá ser com-
preendida e comparada com a revelação e gestos salvíficos de Deus.
De um modo geral, a antropologia me-
dieval se assentará em três fontes fundamen-
tais, ou seja, na Sagrada Escritura, nos padres
da Igreja, nos filósofos e escritores gregos e
Figura 17: A palavra de ► latinos. Ressaltaremos somente que Santo
Deus Agostinho e Santo Tomás de Aquino são dois
Fonte: site antropologia. expressivos representantes desse contexto. De
Disponível em: http://ove- acordo com Cassirer (2005), Santo Agostinho
lhamagra.blogspot.com.
br/2012/01/deus-mandou- é considerado o fundador da filosofia medie-
-matar.html val, além de situar na passagem da filosofia
Acesso em: 30 de abr. grega para a era cristã.
2014.
O autor acrescenta também que, para
Santo Agostinho, a filosofia grega exaltou so-
bremaneira o poder da razão, mas que sem a
revelação divina, ela torna-se uma das coisas
Dica mais questionáveis do mundo, por isso o ho-
Sobre Santo Agosti- mem adâmico precisa ser reconstituído para
nho assista ao vídeo que o homem possa recuperar a sua essência
Santo Agostine, 2010, anterior por meio da ajuda sobrenatural. Em-
de Christian Duguay. O bora Santo Tomás de Aquino confere à razão
filme contribui para en-
tender sua trajetória de
humana um poder diferenciado em relação a
conversão e descons- Santo Agostinho, no entanto ele não se desvia dos preceitos da filosofia medieval, e também se
truir algumas imagens convence de que a razão não deva ser usada sem o auxílio e orientação da graça de Deus.
distorcidas que se
impuseram ao homem
e teólogo Agostinho,
especialmente durante
o período medieval.
Disponível em: <www.
2.4 A concepção moderna de
homem
downloadfilmeseseries.
tv>. Acesso em: 15 mar.
2014.

A essa concepção associa-se um conjunto de transformações desencadeadas ao longo dos sé-


culos XII, XIII, XIV, XV, até o XVIII. Entretanto, podemos enumerar alguns dos momentos que sinteti-
zam um modelo de homem no período moderno. A começar pela Renascença, que se estende do
século XIV ao século XVI. Tal período é muito conhecido pela idade do humanismo por conceder ao
homem uma nova sensibilidade e conotação peculiar e, sobre isso, podemos citar a capacidade de
observação e contemplação do homem e, sobretudo sua capacidade de transformação do mundo.

28
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Nasce, na Renascença, por assim dizer,


uma consciência de humanidade e também a
imagem de homem universal diferentemente
do que o homem antigo ou medieval conce-
bia. Nota-se, com isso, que ocorre uma ruptura ◄ Figura 18: Descartes
com a imagem de homem difundida tanto pe- Fonte: Filosofia. Disponível
los gregos quanto pelos medievais, propician- em: http://www.filosofia.
com.br/historia_show.
do que uma nova imagem daí se desenhe. php?id=70
A nova antropologia que incidirá na com- Acesso em: 30 de abr. 2014.
preensão do homem é a racionalista, que terá
como seu maior representante Descartes
(1596-1650). Seu discurso do método impli-
cará na condição de possibilidade para qual-
quer conhecimento seguro para o homem e
para a ciência, inclusive sobre o homem. Desse
modo, um dos traços mais característicos des-
sa antropologia racionalista se refere à ques-
tão da subjetividade do espírito como condi-
ção da consciência de si. Um segundo traço é
a questão da exterioridade do corpo com rela-
ção ao espírito. ◄ Figura 19: Pascal
Nesta esteira racionalista, outra grande Fonte: Mundo dos filóso-
contribuição é dada por Pascal (1623-1662) fos. Disponível em: http://
www.mundodosfilosofos.
que, tal como Descartes, entende que a digni- com.br/foto19.htm
dade do homem é conferida à capacidade de Acesso em: 30 de abr. 2014.
pensamento, entretanto o empreendimento
racional pascalino é voltado para a capacidade
humana de conhecer e agir, para a descoberta
da dimensão moral do bien penser e não, pro-
priamente, para a dominação cartesiana do
mundo.
Thomas Hobbes (1588-1679), outro
grande pensador moderno, dedica-se a aplica-
ção do racionalismo na sua versão mecanicista
ao estudo e compreensão do homem moder- ◄ Figura 20: Hobbes
no. Por meio do famoso e emblemático dis- Fonte: Filósofos vida e
curso de que “o homem é o lobo do homem”, obra. Disponível em:
Hobbes procura definir as características que http://filsofos-vidaeobra.
blogspot.com.br/2009/08/
concedem ao homem um lugar de destaque hobbes.html#!/2009/08/
em relação aos outros animais, inclusive assi- hobbes.html. Acesso em:
nalando a passagem do homem em seu esta- 30 de abr. 2014.
do de natureza à condição de homem social
que, a partir daí, poderá gozar dos benefícios e
realização humana no horizonte do Estado.
Outra importante versão do racionalismo
e que repercutirá na compreensão do homem
no período moderno é denominada empiris-
mo inglês, cujo representante mais conhecido
é Locke (1632-1704). Possivelmente será sua
contribuição a mais apropriada para descre-
ver a imagem do homem que viveu na cultu- ◄ Figura 21: Locke
ra europeia, nos séculos XVIII e XIX, sobretudo Fonte: Wikipédia.
Disponível em: http://
aquela do homem burguês e liberal. pt.wikipedia.org/wiki/
A imagem do homem na Ilustração (Cf. Ficheiro:JohnLocke.png
Box 4), movimento que dominou o século VIII, Acesso em: 30 de abr. 2014.
volta-se para a valorização e infalibilidade da
razão e esta para compreensão do homem e
sua história. Alguns dos traços que denotam
o espírito da Ilustração na compreensão do
homem é o critério de humanidade, que se

29
UAB/Unimontes - 3º Período

opõe àqueles do universalismo cristão. O termo civilização também compõe o rol dos traços
que define o homem nesse período. Por civilização poderá entender um estágio avançado que
permitirá ao homem a passagem do estado de natureza ao estado de cultura. A bandeira da to-
lerância também constitui um dos pressupostos da Ilustração e estará a serviço dos grupos hu-
manos considerados discriminados.
Box 4
Immanuel Kant - O que é Ilustração?

A ilustração (Aufklãrung) é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele é o próprio


responsável. A menoridade é a incapacidade de fazer uso do entendimento sem a condução
de um outro. O homem é o próprio culpado dessa menoridade quando sua causa reside não
na falta de  entendimento, mas na falta de resolução e coragem para usá-lo sem a condução
de um outro. Sapere aude! “Tenha coragem de usar seu próprio entendimento!” (esse é o lema
da ilustração).
Preguiça e covardia são as razões pelas quais uma tão grande parcela da humanidade
permanece na menoridade mesmo depois que a natureza a liberou da condução externa (na-
turalider maiorennes); e essas são também as razões pelas quais é tão fácil para outros man-
terem-se como seus guardiões. É cômodo ser menor. Se tenho um livro que substitui meu en-
tendimento, um diretor espiritual que tem uma consciência por mim, um médico que decide
sobre a minha dieta e assim por diante, não preciso me esforçar. Não preciso pensar se puder
pagar: outros prontamente assumiram por mim o trabalho penoso.
Que a passagem à maioridade seja tida como muito difícil e perigosa pela maior parte da
humanidade (e por todo o belo sexo) deve-se a que os guardiões de bom grado se encarre-
gam da sua tutela. Inicialmente, os guardiões domesticam o seu gado e certificam-se de que
essas criaturas plácidas não ousarão dar um único passo sem seus cabrestos: em seguida, os
guardiões lhes mostram o perigo que as ameaça caso elas tentem marchar sozinhas. Na ver-
dade, esse perigo não é tão grande. Após algumas quedas, as pessoas aprendem a andar so-
zinhas. Mas cair uma vez as intimida e comumente as amedronta para as tentativas ulteriores.
É muito difícil para um indivíduo isolado libertar-se da sua menoridade quando ela tor-
nou-se quase a sua natureza [...]. Mas que o público se esclareça a si mesmo é perfeitamen-
te possível; se lhe for assegurada a liberdade, é quase certo que isso ocorra... Sempre haverá
alguns pensadores independentes, mesmo entre os guardiões das grandes massas, que, de-
pois de terem-se libertado da menoridade, disseminarão o espírito de reconhecimento ra-
cional tanto de sua própria dignidade quanto da vocação de todo homem para pensar por
si mesmo. Mas note-se que o público, que de início foi reduzido à tutela por seus guardiões,
obriga-os a permanecer sob jugo, quando é estimulado a se rebelar por guardiões que, eles
próprios, são incapazes de qualquer ilustração. Isso mostra quão nocivo é semear preconcei-
tos; mais tarde, voltam-se contra seus autores ou predecessores. Sendo assim, apenas lenta-
mente o público pode alcançar a ilustração. Talvez a destruição de um despotismo pessoal ou
da opressão gananciosa ou tirânica possa ser realizada pela revolução, mas nunca uma verda-
deira reforma nas maneiras de pensar. Enquanto essa reforma não ocorrer, novos preconceitos
servirão, tão bem quanto os antigos, para atrelar as grandes massas não pensantes.
Entretanto, nada além da liberdade é necessário à ilustração: na verdade, o que se requer
é a mais inofensiva de todas as coisas às quais esse termo pode ser aplicado, ou seja, a liberda-
de de fazer uso público da própria razão a respeito de tudo [...].
A pedra de toque para o estabelecimento do que devem ser as leis de um povo está em
saber se o próprio povo poderia ter-se imposto as leis em questão [...].
O que o povo não pode decretar para si próprio muito menos pode ser decretado por
um monarca, pois a autoridade legislativa deste último baseia-se em que ele una a vontade
pública geral na sua própria. A ele incumbe zelar para que todas as melhorias, verdadeiras ou
presumidas, sejam compatíveis com a ordem civil; fazendo isso, ele pode deixar aos súditos
que busquem eles próprios o que lhes parece necessário à salvação de suas almas.
(I. Kant, “O que é a ilustração”. In Régis C. Andrade. Kant, a liberdade. O indivíduo e a repú-
blica. in F. Weffort (org). Os clássicos da política, v. 2, p. 83-85.)

Fonte: Disponível em: http://epigrafeshistoricas.blogspot.com.br/2013/01/immanuel-kant-o-que-e-ilustracao.html


Acesso em: 25 jun. 2014.

