Você está na página 1de 11

219

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício


ISSN 1981-9900 versão eletrônica
Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

EXERCÍCIO FÍSICO E OBESIDADE: O IMPACTO DAS DIFERENTES MODALIDADES

Dammark Hannibal1; Nayara Elmisan Zolet1; Jéssica Cardoso de Souza4;


Guilherme Fleury Fina Speretta2; Richard Diego Leite3, Jonato Prestes4.

RESUMO ABSTRACT

Os novos hábitos da vida moderna trouxeram Physical exercise and obesity: the impact of
um grande problema de saúde pública, a the different modalities
obesidade. Essa doença já se tornou uma
epidemia e está associada a várias outras The new habits of modern life raised a major
doenças como hipertensão, cardiopatia, public health problem, the obesity. This
dislipidemia e diabetes tipo II. O exercício disease has become a epidemic and is
físico parece ser uma importante ferramenta associated with several diseases such as
contra a obesidade. Dessa forma, o objetivo hypertension, heart disease, dyslipidemia and
do presente estudo foi verificar a influência do diabetes mellitus type II. Exercise seems to be
exercício na redução de peso e fatores de important tool against obesity. Thus, the
risco associados à obesidade por meio de uma objective of the present study was to verify the
revisão sistematica de artigos nacionais e influence of exercise on weight reduction and
internacionais. Para tanto, foi realizada uma risk factors associated with obesity through a
pesquisa nas bases de dados Medline, Scielo, literature review. For this, a research was
Science direct, Pubmed e Capes. Foram conducted in databases Scielo, Science Direct,
considerados, nesta revisão, artigos com Pubmed, and Capes. Were considered, in this
experimentos randomizados, controlados, com review, articles with randomized controlled
adultos obesos e índice de massa corpórea trials with obese adults and body mains index
2 2
acima de 30 Kg/m . Publicações e estudos above 30 kg/m . Publications and studies that
que incluíam abordagens farmacológicas e included pharmacological and surgical
cirúrgicas foram excluídos. Segundo os approaches were excluded. According to the
estudos analisados os efeitos do exercício vão analyzed studies, the effects of exercise are
além da perda de peso, promovendo também beyond weight loss, also promoting the
diminuição do percentual de gordura, aumento decrease in body fat percentage, increase in
da massa magra, melhora da capacidade lean body mass, improvement of aerobic
aeróbia, além de trazer benefícios com relação capacity, and eliciting benefits on
aos fatores de riscos cardiovasculares cardiovascular risk factors associated with
associados à síndrome metabólica. Sendo metabolic syndrome. Thus, the implementation
assim, a implementação do exercício pode ser of exercise can be an interesting tool in an
muito interessante em um programa de intervention program for obese individuals.
intervenção para indivíduos obesos.
Key words: exercise, obesity, training, adults
Palavras-chave: exercício físico, obesidade,
treinamento, adultos. Endereço para correspondência:
Jonato Prestes, Programa de Pós Graduação
1- Programa de Pós-graduação Lato-Sensu da em Educação Física e Saúde, Universidade
Universidade Gama Filho – Fisiologia do Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil. Q.S.
Exercício - Prescrição de Exercício – 07, Lote 01 – Bloco G. CEP: 71966-700 –
Florianópolis – SC, Brasil. Águas Claras Taguatinga – DF, Brasil, Tel:
2- Laboratório de Nutrição e Metabolismo 02161- 3356-9000.
aplicados ao exercício – Departamento de e-mail: jonatop@gmail.com.
Educação Física – Universidade Federal de
São Carlos - SP
3- Departamento de Ciências Fisiológicas
Laboratório de Pesquisas Clínicas e
Experimentais em Biologia Vascular (BioVasc), 4- Programa de Pós Graduação em Educação
Centro Biomédico, Universidade do Estado do Física e Saúde, Universidade Católica de
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro – RJ, Brasil. Brasília, Brasília – DF, Brasil.

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.4, n.20, p.218-229. Mar/Abr. 2010. ISSN 1981-9900.
220
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

