Você está na página 1de 94

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Fisiologia I
Sebenta Teórica

Professor Doutor Armando Sena


Versão 2006 / 2007

2006/2007 -1-
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Fisiologia Geral das Biomembranas

I. Evolução do Conceito de Membrana Biológica: Os Modelos da sua


Organização Molecular

• R. Hooke (1665) – introduz o termo “célula”.


• T.Schwann (sec. XIX) – enuncia que “as partes elementares dos tecidos
são as células, que são na generalidade semelhantes, mas que diferem na
forma e função”.
• K. Nägeli (1855) – introduz o termo “membrana citoplasmática” (plasma
membrane), responsabilizando-a pelas propriedades osmóticas da célula.
• C. Overtone (1899) – verifica que quanto mais polar é uma molécula mais
lenta é a sua entrada na célula. Propõe para a membrana uma natureza
“LIPÓIDE”, responsável pela regulação da entrada de substâncias na
célula.
• Gorter e Grendel (1925) – os lípidos extraídos das membranas eritrocitárias
dispostos numa mono-camada na interface ar-água, ocupam uma área
aproximadamente dupla da área de superfície total dos eritrocitos intactos.
Propõem que os lípidos membranários estão dispostos numa dupla
camada.

Figura: a) parte apolar; b) grupos polares.

• 1930 – 1950 - Desenvolvimento da microscopia electrónica e descoberta


das estruturas membranárias INTRACELULARES.
• Danielli Davson (1935) e Robertson (1966) – “A dupla camada está disposta
em “sandwich” entre duas camadas proteicas” fundamentada em grande
parte nos estudos em ME e de difracção dos RX na MIELINA.

Figura: Dupla camada lipídica.

2006/2007 -2-
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Robertson propõe a teoria da unidade membranária, pela qual TODAS as


membranas teriam uma idêntica ESTRUTURA TRILAMELAR.
• MODELO EM MOSAICO e MODELO EM MOSAICO FLUIDO: O modelo em
mosaico (Singer e Wallach, em meados dos anos sessenta) propõe
proteínas globulares embebidas na matriz lipídica. O modelo em mosaico
fluido (Singer e Nicolson, 1972; Nicolson, 1976) desenvolve o modelo em
mosaico acentuando ASPECTOS DINÂMICOS DA ESTRUTURA
MEMBRANÁRIA.

Figura: Modelo em mosaico.

2006/2007 -3-
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

II. Estrutura e Dinâmica das Membranas

• Modelo de Singer e Nicolson (1972); Nicolson, (1976):

As cadeias de oligossacáridoss das glicoproteínas e glicolípidos estão


sempre voltadas para o exterior. O ÁCIDO SIÁLICO é frequentemente o seu
último radical, desempenhando função primordial no reconhecimento do
mundo exterior. A esta topografia assimétrica das PROTEÍNAS e
GLICOCONJUGADOS acrescenta-se a das FOSFOLÍPIDOS (por exemplo
a fosfatidiletanolamina predommina frequentemente na camada interna e a
fosfatidilcolina na externa) e do COLESTEROL.
A membrana é uma estrutura dinâmica. As CADEIAS OLIGOSSACÁRIDAS
interagem por pontes de hidrogénio e catiónicas.
Os lípidos são passíveis de DIFUSÃO LATERAL rápida (podem alterar
posição 1.000.000 vezes por segundo) e de uma movimentação VERTICAL
inter-camada geralmente muito lenta (inferior a uma por mês) – flip-flop.
As proteínas são também passíveis de uma movimentação lateral e vertical.
Um sistema contráctil, o CITOESQUELETO, que inclui microtubulos
(complexos de tubulina), actina e miosina, contribui ainda para o
comportamento dinâmico da membrana citoplásmica.

Figura: Estrutura e Dinâmica Membranária: a) matriz extracelular; b)citoplasma.

2006/2007 -4-
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

III. Os Lípidos das Membranas

A) As membranas são muito diversas quanto à quantidade e qualidade


dos lípidos que contêm.

Razão Proteína / Lípido


Mielina 0,23
Fígado (murganho) 0,85
Bastonetes (bovino) 1,0
Eritrocitos (humano) 1,1
Matriz Mitocondrial Externa 1,1
Amiba 1,3
Retículo Sarcoplasmático 2,0
Matriz Mitocondrial Interna 3,2

Tabela: Razão proteína / lípido em diversas membranas de eucariotas.

A Composição Lipídica de Algumas Membranas

Fosfolípidos Esterol Glicoproteínas


Eritrocito (humano) 73 25 <5
Eritrocito (bovino) 70 30 <5
Eritrocito (porco) 63,6 28 12 – 14
Eritrocito (rato) 67,4 24,7 8,3
Matriz Citoplasmática do Fígado
55,2 22 8
(rato) (citoplasma do hepatócito?)
Mielina (humano) 43,1 27,7 27,5
Mielina (rato) 44 27,3 31,5
Tabela: A composição lipídica de algumas membranas

A Composição Fosfolipídica de Algumas Membranas

F.C. F.E. F.S. F.I.


Citoplasmica 20,0 11,5 5,1 4,2
Nuclear 52,2 19,3 3,0 7,3
R.E.R. 51,8 15,8 2,8 7,6
Lisosomal 23,4 12,4 6,2 6,2

Tabela: A composição fosfolipídica de algumas membranas (tirado de rato)

• Existe uma topologia assimétrica dos lípidos nas membranas:


- FE, FS, AG insaturados predominam na face citoplasma
- FC, Esfingom., glicolípidos (xxxgiosidos) predominam na face externa

B) A dupla camada de fosfolipidos

2006/2007 -5-
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

• Moléculas Anfipáticas – têm domínios limitados de superfícies polares e


apolares, e em meio aquoso formam MICELAS, em que as superfícies
hidrofóbicas se agregam minimizando a exposição das superfícies
apolares à superfície – incluem os detergentes e os lípidos complexos.
• Moléculas anfipáticas com resíduos polares e apolares em quantidades
comparáveis tendem a formar estruturas lamelares em dupla camada. Os
FOSFOLÍPIDOS, lípidos predominantes nas biomembranas, têm estas
propriedades e as membranas uma estrutura lamelar. Contudo, fases
hexagonais podem ocorrer nalgumas situações.

- A fase hexagonal I forma micelas (como a fase lamelar) em meio aquoso.


- A fase hexagonal II forma “micelas invertidas” em solventes apolares.

Figura: Estados de agregação ou “fases” na interacção de lípidos complexos


com a água; a) hexagonal I; b) lamelar; hexagonal II.

Cada fosfolípido tem um RAIO DE CURVATURA INTRÍNSECO (Ro) que


reflecte o raio do canal formado pelos grupos polares na fase hexagonal II. A
formação da fase hexagonal II é favorecida por um valor de Ro pequeno (como
para a fosfatidiletanolamina, sendo quase infinito para a fosfatidilcolina devido à
mutilação das aminas), o aumento da insaturação dos ácidos gordos e o
aumento da temperatura.

• Importância patológica: os lisofosfatídeos (efeito de fosfolipases de


certos venenos) geram fases hexagonais - lise da membrana. A fase
hexagonal II é imunogénica, podendo induzir auto-anticorpos nalgumas
doenças;

• Importância funcional: a fusão de membranas, que ocorre em


fenómenos de endocitose, tranporte vesicular, secreção, infecção viral,

2006/2007 -6-
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

etc., exige desidratação parcial entre duas membranas e modificação


transitória da sua estabilidade estrutural – o que poderá envolver
formação de fase hexagonal II. A abundância de fosfatidiletanolamina
nas membranas, fosfolípido que favorece a formação de fase hexagonal
II, poderá ter um papel regulador na morfologia membranária. A
presença de diacilglicerol nas membranas, molécula que reduz a
temperatura de transição de fase lamelar / fase hexagonal II, poderá
regular a geometria e estabilidade membranária. (Os gangliosidos são
moduladores de transição lamelar / hexagonal II com efeito duplo,
dependendo das concentrações).

Em conclusão, o metabolismo lipídico poderá regular o equilíbrio de factores


favorecendo as fases lamelar e hexagonais, com consequências que podem
ser protectoras ou desestabilizadoras (patológicas) para a célula.

C) A fluidez da membrana e a função do esterol nas membranas

Figura: Fluidez membranária

A baixas temperaturas, os fosfolípidos hidratados existem numa fase de gel ou


estado cristalino de reduzida mobilidade física (medida pelo parâmetro de
microviscosidade, ou seu inverso, a fluidez).
A partir de uma determinada temperatura, que varia com o lípido, a
temperatura de transição de fase, Tc, as cadeias hidrocarbonadas, e mais
gradualmente os grupos polares, dos fosfolípidos adquirem bruscamente
mobilidade., originando um estado cristalina-líquido.
A temperatura Tc de um dado lípido varia conforme o COMPRIMENTO e
GRAU DE INSATURAÇÃO dos ácidos gordos.
As membranas biológicas têm em geral uma razão molar esterol : fosfolípidos
de (0,5/1):1. A razão próxima da unidade parece estar favorecida na maioria
das circunstâncias. Nesta razão, próxima da unidade, o colesterol (o esterol
nas células animais) tem a capacidade de aumentar a desordem dos

2006/2007 -7-
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

fosfolípidos abaixo da temperatura Tc e de aumentar a sua ordem acima dessa


temperatura.

Resulta assim que, às TEMPERATURAS FISIOLÓGICAS, o colesterol mantém


as membranas num estado relativamente fluido ou de gel intermediário,
regulando a sua permeabilidade, actividade enzimática e receptora. A sua
distribuição assimétrica será influenciada pela assimetria de composição
lipídica e proteica da membrana.

Deteminantes da fluidez membranária

Determinantes Variável Efeito na fluidez


Temperatura ↑ ↑
↑ comprimento AG ↓
↑ insaturação AG ↑
Lípidos
↑ esfingomielina ↓
↑ colesterol ↑↓↓
Proteína ↑ ↓

Tc depende da composição do grupo polar e dos AG dos fosfolípidos

Tc (ºC)
AG F. Col F. Etan
12:0 0.0 30.0
14:0 23.5 48.3
16:0 41.3 62.6
18:0 - 20.0 -16.0

Efeitos da fluidez nas proteínas da membrana

Exemplo
Mobildade Proteica
- Receptores con. A
• Mobilidade lateral
- Ca2+ ATPase
• Mobilidade rotacional
- Proteínas eritrocitárias
• Mobilidade vertical

UDP – glucoronil transferase


Permeabilidade de Substratos e Ligandos
(subs. UDP ác. glucorónico)

Na+ e K+ ATPase
Actividade Catalítica de Enzimas

Especificidede e Afinidade de Receptores Receptor da insulina e da seratonina

2006/2007 -8-
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Temperatura (ou ponto) de fusão (TF)


Exemplos
dos ácidos gordos
14:0 + 54 ºC
16:0 + 63 ºC
16:1 + 1 ºC
18:0 + 70,1 ºC
18:1 W9 + 16, 3 ºC
18:2 W6 - 5,8 ºC
20:4 W6 - 49,5 ºC
20:5 W3 - 54,4 ºC
22:6 W3 - 44,5 ºC
Tabela: A temperatura teórica de fusão dos ácidos gordos dos fosfolípidos,
como medida de fluidez da membrana.

• Temperatura Teórica de Fusão (TTF)

TTF= ∑ (% dos AG x TF)


100

Notar que a simples adição de uma dupla ligação afecta profundamente as


propriedades físicas do ácido gordo. O ponto de fusão depende por vezes mais
da posição do que do número de duplas ligações. Notar que a maioria das
AGPI são fluidas a temperaturas muito inferiores às compatíveis com a vida, e
à conservação a -20ºC - detrioração dos fosfolipidos (…)

• “Raft”:
Organização lateral dos lípidos e colesterol das membranas em plataformas
móveis, nas quais estão associadas proteínas específicas; Representam-se no
modelo três tipos possíveis de proteínas (P1 – P3).

2006/2007 -9-
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Deste modo, os “rafts” lipídicos regulam o tráfico membranário de certas


proteínas, para além doutros processos – como o metabolismo da proteína
percursora do amilóide ou a polarização da motilidade celular, a transdução de
sinal e a endocitose para certas proteínas.

• Cavéolas
Subtipos de rafts lipidicos, com a característica de possuirem proteinas
especificas, as caveolinas (1,2,3).
Implicações funcionais:
• Transdução de sinal (factores de crescimento) e função de proteínas
ligadas ao GPI, desenvolvimento e transmição sinaptica
• Endocitose independente de clatrina – não leva à fusão com os
lisossomas.
• A deficiência em caveolina-3 (mutações), específica muscular, resulta
em patologia humana. A deficiência em caveolina-1 (presente nas
células não musculares) no murganho, resulta em problemas
cardiovasculares e respiratórios.
• Medeia a endocitose para moléculas patogénicas e microorganismos,
evitando a sua degradação pelos lisossomas.
Exemplos:

IV. As proteinas da membrana

A. Medeiam a maior parte das junções ENZIMÁTICAS DE TRANSPORTE E


RECEPTORA das membranas.

2006/2007 - 10 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

O conteúdo proteico varia considerávelmente com o tipo de membrana,


reflectindo os seus diferentes níveis de actividade.

“Em média” Proteínas


20% Água Mielina 20-30%
~ 40% Lípidos Memb. Citop. ~ 50%
~ 60% Proteínas M.Mitoc.In. 75%
~ 1-10% Glúcidos

- Classificam-se em dois grandes grupos:

PROTEÍNAS PERIFÉRICAS, EXTRÍNSECAS, EXTERNAS OU


“ASSOCIADAS”
Facilmente dissociadas com tratamentos suaves, como manipulando a força
iónica e o plt. São libertadas em forma solúvel não agregada, livres de lípidos
contaminantes e que podem ser purificadas segundo as técnicas “standard” de
fraccionamento proteico.

PROTEÍNAS INTEGRAIS OU INTRÍNSECAS


Em geral, só isoladas em tratamentos mais agresivos, envolvendo a ruptura da
membrana poe detergentes caotrópicos (agentes que rompem as ligações
hidrofóbicas nas membranas, podendo ser moléculas orgânicas como a ureia
ou iões inorgânicos com grandes raios de hidratação como o Li+ e o Cl-. O
fraccionamento das proteínas integrais tem sido mais difícil mas é hoje possível
aplicando técnicas de cromatografia e electróforese.