30
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

E por fim, a revolução que será o meio pelo qual um novo mundo recomeçara e, por ela,-
modelará a imagem de homem do futuro. Em suma, humanidade, civilização, tolerância e revolu- Glossário
ção são as palavras de ordem da Ilustração e os critérios fundamentais das luzes e do progresso Aufklärung: Palavra
do homem. de origem alemã; e
em Kant o Aufklärung,
significa mais que
conhecer simples-

2.5 A concepção do homem na mente, acima de tudo,


significa a realização
de sua filosofia prática,

filosofia contemporânea
que busca a moraliza-
ção da ação humana
através de um processo
racional. Disponível
em: Fonte: http://www.
Convencionalmente entendeu-se que a filosofia contemporânea refere-se ao conjunto das pucrs.br/edipucrs/onli-
correntes filosóficas que se desenvolveram a partir do século XIX até nossos dias. Basicamente ne/autonomia/autono-
ela é norteada por dois pressupostos, um está ligado à razão teórica e outro, por sua vez à razão mia/2.1.1.html. Acesso
em: 23 jun. 2014.
histórica. Para tratarmos da compreensão do fenômeno humano, na filosofia contemporânea, à
luz dessa ressalva inicial, dedicaremos primeiramente à menção do idealismo alemão, no qual
a concepção de homem aparece forjada por várias correntes, dentre elas a Aufklärung e Kant, o
Romantismo, o Protestantismo, a teoria do direito natural e da filosofia política.

◄ Figura 22: Romantismo


e a sensibilidade
humana
Fonte: Romantismo.
Disponível em: http://
www.historianet.com.
br/conteudo/default.
aspx?codigo=404
Acesso em: 2 de mai. 2014.

Dica
Notadamente, cada uma destas perspectivas e, em suas articulações, assinalam contribui- Sobre tais questões de
ções relevantes para a compreensão do homem. Contudo, as mais consistentes pistas para a cunho antropológico,
no Romantismo, assista
compreensão da antropologia no idealismo alemão são os preceitos do Romantismo, sobretu-
ao vídeo: Minha amada
do ao conceber o homem como particular, considerando sua sensibilidade. O Romantismo foi imortal. Filme de 1994,
marcado pelo amor à natureza livre e autêntica, refletindo o estado de espírito do autor, como dirigido por Bernard
se pode observar e entrever alguns desses traços na Figura 22, a qual usamos para ilustrar esse Rose. Disponível em:
ponto. <www.filmesepicos.
com/2011/08/minha
Contudo, esse tipo de individualismo concebido na antropologia romântica é consideravel-
-amada-imortal-1994.
mente distinto do individualismo cartesiano. Dos representantes ou influenciados por esse pe- html#.U9pMPqPSSzs>
ríodo, podemos citar Rousseau (1712-1778), Herder (1744-1803), Goethe (1749-1832), Schiller Acesso em: 23 jun.
(1759-1805), Ficthe (1762-1814), Schelling (1775-1844). Entre estes, delinearemos brevemente as 2014.
ideias de Rousseau (1712-1778), que entrevê uma antropologia filosófica baseada em sua pró-
pria experiência humana, sobretudo sua postura de confronto ao racionalismo vigente. O ho-
mem rousseuaneano é entendido entre a condição natural e a sociedade, donde na condição
natural o homem é visto com um ser bom, contudo, em seu contato com a sociedade, ele acaba
se corrompendo.
Quanto à concepção hegeliana do homem, podemos notar que ela está de tal forma ligada
ao seu sistema, que a significação geral pode ser expressa por sua relação com os diversos níveis
da realidade, quais sejam: na relação do homem com o mundo natural; na relação do homem
com a cultura; na relação do homem com a história e na relação do homem com o absoluto.
Podemos traçar uma concepção de homem nos pós-hegelianos, ou seja, com a morte de

31
UAB/Unimontes - 3º Período

Hegel (1770-1831), percebeu-se que seus seguidores dividiram-se em dois grupos: um grupo
Dica manteve-se fiel aos ensinamentos e sistema de Hegel; o outro grupo buscou na filosofia hege-
Para saber mais sobre a liana inspiração para desenvolver uma filosofia que pudesse operar uma crítica social e política.
racionalidade moderna, Os dois maiores representantes dessa tendência são Feuerbach (1804-1872) e Karl Marx
acesse o site: <www.
historianet.com.br/
(1818-1883). O primeiro propõe uma concepção materialista do homem, definindo-o como ser
conteudo/default/tem- sensível e o segundo, Marx, entende que o homem se define, entre outras coisas, pelo tipo de
posmodernos> relação que estabelece com a natureza .
O tipo de produção da vida irá marcar a humanidade do homem, ou seja, os predicados de
sua consciência, de sua intencionalidade, a questão da linguagem, da fabricação e uso de instru-
Dica mentos, a questão do trabalho, entre outros. Assim, Marx compreende o homem como fruto de
suas realizações e contextualizado social e historicamente.
Para saber mais sobre
esse período moder- Pudemos perceber, até aqui, que muito se produziu sobre o homem ao longo do pensa-
no e a questão da mento ocidental, inclusive, no século XIX e no início do século XX, no âmbito do saber científico,
instrumentalização no podemos recordar dos empreendimentos de Lamarck (1744-1829) e Darwin (1809-1882) sobre
mundo do trabalho, a questão de evolucionismo ou até mesmo de Comte (1798-1857), sobre seus estudos em torno
assista ao vídeo “Tem- do Positivismo. Notáveis também foram as contribuições de Spencer (1820-1903), de Durkheim
pos Modernos” (1936).
Direção: Charles Cha- (1858-1917) e de Wundt (1832-1920).
plin. Trata-se do último Contudo, gostaríamos de enfatizar que o estudo sistemático do homem se deu na primeira
filme mudo de Chaplin, metade do século XX sob a influência de Max Scheler (1874-1928), mas antes mesmo, o mérito é
que focaliza a vida dado aos seus precursores Kierkegaard (1813-1855) e Nietzsche (1844-1900). A influência deste
urbana nos Estados último repercute também em Rotacker (1888-1965), Gehlen (1904-1976) e Plessner (1892).
Unidos, nos anos 30,
imediatamente após a Notamos que cada pensador citado ofereceu a sua própria imagem do homem, como tam-
crise de 1929, quando a bém se pode dizer que os modelos de antropologia filosófica contemporânea se desdobraram
depressão atingiu toda em várias perspectivas, como por exemplo, em antropologia existencial, cujos alguns repre-
sociedade norte-ame- sentantes são Jaspers (1883-1969), Sartre (1905-1979); a perspectiva personalista com Maritain
ricana, levando grande (1882-1973), Mounier (1905-1950), Guardini (1885-1968) e Müller (1906); na perspectiva materia-
parte da população
ao desemprego e à lista podemos citar Ernest Bloch (1885-1977).
fome. Disponível em:
<www.filmesepicos.

Referências
com/2011/03/tempos-
modernos-1936.html#.
U9pJ1qPSSzs>Acesso
em: 20 jun. 2014.

BERGER, Peter L. e LUCKMANN, Thomas. Modernidade, pluralismo e crise de sentido: a orien-


tação do homem moderno. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

CASSIRER, Ernst. Ensaio sobre o homem: uma introdução à filosofia da cultura humana. São
Paulo: Martins Fontes, 2005.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Baueri, SP:
Manole, 2005.

VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Antropologia Filosófica I. São Paulo: Loyola, 2001.

32
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

UNIDADE 3
As estruturas fundamentais do ser
humano

3.1 Introdução
Nesta Unidade III, vamos enveredar pelo fenômeno humano, buscando descrever as estru- Dica
turas fundamentais do ser humano, ou seja, delinearemos algumas das categorias que auxiliam Compreenda melhor
na compreensão do homem. Dentre elas realçaremos a categoria do corpo, a categoria da afeti- essa questão da atribui-
vidade, a categoria do psiquismo, a categoria do espírito. Isso não quer dizer que o homem se ção de significado pelo
encerra em uma ou noutra destas, mas é notável que a autorrealização do homem é construída homem a sua experiên-
durante toda a vida por meio de um movimento dinâmico contínuo, em que busca sua plena cia em: COMTE-SPON-
VILLE, Andre. Pequeno
realização e totalidade. tratado das grandes
Por meio da relação com a realidade, de seu empenho e domínio sobre o real, o homem cer- virtudes. São Paulo:
tamente busca alcançar objetivos preestabelecidos e, sobretudo atingir o que estamos chaman- Martins Fontes, 2000.
do de autorrealização ou, até mesmo, alcançar aquilo que estudaremos a seguir por autotrans- Nessa obra, o autor
cendência. Neste percurso de descoberta de finalidades, o homem também atribui significados salienta, dentre outras
coisas, que as virtudes
para as coisas e para sua experiência cotidiana. estão ligadas aos nos-
Embora constatamos na atualidade atrocidades provocadas e cometidas pelo homem, é sos valores morais e,
próprio das manifestações humanas a capacidade de agir com autonomia e, sobretudo com res- sobretudo encarnam-se
ponsabilidade. Desse modo, o homem pode posicionar-se diante das circunstâncias concretas da em atos, ao longo da
vida com autodeterminação. Ademais, notam-se no homem alguns traços que o identificam e, convivência humana.
ao mesmo tempo, o impulsionam ao longo de sua existência além de sua atuação livre e res-
ponsável, isto é, ao longo de sua lida existencial, o homem busca sua realização plena por meio
da felicidade, que por vezes a encontra
fazendo o bem e acolhendo o outro, tal
como podemos imaginar observando
a Figura 23.
Nota-se aqui que tanto o desejo de
felicidade, ou seja, o desejo de uma sa- ◄ Figura 23: Plena
tisfação prazerosa perdurar em seu ser, realização humana
quanto às questões da afetividade, pró- Fonte: Google.com.br/
prias da natureza humana, estão por ve- Felicidade humana. Dis-
ponível em: http://www.
zes vinculadas à autenticidade da vida ocampones.com/?p=9365
humana. Daí, ao longo do estudo des- Fonte: Acesso em: 21 de
sas categorias, convidamos a relacionar mai. 2014.
e integrar cada uma dessas dimensões,
corpo, afeto, psiquismo e estrutura es-
piritual para entendermos melhor o ho-
mem em sua busca da realização total e
em sua plenitude do viver.

3.2 A categoria do corpo


Uma pergunta inicial certamente poderá nos orientar nessa abordagem filosófica sobre o
corpo: O homem é um corpo ou ele tem um corpo? O estudo do homem sempre requisitou

33
UAB/Unimontes - 3º Período

uma atenção ao seu corpo, pelo fato de o homem fazer-se presente no mundo sob influência
de sua dimensão biológica e fisiológica. A dimensão corpórea do homem foi tema aventado ao
longo da história do conhecimento, ora pela filosofia, ora pela ciência, e inclusive pela religião.
Observe a Figura 24 e pense sobre essa pergunta inicial.
Se, de fato, pelo corpo físico-biológico, o
homem marca seu espaço no mundo e se tor-
na um ser mundano, no entanto é somente
pela vivência intencional que o homem
constitui o seu ser-no-mundo. Segundo Mon-
Figura 24: O corpo ►
humano din: “Uma das principais funções da somatici-
Fonte: Saude.hsw.uol. Dis- dade é a de “mundanizar” o homem, isto é, de
ponível em: http://saude. o fazer um ser-no-mundo.” (MONDIN, 2005,
hsw.uol.com.br/16-fatos- p.33). É inegável que essa referência ao corpo,
-curiosos-sobre-o-corpo-
-humano.htm. Acesso em: na qual enaltece a intenção do homem sobre
22 de mai. 2014. o mundo, é que se torna a contribuição mais
fundamental para a Antropologia Filosófica e
sobre a qual iremos nos debruçar.
Observa-se que a história do problema
do corpo é marcada pela oposição corpo-al-
ma, cujas quatro grandes versões são salien-
tadas por Vaz (2001, p.179-180), a saber: 1)
a visão religiosa, notadamente pelo dualismo órfico-pitagórico que antecedeu os dualismos
gnóstico e o maniqueísta; 2) a versão filosófica, representada pelo dualismo platônico e pelo
dualismo cartesiano; 3) a versão bíblico-cristã, que, nas palavras de Vaz (2001), desontologizou
a oposição alma-corpo transpondo numa perspectiva moral e soteriológica; e 4) a versão cientí-
fica moderna, em que o dualismo é explicado segundo esquemas reducionistas.
Basicamente, poderíamos sintetizar a abordagem sobre a corporalidade humana em dois
modos: o primeiro trataria de uma investigação do corpo através de uma visão científica e, certa-
mente puramente biológica. Não há dúvida de que a ciência é capaz de fornecer inúmeras expli-
cações para o corpo, contudo esse conhecimento objetivo restringe-se a conceitos e leis de um
universo epistemológico.
O segundo modo é filosófico, que, certamente será o mais adequado, pois se refere ao es-
tudo de cunho fenomenológico do corpo e, desse modo, trata-se de uma dimensão bem mais
expressiva do ser do homem. Assim, é possível constatar que desde Platão até Merleau-Ponty,
os temas que se reportavam ao corpo tornaram recorrentes, embora o corpo não tivesse sido o
cerne de suas reflexões, nem tampouco abordado em sua própria condição, ou como esclarece
Vaz (2001), como corpo próprio. Segundo o autor, essa categoria da corporalidade, ou seja, do
corpo próprio, além de constituir um problema fundamental para a Antropologia Filosófica, é o
seu ponto de partida.
A existência do homem decorre do corpo à medida que, para sentir e falar, ele depende da
materialidade corporal, ao passo que sua finitude é assinalada pelo encerramento dessa corpo-
ralidade, isto é, pela morte de seu corpo. Ao longo de sua existência, a corporalidade do homem
é descrita pela intencionalidade subjetiva do corpo. A corporalidade é o espaço fundamental do
humano, por abrigar, não no sentido fisiológico, mas no sentido antropológico, as dimensões
essencialmente humanas, tal como já abordamos. A Filosofia, em sua vertente antropológica,
empenha-se em oferecer uma compreensão mais ampla do corpo, mostrando que ele é o lugar
originário de significações e expressões do Eu, bem como sinalizando que o corpo é responsável
pela relação estabelecida entre essas expressões subjetivas com o Outro, ou seja, o corpo propor-
ciona intersubjetividade.

3.3 A categoria da afetividade


Trataremos da categoria da afetividade prosseguindo a questão levantada no tópico an-
terior acercada da intersubjetividade resultar inicialmente pela corporalidade. E quanto a isso,
podemos afirmar que a espécie humana sempre teve como condição fundamental de sobrevi-
vência a presença de outra pessoa, podendo desfrutar dessa convivência dos benefícios da ex-

34
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

periência afetiva e cuidadosa. O homem tão rapidamente se reconhece como criatura e sozinho
dificilmente dará conta de sua própria sobrevivência e evolução. Sua existência está imbricada
num outro ser, proporcionando-lhe encaminhamentos diversos para sua vida.
Para além da corporalidade ou da própria limitação espaço-temporal na qual estamos in-
seridos, a compreensão do que é o homem em sua singularidade está diretamente vinculada à
ideia de substância e de pessoa. Não adentraremos nas particularidades filosóficas de cada uma,
mas gostaríamos de recordar que ambas perpassam toda tradição do pensamento ocidental, re-
cebendo contribuições analíticas da Psicologia, do Direito, de educadores, de teólogos, de políti-
cos, de filósofos e da própria Antropologia.
Em linhas gerais, podemos entender a substancialidade humana quando nos referimos ao
mesmo ser para atribuirmos características das mais diversas. Mondin recorda que “É claro que
as manifestações da vida, da somaticidade, do pensamento, do querer etc. são sistematicamen-
te atribuídas a sujeito único, porque são todas produzidas, causadas por fonte única.” (MONDIN,
2005, p.277). Já o conceito de pessoa está ligado ao valor que cada indivíduo tem por si mesmo.
Assim, tal noção expressa inúmeras possibilidades de percepção e lida com a realidade ao longo
das inter-relações.
Além disso, o homem possui uma inclinação afetiva, como podemos observar na Figura 25.
A questão da afetividade provavelmente está ligada ao seu histórico de dependências e necessi-
dade de cuidados, mostrando-se propício ao afeto, à ternura, ao amor.

◄ Figura 25: A vida afetiva


Fonte: Religião e afeto.
Disponível em: http://
freiniloagostini.blogs-
pot.com.br/2010/06/
sexualidade-e-realizacao-
-humana.html. Acesso em:
23 de mai. 2014.

O tema do afeto foi cuidadosamente trabalhado por Spinoza, em sua obra Ética. Nela, o fi-
lósofo faz uma importante análise sobre a afetividade humana e sua repercussão na conduta do
homem. A partir dessa compreensão sobre a afetividade, podemos entender como o nosso corpo
e também nossa mente procedem ou respondem, dando origem as nossas ações. O nosso corpo,
desse modo, é influenciado pela questão da afetividade, fazendo com que diminua ou aumente a
capacidade de agir no homem, bem como produzindo sentimentos de alegrias ou tristezas.
A questão do afeto, com suas dimensões variáveis no homem, pode até mesmo deixá-lo
irracional a ponto do ser humano se alegrar ao ver aquilo que odeia sendo destruído ou odiar
vendo aquilo que ama, simpatiza, que tem certo apreço sendo aniquilado. Provavelmente isso
explica o sentimento de inveja, de egoísmo, de traição, de raiva, de gozo e outros tantos que de-
correm dessa experiência afetiva no curso das relações.
Do ponto de vista da Antropologia Filosófica, podemos concluir, com essa dimensão do afe-
to, que mesmo o homem sendo racional pode também desfrutar de um universo de sentimentos
que brotam da questão afetiva.

3.4 A categoria do psiquismo


Essa categoria pode ser entendida, de acordo com Vaz (2001), como uma posição mediadora
entre a estrutura corporal e a espiritual. É na esfera do psiquismo que o homem começa a delinear

35
UAB/Unimontes - 3º Período

sua interioridade e consciência, uma vez que pode operar aquela passagem que tratamos, no tópi-
co anterior, de o homem, além de estar-no-mundo, poder também ser-no-mundo, cuja intenciona-
lidade vai constituir sua interiorização no mundo e a constituição de seu mundo subjetivo.
Contudo, na esfera do psíquico não denota um estar no mundo de modo imediato, nem
tampouco se reduz a processos orgânicos de ordem biológica. A Figura 26 pretende nos repor-
tar a essa questão do psiquismo.
Para além de toda somaticidade, o psi-
quismo, ao expressar a interioridade humana,
assenta-se principalmente nos aspectos do
imaginário e do afetivo. Rieff, ao tratar do inte-
resse de Freud pelo sintoma psíquico e sobre
Figura 26: O psiquismo ► as questões de nossa vida emocional, lembra
Fonte: Infoescola. Dis- que “Por um lado, nossa vida sintomática é ca-
ponível em: http://www. racterizada pela sublimação de sentimentos;
infoescola.com/psicolo-
gia/parapsicologia/ por outro lado, nas mais agressivas produções
Acesso em: 23 de mai. da imaginação e na negligencia moral dos
2014. sonhos [...].” (RIEFF, 1979, p.346-347). Assim, o
neurótico, no sentido freudiano, é aquele su-
jeito mal sucedido na vida emocional, revelan-
do mais fraqueza do que força no âmbito das
restrições culturais.
Dica No tocante ao dualismo corpo-alma ressaltado anteriormente, a abordagem freudiana so-
O sistema nervoso so- bre o psiquismo notifica que o homem sofre não mais pela supremacia do espírito sobre o corpo,
mático é composto por mas é o próprio dualismo que provoca a infelicidade da condição humana. O homem psicológico
neurônios sensoriais não almeja grandeza, mas o domínio de sua própria personalidade e lida de forma cuidadosa
e motores que estão com sua vida interior. Desse modo, é o psíquico que vai organizar a vida psíquica do homem,
submetidos ao con-
trole consciente para sobretudo em termos de percepção, representação, pulsões e emoções.
gerar ações motoras Portanto, o psiquismo é considerado pela Antropologia Filosófica uma categoria ontológica
voluntárias, resultantes do ser do homem e, segundo Vaz (2001), ele se apresenta como um primeiro momento do ho-
da contração de um mem diante de si mesmo, donde se torna possível a afirmação de seu próprio ser pelo próprio
músculo esquelético. homem. Disso decorre que seus valores e posicionamentos podem ser definidos e orientados a
Sua principal função é
inervar a musculatura partir de critérios conscientes.
esquelética, responsá- Todavia, a morte seria então a dissolução da estrutura que liga a corporalidade ao espírito,
vel pelas ações voluntá- alterando radicalmente a sua condição de ser-no-mundo para a condição de ser-para-a-mor-
rias, como a movimen- te. Morte e imortalidade são temas polêmicos e recorrentes em várias esferas do conhecimento.
tação de um braço ou Mondin (2005) reforça sobre isso que a dificuldade de falar sobre a morte assenta-se no proble-
perna. Disponível em:
<http://pt.wikipedia. ma da vida que, em si mesmo, já é um problema árduo, sobretudo porque falar da morte implica
org/wiki/Sistema_ner- em investigar algo sem necessariamente termos experimentado. Certamente é essa razão para
voso_som%C3%A1ti- tantas respostas controversas e contraditórias. Ainda assim, tanto a fé cristã quanto a filosofia
co> Acesso em: 28 jun. oferecem alternativas transcendentais para esse engodo vivido pelo homem, quando ambas tra-
2014. tam da imortalidade da alma.