INTRODUÇÃO intervenções psicológicas, farmacológicas,


físicas e nutricionais.
Nas duas últimas décadas, houve um A intervenção física, que é o objeto de
aumento na prevalência da obesidade, estudo desta revisão tem como foco principal
resultando em uma epidemia (Chopra, promover mudanças no estilo de vida,
Galbraith e Darnton-Hill, 2002). Estima-se que motivando os indivíduos a aumentar seu nível
no mundo, cerca de 15% da população (300 diário de atividade física, assim como manter
milhões de pessoas) seja obesa (Dâmaso, um balanço energético negativo com intuito de
2009). No Brasil, segundo os dados diminuir a massa corporal gradualmente
divulgados pelo IBGE (IBGE, 2003), a (Dâmaso, 2009).
incidência de excesso de peso atinge 38,8 Foster (2006), afirma que a prática
milhões de pessoas, o que corresponde a regular de atividade física é a chave do
40,6% da população adulta. componente comportamental para o
Os novos hábitos da vida moderna tratamento e a prevenção da obesidade. O
parecem ser determinantes para o aumento do gasto energético por meio do
crescimento dessa doença. A falta de exercício associado à reeducação alimentar
atividade física diária e o excesso de ingestão ajuda a manter a taxa metabólica de repouso
de alimentos produzem como conseqüência, aumentada por horas e até dias, dependendo
um acúmulo excessivo das reservas do tipo, intensidade e duração do exercício
energéticas, levando ao sobrepeso e a (Ciolac e Guimarães, 2004).
obesidade (Mendonça e Anjos, 2004; Ciolac e Além disso, o exercício melhora à
Guimarães, 2004). sensibilidade à insulina, quadros de
A obesidade constitui atualmente um hiperglicemia, dislipidemias e pressão arterial,
dos maiores problemas de saúde pública, pois atenuando a morbimortalidade em indivíduos
está amplamente associada a vários fatores com sobrepeso e obesos (Guedes e Guedes,
de risco que envolve problemas cardíacos e 1998).
outras doenças crônico-degenerativas, tais Os tipos de exercícios podem variar
como dislipidemia, hiperinsulinemia, diabetes em um programa de intervenção para
tipo II, hipertensão, aterosclerose e esteatose indivíduos obesos. Os treinamentos físicos
hepática não alcoólica (Foster-Schubert e mais utilizados nos trabalhos recentes são de
Cummings, 2006; Tock e colaboradores, endurance (Van Aggel-Leijssen, e
2006). colaboradores, 2002; Jakicic e colaboradores,
A obesidade está diretamente 2003); treinamento concorrente (Mclnnis,
relacionada a processos inflamatórios crônicos 2000) ou treinamento de força (Fett, Fett e
(Reilly, 2005), sendo que, o estado Machini, 2009), sendo que, os resultados
inflamatório crônico parece ser um importante desses estudos confirmam que o exercício
fator no desenvolvimento da síndrome pode influenciar positivamente na obesidade
metabólica e das doenças cardiovasculares e em vários aspectos como: perda de peso,
crônico-degenerativas associadas (Petersen e perda de massa adiposa, mudança na
Pedersen, 2005). composição corporal, diminuição dos riscos
Tem sido enfatizado que a cardiovasculares, entre outros.
modificação no estilo de vida é uma Entretanto, sabe-se que a intensidade,
ferramenta fundamental no tratamento não a freqüência, e a duração do exercício, assim
farmacológico da obesidade (DBDTSM, 2005). como o tipo de dieta gera adaptações
Nesse sentido, Caranti e colaboradores, metabólicas diferentes (Hernández-Torres e
(2007), afirmam que a terapia interdisciplinar é colaboradores, 2008). Na literatura encontram-
uma forma efetiva de combater a obesidade e se diversos trabalhos com diferentes
reduzir a prevalência da síndrome metabólica. programas de intervenção para indivíduos
A OMS (2000), sugere um programa obesos, não existindo um consenso sobre qual
de tratamento interdisciplinar fundamentado é o melhor protocolo de intervenção para a
em um modelo de intervenção com ações obesidade, principalmente no que diz respeito
integradas de diversas áreas da saúde. aos seus efeitos na redução da massa
Basicamente esse programa consiste em corporal e fatores de risco.
avaliações minuciosas do indivíduo, além de Em virtude disto, o objetivo da
presente revisão é verificar a influência do

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.4, n.20, p.218-229. Mar/Abr. 2010. ISSN 1981-9900.
221
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

exercício na redução de peso e dos fatores de O principal objetivo da implementação


risco associados à obesidade. Para tanto, foi do exercício físico sistematizado em
realizada uma pesquisa nas bases de dados programas para indivíduos obesos geralmente
Medline, Scielo, Science direct, Pubmed e é a perda de peso e da massa adiposa
Capes. Foram considerados nesta revisão (Hansen e colaboradores, 2007). Contudo,
artigos com experimentos randomizados, trabalhos realizados com essa população
controlados, com adultos obesos e IMC acima apontam outros benefícios obtidos com a
de 30 Kg/m2. Publicações e estudos que prática de exercício, como por exemplo o
incluíam abordagens farmacológicas e aumento de massa magra (Jakicic e
cirúrgicas foram excluídos. colaboradores, 1999; Irwin e colaboradores,
2003; Fett, Fett e Machini, 2009). É importante
EXERCÍCIO FÍSICO E OBESIDADE ressaltar que o treinamento de força parece
ser o tipo de exercício mais eficaz no aumento
Para modificar o quadro de obesidade ou manutenção da massa magra (Hansen e
faz-se necessário que o gasto total de energia colaboradores, 2007).
diário supere o consumo, condição chamada Além disso, segundo Petersen e
de balanço energético negativo, ocorrendo Pedersen (2005), o exercício regular oferece
assim, a diminuição da massa adiposa (Hill e proteção contra muitas causas de mortalidade,
colaboradores, 1993). principalmente contra doenças cardiovascu-
Em pacientes obesos a perda de lares e diabetes tipo II. Essas doenças estão
massa adiposa pode ser efetiva com a amplamente associadas à inflamação
combinação de restrição calórica e exercício sistêmica decorrente do acúmulo de tecido
(Hansen e colaboradores, 2007). Entretanto, adiposo. O exercício promove a diminuição de
somente a restrição calórica pode causar uma citocinas pró-inflamatórias, como o fator de
perda de massa corporal magra, gerando uma necrose tumoral-alfa (TNF-α) e interleucina-
queda na habilidade de “queimar” calorias em 1beta (IL-1β), bem como pode causar o
repouso ou durante o exercício físico, aumento de citocinas anti-inflamatórias como a
facilitando a síntese e o armazenamento de adiponectina. Dessa forma, o exercício
gordura (Domingues Filho, 2000). contribui para a regulação das adipocinas
Segundo Eriksson e colaboradores (citocinas liberadas a partir do tecido adiposo),
(1997), dietas hipocalóricas para a perda de melhorando à ação da insulina e aumentando
peso devem ser evitadas, pois se observa um a mobilização e utilização de lipídeos
aumento de peso após cada ciclo repetido de (Berggren e colaboradores, 2005).
restrição calórica e uma tendência maior de Outro aspecto a ser destacado com
retorno ao peso inicial. A perda de massa relação aos efeitos positivos do exercício no
magra pode ser minimizada com a prática de tratamento da obesidade é a melhora da
exercícios regulares, prevenindo a redução do capacidade aeróbia. Os resultados da maioria
metabolismo basal (Hansen e colaboradores, dos trabalhos que incluem o exercício em seu
2007). programa de intervenção mostram que os
A recomendação do Departamento de indivíduos aumentam seu consumo máximo de
Saúde Americano para a prática de exercício oxigênio (VO2max) (Jakicic e colaboradores,
físico de no mínimo 30 minutos, cinco dias por 1999; Ross e colaboradores, 2004; Amati e
semana, com intensidade leve a moderada, colaboradores, 2008; Church e colaboradores,
que é baseada primariamente nos efeitos da 2008), ou seja, melhoram a sua capacidade
atividade física sobre a doença cardiovascular funcional cardiovascular e a aptidão aeróbia
e outras doenças crônicas, não parece ser (Jakicic, 2003).
suficiente para programas que priorizem a
redução de peso em indivíduos obesos. Sendo Tipos de treinamento
assim, recomenda-se que programas de
exercício para essa população comecem com De um modo geral, os estudos com o
o mínimo de 150 minutos semanais em objetivo de observar a relação entre a prática
intensidade moderada e progridam de exercício e seus benefícios em indivíduos
gradativamente para 200 a 300 minutos obesos apontam para uma relação positiva.
semanais na mesma intensidade (Jakicic e No entanto, é possível notar que existem
colaboradores, 2001).

