Você está na página 1de 25

Capítulo 3

ALGUMAS TÉCNICAS
DE ANÁLISE

DISCIPLINA: Análise das Demonstrações Contábeis


CURSO: Ciências Contábeis
TURMA: 4º Período
DOCENTE: Lívia Miranda
Eunápolis (BA)
Julho de 2018
ALGUMAS TÉCNICAS DE ANÁLISE
3.6.1 Indicadores Financeiros e Econômicos;

3.6.2 Análise Horizontal e Vertical;

3.6.3 Análise da Taxa de Retorno sobre Investimentos (Margem


de Lucro X Giro do Ativo);

3.6.4 Análise de outras Demonstrações Contábeis.


INDICADORES
Resultado obtido da divisão de duas grandezas.

Por exemplo, se a empresa tiver $ 1.500 a receber e


$ 1.000 a pagar, obteremos um índice igual a 1,50:

Contas a receber = 1.500 = 1,50 índice/quociente


Contas a pagar 1.000

1ª etapa: que chamamos de cálculo do índice;


2ª etapa: é a interpretação, isto é, o que significa o 1,50;
3ª etapa: a mais importante, é a conceituação do índice,

ou seja, queremos saber se ele é bom, razoável ou ruim, etc


ANÁLISE VERTICAL
 Permite determinar a participação relativa (ou relação percentual)
de cada conta ou grupo de conta dentro do conjunto total,
também conhecido por Análise por Coeficientes
 Ao examinar um Balanço Patrimonial, visualizamos o conjunto de
elementos, representativos dos Bens, dos Direitos, das
Obrigações e do Patrimônio Líquido.
 Conforme já visto, o Passivo mostra a origem dos capitais que
estão à disposição da empresa e o Ativo mostra onde esses
capitais foram aplicados.
 Quando fazemos a divisão de uma grandeza por outra
1.500 , nossos olhos leem no sentido vertical, daí chamamos
1.000 de Análise Vertical, considerando dados de um mesmo
período (mesmo ano).
ANÁLISE VERTICAL – Continuação ...
 Para se calcular a análise vertical divide-se o valor da conta
desejada pela conta escolhida como base de comparação. Caso
queira encontrar este índice na forma percentual, multiplica-se por
cem.
Fórmula: Número índice = Conta desejada x 100
Conta base
 No Balanço Patrimonial a conta base é, normalmente,
considerada o valor total do Ativo e Passivo. Contudo, pode ser
calculada separadamente a composição de cada grupo.
 No caso da Demonstração do Resultado do Exercício a conta
base analisada é a Receita Líquida de vendas ou serviços. Assim
já estão sendo descontados os impostos, devoluções e
abatimentos que incidem diretamente sobre a receita bruta ou
sobre o faturamento.
Observação: A reclassificação das Despesas Financeiras provocará alteração nas
informações referentes ao lucro operacional
EXEMPLO DE ANÁLISE VERTICAL
Veja o seguinte Balanço Patrimonial:
Balanço Patrimonial da Comercial Memphis Bells S/A em 31/12/2006
ATIVO % PASSIVO %
ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE
Disponível 2.000 7,41% Fornecedores 4.000 14,81%
Créditos 8.000 29,63% Salários a pagar 1.000 3,70%
Despesas antecipadas 10.000 37,04% TOTAL 5.000 18,51%
TOTAL 20.000 74,07%
PASSIVO NÃO CIRCULANTE
Exigível a longo prazo 4.000 14,82%
ATIVO NÃO CIRCULANTE TOTAL 4.000 14,82%
Realizável a longo prazo 1.000 3,70%
Investimentos 1.000 3,70%
Imobilizado 2.000 7,41% PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Intangível 2.000 7,41% Capital social 15.000 55,56%
Diferido 1.000 3,70% Reservas de lucro 3.000 11,11%
TOTAL 7.000 25,93% TOTAL 18.000 66,67%
TOTAL ATIVO 27.000 100% TOTAL PASSIVO 27.000 100%

