Você está na página 1de 12

Fernando Relógio Massingue

Principais teorias antropológicas e sociológicas

ISCED- Maxixe
2018
Fernando Relógio Massingue

Principais teorias antropológicas e sociológicas

Trabalho de Atropossociologia Evolutiva a ser


apresentando no Curso de Gestão de Recursos Humanos
para efeitos de avaliação

Tutor: Agostinho Neves

ISCED- Maxixe
2018
Índice……………………………………………………………...…………………pág.
1.0.Introdução....................................................................................................................4

1.1.Objectivos....................................................................................................................4

1.1.1.Geral.........................................................................................................................4

1.1.2Especificos.................................................................................................................4

2.0.Metodologias...............................................................................................................4

3.0.Conceito da Antropologia............................................................................................5

3.1.Antropologia cultural...................................................................................................5

4.0.Principais teorias antropológicas.................................................................................5

4.1.Teoria Evolucionista....................................................................................................5

4.2.Teoria Funcionalista....................................................................................................6

4.3.Teoria Estruturalista....................................................................................................7

4.4.Teoria Difusionista......................................................................................................8

5.0.Principais Teorias Sociológicas...................................................................................8

5.1.Teoria Voluntarista da Acção......................................................................................8

5.2.Teoria Funcionalista....................................................................................................9

5.3.Teoria dramatúrgica do quotidiano de Goffman.........................................................9

6.Fenómeno social...........................................................................................................10

6.1.Características............................................................................................................10

6.2.Análise de um fenómeno social.................................................................................10

7.0.Conclusão..................................................................................................................11

8.0.Referências bibliográficas.........................................................................................12
1.0.Introdução
O presente trabalho surge no âmbito do módulo de Antropossociologia Evolutiva que
tem como tema as principais teorias antropológicas e sociológicas. Antropologia é a
ciência que se encarrega em estudar a realidade do ser humano através de um enfoque
holístico. O trabalho apresenta introdução, conceitos fundamentais de antropologia, de
seguida apresentam-se as principais teorias antropológicas e sociológicas , conclusão e
finalmente pelas referências bibliográficas consultadas para elaboração do mesmo.

1.1.Objectivos
Qualquer trabalho científico é guiado por objectivos, para este trabalho foram
considerados os seguintes objectivos:

1.1.1.Geral
 Conhecer as principais teorias antropológicas e sociológicas

1.1.2Especificos
 Identificar as principais teorias antropológicas e sociológicas
 Caracterizar as principais teorias sociológicas e antropológicas
 Analisar um fenómeno social através das teorias antropológicas e sociológicas

2.0.Metodologias
Para a realização do presente trabalho recorreu-se a consultas bibliográficas que
constam na última página do mesmo.
3.0.Conceito da Antropologia
A palavra Antropologia, deriva do latim, ou seja, é formada por termos de origem
grega nomeadamente anthropos que significa homem ou pessoa, e logos que é
razão ou conhecimentos, e traduzindo directamente, Antropologia seria a ciência do
estudo do homem.
Segundo NAPULULA a antropologia surgiu como ciência em resultado acção e
interesse do povo grego que teve o interesse em explicar e perceber as diferenças
culturais com os povos, que em seu entender representavam diferenças na escala de
evolução humana.
Em suma, antropologia: etimologicamente, significa estudo do homem (antrophos -
homem e logos- conhecimento, saber, estudo).

3.1.Antropologia cultural
A Antropologia Cultural estuda a diversidade cultural humana, tanto de grupos
contemporâneos, como extintos. Tem como propósito o estudo do Homem e
das sociedades humanas na sua vertente cultural. A representação, pela palavra ou
pela imagem, é uma das suas preocupações centrais. Assim, o estudo
da natureza do signo na comunicação humana tornou-se preocupação maior. O signo
em linguagem humana e, em representação iconográfica, o ícone são pontos de partida
para o desenvolvimento das disciplinas da antropologia oral ou da antropologia visual.
[https://pt.wikipedia.org/wiki/Antropologia_cultural]