3.5 A categoria do espírito


Dica
Sobre Freud e o
desenvolvimento de
suas primeiras teorias
psicanalíticas, relacio- De acordo com Vaz (2001), é a categoria do espírito que marca a condição transcendental do
nando suas descober- homem. Certamente o autor está se referindo a uma noção de transcendência, isto é, de auto-
tas acerca do funciona-
mento do inconsciente transcendência em que o homem se coloca em relação a si mesmo, haja vista o homem também
humano às suas transcende as condições impostas pela materialidade da vida cotidiana, transformando em condi-
experiências pessoais, ção consciente de sociabilidade. Esse mesmo autor ressalta que essa noção de espírito não é uma
assista ao vídeo: Freud, noção estritamente antropológica e, por vezes, tem uma ligação com a metafísica, podendo ser
além da alma. Filme de apropriada por outras áreas do conhecimento que trate do espírito, como é o caso da Religião.
1962, dirigido por John
Huston. Disponível em: Segundo Viktor Frankl, no nível espiritual apresenta-se uma característica distintiva do ho-
<http://www.filmesepi- mem, ou seja, podemos perceber que uma característica própria da condição humana é a busca
cos.com/2011/07/freu- de sentido. Para esse autor: “O homem é um ser que, propriamente e em última instância, se en-
d-alem-da-alma-1962. contra à procura de sentido.” (FRANKL,1989, p. 11). Portanto, para compreendermos o fenômeno
html#.U9pR6qPSSzs> humano é importante definir o homem como desejo de sentido, pois, além de buscar a satisfa-
Acesso em: 5 mar. 2014.

36
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

ção de suas necessidades, ele almeja encontrar e realizar um sentido. Todavia, o espírito não está
ligado à contingência humana, tal como está a dimensão somática ou até mesmo a dimensão
psíquica. A Figura 27 pretende simplesmente ilustrar isso. E como não adentraremos em dou-
trinas ligadas a essa questão, gostaríamos de apresentar apenas um texto complementar (Box 5)
que envolve essa temática.
Box 5
Da diferença entre Espiritismo e Espiritualismo

É muito comum afirmar-se que ser espi-


ritualista é a mesma coisa que ser espírita
ou espiritista. Aqueles que assim pensam
dão prova de que desconhecem os funda-
mentos da Doutrina Espírita. Há outros que,
ao serem interrogados sobre a religião a que
pertencem, embora sejam espíritas militan-
tes, vacilam e dão esta resposta: Sou espiri- ◄ Figura 27: O espírito
tualista. Fonte: Actuacionteatral.
De duas uma: ou respondem assim por- Disponível em: http://ac-
tuacionteatral.obolog.es/
que desconhecem a diferença que há entre a antropologia-filosofica-di-
Doutrina Espírita e as doutrinas espiritualis- sertaciones-01-2326527.
tas, ou porque temem confessar a qualidade Acesso em: 24 de mai.
2014.
de espírita convicto. Acham que, afirmando
serem espiritualistas, eximem-se de quais-
quer responsabilidades, no tocante à reli-
gião, diante da sociedade a que pertencem.
É a isto que se chama “covardia moral”.
É preciso que se saiba que “todo espírita
é necessariamente espiritualista, mas nem
todos os espiritualistas são espíritas”.
Embora seja a Doutrina Espírita uma doutrina espiritualista, por excelência, é necessário
fazer-se distinção das demais correntes espiritualistas.
Para exemplo, tomemos a Umbanda, seita muito divulgada no Brasil.
Será a Umbanda doutrina espiritualista?
Sim, é doutrina espiritualista, porquanto estabelece a comunicação entre os vivos e os
chamados mortos, admitindo, consequentemente, a sobrevivência do Espírito após a morte
do corpo físico; admite sua evolução através das vidas sucessivas e crê no resgate, pela dor,
das faltas cometidas em existências anteriores.
Por essas características, não há dúvida alguma tratar-se a Umbanda de uma doutrina es-
sencialmente espiritualista. Mas, por outro lado, será ela Doutrina Espírita ou Espiritismo?
Não. A Umbanda não pode ser considerada Doutrina Espírita porque admite cerimônias
litúrgicas, entre elas a do casamento e a do batizado; é litólatra, porque adota nos seus tra-
balhos imagens dos chamados “santos” (a palavra litólatra vem de litolatria, que é a adoração
das pedras), e é também fitólatra, porque faz uso de ervas para defumações, além de outros
ritos (a palavra fitólatra vem do grego phyton “planta”; o segundo elemento, latra, provém do
verbo grego latrein”adorar”). Mas o Espiritismo não tem ritos de espécie alguma.
Como se vê, por estas observações ficou demonstrada a diferença existente entre a Dou-
trina Espírita e uma das doutrinas espiritualistas, que é a Umbanda, doutrina esta que tem,
face aos seus dogmas e ritos, bastante afinidade com o Catolicismo, também considerado
espiritualista, porque admite a existência de Deus e de entidades espirituais que sobrevivem
após a desencarnação.

Fonte: Da diferença entre Espiritismo e Espiritualismo. Disponível em: http://www.espirito.org.br/portal/publicacoes/


abc/cap01.html Acesso em: 10 mar. 2014.

Para uma melhor caracterização dessa estrutural espiritual do homem, Vaz (2001) propõe
uma classificação elementar para elaborar uma abordagem antropológica do espírito. Assim sen-
do, temos: 1) O tema do espírito como pneûma: cujo termo aparece consagrado na linguagem
filosófica e na teológica sob a ideia de sopro ou respiração; 2) O tema do espírito como noûs:
nesse caso, o espírito é considerado uma atividade de contemplação (theoría), que a tradição
latina traduziu como intellectus; 3) O tema do espírito como logos: que se refere a uma razão

37
UAB/Unimontes - 3º Período

universal, donde uma palavra inteligível denota a pura manifestação do espírito; 4) e O tema do
espírito como synesis:que exprime a ideia de consciência de si,conferindo ao espírito a capaci-
dade de autodeterminação.
Convencidos de que a manifestação do ser do homem é uma atribuição originariamente do
espírito e que a questão da autotranscendência é a condição elementar para compreender o fe-
nômeno humano, pensadores de várias áreas do conhecimento, sobretudo filósofos e teólogos,
empenharam-se em esboçar suas ideias. De acordo com Mondin (2005), entre os pensadores de
nosso tempo que trataram dessa temática da transcendência, destacam-se os existencialistas, os
marxistas e os pensadores católicos. Vamos tratar brevemente de alguns deles, segundo orien-
tação de Mondin (2005, p.257-263), todavia, não esboçaremos as orientações do autor sobre os
pensadores católicos para não restringirmos na compreensão do estamos propondo nesta uni-
dade III, como também por entendermos que essa temática referente à transcendência e à au-
totranscendência abarca significativamente todas as manifestações religiosas. Vejamos a seguir
esses dois grupos.
Entre os existencialistas (Box 6), podemos observar que Sartre, ao tratar da autotranscen-
dência, tem como objetivo dar à consciência (pour-soi) os dons da estabilidade, objetividade e con-
cretude próprias das coisas (en-soi); para Heidegger, embora o próprio filósofo não se intitule um
existencialista, ainda assim é importante salientar que na filosofia heideggeriana essa dimensão
da transcendência é constituinte do ser do homem existente (ex-sistens) e a partir disso o homem
pode ultrapassar sua condição mundana, por assim dizer; já em Jaspers, a autotranscendência é
percebida pelo homem em situações-limite (Grenz-Situationen); e, para Marcel, do mesmo modo
que Jaspers, o homem toma essa consciência em situações-limite e daí em diante ele se descobre e
descobre que sua estrutura espiritual pode superar as condições que lhes são impostas.
Box 6
OS EXISTENCIALISTAS

Os existencialistas acreditam que não há ordem no universo e não há objetivos certos


ou errados. Os indivíduos são livres para criar sua própria vida de acordo com as escolhas que
fizerem, e devem ser responsáveis por suas ações.

SØREN KIERKEGAARD (1813—1855) é visto por muitos como o pai do existencialismo,


por seu ataque à opinião de Hegel de que os indivíduos são menos importantes que seu con-
texto histórico. Este filósofo dinamarquês rejeitou o sistema hegeliano de um processo aberto
que deixou às pessoas pouco ou nenhum livre arbítrio. Ele acreditava que as pessoas são li-
vres para escolher sua experiência, e que é moralmente errado esquivar-se dessa responsabi-
lidade. Ele incitou as pessoas a serem honestas consigo mesmas ao fazerem escolhas de vida,
que ele via como extensões da fé.
JEAN-PAUL SARTRE (1905-1980) estudou fenomenologia com Husserl e também foi
influenciado pelas ideias de Heidegger. Sartre levou a fenomenologia ao existencialismo.
Heidegger mencionara pessoas “inautênticas”, referindo-se àqueles que se recusam a acei-
tar a responsabilidade pela própria existência. Heidegger achava que encarar a certeza
fatal, ou inquestionável, da morte obriga as pessoas a valorizar sua existência e a fazer
algo para sua vida.
Para Sartre, os verdadeiros existencialistas são pessoas “autênticas”, que encaram a rea-
lidade de frente e assumem o controle de sua vida. A habilidade de escolher e agir é a base
da liberdade humana. Sartre rejeitou a ideia de uma autoridade externa, como Deus ou razão
cósmica, para guiar as pessoas. Ele via isso como uma ilusão criada para confortar mentes de-
sesperadas. Aceitar a responsabilidade pelas próprias escolhas pode trazer muita ansiedade
ao momento de decisão. Para Sartre esse era o preço da liberdade.
Sartre explorou suas ideias em “O ser e o nada”, seu livro mais famoso. O título reflete dois
modos de existência que ele identificou no mundo. Uma coisa que existe apenas por “estar” lá,
como uma pedra, existe “em si”. Em oposição, a consciência é “nada”. Ela existe “por si” e é ca-
paz de se envolver com o mundo. As pessoas, em sua maioria, vivem como se fossem pedras
na praia, incapazes de mudar a si ou ao mundo ao seu redor. Os existencialistas desafiam os
limites dessa situação vivendo “por eles mesmos”.