Veja como a situação do Balanço Patrimonial da empresa acima fornece dados para
interpretação:
ORIGEM DOS RECURSOS
 As fontes de recursos à disposição da empresa são de $ 27.000,00 (total do
passivo), sendo que $ 18.000, ou seja, 66,67% correspondem a Capitais Próprios
e $ 9.000, ou seja, 33,33% (total do passivo circulante e não circulante)
correspondem as Capitais de Terceiros.
 Os Capitais Próprios estão assim compostos:
o Os valores financiados pelos sócios e acionistas foram de $15.000, ou seja,
55,55% das fontes de recursos.
o As reservas de lucros destinadas a garantir o capital próprio da empresa foram
de $3.000, ou seja, 11,11% das fontes de recursos.
 Os Capitais de terceiros totalizam $ 9.000, ou seja, 33,33% correspondentes à
soma dos valores do passivo circulante com o passivo não circulante.
o O Passivo Circulante correspondem a débitos decorrentes do funcionamento
normal da empresa – Fornecedores (compras a prazo) e Salários a pagar,
representam 18,51% dos recursos adquiridos junto a terceiros.
o O Passivo não Circulante corresponde a débito decorrente de dívida assumida
pela empresa em longo prazo, representado 14,82%.
APLICAÇÃO DOS RECURSOS
 As fontes de recursos à disposição da empresa foram
aplicadas no Ativo da seguinte forma:
o No Ativo Circulante, ou Capital de Giro Financeiro, foram
aplicados $ 20.000,00, que correspondem a 74,08%.
o No Ativo não Circulante, $ 7.000,00 que equivalem 25,93%.
 As fontes de recursos aplicados no Ativo Circulante estão
assim compostas:
o $ 2.000, ou seja, 7,41% dos recursos foram aplicados em
disponibilidades (Caixa e Bancos).
o $ 8.000, ou seja, 29,63% dos recursos foram aplicados em
direitos a serem realizados (Créditos) que foram aplicados em
estoque a serem revendidos (Mercadorias).
o $ 10.000, ou seja, 37,04% representam as despesas
antecipadas, como seguros a vencer.
APLICAÇÃO DOS RECURSOS – Continuação ...
 As fontes de recursos aplicados no Ativo não Circulante
estão assim compostas:
o $ 1.000, ou seja, 3,70% dos recursos foram aplicados em imóveis
para venda a realizar após a longo prazo.
o $ 1.000, ou seja, 3,70% dos recursos foram aplicados em
investimentos (Participações em empresas).
o $ 2.000, ou seja, 7,42% dos recursos foram aplicados no
imobilizado em bens de uso (Veículos, Móveis e Equipamentos).
o $ 2.000, ou seja, 7,41% dos recursos foram aplicados em bens
intangíveis como Fundo de comércio.
o $ 1.000, ou seja, 3,70% dos recursos foram aplicados em gastos
pré-organizacionais.
 Além desses dados que acabamos de analisar, poderão ser
extraídos outros dados para fins de análise. A interpretação
será estudada nos capítulos seguintes.
Observe a seguinte Demonstração do Resultado do Exercício (não
reclassificada):

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADOP DO EXERCÍCIO DA COMERCIAL MEMPHIS BELLS S/A


EM 31/12/2004
ITENS $ % $ %
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 30.000 100%
(-) CUSTO DAS MERCADORIS VENDIDAS (12.000) 40,00%
(=) RESULTADO BRUTO 18.000 60,00%
(-) DESPESAS OPERACIONAIS
 Administrativas 5.000 16,67%
 Comerciais 1.000 3,33%
 Financeiras 8.000 26,67% (14.000) 46,67%
(=)RESULTADO OPERACIONAL 4.000 13,33%
(+) RECEITAS FINANCEIRAS E DEMAIS GANHOS 4.000 13,33%
(-) Provisão para o IR (1.000) 3,33%
(=) LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 7.000 23,33%

Veja como a demonstração acima permite a extração de dados para serem interpretados:
Análise Vertical da DRE:
 O Custo das Mercadorias Vendidas, que foi de $ 12.000, correspondem a
40% da Receita Líquida com Vendas.

 O Resultado Bruto, que foi de $ 18.000, corresponde a 60% da Receita com


Vendas.

 As Despesas Administrativas, que foram de $ 5.000, correspondem a


16,67% das Receitas com Vendas.

 As Despesas Comerciais, que foram de $ 1.000, correspondem a 3,337%


das Receitas com Vendas.

 As Despesas Financeira, que foram de $ 8.000, correspondem a 26,67% das


Receitas com Vendas.

 As Receitas Financeiras e demais ganhos, que foi de $ 4.000, correspondem


a 13,33% da Receita com Vendas.

 O Lucro Líquido do Exercício, que foi de $ 3.000, correspondem a 10,00% da


Receita com Vendas.
ANÁLISE HORIZONTAL
 Comparação, por meio de números índices, entre as contas
e grupos de uma certa entidade em exercícios consecutivos.
Visa a mostrar o desempenho de cada conta ou grupo de
contas ao longo do período analisado.
 Vários períodos (semestres, anos, etc.), analisamos a
tendência do índices. Nesse caso, chamamos de Análise
Horizontal, pois nossos olhos leem no sentido horizontal.

Índice → Contas a receber = Ano 2000 > Ano 2001 > Ano 2002
Contas a pagar 1,50 1,46 1,39

A tendência desse índice é piorar. Assim fizemos uma análise


Horizontal.
ANÁLISE HORIZONTAL – Continuação ...
 Para se calcular a análise horizontal é preciso identificar
a diferença de valores da mesma conta em períodos
diferentes e dividi-la pela conta anterior, ou a conta base
da análise. Desejando-se encontrar este índice na forma
percentual, também se multiplica por cem.

