Você está na página 1de 8

Francês diz ter encontrado cura

para o alcoolismo
sábado, 6 de dezembro de 2008, 21:27 | Online

Cardiologista alega substância usada para relaxar músculos o


levou a abandonar a bebida.

De Paris para a BBC - Um médico lançou uma polêmica na França


ao alegar em um livro que pode ter descoberto a cura para o
alcoolismo.

Olivier Ameisen, um dos mais conceituados cardiologistas do


país, alega que ele mesmo conseguiu abandonar o vício usando
uma droga hoje receitada para relaxar os músculos chamada
baclofen.
[genérico: “Baclofeno”; original: “Lioresal”-Novartis; similar:
“Baclofen”-Teuto ]

O livro em que narra sua experiência, Le Derrier Verre ("O Último


Copo", em tradução livre) ele pede para que cientistas façam testes
clínicos para provar que o baclofen elimina o desejo de beber.

A popularização do livro por meio da imprensa francesa levou


muitos alcoólatras a buscarem o mesmo tratamento, e alguns
médicos de fato revelaram que seus pacientes tiveram sucesso ao
usar a droga contra o alcoolismo.

Mas outros especialistas mantêm o ceticismo, advertindo para o


perigo por trás das chamadas "curas milagrosas".

"Precisava de álcool"
Ameisen era professor de cardiologia na Universidade Cornell, de
Nova York, e em 1994 abriu um lucrativo consultório em Manhattan.

Mas, acometido de um forte sensação de insegurança – ele se


sentia como "um impostor esperando ser desmascarado" – ele
passou a procurar alívio em grandes doses de uísque e gim.
"Eu detestava o gosto do álcool. Mas eu precisava de seus efeitos
para existir em sociedade", diz o livro.

O médico diz que tentou todos os recursos conhecidos para acabar


com sua dependência. Entre 1997 e 1999, ele passou um total de
nove meses confinado em clínicas para alcoólatras, mas nada
funcionou.

Temendo pela segurança de seus próprios pacientes, Ameisen


decidiu parar de atendê-los e voltou a Paris. Então, em 2000, ele
leu um artigo sobre um americano que foi tratado com baclofen para
espasmos musculares, mas alegou que, durante o tratamento,
sentiu que ficou mais fácil abandonar seu vício em cocaína.

Estudos adicionais revelaram que a droga ajudava cobaias a se


livrarem do vício em álcool ou cocaína. Contudo, para a surpresa do
cardiologista, especialistas em dependência desconheciam o
baclofen.

Em março de 2002, ele começou a testar a droga em si mesmo com


doses diárias de cinco miligramas.

"Os efeitos iniciais foram um relaxamento muscular mágico e um


sono de bebê", disse Ameisen. Quase imediatamente, ele passou a
sentir menos vontade de beber.

Gradualmente, ele aumentou para a dosagem máxima de 270 mg e


então se viu "curado". Hoje, usa, de 30mg a 50 mg por dia.

"Meu caso é o primeiro em que um tratamento médico suprimiu


completamente o vício em álcool", alega. "Hoje, eu posso beber um
copo e não tem efeito. Acima de tudo, eu não tenho aquela
necessidade irresistível de beber."

Best seller
Nome do livro: “Le Derrier Verre”
Autor: Olivier Ameisen

“Le Derrier Verre” se transformou em um best seller na França,


levando milhares de alcoólatras em recuperação a pedir que
seus médicos lhe receitassem baclofen.
Alguns médicos decidiram ignorar que a droga não está
oficialmente liberada para tratar alcoolismo e dizem ter
testemunhado excelentes resultados.

"Eu o prescrevi a dois alcoólatras que realmente estavam no


fim da linha. Para ser honesto, foi bem milagroso", disse o
doutor Renaud de Beaurepaire, do hospital Paul-Guiraud, da cidade
de Villejuif, perto de Paris.

Em Genebra, o doutor Pascal Garche disse ter submetido 12


pacientes ao tratamento, dos quais sete mostraram notável
melhoria.