B. Funções das proteinas das membranas citoplasmáticas

• Estruturais, enzimáticas, de transporte


• De sinalização ou alterações do meio externo
- canais iónicos
- receptores
- moléculas de adesão celular

CANAIS IÓNICOS – a passagem ou fluxo de iões pode depender das novas


concentrações nos meios, da voltagem, da estimulação/deslocação mecânica
ou outros mecanismos reguladores.
Nalguns casos, a regulação do fluxo iónico é dependente de ligandos, fazendo
o canal iónico parte de um complexo proteico designado RECEPTOR
IONOTRÓPICO. Um outro tipo de receptor está dependente das proteinas G
para a sua sinalização: RECEPTOR METABOTRÓPICO. Existem ainda
OUTROS TIPOS de receptores, em particular para factores de crescimento ou
Tróficos.

2006/2007 - 11 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

IONOTRÓPICO METABOTRÓPICO, acoplado a canal iónico

METABOTRÓPICO, acoplado a Com actividade tirosina cinase ou activando


enzima tirosinas cinases citoplasmáticas

Os receptores metabotrópicos e o ciclo das proteinas G

α, β, γ – subunidades da proteína G (heterotrimérica)

SINAL – É mais frequente um ligando de natureza molecular (hormona,


neurotransmissor, molécula odorífica, por exemplo), mas pode ser de outra
natureza (a luz/fotão, para os receptores rodopsina, na visão).
C. Moléculas de Adesão Celular

São proteínas membranares de extrema importância nas interacções da célula


com outras células e a matriz extracelular – no desenvolvimento (proliferação,
diferenciação e migração), função e patologia de vários tecidos.

2006/2007 - 12 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Elas estão agrupadas em famílias ou classes, nas quais os seus membros


estão relacionados por aspectos comuns estruturais ou funcionais.
• Interacções homofílicas – de idênticas moléculas
• Interacções heterofílicas – de diferentes moléculas

Sinalizam informação de fora para dentro (mensageiros intracelulares,


citoesqueleto, expressão genética) ou de dentro para fora (indutoras de
migração celular, por exemplo)
As quatro principais famílias são:
• A super família das imunoglobulinas (Ig CAMs);
• as selectinas;
• as integrinas;
• as caderinas.
Outra, menos bem defenida é a família de quatro domínios transmembranares,
que inclui a proteína proteolipídica da mielina, as conexinas (complexos de
junção) e o receptor rianodina, entre outras.

A maioria intrevêem exclusivamente na interacção celular ou membrana –


membrana (Ig CAM, caderinas). Outras interagem principalmente com
componentes da matriz extra-celular (integrinas).

Como cada família é definida por semelhantes sequências aminoácidas e


aspectos estruturais comuns, os seus membros partilham de identicos
requisitos de ligação, destintos entre as classes.
Exemplos:
Ig CAMs – independentemente do Ca2+ , frequentemente homofílica, pode ser
heterofílica
Integrinas – dependente de catiões (Ca2+, Mg2+), sempre heterofílica
Caderinas – dependente do Ca2+, geralmente homofílica

Ig CAMs
Embora com junções distintas das imunoglobulinas, definem-se por terem
sequências similares com as Igs designadas “domínios Ig”.
Há 3 subclasses de “domínios Ig” definidos pelas semelhanças com a região
variável (V) ou constante (C) das Igs.
Exemplos: Ver Anexo.
Outras, no sistema nervoso, por exemplo a MAG (myelin associeted
glycoprotein) e as NCAM (neuronais). Um exemplo da sua importância está no
processo de adesão e transmigração endotelial dos leucocitos. (Anexo)

Integrinas
Receptores constituídos por 2 subunidades α e β, de ligação não-covalente. Na
sua porção citoplasmática interagem com muitas proteínas, incluindo do
citoesqueleto.
Conhecem-se hoje pelo menos 8 subunidades β e mais de 12 subunidades α.
Exemplos:
Com β1 (VLA-1, etc.) com β2 (LFA-1, Mac1). Outras com β3, com β2+
β3, etc.

2006/2007 - 13 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Exemplos da sua importância são a deficiências de adesão leucocitária (LAD


tipo1), com infecções repetidas, devido a défice na subunidade β2 (CD18). Elas
estão implicadas no processo de adesão e transmigração leucocitarias.

Selectinas
Possuem domínios tipo lectina, tipo EGF e tipo complemento. São de 3 tipos,
específicas:
• linfócitos (selectina – L),
• plaquetas e endotélio (selecrina – P)
• endotélio (selectina – E).

Não são expressas pelos neurónios e pela glia.


Um exemplo da sua importância é a implicação nas fases iniciais da adesão
leucocitária ao endotélio.

Caderinas
Superfamilia de moléculas de adesão com funções no reconhecimento celular,
morfogénese e supressão tumoral.

As Caderinas “ clássicas” incluem:


• neural (caderina-N)
• epitelial (caderina-E)
• placentaria (caderina – P)
• retiniana (caderina–R).

A sua distribuição não é limitada a esses tecidos. Por exemplo: o tecido


nervoso contém mais de 20!

Todas possuem uma junção extra celular NH2 – terminal com 5 domínios, um
só domínio transmembranário e uma porção citoplasmática COOH- terminal.
Esta última interage com as proteínas Cateninas ( Beta e Alfa). A α-catenina
liga a β-catenina à actina do citoesqueleto.

Exemplo da importância do complexo caderina-catenina está na regulação que


oferece à normal manutenção da adesividade inter-celular nos vários tecidos e
na oncogénese. (Há uma expressão reduzida da α-catenina e caderina-E nos
tumores do cólon-recto).

Moléculas de adesão celular

2006/2007 - 14 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Nomenclatura
Moléculas Adesão Ligando Distribuição
(CD)
FAMILIA DAS
INTEGRINAS
Subfamilia β 1 ( CD 29)
VLA-1 CD49a/Cd29 Lamin,colag.
VLA-2 CD49b/CD29 Lamin,colag.
VLA-3 CD49c/CD29 Lamin.,colagen
VLA-4 CD49d/CD29 Fibronect ;VCAM-1
VLA-5 CD49e/CD29 Fibronect
VLA-6 CD49f/CD29 Laminina
Subfamília β2(CD 18)
LFA-1 CD11a/CD18 ICAM-1,ICAM-2 Leucócitos
Mac- 1 CD11b/CD18 ICAM-1, C3b Macrofágos,granulócitos

SUPERFAMILIA DAS
IMUNOGLOBULINAS
LFA-2 CD2 LFA-3 Células T
LFA-3 CD58 LFA-2
ICAM-1 CD54 LFA-1,Moc-1
ICAM-2 LFA-1 Endotélio vascular
VCAM-1 VLA-4 Endotélio vascular

FAMÍLIADAS
SELECTINAS
Selectina –E Endotélio vascular
Selectina_L Leucócitos
Plaquetas,endotélio
Selectina-P CD 62
vascular

FAMILIADAS
N ( neural), E ( epitelial), P( placentario), R ( )
CADERINAS

Figura: Representação de uma integrina, imunoglobulina, selectina e caderina.

2006/2007 - 15 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Figura: Representação esquemática de proteínas na membrana da célula


endotelial e do leucócito.

2006/2007 - 16 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

A Adesão e Migração Trans-endotelial de leucócitos

Figura: Adesão dos leucócitos

Figura: Migração Trans-Endotelial de leucócitos

Descrição da imagem:

1- Contacto/deslizamento dos leucócitos não-activados pelo endotélio,


mediado pelas selectinas;
2- Secreção de quimiocinas (o) nos locais de inflamação (infecção, antigénio,
tumor) pelas células do tecido, leucócitos residentes e por células
endoteliais activadas por citocinas ( IL-1, TNF-α) e outras mediadores pró-
inflamatórios.
3- Activação dos leucócitos – pelas quimiocinas retidas na proteoglicana de
sulfato de heparano da superfície endotelial.
4- Firme aderência e trans-migração dos leucócitos – mediado pelas
integrinas dos leucócitos activados e moléculas de adesão IgCAM( ICAM-
1,VCAM-1) expressas no endotélio activado. Defesa da sub β2 da integrina
na defesa adesão leucócitos tipo1.

2006/2007 - 17 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

5- Os leucócitos recrutados são reactivados pelas citocinas pró-inflamatórias,


mas tornam-se dessensibilizados à activação pelas quimiocinas (altas
concentrações).
6- O receptor antigénio Duffey (eritrócitos) remove as quimiocinas da
circulação mantendo um gradiente rico nos locais de inflamação no tecido.

D. O Complexo Glicoproteico associado à Distrofina (Músculo esquelético


e cardíaco)

Através da distrofina, o aparelho contráctil (sarcómero) está estrutural e


funcionalmente associado à matriz extra-celular. De grande importância
patogénica em distrofias musculares e cardiomiopatias.

2006/2007 - 18 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

O Complexo LAD e Proteinas Relacionadas em Miopatias

A - Distrofias musculares congénitas (AR) – Merosina (lamininas α2) ;


receptor da laminina integrina α7; Na do musculo-olho-cerebro (MEB) e na de
tipo Fukuyma não há glicosilação da α- distrofina ( explica “ lisencefalia em
mármore”).

B - Distrofias musculares do tipo Duchene e Becker (Xp21) – Distrofia

C - Distofia muscular de Rmery -Dreijus – Emerina ( lig.x) ; Lamina A / C


(AR,D).

D - Distrofias das cinturas(AR) – sarcoglicanas Disferrina (AD); Caveolina 3.

E - Distrofias distais - Disferrina (AR).

F - Cardiomiopatias – frequentemente associadas às distrofias musulares .

NOTA ( *) Miopatias esqueléticas e/ou cardíacas podem associar-se a difíceis


de outros tipos e proteínas ( mitocôndrias, enzimáticas, ionóforos,etc).

2006/2007 - 19 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

V. Transporte Passivo e Transporte Activo

A. Transporte Passivo
Transporte possibilitado por uma diferença de concentração (para substâncias
sem carga) ou por uma diferença de concentração e de potencial eléctrico
(para substâncias com carga).
Tende a dissipar as diferenças que lhe deu origem e a distribuição final entre a
célula e o meio de um estado de equilíbrio.

1. Transporte e distribuição da água.

Pressão osmótica

Figura: Pressão osmótica

A pressão osmótica é tanto maior quanto o número de partículas de soluto:

Pi =RT ( c)

Pi = Pressão osmótica de soluto;


R = Constituinte dos gases;
T = Temperatura absoluta;
c= Concentração do soluto em moles / litro (molaridade).

Para solutos que se dissociam deve ser multiplicada pelo número de partículas
da molécula dissociada, a OSMOLARIDADE da solução. 1 osmol de uma
substância é a mesma massa desta que proporciona, em solução, o mesmo
número de partículas que 1 mol de uma substância não dissociável.

1 osmol = 1 mol de glucose

1osmol de NaCl = 0,5 mol de NaCl

Geralmente a pressão osmótica da célula é idêntica à pressão osmótica


do meio que a rodeia. Contudo, a membrana biológica pode ser muito
permeável a alguns solutos.

2006/2007 - 20 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

A PRESSÃO OSMÓTICA OU OSMOLARIDADE EFECTIVA é aquela


determinada pelos solutos que são incapazes de atravessar a membrana ou
fazem-no com uma velocidade menor que a água.

B. Transporte Passivo de iões

A força impulsora originada das diferenças de concentração adiciona-se


a que provêm das diferenças de potencial eléctrico de modo que a tendência
para dissipar as diferenças de concentração pode ser contrariada pelas
diferenças de potencial.

Potencial electroquímico

Mede a energia livre de um ião em solução, em função da sua


concentração e do potencial eléctrico. A temperatura e pressão constantes
(como nas células), dois sistemas estão em equilíbrio quando a sua energia
livre tem o mesmo valor, quer dizer, quando se iguala o potencial
electroquímico ião em ambos os compartimentos.

Equação de Nernst E = potencial de equilíbrio


E IÃO = RT / 2F . ln [ ião] out / [ ião] in
F= Constante de Farenday

2 = valência do ião

A equação de Nernst permite, para qualquer ião de carga conhecida,


distribuído entre a célula e o meio, determinar:

a) Conhecendo-se a relação de concentração


- A DIFERENÇA DE POTENCIAL necessária para manter aquela
relação em equilíbrio

2006/2007 - 21 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

b) Conhecendo-se a diferença de potencial


- A DIFERENÇA DE CONCENTRAÇÃO , que corresponde a uma
distribuição em equilíbrio

Nas células, a maior parte dos A- intracelulares são proteínas incapazes


de atravessarem a membrana, enquanto que os B+ predominante é o K+ . Em
consequência, as células possuem uma DIFERENÇA DE POTENCIAL em
relação ao exterior, que se aproxima do valor experimental da relação entre K+
intra e extracelular - é o potencial de membrana ou potencial de repouso.

C. Equilíbrio de GIBBS-DONNAN

Todas as células contêm A- incapazes


IN EX de atravessar a membrana enquanto que os A-
e B+ do meio podem fazê-lo
A- A-

B+ B+ [K+]Cel [Cl-]cel = [K+]Ext [CL-]Ext

Exemplo:

A- Cl- - +

K+ k+

Se a distribuição dos iões se realiza apenas por transporte passivo, na situação


de equilíbrio devem igualar-se os produtos das concentrações dos iões
disponíveis em ambos os dados da membrana.

(em moles) Potencial de


equilibrio

EXTRA CEL.
INTRA 15 Na+ - 60 mV
CEL
150 K+ - 90 mV
7 Cl - - 70 mV

2006/2007 - 22 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Embora o EK seja o principal determinante do potencial da membrana,


não é o único. O potencial de membrana (Vrepouso) da maioria das células
não está no potencial de equilíbrio para o K+ indicando que outros iões são
também permeáveis - sobretudo o Na+ e também o Cl-. O Vrepouso real será
resultado duma combinação das concentrações e permeabilidades para os três
iões e caberá entre os três potenciais; EK , ENa , ECL.

A equação de Goldman* é uma modificação da equação de Nernst que


toma em consideração um dado estudo de concentrações iónicas dentro e fora
da célula e as relativas permeabilidades da membrana para esses iões, como
determinantes do V repouso

RT ln . PK [K+]OUT + Pna [Na+ ]OUT + PCl [ Cl- ]IN


VR=
F PK [K+]IN + Pna [Na+ ]IN + PCl [ Cl- ]OUT

P= Relativa permeabilidade das membranas para a cada ião

D. Pressão Coloidosmótica

Seguindo o princípio da electronegatividade:

• no comportamento INTRA [A- ] + [Cl- ] = [Cl - ]cel < [K + ]cel

• No comportamento EXTRA [Cl - ]ext = [ K + ]ext

• [Cl - ]cel + [K + ]cel > [Cl - ]ext + [ K + ]ext

A pressão osmótica intracelular:

POcel = RT [ [A - ]cel + [ k +]cel + [Cl - ]cel ]

A pressão osmótica externa

POext = RT [ [ k +]ext + [Cl - ]ext ]

Tendo em conta a desigualdade anterior, resulta no equilíbrio POcel > POext.