Fonte: Os Existencialistas.Disponível em: http://epigrafeshistoricas.blogspot.com.br/2013/01/immanuel-kant-o-que-


e-ilustracao.html Acesso em: 25 jun. 2014.

38
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Entre os marxistas, o filósofo Marcuse trata da autotranscendência ressaltando os condi-


cionamentos da ação, da ciência e da técnica, afirmando que a transcendência tem um caráter
histórico e temporal; e não um caráter metafísico e sobrenatural. Bloch trata da questão da au-
totranscendência enfatizando que a sua condição é utópica, portanto marcada por esperanças
e por possibilidades ao ser do homem, no mundo. Para Popper, a autotranscendência é funda-
mental para a existência humana e a condição para a evolução do homem, pois a partir dela é
que se dá vazão e que se propaga o nosso talento e qualidades.
Faremos agora uma síntese ressaltando a relação dessa questão da autotranscendência
com a questão da espiritualidade para melhor compreender o fenômeno humano. Assim, ressal-
tamos pelo menos dois pontos relevantes.

◄ Figura 28:
Espiritualidade e
transcendência
Fonte: Franciscanos.org.
br. Disponível em: http://
www.franciscanos.org.
br/?p=47748. Acesso em:
26 de mai. 2014.

Atividade
O primeiro é que a transcendência pode significar para o homem uma possibilidade de su- Em torno das catego-
perar ou transpor alguma limitação que lhe é imposta. Dessa forma, podemos falar que, se por rias fundamentais do
ser humano, que real-
um lado, a autotranscendência pode acontecer de maneira apenas metafísica, por outro lado, ela
çamos ao longo desta
também pode indicar um tipo de superação histórica. De uma forma ou de outra, observamos unidade, a categoria do
que a autotranscendência proporciona ao homem uma condição espiritual mais elevada ou pelo corpo, a categoria da
menos projeta o homem para essa instância. afetividade, a cate-
O segundo ponto faz-nos pensar sobre o quanto a espiritualidade humana resguarda-se goria do psiquismo, a
categoria do espírito e,
nessa questão da autotranscendência. Nesse sentido, é fácil reafirma o que já apontamos no iní-
de acordo com seu en-
cio desse tópico, isto é, que a autotranscendência é indispensável para compreender o homem tendimento e vivência,
já que a categoria do espírito é a forma mais original de manifestação do fenômeno humano. Ao selecione e organize,
dizer que o homem é espírito, o próprio Vaz salienta que essa afirmação significa uma “abertura dentre elas, uma ordem
transcendental do homem à universalidade do ser segundo o duplo movimento do acolhimento de importância e, em
seguida, apresente sua
e do dom, da razão e da liberdade.” (VAZ, 2001, p.222)
compreensão sobre
essa hierarquia aos
demais acadêmicos, no

Referências
Fórum de discussões.

MODIM, Batista. O homem: quem é ele? Elementos de Antropologia Filosófica. 6.ed. São Paulo:
Paulinas, 2005.

FRANKL, Viktor, E. Um Sentido para a vida. Aparecida: Ed. Santuário, 1989.

RIEFF, Philip. Freud: pensamento & humanismo. Belo Horizonte: Interlivros, 1979.

VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Antropologia Filosófica I. São Paulo: Loyola, 2001.

39
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

UNIDADE 4
Antropologia filosófica e religião

4.1 Introdução
Entre os estudiosos mais reconhecidos, há de se perceber uma clara distinção entre Filoso- Dica
fia, Religião e Ciência, conquanto se entenda que existe um fio condutor racional perpassando Para fomentar nos-
o processo de produção de conhecimento em cada uma dessas esferas. Não há dúvida de que sas reflexões sobre a
o objeto de cada qual ou viés metodológico para sua abordagem, por vezes, acentua essa dis- relação entre Filosofia
tinção. Sem entrar no mérito e pretensões de alguns ramos das ciências, podemos inferir que o e religiosidade, acesse
próprio processo do filosofar é notadamente diferente do discurso religioso. Embora o recurso o vídeo: Disponível em:
<https://www.youtube.
à intuição seja algo perceptível entre esses dois modos e outras características, também podem com/watch?v=BTEEV-
ressaltar semelhanças, contudo perpassam distinções estes dois setores do conhecimento. Z0ihWo>. Acesso em:
No âmbito da Antropologia Filosófica, que é a nossa proposta neste Caderno Didático, e até 25 jun. 2014.
mesmo no âmbito da Ciência da Religião, é inevitável que as perguntas sobre temas religiosos
surjam e, com isso, exige-se certa racionalidade para respondê-las e tratá-las. Desde já, é impor-
tante esclarecermos que uma atividade racional discursiva é diferente da atividade puramente
intuitiva. À medida que a primeira pretende abarcar o objeto por meios de constantes investi-
gações; a segunda, pela própria etimologia da palavra, é constituída por um ato do espírito que
pode acessar o objeto sem, no entanto, exigir provas ou demonstrações do mesmo nível que o
discurso do tipo lógico racional.
Mas, reconhecemos, de antemão, que não é fácil tratar de temas religiosos apenas pelo viés
da razão, por isso, seja na Filosofia, seja na Ciência da Religião, podem ser incorporados em seus
discursos tanto elementos intuitivos quanto elementos puramente racionais. O que não muda
substancialmente o rigor na investigação no qual cada uma se propõe para lidar com seus obje-
tos de estudo.
Assim, nesta Unidade IV, que é a última de nossos estudos, reservamos para empreender
uma análise do homem com vistas à dimensão religiosa. É claro que não faremos um tratado de
Teologia ou de Ciência da Religião, mas simplesmente expor alguns pontos, à luz da Antropo-
logia Filosófica, sobre o fenômeno da religiosidade e, em seguida, buscar compreender o ho-
mem em sua relação com a religião.
Já assinalamos que existe a possibilidade de diálogo entre Filosofia e Religião por meio do
pensamento intuitivo e, até mesmo, em se tratando do fato de que as religiões são racionalizadas
pelos seus adeptos e instituições, a própria razão é um elemento desse diálogo. Nesse sentido, os
empreendimentos de ambas não parecem estar tão distantes, pois se a Filosofia se empenha na
busca transcendental da origem do ser e de seu sentido, uma das questões da Religião, por sua
vez, relaciona-se à transcendência humana. A Antropologia Filosófica, desse modo, torna-se um
campo de estudo propício para tratar de paralelos entre a busca transcendental pelo fundamen-
to (originário da Filosofia) e esta em torno do homem, e a busca por respostas para a pergunta
sobre o fundamento da vida (como ocorre na Religião).
Por outro lado, a Antropologia Filosófica, ao abordar a questão da autotranscendência, ou
seja, dessa superação da imanência que projeta o homem para outra instância, reforça seu es-
paço de abordagem antropológica que trata da ligação do homem a outra dimensão chamada
Deus. Importante lembrar que essa ideia transcendental de retomada de sua essência divina,
pelo homem, está implícita na própria etimologia da palavra religião que deriva do latim religare.
Vaz (1997), no texto Filosofia e Transcendência, salienta que pensar o Absoluto transcen-
dente constitui um problema desde Platão e que perpassou toda a tradição filosófica. O autor
afirma sobre essa questão que “[...] a relação de transcendência (do homem ao Absoluto) é, evi-
dentemente, uma relação não recíproca por parte do mesmo Absoluto que não pode, por defi-
nição, ser pensado segundo uma relação real ad extra.” (VAZ, 2000, p.199). Sobre essa temática
surgirão várias perspectivas de respostas, tanto com posicionamentos a favor quanto com po-

41
UAB/Unimontes - 3º Período

sicionamentos contra, como por exemplo, os deístas dirão que, de fato, existe uma Inteligência
Superior que estabeleceu as leis cósmicas. Enquanto os teístas defenderão a existência de um
Deus Criador do Universo e de todos os seres vivos, por assim dizer. Priorizaremos, contudo, ao
longo de nossas considerações, a cultura judaico-cristã e o contexto da modernidade para as
nossas análises.
Segundo Cassirer (2005, p.156): “A religião traz em sim uma cosmologia e uma antropo-
logia; responde à questão da origem do mundo e da origem da sociedade humana, e deriva
desta origem os deveres e as obrigações do homem.” Assim sendo, concordamos com Cassi-
rer sobre o fato de que a religiosidade pode ser investigada, pois sua natureza é perpassada
por categorias fundamentais da linguagem e do comportamento, as quais se revelam para a
compreensão do homem tanto em seu contexto social, político e econômico, quando em sua
dimensão espiritual e religiosa.

4.2 O fenômeno da religiosidade


A compreensão do homem em sua plenitude seria incompleta se não tratássemos do fe-
nômeno da religiosidade. A religião ou a religiosidade não nasce de um instinto ou tampouco
da razão, mas sob o amparo de uma intuição a qual é desencadeada no interior da vida social.
Berger e Luckmann (2004) recordam que, embora na sociedade moderna as instituições religio-
sas não asseguram nem pretendem uma centralidade na transmissão de sentido e valores, nas
sociedades pré-modernas, a religião assumiu um lugar central. Os autores salientam que o ca-
ráter simbólico da religião se estendia sobre toda a sociedade, reunindo todas as interpretações
comuns da realidade de modo consciente e coerente para o estabelecimento de uma moral para
a sociedade.
Sintetizaremos, de forma breve, as diretrizes filosóficas que abarcam o fenômeno da religio-
sidade na história do pensamento, ou seja, trata-se, de forma resumida, de um esboço da reli-
giosidade mediada pela autotranscendência na perspectiva da Razão-Revelação. Quanto a isso,
podemos afirmar que o fator simbólico é um norteador da experiência cultural e espiritual desde
a antiguidade, basta recordarmos o papel dos mitos na constituição simbólica da cultura antiga e
na Grécia deste contexto.

Figura 29: ►
Religiosidade grega
Fonte: site antropologia.
Disponível em: http://
www.mundoeducacao.
com/historiageral/religio-
sidade-grega. Acesso em:
26 de mai. 2014.

Cassirer (2005), no texto Mito e Religião, enfatiza que os mitos consistem muito mais
em ações do que em imagens e representações e, assim sendo, o efeito do universo simbó-
lico da tradição mitológica sobre a religiosidade permite que os homens antigos expressem
seus sentimentos e emoções de maneira concreta. Sobre esse ponto, lembramos que a pró-
pria humanização dos deuses foi importante para que o pensamento religioso pudesse se
desenvolver.

