Você está na página 1de 4

Morfologia - Conjunções: Relação de causa e consequência

CONJUNÇÃO

Classificação das conjunções (e locuções) coordenativas

Aditivas: estabelecem sentido aditivo (acréscimo) entre termos ou orações. As principais são e e nem(com valor
de e não). Veja só:

Eu estudo e trabalho. Não estudo nem trabalho.

Por vezes, o sentido aditivo é estabelecido por grupos de palavras: não só ... mas também, não apenas .... como
também, não somente ... mas também, etc.

Não só estudo, como também trabalho.

Adversativas: estabelecem sentido de oposição, adversidade. As principais


são mas, porém, contudo, todavia, entretanto e no entanto.

Estudou muito, mas não passou.

Alternativas: estabelecem sentido de alternância. As principais


são: ou, ou...ou, já...já, ora...ora, quer...quer, já...já, seja...seja, etc.

Quero café ou leite.

Ora assisto a filmes, ora assisto a novelas.

Conclusivas: estabelecem o fecho conclusivo de um raciocínio. As principais são logo, portanto, por isso, por
conseguinte, assim, etc.

O carro enguiçou, portanto não pudemos chegar na hora combinada.

Explicativas: estabelecem ideia de explicação para a afirmativa feita na oração com que se relacionam. As
principais conjunções são pois (sempre no início da oração), que , porquanto e porque .

Chore, que é bom.

Corra, pois vai chover.

Ligue-me depois, porque estou ocupado agora.

Bate pouco sol neste quarto, porquanto cheira a mofo.


Classificação das conjunções (e locuções) subordinativas

As conjunções (e locuções) subordinativas introduzem as chamadas orações subordinadas, ou seja, aquelas que
exercem função sintática em relação a uma outra oração chamada principal.

Integrantes: são as conjunções que e se quando introduzem orações subordinadas de caráter substantivo, ou
seja, orações que exercem função de sujeito, de predicativo, de objeto direto, de objeto indireto, de complemento
nominal e de aposto. É comum o reconhecimento de uma oração substantiva por meio de sua substituição pelo
pronome ISTO. Veja.

Isto é importante. [Que eu trabalhe] é importante.

(sujeito)

Causais: que (= porque), porque, porquanto, como, pois, porquanto, já que, visto que, uma vez que (com o
verbo no indicativo), etc.

O governador não participou da reunião porque viajou.

Concessivas: embora, conquanto, ainda que, mesmo que, por mais que, se bem que, apesar de que, nem
que, posto que, sem que, etc.

Embora chova, sairei.

Mesmo que você grite, não lhe darei atenção.

Conformativas: conforme, como, segundo, consoante, que, etc.

Como o serviço de meteorologia previu, choveu hoje.

Condicionais: se, caso, sem que, uma vez que (com o verbo no subjuntivo), desde que (com o verbo no
subjuntivo), dado que (com o verbo no subjuntivo), contanto que, salvo se, a menos que, etc.

Se você me ouvir, entenderá.

Consecutivas: que (em correlação com tal, tanto, tão, tamanho), de modo que, de sorte que, de maneira que, etc.

A sacola é tão frágil, que rasgou.


Finais: para que, a fim de que, que (= para que), porque (= para que), sempre com verbo no subjuntivo.

Ela só gritou para que eu me desconcentrasse.

Proporcionais: à medida que, à proporção que, ao passo que, quanto mais...(mais), quanto mais...(tanto
mais), quanto mais...(menos ou tanto menos), etc.

À medida que chovia, os rios iam subindo.

Temporais: quando é a conjunção básica.

Quando você chegou, eu saí.

RELAÇÕES DE CAUSA E EFEITO

Reflexão importante.

Quando se empregam conjunções na criação de relações de causa e efeito, pode-se dar uma das três situações
seguintes: