Você está na página 1de 36

B-Cavidades

POROSIDADES/GASES
B-Cavidades
POROSIDADES/GASES

Endógenas: gases provenientes do metal (de


origem metalúrgica)
Causas Endógenas
- Quantidade de gás demasiado alto no banho
metálico;
- No aço e no FoFo formação de óxido de
carbono; existe a possibilidade de difusão do
hidrogênio;
B-Cavidades
POROSIDADES/GASES
Exógenas: gases provenientes dos materiais que
constituem os moldes e machos retidos
mecanicamente;

Causas Exógenas
- Elevada umidade de moldes e machos;
- Aglomerantes com elevada tendência em
desprender gases;
B-Cavidades
POROSIDADES/GASES
Exógenas: gases provenientes dos materiais que
constituem os moldes e machos retidos
mecanicamente;

Causas Exógenas
- Pintura com forte tendência de liberação de
gases;
- Insuficiente saída de gases;
- Baixa permeabilidade da areia do molde e
macho;
- Arraste de ar pelos canais;
B-Cavidades
POROSIDADES/GASES
Ações
- Prever saída de gases e ar dos moldes através de
respiros devidamente adequados;
- Aumentar a permeabilidade das areias de
macho e molde;
-Boa secagem dos moldes com maçarico;
- Controlar a umidade da areia;
- Diminuir a porcentagem dos aglomerantes ou
trocá-los;
B-Cavidades
POROSIDADES/GASES
Ações
- Empregar tintas que sejam formadoras de gases
redutores;
- Modificar a relação e canais;
- Aumentar a pressão metalostática com
aumento da altura do canal de descida;
- Desoxidar o banho metálico;
- Evitar uma reoxidação;
- Evitar o emprego de cargas oxidadas;
- Controlar a temperatura e o tempo de
vazamento;
B-Cavidades
RECHUPES (CHUPAGEM)
Rechupes Típicos

Definição
Cavidades mais ou menos dispersas, abertas ou fechadas,
com paredes rugosas de formato dendrítico. Em ligas
eutéticas são lisas, localizadas nas zonas que se solidificam
por último ou também em contato de ângulos entrantes nas
peças, nos machos e nas proximidades dos ataques
B-Cavidades
RECHUPES (CHUPAGEM)
B-Cavidades
RECHUPES (CHUPAGEM)
Causas
- Contração volumétrica como resultado da
solidificação do metal;
- Gases desprendidos pelo molde em combinação
com a pressão atmosférica;
- Deformação dos moldes por sua dilatação,
devido a altas temperaturas de vazamento e da
pressão metalostática;
B-Cavidades
RECHUPES (CHUPAGEM)
Ações
- Projetar peças com espessura, cujos módulos
são quase iguais, se possível, crescente em
relação aos massalotes;
- Nos FoFos pode-se diminuir a contração
variando-se a quantidade de grafita;
- Diminuir a temperatura de vazamento quando
possível;
- Colocar massalotes na região de maior módulo;
- Usar produto exotérmico;
C-Trincas (Rupturas/Fraturas)
TRINCAS À FRIO

Definição
É uma descontinuidade da peça, visível, que a divide em
fragmentos, cuja geometria da peça não permite supor que
houve um efeito de contração durante seu resfriamento. O
aspecto da fratura não é oxidado
C-Trincas (Rupturas/Fraturas)
TRINCAS À FRIO
C-Trincas (Rupturas/Fraturas)
TRINCAS À FRIO

Causas
- Manuseio da peça mal feito na desmoldagem,
na quebra de canal ou no seu transporte;
- Excessivo esforço durante a rebarbação e/ou na
usinagem;
Ações
- Tomar os devidos cuidados nas operações
citadas;
C-Trincas (Rupturas/Fraturas)
TRINCAS À QUENTE

Definição
É uma descontinuidade da peça, visível, que a divide em
partes, cujo aspecto da fratura é toda oxidada e a sua
geometria não permite supor que houve efeito de contração
durante seu resfriamento
C-Trincas (Rupturas/Fraturas)
TRINCAS À QUENTE
C-Trincas (Rupturas/Fraturas)
TRINCAS À QUENTE

Causas
- Desmoldagem muito rápida ou prematura;
- Movimentação brusca, batidas;

Ações
- Cuidado no manuseio da desmoldagem,
principalmente quando a peça ainda está rubra;
- Dar tempo suficiente para a desmoldagem,
esfriando a peça dentro do molde;
D-Superfícies Defeituosas
ESMAGAMENTO

Definição
Depressão de pequena extensão, com idêntico aspecto
superficial do resto da peça; é um defeito que corresponde à
uma deformação de desprendimento de parte da superfície
do molde
D-Superfícies Defeituosas
ESMAGAMENTO
D-Superfícies Defeituosas
ESMAGAMENTO
Causas
- Uma parte do molde se desprendeu;

- Falta de planicidade no suporte do molde;


D-Superfícies Defeituosas
ESMAGAMENTO
Ações
- Tomar os devidos cuidados nas operações
citadas;
E-Peça Incompleta
FALTA DE ENCHIMENTO

Definição
A peça está completa à exceção das arestas qu estão
arredondadas; tratando-se FoFo a superfície é brilhante e lisa
E-Peça Incompleta
FALTA DE ENCHIMENTO
E-Peça Incompleta
FALTA DE ENCHIMENTO
Causas

- Falta de fluidez do metal líquido, devido a


temperatura de vazamento baixa, em relação a
sua composição química;
- Enchimento demasiadamente lento em
decorrência de relação de canais;
- Permeabilidade da areia baixa;
- Respiros e canal de subida mal dimensionados;
E-Peça Incompleta
FALTA DE ENCHIMENTO
Ações
- Aumentar a temperatura de vazamento de
acordo com a composição química e espessura da
peça;
- Rever a relação de canais;
- Melhorar a permeabilidade e saída de gases;
E-Peça Incompleta
FALTA DE METAL (Vazamento interrompido)

Definição
A peça está incompleta, as arestas estão ligeiramente
arredondadas na parte superior; as inferiores estão corretas
E-Peça Incompleta
FALTA DE METAL (Vazamento interrompido)
E-Peça Incompleta
FALTA DE METAL (Vazamento interrompido)
Causas
- Quantidade insuficiente de metal líquido na
panela de vazamento;
- Interrupção no vazamento;
Ações
- Colocar quantidade suficiente de metal na
panela de vazamento;
- Rever a relação de canais;
- Treinar operadores;
F-Dimensões ou Forma Incorreta
DEFORMAÇÃO DEVIDO À CONTRAÇÃO

Definição
A peça apresenta em sua totalidade ou localmente uma
deformação, em relação ao plano do modelo ou do molde.
Essas deformações podem se repetir, mais ou menos,
regularmente, sobretudo em regiões de diferentes espessuras
F-Dimensões ou Forma Incorreta
DEFORMAÇÃO DEVIDO À CONTRAÇÃO
F-Dimensões ou Forma Incorreta
DEFORMAÇÃO DEVIDO À CONTRAÇÃO
Causas
- Obstáculos que impedem a contração devido a
geometria da peça;
- Técnicas de moldagem mal feitas;
- Contração irregular causada por uma
desmoldagem rápida;
F-Dimensões ou Forma Incorreta
DEFORMAÇÃO DEVIDO À CONTRAÇÃO
Ações
- Se possível mudar a forma geométrica;
- Adotar técnica de vazamento de maneira a
distribuir a temperatura uniformemente;
- Acertar o tempo e a temperatura de vazamento
mais adequada;
- Quebrar massalote/canais, após o vazamento;
- Fazer alívio ou colocar machos de alta
colapsibilidade em pontos que possam aliviar a
tensão na areia;
- Esfriar a peça fundida no molde;
G-Inclusões
INCLUSÃO DE ESCÓRIA E/OU PRODUTO USADO NO
BANHO METÁLICO

Definição
Inclusão não metálica de forma irregular, com aspecto de
escória de forno e/ou panela de vazamento e/ou produto de
tratamento do banho, situado nas regiões da tampa ou partes
inferiores dos machos; quando removidas apresentam parde
lisa. As inclusões de escória podem vir acompanhadas de uma
cavidade proveniente dos gases por elas desprendidos
G-Inclusões
INCLUSÃO DE ESCÓRIA E/OU PRODUTO USADO NO
BANHO METÁLICO
G-Inclusões
INCLUSÃO DE ESCÓRIA E/OU PRODUTO USADO NO
BANHO METÁLICO
Causas
- Escória do forno / panela / bicas e etc;
- Adições ao banho metálico não dissolvidos;
Ações
- Limpar escória do forno de fusão;
- Facilitar a aglomeração da escória;
- Para FoFo, aumentar a temperatura do metal no
forno;
G-Inclusões
INCLUSÃO DE ESCÓRIA E/OU PRODUTO USADO NO
BANHO METÁLICO
Causas
- Escória do forno / panela / bicas e etc;
- Adições ao banho metálico não dissolvidos;
Ações
- Usar panela bico de chaleira;
- Manter o canal de vazamento cheio, até o seu
término;
- Usar filtros;
G-Inclusões
INCLUSÃO DE ESCÓRIA E/OU PRODUTO USADO NO
BANHO METÁLICO
Causas
- Escória do forno / panela / bicas e etc;
- Adições ao banho metálico não dissolvidos;
Ações
- Prever no sistema de canais, retenção de
escórias;
- Colocar as partes usinadas, sempre que possível,
no molde do fundo;
- Usar cargas no forno com sucata limpa e não
oxidadas;