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.4, n.20, p.218-229. Mar/Abr. 2010. ISSN 1981-9900.
222
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

diferenças com relação aos tipos de exercício aeróbia, sendo que o grupo que teve a oferta
utilizados em cada um dos estudos (tabela 1). de uma esteira para a prática dos exercícios
Como já foi dito anteriormente os tipos adicionais obteve os melhores resultados. Em
de treinamento mais utilizados são: endurance contrapartida, no estudo de Van Aggel-
(Van Aggel-Leijssen e colaboradores, 2002; Leijssen e colaboradores, (2002), que
Jakicic e colaboradores, 2003); treinamento utilizaram um programa de 12 semanas de
concorrente (Mclnnis, 2000) ou treinamento de treinamento aeróbio moderado ou intenso, não
força (Fett, Fett e Machini, 2009), sendo que encontraram diferenças significativas em
os mesmos parecem ter benefícios em nenhum parâmetro, com exceção do aumento
comum, bem como benefícios específicos. da capacidade aeróbia.
O treinamento de força, por exemplo, Vale ressaltar que o fato de haver
tem sido utilizado em programas de grandes variações no tempo de duração dos
treinamento voltados para a saúde e qualidade programas de intervenção entre os diferentes
de vida, devido a seus benefícios relacionados estudos torna difícil a comparação entre eles.
à melhora do desempenho motor, hipertrofia
muscular, aumento da resistência a fadiga Treinamento contínuo versus Treinamento
(Kraemer e colaboradores, 2002), manutenção intermitente
e aumento da massa magra (Hansen e
colaboradores, 2007), maior consumo de Muitos trabalhos de intervenção
oxigênio pós - exercício (Hauser e voltados para indivíduos obesos utilizam o
colaboradores, 2004), entre outros. treinamento aeróbio contínuo moderado como
O exercício de endurance, por sua uma das principais ferramentas (Jakicic e
vez, vem sendo amplamente utilizado em colaboradores, 1999; Dâmaso, 2009).
indivíduos obesos, uma vez que oferece baixo Jakicic e colaboradores (2003),
risco a essa população (ACSM, 2007). Esse desenvolveram um programa de 12 meses de
tipo de exercício aumenta o VO2max, a exercício com diferentes intensidades e
atividade das enzimas oxidativas, os estoques durações associado à dieta em 200 mulheres
de glicogênio muscular, a densidade e sedentárias e com excesso de peso. As
capacidade mitocondrial muscular, melhora a mulheres foram divididas em quatro grupos: (i)
capacidade de difusão pulmonar, débito alta intensidade e longa duração; (ii)
cardíaco, densidade capilar, além do controle intensidade moderada e longa duração; (iii)
da saturação da hemoglobina (Hakkinen e alta intensidade e moderada duração; ou (iv)
colaboradores, 2003). Tendo em vista os moderada intensidade e moderada duração.
benefícios de cada modalidade de exercício, o Todos os grupos apresentaram perda de peso
treinamento concorrente vem sendo utilizado significativa (8 a 10%) e melhora no
(treinamento de força e endurance). Neste condicionamento cardiorrespiratório. Destaca-
sentido, o treinamento concorrente permite a se que os grupos que realizaram exercícios
obtenção de benefícios de ambas as em maiores intensidades obtiveram maior
modalidades, tornando o programa de perda de peso, um maior aumento da
exercício mais completo (Mclnnis, 2000). capacidade aeróbia e um gasto energético
Jakicic e colaboradores (1999), com maior magnitude, embora não tenham
realizaram um estudo longitudinal com 115 sido encontradas diferenças significativas
mulheres sedentárias que cumpriram 18 entre os grupos. Sendo assim, revelou que o
meses de treinamento aeróbio moderado. As exercício de maior intensidade não garantiu
voluntárias foram divididas em três grupos (i) um maior declínio do peso corporal em longo
40 minutos de caminhada rápida contínua por prazo além de mostrar que as diferentes
dia (ii) 40 minutos de caminhada rápida intensidades do mesmo exercício não
divididos em quatro sessões de 10 minutos por resultaram em uma diferença no gasto
dia (iii) 40 minutos de caminhada rápida energético total na população investigada. Os
divididos em quatro sessões de 10 minutos por autores sugerem que um programa de
dia com a oferta de uma esteira para a prática exercícios comece com 150 minutos por
dos exercícios. Todos os grupos obtiveram semana de exercício moderado e com a
redução do peso corporal, porcentagem de progressão apropriada, o volume de
gordura e IMC, além de terem apresentado treinamento passe para 60 minutos diários
uma melhora significativa na capacidade com maior intensidade.