O equilíbrio de Gibbs está portanto necessariamente associado a uma


DIFERENÇA DE PRESSÃO OSMÓTICA entre os compartimentos em que se
estabelece e a que se dá o nome de PRESSÃO ONCÓTICA OU
COLOIDOSMÓTICA.

Como esta levaria à entrada de água para o interior da célula, deve concluir-se
que a distribuição de iões em equilíbrio entre a célula e o meio é incompatível
com a sobrevivência celular. Resulta daqui a necessidade de outro tipo de

2006/2007 - 23 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

transporte iónico, além de passivo, que torne possível a sobrevivência celular –


aquele será dependente do metabolismo da célula, única parte de energia para
transportes não passivos.

E. Mecanismos de transporte passivo

a) Difusão Simples
- Depende do Nº de choques da substância com a membrana, o
movimento resultante ocorrendo sempre no sentido da diferença
de concentração ou lotação.
- Depende da permeabilidade da membrana
i. superior para substâncias lipossolúveis e retendo
intracelularmente os intermediários
- Depende da presença de poros hidrofílicos (proteínas) nas
membranas, permitindo que a sua permeabilidade para
substâncias hidrofílicas seja maior do que nas membranas
anfipáticas de fosfolípidos
Estes poros descriminam a passagem com base no tamanho e na
carga eléctrica da substância.
- São em geral impermeáveis para solutos hidrofílicos com
diâmetro molecular maior a 7 Å
- São em geral impermeáveis para solutos com cargas idênticas à
sua parede, mas a densidade de carga do poro pode regular a
passagem de iões com a mesma carga (exemplo, o K+ tem
permeabilidade 10 X a do Na+ para carga e tamanhos idênticos)
- A conformação das proteínas dos poros alterando a densidade da
carga, pode regular a permeabilidade iónica

b) Difusão Facilitada

Quando a substância a ser transportada passivamente se deve combinar a


um componente da membrana denominado TRANSPORTADOR
(CARRIER)

a. A velocidade de passage, é proporcional, não à concentração de


substâncias mas à quantidade dos complexos transportadores.

S+X sx Transporte de X

A diferença de concentração e de potencial determina a direcção do


transporte

Quer dizer, a velocidade não é descrita pela lei de Fick (directamente


proporcional ao gradiente de concentração) mas obedece à cinética descrita
pela equação de MICHAELIS-MENTEN

2006/2007 - 24 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Em resumo:
a) o tranporte é PASSIVO
b) o transporte é ESPECÍFICO para determinadas substâncias
c) o transporte é SATURÁVEL, quer dizer, é limitado pelo Nº de
transportadores, fazendo-se a velocidade constante a partir de certo
valor

c) Tranporte Activo

É um transporte que se efectua contra uma diferença de concentrações ou


de potencial eléctric, implicando a introdução da energia necessária e que
cessa com a interrupção do metabolismo celular.

A diferença de concentração gerada pelo transporte activo tende a dissipar-


se com o movimento passivo em direcção oposta. A distribuição final de um
soluto submetido a transporte activo é uma distribuição em estado estacionário,
distinta da distribuição dos transportes passivos

1.Transporte activo de Na+ e K +

As concentrações INTRACEL de K+=150mM e de Na+=15Mm são


respectivamente superiores e inferiores às esperadas, se estiverem em estado
de equilíbrio com o meio EXTRA.
Isto deve-se à capacidade da célula transportada activamente o Na+ para
fora e o K+ para dentro da célula. Esta expulsão activa do Na+ vai permitir
compensar o excesso de osmolaridade (π) intracelular gerada pela tendência
dos iões em se distribuirem em equilíbrio de Gibbs- Donnan ( πint.>πext ). É
assim indispensável para a manutenção de volume celular e sobrevivência da
célula

- É resultante das propriedades de certas unidades da membrana (


1 a 1000 μ2 de superior da membrana)
- É um fenómeno SATURÁVEL
- É um fenómeno ASSIMÉTRICO
- O transporte de Na + para fora está acoplado ao transporte activo
de K + para dentro, saindo 3 iões de Na + para 2 K + que entram,
quer dizer, tem um efeito electrogénico, aumentando a
electronegatividade intracelular.
- A fonte de energia provém da hidrólise de ATP, sendo a molécula
de ATP consumida por 3 iões de Na + para 2 K + transportados.
- O sistema de transporte activo transforma a energia metabólica
em energia acumulada na diferença de potencial electroquímico
gerada pelo gradiente Na+, K+ entre a célula e o meio.~
- Esta energia pode ser utilizada para impulsionar o transporte
activo de outras substâncias, chamados transportes activos
secundários. Por exemplo, a entrada de aminoácidos em certas
células, a passagem de glúcidos através da parede intestinal ou a

2006/2007 - 25 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

expulsão de Ca2+ no nervo e músculo e a geração e propagação


do potencial de acção nas células excitáveis.
-
Classificação dos transportadores (proteinas de transportadores
(proteinas de transporte)

1. Uniporte - transporte de só uma substância, não acoplado ao de outra


(ex. entrada de glicose no neurónio)
2. Simporte - requer a ligação de mais uma substância ao transportador,
sendo transportadas conjuntamente (ex. difusão facilitada de Na+ e
glicose na mucosa intestinal - mantida pelo transporte activo de Na+ para
fora da célula intestinal)
3. Antiporte - trocam uma substância por outra (ex. Na+/K+ ATPase)

2006/2007 - 26 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Os Compartimentos Líquidos do organismo

Distribuição de água no organismo adulto

Compartimento % da fase corporal % da água total


Extracelular
27 45
(total)
Plasma 4,5 7,5
Intersticial 12 20
Osso, cartilagem, outros 10.5 17,5
Intracelular 33 55
Total 60 100

Perda diária de Água


Vol/dia (ml)
Pele 500
Ar Expirado 350
Urina 1500
Fezes 150
TOTAL 2500

As barreiras Hemato-Encefálica e Sangue-LCR e o Liquido Encéfalo-


Raquidiano

• Superfície capilar 5000x sup à barreira Sangue-LCR


• Endotélio continuo ou com complexos de junção
(tight junctions)
• Pinocitose discreta
• Abundância de mitocondrias - 10-11% do
citoplasma (2,5- 3% noutros tecidos)
• Geração e manutenção pelos astrocítos
• Funções metabólicas, enzimáticas e reguladoras especificas, incluindo
sistemas de transporte +/- específicos

2006/2007 - 27 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

• Órgãos circunventriculares (plexos coroideus, etc)


• Capilares fenestrados
• Pinocitose activa
• Secreção do LCR
• Sistemas de transporte activo e passivo +/-
específicos

LCR
• Volume
o neo-natal 40-60 ml
o <10 anos 60-100 ml
o adulto 140 ml
• Secreção
o Cerca de 70% pelos plexos coroideus
o 400 μl/min, 24 ml/h, 600ml/dia
o Cerca de 30% - do liquido intersticial (extracelular), vasos
sanguíneos (espaço subaracnoidneu),
ependimo

• Renovação
o 3 ou 4 vezes por dia

Os órgãos circunventriculares

A Absorção do LCR

2006/2007 - 28 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

II. Barreira Hemato-Encefálica


1. Funções de transporte
9 Difusão simples
• Compostos lipo-soluveis - etanol, nicotin imipeamina, etc
• Água
• Gases - CO2, O2, N2O
• Anestésicos voláteis
• Pobre para o H+, pelo que o pH no fluido intersticial reflecte a
pCO2 e não o pH sanguíneo.

9 Difusão Facilitada (mediada por transportadores)


• Sistema das Hexoses
ƒ GLUT1 - D-Glicose, manose, maltose (intermediários para
a galactose, pobre para a frutose).
ƒ Insulino-dependente
ƒ Também para o ácido dehidroascórbico
• Sistema dos ácidos monocarboxilicos
ƒ L-lactato, piruvato, acetato, corpos cetónicos (importante
nos recém-nascidos e em jejum prolongado)
• Sistema L
ƒ Leucina, fenilalanina, tirosina, isoleucina, valina, triptofano,
metionina, histidina, valina, L-Dopa
• Outros Sistemas de influxo

2006/2007 - 29 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

ƒ Dos aminoácidos básicos (arginina, lisina), ácidos


(glutamato, aspartato), β-aminoácidos, colina, vitamina C,
sódio, outros.

9 Transporte Activo
• Na/K ATPase
ƒ Localizada predominantemente na face anti-luminalda
célula endotelial
ƒ Efluxo de K+ do espaço intersticial para o sangue e influxo
de Na+ para o espaço intersticial
• Sistema A
ƒ Sistema de efluxo de pequenos aminoácidos neutros
(alanina, glicina, prolina, GABA)
• P-Glicoproteinas 1, mdr1a
ƒ Proteina transportadora ABC (ATP-binding casette),
produto do gene MDR1
ƒ Expressa na superfície luminal da barreira
ƒ Sistema de efluxo de drogas do cérebro para o sangue
ƒ Transportam também opiáceos endógenos e intra
neuropéptidos, podendo representar um novo sistema de
comunicação entre o SNC com o resto do organismo - para
além do sistema hipotálamo-hipófise e do sistema
autosomico.

9 Transcitose mediada por receptores


• Transporte de péptidos plasmáticos para o SNC, como a insulina,
a transferina e leptina

9 Outros sistemas de transporte para proteinas


• Em função das cargas ou afinidade (absorção) ou do raio
hidrodinâmico (endocitose adsortiva)

9 Migração Celular

2. Funções Enzimático-Metabólicas

A barreira hemato-encefálica é também uma “barreira enzimática” protegendo


o SNC de neurotransmissores circulantes e os seus precursores ou toxinas
(MAO, L-Dopa descarboxilase, aminopeptidases, peptidil-dipeptidases, adenil
ciclase, guanil ciclase, etc.)

3. O complexo de Junção e a Regulação da Permeabilidade da B1 + E – 4A

III. Barreira Sangue-LCR

1. Funções de Transporte

Quantitativamente em geral menos importantes do que através da barreira


hemato-encefálica, mas em casos pontuais mais importante do que esta – para

2006/2007 - 30 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

o cálcio, leptina (o transporte da leptina nos humanos será sobretudo efectuado


pela barreira hemato-encefálica).
Sistema de efluxo (para o sangue) importante é a dos ácidos orgânicos fracos,
que inclui os catabolitos neurotransmissores ac. homovanílico e ac. 5-
hidroxiindolacético (inibido pelo probenecide).

2. Secreção do Líquido Cefalo-raquidiano (LCR)

Os Plexos Coroideus constituem a principal fonte de produção do LCR. Esta


consiste num processo de transporte iónico activo, resultando na secreção de
Na+ e Cl-, os principais constituintes iónicos do LCR. É aqui importante a
anidrase carbónica.

Complexo de Junção de tipo “Tight Junction” na BHE

1. P
rot
eínas Transmembranárias
Claudinas (a), ocludina (b) e moléculas de adesão celular, incluindo as
moléculas de adesão de junção (c) e o complexo caderinas-cateninas (d)

2. Proteínas Citoplásmicas Acessórias


Proteínas “zonula occludens” (201-3) (e), AF6 (f), Antigénio 7H6 (g),
Cingulina(h)

3. Proteínas do Citoesqueleto
Actina, a principal (i), α-actinina e vinculina (j).

Estas proteínas localizam-se em regiões da membrana ricas em colesterol


associadas a caveolina-1 que interage e regula vias de Transdução de Sinal -
regulando o estado das proteínas do Complexo de Junção e assim a
permeabilidade da BHE. As principais vias de regulação são: a concentração
de Ca2+, a fosforilação e as actividades da PKC, da PKA (AMPc) e da proteína
Rho.

2006/2007 - 31 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Mecanismos de Transporte na Barreira Hemato-Encefálica


(síntese)

Via para-celular aquosa Transporte Lipofílico Difusão


Facilitada
(agentes hidrossolúveis) (transportadores - glicose, aa.,
purinas,..)

Transcitose mediada Endocitose Adsortiva Transportes


Activos de Efluxo
por Receptores (albumina e outras (Luminais e na face
anti luminal)
(insulina, leptina, proteínas cationizadas)
transferrina,…)

Os PC produzem e secretam os princiapis constituintes proteicos da LCR


depois da albumina: a pré-albumina ou transtirretina e, com as leptomeninges,
a beta-trace.

2006/2007 - 32 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

1. Ubaina, reduz a secreção de LCR


2. Sistema Antiporte
3. Acetozolamida, inibidor da AC, reduz a secreção de LCR
4. Transporte simporte inibido pela furosemida
5. Aquoporina 1, concentrada no pólo apical do epitélio dos PC, para
transporte de água

3. A Composição do LCR

A) ≤ 5 linfócitos ou células mononucleadas por mm3


99% de água ( soro 93%)
Electrólitos (Na+,Cl-, etc)
Metabolitos (Glicose, Lactato, Ureia, etc)
Aminoácidos (Glutamina, Glutamato, etc.)
Proteínas Totais (300-500 mg/L)

Ratios LCR: Plasma


Exemplos: Lactato: 1,6; Glutamina: 0,9; Glicose:0,7; Proteinas Totais: 0,005

2006/2007 - 33 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

B) A Composição Proteica do LCR


(electroforese em acetato de celulose)

Soro
Pré-Albumina 2-10%
Albumina 45-71% 50-68%
α1 Globulinas 2-7% 2-7%
α2 Globulinas 2-7% 6-11%
β1 Globulinas 4-16% 9-18%
β2 Globulinas 1,5-11%
γ Globulinas 5-14% 12-20%

C) Cerca de 20% das proteínas do CR têm origem intra-cerebral

Para as proteínas de origem sérica o principal princípio de transferência não é


o peso molecular, mas o raio hidrodinâmico (Felgenhauer), com as moléculas
de menor tamanho a passar melhor. Pelo menos três proteínas não seguem
esta regra, tendo desproporcionadas altas concentrações no LCR – a β2-
microglobulina, a pré-albumina, a lisozima e a transferrina e outras
desproporcionadas menores concentrações, como a IgG e IgA.

