Você está na página 1de 11

MATERIAL TEÓRICO

Componente curricular MATEMÁ TICA


Ano/Série 3ª SÉ RIE

MATEMÁTICA 1 – PROFESSOR GIOVANI


Aula 1
A média aritmética é considerada uma medida de tendência
central e é muito utilizada no cotidiano. Soma de termos dividido
pelo nú mero de termos. Questõ es que envolvem médias
geralmente abordam a soma média ou nova média. Quando o
item já te oferece à média e com a soma de mais um termo ao
grupo pede a nova média. Surge do resultado da divisã o do
somató rio dos nú meros dados pela quantidade de nú meros
somados.
Vamos determinar a média dos nú meros 3, 12, 23, 15, 2.
Ma = (3+12+23+15+2) / 5

Ma = 55 / 5

Ma = 11

A média dos nú meros é igual a 11.

Esse tipo de cá lculo é muito utilizado em campeonatos de


futebol, no intuito de determinar a média de gols da rodada; nas
escolas, para o cá lculo da média final dos alunos; nas
pesquisas estatísticas, pois a média dos resultados determina o
direcionamento das ideias expressas pelas pessoas pesquisadas
etc.
O estudo de médias pode se aplicar a grupos também. Quando
multiplicamos o nú mero de a

Ex.: em um grupo de 12 amigos 8 tem R$ 1200,00 e 4 tem R$1800,00.


Qual a média de valores que eles possuem?

8 x 1200+4 x 1800 9600+7200


= = 1400
12 12

Neste exemplo temos que a média dos valores dos 12 amigos é R$


1400,00.

Outro tipo de questã o sã o os que envolve pesos como questõ es de


provas. Observe a situaçã o a seguir:
Ex.: Pedro está no ultimo bimestre do 3° ano e está preocupado com
suas notas em física. Observe suas notas atuais:
BIMESTRE NOTA PESO
1° 3,2 1
2° 6,1 2
3° 7,8 3

Sabendo que a nota do quarto período tem peso 4 e que a média da


escola é 6. Qual a menor nota para ter aprovaçã o anual Pedro precisa
tirar?
Resoluçã o:
Somando as notas junto com os pesos temos:
3,2 x 1+ 6,1 x 2+7,8 x 3+4 k
=6
10
Onde k é a nota a ser tirada no 4° período e dividimos por 10 pois em
questõ es com peso precisamos dividir pela soma dos pesos.

Resolvendo as operaçõ es temos que 38,8 + 4k = 60  4k = 21,2  k =


5,3.
Ou seja, para o Pedro ser aprovado no período ele precisa tirar 5,3 no
quarto período.

ATIVIDADES
1 – Considere que a média das notas de matemá tica de 23 alunos do 3°
ano seja 5,4. Um novo aluno chegou na turma e sua nota é 8,4.
Somando a nota dele os demais qual será o aumento da média?

2 – Durante uma gincana a pontuaçã o dos alunos em uma prova deve


ser somada para se determinar a média da equipe:

Sabendo que Anna, Bruna, Carlos, Gustavo e Leonardo marcaram 50


pontos enquanto Paulo, Juliana, Eduardo e Denis marcaram 42 qual foi
a média do grupo?

3 – Sabe-se que a expectativa de vida de uma cidade é 76,8 anos e que


ela possui 60 mil habitantes. A cidade vizinha a essa tem 50 mil
habitantes e tem expectativa de vida em 74,6 anos. Com base nessas
informaçõ es qual a expectativa média das duas cidades juntas?

4 – O valor do dó lar sofre variaçõ es diá rias conforme a tabela a seguir:


DIA DA SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA
SEMANA
VALOR 4,98 5,02 4,96 4,92 4,94

Com base nessas informações determine:


a) Qual o valor médio do dólar nesta semana?

b) Em quais dias o dólar esteve abaixo da média semanal.


5 – Durante o treino de fórmula 1 de um carro obteve os seguintes
tempos:
VOLTA 1 2 3 4
TEMPO (min) 2,7 2,4 2,35 2,32

Sabendo que a 5 volta foi 2 segundos mais rápido que a média das 4
primeiras voltas, determine o tempo da 5 volta.