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.4, n.20, p.218-229. Mar/Abr. 2010. ISSN 1981-9900.
223
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

Autor Características dos avaliados Tipo de Duração do Efeitos do


(Referência) _____________________________________________ Treinamento Programa Programa na
Idade IMC Gênero Número de (semanas) perda de
2
(Anos) (kg/m ) participantes peso; % de
gordura; ou
IMC
Jakicic e 36,7 ± 5,6 32,8 ± 4,0 M 115 Aeróbio 72 kg (<) %G (<)
colaboradores IMC (<) VO2
(1999) (>)

Joseph e 63 ± 2 29,9 ± 7 M 22 Força 4 Peso ( )


colaboradores %G ( )
(2001) IMC ( )
VO2 (=)

Banz e 47,5 ± 7 33 ± 4 M 26 Aeróbio e 10 Peso (<)


colaboradores Força %G (<)
(2002) IMC (<)
VO2 (>)

Brill e 39,45 ± 7,34 34,26 ± M 56 Aeróbio 12 Peso (<)


colaboradores 6,61 %G (<)
(2002) IMC (<)
VO2 (>)

Van Aggel – 43,4 ± 6,3 31,6 ± 3,1 H 24 Aeróbio 12 Peso (=)


Leijssen e %G (=)
colaboradores IMC (=)
(2002) VO2 (>)

Jakicic e 32,6 ± 4,2 37,0 ± 5,7 M 201 Aeróbio 48 Peso ( )


colaboradores %G (<)
(2003) IMC (<)
VO2 (>)

Irwin e 61,0 ± 2,0 30,5 ± 1,5 M 168 Aeróbio 48 Peso (=)


colaboradores %G ( )
(2003) IMC (NA)
VO2 (NA)

Ross e 43,0 ± 7,2 31,3 ± 2,0 M 54 Aeróbio 14 Peso ( )


colaboradores %G ( )
(2004) IMC ( )
VO2 (>)

Amati e 67,00 ± 0,5 30,07 ± 0,4 M 64 Aeróbio 16 Peso (<)


colaboradores %G (<)
(2008) IMC (<)
VO2 (>)

Church e 57,3 ±6,4 31,8 ± 3,8 M 464 Aeróbio 24 Peso (=)


Colaboradores %G (=)
(2008) IMC (=)
VO2 (>)

Coquart e 52,5 ± 17,6 37,6 ± 6,1 M 20 Aeróbio 10 Peso ( )


Colaboradores %G (=)
(2008) IMC ( )
VO2 (>)

Solomon e 66,0 ± 1,0 33,2 ±1,4 HeM 23 Aeróbio 12 Peso ( )


colaboradores %G (NA)
(2008) IMC ( )
VO2 (>)

Fett, Fett e 36 ± 12 32±7 M 26 Aeróbio e 8 Peso ( )


Marchini (2009) Força %G (( ))
IMC ( )
VO2 (>)

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.4, n.20, p.218-229. Mar/Abr. 2010. ISSN 1981-9900.
224
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

Hansen e colaboradores (2007), mostra superior aos tratamentos realizados de


afirmam que a intensidade do exercício não forma isolada. Também foi observado que a
representa um fator determinante para a perda dieta sem o treinamento causou um maior
de massa adiposa em programas de exercício decréscimo na massa magra. No entanto, este
associados à restrição calórica. valor é diminuído significativamente quando
Adicionalmente, os autores discutem que os associado ao exercício. Desse modo, pode-se
treinamentos intermitentes e intensos têm concluir que a associação entre estratégias no
curta duração, sendo que esse fator talvez processo de emagrecimento é fortemente
impeça um resultado mais expressivo no que recomendada para gerar um déficit calórico
diz respeito a uma perda de peso de maior diário significativo.
amplitude quando esses tipos de exercício são
empregados. Treinamento de força
Entretanto, outra opção de
treinamento que vem sendo aplicado nos O treinamento de força tem sido
últimos anos é o exercício intermitente, com apontado como excelente ferramenta para o
múltiplas sessões diárias (Dâmaso, 2009). aprimoramento da qualidade de vida, além de
Nesse sentido, um estudo de curta duração ser importante no tratamento de diversas
com 40 mulheres obesas diabéticas ou não patologias (Graves e Franklin, 2006).
diabéticas conduzido por Coquart e Entretanto, poucos estudos avaliam
colaboradores (2008), comparou o exercício exclusivamente os efeitos dessa modalidade
intermitente com o exercício contínuo. Nesse no tratamento da obesidade.
trabalho, as mulheres foram divididas em Os exercícios com pesos oferecem
quatro grupos: (i) diabéticas sedentárias, (ii) estratégias para o controle do peso corporal
não diabéticas sedentárias, (iii) diabéticas aumentando o gasto calórico, a massa
treinadas e (iv) não diabéticas treinadas. O muscular e a taxa metabólica de repouso,
programa consistiu de 32 minutos de atividade além do maior consumo de oxigênio pós -
contínua (sessão única) ou intermitente exercício. Como conseqüência, ocorre
(múltiplas sessões), três vezes por semana, diminuição no percentual de gordura corporal,
durante dez semanas de exercício. Ao final do favorecendo o emagrecimento (Hauser e
período de intervenção, os pesquisadores colaboradores, 2004).
observaram os efeitos benéficos do Além disso, o potencial do treinamento
treinamento intermitente no diabetes tipo II e de força em melhorar a força e resistência
na obesidade. E mais, a percepção de esforço muscular pode ser especialmente benéfico
das mulheres obesas foi menor nesse tipo de para as tarefas do cotidiano, facilitando a
treinamento em comparação ao treinamento adoção de um estilo de vida mais ativo em
contínuo. Esses trabalhos permitem supor que indivíduos obesos sedentários (Carneiro e
o emprego do treinamento intermitente para colaboradores, 2003).
indivíduos obesos poderia resultar em um Em contrapartida, Hansen e
aumento da aderência dos pacientes em colaboradores (2007), realizaram uma revisão
programas de tratamento da obesidade. sobre os efeitos do treinamento de força
Outro aspecto importante é a associado à dieta em programas de
associação entre o treinamento contínuo e intervenção para indivíduos obesos. Os
dieta no processo de emagrecimento. Neste achados mostram que nem sempre esses
sentido Amati e colaboradores (2008), programas são capazes de promover perda
estudaram o efeito da dieta, do exercício significativa de massa adiposa.
contínuo e a associação entre as duas Joseph e colaboradores (2001),
intervenções. Para o grupo dieta foi realizado conduziram um estudo com mulheres obesas
um déficit calórico de 500 a 1000 kcal/dia e o sedentárias pós-menopausadas com o intuito
protocolo de treinamento foi adaptado de verificar os efeitos da restrição calórica na
progressivamente para atingir 45 minutos a perda de peso e na melhora da ação da
uma intensidade de 75% do VO2 pico. Os insulina, além de averiguar se a associação
resultados mostraram que a dieta é superior dessa restrição ao treinamento de força
ao exercício para promover a diminuição da aumentaria a magnitude dos resultados. As
gordura corporal. No entanto, quando mulheres foram divididas em dois grupos: (i)
associados (dieta e exercício) o resultado se restrição calórica (n=9); (ii) restrição calórica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.4, n.20, p.218-229. Mar/Abr. 2010. ISSN 1981-9900.
225
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