As principais proteínas de origem cerebral são:


• a β trace (26mg/l),
• a γ trace (16mg/l)
• a pré-albumina ou transtirretina (17mg/l).
Uma proteína tau será de origem cerebral ou derivada (dessialização) da
transferrina (1/3) (transferrina, 14mg/l).

D) Lipoproteínas no LCR

A apo E e a Apo A-I são as principais apolipoproteínas no LCR, presentes


em HDLs, não existindo VLDL e LDL contendo apo B. Entre outras há a apo
J(~ 2,5μg/ml).

2006/2007 - 34 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

A apo E é a predominante e é de síntese intra-cerebral (predominantemente


pelos astrócitos) (~5μg/ml), enquanto que a apo A-I será transportada do
plasma com as HDL (~4μg/ml).
O metabolismo lipoproteico no LCR-SNC está hoje sob intensa
investigação, podendo associar-se a diversas patologias neurodegenerativas
(exemplo do Alzheimer) ou inflamatória

E) O conceito de síntese intratecal patológica

Como as proteínas do LCR podem ter uma origem sérica e/ou intestinal, esta
relação pode estar alterada em situações patológicas, o qual pode ser avaliado
por métodos quantitativos e qualitativos. De especial relevância actual é a
síntese intrafecal de imunoglobulinas nalgumas situações neuroinflamatórias –
como a síntese intrafecal de IgG (a mais frequente) na esclerose múltipla.

Nota: A β-trace (identificada como prostaglandina D sintetase) é a segunda


maior fracção proteica de LCR depois da albumina, principalmente produzida
pelas leptomeninges e os plexos coróides e o melhor marcador para a
identificação de LCR, por exemplo na rinorreia .Papel na regulação do sono.

A Migração Celular Fisiológica para o LCR

175.000 a 500.000 células no LCR, predominantemente linfócitos. 1000-3000


leucócitos/ml. Como?
Interacção entre:
• Selectina-P e ICAM-1 nas vénulas do espaço subaracnoideu e plexos
coróides
• PSGL-1 (P-selectin glycoprotein-ligand) e integrina α1β2 (lymphocyte
factor-associated antigen 1) nas células T. (LFA-1)

A Regulação da Permeabilidade Vascular na Barreira Hemato-Encefálica

• MMP – 9, PARs (PAR-2), LRP, tPA


• Aumento da Permeabilidade da barreira induzida pelo LCR activado pelo
tPA
o Pode ser mediada pelo aumento da expressão MMP-9 activa
o Pode ser independente de MMP-9
o Associada a activação da PAR-L

2006/2007 - 35 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

SANGUE

O sangue é constituído por uma componente celular, ou de elementos


figurados, e por uma componente líquida, ou plasma. O soro é a
componente líquida do sangue após coagulação (ver à frente).
Através da circulação (objecto de estudo noutro local), o sangue constitui
um meio crucial na manutenção da homeostase do organismo, isto é: a
coordenação dos processos fisiológicos entre os diversos tecidos, órgãos
ou sistemas, mantendo a estabilidade, unidade ou integração funcional do
organismo.

I. A Constituição Celular (Hemograma)

LEUCÓCITOS _______________ 4,00 – 11,00 x 103 /μl


Neutrófilos _______________ 41 – 77%
Eosinófilos _______________ 0,5 – 5%
Basófilos _______________ 0,0 – 2%
Linfócitos _______________ 24 – 44%
Monócitos _______________ 2 –13%
ERITRÓCITOS _______________ 4,60 – 6,20 x 106 /μl
PLAQUETAS _______________ 150 – 450 x 103 /μl

A fisiologia destes componentes celulares será estudada noutros locais:


a dos leucócitos na Imunologia, a dos eritrócitos a propósito da Respiração
e a das plaquetas no tema da Hemostase.
Assinale-se muito sucintamente desde já as funções de fagocitose dos
neutrófilos e as funções de imunidade humoral (anticorpos, linfócitos B) e
celular (linfócitos T) dos linfócitos.

II. Propriedades Gerais do Sangue

1. HEMATÓCRITO
É o volume de glóbulos vermelhos em 100 ml de sangue incoagulável
centrifugado até à obtenção de um volume constante em duas leituras
sucessivas.

V.N. 45% de eritrócitos 55% de plasma

2. VELOCIDADE DE SEDIMENTAÇÃO ERITROCITÁRIA


Depende quase exclusivamente do Plasma, estando em relação directa
com a quantidade de fibrinogénio, depois de globulinas e finalmente de
albumina.
O agrupamento dos glóbulos vermelhos sedimenta-os mais depressa:
• Por diminuição da carga negativa dos glóbulos
• Por aumento da tensão superficial e hidrofilia doa glóbulos.

V.N. 2-7mm/hora

2006/2007 - 36 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

3. COR
Oxihemoglobina, hemoglobina reduzida.

4. OPACIDADE
Os glóbulos retêm a luz, é mais transparente na hemólise.

5. DENSIDADE
É maior que a do plasma, variando entre 1090 e 1100, enquanto a
densidade do plasma é de 1024.

6. VISCOSIDADE
Depende do atrito interno entre as partículas tomando a ++++++ como
unidade
♂ 4,3 – 5,3
♀ 3,9 – 4,9

7. PRESSÃO OSMÓTICA
Isotérmicas, hipertónicas, hipotónicas
A pressão osmótica do sangue total é semelhante à do plasma ou soro,
expressa-se pelo ponto de congelação.
O plasma humano congela a –0,56ºC, ~ a solução 0,63 H, equivalente a
uma pressão osmótica de 6,3 atmosferas
¾ da pressão osmótica do plasma deve-se ao NaCl cuja concentração de 9
g/l é isotónico com o plasma
A pressão osmótica determinada pelas proteínas é muito menor. A
albumina é responsável por 80% da p.o. das proteínas do plasma.

HEMÓLISE
Sob acção de diversos agentes físicos ou químicos a hemoglobina difunde
para o meio.
→ Resistência globular

III. COMPOSIÇÃO DO SANGUE

elementos figurados
SANGUE
plasma – soro = a parte líquida após coagulação

90% no plasma
Água
65% no eritrócitos

9 Compostos Inorgânicos
• plasma + líquido intersticial – Na, Cl, Ca
• eritrócitos – Fe, K, Mg
• 3/4 das moléculas do plasma são electrólitos e destas 75% são NaCl

2006/2007 - 37 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Expressão habitual em mEq/l


g/l
Eq = ––––––- x
valencia
p.At.

Exemplo: Na
pA = 23
concentração = 3,35 g/l

3,35
–––– x 1 = 0,1456 = 145,6 mEq/l
23
→ PROTEÍNAS

• concentração de 63-83 g/l

albumina α1 globulinas α2 globulinas β globulinas γ globulinas


50-68% 2-7% 6-11% 9-18% 12-20%
+ ←-------------------------- -

Funções
1- Nutritiva e de Transporte
2- P. Osmótica – albumina, edema
3- Coagulação – fibrinogénio → fibrina
4- Viscosidade – fibrinogénio > γ globulinas
5- Estabilidade de suspensão (vs) – fibrinogénio > γ globulinas
6- Imunidade – imunoglobulinas (γ globulinas), outras
7- Equilíbrio ácido-base
como ácidos em meio alcalino
como bases em meio ácido

→ FORMAÇÃO
O fígado secreta albumina, o fibrinogénio e mais de 50% das globulinas.
As restantes formam-se no tecido linfóide (γ globulinas) e sistema
retículo-endotelial.

→ AZOTO NÃO-PROTEICO
Uma vez eliminadas do sangue todas as proteínas, permanecem
substâncias azotadas cristalóides – o azoto não proteico (25-35 mg/%).
Ureia > aminoácidos > ácido úrico > creatinina >creatina

A sua concentração é regulada:


– pela eliminação renal
– pela excessiva produção
– pela fixação nos tecidos

→ OUTROS CONSTITUINTES
• Gases, glucose, lípidos, colesterol, etc.

2006/2007 - 38 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

IV. VOLUME DE SANGUE

Um homem de 70 Kg tem cerca de 5 litros de sangue: 2,750 de plasma e


2,250 de eritrócitos.
Pode calcular-se, por método de diluição, tanto o volume de plasma como o
de glóbulos.
• O Hematócrito é uma medida aproximada do volume de glóbulos (~
45%).

Factores principais na regulação do volume de plasma:


• A pressão sanguínea – a principal, que condiciona a sua saída do
vaso.
• A pressão osmótica das proteínas (pressão oncótica) – a principal,
que condiciona a retenção ou seu retorno ao interior do vaso.

CAPILAR
ARTERIAL
Pressão
Líquidos saem
Arterial ⇒
P. Osmótica > P. Oncótica
36 mmHg
Pressão
Oncótica
28 mmHg
Pressão
Líquidos entram
Venosa ⇐
P. Osmótica > P. Venosa
20 mmHg
CAPILAR
VENOSO

2006/2007 - 39 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

LINFA

1- Generalidades – Composição
• Semelhante à do plasma, mas com os seus constituintes em
menores concentrações e variando com o território e a actividade do
organismo:
• Electrólitos, lípidos, glicose, azoto não proteico, Proteínas (incluindo
enzimas e anticorpos): em cada dia, cerca de 50% das proteínas
plasmáticas passam pelo canal torácico.
• Elementos figurados: a quase totalidade são linfócitos, libertados
durante a passagem pelos gânglios linfáticos – 550 por mm3 na linfa
periférica; 20.000 por mm3 no canal torácico.

2- Formação – Interacção Sangue – líquido intersticial


• Factores regulando a passagem de fluidos:
a) Parede capilar
Os factores regulando a sua permeabilidade:
Esta varia com o órgão; em geral passam facilmente o
potássio, o sódio ou a ureia, por exemplo, e mais dificilmente a
glicose, o cálcio, o magnésio e sobretudo as proteínas.
b) Pressões hidrostáticas
A do capilar arterial, do capilar venoso e do espaço intersticial
variam com os tecidos.
A pressão hidrostática efectiva, que governa a entrada e saída
de líquidos é a diferença entre a capilar e a intersticial (ver
esquema).
c) Pressão oncótica
Desenvolvida pelas proteínas, sobretudo a albumina, é
constante no homem (entre 28-40 mmHg). Na hipoproteinemia
há passagem de água para o interstício (esquema)

1 A pressão hidrostática expulsiva supera a oncótica de retenção


2 A pressão oncótica é mais do que a hidrostática venosa

2006/2007 - 40 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

3- Formação – Interacção líquido intersticial – linfáticos

Os vasos linfáticos estão sempre abertos por fibras conjuntivas, sendo a


entrada do fluido intersticial determinada pelas diferenças de pressão
hidrostática.

A passagem de água por esta via é importante meio de evitar o edema.


Passam proteínas (contacto com o tecido linfóide), líquidos e partículas
animadas (células) ou inanimadas.

4 – Circulação da Linfa

União Veia Jugular/Subclávia

Esquerda Direita

2 Canal Torácico Veia Linfática 1

Capilares linfáticos

1
Drena a metade direita da cabeça e pescoço e a parte
supradiafragmática do tronco: 0,1 ml/Kg/hora.

2 Drena a linfa do resto do organismo: 0,94 ml/Kg/hora.

Há forças propulsoras da circulação, que completam o papel das válvulas


linfáticas (determinam o sentido da corrente):
- A vis a tergo (diferença nas pressões hidrostáticas)
- Contracção das paredes dos vasos. Nos vasos de certo calibre,
com paredes musculares, há contracção sob controle neuronal.
- Actividade músculo-esquelética. Eleva o fluxo no canal torácico
em relação directa com a sua intensidade (até + 270%).
- Movimentos passivos. Dos membros e cabeça (massagens,
compressões diversas)
- Gravidade.
- Respiração. Favorece a inspiração.

2006/2007 - 41 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Plaquetas, coagulação e fibrinólise

A ruptura de um vaso e consequente hemorragia leva ao desencadear


de mecanismos protectores e tendentes a reparar esse processo lesivo e
conservar o volume sanguíneo (hemostase).

Após uma inicial vasoconstrição são desencadeados dois tipos de


mecanismos:
• Plaquetário – de adesão ao vaso, de activação e de agregação das
plaquetas
• Coagulação e fibrinólise – de formação de uma rede de fibrina e sua
posterior dissolução.

Consoante o local e as circunstâncias geram-se assim 3 tipos de coágulos


ou trombos:
• Trombo branco – composto por plaquetas e fibrina e pobre em eritrócitos
(mais em áreas de fluxo rápido, artérias)
• Trombo vermelho – composto primariamente por eritrócitos e fibrina
(mais em áreas de fluxo lento, de estase, veias)
• Depósito disseminado de fibrina (mais nos vasos de pequeno calibre,
capilares)

I. Plaquetas

1. Adesão
• Adesão ao colagénio no vaso lesado através da glicoproteína Ia –
IIb em condições de baixo atrito de fluxo
• Adesão ao subendotelial factor de von Willebrand através da
glicoproteína Ib –IX sobretudo em condições de alto atrito de
fluxo.

2. Activação e Agregação

2006/2007 - 42 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Adesão, Activação e Agregação Plaquetária


(visão de conjunto)

PAR-1 = Um dos receptores activados por proteinases (PAR’s) para a trombina


(as outras são o PAR-3 e PAR-4)

Inibidores da agregação plaquetária

2006/2007 - 43 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Coagulação
(visão de conjunto)

Activação

Activação de receptores activados por proteinases (PAR’s)

Conversão enzimática

• Antitrombina III, Proteína S e Proteína C são inibidores fisiológicos da


coagulação.
• Heparina potencia antitrombina III.
• Anticoagulantes inibem os factores II, VII, IX e X e proteínas C e S.

2006/2007 - 44 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

III. Fibrinólise

Dissolução da fibrina, normalmente num estado de equilíbrio dinâmico


com os mecanismos de coagulação levando à sua formação.

O plasminogénio liga-se à fibrina e gera aí a plasmina, de modo a estar


num ponto acessível aos inibidores. A plasmina é uma protease resultante da
clivagem do plasminogénio na ligação arginina-valina, constituindo-se uma
molécula composta por duas cadeias ligadas por pontes dissulfito.
O t-PA (recombinante), como a estreptocinase (produto bacteriano) são
utilizados terapeuticamente em patologia trombótica, como fibrinolíticos. A
estreptocinase é também um activador do plasminogénio, embora menos
selectivo para a sua forma ligada à fibrina.

2006/2007 - 45 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Transporte axonal

I. Demonstração experimental do conceito


• o corpo neuronal fornece material transportado ao longo do axónio

Desenvolvimento do conceito a partir dos anos 60 com aplicação de novas


tecnologias (métodos radioactivos, novos métodos bioquímicos e histológicos).