"Nunca tive reações como esta antes. Não podemos ignorar


descobertas como esta", disse.

Mas especialistas temem que a badalação da mídia a respeito do


"remédio" de Ameisen esteja ofuscando a complexa natureza do
alcoolismo.

"Incentivar pessoas a pensar que há uma substância milagrosa é


entender errado completamente a natureza do alcoolismo e é
extremamente irresponsável", disse o doutor Michel Reynaud, do
hospital Paul-Brousse, em Paris.

Alain Rigaud, presidente da Associação Nacional para a Prevenção


do Alcoolismo e da Dependência da França, também tem suas
reservas. "Nós precisamos de testes abrangentes para determinar
como a droga age, se é eficiente e em qual dose, e se é
verdadeiramente inofensiva no logo prazo", disse.

"Mas mesmo se a droga realmente funcionar, isso não significa que


só a droga, isoladamente, é a solução."

Fonte:
http://www.estadao.com.br/vidae/not_vid289686,0.htm

----------------------------------------

Gestante bêbada dá à luz menina


alcoolizada na Polônia
segunda-feira, 10 de setembro de 2007, 16:57 | Online

O alcoolismo é um problema na Polônia, onde o consumo de


bebidas destiladas alcança níveis preocupantes

VARSÓVIA - menina nasceu na Polônia com uma taxa de 1,9


grama de álcool por litro de sangue, depois que sua mãe, uma
alcoólatra de 29 anos, chegou bêbada para dar à luz a um hospital
de Dabrowia Gornicza, no sul do país.

A taxa da criança é mais que três vezes maior que o máximo


permitido para motoristas, segundo a lei brasileira atual.

Em estado muito grave, a criança, de 2,3 quilos, foi para a


incubadora, enquanto a mãe, cinco horas depois do parto,
registrava um índice de álcool de 1,5 grama por litro de sangue.

Tanto a mãe como o pai da recém-nascida, que também é


alcoólatra e que hoje foi flagrado com 3,5 gramas de álcool por litro
de sangue, foram colocados à disposição da Justiça.

À polícia, ambos disseram que não sabiam que a ingestão de álcool


durante a gravidez era prejudicial ao desenvolvimento do feto.

Além disso, a mãe declarou que, durante todo o período de


gestação, não se consultou com médicos nem se submeteu a
exames.

Um caso semelhante foi registrado no país durante o mês de julho,


quando uma mulher de 37 anos, embriagada, deu à luz uma criança
com 1,2 grama de álcool por litro de sangue.

O alcoolismo é um problema em toda a Polônia, onde o consumo


de bebidas destiladas, sobretudo de vodca, alcança níveis
preocupantes entre as camadas mais pobres da sociedade.

Segundo especialistas, filhos de pais que consomem álcool em


grandes quantidades desenvolvem a chamada síndrome do
alcoolismo fetal, que se manifesta em atrasos no crescimento,
tendência a ataques epilépticos, anormalidades faciais e problemas
de aprendizagem e comportamento.

Fonte:
http://www.estadao.com.br/vidae/not_vid49293,0.htm

--------------------------------------------

COMO O ÁLCOOL MEXE COM AS EMOÇÕES?

Os vasos cerebrais contam com uma eficiente guardiã, a barreira


hematoencefálica, ao redor da massa cinzenta. Sua função é
impedir a entrada de substâncias nocivas. Só que as moléculas de
álcool conseguem driblar essa proteção e chegar no sistema
límbico, a sede das emoções.

O álcool, então, ativa dois neurotransmissores ligados à sensação


de euforia e bem-estar, a dopamina e a serotonina. Não à toa, a
pessoa fica mais alegre e descontraída.

Muitas doses depois, a bebida estimula os neurotransmissores


gabaérgicos, que diminuem a atividade cerebral. Isso compromete
o julgamento crítico e faz aflorar sentimentos sem controle, como
choro, riso e raiva fáceis.

