Você está na página 1de 3

2

A – Complemento direto

V Lembra-te: GUIA DO PROFESSOR


Gramática
Na frase A menina abandonou o seu lugar, o verbo abandonar seleciona comple- 2.
2.1 c. O modificador [de gru-
mento direto: o grupo nominal «o seu lugar». po verbal] é «muito devagar».
Repara ainda no seguinte: a frase «a menina abandonou.» não é gramaticalmente Nota: para distinguir comple-
mentos e modificadores:
correta, pois falta ao verbo o complemento direto. 1) identificar o verbo; 2) veri-
ficar que complementos se-
leciona, se for o caso. Por
exemplo, o verbo tirar: al-
Aprende guém tira alguma coisa a al-
guém; o verbo dar: alguém
V Atenta agora na frase complexa «Recomendou-lhes que protegessem a cabeça dá alguma coisa a alguém.
(…)», ll. 194-195. O verbo atravessar seleciona
complemento direto: alguém
atravessa alguma coisa; o
O verbo recomendar seleciona o complemento direto «que protegessem a ca- grupo adverbial «muito de-
vagar» não é selecionado pe-
beça». lo verbo.
Verifica que o complemento direto é agora uma oração subordinada substantiva 3.
a. MN; b. M[GV] c. M[GV];
completiva – completa o sentido do verbo recomendar. Sem esta oração, a frase d. M[GV]; e. MN.
«Recomendou-lhes» não teria sentido. 4.
a. CD; b. M[GV]; c. M[GV];
d. CD.
Conclui Nota: este é também um
exercício adequado para os
1. O complemento direto pode ser um a. frásico (GN) ou uma alunos que continuam com
dificuldade em fazer a dis-
oração subordinada b. c. . tinção. Leve-os a retirar os
modificadores [de GV] e a ve-
rificar a gramaticalidade das
frases; já retirar os comple-
mentos diretos resulta na
2. Identifica os complementos diretos das frases seguintes, distinguindo os que são GN sua agramaticalidade.
dos que são orações subordinadas substantivas completivas. Chame a atenção dos alunos
para o facto de o verbo reco-
mendar ser transitivo direto
Oração («que protegessem a cabe-
Complemento subordinada ça») e indireto (às duas»).
Frases GN
direto substantiva A – Complemento direto
completiva
1.
a. «A mulher deu-lhe um pente», a. grupo;
l. 41. b. substantiva;
c. completiva.
b. «– Ele diz que voltem depois das três.»,
l. 98. 2.
a. «um pente» / GN.
c. Quando pôs os óculos tudo se tornou b. «que voltem depois das
mais evidente. três», / oração subordinada
substantiva completiva.
d. «– Eu dizia-lhe que nunca roubasse (…)», c. «os óculos» / GN.
l. 184. d. «que nunca roubasse» /
oração subordinada substan-
tiva completiva.

3. Identifica os complementos diretos dos verbos destacados. 3.


a. «que tinha sono»; (nes-
a. O padre disse à irmã que tinha sono. te caso, dentro da oração su-
bordinada existe ainda um
b. A irmã respondeu que queriam falar com ele.
CA

complemento direto – o GN
«sono»).
c. A mãe disse à menina para se preparar. Funções sintáticas das b. «que queriam falar com ele».
orações subordinadas c. «para se preparar».
d. A mãe disse à filha que se preparasse. Pág. 57
d. «que se preparasse».