Legenda:
A – Estruturas vesiculares pequenas C – > 200 polipéptidos associados à Matriz
Neurotransmissores (péptidos) Axoplasmática
Proteínas membranárias e de secreção Microfilamentos: Actina, Miosina
Lípidos membranários Clatrina
Espectrina – Tb e SCa
B – Vesículas lisossomais Enzimas metab. energ. / outras
Enzimas (glicolíticas, CK, calmodulina)
Outras moléculas e estrutura
D – 70-80% em 5 polipéptidos:
Microtúbulos – α e βTubulinas
MAP’s
Neurofilamentos (Filamentos intermediários)
200, 145, 68 KDa
(H) (M) (L)
2006/2007 - 46 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

II – Transportes rápidos

• Ante-rógrado ou retrógrado, de moléculas sempre associadas a


membranas m no lume vesicular. Dependentes dos microtúbulos.
Mitocôndrias.

Transporte ante-rógrado
Síntese no retículo endoplasmático com passagem obrigatória pelo aparelho de
Golgi. Aporte de componentes membranários, moléculas de secreção e
neurotransmissão, enzimas e mitocôndrias, ou axónio e terminações axonais e
dendríticas.

Transporte retrógrado
Reciclagem molecular e estrutural da periferia neuronal, informação do estado
metabólico funcional da periferia (sinais durante o desenvolvimento e
regeneração), vesícula de transporte de factores neurotróficos, toxinas, vírus.

Mecanismos moleculares de transporte


• Grandes consumidores de energia, dependentes de ATPases.
• Requerem um complexo de translocação do organelo constituído por
uma enzima motora (quinesina para o ante-rógrado e dineína para o
retrógrado), um receptor no organelo a transportar, entre muitas outros
factores acessórios.
• O complexo desloca-se associado aos microtúbulos.

Retrógrado

2006/2007 - 47 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Representa-se a proteína TAU (6 isoformas) ligada aos microtúbulos,


dependente da sua fosforilação e que sendo estabilizadora dos microtúbulos é
essencial para o transporte axonal.
Défices na proteína TAU ou de muitos outros componentes do complexo de
translocação resultam em alterações do transporte axonal, disfunção e morte
neuronal, estando implicados em muitas doenças neurodegenerativas.

Doenças associadas a défices no transporte axonal (explos)


D. Neurodegenerativa Mutação/Proteína
Paraplegia espástica familiar Quinesina
Doença do neurónio motor familiar Dinactina
Doença de Choncot-Mawie-Tooth 2A Quinesina
Doença de Parkinson α-sinvoleina
Doença de Huntirgton Huntiugtina
Doença de Alzeimer TAU, APP, Presenilinas
Tauopatias TAU
Baseado em Roy et al. Acta Neuropathol. 2005: 105: 5-13

III – Transportes Lentos

• São unidireccionais (ante-rógrado)


• Síntese nos polissomas citoplásmicos
• As estruturas do citoesqueleto (microtúbulos, neurofilamentos e
microfilamentos) são agregadas no corpo neuronal.
• Os microtúbulos e neurofilamentos (estes, membros dos filamentos
intermediários) aparecem como tofas ao longo ao longo do axónio com
pontes de ligação dinâmicas. Na terminação axonal são degradadas: os
microtúbulos em dimeros de tubulina por aumento de Ca2+ e os
neurofilamentos por protease dep. Ca2+ (originária do RE, mitocôndrias
ou canais na membrana citoplasmática).
• Os microfilamentos (actina, miosina, diferentes dos musculares) estão
presentes no axoplasma mas muito mais concentradas nas terminações
pré-sinápticas e espinhas dendríticas. A elastina terá papel na formação
das vesículas para transporte rápido na reciclagem das vesículas pré-
sinápticas e endocitose mediada por receptor. A espectrina está

2006/2007 - 48 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

envolvida na interligação dos microfilamentos com estruturas


membranárias e com outros componentes do citoesqueleto.
• Funções
o SCb – Motor do cone de crescimento. Génese e plasticidade das
terminações sinápticas e espinhas dendríticas. Fornecedor do
metabolismo energético.
o SCa – Determinante das alterações de calibre (diâmetro) e
comptimento axonal durante o desenvolvimento e regeneração.

IV. TAU e Neurodegeneração

2006/2007 - 49 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

2006/2007 - 50 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Potencial de membrana ou de repouso e a génese do potencial de acção

I – Potencial de membrana

Todas as células mantêm gradientes de concentração iónica entre os


meios interno e externo da membrana citoplásmica, responsáveis pela sua
polaridade ou potencial de membrana, o interior negativo relativamente ao
exterior (na maioria entre -50 a -90 mV, dependendo das células).
Aquela depende do metabolismo da célula, fonte de energia, em
particular via a utilização pela Na+-K+-ATPase. Sódio, cloro e cálcio
predominam no exterior, enquanto o potássio no interior.
O fluxo destes iões é possível devido à existência de proteínas na membrana,
que são canais iónicos. Estes canais transportam iões à velocidade de
1000000 a 100000000 iões por segundo e este fluxo cria uma corrente eléctrica
da ordem dos 10-12-10-10 amperes por canal.
Alterações nestes fluxos iónicos induzem pois correspondentes
alterações rápidas do potencial de membrana, que podem ser de duas
naturezas:
• Despolarizantes – tornando o interior mais positivo, nomeadamente
pela entrada de Na+ ou Ca2+.
• Hiperpolarizantes – tornando o interior mais negativo, nomeadamente
pela entrada de Cl- ou ainda de K+ (ver figura).

As proteínas constituintes dos canais iónicos são complexas, constituídas por


subunidades proteicas com distribuição diversa entre os tecidos e no interior do
próprio SNC.

II – Impulso ou potencial de acção

Os neurónios têm a propriedade de serem excitáveis, isto é, de


responderem a estímulos exteriores com uma inversão do potencial de
membrana (ou de repouso) designada impulso ou potencial de acção.
A despolarização atingiu aqui um limiar, que levou a inverter o potencial
de membrana de por exemplo -70 mV para +30 mV, durante um brevíssimo
período (0,2 -0,5 milissegundos).
Esse ganho passageiro e acentuado de cargas positivas é devido à
entrada súbita e maciça de iões Na+.
• Porquê?
Porque sobretudo em determinados locais, a membrana neuronal concentra
canais de sódio dependentes da voltagem (CSDV), que se abrem (estão

2006/2007 - 51 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

acoplados) a partir de certo limiar de despolarização. O processo é auto-


limitante, sucedendo-se a repolarização, por inactivação desses canais e
permeabilidade e aumento de fluxo para outros iões – o K+ e o Ca2+ (ver
figura).

Esta capacidade despolarizante iniciadora de potencial de acção é


regulada por outro canal iónico, canal de potássio dependente da voltagem
“rectificados”, ou corrente-M. Esta corrente é lentamente activada quando os
estímulos despolarizantes atingem o limiar para o impulso, repolarizando a
membrana (saída de cargas positivas).
Perante a persistência de estímulos despolarizantes capazes de
desencadearem potenciais de acção, a corrente-M limita a frequência dos
impulsos – é um mecanismo crucial do mecanismo chamado de “adaptação à
frequência de impulsos” e assim de oposição à génese da actividade epiléptica.

2006/2007 - 52 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Excitabilidade e Potencial de Acção

A – Influxo de Na+
B – Canais de Na+ fecham, efluxo de K+
C – Canais de K+ mantêm-se abertos
D – A despolarização da membrana inactiva os canis de Na+ e um novo PA não
pode ser gerado
E – Enquanto os canais de K+ se mantiverem abertos é necessária uma maior
intensidade de estimulação para gerar um PA.

• O PA é um fenómeno tudo ou nada. Ele codifica num padrão de


frequências a intensidade de uma estimulação.

- Se a intensidade do estímulo não despolariza a membrana a um certo limiar,


não há geração de PA;
- A frequência de PA aumenta com a intensidade da estimulação.

2 . Fase de Repolarização
• Fase descendente do potencial de acção, que tem origem em 2
factores:
ƒ Brusca interrupção da entrada de Na+ (da sua permeabilidade)

2006/2007 - 53 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

ƒ Aumento da permeabilidade para o K+ que sai da célula sob o


efeito do gradiente de concentração mas também do
gradiente eléctrico, pois o exterior é nesta altura negativo.
Este aumento de permeabilidade é de longa duração e
prolonga-se para além do potencial de acção, explicando o
pós-potencial positivo.

III. Condução do impulso nervoso


O impulso nervoso é a propagação do potencial de acção (=impulso) ao
longo da fibra nervosa (axónio).

Pode ser de 2 tipos:


1. Condução continua
• O impulso propaga-se por despolarização das zonas vizinhas
como resultado da formação de correntes locais ou electrónicas
• É o meio de condução das fibras não-mielinizadas
2. Condução Saltatória
• É o meio de condução das fibras mielinizadas, resultando numa
maior velocidade de condução em relação às amielinicas de igual
diâmetro.
• As áreas excitáveis estão confinados aos nódulos de Ranvier.
• Os internódulos são condutores passivos
• A despolarização como que salta entre nódulos vizinhos

Velocidade de condução e Tipos de fibras nervosas


1. Tipo A - mielinicas (1-20μ, 5-120 m/s)
• α - 12-20μ, 70-120 m/s (propagação somática motora)
• β - 5-12μ, 30-70 m/s (tacto)
• γ - 3-6μ, 15-30 m/s (motoras para fusos neuromusculares)
• δ - 1-5μ, 12-13 m/s (dor e temperatura, tacto)
2. Tipo B - mielinicas
• <3μ, 3-15 m/s (autonómicas pré-ganglionares)
3. Tipo C - amielinicas
• 0,4-1,2μ, 0,5-2 m/s (aferentes somáticas - raízes posteriores)
• 0,3-1,3μ, 0,7-2,4 m/s (simpáticas pós-ganglionares)

2006/2007 - 54 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Fisiologia da Sinapse
1. Conceito de transmissão sináptica
a) O conceito de áreas de junção ou contacto entre neurónios e
polarização da condução por Cajal (contra os reticularistas) e a
introdução do termo sinapse por Sherrington (1897), com um
significado funcional
Substâncias químicas (neurotransmissores) na comunicação
sináptica, para além das sinapses eléctricas.
Principio de Dale - um neurónio contem e liberta só um
neurotransmissor nas suas terminações sinápticas. (hoje sabe-se
que existem excepções)
b) Organização das Sinapses

2. Características da transmissão sináptica


• Unidireccional
o a presença de sinapses determina a condução num só sentido
o celulipeto nos dendritos e celulijugo nos axónios
o lei da polaridade dinâmica de Cajal ou da progressão
anterrograda de Scherrington (há excepções a esta regra)

2006/2007 - 55 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

• Resposta Local Pós-Sináptica


o Potencial pós-sináptico
9 Diminui exponencialmente no espaço/tempo
9 Não segue a lei do tudo ou nada
9 Pode somar-se uma vez atingido o nível crítico
9 Origina o potencial de acção pós-sináptico, que se propaga
como impulso nervoso.

o Potencial de placa = potencial pós-sináptico na sinapse


neuromuscular

Potencial pós-sináptico despolarizante (excitatório) -


o que diminui o potencial de repouso
2 Tipos
Potencial pós-sináptico hiperpolarizante (inibitório) -
o que aumenta o potencial de repouso

Quando ambos os tipos de potencial actuam no mesmo neurónio, o valor do


potencial é a soma algébrica do efeito despolarizante e hiperpolarizante.

• Inibição Pré-sináptica
o É a inibição obtida por redução da libertação de tranmissor na
terminação pré.sináptica de sinapse excitatória
o É realizada por sinapses axónio-axónio

Inibição de potencial pós-sináptico excitado sem


alteração das propriedades da membrana pós-
sináptica

• Bases Iónicas dos potencias pós-sinápticos


o Para o potencial pós-sináptico excitatório - aumenta a
permeabilidade para o K+, Cl- e Na+

2006/2007 - 56 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

o Para o potencial pós-sináptico inibitório - aumenta a


permeabilidade para o Cl- (que entra) e o K+ (que sai)

3. Circuitos Neuronais
• Convergência e Divergência
o Principio de convergência - a conexão sináptica de múltiplos
axónios com um neurónio (uma célula para várias fibras)
o Principio de divergência - a subdivisão de axónio de um neurónio
e conexões sinápticas com múltiplos neurónios (uma fibra para
várias fibras)

• Facilitação temporal e espacial


Quando uma fibra se distribui por outras, o estimulo pode
descarregar 3, mas ser sublimiar para outras 3 - os 1os neurónios estão na
zona de descarga e os outros na orla sublimiar.

o Facilitação Temporal
9 É a acumulação dos efeitos de impulsos pré-sinápticos que
chegam sucessivamente a uma célula (sequencia
temporal) na mesma área, pela mesma via aferente
9 Ocorreu um aumento de excitabilidade resultante de
potencial pós-sináptico excitadores sucessivos

9 Deu-se o fenómeno de recrutamento


9 Esta acumulação repetida determinou a intervenção de
células que antes não descarregavam e houve facilitação,
pois a repetição de estímulos facilitou a acção dos
estímulos posteriores na orla sublimiar

Os efeitos do principio de convergência são:


ª Facilitação espacial
ª Oclusão

2006/2007 - 57 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

o Facilitação Espacial
9 Duas ou mais áreas vizinhas de despolarização somam os
seus efeitos para alcançar o limiar de descarga da célula
9 Quer dizer, estímulos que activando de forma isolada não
descarregam a célula, agindo em conjunto somam as suas
áreas de despolarização e atingem o nível critico do neurónio
9 houve facilitação, que aqui é espacial – será necessário
que uma determinada superficie de um neurónio seja
despolarizada para que se inicie o impulso pós-sináptico.

A estimulação simultânea de ambas as fibras não resultarão na excitação de 9


mas de 7 neurónios, como se as células c e d se tornassem ocluídas – é o
fenómeno de oclusão (Sehemington) – há um défice aparente de descarga
resultante da sobreposição de zonas de descarga.

Em Resumo:
Quando a eficácia de estimulos diversos simultâneos ou ocorrendo em rápida
sucessão é maior do que a de estímulos individuais, deu-se facilitação; quando
a eficácia de diversos estimulos simultâneos é inferior à soma dos estímulos
individuais, deu-se oclusão.