MATEMÁTICA 2 – PROFESSOR RAFAEL


Aula 1 e 2 – Equaçõ es do 1º grau, equaçõ es do 2º grau, equaçõ es
produto e quociente.
1) Equações do 1º grau
As equações do 1° grau podem aparecer explícitas,
envolvidas em algum problema ou em meio a tabelas e grá ficos. Mas
independentemente de como elas vierem, a forma de resolvê-las nã o
varia muito. Em geral, a equaçã o de 1° grau é do tipo ax + b = 0, em
que a e b sã o os coeficientes da equaçã o (a ≠ 0), e x é a variá vel. Uma
equaçã o do 1° grau pode ter apenas uma soluçã o ou nenhuma.

Exemplo: Desde 2005, o Banco Central nã o fabrica mais a nota de R$


1,00 e, desde entã o, só produz dinheiro nesse valor em moedas. Apesar
de ser mais caro produzir uma moeda, a durabilidade do metal é 30
vezes maior que a do papel. Fabricar uma moeda de R$ 1,00 custa R$
0,26, enquanto uma nota custa R$ 0,17, entretanto, a cédula dura de
oito a onze meses.
Disponível em: http://noticias.r7.com. Acesso em: 26 abr. 2010.
Com R$ 1 000,00 destinados a fabricar moedas, o Banco
Central conseguiria fabricar, aproximadamente, quantas cédulas a
mais?
a) 1 667.
b) 2 036.
c) 3 846.
d) 4 300.
e) 5 882.

Resolução:
De acordo com o texto, gasta-se R$ 0, 26 para produzir uma
moeda de um real e apenas R$ 0,17 para produzir uma nota de mesmo
valor. Para saber quantas moedas ou cédulas podem ser produzidas
com determinado valor, basta fazer o quociente entre o valor
empregado e o custo da moeda ou da cédula. Claramente podemos ver
que, com um mesmo investimento, podem ser produzidas mais cédulas
do que moedas. 
Para determinar quantas cédulas seriam produzidas a mais
(x), vamos determinar a diferença entre o quociente das cédulas e das
moedas. De forma simplificada, temos a seguinte equaçã o:
x =  valor empregado  –  valor empregado 
  custo por cédula      custo por moeda 
O enunciado informa que o valor empregado é de R$ 1 000,00.
Já sabemos que o custo por moeda é de R$ 0,26 e por cédula é de R$
0,17. Sendo assim, temos:
x =  1 000  –  1 000 
      0,17        0,26
x ≈ 5 882,34 – 3 846,14
x ≈ 2 036,2 

Portanto, com R$ 1 000,00, podem ser produzidas cerca de 2


036 cédulas a mais do que moedas de um real. A alternativa que indica
a resposta correta é a letra b.

2) Equações do 2º grau.
As equações do 2° grau também podem aparecer de diversas
formas, mas sempre obedecerã o a um mesmo padrã o:  ax² + bx + c =
0 (a, b e c sã o os coeficientes da equaçã o (a ≠ 0), e x é a variá vel). Uma
equaçã o do 2° grau pode ter duas soluçõ es, uma ou nenhuma.
Existem formas alternativas para resolver uma equaçã o do 2°
grau incompleta, mas, em geral, podemos sempre utilizar a fó rmula de
Bhaskara ao nos depararmos com equaçõ es do 2° grau. Utilizando
Bhaskara, basta substituir os coeficientes na seguinte equaçã o:

Exemplo: Um laticínio possui dois reservató rios de leite. Cada


reservató rio é abastecido por uma torneira acoplada a um tanque
resfriado. O volume, em litros, desses reservató rios depende da
quantidade inicial de leite no reservató rio e do tempo t, em horas, em
que as duas torneiras ficam abertas. Os volumes dos reservató rios sã o
dados pelas funçõ es V1(t) = 250t³ - 100t + 3000 e V2(t) = 150t³ +
69t + 3000.

Depois de aberta cada torneira, o volume de leite de um reservató rio é


igual ao do outro no instante t = 0 e, também, no tempo t igual a
a) 1,3 h.
b) 1,69 h.
c) 10,0 h.
d) 13,0 h.
e) 16,9 h.