67
3
4. Ao perceber que vai mesmo ter de entrar na Barca do Inferno, o Enforcado pode ter sentido
vários dos seguintes sentimentos, com exceção de um:
resignação espanto revolta tristeza libertação assombro GUIA DO PROFESSOR
Gramática
4.1 Identifica-o e justifica.
1.
a. Oração subordinada subs-
tantiva completiva;
Aprende
b. Oração subordinada subs-
tantiva completiva;
V Atenta no v. 41: «Mas quem há-de estar no ar». Este verso refere-se, como viste, ao c. oração subordinada adver-
ato de alguém ser enforcado, ficando pendurado no ar. Com este modo de dizer, suavi- bial causal;
za-se a crua realidade do enforcamento. Trata-se de um recurso expressivo designado d. oração subordinada adver-
bial temporal;
eufemismo, que consiste em atenuar ou suavizar uma ideia por meio de palavras apro- e. oração coordenada copula-
priadas. Quando estudares Os Lusíadas de Luís de Camões vais encontrar um dos mais tiva (sindética);
f. oração subordinada adver-
famosos eufemismos da nossa literatura: «Tirar Inês ao mundo determina», verso bial causal.
que se refere à decisão de alguém que mandou matar, assassinar Inês de Castro. Sugestões didáticas:
em 1. a): colocar a frase
complexa na ordem direta:
Eu mando-te que irás aqui;
verificar que a forma verbal
5. Identifica, entre os vv. 27 e 28 outro eufemismo relacionado com a Recursos
mando exige complemen-
expressivos to direto; o complemento in-
morte. Págs. 286-287 direto está presente (te); o
verbo mandar (= ordenar)
é transitivo direto e indireto:
alguém ordena alguma coi-
sa a alguém; levar os alunos
Gramática a descobrir que, neste caso,
o complemento direto é uma
oração subordinada – mando
Pratica o quê?; frequentemente é um
grupo nominal, neste caso é
Coordenação e subordinação; funções sintáticas uma oração;
em 1. b): verificar que o verbo
dizer é transitivo direto e indi-
reto: o complemento indireto
1. Classifica as orações coordenadas ou subordinadas destacadas nos versos seguintes: está presente (me), o direto é
a. «Mando-t’eu que aqui irás», v. 14; a oração subordinada, depen-
dente da forma verbal disse –
b. «me disse nos meus ouvidos / que o lugar dos escolhidos / era a forca e o Limoei- disse o quê?
Tanto em 1. a) como em 1. b)
ro;», vv. 28-30; insistir no facto de que estas
c. «Entra, entra no batel, / que ao Inferno hás-de ir!», vv. 43-44; subordinadas completam o
sentido da forma verbal da
d. «jentaria pão e mel / tanto que fosse enforcado.», vv. 47-48; qual dependem, são, por isso,
completivas. Em 1. c) e 1. f)
e. «Ora, já passei meu fado, / e já feito é o burel.», vv. 49-50; verificar a classe de palavras
a que pertence a conjunção
f. «– Alto! Todos a tirar / que está em seco o batel!», vv. 71-72. que inicia as orações (= por-
que); em 1. d) verificar que a
locução «tanto que» tem va-
lor temporal (= logo que).
2. Indica as funções sintáticas das expressões destacadas:
2.
a. «e já feito é o burel», v. 50; Coordenação a. Sujeito;
e subordinação
b. «e era santo o meu baraço», v. 56. b. Sujeito.
Pág. 279
Nota: muitos alunos revelam
grande dificuldade em identi-
ficar sujeitos à direita do ver-
bo; sempre que aparecem
exercícios deste tipo, convém
chamar a atenção para esta
possibilidade – tão frequen-
te em textos literários. Nes-
ta situação, proceder ao teste
de concordância com o ver-
bo ajuda o aluno a identificar
o sujeito.

141
CANTO V · Adamastor 4
3. O autor do texto exprime opiniões sobre a Carreira da Índia. Escolhe a opção incorreta. Elas
são, relativamente aos Portugueses:
GUIA DO PROFESSOR
a. neutras; b. desfavoráveis; c. justas; d. incómodas. Oralidade (Compreensão)
(cont.)
3. a.
Segunda escuta
4. Sem solução.
4. Verifica o grau de correção das hipóteses que apresentaste como resposta à pergunta 1.1. 5. «A história trágico-maríti-
ma constitui ainda hoje uma
5. Reproduz a afirmação que funciona como conclusão do texto ouvido. lição para todos nós, Portu-
gueses.».
6.
Pós-escuta a. Resposta livre;
b. A História Trágico-Marítima
6. Escolhe uma das seguintes atividades: relata naufrágios Portugue-
ses na Carreira da Índia. Ori-
ginaram narrativas coligidas
A. Escreve um texto com o mínimo de 20 palavras e o máximo de 40 no qual comentes no livro História Trágico-Marí-
essa afirmação, dizendo se concordas ou não com ela e porquê. tima. Como elas mostram os
nossos defeitos de sempre, a
B. Escreve uma síntese do texto que tenha entre 20 e 40 palavras. obra ainda hoje constitui uma
lição. (Outras respostas são
possíveis).

4 Áudio
“A História Trágico-
Vasco da Gama pede à figura que se identifique. -Marítima”

Leitura
1. Predizendo, profetizando o
49 nosso destino, o destino dos
Portugueses.
Mais ia por diante o monstro horrendo,
Dizendo nossos Fados, quando, alçado37, Gramática
1. V. 1 – «horrendo»; v. 3 –
Lhe disse eu: «Quem és tu? Que esse estupendo38 «estupendo»; v. 5 – «negros»;
Corpo, certo,39 me tem maravilhado!» v. 6 «espantoso e grande».
2. O verbo responder selecio-
A boca e os olhos negros retorcendo na completo direto (neste ca-
E, dando um espantoso e grande brado, so, o discurso que se inicia na
estância seguinte) e comple-
Me respondeu, com voz pesada e amara40, mento indireto: quem respon-
Como quem da pergunta lhe pesara41: de, responde alguma coisa
a alguém; o destinatário da
resposta é Vasco da Gama
Vocabulário – «me» – o narrador do epi-
37
levantado (em direção ao Gigante); 38 enorme; 39 na verdade, por Aparição do Gigante Adamastor, sódio: este pronome pesso-
certo; 40 amarga; 41 como se lhe tivesse custado, psicologicamente,
ilustração de Fragonard al tem a função sintática de
complemento indireto.
a ouvir a pergunta
3. Modificador [de GV].

Leitura

1. Explica o sentido da expressão «Dizendo nossos Fados», est. 49, v. 2.

Gramática Pratica
Funções sintáticas
1. Identifica, entre os vv. 1 e 6, quatro grupos adjetivais com fun-
ção sintática de modificador de nome.
2. Indica, justificando, qual a função sintática do pronome pessoal presente no v. 7. Funções
sintáticas
3. Identifica a função sintática do grupo preposicional «com voz pesada e amara», v. 7. Págs. 277-279

201