associado ao treinamento de força (n=10). ondulatória diária não houve redução da taxa
Ambos os grupos realizaram um programa de metabólica de repouso, como houve no grupo
intervenção alimentar durante sete semanas, com periodização linear. Este resultado pode
sendo que o grupo (ii) realizou quatro ser relevante para redução e manutenção da
semanas de treinamento de força com três massa corporal em longo prazo.
sessões semanais, tendo início na terceira Tendo em vista a complexidade que
semana de intervenção. A sessão de caracteriza a obesidade, apenas o tipo de
treinamento de força consistiu de cinco exercício ou o modelo de periodização sejam
exercícios: (1) Extensão de joelho unilateral; pouco eficientes caso não haja um controle
(2) Flexão de joelho unilateral; (3) Leg press; efetivo de outras variáveis como: alimentação,
(4) Chest Press sentado; (5) Puxada sentado. fatores psicológicos, biológicos, entre outros.
Foram executadas três séries em cada Porém, existem evidências científicas
exercício, sendo que nas duas primeiras séries suficientes para sustentar a inclusão do
as mulheres realizaram oito repetições a 80% treinamento de força em um programa de
da repetição máxima (1RM) e, na última série, tratamento de pessoas obesas (Dâmaso,
com a mesma carga, elas realizaram quantas 2009).
repetições fossem possíveis até a exaustão ou
até completar doze movimentos. Os resultados Treinamento Concorrente
desse estudo mostraram que as mulheres de
ambos os grupos tiveram uma diminuição Segundo Mclnnis (2000) o treinamento
significativa no peso corporal, IMC, percentual concorrente, ou seja, o treinamento de
de gordura e circunferência de cintura, sem endurance associado ao treinamento de força,
diferença estatística entre os grupos. No é uma opção muito interessante no controle da
entanto, a implementação do treinamento de obesidade.
força foi importante, pois preservou a massa Por exemplo, Banz e colaboradores.
magra das mulheres que realizaram o mesmo, (2002) realizaram um estudo com homens
enquanto que o grupo que realizou apenas obesos a fim de verificar as diferenças entre
dieta teve um decréscimo significativo da os efeitos de um programa de treinamento
massa magra ao final das sete semanas. E aeróbio e um programa de treinamento de
mais, a força máxima aumentou 23% apenas força. Os sujeitos foram divididos em dois
no grupo treinado. grupos: (i) treinamento aeróbio e (ii)
Esse estudo apresenta uma limitação treinamento de força. O programa de
importante que é o tempo de duração. Foram treinamento para ambos os grupos consistiu
realizadas apenas sete semanas de em três treinos semanais em dias não
intervenção alimentar e apenas quatro consecutivos e teve duração de dez semanas,
semanas de treinamento de força. Um estudo sendo que o programa de treinamento de força
mais longo provavelmente apontaria efeitos consistia em oito exercícios para os principais
diferentes do treinamento de força sobre a grupos musculares superiores e inferiores,
obesidade. No entanto, ficou evidenciada sua sendo três séries submáximas de dez
eficiência na manutenção da massa magra. repetições por exercício. Já o programa de
Recentemente Foschini e treinamento aeróbio tinha duração de 40
colaboradores (2009), compararam dois tipos minutos e era realizado na intensidade de 65-
de periodizações (linear e ondulatória diária) 85% da freqüência cardíaca máxima.
associadas ao treinamento aeróbio e Os autores reportaram que não houve
intervenção multidisciplinar em adolescentes diferença significativa entre os grupos com
obesos. Os resultados demonstraram que relação ao peso, IMC, percentagem de
ambos os tipos de periodizações associadas à gordura e massa livre de gordura, sendo que
intervenção multidisciplinar promoveram ambos os grupos apresentaram melhora no
modificações positivas na composição desempenho, além de alcançarem melhoras
corporal, com redução na massa corporal, relacionadas aos fatores de risco
índice de massa corpórea, gordura corporal, cardiovasculares associados à síndrome
pressão arterial e melhora no perfil lipídico. metabólica. Todavia, apenas o grupo que
Apesar de não terem sido observadas realizou treinamento de força apresentou
diferenças estatisticamente significativas entre diminuição significativa da massa adiposa e
os tipos de periodização, na periodização um aumento da massa magra. Em virtude dos