Resolução:
Para descobrir em qual momento será igual o volume de leite nos dois
reservató rios, basta igualar V1(t) e V2(t). Sendo assim, temos:
250t³ – 100t + 3000 = 150t³ + 69t + 3000
250t³ – 100t = 150t³ + 69t + 3000 – 3000 
250t³ – 100t = 150t³ + 69t 
Temos aqui uma equaçã o do 3° grau, pois o maior índice da variá vel t é
3. Como dissemos anteriormente, o ideal é tentar transformar essa
igualdade em uma equaçã o do 2° grau. Para tanto, observe que todos
os termos estã o acompanhados de t. Podemos entã o dividir toda a
equaçã o por t:

250t³ – 100t = 150t³ + 69t
 t          t             t         t
250t² – 100 = 150t²+ 69
250t² – 150t² – 100 –  69 = 0
100t² – 169 = 0
Podemos resolver essa equaçã o do 2° grau de duas formas diferentes.
Primeiramente vamos utilizar a fó rmula de Bhaskara, lembrando que a
= 100, b = 0 e c = – 169:

∆ = b² – 4.a.c
∆ = 0² – 4.100.(– 169)
∆ = 67600

t = – b ± √∆
      2.a
t = – 0 ± √67600
      2.100
t =  ± 260
      200
t1 = 260 = 1,3
      200        
t2 = – 260 = – 1,3
      200         

Como estamos falando de tempo, podemos descartar o resultado


negativo. Sendo assim,  t1 = 1,3 h. Portanto, a resposta correta é
a letra a. 
Vamos resolver essa equaçã o incompleta do 2° grau de uma forma
alternativa, sem utilizar a fó rmula de Bhaskara:
100t² – 169 = 0
100t² = 169
t² = 169
       100

t = √169 
    √100
t = 13 
    10
t = 1,3
Observe que obtivemos o mesmo resultado, logo, como dito
anteriormente, nã o há uma ú nica forma de resolver uma equaçã o do 2°
grau.

3) Equações do tipo “produto” ou “quociente”


As equaçõ es produto ou quociente sã o dos tipos a . b = 0 (produto) ou
a/ b = 0 (quociente), com {a; b} ⊂R. 

Resolução:
Estas equaçõ es apresentam duas equivalências. 

Exemplo: 
Vamos resolver a seguinte equaçã o:
ATIVIDADE
1 - Um comerciante vende um produto a R$ 25,00. Ele tem um gasto
mensal total de R$ 6.000,00. A quantidade de produtos que ele deve
vender por mês para ter um lucro mensal de 20% é
a) 48
b) 240
c) 56
d) 288
e) 200

2 - Um treinador preparou para seus atletas um treinamento utilizando


10 cones dispostos em linha reta, distantes 6 m um do outro. O
treinamento consiste em partir correndo de um ponto, que dista 20 m
do primeiro cone, chegar ao primeiro cone e voltar ao ponto de partida.
Em seguida, deve-se repetir a operaçã o para cada cone seguinte. Diante
disso, é CORRETO afirmar que, apó s terminar esse treinamento, o
atleta percorrerá

a) 148 m
b) 470 m
c) 740 m
d) 940 m
e) 1070 m
3 - Uma empresa de peças automotivas vendia 500 unidades de uma
determinada peça a R$ 90,00 cada. No entanto, a cada 10 peças
compradas a mais pelo cliente, eram concedidos R$1,00 de desconto no
preço desta peça.
O maior faturamento possível adquirido por essa empresa foi:
a) R$ 36.000,00
b) R$ 49.000,00
c) R$ 50.000,00
d) R$ 45.000,00
e) R$ 40.000,00

4 - Galileu, um homem de bom conhecimento matemá tico e de posse de


considerá vel valor financeiro, deixou registrado em testamento uma
curiosa partilha dos seus bens aos seus três filhos. Vejamos:
(i) À filha mais velha, Sophie, deixou a quantia z (em milhares de
35
z2  z  0
reais), tal que z é soluçã o positiva da equaçã o 4 ;
7
yz 
(ii) Ao filho do meio, Euler, deixou a quantia y, tal que ; 2
(iii) O filho mais novo, Cantor, receberia uma quantia x, tal que x = z –
2y.

Podemos entã o afirmar que a quantia x,y e z (em milhares de reais)


que cada irmã o irá receber será :

1 5
y z
a) x = 1, 2 e 2
1 7
x z
b) 2 ,y=1e 2
1 5
x z
c) 2 ,y=1e 2
1 5
x z
d) 2 , y = –1 e 2
1 7
x z
e) 2 , y = –1 e 2

5 - Em certa regiã o do litoral paulista, o preço do metro quadrado de


terreno é R$ 400,00. O Sr. Joaquim possui um terreno retangular com
78 metros de perímetro, sendo que a diferença entre a medida do lado
maior e a do menor é 22 metros. O valor do terreno do Sr. Joaquim é:
a) R$ 102 600,00
b) R$ 103 700,00
c) R$ 104 800,00
d) R$ 105 900,00
e) R$ 107 000,00
GABARITO:
1) D
2) D
3) B
4) C
5) B