2006/2007 - 58 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

UMA INTRODUÇÃO À NEUROTRANSMISSÃO

1. Potencial de Membrana
(em todas as células)

• Diferença de potencial varia de -50 mV ou ainda mais negativa

2. Os Neurónios e a Neurotrasmissão

As alterações induzidas pelo neurotrasmissor nos seus receptores (libertado


por A) vai permitir que o B interprete a mensagem de A.

• Como é que o neurotransmissor é libertado por A?


• Qual a mensagem interpretada por B?

A base da resposta para ambas as perguntas está numa alteração do potencial


de membrana dos neurónios. Representa-se também o papel dos astrocítos,
nomeadamente na inactivação (captação) e libertação de alguns
neurotrasmissores.

3. O Potencial de Acção ou Impulso Nervoso

Contrariamente à maioria das células do organismo, os neurónios têm a


propriedade de serem excitáveis. Isto quer dizer, a capacidade de responderem
a estímulos exteriores com uma inversão do potencial de repouso designada,
impulso ou potencial de acção. Quer dizer que houve despolarização a um
nível, que o inverteu de, por exemplo, -70mV a +30mV, durando só um

2006/2007 - 59 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

brevíssimo período (0.2 – 0.5 milisegundos). Esse ganho passageiro de cargas


positivas dentro da célula foi conseguido pela entrada maciça de iões de sódio.

Ora este potencial de acção tem a capacidade de ser arrastado pela membrana
do neurónio para além do ponto onde foi gerado. Para esta condução do
potencial de acção os neurónios estão especialmente habilitados;
Não só o podem fazer para grandes distâncias (axonais) como a grande
velocidade (120 m/s) – é a condução do impulso nervoso, que torna o sistema
nervoso o previligiado da comunicação – condução continua versus condução
saltatória (mielina).

4. A Libertação Neurotrasmissora

A resposta à 1ª pergunta:
• O neurotransmissor é libertado por A porque um PA gerado no
segmento inicial (cone de implantação) do seu axónio foi conduzido até
à terminação sinaptica e forneceu-lhe o nivel para a libertação (canais
de Ca2+ dependentes de voltagem)

5. Acção do Neurotransmissor

O neurotransmissor é libertado no neurónio A pelos seus receptores existentes


no neurónio B.
A resposta à 2ª pergunta:
• O encontro do neurotransmissor com o seu receptor, pode despolarizar
a membrana do neurónio B no ponto de gerar novo PA, propagando
uma mensagem excitatória. O principal no SNC é o glutamato (com a
entrada de sódio por receptor AMPA).
• Outra possibilidade é esse encontro hiperpolarizar a membrana, inibindo
a propagação da condução, é uma mensagem inibitória. O principal no

2006/2007 - 60 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

SNC é o GABA, através de receptores GABA-A, que fazem entrar um


ião negativo, o cloro.

Nota:
Há outras formas de acção neurotransmissora, não rápidas ou ionotrópicas
(receptores com canais iónicos) chamadas MODULADORAS, não só do
potencial de membrana como do metabolismo e expressão genética do
neurónio (exemplo: inibem a corrente–M)

2006/2007 - 61 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

NEUROTRANSMISSÃO (CONCEITOS GERAIS)

I. SINAPSE
• Substâncias químicas na comunicação neuronal
• Acções “nicotínicas” e “muscarínicas” da acetilcolina
• Libertação do “vagusstoft”
• Libertação de “simpatinas”
• Nervos colinérgicos e adrenergicos
• Princípio de Dale
1. um neurónio contém e liberta só um neurotransmissor
2. um neurónio é excitatório ou inibitório, mas não pode ter efeitos
diferentes em terminações diferentes.
´
NOVOS CONCEITOS:
1. Um mesmo transmissor pode produzir receptores diferentes em
diferentes locais.
2. Uma mesma resposta pode ser desencadeada por diferentes
transmissores em diferentes locais.
3. Num mesmo neurónio podem coexistir mais do que um transmissor.
4. A comunicação neurotransmissora pode exigir uma conexão anatómica
precisa – transmissão sináptica linear – mas pode existir uma libertação
difusa do transmissor através do espaço extra-celular – transmissão
para-sináptica de volume – e existem receptores em regiões não
sinápticas.
5. Os Astrocitos têm um papel fundamental na neurotransmissão –
recepção, transporte, catabolismo, sintese, libertação de NT.
6. Há uma diversidade de sinais químicos (moléculas, iões) na
comunicação inter-celular no SNC (neuro-reguladores) com acção do
tipo neurotransmissor, neuromodulador e de factor neutrófico.

NEURO-REGULADORES MOLÉCULARES

• Transmissores clássicos
o Acetilcolina, Dopamina, Noradrenalina, Adrenalina, Serotonina,
Histamina.
o Glicina, Ac. Gama-Aminobutírico(GAMA), Glutamato, Aspartato.
• Neuropéptidos
• Neurohormonas
o Hormonas de síntese nos neurónios ou fora deles mas
influênciando a função neuronal.
• “Factores “ neurotróficos, instrutivos e outros

2006/2007 - 62 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Co-existência de transmissores clássicos com péptidos

GABA + Somatostatina Cortex Cerebral, Hipocampo

GABA + Colecistoquinina Cortex Cerebral

Acetilcolina + VIP Cortex Cerebral, Parassimpático ou


Simpático
Acetilcolina + Substantina P Protuberância

Noradrenalina + Somatostatina Simpático

Noradrenalina + Encefalina Simpático

Noradrenalina + Neuropéptido Y Bulbo, Protuberância

Noradrenalina + Neurotensina Locus ?

Dopamina + Colecistoquinina Mesencéfalo

Dopamina + Neurotensina Mesencéfalo

Adrenalina + Neuropéptido Y Subst. Reticular

Adrenalina + Neurotensina Subst. Reticular

Serotonina + Substantina P Rafe Bulbar

Serotonina + TRH Rafe Bulbar

Serotonina + Encefalina Rafe Bulbar

• Outros exemplos de co-existência de neuro-reguladores (neuronios


hipotalamicos):
o Vasopressima + CCK, Dimorfina
o Oxitocina + Encefalina

2006/2007 - 63 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

TRANSDUÇÃO DE SINAL
(SÍNTESE)

3 MECANISMOS:
A – Acoplamento do receptor A – A1 – enzimas efectoras ou A2, canais iónicos
através de proteína G
B – Directa activação de canais iónicos pelo ligando
C – Receptores com actividade enzimática (tirosina ou serina/tirosina cinase,
guanil ciclase)

A1 * ou outra enzima efectora A2


(fosfolipases C e A2, Fosfodiesterase) (cntenas de milisegundos)
(segundos a minutos)

B C para factores de crescimento e factores


neurotróficos excepto o CNTF, que tem um
complexo receptor distinto.

• Cerca de 80% dos 1os mensageiros (hormonas, neurotransmissores,


neuromoduladores ou outros factores) exercerão os seus efeitos
celulares através de receptores acoplados a proteínas G

2006/2007 - 64 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

II – Neurotransmissores, neuromoduladores e factores neurotróficos:


inter-relação dos conceitos

Neurotransmissor
• Substância libertada numa sinapse e com acções pós-sinapticas
• Efeitos rápidos na polaridade da membrana (despolarização-
excitatório, hiperpolarização-inibitório)

Neuromodulador
• Substância que “modula” a neurotransmissão (incluindo a libertação
ou/e acção de neurotransmissores), na presença de actividade
sináptica, a nível pós ou pré-sináptico.
• Não se libertam necessariamente em sinapses e podem agir em
receptores difusos não-sinápticos.
• Efeitos longos.
• Afectam frequentemente a condutância para o K+ ou o Ca2+.
• A mesma substância pode agir como neurotransmissor ou como
neuromodulador (ex.: a serotonina, a acetilcolina).
• A importância da libertação não-sináptica de monoaminas é
controversa -mais de 80% a menos de 10%.

Factores neurotróficos ou de crescimento


• Há factores “especializados” nestas acções, agindo por transdução
mediada por tirosina cinase (actividade intrínseca ao receptor, ou
citoplásmica).
• Contudo, substâncias com acção neurotransmissora ou
neuromoduladora podem tb ter esses efeitos (mediadas por proteínas
cinases e/ou cálcio) – na prodiferação celular, neurifogénese, expressão
fenotípica.
• Acetilcolina, noradrenalina, serotinina e mtos outros compostos com
acção neurotransmissora ou neuromoduladora existem numa fase
embrionária sem sistema nervoso, onde desempenharão esse tipo de
efeitos.

A distinção entre neurotransmissor, neuromodulador e factor próprio não


caracteriza um tipo de substância mas a natureza dos seus efeitos numa célula
receptora.

2006/2007 - 65 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Classificação dos neurotransmissores

Tipo I
• Aminoácidos, como o glutamato, o GABA e a glicina.
• Responsáveis por 80-90% da transmissão sináptica no SNC.
• Transmissão predominantemente rápida, ionotrópica.
• Concentrações de micromoles por grama de peso fresco.
Tipo II
• Incluem os transmissores “clássicos”, como a acetilcolina,
catecolaminas e serotonina.
• Transmissão predominantemente lenta e de acção moduladora.
• Concentracções de monomoles por grama de peso fresco.
Tipo III
• Incluem os neuropeptidos.
• Transmissão predominante de acção moduladora e em receptores
difusos, maior do que só em regiões sinápticas.
• Concentrações de nanomoles a picomoles por grama de peso fresco.

Libertação por pequenas vesículas sinápticas (PVS) versus vesículas


secretorias (VS) – significado funcional

2006/2007 - 66 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Secreção neurotransmissora (exocitose por pequenas vesículas


sinápticas)

A. Reciclagem vesícular em terminação nervosa

1. Transporte vesicular de neurotransmissores.


• 4 tipos de transportadores (12 TM):
o para acetilcolina;
o para aminas (catecolaminas, serotonina, histamina);
o para aminoacidos inibitórios (GABA, glicina);
o para o glutamato.
• Transporte por acidificação do lume à custa duma bomba protonica
gerando pontencial de membrana mais no interior. Uma proteína
vesicular comum é a SV2 (12TM) – Tr.Cl-

2. Migração e fusão
• com a membrana pré-sináptica (libertação do neurotransmissores)

3. Reciclagem por “corated pits” e passagem pelos endossomas

4. Ligação ao citoesqueleto, antes de novo transportador de


neurotransmissores

5. Hipótese “kiss-end-run” – a vesícula é recuperada após breve contacto


com a membrana pré-siáptica e libertação de neurotransmissores

2006/2007 - 67 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

B. Migração para a zona activa da terminação nervosa

As vesículas são transportadas para a zona activa através da interacção


sinaptica-fodrina/actina.
Estas são proteínas do citoesqueleto muito concentradas nas terminações pré-
sinápticas.
A acumulação de Ca2+ fosforiliza a sinapsina através da CaMK-2 a ela
associada.
Outra enzima presente dependentente do Ca2+ é a PKA.
A afinidade da sinapsina para a vesícula e a actina é diminuida, deixando-a
migrar para a zona activa da emb pré-sináptica.

C. A migração para o “alvo” e a fusão da vesícula com a memb pré-


sináptica

A visão actual foi desenvolvida a partir da Hipotese SNARE.


• Esta pressupõe a existência de proteínas receptoras nas membranas
vesicular e pré-sinaptica (chamadas SNAREs) que reconhecem um
complexo proteico citoplasmatico de fusão designado NSF-SNAP.

2006/2007 - 68 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

• Propõe-se a existência de 3 classes de proteínas:


1. Proteínas citoplasmicas
• Rab 3 – membo da superfamilia ras de GTPases (prot.G)
necessária para a estabilização do complexo
• N-sec 1 – possivelmente necessária para a ligação
VAMP-sintaxina
• NSF(N.etilmaleimide-sensitive fusion protein) e SNAPs–
proteínas ubíguas no citoplasma que reconhecem
receptors específicos nos pares de membrana a ligar e a
fundir (esses receptores são V. e t.SNAREs)

2. Proteínas na membrana vesícular (incl. V-SNAREs)


• Sinaptobrevina (VAMP) - liga-se a sintaxina
• Sinaptogamina – será um Ca2+ sensor levendo a vesícula à
fusão
• Sinaptofisina – será componente vesicular do poro de fusão

3. Proteínas na memb pré-sinaptica (incl. T-SNAREs)


• SNAP.25, neurexinas, canais de Ca2+ - tipo N
• Sintaxina (A,B – VAMP-2) – interage com a subunidade α 1β
do canal de Ca2+ do tipo N acoplando a entrada de Ca2+ com
a rápida fusão vesicular
• Fisofilina – componente membrana pré-sináptica do poro de
fusão

2006/2007 - 69 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Visão geral sobre o metabolismo e acções dos neurotransmissores

1. A libertação do N pode estimular receptores (R) pós-sinapticos e


astrocitários
2. O catabolismo do N (CATAB) pode ser sináptico ou implica
transpostadores (T) para o neurónio e/ou astrocíto. Este também
pode ser fonte de N ou de seus percursores
3. Existem moduladores pré e pós-sinapticos da libertação e efeitos
destes neurotransmissores (neuropeptidos, neurotransmissores
atípicos, factores neurotróficos)

III. Neuropéptidos

Generalidades
Mais de 50 actualmente.
O nº possível de péptidos com 2 a 10 aminoácidos é maior que 10¹³.
Quantos mais haverão a descobrir?
• Presentes em concentrações muito baixas (picomoles por grama de
membro); coexistentes frequentemente com neurotransmissores dos
tipos I e II mas em grandes vesículas secretórias, permitindo uma
libertação diferencial dependente da frequência.
• Síntese no corpo neuronal como precursores, incorporação nas
vesículas (com processamento por proteases), libertação frequente
não-sinápticca, com acções difusas, mas tb pos-sinápticas,
dependente da cc de Ca2+ citoplasmático. Acção sobretudo

2006/2007 - 70 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

neuromoduladora por efeito directo na condutância iónica ou por


transdução metabotrópica
• Inactivação: a terminação de seus efeitos não se faz por recaptura,
mas por acção de peptidases (exo e endopeptidases) que não
parecem ser específicas para determinado péptido

Péptidos não opioides

Algumas características de alguns dos mais estudados.