4.0.Principais teorias antropológicas


A constituição da Antropologia como ciência foi um processo bastante sinuoso, que
contou certamente com a contribuição de vários autores, pensadores dentro da disciplina
e fora desta. É assim, que surgem as teorias antropológicas que representam as correntes
de pensamento presentes na disciplina e que ajudam o debate a volta do objecto, método
e técnica de estudo, além de nos ajudar a entender o historial da disciplina.
4.1.Teoria Evolucionista
A partir dos descobrimentos realizados nos finais do século XVIII por parte da Biologia
e da Geologia que cimentam as bases dogmáticas religiosas tradicionais, surgidas em
conjunto por profundizar tanto a estudos de origem como a evolução dos animais e o
desenvolvimento cultural da humanidade.
Segundo NAPULULA esta corrente de pensamento aparece na Antropologia quando
esta ainda não se podia considerar como disciplina científica, tendo sido por
conseguinte a pioneira. Ela foi desenvolvida por influência de pensadores tais como
Rosseau, Condorcet, Montesquieu, entre outros iluministas; Henry Maine, J.
Bachofen, J. McLennan, Lewis Morgan, e outros, sendo que o expoente máximo
era James Frazer. O evolucionismo procurou aplicar o evolucionismo desenvolvido na
Biologia por Darwin, para estudar a sociedade.
A teoria evolucionista foi marcada pela discussão evolucionista que considerava que a
sociedade europeia da época como apogeu de um processo evolucionário, em que as
sociedades aborígenes eram tidas como exemplares ”mais primitivo”. Esta visão usava o
concito de civilização para classificar, julgar e posteriormente, justificar o domínio de
outros povos.
[ http://slideplayer.com.br/8866078/26/images/22/A+antropologia+evolucionista.jpg]

Em suma, a teoria evolucionista considerava que existia uma unidade psíquica do


género humano, daí que toda humanidade teria necessariamente um
desenvolvimento histórico semelhante, passando pelas seguintes etapas selvajaria,
barbárie e civilização. Isto mostra que para esta teoria, as sociedades evoluíam de
formas mais simples e elementares, para formas mais complexas. Por conseguinte
as sociedades diferentes das europeias normalmente eram catalogadas como atrasadas,
selvagens, exóticas, etc pelo facto de serem diferentes das ditas/consideradas
civilizadas; ou seja, ainda não terem atingido o nível ou fim último das sociedades
humanas que era a civilização. NAPULULA.

4.2.Teoria Funcionalista
O funcionalismo é uma corrente clássica que surgiu em Inglaterra nos anos 1930 nas
ciências sociais, especialmente em sociologia e antropologia social. Tem um enfoque
empírico que preconiza as vantagens do trabalho de campo. O funcionalismo abriu o
caminho da antropologia científica.
Segundo NAPULULA o funcionalismo surge como crítica ao evolucionismo, pois que
eles consideravam que nada numa sociedade acontecia por acaso, mais pelo contrário
tinha e desempenhava uma determinada função para a subsistência da própria
sociedade; ou seja, a sociedade era um sistema integrado e coerente de relações sociais
em que cada uma das partes ou aspectos integrantes possuía necessariamente um
papel/função dentro deste sistema.
Dentre os defensores do funcionalismo destacam-se Emile Durkheim e Malinowski.