Fórmula:
Número índice = Variação da conta (Ano 2 – Ano 1) x 100
Valor da Conta inicial (Ano 1)

 Quanto ao cálculo, diferentemente da análise vertical,


não há diferença em relação ao Balanço Patrimonial e a
Demonstração do Resultado do Exercício, sendo ambos
calculado da mesma forma.
Análise Horizontal do BALANÇO PATRIMONIAL
CONTAS Ano 1 % Ano 2 % Evolução
Ano 2 (%) – 1 (%)
ATIVO 27.000 100% 29.900 111% 11%
CIRCULANTE 20.000 100% 20.500 103% 3%
Disponível 2.000 100% 1.500 75% -25%
Créditos 8.000 100% 9.000 113% 13%
Despesas antecipadas 10.000 100% 10.000 100% 0%
NÃO CIRCULANTE 7.000 100% 9.400 134% 34%
Realizável a longo prazo 1.000 100% 1.700 170% 70%
Investimentos 1.000 100% 1.500 150% 50%
Imobilizado 2.000 100% 2.400 120% 20%
Intangível 2.000 100% 2.600 130% 30%
Diferido 1.000 100% 1.200 120% 20%
PASSIVO 27.000 100% 29.900 111% 11%
CIRCULANTE 5.000 100% 6.000 120% 20%
Fornecedores 4.000 100% 5.000 125% 25%
Salários a pagar 1.000 100% 1.000 100% 0%
NÃO CIRCULANTE 4.000 100% 3.500 87% -13%
Exigível a Longo Prazo 4.000 100% 3.500 87% -13%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO 18.000 100% 20.400 113% 13%
Capital Social 15.000 100% 15.000 100% 0%
Reservas de Lucros 3.000 100% 5.400 180% 80%
ORIGEM DOS RECURSOS

 As fontes de recursos à disposição da empresa aumentaram


de $27.000 para $29.900, ou seja, um aumento de 11% em
relação ao ano 1, sendo que o Capital Próprio aumentou de
$18.000 para $20.400, ou seja, um aumento de 13,00%. As
Obrigações a curto prazo aumentaram 20% e a longo prazo
caíram 13%.
 Os Capitais Próprios estão assim compostos:
o Os valores financiados pelos sócios e acionistas se manteve em
relação ao ano 1.
o Os lucros decorrentes da evolução normal da empresa
cresceram 80%.
 Os Capitais de Terceiros a Curto Prazo, cresceram 20%,
sendo que os Fornecedores Contribuições aumentaram em
25% em relação ao ano 1.
APLICAÇÕES DOS RECURSOS
 As aplicações no Ativo Circulante variaram da seguinte forma:
o As disponibilidades, Caixa e Bancos, diminuíram em 25% em
relação ao ano 1.
o Os Créditos aumentaram em 13% em relação a ano 1.
o As Despesas Antecipadas se mantiveram inalteradas.
 As fontes de recursos aplicados no Ativo não Circulante
apresentaram as seguintes variações:
o Os recursos aplicados no Realizável a Longo Prazo cresceram em
70%.
o Os recursos aplicados em Investimentos cresceram em 50%.
o Os recursos aplicados no imobilizado em bens de uso (Veículos,
Móveis e Equipamentos) cresceram em 20%.
o Os aplicados no ativo Intangíveis aumentaram em 30% com
relação ao ano anterior.
o Os recursos aplicados em Diferido (despesas pré-organizacionais)
cresceram em 20%.
Análise Horizontal da DRE

Contas Ano 01 % Ano 2 % Evolução


Ano 2 (%) – 1 (%)

Receita Operacional Bruta 100.000 100% 110.000 110% 10%


(-) Deduções da Rec. Oper. Bruta (20.000) 100% (21.000) 105% 5%

Receita Operacional Líquida 80.000 100% 89.000 111% 11%


(-) CMV (10.000) 100% (10.000) 0% 0%

(=) Resultado Bruto 70.000 100% 79.000 113% 13%


(-) Despesas Operacionais:
 Despesas Administrativas (5.000) 100% (8.400) 140% 40%
 Despesas Comerciais (12.000) 100% (10.500) 105% 5%

(=) Resultado Operacional 53.000 100% 60.100 113% 13%


(+) Receitas Financ./demais 5.000 100% 6.000 120% 20%
ganhos
(=) Result. Líq. Antes IRPJ/CSLL 58.000 100% 66.100 114% 14%