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.4, n.20, p.218-229. Mar/Abr. 2010. ISSN 1981-9900.
226
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

resultados os autores concluíram que as duas CONCLUSÃO


modalidades de exercício foram eficientes na
diminuição dos fatores de riscos coronarianos. Os programas de intervenção
No entanto, cada modalidade de treinamento multidisciplinar parecem ser a forma mais
resulta em benefícios particulares. Dessa eficiente de tratamento da obesidade.
forma, parece que a combinação entre o Evidências científicas deixam claro que o
exercício aeróbio e o exercício de força é a exercício tem papel fundamental nesses
forma mais adequada de organizar um programas. Os efeitos do exercício vão além
programa de treinamento para indivíduos da perda de peso, promovendo também a
obesos. diminuição do percentual de gordura, o
Outros estudos têm sugerido que o aumento da massa magra, melhora da
trabalho conjunto de exercícios aeróbios e capacidade aeróbia, além de proporcionar
exercícios com pesos apresentariam melhores benefícios relacionados aos fatores de riscos
resultados para o emagrecimento em cardiovasculares associados à síndrome
indivíduos obesos (Mclnnis, 2000), além de metabólica. É importante ressaltar que os
melhorar significativamente o consumo estudos sugerem que o treinamento aeróbio
máximo de oxigênio, força máxima, resistência realizado concomitantemente com o
muscular localizada e promover manutenção treinamento de força proporciona os melhores
da massa magra (Fleck e Kraemer e efeitos em indivíduos obesos. No entanto
colaboradores, 2006). ainda é necessário esclarecer a dose-resposta
Um estudo conduzido por Fett, Fett e para as diferentes modalidades de exercício
Machini (2009), comparou os efeitos de um para otimizar o papel do exercício no processo
treinamento de força em circuito com o jogging de emagrecimento
em mulheres obesas. Nesse estudo 50
mulheres foram divididas em dois grupos (i) REFERÊNCIAS
treinamento de força em circuito e (ii) jogging.
Ambos os grupos treinaram durante dois 1- Amati, F.; Dubé, J.J.; Shay, C.; Goodpaster,
meses, sendo que no primeiro mês as B.H. Separate and combined effects of
mulheres realizaram três treinos de 60 minutos exercise training and weight loss on exercise
(45 minutos de treinamento + 15 minutos de efficiency and substrate oxidation. Journal of
aquecimento e volta à calma) e no segundo Applied Physiology. Vol. 105. Num. 3. 2008. p.
mês, quatro treinos com a mesma duração. O 825–831.
treinamento aeróbio foi realizado na
intensidade de 70-80% da freqüência cardíaca 2- Banz, W.J.; Maher, M.A.; Thompson, W.G.;
de reserva. O treinamento em circuito consistiu Bassett, D.R.; Moore, W.; Ashraf, M.; Keefer,
em 15 estações de exercícios de força para os D.J.; Zemel, M.B. Effects of Resistance versus
principais grupos musculares com 30 Aerobic Training on Coronary Artery Disease
segundos de duração (10 a 20 repetições por Risk Factors. Experimental Biology and
exercício) alternando com 30 segundos de Medicine. Vol. 228. Num. 4. 2003. p. 434–440.
caminhada ou jogging. Ambos os grupos
reduziram a massa corporal, IMC, massa 3- Berggren, J.R.; Hulver, M.W.; Houmard, J.A.
adiposa, ácido úrico plasmático, sem Fat as an endocrine organ: influence of
alterações na massa magra. O grupo que exercise. Journal of Applied Physiology. Vol.
realizou jogging especificamente melhorou os 99. Num. 2. 2005. p. 757-764.
parâmetros dislipidêmicos e diminuiu a
pressão arterial. A conclusão dos autores foi 4- Brill, B.J, Perry, A.C, Parker, L, Robinson, A,
que ambos os protocolos de treinamento Burnett, K. Dose-response effect of walking
diminuíram os riscos de doenças exercise on weight loss. How much is
cardiovasculares e os fatores de risco enough?. International Journal of Obesity and
metabólicos, sendo que os resultados Related Metabolic Disorders. Vol. 26. Num. 11.
sugerem que a combinação dos protocolos de 2002. p. 1484–1493.
exercício deveria ser incluída para indivíduos
obesos. 5- Caranti, D.A.; de Mello, M.T.; Prado, W.L.;
Tock, L.; Siqueira, K.O.; de Piano, A.; Lofrano,
M.C.; Cristofalo, D.M.; Lederman, H.; Tufik, S.;

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.4, n.20, p.218-229. Mar/Abr. 2010. ISSN 1981-9900.
227
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