42
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Outra demarcação da religiosidade é o período cristão. Nele, a Teologia se incumbiu de ela-


borar um discurso – no fato do Cristo – para traduzir a questão da transcendência, ou seja, da en-
carnação e ressurreição. Vaz (2000) enfatiza que nos tempos cristãos, notadamente até o fim da
Idade Média, o discurso religioso foi elaborado de forma teórica e significativa e com elementos
salvíficos. Embora os preceitos cristãos tenham sido mais acentuados, nesse período o Cristianis-
mo prosperou, mesmo com toda tensão, por toda cultura moderna ocidental.

◄ Figura 30: O espírito e


religião
Fonte: Sétimo dia.
Disponível em: http://
setimodia.wordpress.
com/2008/06/15/batismo-
-e-dons-do-espirito/.
Acesso em: 26 de mai.
2014.

Os tempos modernos ou como o denominaremos – a modernidade – é palco de um con-


fronto entre o sistema tradicional religioso e o sistema moderno filosófico. Nota-se a emergên-
cia de um novo discurso, agora racional, na tentativa de superação daquele ontológico-religioso.
Percebe-se o aparecimento de vertentes teológicas para tratar das questões relacionadas à trans-
cendência e, posteriormente, a chamada filosofia da religião.
Segundo Vaz (2000), a modernidade pós-cristã é iniciada no século XVII – do século XIX em
diante propõe uma identificação do fundamento antropológico e racional com divino (theion) ou
com Deus (theos). Para ele, “Ela assinala uma nova época na civilização ocidental do ponto de vis-
ta da reorganização do seu sistema simbólico [...]” (VAZ, 1997, p.235). Notamos que essa inversão,
no campo da religiosidade, é muito significativa e responsável pela orientação do espaço simbó-
lico do homem ocidental, cuja ideia de Deus situa-se mais no campo ideológico e conceitual do
que na experiência da estrutura espiritual.
Um exemplo disso foi o aparecimento das teologias e da filosofia da religião, como já
pontuamos, e também o aparecimento da Ciência da Religião para explicar a experiência religio-
sa cristã, no interior das relações concretas. Assim, Eduardo Gross alerta que, para a análise cien-
tífica ou para interpretação do significado dessa tradição, “[...] o domínio do universo simbólico,
mítico, ritual e conceitual de uma tradição religiosa é pressuposto para um diálogo frutífero com
outras tradições” (GROSS, 2008, p.335).

43
UAB/Unimontes - 3º Período

Outro fator preponderante na configuração da religiosidade e sua importância para a com-


preensão do homem é a estrutura socioeconômica das sociedades modernas. A mobilidade geo-
política e social se, por um lado, favorece o intercâmbio econômico e o desenvolvimento da es-
trutura capitalista, por outro lado, enfraquece a teia de relações genuinamente humanas.
Diante disso, a sociedade moderna se incumbiu de criar mecanismos e uma série de insti-
tuições capazes de produzir e comunicar sentidos de acordo com os interesses vigentes, sucum-
bindo os valores da tradição, das instituições sociais e, sobretudo o sentido religioso de auto-
transcendência. Berger e Luckmann (2004)reforçam que as instituições econômicas e políticas
impõem aos homens ações, tendo em vista a finalidade do sistema. Além disso, “as instituições
religiosas “oferecem” categorias (racionais de valor) para a conduta toda da vida”. (BERGER e
LUCKMANN, 2004, p.34)
Erich Fromm (1987) esclarece, em seu texto Religião, caráter e sociedade, que a modelagem
do caráter social desse tipo de sociedade faz com que seus membros desejam fazer aquilo que é
exigido pelos mecanismos funcionais, inclusive o caráter social há de satisfazer as experiências
religiosas inerentes aos seres humanos. O autor salienta que o desafio de ser cristão convive com
o disfarce barato de nossa atitude gananciosa, a ponto de transformar Cristo num simples ídolo.
Mesmo que atribuamos à religião esse espaço de manifestação do Transcendente e da pos-
sibilidade de autotranscendência humana, é inegável que a experiência religiosa é perpassada
pelas condições elementares da existência do homem. Desse modo, Figueira afirma que “A reli-
gião não só funda uma visão de mundo, mas ela, a religião, define mundos e lhes dá forma, ela
impregna e mobiliza o mundo.” (FIGUEIRA, 2007, p.11).
Nesse sentido, a religiosidade gera modelos para a realidade e pela sua linguagem as reli-
giões passam a descrever aquilo em que o mundo está fundamentado. Assim, quando o sistema
religioso não corresponder ao caráter social vigente, certamente entrará em conflito com a práti-
ca social que vigora, nessa sociedade, e não passará de um acervo ideológico descontextualiza-
do e sem significado para aquela comunidade de homens.

Dica 4.3 O homem e a religião


Sobre essa questão da
religiosidade assista
ao vídeo: O pagador
A forma de vida espiritual-religiosa assim como a cultural constituem um vasto e rico campo
de promessas. Filme de elementos para abordar o fenômeno humano, sobretudo em se tratando de seus aspectos
de 1962, dirigido simbólicos. Segundo Moura (2000,p. 80), “[...] a função simbólica corresponde às aspirações mais
por Anselmo Duar- profundas do homem, que, inquieto, tem uma vida cheia de anseios e nunca está satisfeito, está
te. Disponível em: sempre querendo ir além de seus limites [...].” O campo simbólico visa a aproximar objetos de
<www.filmesepicos.
com/2010/12/o-pa-
ideias por meio de inúmeras formas de interpretação, assim tais aspectos são capazes de dar sen-
gador-de-promes- tido para as relações do homem com o mundo.
sas-1962.html#. Possivelmente o fenômeno da fé, tal como a Figura 31 pretende ilustrar, pode ser entendi-
U9pVe6PSSzs> Acesso do a partir desse campo simbólico.
em: 28 mai. 2014.

Figura 31: A fé e a ►
religiosidade
Fonte: Filosofia.uol.
com.br. Disponível em:
http://filosofia.uol.com.
br/filosofia/ideologia-
-sabedoria/45/a-fe-da-
-duvida-a-crenca-e-uma-
-aceitacao-302547-1.asp.
Acesso em: 26 de mai.
2014.

44
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Sabendo que o homem, como é um animal symbolicum, que vive numa busca incansável, Atividade
o fenômeno religioso, por sua vez, possui um caráter antropológico na medida em que está
Faça uma pesquisa so-
associado ao modo de ser humano, reforçando sua condição de vida ética. Contudo, Cassirer bre o caráter simbólico
recorda que “Filósofos e antropólogos disseram muitas vezes que a fonte verdadeira e funda- das religiões, indicando
mental da religião é o sentimento de dependência do homem”. (CASSIRER, 2005, p.152). À luz uma religião e seus
dessa crítica à religião, apresentaremos alguns posicionamentos filosóficos mais recorrentes. aspectos simbólicos
Segundo Karl Marx, a religião funciona como “o ópio do povo” à medida que ela pode ser predominantes. Em
seguida, selecione um
utilizada como um instrumento de dominação e acomodação das pessoas, causando-lhes um dos elementos desse
efeito anestésico e, com isso, reduz significativamente sua condição de leitura crítica da rea- simbolismo e proponha
lidade, fazendo-o abandonar a luta por melhorias de sua condição de vida socioeconômica. aos demais acadêmi-
Feuerbach parece concordar com a posição de Marx, assim entendendo que a religião faz com cos, no Fórum, uma
que o homem distancie e renuncie o mundo concreto a favor de um mundo espiritual, daí a exposição e explicação
dos vários elementos
necessidade de que a filosofia venha ocupar o lugar da religião. De acordo com Nietzsche, a pesquisados.
religião assenta-se na negação da vida humana em prol de uma vida para além-mundo. Nesse
sentido, o homem – o super-homem – precisa romper com a religiosidade para alcançar sua
vida de plenitude.
Segundo Berger, a cultura, sendo o produto da atividade e da consciência humanas, faz
com que a religião ocupe um espaço e torne-se um meio necessário para a manutenção desse
mundo. Portanto, o autor esclarece que “toda sociedade humana é um empreendimento de
construção do mundo. A religião ocupa um lugar destacado nesse empreendimento.” (BER-
GER,1985, p.15).
Nesse sentido, cada uma dessas críticas tem seu mérito filosófico e sua razão de se cons-
tituir. Entretanto, já está claro que o universo religioso, além de enfatizar a transcendência hu-
mana na direção de um Ser Ontológico-divino, prioriza a experiência do Sagrado, por sua vez
condicionada pelo seu contexto histórico e cultural, revelando não apenas a multiplicidade de
concepções religiosas, mas também que as instituições mudam de acordo com as exigências
societárias.
Figueira alerta sobre o tema das críticas. A religião não se encerra na antropologia nem
tampouco se situa no entremeio das coisas sagradas e das profanas. Para essa autora, é im-
portante compreender sobre a experiência religiosa, afinal, ela é uma experiência humana e
também relacional, “portanto é vivência relacional do crente com o mundo, com o outro e com
o grupo humano e nessa relação o homem religioso elabora sua experiência do sagrado.” (FI-
GUEIRA, 2007, p.12).
Certamente, o grande desafio colocado para o homem na modernidade é refazer cons-
tantemente o itinerário de transcendência rumo ao Absoluto, pois como Barth frisa, “Em tudo
aparece a fuga do vazio, do anonimato e da vida sem sentido.” (BARTH, 2007, p.103). Portanto,
o fenômeno do niilismo (negação de valores) ou da secularização – da vida sem Deus e sem
religião – não precisa eliminar a crença em Deus e o papel da religião, mas simplesmente fazer
que cada qual ocupe o seu novo espaço dentro do novo horizonte de compreensão e de um
novo contexto social.
Box 7
Deus existe?

