Você está na página 1de 2

5

introdução
Quem nunca quis ser um super-herói? Quem nunca quis ter superforça, invulnerabilidade ou
— mais do que tudo — o poder de voar? Os super-heróis são parte de nossa cultura há
gerações. Eles se tornaram um tipo de mitologia moderna — histórias de heróis e vilões com
poderes e habilidades além dos mortais comuns, presos na batalha sem fim do bem contra o
mal.
Os super-heróis também são parte do mundo dos jogos de interpretação há bastante tempo.
Faz décadas desde que os primeiros RPGs de super-heróis foram publicados, permitindo aos
jogadores criar seus próprios heróis e contar histórias de suas batalhas contra as forças do
mal. Mutantes & Malfeitores se juntou a suas fileiras com sua primeira edição, nos EUA, em 2002,
expandindo as fronteiras dos jogos baseados no sistema d20 sob a Open Game License. E foi
bem-sucedido o suficiente para que uma segunda edição fosse lançada em 2005, publicada
no Brasil em 2008 pela Jambô.
Esta mais nova edição agora leva o jogo um passo adiante. Não importa se você é um fã de
longa data ou se esta é sua introdução ao mundo de M utantes & Malfeitores — você tem nas mãos
a chave para mundos de aventuras super-heroicas sem limite. Tudo o que você precisa para
se juntar à batalha sem fim pela justiça é de alguns dados, alguns amigos e a sua
imaginação!
Você pode começar a jogar M utantes & Malfeitores agora mesmo, dando uma olhada no Capítulo
2: Origens Secretas para as diferentes opções de como criar seus próprio herói, seja do
zero, usando o sistema de pontos de poder do jogo, seja usando um dos arquétipos
apresentados naquele capítulo. O mestre também deve conferir o Capítulo 9: Mestrando
para criar suas próprias aventuras. Mundos inteiros de ação e aventura agora estão nas suas
mãos!

O QUE É RPG?
Os roleplaying games (“jogos de interpretação”; abrevia-se “RPG”) colocam os jogadores no
papel de personagens específicos em uma história. No caso de Mutantes & Malfeitores, tratam-se
de super-heróis em aventuras como aquelas das histórias em quadrinhos. Em essência, é
como se você fingisse ser um super-herói quando era criança, mas com regras e dados, e
sentado ao redor de uma mesa com os amigos em vez de correndo por aí com uma capa
feita em casa (embora você ainda possa usar uma capa, se quiser).
Um dos participantes do jogo assume o papel de mestre. O mestre inventa a história, diz aos
outros jogadores o que está acontecendo e controla as ações dos vilões e do elenco de apoio.
Cada um dos outros participantes, os jogadores, assume o papel de um herói específico, os
protagonistas da história. Os jogadores decidem as ações e reações de seus heróis. Os
personagens da história controlados pelos jogadores são chamados de personagens dos
jogadores (ou “PJs”), enquanto os personagens controlados pelo Mestre são os personagens
do mestre (ou “PdMs”).
Um RPG é um processo cooperativo de narração de histórias: o mestre descreve uma
situação ou cenário para os jogadores, como “vocês ouvem um alarme vindo do banco!”. Os
jogadores então escolhem como seus personagens reagem (“A gente corre pro banco pra ver
o que tá acontecendo!”). As coisas se desenrolam em uma troca, com o mestre explicando o
desenvolvimento da história (como um supervilão está roubando o banco e tentando fugir,
etc.) e os jogadores decidindo o que seus personagens vão fazer (como fazer um herói
mergulhar pelo ar e impedir o carro do vilão de partir, enquanto outro arranca a porta do
carro, e assim por diante). Nesse processo, o grupo inteiro cria uma história emocionante, do
jeito dos gibis e filmes.
Como todos os jogos, os RPGs têm regras. As regras ajudam a determinar o que acontece
durante o jogo: será que o herói é bem-sucedido em impedir o carro do vilão de partir? Será
que o herói é forte o suficiente para arrancar a porta com as mãos?
Com as regras do jogo, os jogadores e o mestre têm uma referência em comum para decidir
como as coisas se desenrolam à medida que a história se desenvolve, na esperança de evitar
aquelas discussões de criança do tipo “Acertou! Não acertou!” das brincadeiras que se
desenrolam na imaginação.
Todas as regras para jogar Mutantes & Malfeitores podem ser encontradas neste livro. No entanto,
apenas uma regra é essencial: se for divertido e interessante para a história, então vá em
frente! Nenhum conjunto de regras e mecânicas vai dar conta de cada situação possível, e
algumas vezes as regras parecerão estranhas ou levarão a resultados sem sentido. Quando
isso acontecer, sinta-se livre para esquecer as regras e fazer o que for mais divertido. Esta é
uma das vantagens de um RPG sobre um videogame ou um jogo de tabuleiro; você pode
dobrar as regras quando elas ficam no caminho da diversão!