Dâmaso, A.R. Short and long-term beneficial 13- Dâmaso, A.R. Obesidade. Rio de Janeiro.
effects of a multidisciplinary therapy for the Guanabara Koogan. 2009. p. 316.
control of metabolic syndrome in obese
adolescents. Metabolism: Clinical and 14- Diretriz Brasileira de Diagnóstico e
Experimental. Vol. 56. Num. 9. 2007. p. 1293- Tratamento da Síndrome Metabólica I. Arq.
1300. Bras. Cardiol. Vol 84. 2005. p.8-26,
(suplemento I).
6- Carneiro, G.; Faria, A.N.; Filho, F.F.R.;
Guimarães, A.; Lerário, D.; Ferreira, S.R.G., 15- Domingues filho, L.A. Obesidade e
Zanella, M.T. Influência da distribuição da atividade física. Jundiaí. Fontoura, 2000. p.
gordura corporal sobre a prevalência de 103.
hipertensão arterial e outros fatores de risco
cardiovascular em indivíduos obesos. Revista 16- Eriksson, J.; Taimela, S.; Koivisto, V.A.
da Associação Médica Brasileira. Vol. 49. Exercise and the metabolic syndrome.
Num. 3. 2003. p. 306-311. Diabetologia. Vol. 40. Num. 2. 1997. p. 125-35.

7- Chopra, M.; Galbraith, S.; Darnton-Hill, I. A 17- Fett, C.A.; Fett, W.C.R.; Marchini, J.S.
global response to a global problem: the Exercício resistido vs jogging em fatores de
epidemic of overnutrition. Bull World Health risco metabólicos de mulheres com
Organ. Vol. 80. Num. 12. 2002. p. 952-958. sobrepeso/obesas. Arquivos Brasileiros de
Cardiologia. Vol. 93. Num. 5. 2009. p. 480-486.
8- Church, T.S.; Earnest, C.P.; Skinner, J.S.;
Blair, S.N. Effects of different doses of physical 18- Fleck, S.J.; Kraemer, W.J. Fundamentos
activity on cardiorespiratory fitness among dotreinamento de força muscular. Porto
sedentary, overweight or obese Alegre. Artmed. p. 375
postmenopausal women with elevated blood
pressure. JAMA: the Journal of American 19- Foschini, D.; Araújo, R.C.; Bacurau, R.F.;
Medical Association. Vol. 297. Num. 19. 2007. De Piano, A.; De Almeida, S.S.; Carnier, J.;
p. 2081-2091. Rosa, T.D.; De Mello, M.T.; Tufik, S.; Damaso,
A.R. Treatment of obese adolescents: the
9- Church, T.S.; e colaboradores. Effects of influence of periodization models and ACE
Different Doses of Physical Activity on genotype. Obesity. Vol. 18. Num. 4. 2009. p.
Cardiorespiratory Fitness Among Sedentary, 766-72
Overweight or Obese Postmenopausal Women
With Elevated Blood Pressure. American 20- Foster, G. The behavioral approach to
Medical Association. JAMA. Vol. 297. Num. 19. treating obesity. American Heart Journal. Vol.
2007. p. 2081–2091. 151. Num. 3. 2006. p. 141-150.

10- Ciolac, E.G.; Guimarães, G.V. Exercício 21- Foster-Schubert K.E.; Cummings D.E.
físico e síndrome metabólica. Revista Emerging Therapeutic Strategies For Obesity.
Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 10. Endocrine Reviews. Vol. 27. Num. 7. 2006. p.
Num. 4. 2004. p. 319-324. 779-93.

11- Colégio Americano de Medicina do 22- Graves, J.E.; Franklin, B.A. Treinamento
Esporte. Diretrizes do ACSM para os testes e resistido na saúde e reabilitação. Rio de
esforço e sua prescrição.Rio de janeiro Janeiro. Revinter. 2006. p 440
Guanabara Koogan; 2007. p. 288.
23- Guedes, D.P.; Guedes, J.E.R.P.
12- Coquart, J.B.; Lemaire, C.; Dubart, A.E.; Distribuição de gordura corporal, pressão
Luttembacher, D.P.; Douillard, C.; Garcin, M. arterial e níveis de lipídios-lipoproteínas
Intermittent versus continuous exercise: effects plasmáticas. Arquivos Brasileiros de
of perceptually lower exercise in obese Cardiologia. Vol. 70. Num. 2. 1998. p. 93-98.
women. Medicine and Science Sports and
Exercise. Vol. 40. Num. 8. 2008. p. 1546-53. 24- Hakkinen, K.; Alen, M.; Kraemer, W.J.;
Gorostiaga, E.; Izquierdo, M.; Rusko, H.;

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.4, n.20, p.218-229. Mar/Abr. 2010. ISSN 1981-9900.
228
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

