Você está na página 1de 2

E.E.I.E.F.

JOSÉ BATISTA DE OLIVEIRA


AVALIAÇÃO BIMESTRAL DISCIPLINA: HISTORIA

ALUNO(A): Nº º ANO TURNO:


TARDERDTTURMAS:AA“C6666º8º
PROFESSOR(A):
PROFESSOR(A):LEOPOLDO DATA: NOTA:

GABARITO:
1. A B C D
2. A B C D
3. A B C D
4. A B C D
5. A B C D

1. Atente ao seguinte enunciado: “Dividido em várias Satrápias, controladas pelo Sátrapa —


um representante do imperador—, esperava-se, assim, um maior controle das vastas áreas do
império, a adoção de uma moeda comum, assim como um sistema próprio de pesos e medidas
deveria uniformizar o comércio na região, apoiado por uma vasta malha de estradas que
conectavam as principais cidades”.
Esse enunciado descreve características do Império

A) Persa ou Aquemênida, que em seu apogeu, sob o reinado de Dario I, dominou territórios na
Ásia, África e Europa.
B) Macedônio, que teve seu apogeu no governo de Alexandre, O Grande, e tinha sua capital na
cidade de Babilônia.
C) Romano, que no governo de Adriano estabeleceu suas fronteiras finais que iam da Jordânia
até a ilha da Bretanha.
D) Han, que controlou a China e expandiu suas terras da Indochina até a península da Coreia.

2. O Egito é visitado anualmente por milhões de turistas de todos os quadrantes do planeta,


desejosos de ver com os próprios olhos a grandiosidade do poder esculpida em pedra há
milênios: as pirâmides de Gizé, as tumbas do Vale dos Reis e os numerosos templos construídos
ao longo do Nilo.

O que hoje se transformou em atração turística era, no passado, interpretado de forma muito
diferente, pois

A) significava, entre outros aspectos, o poder que os faraós tinham para escravizar grandes
contingentes populacionais que trabalhavam nesses monumentos.
B) representava para as populações do alto Egito a possibilidade de migrar para o sul e encontrar
trabalho nos canteiros faraônicos.
C) significava a solução para os problemas econômicos, uma vez que os faraós sacrificavam
aos deuses suas riquezas, construindo templos.
D) representava a possibilidade de o faraó ordenar a sociedade, obrigando os desocupados a
trabalharem em obras públicas, que engrandeceram o próprio Egito.

3. Quem construiu a Tebas de sete portas?


Nos livros estão nomes de reis.
Arrastaram eles os blocos de pedra?
E a Babilônia várias vezes destruída. Quem a reconstruiu tantas vezes?
Em que casas da Lima dourada moravam os construtores?
Para onde foram os pedreiros, na noite em que a Muralha
da China ficou pronta?
A grande Roma está cheia de arcos do triunfo.
Quem os ergueu? Sobre quem triunfaram os césares?
BRECHT, B. Perguntas de um trabalhador que lê. Disponível em:
http://recantodasletras.uol.com.br. Acesso em: 28 abr. 2010.
Partindo das reflexões de um trabalhador que lê um livro de História, o autor censura a memória
construída sobre determinados monumentos e acontecimentos históricos. A crítica refere-se ao
fato de que
A) os agentes históricos de uma determinada sociedade deveriam ser aqueles que realizaram
feitos heroicos ou grandiosos e, por isso, ficaram na memória.
B) a História deveria se preocupar em memorizar os nomes de reis ou dos governantes das
civilizações que se desenvolveram ao longo do tempo.
C) grandes monumentos históricos foram construídos por trabalhadores, mas sua memória está
vinculada aos governantes das sociedades que os construíram.
D) os trabalhadores consideram que a História é uma ciência de difícil compreensão, pois trata
de sociedades antigas e distantes no tempo.

4. História, como área do conhecimento, possui, hoje, especificidades que a definem, dentre as
quais encontra-se a característica de

A) ater-se apenas a documentos escritos, não aceitando como fonte outros tipos de informação
tais como informações originadas na oralidade ou produzidas pela mídia.
B) entender o tempo histórico e o tempo cronológico como iguais, uma vez que ambos são
caracterizados por ter medidas constantes e exatas de tempo.
C) reconhecer apenas grandes eventos documentados oficialmente como um fato histórico.
D) não se ater apenas aos fatos realizados por governantes e poderosos, tomando os eventos
cotidianos e as práticas sociais como importantes temas históricos.

5. A região da Mesopotâmia ocupa lugar central na história da humanidade. Na Antiguidade,


foi berço da civilização sumeriana devido ao fato de:

A) ser ponto de confluência de rotas comerciais de povos de diversas culturas.


B) ter um subsolo rico em minérios, possibilitando o salto tecnológico da idade da pedra para a
idade dos metais.
C) apresentar um relevo peculiar e favorável ao isolamento necessário para o crescimento
socioeconômico.
D) possuir uma área agricultável extensa, favorecida pelos rios Tigre e Eufrates.