Você está na página 1de 7

APRENDIZADO

____________________________________________________

ANÁLISE DE VIBRAÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

10. ANÁLISE DE MOTORES COM VIBRAÇÕES ELEVADAS

CASO 1 - Motor de exaustor de Caldeira

1 2 3 4

MOTOR: GE - 400 CV ROLAMENTOS DO EXAUSTOR:


ROTAÇÃO SÍNCRONA: 6 PÓLOS - 1200 RPM MANCAL 3: 222.30C3
ROTAÇÃO REAL: 1194 RPM MANCAL 4: 222.30C3
CORRENTE NOMINAL: 62.7 A
ROLAMENTOS DO MOTOR: MANCAL 1: 6319
MANCAL 2: 6321

HISTÓRICO

O conjunto apresenta problemas quanto à vibração, sendo mais visível (a olho nu) a vibração no motor. Para
a realização da análise, foram coletadas as vibrações em todos os pontos (1, 2, 3 e 4), segundo o conceito
Engefaz de multiparâmetro. Além disto, foram coletadas vibrações na posição central da carcaça.

FREQUÊNCIAS ESPERADAS DE VIBRAÇÃO NO MOTOR ELÉTRICO:

ROTAÇÃO DO MOTOR 1194 rpm (19,9 Hz)


ROLAMENTO R1: 6319 R2: 6321
PISTA INTERNA 97.59 Hz 97.98 Hz
PISTA EXTERNA 61.61 Hz 61.22 Hz
ELEMENTO GIRANTE 83.54 Hz 81.59 Hz
GAIOLA 7.78 Hz 7.65 Hz

Número de ranhuras: não conhecido


Frequência de escorregamento: Ns - Nr . fr = 20 - 19.9 . 60  fe = 0.30 Hz
Ns 20

Há sintoma de falta de rigidez mecânica, com vibrações de maior intensidade no ponto 02H (LA), devida à
presença de múltiplos harmônicos de 1x rpm do conjunto.

CAPÍTULO 10 20
APRENDIZADO
____________________________________________________

ANÁLISE DE VIBRAÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

Figura 24 - Sintoma de falta de rigidez mecânica.

O espectro zoom até 35 Hz mostra a existência de bandas laterais de 0.6 Hz (2x frequência de
escorregamento), em torno de 1x rpm.

Figura 25 - Bandas laterais de 2x freq. escorregamento em torno de 1x rpm. Ponto 2H.

O espectro de envelope no segundo filtro (50 Hz - 1000 Hz) confirma a presença de freqüência de
escorregamento como modulante nesta faixa.

Figura 26 - Envelope de 1k. Ponto 2A. Frequência de escorregamento.

CAPÍTULO 10 21
APRENDIZADO
____________________________________________________

ANÁLISE DE VIBRAÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

Figura 27 - Envelope do espectro de corrente: 2x freqüência de escorregamento, harmônicos e 2x freq.


escorregamento em bandas laterais em torno de 1x rpm.

Figura 28 - Espectro de corrente: harmônicos superiores.


CONCLUSÃO

Neste caso foi recomendada uma revisão do motor, que foi realizada externamente, e com a detecção de
barras trincadas do rotor, pode-se fazer a correção, eliminando as vibrações em 2x freqüência de
escorregamento. A foto abaixo mostra o rotor com barras trincadas.

Figura 29 - Confirmação das barras trincadas no rotor.

CAPÍTULO 10 22
APRENDIZADO
____________________________________________________

ANÁLISE DE VIBRAÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

CASO 2 - Motor da Bomba de Água das Torres Resfriamento

MOTOR: WEG - 150 CV MOD 225 ROLAMENTOS DA BOMBA KSB:


ROTAÇÃO SÍNCRONA: 4 PÓLOS - 1800 RPM MANCAL 3: 6216
ROTAÇÃO REAL: 1775 RPM MANCAL 4: 6216
RANHURAS: 58
ROLAMENTOS: MANCAL 1 e 2: 6314

HISTÓRICO
O conjunto apresentou problemas de vibração e um forte zumbido. Para a realização da análise, foram
coletadas as vibrações em todos os pontos (1, 2, 3 e 4), segundo o conceito Engefaz de multiparâmetro.