• Oxitocina e vasopressina – nonapeptidos:
o neurónios nos neurónios supraóptico e paraventricular e
outros, extra-hipotalamicos.
o Regulação neuro endócrina, comportamento reprodutor
sexual, aprendizagem/memória, outras....
• Taquiniaras ou Neuroguininas – família com uma comum
sequencia C-terminal:
Fen-XX-Gli-Leu-Met-NH2

Inclui os seguintes membros:


o Substancia P
o Medidor nas terminações sensitivas primárias e em
muitos interneurónios no SNC, neuriguinina A (ou
substancias K), neuroguinina B (ou neuromedina K),
neuropeptido K, neuropeptido γ

• Endotelinas:
o END-1 e -3, prevalecendo a End-3 e os receptores e
astrocitos.
o Efeitos essenciais durante o desenvolvimento do SNC,
regulação neuroendocrina, etc.
o Aumentos no vasoesprasmo da isquemia cerebral e
hemorragia sub-aracnoideia

• VIP (vasoactive intestinal peptide)


o 29 aminoácidos
o Membro da família que inclui o glucagon e a secretina, entre
outros, da qual é a principal no SNC e tb no SNP
o Co-existe em acetilcolina.
o As maiores concentrações no SNC estão no córtex cerebral

• Somatostatina (SOM-14, -18)


o para além de hipotalamica, existe em interneuronios e
noutras regiões do SNC, incluindo neocortex
o Frequentemente com o GABA
o Implicado na cognição, afeitos, movimento...

• Neuropeptido y
o Membro da família dos péptidos relacionados com o
polipeptido mais abundante em qualquer tecido, incluindo o
SNAutónomo e em muitas regiões do SNC.

2006/2007 - 71 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

o Receptores y1, 2, 3.
o Implicados na modulação da dor (+ analgésico), ansiedade
(ansiolítico), comportamento alimentar (↑), memória (↑) e
regulação cardiovascular (hipertensão).

• Calcitonin lene-relared peptide (CGRP)


o Presente em neurónios motores, sensitivos e no nervo central
da amígdala.

• Colecistoquinina (CCK)
o A maior concentração de todos os neuropeptidos no SNC,
especialmente no córtex cerebral com existência muito variada
com outros transmissores.
o Modula libertações de GABA e dopamina.
o Dois tipos de receptores, sendo o CCK-B predominante no
SNC.
o Implicações funcionais diversas, incluindo na modulação da
dor, compotamento alimentar e ansiedade.

• Galanina
o Abundante no tronco cerebral.
o Frequentemente associada a neurónios colimergicas,
serotonina e noraturgicas.
o Acção predominantemente inibitória.

• CRH
o Do nervo proventricular, com proporções difusas para o SNC.
o Participa nos circuitos de SNC associados ao stress

• Neurotensina
o Tridecapeptido com distribuição difusa no SNC.
o Efeitos sedativos morfotensores, moduladores da dor e
possivelmente anti-psicoticas.

Uma das acções principais dos neuropeptidos é a regulação pré-sinaptica da


libertação de neurotransmissores dos tipos I, II, com as quais eles co-existem
no
neurónio. Exemplos:

2006/2007 - 72 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Péptidos Opioides
• Endorfinas
o Péptidos derivados de 3 famílias principais
o Sintetizados no SNC
o Diferenciam-se de péptidos com acção opioide de origem exógena
ou exorfinas (leite, plantas)

Péptidos derivados da
• Pró Opiomelanocortina
ª Não opioides (ACTH, γ, α, β-MSH e β-Endorfina.
ª Principalmente do nervo arqueado (hipotálamo) e
nervos tractos solitários (bulbo) com projecções e
defesas para muitas áreas do SNC.

Péptidos derivados da
• Pro-encefalina
ª Met-Encefalina e Leu-Encefalina (esta em menores
concentraçoes).
ª Os mais obliquamente distribuídos de todas as
opioides, do telencéfalo à medula, com as mais altas
concentrações no globus pallidus.

Péptidos derivados da
• Pro-dinorfina
ª Dinorfia A, Dinorfina B, Neoendorfina α e β.
ª Em geral em distribuição ou ás encefalinas.
ª As mais altas concentrações na hipófise posterior e
hipótalamo e altas concentrações na amígdala, septo,
medula, mesencéfalo.

Receptores opioides , metrototivicas


ª em geral com acção hiperpolarizante ou inibitória e
modulando a libertação de outros transmissores.
ª 3 Subtipos com afinidades diversas para os três tipos de
opioides.

2006/2007 - 73 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

• Endomorfinas
o Recentemente descobertas Tetropeptidas, Endomorfina 1 e
Endomorfina 2 com alta especificidade e afinidade para o receptor da
morfina, Receptor μ (a heroína é um derivado da morfina, com dois
grupos acetis, que aumentam a sua lipo-solubilidade)

Implicações Funcionais e fitopatológicas


Muito diversas, consoante o nível anatómico:
Medula – percepção dolorosa do corpo
Tronco – percepção dolorosa da cabeça, reflexos vogais,
respiração (depressão respiratória), supressão da tosse,
cardiovascular (hipotensão) , inibição das secreções gástricas,
náuseas e vómitos, miose, euforia e outros efeitos emocionais
Diencéfalo – percepção dolorosa, secreção da ADH
Telencéfalo – efeitos emocionais e hormonais com rigidez motora
(catatonia).

A importância para a compreensão dos mecanismos de tolerância,


dependência e comportamentos compulsivos da adição.

Novo opiáceo endógeno, a nociceptina com receptor ORLA – modulando a dor,


mas não a depressão respiratória

Receptores Opioides
Todos modulando a dor, mas com distribuições e funções diversas no SNC.
μ – córtex, amígdala, hipocampo, tálamo, mesencéfalo, protuberância,
bulbo e medula.
K – também no hipótalamo
δ – distribuição mais restrita no mesencéfalo e medula.

2006/2007 - 74 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Factores Neurológicos

• São factores proteicos necessários para a sobrevivência e diferenciação


neuronal e desenvolvimento, especificidade e plasticidade das suas
conexões.
• Podem regular a transmissão sináptica e mielinização e estão implicados
em diversas actividades fisiológicas como a aprendizagem, memoria e dor.
• A sua origem pode ser um neurónio alvo (mecanismo retrógrado), a
aferente (mecanismos anterogado), o próprio neurónio (mecanismo
autónomo), as células glicais ou outras (fibroblastos, etc)
• Um factor pode afectar múltiplos tipos de memória e cada tipo neuronal ser
influenciado por diversos factores.
• Podem integrar o conceito (classificação) dos factores de crescimento ou de
citocinas .
• Contudo, a evidência de que podem abrir canais de sódio específicos e
gerais potenciais de acção. (BDNF) aproxima-os também do conceito de
neuro transmissor

Neurotrofinas
• Factor de crescimento do neuro (NGF)
o O primeiro a ser descoberto nos anos 50, não age só no
simpático e populações de neurónios sensoriais do SNP, mas
também no SNC (estriado, septo)
• Neurotrofina – 3 Neurotrofina 4/5 BDNF (brain derived neurotrophic
factor)
o Com o NGF constituam a família das neurotrofinas
o O BDNF tem sido mais estudados: medula a função do
hipocampo e a aprendizagem/memória
o Promove a mielinização e pode gerar potenciais de acção;
o Os seus sinais alteram-se nalgumas áreas do SNC com o stress,
e o seu aumento está associado com o tratamento crónico com
anti-depressivos.
o A NT3, contrariamente ao BDNF, é inibidora da mielinizaçao

Factor neurotrófico Ciliar (CNTF) e LIF:


• Estruturalmente e funcionalmente distintas das neurotrofinas, fazem
parte da família citosinas neuropoieticas.
• O neuro periférico e o factor mais atenuante do CNTF, mas estes
afectam também neurónios do SNC, em particular neurónios motores
(colinergicos).
• É factor de sobrevivência do neurónio do gânglio ciliar e do
parassimpático em geral

Outros
• DNF (glia cll. Derived neurotrophic factor)
o com acções no SN e for a dele
• neurosepulinas
o multiplica acções, em particular nas sinapses neuro-musculares,

2006/2007 - 75 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

• Efinas
o criticas para o desenvolvimento e migração neuronal … entre
outros…

Receptores e transdução de Sinal

1. Receptores para as neurotrofinas


• TRK
ª família dos receptores tirosina sinase.
ª Fites incluem classes para factores de crescimento - I (EFG),
II (FDGF), III (Insulinas, IGF, 1), IV (FGF), V (família Eph)
ª tem três formas: TRF A,B;C

As neurotrofinas têm um receptor de alta afinidade preferencial TrK, enquanto o


de baixa afinidade se liga a todas elas.

• O inicio propagação e manutenção da transdução de Sinal para as


neurotrofinas e outros factores neurotroficos depende de rafts lipidicos

Transdução de Sinal

Dimerizaçao receptora – Auto fosforilizaçao receptora - Associação do receptor


com proteínas citoplasmaticas de sinal, que ao serem fosforiladas no resíduo
de tirosina activam a cascata de transdução.
Estas proteínas contêm o domínio SH2 (Src homologia 2). Estes são regiões
não catalíticas e aproximadamente sem aminoácidos conservadas nestas
proteínas incluindo a proteína Shc, a fosforilase C- ‫ﻻ‬, a fosfatidilinositol – 3 –
cinase (subunidade P85) (PI- 3 sinase) entres outras.
Os domínios SH2 estão usualmente acompanhados de domínio SH3 (ex, a
GRB2) ligando-se a sequencias ricas em prolina (ex, das SOS, son of
seventess ).

A cascata de transdução mais conhecida leva á activação da pequena proteína


G (Ras GDP → Ras GTP), activando a cadeia de fosforilações : (B- Raf
(serina- trionina- sinase)→ acivador das sinase mitogenica – activada

2006/2007 - 76 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

(MAPKK) → activador), fosforilando resíduos da tirosina e trionina, a proteína


sinase mitogenica activada (MAPK), chamadas cinases reguladas por sinal
extracelular (ERKA).
Estas tem diversas acções, amplificando a resposta e regulando factores de
transcrição e assim a expressão genética.

• p75
ª outro receptor, de baixa afinidade para neurotrofinas.
ª Tem mais vastas distribuições e expressão em maior número
de células para as TRK, pode estar co-expresso com estes,
ou não.
ª Tem semelhança estrutural com os receptores para a família
de factores de necrose tumoral (Citocinas), como nestes
estimulando a hidrólise de esfigomielina (sistema de
transdução de sinal), nomeadamente por proteínas sinases
estimuladas pela Ceramida .
ª Entre funções propostas contam-se:
• Aumentar a afinidade dos receptores para as neurotrofinas,
• medular a actividade da TRK tirosina-cinase,
• transporte retrogado de neurotrofinas,
• apoptoses..

2. Receptor CNFT
• Heterodímero comprendendo três sub-unidades.
• A componente α para o CNTF é extra-celular ligando-se a membrana
pelo glicosil-fosfatidilinositol.
• Ao LIFR(β) liga-se o factor inibitório leucemico (LIF), com reacções
neurais e extra neurais.

2006/2007 - 77 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

• A GP130(β) é membro da família dos receptores citocina–


hematopoiéticos, associando-se a receptores para a interleucinas 6 e
11 e a oncostativas M.
• A transdução pela ligação do CNFT envolve a fosforilação da JAK1
e JAK2 que são tirosinas cinase citoplasmaticas.
• A actividade da JAK inclui subsequentemente fosforilação de factores
de transcrição.

2006/2007 - 78 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Sistema Nervoso Autónomo


Com excepção do musculo esquelético, todas as regiões periféricas ou
vísceras recebem inervação deste sistema e mesmo aquele tem fibras
autónomas vasomotoras
Tal como o sistema nervoso somático (musculo esquelético, articulações, pele),
é constituído por fibras eferentes (motoras) e fibras aferentes (sensoriais).
Estas ultimas conduzem as sensações para as percepções viscerais (dor,
temperatura)

Classificação e funções gerais


• SN Entérico
o Inervação intrínseca do aparelho gastro-intestinal, pâncreas e
vesícula biliar
o Tem uma funcionamento autónomo, mãe é regulado por
inervação extrínseca do parassimpático e do simpático
• SN Parassimpático
o Associado à conservação de energia, estimulação da secreção
glandular e da motilidade e absorção gastro-intestinal, relaxação
de esfíncteres, etc.
o Divide-se num craniano (fibras de nervos cranianos) e num
pélvico (fibras de nervos sagrados) (1)
• SN Simpático
o Actividade associada ao gasto de energia, resistência à fadiga em
situação de stress ao elevar a glicemia e a tensão arterial,
inibição intestinal e fecho de esfíncteres. (2)

Fibras aferentes ou sensoriais


Os centros que recebem no SNC são o núcleo do tractus solitarius (bulbo) e o
complexo parabraquial (…). Daqui seguem para o talámo e deste para o cortéx
da insula.

2006/2007 - 79 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Parassimpático
N. Edinger-West lII Gânglio ciliar
(mêsencéfalo) Gânglio pterigopalatino
Glândula submandibular
N.lacrimal, Glan.Salivar VII
(protuberância)
Gânglio óptico Acetilcolina Olho
Gânglio terminais Gland.lacrimal
N.salivar inf. IX
Gland.salivares
(bulbo)
Pulmão
Coração
N. dorsal vago e Ambíguo X
Fígado(simpático)
(bulbo)
Estômago
Pâncreas
Plexo pélvico Intestino
E S2- S4
Bexiga
Órgãos reprodutores
Acetilcolina
Simpático

T1 - L3
(coluna intermédio- Gânglio cervical sup.
lateral-medula) Gânglio estrelado
´ Cadeia paravertebral

1 - Sobretudo com receptores nicotínicos, mas também por receptores


muscarinicos. Também se libertam peptidosm agindo em receptores
peptidergicos

2 - Com acção moduladora, tal como a dos receptores muscarinicos (potenciais


pós-sinápticos excitatorios mas mais lentos)

Mediadores e Acção Pós-Ganglionar

Parassimpático
• O mediador principl é a acetilcolina, actuando em receptores
muscarinicos
• Também libertam péptidos com acção moduladora (ex. Vip)

Simpático
• O principal é a noradrenalina, com +/- péptidos
• Para alem dos receptores peptidergicos, há diversos receptores
adrenergéticos

2006/2007 - 80 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

o α1 - vasoconstrictor, dilatação da pupila, encerramento de


esfíncteres, gastro-intestinal, bexiga, secreção de suor
o α2 - pré-sinápticos. A noradrenalina inibe a sua libertação
o α2 - pós-sinápticos. Inibe a secreção de insulina e serina
o β1 - aumenta a frequência cardíaca, a lipolise; inibe a motilidade
o β2 - aumenta a secreção de renina; broncodilatador,
vasodilatador coronário

Regulação Central do Sistema Nervoso Autónomo: Hipotálamo

O hipotálamo não é indispensável para a regulação autónoma de algumas


funções, como a respiratória e a cardiovascular, cujo o centro é bulbar, em
particular o NÚCLEO DO TRACTUS SOLITARIUS (NTS).