4.3.Teoria Estruturalista
A teoria estruturalista busca maior compreensão da organização com uma tentativa de
classificação a partir de critérios próprios de cada pensamento.
Dentre os pensadores estruturalistas pode-se citar: Max Weber, Robert K. Merton,
Amitai Etzioni e Peter M. Blau.
Para NAPULULAA (18-19) Para ter o nome de estrutura o sistema deveria satisfazer
algumas condições tais como:
 Oferecer o carácter de um sistema, ou seja, consistir em elementos de tal modo
que uma alteração ou modificação em um deles, leva necessariamente a alteração
nos restantes,
 A estrutura deve ser construída de modo que possa prever de que maneiras
reagirá o modelo em caso de modificação num dos seus elementos, e
 O modelo deve ser construído de modo que seu funcionamento possa explicar
todos os factos observados.
De acordo com o Portal de Educação as ideias centrais de estruturalismo são: sociedade
de organizações, homem organizacional, conflitos inevitáveis e incentivos mistos.
Em suma, a teoria estruturalista consiste no conceito de estrutura, que é um todo
composto por partes que se inter-relacionam, o que significa que os sistemas
organizacionais não são, meramente, uma justaposição das partes. A tentativa de
conciliação e integração dos conceitos clássicos e humanísticos, a visão crítica do
modelo burocrático, a ampliação da abordagem das organizações envolvendo o contexto
ambiental e relações interorganizacionais (variáveis externas), além do
redimensionamento das variáveis organizacionais internas (múltipla abordagem
estruturalista) e do avanço à abordagem sistémica são aspectos que marcaram a teoria
administrativa. Em resumo, o estruturalismo representa uma trajectória à abordagem
sistémica.
4.4.Teoria Difusionista
A teoria difusionista reagiu ao evolucionismo e teve inicio do século XX. Esta teoria
valoriza a compreensão natural da cultura, em termos de origem e extensão, de uma
sociedade e outra. Para os difusionista o empréstimo cultural seria um mecanismo
fundamental da evolução cultural.
Segundo NAPULULA o difusionimo contrariamente as demais centrou-se na análise do
fenómeno da difusão cultural, isto é, ela limitou seu campo de análise as questões
ligadas a cultura. Identificaram 3 formas de difusão, sendo o difusionismo Primário que
resulta da migração de elementos de uma sociedade para outra, e o difusionismo
Secundário que tem a ver com o facto dos valores de uma cultura serem levados e
implementados em uma outra sociedade. Por último temos o difusionismo Organizado
em que há uma intervenção intencional de forma a levar e implementar.
Em síntese, o difusionismo ajuda a explicar a aculturação, mas não é a capaz de
explicar todos os aspectos culturais como os primeiros difusionistas acreditavam.
Existem exemplos de culturas em contactos próximos, mas que não partilham muitos
traços. Por isso, o difusionismo aparece como uma corrente problemática por várias
razões. Primeiro, é difícil demonstrar que uma inovação teve um ponto de partida
único. Segundo, muitas invenções e ideias culturais podem ter sido descobertas ou ter
evoluído isoladamente. Terceiro, as adaptações às necessidades humanas sociais
podem facilmente ter tomado formas similares em diversas culturas, caso tenham sido
as melhores soluções possíveis para problemas similares.

5.0.Principais Teorias Sociológicas


A Sociologia possui várias teorias desde a sua fundação até actualidade. E ao longo
desta unidade nos debruçamos sobre aquelas que são as teorias sociológicas
contemporâneas, isto é, as abordagens que marcam os debates sociológicos na época
contemporânea.

5.1.Teoria Voluntarista da Acção


Esta teoria foi exposta por Talcott Parsons em forma de comentários as obras de
pensadores economistas e sociólogos tais como: Marshall, Durkheim, Pareto e Weber.

Segundo Parsons, a teoria voluntarista da acção, considera que toda acção humana não
se resume a uma resposta a um determinado estímulo (tal como defendiam os
behavioristas) mais pelo contrário como uma acção dotada de sentido para o próprio
indivíduo, e que este sentido pode ser diferente daquele atribuído por quem observa.

Em suma, a sociedade era para este autor um sistema que se estrutura a partir da
diferenciação e interdependência simultaneamente. Como sistema, a sociedade teria
uma estrutura que seria a parte estável, que permanece além das mudanças; e a função
seria o aspecto integrador e dinâmico do próprio sistema.

5.2.Teoria Funcionalista
A teoria funcionalista considera que quer conscientemente ou não as instituições e
fenómenos sociais desempenham uma determinada função na própria sociedade ou
contexto do qual provém, e que só pode ser devidamente entendido se tivermos em
conta este contexto de emergência.

5.3.Teoria dramatúrgica do quotidiano de Goffman


O trabalho de Erving Goffman Erving Goffman Ele recebeu seu doutorado na escola de
Chicago em 1953, e é considerado o maior pensador ligado à escola de Chicago.
Discípulo de Blummer, com quem criou um centro de interacionismo simbólico, que
não teve grande importância.

