Você está na página 1de 5

PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR

A CRÍTICA LITERÁRIA NOS DIAS ATUAIS

Beatriz de Almeida Luz


RA: 1524786

GUARULHOS
2017
Introdução

A crítica engloba variadas ideias, nesta pesquisa o foco é voltado para sua
interpretação quanto a análise que se emite no tocante à uma obra ou a um
espetáculo. Literário, por sua vez, é relativo à literatura, o profissional cuja
atividade está relacionada a literatura. Por sua vez, a literatura é arte que
consiste na expressão verbal.

De acordo com a opinião do crítico a análise, ou crítica literária pode apresentar


aspectos tanto positivos quanto negativos a respeito da obra em questão
(poema, conto, poesia, dentre outras obras.).

Ao valorizar uma obra a crítica literária considera aspectos como a estética,


retórica e linguística presentes na obra. Outras ainda se baseiam no rigor
metodológico ou na subjetividade.

A crítica literária consiste em analisar e expor, após um estudo das


características da obra, o crítico apresenta de acordo com sua conclusão os
aspectos positivos e negativos acerca da obra, o que promove a valorização
positiva ou negativa da mesma. O crítico literário defende sua opinião a partir
de motivos desenvolvidos para argumentar sua posição diante da obra
analisada, não basta dizer que uma obra é boa porque é, é necessário
apresentar motivos, argumentos que sejam capazes de justificar a opinião
exposta pelo crítico literário.

Crítica literária nos dias atuais

O atual momento em que vive a crítica literária brasileira incita concepções


diferentes. O modelo crítico adotado hoje é visto por muitos de formas
diferenciadas, alguns acreditam que ela esteja passando por uma crise, outros
compreendem que esta passa por mudanças, fato considerado normal devido
as novas tecnologias e seu impacto na disseminação de informações, e existem
ainda, os que desconsideram qualquer crise, e afirmam que ela esteja, talvez,
em um de seus mais belos momentos.

Segundo Alcir Pécora, crítico literário e professor de teoria literária da Unicamp,


autor de A Arte de Conversas (Wmf Martins Fontes), a crise é real, porém não
acontece apenas no Brasil, mas sim no mundo, “A crise deriva, de um lado, da
perda da centralidade da literatura no âmbito da cultura, o que tem a ver com a
crise do Estado-nação e a circulação internacional do capital; de outro, deriva
da perda de universalidade de categorias intelectuais que pudessem servir de
fundamento para o juízo estético”. De acordo com Pécora, a crise resulta de
diferentes motivos, como a centralização de outras artes na esfera da cultura e
a falta de categorias intelectuais que servissem de alicerce para o juízo estético.

Para o Miguel Sanches Neto, crítico e professor de literatura brasileira da


Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), autor de A Máquina de
Madeira (Companhia das Letras), a crise não é especificamente da crítica, mas
do paradigma tradicional praticado pelos críticos. “O jornalismo cedeu espaço
ao entretenimento, que colonizou os cadernos literários. Por outro lado, os
críticos universitários se preocupam mais com questões teóricas, ideológicas
etc., em que o texto criativo se torna secundário. De tal forma que o autor de
literatura não conta hoje com um horizonte crítico de recepção mais estável”.
Segundo Sanches, as novas formas de disseminação da informação
influenciam diretamente no papel da crítica atual, além da nova perspectiva
adotada pelos críticos universitários, e a forma com que as críticas são
recepcionadas, configurando um cenário de recepção mais incerto e menos
estável.

A imprensa tem papel crucial na divulgação da crítica literária, porém existe


uma escassez dos espaços dedicados à crítica literária neste meio de
comunicação, que permeia o mundo inteiro; contudo, no caso do Brasil, este
quadro é ainda mais desfavorável. Para Eduardo Sterzi, poeta e professor de
teoria literária na Unicamp a crise ocorre muito mais nos meios de propagação
das críticas literárias do que na própria atividade exercida pelo crítico literário,
com base neste argumento ele avalia: “Há dezenas de jornais e revistas nos
Estados Unidos voltados para um público exigente, que obriga os editores a
publicarem crítica. A mesma coisa acontece na Espanha, na França, na Itália e
na Alemanha. No Brasil, é a sociedade que se demitiu, odeia crítica, detesta a
simples ideia de emancipação, porque precisa esconjurar a própria má-
consciência”. Portanto a suposta crise vivenciada pela crítica literária está
calcada muito mais nos meios de circulação dos textos do que na própria
produção destes. E no Brasil este fator é ainda mais agravante, Pécora discorre
que: “No jornal, as críticas vão quase que exclusivamente a reboque de
releases e dos lançamentos de mercado – no caso brasileiro, agravado pelo
provincianismo em que tudo circula em torno de duas ou três editoras, jornais
e fundações privadas. Em vez de críticos literários, temos colunistas literários”.
Os diversos meios de comunicação e a facilidade de difusão das informações
e opiniões propiciam o aumento de diversos textos que expõe opiniões distintas
acerca de obras, textos, poemas, poesias, escritos por distintos autores, que
não são, necessariamente, críticos literários, mas sim diferentes pessoas que
expressam suas opiniões ou conclusões em jornais, revistas, redes sociais,
plataformas, entre outros meios de comunicação.

Conclusão

Portanto, a crítica literária na atualidade divide opiniões que acreditam que os


meios de disseminação da informação são responsáveis por sua crise, outros
acreditam que a crítica literária é inviável hoje em dia por conta da vasta
produção literária, onde a crítica não consegue acompanhar todos os escritores
e suas obras, e oferecer uma crítica com grande aprofundamento dos textos
lidos, alguns críticos defendem a ideia de que a crítica precisa ser melhor
valorizada, para que autores desconhecidos possam ser analisados e
divulgados, a partir de um estudo feito através de suas obras. Há ainda outra
vertente a respeito da crítica literária que acredita que as novas tecnologias
contribuem para a propagação da informação, e divulgação das críticas
literárias, porém algumas vezes comprometendo sua autenticidade. O uso
dessas novas ferramentas de divulgação merece atenção de forma a não afetar
o caráter e a qualidade da crítica literária.

Referências Bibliográficas

http://www.portalentretextos.com.br/noticias/os-dilemas-da-critica-literaria-
contemporanea,2088.html Acesso em: 01 dez. 2017
https://blog.saraiva.com.br/os-dilemas-da-critica-literaria-contemporanea/
Acesso em: 01 dez. 2017

http://www.pucsp.br/revistafronteiraz/download/pdf/ConvidadoLourivalHolanda
-versaofinal.pdf Acesso em: 02 dez. 2017