Rubem Alves
De vez em quando alguém me pergunta se eu acredito em Deus. E eu fico mudo, sem
dar resposta, porque qualquer resposta que desse seria mal entendida. O problema está
nesse verbo simples, cujo sentido todo mundo pensa entender: acreditar. Mesmo sem estar
vendo, eu acredito que existe uma montanha chamada Himalaia, e acredito na estrela Alfa
Centauro, e acredito que dentro do armário há uma réstia de cebolas... Se eu respondesse
à pergunta dizendo que acredito em Deus, eu o estaria colocando no mesmo rol em que
estão a montanha, a estrela, a cebola, uma coisa entre outras, não importando que seja a
maior de todas.
Era assim que Casemiro de Abreu acreditava em Deus, e todo mundo decorou e recitou o
seu poema teológico: “Eu me lembro... Era pequeno... O mar bramia, e erguendo o dorso altivo
sacudia a branca espuma para o céu sereno. E eu disse à minha mãe naquele instante: ‘Que
dura orquestra/ Que furor insano/ Que pode haver maior que o oceano ou mais forte que o
vento?‘ Minha mãe a sorrir olhou para os céus e respondeu: ‘Um Ser que nós não vemos/ É
maior que o mar que nós tememos, é mais forte que o tufão, meu filho: é Deus.‘“

45
UAB/Unimontes - 3º Período

Ritmos e rimas são perigosos porque, com frequência, nos levam a misturar razões ruins
com música ruim. Deixados de lado o ritmo e as rimas, o argumento do poeta se reduz a isso:
Deus é uma “coisona“ que sopra qual ventania enorme, e um marzão que dá muito mais medo
que esse mar que está aí. Ora, admito até que coisona tal possa existir. Mas não há argumento
que me faça amá-la. Pelo contrário, o que realmente desejo é vê-la bem longe de mim. Quem é
que gostaria de viver no meio da ventania navegando num mar terrível? Eu não... É preciso, de
uma vez por todas, compreender que acreditar em Deus não vale um tostão furado. Não, não
fiquem bravos comigo. Fiquem bravos com o apóstolo Tiago, que deixou escrito em sua epístola
sagrada: “Tu acreditas que há um Deus. Fazes muito bem. Os demônios também acreditam. E es-
tremecem ao ouvir o Seu nome...“ (Tiago 2,19). Em resumo, o apóstolo está dizendo que os demô-
nios estão melhor do que nós porque, além de acreditar, estremecem... Você estremece ao ouvir
o nome de Deus? Duvido. Se estremecesse, não o repetiria tanto, por medo de contrair malária...
Enquanto escrevo, estou ouvindo a sonata Appassionata, de Beethoven, a mesma que Le-
nin poderia ouvir o dia inteiro, sem se cansar, e o seu efeito era tal que ele tinha medo de ser
magicamente transformado em alegria e amor, sentimentos incompatíveis com as necessida-
des revolucionárias (o que explica as razões por que ativistas políticos geralmente não se dão
bem com música clássica). Se eu pudesse conversar com o meu cachorro e lhe perguntasse:
Você acredita na Appassionata? - ele me responderia: Pois é claro. Acha que eu sou surdo? Es-
tou ouvindo. E, por sinal, esse barulho está perturbando o meu sono. Mas eu, ao contrário do
meu cachorro, tive vontade de chorar por causa da beleza. A beleza tomou conta do meu cor-
po, que ficou arrepiado: a beleza se fez carne.
Mas eu sei que a sonata tem uma existência efêmera. Dentro de poucos minutos só ha-
verá o silêncio. Ela viverá em mim como memória. Assim é a forma de existência dos objetos
de amor: não como a montanha, a estrela, a cebola, mas como saudade. E eu, então, pensarei
que é preciso tomar providências para que a sonata ressuscite de sua morte...
Leio e releio os poemas de Cecília Meireles. Por que releio, se já os li? Por que releio, se sei, de
cor, as palavras que vou ler? Porque a alma não se cansa da beleza. Beleza é aquilo que faz o corpo
tremer. Há cenas que ela descreve que, eu sei, existirão eternamente. Ou, inversamente, porque
existiam eternamente, ela as escreveu. “O crepúsculo é este sossego do céu/ com suas nuvens pa-
ralelas/ e uma última cor penetrando nas árvores/ até os pássaros./ E esta curva de pombos, ren-
te aos telhados,/ e este cantar de galos e rolas, muito longe;/ e, mais longe, o abrolhar de estrelas
brancas,/ ainda sem luz.“ Que existência frágil tem um poema, mais frágil que a montanha, a estre-
la, a cebola. Poemas são meras palavras, que dependem de que alguém as escreva, leia, recite. No
entanto, as palavras fazem com o meu corpo aquilo que universo inteiro não pode fazer.
Fui jantar com um rico empresário, que acredita em Deus, mas me disse não compreender
as razões por que puseram o retrato da Cecília Meireles, uma mulher velha e feia, numa cédula
do nosso dinheiro. Melhor teria sido retrato da Xuxa. Do ponto de vista da existência ele estava
certo. A Xuxa tem mais realidade que a Cecília. Ela tem uma densidade imagética e monetária
que a Cecília não tem e nunca quis ter. A Cecília é um ser etéreo, semelhante às nuvens do cre-
púsculo, à espuma do mar, ao vôo dos pássaros. E, no entanto, eu sei que os seus poemas vive-
rão eternamente. Porque são belos. A Beleza é entidade volátil - toca a pele e rápido se vai.
Pois isso a que nos referimos pelo nome de Deus é assim mesmo: um grande, enorme Va-
zio, que contém toda a Beleza do universo. Se o vaso não fosse vazio, nele não se plantariam
as flores. Se o copo não fosse vazio, com ele não se beberia água. Se a boca não fosse vazia,
com ela não se comeria o fruto. Se o útero não fosse vazio, nele não cresceria a vida. Se o céu
não fosse vazio, nele não voariam os pássaros, nem as nuvens, nem as pipas...
E assim, me atrevendo a usar a ontologia de Riobaldo, eu posso dizer que Deus tem de
existir. Tem Beleza demais no universo, e Beleza não pode ser perdida. E Deus é esse Vazio sem
fim, gamela infinita, que pelo universo vai colhendo e ajuntando toda a Beleza que há, garan-
tindo que nada se perderá, dizendo que tudo o que se amou e se perdeu haverá de voltar, se
repetirá de novo. Deus existe para tranquilizar a saudade.
Posso então responder à pergunta que me fizeram. É claro que acredito em Deus, do jeito
como acredito nas cores do crepúsculo, do jeito como acredito no perfume da murta, do jeito
como acredito na beleza da sonata, do jeito como acredito na alegria da criança que brinca,
do jeito como acredito na beleza do olhar que me contempla em silêncio. Tudo tão frágil, tão
inexistente, mas me faz chorar. E se me faz chorar, é sagrado. É um pedaço de Deus... Dizia o
poeta Valéry: Que seria de nós sem o socorro daquilo que não existe?
(Correio Popular, 13/04/1997)

Fonte: Deus existe? Disponível em: http://marista.edu.br/domsilverio/files/2011/02/deus-existe.pdf Acesso em: 30


jun. 2014.

46
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Referências
BARTH, Wilmar Luiz. O homem pós-moderno, religião e ética. In.: Teocomunicação. Porto Alegre
v. 37 n. 155 p. 89-108 mar. 2007.

BERGER, Peter L. e LUCKMANN, Thomas. Modernidade, pluralismo e crise de sentido: a orien-


tação do homem moderno. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

BERGER, Peter L. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. São Pau-
lo: Paulinas, 1985.

CASSIRER, Ernst. Ensaio sobre o homem: uma introdução à filosofia da cultura humana. São
Paulo: Martins Fontes, 2005.

FROMM, Erich. Ter ou Ser? 4ª ed. Rio de Janeiro, RJ: LTC, 1987.

FIGUEIRA, Eulálio Avelino Pereira. Experiência Religiosa e Experiência Humana no séc. XXI: cons-
trução de chaves de leitura apara estudo do fato religioso. Núcleo de Estudos Religião e Socieda-
de – Pontifícia Universidade Católica – SP. In.: Revista Nures nº 7 – Setembro / Dezembro 2007.

GROSS, Eduardo. Considerações sobre a teologia entre os estudos da religião. In.: TEIXEIRA, Faus-
tino (Org.). A(s) Ciência(s) da religião no Brasil: afirmação de uma área acadêmica. 2ª ed. São
Paulo: Paulinas, 2008.

MOURA, Marinaide Ramos. O simbólico em Cassirer. In:Ideação. Feira de Santana, n.5, p.75-85
, jan./jun. 2000.

VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Escritos de filosofia III. Filosofia e cultura. São Paulo: Loyola,
1997.

47
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Resumo
Na UNIDADE I - A Antropologia Filosófica: sua natureza e tarefa, você estudou sobre a
natureza e tarefa da Antropologia Filosófica. Jjulgamos válido um retorno às origens da Filo-
sofia, pois a atividade filosófica foi e ainda o é um importante instrumento para o homem, seja
investigando a si mesmo ou se compreendendo seu contexto histórico.
Na sequência, tratamos da conceituação e do objeto da Antropologia Filosófica e enfatiza-
mos que à compreensão do homem, isto é, ao objeto da Antropologia Filosófica, interpõe-se o
caráter investigativo da própria Filosofia. Ao interrogarmos sobre o homem, estamos convenci-
dos de que essa questão é predominantemente filosófica. Além do mais, vimos que as investiga-
ções sobre o homem se arrastam por um longo período da história do pensamento. Esboçamos,
desse modo, uma breve história da Antropologia Filosófica, expondo a concepção de homem
desde a antiguidade até nossos dias.
Nestes termos, pudemos concluir, na Unidade I, que a Antropologia Filosófica é considera-
da uma disciplina autônoma e sistemática que busca compreender o fenômeno humano de ma-
neira totalizante, considerando todas as suas dimensões. Por essas e outras razões constatamos
que a sua legitimidade decorre do enfoque que se dá ao homem, por ser este um Ser multidi-
mensional e, por vezes, com uma existência perpassada por mistérios, há de se ter certo cuidado
com a questão metodológica, ou seja, o modo como o aborda.
Na UNIDADE II - As concepções de ser humano na Antropologia Filosófica, você estu-
dou um pouco da história das concepções de ser humano na filosofia ocidental. Mas, antes dessa
exposição histórica, traçamos o nosso pano de fundo, isto é, ressaltamos que a ideia de homem
perdeu sua unidade nos últimos séculos e, dessa forma, reforçamos a necessidade de uma com-
preensão dialética a partir das concepções fornecidas ao longo do pensamento ocidental, a qual
foi cuidadosamente organizada da seguinte forma:
Primeiramente, abordamos a concepção clássica do homem, em que iniciamos com a con-
cepção do homem na cultura arcaica grega, destacando também as concepções na filosofia pré-
socrática; na transição socrática; na antropologia platônica; na antropologia aristotélica; no hele-
nismo; na concepção neoplatônica e estudamos até a concepção neoplatônica do homem.
Em seguida, analisamos a concepção cristão-medieval, que basicamente originou-se de
duas fontes, a saber, da tradição bíblica e da tradição filosófica grega. Quanto à tradição bíblica
do homem, notificamos que a linguagem religiosa da salvação é responsável pela formação de
um discurso antropológico. E da tradição grega, percebemos elementos da filosofia abordados
por pensadores medievais.
Após analisarmos essa concepção cristão-medieval, tratamos da concepção moderna de
homem, a qual se associa um conjunto de transformações desencadeadas ao longo dos sécu-
los XII, XIII, XIV, XV até o XVIII. E, por fim, discorremos sobre a concepção do homem na filo-
sofia contemporânea, em que notamos que cada pensador deste período, ofereceu a sua pró-
pria imagem do homem, como também se pode dizer que os modelos de antropologia filosófica
contemporânea se desdobraram em várias perspectivas.
Na UNIDADE III - As estruturas fundamentais do ser humano, você estudou o fenômeno
humano, momento em que delinearemos algumas das categorias que auxiliam na compreensão
do homem. Dentre elas realçamos a categoria do corpo, a categoria da afetividade, a categoria
do psiquismo, a categoria do espírito. Nosso objetivo certamente norteou-se por entender que
de seu empenho e domínio sobre o real, o homem certamente busca alcançar objetivos preesta-
belecidos e atingir o que chamamos de autorrealização e autotranscendência.
Alertamos sobre o estudo dessas categorias que o homem não se resume em uma ou nou-
tra dessas categorias citadas, mas que sua autorrealização é construída durante toda a vida por
meio de um movimento dinâmico contínuo, em que busca sua plena realização e totalidade.
Na UNIDADE IV - Antropologia Filosófica e Religião, você estudou sobre a relação da An-
tropologia Filosófica com a dimensão religiosa. Fizemos considerações iniciais sobre distinções,
como também pontos de semelhanças entre Filosofia e Religião. Em seguida, expomos alguns
pontos, à luz da Antropologia Filosófica, sobre o fenômeno da religiosidade e, assim, buscamos
compreender o homem em sua relação com a religião.
Destacamos, nesta Unidade, que a Antropologia Filosófica é um campo de estudo propício
para tratar de pontos convergentes entre a Filosofia e a Religião, pois notamos que tanto a Filo-