Fonte: revista Saúde! é Vital, edição 305, novembro 2008, pág 6

--------------------------------------------

Você sabe o que é a “compulsão por carboidratos”?


Você sabe que é possível controlar a “compulsão por
carboidratos”?
Você conhece os efeitos danosos da toxicidade pela “luz
artificial”?
E o hormônio “melatonina”, o que ele tem a ver com tudo
isto?
Qual a relação entre “compulsão por carboidratos” e “sono-
reparador”?
O álcool é “energia pura”, um “concentrado de
carboidratos”....
Conseguindo-se um controle sobre a “compulsão pelos
carboidratos”, poderia ser útil para auxiliar os alcoólatras?
Tudo isto, E MUITO MAIS, você vai ficar sabendo, lendo o livro
“Apague a Luz!” de T S Wiley.
* sono-reparador: devemos dar uma atenção especial ao sono-
reparador. Escureceu, ir pra cama! Ou seja, fugir da luz artificial, o
máximo possível. O ideal é dormir 9 horas e meia – no mínimo –
todas as noites (segundo a pesquisadora T S Wiley). O quarto deve
estar bem escuro, nada de abajur, ou pequenas luzes acesas
durante a noite. Também devemos evitar líquidos algumas horas
antes de ir dormir, para evitar acordar durante a noite, porque, ao
acendermos a luz, interrompemos a fabricação de “melatonina”,
fundamental para reparar o equilíbrio de nosso organismo, durante
o período de sono.
É interesssante a leitura do livro “Apague a Luz!”, durma
melhor e: perca peso, diminua a pressão arterial e reduza o
estresse; T S Wiley e Bent Formby, Ph.D. – Editora Campus, 2000.

EDITORA CAMPUS
Ligue grátis: 0800-265340
e-mail: info@campus.com.br
www.campus.com.br

http://www.livrariasaraiva.com.br/

LIGHTS OUT
Se você acredita mesmo que o sol só
dá câncer de pele, não esqueça: é ele
que dá o princípio da vida!
Um livro quase sarcástico a respeito das fragilidades,
inconsistências, e outros deslizes fundamentais sobre a
saúde do ser humano.
As suas idéias sobre o conhecimento médico ordinário é
levado a uma das maiores críticas até agora demonstrada:
a medicina está construída sobre premissas erradas, pois
a própria ciência não passa de uma mera soma de
equívocos, se não propositais, lastreados em
desconhecimento da mais básica noção de fisiologia
aplicada à uma lógica (criminosamente) esquecida: o ser
humano não passa de um ser vivo dependente da sua
plena integração com o meio ambiente, e como todos os
demais entes terrestres totalmente dependente das
variações naturais da exposição à luz solar.

Um livro fundamental, que poderá parecer extremamente


desagradável aos dietocratas e outros "experts" modernos
que conseguiram transformar todo ser humano num reles
paciente... aliás esse deve ser o motivo pelo qual estamos,
por exemplo mais preocupados em tratamentos mágicos
contra o câncer, mas jamais, nunca, ninguém, nem o mais
sábio dos naturebas "new ages" pensam, falam ou
divulgam a mais singela informação: como NÃO TER
CÂNCER!

T.S WILEY desmoraliza todos esses cúmplices, sejam os


habituais aliados do consumismo aplicado à medicina,
sejam aqueles que em tese estariam do outro lado da
fronteira. Mas na verdade são os dois lados da mesma
moeda.

O conhecimento da antropologia aplicada à saúde deixa


todos nus e sugere novos caminhos!

Não deixe de ler:

“APAGUE A LUZ!”
(tradução do livro: Lights out! de T.S.Wiley e Bent Formby)

377 páginas.

Editora campus

Retorna à pagina artigos

Retorna à página sugestões


Fonte:
http://www.umaoutravisao.com.br/index.html
Site Uma Outra Visão
Dr. José Carlos Brasil Peixoto – médico homeopata

--------------------------------