Mikkola, J.; Hakkinen, A.; Valkeinen, H.; Association. Vol. 290. Num. 10. 2003. p. 1323-
Kaarakainen, E.; Romu, S.; Erola, V.; 1330.
Athiainen, J.; Paavolainen, L. Neuromuscular
adaptations during concurrent strength and 32- Jakicic, J.M.; Clark, K.; Coleman, E.;
endurance training versus strength training. Donnelly, J.E.; Foreyt, J.; Melanson, E.; Volek,
European Journal Applied Physiology. Vol 89. J.; Volpe, S.L.; American College of Sports
Num. 1. 2003. p. 42-52. Medicine. Appropriate intervention strategies
for weight loss and prevention of weight regain
25- Hansen, D.; Dendale, P.; Berger, J.; Van for adults: position stand of the American
Loon, L.J.C.; Meeusen, R. The Effects of College of Sports Medicine. Medicine Science
exercise training on fat-mass loss in obese Sports Exercise. Vol. 33. Num. 12. 2001. p.
patients during energy intake restriction. Sports 2145-56.
Medicine. Vol. 37. Num. 1. 2007. p. 31-46.
33- Jakicic, J.M.; Winters, C.; Lang, W.; Wing,
26- Hauser, C.; Benetti, M.; Rebelo, F.P.V. R.R. Effects of Intermittent Exercise and Use
Estratégias para o emagrecimento. Revista of Home Exercise Equipment on Adherence,
Brasileira de Cineantropometria & Weight Loss, and Fitness in Overweight
Desempenho Humano. Vol. 6. Num. 1. 2004. Women - A randomized trial. JAMA: The
p. 72-81. Journal of American Medical Association. Vol.
282. Num. 16. 1999. p. 1554-1560.
27- Hernández-Torres, R.P.; Ramos-Jiménez,
A.; Torres-Durán, P.V.; Romero-Gonzales, J.; 34- Joseph, L.J.O.; Trappe, T.A.; Farrell, P.A.;
Mascher, D.; Posadas-Romero, C.; Juarez- Campbell, W.W.; Yarasheski, K.E.; Lambert,
Oropeza, M.A. Effects of single sessions of C.P.; William, J.; Evans, W.J. Short-term
continuous and moderated intensity moderate weight loss and resistance training
intermittent exercise on blood lipids in the do not affect insulin-stimulated glucose
same endurance runners. Journal of Science disposal in postmenopausal women. Diabetes
and Medicine in Sport. Vol. 12. Num. 2. 2008. Care. Vol. 24. Num. 11. 2001. p. 1863–1869.
p. 323-331.
35- Kraemer, W.J.; Ratamess, N.A.; French,
28- Hill, J.O.; Drougas, H.; Peters, J.C. Obesity D.N. Resistance training for health and
treatment: can diet composition play a role? performance. Current Sports Medicine
Annals of Internal Medicine. Vol. 119. Num. 7. Reports. Vol. 1. Num. 3. 2002. p. 165-71.
1993. p. 694-697.
36- McInnis, K.J.; Exercise and obesity.
29- Instituto Brasileiro Geografia E Estatística Coronary Artery Disease. Vol. 11. Num. 2.
(Ibge). Pesquisa de Orçamentos Familiares – 2000. p. 111-116.
Referência obtida na Internet.
<http://www.ibge.gov.br>. Acesso em julho / 37- Mendonça, C.P.; Anjos, L.A. Aspectos das
2010 práticas alimentares e da atividade física como
determinantes do crescimento do
30- Irwin, M.L.; Yasui, Y.; Ulrich, C.M.; Bowen, sobrepeso/obesidade no Brasil. Cadernos de
D.; Rudolph, R.E.; Schwartz, R.S.; Yukawa, Saúde Pública. Vol. 20. Num. 3. 2004. p. 698-
M.; Aiello, E.; Potter, J.D.; Mctiernan, A. Effect 709.
of exercise on total and intra-abdominal body
fat in postmenopausal women - A Randomized 38- Organização Mundial de Saúde (OMS).
controlled trial. JAMA: The Journal of American Obesidade: Prevenção e Gestão de Uma
Medical Association. Vol. 289. Num 3. 2007. p. epidemia global. WHO Obesity Technical.
323-330. Report Series 894. Genebra, Suiça. 2000.

31- Jakicic, J.M.; Marcus, B.H.; Gallagher, K.I.; 39- Petersen, A.M.; Pedersen, W.B.K. The
Napolitano, M.; Lang, W. Effect of exercise anti-inflammatory effect of exercise. Journal of
duration and intensity on weight loss in Applied Physiology. Vol. 98. Num. 4. 2005. p.
overweight, sedentary women - A randomized 1154–62.
trial. JAMA: The Journal of American Medical

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.4, n.20, p.218-229. Mar/Abr. 2010. ISSN 1981-9900.
229
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

40- Reilly, M.P.; Lehrke, M.; Wolfe, M.L.;


Rohatgi, A.; Lazar, M.A.; Rader, D.J. Resistin
Is an Inflammatory Marker of Atherosclerosis in
Humans. Circulation. Vol. 111. Num. 7. 2005.
p. 932-939.

41- Ross, R.; Janssen, I.; Dawson, J.; Kungl,


A.M.; Kuk, J.L.; Wong, S.L.; Nguyen-Duy, T.B.;
Lee, S.; Kilpatrick, K.; Hudson, R. Exercise-
induced reduction in obesity and Insulin
Resistance in Women: a Randomized
Controlled Trial. Obesity Research. Vol. 12.
Num. 5. 2004. p. 789-798.

42- Solomon, T.P.; Sistrun, S.N.; Krishnan,


R.K.; Del Aguila, L.F.; Marchetti, C.M.;
O'Carroll, S.M.; O'Leary, V.B.; Kirwan, J.P.
Exercise and diet enhance fat oxidation and
reduce insulin resistance in older obese adults.
Journal of Applied Physiology. Vol. 104. Num.
5. 2008. p. 1313–1319.

43- Tock, L.; Prado, W.L.; Caranti, D.A.;


Cristofalo, D.M.; Lederman, H.; Fisberg, M.;
Siqueira, K.O.; Stella, S.G.; Antunes, H.K.;
Cintra, I.P.; Tufik, S.; de Mello, M.T.; Dâmaso,
A.R. Nonalcoholic Fatty Liver Disease
Decrease In Obese Adolescents After
Multidisciplinary Therapy. European Journal of
Gastroenterology & Hepatology. Vol. 18. Num
12. 2006. p. 1241-45.

44- Van Aggel-Leijssen, D.P.; Saris, W.H.;


Wagenmakers, A.J.; Senden, J.M.; Van Baak,
M.A. Effect of exercise training at different
intensities on fat metabolism of obese men.
Journal of Applied Physiology. Vol. 92. Num 3.
2002. p. 1300-1309.

Recebido para publicação em 10/03/2010


Aceito em 28/04/2010

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.4, n.20, p.218-229. Mar/Abr. 2010. ISSN 1981-9900.