(-) Provisão para IR (8.000) 100% (9.000) 113% 13%


(=) Lucro do Exercício 50.000 100% 57.100 114% 14%
 As Receitas Operacionais Brutas aumentaram em 10%, sendo que
as deduções correspondentes subiram 5% em relação ao ano 1
 As Receitas a Operacionais Líquidas aumentaram em 11% em
relação ao ano 1.
 O Custo das Mercadorias Vendidas se mantiveram sem alteração.
 O Resultado Bruto aumentou em 13 em relação ao ano 1.
 As Despesas Administrativas aumentaram em 40% em relação ao
ano 1.
 As Despesas Comerciais aumentaram em 5% em relação ao ano 1.
 As Receitas Financeiras e demais ganhos subiram 20%
 O Resultado Líquido antes o IRPJ/CSLL aumentou em 14% em
relação ao ano 1.
 O Lucro do Exercício aumentou em 14% em relação ao ano 1.
ANÁLISE DA TAXA DE RETORNO SOBRE O
INVESTIMENTO
 Uma empresa constituída com fins econômicos tem, como
maior objetivo o lucro;
 A empresa só terá razão de continuidade se der lucro, ou
seja, retorno do investimento dos sócios/acionistas;
 Os administradores serão bem sucedidos se tornarem
essa empresa rentável.
 A gerência é considerada eficiente quando a administração
do Ativo da empresa gerar lucro.

TRATAREMOS DESTA ANÁLISE NO CAPÍTULO 7


ANÁLISE DE OUTRAS DEMONSTRAÇÕES
CONTÁBEIS
 Como vimos, a análise do BP e da DRE constitui-se parte
fundamental do processo de Análise das Demonstrações
Contábeis;
 Entretanto a análise de outras demonstrações como DLPA,
DMPL, DOAR, DFC e DVA enriquecem a interpretação da
situação econômico-financeira da empresa em análise.
RESUMINDO...
ANÁLISE VERTICAL OU DE ESTRUTURA: COMPARAÇÕES
RELATIVAS ENTRE OS VALORES DOS ELEMENTOS DE UMA
DEMONSTRAÇÃO CONTÁBIL

ANÁLISE HORIZONTAL OU DE EVOLUÇÃO: INDICA A EVOLUÇÃO


DE VALORES AO LONGO DO TEMPO, COMPARANDO-SE DUAS OU
MAIS DEMONS-TRAÇÕES CONTÁBEIS

ANÁLISE POR QUOCIENTES- (Indicadores)


CONSISTE NA RELAÇÃO ENTRE DOIS VALORES DE SALDOS DE
CONTAS OU DE GRUPOS DE CONTAS, ORIGINANDO ÍNDICES QUE
INDICAM ASPECTOS DA SITUAÇÃO ECONÔMICA OU FINANCEIRA
DA EMPRESA

Análise da Taxa de Retorno sobre Investimentos

Análise de Outras Demonstrações Contábeis


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ASSAF NETO, Alexandre. Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico-
financeiro. São Paulo: Atlas, 2002.
BRAGA, Hugo Rocha. Demonstrações contábeis. Estrutura, análise e interpretação.
São paulo: Atlas, 2003.
IUDÍCIBUS, Sérgio de. Análise de balanços. Livro texto e livro de exercícios. São
paulo: Atlas, 1998.
IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. Contabilidade Comercial. São Paulo:
Atlas, 2006.
MARION, José Carlos. Contabilidade empresarial. Livro Texto.São Paulo: Atlas, 1998.
____. Contabilidade empresarial. Livro de exercícios.Texto.São Paulo: Atlas, 1998.
____. Análise das demonstrações contábeis. Contabilidade empresarial. São Paulo:
Atlas, 2002.
MATARAZZO, Dante C. Análise financeira de balanço: abordagem b´asica e gerencial.
São Paulo: Atlas, 2003.
NEVES, Silvério das; VICECONTI, Paulo E. V. Contabilidade Básica. Estrutura das
demonstrações financeiras. São Paulo: Frase, 2004.
SANTI FILHO, A . de. Análise de balanços para controle gerencial. São Paulo: Atlas,
1993.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Princípios fundamentis e
normas brasileiras de contabilidade. Brasília: CFC, 2006.
INFORMAÇÕES OBJETIVAS PUBLICAÇÕES JURÍDICAS LTDA. Textos
legais. São Paulo: IOB, 2002/2008.
IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. Curso de contabilidade para
não contadores: Para as áreas de administração, economia, direito e
engenharia.. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.
RIBEIRO, O. M. Estrutura e análise de balanços fácil. São Paulo: Saraiva,
1999.
SOBANSKI, J. J. Prática de orçamento empresarial: um exercício
programado. São Paulo: Atlas, 2000.
SÁ, Antonio Lopes. Dicionário de contabilidade. 9. ed. São Paulo: Atlas,
1995.