2006/2007 - 81 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Músculo

1. Sarcolema
• A membrana citoplasmatica com os elementos especializados da
placa motora e outras de tecido conectivo e colagénio.
• O potencial de membrana é de cerca de -80mV
• Contém um complexo glicoprpteico associado à distrofina de grande
importância funcional e patológica

INM = [K+] [Na+] INM = irritabilidade neuromuscular

[Ca2+ ] [Mg2+] [H+]

• INM aumentada, por exemplo em situações de hipocalcemia ou


hipomagnesiemia.
• Ao contrário das membranas dos nervos, a muscular tem uma alta
condutância para os iões cloro.
• Mutações nestes canais causam miotenia. Mutações noutros canais
(Na+, Ca2+) também alteram a excitabilidade, causnado doença.

2. Sistema Contráctil
• Sistema de proteinas constituindo os filamentos espessos e os
filamentos delgados

3. Retículo Sarcoplásmico
• Os potenciais de acção originados no sarcolema penetram no interior
da fibra muscular por um sistema tubular em T associando-se ao
retículo sarcoplasmático
• Este reserva o cálcio no músculo relaxado, libertando-o quando a
despolarização chega pelo sistema T

2006/2007 - 82 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

• Contem:
o uma ATPase, Ca2+ dependente, responsável pela sua
captura.
o uma proteína de canal de Ca2+ necessária para o
acoplamento da despolarização à libertação
o um receptor rianodina, necessárip para a libertação de
cálcio.
• Mutações neste receptor associam-se a doença (hipertremia
maligna)

4. Substratos Energéticos
• Ácidos Gordos livres
o O principal substrato em repouso, sobretudo em períodos
prolongados de endurance
o Originam-se dos triglicéridos musculares, do tecido adiposo e das
lipoproteinas
o A importância da carnitina

• Glicogénio
o No principio do exercício ou na sua grande intensidade
o A glicose e os ácidos gordos substituem-no à medida que o
trabalho se prolonga
o Muitas doenças estão associadas a défices de utilização destes
susbtratos

5. A heterogeneidade das fibras musculares


• Fibras do tipo 1 (fibras vermelhas)
o De contracção e relaxação lentas
o Resistentes à fadiga
o De metabolismo sobretudo aeróbio
o Muito ricas em mitocondrias e em mioglobina
• Fibras do tipo 2 (fibras brancas)
o De contracção e relaxação rápidas
o Mais fatigáveis
o Metabolismo sobretudo anaeróbio
o Retículo sarcoplasmico mt desenvolvido
o Existem intermédias (2a e 2b)

6. A junção e transmissão neuro-muscular


• Nervo e musculo constituem uma unidade funcional inseparavél
• Unidade Motora
o É definida pelo neurónio motor (α) e o conjunto de fibras
musculares que ele inerva
• Fibras pertencentes à mesma unidade motora são do mesmo tipo
bioquímica e funcionalmente.
o A inervação e a actividade da fibra nervosa pode alterae o tipo
de fibra muscular
• A transmissão neuro-muscular pode ser afectada:
o a nível pré-sináptico (ex. toxina botulinica),

2006/2007 - 83 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

o a nível da junção (ex. inibidores da acetilcolinesterases e


organofosfatos)
o a nível pos-sinaptico (ex. certas toxinas que bloqueiam o
receptor da acetilcolina ou a miastenia gravis)
Esta última está associada a anticorpos dirigidos contra a acetilcolina. A toxina
botulinica inibe a libertação de acetilcolina

• Os receptores nicotínicos iniciam a despolarização põe abertura dos


canais de sódio

2006/2007 - 84 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Neurotoxina Botulinica e Sinapse Neuromuscular

As neurotoxinas botulinicas (TB) A e B são constituídas por cadeias A e B.

• Cadeias B
o De ligação e internalização das toxinas
o Para além da cooperação de gangliósidos,
ƒ TB - A liga-se à proteína SV2
ƒ TB - B liga-se à proteína sinaptogarmina??
o Estas proteinas são V-SNAREs, proteinas da membrana
vesículas para a fusão e libertação de acetilcolina nas sinapses
neuromusculares
• Cadeias A
o São endoproteinas
o Ao clivarem SNAREs perturbam a fusão vesicular e libertação de
acetilcolina.
ƒ A da TB - A degrada a SNAP-25, uma proteína da
membrana pré-sináptica (t-SNARE)
ƒ A da TB - B degrada a sinaptobrevina (V-SNARE)

2006/2007 - 85 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Contracção Muscular

As células eucaríoticas têm filamentos contrácteis e microtúbulos, participando:


• Organização dos compartimentos celulares
• Divisão celular
• Actividade de cílios e flagelos
• Transporte de materiais
• Etc.

Energia Química Energia Mecânica

Os elementos contrácteis das células musculares são as miofibrilhas,


constituindo-se por unidades contrácteis, os sarcómeros.

Banda I
• Isotrópicas
• Têm propriedades físicas uniformes qualquer que sejam as direcções
nas quais sejam medidas

Banda A
• Anisotrópicas
• As propriedades físicas dependem da direcção de medida
• O seu índice de refracção não é uniforme em todas as direcções
• Birrefrangência - componentes musculares assimetricos orientados
numa direcção

Os sarcómeros podem-se encurtar de 20 a 50% e podem estender-se até


120% do seu comprimento de repouso quando o musculo é estriado.

As alterações no comprimento de um musculo devem-se ao grau de


penetração dos filamentos finos nas zonas com filamentos grossos.

2006/2007 - 86 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Os componentes proteicos das miofibrilhas (miofilamentos)


1. MIOSINA
• 55-60% da proteinas miofibrilhares

• Composta oor 6 cadeias de polipepticos


ª 2 H (pesadas)
ª 4 C (leves)
• Cadeias pesadas
ª Meromiosina L
ª Meromiosina H (transversal, portadora de actividade ATPásica e
dos sitios de união com as cadeias C e a actina)
• Cadeias Leves(*)
ª C1
ª C2 (duas para cada molécula de miosina)
ª C3

(*) o musculo cardíaco e os de contracção lenta contêm só 2 filamentos de


cadeias leves (LC1 e LC2)

2. ACTINA
• 20-25% das proteinas miofibrilhares
• Existe sob 2 formas:
o Actina G - Globular
o Actina F - Fibrilhar (constituída pela união de um grande número
de moléculas de actina G dispostas em dupla espiral)
• Constituem os filamentos delgados, juntamente com 2 outras
proteinas reguladoras

2006/2007 - 87 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

3. TROPOMIOSINA
• 4-11% das proteinas miofibrilhares
• Entrelaçadas com as moléculas de actina
• Fixam-se ao nível da linha 2, juntamente com a α-actinina

4. TROPONINA
• Formada por 3 cadeias polipeptidicas
o Troponina T - fixa o complexo à tropomiosina
o Troponina C - fixa os iões cálcio
o Troponina I - inibe a interacção entre a actina e a miosina

ACTINOMIOSINA
• Forma-se pela associação de uma parte de Actina-F com 3 partes de
miosina
• O complexo é muito viscoso, dissociando-se a concentrações salinas
muito altas (KCL a 24)
• Enquanto a actividade ATPásica da miosina pura requer Ca2+ e é
inibida pelo Mg2+, a actividade ATPásica da actinamiosina é
estimulada pelo Mg2+

2006/2007 - 88 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Mecanismo de Contracção e sua Regulação


Modelo de deslizamento

A tropomiosina inibe a ligação de 7


unidades de actina-G através da
troponina-I. Quando a troponina-C
se liga a 2 Ca2+ expõe o local de
ligação da actina-G à miosina.

Forma-se o Complexo Gerador de


Força, na qual a cabeça da miosina
se liga aos monómeros da actina-G

Ocorre uma alteração de


conformação da cabeça da
miosina, que assume um ângulo de
45º em relação à cauda. Isto
provoca um movimento do
filamento delgado em relação ao
espesso.

Termina num complexo rígido, forma


de actinamiosina de baixa energia

A cabeça da miosina passa do seu


Preparado para
estado energético a uma conformação
interagir com um não energética, deixando o ADP e o Pi
novo monómero nos seus locais de ligação na miosina. A
de actina-G hidrólise do ATP em ADP e Pi permite
recuperar o ângulo de 90º.

2006/2007 - 89 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

A relaxação muscular efectua-se com o transporte de Ca2+ do sarcoplasma


para o retículo sarcoplasmico, por transporte activo.

A preceder a contracção:
• A despolarização do sistema T, cujas as membranas têm receptores
dihidropiridina, relacionados com canais de Na+ voltagem-dependentes,
é transmitida às membranas do retículo sarcoplásmico, que aumenta a
sua permeabilidade para o Ca2+ (receptor rianodina), contido nas suas
cisternas no estado de repouso. (o Ca2+ pode estar solúvel nas cisternas
ou ligado a calsequertrina)
• Neste estado, a hidrolise de ATP pela miosina é inibida pelas
concentrações de Mg2+. Esta é contrariada pela reacção da actina com a
miosina na presença de concentrações activadoras de Ca2+.

Uma molécula de ATP é necessária para reagrupar duas moléculas de Ca2+


nas cisternas, de modo a relaxar o musculo.
De 2 a 4 moleculas de ATP são ligadas e hidrolizadas por cada ponte
activadora, durante a contracção.

Nota: O ATP é necessário tanto para a contracção como para a relaxação. Pelo
menos 2/3 do ATP é usado para a contracção e 1/3 na relaxação.

Mecânica da Contracção Muscular


1. Tipos de contracção

• Isométrica - contracção sem encurtamento do


musculo

•I
s
o
t
ó
n
ica - contracção onde há encurtamento do musculo e manutenção da
sua tensão

A força total desenvolvida pelo musculo esquelético depende de 2 factores:

2006/2007 - 90 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

I. Somação das contracções induzidas pelos potencias de acção numa


fibra muscular
II. Recrutamento de um número crescente de fibras activas num dado
musculo.
III. Para altas frequências de estimulação, a fibra muscular esquelética
pode desenvolver contracção tetânica, com redução do desenvolvimento
da força , a qual requer:
a. A manutenção de altas concentrações de Ca2+ citoplasmático
b. uma duração do potencial de acção inferior à duração da
contracção da fibra (o que vai acontecer na contracção cardíaca)

Fibras de contracção rápida


• em 10-20 ms, todo o Ca2+
é capturado pelo retículo
sarcoplasmico
Fibras de contracção lenta
• a contracção da fibra pode
durar 40-50ms

2. Relação entre Força Máxima e Comprimento Muscular

• Curva tensão passiva


o Medida de elasticidade do musculo ou a sua tendência em
voltar ao comprimento de repouso após estiramento
o O musculo contem elemtos elásticos entre os sarcómeros e os
tendões.
• A tensa activa é máxima perto do comprimento de repouso do
musculo esquletico.
• O seu estiramento leva a que as cabeças de miosina não possam
establecer pontes, resultando numa quebra de tensão activa.
• Para além de um encurtamento exagerado, a tensão activa também
diminui.
o Há um intervalo óptimo de performance ou “operacional”, para
o desenvolvimento da força máxima, na qual se encontram os
músculos esqueléticos.

2006/2007 - 91 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

3. Fadiga Muscular
• Redução da sua capacidade de gerar força e seu consequente uso
• Fadiga Rápida - exercício intenso/rápido leva ao aumento de acido
láctico, o que faz diminuir a quantidade de ATP
disponível.
• Fadiga Lenta - exercicio prolongado leva a uma diminuição do
glicogénio no musculo, que está dependente de
substâncias lipidicas (AG)~

2006/2007 - 92 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Músculo Cardíaco
• Fibras semelhantes às do tipo I do musculo esquelético
• Fibras mais curtas ligadas por discos intercalares, com complexos de
junção (permite a comunicação eléctrica entre as fibras).
• Não há somação
o O potencial de acção dura vários milisegundos, quase até ao final
da contracção
• Não há contracção tetânica
• A superfície da membrana tem canais de Ca2+ voltagem-dependentes,
o A entrada de Ca2+ pelo potencial de acção é necessária para o
acoplamento excitação-contracção.

Como no musculo esquelético, a força é determinada pela estiramento,


contudo, o intervalo operacional está numa região da curva comprimento-
tensão na qual a força gerada é inferior ao comprimento na qual a força
máxima será obtida. Por isso, na condição normal de estiramento gera mais
força.

2006/2007 - 93 -
Instituto Superior de Ciências da Saúde - Egas Moniz Fisiologia I

Músculo Liso

• Fibras unitárias - estão electricamente e mecanicamente acopladas


(aparelho gastro-intestinal, vasos sanguíneos)
• Fibras multi-unitárias - têm poucos ou nenhuns complexos de junção
(íris, parede de vasos de maior diâmetro, vias respiratórias)

• As proteinas contrácteis não estão organizadas em sarcomeros.


• As unidades contrácteis são arranjos paralelos de filamentos espessos e
delgados, em que a miosina se liga em corpos densos ou ao sarcolema
e os filamentos de actina não têm relação constante com os filamentos
de miosina.
• A razão actina/miosina é muito maior do que no musculo esquelético
(10/15 contra 3/1)

• Nas fibras unitárias, há despolarizações espontâneas regulares (ritmo


eléctrico básico).
• Nas fibras multi-unitárias, as alterações na contractibilidade resultam,
em geral, da influencia do sistema nervoso autónomo. (assemelham-se
mais às do musculo esquelético)

• As fibras lisas não têm retículo sarcoplasmico desenvolvido


• Como no cardíaco, há canais de Ca2+ voltagem-dependentes na
membrana citoplasmatica e a entrada de Ca2+ resulta na despolarização.
o O Ca2+ combina-se com pelo menos 2 proteinas: a cadeia leve de
miosina e a calmodulina.
o A activação da calmodulina é essencial para a ligação da miosina
à actina

Diferenças entre os tipos de músculo


Esquelético Cardíaco Liso
Receptor de Ca2+ Calmodulina
Troponina Troponina
no acop. exc-cont. Miosina
Ret. Sarcopla. Primariamente
Fonte de Ca2+ Ret. Sarcopla.
Espaço extra-cel. espaço extra-cel
Estiramento
Regulação da Somação Moduladores de
Moduladores de
força Recrutamento Contracção
contracção
Unitária
Organização Unidade Motora Unitária
Multiunitária

2006/2007 - 94 -