49
UAB/Unimontes - 3º Período

sofia se empenha na busca transcendental da origem do Ser e de seu sentido, quanto também
na Religião, uma de suas questões é a da preocupação com a transcendência humana e com o
sentido da vida.
Constatamos, nesta Unidade, que a vida espiritual-religiosa, assim como a cultural, constitui
um vasto e rico campo de elementos para abordar o fenômeno humano, e que o grande desafio
colocado para o homem na modernidade é refazer constantemente o itinerário de transcendên-
cia rumo ao Absoluto.

50
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Referências
Básica

MODIM, Batista. O homem: quem é ele?Elementos de Antropologia Filosófica. 6.ed. São Paulo:
Paulinas, 1980.

RABUSKE, E. Antropologia filosófica. São Paulo: Vozes, 1986.

VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Antropologia Filosófica I. São Paulo: Loyola, 1991.

Complementar

ARENDT, Hannah. A condição humana. 11ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

BARTH, Wilmar Luiz. O homem pós-moderno, religião e ética. In: Teocomunicação. Porto Alegre
v. 37 n. 155 p. 89-108 mar. 2007.

BERGER, Peter L. e LUCKMANN, Thomas. Modernidade, pluralismo e crise de sentido: a orien-


tação do homem moderno. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

BERGER, Peter L. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. São Pau-
lo: Paulinas, 1985.

CASSIRER, Ernst. Ensaio sobre o homem: uma introdução à filosofia da cultura humana. São
Paulo: Martins Fontes, 2005.

FROMM, Erich. Ter ou Ser? 4ª ed. Rio de Janeiro, RJ: LTC, 1987.

FIGUEIRA, Eulálio Avelino Pereira. Experiência Religiosa e Experiência Humana no séc. XXI: cons-
trução de chaves de leitura apara estudo do fato religioso. Núcleo de Estudos Religião e Socieda-
de – Pontifícia Universidade Católica – SP. In.: Revista Nures nº 7 – Setembro / Dezembro 2007.

FRANKL, Viktor, E.Um Sentido para a vida.Aparecida: Ed. Santuário, 1989.

GOMES, Denise Maria Cavalcante. O perspectivismo ameríndio e a ideia de uma estética america-
na. In.: Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. vol.7 no.1 Belém Jan./Apr. 2012.

GROSS, Eduardo. Considerações sobre a teologia entre os estudos da religião. In.: TEIXEIRA, Faus-
tino (Org.). A(s) Ciência(s) da religião no Brasil: afirmação de uma área acadêmica. 2ª ed. São
Paulo: Paulinas, 2008.

LINTON, Ralf. O homem: uma introdução à antropologia. 12ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Baueri, SP:
Manole, 2005.

MODIM, Batista. O homem: quem é ele?Elementos de Antropologia Filosófica. 6.ed. São Paulo:
Paulinas, 2005.

MOURA, Marinaide Ramos. O simbólico em Cassirer. In: Ideação. Feira de Santana, n.5, p.75-85 ,
jan./jun. 2000.

NOGARE, Pedro Dalle. Humanismos e anti-humanismos: introdução à antropologia filosófica.


9ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.

51
UAB/Unimontes - 3º Período

RABUSKE, E. Antropologia filosófica. São Paulo: Vozes, 2005.

RIEFF, Philip. Freud: pensamento & humanismo. Belo Horizonte: Interlivros, 1979.

SAVALLI, Elaine Cristina Alves da Costa. A religião como produto da construção social. In.: Revista
Eletrônica Inter-Legere. Número 2 – julho a dezembro de 2007.

VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Antropologia Filosófica I. São Paulo: Loyola, 2001.

VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Escritos de filosofia III. Filosofia e cultura. São Paulo: Loyola,
1997.

Suplementar

GEERTZ, Clifford. Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed, 2001.

HEIDEGGER, Martin. A caminho da linguagem. Trad. Márcia Sá Cavalcanti Schuback. Petrópolis:


Vozes, 2003.

JAEGER, Werner. Paidéia - A Formação do Homem Grego, Martins Fontes, São Paulo, 3ª edição,
1995.

JORDÃO, Francisco Vieira. A religião sob o ponto de vista filosófico. In.: Revista Filosófica de
Coimbra - n.° 4 - vol . 2 (1993 ).pp.295-311

MARCONDES, Danilo. Filosofia, linguagem e comunicação. 4ed. São Paulo: Cortez, 2001.

NUNES, Benedito. A passagem para o poético: filosofia e poesia em Heidegger. São Paulo: Áti-
ca, 1992.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso. Razão e afetividade: o pensamento de LucienLévi-Brühl. Brasília:


Editora da UNB, 2002.

OLIVEIRA, Manfredo Araujo de. (org). Correntes fundamentais da ética contemporânea. 2ed.
Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Antropologia Filosófica II. São Paulo: Loyola, 1992.

VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Escritos de filosofia II. Ética e cultura. 3ª ed. São Paulo: Loyola,
2000.

52
Ciência da Religião - Antropologia Filosófica

Atividade de
Aprendizagem – AA
1) de acordo com os estudos neste Caderno Didático, qual a relação entre a atividade da Antro-
pologia Filosófica ao abordar o homem e a atividade propriamente da Filosofia?

2) Elaborar, de acordo com as orientações do Caderno Didático, uma definição de Antropologia


Filosófica.

3) Quando Lima Vaz refere-se à questão metodológica para compreensão do homem, ele ressal-
ta os problemas relacionados às ciências físicas e às ciências hermenêuticas. Sobre essas últimas,
o autor assinala alguns problemas que devem ser notificados. São eles:
A) Problema da cultura, da sociedade, do psiquismo, da religião, da história.
B) Problema da cultura, da sociedade, do psiquismo, da história, do ethos.
C) Problema da religião, da sociedade, do psiquismo, da história, da ética.
D) Problema da sociedade, da cultura, da religião, da história, do ethos.

4) Para Vaz, o procedimento metodológico da Antropologia Filosófica abarcará três níveis de co-
nhecimento do homem: pré-compreensão, compreensão explicativa, compreensão filosófica. Ex-
plique uma delas.

5) As alternativas a seguir se referem aos períodos em que forjaram as concepções de homem ao


longo da história do pensamento. Marque somente aquele em que o homem é compreendido à
luz da palavra de Deus e com o auxílio da filosofia grega.
A) Cultura arcaica grega.
B) Cultura platônica e aristotélica.
C) Cultura cristã-medieval.
D) Cultura contemporânea.

6) Sobre as estruturas fundamentais do ser humano, estudadas na Unidade III do Caderno Di-
dático, faça um quadro comparativo entre a categoria do corpo e a categoria da afetividade, des-
tacando suas características.

7) Vaz (2001) propõe uma classificação elementar para elaborar uma abordagem antropológica
do espírito. De acordo com essa classificação sobre o tema do espírito apresentada na Unidade
III Caderno Didático, enumere a segunda coluna de acordo com a primeira. Em seguida, mar-
que a alternativa correta sobre tal sequência.
I - Como pneûma ( ) consciência-de-si
II - Como noûs ( ) sopro ou respiração
III - Como logos ( ) intellectus
IV - Como synesis ( ) razão universal

A) III, I, IV, II.


B) IV, I, III, II.
C) II, IV, I, III.
D) IV, I, II, III.

8) De acordo com o Caderno Didático, a Antropologia Filosófica torna-se um campo de estudo


propício para tratar de paralelos entre a Filosofia e a Religião. Marque a alternativa que corres-
ponde a esse pressuposto.
A) A busca pelo fundamento.
B) A busca por um ser superior.
C) A busca pela ciência.
D) A busca pela imanência.

53
UAB/Unimontes - 3º Período

9) No Caderno Didático, na Unidade IV, há uma citação de Figueira (2007, p.11): “A religião não
só funda uma visão de mundo, mas ela, a religião, define mundos e lhes dá forma, ela impregna e
mobiliza o mundo”. Qual seria uma possível conclusão dessa ideia?

10) Na Unidade IV do Caderno Didático, aparece uma citação de Cassirer (2005, p.152), em que
o filósofo recorda que: “Filósofos e antropólogos disseram muitas vezes que a fonte verdadeira e
fundamental da religião é o sentimento de dependência do homem”. Quais seriam os filósofos
mais expressivos sobre essa questão?
A) Karl Marx, Cassirer, Berger.
B) Karl Marx, Feuerbach, Nietzsche.
C) Berger, Barth, Cassirer.
D) Nietzsche, Berger, Barth.

54