Goffman também não teve muito sucesso entre os estudantes da escola de Chicago. A
partir de 1952, o interacionismo simbólico começou a declinar, embora não
completamente. Entre os anos sessenta e setenta publicou uma série de obras que
levaram ao nascimento de sua grande obra, a análise dramatúrgica, como uma variante
do interacionismo simbólico.

Goffman acredita que, para entender a acção social, é melhor "começar do lado de fora
para o indivíduo e, depois, trabalhar para dentro, e não vice-versa" (1959: 124). Sua
análise da ação social concentra-se em quatro elementos principais: o comportamento
do ator social na cena, a maneira como ele se apresenta como personagem, o papel que
mostra a seguir eo contexto interactivo em que sua performance está localizada (Mora,
1997). Nesse sentido, compartilha-se a observação de que sua teoria da ação não
enfatiza a concepção do actor como entidade autónoma e criativa, como acontece na
maioria das teorias microssociológicas (Giglioli, 1990: 14 e ss). . Além disso, a tese que
defendemos é que, embora evitando abordar explicitamente o problema da natureza do
sujeito da acção, Goffman delineia os contornos de um "modelo de ator mínimo" que,
por outro lado, revela o comportamento de um personagem, dotado de necessidades,
atitudes e capacidades que lhe permite assumir as complexas e cansativas
representações quotidianas e rotinas sociais.

6.Fenómeno social
A acção é uma tarefa inteligente do homem antes dos fenómenos da vida social e sua
condição social, iniciante e consciente contra os factores que limitam, para que opere e
explora, de maneira que o impulso de homem seja inevitável em um câmbio social.

6.1.Características
- É um fenómeno complexo por natureza, não tem um tope para um processo de
investigação, pois esta continuamente em mudanças.

- Se comporta como uma criança negra, fazendo impossível desvelar toda a informação
que contem.

Exemplos:

Greve: quando os trabalhadores param de trabalhar para exigir melhor tratamento e


melhor salário.

Religião: actividade que engloba crenças e práticas com temáticas morais, existenciais e
sobrenaturais.

Guerra: conflito social e político entre grupos de humanos.

Amor: sentimento universal na senhora uma afinidade entre dois seres.

6.2.Análise de um fenómeno social


A teoria estruturalista pode usada para análise de greve, um fenómeno social que
acontece quando os trabalhadores param de trabalhar para exigir melhor tratamento e
melhor organização porque as ideias principais de estruturalismo são : sociedade de
organizações, homem organizacional, conflitos inevitáveis e incentivos mistos
7.0.Conclusão
Pode se concluir portanto que as teorias antropológicas e sociológicas representam as
diferentes etapas e fases do desenvolvimento da disciplina até a sua constituição como
ciência, tendo por conseguinte cada delas contribuído de certa forma para a definição do
objecto, método e técnica de estudo; bem como problemáticas desta.

Conclui-se também que, de interacção social é essencialmente se referir a forma como


os indivíduos tornam possível a convivência entre si e as teorias sociológicas podem
ajudar-nos analisar vários fenómenos sócias.
8.0.Referências bibliográficas

1. [https://www.researchgate.net/publication/28080319_La_teoria_de_la_accion_s
ocial_en_Erving_Goffman ]. Acesso em 10 de Julho de 2018 ás 12h:23minutos
2. [https://pt.wikipedia.org/wiki/Antropologia_cultural]. Acesso em 22 de Julho de
2018 ás 14h:30minutos
3. [ http://slideplayer.com.br/8866078/26/images/22/A+antropologia+evolucionista
.jpg]. Acesso em 5 de Agostode 2018 ás 20h:45minutos
4. [https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/fisioterapia/teoria-
estruturalista/34552]. Acesso em 10 de Agosto de 2018 ás 19h:20minutos
5. GIGLIOLI, P.P. Rituale, interazione, vita quotidiana. Saggi su Goffman e Garfinkel.
Bolonia: Clueb. 1990
6. MORA, E. (1992). «Lavoro di faccia: il contributo di Goffman all’approccio
comuni-cativo della teoria sociale». En BOVONE, L.; ROVATI. 1992
7. NAPULULA. Modulo de antropossociologia evolutiva.ISCED
8. GOFFMAN, E. Relations in Public. Nueva York: Basic Books.1955