FREQUÊNCIAS ESPERADAS DE VIBRAÇÃO NO MOTOR ELÉTRICO:

ROTAÇÃO 29,59 Hz
PISTA INTERNA – SKF 6314 145,6 Hz
PISTA EXTERNA – SKF 6314 91,20 Hz
ELEMENTO GIRANTE– SKF 6314 60,60 Hz
GAIOLA– SKF 6314 11,20 Hz
FREQÜÊNCIA PASSAGEM RANHURAS 1716 Hz
FREQÜÊNCIA ESCORREGAMENTO 0,82 Hz
2 x FREQÜÊNCIA REDE 120 HZ

Número de ranhuras: 58 x 29,59 Hz fra = 1716 Hz


Freqüência de escorregamento: Ns - Nr . fr = 30 – 29,59 . 60  fe = 0.82 Hz
Ns 30

No parâmetro de velocidade o motor apresentou vibrações na freqüência de 1xRPM (29,59 Hz) com níveis
na ordem de 7,91 mm/s RMS no ponto 02H LA (Fig.1). A suspeita inicial era de desbalanceamento.
Problema de desalinhamento foi descartado pois não havia vibrações considerais na axial (2 mm/s RMS nível
global) nem a presença da 2ª harmônica da rotação, tanto nos espectro de velocidade e de envelope.
Os espectros de envelope não revelaram nenhuma freqüência de falha dos rolamentos, porem a freqüência
de 120 Hz que é 2xfreq.rede (Fig.2) apresentava níveis na faixa de 10 gE.
No espectro de Aceleração Pico a Pico em função do Tempo (Fig.3) percebemos grandes modulações de
sinais. Após dar um ZOOM (Fig.4) numa determinada faixa constatamos duas freqüências sendo a
portadora 1716 Hz e a modulante 120 Hz, ou seja, 2 x freqüência da rede modulando a freqüência de
passagem de ranhuras. No espectro de Aceleração RMS até 7 KHz FFT (Fig.5) encontramos a freqüência de
passagem de ranhuras com bandas laterais de 120 Hz.

CAPÍTULO 10 23
APRENDIZADO
____________________________________________________

ANÁLISE DE VIBRAÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

Os níveis de vibração na freqüência de passagem de ranhuras estão na ordem de 6,79 Gs.


Realizamos um teste no motor tirando sua carga e constatamos uma queda acentuada nas vibrações em
120 Hz principalmente nos espectros de envelope (Fig.6).
Através deste teste direcionamos nossas análises para problema de forte variação no GAP do motor, devido
provavelmente de um desalinhamento interno entre os mancais do motor.

Figura 1 – Espectro de velocidade destacando 1xRPM do motor

Figura 2 – Espectro de envelope destacando 120 Hz (2xFreq. Rede)

CAPÍTULO 10 24
APRENDIZADO
____________________________________________________

ANÁLISE DE VIBRAÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

Figura 3 – Espectro Aceleração Pico a Pico destacando forte modulação

Figura 4 – ZOOM Espectro Aceleração Pk-Pk destacando 1716 Hz (portadora) e 120 Hz (modulante)

Figura 5 – Espectro de Aceleração RMS destacando 1715 Hz com bandas laterais de 120 Hz

CAPÍTULO 10 25
APRENDIZADO
____________________________________________________

ANÁLISE DE VIBRAÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

Sem carga

Figura 5 – Tendência da Freqüência de 120 Hz, destacando queda na vibração com motor sem carga

CONCLUSÃO
O teste realizado sem carga no motor foi importante para comprovar que estava realmente tendo um
desalinhamento interno no motor, uma vez que o alinhamento do acoplamento já tinha sido verificar e nada
foi constatado. Suspeitávamos também de pé manco no motor pois havíamos constatado anomalias nas
sapatas do motor e nos calços utilizados para alinhamento.
Neste caso foi inspecionado e constatado que realmente havia o pé-manco no motor como diferença de 1,2
mm de um pé para outro.
Foi aberto o motor e verificado se os mancais haviam sofrido avarias e nada foi constato.
Os rolamentos foram lavados e lubrificados e montados novamente.
Após a intervenção no motor tivemos uma queda acentuada nos níveis de vibração provenientes da
freqüência de passagem de ranhuras (1719 Hz) que passou de 6,79 para 0,34 Gs (Fig.6).

Figura 6 – Espectro de Aceleração RMS destacando queda nas vibrações na freqüência de 1719 Hz.

CAPÍTULO 10 26